SlideShare uma empresa Scribd logo
ANÁLISE PRIMÁRIA
E SINAIS VITAIS
ANÁLISE PRIMÁRIA
D- Danger
-Verificar Segurança do Local
-Utilizar EPI adequado
R- Responsivity
-Estabilização da Cabeça
-Verificar Consciência
DR A.B.C.D.E
Apresentar-se
Consciente Perguntar Sobre o Ocorrido
Perguntar Queixa Principal
Inconsciente Chamar Apoio Especializado
Passar Para “A
A- Airway
Extensão Cervical
-Abertura das VAS Elevação da Mandíbula
Tração do Mento
-Inspeção da Cavidade Oral
-Introdução da Cânula
Orofaríngea
B- Breathing
-Verificar Respiração
RESPIRA
Normal
-Qualidade da Respiração Superficial ou Profunda
Rápida ou Lenta
Regular
-Tipo da Respiração Simétrico
Com Ruídos Anormais
- Aplicação do Oxímetro de Pulso
-Ministrar Oxigênio(Oxigenoterapia)
NÃO RESPIRA- Efetuar 2 ventilações e Verificar
circulação “C”
Com Circulação: Iniciar Ventilação
Sem Circulação : Iniciar RCP
C- Circulation
-Checar Pulso
Verificar Temperatura – T-U-C
Quente
Temperatura
Fria
Umidade
Seca
Úmida
Coloração Pálida
Arroxeada
Amarelada
Avermelhada
-Procurar Por Hemorragias
-Checar Perfusão Capilar
PUPILAS
OCULAR
Alerta 4
Verbal 3
Doloroso 2
Nenhum 1
VERBAL
Orientado 5
Confuso 4
Inapropriado 3
Sons e Gemidos 2
Nenhum 1
MOTORA
Obedece Ordens 6
Loc. e tenta reirar 5
Reage a dor 4
Decorticação 3
Descerebração 2
Nenhum 1
MAIOR QUE 5 ANOS
OCULAR
Alerta 4
Verbal 3
Doloroso 2
Nenhum 1
VERBAL
sorriso 5
choro 4
Irrit. persistente 3
Agitação 2
Nenhum 1
MOTORA
Mov. 4 Membros 6
Loc. e Tenta retirar 5
Não Reage a Dor 4
Decorticação 3
Descerebração 2
Nenhum 1
Menor que 5 Anos
ESCALA DE COMA DE GLASGOW
SINAIS VITAIS
Diferença entre sinal e sintoma?
 Sinal – evidência objetiva ou manifestação
da doença. Ex: hipertermia, bradicardia,
edema, vômito...
 Sintoma – fenômeno físico ou mental que
causa queixas, sendo um estado subjetivo:
dor, tontura, mal estar, cefaléia...
Podem ser verificados após anamnese e como parte inicial do exame
físico.
 Devemos verificar: TPRPAO
◦ Temperatura;
◦ Pulso;
◦ Respiração;
◦ Pressão Arterial
◦ Oximetria
TABELA DE PARAMETROS NORMAIS DOS BATIMENTOS CARDÍACOS
FREQUENCIA
ACIMA DE 08 ANOS
NORMAL- 60 A 100 BPM
LENTO – MENOR QUE 60 BPM
RÁPIDO – MAIOR QUE 100 BPM
ENTRE 01 A 08 ANOS
NORMAL- 80 A 140 BPM
LENTO – MENOR QUE 80 BPM
RÁPIDO – MAIOR QUE 140 BPM
ABAIXO DE 1 ANO
NORMAL- 120A 160 BPM
LENTO – MENOR QUE 120 BPM
RÁPIDO – MAIOR QUE 160 BPM
SINAIS VITAIS
PULSO MOTIVADOR DE ALTERAÇÕES
PULSO FORTE Hipertensão, Susto, Medo
PULSO FRACO Hemorragia, desidratação
PULSO AUSENTE Parada Cardíaca, Lesão arterial
TABELA DE PARAMETROS NORMAIS DOS MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS
FREQUENCIA
ACIMA DE 08 ANOS
NORMAL- 12 A 20 MRPM
LENTO – MENOR QUE 12 BPM
RÁPIDO – MAIOR QUE 20 BPM
ENTRE 01 A 08 ANOS
NORMAL- 20 A 40 BPM
LENTO – MENOR QUE 20 BPM
RÁPIDO – MAIOR QUE 40 BPM
ABAIXO DE 1 ANO
NORMAL- 40 A 60 BPM
LENTO – MENOR QUE 40 BPM
RÁPIDO – MAIOR QUE 60 BPM
PULSO LOCAIS DE VERIFICAÇÃO
• Técnica
• Inspeção
• Polpa digital
• Suave
• Aquecer a mão
Pressão arterial
Classificação da pressão arterial de acordo com a
medida casual no consultório (> 18 anos)
 Pressão sistólica(mmHg) x Pressão
diastólica(mmHg)
 Ótima < 120 < 80
 Normal < 130 < 85
 Limítrofe 130-139 85-89
 Hipertensão estágio 1 - 140-159 90-9
 Hipertensão estágio 2 - 160-179 100-109
 Hipertensão estágio 3 - ≥ 180 ≥ 110
 Hipertensão sistólica isolada - ≥ 140 < 90
PELE SITUAÇÃO
36,2 A 36,8 NORMAL
ABAIXO DE 36,2 HIPOTERMIA
