SlideShare uma empresa Scribd logo
Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 1
O Suicídio
- A obra é de 1897, escrito logo depois de sua tese de doutorado A Divisão do
Trabalho Social.
. Lembrem-se que logo no final do texto, ele afirma que a diferenciação social é a
solução pacífica da luta pela vida. Cada um, estando integrado em redes de
solidariedade orgânica, cumpre um papel social e assim, deixa de estar em
competição com os outros.
- Mas, quando a solidariedade mecânica e, portanto, a moral, se enfraquecem; e por
outro lado, a solidariedade orgânica, calcada na divisão do trabalho e na
cooperação, não se instituem, a sociedade entra em estado de anomia.
- Em linhas gerais, Durkheim aceita e até aprova o fenômeno da divisão do
trabalho, mas não deixa de apontar as suas contradições e de perceber que a
anomia pode se manifestar na forma do aumento das taxas de suicídio, inclusive,
do suicídio anômico, que é o que mais o interessa, pois, segundo Durkheim, este
seria próprio da sociedade moderna.
- Veremos com calma os três tipos, mas vale ressaltar que o suicídio anômico é
para ele a expressão mais evidente da crise da sociedade moderna, definida pela
desintegração social e pela debilidade dos laços que prendem o indivíduo ao grupo.
- A obra se propõe a estudar o fenômeno do suicídio, mas também aponta o
caminho que Durkheim acredita levar a uma solução para o problema das relações
entre o indivíduo e a sociedade no contexto moderno.
- Coerente com a obra anterior, a saída para ele não está no resgate da moral
(própria de sociedades tradicionais), e nem mesmo da religião ou da família. Para
ele, a religião não teria como conter a anomia das sociedades modernas, porque,
nestas sociedades, além dela terem perdido força, elas são de caráter mias abstrato
e intelectual, não se constituindo mais como escolas de disciplina, como eram no
passado. Já a família, seria incapaz de oferecer proteção contra o que ele chama de
correntes suicidógenas pois suas funções também estão em declínio. Nem mesmo o
Estado ou os grupos políticos teriam este poder, já que estão distantes dos
indivíduos.
- O único grupo social que pode favorecer a integração dos indivíduos na
coletividade é a profissão, ou para usar o termo Durkheimiano, a CORPORAÇÃO.
- CORPORAÇÕES: são organizações profissionais que, reunindo empregadores e
empregados, estariam suficientemente próximas ao indivíduo para constituir
escolas de disciplina.
- É interessante notar com Durkheim constrói o livro, que é considerado um
modelo em termos de rigor científico.
- Ele vai nesta ordem 1) Define o problema, como fez com os fatos sociais.
2) Diferencia o fenômeno como social, portanto, objeto da sociologia e não da
psicologia.
3) Refuta as interpretações anteriores.
4) Estabelece tipologias.
Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 2
5) Com base nas tipologias, desenvolve uma teoria geral do fenômeno estudado.
6) Procura pensar repostas para um problema social através de outros fatos sociais,
como as corporações.
Preâmbulos feitos, vamos ao texto, iniciando pelo cap. 09
- o que seria próprio e comum a todas as formas possíveis dessa renúncia na qual
consiste o suicídio? Ter consciência de que sua ação (ou sua inércia á ação) fará
com que o indivíduo não só esteja consciente de sua morte próxima, mas seja seu
próprio agente.
- ele começa por conceituar o fenômeno, que é sempre seu primeiro passo.
Pg 103: “Chama-se suicídio todo caso de morte que resulte, direta ou
indiretamente, de um ato, positivo ou negativo, executado pela própria vítima e que
ela saiba que deveria produzir este resultado”
- Positivo: no sentido da ação. Ex: dar um tiro na cabeça
Negativo: no sentido de passivo. Ex: não sair de uma casa em chamas, fazer greve
de fome.
- Se o ato é individual, porque interessa ao sociólogo?
- pg 104: se considerarmos o conjunto de suicídios cometidos numa
sociedade durante uma certa unidade de tempo, constata-se que o
total obtido não é uma simples soma de unidades independentes e
sim um fato novo e sui generis, de natureza social → igual ao modo
como ele concebe a consciência coletiva [Consciência coletiva: “o
conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos
membros de uma sociedade”. “Ela forma um sistema determinado,
que tem vida própria”. Formada pelas consciências individuais, mas
com força superior à elas. Evolui segundo suas próprias leis e não é
apenas a expressão ou efeito das consciências individuais].
- TAXA DE SUICÍDIO: freqüência dos suicídios em relação á uma
população determinada [pg 106, ele chama de “taxa de mortalidade-
suicídio própria da sociedade considerada”].
- Para Durkheim, esta taxa é relativamente constante → ela não varia
arbritrariamente, mas em função de múltiplas circunstâncias.
- em intervalos pequenos de tempo, salvo por eventos de natureza
extraordinária, ela é constante.
