SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 68
Aulão de
História
Regional
Unemat (2014)
1. Os bandeirantes: escravidão indígena e
exploração do ouro
• Expedições particulares que percorreram o
interior do Brasil
– Objetivos: buscar riquezas minerais e
escravizar indígenas.
– Origem: Vila de São Paulo.
– Tipos de bandeiras: apresamento (caça ao
índio), sertanismo de contrato (destruição de
quilombos ou outros serviços no interior),
busca de metais
Chegada dos bandeirantes em MT
1.1. As bandeiras e a conquista do
sertão mato-grossense
• Manoel de Campos Bicudo e Bartolomeu
Bueno da Silva: primeiros (1673-1682/Arraial
de São Gonçalo Velho);
• Objetivo dos bandeirantes em Mato Grosso:
escravizar índios;
• A bandeira de Antônio Pires de Campos
(1718):
– Chegada à região do Coxipó-Mirim;
– Objetivo: aprisionar
os Coxiponé (Bororo);
• A bandeira de Pascoal Moreira Cabral (1719):
– Interessada no apresamento indígena;
– Encontrou ouro no rio Coxipó (Lavras do Coxipó-
Mirim);
– Confronto com os índios Coxiponé;
– Auxílio da bandeira dos Irmãos Antunes Maciel e
da bandeira de Fernão Dias Falcão;
– Fundação do Arraial da Forquilha (confluência dos
rios Coxipó e Mutuca);
• Consequência da descoberta de ouro: aumento
dos interesses dos paulistas e dos portugueses no
território mato-grossense.
O Arraial da Forquilha
2. A fundação de Cuiabá
• Descobrimento das primeiras minas mato-
grossenses (1719).
• Início da colonização da região.
• Ata do descobrimento de ouro valeu com
documento fundador das minas cuiabanas.
• Nomeação de João Antunes Maciel
(Superintendente Geral das Minas) e Fernão
Dias Falcão (Capitão-Mor Regente).
As lavras do Sutil
2.1. As Lavras do Sutil
• A chegada de Miguel Sutil (1722):
– Descoberta de ouro no Córrego da Prainha;
–“Lavras do Sutil”;
– Deslocamento populacional para as “Lavras do
Sutil”;
– Início do povoamento às margens do Córrego da
Prainha;
• Origem histórica da atual cidade de Cuiabá.
O Arraial do Senhor Bom Jesus de Cuiabá
2.2. Abastecimento das minas
cuiabanas
• Produtos de primeira necessidade –
agricultura de subsistência (Rio Abaixo e
Serra Acima);
• Comércio de maior porte (Capitania de São
Paulo – monções de abastecimento).
2.3. As monções paulistas
• Expedições fluviais de comércio - partiam da
Capitania de SP com o objetivo de abastecer as
regiões mineradoras.
• Mercadorias: escravos, ferramentas de trabalho,
manufaturas em geral.
• Constituía-se no meio mais seguro de se atingir a
vila de Cuiabá durante o século XVIII e início do
século XIX.
• Em razões das dificuldades enfrentadas, as
mercadorias tinham preços exorbitantes.
ROTEIROS DE ACESSO À MT NO SÉC. XVIII
RODRIGO CÉSAR DE MENEZES EM CUIABÁ
2.4. A Vila de Cuiabá
• Elevação à categoria de Vila Real do Senhor
Bom Jesus de Cuiabá;
• Prêmio pela elevada extração de ouro.
A VILA REAL DO SENHOR BOM JESUS DE CUIABÁ
3. A escravidão negra em MT
• Mão de obra por excelência.
• Trazidos através das monções e da
Companhia de Comércio do Grão-Pará e
Maranhão (1755-1778).
• Determinante na edificação de aldeias,
arraiais, fortes e vilas.
• Utilizados em diversos ofícios.
• Péssimas condições de trabalho, alimentação
precária.
• Intensamente marcada por vários atos de
resistência à escravidão.
3.1. Resistência negra
• Queima de plantações.
• Suicídio, infanticídio, aborto, banzo.
• Assassinato de feitores e de proprietários de
escravos.
• Prática de religiões de matriz africana.
• Formação de quilombos.
• Prática do compadrio.
3.2. Os quilombos
• Comunidade de fugitivos da ordem colonial.
• Apresentava população variada: negra,
indígena e branca pobre.
• Proliferaram-se em Mato Grosso nos séculos
XVIII e XIX.
• Principais quilombos: Piolho e Aldeia Carlota
(Vila Bela), Rio Manso ou Cansanção
(Chapada dos Guimarães).
DESTRUIÇÃO DO QUILOMBO DO PIOLHO
4. Os tratados de fronteira entre
Portugal e Espanha
• Capitania de MT (09/05/1748).
• O governo de Rolim de Moura.
• O governo de Luís de Albuquerque.
• Os tratados de limites – consolidação da
fronteira oeste no século XVIII.
4.1 Criação da Capitania de MT
• Rolim de Moura: 1º capitão-general.
