SlideShare uma empresa Scribd logo
Compreensão do texto
1. Todos os elementos cénicos representam o
estatuto social de Fidalgo, sendo o manto a
representação da sua vaidade pela condição
social que tem, o pajem representando todos
aqueles que o servem e sobre os quais ele
exerce a sua tirania e a cadeira representando,
por um lado, os bens materiais e, por outro, o
poder.
2. Esta personagem começa por parar junto à
barca do Diabo, depois dirige-se à barca do Anjo
e, finalmente, regressa à barca do Diabo.
Compreensão do texto
3.1. Inicialmente, o Fidalgo está muito descontraído
e seguro. Quando se afasta da barca do Diabo,
começa a revelar preocupação e, ao mesmo tempo,
irritação, pois chama e ninguém lhe responde.
Quando percebe que não lhe é permitido entrar na
barca do paraíso, mostra-se desanimado e um
pouco arrependido de ter confiado no seu “estado”.
Perto do final, chega a mostrar-se humilde perante
o Diabo, implora-lhe que o deixe regressar à vida e,
finalmente, mostra-se resignado com o seu destino
final.
3.2. O Fidalgo vai mudando o seu estado de espírito
de acordo com a evolução do seu julgamento.
Compreensão do texto
4. Exemplos da ironia do Diabo: «Ó poderoso
dom Anrique»; «Que cousa é esta?»; «Vejo-vos
eu em feição / pera ir ao nosso cais…»;
«Embarqu’a a vossa doçura»; «e, chegando ao
nosso cais, / todos bem vos serviremos».
5.1. Falando com o Diabo, o argumento que o
Fidalgo usa para ser salvo é o facto de ter
deixado na terra quem reze por ele; com o Anjo
usa o argumento de ser «fidalgo de solar».
Compreensão do texto
5.2. Os argumentos usados dizem muito sobre a
personagem. De facto, defendendo-se com as
rezas que alguém ficou a fazer por ele, mostra
que viveu tão confiante da sua condição social e
tão habituado a que os outros fizessem tudo por
ele que nem lhe ocorre que as orações não
seriam suficientes para o salvar. Por outro lado,
o argumento que apresenta ao Anjo mostra toda
a arrogância e presunção do Fidalgo.
Compreensão do texto
6. Através destas palavras, Gil Vicente pretende
criticar a prática errada da religião, levada a
cabo por aqueles que acreditavam que as
orações, as missas e outras práticas superficiais
eram mais importantes do que as obras e a fé.
7. Ao referir que o pai do Fidalgo também foi
condenado ao inferno, Gil Vicente pretende
alargar a crítica à classe social a que pertence o
Fidalgo – à Nobreza –, na medida em que se dá
a entender que os nobres são condenados,
geração após geração.
Compreensão do texto
8.1. O Diabo responde divertido e rindo do
Fidalgo, chama-lhe tolo e mostra-lhe como está
completamente enganado em relação ao
desgosto que a mulher e a amante sentem.
8.2. O «arrais do inferno» apresenta uma
caracterização negativa das mulheres, pois elas
são falsas, hipócritas e infiéis.
8.3. Com estes versos alarga-se a crítica às
mulheres, mostrando como o seu fingimento é
transmitido de mães para filhas.
9.1. O Fidalgo é acusado de ter vivido a seu
prazer, de ser presunçoso e vaidoso e de ter sido
tirano para o povo.
9.2. «DOM ANRIQUE» é um fidalgo de solar, vaidoso e presunçoso. A forma
como se apresenta em cena, com o seu longo manto e o pajem que carrega a sua
cadeira, revela bem essa vaidade e ostentação e a forma como reage face ao
Diabo e depois face ao Anjo revela a arrogância de quem sempre esteve
habituado a que obedecessem às suas ordens. É no estatuto de nobre que ele
confia como razão para ser salvo, tal como sempre confiou ao longo da vida. É
por isso que ele apresenta ao Anjo como único argumento para a salvação o
facto de ser «fidalgo de solar» e é também por isso que desdenha da barca a que
chama “cortiço” e exige que o tratem por “Vossa Senhoria”. Da vida sentimental
ficamos a saber que além da mulher tinha uma amante; no entanto, apesar de
ser tão poderoso, era igualmente enganado por elas. O Fidalgo é uma
personagem tipo, na medida em que representa a nobreza e os seus vícios de
tirania, presunção, arrogância e ostentação. É exactamente por isso que, tal
como aconteceu com seu pai, é condenado ao Inferno.
Funcionamento da Língua
2.1. Neste momento da cena, o Fidalgo passou a
usar um registo de língua popular, porque estava
a ficar aflito e simultaneamente irritado por
sentir que a situação não lhe era favorável.
2.2. Estes versos estão entre parênteses porque
são um aparte.
Na cena do Fidalgo, identifica exemplos de cómico
de situação, cómico de linguagem e cómico de
carácter.

