SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Série
Cartilha Agroecologia
Volume 1
AGROECOLOGIA
fundamentos e aplicação
prática
CENTRO DE AGROECOLOGIA, ENERGIAS RENOVÁVEIS
E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CAERDES
AGROECOLOGIA
fundamentos e aplicação
prática
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB
José Bites de Carvalho
Reitor
Carla Liane N. dos Santos
Vice-Reitora
DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
SOCIAIS/CAMPUS III - JUAZEIRO/BA
Jairton Fraga Araújo
Diretor
CENTRO DE AGROECOLOGIA, ENERGIAS RENOVÁVEIS
E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CAERDES
Jairton Fraga Araújo
Coordenador
Jairton Fraga Araújo
(Organizador)
Ilustrado por
Gilmário Noberto de Souza
Jairton Fraga Araújo
Lucas Fernando Freitas Gomes
Victor Hugo Freitas Gomes
AGROECOLOGIA
fundamentos e aplicação
prática
EDUNEB
Salvador
2014
Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e
Desenvolvimento Sustentável - Caerdes
Série
Cartilha Agroecologia
Volume 1
© Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável - Caerdes
Direitos para esta edição cedidos à Editora da Universidade do Estado da Bahia.
Esta editora adota o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990,
em vigor no Brasil desde 2009.
Proibida a reprodução total ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica, resumida ou
modificada, em Língua Portuguesa ou qualquer outro idioma.
Depósito Legal na Biblioteca Nacional
Impresso no Brasil 2014.
O conteúdo desta Cartilha é de inteira responsabilidade do Centro de Agroecologia,
Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável - Caerdes.
Ficha Catalográfica - Sistema de Bibliotecas da UNEB
Editora da Universidade do Estado da Bahia – EDUNEB
Rua Silveira Martins, 2555 – Cabula
41150-000 – Salvador – BA
editora@listas.uneb.br
www.uneb.br
Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável
Agroecologia: fundamentos e aplicação prática / Organizado por Jairton Fraga Araújo,
elaborado por Adrielle Cristina de Sousa Costa, Victor Hugo Freitas Gomes, Waldyr Ítalo
Serafim Araújo, ilustrado por Gilmário N. de S. et al . - Salvador: EDUNEB, 2014.
60p. : il. color. – (Cartilha agroecologia, v.1)
ISBN 9788578872496
1. Agricultura interativa. 2. Ecologia agrícola. 3. Agricultura sustentada. 4. Agricultura
alternativa. I. Araújo, Jairton Fraga. II. Costa, Adrielle Cristina de Sousa. III. Gomes, Vitor
Hugo Freitas Souza. IV. Araújo, Waldyr Ítalo Serafim. V. Souza, Gilmário Norberto de.
CDD: 630.2745
CENTRO DE AGROECOLOGIA,
ENERGIAS RENOVÁVEIS E
DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL - CAERDES
Adrielle Cristina de Sousa Costa
Victor Hugo Freitas Gomes
Waldyr Ítalo Serafim Araújo
Elaboradores
EDITORA DA UNIVERSIDADE DO
ESTADO DA BAHIA – EDUNEB
Maria Nadja Nunes Bittencourt
Diretora
Ricardo Baroud
Coordenador Editorial
Sidney Silva
Coordenador de Design
Série Cartilha Agroecologia
A Série Cartilha Agroecologia reúne o conteúdo em dez títulos
das principais técnicas empregadas na agricultura orgânica e
agroecológica. Ela objetiva contribuir para a capacitação de
agricultores familiares, jovens rurais e mulheres do campo nesta
área. Utiliza linguagem acessível e ilustrações que identificam as
principais práticas agroecológicas da produção irrigada e a de
sequeiro contextualizado para o semiárido.
Esta Série possibilitará aos educadores, pesquisadores e técnicos
da extensão rural, entendimento fácil e contextualizado acerca
da produção em ecossistemas modificados pela ação humana e,
também, fazer uso de metodologias diversificadas como cursos,
seminárioseoficinasvoltadosparaoensinoeàpráticadaprodução
agroecológica no território semiárido.
A Série Cartilha Agroecologia contempla os resultados do projeto
Integração ensino-pesquisa-extensão em agricultura orgânica
e agroecologia no sub-médio São Francisco, financiado pelo
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
- CNPq e conduzido pelo Centro de Agroecologia, Energias
Renováveis e Desenvolvimento Sustentável - Caerdes, órgão
da Universidade do Estado da Bahia - UNEB, vinculado ao
Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais em Juazeiro-BA,
cujo papel fundamental é o de desenvolver estudos e pesquisas,
promover ações de extensão, realizar capacitação e fomentar nos
estudantes, técnicos, empresários e agricultores o conceito de
agricultura agroecológica e orgânica.
Sumário
O que é agricultura orgânica? 11
Práticas utilizadas no sistema de produção orgânica 12
Ecossistema 13
Agroecossistemas 15
Recursos naturais do Planeta 16
Água 17
Água na agricultura 18
Solo 19
Energia 21
Plantas 23
Animais 24
Clima 25
Tipos de clima 26
Ciclo alimentar 28
Sucessão natural das espécies 30
Processo de produção agroecológica 32
Fotossíntese e respiração de plantas 33
O solo como organismo vivo 34
Correto preparo do solo: práticas agroecológicas 35
O solo e a matéria orgânica: práticas agroecológicas 37
Adubos orgânicos sólidos e líquidos: práticas groecológicas 38
Adubos minerais – Rochagem: práticas agroecológicas 39
Adubos verdes: práticas agroecológicas 40
Proteção de plantas e saúde vegetal 41
Quebra-ventos 42
Calagem 43
Gessagem 44
Rotação de culturas 45
Adubação orgânica 47
Fosfatagem natural 49
Consorciação de culturas 50
Mulching ou cobertura morta 52
Referências 55
11
O que é agricultura orgânica?
De acordo com o primeiro Artigo da Lei nº 10.831 ou Lei dos
Orgânicos “considera-se sistema de produção orgânica todo aquele
em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização
do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o
respeito à integridade cultural das comunidades rurais, tendo por
objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização
dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia
não renovável, empregando, sempre que possível, métodos
culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso
de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos
geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer
fase do processo de produção, processamento, armazenamento,
distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente”.
12
Práticas utilizadas no sistema de
produção orgânica
Para que o agricultor entre no sistema de produção orgânica é
necessário que tome algumas medidas, como:
•	 substituir insumos
•	 circular mercadorias
•	 usar insumos orgânicos industrializados e adubos
alternativos e eficazes
•	 produzir alimentos visando a economia solidária e
mercado justo
•	 facilitar a certificação
Figura 1 – Selo de certificação de produto orgânico aprovado pelo Ministério da
Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA
13
Ecossistema
Ecossistema é um sistema composto por seres vivos ou meio
biótico (animais, plantas e microrganismos), e o local onde estes
organismos vivem. Também conhecido como meio não vivo
ou abiótico (rochas, minerais, clima, luz solar, entre outros).
São necessários quatro componentes básicos essenciais para a
formação do ecossistema:
1)fatoresabióticos-éomeioondeosorganismosvivossedesenvolvem
2) seres autótrofos - são aqueles que fabricam o seu próprio alimento,
as plantas verdes é um exemplo
3) seres heterotróficos - são consumidores que não produzem o seu
alimento, como os animais que se alimentam das plantas ou de outros
animais
4) seres decompositores - são aqueles que se alimentam da matéria
orgânica morta como os microrganismos
Figura 2 – Morro do Pai Inácio em Seabra-BA, 2010
Fonte: Foto de Araújo, J. F., 2010.
Figura 3 – Interação entre fatores abióticos e bióticos em um ecossistema natural
Fonte: Ilustração de Gomes, L. F. F., 2014.
14
15
Agroecossistemas
Agroecossistemas são sistemas ecológicos alterados, manejados
com a finalidade de aumentar a produtividade de um determinado
grupo de produtores e de consumidores. Plantas e animais nativos
são retirados e substituídos por poucas espécies como:
•	 frutíferas (manga, caju, goiaba)
•	 cereais (milho e sorgo)
•	 grandes culturas (macaxeira, feijão e arroz)
•	 olerícolas (alface, pimentão e beterraba)
•	 pastagens para a pecuária, entre outros sistemas de
produção agrícola
Figura 4 – Consórcio de goiaba com
Macaxeira, UNEB/DTCS/Caerdes,
Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014.
Figura 5 – Área cultivada com a
cultura da Banana, UNEB/DTCS/
Caerdes, Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Gomes, V. G. F., 2014.
16
Recursos naturais do Planeta
Recursos naturais são elementos da natureza úteis ao processo de
desenvolvimentoesobrevivênciahumanaegarantiadareprodução
das espécies. Entre eles estão: água, solo, energia, animais e plantas.
A sociedade capitalista explora de maneira intensa esses recursos
naturais, e a consequência disto é o desequilíbrio do ambiente, na
agricultura orgânica utiliza-se recursos renováveis como fonte de
energia.
Existe uma relação entre tecnologia e recursos naturais, uma vez
que são necessários recursos tecnológicos para a exploração de
um determinado recurso natural como por exemplo, a construção
de uma usina eólica. Os recursos naturais podem ser classificados
como:
•	 Renováveis: são elementos que de forma correta podem
se renovar, exemplo: plantas, solo, animais e água.
•	 Não renováveis: são elementos que de alguma maneira
não se renovam, ou então demoram milhares de anos para