• Fundação de Vila Bela: 1ª capital, instalada
em local insalubre.
• Abastecimento através da Companhia de
Comércio do Grão-Pará e Maranhão (1755-
1778).
• Estabelecimento do poder metropolitano no
Vale do Guaporé.
• MT = “Antemural da colônia”.
VILA BELA DA SANTÍSSIMA TRINDADE
4.2 Tratado de Madri (1750)
• Principal dos tratados;
• Princípio do “Uti Possidetis” – posse por
ocupação reconhecida.
• Defendido por Alexandre de Gusmão;
• Garantiu a Portugal a bacia Amazônica e o
oeste do Brasil.
• Efetivação do “Uti Possidetis”: construção
de Vila Bela (Guaporé);
INSTALAÇÃO DO MARCO DO JAURU
4.3. Luís de Albuquerque de Melo
Pereira e Cáceres
• Principal governante do período colonial.
• Consolidou a fronteira Oeste.
• Cidades e fortes em posições estratégicas:
– Vila Maria de Cáceres, Casalvasco, Cocais,
São Pedro D’El Rey, Albuquerque.
– Fortes: norte: Príncipe da Beira; no sul, o
Forte de Coimbra.
LUIS DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E
CÁCERES
4. A Rusga (1834)
• Definição: movimento de caráter sócio-
político ocorrido em MT.
• Causas: disputa pelo poder político entre
liberais e conservadores. condições
socioeconômicas de MT.
• Grupos envolvidos: liberais (Sociedade dos
Zelosos da Independência), conservadores
(Sociedade Filantrópica) e camadas
populares.
4.1. Características da Rusga
• Luta travada no interior das elites.
• Contra os portugueses e demais estrangeiros
da província de MT.
• Apesar das reações de violência, o
movimento não defendia nenhuma alteração
nas relações de trabalho, no regime político
ou no processo eleitoral.
5. A Guerra do Paraguai
• O maior conflito armado da América do Sul.
• Tríplice Aliança X Paraguai.
• O território mato-grossense foi invadido e
ocupado pelo exército paraguaio.
5.1. MT no início do conflito
• Dificuldades de comunicação com o RJ.
• Parte mais fragilizada da fronteira Oeste.
• Província precariamente militarizada.
• Defesa do território = militares + índios +
população livre e escrava.
• Ocupação paraguaia no sul da província
(Dourados, Corumbá, Miranda e Nioaque).
• Batalhão dos “Voluntários da Pátria”:
– Comando de Augusto Leverger;
– Defesa da capital nas colinas de Melgaço.
• Ao final da guerra, Augusto Leverger assumiu
a presidência da província.
Trincheiras de Barão de Melgaço, por Moacyr Freitas
Augusto Leverger e os Voluntários da Pátria
5.5. Repercussões em MT
• Alteração no cotidiano da população (fome,
medo e doenças).
• Medo de uma invasão paraguaia à Cuiabá.
• Intensificação dos ataques indígenas e de
quilombolas (Quilombo do rio Manso –
Chapada dos Guimarães).
• Insegurança em relação aos escravos.
• Dificuldades de abastecimento.
• Epidemia de varíola.
5.6. Consequências para MT
• Reabertura da Bacia Platina.
• Integração ao capitalismo internacional:
- exportação de matérias-primas;
- importação de produtos industrializados;
• Emergência de uma burguesia comercial:
- proprietária das casas comerciais;
- desenvolvimento de cidades portuárias;
• Lento processo de modernização da província
de Mato Grosso.
6. Características políticas durante a 1ª
República
• Personalismo dos chefes políticos, partidos políticos
de pouca expressão.
• Formação dos “batalhões patrióticos” sob o comando
dos coronéis.
• Lutas coronelísticas financiadas pela máquina estatal.
• Domínio exercido pelos coronéis e ação de bandos e
bandidos.
• Primeiras manifestações separatistas no sul do estado.
6.2. Movimentos políticos na República
Velha em MT
• A Revolução de 1892.
• O massacre da Baía do Garcez (1901).
• A Revolta de 1906.
• A Caetanada (1916).
• Morbeck X Carvalhinho (década de 1920).
7. Economia de Mato Grosso na 1ª
República (1889-1930)
• Usinas de açúcar
• Pecuária
7.1. As Usinas de açúcar
• Importação de máquinas e equipamentos.
• Localização: margens do rio Cuiabá e do rio
Paraguai.
– facilidade de transporte do produto;
– fertilidade do solo;
• Importante atividade econômica até a
meados do século XX (década de 1940).
7.2. A Pecuária
• 1ª fase: no início da colonização:
– Atividade complementar à mineração;
– Chapada (Serra Acima) e Rio Abaixo;
– Pantanal (Cáceres e Poconé);
