SlideShare uma empresa Scribd logo
Por : M. R., L. S.,
K. K. & L. de M.
Voluntários para ler esta cena?
• Anjo
• Diabo
• Companheiro do Diabo
• Alcoviteira Brízida
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
 Naquele tempo: Aquela que vive à custa de prostitutas.
- Alcoviteira = alcova (quarto interior de dormir) +eira
(profissão).
 A Alcoviteira é uma personagem tipo pois representa um
grupo social, as muitas mulheres que têm esta profissão.
 Hoje em dia: uma alcoviteira é uma coscuvilheira
São os
ministros
sagrados
Na Idade Média
tinham
privilégio na
sociedade feudal
“Úrsula era uma jovem de beleza excepcional, filha de um soberano Bretão, que
foi secretamente consagrada a Deus mas foi pedida em casamento pelo
príncipe pagão Ereo. A recusa da virgem deu início a uma guerra e por isso,
aconselhada por um anjo quando teve uma visão em um sonho, pediu para
prorrogar a sua decisão por três anos, para melhor compreender a vontade do
Senhor e na esperança que o noivo prometido se convertesse ao Cristianismo e
mudasse de ideia.”
Esta foi martirizada com mais onze mil virgens.
- Wikipedia
• A prostituição ainda acontece no século XXI.
• Ao ler esta cena dá para perceber que esta profissão já começou há
séculos apesar do que se pensa.
Em oito países europeus a prostituição é legal :
• Alemanha
• Áustria
• Suíça
• Grécia
• Turquia
• Hungria
• Letónia
1. “Seiscentos virgos postiços”
2. “três arcas de feitiços”
3. “Três almários de mentir”
4. “Cinco cofres de enleos”
5. “Furtos alheos”
6. “Jóias de vestir”
7. “Guarda-roupa de encobrir”
8. “Casa movediça”
9. “Um estrado de cortiça”
10. “Dez coxins de embair”
1. Representa 600 raparigas que estão
dispostas a trabalhar na prostituição.
2. O povo achava que estas raparigas eram
bruxas e também ela enganava as pessoas e
muitas vezes parecia uma espécie de feitiço.
3. Todas as mentiras que contou.
4. Representa os seus mexericos.
5. Isto representa roubo e enganar
6. As jóias representam o luxo.
7. A roupa representa o que usavam por cima
para encobrir a actividade e os seus defeitos.
8. Não era só uma casa de
prostituição, mudavam muito de lugar.
9. Um estrado é uma parte da cama, isto
representa relações sexuais. A parte de
cortiça representa a má qualidade do sítio.
10. Coxins são almofadas e embair, enganar.
Isto representa como ela enganou as pessoas
e tinha que iludir as pessoas do seu
trabalho.
Nesta cena o Diabo acaba por não acusar a Alcoviteira de nada pois ela
fá-lo sozinha.
“que dava as moças a molhos/a”
“A mor cárrega que
é:/essas moças que
vendia.”
 Salvou as meninas de pobreza
 Diz que se for para o Inferno, toda
a gente vai
 Diz que já passou por muito
 Diz que converteu muitas
meninas
Ex.
“Açoutes tenho levados, e tormentos
suportados que ninguém me foi igual. Se
eu fosse ao fogo infernal lá iria todo o
mundo! A estoutra barca, cá fundo, me
vou, que é mais real”.
- Criticar as mulheres pois estão a usar o corpo para dinheiro, sendo
exploradas e usadas. Eram interesseiras, sendo descaradas, não tendo
fé ou respeito por elas próprias.
- As raparigas eram criticadas por serem “convertidas” nesta profissão
e venderem o seu corpo. Também porque a Brízida era mentirosa e
manipuladora dizendo que “convertia meninas”.
- Está também a criticar o clero porque a personagem na cena antes é
um frade que traz consigo uma acompanhante.
Ex. Diabo- “Essa dama, é ela vossa?”
Frade- “Por minha lá tenho eu, e sempre a
tive de meu” Diabo- “E não punham lá
grosa, no vosso convento santo?” Frade-
“E eles fazem outro tanto!”. Esta a dizer
que os membros do clero, são adúlteros e
têm uma falsa religião.
Ex. “criava as
meninas pera os
cónegos da Sé”
- É manipuladora e inteligente pois usa palavras religiosas para convencer o
Anjo a deixá-la entrar.
Ex.
“Santa Úrsula não converteu tantas cachopas como eu: todas salvas polo
meu, que nenhua se perdeu!” (verso 542)
- É interesseira porque usou as miúdas e os seus corpos por dinheiro.
- É hipócrita e calculista porque tentar seduzir o Anjo, mas quando fala com
o Diabo ela é completamente diferente.
Ex. (Diabo)
“Não é essa barca a que eu cato!”
Ex. (Anjo)
“meu amor, minha boninas, olhos perlinhas finas”
1º momento- diz que não vai entrar na barca do diabo (vs. 486- 525)
- “Não quero eu entrar lá”
2º momento- O anjo não a aceita na barca (vs. 526- 557)
- “Eu não sei quem te trás cá”
3º momento- Entra na barca do diabo (vs. 558- 565)
- “Ora entrai, minha senhora, e series bem recebida”
 
