SlideShare uma empresa Scribd logo
MONT BLANC CENTRO EDUCACIONAL
        ARTES VISUAIS


  PROFESSORA ANDREA PRADO


  Objetos de Conhecimento PAS/UnB
      1ª, 2ª e 3ª ETAPAS - 2012
1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO


 1ª Etapa do subprograma
           de
          2012
OBJETOS DE CONHECIMENTO
     Etapa 1 - Subprograma 2012 - Caderno CICLISMO




       Cândido Portinari. Futebol, 1935,                Jogo de pelota mesoamericano
       óleo sobre tela, 97 cm x 130 cm,                 (asteca/maia). Museu Marjorie
       coleção particular, Rio de Janeiro,              Barrick, Universidade de Nevada,
       RJ.                                              Las Vegas.
           Existem semelhanças entre a nossa cultura e a dos astecas que podem ser
identificadas, por exemplo, no jogo de futebol atual, que e similar ao jogo de pelota asteca.
No futebol, em que os jogadores usam pernas, joelhos, peito e cabeça, o objetivo e fazer gol,
colocando a bola de couro dentro da meta adversaria. No jogo de pelota asteca, em que os
jogadores usam joelhos, ancas, cotovelos e cabeça, o objetivo e atravessar a bola de
borracha por entre aros localizados nas laterais do campo.
OBJETOS DE CONHECIMENTO
         Tendo como referencia inicial o texto e as figuras acima, julgue o(s)
item(s) seguinte(s):

25-Na tela Futebol, de Portinari, está representada
uma visão subjetiva e essencialmente interpretativa de
uma pelada de futebol.
CERTO ou ERRADO?

CERTO –A subjetividade é entendida como o espaço íntimo do
indivíduo (mundo interno) com o qual ele se relaciona com o
mundo social (mundo externo);
“essencialmente interpretativa” porque apresenta a visão do
artista sobre o tema (futebol/infância/Brodowski)
OBJETOS DE CONHECIMENTO

               Mestre Didi. Sasará Ati Aso Iko.
               Xaxará com manto de palha da costa,
               2003, técnica mista, 64 x 20 x 12 cm.


                     Mestre Didi. Pepeye, o grande pato, 2001,
                     técnica mista, 60 x 60 x 23 cm.




          Deoscóredes Maximiliano dos Santos, nascido em Salvador, Bahia, em
1917, é conhecido como Mestre Didi. Escultor e escritor, ele inclui, em sua obra,
elementos da cultura afro-brasileira. As formas escultóricas que produz,
confeccionadas com contas, búzios, rendas de couro e folhas de palmeira, remetem
a mitos, lendas e objetos de culto aos orixás. Suas obras fazem parte dos acervos
dos Museus de Arte Moderna de Salvador e do Rio de Janeiro e do Museu Picasso,
em Paris, entre outros.
OBJETOS DE CONHECIMENTO
      Com base nas informações e imagens acima, julgue o próximo item:
58-As peças de mestre Didi apresentadas acima têm
claro aspecto primitivo e decorativo, com evidentes
conotações      ritualísticas,  características   que
impossibilitam categorizá-las como arte, sendo, assim,
classificadas como artesanato popular.

CERTO ou ERRADO?
ERRADO – (...) têm claro aspecto primitivo e decorativo, com evidentes
conotações ritualísticas (...) CERTO, características que impossibilitam
categorizá-las como arte ERRADO, sendo, assim, classificadas como
artesanato popular – CONFERE IDENTIDADE DA POPULAÇÃO LOCAL, o
artista trata de questões étnicas e ritualísticas, prioritariamente...
2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

 2° Etapa do subprograma
            de
           2011
OBJETOS DE CONHECIMENTO
                                       Jean-Baptiste Debret. Estudo para a sagração de D. Pedro I,
                                                     1823, óleo sobre tela, 45 cm x 70 cm, Museu
                                       Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro.




                           Gian Lorenzo Bernini. Êxtase de Santa Teresa
                           d’Ávila, mármore e bronze dourado, 1647-1652,
                           3,5 m, Igreja de Santa Maria della Vittoria,
                           Roma.



