SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
“AUTO DA BARCA DO INFERNO”
CENA VIII – O JUDEU
Trabalho realizado por:
Beatriz Cunha Nº6
Jéssica Silva Nº16
Juliana Cunha Nº19
Letícia Oliveira Nº20
9ºB
ATIVIDADE / PROFISSÃO DA PERSONAGEM EM
CENA
 Praticar a religião judaica
 Retrato de estratagemas que o compensam da sua
marginalidade social. (“Passai-me por meu dinheiro.” v.570)
PERCURSO CÉNICO DO JUDEU
 Assim que chega ao cais o Judeu dirige-se para a
Barca do Inferno porque:
 Sabe que não será aceite na Barca da Glória, já que
em vida nunca foi aceite nos lugares dos Cristãos.
 Os Judeus eram muito mal vistos na época.
 Não contracena com o Anjo.
SÍMBOLOS QUE TRANSPORTA CONSIGO E O
SEU SIGNIFICADO
 Um bode (símbolo da religião judaica, fazia parte dos
sacrifícios rituais desta religião).
O Judeu não deixa o bode no cais porque:
• quer ser reconhecido como Judeu;
• não recusa a sua religião.
CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DA
LINGUAGEM UTILIZADA
 Cómico de linguagem: “ caganeira que te venha”(V.592)
 Cómico de situação: “Vós, Judeu, irês à toa* ” (V.611)
 Linguagem calão: “filho da cornuda” (V.597)
 * ir a reboque
DESTINO FINAL
 O Judeu vai para o inferno a reboque porque não é
digno de ir com os cristãos, ainda que pecadores.
RAZÕES APRESENTADAS PARA A
CONDENAÇÃO
 Suborno (“Querês mais outro tostão” V.580)
 Facto de ser Judeu
O Parvo acusa-o de:
 Roubar o bode
 Ter cometido varias ofensas à religião cristã e à
igreja. (Por exemplo: comendo carne no dia de jejum)
ARGUMENTOS DE DEFESA UTILIZADOS PELA
PERSONAGEM
 O Judeu não apresenta argumentos de defesa. (Não
acredita que tenha salvação.)
 Mas apresenta alguns argumentos que, segundo ele,
justificam a sua entrada na Barca do Inferno:
 O Judeu defende-se, perguntando porque é que ele não
podia entrar onde Brízida Vaz podia. (V.582/583)
 Procura pedir ajuda ao Fidalgo. (V. 584/585)
 Tenta pagar para passar o seu bode, ou seja, recorre ao
suborno. (V.576-580)
TIPO SOCIAL REPRESENTADO
 O Judeu pertence ao povo e é uma personagem
tipo que simboliza todos os judeus.
INTENÇÃO DE GIL VICENTE COM A CENA E
PAPEL DO JUDEU
 Gil Vicente quer mostrar que os Judeus eram más
pessoas, não merecendo o respeito de ninguém,
pois não cumpriam os preceitos católicos.
 Esta visão vicentina representa a sociedade da
época (1517) em que os Judeus eram perseguidos
e queimados em autos de fé, apenas por serem de
outra religião.
PROPOSTA DE CORREÇÃO DA CENA DO JUDEU
(paginas 126, 127 e 128)
1- A expressão significa “sentir medo de correr
perigo” e relaciona-se com o sofrimento do povo
judeu, no tempo da Inquisição. Muitos dos judeus
fizeram-se passar por cristãos e decoravam o Credo,
tendo que andar constantemente a citá-lo, na
presença dos cristãos.
2.1- A diferença desta cena em relação às outras é
que o judeu não dirige à Barca do Anjo pois sabe à
partida que não terá lugar, e por isso pede ao diabo
que o passe por seu dinheiro. O Diabo manifesta
desinteresse por receber o Judeu, o que demonstra
que nem o arrais do inferno quer a presença de um
Judeu na sua barca.
2.2- A característica que indirectamente é
evidenciada na sua atitude de querer pagar a sua
entrada e a do bode no batel infernal é que é
materialista e que está habituado a comprar favores
com o seu dinheiro. (está habituado a subornar).
3- A recusa do Judeu de embarcar sem o bode pode
ser entendida como um apego pelos bens materiais
(porque o bode tem um certo valor) e também como
um sinal de que o Judeu é fiel à sua religião e não a
quer abandonar.
4- O papel desempenhado pelo parvo é o de acusar
o Judeu de não respeitar a religião católica
(“E ele mijou nos finados na ergueja, de São Gião/ “E comia a carne da panela
no dia de Nosso Senhor”)
5.1- A razão pela qual o Diabo acaba por aceitar o
Judeu no Inferno, levando-o a reboque, é porque não
acha o Judeu digno de se sentar à beira dos cristãos,
deste modo, evitava também as discussões entre os
praticantes de cada religião.
5.2- O Judeu não se aproxima da Barca do Anjo pois
sabe que não terá lugar na barca por não ser cristão.
6.1- O que permitiu ao escritor exprimir a sua posição
foi o facto de frequentar as cortes e ter nelas um
grande prestígio.
BIBLIOGRAFIA
 “Diálogos 9” – Porto Editora
 “Essencial Língua Portuguesa – 9ºano” – Sebenta
 http://aestudarequeseaprende.files.wordpress.com/
2010/11/obras-de-leitura-acompanhada-auto-da-
barca-do-inferno.pdf
 https://www.google.pt/search?q=auto+da+barca+do
+inferno+judeu