– Mão de obra livre;
• 2ª fase: final do séc. XIX:
– favorecida pela navegação fluvial;
– exportação de derivados bovinos;
8. Tanque Novo (1933)
• Movimento social ocorrido em Poconé.
• Contexto histórico: eleições para a formação
da Assembleia Constituinte.
8.1. Repressão ao Tanque Novo
• Interventor Leônidas Matos.
• Nomeação de Antônio Correa da Costa
(prefeito de Poconé).
• Perseguição aos opositores de Getúlio.
• Prisão de Doninha, que apoiava o Partido
Constitucionalista (oposição). Libertada
pouco tempo depois.
9. Características econômicas de MT
na Era Vargas (1930-1945)
• Marcha para o Oeste:
– 1º movimento promovido pelo governo
federal visando a ocupação e colonização das
terras mato-grossenses.
– Durante o Estado Novo, no inicio da década
de 1940.
9.1. Desdobramentos da
Marcha para o Oeste
• Criação de dois territórios federais em Mato
Grosso:
– Ponta Porã e Guaporé;
– Questões políticas e militares;
MT – DOMÍNIO TERRITORIAL 1943
• Criação da Colônia Agrícola Federal de
Dourados (1943):
– Expansão da fronteira agrícola para o Oeste
do país;
– Estímulo à vinda de migrantes gaúchos;
– Controle da fronteira;
– Quebra do monopólio da Empresa Mate
Laranjeira;
10. Divisão do estado de MT (1977)
• Proposta pela Lei Complementar nº 31 de
11/10/1977.
• Efetivada em 1979.
• O Sul possuía ligações históricas com os
vizinhos (Paraguai, São Paulo, Minas Gerais e
Paraná).
• O Norte possuía ligação restrita com o Rio de
Janeiro.
10.1. O processo histórico da divisão
do estado de MT
• Longo movimento que permeou boa parte
do século XX.
• Concretização das lutas históricas das
lideranças sulistas.
• A crise separatista inicia-se ao final do século
XIX (1896).
• Na Revolução Constitucionalista (1932) o sul
optou pelo engajamento com SP.
• Fundação da Liga Sul-mato-grossense (1932):
defesa da bandeira do separatismo.
• Criação do território de Ponta Porã (1943):
segurança das fronteiras (reintegrado em
1946).
• 1958: Surgimento do MDM (Movimento
Divisionista de Mato Grosso).
• Ditadura Militar (1964-1985): binômio
desenvolvimento (tecnocratas) + segurança
(militares).
• A lei que dividiu MT foi aprovada no governo
do presidente Ernesto Geisel (Ditadura
Militar).
• Contou com o apoio das lideranças políticas
estabelecidas no sul de Mato Grosso.
• Garcia Neto (governador de MT) oposição à
ideia de divisão.
• Na ótica da geopolítica militar a divisão
garantiria a soberania nacional.
A DIVISÃO DO ESTADO
(11/10/1977)
• MT após a divisão: 38
municípios;
• MS após a divisão: 55
municípios.
11. A colonização do norte de MT
• A intenção de promover a colonização de
MT não era novidade.
• Discurso de integrar a Amazônia (MT, RO e
AC).
• Visava resolver os problemas sociais
existentes nas regiões Nordeste e Sul.
• Utilização de intensa campanha
propagandística.
• Parceria do poder público com a iniciativa
privada (colonizadoras particulares).
• Criação do INCRA (1972): venda de terras
devolutas da Amazônia para as colonizadoras
privadas e instalação de projetos
agropecuários e de exploração mineral.
• Criação da SUDAM e da SUDECO.
• Construção de rodovias: BR 163 e BR 364.
• Criação da CODEMAT (Companhia de
Desenvolvimento do Estado de MT):
– Estímulo ao projetos de colonização;
– Criação da infraestrutura em áreas de fronteira;
– Promoção do desenvolvimento da economia;
– Integração territorial do estado.
• Atração de muitos colonizadores e colonos
(principalmente sulistas).
• Surgimento de cidades ao longo das
rodovias.
• Edificação de cidades planejadas pelas
colonizadoras particulares.
• Atração de novos moradores através da
mídia.
• Crescimento populacional de MT.
11. Consequências da colonização
• Conflitos com os índios, depredação da
natureza, expulsão dos seringueiros e dos
pequenos agricultores.
• Concentração da terra (latifúndios).
• Conflitos sociais no campo.
• Alteração no espaço urbano de Cuiabá.
• “Choque cultural”: chegada dos “paus-
rodados”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)
As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)
As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)Tamires De Sousa Silva
 