Texto I
          Nélson Rodrigues repetiu incontáveis vezes que, dominada pelos chamados “idiotas da
objetividade”, a imprensa brasileira tinha deixado de publicar pontos de exclamação nos títulos! O
motivo da queixa rodriguiana: os jornais tentavam ostentar frieza e distanciamento, que não
correspondiam à fabulosa marcha dos acontecimentos. Os fatos da vida merecem, sim, um ponto
de exclamação!
          Há uma crônica em que Nélson lamenta, desolado: “o sangue do presidente John
Kennedy ainda estava quente, mas os jornais brasileiros não se dignavam a conceder um ponto
de exclamação à tragédia de Dallas. Majoritários nas redações, os “idiotas da objetividade”
tratavam a notícia chocante como se estivessem falando de uma partida de biriba.” Internet:
<www.g1.globo.com> (com adaptações).
OBJETOS DE CONHECIMENTO
Texto II

               O que quer que seja que a mente percebe em si, ou que seja o objeto imediato da
percepção, do pensamento ou do entendimento, a isso eu chamo ‘ideia’; e o poder de produzir
qualquer ideia em nossa mente eu chamo qualidade do sujeito em quem tal poder reside.      John
Locke. Ensaio sobre o entendimento humano. Cap. 8, parágrafo 9º.




Texto III

               Objetivismo é um termo que descreve um ramo da filosofia segundo o qual uma
realidade, ou um contexto ontológico de objetos e fatos, existe independentemente da mente.
Versões mais radicais dessa perspectiva sustentam que há apenas uma descrição correta da
realidade. A objetividade, no processo de referência a objetos, impõe a necessidade de uma
definição de verdade. No âmbito da Física, Galileu Galilei dividiu os fenômenos em qualidades
primárias e secundárias. As primeiras são passíveis de matematização e experimentação, ao
passo que as segundas, não.
OBJETOS DE CONHECIMENTO

16-A obra Êxtase de Santa Teresa d’Ávila, esculpida pelo italiano Lorenzo
Bernini, tornou-se uma das mais célebres obras do século XVII. Nela, são
reafirmados elementos barrocos na utilização da claraboia. Para conseguir
que a claraboia iluminasse a obra e acentuasse os contrastes de luz e
sombra e a dramaticidade da cena, reforçando o caráter subjetivo da obra, o
artista recorreu a elementos objetivos da física.


                       CERTO ou ERRADO?



                                    CERTO
OBJETOS DE CONHECIMENTO
17-Jean Baptiste Debret dedicou-se, entre outros gêneros, ao gênero da
pintura histórica, que consistia, principalmente, no registro, de modo
idealizado, de eventos oficiais que afirmavam a soberania da Coroa
Portuguesa no Brasil. Na obra Estudo para a Sagração de D. Pedro I, acima
apresentada, Debret, para compor uma crônica da sociedade, utilizou
elementos pitorescos, que permitem, segundo a conceituação de Nélson
Rodrigues, caracterizá-lo como um “idiota da objetividade”.


                       CERTO ou ERRADO?


                                CERTO
OBJETOS DE CONHECIMENTO

                        Eugène Delacroix. A liberdade guiando o povo,
                        1830, óleo sobre tela, 560 cm × 325 cm, Museu
                        do Louvre, Paris.




        A tela A Liberdade Guiando o Povo, de Eugène Delacroix (1798-
1863), pôde ser exposta publicamente somente após a Revolução de 1848.
Além de seu valor histórico e social, essa obra afirma-se por sua qualidade
estética, pois incorpora plasticamente o tema por meio da exploração de
recursos pictóricos.
OBJETOS DE CONHECIMENTO
       Tendo como referência as informações acima, julgue os
itens a seguir.
29 Conforme as normas renascentistas, a composição da obra A Liberdade
Guiando o Povo é regida por um triângulo, que evidencia o equilíbrio e a
placidez de uma sociedade estável. A obra não apresenta planos de
profundidade, característicos do espaço em perspectiva, o qual, segundo a
concepção barroca, consistia em posicionar-se uma figura sacra ladeada por
uma legião de seguidores.
                            CERTO ou ERRADO?



                                ERRADO
3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO


 3ª Etapa do subprograma
           de
          2010
OBJETOS DE CONHECIMENTO

Edward Münch. O grito, 1893, madeira, 0,85 m × 0,66 m, Münch-Museet,
Oslo.


                                Considerando as características
                                do quadro representado acima
                                e também a produção artística
                                de Edward Munch, julgue os
                                itens a
                                seguir.
OBJETOS DE CONHECIMENTO


16 Nessa obra, estão ausentes os sinais convencionais da
pintura, o que esta de acordo com a concepção da pintura como

automática e livre de qualquer associação com a realidade.


