SlideShare uma empresa Scribd logo
Tuberculose Pulmonar
em Pediatria
Mônica de Cássia Firmida
TUBERCULOSE PULMONAR
EM PEDIATRIA
Tuberculose (TB) é a infecção crônica de maior prevalência no mundo.
1/3 da população infectada pelo M. tuberculosis.
9 milhões de casos novo/ano.
2 milhões de óbitos por ano (1 a cada 3 minutos!).
OMS, 1993: TB=Estado de emergência.
2000: Plano Global para o Controle da Tuberculose (STOP TB).
STOP TB: Metas até 2005 – Diagnosticar 70% das pessoas com TB e curar
pelo menos 85% dos diagnosticados.
OMS. Guidance… children, 2006. http://whqlibdoc.who.int/hq/2006/WHO_HTM_TB_2006.371_eng.pdf
OMS. Relatório 2009: http://www.who.int/tb/publications/global_report/2009/en/index.html
RUFFINO-NETO, A. Rev Soc Bras Med Trop, 35(1): 51-58, jan-fev, 2002.
STOP TB PATERNSHIP: www.stoptb.org/about Acesso em 20/nov/2014.
Introdução e epidemiologia
METAS PARA 2015
•A incidência de tuberculose deve ir caindo até 2015.
•As taxas de prevalência e mortalidade devem cair pela metade em
comparação com 1990.
•Pelo menos 70% dos casos novos, bacilíferos, devem ser detectados e tratados
em programa de tratamento supervisionado (DOTS).
•O sucesso terapêutico deve ser de pelo menos 85% nos bacilíferos incidentes.
http://www.stoptb.org/globalplan/assets/documents/GlobalPlanFinal.pdf
 A tuberculose (TB) continua sendo um dos principais problemas de saúde do
mundo.
 Estima-se que em 2013:
 9 milhões de pessoas desenvolveram TB; 1, 1 milhoes delas HIV+.
 1,5 milhões de pessoas faleceram desta doença; 360.000 HIV+.
 60% das mortes foram de homens.
 510 mil mulheres morreram de TB; principal causa de morte em mulheres na
idade reprodutiva.
 O sucesso terapêutico foi de 86%.
 3,5% dos casos novos e 20,5% dos retratamentos foram TB MDR.
 Aproximadamente 9% dos TB MDR eram TB XDR.
WHO Global Report 2014
http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
 Global Plan - Quanto as metas do milênio para 2015
 A redução da incidência foi atingida nas 6 regiões na maioria dos 22
países de alta prevalência; queda de 1,5% ao ano entre 2000 e 2013;
 A prevalência diminuiu 41% no mesmo período.
 A mortalidade por TB diminuiu 45% desde 1990.
 É preciso acelerar o progresso para atingir as metas (50%) até 2015.
 Duas das seis regiões atingiram as metas de redução da incidência,
prevalência e mortalidade: Américas e Região do Pacífico Ocidental.
WHO Global Report 2014
http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
Países em desenvolvimento
•75% dos infectados
•95% do s casos novos/ano
•Mais de 98% do total de óbitos
por TB/ano
•Infectados: 75- 80% têm <50
anos de idade.
•Risco anual de infecção 10 a 50
vezes maior
Países desenvolvidos
•25% dos infectados
•5% dos casos novos
•1,38% dos óbitos por TB
•Infectados: 80% têm >= 50
anos de idade.
•Casos geralmente são
reativação endógena
In: TARANTINO A. B. Doenças Pulmonares, 6a ed, 2008
Cerca de 2 bilhões (1/3 da população) de infectados pelo M. tuberculosis
Panorama Global da Tuberculose
TB no Brasil
 80 a 90 mil casos novos/ano (72 mil notificados em 2009).
 Mais 15 mil de retratamento (recidiva ou abandono)
 Gênero masculino (2:1)
 Grupo etário de 45 a 59 anos
 Co-infecção TB-HIV: 6,2% (destaques RS, SC, SP)
 Cura (2006): 73% casos novos; 57% HIV
 Abandono (2006): 9% casos novos; 14% HIV
 O estado de São Paulo tem o maior número de casos absolutos e o do Rio
de Janeiro tem o maior coeficiente de incidência (Sinan).
Causa de morte (2008): quarta por doenças infecciosas e primeira na
população com AIDS
HIJJAR, MA e cols, Pulmão RJ, 2005
DIRETRIZES BRAS. DE TB, 2009
Manual de Controle da TB MS, 2011
TB no Rio de Janeiro
 O RJ é o estado de maior incidência de TB no país.
Incidência (diagnóstico): 14.505 casos novos; 72/100.000 hab.
 Mortalidade: 4,6/100.000 hab.
 DOTS: 42,6%
 Cura: 65,7%%, abandono 12,5% ,
 Retratamento (risco para TB MDR): 20%.
 Testagem anti HIV: solicitada em 75,3%; realizada em 63,8%.
PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
Distribuição, por município, da incidência e casos novos TB notificados
no Estado do Rio de Janeiro, no ano 2012.
PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
Cinco municípios têm incidência muito alta, de 81 ou mais casos /
100 mil habitantes, quatro destes são da região metropolitana I:
São João de Meriti, Rio de Janeiro, Japeri e Duque de Caxias.
Os 14 municípios de maior carga das regiões metropolitanas,
respondem por cerca de 86 % dos casos do estado.
PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
TBMR e
XDR
PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
TB em Pediatria