Linguagem
A forma como a Alcoviteira falava e as palavras que usava na
sedução
Ex. “Cuidais que trago piolhos?”
Carácter
Ela acha que pode continuar o negócio no Paraíso
Situação
Quando ela tentava seduzir as pessoas e quando chega carregada
com aquelas coisas todas
Ex. “Minha rosa”
- Interjeições e exclamações
Ex. “Hui, houlá da barca!
- Perguntas retóricas
“Cuidais que dormia sono..?”
- Ironia
Ex. “Que saboroso arrecear”
- Eufemismo
Ex. “fogo infernal”
- Comparação
Ex. “Santa Úrsula nom converteo tantas cachopas como eu”
- Metáfora
Ex. “meu amor, minhas boninas, olho de perlinhas finas”
- Conotação
Ex. “salvar”, “converter” e “perder”
AAlcoviteira usava estas palavras num modo religiosa, para tentar convencer
o Anjo que fez coisas boas e merece ir para o Paraíso.
http://www.youtube.com/watch?v=4FZLasoaR3A
Minuto 1:15
Aspectos a analisar Conclusões & elementos textuais
Símbolos cénicos e sua
simbologia
• Seiscentos virgos postiços
• Três arcas de feitiços
• Três almários de mentir
• “Cinco cofres de enleos
• “Furtos alheos
Percurso cénico 1º momento-(vs. 486- 525)  2º momento- (vs. 526- 557) 
3º momento- (vs. 558- 565)
Argumentos de defesa
(da personagem a embarcar) Em sua defesa a Alcoviteira diz que:
 Salvou as meninas de pobreza
 Diz que se for para o Inferno, toda a gente vai
 Diz que já passou por muito
 Diz que converteu muitas meninas
• “Jóias de vestir
• “Guarda-roupa de
encobrir
• “Casa movediça
• “Um estrado de cortiça
• Dez coxins de embair
Aspectos a analisar Conclusões & elementos textuais
Argumentos de defesa
(da personagem a
embarcar)
Em sua defesa a Alcoviteira diz que:
 Salvou as meninas de pobreza
 Diz que se for para o Inferno, toda a gente vai
 Diz que já passou por muito
 Diz que converteu muitas meninas
Argumentos de
acusação
(das outras
personagens)
Nesta cena o Diabo acaba por não acusar a Alcoviteira de nada
pois ela o faz sozinha.
Ex.: “A mor cárrega que é:/essas moças que vendia.”
Aspectos a analisar Conclusões & elementos textuais
Caracterização Esta personagem é manipuladora, inteligente, intersseira,
hipócrita e calcalculista.
Ex.
“Santa Úrsula não converteu tantas cachopas como eu:
todas salvas polo meu, que nenhua se perdeu!” (verso 542)
Sentença AAlcoviteira foi condenada ao inferno.
Recursos expressivos Interjeições e exclamações
Ex. “Hui, houlá da barca!
- Perguntas retóricas
“Cuidais que dormia sono..?”
- Comparação
Ex. “Santa Úrsula nom converteo
tantas cachopas como eu”
- Ironia
Ex. “Que saboroso
arrecear”
- Eufemismo
Ex. “fogo infernal”
- Conotação
Ex.
“salvar”, “converter”
e “perder”
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Beatriz Campos
 
