SlideShare uma empresa Scribd logo
EPÍSTOLAS
PAULINAS
wevertontheos@hotmail.com
SEMINÁRIO TEOLÓGICO DAS ASSEMBLEIAS
DE DEUS
Primeira
Epístola de
Paulo aos
Coríntios
INTRODUÇÃO
Problemas Eclesiásticos:
• A primeira epístola de Paulo aos Coríntios
demonstra o fato que condições
lamentáveis na Igreja não são um
apanágio exclusivo da Igreja primitiva.
• Crenças e práticas aberrantes, variáveis
e vulgares, floresciam na igreja de
Corinto.
Tentando resolver esses problemas foi
que Paulo escreveu esta epístola.
OI Co 5.9 dá-nos a entender que
Paulo já havia escrito uma
epístola anterior à igreja de
Corinto, mas que depois se
perdeu.
OA Primeira Epístola aos
Coríntios, é então, a segunda.
O Primeira: (I Co 5.9) que chegou ao destino,
mas não foi introduzida no Cânon, ou extraviou-
se.
O Segunda: Escrita por Paulo, seria a nossa
Primeira Epístola (I Coríntios).
O Terceira: (A carta pesada, severa ou chorosa: II
Co. 2.4,7,8) - Não foi incluída no Cânon do NT,
ou extraviou-se e assim a II Epístola (ou carta),
que temos em mãos seria a Quarta.
O Quarta: A II carta que temos em mãos seria a
quarta de Paulo à Igreja em Corinto.
Autoria e Data
OProvavelmente entre 55 a 56
d.C.
OPlantada na cidade de Corinto
pelo próprio apóstolo Paulo
(4.15), Que é o autor da carta,
1.1
 A Primeira Epístola aos Coríntios foi
escrita durante seu ministério de três
anos em Éfeso (At 20.31), na sua
terceira viagem missionária (At
18.23 – 21.26).
 Paulo soube em Éfeso dos problemas de
Corinto (1.11);
 Uma delegação da congregação em
Corinto (16.17) entregou uma carta a
Paulo, em que lhe pediam instruções
sobre vários assuntos (7.1; 8.1)
Propósito
• É duplo: (1º) relatórios orais
provenientes dos familiares de Clóe,
acerca das desavenças havidas na
igreja (1.11); (2º) a chegada de
uma delegação da parte da igreja de
corinto – Estéfanas, Fortunato e
Acaio e uma carta solicitando o
parecer de Paulo sobre os diversos
problemas, aos quais ele aborda na
Epístola.
OTratar dos problemas da Igreja de
Corinto;
OPecados não resolvidos na Igreja,
porém, muito sérios para o
Apóstolo;
OAconselhar e doutrinar sobre
variados assuntos: doutrinários,
etiqueta, conduta moral e
pureza
OTanto foco individual quanto
coletivo.
Palavras - Chaves
O Desunião
O Matrimônio
O Ceia do Senhor
O Dons Espirituais
O Ressurreição
O Coleta
A igreja primitiva não era tão
perfeita como se imagina;
Pecado, falsas doutrinas,
dúvidas, disputas políticas,
imoralidade, etc. são o pano de
fundo do ambiente eclesiástico
na época.
A cidade de Corinto
O Corinto, rica cidade portuária (possuía dois portos:
Cencréia, que distava 14 km a leste, e Lequeia,
que distava 2,5 km a oeste) capital da província da
Acaia, foi reconstruída pelos romanos em 44 a.C
O Era um grande centro comercial, que se orgulhava
de sua cultura, arquitetura e obras de arte.
O Era cidade tremendamente idólatra e lasciva
perversa
A igreja em Corinto
OAt.18. Fundada na 2ª Viagem
missionária, por volta do ano 50
d.C. Paulo Ficou cerca de 1 ano e
meio pregando e ensinando; A
Igreja nasceu na casa do casal
Áquila e Priscila;
OO longo tempo de Paulo ensinando ali
não gerou maturidade espiritual nos
membros.
OEles eram “crianças em Cristo” (3:1)
OCresceu no seio da igreja uma
quantidade enorme de problemas
sérios, tais como: Divisão na igreja,
abusos dos sacramentos, problemas
morais, desordem no culto, mal uso
dos dons espirituais, etc.
OA Igreja em Corinto era formada
de:
OGregos
OEx - escravos da Itália
OVeteranos do exército romano
OEmpresários
OOficiais do Governo
OGente do Oriente Próximo
OJudeus
OEscravos
OEx - Prostitutas dos templos pagãos
OPAULO DIZ TRÊS COISAS SOBRE O
CRISTÃO.
O(a) Está consagrado em Jesus Cristo.
O verbo consagrar (hagiazo) significa
apartar um lugar para Deus, fazê-lo
sagrado, oferecendo sacrifício nEle.
OO cristão foi dedicado e consagrado a
Deus por meio do sacrifício de Jesus
Cristo. Ser cristão é ser um homem ou
uma mulher por quem Jesus Cristo
morreu. Esse sacrifício de uma maneira
muito especial nos faz pertencer a Deus.
O(b) Descreve os cristãos como aqueles
que foram chamados para ser o povo
dedicado a Deus.
OTraduzimos com toda esta frase uma só
palavra grega – hagios, que geralmente
se traduz santos.
OEm nossos dias isto não nos dá a figura
correta. A palavra hagios descreve uma
coisa ou uma pessoa que foi dedicada à
possessão e ao serviço de Deus.
O(c) Paulo dirige sua carta àqueles que
foram chamados a ser santos com todos
os que em qualquer lugar invocam o
nome de nosso Senhor Jesus Cristo.
OO cristão foi chamado para fazer parte de
uma comunidade cujos limites abrangem
toda a terra e todo o céu.
OPertence a uma grande companhia.