1 milhão de casos/ano (11% do total) ocorrem em menores de 15 anos.
75% destes casos ocorrem nos 22 países principais.
Acometimento de crianças nos países varia de 3 a 25%.
Só a partir de 2006, a OMS passou a estabelecer normas e condutas
específicas para crianças.
Estudos epidemiológicos são difíceis nesta faixa etária.
Em 2013, 550 mil crianças tiveram tuberculose e 80.000 sem HIV
morreram de TB.
WHO. Guidance… for children, 2006.
http://whqlibdoc.who.int/hq/2006/WHO_HTM_TB_2006.371_eng.pdf
WHO. Guidance… for children, 2014. http://www.who.int/tb/publications/childtb_guidelines/en/
WHO Global Report 2014 http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
Como a TB da criança difere do adulto?
• Em países com TB endêmica as crianças adoecem predominantemente
entre 1 e 4 anos de idade.
• A doença surge principalmente no primeiro ano após a primoinfecção.
• TB pulmonar é a mais comum.
• Extrapulmonar ocorre em 30-40% dos casos.
• Crianças pequenas, principalmente as menores de 1 ano, têm maior risco
de apresentar doença grave, disseminada, com alta morbimortalidade.
• Em lactentes o tempo entre a infecção e a doença pode ser mais curto e a
apresentação pode ser mais aguda.
• Adolescentes também têm risco maior de adoecer, apresentando
geralmente o padrão de doença do adulto.
• Crianças, especialmente as mais velhas e adolescentes, podem ser
infectantes embora a maioria não seja.
• Tuberculose na criança é um indicador de transmissão do M. tuberculosis
na comunidade.
Guidance for national programmes on the management of tuberculosis in children. WHO, 2014
TB em adolescentes
• Grupo de risco com particularidades
• Geralmente pouco priorizado em guidelines.
• TB e TB/HIV em adolescentes é bem semelhante ao adulto.
• Vulnerabilidade maior por: questões psicossociais, autonomia
e aderência, transição nos serviços de saúde de criança para
de adultos.
Guidance for national programmes on the management of tuberculosis in children. WHO, 2014
 Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch, 1882 ), M. bovis, M.
africanum.
 Bacilo Gram positivo, obrigatoriamente aeróbio, de crescimento lento.
 Resistência à descoloração pelo etanol, associado ao ácido clorídrico
(BAAR), devida à sua parede celular de conteúdo lipídico.
 Aparece vermelho na fixação com fucsina (método de Ziehl-Nielsen),
em agrupamentos formando ramos alongados e tortuosos.
Controle da Tuberculose. Uma proposta de integração ensino-serviço,. MIN. SAÚDE, 5a ed, 2002.
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ensino_servico.pdf
Etiologia
A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa através do ar.
TB:ETIOPATOGENIAECLÍNICA
Transmissão e Patogenia
INFECÇÃO PULMONAR
 Bacilífero → gotículas de Flügge / núcleos de Wells→ aspiração →
infecção pulmonar → reação inflamatória inespecífica
 Segunda semana: resposta celular (linfócitos)→ cancro de
inoculação tuberculoso ( foco de Ghon ou nódulo de Parrot-Küss-
Ghon)→ tuberculoma ( lesão anátomo - patológica).
Esta lesão se forma no córtex pulmonar, subpleuralmente. Seu tamanho
varia de um foco microscópico até o comprometimento de um lobo
pulmonar, na dependência do número e da virulência dos bacilos e da
resistência natural do indivíduo.
Primoinfecção tuberculosa
 Décima semana: necrose caseosa central.
 Aumento da população bacilar → linfáticos → gânglios satélites →
mediastino (complexo primário)
Circulação por via linfática ou por capilares.
 As lesões primárias, em geral (95%), regridem e curam SEM DOENÇA
e com PPD REATOR (sensibilidade tardia).
 Regressão dos processos inflamatórios: reabsorção completa (sem
necrose) ou calcificação (necrose).
Sugestão de Vídeo (em inglês): https://www.youtube.com/watch?v=kHDS42fr17A
The natural history and spectrum of tuberculosis. (Adapted from a sketch provided by Professor R.K. IN:
Kumar: Robbins and Cotran Pathologic Basis of Disease, Professional Edition , 8th ed, 2009)
 Ocorre em 5% dos casos, seguindo a primo-infecção.
 Até 5 anos após a primo-infecção.
 Grupos de Risco
 Característica da tuberculose da criança.
 Formas: pulmonar (90%) e extra-pulmonar.
Tuberculose primária
Tuberculose na Criança
Manifestações clínicas
SINTOMAS TÍPICOS
 Tosse, especialmente se persistente, sem melhora.
 Perda de peso ou ganho ponderal inadequado.
 Febre e/ou sudorese noturna
 Fadiga, menor atividade, menos interesse por brincar
Especialmente se os sintomas persistem (>2-3semanas) apesar de
tratamentos específicos
A doença pode ser mais grave e apresentar início agudo em lactentes e
crianças pequenas.
Desk Guide Tb In Children, 2010
Tuberculose na Criança
Manifestações clínicas
HISTÓRIA DE CONTATO