ACIMA DE 36,8 HIPERTERMIA (FEBRE)
PELE PROVAVEL PROBLEMA
FRIA E UMIDA Traumatismo, Hemorragia, Estado de Choque.
FRIA E SECA Exposição ao frio (Hipotermia)
QUENTE E SECA Hipertermia (Febre), Insolação.
QUENTE E ÚMIDA Hipertermia (Febre), Intermação.
COLORAÇÃO PROVAVEL PROBLEMA
PÁLIDA Choque Hemodinâmico, Ataque Cardíaco,Hemorragia.
CIANÓTICA (Arroxeada)
Deficiência Respiratória, Arritimia Cardíaca, Hipóxia,
Doenças Pulmonares, Envenenamentos.
ICTERÍCIA Doença Hepática (Fígado)
HIPEREMIA (Avermelhada) Hipertensão, Insolação, Alergias, Diabetes, Choque
anafilático.
PELE
OVACE - OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS POR CORPO
ESTRANHO
SE A VÍTIMA ESTIVER CONSCIENTE
Bata 4 vezes com a mão espalmada nas costas da vítima. Se isso não for suficiente para expelir o corpo
estranho, comece a Manobra de Heimlich.
Em adultos e crianças grandes: Coloque-se atrás da vítima, abraçando-
a pela cintura, com o polegar voltado para a barriga dela e a outra mão
segurando a primeira. Firme os punhos entre as costelas a cicatriz
umbilical. Puxe-a em sua direção e para cima, simultaneamente, de forma
rápida e vigorosa.
Em crianças pequenas: coloque-á
inclinada com a cabeça mais baixa que o
corpo, apoiando a região ventral da
criança em seu antebraço, como na figura
abaixo e dê tapinhas com a mão
espalmada em suas costas. Se não
resolver, vire-á e tente aspirar
delicadamente posicionando sua boca
sobre a boca e o nariz da criança.
Em vítimas gestantes ou obesas:
Quando não é possível abraçar a
vítima por trás ou quando isso for
contraindicado (no caso de gestantes
ou pós-operados, por exemplo),
realizar as compressões sobre o
externo (o mesmo local onde se
realiza massagem cardíaca)
Se você engasgar e estiver sozinho:: Realize compressões em
seu abdome. Caso são consiga empregar a força necessária,
posicione-se atrás do espalfar de uma cadeira e colocando-o entre
suas costelas e umbigo e solte o peso do corpo sobre ela...
SE A VÍTIMA ESTIVER INCONSCIENTE
O procedimento para vítimas inconscientes foi alterado, não sendo mais utilizado
o procedimento abaixo...
Procedimento atualizado de acordo com as Diretrizes da American
Heart Association:
1-Abrir as vias aéreas da vítima (inclinação da cabeça para trás e elevação do
queixo, em casos em que não se suspeite de trauma:
2. Inspecionar a cavidade oral, retirando objeto se visível ou alcançável;
3. Ventilar uma vez e se o ar não passar, reposicionar a cabeça (pois as vias aéreas
podem não ter sido abertas adequadamente);
4. Ventilar outra vez e se o ar ainda não passar;
5. Realizar 30 compressões torácicas;
6. Após as 30 compressões inspecionar a cavidade oral, retirando objetos, se
visíveis e alcançáveis;
7. Realizar uma ventilação, observando se o tórax expande (se o ar entra). Se não
entrar, repetir a sequência á partir do item 5, até o ar passar, ou até o socorro
chegar e assumir.
OBRIGADO !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Histéria da enfemagem
Histéria da enfemagemHistéria da enfemagem
Histéria da enfemagem
Adhonias Moura
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
joselene beatriz
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Raíssa Soeiro
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
Fernando de Oliveira Dutra
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
Fernando de Oliveira Dutra
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
Janaína Lassala
 