Somos parte da Igreja de Deus que é tão
vasta como todo mundo.
Divisões na Igreja 1 – 4
O Era uma igreja facciosa e hostil.
O A Unidade do corpo de Cristo estava
abalada.
O 4 partidos: “Eu sou de Paulo... Apolo...
Cefas... Cristo (1:12).
O Estavam juntos na igreja, mas não
estavam unidos em Cristo.
O Paulo condena severamente a carnalidade
deles.
OPaulo – admiradores leais ao fundador
original da igreja local;
OApolo – admiradores de sua grande
eloquência;
OCefas (Pedro) – judeus tradicionalistas,
que se escudavam na autoridade do
primeiro líder do grupo apostólico;
OCristo – não queriam sujar as mãos com
aquelas desavenças, adotavam uma
atitude distante e de superioridade
espiritual.
OAo tratar de uni-los Paulo pede-lhes
que solucionem suas diferenças.
OPede-lhes que formem uma frente
única. Deseja que estejam bem
unidos.
OA palavra que usa é o termo médico
empregado para designar a união
dos ossos quando houve fratura, ou
quando se deslocou uma
articulação.
OPEDRA DE TROPEÇO PARA OS
JUDEUS E INSENSATEZ PARA OS
GENTIOS – 1.18 – 25
OO cristianismo parecia uma tolice aos
gentios cultos e aos judeus piedosos.
OPaulo (Is 29:14; 33:18) demonstra como a
sabedoria meramente humana está
destinada a falhar.
OCom toda sua sabedoria o mundo jamais
encontrou a Deus e ainda, tateando, o
estava buscando cegamente.
O (1) Pedra de tropeço por quê? Havia duas
razões:
O (a) Não podiam crer que alguém que tinha
morrido sobre uma cruz pudesse ser o
Ungido de Deus. (Dt 21:23). Para os judeus o
fato da crucificação, em lugar de provar que
Jesus era o filho de Deus, negava-o.
O (b) Os judeus buscavam sinais. Esperavam
que junto com a idade de ouro de Deus se
produzissem atos maravilhosos. A época em
que Paulo estava escrevendo produziu uma
série de falsos Messias, e todos eles tinham
enganado as pessoas com a promessa de que
ocorreriam atos grandiosos.
O (2) Para os gregos a mensagem era uma
tolice. Mais uma vez existem duas razões:
O (a) A primeira característica de Deus era a
apatheia. Significa mais que apatia, significa
incapacidade total de sentir. Os gregos
sustentavam que Deus não podia sentir.
O Sentir alegria ou tristeza, irritação ou tristeza
significava que o homem tinha influenciado a
Deus e que, portanto, era mais poderoso que
Ele.
O Assim pois, Deus deveria ser incapaz de sentir
todo sentimento e que nada pode afetá-lo
jamais.
OUm Deus que sofria era para os
gregos uma contradição. Plutarco
declarou que era um insulto
envolver a Deus nos assuntos
humanos. Deus estava
necessariamente desligado e
remoto.
OA própria idéia da encarnação, de
que Deus se transformasse em
homem, repugnava à mentalidade
grega.
O(b) Os gregos buscavam a
sabedoria. Originalmente a palavra
grega sofista significava sábio em
um bom sentido; mas chegou a
significar um homem com uma
mente inteligente e uma língua
ardilosa, um acrobata mental, um
homem que com uma retórica
brilhante e persuasiva podia fazer
com que o pior parecesse o melhor.
O A SUPREMA IMPORTÂNCIA DE DEUS – 3.1
– 9
OO homem espiritual (pneumatikos) pode
compreender as verdades espirituais, e
aquele que é psuchikos, cujos interesses,
fins e idéias não vão para além da vida
terrena ou física, portanto não pode
compreender a verdade espiritual. Agora
acusa os coríntios de ainda estarem na
etapa terrestre e física.
ONo versículo 1 os chama sarkinoi. Esta
palavra provém de sarx, que significa
carne.
OO problema era que os coríntios não eram
somente sarkinoi, mas sim também eram
sarkikoi, que significa dominado pela
carne.
OPara Paulo a carne significa muito mais que
a mera parte física. Para ele significa a
natureza humana separada de Deus,
essa parte tanto física como mental do
homem, que proporciona uma porta de
entrada ao pecado, que lhe dá uma
oportunidade e lhe obedece.
OPodemos dizer como são os reações
de um homem com Deus observando
suas relações com seu próximo.
OO homem de discórdias, competitivo,
discute tudo, problemático, poderá
concorrer à igreja diligentemente, até
poderá ter um cargo na igreja, mas não é
um homem de Deus.
OA unidade, relações que se distinguem
pelo amor, pela unidade e pela concórdia,
é o caminho para ser um homem de
Deus.
OSABEDORIA E INSENSATEZ – 3.16.23
O A Igreja é o templo de Deus porque é a
sociedade em que o Espírito de Deus
habita. Discórdia, luta e divisões
(sociedade, comunidade da Igreja)
destroem o templo de Deus em um duplo
sentido:
O (a) Fazem impossível o Espírito operar.
Nem bem a amargura entra na Igreja, o
amor vai embora.
O (b) Dividem a Igreja. Literalmente fazem que
o edifício da Igreja se desintegre.
OOS TRÊS JUÍZOS – 4.1 – 5