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegaçõesDarlan Campos
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015João Medeiros
 
GEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na Amazônia
GEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na AmazôniaGEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na Amazônia
GEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na AmazôniaDiego Lopes
 
As primeiras civilizações egipto
As primeiras civilizações   egiptoAs primeiras civilizações   egipto
As primeiras civilizações egiptoNuno Faustino
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medievalcattonia
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85cruchinho
 
A ModernizaçãO
A ModernizaçãOA ModernizaçãO
A ModernizaçãOjdlimaaear
 
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de PortugalAs guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de PortugalPatrícia Costa Grigório
 
Quiz – independencia do brasil
Quiz – independencia do brasilQuiz – independencia do brasil
Quiz – independencia do brasilAlcidon Cunha
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsCarlos Vieira
 
Civilizações pré colombianas
Civilizações pré colombianasCivilizações pré colombianas
Civilizações pré colombianasElton Zanoni
 
História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...
História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...
História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...Marco Aurélio Gondim
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power pointAna Paiva
 

Mais procurados (20)

As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)
As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)
As cidades pré colombianas2 (história 14-06-12)
 
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
11. aula de história geral - mercantilismo e grandes navegações
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
GEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na Amazônia
GEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na AmazôniaGEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na Amazônia
GEO PSC1 - Extrativismo de Drogas do Sertão na Amazônia
 
As primeiras civilizações egipto
As primeiras civilizações   egiptoAs primeiras civilizações   egipto
As primeiras civilizações egipto
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medieval
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
 
A ModernizaçãO
A ModernizaçãOA ModernizaçãO
A ModernizaçãO
 
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de PortugalAs guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
 
Quiz – independencia do brasil
Quiz – independencia do brasilQuiz – independencia do brasil
Quiz – independencia do brasil
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império Português
 
Período colonial
Período colonialPeríodo colonial
Período colonial
 
Reformas pombalinas
Reformas pombalinasReformas pombalinas
Reformas pombalinas
 
Romanos
Romanos Romanos
Romanos
 
Civilizações pré colombianas
Civilizações pré colombianasCivilizações pré colombianas
Civilizações pré colombianas
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 
História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...
História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...
História do Mato Grosso do Sul - Pré-história. Prof. Marco Aurelio Gondim [ww...
 