 Contato íntimo: como os que vivem na mesma casa ou tem contato
frequente.
 Se não houver caso de TB relatado, perguntar sobre tossidores.
 Em adolescentes é comum o contato ser extra-domiciliar, mais
difícil de ser detectado.
 Tempo de contato: crianças usualmente desevolvem tuberculose no
período de 1 (90%) a 2 anos após a exposição.
Desk Guide Tb In Children, 2010
Tuberculose na Criança
Manifestações clínicas
EXAME FÍSICO
 Pesar e medir a criança, registrar no gráfico
e comparar com pesos prévios é bastante
importante, sempre que possível.
 Sinais vitais: febre? Aumento da FR?
 Sistema respiratório: buscar sinais de
desconforto, auscultar e percutir o tórax.
 Outros sítios (caso a caso): palpar gânglios,
avaliar sinais de meningite, etc.
Desk Guide Tb In Children, 2010
Tuberculose na Criança
Apresentações atípicas
PNEUMONIA AGUDA E GRAVE
 Taquipneia e sinais de esforço respiratório
 Ocorre especialmente em lactentes e crianças infectadas pelo HIV
 Suspeite sempre que houver pouca resposta ao tratamento; em
HIV + lembrar também dos diagnósticos diferenciais (ex. Pneumonia
por Pneumocystis jiroveci – PcP)
Desk Guide Tb In Children, 2010
Tuberculose na Criança
Apresentações atípicas
SIBILÂNCIA
 Sibilância assimétrica e persistente pode ser causada por
compressão extrínseca brônquica por adenomegalias hilares.
Suspeite quando a sibilância for assimétrica, persistente não
responsiva ao broncodilatador e asociada com outros achados
clínicos sugestivos de tuberculose.
Desk Guide Tb In Children, 2010
Tuberculose Pulmonar na Criança
Síndromes clínico-radiológicas
 Assintomática (achado radiológico).
 Pneumonia de repetição ou persistente.
 Alargamento de linfonodos peribrônquicos.
 Tuberculose miliar.
Imagens mais encontradas na
TB pulmonar pediátrica
FONTE: Sant’Anna CC. Tuberculose. In: Lima, A. Pediatria Essencial. 4a ed., Atheneu, 2003.
 Reativação
 Reinfecção
Tuberculose pós primária
 Eritema nodoso,
 Conjuntivite flictenular,
 Artralgia/artrite
 Apresentações extra-pulmonares:
adenomegalias, meningite tuberculosa,
deformidade torácica (giba), etc.
Tuberculose extra-pulmonar e outras manifestações
 Epidemiologia
 Clínica
 Estado nutricional/curva ponderal
 Radiologia
 PPD; IGRA
 Identificação do agente (M. tuberculosis ): bacterioscopia, cultura e
Xpert MTB/RIF.
 Testagem anti HIV (teste rápido/sorologia)
Outros exames: broncoscopia, TC de tórax, ADA, PCR, etc.
Teste terapêutico NÃO é recomendado como método diagnóstico.
Sorologia anti HIV deve ser oferecida a TODOS os pacientes,
incluindo os pediátricos.
Diretrizes TB SBPT, 2009; Manual de Controle de TB, MS, 2011
Diagnóstico
Injeção intradérmica da tuberculina. Formação de pápula de inoculação.
Mensuração Correta
PPD
Diretrizes, 2009; Manual de Controle de TB, MS, 2011
Sistema de Pontuação (Escore)
Diretrizes, 2009; Manual de Controle de TB, MS, 2011
Sítios Abordagem prática para o diagnóstico
Linfonodo periférico (principalmente cervical) Biópsia do linfonodo ou aspiração por agulha
fina
Tuberculose miliar (ex. disseminada) Radiografia de tórax e punção lombar (para
investigar para meningite)
Meningite tuberculosa Punção lombar (e imagem, quando disponível)
Derrame pleural (crianças mais velhas e
adolescentes)
Radiografia de tórax, punção pleural para
análise bioquímica (proteína e glicose),
contagem celular e cultura
Tuberculose abdominal (ex. peritoneal) USG abdominal e paracentese
Osteoarticular Radiografia da articulação/osso, punção
articular e biópsia sinovial
Tuberculose pericárdica ECO e punção pericárdica
OBS. Todos os fluidos devem ser submetidos a análise bioquímica (glicose e proteína), contagem celular, BAAR e
cultura, sempre que possível.
Guidance for national programmes on the management of tuberculosis in children. WHO, 2014
Diagnóstico de formas extra-
pulmonares
Métodos moleculares (AAN) - PCR
 Amplificação e detecção de sequências específicas de ácidos nucleicos do
Mtb (PCR). Resultados em 24-48h.
 Mais sensível em amostras BAAR + (96%) do que BAAR – (60%).
 Baixo valor preditivo negativo; elevada especificidade e valor preditivo
positivo.
 Aprovados pela FDA apenas para uso em amostras respiratórias.
 Não deve ser utilizado para o monitoramento do tratamento e não substitui
a cultura.
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Manual de Controle para Tuberculose. Ministério da Saúde, 2011.
Alguns outros métodos diagnósticos
Xpert MTB/RIF
• Teste com base em DNA, real-time, totalmente automatizado.
• Detecta o MTB e resistência a rifampicina.
• Resultado em 2 horas.
• Sucesso com adultos; recentemente recomendado também
para crianças (WHO, out/2013).
