SlideShare uma empresa Scribd logo
Auto da barca do inferno, de Gil Vicente
Personagem Símbolos
caracterizadores
Argumentos de acusação Argumentos de
defesa
Movimentação
Cénica e Motivo
da condenação
Tipos de cómico Registos de
língua
Recursos
estilísticos
FIDALGO
- Pagem
- Cadeira
- Rabo (cauda do
manto)
. símbolos do
poder, da riqueza
e da vaidade;
. o Pagem serve
como “prova
judicial” para a
condenação e é
um elemento que
destaca a cate-
goria social do
Fidalgo.
- Utilizados pelo Diabo:
. «Vejo-vos eu em feição pêra ir ao
nosso cais»
. Tu viveste a teu prazer»
. «Segundo lá escolheste»
- Utilizados pelo Anjo:
. «Não se embarca tirania neste batel
divinal»
. «Pêra vossa fantasia mui estreita é
esta barca»
. «Não vindes vós de maneira pêra ir
neste navio»
. «com fumosa senhoria, cuidando na
tirania do pobre povo queixoso; e
porque, de generoso, desprezastes os
pequenos, achar-vos-ês tanto menos
quanto mais fostes fumoso»
. «Que leixo na outra
vida quem reze
sempre por mim»
. «pois parti tão sem
aviso»
. «Sou fidalgo de
solar, é bem que me
recolhais.»
. «Pêra senhor de tal
marca nom há aqui
mais cortesia?»
- Entra, dirige-se à
barca do Diabo,
depois vai à barca
do Anjo e por fim
regressa à barca
do Diabo, onde
entra.
. É condenado
devido à sua
vaidade, tirania,
desprezo pelos
pequenos e por
causa da vida
imoral que levava
(infidelidade)
- Cómico de situação:
. «Pêra lá vai a senhora»
- Cómico de linguagem:
. «Que giricocins,
salvanor»
- Cómico de carácter:
. «tornarei à outra vida
ver minha dama querida
que se quer matar por mi»
.«Dá-me licença, te peço,
que vá ver minha
mulher».
- Linguagem
corrente:
. «Isso bem
certo o sei
eu.»
- Linguagem
popular:
«Par Deus,
aviado
estou!»
- Linguagem
cuidada:
«Porém, a
que terra
passais?»
- Eufemismo:
. «vai para a ilha
perdida»
- Ironia;
. «ò poderoso dom
Amrique»
. «Embarqu’a vossa
doçura, que cá nos
entederemos»
- Antítese:
.«Segundo lá
escolhestes,, assi cá
vos contentai»
- Metáfora:
. «Oh! Que maré
tão de prata»
. «Ó barca, como és
ardente!»
ONZENEIRO
- Bolsão
. símbolo de
avidez, de
ganância, da
ambição pela
riqueza
- Utilizados pelo Diabo:
. «onzeneiro meu parente»
. «Irás servir Satanás porque sempre te
ajudou»
- Utilizados pelo Anjo:
. «Porque esse bolsão tomará todo o
navio»
. «Não já no teu coração»
. «Ó onzena, como és fea e filha de
maldição!»
. «Solamente pêra o
barqueiro nom me
leixaram nem tanto»
. «Juro a Deus que
vai vazio!»
. «Lá me fica de
ródão minha fazenda
e alhea»
- Entra, dirige-se à
barca do Diabo,
depois vai à barca
do Anjo e por fim
regressa à barca
do Diabo, onde
entra.
. É condenado
porque cobrava
juros muito altos
e por ser
demasiado
ambicioso
- Cómico de carácter:
. «Quero lá tornar ao
mundo e trarei o meu
dinheiro»
- Cómico de linguagem:
. «dá-me tanta
borregada como arrais
lá no Barreiro»
- Cómico de situação:
. «Dar-vos-ei tanta
pancada com um remo,
que renegues!»
- Linguagem
corrente
. presente
em todo o
texto
- Linguagem
popular:
. «Pesar de
São Pimen-
tel, nunca
tanta pressa
vi»
- Ironia:
. «Ora mui muito
me espanto nom
vos livrar o
dinheiro»
. «Oh! Que gentil
recear»
- Eufemismo:
. «me deu Saturno
quebranto»
. «Pera a infernal
comarca.»
- Metáfora:
. «onzeneiro meu
parente»
Personagem
Símbolos
caracterizadores
Argumentos de acusação Argumentos de defesa Movimentação
cénica e Motivo da
condenação
Tipos de cómico Registos de
língua
Recursos
estilísticos