1 de dezembro de 1640 power point
1 de dezembro de 1640   power point1 de dezembro de 1640   power point
1 de dezembro de 1640 power point
 

Semelhante a Aulão de história regional - UNEMAT 2014

História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014Carlos Benjoino Bidu
 
REPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptx
REPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptxREPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptx
REPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptxKakHistriasKritaReze
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1solange caldeira
 
História do Ceará.ppt
História do Ceará.pptHistória do Ceará.ppt
História do Ceará.pptCarloseff
 
História do Ceará.ppt
História do Ceará.pptHistória do Ceará.ppt
História do Ceará.pptCarloseff
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 cDaniel Alves Bronstrup
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015Rafael Noronha
 
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdfAula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdfGerson Coppes
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira Repúblicaisameucci
 
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdfprimeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdfSandro Nandolpho
 
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckmanAspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckmanEliphas Rodrigues
 
Mato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa genteMato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa genteJanicélia Feijó Garcia
 

Semelhante a Aulão de história regional - UNEMAT 2014 (20)

História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
História de MT - OPERAÇÃO UNEMAT 2014
 
Criação de mato grosso do sul 9ºano
Criação de mato grosso do sul 9ºanoCriação de mato grosso do sul 9ºano
Criação de mato grosso do sul 9ºano
 
Brasil colônia 3
Brasil colônia 3Brasil colônia 3
Brasil colônia 3
 
Republica velha
Republica velhaRepublica velha
Republica velha
 
REPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptx
REPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptxREPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptx
REPÚBLICA OLIGARQUICA - 9 ANO.pptx
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 1 c
 
04 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-104 historia de_mato_grosso-1
04 historia de_mato_grosso-1
 
Revoltas coloniais
Revoltas coloniaisRevoltas coloniais
Revoltas coloniais
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
História de Santa Catarina -parte 02
História de Santa Catarina -parte 02História de Santa Catarina -parte 02
História de Santa Catarina -parte 02
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
História do Ceará.ppt
História do Ceará.pptHistória do Ceará.ppt
História do Ceará.ppt
 
História do Ceará.ppt
História do Ceará.pptHistória do Ceará.ppt
História do Ceará.ppt
 
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
 
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015001  2º ano  história   rafael  - américa portuguesa até mineração 2015
001 2º ano história rafael - américa portuguesa até mineração 2015
 
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdfAula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
Aula quase 6 [3-2022] - Brasil sil sil.pdf
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdfprimeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
primeirarepublicacompleto-160518140115.pdf
 
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckmanAspecto culturais da colônia e revolta de beckman
Aspecto culturais da colônia e revolta de beckman
 
Mato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa genteMato grosso do sul-Nossa história nossa gente
Mato grosso do sul-Nossa história nossa gente
 

Mais de Edenilson Morais

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoEdenilson Morais
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Edenilson Morais
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)Edenilson Morais
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalEdenilson Morais
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonialEdenilson Morais
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Edenilson Morais
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltEdenilson Morais
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtEdenilson Morais
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosEdenilson Morais
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisEdenilson Morais
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeEdenilson Morais
 

Mais de Edenilson Morais (20)

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
 
A nova historia cultural
A nova historia culturalA nova historia cultural
A nova historia cultural
 
Guerraspunicas
GuerraspunicasGuerraspunicas
Guerraspunicas
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendt
 
Durkheim suicidio
Durkheim suicidioDurkheim suicidio
Durkheim suicidio
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
 
A visão da afro
A visão da afroA visão da afro
A visão da afro
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
 
Cartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerraCartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerra
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidade
 
Weber e o capitalismo
Weber e o capitalismoWeber e o capitalismo
Weber e o capitalismo
 