estarem disponíveis na natureza, exemplo: o petróleo,
ouro, ferro, entre outros minerais.
•	 Inesgotáveis: são elementos que não acabam como o
sol e o vento.
17
Água
A água é um dos elementos mais essenciais para a manutenção da
vida, ela pode ser encontrada sob três formas:
•	 gasosa (vapor d’água da atmosfera)
•	 líquida (rios, lagos e oceanos)
•	 sólida (geleiras)
O Brasil é o país que mais possui reservas hídricas, com milhares
de rios, lagos, e grande parte armazenada no subsolo, desta forma,
concentra 12% da água doce do mundo. Entretanto, é a nação
que mais desperdiça água. De acordo com o Sistema Nacional de
Informações sobre Saneamento (SNIS) do Ministério das Cidades,
quase 40% da água é desperdiçada, isso equivale a 3,6 bilhões da
água tratada. Esta perda por distribuição resulta em prejuízos
econômicos, sociais e ambientais.
Figura 6 – PontePresidenteDutraqueligaascidadesdeJuazeiro-BAePetrolina-PE,2014
Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
18
Água na agricultura
A agricultura é o setor da economia que mais consume água,
devido ao processo de evapotranspiração (perda de água através
da transpiração das plantas e evaporação da água do solo), além
disto os insumos (agrotóxicos e fertilizantes químicos sintéticos)
utilizados em larga escala na agropecuária contaminam o solo e
consequentemente o lençol freático.
A adoção de tecnologias na agricultura constitui-se em fator
essencial para minimizar o desperdício de água, a exemplo da
irrigação localizada substituindo a irrigação por superfície como
por sulcos e inundação.
Paraevitaracontaminaçãodosmananciaisdeágua,umaalternativa
viável é a substituição dos insumos sintéticos por fertilizantes
naturais e o uso de defensivos naturais.
Figura 7 – Margem esquerda do rio São Francisco em Petrolina-PE, 2014
Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
19
Solo
O solo – conhecido também como terra – é de grande importância
para os seres vivos. É nele onde retiramos alimentos e construímos
edificações, além de armazenar água.
O solo é formado da rocha através da participação dos elementos
ativos como o clima (ventos, chuvas, gelo e temperatura) e os
organismos vivos (fungos, insetos, plantas e entre outros). O
tempo transforma a rocha e dá origem ao solo.
Quando a rocha é alterada os seres vivos atuam no melhoramento
do solo, com adição de matéria orgânica (restos vegetais e animais).
A mistura da matéria orgânica com o material solto e maciço,
proveniente da rocha, fornece alimento para as plantas. Deste
modo, o solo é representado da seguinte forma:
Figura 8 – Evolução do perfil do solo
Fonte: Ilustração de Gomes, L. F. F., 2014.
20
Solo é o resultado da ação do clima, dos organismos vivos, do
tempo, do relevo ou topografia sobre o material de origem ou
rocha.
O solo é composto por quatro elementos: ar, minerais (argila,
silte e areia), matéria orgânica e água.
As práticas de ma-
nejo do solo são re-
comendadas para a
sua conservação. Isto
evita a compactação
e mantém a umidade
de água adequada no
solo, a fertilidade e a
matéria orgânica ne-
cessárias no solo, com
a utilização de adu-
bos recomendados na
agroecologia, uso de
irrigação eficiente e
adequada para evitar a
salinização e a erosão
dos solos. Assim, com
a utilização dessas e
de outras técnicas a
fertilidade física, quí-
mica e biológica es-
tarão asseguradas em
condições adequadas. Figura 9 – Perfil do solo em evolução com horizontes.
Fonte: Souza, G. N., 2014.
21
Energia
Energia é tudo que produz ou pode produzir ação.
Existem várias fontes de energia como:
•	 mecânica
•	 nuclear
•	 gravitacional
•	 térmica
•	 química
•	 solar
•	 eólica
A energia não se cria e nem se destrói apenas se transforma, o
homem extrai da natureza e sem ela o homem não consegue
viver. Existem fontes de energia que são renováveis e não-
renováveis.
•	 Renováveis: são fontes que se renovam, que não se
esgotam, como por exemplo o sol, os ventos, as ondas e
marés, a biomassa e entre outras.
•	 Não renováveis: são fontes que não se renovam, e se
esgotam, como por exemplo os combustíveis nucleares
(urânio e tório), e os combustíveis fósseis (carvão, petróleo
e gás natural).
22
Figura 10 – Barragem do lago
artificial do Sobradinho-BA, 2014
Fonte: Foto de Jetering, B., 2014.
Figura 11 – Parque eólico de
Sobradinho-BA
Fonte: Foto de Kestering, B., 2014.
23
Plantas
O reino das plantas é um dos maiores grupos de seres vivos
da Terra, tais como: ervas, árvores e arbustos. São, em geral,
organismos  autotróficos, ou seja, produzem o seu próprio
alimento através da fixação de dióxido de carbono, realizado pela
fotossíntese e quimiossíntese.
A planta é um ser essencial aos seres humanos, além de produzir
alimentos para os seres consumidores realizam a fotossíntese que
libera oxigênio na atmosfera.
Figura 12 – Área cultivada com a cultura
da banana, UNEB/DTCS/CAERDES,
Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014.
Figura 13 – Área cultivada com a
cultura da cebola, UNEB/DTCS/
CAERDES Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014.
24
Animais
O reino animal é composto de seres essenciais à vida humana. Ele
é fonte de alimento, pois são consumidores e produtores ao mesmo
tempo, como as aves, peixes, bovinos, caprinos e ovinos. Também
são seres que ajudam o ser humano em algumas tarefas no campo,
no preparo do solo, transporte de carga e de pessoas, além disso,
servem como companhia.
Figura 14 –Aviário móvel no parque de exposições
agropecuária de Salvador-BA, 2012
Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2012.
25
Clima
Clima se refere ao conjunto de temperatura, umidade, ventos e chuvas
de uma determinada região ao longo do ano. Desta forma, animais e
plantas estão adaptados a uma determinada região. Fenômenos como 
frentes frias,  tempestades,  furacões  e outros estão associados tanto às
variações meteorológicas quanto às leis físicas.
As semelhanças entre as regiões da Terra caracterizam a diversidade de
tipos de clima. As variações médias dos elementos meteorológicos ao
longo das  estações do ano,  num período de não menos de 30 anos,
podem determinar variações drásticas de temperatura, escassez ou
abundância de chuvas dentre outros fatores climáticos. O clima de
determinada região poderá sofrer alterações e ocasionar determinados
desequilíbrios das espécies vegetais e animais.
Nosúltimosanosasmudançasclimáticasquevemocorrendonomundo,
como: tsunamis, tempestades, derretimento das geleiras o que aumenta
o nível dos mares e oceanos, mudanças bruscas de temperaturas dentre
outros fatores, estão relacionados à poluição do ar, dos rios e oceanos.
A utilização de energias não renováveis e o seu consumo exagerado
aumentam a quantidade de lixo, devido a isso, o ser humano tem que
mudar a sua postura para que se possa ainda tentar salvar o ecossistema,
utilizando práticas de reutilização de resíduos e uso de recursos cada
vez mais renováveis.
26
Tipos de clima
Clima Equatorial: Quente e úmido, se diz do local onde chove
muito. Este clima predomina na região da floresta Amazônica.
Tropical:Existeduranteoanoperíodoschuvosos,eemdeterminado
momento, há estação de secas, este clima é predominante em Mato
Grosso do Sul até o litoral do Rio Grande do Norte.
Semiárido: Região de clima quente e seco, com chuvas
concentradas entre os meses de novembro a março, pode ocorrer
seca prolongada, é clima típico do Nordeste brasileiro.
Subtropical: Região úmida e fria, tem períodos de geadas e chove
muito, abrange o Sul do Brasil.
Tropical Litorâneo: Região onde as temperaturas são elevadas no
verão e amenas no inverno, predomina no litoral da Paraíba até de
São Paulo.
Tropical de Altitude: Região em que as temperaturas são amenas
e chove bastante durante o verão. No inverno pode apresentar
geadas e abrange a região serrana do Rio de Janeiro e Espírito
Santo.
Figura 15 – Mapa de climas do Brasil
Fonte: Ilustração de Gomes, V. H. F, 2014.
27
28
Ciclo alimentar
O ciclo alimentar é uma sequência de organismos interligados por
relações de alimentação. É a maneira de expressar as relações de
alimentação entre os organismos  de um  ecossistema, incluindo
os  produtores, os consumidores (herbívoros  e seus  predadores,
os carnívoros) e os decompositores.
Ao longo do ciclo alimentar, há uma transferência de energia e
de  nutrientes sempre no sentido dos produtores para os
consumidores. A transferência de nutrientes fecha-se com o seu
retorno aos produtores, possibilitado pelos decompositores que
transformam a matéria orgânica dos cadáveres e excrementos em
compostos mais simples, num ciclo de transferência de nutrientes.
A energia é utilizada por todos os seres que se inserem na cadeia
alimentar para sustentar as suas funções, diminuindo ao longo
da cadeia alimentar (perde-se na forma de calor), não sendo
reaproveitável.
A energia tem um percurso acíclico obrigatoriamente
dependente da energia do  Sol, este processo é conhecido
pelos ecologistas como fluxo de energia.
Figura 16 – Ciclo alimentar
Fonte: Ilustração de Gomes, L. F. F., 2014.
29
30
Sucessão natural das espécies
Sucessão ecológica é o nome dado à sequência de comunidades,
desde a colonização até a comunidade clímax de um determinado 
ecossistema. As primeiras plantas que se estabelecem (liquens