- aumentam quando pegamos intervalos de tempo mais longos, porque as
sociedades terão passado por mudanças que vão se refletir na taxa de
suicídios.
- Mesmo que a ruptura do equilíbrio social se dê subitamente, leva tempo para
produzir suas conseqüências e levar ao que ele chama de ONDAS DE
MOVIMENTO (Pg 104) e que depois ele vai chamar de CORRENTES
SUICIDÓGENAS.
Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 3
- Tarefa do sociólogo → estabelecer as correlações entre as circunstâncias e as
variações das taxas de suicídio. Observar fatores de ordem histórica
Social
- pg 106: “Cada sociedade tem, pois, a cada momento de sua história, uma atitude
face ao suicídio. Mede-se a intensidade relativa dessa atitude tomando a relação
entre o número global e mortes voluntárias e a população de todas as idades e dos
dois sexos. Chamamos a este dado taxa e mortalidade-suicídio própria da
sociedade considerada”.
- Diferenciar o fenômeno do suicídio (que em si é individual) do FENÔMENO
SOCIAL, que é a TAXA DE SUICÍDIO (que é o que interessa).
- Em seguida, ele estabelece uma tipologia tripartida → suicídio 1) Egoísta
2) Altruísta
3) Anômico
Cap 10. Suicídio Egoísta
- Ele inicia com 3 proposições:
• O suicídio varia na razão inversa do grau de integração da sociedade
religiosa
• O suicídio varia na razão inversa do grau de integração da sociedade
doméstica
• O suicídio varia na razão inversa do grau de integração da sociedade política
Se estas 3 sociedades (religiosa, doméstica e política) têm uma influência
moderadora do suicídio, não é devido ás suas especificidades, mas ao que as 3
possuem em comum, que é a capacidade de INTEGRAREM o indivíduo.
↓
Chegamos a uma conclusão geral:
O suicídio varia na razão inversa de integração dos grupos sociais que o
indivíduo faz parte.
- O suicídio egoísta é aquele em que o individual prevalece sobre o social. Isto
ocorre quando os grupos aos quais o indivíduo pertença estejam enfraquecidos.
Assim, o indivíduo vai depender mas de si próprio, já que as leis gerais que
poderiam contê-lo estão frouxas. (pg 109) Egoísmo: estado em que o ego
individual se afirma demasiadamente frente ao ego social. Portanto, é correto
chamar este suicídio de egoísta.
- Os indivíduos deixados a si mesmos tem desejos infinitos, precisam da força
social para moldá-los.
- O Homem é um duplo → Ele é físico e social.
- Social → supõe uma sociedade que ele exprime e a qual serve. Mas se esta se
desagregar, se não a sentimos mais pulsante dentro de nós, perdemos as razões de
Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 4
nossa existência, ficamos desamparados. A sociedade pode, tal qual o indivíduo,
ter um humor que conduz os povos á alegria ou á tristeza → A sociedade pode
generalizar o sentimento que ela tem de si mesma e aí o sofrimento dela se torna o
sofrimento do indivíduo → pg 110: Formam-se correntes de depressão e
desencanto, que não emanam de indivíduos particulares, mas que exprimem o
estado de desagregação em que se encontra a sociedade → O que elas traduzem é o
relaxamento dos laços sociais. O indivíduo se liberta do meio social, mas ainda
sente a sua influência.
↓
O egoísmo acaba sendo não um fator auxiliar, mas a
causa geradora do suicídio. O laço que liga o homem a vida se
afroxou porque o laço que o liga á sociedade se afroxou.
- pg 111: o suicídio egoísta é inexistente nas sociedades primitivas, pois nestas
predominam os interesses do todo, e não do indivíduo.
- O primitivo leva consigo, aonde for, seus deuses e sua família.
- pg 111: pérola Durkheimiana → a mulher se suicida menos do que o homem (ao
contrário do que diz o senso comum). A viúva pode suportar melhor sua condição
o que o viúvo.
- o senso comum tb diria que a aptidão de viver sem a família é sinal de
superioridade da mulher, mas Durkheim diz que é o contrário → Na verdade, a
mulher tem uma sensibilidade mais rudimentar do que o homem: 112 “ Como ela
vive mais do que o homem fora da vida comum, a vida comum penetra-a menos: a
sociedade lhe é menos necessária porque está menos impregnada de sociabilidade”
→ È como se Durkheim dissesse: “Ela não pode sentir falta do que não tem
necessidade” → “Com algumas práticas de devoção, alguns animais a cuidar, a
solteirona tem a vida tomada”.
- O homem é mais complexo que a mulher, portanto, precisa, para estar em
equilíbrio, de pontos de apóio exterior
- como sua base moral depende de muitas condições (e não apenas de uma muda
de hibisco ou um poodle), ela (a base moral) se perturba com mais facilidade.
- Aqui parece que temos uma contradição do pensamento de Durkheim, porque ele
afirmou anteriormente que tem que haver uma separação entre o cientista e o
objeto estudado, mas como ele não deixa de ser um produto de sua época,
Durkheim é influenciado pelas teorias que inferiorizavam a mulher.
11. Suicídio Altruísta
- Ele começa corrigindo suas própria s declarações, já que ele disse que as
