SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
TRANSFORMAÇÃO DE SOROS



Diminuindo a concentração de um soro.

Vai uma regra de ouro básica, verificar sempre na farmácia se não existe em estoque o soro prescrito antes de se
empenhar numa transformação, já são comuns frascos de SG a 10, 25 e até 50%. Existe ainda no mercado SGF
(Soro Glico Fisiológico) este pode ser usando ao invés de acrescentar Cloreto de Sódio em um SG ou então glicose
num SF, Sempre que possível antes de iniciar uma transformação por conte de uma prescrição incomum, consulte
outros colegas e superiores para prevenir desperdícios de materiais e mesmo de seu tempo.

Mas vamos ao importante, você é uma ótima profissional e vai conseguir transformar soros.

O conceito é simples, já temos em mãos um frasco de soro com certa concentração, e é pedido uma concentração
diferente, só precisamos transformar a solução que temos na que precisamos.

Se for para mais concentrada acrescentamos mais soluto a solução, se for para menos concentrada diluímos mais a
solução acrescentando AD (água destilada).

Em porcentagem: ex: 5%,10%,15% significa que em cada 100 partes de solvente, há respectivamente 5,10,15
partes de soluto, ou seja em SG 5% existem 5 gramas de glicose para cada 100ml de soro, entenda esse conceito é
fundamental.

Exemplos práticos:

No caso de precisarmos diminuir a concentração da solução,É muito fácil, por exemplo passar um soro fisiológico
de 500ml a 0,9% para 0,45%

descobrimos quantas gramas de soluto existem no volume do frasco.

Descobrimos quantas gramas de soluto precisamos ter na solução.

pela regra de três descobrimos quantos ml do frasco que já temos tem a concentração que precisamos, no caso do
nosso exemplo o cálculo mostraria que 250ml da solução teriam a concentração que precisamos para todo frasco.

Desprezamos do frasco que já temos o restante da solução, ou seja os 250ml a mais.

Agora temos no frasco que já tínhamos 250ml de solução com as gramas de soluto que precisamos, só falta
completar o solvente ou seja até que atinja os 500ml, vamos completar o frasco com água destilada e pronto,
temos um frasco de 500ml de SF a 0,45%

Detalhe 0,45 é um numero menor que 0,9 se lembre que sempre as casas são equivalidas após a virgula então 0,9 é
o mesmo que 0,90 que é maior que 0,45.

Nesse caso como é a metade da concentração que precisamos é só desprezar metade do soro pronto e completar o
frasco com água destilada, assim a solução original que era de 0,9%(que é o mesmo que 0,90% lembre que depois
da virgula...) proporcionalmente vai ser agora de 0,45%.
Esse raciocínio pode ser usado sempre para diminuir a concentração de solvente, em prescrições mais complicadas
é só fazer a regra de três pra saber quanto precisa ficar no frasco de soro original para termos a concentração
pedida e o restante é completar com AD, vamos a um exemplo:

Prescrito SF 0,60% 100ml, eu tenho frascos de SF a 0,9%, lembre que 0,9 é maior que 0,60 porque depois da virgula
sempre completamos os zeros então 0,9 junta o 0 é 0,90 que é maior que os 0,65 prescrito., é muito improvável
que apareça uma prescrição assim mas, serve como exemplo para treinarmos um pouco.

Sei que no soro a 0,9% existem 0,9 gramas de soluto para cada 100ml, primeiro passo

Primeiro, descobrir quantas gramas de soluto tem na solução que tenho



regra de 3

100ml da solução---------0,9gramas de soluto

1000ml da solução--------X gramas de soluto

1000 vezes 9 dividido por 100 vai ser igual a 9 gramas



Segundo passo, descobrir quantas gramas precisamos na solução prescrita SF 0,60% 1000ml, já sabemos que cada
100ml de solução vão ter 0,65 gramas de soluto,



mesma coisa, regra de 3

100ml da solução------------ 0,65grmas de soluto

1000ml de solução-----------X gramas de soluto.

1000 vezes 0,65 dividido por 100 vai dar 6,5 gramas



Terceiro passo, quanto vamos desprezar de soro e acrescentar de AD, já sabemos que nosso frasco de 1000ml de
soro original tem 9 gramas de soluto e que o soro prescrito de mesmo volume (1000ml) precisa ter só 6,5 gramas
de soluto.

O técnica é simples, vamos achar o volume do soro original que tenha a concentração que precisamos, desprezar o
resto e completar com água destilada, muito simples, vamos a regrinha de 3



1000ml do soro original ----------------9gramas de soluto que é o que tenho

X ml do soro original tem---------------6,5 gramas de soluto, que é o que quero.

6,5 vezes 1000 dividido por 9 vai dar 722ml
Precisamos que fique no frasco 722ml vamos desprezar o restante,

1000ml que é oque tem no frasco 'menos" os 722ml que é o que preciso que fique, vão sobrar (1000-722) 288ml,
agora é muito fácil, vou desprezar do frasco original 288ml do soro e completar os mesmos 288ml só que com AD

Pronto, temos 1000ml de SF 0,65% atendendo a exótica prescrição.



Vai mais uma regrinha de ouro:

No caso de uma prescrição incomum confirme com o médico, eles também erram e esse pode ser um caso e se não
for você ainda pode ganhar uma boa explicação de porque aquele paciente precisa dessa concentração incomum
de soro.




PROFESSOR NELSON LAGE 2001

Para calcular a velocidade de gotejamento de um determinado medicamento, devemos considerar a
seguinte relação:

3º ×HORASDEN OMEDICAMENTDOVOLUME

Devemos observar que o volume do medicamento deverá ser expresso em mililitros (ml), enquanto que o
tempo em horas.

Não podemos esquecer que: 1 litro equivale a 1000 mililitros; ½ hora ou 30 minutos equivalem a 0,5 horas;
¼ hora ou 15 minutos equivalem a 0,25 horas;

Exemplo:

Foi prescrito a um paciente um volume de 1,5 litros de Soro Fisiológico, com uma duração de tratamento
de 24 horas. Qual a velocidade de gotejamento?

Volume = 1,5 litros que equivale a 1500 mililitros; Tempo = 24 horas;

Resolução:




Devemos, nesse caso aproximar o resultado para 20 gotas por minuto.

Mesmo contra as regras de aproximação ensinadas em matemática, devemos sempre aproximar os
resultados para a unidade imediatamente abaixo do resultado encontrado, por tratar-se de medicamentos.
Consiste na administração de drogas muito irritantes por via endovenosa ou então hidratação de crianças.