e gramíneas) são denominadas pioneiras, e vão gradualmente
sendo substituídas por outras espécies de porte médio (arbustos)
até que as condições ambientais possibilite a evolução para uma
comunidade clímax que apresenta, uma  diversidade  compatível
com as características daquele ambiente.
Ações como queimadas e desmatamento de florestas são práticas
que influenciam o desaparecimento de várias espécies vegetais,
animais e até mesmo de microrganismos.
Figura 17 – Sucessão natural das espécies
Fonte: Ilustração Gomes, L. F. F. 2014.
31
32
Processo de produção
agroecológica
Consiste numa forma de produção na qual se destacam as
práticas que promovem o equilíbrio entre o solo, a água e a planta,
permitindo de forma sustentável a produção sem o uso de produtos
sintéticos e garantindo o respeito ao equilíbrio da natureza.
Práticas destacadas neste tipo de produção:
•	 não revolvimento do solo (subsolagem e escarificação)
•	 fosfatagem natural
•	 rochagem
•	 calagem e gessagem
•	 adubação verde
•	 rotação e consórcio de cultura
•	 incorporação de matéria orgânica
•	 cobertura morta
•	 quebra-ventos
•	 adubação orgânica
•	 biofertilizantes líquido e sólidos
33
Fotossíntese e respiração
de plantas
•	 Fotossíntese - é um processo realizado pelas plantas para
a produção de energia necessária a sua sobrevivência.
Este processo utiliza a absorção e aproveitamento dos
nutrientes do solo e da radiação solar para produção de
alimento.
•	 Respiração - É o processamento de compostos orgânicos
que libera a energia necessária à realização de todas as
atividades das plantas.
Comodescritoinicialmente,nafotossíntese,aplantaabsorveoCO2
(gás carbônico) e libera o O2
(oxigênio) para o meio ambiente. No
processo de respiração, a planta realiza o oposto absorve oxigênio
e libera gás carbônico.
Figura 18 – Fotossíntese dos vegetais superiores
Fonte: Ilustração de Souza, G. N., 2014.
34
O solo como organismo vivo
O solo é um organismo vivo resultado da decomposição de rochas,
sua fertilidade está relacionada à diversidade de microorganismos,
propriedades físicas e químicas.
As práticas de adubação, preparo do solo, irrigação e até mesmo a
rotação de culturas, épocas de plantio, descanso do solo devem ser
planejadas de forma a manter a saúde do solo.
Figura 19 – Interação solo planta, UNEB/
DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
Figura 20 – Composto orgânico, UNEB/
DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014.
35
Correto preparo do solo: práticas
agroecológicas
As operações de preparo do solo são realizadas para conferir as
condições favoráveis à germinação e bom ao desenvolvimento das
plantas ao longo do seu ciclo, elas se subdividem em:
•	 Primária – Limpeza da área - Procede-se a limpeza e
destoca da área, limpeza pode ser feita manualmente ou
com uso de maquinário como os tratores. Geralmente,
após a limpeza o material deve ser juntado em pilhas
podendo ser realizada a queimada controlada, atentando-
se para os cuidados com o uso desta prática.
•	 Secundário – Preparo do solo - Ocorre com utilização de
escarificadores que atuam numa profundidade de até 35
cm e não realizam a inversão da leiva do solo(camadas),
eles não causam danos a estrutura do solo, desde que
corretamente utilizados.
36
Benefícios
Primário
•	 Possibilidade de aproveitamento do material proveniente
da limpeza, que pode ser picado em tamanho menor e
empregado na produção de composto, em se tratando
de vegetação herbácea pode ser depositada na superfície
como cobertura morta.
Secundário
•	 Com o uso de escarificadores, tem-se um excelente
controle das ervas espontâneas e melhorando o leito de
semeadura onde as mudas serão estabelecidas;
•	 Possibilidade de descompactação e recuperação das
propriedades do solo quando empregado o uso de
escarificadores a profundidades superiores a 35 cm,
seguindo-se a prática de adubação verde com feijão
guandu em solos degradados.
37
O solo e a matéria orgânica:
práticas agroecológicas
A matéria orgânica serve como uma fonte de nutrientes para
os microorganismos e para as plantas melhorando assim o seu
desenvolvimento e produtividade.
Quanto maior o teor de matéria orgânica mais fértil é o solo, ela é
composta pela decomposição de organismos e restos de culturas,
confere ao solo:
•	 maior retenção de água
•	 manutenção da estrutura
•	 melhoria na drenagem
•	 melhores condições para desenvolvimento dos
microorganismos
Figura 21 – Pátio de compostagem da UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014.
38
Adubos orgânicos sólidos e
líquidos: práticas agroecológicas
Os biofertilizantes líquidos e sólidos são feitos a partir de materiais
como os estercos frescos ou secos de origem leiteira ou de animais
para corte, fermentação de plantas verdes e frutos.
Em se tratando de fertilizantes líquidos há as caldas nutricionais e
fitoprotetoras, substâncias orgânicas e minerais e pela diversidade
de micronutrientes, exercem uma ação benéfica sobre o
metabolismo das plantas.
Dentre os fertilizantes sólidos destacam-se o bokashi substituto de
adubos minerais N, P, K, Ca, Mg e micronutrientes, há também
os provenientes da vermicompostagem e outros resultantes da
fermentação e decomposição de matéria orgânica.
Figura 22 – Biofertilizante líquido
produzido na, UNEB/DTCS/Caerdes,
Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
Figura 23 – Composto orgânico
produzido na UNEB/DTCS/Caerdes,
Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Santos, C. D. S. M., 2014.
39
Adubos minerais – Rochagem:
práticas agroecológicas
Rochagem é uma prática agrícola que utiliza o pó de rocha (micro e
macronutrientes) como forma de melhorar os níveis de nutrientes
dos solos.
As técnicas utilizadas combinam pó de rocha (em diferentes
granulométricas) com leveduras, esterco e restos vegetais.
Este tipo de fertilizante é ecologicamente mais adequado, porque
libera nutrientes de maneira lenta, dispensando a reaplicação a
cada plantio e possibilita corrigir o pH, evitando-se a salinização
do solo.
Figura 24 – Pó de rocha MB-4 utilizado na rochagem em culturas agrícolas da
UNEB/DTCS/Caerdes
Fonte: Foto de Lopes, R. C., 2014.
40
Adubos verdes: práticas
agroecológicas
É uma prática agrícola que tem como objetivo melhorar a
capacidade produtiva do solo e sua conservação. A adubação verde
é a forma mais eficaz de adição de matéria orgânica.
Leguminosas indicadas para adubação verde:
•	 aveia preta
•	 feijão de porco
•	 mucuna cinza
•	 feijão guandu
Benefícios
•	 redução nos custos de produção
•	 aumento da capacidade de armazenamento de água no
solo
•	 controle de nematóides fitoparasitos
•	 descompactação, estruturação e aeração do solo
•	 fornecimento de nitrogênio fixado direto da atmosfera
•	 proteção do solo contra os agentes de erosão e radiação
solar
•	 reciclagem de nutrientes lixiviados (levados) para maiores
profundidades
•	 recuperação e solos de baixa fertilidade
41
Proteção de plantas
e saúde vegetal
É imprescindível salientar que as doenças ocorrem na natureza
como um mecanismo de manutenção de equilíbrio biológico,
ciclagem de nutrientes e manutenção das propriedades físicas e
químicas do solo.
Para elucidação e prevenção destas e outras situações recomenda-
se alternativas como:
•	 policulturas
•	 cultivo de espécies menos ou não suscetíveis
•	 cultivos em faixas ou de famílias distintas
•	 controle biológico- armadilhas com feromônios sexuais
Técnicas
•	 solarização - energia solar para controle de fitopatógenos,
radiação ultravioleta para o controle de patógenos em
pós-colheita
•	 utilização de cortinas que filtram determinados
comprimentos de onda com consequente controle de
doenças e pragas
•	 extratos vegetais como o de neem, leite diluído e
microorganismos
42
Quebra-ventos
Essa técnica é utilizada principalmente em regiões de maior
altitude, onde os ventos se apresentam muito intensos e podem
ser bastante prejudiciais causando efeitos negativos ao solo e às
plantas, diminuindo a produtividade animal e vegetal nessas áreas.
O vento é responsável pelo arrastamento das partículas do solo,
de insetos e da disseminação de doenças, principalmente, aquelas
causadas pelos fungos. Além disso, ressecam o solo e provocam
stress hídrico nas plantas, acrescentando o consumo de água pelas
culturas.
Os ventos muito intensos prejudicam a polinização pelos insetos
e derrubam as flores, diminuindo a produção e também causam
lesões nos frutos.
A utilização de quebra-ventos é uma técnica de baixo custo
formada por corredores de arbustos e árvores de desenvolvimento
acelerado e volumoso, com o objetivo de desenvolver barreiras
contra os ventos e originar um microclima agradável na área de
cultivo.
Para a escolha da espécie a ser utilizada como quebra vento, o
produtor deve se atentar para os seguintes detalhes:
•	 optar por mudas sadias
•	 dar preferência as espécies não hospedeiras de doenças ou
pragas que possam prejudicar o cultivo
•	 escolher espécies perenes de porte médio com o cuidado
para não sombrear a área de cultivo
43
Calagem
A calagem é uma prática utilizada para diminuir a acidez do solo.
Benefícios
•	 fornece cálcio
•	 aumenta a disponibilidade de fósforo
•	 diminui a quantidade de alumínio e manganês
•	 aumenta a agregação das partículas do solo
•	 Diminui a compactação
•	 Amplia o sistema radicular
•	 aumenta a absorção da água e nutrientes do solo