Historia da Enfermagem
Historia da EnfermagemHistoria da Enfermagem
Historia da Enfermagem
Célia Costa
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
Ismael Costa
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
Eliane Santos
 

Mais procurados (20)

Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Histéria da enfemagem
Histéria da enfemagemHistéria da enfemagem
Histéria da enfemagem
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Historia da Enfermagem
Historia da EnfermagemHistoria da Enfermagem
Historia da Enfermagem
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 

Destaque

2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
Sinais vitais_
Sinais  vitais_Sinais  vitais_
Sinais vitais_
Katia Costa
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
drilopez
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015
Élide Martins
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Tabela ssvv
Tabela ssvvTabela ssvv
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Eduardo Gomes da Silva
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicação
Elisama Lopes
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Marília Gomes
 
Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana
Marília Gomes
 
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoFertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Marília Gomes
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
Marília Gomes
 
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal IIntrodução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
Marília Gomes
 
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Iñaki Alegria Coll
 
Anatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_banner
Anatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_bannerAnatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_banner
Anatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_banner
enfermagem101
 
Eutanásia em veterinária
Eutanásia em veterináriaEutanásia em veterinária
Eutanásia em veterinária
Marília Gomes
 
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSOIMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
Janderson Physios
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Marília Gomes
 
Osteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humanaOsteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humana
Marília Gomes
 

Destaque (20)

2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
Sinais vitais_
Sinais  vitais_Sinais  vitais_
Sinais vitais_
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015Sinais vitais 2015
Sinais vitais 2015
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Tabela ssvv
Tabela ssvvTabela ssvv
Tabela ssvv
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicação
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
 
Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana
 
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoFertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
 
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal IIntrodução e planos anatômicos - anatomia animal I
Introdução e planos anatômicos - anatomia animal I
 
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
Triangulo de evaluación pediátrica. SEUP. Urgencias de Pediatría.
 
Anatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_banner
Anatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_bannerAnatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_banner
Anatomia humana -_imagens_explicativas_-_resumo_-_maria_ignez_t._franca_-_banner
 
Eutanásia em veterinária
Eutanásia em veterináriaEutanásia em veterinária
Eutanásia em veterinária
 
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSOIMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
 
Osteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humanaOsteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humana
 

Semelhante a Aula sinais vitais

AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
RaissaEufrazio
 
Ps 3 db.
Ps 3 db.Ps 3 db.
Ps 3 db.
felipethoaldo
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
naragirao
 
Emergências
EmergênciasEmergências
Emergências
natalineller
 
AULA - SINAIS VITAIS
AULA  - SINAIS VITAIS AULA  - SINAIS VITAIS
AULA - SINAIS VITAIS
RosaSantos738119
 
Parada cardiaca
Parada cardiacaParada cardiaca
Parada cardiaca
Anestesiador
 
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Sallus Consultoria e Treinamento em Saúde
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
Professor Robson
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Cap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitaisCap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitais
Prof Silvio Rosa
 
SISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdf
SISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdfSISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdf
SISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdf
JayaneSantos7
 
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
SterSoares1
 
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterialsinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
josianeavila3
 
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Kaliny Bianca
 
Apostila de Sinais Vitais em traumas do siate
Apostila de Sinais Vitais em traumas do siateApostila de Sinais Vitais em traumas do siate
Apostila de Sinais Vitais em traumas do siate
coordenacaopedagogic15
 
PRIMEIROS SOCORROS.PPTX
PRIMEIROS SOCORROS.PPTXPRIMEIROS SOCORROS.PPTX
PRIMEIROS SOCORROS.PPTX
Douglas703492
 
Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2
catianelameida
 
Sopros cardíacos
Sopros cardíacosSopros cardíacos
Sopros cardíacos
gisa_legal
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Markus Fiuza
 
SBV
SBVSBV

Semelhante a Aula sinais vitais (20)

AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
 
Ps 3 db.
Ps 3 db.Ps 3 db.
Ps 3 db.
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Emergências
EmergênciasEmergências
Emergências
 
AULA - SINAIS VITAIS
AULA  - SINAIS VITAIS AULA  - SINAIS VITAIS
AULA - SINAIS VITAIS
 
Parada cardiaca
Parada cardiacaParada cardiaca
Parada cardiaca
 
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
 
Hipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor RobsonHipertensão - Professor Robson
Hipertensão - Professor Robson
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Cap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitaisCap 06 sinais-vitais
Cap 06 sinais-vitais
 
SISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdf
SISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdfSISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdf
SISTEMA CARDIOVASCULAR - PA.pdf
 
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
 
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterialsinais vitais - temperatura, pressão arterial
sinais vitais - temperatura, pressão arterial
 