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Beatriz Campos
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
claudiagandra
 
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Delfina Vernuccio
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Francisco Teixeira
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Vanda Marques
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
Margarida Ramos
 
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_AlcoviteiraAuto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
sin3stesia
 
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesaAuto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
FJDOliveira
 

Mais procurados (20)

Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9ºGrelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
 
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
 
Alcoviteira
AlcoviteiraAlcoviteira
Alcoviteira
 
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
 
Auto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O fradeAuto da barca do inferno- O frade
Auto da barca do inferno- O frade
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
O judeu - auto da barca do inferno
O judeu - auto da barca do inferno O judeu - auto da barca do inferno
O judeu - auto da barca do inferno
 
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do fradeAuto Da Barca Do Inferno cena do frade
Auto Da Barca Do Inferno cena do frade
 
Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro
Onzeneiro
 
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
 
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_AlcoviteiraAuto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - PersonagensO Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
 
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesaAuto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
Auto da-barca-do-inferno-argumentos-de-acusao-e-de-defesa
 

Semelhante a Auto da barca do inferno - judeu (7)

Abi resumo 08_judeu
Abi resumo 08_judeuAbi resumo 08_judeu
Abi resumo 08_judeu
 
Cena do judeu
Cena do judeuCena do judeu
Cena do judeu
 
D9 abi 125_c8_judeu
D9 abi 125_c8_judeuD9 abi 125_c8_judeu
D9 abi 125_c8_judeu
 
O judeu
O judeuO judeu
O judeu
 
O judeu auto da barca do inferno
O judeu auto da barca do infernoO judeu auto da barca do inferno
O judeu auto da barca do inferno
 
O judeu gil vicente
O judeu gil vicenteO judeu gil vicente
O judeu gil vicente
 
7.judeu sintese
7.judeu sintese7.judeu sintese
7.judeu sintese
 

Mais de BeatrizMarques25

Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura  O Diario de Anne FrankFicha de leitura  O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
BeatrizMarques25
 
A evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaA evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódica
BeatrizMarques25
 
Mudança global temperatura
Mudança global   temperaturaMudança global   temperatura
Mudança global temperatura
BeatrizMarques25
 

Mais de BeatrizMarques25 (20)

Génese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentaresGénese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentares
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de GelatinaRelatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
 
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanolRelatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
 
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
 
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura  O Diario de Anne FrankFicha de leitura  O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
 
Relatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação físicaRelatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação física
 
Pegada ecológica
Pegada ecológicaPegada ecológica
Pegada ecológica
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1 Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1
 
A evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaA evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódica
 
Veneza destino turistico
Veneza  destino turisticoVeneza  destino turistico
Veneza destino turistico
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Relevo do litoral
Relevo do litoralRelevo do litoral
Relevo do litoral
 
Reino unido
Reino unidoReino unido
Reino unido
 
Politica demografia
Politica demografiaPolitica demografia
Politica demografia
 
Parques naturais
Parques naturaisParques naturais
Parques naturais
 
Mudança global temperatura
Mudança global   temperaturaMudança global   temperatura
Mudança global temperatura
 
Migraçoes clandestinas
Migraçoes clandestinasMigraçoes clandestinas
Migraçoes clandestinas
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 