•	 Aumenta a resistência das plantas ao stress hídrico
Figura 25 – Calagem manual realizada na área experimental da
UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
44
Gessagem
A gessagem é uma técnica agronômica que fornece elementos
como cálcio e enxofre, aumenta a porosidade e melhora a retenção
de água no solo.
As raízes dos vegetais não crescem adequadamente em solos
muito ácidos, e com altos teores de alumínio ou baixa quantidade
de cálcio.
Figura 26 – Distribuição relativa das raízes com ou sem gesso
Fonte: Ilustração de Araújo, J. F.
45
Rotação de culturas
A rotação de culturas é uma técnica agrícola, que consiste em
um sistema rotativo entre espécies vegetais, em uma mesma área
agrícola.
Benefícios
•	 diminui os danos causados pelas monoculturas;
•	 enriquece o solo com materiais orgânicos distintos;
•	 colabora para uma maior diversidade da vida do solo,
•	 melhora as condições físicas químicas e biológicas.
Figura 27 – Rotação de cultura no espaço
Fonte: Ilustração de Araújo, J. F., 2014.
46
Parâmetros para a escolha das espécies, que serão utilizadas na
rotação de cultura:
•	 o esquema deve apresentar particularidade regionais e
perspectivas de negociação dos produtos
•	 a área deve ser dividida em glebas com o número igual a
quantidade de anos de rotação
•	 o processo de implementação sucessivamente ano após
ano, nas diferentes glebas, as quais foram determinadas
•	 planejamento no tempo e no espaço
•	 seleção de culturas que deve levar em consideração dois
aspectos fundamentais: o comercial e o de recuperação e
preservação do solo
Tabela 1 – Rotação de cultura no Tempo
CAMPO
PRIMEIRO
ANO
SEGUNDO
ANO
TERCEIRO
ANO
I Feijão Tomate Feijão X Milho
II Melancia Guandú Batata Doce
II Quiabo Melão Abóbora
47
Adubação orgânica
É a incorporação de resíduos animais e vegetais produzidos na
propriedade que tem a função de oferecer nutrientes as culturas e
melhorar as características químicas, físicas e biológicas.
A reciclagem dos resíduos vegetais como palhas, folhas, raízes,
galhos, ou resíduos animais como estercos, casca de ovos, penas,
é uma maneira eficiente de diminuir seu volume e devolvê-lo
ao ambiente de forma sustentável, além de baratear os custos e
incrementar ainda mais a atividade agroecológica.
Figura 28 – Composto orgânico,
UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA,
2014
Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014.
Figura 29 – Vermicomposto, UNEB/
DTCS, Juazeiro-BA, 2008
Fonte: Foto de Souza, F. A., 2008
48
O material orgânico apresenta micro e macro nutrientes na sua
composição e apresenta benefícios ao solo tais como:
•	 contribui para a fertilidade do solo
•	 melhora as propriedades físicas, químicas e biológicas
•	 melhora a retenção de água
•	 aumenta a disponibilidade de nutrientes
•	 permite o aumento da biodiversidade de microorganismos
no solo
Figura 30 – Composto orgâ-
nico no UNEB/DTCS/Caerdes
Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Araújo, W. I. S.,
2014.
Figura 31 – Composto orgânico no UNEB/
DTCS/Caerdes Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Araújo, W. I. S., 2014.
49
Fosfatagem natural
A fosfatagem é a aplicação de fosfato natural, visando aumentar
o teor de fósforo no solo. A fosfatagem é realizada a lanço e
incorporada ao solo por implemento com a capacidade de misturar
uniformemente o produto mais profundamente possível.
Benefícios
•	 auxilia no enraizamento adequado das plantas
•	 é muito importante para os seguintes processos:
fotossíntese, respiração, na transferência de energia, e na
divisão celular, no crescimento das células e em vários
outros processos da planta
•	 melhoraaproduçãodosfrutos,aformaçãodassementes,além
de aumentar a resistência ao frio, estresse hídrico e doenças
Figura 32 – Fosfato natural de Gafsa utilizado na agricultura orgânica, UNEB/
DTCS/Caerdes, 2014
Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
50
Consorciação de culturas
Consorciação de cultura é uma técnica agrícola que visa ampliar
a renda dos agricultores. O produtor poderá utilizar várias
culturas na mesma área. Além disso, a consorciação conserva as
características físicas químicas e biológicas do solo, pelo combate
às consequências do cultivo intenso do solo e da monocultura.
Benefícios
•	 diminui a incidência de doenças e pragas (que são
indicadores de mal manejo)
•	 reduz a erosão do solo
•	 melhor aproveitamento do solo
•	 as espécies escolhidas proporcionam entre si vantagens
entre as planta cultivadas
Figura 34 – Consórcio de banana e abóbora na área experimental da UNEB/DTCS/
Caerdes, Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Santos, C. D.A. S. M., 2014.
51
É utilizada pelos pequenos agricultores visando um melhor
aproveitamento da área e dos adubos, utiliza os mesmos tratos
culturais em culturas diferentes, gera uma economia na produção
e reduz os custos com insumos e mão-de-obra.
Alguns exemplos de consórcios bem sucedidos entre hortaliças:
•	 cenoura x alface (mudas) ou rabanete
•	 alho x alface (mudas) ou rabanete
•	 milho-verde x mucuna
•	 alecrim x repolho
•	 alecrim x couve e brócolis
Figura 35 – Consórcio de goiaba e macaxeira, na área experimental da
UNEB/DTCS/Cardes, Juazeiro-BA, 2014
Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014.
52
Mulching ou cobertura morta
Acoberturamortaéumatécnicarealizadacomdiferentesmateriais
orgânicos, onde se destaca o uso de restos vegetais de roçadas, de
culturas e de lona plástica.
Esse material apresenta alta durabilidade e serve também para
proteger o fruto, para que não entre em contato com o solo.
Figura 36 – Utilização de cobertura morta na área experimental da UNEB/DTCS/
Caerdes
Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014.
53
Finalidades
•	 reduzir o número de capinas, pela diminuição da
quantidade de ervas espontâneas
•	 evitar a incidência direta dos raios solares sobre o solo,
regulando as temperaturas
•	 evitar o impacto das gotas de chuvas na superfície do
solo
•	 incorporar e enriquecer de matéria orgânica a camada
superior do solo
•	 controlar a erosão e a compactação
Figura 37 – Cobertura morta com
palha de milho, na cultura
do Repolho
Fonte: Foto de Trani, P. E., 2000.
Figura 38 – Cobertura morta com grama
batatais triturada na cultura do Alface,
Campinas, 2000
Fonte: Foto de Trani, P. E., 2000.
54
Mulching é uma espécie de cobertura morta, que consiste em
cobrir o solo com um plástico de polietileno.
Tipos de Mulching com polietileno
•	 preto e preto
•	 preto e branco
•	 preto e prata
Seu uso pode ser destaque nas culturas
•	 melão, tomate, pimentão, pepino, uva, abacaxi e outras.
Figura 39 – Cobertura artificial na cultura do melão segundo ciclo.
Fonte: Foto de Coelho, R. N. C., 2014
55
Referências
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa
do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. 292 p.
BRASIL. Lei Nº 10.831, 23 de dezembro de 2003. Diário Oficial
[da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,
24 dez. 2003. Seção 1, p. 8.
FEIDEN, A. Agroecologia: introdução e conceitos. In: AQUINO,
Adriana Maria de; ASSIS, Renato Linhares de (Ed.). Agroecologia:
princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável.
Brasília, DF: Embrapa, Informação Tecnológica, 2005. p. 61-69.
KIEL, J. K. Fertilizantes orgânicos. Piracicaba: Ceres, 1985. 492 p.
LEAL, A. A. M. et al. Utilização de compostos orgânicos como
substratos na produção de mudas de hortaliças. Horticultura
Brasileira, Brasília, v. 25, n. 3, jul./set. 2007.
PEREIRA NETO, J. T. P. Tratamento, reciclagem e impacto
ambiental de dejetos agrícolas. In: CONFERÊNCIA SOBRE
AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE, 1992, Viçosa. Anais...
Viçosa, MG: Núcleo de Estudos e Pesquisa em Meio Ambiente-
NEPEMA/Universidade Federal de Viçosa, 1992. p. 61-74.
Esta Cartilha é parte integrante da série de ações promovidas pelo
projeto “Integração, Ensino, Pesquisa e Extensão em Agroecologia
e Agricultura Orgânica no Submédio São Francisco”
CONTATOS
CAERDES
Av. Edgard Chastinet Guimarães, s/n. - bairro São Geraldo.
48905-680 - Juazeiro - Bahia - Brasil
www.direitoverdeuneb.blogspot.com
direitoverde@hotmail.com
caerdes@uneb.br
Telefone: (74) 3611-7363 - ramal 270
A cartilha Agroecologia: Fundamentos e Aplicação Prática
apresentadeformasimplesosconceitosbásicosdeagroecologia,
bem como a importância da agricultura orgânica e sustentável,
o uso de práticas de preservação dos ecossistemas naturais, o
manejo dos agroecossistemas e os efeitos negativos do manejo
inadequado ao ambiente. Orienta quanto ao aproveitamento
racional dos recursos naturais destacando o papel dos ciclos
alimentares e o significado de sucessão natural das espécies,
fotossínteseerespiração.Enfatizaaimportânciadaconservação
da matéria orgânica e o correto preparo do solo, o manejo e a
utilização de adubos orgânicos, bem como a proteção e a saúde
vegetal com o controle de insetos e dos microrganismos sem a
utilização de pesticidas.
Financiamento ApoioRealização
ISBN 978-85-7887-249-6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
Kelwin Souza
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Agricultura convencional
Agricultura convencionalAgricultura convencional
Agricultura convencional
Universidade Federal do Oeste do Pará
 
O Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio BrasileiroO Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio Brasileiro
Lucas Maciel Gomes Olini
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Introdução ao Agronegocio
Introdução ao AgronegocioIntrodução ao Agronegocio
Introdução ao Agronegocio
Antonio Meneghetti Faculdade
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
Carlos Priante
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
DAIANE AZOLINI
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
UERGS
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
igor-oliveira
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
janeibe
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
UERGS
 
Histórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agriculturaHistórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agricultura
Alex Samuel Rodrigues
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
Universidade Estadual de Santa Cruz
 
Sistemas Agrícolas
Sistemas AgrícolasSistemas Agrícolas
Sistemas Agrícolas
joao paulo
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Dell Andrade
 
Agricultura no Brasil
Agricultura no BrasilAgricultura no Brasil
Agricultura no Brasil
Vanessa Albano
 
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02   propagação e implantação de plantas ornamentaisAula 02   propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
CETEP, FTC, FASA..
 
Agrotoxicos
AgrotoxicosAgrotoxicos
Agrotoxicos
João Junior
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
UERGS
 

Mais procurados (20)

Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Agricultura convencional
Agricultura convencionalAgricultura convencional
Agricultura convencional
 
O Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio BrasileiroO Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio Brasileiro
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Introdução ao Agronegocio
Introdução ao AgronegocioIntrodução ao Agronegocio
Introdução ao Agronegocio
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
Recuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadasRecuperação de áreas degradadas
Recuperação de áreas degradadas
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Histórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agriculturaHistórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agricultura
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
 
Sistemas Agrícolas
Sistemas AgrícolasSistemas Agrícolas
Sistemas Agrícolas
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Agricultura no Brasil
Agricultura no BrasilAgricultura no Brasil
Agricultura no Brasil
 
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02   propagação e implantação de plantas ornamentaisAula 02   propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
 
Agrotoxicos
AgrotoxicosAgrotoxicos
Agrotoxicos
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
 

Semelhante a AGROECOLOGIA

Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
João Siqueira da Mata
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
Lenildo Araujo
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
gimalucelli_bio
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Edson Talarico
 
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidadeSequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Lúcio Kobayakawa
 
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologiaMeio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Sandro Marcelo de Caires
 
agroecologia-2012.pdf
agroecologia-2012.pdfagroecologia-2012.pdf
agroecologia-2012.pdf
BrunaMaria93
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Sirleitr
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Agroecologia
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
MilenaAlmeida74
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
Wallace Bertoldi
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
Flavia Carvalho
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Daniel Mol
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Herbert de Carvalho
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
mvezzone
 
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdfAula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
AnaPaula570951
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
Gourgel Abias
 
Caderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientesCaderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientes
Regiane Moura da Silva
 
Caderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientesCaderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientes
Joyce Muzy
 
Fundamentos de agroecologia modulo i
Fundamentos de agroecologia  modulo iFundamentos de agroecologia  modulo i
Fundamentos de agroecologia modulo i
Rita de Cássia Freitas
 

Semelhante a AGROECOLOGIA (20)

Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
 
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidadeSequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
Sequência didática alimentos meio ambiente sustentabilidade
 
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologiaMeio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
 
agroecologia-2012.pdf
agroecologia-2012.pdfagroecologia-2012.pdf
agroecologia-2012.pdf
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
 
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
 
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itepAgricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
Agricultura_Orgânica. Slide turma 03 itep
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdfAula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
Aula 1 - Homem e Meio Ambiente.pdf
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Caderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientesCaderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientes
 
Caderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientesCaderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientes
 
Fundamentos de agroecologia modulo i
Fundamentos de agroecologia  modulo iFundamentos de agroecologia  modulo i
Fundamentos de agroecologia modulo i
 

Mais de Karlla Costa

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Karlla Costa
 
Trabalho Remoto
Trabalho RemotoTrabalho Remoto
Trabalho Remoto
Karlla Costa
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
Karlla Costa
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
Karlla Costa
 
PAA
PAAPAA
MROC
MROCMROC
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
Karlla Costa
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
Certificadoempreendedorismonaep
Karlla Costa
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelaria
Karlla Costa
 
Agroturismo
AgroturismoAgroturismo
Agroturismo
Karlla Costa
 
ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5
Karlla Costa
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
Karlla Costa
 
ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
Karlla Costa
 
ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3
Karlla Costa
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
Karlla Costa
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
Karlla Costa
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
Karlla Costa
 

Mais de Karlla Costa (20)

Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedinCertificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
Certificado deconclusao como aproveitar ao maximo o linkedin
 
Trabalho Remoto
Trabalho RemotoTrabalho Remoto
Trabalho Remoto
 
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEMFACILITADORES DA APRENDIZAGEM
FACILITADORES DA APRENDIZAGEM
 
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO  DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
DA VITIMIZAÇÃO A AÇÃO
 
PAA
PAAPAA
PAA
 
MROC
MROCMROC
MROC
 
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAISFORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
FORMAÇÃO DE CONTEUDISTAS PARA CURSOS VIRTUAIS
 
Certificadoempreendedorismonaep
CertificadoempreendedorismonaepCertificadoempreendedorismonaep
Certificadoempreendedorismonaep
 
Turismo e-hotelaria
Turismo e-hotelariaTurismo e-hotelaria
Turismo e-hotelaria
 
Agroturismo
AgroturismoAgroturismo
Agroturismo
 
ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5ASSOCATIVISMO 5
ASSOCATIVISMO 5
 
ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5ASSOCIATIVISMO 5
ASSOCIATIVISMO 5
 
ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4ASSCIATIVISMO 4
ASSCIATIVISMO 4
 
ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3ASSOCIATIVISMO 3
ASSOCIATIVISMO 3
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2CURSO ASSOCIATIVISMO 2
CURSO ASSOCIATIVISMO 2
 
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1CURSO ASSOCIATIVISMO 1
CURSO ASSOCIATIVISMO 1
 
Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6Agricultura de precisao modulo 6
Agricultura de precisao modulo 6
 
Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
 

Último

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 

Último (20)