• Usado para escarro, lavado gástrico, aspirado de nasofaringe a
também para TB extrapulmonar.
• Sensibilidade MENOR do que a da cultura.
WHO Policy Update. Xpert MTB/RIF assay.2013
Manual de Controle para Tuberculose. Ministério da Saúde, 2011
Xpert MTB/RIF
Recomendações da OMS
• Deve ser o teste inicial para crianças com suspeita de TB MDR
e TB associada ao HIV.
• Deve ser usado preferencialmente também para crianças com
suspeita de TB.
• Pode ser usado em substituição a exames habituais
(microscopia, cultura e histopatologia) na testagem de
amostras não respiratórias (linfonodos e outros tecidos) para
crianças com suspeita de TB extrapulmonar.
• O mesmo em LCR de crianças com suspeita de meningite TB.
WHO Policy Update. Xpert MTB/RIF assay.2013
IGRAs
Diagnóstico baseado na imunidade celular (céls T)
 IGRAs (interferon-gamma release assays)
 Baseado na resposta celular a peptídeos ausentes no BCG e em MNTB.
 Detecta a produção de interferon gama em sangue periférico
 Alternativa para o diagnóstico da infecção tuberculosa.
 Não distingue TBL de TB!
 Há dois testes disponíveis comercialmente: QUanti-FERON-TB Gold e T-SPOT.TB.
 Alternativa para o diagnóstico da tuberculose latente, atualmente baseado no
PPD.
 O contexto epidemiológico influencia seu desempenho.
 Ainda não está validado para uso de rotina no Brasil.
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Tratamento da TBL
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Abordagem de crianças contactantes de TB
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Tratamento da TBL
Esquema de tratamento da TBL
H: 5 a 10 mg/Kg de peso até 300mg, por 6 meses
A possibilidade de TB doença
deve ser sempre afastada
antes de ser iniciado o
tratamento para TBL
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
RN coabitante de foco tuberculoso ativo
1 - Não vacinar
2 - Iniciar H (isoniazida) 10 mg/Kg/dia
3 - Fazer PPD com 3 meses de vida:
Reator ( 05 mm) = completar QP por 6 meses
Não reator (< 05 mm) = parar QP e vacinar BCG
FUNASA, 2002
III Diretrizes Brasileiras para Tuberculose, 2009
Quimioprofilaxia primária
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Esquema básico de tratamento
Associar corticóide
na fase inicial
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Esquema de ratamento para meningite tuberculosa
 Formas graves de TB pulmonar ou extrapulmonar, para
investigação e abordagem inicial
 Desnutrição grave, para recuperação
 Sinais de pneumonia grave
 Comorbidades (ex. anemia grave)
 Condições sócio-econômicas/ falta de adesão
 Reações adversas ao tratamento, como hepatotoxicidade.
Desk Guide TB in Children. 2010
Indicações de internação
 Diminui a incidência de formas graves da
tuberculose (meningoencefálica e miliar),
mas não evita a infecção tuberculosa.
 É prioritariamente indicada em crianças
de até 4 anos de idade, sendo obrigatória
para menores de 1 ano.
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Vacinação BCG
Recomenda-se vacinar com BCG
 RN com peso >=2 Kg
 RN de mãe com AIDS
 Crianças HIV+ ou filhos de mães com AIDS, desde que tenham
PPD não reator e sejam assintomáticas para esta síndrome.
 Contatos de doentes com hanseníase
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Recomenda-se Revacinar com BCG
Contactantes de hanseníase
Crianças que não apresentem
cicatriz vacinal 6 meses após a
primovacinação, sendo prioritária
em menores de 5 anos
Cicatriz da vacina BCG
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
 2a semana – zona endurecida 3 a 9 mm.
 5a a 8a semana – centro amolece, forma crosta.
 8a a 13a semana – crosta cai; úlcera de 2 a 6 mm
de diâmetro; cura ( 8ª - 10ª sem.); cicatriz de 3 a
7mm.
BCG: Evolução da Cicatriz Vacinal
Contra indicações RELATIVAS da vacinação BCG
 RN com peso < 2 Kg.
 Afecções dermatológicas no local da vacina ou generalizadas.
 Uso de imunossupressores.
Contra indicações ABSOLUTAS da vacinação BCG
 Imunodeficiências primárias, com comprometimento de células T
 HIV positivos adultos (independentemente dos sintomas) e
crianças sintomáticas.
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
Contra-indicações da vacinação BCG
Pouco freqüentes; geralmente decorrem de técnica imperfeita.
 Abscessos locais (*)
 Úlcera de tamanho exagerado (*)
 Gânglios flutuantes e fistulizados (*)
 Cicatriz quelóide
 Doença disseminada por BCG (imunodeficiência)
(*)Tratamento com INH 10mg/Kg (até 300 mg),
até a regressão da lesão, em geral em torno de 45 dias.
Todas as complicações devem ser notificadas.
BCG: Complicações
III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
 