sociedades primitivas eram imunes ao suicídio, quando na verdade, ele queria dizer
imunes ao suicídio egoísta. Ele corrige o erro propondo a distinção entre suicídio
egoísta (próprio de sociedades individualistas) e suicídio altruísta, que seria própria
das sociedades primitivas.
- 3 categorias dentro da tipologia o suicídio altruísta: 1º ) Homens velhos ou
doentes, 2º ) Mulheres por ocasião da morte dos maridos, 3º ) de fiéis ou servidores
por ocasião da morte de seus líderes.
Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 5
- Em todos estes casos, matar-se não é um direito, mas um DEVER SOCIAL. Se
ele faltar com esta obrigação do suicídio, será desonrado e sofrerá castigos
religiosos.
- Aqui não se trata do excesso de individualismo, mas o contrário → COMPLETO
DESAPARECIMENTO DO INDIVÍDUO NO GRUPO.
Sociedade Sociedade
Suicídio egoísta Fracamente ligado Apenas sugere o
desligamento, apenas
induz ao suicídio
Suicídio altruísta Fortemente ligado Coage o Homem a se
matar, o obriga
- Mas ainda que a sociedade o coaja a matar-se (o que seria uma anomia). O fim
ainda é social, neste caso, pois o objetivo é manter a sociedade, mantendo a
hierarquia e a subordinação, então o indivíduo se mata, mas por dever de lealdade
para com seus chefes ou líderes.
- Definição de altruísmo em oposição ao egoísmo → pg 114:
Egoísmo: o estado em que se encontra o ego quando o indivíduo vive sua vida
pessoal e só obedece a ele próprio, aos seus desejos.
Altruísmo: amor ao próximo, abnegação. Humanitário, filantrópico, o oposto de
egoísta → aquele em que o ego não se pertence, se confunde com outra coisa que
ele próprio, em que o pólo de sua conduta se situa fora de si mesmo, ou seja, num
dos grupos a que ele pertence.
- suicídio altruísta: Obrigatório
Facultativo
Agudo → suicídio Místico
- O suicídio altruísta é mais próprio de sociedades inferiores, mas também o
encontramos entre sociedades modernas→ mártires cristãos → alienar a
personalidade em virtude do ideal a que serviam.
- É possível encontrar suicídio altruísta também no exército→ não poderiam ser
classificados de egoístas, pois os militares pertencem a um grupo fortemente
integrado.
- militares de carreira aderem ao sistema no qual estão integrados, são leais a ele. O
suicídio não seria então fruto do desgarramento dos laços e sim da disciplina →
morrer pela categoria e pela pátria.
Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 6
12. Suicídio Anômico
- É o tipo que mais interessa a Durkheim, porque é o mais característico da
sociedade moderna
- Ele é revelado pela correlação estatística entre a freqüência do suicídio e as fases
do ciclo econômico.
- As estatísticas mostram que o suicídio anômico é freqüente tanto:
• Nos momentos de crise econômica: indivíduos são lançados numa situação
inferior a que possuíam.
• Nos momentos de prosperidade econômica: qdo há um súbito aumento de
poder e riqueza e isto desestabiliza o indivíduo. → enquanto as forças
sociais libertadas num momento de pujança econômica não se
estabilizarem, seu respectivo valor fica indeterminado e sua regulamentação
defeituosa→correntes suicidógenas.
- O que acontece é que a existência não está regulamentada pelos costumes nas
sociedades modernas e quando estas são abaladas pela crise, ficam sem respostas e
induzem o indivíduo ao suicídio.
- Lembrar de Comte: sociologia é a ciência da crise → de valores, principalmente.
Os indivíduos estão em competição permanente uns com os outros; esperam muito
da vida; fazem grandes exigências e se sentem sempre acuados pelo sofrimento
decorrente da desproporção entre sua aspirações e as satisfações.
- Quando a vida social se agita e o indivíduo é tomado por paixões de qualquer
ordem, os laços que o unem ao grupo se enfraquecem → irritações associadas ás
numerosas situações de decepção oferecidas pela vida moderna.
- Lembrar da aula sobre modernidade. Ver pg 120.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INDIVÍDUO E SOCIALIZAÇÃO
INDIVÍDUO E SOCIALIZAÇÃOINDIVÍDUO E SOCIALIZAÇÃO
Émile Durkheim - Método Sociológico
Émile Durkheim - Método SociológicoÉmile Durkheim - Método Sociológico
Émile Durkheim - Método Sociológico
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
As relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedadeAs relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedade
jefersondutra08
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de MudançasAula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
Paula Meyer Piagentini
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
professorleo1989
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
mundica broda
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
Lucio Braga
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Turma Olímpica
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
Over Lane
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
Mauricio Serafim
 