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Toninho Mata
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Rita Galrito
 
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9ºGrelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Secretaria Regional de Educação da Madeira
 
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-JudeuAuto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Pedro Lucas
 
Auto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeuAuto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeu
BeatrizMarques25
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Francisco Teixeira
 
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Catarina Faria
 
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
sin3stesia
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
Vanda Marques
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
José Ferreira
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
António Fernandes
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
Inês Moreira
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
Rosalina Simão Nunes
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
Quezia Neves
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
annapasilva
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 

Mais procurados (20)

Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O FradeAuto da barca do inferno, cena VI-O Frade
Auto da barca do inferno, cena VI-O Frade
 
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do InfernoCena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
Cena do Enforcado - Auto da Barca do Inferno
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
 
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9ºGrelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
 
Auto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-JudeuAuto da Barca do Inferno-Judeu
Auto da Barca do Inferno-Judeu
 
Auto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeuAuto da barca do inferno - judeu
Auto da barca do inferno - judeu
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedorAutodabarcadoinferno procurador e corregedor
Autodabarcadoinferno procurador e corregedor
 
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
Auto da Barca do Inferno - cena VII - Alcoviteira.
 
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º anoO corregedor e o procurador - Português 9º ano
O corregedor e o procurador - Português 9º ano
 
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_pptAuto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
Auto da barca_do_inferno_O_Sapateiro_ppt
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
 
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesaAuto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
Auto da Barca do Inferno - argumentos de acusação e de defesa
 
Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"Análise do episódio "Inês de Castro"
Análise do episódio "Inês de Castro"
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 

Semelhante a Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira

Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteira
Benvinda Céu
 
A Profecia em Cantares de Salomão
A Profecia em Cantares de SalomãoA Profecia em Cantares de Salomão
A Profecia em Cantares de Salomão
welingtonjh
 
Auto da Barca do Inferno - Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno - AlcoviteiraAuto da Barca do Inferno - Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno - Alcoviteira
mafaldasofialouro
 
Branca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbisBranca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbis
Juliana Duarte
 
Branca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbisBranca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbis
Juliana Duarte
 
Branca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbisBranca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbis
Juliana Duarte
 
6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese
Catarina_marques
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Ana Paula
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
ma.no.el.ne.ves
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
João Afonso Pires
 
Paula e da Maria Inês
Paula e da Maria InêsPaula e da Maria Inês
Paula e da Maria Inês
omniblog
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
D9 abi 122_c7_alcoviteira
D9 abi 122_c7_alcoviteiraD9 abi 122_c7_alcoviteira
D9 abi 122_c7_alcoviteira
miguelribeiro
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
Carla Scala
 
Lendas urbanas
Lendas urbanasLendas urbanas
Lendas urbanas
jessica_wisni
 
Trecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sangueTrecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sangue
Patty Santos
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
Lendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oesteLendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oeste
Leandro Freitas Menezes
 

Semelhante a Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira (20)

Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteira
 
A Profecia em Cantares de Salomão
A Profecia em Cantares de SalomãoA Profecia em Cantares de Salomão
A Profecia em Cantares de Salomão
 
Auto da Barca do Inferno - Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno - AlcoviteiraAuto da Barca do Inferno - Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno - Alcoviteira
 
Branca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbisBranca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbis
 
Branca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbisBranca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbis
 
Branca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbisBranca dos mortos e os sete zumbis
Branca dos mortos e os sete zumbis
 