Cómico de situação: «Pera lá vai a senhora?» (pág.94)
Cómico de linguagem: «Que jiricocins, salvanor!»
(pág. 95)
Cómico de carácter: «Esperar-me-ês vós aqui, /
tornarei à outra vida / ver minha dama querida / que
se quer matar por mi.» (pág. 96)
Identifica exemplos de eufemismo [suavizar
uma ideia (desagradável ou grosseira) por meio
de uma expressão mais agradável], antítese
(oposição entre dois termos), metáfora (a
significação natural de uma palavra remete para
outra em virtude da relação de semelhança que
se subentende) e de hipérbole (emprego de
termos exagerados, ampliando a verdadeira
dimensão das coisas).
Eufemismo: «Vai pera a ilha perdida» (pág. 94)
Antítese: «Segundo lá escolhestes, / assi cá vos
  contentai.» (pág. 94)
Metáfora: «Oh! que maré tão de prata!» (pág.
96)
Hipérbole: «que m’escrivia mil dias?» (pág. 96)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Vanda Marques
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Rita Galrito
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Caroline Gouveia
 
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
sin3stesia
 
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-JudeuAuto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Pedro Lucas
 
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9ºGrelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Secretaria Regional de Educação da Madeira
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
sin3stesia
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
Teresa Cabrita
 
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Catarina Faria
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
Margarida Ramos
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
Carla Scala
 
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do FradeAuto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Delfina Vernuccio
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
claudiagandra
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Saraegli
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Ana Paula
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Maria Rodrigues
 
Judeu
JudeuJudeu
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - PersonagensO Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
Stefany Brito
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
Rosalina Simão Nunes
 

Mais procurados (20)

Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
 
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do InfernoOs Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
Os Quatro Cavaleiros, Auto da Barca do Inferno
 
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
 
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-JudeuAuto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-Judeu
 
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9ºGrelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
 
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
 
Auto da barca do Inferno
Auto da barca do InfernoAuto da barca do Inferno
Auto da barca do Inferno
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
 
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do FradeAuto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
Auto Da Barca Do Inferno Cena do Frade
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do InfernoSapateiro Auto Da Barca Do Inferno
Sapateiro Auto Da Barca Do Inferno
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Judeu
JudeuJudeu
Judeu
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - PersonagensO Auto da Barca do Inferno - Personagens
O Auto da Barca do Inferno - Personagens
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 

Semelhante a Cena Fidalgo

Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
paulaoliveiraoliveir2
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
anafilipasampaiofreitas
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Bruna Silva
 
Auto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - FidalgoAuto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - Fidalgo
Bruna Silva
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Bruna Silva
 
Resumo barcainferno
Resumo barcainfernoResumo barcainferno
Resumo barcainferno
Inês Barão
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
D9 abi 092_c1e2_fidalgo
D9 abi 092_c1e2_fidalgoD9 abi 092_c1e2_fidalgo
D9 abi 092_c1e2_fidalgo
miguelribeiro
 
Cena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionarioCena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionario
Maria Gonçalves
 
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptxQuadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Lara Silva
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
Diógenes Zigar
 
Auto da barca argumentos
Auto da barca   argumentosAuto da barca   argumentos
Auto da barca argumentos
William Ferraz
 
Abi analise em ppt
Abi analise em pptAbi analise em ppt
Abi analise em ppt
paulaoliveiraoliveir2
 
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Gabriel Lima
 
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
paulaoliveiraoliveir2
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
William Ferraz
 
Humanismo - Gil Vicente
Humanismo  - Gil VicenteHumanismo  - Gil Vicente
Humanismo - Gil Vicente
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
O frade convertido
O frade convertidoO frade convertido
O frade convertido
farruscos
 

Semelhante a Cena Fidalgo (20)

Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Auto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - FidalgoAuto da barca do inferno - Fidalgo
Auto da barca do inferno - Fidalgo
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Resumo barcainferno
Resumo barcainfernoResumo barcainferno
Resumo barcainferno
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
D9 abi 092_c1e2_fidalgo
D9 abi 092_c1e2_fidalgoD9 abi 092_c1e2_fidalgo
D9 abi 092_c1e2_fidalgo
 
Cena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionarioCena do fidalgo_-_questionario
Cena do fidalgo_-_questionario
 
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptxQuadros de Sistematização do ABI_final.pptx
Quadros de Sistematização do ABI_final.pptx
 
Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno Auto da-barca-do-inferno
Auto da-barca-do-inferno
 
Auto da barca argumentos
Auto da barca   argumentosAuto da barca   argumentos
Auto da barca argumentos
 
Abi analise em ppt
Abi analise em pptAbi analise em ppt
Abi analise em ppt
 
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
Auto da-barca-do-inferno-1213660370289329-8
 
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
50669819 auto-da-barca-do-inferno-introducao ppt
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
 
Humanismo - Gil Vicente
Humanismo  - Gil VicenteHumanismo  - Gil Vicente
Humanismo - Gil Vicente
 
O frade convertido
O frade convertidoO frade convertido
O frade convertido
 

Mais de Fernanda Soares

Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
Fernanda Soares
 
Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
Fernanda Soares
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 ElimResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Fernanda Soares
 
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 eResultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Fernanda Soares
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
Fernanda Soares
 
Game Rooms House
Game Rooms HouseGame Rooms House
Game Rooms House
Fernanda Soares
 
Musical Challenge
Musical ChallengeMusical Challenge
Musical Challenge
Fernanda Soares
 
Game Types Houses
Game Types HousesGame Types Houses
Game Types Houses
Fernanda Soares
 
W8 Past Simple Further Practice
W8 Past Simple  Further PracticeW8 Past Simple  Further Practice
W8 Past Simple Further Practice
Fernanda Soares
 
W8 Past Simple Practice
W8 Past Simple  PracticeW8 Past Simple  Practice
W8 Past Simple Practice
Fernanda Soares
 
W4 Articles Indefinite And Definite
W4 Articles  Indefinite And DefiniteW4 Articles  Indefinite And Definite
W4 Articles Indefinite And Definite
Fernanda Soares
 
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple PastW6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
Fernanda Soares
 
W5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr ContinuousW5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr Continuous
Fernanda Soares
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 BResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Fernanda Soares
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
Fernanda Soares
 
Ft28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global LusiadasFt28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global Lusiadas
Fernanda Soares
 
Ft26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio DeusesFt26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio Deuses
Fernanda Soares
 
Ft25 Relativas
Ft25 RelativasFt25 Relativas
Ft25 Relativas
Fernanda Soares
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Fernanda Soares
 

Mais de Fernanda Soares (20)

Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
 
Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 ElimResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
 
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 eResultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
 
Game Rooms House
Game Rooms HouseGame Rooms House
Game Rooms House
 
Musical Challenge
Musical ChallengeMusical Challenge
Musical Challenge
 
Game Types Houses
Game Types HousesGame Types Houses
Game Types Houses
 
A Special House
A Special HouseA Special House
A Special House
 
W8 Past Simple Further Practice
W8 Past Simple  Further PracticeW8 Past Simple  Further Practice
W8 Past Simple Further Practice
 
W8 Past Simple Practice
W8 Past Simple  PracticeW8 Past Simple  Practice
W8 Past Simple Practice
 
W4 Articles Indefinite And Definite
W4 Articles  Indefinite And DefiniteW4 Articles  Indefinite And Definite
W4 Articles Indefinite And Definite
 
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple PastW6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
 
W5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr ContinuousW5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr Continuous
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 BResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
 
Ft28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global LusiadasFt28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global Lusiadas
 
Ft26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio DeusesFt26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio Deuses
 
Ft25 Relativas
Ft25 RelativasFt25 Relativas
Ft25 Relativas
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Cena Fidalgo