Joane,oPARVO
- Não há
símbolos
caracterizadores
(o que remete
para a sua
simplicidade)
- Não há argumentos de
acusação
- Utilizados pelo Anjo:
. «porque em todos teus
fazeres per malícia
nom erraste, tua
simpreza t’abaste pera
gozar dos prazeres» (ou
seja, era uma pessoa
simples e sem maldade)
. Entra, dirige-se à
barca do Diabo e vai
depois à barca do
Anjo. Fica no cais, à
espera que «venha
alguém merecedor de
tal bem que deva
entrar aqui»
. Não é condenado
pois é uma pessoa
simples e sem malícia
- Cómico de linguagem:
. sobretudo pelas
asneiras e pelo
vocabulário relacionado
com caprolalia.
- Cómico de situação:
. quando Joane insulta o
Diabo
- Cómico de carácter:
. a maneira de ser de
Joane provoca o riso
(«de pulo ou de vôo?»
- Calão :
.asneiras,
caprolalia
- Linguagem
popular:
.«Hou! Pesar de
meu avô!»
.«Antrecosto
de carrapato»
- Linguagem
corrente:
. no diálogo
com o Anjo
- Eufemismo:
. «Ao porto de
Lúcifer»
- Repetição:
«Aguardai,
aguardai,
houlá!»
- Expressões
injuriosas:
. «Barca do
cornudo»
. «filho da
grande
aleivosa»
SAPATEIRO
- Avental
- Formas
. símbolos da sua
profissão, com a
qual roubava o
povo
- Utilizados pelo Diabo:
. «E tu morreste escomungado
nom o quiseste dizer»
. «calaste dous mil enganos.
. «Tu roubaste bem trint’anos o
povo com teu mister»
. «Ouvir missa, então roubar é
caminho per’aqui»
. «E os dinheiros mal levados,
que foi da satisfação?»
- Utilizados pelo Anjo:
. «a carrega t’embraça»
. «Essa barca que lá está leva
quem rouba na praça as almas
embraçadas»
. «Se tu viveras direito»
. «Os que morreram
confessados, onde têm
sua passagem?»
. «confessado e
comungado»
. «Quantas missas eu
ouvi, nom me hão elas
de prestar
. «E as ofertas, que
darão? E as horas de
finados?
. «Isto uxiquer irá»
. «quatro forminhas
cagadas que podem
bem ir i chentadas num
cantinho desse leito
- Entra, dirige-se à
barca do Diabo, depois
vai à barca do Anjo e
por fim regressa à
barca do Diabo, onde
entra.
. É condenado porque
morreu excomungado,
é mentiroso e roubou o
povo durante trinta
anos com a sua
profissão (daí a sua
prática religiosa não
lhe valer de nada).
- Cómico de linguagem:
.«e da puta da barcagem»
.«nem à puta da badana»
- Cómico de carácter:
«Mandaram-me vir
assi…».
- Gíria:
«cordovão»,
«badana»,
«forminhas»
- Linguagem
popular:
. «é esta boa
traquitana»
- Calão:
«puta»,
«cagadas»
- Linguagem
corrente:
. sobretudo na
fala do Anjo
- Ironia:
. «Santo sapateiro
honrado!»
- Eufemismo:
. «lago dos
danados»
- Hipérbole:
«calaste dous
mil enganos»
- Jogo de
linguagem
. «que vá cozer o
Inferno»
- Antítese:
. «...comungado?
E tu morreste
escomungado»
- Metáfora:
. «almas
embaraçadas»
Personagem Símbolos
caracterizadores
Argumentos de acusação Argumentos de
defesa
Movimentação
Cénica e Motivo da
condenação
Tipos de cómico Registos de
língua
Recursos
estilísticos
Personagem Símbolos Argumentos de acusação Argumentos de Movimentação Tipos de cómico Registos de Recursos
FRADE
- Moça
- Espada
- Casco
- Broquel
[símbolos da sua
dedicação às
coisas do mundo
(«padre munda-
nal», «Frei
Capacete») e de
não praticar do
celibato («padre
marido»)]
- Hábito
- Utilizados pelo Diabo:
. «Pêra aquele fogo ardente que
nom temestes vivendo»
. «padre mundanal»
. «padre marido»
. «padre Frei Capacete»
. «Som cortesão»
. «E eles fazem outro
tanto!»
. «E est’hábito no me
vale?»
. «Um padre … tanto
dado à virtude?»
. «Nom ficou isso
n’avença.»