6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Paula e da Maria Inês
Paula e da Maria InêsPaula e da Maria Inês
Paula e da Maria Inês
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
D9 abi 122_c7_alcoviteira
D9 abi 122_c7_alcoviteiraD9 abi 122_c7_alcoviteira
D9 abi 122_c7_alcoviteira
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Auto da barca do inferno análise global
Auto da barca do inferno  análise globalAuto da barca do inferno  análise global
Auto da barca do inferno análise global
 
Lendas urbanas
Lendas urbanasLendas urbanas
Lendas urbanas
 
Trecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sangueTrecho de Filha do sangue
Trecho de Filha do sangue
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Lendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oesteLendas e mitos região centro oeste
Lendas e mitos região centro oeste
 

Mais de sin3stesia

Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
sin3stesia
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
sin3stesia
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
sin3stesia
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
sin3stesia
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
sin3stesia
 
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do ResteloDespedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
sin3stesia
 
Batalha de Aljubarrota
Batalha de AljubarrotaBatalha de Aljubarrota
Batalha de Aljubarrota
sin3stesia
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
sin3stesia
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categorias
sin3stesia
 
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_CavaleirosAuto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
sin3stesia
 
Quadros de sistematizacao_Auto_Barca_Inferno
Quadros de sistematizacao_Auto_Barca_InfernoQuadros de sistematizacao_Auto_Barca_Inferno
Quadros de sistematizacao_Auto_Barca_Inferno
sin3stesia
 
Rubrica apresentação oral
Rubrica apresentação oralRubrica apresentação oral
Rubrica apresentação oral
sin3stesia
 
Rubrica Avaliação Trabalho Escrito
Rubrica Avaliação Trabalho EscritoRubrica Avaliação Trabalho Escrito
Rubrica Avaliação Trabalho Escrito
sin3stesia
 
Rubrica Avaliacao Textos Criativos
Rubrica Avaliacao Textos CriativosRubrica Avaliacao Textos Criativos
Rubrica Avaliacao Textos Criativos
sin3stesia
 
Jorge Amado: biobibliografia
Jorge Amado: biobibliografiaJorge Amado: biobibliografia
Jorge Amado: biobibliografia
sin3stesia
 
Capitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticasCapitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticas
sin3stesia
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
sin3stesia
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
sin3stesia
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualização
sin3stesia
 

Mais de sin3stesia (19)

Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Tempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à ÍndiaTempestade e Chegada à Índia
Tempestade e Chegada à Índia
 
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do ResteloDespedidas em Belém e Velho do Restelo
Despedidas em Belém e Velho do Restelo
 
Batalha de Aljubarrota
Batalha de AljubarrotaBatalha de Aljubarrota
Batalha de Aljubarrota
 
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os LusíadasA Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
A Morte de Inês de Castro - Os Lusíadas
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categorias
 
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_CavaleirosAuto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
Auto_Barca_Cavaleiros_Os_Quatro_Cavaleiros
 
Quadros de sistematizacao_Auto_Barca_Inferno
Quadros de sistematizacao_Auto_Barca_InfernoQuadros de sistematizacao_Auto_Barca_Inferno
Quadros de sistematizacao_Auto_Barca_Inferno
 
Rubrica apresentação oral
Rubrica apresentação oralRubrica apresentação oral
Rubrica apresentação oral
 
Rubrica Avaliação Trabalho Escrito
Rubrica Avaliação Trabalho EscritoRubrica Avaliação Trabalho Escrito
Rubrica Avaliação Trabalho Escrito
 
Rubrica Avaliacao Textos Criativos
Rubrica Avaliacao Textos CriativosRubrica Avaliacao Textos Criativos
Rubrica Avaliacao Textos Criativos
 
Jorge Amado: biobibliografia
Jorge Amado: biobibliografiaJorge Amado: biobibliografia
Jorge Amado: biobibliografia
 
Capitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticasCapitães da Areia: linhas temáticas
Capitães da Areia: linhas temáticas
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
 
Os Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e IIOs Maias: Cap. I e II
Os Maias: Cap. I e II
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualização
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira

  • 1. Por : M. R., L. S., K. K. & L. de M.
  • 2. Voluntários para ler esta cena? • Anjo • Diabo • Companheiro do Diabo • Alcoviteira Brízida
  • 4.  Naquele tempo: Aquela que vive à custa de prostitutas. - Alcoviteira = alcova (quarto interior de dormir) +eira (profissão).  A Alcoviteira é uma personagem tipo pois representa um grupo social, as muitas mulheres que têm esta profissão.  Hoje em dia: uma alcoviteira é uma coscuvilheira
  • 5. São os ministros sagrados Na Idade Média tinham privilégio na sociedade feudal
  • 6. “Úrsula era uma jovem de beleza excepcional, filha de um soberano Bretão, que foi secretamente consagrada a Deus mas foi pedida em casamento pelo príncipe pagão Ereo. A recusa da virgem deu início a uma guerra e por isso, aconselhada por um anjo quando teve uma visão em um sonho, pediu para prorrogar a sua decisão por três anos, para melhor compreender a vontade do Senhor e na esperança que o noivo prometido se convertesse ao Cristianismo e mudasse de ideia.” Esta foi martirizada com mais onze mil virgens. - Wikipedia
  • 7. • A prostituição ainda acontece no século XXI. • Ao ler esta cena dá para perceber que esta profissão já começou há séculos apesar do que se pensa. Em oito países europeus a prostituição é legal : • Alemanha • Áustria • Suíça • Grécia • Turquia • Hungria • Letónia
  • 8. 1. “Seiscentos virgos postiços” 2. “três arcas de feitiços” 3. “Três almários de mentir” 4. “Cinco cofres de enleos” 5. “Furtos alheos” 6. “Jóias de vestir” 7. “Guarda-roupa de encobrir” 8. “Casa movediça” 9. “Um estrado de cortiça” 10. “Dez coxins de embair” 1. Representa 600 raparigas que estão dispostas a trabalhar na prostituição. 2. O povo achava que estas raparigas eram bruxas e também ela enganava as pessoas e muitas vezes parecia uma espécie de feitiço. 3. Todas as mentiras que contou. 4. Representa os seus mexericos. 5. Isto representa roubo e enganar 6. As jóias representam o luxo. 7. A roupa representa o que usavam por cima para encobrir a actividade e os seus defeitos. 8. Não era só uma casa de prostituição, mudavam muito de lugar. 9. Um estrado é uma parte da cama, isto representa relações sexuais. A parte de cortiça representa a má qualidade do sítio. 10. Coxins são almofadas e embair, enganar. Isto representa como ela enganou as pessoas e tinha que iludir as pessoas do seu trabalho.
  • 9. Nesta cena o Diabo acaba por não acusar a Alcoviteira de nada pois ela fá-lo sozinha. “que dava as moças a molhos/a” “A mor cárrega que é:/essas moças que vendia.”
  • 10.  Salvou as meninas de pobreza  Diz que se for para o Inferno, toda a gente vai  Diz que já passou por muito  Diz que converteu muitas meninas Ex. “Açoutes tenho levados, e tormentos suportados que ninguém me foi igual. Se eu fosse ao fogo infernal lá iria todo o mundo! A estoutra barca, cá fundo, me vou, que é mais real”.
  • 11. - Criticar as mulheres pois estão a usar o corpo para dinheiro, sendo exploradas e usadas. Eram interesseiras, sendo descaradas, não tendo fé ou respeito por elas próprias. - As raparigas eram criticadas por serem “convertidas” nesta profissão e venderem o seu corpo. Também porque a Brízida era mentirosa e manipuladora dizendo que “convertia meninas”. - Está também a criticar o clero porque a personagem na cena antes é um frade que traz consigo uma acompanhante. Ex. Diabo- “Essa dama, é ela vossa?” Frade- “Por minha lá tenho eu, e sempre a tive de meu” Diabo- “E não punham lá grosa, no vosso convento santo?” Frade- “E eles fazem outro tanto!”. Esta a dizer que os membros do clero, são adúlteros e têm uma falsa religião. Ex. “criava as meninas pera os cónegos da Sé”