Exercício sobre ação social
Exercício sobre ação socialExercício sobre ação social
Exercício sobre ação social
José Amaral
 
Sartre Topicos
Sartre TopicosSartre Topicos
Sartre Topicos
c.e. benedicto
 
Max weber
Max weberMax weber
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Marcela Marangon Ribeiro
 
Max Weber - Sociologia
Max Weber - SociologiaMax Weber - Sociologia
Max Weber - Sociologia
Centro Acadêmico XX de Agosto
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
Gilmar Rodrigues
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Wilton Moretto
 

Mais procurados (20)

INDIVÍDUO E SOCIALIZAÇÃO
INDIVÍDUO E SOCIALIZAÇÃOINDIVÍDUO E SOCIALIZAÇÃO
INDIVÍDUO E SOCIALIZAÇÃO
 
Émile Durkheim - Método Sociológico
Émile Durkheim - Método SociológicoÉmile Durkheim - Método Sociológico
Émile Durkheim - Método Sociológico
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
As relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedadeAs relações entre indivíduo e sociedade
As relações entre indivíduo e sociedade
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de MudançasAula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e SociedadeSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Indivíduos e Sociedade
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
Exercício sobre ação social
Exercício sobre ação socialExercício sobre ação social
Exercício sobre ação social
 
Sartre Topicos
Sartre TopicosSartre Topicos
Sartre Topicos
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
 
Max Weber - Sociologia
Max Weber - SociologiaMax Weber - Sociologia
Max Weber - Sociologia
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 

Semelhante a Durkheim suicidio

4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
Régio Quirino
 
A Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile DurkheimA Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile Durkheim
Jorge Miklos
 
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
jullyanafreitas1
 
Os classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheimOs classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheim
Lucio Braga
 
A Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile DurkheimA Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile Durkheim
guestdc18d25
 
A Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile DurkheimA Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile Durkheim
guestca76e87
 
Ser humano e sociedade
Ser humano e sociedadeSer humano e sociedade
Ser humano e sociedade
João Carlos Gomes
 
Emile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptxEmile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptx
JessiellyGuimares
 
Ciências Sociais: Émile Durkheim
Ciências Sociais: Émile DurkheimCiências Sociais: Émile Durkheim
Ciências Sociais: Émile Durkheim
Jordan Medeiros
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkhein
marcello magela
 
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médioSociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Matheus Rodrigues
 
Sociologia do Direito - Émile Durkheim
Sociologia do Direito - Émile DurkheimSociologia do Direito - Émile Durkheim
Sociologia do Direito - Émile Durkheim
Jordano Santos Cerqueira
 
Teoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e Merton
Teoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e MertonTeoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e Merton
Teoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e Merton
Saulo Ramos Furquim
 
emile_durkheim_PowerPoint.ppt
emile_durkheim_PowerPoint.pptemile_durkheim_PowerPoint.ppt
emile_durkheim_PowerPoint.ppt
AllanCamargo6
 