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
Sinaisvitais 121016112235-phpapp01
 
Apostila de Sinais Vitais em traumas do siate
Apostila de Sinais Vitais em traumas do siateApostila de Sinais Vitais em traumas do siate
Apostila de Sinais Vitais em traumas do siate
 
PRIMEIROS SOCORROS.PPTX
PRIMEIROS SOCORROS.PPTXPRIMEIROS SOCORROS.PPTX
PRIMEIROS SOCORROS.PPTX
 
Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2Hipertensao arterial2
Hipertensao arterial2
 
Sopros cardíacos
Sopros cardíacosSopros cardíacos
Sopros cardíacos
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
SBV
SBVSBV
SBV
 

Aula sinais vitais

  • 3. D- Danger -Verificar Segurança do Local -Utilizar EPI adequado R- Responsivity -Estabilização da Cabeça -Verificar Consciência DR A.B.C.D.E
  • 4. Apresentar-se Consciente Perguntar Sobre o Ocorrido Perguntar Queixa Principal Inconsciente Chamar Apoio Especializado Passar Para “A A- Airway Extensão Cervical -Abertura das VAS Elevação da Mandíbula Tração do Mento -Inspeção da Cavidade Oral -Introdução da Cânula Orofaríngea
  • 5. B- Breathing -Verificar Respiração RESPIRA Normal -Qualidade da Respiração Superficial ou Profunda Rápida ou Lenta Regular -Tipo da Respiração Simétrico Com Ruídos Anormais - Aplicação do Oxímetro de Pulso -Ministrar Oxigênio(Oxigenoterapia) NÃO RESPIRA- Efetuar 2 ventilações e Verificar circulação “C” Com Circulação: Iniciar Ventilação Sem Circulação : Iniciar RCP
  • 6. C- Circulation -Checar Pulso Verificar Temperatura – T-U-C Quente Temperatura Fria Umidade Seca Úmida Coloração Pálida Arroxeada Amarelada Avermelhada -Procurar Por Hemorragias -Checar Perfusão Capilar
  • 8. OCULAR Alerta 4 Verbal 3 Doloroso 2 Nenhum 1 VERBAL Orientado 5 Confuso 4 Inapropriado 3 Sons e Gemidos 2 Nenhum 1 MOTORA Obedece Ordens 6 Loc. e tenta reirar 5 Reage a dor 4 Decorticação 3 Descerebração 2 Nenhum 1 MAIOR QUE 5 ANOS OCULAR Alerta 4 Verbal 3 Doloroso 2 Nenhum 1 VERBAL sorriso 5 choro 4 Irrit. persistente 3 Agitação 2 Nenhum 1 MOTORA Mov. 4 Membros 6 Loc. e Tenta retirar 5 Não Reage a Dor 4 Decorticação 3 Descerebração 2 Nenhum 1 Menor que 5 Anos ESCALA DE COMA DE GLASGOW
  • 9. SINAIS VITAIS Diferença entre sinal e sintoma?  Sinal – evidência objetiva ou manifestação da doença. Ex: hipertermia, bradicardia, edema, vômito...  Sintoma – fenômeno físico ou mental que causa queixas, sendo um estado subjetivo: dor, tontura, mal estar, cefaléia...
  • 10. Podem ser verificados após anamnese e como parte inicial do exame físico.  Devemos verificar: TPRPAO ◦ Temperatura; ◦ Pulso; ◦ Respiração; ◦ Pressão Arterial ◦ Oximetria
  • 11. TABELA DE PARAMETROS NORMAIS DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FREQUENCIA ACIMA DE 08 ANOS NORMAL- 60 A 100 BPM LENTO – MENOR QUE 60 BPM RÁPIDO – MAIOR QUE 100 BPM ENTRE 01 A 08 ANOS NORMAL- 80 A 140 BPM LENTO – MENOR QUE 80 BPM RÁPIDO – MAIOR QUE 140 BPM ABAIXO DE 1 ANO NORMAL- 120A 160 BPM LENTO – MENOR QUE 120 BPM RÁPIDO – MAIOR QUE 160 BPM SINAIS VITAIS
  • 12. PULSO MOTIVADOR DE ALTERAÇÕES PULSO FORTE Hipertensão, Susto, Medo PULSO FRACO Hemorragia, desidratação PULSO AUSENTE Parada Cardíaca, Lesão arterial
  • 13. TABELA DE PARAMETROS NORMAIS DOS MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS FREQUENCIA ACIMA DE 08 ANOS NORMAL- 12 A 20 MRPM LENTO – MENOR QUE 12 BPM RÁPIDO – MAIOR QUE 20 BPM ENTRE 01 A 08 ANOS NORMAL- 20 A 40 BPM LENTO – MENOR QUE 20 BPM RÁPIDO – MAIOR QUE 40 BPM ABAIXO DE 1 ANO NORMAL- 40 A 60 BPM LENTO – MENOR QUE 40 BPM RÁPIDO – MAIOR QUE 60 BPM