. «com tanto salmo
rezado?»
. «Sabê que fui da
pessoa! Esta espada é
roloa e este broquel
Rolão»
.«Padre que tal
aprendia no Inferno
há-de haver pingos?»
. «minha reverença»
- Entra, dirige-se à barca
do Diabo, depois vai à
barca do Anjo e por fim
regressa à barca do
Diabo, onde entra.
. É condenado porque
se dedicava às coisas do
mundo (esgrima,
dança) e não praticava o
celibato (traz uma moça
pela mão que «Por
minha la tenho eu»). É
significativo o facto de
o Anjo nem sequer lhe
dirigir a palavra, o que
revela o desprezo por
esta figura!
- Cómico de situação e
- Cómico de carácter:
. quando entra em cena
a cantar e a dançar
(ainda por cima, com
uma moça pela mão!) e
quando dá uma lição de
esgrima
- Cómico de linguagem:
.«Furtaste o trinchão,
frade?»
- Gíria:
.«Deo gratias»
«sus», «um
fendente»,
«levada»,
«talho largo»,
«revés»,
«colher os pés» e
«segunda
guarda», etc.
- Linguagem
popular:
«palha
n’albarda»,
«Ah! nom
praza a São
Domingos»
- Ironia
« Fezeste bem, que
é fermosa!»
«Devoto padre»,
«Dê…lição
d’esgrima, que é
cousa boa!»
«Que cousa tão
preciosa!»
- Eufemismo
«fogo ardente»
- Antítese
«padre mundanal»,
«padre marido»
- Comparação:
«Tão bem
guardado como a
palha n’albarda»
ALCOVITEIRA
- Seiscentos
virgos postiços
- Três arcas de
feitiços
- Três almários
de mentir
- Cinco cofres de
enlheos
- Alguns furtos
alheos (jóias e
guarda-roupa)
- Moças
.«Eu sô ua martela tal,
açoutes tenho levados e
tormentos soportados
que ninguém me foi
igual. Se fosse ò fogo
infernal, lá iria todo o
mundo»
.«a que criava as meni-
nas para os cónegos da
Sé»
.«E eu som apostolada,
angelada e martelada e
fiz cousas mui divinas.
Santa Úrsula nom con-
verteo tantas cachopas
como eu: todas salvas
pólo meu, que nenhua
se perdeo (…) que todas
acharam dono (…) Nem
ponto se me perdeo!»
- Entra, dirige-se à barca
do Diabo, depois vai à
barca do Anjo e por fim
regressa à barca do
Diabo, onde entra.
. É condenado devido à
vida que levava: criava
meninas para os
cónegos da Sé e para a
prostituição (e «todas
acharam dono»),
mentindo e vivendo da
exploração das
raparigas (prostituição)
- Cómico de linguagem:
.«Cuidas que trago
piolhos»
- Cómico de situação e
- Cómico de carácter
(quando tenta seduzir o
Anjo, com “palavrinhas
doces” e quando,
mesmo depois de
morta, se mostra
preocupada com a sua
aparência («pareço mal
cá de fora»)
- Ironia
«Que saboroso
arrecear»
- Eufemismo
«fogo infernal»
- Comparação
«Santa Úrsula nom
converteo tantas
cachopas como eu»
- Metáfora:
«meu amor, minhas
boninas, olho de
perlinhas finas»
caracterizadores
defesa
Cénica e Motivo da
condenação
língua estilísticos
PROCURADOR
- Entra, dirige-se à barca
do Diabo, depois vai à
barca do Anjo e por fim
regressa à barca do
Diabo, onde entra.
. o Procurador é conde-
nado porque fora
conivente com o
Procurador, sendo
«filhos da ciência»
- Cómico de linguagem:
. uso do latim
macarrónico
- Cómico de carácter:
. o corregedor pretende,
neste julgamento, um
oficial de justiça
- Cómico de situação:
» :
QUATROCAVALEIROS
- Entram, a cantar, e
vão direitos à barca do
Anjo, onde entram.
- Não são condenados.
Vão para o Paraíso pois
morreram a lutar por
Cristo e «quem morre
em tal peleja merece
paz eternal».
QUATROCAVALEIROS
- Entram, a cantar, e
vão direitos à barca do
Anjo, onde entram.
- Não são condenados.
Vão para o Paraíso pois
morreram a lutar por
Cristo e «quem morre
em tal peleja merece
paz eternal».