  • 12. - É manipuladora e inteligente pois usa palavras religiosas para convencer o Anjo a deixá-la entrar. Ex. “Santa Úrsula não converteu tantas cachopas como eu: todas salvas polo meu, que nenhua se perdeu!” (verso 542) - É interesseira porque usou as miúdas e os seus corpos por dinheiro. - É hipócrita e calculista porque tentar seduzir o Anjo, mas quando fala com o Diabo ela é completamente diferente. Ex. (Diabo) “Não é essa barca a que eu cato!” Ex. (Anjo) “meu amor, minha boninas, olhos perlinhas finas”
  • 13. 1º momento- diz que não vai entrar na barca do diabo (vs. 486- 525) - “Não quero eu entrar lá” 2º momento- O anjo não a aceita na barca (vs. 526- 557) - “Eu não sei quem te trás cá” 3º momento- Entra na barca do diabo (vs. 558- 565) - “Ora entrai, minha senhora, e series bem recebida”  
  • 14. Linguagem A forma como a Alcoviteira falava e as palavras que usava na sedução Ex. “Cuidais que trago piolhos?” Carácter Ela acha que pode continuar o negócio no Paraíso Situação Quando ela tentava seduzir as pessoas e quando chega carregada com aquelas coisas todas Ex. “Minha rosa”
  • 15. - Interjeições e exclamações Ex. “Hui, houlá da barca! - Perguntas retóricas “Cuidais que dormia sono..?” - Ironia Ex. “Que saboroso arrecear” - Eufemismo Ex. “fogo infernal” - Comparação Ex. “Santa Úrsula nom converteo tantas cachopas como eu” - Metáfora Ex. “meu amor, minhas boninas, olho de perlinhas finas” - Conotação Ex. “salvar”, “converter” e “perder” AAlcoviteira usava estas palavras num modo religiosa, para tentar convencer o Anjo que fez coisas boas e merece ir para o Paraíso.
  • 17. Aspectos a analisar Conclusões & elementos textuais Símbolos cénicos e sua simbologia • Seiscentos virgos postiços • Três arcas de feitiços • Três almários de mentir • “Cinco cofres de enleos • “Furtos alheos Percurso cénico 1º momento-(vs. 486- 525)  2º momento- (vs. 526- 557)  3º momento- (vs. 558- 565) Argumentos de defesa (da personagem a embarcar) Em sua defesa a Alcoviteira diz que:  Salvou as meninas de pobreza  Diz que se for para o Inferno, toda a gente vai  Diz que já passou por muito  Diz que converteu muitas meninas • “Jóias de vestir • “Guarda-roupa de encobrir • “Casa movediça • “Um estrado de cortiça • Dez coxins de embair
  • 18. Aspectos a analisar Conclusões & elementos textuais Argumentos de defesa (da personagem a embarcar) Em sua defesa a Alcoviteira diz que:  Salvou as meninas de pobreza  Diz que se for para o Inferno, toda a gente vai  Diz que já passou por muito  Diz que converteu muitas meninas Argumentos de acusação (das outras personagens) Nesta cena o Diabo acaba por não acusar a Alcoviteira de nada pois ela o faz sozinha. Ex.: “A mor cárrega que é:/essas moças que vendia.”
  • 19. Aspectos a analisar Conclusões & elementos textuais Caracterização Esta personagem é manipuladora, inteligente, intersseira, hipócrita e calcalculista. Ex. “Santa Úrsula não converteu tantas cachopas como eu: todas salvas polo meu, que nenhua se perdeu!” (verso 542) Sentença AAlcoviteira foi condenada ao inferno. Recursos expressivos Interjeições e exclamações Ex. “Hui, houlá da barca! - Perguntas retóricas “Cuidais que dormia sono..?” - Comparação Ex. “Santa Úrsula nom converteo tantas cachopas como eu” - Ironia Ex. “Que saboroso arrecear” - Eufemismo Ex. “fogo infernal” - Conotação Ex. “salvar”, “converter” e “perder”