O Os coríntios se apropriaram dos líderes da Igreja
como se fossem seus amos, exerceram o juízo
sobre eles. De modo que Paulo fala dos três
juízos que todo homem deve enfrentar:
O (1) Deve enfrentar o ajuizamento dos que o
rodeiam.
O (2) Deve enfrentar o juízo de si mesmo.
O (3) Deve enfrentar o juízo de Deus. Este é o
único juízo verdadeiro. Somente Deus conhece
todas as circunstâncias; e conhece todas as
motivações do homem.
Imoralidade 5 – 7
O Incesto – havia na igreja um jovem
possuindo a madrasta. Nem a perversa
cidade de Corinto admitia tal perversidade
e a igreja tolerava – 5:1
O Paulo ordena a disciplina do jovem
imediatamente. Deveria ser “entregue a
satanás” 5.5
O Se diziam tão espirituais, mas sem
sabedoria e temor de Deus; o pecado
contamina a Igreja e gera confusão no
corpo de Cristo;
OA IGREJA E O MUNDO – 5.9 – 13
O Isto era destinado a aplicar-se aos
membros da Igreja, queria dizer que os
homens pecadores deviam ser
disciplinados, apartando-os da sociedade
da Igreja até que corrigissem sua conduta.
O Mas ao menos alguns dos coríntios creram
tratar-se de uma proibição absoluta, e é
obvio, tal proibição só podia cumprir-se
com a separação total do mundo.
O Não era a voz de Paulo: o cristianismo
deveria conviver no mundo.
OIRMÃOS PROCESSANDO IRMÃOS
O Havia crente levando crente na justiça
comum para resolver problemas da
igreja – 6:1
O Paulo vê isto como carnalidade;
O Eram tribunais pagãos julgando assuntos
do cristianismo.
O Onde estava o amor Cristão?
O O Exemplo de Cristo “porque não sofriam o
dano?” 6:7
O O crente deveria ser maduro e sacrificial.
OFORNICAÇÃO E PROSTITUIÇÃO
O Tinha membros da Igreja se envolvendo
com as prostitutas dos templos pagãos.
O Filosofia mundana: “...o corpo é mal, o
que vale é o Espírito...” – “...o que eu
faço no corpo não afeta a alma..!” – o
dualismo filosófico grego.
O A carne é má, o espírito é bom.
O Paulo lembra que o nosso corpo é
habitação do Espírito Santo – 6:19
O Código de ética cristã “...nem tudo que é
lícito, me convém...” 6:12
OTrês tipos de Pessoas
O (1) Os fornicários, aqueles que eram
culpados de degradação moral. Só o
cristianismo pode garantir a pureza.
O (2) Os avarentos e ambiciosos dos bens
deste mundo. Mais uma vez, só o
cristianismo pode destruir esse espírito.
O (3) Os idólatras. A idolatria antiga poderia
comparar-se com a superstição moderna.
Épocas tão interessadas em amuletos,
talismãs e objetos que trazem sorte, em
astrólogos e horóscopos.
Casamento e Divórcio 7
OO celibato voluntário é bom;
ODeus proveu o matrimônio para se
evitar relações sexuais ilícitas;
ONo casamento, cada cônjuge é
totalmente um do outro;
OCrente e incrédulo – se o incrédulo se
divorciar o cristão não está obrigado a
pedir reconciliação;
O1 Coríntios 7:3-7
OEsta passagem surge de uma
sugestão procedente de Corinto, que
dizia que se os casados queriam ser
realmente cristãos deviam abster-se
de manter relações sexuais.
OEsta é outra manifestação da linha de
pensamento que considerava o corpo
e todos seus instintos e desejos como
essencialmente pecaminosos.
OO casamento é uma sociedade.
OO marido não pode agir
independentemente de sua mulher, nem
esta de seu marido. Devem agir sempre
juntos.
OA esposa não é um meio para
gratificação.
OO casamento é uma relação tanto física
como espiritual, como algo no que
ambos encontram gratificação e a
satisfação mais plena de todos seus
desejos.
OPaulo parece menosprezar o casamento.
Este — sugere — não é um
mandamento ideal, é uma considerada
concessão à fraqueza humana. Preferiria
como ideal que todos fossem como ele.
Como era ele? Só podemos deduzi-lo.
O(1) Podemos estar bastante seguros que
em algum momento Paulo esteve
casado. Era um rabino e não tinha
faltado a nenhum dos deveres que a lei
e a tradição judias estabeleciam.
O(2) Há evidências de que Paulo tinha
estado casado em informações
particulares. Deve ter sido membro do
Sinédrio porque disse que tinha votado
contra os cristãos (Atos 26:10).
OTodos os membros do Sinédrio
deveriam ser casados, devido ao fato de
que se pensava que os homens
casados eram mais misericordiosos.
OTalvez viúvo? Ou tivesse abandonado e
destruído seu lar quando se fez cristão.
OO VÍNCULO QUE NÃO SE DEVE
ROMPER 7.8 -16
O(1) Refere-se aos solteiros ou aos
viúvos.
O(2) Refere-se àqueles que estão
casados.
O(3) Refere-se ao casamento de
crentes e não crentes. Uma das
primeiras acusações que surgiram
contra o cristianismo foi a de
"entremeter-se nas relações
domésticas" (1 Pedro 4:15.).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 Coríntios (3º estudo)
1 Coríntios (3º estudo)1 Coríntios (3º estudo)
1 Coríntios (3º estudo)
Daniel Junior
 