Tuberculose na Infância
Tuberculose na InfânciaTuberculose na Infância
Tuberculose na Infância
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Tratamento da tuberculose
Tratamento da tuberculoseTratamento da tuberculose
Tratamento da tuberculose
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosa
 
DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1
 
1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)1. pneumonias (06 jan2015)
1. pneumonias (06 jan2015)
 
Tuberculose
Tuberculose  Tuberculose
Tuberculose
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 

Destaque

Apresentação 2T13
Apresentação 2T13Apresentação 2T13
Apresentação 2T13Gafisa RI !
 
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucionalForjasTaurus
 
Apresentação dos Resultados 3T07
Apresentação dos Resultados 3T07Apresentação dos Resultados 3T07
Apresentação dos Resultados 3T07TegmaRI
 
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regular
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regular2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regular
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regularForjasTaurus
 
Apresentação dos Resultados do 2T07
Apresentação dos Resultados do 2T07Apresentação dos Resultados do 2T07
Apresentação dos Resultados do 2T07TegmaRI
 
Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009
Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009
Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009BeefPoint
 
Teleconferência de Resultados 2013
Teleconferência de Resultados 2013Teleconferência de Resultados 2013
Teleconferência de Resultados 2013Kianne Paganini
 
2013 03-27 - 4 t12 - nova
2013 03-27 - 4 t12 - nova2013 03-27 - 4 t12 - nova
2013 03-27 - 4 t12 - novaForjasTaurus
 
Pdg Apr Resultados2 T08 20080815 Port
Pdg Apr Resultados2 T08 20080815 PortPdg Apr Resultados2 T08 20080815 Port
Pdg Apr Resultados2 T08 20080815 PortPDG Realty
 
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoria
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoria2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoria
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoriaForjasTaurus
 
Pdg Apr 1 T09 Port
Pdg Apr 1 T09 PortPdg Apr 1 T09 Port
Pdg Apr 1 T09 PortPDG Realty
 
Apresentação paulo esteves
Apresentação paulo estevesApresentação paulo esteves
Apresentação paulo estevesDaniel Cembranelli
 
AAB305 - Service Oriented Architecture - wcamb
AAB305 - Service Oriented Architecture - wcambAAB305 - Service Oriented Architecture - wcamb
AAB305 - Service Oriented Architecture - wcambMicrosoft Brasil
 
Toastmasters High Performance Leadership
Toastmasters High Performance LeadershipToastmasters High Performance Leadership
Toastmasters High Performance LeadershipNelson Emilio®
 

Destaque (20)

Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
Apresentação 2T13
Apresentação 2T13Apresentação 2T13
Apresentação 2T13
 
Apres Resultados 3 T08 Vf Vale Este
Apres Resultados 3 T08 Vf   Vale EsteApres Resultados 3 T08 Vf   Vale Este
Apres Resultados 3 T08 Vf Vale Este
 
Film certification
Film certificationFilm certification
Film certification
 
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional
 
Apresentação dos Resultados 3T07
Apresentação dos Resultados 3T07Apresentação dos Resultados 3T07
Apresentação dos Resultados 3T07
 
2012 08-13 - 2T12
2012 08-13 - 2T122012 08-13 - 2T12
2012 08-13 - 2T12
 
Fuzzy hash entropy
Fuzzy hash   entropyFuzzy hash   entropy
Fuzzy hash entropy
 
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regular
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regular2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regular
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional logo regular
 
Apresentação dos Resultados do 2T07
Apresentação dos Resultados do 2T07Apresentação dos Resultados do 2T07
Apresentação dos Resultados do 2T07
 
Apres Resultados 3 T08 Vf
Apres Resultados 3 T08 VfApres Resultados 3 T08 Vf
Apres Resultados 3 T08 Vf
 
Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009
Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009
Marfrig - Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2009
 
Teleconferência de Resultados 2013
Teleconferência de Resultados 2013Teleconferência de Resultados 2013
Teleconferência de Resultados 2013
 
2013 03-27 - 4 t12 - nova
2013 03-27 - 4 t12 - nova2013 03-27 - 4 t12 - nova
2013 03-27 - 4 t12 - nova
 