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_AlcoviteiraAuto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
sin3stesia
 
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Delfina Vernuccio
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O frade
Zé Carlos Barbosa
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
ElisabeteMarques
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
William Ferraz
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Caroline Gouveia
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Beatriz Campos
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
AnaGomes40
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
annapasilva
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
Rosalina Simão Nunes
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
ElisabeteMarques
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
Fernanda Soares
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
Carla Scala
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
Margarida Ramos
 
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Toninho Mata
 
Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
franciscaf
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Francisco Teixeira
 
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
Gabriel Lima
 

Mais procurados (20)

Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro
Onzeneiro
 
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_AlcoviteiraAuto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
 
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O frade
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
A alcoviteira
A alcoviteiraA alcoviteira
A alcoviteira
 
Cena Fidalgo
Cena FidalgoCena Fidalgo
Cena Fidalgo
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
 
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
 
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
 

Semelhante a Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos

grelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdf
grelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdfgrelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdf
grelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdf
SusanaMarques87
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil VicenteO Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
vestibular
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
DavidMonteiro65
 
76
7676
Abi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bomAbi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bom
paulaoliveiraoliveir2
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
paulaoliveiraoliveir2
 
Barca gvicente
Barca gvicenteBarca gvicente
Barca gvicente
Vinicius O Resiliente
 
Aula definitiva-auto-da-barca
Aula definitiva-auto-da-barcaAula definitiva-auto-da-barca
Aula definitiva-auto-da-barca
Cooperativa do Saber
 
Auto Da Barca
Auto Da BarcaAuto Da Barca
Auto Da Barca
Zofia Santos
 
Auto Da Barca
Auto Da BarcaAuto Da Barca
Auto Da Barca
Zofia Santos
 
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptxQuadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Lara Silva
 
Aula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barcaAula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barca
Zofia Santos
 
Aula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barcaAula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barca
guest9fbcf8f
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Fábio Oliveira
 
Resumo barcainferno
Resumo barcainfernoResumo barcainferno
Resumo barcainferno
Inês Barão
 
Humanismo - Gil Vicente
Humanismo  - Gil VicenteHumanismo  - Gil Vicente
Humanismo - Gil Vicente
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteira
Benvinda Céu
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
anafilipasampaiofreitas
 
6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese
Catarina_marques
 

Semelhante a Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos (20)

grelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdf
grelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdfgrelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdf
grelhadeanlisedoautodabarcadoinferno9-151114225815-lva1-app6891.pdf
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil VicenteO Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
O Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
 