  • 14. PULSO LOCAIS DE VERIFICAÇÃO • Técnica • Inspeção • Polpa digital • Suave • Aquecer a mão
  • 15. Pressão arterial Classificação da pressão arterial de acordo com a medida casual no consultório (> 18 anos)  Pressão sistólica(mmHg) x Pressão diastólica(mmHg)  Ótima < 120 < 80  Normal < 130 < 85  Limítrofe 130-139 85-89  Hipertensão estágio 1 - 140-159 90-9  Hipertensão estágio 2 - 160-179 100-109  Hipertensão estágio 3 - ≥ 180 ≥ 110  Hipertensão sistólica isolada - ≥ 140 < 90
  • 16. PELE SITUAÇÃO 36,2 A 36,8 NORMAL ABAIXO DE 36,2 HIPOTERMIA ACIMA DE 36,8 HIPERTERMIA (FEBRE) PELE PROVAVEL PROBLEMA FRIA E UMIDA Traumatismo, Hemorragia, Estado de Choque. FRIA E SECA Exposição ao frio (Hipotermia) QUENTE E SECA Hipertermia (Febre), Insolação. QUENTE E ÚMIDA Hipertermia (Febre), Intermação. COLORAÇÃO PROVAVEL PROBLEMA PÁLIDA Choque Hemodinâmico, Ataque Cardíaco,Hemorragia. CIANÓTICA (Arroxeada) Deficiência Respiratória, Arritimia Cardíaca, Hipóxia, Doenças Pulmonares, Envenenamentos. ICTERÍCIA Doença Hepática (Fígado) HIPEREMIA (Avermelhada) Hipertensão, Insolação, Alergias, Diabetes, Choque anafilático. PELE
  • 17. OVACE - OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO SE A VÍTIMA ESTIVER CONSCIENTE Bata 4 vezes com a mão espalmada nas costas da vítima. Se isso não for suficiente para expelir o corpo estranho, comece a Manobra de Heimlich.
  • 18. Em adultos e crianças grandes: Coloque-se atrás da vítima, abraçando- a pela cintura, com o polegar voltado para a barriga dela e a outra mão segurando a primeira. Firme os punhos entre as costelas a cicatriz umbilical. Puxe-a em sua direção e para cima, simultaneamente, de forma rápida e vigorosa.
  • 19. Em crianças pequenas: coloque-á inclinada com a cabeça mais baixa que o corpo, apoiando a região ventral da criança em seu antebraço, como na figura abaixo e dê tapinhas com a mão espalmada em suas costas. Se não resolver, vire-á e tente aspirar delicadamente posicionando sua boca sobre a boca e o nariz da criança. Em vítimas gestantes ou obesas: Quando não é possível abraçar a vítima por trás ou quando isso for contraindicado (no caso de gestantes ou pós-operados, por exemplo), realizar as compressões sobre o externo (o mesmo local onde se realiza massagem cardíaca)
  • 20. Se você engasgar e estiver sozinho:: Realize compressões em seu abdome. Caso são consiga empregar a força necessária, posicione-se atrás do espalfar de uma cadeira e colocando-o entre suas costelas e umbigo e solte o peso do corpo sobre ela...
  • 21. SE A VÍTIMA ESTIVER INCONSCIENTE O procedimento para vítimas inconscientes foi alterado, não sendo mais utilizado o procedimento abaixo... Procedimento atualizado de acordo com as Diretrizes da American Heart Association:
  • 22. 1-Abrir as vias aéreas da vítima (inclinação da cabeça para trás e elevação do queixo, em casos em que não se suspeite de trauma: 2. Inspecionar a cavidade oral, retirando objeto se visível ou alcançável; 3. Ventilar uma vez e se o ar não passar, reposicionar a cabeça (pois as vias aéreas podem não ter sido abertas adequadamente); 4. Ventilar outra vez e se o ar ainda não passar; 5. Realizar 30 compressões torácicas; 6. Após as 30 compressões inspecionar a cavidade oral, retirando objetos, se visíveis e alcançáveis; 7. Realizar uma ventilação, observando se o tórax expande (se o ar entra). Se não entrar, repetir a sequência á partir do item 5, até o ar passar, ou até o socorro chegar e assumir.