Filipenses (Estudo 2)
Filipenses (Estudo 2)Filipenses (Estudo 2)
Filipenses (Estudo 2)
Daniel Junior
 
Panorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2TimóteoPanorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2Timóteo
Respirando Deus
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2Coríntios
Respirando Deus
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
Jasiel Oliveira
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos Filipenses
UEPB
 
CURSO EETAD -
CURSO EETAD - CURSO EETAD -
Hebreus
HebreusHebreus
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
Respirando Deus
 
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Nehemias Santos
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
Daniel Junior
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
Respirando Deus
 
Panorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosPanorama do NT - Efésios
Panorama do NT - Efésios
Respirando Deus
 
Carta de tiago
Carta de tiagoCarta de tiago
Carta de tiago
Diana E Junior
 
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesPanorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - Colossenses
Respirando Deus
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Carta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossensesCarta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossenses
UEPB
 

Mais procurados (20)

1 Coríntios (3º estudo)
1 Coríntios (3º estudo)1 Coríntios (3º estudo)
1 Coríntios (3º estudo)
 
Filipenses (Estudo 2)
Filipenses (Estudo 2)Filipenses (Estudo 2)
Filipenses (Estudo 2)
 
Panorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2TimóteoPanorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2Timóteo
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2Coríntios
 
Carta aos efesios
Carta aos efesiosCarta aos efesios
Carta aos efesios
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos Filipenses
 
CURSO EETAD -
CURSO EETAD - CURSO EETAD -
CURSO EETAD -
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
Lição 9 - Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses.
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
 
Tito - Introdução
Tito - IntroduçãoTito - Introdução
Tito - Introdução
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
 
Panorama do NT - Efésios
Panorama do NT - EfésiosPanorama do NT - Efésios
Panorama do NT - Efésios
 
Carta de tiago
Carta de tiagoCarta de tiago
Carta de tiago
 
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
HERESIOLOGIA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
 
Panorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesPanorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - Colossenses
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Carta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossensesCarta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossenses
 

Destaque

Aula 4 gálatas e efésios
Aula 4   gálatas e efésiosAula 4   gálatas e efésios
Aula 4 gálatas e efésios
Pastor W. Costa
 
[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo
[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo
[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo
1234567c
 
Tp n° 1 tic chistopher toledo corregido
Tp n° 1 tic chistopher  toledo corregidoTp n° 1 tic chistopher  toledo corregido
Tp n° 1 tic chistopher toledo corregido
chistopher toledo
 
Profit plus roger mejia
Profit plus roger mejiaProfit plus roger mejia
Profit plus roger mejia
rogeraa
 
Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...
Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...
Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...
Association for Project Management
 
Tivitie Insights
Tivitie InsightsTivitie Insights
Tivitie Insights
Michelle Manimtim
 
Maximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programs
Maximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programsMaximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programs
Maximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programs
osuweedsci
 
Alexis Minkiewicz - Testigo
Alexis Minkiewicz - TestigoAlexis Minkiewicz - Testigo
Alexis Minkiewicz - Testigo
Pablo de Sousa
 
Ed modo
Ed modoEd modo
Obl presentation
Obl presentationObl presentation
Obl presentation
Muhammad Osama Yousuf
 
Fundamento del computador tarea 2
Fundamento del computador tarea 2Fundamento del computador tarea 2
Fundamento del computador tarea 2
pablo163
 
Web Development best practices
Web Development best practicesWeb Development best practices
Web Development best practices
Fadwa Gmiden
 
June 2016 - By Michael Heller
June 2016 - By Michael HellerJune 2016 - By Michael Heller
June 2016 - By Michael Heller
Michael Heller
 
Pull Production & Kanban Implementation Throughout the Supply
Pull Production & Kanban Implementation Throughout the SupplyPull Production & Kanban Implementation Throughout the Supply
Pull Production & Kanban Implementation Throughout the Supply
arsin1975
 
Lecture 9 key distribution and user authentication
Lecture 9 key distribution and user authentication Lecture 9 key distribution and user authentication
Lecture 9 key distribution and user authentication
rajakhurram
 
Funcionalismo - Epistemologia
Funcionalismo - EpistemologiaFuncionalismo - Epistemologia
Funcionalismo - Epistemologia
Julieth Palomino B.
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
Ali Kamal
 
Research on the NBFC industry
Research on the NBFC industry Research on the NBFC industry
Research on the NBFC industry
Nulaim Nuwaiz
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pastor W. Costa
 

Destaque (20)

Aula 4 gálatas e efésios
Aula 4   gálatas e efésiosAula 4   gálatas e efésios
Aula 4 gálatas e efésios
 
[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo
[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo
[基督山伯爵].Alexandre.dumas. .the.count.of.monte.cristo
 
Tp n° 1 tic chistopher toledo corregido
Tp n° 1 tic chistopher  toledo corregidoTp n° 1 tic chistopher  toledo corregido
Tp n° 1 tic chistopher toledo corregido
 
Profit plus roger mejia
Profit plus roger mejiaProfit plus roger mejia
Profit plus roger mejia
 
Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...
Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...
Shaping your portfolio to realise Organisational Strategy, APM Portfolio Mana...
 