Último

4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 

Auto da barca do inferno - judeu

  • 1. “AUTO DA BARCA DO INFERNO” CENA VIII – O JUDEU Trabalho realizado por: Beatriz Cunha Nº6 Jéssica Silva Nº16 Juliana Cunha Nº19 Letícia Oliveira Nº20 9ºB
  • 2. ATIVIDADE / PROFISSÃO DA PERSONAGEM EM CENA  Praticar a religião judaica  Retrato de estratagemas que o compensam da sua marginalidade social. (“Passai-me por meu dinheiro.” v.570)
  • 3. PERCURSO CÉNICO DO JUDEU  Assim que chega ao cais o Judeu dirige-se para a Barca do Inferno porque:  Sabe que não será aceite na Barca da Glória, já que em vida nunca foi aceite nos lugares dos Cristãos.  Os Judeus eram muito mal vistos na época.  Não contracena com o Anjo.
  • 4. SÍMBOLOS QUE TRANSPORTA CONSIGO E O SEU SIGNIFICADO  Um bode (símbolo da religião judaica, fazia parte dos sacrifícios rituais desta religião). O Judeu não deixa o bode no cais porque: • quer ser reconhecido como Judeu; • não recusa a sua religião.
  • 5. CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DA LINGUAGEM UTILIZADA  Cómico de linguagem: “ caganeira que te venha”(V.592)  Cómico de situação: “Vós, Judeu, irês à toa* ” (V.611)  Linguagem calão: “filho da cornuda” (V.597)  * ir a reboque
  • 6. DESTINO FINAL  O Judeu vai para o inferno a reboque porque não é digno de ir com os cristãos, ainda que pecadores.
  • 7. RAZÕES APRESENTADAS PARA A CONDENAÇÃO  Suborno (“Querês mais outro tostão” V.580)  Facto de ser Judeu O Parvo acusa-o de:  Roubar o bode  Ter cometido varias ofensas à religião cristã e à igreja. (Por exemplo: comendo carne no dia de jejum)
  • 8. ARGUMENTOS DE DEFESA UTILIZADOS PELA PERSONAGEM  O Judeu não apresenta argumentos de defesa. (Não acredita que tenha salvação.)  Mas apresenta alguns argumentos que, segundo ele, justificam a sua entrada na Barca do Inferno:  O Judeu defende-se, perguntando porque é que ele não podia entrar onde Brízida Vaz podia. (V.582/583)  Procura pedir ajuda ao Fidalgo. (V. 584/585)  Tenta pagar para passar o seu bode, ou seja, recorre ao suborno. (V.576-580)
  • 9. TIPO SOCIAL REPRESENTADO  O Judeu pertence ao povo e é uma personagem tipo que simboliza todos os judeus.
  • 10. INTENÇÃO DE GIL VICENTE COM A CENA E PAPEL DO JUDEU  Gil Vicente quer mostrar que os Judeus eram más pessoas, não merecendo o respeito de ninguém, pois não cumpriam os preceitos católicos.  Esta visão vicentina representa a sociedade da época (1517) em que os Judeus eram perseguidos e queimados em autos de fé, apenas por serem de outra religião.
  • 11. PROPOSTA DE CORREÇÃO DA CENA DO JUDEU (paginas 126, 127 e 128) 1- A expressão significa “sentir medo de correr perigo” e relaciona-se com o sofrimento do povo judeu, no tempo da Inquisição. Muitos dos judeus fizeram-se passar por cristãos e decoravam o Credo, tendo que andar constantemente a citá-lo, na presença dos cristãos.
  • 12. 2.1- A diferença desta cena em relação às outras é que o judeu não dirige à Barca do Anjo pois sabe à partida que não terá lugar, e por isso pede ao diabo que o passe por seu dinheiro. O Diabo manifesta desinteresse por receber o Judeu, o que demonstra que nem o arrais do inferno quer a presença de um Judeu na sua barca.
  • 13. 2.2- A característica que indirectamente é evidenciada na sua atitude de querer pagar a sua entrada e a do bode no batel infernal é que é materialista e que está habituado a comprar favores com o seu dinheiro. (está habituado a subornar).
  • 14. 3- A recusa do Judeu de embarcar sem o bode pode ser entendida como um apego pelos bens materiais (porque o bode tem um certo valor) e também como um sinal de que o Judeu é fiel à sua religião e não a quer abandonar.
  • 15. 4- O papel desempenhado pelo parvo é o de acusar o Judeu de não respeitar a religião católica (“E ele mijou nos finados na ergueja, de São Gião/ “E comia a carne da panela no dia de Nosso Senhor”)
  • 16. 5.1- A razão pela qual o Diabo acaba por aceitar o Judeu no Inferno, levando-o a reboque, é porque não acha o Judeu digno de se sentar à beira dos cristãos, deste modo, evitava também as discussões entre os praticantes de cada religião.
  • 17. 5.2- O Judeu não se aproxima da Barca do Anjo pois sabe que não terá lugar na barca por não ser cristão.
  • 18. 6.1- O que permitiu ao escritor exprimir a sua posição foi o facto de frequentar as cortes e ter nelas um grande prestígio.
  • 19. BIBLIOGRAFIA  “Diálogos 9” – Porto Editora  “Essencial Língua Portuguesa – 9ºano” – Sebenta  http://aestudarequeseaprende.files.wordpress.com/ 2010/11/obras-de-leitura-acompanhada-auto-da- barca-do-inferno.pdf  https://www.google.pt/search?q=auto+da+barca+do +inferno+judeu