No caso dos cálculos dispensáveis às microgotas, devemos considerar a seguinte relação:

1 gota equivale a 3 microgotas.

Sendo assim, para calcular a velocidade de

MICROGOTEJAMENTO de um determinado medicamento, basta aplicar o cálculo de gotejamento e
multiplicar o resultado encontrado por três.

Exemplo:

Foi prescrito a um paciente um volume de 0,5 litros de Soro Fisiológico, com uma duração de tratamento
de 10 horas. Qual a velocidade em microgotas?

Volume = 0,5 litros que equivale a 500 mililitros; Tempo = 10 horas;

Resolução:

Observe que o resultado apresentado está em gotas por minuto.

Basta agora multiplicar o resultado por três, já desprezando as casas decimais:

16 x 3 = 48 microgotas por minuto.

Caso não fosse desprezada a casa decimal encontrada no cálculo das gotas, o resultado seria de 49,8
microgotas, que estariam quase duas microgotas acima do resultado considerado. 2microgotas por minuto,
seriam 120 microgotas em 1 hora, que dariam 1200 microgotas em 10 horas de tratamento, que seriam 400
gotas nas mesmas 10 horas, que representa um volume de 20 mililitros, se considerarmos que 20 gotas
equivalem a 1 mililitro.




Para termos condições de desenvolver os cálculos relativos a dosagem de insulina, devemos considerar a
seguinte relação:

F = frasco disponível em Unidades; P = prescrição médica em Unidades; S = seringa utilizada em
Unidades; X = quantidade de Unidades necessárias.

Ou seja:

A quantidade de Unidades necessárias (X) está para o frasco (F), assim como a prescrição (P) está para a
seringa (S). O que define uma regra de três simples.

Fazendo então, o produto dos meios pelos extremos, teremos a seguinte fórmula:
Não devemos esquecer nunca, que todos os elementos dados na fórmula acima, devem ser representados
em UNIDADES.

Exemplo:

Calcular quantas Unidades devem ser retiradas de um frasco de insulina, sendo a prescrição médica de 10
Unidades de insulina regular, frasco disponível de 40 Unidades e seringa de 80 Unidades.

Frasco = 40 Unidades; Prescrição = 10 Unidades; Seringa = 80 Unidades.

Resolução:

OBS: Nos casos em que a Seringa disponível não é graduada em Unidades, devemos fazer a seguinte
correlação:

Frasco de 80 Unidades significa que em cada 1 mililitro obtemos 80 Unidades.

Exemplo:

Calcular quantos mililitros devemos retirar do frasco de insulina, sendo a prescrição médica de 10
Unidades de insulina NPH, frasco disponível de 80 Unidades e seringa de 3 mililitros.

Frasco = 80 Unidades; Prescrição = 10 Unidades; Seringa = 3 mililitros.

Resolução:

Como o grau de pureza da insulina é de 80

Unidades por mililitro, significa que se retirarmos 1 mililitro de insulina do frasco, teremos 80 Unidades.

Sendo assim, usamos a seguinte relação:




Logo:




Repare que para cada décimo de mililitro (0,1 ml) teremos 8 Unidades de insulina. Para que tenhamos as
10 Unidades prescritas serão necessários 0,125 mililitros.




Na resolução destes problemas, normalmente são usadas as regras de três simples, pois, os medicamentos
podem ser apresentados com concentrações diferentes das prescritas pelos médicos.
Além disso, a concentração dos medicamentos poderá ainda ser expressa em miligramas (mg) ou ainda em
unidades (U).




Nos cálculos envolvendo preparo de dosagem de uma solução qualquer, devemos atentar sempre para a
concentração apresentado nas embalagens e ainda na quantidade de solvente empregado.

Considerando:

C = concentração do medicamento; S = solvente; P = prescrição médica; X = quantidade a ser aplicada;

C→S
P →X

Teremos:

Exemplo (I):

Foi prescrito a um paciente, uma dosagem de 100 mg de Ampicilina, porém, só existe no posto de
enfermagem frascos de 250 mg. Qual o procedimento a ser tomado?

Resolução:

Logo de início devemos observar que a quantidade de líquido para a diluição não foi citada, desta forma, a
quantidade de líquido diluidor (solvente) poderá ser escolhida. Vamos fazer duas escolhas, uma com água
destilada na proporção de 5 ml e outra na proporção de 10 ml:

a) para 5 ml de água destilada, temos:

250 → 5 ml 100 → X ml b) para 10 ml de água destilada, temos:

250 → 10 ml 100 → X ml

Exemplo (I):

Foi prescrito a um paciente 5 mg de

Dexametasona. No posto de enfermagem, só existe frasco disponível de 2,5 ml, com concentração de 4
mg/ml. Como proceder?

Resolução:

Observe que a concentração total do medicamento por frasco é de 10 mg. Ou seja:

4 x 2,5 = 10 mg nos 2,5 ml

Logo:
10 mg → 2,5 ml 5 mg → X ml




Exemplo (I):

Sendo a prescrição médica de 1.0.0 Unidades, frasco disponível de 5 milhões de Unidades e diluição de 5
ml. Qual o procedimento a ser tomado ?

Resolução:




REGRAS PARA DOSAGENS DE

I) Regra de Friend:

Também chamada de regra para o primeiro anos de idade.

Esta regra é aplicada para dosar medicamentos destinados a crianças de até 1 ano de idade.




A fórmula é a seguinte:

adultododosemesesemcriançadaIdade ×150 )(

I) Regra de Clark:

É conhecida como a regra do peso da criança. A regra de Clark define a dose de medicamento destinada a
crianças em relação a sua massa em Kg. A relação de acordo com Clark é a seguinte:

adultododoseKgemcriançadaPeso ×68 )(

I) Regra de Young:

É a regra da idade da criança. De acordo com esta regra, calcula-se a relação existente entre a idade e a
dose de medicamento para crianças com idade superior a 12 meses (1 ano). A regra de Young é a seguinte:

Exemplo (I):

Qual a dosagem de Ampicilina que se deve ser ministrada a uma criança de 9 meses de idade, sabendo que
a dose destinada a um adulto é de 100 mg ?
Resolução:

adultododosecompletosanosemcriançadaIdadecompletosanosemcriançadaIdade ×+12)(

Exemplo (I):

Com os dados do problema anterior, qual será a dosagem para uma criança que pesa 34 quilos ?