Tivitie Insights
Tivitie InsightsTivitie Insights
Tivitie Insights
 
Maximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programs
Maximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programsMaximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programs
Maximize yield and Italian ryegrass control with 2-pass herbicide programs
 
Alexis Minkiewicz - Testigo
Alexis Minkiewicz - TestigoAlexis Minkiewicz - Testigo
Alexis Minkiewicz - Testigo
 
Ed modo
Ed modoEd modo
Ed modo
 
Obl presentation
Obl presentationObl presentation
Obl presentation
 
Fundamento del computador tarea 2
Fundamento del computador tarea 2Fundamento del computador tarea 2
Fundamento del computador tarea 2
 
Web Development best practices
Web Development best practicesWeb Development best practices
Web Development best practices
 
June 2016 - By Michael Heller
June 2016 - By Michael HellerJune 2016 - By Michael Heller
June 2016 - By Michael Heller
 
Pull Production & Kanban Implementation Throughout the Supply
Pull Production & Kanban Implementation Throughout the SupplyPull Production & Kanban Implementation Throughout the Supply
Pull Production & Kanban Implementation Throughout the Supply
 
Lecture 9 key distribution and user authentication
Lecture 9 key distribution and user authentication Lecture 9 key distribution and user authentication
Lecture 9 key distribution and user authentication
 
Funcionalismo - Epistemologia
Funcionalismo - EpistemologiaFuncionalismo - Epistemologia
Funcionalismo - Epistemologia
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Presentation1
Presentation1Presentation1
Presentation1
 
Research on the NBFC industry
Research on the NBFC industry Research on the NBFC industry
Research on the NBFC industry
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
 

Semelhante a Aula 2 1 Coríntios

IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSIBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
Rubens Sohn
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
Pastor Natalino Das Neves
 
Estudo Bíblico de I Corintios
Estudo Bíblico de I CorintiosEstudo Bíblico de I Corintios
Estudo Bíblico de I Corintios
UEPB
 
I Corintios Inicio
 I Corintios Inicio I Corintios Inicio
I Corintios Inicio
UEPB
 
Continuação da Análise de I Corintios
Continuação da Análise de I CorintiosContinuação da Análise de I Corintios
Continuação da Análise de I Corintios
UEPB
 
Bíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos Coríntios
Bíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos CoríntiosBíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos Coríntios
Bíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos Coríntios
Fagner25
 
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.DResumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
Konker Labs
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento
Construção Edificações
 
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Natalino das Neves Neves
 
36 colossenses
36 colossenses36 colossenses
36 colossenses
PIB Penha
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
Joel Silva
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
Joel Silva
 
34 efésios
34 efésios34 efésios
34 efésios
PIB Penha
 
Panorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1CorintiosPanorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1Corintios
ssusere39624
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Natalino das Neves Neves
 
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintiosEstudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Jose Emerson Barbosa da Silva
 
PPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptx
PPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptxPPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptx
PPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptx
ssuserbf334e
 
2021 2º trimestre jovem - lição 03
2021   2º trimestre jovem - lição 032021   2º trimestre jovem - lição 03
2021 2º trimestre jovem - lição 03
Joel Silva
 

Semelhante a Aula 2 1 Coríntios (20)

IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOSIBADEP BASICO -  EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS  AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
IBADEP BASICO - EPISTOLAS PAULINAS E GERAIS AULA2 - 1 e 2 CORINTIOS
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de CorintoPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 1 - A Primeira Carta de Paulo à igreja de Corinto
 
Estudo Bíblico de I Corintios
Estudo Bíblico de I CorintiosEstudo Bíblico de I Corintios
Estudo Bíblico de I Corintios
 
I Corintios Inicio
 I Corintios Inicio I Corintios Inicio
I Corintios Inicio
 
Continuação da Análise de I Corintios
Continuação da Análise de I CorintiosContinuação da Análise de I Corintios
Continuação da Análise de I Corintios
 
Bíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos Coríntios
Bíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos CoríntiosBíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos Coríntios
Bíblia: Cartas Paulinas: Segunda Carta aos Coríntios
 
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.DResumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
Resumo Das Lições do II Trimestre E.B.D
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
 
Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento
 
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
Prostituição. a Perversão da Sexualidade_2019 LBJ 2 TRI Lição 7
 
36 colossenses
36 colossenses36 colossenses
36 colossenses
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
 
34 efésios
34 efésios34 efésios
34 efésios
 
Panorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1CorintiosPanorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1Corintios
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
 
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintiosEstudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
 
PPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptx
PPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptxPPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptx
PPT TBNT REVISÃO ESCRITOS PAULINOS 1.pptx
 
2021 2º trimestre jovem - lição 03
2021   2º trimestre jovem - lição 032021   2º trimestre jovem - lição 03
2021 2º trimestre jovem - lição 03
 

Mais de Pastor W. Costa

PPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdfPPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdf
Pastor W. Costa
 
Proféticos 5 Daniel
Proféticos 5   DanielProféticos 5   Daniel
Proféticos 5 Daniel
Pastor W. Costa
 
Proféticos 4 Ezequiel
Proféticos 4   EzequielProféticos 4   Ezequiel
Proféticos 4 Ezequiel
Pastor W. Costa
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
Pastor W. Costa
 
Proféticos 2 Jeremias
Proféticos 2   JeremiasProféticos 2   Jeremias
Proféticos 2 Jeremias
Pastor W. Costa
 
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Proféticos 1   Introdução e IsaíasProféticos 1   Introdução e Isaías
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
Pastor W. Costa
 
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
Pastor W. Costa
 
Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05
Pastor W. Costa
 
A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01
Pastor W. Costa
 
Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03
Pastor W. Costa
 

Mais de Pastor W. Costa (20)

PPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdfPPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdf
 
Proféticos 5 Daniel
Proféticos 5   DanielProféticos 5   Daniel
Proféticos 5 Daniel
 
Proféticos 4 Ezequiel
Proféticos 4   EzequielProféticos 4   Ezequiel
Proféticos 4 Ezequiel
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
 
Proféticos 2 Jeremias
Proféticos 2   JeremiasProféticos 2   Jeremias
Proféticos 2 Jeremias
 
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Proféticos 1   Introdução e IsaíasProféticos 1   Introdução e Isaías
Proféticos 1 Introdução e Isaías
 
PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07
 
PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06
 
PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05
 
PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04
 
PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03
 
PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
 
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04
 
Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
 
Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05
 
A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01
 
Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03
 

Último

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

Aula 2 1 Coríntios

  • 3. INTRODUÇÃO Problemas Eclesiásticos: • A primeira epístola de Paulo aos Coríntios demonstra o fato que condições lamentáveis na Igreja não são um apanágio exclusivo da Igreja primitiva. • Crenças e práticas aberrantes, variáveis e vulgares, floresciam na igreja de Corinto. Tentando resolver esses problemas foi que Paulo escreveu esta epístola.
  • 4. OI Co 5.9 dá-nos a entender que Paulo já havia escrito uma epístola anterior à igreja de Corinto, mas que depois se perdeu. OA Primeira Epístola aos Coríntios, é então, a segunda.
  • 5. O Primeira: (I Co 5.9) que chegou ao destino, mas não foi introduzida no Cânon, ou extraviou- se. O Segunda: Escrita por Paulo, seria a nossa Primeira Epístola (I Coríntios). O Terceira: (A carta pesada, severa ou chorosa: II Co. 2.4,7,8) - Não foi incluída no Cânon do NT, ou extraviou-se e assim a II Epístola (ou carta), que temos em mãos seria a Quarta. O Quarta: A II carta que temos em mãos seria a quarta de Paulo à Igreja em Corinto.
  • 6. Autoria e Data OProvavelmente entre 55 a 56 d.C. OPlantada na cidade de Corinto pelo próprio apóstolo Paulo (4.15), Que é o autor da carta, 1.1
  • 7.  A Primeira Epístola aos Coríntios foi escrita durante seu ministério de três anos em Éfeso (At 20.31), na sua terceira viagem missionária (At 18.23 – 21.26).  Paulo soube em Éfeso dos problemas de Corinto (1.11);  Uma delegação da congregação em Corinto (16.17) entregou uma carta a Paulo, em que lhe pediam instruções sobre vários assuntos (7.1; 8.1)
  • 8. Propósito • É duplo: (1º) relatórios orais provenientes dos familiares de Clóe, acerca das desavenças havidas na igreja (1.11); (2º) a chegada de uma delegação da parte da igreja de corinto – Estéfanas, Fortunato e Acaio e uma carta solicitando o parecer de Paulo sobre os diversos problemas, aos quais ele aborda na Epístola.
  • 9. OTratar dos problemas da Igreja de Corinto; OPecados não resolvidos na Igreja, porém, muito sérios para o Apóstolo; OAconselhar e doutrinar sobre variados assuntos: doutrinários, etiqueta, conduta moral e pureza OTanto foco individual quanto coletivo.
  • 10. Palavras - Chaves O Desunião O Matrimônio O Ceia do Senhor O Dons Espirituais O Ressurreição O Coleta
  • 11. A igreja primitiva não era tão perfeita como se imagina; Pecado, falsas doutrinas, dúvidas, disputas políticas, imoralidade, etc. são o pano de fundo do ambiente eclesiástico na época.
  • 12. A cidade de Corinto O Corinto, rica cidade portuária (possuía dois portos: Cencréia, que distava 14 km a leste, e Lequeia, que distava 2,5 km a oeste) capital da província da Acaia, foi reconstruída pelos romanos em 44 a.C O Era um grande centro comercial, que se orgulhava de sua cultura, arquitetura e obras de arte. O Era cidade tremendamente idólatra e lasciva perversa
  • 13. A igreja em Corinto OAt.18. Fundada na 2ª Viagem missionária, por volta do ano 50 d.C. Paulo Ficou cerca de 1 ano e meio pregando e ensinando; A Igreja nasceu na casa do casal Áquila e Priscila;
  • 14. OO longo tempo de Paulo ensinando ali não gerou maturidade espiritual nos membros. OEles eram “crianças em Cristo” (3:1) OCresceu no seio da igreja uma quantidade enorme de problemas sérios, tais como: Divisão na igreja, abusos dos sacramentos, problemas morais, desordem no culto, mal uso dos dons espirituais, etc.
  • 15. OA Igreja em Corinto era formada de: OGregos OEx - escravos da Itália OVeteranos do exército romano OEmpresários OOficiais do Governo OGente do Oriente Próximo OJudeus OEscravos OEx - Prostitutas dos templos pagãos