                    CERTO ou ERRADO?



                           ERRADO
OBJETOS DE CONHECIMENTO
                                    Figura I - Painel na Igrejinha Nossa Senhora
                                    de Fátima, fotografia, Arquivo Público
                                    Nacional, Brasília.




Figura II - Francisco Galeno. Nossa
Senhora de Fátima, 2009, Igrejinha Nossa
Senhora de Fátima, Brasília.

        Durante a restauração da Igrejinha Nossa Senhora de Fátima, em
2009, a obra de Volpi – figura I – foi substituída pelo painel criado por
Francisco Galeno – figura II.
A partir dessas imagens, julgue os itens a seguir.
OBJETOS DE CONHECIMENTO
62 No painel criado por Galeno, a santa não tem rosto, recurso
empregado para acentuar a importância da individualização e
da figuração das imagens sacras.



                    CERTO ou ERRADO?




                          ERRADO
OBJETOS DE CONHECIMENTO
63 As obras de Volpi e Galeno apresentam elementos de construção pictórica
semelhantes   e   similaridade   na   linguagem   utilizada,   pois   ambas   se
caracterizam pela representação marcante de formas geométricas, que se
repetem sobre o fundo.



                             CERTO ou ERRADO?




                                      CERTO
OBJETOS DE CONHECIMENTO




Salvador Dalí. Criança geopolítica assistindo ao nascimento de um novo
homem, 1943.
OBJETOS DE CONHECIMENTO
O ovo e a galinha

            Ovo é coisa que precisa tomar cuidado. Por isso a galinha é o disfarce do ovo. Para que o ovo atravesse
os tempos, a galinha existe. Mãe é para isso. — O ovo vive foragido por estar sempre adiantado demais para a sua
época. — Ovo por enquanto será sempre revolucionário. — Ele vive dentro da galinha para que não o chamem de
branco. O ovo é branco mesmo. Mas não pode ser chamado de branco. Não porque isso faça mal a ele, mas as
pessoas que chamam o ovo de branco, essas pessoas morrem para a vida. Chamar de branco aquilo que é branco
pode destruir a humanidade. Uma vez um homem foi acusado de ser o que ele era, e foi chamado de Aquele Homem.
Não tinham mentido: Ele era. Mas até hoje ainda não nos recuperamos, uns após outros. A lei geral para continuarmos
vivos: pode-se dizer “um rosto bonito”, mas quem disser “o rosto”, morre; por ter esgotado o assunto. Com o tempo, o
ovo se tornou um ovo de galinha. Não o é. Mas, adotado, usa-lhe o sobrenome. — Deve-se dizer “o ovo da galinha”. Se
se disser apenas “o ovo”, esgota-se o assunto, e o mundo fica nu. — Em relação ao ovo, o perigo é que se descubra o
que se poderia chamar de beleza, isto é, sua veracidade. A veracidade do ovo não é verossímil. Se descobrirem,
podem querer obrigá-lo a se tornar retangular. O perigo não é para o ovo, ele não se tornaria retangular. (Nossa
garantia é que ele não pode, não pode é a grande força do ovo: sua grandiosidade vem da grandeza de não poder, que
se irradia como um não querer.) Mas quem lutasse por torná-lo retangular estaria perdendo a própria vida. O ovo nos
põe, portanto, em perigo. Nossa vantagem é que o ovo é invisível. E quanto aos iniciados, os iniciados disfarçam o ovo.
Clarice Lispector - A legião estrangeira. Rio de Janeiro: Rocco, p. 47-8.
OBJETOS DE CONHECIMENTO


104-Na obra de Dalí apresentada, as formas simbolizam o
inconsciente e, portanto, representam parte do repertório das
lembranças verdadeiras do artista, afastados os sonhos.



                    CERTO ou ERRADO?