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Douglas Barreto
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
Fatima Freitas
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
unirio2011
 
Os classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completoOs classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completo
Marcus Vinicius
 
Émile Durkheim
Émile DurkheimÉmile Durkheim
Émile Durkheim
91016131373
 
Suicídio
SuicídioSuicídio

Semelhante a Durkheim suicidio (20)

4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
4.-Emile-Durkheim-e-a-integracao-social.ppt
 
A Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile DurkheimA Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile Durkheim
 
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
39237_d53306527e2acfbd1ec6a9a7751f0849.pdf
 
Os classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheimOs classicos da_sociologia_durkheim
Os classicos da_sociologia_durkheim
 
A Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile DurkheimA Sociologia De Émile Durkheim
A Sociologia De Émile Durkheim
 
A Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile DurkheimA Sociologia De éMile Durkheim
A Sociologia De éMile Durkheim
 
Ser humano e sociedade
Ser humano e sociedadeSer humano e sociedade
Ser humano e sociedade
 
Emile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptxEmile d_ AULA.pptx
Emile d_ AULA.pptx
 
Ciências Sociais: Émile Durkheim
Ciências Sociais: Émile DurkheimCiências Sociais: Émile Durkheim
Ciências Sociais: Émile Durkheim
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkhein
 
Sociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médioSociologia de Durkheim para ensino médio
Sociologia de Durkheim para ensino médio
 
Sociologia do Direito - Émile Durkheim
Sociologia do Direito - Émile DurkheimSociologia do Direito - Émile Durkheim
Sociologia do Direito - Émile Durkheim
 
Teoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e Merton
Teoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e MertonTeoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e Merton
Teoria da Anomia: à luz dos pensamentos de Durkheim e Merton
 
emile_durkheim_PowerPoint.ppt
emile_durkheim_PowerPoint.pptemile_durkheim_PowerPoint.ppt
emile_durkheim_PowerPoint.ppt
 
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
Sociologia geral e jurídica - Emile Durkheim 2014
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
 
Os classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completoOs classicos da_sociologia_ completo
Os classicos da_sociologia_ completo
 
Émile Durkheim
Émile DurkheimÉmile Durkheim
Émile Durkheim
 
Suicídio
SuicídioSuicídio
Suicídio
 

Mais de Edenilson Morais

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Edenilson Morais
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem
Edenilson Morais
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
Edenilson Morais
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
Edenilson Morais
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
Edenilson Morais
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Edenilson Morais
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
Edenilson Morais
 
A nova historia cultural
A nova historia culturalA nova historia cultural
A nova historia cultural
Edenilson Morais
 
Guerraspunicas
GuerraspunicasGuerraspunicas
Guerraspunicas
Edenilson Morais
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Edenilson Morais
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendt
Edenilson Morais
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
Edenilson Morais
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
Edenilson Morais
 
A visão da afro
A visão da afroA visão da afro
A visão da afro
Edenilson Morais
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Edenilson Morais
 
Cartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerraCartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerra
Edenilson Morais
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
Edenilson Morais
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidade
Edenilson Morais
 
Weber e o capitalismo
Weber e o capitalismoWeber e o capitalismo
Weber e o capitalismo
Edenilson Morais
 
Historia total
Historia totalHistoria total
Historia total
Edenilson Morais
 

Mais de Edenilson Morais (20)

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
 
A nova historia cultural
A nova historia culturalA nova historia cultural
A nova historia cultural
 
Guerraspunicas
GuerraspunicasGuerraspunicas
Guerraspunicas
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendt
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
 
A visão da afro
A visão da afroA visão da afro
A visão da afro
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
 
Cartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerraCartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerra
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidade
 
Weber e o capitalismo
Weber e o capitalismoWeber e o capitalismo
Weber e o capitalismo
 