Resolução:




Exemplo (I):

Ainda com os mesmos dados, qual a dose para uma criança que possui 9 anos de idade?

Resolução:




Note que mais uma vez, o resultado obtido foi propositadamente aproximado para baixo, ou seja,
desprezando-se os valores aplicados à regra de arredondamento de dados.

É a massa de soluto existente em um determinado volume ou massa.

A notação das soluções pode ser feita por dentro ou por fora.

Chamamos de concentração por dentro, quando consideramos a quantidade de soluto em relação ao volume
ou massa da solução. E por fora, quando consideramos a quantidade de soluto em relação ao volume ou
massa do solvente.

Exemplo (I):

Uma solução a 20% de glicose será considerada, em notação, por dentro se a concentração for de 20
gramas de glicose em 100 ml de solução.

A notação será por fora se considerarmos 20 gramas de glicose em 100 ml de solvente.

Quanto a notação das soluções relacionadas com as concentrações, vamos considerar sempre como
soluções percentuais.

As soluções percentuais, são aquelas que possuem determinada massa de soluto em 100 partes da solução.
Se expressarmos a relação para um volume de solução equivalente a 100 mililitros (ml), teremos a
percentagem volumétrica, se for para 100 gramas teremos a percentagem ponderal.

Para calcular a percentagem (%) para volumes diversos, temos a fórmula:
)( )(% vmililitrosemsoluçaodavolumepgramasemsolutodomassa=

Exemplo (I):

Dissolvendo-se 60 gramas de certa substância para 1 litro de solução, qual a sua concentração ?

Resolução:




Exemplo (I):

Com 160 gramas de glicose, qual o volume de solução a 10% que podemos preparar?

Resolução:

Sendo 10% = 100

10 , temos:




Desenvolvendo temos:




Lembramos que 1cm3 = 1 ml. Logo podemos preparar um total de 1.600 ml de solução que corresponde a
1,6 litros no total.

Utilizando a relação de igualdade entre concentração e volume das soluções, podemos afirmar que:

V x C = V’ x C’

Ou seja, o produto entre o volume procurado V e a concentração conhecida C é igual ao produto entre o
volume V’ e a concentração C’ que se quer preparar.

Exemplo:

O posto de enfermagem só possui frascos de soro glicosado de 500 ml com concentração de 10%. Qual o
procedimento a ser tomado, para que se possa obter 250 ml do mesmo soro a 5% ?

Resolução:

Usando a fórmula temos: V x 10 = 250 x 5
Desta forma, basta retirar 125 ml do soro a 10% e completar o volume de 250 ml com solvente (água).

01) Quantas gotas deverão pingar para que uma solução de 1 litro permaneça 24 horas?

02) Quantas microgotas deverão pingar para que uma solução de 500 ml permaneça 10 horas?

03) Sendo a prescrição médica de 5 Unidades de insulina

NPH, quantos mililitros devemos aplicar, tendo disponíveis frascos de 80 Unidades e seringas de 3 ml?

04) Foi prescrito a um paciente, uma dosagem de 100 mg de Ampicilina, porém, só há disponibilidade de
frascos de 250 ml. Qual o procedimento a ser tomado?

05)Dexametasona, apresentada em frascos de 2 mg/ml, contendo 5 ml de volume por frasco. Sendo a
prescrição médica de 4 mg, como proceder?

06) Qual a dosagem de Ampicilina que deve ser ministrada a uma criança de 32 quilos de peso, sabendo
que a dose destinada a um adulto é de 250 mg?

07) Com os dados do problema anterior, qual seria a dosagem, se a criança tivesse 8 anos de idade?

08) Quantas gotas deverão pingar para que uma solução de ½ litro permaneça 4 horas e 30 minutos?

09) Quantas microgotas deverão pingar para que a solução do problema anterior permaneça 8 horas?

10) Sendo a prescrição médica de 5 Unidades de insulina

NPH, quantos mililitros devemos aplicar, tendo disponíveis frascos de 90 Unidades e seringa de 3 ml?

1) Com os dados do problema anterior, diga qual a proporção do medicamento para cada mililitro?

12) Qual a velocidade de gotejamento para um solução de 1 litro de Ringer Lactato durante 20 horas de
tratamento?

13) Quantas gotas deverão pingar para que uma solução de 2 litros permaneça 24 horas?

14) Quantas microgotas deverão pingar para que uma solução de 500 ml permaneça meio dia?

15) Quantas microgotas deverão pingar para que uma solução de 250 ml permaneça por 8 horas?

16) Um volume de 1,5 litros de soro fisiológico, deverá pingar quantas gotas por minuto, para um
tratamento com duração de 1 dia?

17) Um volume de 500 ml de solução glicosada, deverá pingar com que velocidade para permanecer
durante 10 horas?

18) Uma solução de meio litro de soro fisiológico, em um tratamento com duração de 10 horas, deverá ser
ministrado com que velocidade em microgotas por minuto?

19) Considerando os dados do problema anterior, qual será a velocidade para um tratamento de 6 horas?
20) Para se preparar 2.0 ml de uma solução de KMnO4 a 1:4.0, partindo-se de uma solução em estoque a
5%, quantos mililitros desta solução deverão ser retiradas para, completando-se com água, atingir o volume
da solução solicitada?

21) Calcular quantas Unidades de insulina devemos retirar do frasco sendo a prescrição médica de 15
Unidades de insulina regular ou simples, frasco disponível de 20 Unidades e seringa de 80 Unidades.

2) Foram prescritos 25.0 Unidades de Penicilina a um paciente. Dispõe-se de frascos de 20 ml, contendo
500.0 Unidades. Qual o volume a ser aspirado, para que se possa administrar a dose correta?

23) Um frasco de heparina contém 5 ml de substância num total de 25.0 Unidades. Se desejamos 2.0
Unidades, utilizando uma seringa de insulina de 1 ml, com escala de 40 Unidades, devemos aspirar volume
correspondente a quantas Unidades?

24) Para o preparo de 500 ml de soro glicosado a 30% utiliza-se, respectivamente, que quantidades de soro
glicosado isotônico e glicose 50%?

25) Para transformar 500 ml de uma solução glicosada a 5% para 15%, quantos mililitros aproximadamente
de glicose deverão ser substituídos por glicose a 50% ?

26) Qual o gotejamento indicado para a administração de 1.500 ml de solução glicosada para um período
de 8 horas?