Historia total
Historia totalHistoria total
Historia total
 

Último

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 

Aulão de história regional - UNEMAT 2014

  • 2. 1. Os bandeirantes: escravidão indígena e exploração do ouro • Expedições particulares que percorreram o interior do Brasil – Objetivos: buscar riquezas minerais e escravizar indígenas. – Origem: Vila de São Paulo. – Tipos de bandeiras: apresamento (caça ao índio), sertanismo de contrato (destruição de quilombos ou outros serviços no interior), busca de metais
  • 3.
  • 4.
  • 6. 1.1. As bandeiras e a conquista do sertão mato-grossense • Manoel de Campos Bicudo e Bartolomeu Bueno da Silva: primeiros (1673-1682/Arraial de São Gonçalo Velho); • Objetivo dos bandeirantes em Mato Grosso: escravizar índios;
  • 7. • A bandeira de Antônio Pires de Campos (1718): – Chegada à região do Coxipó-Mirim; – Objetivo: aprisionar os Coxiponé (Bororo);
  • 8. • A bandeira de Pascoal Moreira Cabral (1719): – Interessada no apresamento indígena; – Encontrou ouro no rio Coxipó (Lavras do Coxipó- Mirim); – Confronto com os índios Coxiponé; – Auxílio da bandeira dos Irmãos Antunes Maciel e da bandeira de Fernão Dias Falcão; – Fundação do Arraial da Forquilha (confluência dos rios Coxipó e Mutuca); • Consequência da descoberta de ouro: aumento dos interesses dos paulistas e dos portugueses no território mato-grossense.
  • 9. O Arraial da Forquilha
  • 10. 2. A fundação de Cuiabá • Descobrimento das primeiras minas mato- grossenses (1719). • Início da colonização da região. • Ata do descobrimento de ouro valeu com documento fundador das minas cuiabanas. • Nomeação de João Antunes Maciel (Superintendente Geral das Minas) e Fernão Dias Falcão (Capitão-Mor Regente).
  • 11. As lavras do Sutil
  • 12. 2.1. As Lavras do Sutil • A chegada de Miguel Sutil (1722): – Descoberta de ouro no Córrego da Prainha; –“Lavras do Sutil”; – Deslocamento populacional para as “Lavras do Sutil”; – Início do povoamento às margens do Córrego da Prainha; • Origem histórica da atual cidade de Cuiabá.
  • 13. O Arraial do Senhor Bom Jesus de Cuiabá
  • 14. 2.2. Abastecimento das minas cuiabanas • Produtos de primeira necessidade – agricultura de subsistência (Rio Abaixo e Serra Acima); • Comércio de maior porte (Capitania de São Paulo – monções de abastecimento).
  • 15. 2.3. As monções paulistas • Expedições fluviais de comércio - partiam da Capitania de SP com o objetivo de abastecer as regiões mineradoras. • Mercadorias: escravos, ferramentas de trabalho, manufaturas em geral. • Constituía-se no meio mais seguro de se atingir a vila de Cuiabá durante o século XVIII e início do século XIX. • Em razões das dificuldades enfrentadas, as mercadorias tinham preços exorbitantes.
  • 16. ROTEIROS DE ACESSO À MT NO SÉC. XVIII
  • 17. RODRIGO CÉSAR DE MENEZES EM CUIABÁ
  • 18. 2.4. A Vila de Cuiabá • Elevação à categoria de Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá; • Prêmio pela elevada extração de ouro.
  • 19. A VILA REAL DO SENHOR BOM JESUS DE CUIABÁ
  • 20. 3. A escravidão negra em MT • Mão de obra por excelência. • Trazidos através das monções e da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão (1755-1778). • Determinante na edificação de aldeias, arraiais, fortes e vilas. • Utilizados em diversos ofícios. • Péssimas condições de trabalho, alimentação precária. • Intensamente marcada por vários atos de resistência à escravidão.
  • 21.
  • 22. 3.1. Resistência negra • Queima de plantações. • Suicídio, infanticídio, aborto, banzo. • Assassinato de feitores e de proprietários de escravos. • Prática de religiões de matriz africana. • Formação de quilombos. • Prática do compadrio.
  • 23.
  • 24. 3.2. Os quilombos • Comunidade de fugitivos da ordem colonial. • Apresentava população variada: negra, indígena e branca pobre. • Proliferaram-se em Mato Grosso nos séculos XVIII e XIX. • Principais quilombos: Piolho e Aldeia Carlota (Vila Bela), Rio Manso ou Cansanção (Chapada dos Guimarães).
  • 26. 4. Os tratados de fronteira entre Portugal e Espanha • Capitania de MT (09/05/1748). • O governo de Rolim de Moura. • O governo de Luís de Albuquerque. • Os tratados de limites – consolidação da fronteira oeste no século XVIII.