                           ERRADO
OBJETOS DE AVALIAÇÃO

COMBINADOS:
-Leitura indicada para a próxima aula;
-Acompanhar o blog;
-Postar atividades no prazo;
-Leitura dos Objetos de Avaliação do PAS/UnB;
-Análise da MATRIZ DE OBJETOS DE AVALIAÇÃO
DO PAS/UnB;
OBRIGAD@!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte e função da arte
Arte e função da arteArte e função da arte
Arte e função da arte
Isaias Vitor Almeida Silva
 
Arte e água
Arte e águaArte e água
Arte e água
LelaUdesc
 
Conceito de Arte: Formas, Gêneros e Estilos
Conceito de Arte: Formas, Gêneros e EstilosConceito de Arte: Formas, Gêneros e Estilos
Conceito de Arte: Formas, Gêneros e Estilos
Samanta Bertelli
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Aula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arteAula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arte
Lila Donato
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
lisneia2012
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
Eponina Alencar
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
Doane Castro
 
Introdução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arqIntrodução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arq
Wívian Diniz
 
Arte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Arte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly MendesArte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Arte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Natália Malheiro
 
Arte Definição
Arte DefiniçãoArte Definição
Arte Definição
Prof Palmito Rocha
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
Ana Barreiros
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
Rafael Lucas da Silva
 
Aula Arte EducaçãO
Aula Arte EducaçãOAula Arte EducaçãO
Aula Arte EducaçãO
JoseSimas
 
Aula 3 arte - 2º ano
Aula 3   arte - 2º anoAula 3   arte - 2º ano
Aula 3 arte - 2º ano
VIVIAN TROMBINI
 
Entendendo a Arte. Prof. Garcia Junior
Entendendo a Arte. Prof. Garcia JuniorEntendendo a Arte. Prof. Garcia Junior
Arte o que é
Arte   o que éArte   o que é
Arte o que é
Darli Corrêa Marinho
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-
ArtesElisa
 
1) o que é arte -Texto
1)  o que é arte -Texto1)  o que é arte -Texto
1) o que é arte -Texto
ArtesElisa
 
3.afinal, o que é arte madre zarife
3.afinal, o que é arte   madre zarife3.afinal, o que é arte   madre zarife
3.afinal, o que é arte madre zarife
Francisco Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Arte e função da arte
Arte e função da arteArte e função da arte
Arte e função da arte
 
Arte e água
Arte e águaArte e água
Arte e água
 
Conceito de Arte: Formas, Gêneros e Estilos
Conceito de Arte: Formas, Gêneros e EstilosConceito de Arte: Formas, Gêneros e Estilos
Conceito de Arte: Formas, Gêneros e Estilos
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Aula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arteAula História da Arte_As funções da arte
Aula História da Arte_As funções da arte
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
 
Introdução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arqIntrodução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arq
 
Arte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Arte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly MendesArte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Arte - O que é Arte? - 3aço - Prof. Kelly Mendes
 
Arte Definição
Arte DefiniçãoArte Definição
Arte Definição
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Aula Arte EducaçãO
Aula Arte EducaçãOAula Arte EducaçãO
Aula Arte EducaçãO
 
Aula 3 arte - 2º ano
Aula 3   arte - 2º anoAula 3   arte - 2º ano
Aula 3 arte - 2º ano
 
Entendendo a Arte. Prof. Garcia Junior
Entendendo a Arte. Prof. Garcia JuniorEntendendo a Arte. Prof. Garcia Junior
Entendendo a Arte. Prof. Garcia Junior
 
Arte o que é
Arte   o que éArte   o que é
Arte o que é
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-
 
1) o que é arte -Texto
1)  o que é arte -Texto1)  o que é arte -Texto
1) o que é arte -Texto
 
3.afinal, o que é arte madre zarife
3.afinal, o que é arte   madre zarife3.afinal, o que é arte   madre zarife
3.afinal, o que é arte madre zarife
 

Destaque

Introdução a Arte
Introdução a ArteIntrodução a Arte
Introdução a Arte
www.historiadasartes.com
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
Junior Onildo
 
Arte
ArteArte
Arte 6o ano
Arte 6o anoArte 6o ano
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
Aclecio Dantas
 
Dinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicas
Dinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicasDinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicas
Dinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicas
Vinicius O Resiliente
 
10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes
Seduc MT
 
Jorge coli - o que é arte
Jorge coli - o que é arteJorge coli - o que é arte
Jorge coli - o que é arte
Carlos Elson Cunha
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
pptmeirelles
 
Slide Aula Inaugual
Slide Aula InaugualSlide Aula Inaugual
Slide Aula Inaugual
blogjl
 
A gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacãoA gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacão
gegearte
 