Historia total
Historia totalHistoria total
Historia total
 

Último

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

Durkheim suicidio

  • 1. Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 1 O Suicídio - A obra é de 1897, escrito logo depois de sua tese de doutorado A Divisão do Trabalho Social. . Lembrem-se que logo no final do texto, ele afirma que a diferenciação social é a solução pacífica da luta pela vida. Cada um, estando integrado em redes de solidariedade orgânica, cumpre um papel social e assim, deixa de estar em competição com os outros. - Mas, quando a solidariedade mecânica e, portanto, a moral, se enfraquecem; e por outro lado, a solidariedade orgânica, calcada na divisão do trabalho e na cooperação, não se instituem, a sociedade entra em estado de anomia. - Em linhas gerais, Durkheim aceita e até aprova o fenômeno da divisão do trabalho, mas não deixa de apontar as suas contradições e de perceber que a anomia pode se manifestar na forma do aumento das taxas de suicídio, inclusive, do suicídio anômico, que é o que mais o interessa, pois, segundo Durkheim, este seria próprio da sociedade moderna. - Veremos com calma os três tipos, mas vale ressaltar que o suicídio anômico é para ele a expressão mais evidente da crise da sociedade moderna, definida pela desintegração social e pela debilidade dos laços que prendem o indivíduo ao grupo. - A obra se propõe a estudar o fenômeno do suicídio, mas também aponta o caminho que Durkheim acredita levar a uma solução para o problema das relações entre o indivíduo e a sociedade no contexto moderno. - Coerente com a obra anterior, a saída para ele não está no resgate da moral (própria de sociedades tradicionais), e nem mesmo da religião ou da família. Para ele, a religião não teria como conter a anomia das sociedades modernas, porque, nestas sociedades, além dela terem perdido força, elas são de caráter mias abstrato e intelectual, não se constituindo mais como escolas de disciplina, como eram no passado. Já a família, seria incapaz de oferecer proteção contra o que ele chama de correntes suicidógenas pois suas funções também estão em declínio. Nem mesmo o Estado ou os grupos políticos teriam este poder, já que estão distantes dos indivíduos. - O único grupo social que pode favorecer a integração dos indivíduos na coletividade é a profissão, ou para usar o termo Durkheimiano, a CORPORAÇÃO. - CORPORAÇÕES: são organizações profissionais que, reunindo empregadores e empregados, estariam suficientemente próximas ao indivíduo para constituir escolas de disciplina. - É interessante notar com Durkheim constrói o livro, que é considerado um modelo em termos de rigor científico. - Ele vai nesta ordem 1) Define o problema, como fez com os fatos sociais. 2) Diferencia o fenômeno como social, portanto, objeto da sociologia e não da psicologia. 3) Refuta as interpretações anteriores. 4) Estabelece tipologias.
  • 2. Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 2 5) Com base nas tipologias, desenvolve uma teoria geral do fenômeno estudado. 6) Procura pensar repostas para um problema social através de outros fatos sociais, como as corporações. Preâmbulos feitos, vamos ao texto, iniciando pelo cap. 09 - o que seria próprio e comum a todas as formas possíveis dessa renúncia na qual consiste o suicídio? Ter consciência de que sua ação (ou sua inércia á ação) fará com que o indivíduo não só esteja consciente de sua morte próxima, mas seja seu próprio agente. - ele começa por conceituar o fenômeno, que é sempre seu primeiro passo. Pg 103: “Chama-se suicídio todo caso de morte que resulte, direta ou indiretamente, de um ato, positivo ou negativo, executado pela própria vítima e que ela saiba que deveria produzir este resultado” - Positivo: no sentido da ação. Ex: dar um tiro na cabeça Negativo: no sentido de passivo. Ex: não sair de uma casa em chamas, fazer greve de fome. - Se o ato é individual, porque interessa ao sociólogo? - pg 104: se considerarmos o conjunto de suicídios cometidos numa sociedade durante uma certa unidade de tempo, constata-se que o total obtido não é uma simples soma de unidades independentes e sim um fato novo e sui generis, de natureza social → igual ao modo como ele concebe a consciência coletiva [Consciência coletiva: “o conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos membros de uma sociedade”. “Ela forma um sistema determinado, que tem vida própria”. Formada pelas consciências individuais, mas com força superior à elas. Evolui segundo suas próprias leis e não é apenas a expressão ou efeito das consciências individuais]. - TAXA