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 

AGROECOLOGIA

  • 1. 1 Série Cartilha Agroecologia Volume 1 AGROECOLOGIA fundamentos e aplicação prática CENTRO DE AGROECOLOGIA, ENERGIAS RENOVÁVEIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CAERDES
  • 2.
  • 4. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB José Bites de Carvalho Reitor Carla Liane N. dos Santos Vice-Reitora DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS/CAMPUS III - JUAZEIRO/BA Jairton Fraga Araújo Diretor CENTRO DE AGROECOLOGIA, ENERGIAS RENOVÁVEIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CAERDES Jairton Fraga Araújo Coordenador
  • 5. Jairton Fraga Araújo (Organizador) Ilustrado por Gilmário Noberto de Souza Jairton Fraga Araújo Lucas Fernando Freitas Gomes Victor Hugo Freitas Gomes AGROECOLOGIA fundamentos e aplicação prática EDUNEB Salvador 2014 Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável - Caerdes Série Cartilha Agroecologia Volume 1
  • 6. © Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável - Caerdes Direitos para esta edição cedidos à Editora da Universidade do Estado da Bahia. Esta editora adota o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, em vigor no Brasil desde 2009. Proibida a reprodução total ou parcial por qualquer meio de impressão, em forma idêntica, resumida ou modificada, em Língua Portuguesa ou qualquer outro idioma. Depósito Legal na Biblioteca Nacional Impresso no Brasil 2014. O conteúdo desta Cartilha é de inteira responsabilidade do Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável - Caerdes. Ficha Catalográfica - Sistema de Bibliotecas da UNEB Editora da Universidade do Estado da Bahia – EDUNEB Rua Silveira Martins, 2555 – Cabula 41150-000 – Salvador – BA editora@listas.uneb.br www.uneb.br Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável Agroecologia: fundamentos e aplicação prática / Organizado por Jairton Fraga Araújo, elaborado por Adrielle Cristina de Sousa Costa, Victor Hugo Freitas Gomes, Waldyr Ítalo Serafim Araújo, ilustrado por Gilmário N. de S. et al . - Salvador: EDUNEB, 2014. 60p. : il. color. – (Cartilha agroecologia, v.1) ISBN 9788578872496 1. Agricultura interativa. 2. Ecologia agrícola. 3. Agricultura sustentada. 4. Agricultura alternativa. I. Araújo, Jairton Fraga. II. Costa, Adrielle Cristina de Sousa. III. Gomes, Vitor Hugo Freitas Souza. IV. Araújo, Waldyr Ítalo Serafim. V. Souza, Gilmário Norberto de. CDD: 630.2745 CENTRO DE AGROECOLOGIA, ENERGIAS RENOVÁVEIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CAERDES Adrielle Cristina de Sousa Costa Victor Hugo Freitas Gomes Waldyr Ítalo Serafim Araújo Elaboradores EDITORA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – EDUNEB Maria Nadja Nunes Bittencourt Diretora Ricardo Baroud Coordenador Editorial Sidney Silva Coordenador de Design
  • 7. Série Cartilha Agroecologia A Série Cartilha Agroecologia reúne o conteúdo em dez títulos das principais técnicas empregadas na agricultura orgânica e agroecológica. Ela objetiva contribuir para a capacitação de agricultores familiares, jovens rurais e mulheres do campo nesta área. Utiliza linguagem acessível e ilustrações que identificam as principais práticas agroecológicas da produção irrigada e a de sequeiro contextualizado para o semiárido. Esta Série possibilitará aos educadores, pesquisadores e técnicos da extensão rural, entendimento fácil e contextualizado acerca da produção em ecossistemas modificados pela ação humana e, também, fazer uso de metodologias diversificadas como cursos, seminárioseoficinasvoltadosparaoensinoeàpráticadaprodução agroecológica no território semiárido. A Série Cartilha Agroecologia contempla os resultados do projeto Integração ensino-pesquisa-extensão em agricultura orgânica e agroecologia no sub-médio São Francisco, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq e conduzido pelo Centro de Agroecologia, Energias Renováveis e Desenvolvimento Sustentável - Caerdes, órgão da Universidade do Estado da Bahia - UNEB, vinculado ao Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais em Juazeiro-BA, cujo papel fundamental é o de desenvolver estudos e pesquisas, promover ações de extensão, realizar capacitação e fomentar nos estudantes, técnicos, empresários e agricultores o conceito de agricultura agroecológica e orgânica.
  • 8.
  • 9. Sumário O que é agricultura orgânica? 11 Práticas utilizadas no sistema de produção orgânica 12 Ecossistema 13 Agroecossistemas 15 Recursos naturais do Planeta 16 Água 17 Água na agricultura 18 Solo 19 Energia 21 Plantas 23 Animais 24 Clima 25 Tipos de clima 26 Ciclo alimentar 28 Sucessão natural das espécies 30 Processo de produção agroecológica 32 Fotossíntese e respiração de plantas 33 O solo como organismo vivo 34 Correto preparo do solo: práticas agroecológicas 35 O solo e a matéria orgânica: práticas agroecológicas 37 Adubos orgânicos sólidos e líquidos: práticas groecológicas 38 Adubos minerais – Rochagem: práticas agroecológicas 39 Adubos verdes: práticas agroecológicas 40 Proteção de plantas e saúde vegetal 41 Quebra-ventos 42
  • 10. Calagem 43 Gessagem 44 Rotação de culturas 45 Adubação orgânica 47 Fosfatagem natural 49 Consorciação de culturas 50 Mulching ou cobertura morta 52 Referências 55
  • 11. 11 O que é agricultura orgânica? De acordo com o primeiro Artigo da Lei nº 10.831 ou Lei dos Orgânicos “considera-se sistema de produção orgânica todo aquele em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o respeito à integridade cultural das comunidades rurais, tendo por objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia não renovável, empregando, sempre que possível, métodos culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer fase do processo de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente”.
  • 12. 12 Práticas utilizadas no sistema de produção orgânica Para que o agricultor entre no sistema de produção orgânica é necessário que tome algumas medidas, como: • substituir insumos • circular mercadorias • usar insumos orgânicos industrializados e adubos alternativos e eficazes • produzir alimentos visando a economia solidária e mercado justo • facilitar a certificação Figura 1 – Selo de certificação de produto orgânico aprovado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA
  • 13. 13 Ecossistema Ecossistema é um sistema composto por seres vivos ou meio biótico (animais, plantas e microrganismos), e o local onde estes organismos vivem. Também conhecido como meio não vivo ou abiótico (rochas, minerais, clima, luz solar, entre outros). São necessários quatro componentes básicos essenciais para a formação do ecossistema: 1)fatoresabióticos-éomeioondeosorganismosvivossedesenvolvem 2) seres autótrofos - são aqueles que fabricam o seu próprio alimento, as plantas verdes é um exemplo 3) seres heterotróficos - são consumidores que não produzem o seu alimento, como os animais que se alimentam das plantas ou de outros animais 4) seres decompositores - são aqueles que se alimentam da matéria orgânica morta como os microrganismos Figura 2 – Morro do Pai Inácio em Seabra-BA, 2010 Fonte: Foto de Araújo, J. F., 2010.
  • 14. Figura 3 – Interação entre fatores abióticos e bióticos em um ecossistema natural Fonte: Ilustração de Gomes, L. F. F., 2014. 14
  • 15. 15 Agroecossistemas Agroecossistemas são sistemas ecológicos alterados, manejados com a finalidade de aumentar a produtividade de um determinado grupo de produtores e de consumidores. Plantas e animais nativos são retirados e substituídos por poucas espécies como: • frutíferas (manga, caju, goiaba) • cereais (milho e sorgo) • grandes culturas (macaxeira, feijão e arroz) • olerícolas (alface, pimentão e beterraba) • pastagens para a pecuária, entre outros sistemas de produção agrícola Figura 4 – Consórcio de goiaba com Macaxeira, UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014. Figura 5 – Área cultivada com a cultura da Banana, UNEB/DTCS/ Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Gomes, V. G. F., 2014.
  • 16. 16 Recursos naturais do Planeta Recursos naturais são elementos da natureza úteis ao processo de desenvolvimentoesobrevivênciahumanaegarantiadareprodução das espécies. Entre eles estão: água, solo, energia, animais e plantas. A sociedade capitalista explora de maneira intensa esses recursos naturais, e a consequência disto é o desequilíbrio do ambiente, na agricultura orgânica utiliza-se recursos renováveis como fonte de energia. Existe uma relação entre tecnologia e recursos naturais, uma vez que são necessários recursos tecnológicos para a exploração de um determinado recurso natural como por exemplo, a construção de uma usina eólica. Os recursos naturais podem ser classificados como: • Renováveis: são elementos que de forma correta podem se renovar, exemplo: plantas, solo, animais e água. • Não renováveis: são elementos que de alguma maneira não se renovam, ou então demoram milhares de anos para estarem disponíveis na natureza, exemplo: o petróleo, ouro, ferro, entre outros minerais. • Inesgotáveis: são elementos que não acabam como o sol e o vento.
  • 17. 17 Água A água é um dos elementos mais essenciais para a manutenção da vida, ela pode ser encontrada sob três formas: • gasosa (vapor d’água da atmosfera) • líquida (rios, lagos e oceanos) • sólida (geleiras) O Brasil é o país que mais possui reservas hídricas, com milhares de rios, lagos, e grande parte armazenada no subsolo, desta forma, concentra 12% da água doce do mundo. Entretanto, é a nação que mais desperdiça água. De acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) do Ministério das Cidades, quase 40% da água é desperdiçada, isso equivale a 3,6 bilhões da água tratada. Esta perda por distribuição resulta em prejuízos econômicos, sociais e ambientais. Figura 6 – PontePresidenteDutraqueligaascidadesdeJuazeiro-BAePetrolina-PE,2014 Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
  • 18. 18 Água na agricultura A agricultura é o setor da economia que mais consume água, devido ao processo de evapotranspiração (perda de água através da transpiração das plantas e evaporação da água do solo), além disto os insumos (agrotóxicos e fertilizantes químicos sintéticos) utilizados em larga escala na agropecuária contaminam o solo e consequentemente o lençol freático. A adoção de tecnologias na agricultura constitui-se em fator essencial para minimizar o desperdício de água, a exemplo da irrigação localizada substituindo a irrigação por superfície como por sulcos e inundação. Paraevitaracontaminaçãodosmananciaisdeágua,umaalternativa viável é a substituição dos insumos sintéticos por fertilizantes naturais e o uso de defensivos naturais. Figura 7 – Margem esquerda do rio São Francisco em Petrolina-PE, 2014 Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
  • 19. 19 Solo O solo – conhecido também como terra – é de grande importância para os seres vivos. É nele onde retiramos alimentos e construímos edificações, além de armazenar água. O solo é formado da rocha através da participação dos elementos ativos como o clima (ventos, chuvas, gelo e temperatura) e os organismos vivos (fungos, insetos, plantas e entre outros). O tempo transforma a rocha e dá origem ao solo. Quando a rocha é alterada os seres vivos atuam no melhoramento do solo, com adição de matéria orgânica (restos vegetais e animais). A mistura da matéria orgânica com o material solto e maciço, proveniente da rocha, fornece alimento para as plantas. Deste modo, o solo é representado da seguinte forma: Figura 8 – Evolução do perfil do solo Fonte: Ilustração de Gomes, L. F. F., 2014.
  • 20. 20 Solo é o resultado da ação do clima, dos organismos vivos, do tempo, do relevo ou topografia sobre o material de origem ou rocha. O solo é composto por quatro elementos: ar, minerais (argila, silte e areia), matéria orgânica e água. As práticas de ma- nejo do solo são re- comendadas para a sua conservação. Isto evita a compactação e mantém a umidade de água adequada no solo, a fertilidade e a matéria orgânica ne- cessárias no solo, com a utilização de adu- bos recomendados na agroecologia, uso de irrigação eficiente e adequada para evitar a salinização e a erosão dos solos. Assim, com a utilização dessas e de outras técnicas a fertilidade física, quí- mica e biológica es- tarão asseguradas em condições adequadas. Figura 9 – Perfil do solo em evolução com horizontes. Fonte: Souza, G. N., 2014.