Historia do teatro II
Historia do teatro IIHistoria do teatro II
Historia do teatro II
josenmd
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades Diversas Cláudia
 
Estado nacao e governo
Estado nacao e governoEstado nacao e governo
Estado nacao e governo
Atividades Diversas Cláudia
 
Dermeval saviani historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]
Dermeval saviani   historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]Dermeval saviani   historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]
Dermeval saviani historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]
Luiza Katia
 
Aula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte AtualAula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte Atual
Gabriel Ferraciolli
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
Carla Camuso
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Junior Onildo
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcreto
Junior Onildo
 

Destaque (20)

Introdução a Arte
Introdução a ArteIntrodução a Arte
Introdução a Arte
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Arte 6o ano
Arte 6o anoArte 6o ano
Arte 6o ano
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
Dinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicas
Dinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicasDinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicas
Dinamicas para oi nicio das aulas atividades ludicas
 
10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes10 dinâmicas divertidas e envolventes
10 dinâmicas divertidas e envolventes
 
Jorge coli - o que é arte
Jorge coli - o que é arteJorge coli - o que é arte
Jorge coli - o que é arte
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
 
Slide Aula Inaugual
Slide Aula InaugualSlide Aula Inaugual
Slide Aula Inaugual
 
A gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacãoA gravura brasileira apresentacão
A gravura brasileira apresentacão
 
Historia do teatro II
Historia do teatro IIHistoria do teatro II
Historia do teatro II
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
 
Estado nacao e governo
Estado nacao e governoEstado nacao e governo
Estado nacao e governo
 
Dermeval saviani historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]
Dermeval saviani   historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]Dermeval saviani   historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]
Dermeval saviani historia das ideias pedagogicas no brasil [2ª ed]
 
Aula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte AtualAula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte Atual
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcreto
 

Semelhante a Aula de apresentação ensino médio 01-02-13

O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
Vasco L
 
Linguagem pictorica
Linguagem pictoricaLinguagem pictorica
Linguagem pictorica
Eduardo Becker Jr.
 
arte-no-enem-2015.pptx
arte-no-enem-2015.pptxarte-no-enem-2015.pptx
arte-no-enem-2015.pptx
OzielSoares2
 
2004 - 2 etapa
2004 - 2 etapa2004 - 2 etapa
2004 - 2 etapa
Isabella Silva
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
António Silva
 
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixos
ArtesElisa
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
JulianoFonseca17
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
ArtesElisa
 
Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)
Rosana Dalla Piazza
 
ENEM - Competência 4
ENEM - Competência 4ENEM - Competência 4
ENEM - Competência 4
Edenilson Morais
 
_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf
_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf
_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf
VitorBenevenuto
 
Apostila jorge
Apostila jorgeApostila jorge
Apostila jorge
PriSix Rodopiano
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
Eduardo Becker Jr.
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
Eduardo Becker Jr.
 
Banco de Arte Moderna
Banco de Arte ModernaBanco de Arte Moderna
Banco de Arte Moderna
Nedsther Pache de Souza
 
04 julho 2012 nossa apresentaçao
04 julho 2012  nossa apresentaçao04 julho 2012  nossa apresentaçao
04 julho 2012 nossa apresentaçao
Sandra Kroetz
 
Técnicas
TécnicasTécnicas
Técnicas
CEF16
 
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdfHISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
Universidade Dederal do Oeste do Pará
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
Ana Barreiros
 

Semelhante a Aula de apresentação ensino médio 01-02-13 (20)

O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Linguagem pictorica
Linguagem pictoricaLinguagem pictorica
Linguagem pictorica
 
arte-no-enem-2015.pptx
arte-no-enem-2015.pptxarte-no-enem-2015.pptx
arte-no-enem-2015.pptx
 
2004 - 2 etapa
2004 - 2 etapa2004 - 2 etapa
2004 - 2 etapa
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixos
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)Historia da arte net (1)
Historia da arte net (1)
 
ENEM - Competência 4
ENEM - Competência 4ENEM - Competência 4
ENEM - Competência 4
 
_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf
_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf
_didi-huberman-georges-o-que-vemos-o-que-nos-olha.pdf
 
Apostila jorge
Apostila jorgeApostila jorge
Apostila jorge
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
 
Banco de Arte Moderna
Banco de Arte ModernaBanco de Arte Moderna
Banco de Arte Moderna
 