27) Considerando-se que a prescrição de insulina regular é de 10 Unidades subcutânea e que se dispõe de
frasco de 80 Unidades, qual o volume a ser aplicado em ml?

28) Sendo a prescrição médica para um tratamento prolongado por um determinado medicamento de 20.0.0
de Unidades, frascos disponíveis de 500.0 Unidades e diluição de 10 ml, como proceder?

29) Sendo a prescrição médica de 250 mg de medicamento e o frasco disponível de 1 grama, como
proceder?

30) Penicilina Cristalina G potássica, nome comercial, o mesmo medicamento apresentado em frascos de
500.0, 1.0.0, 10.0.0 e 20.0.0 Unidades. Prescrição médica de 5.0.0 Unidades e diluição de 10 ml, como
proceder para cada tipo de apresentação?

31) Nome químico: Penicilina Benzatina, aplicação intramuscular e apresentações em frascos de 300.0
Unidades (pediátrico); 600.0 Unidades; 1.200.0 Unidades e ainda em frascos de 2.400.0 Unidades. Sendo a
prescrição médica de 900.0 Unidades e diluição para 3 ml, qual o procedimento tomado para cada
apresentação?

32) Sendo a prescrição médica de 6 mg de Dexametasona, frasco disponível de 4 mg/ml, como proceder?

3) Considerando-se que a prescrição de insulina regular é de 10 Unidades subcutânea e que se dispõe de
frasco de 80 Unidades, qual o volume a ser aplicado em ml?

34) Calcule quantas Unidades de insulina devemos retirar do frasco sendo a prescrição médica de 5
Unidades de insulina regular ou simples, frasco disponível de 40 Unidades e seringa de 40 Unidades.
35) Calcular quantas Unidades de insulina devemos retirar do frasco sendo a prescrição médica de 15
Unidades de insulina regular ou simples, frasco disponível de 20 Unidades e seringa de 80 Unidades.

36) Solução de 500 ml de soro fisiológico 0,9%. Para termos 1/3 de sua concentração, como devemos
proceder?

37) Soro glicosado em embalagem de 250 ml, com concentração de 50%, deve ser diluído a metade de sua
concentração. Como proceder?

38) Como preparar um volume de 250 ml de soro glicosado a 10%, se só temos 500 ml do mesmo soro a
50%?

39) Solução de 250 ml de soro fisiológico 0,9%. Qual o procedimento para preparar 500ml com a metade
de sua concentração?

40) Foi utilizado 50 ml de um determinado soro para que fosse preparado 250ml de solução a 5%. Qual a
concentração inicial desse soro?




Cálculo Parte 8


Olá !!!
Bom gente...esta é o penúltimo post de cálculos.

O tema de hoje é : TRANSFORMAÇÃO DE SOLUÇÃO

Pra não perder o costume...uma pequena introdução aí vai.

As soluções apresentam-se em concentrações variadas e são compostas por um soluto e um solvente.
Podendo ser apresentadas:

Hipotônica: inferior à concentração plasmática;
Isotônica: mesma concentração plasmática;
Hipertônica: superior à concentração plasmática;

Quando temos uma prescrição médica com uma solução de concentração não disponível em nossos
estoques, é necessário realizarmos a Transformação da Solução = do Soro.

---------------------------------------------------------------------------

EXEMPLO 1


* Este exemplo tem vários passos. Preste bem atenção em cada um, tentando entender o motivo de cada
cálculo, de cada número, assim é bem mais fácil decorar.Isso é de extrema importância para o paciente e
para você, aumentando a Qualidade da Assistência prestada.
1) Tenho frascos de SG (soro glicosado) 5% em 500ml e ampolas de glicose 25% em 20ml. A PM é de SG
10% 500ml. Como posso transformar a solução que eu tenho na solução prescrita?



1º PASSO - Calcular o disponível SG 500ml a 5%


100ml --- 5g

500ml --- X



x= 2500 / 100 = 25g de glicose



2º PASSO - Calcular a PM SG 500ml a 10%



100ml --- 10g

500ml --- X



x= 5000 / 100 = 50g de glicose



3º PASSO - Calcular a diferença de gramas



50g - 25g = 25g



4º PASSO - Calcular as gramas de glicose por ampola


100ml --- 25g

20ml --- X
x= 500

_______ = 5g de glicose

100



5º PASSO - Quantidade por ampola



1amp --- 5g de glicose

Xamp --- 25g (resultado do 3ºpasso)



5x = 25.1

x= 25 / 5 = 5 ampolas serão necessárias



6º PASSO - Quantidade por ampola



1amp --- 20ml

5amp --- X



x= 20.5 = 100ml para acrescentar



7º PASSO - Não se deve ultrapassar 10% do volume total

do frasco de soro, então despreza-se 100ml.


8º PASSO - Depois que desprezou os 100ml, acaba desprezando glicose também certo?

Então tem de repor os 100ml em ampolas também.


100ml --- 5g de glicose
* Acrecentar depois + 1 ampola (5g de glicose), e + 5 ampolas da PM.



TOTALIZANDO = SG 520ml a 10%

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioViviane da Silva
 
Boas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos
Boas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentosBoas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos
Boas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentosLetícia Spina Tapia
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosfabiana vitoria souto
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosHeberth Macedo
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Adriana Saraiva
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosLeonel Santos
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Administração medicamentos via subcutanea
Administração  medicamentos via subcutaneaAdministração  medicamentos via subcutanea
Administração medicamentos via subcutaneaViviane da Silva
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 39999894014
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãosProqualis
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfCASA
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAIthallo Alves
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Boas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos
Boas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentosBoas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos
Boas práticas: Cálculo seguro Volume II: Cálculo e diluição de medicamentos
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentos
 
Gotejamento
GotejamentoGotejamento
Gotejamento
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Administração medicamentos via subcutanea
Administração  medicamentos via subcutaneaAdministração  medicamentos via subcutanea
Administração medicamentos via subcutanea
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Aula de Farnacologia 3
Aula de Farnacologia  3Aula de Farnacologia  3
Aula de Farnacologia 3
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSAADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA
 

Semelhante a Transformação de soros

Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Marizete Rodrigues
 
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfAULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfmauromaumau
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara motaClara Mota Brum
 
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptxlvaroCosta22
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusGilberto de Jesus
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)Elizeu Ferro
 
Calculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostilaCalculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostilaCuca Tolêdo
 