  • 1. Compreensão do texto 1. Todos os elementos cénicos representam o estatuto social de Fidalgo, sendo o manto a representação da sua vaidade pela condição social que tem, o pajem representando todos aqueles que o servem e sobre os quais ele exerce a sua tirania e a cadeira representando, por um lado, os bens materiais e, por outro, o poder. 2. Esta personagem começa por parar junto à barca do Diabo, depois dirige-se à barca do Anjo e, finalmente, regressa à barca do Diabo.
  • 2. Compreensão do texto 3.1. Inicialmente, o Fidalgo está muito descontraído e seguro. Quando se afasta da barca do Diabo, começa a revelar preocupação e, ao mesmo tempo, irritação, pois chama e ninguém lhe responde. Quando percebe que não lhe é permitido entrar na barca do paraíso, mostra-se desanimado e um pouco arrependido de ter confiado no seu “estado”. Perto do final, chega a mostrar-se humilde perante o Diabo, implora-lhe que o deixe regressar à vida e, finalmente, mostra-se resignado com o seu destino final. 3.2. O Fidalgo vai mudando o seu estado de espírito de acordo com a evolução do seu julgamento.
  • 3. Compreensão do texto 4. Exemplos da ironia do Diabo: «Ó poderoso dom Anrique»; «Que cousa é esta?»; «Vejo-vos eu em feição / pera ir ao nosso cais…»; «Embarqu’a a vossa doçura»; «e, chegando ao nosso cais, / todos bem vos serviremos». 5.1. Falando com o Diabo, o argumento que o Fidalgo usa para ser salvo é o facto de ter deixado na terra quem reze por ele; com o Anjo usa o argumento de ser «fidalgo de solar».
  • 4. Compreensão do texto 5.2. Os argumentos usados dizem muito sobre a personagem. De facto, defendendo-se com as rezas que alguém ficou a fazer por ele, mostra que viveu tão confiante da sua condição social e tão habituado a que os outros fizessem tudo por ele que nem lhe ocorre que as orações não seriam suficientes para o salvar. Por outro lado, o argumento que apresenta ao Anjo mostra toda a arrogância e presunção do Fidalgo.
  • 5. Compreensão do texto 6. Através destas palavras, Gil Vicente pretende criticar a prática errada da religião, levada a cabo por aqueles que acreditavam que as orações, as missas e outras práticas superficiais eram mais importantes do que as obras e a fé. 7. Ao referir que o pai do Fidalgo também foi condenado ao inferno, Gil Vicente pretende alargar a crítica à classe social a que pertence o Fidalgo – à Nobreza –, na medida em que se dá a entender que os nobres são condenados, geração após geração.
  • 6. Compreensão do texto 8.1. O Diabo responde divertido e rindo do Fidalgo, chama-lhe tolo e mostra-lhe como está completamente enganado em relação ao desgosto que a mulher e a amante sentem. 8.2. O «arrais do inferno» apresenta uma caracterização negativa das mulheres, pois elas são falsas, hipócritas e infiéis. 8.3. Com estes versos alarga-se a crítica às mulheres, mostrando como o seu fingimento é transmitido de mães para filhas. 9.1. O Fidalgo é acusado de ter vivido a seu prazer, de ser presunçoso e vaidoso e de ter sido tirano para o povo.
  • 7. 9.2. «DOM ANRIQUE» é um fidalgo de solar, vaidoso e presunçoso. A forma como se apresenta em cena, com o seu longo manto e o pajem que carrega a sua cadeira, revela bem essa vaidade e ostentação e a forma como reage face ao Diabo e depois face ao Anjo revela a arrogância de quem sempre esteve habituado a que obedecessem às suas ordens. É no estatuto de nobre que ele confia como razão para ser salvo, tal como sempre confiou ao longo da vida. É por isso que ele apresenta ao Anjo como único argumento para a salvação o facto de ser «fidalgo de solar» e é também por isso que desdenha da barca a que chama “cortiço” e exige que o tratem por “Vossa Senhoria”. Da vida sentimental ficamos a saber que além da mulher tinha uma amante; no entanto, apesar de ser tão poderoso, era igualmente enganado por elas. O Fidalgo é uma personagem tipo, na medida em que representa a nobreza e os seus vícios de tirania, presunção, arrogância e ostentação. É exactamente por isso que, tal como aconteceu com seu pai, é condenado ao Inferno.
  • 8. Funcionamento da Língua 2.1. Neste momento da cena, o Fidalgo passou a usar um registo de língua popular, porque estava a ficar aflito e simultaneamente irritado por sentir que a situação não lhe era favorável. 2.2. Estes versos estão entre parênteses porque são um aparte.
  • 9. Na cena do Fidalgo, identifica exemplos de cómico de situação, cómico de linguagem e cómico de carácter. Cómico de situação: «Pera lá vai a senhora?» (pág.94) Cómico de linguagem: «Que jiricocins, salvanor!» (pág. 95) Cómico de carácter: «Esperar-me-ês vós aqui, / tornarei à outra vida / ver minha dama querida / que se quer matar por mi.» (pág. 96)
  • 10. Identifica exemplos de eufemismo [suavizar uma ideia (desagradável ou grosseira) por meio de uma expressão mais agradável], antítese (oposição entre dois termos), metáfora (a significação natural de uma palavra remete para outra em virtude da relação de semelhança que se subentende) e de hipérbole (emprego de termos exagerados, ampliando a verdadeira dimensão das coisas).
  • 11. Eufemismo: «Vai pera a ilha perdida» (pág. 94) Antítese: «Segundo lá escolhestes, / assi cá vos contentai.» (pág. 94) Metáfora: «Oh! que maré tão de prata!» (pág. 96) Hipérbole: «que m’escrivia mil dias?» (pág. 96)