Pdg Apr Resultados2 T08 20080815 Port
Pdg Apr Resultados2 T08 20080815 PortPdg Apr Resultados2 T08 20080815 Port
Pdg Apr Resultados2 T08 20080815 Port
 
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoria
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoria2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoria
2015 06-09 - 1 t15-75 anos institucional_dova diretoria
 
Pdg Apr 1 T09 Port
Pdg Apr 1 T09 PortPdg Apr 1 T09 Port
Pdg Apr 1 T09 Port
 
Apresentação paulo esteves
Apresentação paulo estevesApresentação paulo esteves
Apresentação paulo esteves
 
AAB305 - Service Oriented Architecture - wcamb
AAB305 - Service Oriented Architecture - wcambAAB305 - Service Oriented Architecture - wcamb
AAB305 - Service Oriented Architecture - wcamb
 
Toastmasters High Performance Leadership
Toastmasters High Performance LeadershipToastmasters High Performance Leadership
Toastmasters High Performance Leadership
 

Semelhante a 4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos

Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011cipasap
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesRenato Varges - UFF
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoFlávia Salame
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoFlávia Salame
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeamaroalmeida74
 
Consenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatriaConsenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatriaLorena de Assis
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueIsmael Costa
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde PúblicaTuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde PúblicaÉrica Rangel
 
TUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.ppt
TUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.pptTUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.ppt
TUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.pptomer30297
 
Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)kcamoes
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5Inês Santos
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOIsmael Costa
 

Semelhante a 4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos (20)

Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
 
Revista Medica[1]
Revista Medica[1]Revista Medica[1]
Revista Medica[1]
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
 
Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011
 
Consenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatriaConsenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatria
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
 
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde PúblicaTuberculose em Salvador -  Uma questão de Saúde Pública
Tuberculose em Salvador - Uma questão de Saúde Pública
 
TUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.ppt
TUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.pptTUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.ppt
TUBERCULOSE---TREINAMENTO-EM-SERVI--O---CAPIM-DOURADO.ppt
 
Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)Saúde e higiene (1)
Saúde e higiene (1)
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Tuberculose extrapulmonar
Tuberculose extrapulmonarTuberculose extrapulmonar
Tuberculose extrapulmonar
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
 

Mais de Mônica Firmida

Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística) Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística) Mônica Firmida
 
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaUso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaMônica Firmida
 
Papilomatose respiratória recorrente
Papilomatose respiratória recorrentePapilomatose respiratória recorrente
Papilomatose respiratória recorrenteMônica Firmida
 
Anamnese em pneumologia pediátrica
Anamnese em pneumologia pediátricaAnamnese em pneumologia pediátrica
Anamnese em pneumologia pediátricaMônica Firmida
 
2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)
2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)
2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)Mônica Firmida
 
Bronquiolite obliterante pós infecciosa
Bronquiolite obliterante pós infecciosaBronquiolite obliterante pós infecciosa
Bronquiolite obliterante pós infecciosaMônica Firmida
 
Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)Mônica Firmida
 
Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Mônica Firmida
 
Pneumonias de repetição
Pneumonias de repetiçãoPneumonias de repetição
Pneumonias de repetiçãoMônica Firmida
 
Faringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaFaringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaMônica Firmida
 
Cuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em PediatriaCuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em PediatriaMônica Firmida
 

Mais de Mônica Firmida (16)

Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística) Pneumonias (e Fibrose Cística)
Pneumonias (e Fibrose Cística)
 
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaUso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
 
Papilomatose respiratória recorrente
Papilomatose respiratória recorrentePapilomatose respiratória recorrente
Papilomatose respiratória recorrente
 
Anamnese em pneumologia pediátrica
Anamnese em pneumologia pediátricaAnamnese em pneumologia pediátrica
Anamnese em pneumologia pediátrica
 
3.asma (27jan2015)
3.asma (27jan2015)3.asma (27jan2015)
3.asma (27jan2015)
 
2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)
2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)
2. bronquiolite viral aguda (13 jan2015)
 
Bronquiolite obliterante pós infecciosa
Bronquiolite obliterante pós infecciosaBronquiolite obliterante pós infecciosa
Bronquiolite obliterante pós infecciosa
 
Bronquite
BronquiteBronquite
Bronquite
 
Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)Influenza (manual ms,2013)
Influenza (manual ms,2013)
 
Fibrose cistica
Fibrose cistica  Fibrose cistica
Fibrose cistica
 
Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico
 
Pneumonias de repetição
Pneumonias de repetiçãoPneumonias de repetição
Pneumonias de repetição
 
Faringite estreptocócica
Faringite estreptocócicaFaringite estreptocócica
Faringite estreptocócica
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
Lactente Sibilante
Lactente SibilanteLactente Sibilante
Lactente Sibilante
 
Cuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em PediatriaCuidados Paliativos em Pediatria
Cuidados Paliativos em Pediatria
 