  • 21. 21 Energia Energia é tudo que produz ou pode produzir ação. Existem várias fontes de energia como: • mecânica • nuclear • gravitacional • térmica • química • solar • eólica A energia não se cria e nem se destrói apenas se transforma, o homem extrai da natureza e sem ela o homem não consegue viver. Existem fontes de energia que são renováveis e não- renováveis. • Renováveis: são fontes que se renovam, que não se esgotam, como por exemplo o sol, os ventos, as ondas e marés, a biomassa e entre outras. • Não renováveis: são fontes que não se renovam, e se esgotam, como por exemplo os combustíveis nucleares (urânio e tório), e os combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural).
  • 22. 22 Figura 10 – Barragem do lago artificial do Sobradinho-BA, 2014 Fonte: Foto de Jetering, B., 2014. Figura 11 – Parque eólico de Sobradinho-BA Fonte: Foto de Kestering, B., 2014.
  • 23. 23 Plantas O reino das plantas é um dos maiores grupos de seres vivos da Terra, tais como: ervas, árvores e arbustos. São, em geral, organismos  autotróficos, ou seja, produzem o seu próprio alimento através da fixação de dióxido de carbono, realizado pela fotossíntese e quimiossíntese. A planta é um ser essencial aos seres humanos, além de produzir alimentos para os seres consumidores realizam a fotossíntese que libera oxigênio na atmosfera. Figura 12 – Área cultivada com a cultura da banana, UNEB/DTCS/CAERDES, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014. Figura 13 – Área cultivada com a cultura da cebola, UNEB/DTCS/ CAERDES Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014.
  • 24. 24 Animais O reino animal é composto de seres essenciais à vida humana. Ele é fonte de alimento, pois são consumidores e produtores ao mesmo tempo, como as aves, peixes, bovinos, caprinos e ovinos. Também são seres que ajudam o ser humano em algumas tarefas no campo, no preparo do solo, transporte de carga e de pessoas, além disso, servem como companhia. Figura 14 –Aviário móvel no parque de exposições agropecuária de Salvador-BA, 2012 Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2012.
  • 25. 25 Clima Clima se refere ao conjunto de temperatura, umidade, ventos e chuvas de uma determinada região ao longo do ano. Desta forma, animais e plantas estão adaptados a uma determinada região. Fenômenos como  frentes frias,  tempestades,  furacões  e outros estão associados tanto às variações meteorológicas quanto às leis físicas. As semelhanças entre as regiões da Terra caracterizam a diversidade de tipos de clima. As variações médias dos elementos meteorológicos ao longo das  estações do ano,  num período de não menos de 30 anos, podem determinar variações drásticas de temperatura, escassez ou abundância de chuvas dentre outros fatores climáticos. O clima de determinada região poderá sofrer alterações e ocasionar determinados desequilíbrios das espécies vegetais e animais. Nosúltimosanosasmudançasclimáticasquevemocorrendonomundo, como: tsunamis, tempestades, derretimento das geleiras o que aumenta o nível dos mares e oceanos, mudanças bruscas de temperaturas dentre outros fatores, estão relacionados à poluição do ar, dos rios e oceanos. A utilização de energias não renováveis e o seu consumo exagerado aumentam a quantidade de lixo, devido a isso, o ser humano tem que mudar a sua postura para que se possa ainda tentar salvar o ecossistema, utilizando práticas de reutilização de resíduos e uso de recursos cada vez mais renováveis.
  • 26. 26 Tipos de clima Clima Equatorial: Quente e úmido, se diz do local onde chove muito. Este clima predomina na região da floresta Amazônica. Tropical:Existeduranteoanoperíodoschuvosos,eemdeterminado momento, há estação de secas, este clima é predominante em Mato Grosso do Sul até o litoral do Rio Grande do Norte. Semiárido: Região de clima quente e seco, com chuvas concentradas entre os meses de novembro a março, pode ocorrer seca prolongada, é clima típico do Nordeste brasileiro. Subtropical: Região úmida e fria, tem períodos de geadas e chove muito, abrange o Sul do Brasil. Tropical Litorâneo: Região onde as temperaturas são elevadas no verão e amenas no inverno, predomina no litoral da Paraíba até de São Paulo. Tropical de Altitude: Região em que as temperaturas são amenas e chove bastante durante o verão. No inverno pode apresentar geadas e abrange a região serrana do Rio de Janeiro e Espírito Santo.
  • 27. Figura 15 – Mapa de climas do Brasil Fonte: Ilustração de Gomes, V. H. F, 2014. 27
  • 28. 28 Ciclo alimentar O ciclo alimentar é uma sequência de organismos interligados por relações de alimentação. É a maneira de expressar as relações de alimentação entre os organismos  de um  ecossistema, incluindo os  produtores, os consumidores (herbívoros  e seus  predadores, os carnívoros) e os decompositores. Ao longo do ciclo alimentar, há uma transferência de energia e de  nutrientes sempre no sentido dos produtores para os consumidores. A transferência de nutrientes fecha-se com o seu retorno aos produtores, possibilitado pelos decompositores que transformam a matéria orgânica dos cadáveres e excrementos em compostos mais simples, num ciclo de transferência de nutrientes. A energia é utilizada por todos os seres que se inserem na cadeia alimentar para sustentar as suas funções, diminuindo ao longo da cadeia alimentar (perde-se na forma de calor), não sendo reaproveitável. A energia tem um percurso acíclico obrigatoriamente dependente da energia do  Sol, este processo é conhecido pelos ecologistas como fluxo de energia.
  • 29. Figura 16 – Ciclo alimentar Fonte: Ilustração de Gomes, L. F. F., 2014. 29
  • 30. 30 Sucessão natural das espécies Sucessão ecológica é o nome dado à sequência de comunidades, desde a colonização até a comunidade clímax de um determinado  ecossistema. As primeiras plantas que se estabelecem (liquens e gramíneas) são denominadas pioneiras, e vão gradualmente sendo substituídas por outras espécies de porte médio (arbustos) até que as condições ambientais possibilite a evolução para uma comunidade clímax que apresenta, uma  diversidade  compatível com as características daquele ambiente. Ações como queimadas e desmatamento de florestas são práticas que influenciam o desaparecimento de várias espécies vegetais, animais e até mesmo de microrganismos.
  • 31. Figura 17 – Sucessão natural das espécies Fonte: Ilustração Gomes, L. F. F. 2014. 31
  • 32. 32 Processo de produção agroecológica Consiste numa forma de produção na qual se destacam as práticas que promovem o equilíbrio entre o solo, a água e a planta, permitindo de forma sustentável a produção sem o uso de produtos sintéticos e garantindo o respeito ao equilíbrio da natureza. Práticas destacadas neste tipo de produção: • não revolvimento do solo (subsolagem e escarificação) • fosfatagem natural • rochagem • calagem e gessagem • adubação verde • rotação e consórcio de cultura • incorporação de matéria orgânica • cobertura morta • quebra-ventos • adubação orgânica • biofertilizantes líquido e sólidos
  • 33. 33 Fotossíntese e respiração de plantas • Fotossíntese - é um processo realizado pelas plantas para a produção de energia necessária a sua sobrevivência. Este processo utiliza a absorção e aproveitamento dos nutrientes do solo e da radiação solar para produção de alimento. • Respiração - É o processamento de compostos orgânicos que libera a energia necessária à realização de todas as atividades das plantas. Comodescritoinicialmente,nafotossíntese,aplantaabsorveoCO2 (gás carbônico) e libera o O2 (oxigênio) para o meio ambiente. No processo de respiração, a planta realiza o oposto absorve oxigênio e libera gás carbônico. Figura 18 – Fotossíntese dos vegetais superiores Fonte: Ilustração de Souza, G. N., 2014.
  • 34. 34 O solo como organismo vivo O solo é um organismo vivo resultado da decomposição de rochas, sua fertilidade está relacionada à diversidade de microorganismos, propriedades físicas e químicas. As práticas de adubação, preparo do solo, irrigação e até mesmo a rotação de culturas, épocas de plantio, descanso do solo devem ser planejadas de forma a manter a saúde do solo. Figura 19 – Interação solo planta, UNEB/ DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014. Figura 20 – Composto orgânico, UNEB/ DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014.
  • 35. 35 Correto preparo do solo: práticas agroecológicas As operações de preparo do solo são realizadas para conferir as condições favoráveis à germinação e bom ao desenvolvimento das plantas ao longo do seu ciclo, elas se subdividem em: • Primária – Limpeza da área - Procede-se a limpeza e destoca da área, limpeza pode ser feita manualmente ou com uso de maquinário como os tratores. Geralmente, após a limpeza o material deve ser juntado em pilhas podendo ser realizada a queimada controlada, atentando- se para os cuidados com o uso desta prática. • Secundário – Preparo do solo - Ocorre com utilização de escarificadores que atuam numa profundidade de até 35 cm e não realizam a inversão da leiva do solo(camadas), eles não causam danos a estrutura do solo, desde que corretamente utilizados.
  • 36. 36 Benefícios Primário • Possibilidade de aproveitamento do material proveniente da limpeza, que pode ser picado em tamanho menor e empregado na produção de composto, em se tratando de vegetação herbácea pode ser depositada na superfície como cobertura morta. Secundário • Com o uso de escarificadores, tem-se um excelente controle das ervas espontâneas e melhorando o leito de semeadura onde as mudas serão estabelecidas; • Possibilidade de descompactação e recuperação das propriedades do solo quando empregado o uso de escarificadores a profundidades superiores a 35 cm, seguindo-se a prática de adubação verde com feijão guandu em solos degradados.
  • 37. 37 O solo e a matéria orgânica: práticas agroecológicas A matéria orgânica serve como uma fonte de nutrientes para os microorganismos e para as plantas melhorando assim o seu desenvolvimento e produtividade. Quanto maior o teor de matéria orgânica mais fértil é o solo, ela é composta pela decomposição de organismos e restos de culturas, confere ao solo: • maior retenção de água • manutenção da estrutura • melhoria na drenagem • melhores condições para desenvolvimento dos microorganismos Figura 21 – Pátio de compostagem da UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Gomes, V. H. F., 2014.
  • 38. 38 Adubos orgânicos sólidos e líquidos: práticas agroecológicas Os biofertilizantes líquidos e sólidos são feitos a partir de materiais como os estercos frescos ou secos de origem leiteira ou de animais para corte, fermentação de plantas verdes e frutos. Em se tratando de fertilizantes líquidos há as caldas nutricionais e fitoprotetoras, substâncias orgânicas e minerais e pela diversidade de micronutrientes, exercem uma ação benéfica sobre o metabolismo das plantas. Dentre os fertilizantes sólidos destacam-se o bokashi substituto de adubos minerais N, P, K, Ca, Mg e micronutrientes, há também os provenientes da vermicompostagem e outros resultantes da fermentação e decomposição de matéria orgânica. Figura 22 – Biofertilizante líquido produzido na, UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014. Figura 23 – Composto orgânico produzido na UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Santos, C. D. S. M., 2014.
  • 39. 39 Adubos minerais – Rochagem: práticas agroecológicas Rochagem é uma prática agrícola que utiliza o pó de rocha (micro e macronutrientes) como forma de melhorar os níveis de nutrientes dos solos. As técnicas utilizadas combinam pó de rocha (em diferentes granulométricas) com leveduras, esterco e restos vegetais. Este tipo de fertilizante é ecologicamente mais adequado, porque libera nutrientes de maneira lenta, dispensando a reaplicação a cada plantio e possibilita corrigir o pH, evitando-se a salinização do solo. Figura 24 – Pó de rocha MB-4 utilizado na rochagem em culturas agrícolas da UNEB/DTCS/Caerdes Fonte: Foto de Lopes, R. C., 2014.