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
Auto+da+barca+do+inferno power point (4)
 
76
7676
76
 
Abi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bomAbi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bom
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
 
Barca gvicente
Barca gvicenteBarca gvicente
Barca gvicente
 
Aula definitiva-auto-da-barca
Aula definitiva-auto-da-barcaAula definitiva-auto-da-barca
Aula definitiva-auto-da-barca
 
Auto Da Barca
Auto Da BarcaAuto Da Barca
Auto Da Barca
 
Auto Da Barca
Auto Da BarcaAuto Da Barca
Auto Da Barca
 
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptxQuadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
 
Aula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barcaAula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barca
 
Aula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barcaAula definitiva auto_da_barca
Aula definitiva auto_da_barca
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Resumo barcainferno
Resumo barcainfernoResumo barcainferno
Resumo barcainferno
 
Humanismo - Gil Vicente
Humanismo  - Gil VicenteHumanismo  - Gil Vicente
Humanismo - Gil Vicente
 
Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteira
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
 
6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese
 

Mais de Ana Paula

Bandeiras
BandeirasBandeiras
Bandeiras
Ana Paula
 
Historia7e8ano 2
Historia7e8ano 2Historia7e8ano 2
Historia7e8ano 2
Ana Paula
 
Resumoglobalbiologia12ano
Resumoglobalbiologia12anoResumoglobalbiologia12ano
Resumoglobalbiologia12ano
Ana Paula
 
F ava int_2_2_pt2
F ava int_2_2_pt2F ava int_2_2_pt2
F ava int_2_2_pt2
Ana Paula
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
Ana Paula
 
111129717 teste-portugues
111129717 teste-portugues111129717 teste-portugues
111129717 teste-portugues
Ana Paula
 
Gustavao 1
Gustavao 1Gustavao 1
Gustavao 1
Ana Paula
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
Ana Paula
 
Correcção da ft 1 grandezas físicas que caracterizam o movimento.doc
Correcção da ft 1   grandezas físicas que caracterizam o movimento.docCorrecção da ft 1   grandezas físicas que caracterizam o movimento.doc
Correcção da ft 1 grandezas físicas que caracterizam o movimento.doc
Ana Paula
 
Endechasabrbara 111031012541-phpapp02
Endechasabrbara 111031012541-phpapp02Endechasabrbara 111031012541-phpapp02
Endechasabrbara 111031012541-phpapp02
Ana Paula
 
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Ana Paula
 
Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01
Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01
Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01
Ana Paula
 

Mais de Ana Paula (12)

Bandeiras
BandeirasBandeiras
Bandeiras
 
Historia7e8ano 2
Historia7e8ano 2Historia7e8ano 2
Historia7e8ano 2
 
Resumoglobalbiologia12ano
Resumoglobalbiologia12anoResumoglobalbiologia12ano
Resumoglobalbiologia12ano
 
F ava int_2_2_pt2
F ava int_2_2_pt2F ava int_2_2_pt2
F ava int_2_2_pt2
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
 
111129717 teste-portugues
111129717 teste-portugues111129717 teste-portugues
111129717 teste-portugues
 
Gustavao 1
Gustavao 1Gustavao 1
Gustavao 1
 
Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2Ae plv5 teste_avancado2
Ae plv5 teste_avancado2
 
Correcção da ft 1 grandezas físicas que caracterizam o movimento.doc
Correcção da ft 1   grandezas físicas que caracterizam o movimento.docCorrecção da ft 1   grandezas físicas que caracterizam o movimento.doc
Correcção da ft 1 grandezas físicas que caracterizam o movimento.doc
 
Endechasabrbara 111031012541-phpapp02
Endechasabrbara 111031012541-phpapp02Endechasabrbara 111031012541-phpapp02
Endechasabrbara 111031012541-phpapp02
 
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
Errosmeusmfortunaamorardente 130402002701-phpapp01
 
Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01
Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01
Osrecursosexpressivosouasfigurasdeestilo 130204091713-phpapp01
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos

  • 1. Auto da barca do inferno, de Gil Vicente Personagem Símbolos caracterizadores Argumentos de acusação Argumentos de defesa Movimentação Cénica e Motivo da condenação Tipos de cómico Registos de língua Recursos estilísticos FIDALGO - Pagem - Cadeira - Rabo (cauda do manto) . símbolos do poder, da riqueza e da vaidade; . o Pagem serve como “prova judicial” para a condenação e é um elemento que destaca a cate- goria social do Fidalgo. - Utilizados pelo Diabo: . «Vejo-vos eu em feição pêra ir ao nosso cais» . Tu viveste a teu prazer» . «Segundo lá escolheste» - Utilizados pelo Anjo: . «Não se embarca tirania neste batel divinal» . «Pêra vossa fantasia mui estreita é esta barca» . «Não vindes vós de maneira pêra ir neste navio» . «com fumosa senhoria, cuidando na tirania do pobre povo queixoso; e porque, de generoso, desprezastes os pequenos, achar-vos-ês tanto menos quanto mais fostes fumoso» . «Que leixo na outra vida quem reze sempre por mim» . «pois parti tão sem aviso» . «Sou fidalgo de solar, é bem que me recolhais.» . «Pêra senhor de tal marca nom há aqui mais cortesia?» - Entra, dirige-se à barca do Diabo, depois vai à barca do Anjo e por fim regressa à barca do Diabo, onde entra. . É condenado devido à sua vaidade, tirania, desprezo pelos pequenos e por causa da vida imoral que levava (infidelidade) - Cómico de situação: . «Pêra lá vai a senhora» - Cómico de linguagem: . «Que giricocins, salvanor» - Cómico de carácter: . «tornarei à outra vida ver minha dama querida que se quer matar por mi» .«Dá-me licença, te peço, que vá ver minha mulher». - Linguagem corrente: . «Isso bem certo o sei eu.» - Linguagem popular: «Par Deus, aviado estou!» - Linguagem cuidada: «Porém, a que terra passais?» - Eufemismo: . «vai para a ilha perdida» - Ironia; . «ò poderoso dom Amrique» . «Embarqu’a vossa doçura, que cá nos entederemos» - Antítese: .«Segundo lá escolhestes,, assi cá vos contentai» - Metáfora: . «Oh! Que maré tão de prata» . «Ó barca, como és ardente!» ONZENEIRO - Bolsão . símbolo de avidez, de ganância, da ambição pela riqueza - Utilizados pelo Diabo: . «onzeneiro meu parente» . «Irás servir Satanás porque sempre te ajudou» - Utilizados pelo Anjo: . «Porque esse bolsão tomará todo o navio» . «Não já no teu coração» . «Ó onzena, como és fea e filha de maldição!» . «Solamente pêra o barqueiro nom me leixaram nem tanto» . «Juro a Deus que vai vazio!» . «Lá me fica de ródão minha fazenda e alhea» - Entra, dirige-se à barca do Diabo, depois vai à barca do Anjo e por fim regressa à barca do Diabo, onde entra. . É condenado porque cobrava juros muito altos e por ser demasiado ambicioso - Cómico de carácter: . «Quero lá tornar ao mundo e trarei o meu dinheiro» - Cómico de linguagem: . «dá-me tanta borregada como arrais lá no Barreiro» - Cómico de situação: . «Dar-vos-ei tanta pancada com um remo, que renegues!» - Linguagem corrente . presente em todo o texto - Linguagem popular: . «Pesar de São Pimen- tel, nunca tanta pressa vi» - Ironia: . «Ora mui muito me espanto nom vos livrar o dinheiro» . «Oh! Que gentil recear» - Eufemismo: . «me deu Saturno quebranto» . «Pera a infernal comarca.» - Metáfora: . «onzeneiro meu parente»