4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos

  • 1. Tuberculose Pulmonar em Pediatria Mônica de Cássia Firmida TUBERCULOSE PULMONAR EM PEDIATRIA
  • 2. Tuberculose (TB) é a infecção crônica de maior prevalência no mundo. 1/3 da população infectada pelo M. tuberculosis. 9 milhões de casos novo/ano. 2 milhões de óbitos por ano (1 a cada 3 minutos!). OMS, 1993: TB=Estado de emergência. 2000: Plano Global para o Controle da Tuberculose (STOP TB). STOP TB: Metas até 2005 – Diagnosticar 70% das pessoas com TB e curar pelo menos 85% dos diagnosticados. OMS. Guidance… children, 2006. http://whqlibdoc.who.int/hq/2006/WHO_HTM_TB_2006.371_eng.pdf OMS. Relatório 2009: http://www.who.int/tb/publications/global_report/2009/en/index.html RUFFINO-NETO, A. Rev Soc Bras Med Trop, 35(1): 51-58, jan-fev, 2002. STOP TB PATERNSHIP: www.stoptb.org/about Acesso em 20/nov/2014. Introdução e epidemiologia
  • 3. METAS PARA 2015 •A incidência de tuberculose deve ir caindo até 2015. •As taxas de prevalência e mortalidade devem cair pela metade em comparação com 1990. •Pelo menos 70% dos casos novos, bacilíferos, devem ser detectados e tratados em programa de tratamento supervisionado (DOTS). •O sucesso terapêutico deve ser de pelo menos 85% nos bacilíferos incidentes. http://www.stoptb.org/globalplan/assets/documents/GlobalPlanFinal.pdf
  • 4.  A tuberculose (TB) continua sendo um dos principais problemas de saúde do mundo.  Estima-se que em 2013:  9 milhões de pessoas desenvolveram TB; 1, 1 milhoes delas HIV+.  1,5 milhões de pessoas faleceram desta doença; 360.000 HIV+.  60% das mortes foram de homens.  510 mil mulheres morreram de TB; principal causa de morte em mulheres na idade reprodutiva.  O sucesso terapêutico foi de 86%.  3,5% dos casos novos e 20,5% dos retratamentos foram TB MDR.  Aproximadamente 9% dos TB MDR eram TB XDR. WHO Global Report 2014 http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
  • 5.  Global Plan - Quanto as metas do milênio para 2015  A redução da incidência foi atingida nas 6 regiões na maioria dos 22 países de alta prevalência; queda de 1,5% ao ano entre 2000 e 2013;  A prevalência diminuiu 41% no mesmo período.  A mortalidade por TB diminuiu 45% desde 1990.  É preciso acelerar o progresso para atingir as metas (50%) até 2015.  Duas das seis regiões atingiram as metas de redução da incidência, prevalência e mortalidade: Américas e Região do Pacífico Ocidental. WHO Global Report 2014 http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
  • 6. Países em desenvolvimento •75% dos infectados •95% do s casos novos/ano •Mais de 98% do total de óbitos por TB/ano •Infectados: 75- 80% têm <50 anos de idade. •Risco anual de infecção 10 a 50 vezes maior Países desenvolvidos •25% dos infectados •5% dos casos novos •1,38% dos óbitos por TB •Infectados: 80% têm >= 50 anos de idade. •Casos geralmente são reativação endógena In: TARANTINO A. B. Doenças Pulmonares, 6a ed, 2008 Cerca de 2 bilhões (1/3 da população) de infectados pelo M. tuberculosis Panorama Global da Tuberculose
  • 7.
  • 8. TB no Brasil  80 a 90 mil casos novos/ano (72 mil notificados em 2009).  Mais 15 mil de retratamento (recidiva ou abandono)  Gênero masculino (2:1)  Grupo etário de 45 a 59 anos  Co-infecção TB-HIV: 6,2% (destaques RS, SC, SP)  Cura (2006): 73% casos novos; 57% HIV  Abandono (2006): 9% casos novos; 14% HIV  O estado de São Paulo tem o maior número de casos absolutos e o do Rio de Janeiro tem o maior coeficiente de incidência (Sinan). Causa de morte (2008): quarta por doenças infecciosas e primeira na população com AIDS HIJJAR, MA e cols, Pulmão RJ, 2005 DIRETRIZES BRAS. DE TB, 2009 Manual de Controle da TB MS, 2011
  • 9. TB no Rio de Janeiro  O RJ é o estado de maior incidência de TB no país. Incidência (diagnóstico): 14.505 casos novos; 72/100.000 hab.  Mortalidade: 4,6/100.000 hab.  DOTS: 42,6%  Cura: 65,7%%, abandono 12,5% ,  Retratamento (risco para TB MDR): 20%.  Testagem anti HIV: solicitada em 75,3%; realizada em 63,8%. PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
  • 10. Distribuição, por município, da incidência e casos novos TB notificados no Estado do Rio de Janeiro, no ano 2012. PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
  • 11. Cinco municípios têm incidência muito alta, de 81 ou mais casos / 100 mil habitantes, quatro destes são da região metropolitana I: São João de Meriti, Rio de Janeiro, Japeri e Duque de Caxias. Os 14 municípios de maior carga das regiões metropolitanas, respondem por cerca de 86 % dos casos do estado. PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