  • 16. OPAULO DIZ TRÊS COISAS SOBRE O CRISTÃO. O(a) Está consagrado em Jesus Cristo. O verbo consagrar (hagiazo) significa apartar um lugar para Deus, fazê-lo sagrado, oferecendo sacrifício nEle. OO cristão foi dedicado e consagrado a Deus por meio do sacrifício de Jesus Cristo. Ser cristão é ser um homem ou uma mulher por quem Jesus Cristo morreu. Esse sacrifício de uma maneira muito especial nos faz pertencer a Deus.
  • 17. O(b) Descreve os cristãos como aqueles que foram chamados para ser o povo dedicado a Deus. OTraduzimos com toda esta frase uma só palavra grega – hagios, que geralmente se traduz santos. OEm nossos dias isto não nos dá a figura correta. A palavra hagios descreve uma coisa ou uma pessoa que foi dedicada à possessão e ao serviço de Deus.
  • 18. O(c) Paulo dirige sua carta àqueles que foram chamados a ser santos com todos os que em qualquer lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo. OO cristão foi chamado para fazer parte de uma comunidade cujos limites abrangem toda a terra e todo o céu. OPertence a uma grande companhia. Somos parte da Igreja de Deus que é tão vasta como todo mundo.
  • 19. Divisões na Igreja 1 – 4 O Era uma igreja facciosa e hostil. O A Unidade do corpo de Cristo estava abalada. O 4 partidos: “Eu sou de Paulo... Apolo... Cefas... Cristo (1:12). O Estavam juntos na igreja, mas não estavam unidos em Cristo. O Paulo condena severamente a carnalidade deles.
  • 20. OPaulo – admiradores leais ao fundador original da igreja local; OApolo – admiradores de sua grande eloquência; OCefas (Pedro) – judeus tradicionalistas, que se escudavam na autoridade do primeiro líder do grupo apostólico; OCristo – não queriam sujar as mãos com aquelas desavenças, adotavam uma atitude distante e de superioridade espiritual.
  • 21. OAo tratar de uni-los Paulo pede-lhes que solucionem suas diferenças. OPede-lhes que formem uma frente única. Deseja que estejam bem unidos. OA palavra que usa é o termo médico empregado para designar a união dos ossos quando houve fratura, ou quando se deslocou uma articulação.
  • 22. OPEDRA DE TROPEÇO PARA OS JUDEUS E INSENSATEZ PARA OS GENTIOS – 1.18 – 25 OO cristianismo parecia uma tolice aos gentios cultos e aos judeus piedosos. OPaulo (Is 29:14; 33:18) demonstra como a sabedoria meramente humana está destinada a falhar. OCom toda sua sabedoria o mundo jamais encontrou a Deus e ainda, tateando, o estava buscando cegamente.
  • 23. O (1) Pedra de tropeço por quê? Havia duas razões: O (a) Não podiam crer que alguém que tinha morrido sobre uma cruz pudesse ser o Ungido de Deus. (Dt 21:23). Para os judeus o fato da crucificação, em lugar de provar que Jesus era o filho de Deus, negava-o. O (b) Os judeus buscavam sinais. Esperavam que junto com a idade de ouro de Deus se produzissem atos maravilhosos. A época em que Paulo estava escrevendo produziu uma série de falsos Messias, e todos eles tinham enganado as pessoas com a promessa de que ocorreriam atos grandiosos.
  • 24. O (2) Para os gregos a mensagem era uma tolice. Mais uma vez existem duas razões: O (a) A primeira característica de Deus era a apatheia. Significa mais que apatia, significa incapacidade total de sentir. Os gregos sustentavam que Deus não podia sentir. O Sentir alegria ou tristeza, irritação ou tristeza significava que o homem tinha influenciado a Deus e que, portanto, era mais poderoso que Ele. O Assim pois, Deus deveria ser incapaz de sentir todo sentimento e que nada pode afetá-lo jamais.
  • 25. OUm Deus que sofria era para os gregos uma contradição. Plutarco declarou que era um insulto envolver a Deus nos assuntos humanos. Deus estava necessariamente desligado e remoto. OA própria idéia da encarnação, de que Deus se transformasse em homem, repugnava à mentalidade grega.
  • 26. O(b) Os gregos buscavam a sabedoria. Originalmente a palavra grega sofista significava sábio em um bom sentido; mas chegou a significar um homem com uma mente inteligente e uma língua ardilosa, um acrobata mental, um homem que com uma retórica brilhante e persuasiva podia fazer com que o pior parecesse o melhor.
  • 27. O A SUPREMA IMPORTÂNCIA DE DEUS – 3.1 – 9 OO homem espiritual (pneumatikos) pode compreender as verdades espirituais, e aquele que é psuchikos, cujos interesses, fins e idéias não vão para além da vida terrena ou física, portanto não pode compreender a verdade espiritual. Agora acusa os coríntios de ainda estarem na etapa terrestre e física. ONo versículo 1 os chama sarkinoi. Esta palavra provém de sarx, que significa carne.
  • 28. OO problema era que os coríntios não eram somente sarkinoi, mas sim também eram sarkikoi, que significa dominado pela carne. OPara Paulo a carne significa muito mais que a mera parte física. Para ele significa a natureza humana separada de Deus, essa parte tanto física como mental do homem, que proporciona uma porta de entrada ao pecado, que lhe dá uma oportunidade e lhe obedece.
  • 29. OPodemos dizer como são os reações de um homem com Deus observando suas relações com seu próximo. OO homem de discórdias, competitivo, discute tudo, problemático, poderá concorrer à igreja diligentemente, até poderá ter um cargo na igreja, mas não é um homem de Deus. OA unidade, relações que se distinguem pelo amor, pela unidade e pela concórdia, é o caminho para ser um homem de Deus.