  • 40. 40 Adubos verdes: práticas agroecológicas É uma prática agrícola que tem como objetivo melhorar a capacidade produtiva do solo e sua conservação. A adubação verde é a forma mais eficaz de adição de matéria orgânica. Leguminosas indicadas para adubação verde: • aveia preta • feijão de porco • mucuna cinza • feijão guandu Benefícios • redução nos custos de produção • aumento da capacidade de armazenamento de água no solo • controle de nematóides fitoparasitos • descompactação, estruturação e aeração do solo • fornecimento de nitrogênio fixado direto da atmosfera • proteção do solo contra os agentes de erosão e radiação solar • reciclagem de nutrientes lixiviados (levados) para maiores profundidades • recuperação e solos de baixa fertilidade
  • 41. 41 Proteção de plantas e saúde vegetal É imprescindível salientar que as doenças ocorrem na natureza como um mecanismo de manutenção de equilíbrio biológico, ciclagem de nutrientes e manutenção das propriedades físicas e químicas do solo. Para elucidação e prevenção destas e outras situações recomenda- se alternativas como: • policulturas • cultivo de espécies menos ou não suscetíveis • cultivos em faixas ou de famílias distintas • controle biológico- armadilhas com feromônios sexuais Técnicas • solarização - energia solar para controle de fitopatógenos, radiação ultravioleta para o controle de patógenos em pós-colheita • utilização de cortinas que filtram determinados comprimentos de onda com consequente controle de doenças e pragas • extratos vegetais como o de neem, leite diluído e microorganismos
  • 42. 42 Quebra-ventos Essa técnica é utilizada principalmente em regiões de maior altitude, onde os ventos se apresentam muito intensos e podem ser bastante prejudiciais causando efeitos negativos ao solo e às plantas, diminuindo a produtividade animal e vegetal nessas áreas. O vento é responsável pelo arrastamento das partículas do solo, de insetos e da disseminação de doenças, principalmente, aquelas causadas pelos fungos. Além disso, ressecam o solo e provocam stress hídrico nas plantas, acrescentando o consumo de água pelas culturas. Os ventos muito intensos prejudicam a polinização pelos insetos e derrubam as flores, diminuindo a produção e também causam lesões nos frutos. A utilização de quebra-ventos é uma técnica de baixo custo formada por corredores de arbustos e árvores de desenvolvimento acelerado e volumoso, com o objetivo de desenvolver barreiras contra os ventos e originar um microclima agradável na área de cultivo. Para a escolha da espécie a ser utilizada como quebra vento, o produtor deve se atentar para os seguintes detalhes: • optar por mudas sadias • dar preferência as espécies não hospedeiras de doenças ou pragas que possam prejudicar o cultivo • escolher espécies perenes de porte médio com o cuidado para não sombrear a área de cultivo
  • 43. 43 Calagem A calagem é uma prática utilizada para diminuir a acidez do solo. Benefícios • fornece cálcio • aumenta a disponibilidade de fósforo • diminui a quantidade de alumínio e manganês • aumenta a agregação das partículas do solo • Diminui a compactação • Amplia o sistema radicular • aumenta a absorção da água e nutrientes do solo • Aumenta a resistência das plantas ao stress hídrico Figura 25 – Calagem manual realizada na área experimental da UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
  • 44. 44 Gessagem A gessagem é uma técnica agronômica que fornece elementos como cálcio e enxofre, aumenta a porosidade e melhora a retenção de água no solo. As raízes dos vegetais não crescem adequadamente em solos muito ácidos, e com altos teores de alumínio ou baixa quantidade de cálcio. Figura 26 – Distribuição relativa das raízes com ou sem gesso Fonte: Ilustração de Araújo, J. F.
  • 45. 45 Rotação de culturas A rotação de culturas é uma técnica agrícola, que consiste em um sistema rotativo entre espécies vegetais, em uma mesma área agrícola. Benefícios • diminui os danos causados pelas monoculturas; • enriquece o solo com materiais orgânicos distintos; • colabora para uma maior diversidade da vida do solo, • melhora as condições físicas químicas e biológicas. Figura 27 – Rotação de cultura no espaço Fonte: Ilustração de Araújo, J. F., 2014.
  • 46. 46 Parâmetros para a escolha das espécies, que serão utilizadas na rotação de cultura: • o esquema deve apresentar particularidade regionais e perspectivas de negociação dos produtos • a área deve ser dividida em glebas com o número igual a quantidade de anos de rotação • o processo de implementação sucessivamente ano após ano, nas diferentes glebas, as quais foram determinadas • planejamento no tempo e no espaço • seleção de culturas que deve levar em consideração dois aspectos fundamentais: o comercial e o de recuperação e preservação do solo Tabela 1 – Rotação de cultura no Tempo CAMPO PRIMEIRO ANO SEGUNDO ANO TERCEIRO ANO I Feijão Tomate Feijão X Milho II Melancia Guandú Batata Doce II Quiabo Melão Abóbora
  • 47. 47 Adubação orgânica É a incorporação de resíduos animais e vegetais produzidos na propriedade que tem a função de oferecer nutrientes as culturas e melhorar as características químicas, físicas e biológicas. A reciclagem dos resíduos vegetais como palhas, folhas, raízes, galhos, ou resíduos animais como estercos, casca de ovos, penas, é uma maneira eficiente de diminuir seu volume e devolvê-lo ao ambiente de forma sustentável, além de baratear os custos e incrementar ainda mais a atividade agroecológica. Figura 28 – Composto orgânico, UNEB/DTCS/Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014. Figura 29 – Vermicomposto, UNEB/ DTCS, Juazeiro-BA, 2008 Fonte: Foto de Souza, F. A., 2008
  • 48. 48 O material orgânico apresenta micro e macro nutrientes na sua composição e apresenta benefícios ao solo tais como: • contribui para a fertilidade do solo • melhora as propriedades físicas, químicas e biológicas • melhora a retenção de água • aumenta a disponibilidade de nutrientes • permite o aumento da biodiversidade de microorganismos no solo Figura 30 – Composto orgâ- nico no UNEB/DTCS/Caerdes Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Araújo, W. I. S., 2014. Figura 31 – Composto orgânico no UNEB/ DTCS/Caerdes Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Araújo, W. I. S., 2014.
  • 49. 49 Fosfatagem natural A fosfatagem é a aplicação de fosfato natural, visando aumentar o teor de fósforo no solo. A fosfatagem é realizada a lanço e incorporada ao solo por implemento com a capacidade de misturar uniformemente o produto mais profundamente possível. Benefícios • auxilia no enraizamento adequado das plantas • é muito importante para os seguintes processos: fotossíntese, respiração, na transferência de energia, e na divisão celular, no crescimento das células e em vários outros processos da planta • melhoraaproduçãodosfrutos,aformaçãodassementes,além de aumentar a resistência ao frio, estresse hídrico e doenças Figura 32 – Fosfato natural de Gafsa utilizado na agricultura orgânica, UNEB/ DTCS/Caerdes, 2014 Fonte: Foto de Souza Júnior, E. C., 2014.
  • 50. 50 Consorciação de culturas Consorciação de cultura é uma técnica agrícola que visa ampliar a renda dos agricultores. O produtor poderá utilizar várias culturas na mesma área. Além disso, a consorciação conserva as características físicas químicas e biológicas do solo, pelo combate às consequências do cultivo intenso do solo e da monocultura. Benefícios • diminui a incidência de doenças e pragas (que são indicadores de mal manejo) • reduz a erosão do solo • melhor aproveitamento do solo • as espécies escolhidas proporcionam entre si vantagens entre as planta cultivadas Figura 34 – Consórcio de banana e abóbora na área experimental da UNEB/DTCS/ Caerdes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Santos, C. D.A. S. M., 2014.
  • 51. 51 É utilizada pelos pequenos agricultores visando um melhor aproveitamento da área e dos adubos, utiliza os mesmos tratos culturais em culturas diferentes, gera uma economia na produção e reduz os custos com insumos e mão-de-obra. Alguns exemplos de consórcios bem sucedidos entre hortaliças: • cenoura x alface (mudas) ou rabanete • alho x alface (mudas) ou rabanete • milho-verde x mucuna • alecrim x repolho • alecrim x couve e brócolis Figura 35 – Consórcio de goiaba e macaxeira, na área experimental da UNEB/DTCS/Cardes, Juazeiro-BA, 2014 Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014.
  • 52. 52 Mulching ou cobertura morta Acoberturamortaéumatécnicarealizadacomdiferentesmateriais orgânicos, onde se destaca o uso de restos vegetais de roçadas, de culturas e de lona plástica. Esse material apresenta alta durabilidade e serve também para proteger o fruto, para que não entre em contato com o solo. Figura 36 – Utilização de cobertura morta na área experimental da UNEB/DTCS/ Caerdes Fonte: Foto de Santos, C. D. A. S. M., 2014.
  • 53. 53 Finalidades • reduzir o número de capinas, pela diminuição da quantidade de ervas espontâneas • evitar a incidência direta dos raios solares sobre o solo, regulando as temperaturas • evitar o impacto das gotas de chuvas na superfície do solo • incorporar e enriquecer de matéria orgânica a camada superior do solo • controlar a erosão e a compactação Figura 37 – Cobertura morta com palha de milho, na cultura do Repolho Fonte: Foto de Trani, P. E., 2000. Figura 38 – Cobertura morta com grama batatais triturada na cultura do Alface, Campinas, 2000 Fonte: Foto de Trani, P. E., 2000.
  • 54. 54 Mulching é uma espécie de cobertura morta, que consiste em cobrir o solo com um plástico de polietileno. Tipos de Mulching com polietileno • preto e preto • preto e branco • preto e prata Seu uso pode ser destaque nas culturas • melão, tomate, pimentão, pepino, uva, abacaxi e outras. Figura 39 – Cobertura artificial na cultura do melão segundo ciclo. Fonte: Foto de Coelho, R. N. C., 2014
  • 55. 55 Referências BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. 292 p. BRASIL. Lei Nº 10.831, 23 de dezembro de 2003. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 dez. 2003. Seção 1, p. 8. FEIDEN, A. Agroecologia: introdução e conceitos. In: AQUINO, Adriana Maria de; ASSIS, Renato Linhares de (Ed.). Agroecologia: princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília, DF: Embrapa, Informação Tecnológica, 2005. p. 61-69. KIEL, J. K. Fertilizantes orgânicos. Piracicaba: Ceres, 1985. 492 p. LEAL, A. A. M. et al. Utilização de compostos orgânicos como substratos na produção de mudas de hortaliças. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 25, n. 3, jul./set. 2007. PEREIRA NETO, J. T. P. Tratamento, reciclagem e impacto ambiental de dejetos agrícolas. In: CONFERÊNCIA SOBRE AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE, 1992, Viçosa. Anais... Viçosa, MG: Núcleo de Estudos e Pesquisa em Meio Ambiente- NEPEMA/Universidade Federal de Viçosa, 1992. p. 61-74.
  • 56.
  • 57.
  • 58. Esta Cartilha é parte integrante da série de ações promovidas pelo projeto “Integração, Ensino, Pesquisa e Extensão em Agroecologia e Agricultura Orgânica no Submédio São Francisco” CONTATOS CAERDES Av. Edgard Chastinet Guimarães, s/n. - bairro São Geraldo. 48905-680 - Juazeiro - Bahia - Brasil www.direitoverdeuneb.blogspot.com direitoverde@hotmail.com caerdes@uneb.br Telefone: (74) 3611-7363 - ramal 270
  • 59.
  • 60. A cartilha Agroecologia: Fundamentos e Aplicação Prática apresentadeformasimplesosconceitosbásicosdeagroecologia, bem como a importância da agricultura orgânica e sustentável, o uso de práticas de preservação dos ecossistemas naturais, o manejo dos agroecossistemas e os efeitos negativos do manejo inadequado ao ambiente. Orienta quanto ao aproveitamento racional dos recursos naturais destacando o papel dos ciclos alimentares e o significado de sucessão natural das espécies, fotossínteseerespiração.Enfatizaaimportânciadaconservação da matéria orgânica e o correto preparo do solo, o manejo e a utilização de adubos orgânicos, bem como a proteção e a saúde vegetal com o controle de insetos e dos microrganismos sem a utilização de pesticidas. Financiamento ApoioRealização ISBN 978-85-7887-249-6