04 julho 2012 nossa apresentaçao
04 julho 2012  nossa apresentaçao04 julho 2012  nossa apresentaçao
04 julho 2012 nossa apresentaçao
 
Técnicas
TécnicasTécnicas
Técnicas
 
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdfHISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
HISTÓRIA SOCIALO DA ARTE papel social .pdf
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 
Criatividade e ruturas
Criatividade e ruturasCriatividade e ruturas
Criatividade e ruturas
 

Último

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 

Aula de apresentação ensino médio 01-02-13

  • 1. MONT BLANC CENTRO EDUCACIONAL ARTES VISUAIS PROFESSORA ANDREA PRADO Objetos de Conhecimento PAS/UnB 1ª, 2ª e 3ª ETAPAS - 2012
  • 2. 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 1ª Etapa do subprograma de 2012
  • 3. OBJETOS DE CONHECIMENTO Etapa 1 - Subprograma 2012 - Caderno CICLISMO Cândido Portinari. Futebol, 1935, Jogo de pelota mesoamericano óleo sobre tela, 97 cm x 130 cm, (asteca/maia). Museu Marjorie coleção particular, Rio de Janeiro, Barrick, Universidade de Nevada, RJ. Las Vegas. Existem semelhanças entre a nossa cultura e a dos astecas que podem ser identificadas, por exemplo, no jogo de futebol atual, que e similar ao jogo de pelota asteca. No futebol, em que os jogadores usam pernas, joelhos, peito e cabeça, o objetivo e fazer gol, colocando a bola de couro dentro da meta adversaria. No jogo de pelota asteca, em que os jogadores usam joelhos, ancas, cotovelos e cabeça, o objetivo e atravessar a bola de borracha por entre aros localizados nas laterais do campo.
  • 4. OBJETOS DE CONHECIMENTO Tendo como referencia inicial o texto e as figuras acima, julgue o(s) item(s) seguinte(s): 25-Na tela Futebol, de Portinari, está representada uma visão subjetiva e essencialmente interpretativa de uma pelada de futebol. CERTO ou ERRADO? CERTO –A subjetividade é entendida como o espaço íntimo do indivíduo (mundo interno) com o qual ele se relaciona com o mundo social (mundo externo); “essencialmente interpretativa” porque apresenta a visão do artista sobre o tema (futebol/infância/Brodowski)
  • 5. OBJETOS DE CONHECIMENTO Mestre Didi. Sasará Ati Aso Iko. Xaxará com manto de palha da costa, 2003, técnica mista, 64 x 20 x 12 cm. Mestre Didi. Pepeye, o grande pato, 2001, técnica mista, 60 x 60 x 23 cm. Deoscóredes Maximiliano dos Santos, nascido em Salvador, Bahia, em 1917, é conhecido como Mestre Didi. Escultor e escritor, ele inclui, em sua obra, elementos da cultura afro-brasileira. As formas escultóricas que produz, confeccionadas com contas, búzios, rendas de couro e folhas de palmeira, remetem a mitos, lendas e objetos de culto aos orixás. Suas obras fazem parte dos acervos dos Museus de Arte Moderna de Salvador e do Rio de Janeiro e do Museu Picasso, em Paris, entre outros.
  • 6. OBJETOS DE CONHECIMENTO Com base nas informações e imagens acima, julgue o próximo item: 58-As peças de mestre Didi apresentadas acima têm claro aspecto primitivo e decorativo, com evidentes conotações ritualísticas, características que impossibilitam categorizá-las como arte, sendo, assim, classificadas como artesanato popular. CERTO ou ERRADO? ERRADO – (...) têm claro aspecto primitivo e decorativo, com evidentes conotações ritualísticas (...) CERTO, características que impossibilitam categorizá-las como arte ERRADO, sendo, assim, classificadas como artesanato popular – CONFERE IDENTIDADE DA POPULAÇÃO LOCAL, o artista trata de questões étnicas e ritualísticas, prioritariamente...
  • 7. 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2° Etapa do subprograma de 2011