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfAULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfLourencianneCardoso
 
Aula calculo enfermagem 0603.pptx
Aula calculo enfermagem 0603.pptxAula calculo enfermagem 0603.pptx
Aula calculo enfermagem 0603.pptxlvaroCosta22
 
Cálculo de diluição e Rediluição.pdf
Cálculo de diluição e Rediluição.pdfCálculo de diluição e Rediluição.pdf
Cálculo de diluição e Rediluição.pdfcarlasuzane2
 

Semelhante a Transformação de soros (20)

aula
aula aula
aula
 
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
 
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfAULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
 
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pptx
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
 
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf
9 CALCULO DE MEDICAMENTO.pdf
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo2
 
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo2
 
Curso de medicacao
Curso de medicacaoCurso de medicacao
Curso de medicacao
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
 
Cálculos i e ii
Cálculos  i e iiCálculos  i e ii
Cálculos i e ii
 
Cálculo de medicamento.pptx
Cálculo de medicamento.pptxCálculo de medicamento.pptx
Cálculo de medicamento.pptx
 
Calculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostilaCalculos medicamentos apostila
Calculos medicamentos apostila
 
Apostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdfApostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdf
 
CALCULO - AULA 06.pptx
CALCULO - AULA 06.pptxCALCULO - AULA 06.pptx
CALCULO - AULA 06.pptx
 
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfAULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
 
Aula calculo enfermagem 0603.pptx
Aula calculo enfermagem 0603.pptxAula calculo enfermagem 0603.pptx
Aula calculo enfermagem 0603.pptx
 
Cálculo de diluição e Rediluição.pdf
Cálculo de diluição e Rediluição.pdfCálculo de diluição e Rediluição.pdf
Cálculo de diluição e Rediluição.pdf
 