  • 27.
  • 28. 4.1 Criação da Capitania de MT • Rolim de Moura: 1º capitão-general. • Fundação de Vila Bela: 1ª capital, instalada em local insalubre. • Abastecimento através da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão (1755- 1778). • Estabelecimento do poder metropolitano no Vale do Guaporé. • MT = “Antemural da colônia”.
  • 29.
  • 30. VILA BELA DA SANTÍSSIMA TRINDADE
  • 31. 4.2 Tratado de Madri (1750) • Principal dos tratados; • Princípio do “Uti Possidetis” – posse por ocupação reconhecida. • Defendido por Alexandre de Gusmão; • Garantiu a Portugal a bacia Amazônica e o oeste do Brasil. • Efetivação do “Uti Possidetis”: construção de Vila Bela (Guaporé);
  • 33. 4.3. Luís de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres • Principal governante do período colonial. • Consolidou a fronteira Oeste. • Cidades e fortes em posições estratégicas: – Vila Maria de Cáceres, Casalvasco, Cocais, São Pedro D’El Rey, Albuquerque. – Fortes: norte: Príncipe da Beira; no sul, o Forte de Coimbra.
  • 34. LUIS DE ALBUQUERQUE DE MELO PEREIRA E CÁCERES
  • 35. 4. A Rusga (1834) • Definição: movimento de caráter sócio- político ocorrido em MT. • Causas: disputa pelo poder político entre liberais e conservadores. condições socioeconômicas de MT. • Grupos envolvidos: liberais (Sociedade dos Zelosos da Independência), conservadores (Sociedade Filantrópica) e camadas populares.
  • 36.
  • 37. 4.1. Características da Rusga • Luta travada no interior das elites. • Contra os portugueses e demais estrangeiros da província de MT. • Apesar das reações de violência, o movimento não defendia nenhuma alteração nas relações de trabalho, no regime político ou no processo eleitoral.
  • 38. 5. A Guerra do Paraguai • O maior conflito armado da América do Sul. • Tríplice Aliança X Paraguai. • O território mato-grossense foi invadido e ocupado pelo exército paraguaio.
  • 39. 5.1. MT no início do conflito • Dificuldades de comunicação com o RJ. • Parte mais fragilizada da fronteira Oeste. • Província precariamente militarizada. • Defesa do território = militares + índios + população livre e escrava.
  • 40.
  • 41. • Ocupação paraguaia no sul da província (Dourados, Corumbá, Miranda e Nioaque). • Batalhão dos “Voluntários da Pátria”: – Comando de Augusto Leverger; – Defesa da capital nas colinas de Melgaço. • Ao final da guerra, Augusto Leverger assumiu a presidência da província.
  • 42. Trincheiras de Barão de Melgaço, por Moacyr Freitas
  • 43. Augusto Leverger e os Voluntários da Pátria
  • 44. 5.5. Repercussões em MT • Alteração no cotidiano da população (fome, medo e doenças). • Medo de uma invasão paraguaia à Cuiabá. • Intensificação dos ataques indígenas e de quilombolas (Quilombo do rio Manso – Chapada dos Guimarães). • Insegurança em relação aos escravos. • Dificuldades de abastecimento. • Epidemia de varíola.
  • 45. 5.6. Consequências para MT • Reabertura da Bacia Platina. • Integração ao capitalismo internacional: - exportação de matérias-primas; - importação de produtos industrializados; • Emergência de uma burguesia comercial: - proprietária das casas comerciais; - desenvolvimento de cidades portuárias; • Lento processo de modernização da província de Mato Grosso.
  • 46. 6. Características políticas durante a 1ª República • Personalismo dos chefes políticos, partidos políticos de pouca expressão. • Formação dos “batalhões patrióticos” sob o comando dos coronéis. • Lutas coronelísticas financiadas pela máquina estatal. • Domínio exercido pelos coronéis e ação de bandos e bandidos. • Primeiras manifestações separatistas no sul do estado.
  • 47. 6.2. Movimentos políticos na República Velha em MT • A Revolução de 1892. • O massacre da Baía do Garcez (1901). • A Revolta de 1906. • A Caetanada (1916). • Morbeck X Carvalhinho (década de 1920).
  • 48. 7. Economia de Mato Grosso na 1ª República (1889-1930) • Usinas de açúcar • Pecuária
  • 49. 7.1. As Usinas de açúcar • Importação de máquinas e equipamentos. • Localização: margens do rio Cuiabá e do rio Paraguai. – facilidade de transporte do produto; – fertilidade do solo; • Importante atividade econômica até a meados do século XX (década de 1940).