  • 8. OBJETOS DE CONHECIMENTO Jean-Baptiste Debret. Estudo para a sagração de D. Pedro I, 1823, óleo sobre tela, 45 cm x 70 cm, Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro. Gian Lorenzo Bernini. Êxtase de Santa Teresa d’Ávila, mármore e bronze dourado, 1647-1652, 3,5 m, Igreja de Santa Maria della Vittoria, Roma. Texto I Nélson Rodrigues repetiu incontáveis vezes que, dominada pelos chamados “idiotas da objetividade”, a imprensa brasileira tinha deixado de publicar pontos de exclamação nos títulos! O motivo da queixa rodriguiana: os jornais tentavam ostentar frieza e distanciamento, que não correspondiam à fabulosa marcha dos acontecimentos. Os fatos da vida merecem, sim, um ponto de exclamação! Há uma crônica em que Nélson lamenta, desolado: “o sangue do presidente John Kennedy ainda estava quente, mas os jornais brasileiros não se dignavam a conceder um ponto de exclamação à tragédia de Dallas. Majoritários nas redações, os “idiotas da objetividade” tratavam a notícia chocante como se estivessem falando de uma partida de biriba.” Internet: <www.g1.globo.com> (com adaptações).
  • 9. OBJETOS DE CONHECIMENTO Texto II O que quer que seja que a mente percebe em si, ou que seja o objeto imediato da percepção, do pensamento ou do entendimento, a isso eu chamo ‘ideia’; e o poder de produzir qualquer ideia em nossa mente eu chamo qualidade do sujeito em quem tal poder reside. John Locke. Ensaio sobre o entendimento humano. Cap. 8, parágrafo 9º. Texto III Objetivismo é um termo que descreve um ramo da filosofia segundo o qual uma realidade, ou um contexto ontológico de objetos e fatos, existe independentemente da mente. Versões mais radicais dessa perspectiva sustentam que há apenas uma descrição correta da realidade. A objetividade, no processo de referência a objetos, impõe a necessidade de uma definição de verdade. No âmbito da Física, Galileu Galilei dividiu os fenômenos em qualidades primárias e secundárias. As primeiras são passíveis de matematização e experimentação, ao passo que as segundas, não.
  • 10. OBJETOS DE CONHECIMENTO 16-A obra Êxtase de Santa Teresa d’Ávila, esculpida pelo italiano Lorenzo Bernini, tornou-se uma das mais célebres obras do século XVII. Nela, são reafirmados elementos barrocos na utilização da claraboia. Para conseguir que a claraboia iluminasse a obra e acentuasse os contrastes de luz e sombra e a dramaticidade da cena, reforçando o caráter subjetivo da obra, o artista recorreu a elementos objetivos da física. CERTO ou ERRADO? CERTO
  • 11. OBJETOS DE CONHECIMENTO 17-Jean Baptiste Debret dedicou-se, entre outros gêneros, ao gênero da pintura histórica, que consistia, principalmente, no registro, de modo idealizado, de eventos oficiais que afirmavam a soberania da Coroa Portuguesa no Brasil. Na obra Estudo para a Sagração de D. Pedro I, acima apresentada, Debret, para compor uma crônica da sociedade, utilizou elementos pitorescos, que permitem, segundo a conceituação de Nélson Rodrigues, caracterizá-lo como um “idiota da objetividade”. CERTO ou ERRADO? CERTO
  • 12. OBJETOS DE CONHECIMENTO Eugène Delacroix. A liberdade guiando o povo, 1830, óleo sobre tela, 560 cm × 325 cm, Museu do Louvre, Paris. A tela A Liberdade Guiando o Povo, de Eugène Delacroix (1798- 1863), pôde ser exposta publicamente somente após a Revolução de 1848. Além de seu valor histórico e social, essa obra afirma-se por sua qualidade estética, pois incorpora plasticamente o tema por meio da exploração de recursos pictóricos.
  • 13. OBJETOS DE CONHECIMENTO Tendo como referência as informações acima, julgue os itens a seguir. 29 Conforme as normas renascentistas, a composição da obra A Liberdade Guiando o Povo é regida por um triângulo, que evidencia o equilíbrio e a placidez de uma sociedade estável. A obra não apresenta planos de profundidade, característicos do espaço em perspectiva, o qual, segundo a concepção barroca, consistia em posicionar-se uma figura sacra ladeada por uma legião de seguidores. CERTO ou ERRADO? ERRADO
  • 14. 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 3ª Etapa do subprograma de 2010