Transformação de soros

  • 1. TRANSFORMAÇÃO DE SOROS Diminuindo a concentração de um soro. Vai uma regra de ouro básica, verificar sempre na farmácia se não existe em estoque o soro prescrito antes de se empenhar numa transformação, já são comuns frascos de SG a 10, 25 e até 50%. Existe ainda no mercado SGF (Soro Glico Fisiológico) este pode ser usando ao invés de acrescentar Cloreto de Sódio em um SG ou então glicose num SF, Sempre que possível antes de iniciar uma transformação por conte de uma prescrição incomum, consulte outros colegas e superiores para prevenir desperdícios de materiais e mesmo de seu tempo. Mas vamos ao importante, você é uma ótima profissional e vai conseguir transformar soros. O conceito é simples, já temos em mãos um frasco de soro com certa concentração, e é pedido uma concentração diferente, só precisamos transformar a solução que temos na que precisamos. Se for para mais concentrada acrescentamos mais soluto a solução, se for para menos concentrada diluímos mais a solução acrescentando AD (água destilada). Em porcentagem: ex: 5%,10%,15% significa que em cada 100 partes de solvente, há respectivamente 5,10,15 partes de soluto, ou seja em SG 5% existem 5 gramas de glicose para cada 100ml de soro, entenda esse conceito é fundamental. Exemplos práticos: No caso de precisarmos diminuir a concentração da solução,É muito fácil, por exemplo passar um soro fisiológico de 500ml a 0,9% para 0,45% descobrimos quantas gramas de soluto existem no volume do frasco. Descobrimos quantas gramas de soluto precisamos ter na solução. pela regra de três descobrimos quantos ml do frasco que já temos tem a concentração que precisamos, no caso do nosso exemplo o cálculo mostraria que 250ml da solução teriam a concentração que precisamos para todo frasco. Desprezamos do frasco que já temos o restante da solução, ou seja os 250ml a mais. Agora temos no frasco que já tínhamos 250ml de solução com as gramas de soluto que precisamos, só falta completar o solvente ou seja até que atinja os 500ml, vamos completar o frasco com água destilada e pronto, temos um frasco de 500ml de SF a 0,45% Detalhe 0,45 é um numero menor que 0,9 se lembre que sempre as casas são equivalidas após a virgula então 0,9 é o mesmo que 0,90 que é maior que 0,45. Nesse caso como é a metade da concentração que precisamos é só desprezar metade do soro pronto e completar o frasco com água destilada, assim a solução original que era de 0,9%(que é o mesmo que 0,90% lembre que depois da virgula...) proporcionalmente vai ser agora de 0,45%.
  • 2. Esse raciocínio pode ser usado sempre para diminuir a concentração de solvente, em prescrições mais complicadas é só fazer a regra de três pra saber quanto precisa ficar no frasco de soro original para termos a concentração pedida e o restante é completar com AD, vamos a um exemplo: Prescrito SF 0,60% 100ml, eu tenho frascos de SF a 0,9%, lembre que 0,9 é maior que 0,60 porque depois da virgula sempre completamos os zeros então 0,9 junta o 0 é 0,90 que é maior que os 0,65 prescrito., é muito improvável que apareça uma prescrição assim mas, serve como exemplo para treinarmos um pouco. Sei que no soro a 0,9% existem 0,9 gramas de soluto para cada 100ml, primeiro passo Primeiro, descobrir quantas gramas de soluto tem na solução que tenho regra de 3 100ml da solução---------0,9gramas de soluto 1000ml da solução--------X gramas de soluto 1000 vezes 9 dividido por 100 vai ser igual a 9 gramas Segundo passo, descobrir quantas gramas precisamos na solução prescrita SF 0,60% 1000ml, já sabemos que cada 100ml de solução vão ter 0,65 gramas de soluto, mesma coisa, regra de 3 100ml da solução------------ 0,65grmas de soluto 1000ml de solução-----------X gramas de soluto. 1000 vezes 0,65 dividido por 100 vai dar 6,5 gramas Terceiro passo, quanto vamos desprezar de soro e acrescentar de AD, já sabemos que nosso frasco de 1000ml de soro original tem 9 gramas de soluto e que o soro prescrito de mesmo volume (1000ml) precisa ter só 6,5 gramas de soluto. O técnica é simples, vamos achar o volume do soro original que tenha a concentração que precisamos, desprezar o resto e completar com água destilada, muito simples, vamos a regrinha de 3 1000ml do soro original ----------------9gramas de soluto que é o que tenho X ml do soro original tem---------------6,5 gramas de soluto, que é o que quero. 6,5 vezes 1000 dividido por 9 vai dar 722ml
  • 3. Precisamos que fique no frasco 722ml vamos desprezar o restante, 1000ml que é oque tem no frasco 'menos" os 722ml que é o que preciso que fique, vão sobrar (1000-722) 288ml, agora é muito fácil, vou desprezar do frasco original 288ml do soro e completar os mesmos 288ml só que com AD Pronto, temos 1000ml de SF 0,65% atendendo a exótica prescrição. Vai mais uma regrinha de ouro: No caso de uma prescrição incomum confirme com o médico, eles também erram e esse pode ser um caso e se não for você ainda pode ganhar uma boa explicação de porque aquele paciente precisa dessa concentração incomum de soro. PROFESSOR NELSON LAGE 2001 Para calcular a velocidade de gotejamento de um determinado medicamento, devemos considerar a seguinte relação: 3º ×HORASDEN OMEDICAMENTDOVOLUME Devemos observar que o volume do medicamento deverá ser expresso em mililitros (ml), enquanto que o tempo em horas. Não podemos esquecer que: 1 litro equivale a 1000 mililitros; ½ hora ou 30 minutos equivalem a 0,5 horas; ¼ hora ou 15 minutos equivalem a 0,25 horas; Exemplo: Foi prescrito a um paciente um volume de 1,5 litros de Soro Fisiológico, com uma duração de tratamento de 24 horas. Qual a velocidade de gotejamento? Volume = 1,5 litros que equivale a 1500 mililitros; Tempo = 24 horas; Resolução: Devemos, nesse caso aproximar o resultado para 20 gotas por minuto. Mesmo contra as regras de aproximação ensinadas em matemática, devemos sempre aproximar os resultados para a unidade imediatamente abaixo do resultado encontrado, por tratar-se de medicamentos.
  • 4. Consiste na administração de drogas muito irritantes por via endovenosa ou então hidratação de crianças. No caso dos cálculos dispensáveis às microgotas, devemos considerar a seguinte relação: 1 gota equivale a 3 microgotas. Sendo assim, para calcular a velocidade de MICROGOTEJAMENTO de um determinado medicamento, basta aplicar o cálculo de gotejamento e multiplicar o resultado encontrado por três. Exemplo: Foi prescrito a um paciente um volume de 0,5 litros de Soro Fisiológico, com uma duração de tratamento de 10 horas. Qual a velocidade em microgotas? Volume = 0,5 litros que equivale a 500 mililitros; Tempo = 10 horas; Resolução: Observe que o resultado apresentado está em gotas por minuto. Basta agora multiplicar o resultado por três, já desprezando as casas decimais: 16 x 3 = 48 microgotas por minuto. Caso não fosse desprezada a casa decimal encontrada no cálculo das gotas, o resultado seria de 49,8 microgotas, que estariam quase duas microgotas acima do resultado considerado. 2microgotas por minuto, seriam 120 microgotas em 1 hora, que dariam 1200 microgotas em 10 horas de tratamento, que seriam 400 gotas nas mesmas 10 horas, que representa um volume de 20 mililitros, se considerarmos que 20 gotas equivalem a 1 mililitro. Para termos condições de desenvolver os cálculos relativos a dosagem de insulina, devemos considerar a seguinte relação: F = frasco disponível em Unidades; P = prescrição médica em Unidades; S = seringa utilizada em Unidades; X = quantidade de Unidades necessárias. Ou seja: A quantidade de Unidades necessárias (X) está para o frasco (F), assim como a prescrição (P) está para a seringa (S). O que define uma regra de três simples. Fazendo então, o produto dos meios pelos extremos, teremos a seguinte fórmula:
  • 5. Não devemos esquecer nunca, que todos os elementos dados na fórmula acima, devem ser representados em UNIDADES. Exemplo: Calcular quantas Unidades devem ser retiradas de um frasco de insulina, sendo a prescrição médica de 10 Unidades de insulina regular, frasco disponível de 40 Unidades e seringa de 80 Unidades. Frasco = 40 Unidades; Prescrição = 10 Unidades; Seringa = 80 Unidades. Resolução: OBS: Nos casos em que a Seringa disponível não é graduada em Unidades, devemos fazer a seguinte correlação: Frasco de 80 Unidades significa que em cada 1 mililitro obtemos 80 Unidades. Exemplo: Calcular quantos mililitros devemos retirar do frasco de insulina, sendo a prescrição médica de 10 Unidades de insulina NPH, frasco disponível de 80 Unidades e seringa de 3 mililitros. Frasco = 80 Unidades; Prescrição = 10 Unidades; Seringa = 3 mililitros. Resolução: Como o grau de pureza da insulina é de 80 Unidades por mililitro, significa que se retirarmos 1 mililitro de insulina do frasco, teremos 80 Unidades. Sendo assim, usamos a seguinte relação: Logo: Repare que para cada décimo de mililitro (0,1 ml) teremos 8 Unidades de insulina. Para que tenhamos as 10 Unidades prescritas serão necessários 0,125 mililitros. Na resolução destes problemas, normalmente são usadas as regras de três simples, pois, os medicamentos podem ser apresentados com concentrações diferentes das prescritas pelos médicos.
  • 6. Além disso, a concentração dos medicamentos poderá ainda ser expressa em miligramas (mg) ou ainda em unidades (U). Nos cálculos envolvendo preparo de dosagem de uma solução qualquer, devemos atentar sempre para a concentração apresentado nas embalagens e ainda na quantidade de solvente empregado. Considerando: C = concentração do medicamento; S = solvente; P = prescrição médica; X = quantidade a ser aplicada; C→S P →X Teremos: Exemplo (I): Foi prescrito a um paciente, uma dosagem de 100 mg de Ampicilina, porém, só existe no posto de enfermagem frascos de 250 mg. Qual o procedimento a ser tomado? Resolução: Logo de início devemos observar que a quantidade de líquido para a diluição não foi citada, desta forma, a quantidade de líquido diluidor (solvente) poderá ser escolhida. Vamos fazer duas escolhas, uma com água destilada na proporção de 5 ml e outra na proporção de 10 ml: a) para 5 ml de água destilada, temos: 250 → 5 ml 100 → X ml b) para 10 ml de água destilada, temos: 250 → 10 ml 100 → X ml Exemplo (I): Foi prescrito a um paciente 5 mg de Dexametasona. No posto de enfermagem, só existe frasco disponível de 2,5 ml, com concentração de 4 mg/ml. Como proceder? Resolução: Observe que a concentração total do medicamento por frasco é de 10 mg. Ou seja: 4 x 2,5 = 10 mg nos 2,5 ml Logo:
  • 7. 10 mg → 2,5 ml 5 mg → X ml Exemplo (I): Sendo a prescrição médica de 1.0.0 Unidades, frasco disponível de 5 milhões de Unidades e diluição de 5 ml. Qual o procedimento a ser tomado ? Resolução: REGRAS PARA DOSAGENS DE I) Regra de Friend: Também chamada de regra para o primeiro anos de idade. Esta regra é aplicada para dosar medicamentos destinados a crianças de até 1 ano de idade. A fórmula é a seguinte: adultododosemesesemcriançadaIdade ×150 )( I) Regra de Clark: É conhecida como a regra do peso da criança. A regra de Clark define a dose de medicamento destinada a crianças em relação a sua massa em Kg. A relação de acordo com Clark é a seguinte: adultododoseKgemcriançadaPeso ×68 )( I) Regra de Young: É a regra da idade da criança. De acordo com esta regra, calcula-se a relação existente entre a idade e a dose de medicamento para crianças com idade superior a 12 meses (1 ano). A regra de Young é a seguinte: Exemplo (I): Qual a dosagem de Ampicilina que se deve ser ministrada a uma criança de 9 meses de idade, sabendo que a dose destinada a um adulto é de 100 mg ?
  • 8. Resolução: adultododosecompletosanosemcriançadaIdadecompletosanosemcriançadaIdade ×+12)( Exemplo (I): Com os dados do problema anterior, qual será a dosagem para uma criança que pesa 34 quilos ? Resolução: Exemplo (I): Ainda com os mesmos dados, qual a dose para uma criança que possui 9 anos de idade? Resolução: Note que mais uma vez, o resultado obtido foi propositadamente aproximado para baixo, ou seja, desprezando-se os valores aplicados à regra de arredondamento de dados. É a massa de soluto existente em um determinado volume ou massa. A notação das soluções pode ser feita por dentro ou por fora. Chamamos de concentração por dentro, quando consideramos a quantidade de soluto em relação ao volume ou massa da solução. E por fora, quando consideramos a quantidade de soluto em relação ao volume ou massa do solvente. Exemplo (I): Uma solução a 20% de glicose será considerada, em notação, por dentro se a concentração for de 20 gramas de glicose em 100 ml de solução. A notação será por fora se considerarmos 20 gramas de glicose em 100 ml de solvente. Quanto a notação das soluções relacionadas com as concentrações, vamos considerar sempre como soluções percentuais. As soluções percentuais, são aquelas que possuem determinada massa de soluto em 100 partes da solução. Se expressarmos a relação para um volume de solução equivalente a 100 mililitros (ml), teremos a percentagem volumétrica, se for para 100 gramas teremos a percentagem ponderal. Para calcular a percentagem (%) para volumes diversos, temos a fórmula:
  • 9. )( )(% vmililitrosemsoluçaodavolumepgramasemsolutodomassa= Exemplo (I): Dissolvendo-se 60 gramas de certa substância para 1 litro de solução, qual a sua concentração ? Resolução: Exemplo (I): Com 160 gramas de glicose, qual o volume de solução a 10% que podemos preparar? Resolução: Sendo 10% = 100 10 , temos: Desenvolvendo temos: Lembramos que 1cm3 = 1 ml. Logo podemos preparar um total de 1.600 ml de solução que corresponde a 1,6 litros no total. Utilizando a relação de igualdade entre concentração e volume das soluções, podemos afirmar que: V x C = V’ x C’ Ou seja, o produto entre o volume procurado V e a concentração conhecida C é igual ao produto entre o volume V’ e a concentração C’ que se quer preparar. Exemplo: O posto de enfermagem só possui frascos de soro glicosado de 500 ml com concentração de 10%. Qual o procedimento a ser tomado, para que se possa obter 250 ml do mesmo soro a 5% ? Resolução: Usando a fórmula temos: V x 10 = 250 x 5