  • 50. 7.2. A Pecuária • 1ª fase: no início da colonização: – Atividade complementar à mineração; – Chapada (Serra Acima) e Rio Abaixo; – Pantanal (Cáceres e Poconé); – Mão de obra livre; • 2ª fase: final do séc. XIX: – favorecida pela navegação fluvial; – exportação de derivados bovinos;
  • 51. 8. Tanque Novo (1933) • Movimento social ocorrido em Poconé. • Contexto histórico: eleições para a formação da Assembleia Constituinte.
  • 52. 8.1. Repressão ao Tanque Novo • Interventor Leônidas Matos. • Nomeação de Antônio Correa da Costa (prefeito de Poconé). • Perseguição aos opositores de Getúlio. • Prisão de Doninha, que apoiava o Partido Constitucionalista (oposição). Libertada pouco tempo depois.
  • 53. 9. Características econômicas de MT na Era Vargas (1930-1945) • Marcha para o Oeste: – 1º movimento promovido pelo governo federal visando a ocupação e colonização das terras mato-grossenses. – Durante o Estado Novo, no inicio da década de 1940.
  • 54. 9.1. Desdobramentos da Marcha para o Oeste • Criação de dois territórios federais em Mato Grosso: – Ponta Porã e Guaporé; – Questões políticas e militares;
  • 55. MT – DOMÍNIO TERRITORIAL 1943
  • 56. • Criação da Colônia Agrícola Federal de Dourados (1943): – Expansão da fronteira agrícola para o Oeste do país; – Estímulo à vinda de migrantes gaúchos; – Controle da fronteira; – Quebra do monopólio da Empresa Mate Laranjeira;
  • 57. 10. Divisão do estado de MT (1977) • Proposta pela Lei Complementar nº 31 de 11/10/1977. • Efetivada em 1979. • O Sul possuía ligações históricas com os vizinhos (Paraguai, São Paulo, Minas Gerais e Paraná). • O Norte possuía ligação restrita com o Rio de Janeiro.
  • 58. 10.1. O processo histórico da divisão do estado de MT • Longo movimento que permeou boa parte do século XX. • Concretização das lutas históricas das lideranças sulistas. • A crise separatista inicia-se ao final do século XIX (1896). • Na Revolução Constitucionalista (1932) o sul optou pelo engajamento com SP.
  • 59. • Fundação da Liga Sul-mato-grossense (1932): defesa da bandeira do separatismo. • Criação do território de Ponta Porã (1943): segurança das fronteiras (reintegrado em 1946). • 1958: Surgimento do MDM (Movimento Divisionista de Mato Grosso). • Ditadura Militar (1964-1985): binômio desenvolvimento (tecnocratas) + segurança (militares).
  • 60. • A lei que dividiu MT foi aprovada no governo do presidente Ernesto Geisel (Ditadura Militar). • Contou com o apoio das lideranças políticas estabelecidas no sul de Mato Grosso. • Garcia Neto (governador de MT) oposição à ideia de divisão. • Na ótica da geopolítica militar a divisão garantiria a soberania nacional.
  • 61. A DIVISÃO DO ESTADO (11/10/1977) • MT após a divisão: 38 municípios; • MS após a divisão: 55 municípios.
  • 62. 11. A colonização do norte de MT • A intenção de promover a colonização de MT não era novidade. • Discurso de integrar a Amazônia (MT, RO e AC). • Visava resolver os problemas sociais existentes nas regiões Nordeste e Sul. • Utilização de intensa campanha propagandística.
  • 63. • Parceria do poder público com a iniciativa privada (colonizadoras particulares). • Criação do INCRA (1972): venda de terras devolutas da Amazônia para as colonizadoras privadas e instalação de projetos agropecuários e de exploração mineral. • Criação da SUDAM e da SUDECO. • Construção de rodovias: BR 163 e BR 364.
  • 64. • Criação da CODEMAT (Companhia de Desenvolvimento do Estado de MT): – Estímulo ao projetos de colonização; – Criação da infraestrutura em áreas de fronteira; – Promoção do desenvolvimento da economia; – Integração territorial do estado. • Atração de muitos colonizadores e colonos (principalmente sulistas).
  • 65.
  • 66. • Surgimento de cidades ao longo das rodovias. • Edificação de cidades planejadas pelas colonizadoras particulares. • Atração de novos moradores através da mídia. • Crescimento populacional de MT.
  • 67.
  • 68. 11. Consequências da colonização • Conflitos com os índios, depredação da natureza, expulsão dos seringueiros e dos pequenos agricultores. • Concentração da terra (latifúndios). • Conflitos sociais no campo. • Alteração no espaço urbano de Cuiabá. • “Choque cultural”: chegada dos “paus- rodados”.