  • 15. OBJETOS DE CONHECIMENTO Edward Münch. O grito, 1893, madeira, 0,85 m × 0,66 m, Münch-Museet, Oslo. Considerando as características do quadro representado acima e também a produção artística de Edward Munch, julgue os itens a seguir.
  • 16. OBJETOS DE CONHECIMENTO 16 Nessa obra, estão ausentes os sinais convencionais da pintura, o que esta de acordo com a concepção da pintura como automática e livre de qualquer associação com a realidade. CERTO ou ERRADO? ERRADO
  • 17. OBJETOS DE CONHECIMENTO Figura I - Painel na Igrejinha Nossa Senhora de Fátima, fotografia, Arquivo Público Nacional, Brasília. Figura II - Francisco Galeno. Nossa Senhora de Fátima, 2009, Igrejinha Nossa Senhora de Fátima, Brasília. Durante a restauração da Igrejinha Nossa Senhora de Fátima, em 2009, a obra de Volpi – figura I – foi substituída pelo painel criado por Francisco Galeno – figura II. A partir dessas imagens, julgue os itens a seguir.
  • 18. OBJETOS DE CONHECIMENTO 62 No painel criado por Galeno, a santa não tem rosto, recurso empregado para acentuar a importância da individualização e da figuração das imagens sacras. CERTO ou ERRADO? ERRADO
  • 19. OBJETOS DE CONHECIMENTO 63 As obras de Volpi e Galeno apresentam elementos de construção pictórica semelhantes e similaridade na linguagem utilizada, pois ambas se caracterizam pela representação marcante de formas geométricas, que se repetem sobre o fundo. CERTO ou ERRADO? CERTO
  • 20. OBJETOS DE CONHECIMENTO Salvador Dalí. Criança geopolítica assistindo ao nascimento de um novo homem, 1943.
  • 21. OBJETOS DE CONHECIMENTO O ovo e a galinha Ovo é coisa que precisa tomar cuidado. Por isso a galinha é o disfarce do ovo. Para que o ovo atravesse os tempos, a galinha existe. Mãe é para isso. — O ovo vive foragido por estar sempre adiantado demais para a sua época. — Ovo por enquanto será sempre revolucionário. — Ele vive dentro da galinha para que não o chamem de branco. O ovo é branco mesmo. Mas não pode ser chamado de branco. Não porque isso faça mal a ele, mas as pessoas que chamam o ovo de branco, essas pessoas morrem para a vida. Chamar de branco aquilo que é branco pode destruir a humanidade. Uma vez um homem foi acusado de ser o que ele era, e foi chamado de Aquele Homem. Não tinham mentido: Ele era. Mas até hoje ainda não nos recuperamos, uns após outros. A lei geral para continuarmos vivos: pode-se dizer “um rosto bonito”, mas quem disser “o rosto”, morre; por ter esgotado o assunto. Com o tempo, o ovo se tornou um ovo de galinha. Não o é. Mas, adotado, usa-lhe o sobrenome. — Deve-se dizer “o ovo da galinha”. Se se disser apenas “o ovo”, esgota-se o assunto, e o mundo fica nu. — Em relação ao ovo, o perigo é que se descubra o que se poderia chamar de beleza, isto é, sua veracidade. A veracidade do ovo não é verossímil. Se descobrirem, podem querer obrigá-lo a se tornar retangular. O perigo não é para o ovo, ele não se tornaria retangular. (Nossa garantia é que ele não pode, não pode é a grande força do ovo: sua grandiosidade vem da grandeza de não poder, que se irradia como um não querer.) Mas quem lutasse por torná-lo retangular estaria perdendo a própria vida. O ovo nos põe, portanto, em perigo. Nossa vantagem é que o ovo é invisível. E quanto aos iniciados, os iniciados disfarçam o ovo. Clarice Lispector - A legião estrangeira. Rio de Janeiro: Rocco, p. 47-8.
  • 22. OBJETOS DE CONHECIMENTO 104-Na obra de Dalí apresentada, as formas simbolizam o inconsciente e, portanto, representam parte do repertório das lembranças verdadeiras do artista, afastados os sonhos. CERTO ou ERRADO? ERRADO
  • 23. OBJETOS DE AVALIAÇÃO COMBINADOS: -Leitura indicada para a próxima aula; -Acompanhar o blog; -Postar atividades no prazo; -Leitura dos Objetos de Avaliação do PAS/UnB; -Análise da MATRIZ DE OBJETOS DE AVALIAÇÃO DO PAS/UnB; OBRIGAD@!!!!