  • 10. Desta forma, basta retirar 125 ml do soro a 10% e completar o volume de 250 ml com solvente (água). 01) Quantas gotas deverão pingar para que uma solução de 1 litro permaneça 24 horas? 02) Quantas microgotas deverão pingar para que uma solução de 500 ml permaneça 10 horas? 03) Sendo a prescrição médica de 5 Unidades de insulina NPH, quantos mililitros devemos aplicar, tendo disponíveis frascos de 80 Unidades e seringas de 3 ml? 04) Foi prescrito a um paciente, uma dosagem de 100 mg de Ampicilina, porém, só há disponibilidade de frascos de 250 ml. Qual o procedimento a ser tomado? 05)Dexametasona, apresentada em frascos de 2 mg/ml, contendo 5 ml de volume por frasco. Sendo a prescrição médica de 4 mg, como proceder? 06) Qual a dosagem de Ampicilina que deve ser ministrada a uma criança de 32 quilos de peso, sabendo que a dose destinada a um adulto é de 250 mg? 07) Com os dados do problema anterior, qual seria a dosagem, se a criança tivesse 8 anos de idade? 08) Quantas gotas deverão pingar para que uma solução de ½ litro permaneça 4 horas e 30 minutos? 09) Quantas microgotas deverão pingar para que a solução do problema anterior permaneça 8 horas? 10) Sendo a prescrição médica de 5 Unidades de insulina NPH, quantos mililitros devemos aplicar, tendo disponíveis frascos de 90 Unidades e seringa de 3 ml? 1) Com os dados do problema anterior, diga qual a proporção do medicamento para cada mililitro? 12) Qual a velocidade de gotejamento para um solução de 1 litro de Ringer Lactato durante 20 horas de tratamento? 13) Quantas gotas deverão pingar para que uma solução de 2 litros permaneça 24 horas? 14) Quantas microgotas deverão pingar para que uma solução de 500 ml permaneça meio dia? 15) Quantas microgotas deverão pingar para que uma solução de 250 ml permaneça por 8 horas? 16) Um volume de 1,5 litros de soro fisiológico, deverá pingar quantas gotas por minuto, para um tratamento com duração de 1 dia? 17) Um volume de 500 ml de solução glicosada, deverá pingar com que velocidade para permanecer durante 10 horas? 18) Uma solução de meio litro de soro fisiológico, em um tratamento com duração de 10 horas, deverá ser ministrado com que velocidade em microgotas por minuto? 19) Considerando os dados do problema anterior, qual será a velocidade para um tratamento de 6 horas?
  • 11. 20) Para se preparar 2.0 ml de uma solução de KMnO4 a 1:4.0, partindo-se de uma solução em estoque a 5%, quantos mililitros desta solução deverão ser retiradas para, completando-se com água, atingir o volume da solução solicitada? 21) Calcular quantas Unidades de insulina devemos retirar do frasco sendo a prescrição médica de 15 Unidades de insulina regular ou simples, frasco disponível de 20 Unidades e seringa de 80 Unidades. 2) Foram prescritos 25.0 Unidades de Penicilina a um paciente. Dispõe-se de frascos de 20 ml, contendo 500.0 Unidades. Qual o volume a ser aspirado, para que se possa administrar a dose correta? 23) Um frasco de heparina contém 5 ml de substância num total de 25.0 Unidades. Se desejamos 2.0 Unidades, utilizando uma seringa de insulina de 1 ml, com escala de 40 Unidades, devemos aspirar volume correspondente a quantas Unidades? 24) Para o preparo de 500 ml de soro glicosado a 30% utiliza-se, respectivamente, que quantidades de soro glicosado isotônico e glicose 50%? 25) Para transformar 500 ml de uma solução glicosada a 5% para 15%, quantos mililitros aproximadamente de glicose deverão ser substituídos por glicose a 50% ? 26) Qual o gotejamento indicado para a administração de 1.500 ml de solução glicosada para um período de 8 horas? 27) Considerando-se que a prescrição de insulina regular é de 10 Unidades subcutânea e que se dispõe de frasco de 80 Unidades, qual o volume a ser aplicado em ml? 28) Sendo a prescrição médica para um tratamento prolongado por um determinado medicamento de 20.0.0 de Unidades, frascos disponíveis de 500.0 Unidades e diluição de 10 ml, como proceder? 29) Sendo a prescrição médica de 250 mg de medicamento e o frasco disponível de 1 grama, como proceder? 30) Penicilina Cristalina G potássica, nome comercial, o mesmo medicamento apresentado em frascos de 500.0, 1.0.0, 10.0.0 e 20.0.0 Unidades. Prescrição médica de 5.0.0 Unidades e diluição de 10 ml, como proceder para cada tipo de apresentação? 31) Nome químico: Penicilina Benzatina, aplicação intramuscular e apresentações em frascos de 300.0 Unidades (pediátrico); 600.0 Unidades; 1.200.0 Unidades e ainda em frascos de 2.400.0 Unidades. Sendo a prescrição médica de 900.0 Unidades e diluição para 3 ml, qual o procedimento tomado para cada apresentação? 32) Sendo a prescrição médica de 6 mg de Dexametasona, frasco disponível de 4 mg/ml, como proceder? 3) Considerando-se que a prescrição de insulina regular é de 10 Unidades subcutânea e que se dispõe de frasco de 80 Unidades, qual o volume a ser aplicado em ml? 34) Calcule quantas Unidades de insulina devemos retirar do frasco sendo a prescrição médica de 5 Unidades de insulina regular ou simples, frasco disponível de 40 Unidades e seringa de 40 Unidades.
  • 12. 35) Calcular quantas Unidades de insulina devemos retirar do frasco sendo a prescrição médica de 15 Unidades de insulina regular ou simples, frasco disponível de 20 Unidades e seringa de 80 Unidades. 36) Solução de 500 ml de soro fisiológico 0,9%. Para termos 1/3 de sua concentração, como devemos proceder? 37) Soro glicosado em embalagem de 250 ml, com concentração de 50%, deve ser diluído a metade de sua concentração. Como proceder? 38) Como preparar um volume de 250 ml de soro glicosado a 10%, se só temos 500 ml do mesmo soro a 50%? 39) Solução de 250 ml de soro fisiológico 0,9%. Qual o procedimento para preparar 500ml com a metade de sua concentração? 40) Foi utilizado 50 ml de um determinado soro para que fosse preparado 250ml de solução a 5%. Qual a concentração inicial desse soro? Cálculo Parte 8 Olá !!! Bom gente...esta é o penúltimo post de cálculos. O tema de hoje é : TRANSFORMAÇÃO DE SOLUÇÃO Pra não perder o costume...uma pequena introdução aí vai. As soluções apresentam-se em concentrações variadas e são compostas por um soluto e um solvente. Podendo ser apresentadas: Hipotônica: inferior à concentração plasmática; Isotônica: mesma concentração plasmática; Hipertônica: superior à concentração plasmática; Quando temos uma prescrição médica com uma solução de concentração não disponível em nossos estoques, é necessário realizarmos a Transformação da Solução = do Soro. --------------------------------------------------------------------------- EXEMPLO 1 * Este exemplo tem vários passos. Preste bem atenção em cada um, tentando entender o motivo de cada cálculo, de cada número, assim é bem mais fácil decorar.Isso é de extrema importância para o paciente e para você, aumentando a Qualidade da Assistência prestada.
  • 13. 1) Tenho frascos de SG (soro glicosado) 5% em 500ml e ampolas de glicose 25% em 20ml. A PM é de SG 10% 500ml. Como posso transformar a solução que eu tenho na solução prescrita? 1º PASSO - Calcular o disponível SG 500ml a 5% 100ml --- 5g 500ml --- X x= 2500 / 100 = 25g de glicose 2º PASSO - Calcular a PM SG 500ml a 10% 100ml --- 10g 500ml --- X x= 5000 / 100 = 50g de glicose 3º PASSO - Calcular a diferença de gramas 50g - 25g = 25g 4º PASSO - Calcular as gramas de glicose por ampola 100ml --- 25g 20ml --- X
  • 14. x= 500 _______ = 5g de glicose 100 5º PASSO - Quantidade por ampola 1amp --- 5g de glicose Xamp --- 25g (resultado do 3ºpasso) 5x = 25.1 x= 25 / 5 = 5 ampolas serão necessárias 6º PASSO - Quantidade por ampola 1amp --- 20ml 5amp --- X x= 20.5 = 100ml para acrescentar 7º PASSO - Não se deve ultrapassar 10% do volume total do frasco de soro, então despreza-se 100ml. 8º PASSO - Depois que desprezou os 100ml, acaba desprezando glicose também certo? Então tem de repor os 100ml em ampolas também. 100ml --- 5g de glicose
  • 15. * Acrecentar depois + 1 ampola (5g de glicose), e + 5 ampolas da PM. TOTALIZANDO = SG 520ml a 10%