Carta de Paulo aos Filipenses

6.868 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.868
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
178
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
233
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carta de Paulo aos Filipenses

  1. 1.
  2. 2. Carta de Paulo aos Filipenses<br />
  3. 3. Filipenses<br />Autor: Paulo, o apóstolo.<br />Data: Incerta, provavelmente entre os anos 60-64 d.C.<br />Em Roma<br />
  4. 4. A Igreja em Filipenses era uma igreja ideal em<br />Muitos sentidos, era agradecida e bondosa.<br /><ul><li>Citações: Filipenses 4:15-16</li></ul> II Corintios 8:2<br />Foi fundada por Paulo, em sua segunda viagem missionária, em meio a uma tempestade de perseguições. Os começos da obra se limitavam a umas poucas mulheres que se reunião perto do rio. Lídia, uma vendedora de púrpura, foi a primeira convertida, mas logo se uniram a ela o carcereiro de Filipos e sua família. Estes, e talvez um pouco mais, se converteram no núcleo da igreja. Conforme Atos 16:12-40.<br />
  5. 5. Características da Carta aos Filipenses<br />Esta é uma carta de amor espiritual à igreja, cheia de entranhável <br />carinho, amor e gratidão. Escrita em circunstâncias difíceis<br />Enquanto Paulo estava prisioneiro. A carta ressalta a vitória e o<br />Gozo (alegria) Gozo na oração, 1.4, no evangelho 1.18,na<br /> comunhão cristã 2.1-2, nos sacrifícios pela causa, 2.17-18, no <br />Senhor 3.1, no cuidado estranhável pela igreja, 4.10.<br />Mensagem Central: Jesus Cristo<br />
  6. 6. Capítulo 1:<br />Como a fonte de fruto espiritual, v 11;<br />(2) Como o tema da Pregação, v 18;<br />(3) Como a motivação maior do Serviço Cristão, v 20-21.<br />Capitulo 2:<br />(4) Ao exibir o único espírito e exemplo perfeitos, v 5-11.<br />Capítulo 3:<br />(5) O conhecimento de quem é o supremo prêmio pelo o qual lutar na vida, v 7-14.<br />(6) A cuja aparência dos corpos dos crentes serão semelhantes, v 20-21.<br />
  7. 7. Capítulo 4<br />(7) Cujo poder é limitado na vida do crente, v 13.<br />(8) Quem é o canal de provisões divinas para cada necessidade,<br /> v 19.<br /><ul><li>A saudação, v 1-7</li></ul>Uma declaração pessoal do apóstolo de sua vida interior e de<br />Sua atitude perante a Igreja.<br />(a) Seu interesse profundo pelo seu desenvolvimento <br />Espiritual, v 8-11.<br />(b) A certeza de que suas cadeias tem sido uma bênção<br />Para muitos, v 12-19.<br />(c) Sua esperança e seu desejo de que, qualquer que seja <br />O resultado de seu encarceramento, Cristo seria exaltado <br />Pela sua vida ou pela sua morte, v 20.<br />
  8. 8. (d) Sua compreensão de benção da morte para o crente.Não obstante , ao sentir que sua obra não estava terminada, esperava visitar a igreja em Filipenses uma vez mais, v 21-25. (e) Seu interesse principal é pela fidelidade da igreja em meio a perseguição de que é objeto, v 27-30.<br />
  9. 9. Capítulo2(3) Exortações acerca da vida e do caráter cristãos.<br />(a)A unidade, a humildade e o esquecimento de si mesmo, v 1-4.<br /> (b) Buscar a mente de Cristo, v 5-13.<br /> (C) Cooperar com Deus, ocupando-nos de nossa salvação pessoal, e a viver como seus filhos irrepreensíveis num mundo de maldade, v 12-16.<br />
  10. 10. Recomendação do apóstolo e de seus mensageiros, <br /> Timóteo e Epafrodito, v 19-30.<br /> Capítulo 3<br />(5) Advertencias contra os judaizantes, <br />V 1-3.<br />(6) Narrativas das experiências do apóstolo.<br />Um judeu privilegiado e fervoroso, v 4-9.<br />Sua ambição suprema era Cristo, v 10-14.<br />Outras exortações à Igreja: <br />Seguir o exemplo apostólico, v 15-17.<br />Ter cuidado dos inimigos da cruz, v 18-19.<br />Ser cidadãos dos céus, e esperar uma grande transformação na vinda do Senhor, v 20-21.<br />
  11. 11. Capítulo 4<br />(d) Manter a firmeza, a unidade, a ajuda, a gentileza, estar livres do afã, orar e elevar a maneira de pensar, v 1-8.<br />(8) Palavras finais de apreço, uma provisão divina para cada necessidade; as saudações e a benção, v 10-23.<br />
  12. 12.
  13. 13. E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior avanço do evangelho, de maneira que as minhas cadeias em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a guarda pretoriana e de todos os demais, muitos dos irmãos no Senhor, tomando ânimo com as minhas cadeias ousam falar a palavra mais ousadamente, sem temor. Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros, de boa mente... Aqueles contudo que anunciam a cristo, por contenda, não sinceramente... Mas que importa? Contando que Cristo, de qualquer modo seja anunciado, ou por pretexto ou de verdade, nisto me regozijo. Filipenses 1:12-18.<br />
  14. 14.
  15. 15. Acesse e siga...<br />http://mergulhandonapalavracampinagrande.blogspot.com/<br />

×