  • 30. OSABEDORIA E INSENSATEZ – 3.16.23 O A Igreja é o templo de Deus porque é a sociedade em que o Espírito de Deus habita. Discórdia, luta e divisões (sociedade, comunidade da Igreja) destroem o templo de Deus em um duplo sentido: O (a) Fazem impossível o Espírito operar. Nem bem a amargura entra na Igreja, o amor vai embora. O (b) Dividem a Igreja. Literalmente fazem que o edifício da Igreja se desintegre.
  • 31. OOS TRÊS JUÍZOS – 4.1 – 5 O Os coríntios se apropriaram dos líderes da Igreja como se fossem seus amos, exerceram o juízo sobre eles. De modo que Paulo fala dos três juízos que todo homem deve enfrentar: O (1) Deve enfrentar o ajuizamento dos que o rodeiam. O (2) Deve enfrentar o juízo de si mesmo. O (3) Deve enfrentar o juízo de Deus. Este é o único juízo verdadeiro. Somente Deus conhece todas as circunstâncias; e conhece todas as motivações do homem.
  • 32. Imoralidade 5 – 7 O Incesto – havia na igreja um jovem possuindo a madrasta. Nem a perversa cidade de Corinto admitia tal perversidade e a igreja tolerava – 5:1 O Paulo ordena a disciplina do jovem imediatamente. Deveria ser “entregue a satanás” 5.5 O Se diziam tão espirituais, mas sem sabedoria e temor de Deus; o pecado contamina a Igreja e gera confusão no corpo de Cristo;
  • 33. OA IGREJA E O MUNDO – 5.9 – 13 O Isto era destinado a aplicar-se aos membros da Igreja, queria dizer que os homens pecadores deviam ser disciplinados, apartando-os da sociedade da Igreja até que corrigissem sua conduta. O Mas ao menos alguns dos coríntios creram tratar-se de uma proibição absoluta, e é obvio, tal proibição só podia cumprir-se com a separação total do mundo. O Não era a voz de Paulo: o cristianismo deveria conviver no mundo.
  • 34. OIRMÃOS PROCESSANDO IRMÃOS O Havia crente levando crente na justiça comum para resolver problemas da igreja – 6:1 O Paulo vê isto como carnalidade; O Eram tribunais pagãos julgando assuntos do cristianismo. O Onde estava o amor Cristão? O O Exemplo de Cristo “porque não sofriam o dano?” 6:7 O O crente deveria ser maduro e sacrificial.
  • 35. OFORNICAÇÃO E PROSTITUIÇÃO O Tinha membros da Igreja se envolvendo com as prostitutas dos templos pagãos. O Filosofia mundana: “...o corpo é mal, o que vale é o Espírito...” – “...o que eu faço no corpo não afeta a alma..!” – o dualismo filosófico grego. O A carne é má, o espírito é bom. O Paulo lembra que o nosso corpo é habitação do Espírito Santo – 6:19 O Código de ética cristã “...nem tudo que é lícito, me convém...” 6:12
  • 36. OTrês tipos de Pessoas O (1) Os fornicários, aqueles que eram culpados de degradação moral. Só o cristianismo pode garantir a pureza. O (2) Os avarentos e ambiciosos dos bens deste mundo. Mais uma vez, só o cristianismo pode destruir esse espírito. O (3) Os idólatras. A idolatria antiga poderia comparar-se com a superstição moderna. Épocas tão interessadas em amuletos, talismãs e objetos que trazem sorte, em astrólogos e horóscopos.
  • 37. Casamento e Divórcio 7 OO celibato voluntário é bom; ODeus proveu o matrimônio para se evitar relações sexuais ilícitas; ONo casamento, cada cônjuge é totalmente um do outro; OCrente e incrédulo – se o incrédulo se divorciar o cristão não está obrigado a pedir reconciliação;
  • 38. O1 Coríntios 7:3-7 OEsta passagem surge de uma sugestão procedente de Corinto, que dizia que se os casados queriam ser realmente cristãos deviam abster-se de manter relações sexuais. OEsta é outra manifestação da linha de pensamento que considerava o corpo e todos seus instintos e desejos como essencialmente pecaminosos.
  • 39. OO casamento é uma sociedade. OO marido não pode agir independentemente de sua mulher, nem esta de seu marido. Devem agir sempre juntos. OA esposa não é um meio para gratificação. OO casamento é uma relação tanto física como espiritual, como algo no que ambos encontram gratificação e a satisfação mais plena de todos seus desejos.
  • 40. OPaulo parece menosprezar o casamento. Este — sugere — não é um mandamento ideal, é uma considerada concessão à fraqueza humana. Preferiria como ideal que todos fossem como ele. Como era ele? Só podemos deduzi-lo. O(1) Podemos estar bastante seguros que em algum momento Paulo esteve casado. Era um rabino e não tinha faltado a nenhum dos deveres que a lei e a tradição judias estabeleciam.
  • 41. O(2) Há evidências de que Paulo tinha estado casado em informações particulares. Deve ter sido membro do Sinédrio porque disse que tinha votado contra os cristãos (Atos 26:10). OTodos os membros do Sinédrio deveriam ser casados, devido ao fato de que se pensava que os homens casados eram mais misericordiosos. OTalvez viúvo? Ou tivesse abandonado e destruído seu lar quando se fez cristão.
  • 42. OO VÍNCULO QUE NÃO SE DEVE ROMPER 7.8 -16 O(1) Refere-se aos solteiros ou aos viúvos. O(2) Refere-se àqueles que estão casados. O(3) Refere-se ao casamento de crentes e não crentes. Uma das primeiras acusações que surgiram contra o cristianismo foi a de "entremeter-se nas relações domésticas" (1 Pedro 4:15.).