  • 2. Personagem Símbolos caracterizadores Argumentos de acusação Argumentos de defesa Movimentação cénica e Motivo da condenação Tipos de cómico Registos de língua Recursos estilísticos Joane,oPARVO - Não há símbolos caracterizadores (o que remete para a sua simplicidade) - Não há argumentos de acusação - Utilizados pelo Anjo: . «porque em todos teus fazeres per malícia nom erraste, tua simpreza t’abaste pera gozar dos prazeres» (ou seja, era uma pessoa simples e sem maldade) . Entra, dirige-se à barca do Diabo e vai depois à barca do Anjo. Fica no cais, à espera que «venha alguém merecedor de tal bem que deva entrar aqui» . Não é condenado pois é uma pessoa simples e sem malícia - Cómico de linguagem: . sobretudo pelas asneiras e pelo vocabulário relacionado com caprolalia. - Cómico de situação: . quando Joane insulta o Diabo - Cómico de carácter: . a maneira de ser de Joane provoca o riso («de pulo ou de vôo?» - Calão : .asneiras, caprolalia - Linguagem popular: .«Hou! Pesar de meu avô!» .«Antrecosto de carrapato» - Linguagem corrente: . no diálogo com o Anjo - Eufemismo: . «Ao porto de Lúcifer» - Repetição: «Aguardai, aguardai, houlá!» - Expressões injuriosas: . «Barca do cornudo» . «filho da grande aleivosa»
  • 3. SAPATEIRO - Avental - Formas . símbolos da sua profissão, com a qual roubava o povo - Utilizados pelo Diabo: . «E tu morreste escomungado nom o quiseste dizer» . «calaste dous mil enganos. . «Tu roubaste bem trint’anos o povo com teu mister» . «Ouvir missa, então roubar é caminho per’aqui» . «E os dinheiros mal levados, que foi da satisfação?» - Utilizados pelo Anjo: . «a carrega t’embraça» . «Essa barca que lá está leva quem rouba na praça as almas embraçadas» . «Se tu viveras direito» . «Os que morreram confessados, onde têm sua passagem?» . «confessado e comungado» . «Quantas missas eu ouvi, nom me hão elas de prestar . «E as ofertas, que darão? E as horas de finados? . «Isto uxiquer irá» . «quatro forminhas cagadas que podem bem ir i chentadas num cantinho desse leito - Entra, dirige-se à barca do Diabo, depois vai à barca do Anjo e por fim regressa à barca do Diabo, onde entra. . É condenado porque morreu excomungado, é mentiroso e roubou o povo durante trinta anos com a sua profissão (daí a sua prática religiosa não lhe valer de nada). - Cómico de linguagem: .«e da puta da barcagem» .«nem à puta da badana» - Cómico de carácter: «Mandaram-me vir assi…». - Gíria: «cordovão», «badana», «forminhas» - Linguagem popular: . «é esta boa traquitana» - Calão: «puta», «cagadas» - Linguagem corrente: . sobretudo na fala do Anjo - Ironia: . «Santo sapateiro honrado!» - Eufemismo: . «lago dos danados» - Hipérbole: «calaste dous mil enganos» - Jogo de linguagem . «que vá cozer o Inferno» - Antítese: . «...comungado? E tu morreste escomungado» - Metáfora: . «almas embaraçadas» Personagem Símbolos caracterizadores Argumentos de acusação Argumentos de defesa Movimentação Cénica e Motivo da condenação Tipos de cómico Registos de língua Recursos estilísticos
  • 4. Personagem Símbolos Argumentos de acusação Argumentos de Movimentação Tipos de cómico Registos de Recursos FRADE - Moça - Espada - Casco - Broquel [símbolos da sua dedicação às coisas do mundo («padre munda- nal», «Frei Capacete») e de não praticar do celibato («padre marido»)] - Hábito - Utilizados pelo Diabo: . «Pêra aquele fogo ardente que nom temestes vivendo» . «padre mundanal» . «padre marido» . «padre Frei Capacete» . «Som cortesão» . «E eles fazem outro tanto!» . «E est’hábito no me vale?» . «Um padre … tanto dado à virtude?» . «Nom ficou isso n’avença.» . «com tanto salmo rezado?» . «Sabê que fui da pessoa! Esta espada é roloa e este broquel Rolão» .