DE SUICÍDIO: freqüência dos suicídios em relação á uma população determinada [pg 106, ele chama de “taxa de mortalidade- suicídio própria da sociedade considerada”]. - Para Durkheim, esta taxa é relativamente constante → ela não varia arbritrariamente, mas em função de múltiplas circunstâncias. - em intervalos pequenos de tempo, salvo por eventos de natureza extraordinária, ela é constante. - aumentam quando pegamos intervalos de tempo mais longos, porque as sociedades terão passado por mudanças que vão se refletir na taxa de suicídios. - Mesmo que a ruptura do equilíbrio social se dê subitamente, leva tempo para produzir suas conseqüências e levar ao que ele chama de ONDAS DE MOVIMENTO (Pg 104) e que depois ele vai chamar de CORRENTES SUICIDÓGENAS.
  • 3. Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 3 - Tarefa do sociólogo → estabelecer as correlações entre as circunstâncias e as variações das taxas de suicídio. Observar fatores de ordem histórica Social - pg 106: “Cada sociedade tem, pois, a cada momento de sua história, uma atitude face ao suicídio. Mede-se a intensidade relativa dessa atitude tomando a relação entre o número global e mortes voluntárias e a população de todas as idades e dos dois sexos. Chamamos a este dado taxa e mortalidade-suicídio própria da sociedade considerada”. - Diferenciar o fenômeno do suicídio (que em si é individual) do FENÔMENO SOCIAL, que é a TAXA DE SUICÍDIO (que é o que interessa). - Em seguida, ele estabelece uma tipologia tripartida → suicídio 1) Egoísta 2) Altruísta 3) Anômico Cap 10. Suicídio Egoísta - Ele inicia com 3 proposições: • O suicídio varia na razão inversa do grau de integração da sociedade religiosa • O suicídio varia na razão inversa do grau de integração da sociedade doméstica • O suicídio varia na razão inversa do grau de integração da sociedade política Se estas 3 sociedades (religiosa, doméstica e política) têm uma influência moderadora do suicídio, não é devido ás suas especificidades, mas ao que as 3 possuem em comum, que é a capacidade de INTEGRAREM o indivíduo. ↓ Chegamos a uma conclusão geral: O suicídio varia na razão inversa de integração dos grupos sociais que o indivíduo faz parte. - O suicídio egoísta é aquele em que o individual prevalece sobre o social. Isto ocorre quando os grupos aos quais o indivíduo pertença estejam enfraquecidos. Assim, o indivíduo vai depender mas de si próprio, já que as leis gerais que poderiam contê-lo estão frouxas. (pg 109) Egoísmo: estado em que o ego individual se afirma demasiadamente frente ao ego social. Portanto, é correto chamar este suicídio de egoísta. - Os indivíduos deixados a si mesmos tem desejos infinitos, precisam da força social para moldá-los. - O Homem é um duplo → Ele é físico e social. - Social → supõe uma sociedade que ele exprime e a qual serve. Mas se esta se desagregar, se não a sentimos mais pulsante dentro de nós, perdemos as razões de
  • 4. Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 4 nossa existência, ficamos desamparados. A sociedade pode, tal qual o indivíduo, ter um humor que conduz os povos á alegria ou á tristeza → A sociedade pode generalizar o sentimento que ela tem de si mesma e aí o sofrimento dela se torna o sofrimento do indivíduo → pg 110: Formam-se correntes de depressão e desencanto, que não emanam de indivíduos particulares, mas que exprimem o estado de desagregação em que se encontra a sociedade → O que elas traduzem é o relaxamento dos laços sociais. O indivíduo se liberta do meio social, mas ainda sente a sua influência. ↓ O egoísmo acaba sendo não um fator auxiliar, mas a causa geradora do suicídio. O laço que liga o homem a vida se afroxou porque o laço que o liga á sociedade se afroxou. - pg 111: o suicídio egoísta é inexistente nas sociedades primitivas, pois nestas predominam os interesses do todo, e não do indivíduo. - O primitivo leva consigo, aonde for, seus deuses e sua família. - pg 111: pérola Durkheimiana → a mulher se suicida menos do que o homem (ao contrário do que diz o senso comum). A viúva pode suportar melhor sua condição o que o viúvo. - o senso comum tb diria que a aptidão de viver sem a família é sinal de superioridade da mulher, mas Durkheim diz que é o contrário → Na verdade, a mulher tem uma sensibilidade mais rudimentar do que o homem: 112 “ Como ela vive mais do que o homem fora da vida comum, a vida comum penetra-a menos: a sociedade lhe é menos necessária porque está menos impregnada de sociabilidade” → È como se Durkheim dissesse: “Ela não pode sentir falta do que não tem necessidade” → “Com algumas práticas de devoção, alguns animais a cuidar, a solteirona tem a vida tomada”. - O homem é mais complexo que a mulher, portanto, precisa, para estar em equilíbrio, de pontos de apóio exterior - como sua base moral depende de muitas condições (e não apenas de uma muda de hibisco ou um poodle), ela (a base moral) se perturba com mais facilidade. - Aqui parece que temos uma contradição do pensamento de Durkheim, porque ele afirmou anteriormente que tem que haver uma separação entre o cientista e o objeto estudado, mas como ele não deixa de ser um produto de sua época, Durkheim é influenciado pelas teorias que inferiorizavam a mulher. 