«Padre que tal aprendia no Inferno há-de haver pingos?» . «minha reverença» - Entra, dirige-se à barca do Diabo, depois vai à barca do Anjo e por fim regressa à barca do Diabo, onde entra. . É condenado porque se dedicava às coisas do mundo (esgrima, dança) e não praticava o celibato (traz uma moça pela mão que «Por minha la tenho eu»). É significativo o facto de o Anjo nem sequer lhe dirigir a palavra, o que revela o desprezo por esta figura! - Cómico de situação e - Cómico de carácter: . quando entra em cena a cantar e a dançar (ainda por cima, com uma moça pela mão!) e quando dá uma lição de esgrima - Cómico de linguagem: .«Furtaste o trinchão, frade?» - Gíria: .«Deo gratias» «sus», «um fendente», «levada», «talho largo», «revés», «colher os pés» e «segunda guarda», etc. - Linguagem popular: «palha n’albarda», «Ah! nom praza a São Domingos» - Ironia « Fezeste bem, que é fermosa!» «Devoto padre», «Dê…lição d’esgrima, que é cousa boa!» «Que cousa tão preciosa!» - Eufemismo «fogo ardente» - Antítese «padre mundanal», «padre marido» - Comparação: «Tão bem guardado como a palha n’albarda» ALCOVITEIRA - Seiscentos virgos postiços - Três arcas de feitiços - Três almários de mentir - Cinco cofres de enlheos - Alguns furtos alheos (jóias e guarda-roupa) - Moças .«Eu sô ua martela tal, açoutes tenho levados e tormentos soportados que ninguém me foi igual. Se fosse ò fogo infernal, lá iria todo o mundo» .«a que criava as meni- nas para os cónegos da Sé» .«E eu som apostolada, angelada e martelada e fiz cousas mui divinas. Santa Úrsula nom con- verteo tantas cachopas como eu: todas salvas pólo meu, que nenhua se perdeo (…) que todas acharam dono (…) Nem ponto se me perdeo!» - Entra, dirige-se à barca do Diabo, depois vai à barca do Anjo e por fim regressa à barca do Diabo, onde entra. . É condenado devido à vida que levava: criava meninas para os cónegos da Sé e para a prostituição (e «todas acharam dono»), mentindo e vivendo da exploração das raparigas (prostituição) - Cómico de linguagem: .«Cuidas que trago piolhos» - Cómico de situação e - Cómico de carácter (quando tenta seduzir o Anjo, com “palavrinhas doces” e quando, mesmo depois de morta, se mostra preocupada com a sua aparência («pareço mal cá de fora») - Ironia «Que saboroso arrecear» - Eufemismo «fogo infernal» - Comparação «Santa Úrsula nom converteo tantas cachopas como eu» - Metáfora: «meu amor, minhas boninas, olho de perlinhas finas»
  • 5. caracterizadores defesa Cénica e Motivo da condenação língua estilísticos PROCURADOR - Entra, dirige-se à barca do Diabo, depois vai à barca do Anjo e por fim regressa à barca do Diabo, onde entra. . o Procurador é conde- nado porque fora conivente com o Procurador, sendo «filhos da ciência» - Cómico de linguagem: . uso do latim macarrónico - Cómico de carácter: . o corregedor pretende, neste julgamento, um oficial de justiça - Cómico de situação: » :
  • 6. QUATROCAVALEIROS - Entram, a cantar, e vão direitos à barca do Anjo, onde entram. - Não são condenados. Vão para o Paraíso pois morreram a lutar por Cristo e «quem morre em tal peleja merece paz eternal».
  • 7. QUATROCAVALEIROS - Entram, a cantar, e vão direitos à barca do Anjo, onde entram. - Não são condenados. Vão para o Paraíso pois morreram a lutar por Cristo e «quem morre em tal peleja merece paz eternal».