11. Suicídio Altruísta - Ele começa corrigindo suas própria s declarações, já que ele disse que as sociedades primitivas eram imunes ao suicídio, quando na verdade, ele queria dizer imunes ao suicídio egoísta. Ele corrige o erro propondo a distinção entre suicídio egoísta (próprio de sociedades individualistas) e suicídio altruísta, que seria própria das sociedades primitivas. - 3 categorias dentro da tipologia o suicídio altruísta: 1º ) Homens velhos ou doentes, 2º ) Mulheres por ocasião da morte dos maridos, 3º ) de fiéis ou servidores por ocasião da morte de seus líderes.
  • 5. Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 5 - Em todos estes casos, matar-se não é um direito, mas um DEVER SOCIAL. Se ele faltar com esta obrigação do suicídio, será desonrado e sofrerá castigos religiosos. - Aqui não se trata do excesso de individualismo, mas o contrário → COMPLETO DESAPARECIMENTO DO INDIVÍDUO NO GRUPO. Sociedade Sociedade Suicídio egoísta Fracamente ligado Apenas sugere o desligamento, apenas induz ao suicídio Suicídio altruísta Fortemente ligado Coage o Homem a se matar, o obriga - Mas ainda que a sociedade o coaja a matar-se (o que seria uma anomia). O fim ainda é social, neste caso, pois o objetivo é manter a sociedade, mantendo a hierarquia e a subordinação, então o indivíduo se mata, mas por dever de lealdade para com seus chefes ou líderes. - Definição de altruísmo em oposição ao egoísmo → pg 114: Egoísmo: o estado em que se encontra o ego quando o indivíduo vive sua vida pessoal e só obedece a ele próprio, aos seus desejos. Altruísmo: amor ao próximo, abnegação. Humanitário, filantrópico, o oposto de egoísta → aquele em que o ego não se pertence, se confunde com outra coisa que ele próprio, em que o pólo de sua conduta se situa fora de si mesmo, ou seja, num dos grupos a que ele pertence. - suicídio altruísta: Obrigatório Facultativo Agudo → suicídio Místico - O suicídio altruísta é mais próprio de sociedades inferiores, mas também o encontramos entre sociedades modernas→ mártires cristãos → alienar a personalidade em virtude do ideal a que serviam. - É possível encontrar suicídio altruísta também no exército→ não poderiam ser classificados de egoístas, pois os militares pertencem a um grupo fortemente integrado. - militares de carreira aderem ao sistema no qual estão integrados, são leais a ele. O suicídio não seria então fruto do desgarramento dos laços e sim da disciplina → morrer pela categoria e pela pátria.
  • 6. Mirela Berger – Durkeim e o suicídio 6 12. Suicídio Anômico - É o tipo que mais interessa a Durkheim, porque é o mais característico da sociedade moderna - Ele é revelado pela correlação estatística entre a freqüência do suicídio e as fases do ciclo econômico. - As estatísticas mostram que o suicídio anômico é freqüente tanto: • Nos momentos de crise econômica: indivíduos são lançados numa situação inferior a que possuíam. • Nos momentos de prosperidade econômica: qdo há um súbito aumento de poder e riqueza e isto desestabiliza o indivíduo. → enquanto as forças sociais libertadas num momento de pujança econômica não se estabilizarem, seu respectivo valor fica indeterminado e sua regulamentação defeituosa→correntes suicidógenas. - O que acontece é que a existência não está regulamentada pelos costumes nas sociedades modernas e quando estas são abaladas pela crise, ficam sem respostas e induzem o indivíduo ao suicídio. - Lembrar de Comte: sociologia é a ciência da crise → de valores, principalmente. Os indivíduos estão em competição permanente uns com os outros; esperam muito da vida; fazem grandes exigências e se sentem sempre acuados pelo sofrimento decorrente da desproporção entre sua aspirações e as satisfações. - Quando a vida social se agita e o indivíduo é tomado por paixões de qualquer ordem, os laços que o unem ao grupo se enfraquecem → irritações associadas ás numerosas situações de decepção oferecidas pela vida moderna. - Lembrar da aula sobre modernidade. Ver pg 120.