  • 12. TBMR e XDR PCT/SES/RJ. Boletim Tuberculose, 2014
  • 13. TB em Pediatria 1 milhão de casos/ano (11% do total) ocorrem em menores de 15 anos. 75% destes casos ocorrem nos 22 países principais. Acometimento de crianças nos países varia de 3 a 25%. Só a partir de 2006, a OMS passou a estabelecer normas e condutas específicas para crianças. Estudos epidemiológicos são difíceis nesta faixa etária. Em 2013, 550 mil crianças tiveram tuberculose e 80.000 sem HIV morreram de TB. WHO. Guidance… for children, 2006. http://whqlibdoc.who.int/hq/2006/WHO_HTM_TB_2006.371_eng.pdf WHO. Guidance… for children, 2014. http://www.who.int/tb/publications/childtb_guidelines/en/ WHO Global Report 2014 http://www.who.int/tb/publications/global_report/en/
  • 14. Como a TB da criança difere do adulto? • Em países com TB endêmica as crianças adoecem predominantemente entre 1 e 4 anos de idade. • A doença surge principalmente no primeiro ano após a primoinfecção. • TB pulmonar é a mais comum. • Extrapulmonar ocorre em 30-40% dos casos. • Crianças pequenas, principalmente as menores de 1 ano, têm maior risco de apresentar doença grave, disseminada, com alta morbimortalidade. • Em lactentes o tempo entre a infecção e a doença pode ser mais curto e a apresentação pode ser mais aguda. • Adolescentes também têm risco maior de adoecer, apresentando geralmente o padrão de doença do adulto. • Crianças, especialmente as mais velhas e adolescentes, podem ser infectantes embora a maioria não seja. • Tuberculose na criança é um indicador de transmissão do M. tuberculosis na comunidade. Guidance for national programmes on the management of tuberculosis in children. WHO, 2014
  • 15. TB em adolescentes • Grupo de risco com particularidades • Geralmente pouco priorizado em guidelines. • TB e TB/HIV em adolescentes é bem semelhante ao adulto. • Vulnerabilidade maior por: questões psicossociais, autonomia e aderência, transição nos serviços de saúde de criança para de adultos. Guidance for national programmes on the management of tuberculosis in children. WHO, 2014
  • 16.  Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch, 1882 ), M. bovis, M. africanum.  Bacilo Gram positivo, obrigatoriamente aeróbio, de crescimento lento.  Resistência à descoloração pelo etanol, associado ao ácido clorídrico (BAAR), devida à sua parede celular de conteúdo lipídico.  Aparece vermelho na fixação com fucsina (método de Ziehl-Nielsen), em agrupamentos formando ramos alongados e tortuosos. Controle da Tuberculose. Uma proposta de integração ensino-serviço,. MIN. SAÚDE, 5a ed, 2002. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ensino_servico.pdf Etiologia
  • 17. A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa através do ar. TB:ETIOPATOGENIAECLÍNICA Transmissão e Patogenia
  • 18. INFECÇÃO PULMONAR  Bacilífero → gotículas de Flügge / núcleos de Wells→ aspiração → infecção pulmonar → reação inflamatória inespecífica  Segunda semana: resposta celular (linfócitos)→ cancro de inoculação tuberculoso ( foco de Ghon ou nódulo de Parrot-Küss- Ghon)→ tuberculoma ( lesão anátomo - patológica). Esta lesão se forma no córtex pulmonar, subpleuralmente. Seu tamanho varia de um foco microscópico até o comprometimento de um lobo pulmonar, na dependência do número e da virulência dos bacilos e da resistência natural do indivíduo. Primoinfecção tuberculosa
  • 19.  Décima semana: necrose caseosa central.  Aumento da população bacilar → linfáticos → gânglios satélites → mediastino (complexo primário) Circulação por via linfática ou por capilares.  As lesões primárias, em geral (95%), regridem e curam SEM DOENÇA e com PPD REATOR (sensibilidade tardia).  Regressão dos processos inflamatórios: reabsorção completa (sem necrose) ou calcificação (necrose). Sugestão de Vídeo (em inglês): https://www.youtube.com/watch?v=kHDS42fr17A
  • 20. The natural history and spectrum of tuberculosis. (Adapted from a sketch provided by Professor R.K. IN: Kumar: Robbins and Cotran Pathologic Basis of Disease, Professional Edition , 8th ed, 2009)
  • 21.  Ocorre em 5% dos casos, seguindo a primo-infecção.  Até 5 anos após a primo-infecção.  Grupos de Risco  Característica da tuberculose da criança.  Formas: pulmonar (90%) e extra-pulmonar. Tuberculose primária
  • 22. Tuberculose na Criança Manifestações clínicas SINTOMAS TÍPICOS  Tosse, especialmente se persistente, sem melhora.  Perda de peso ou ganho ponderal inadequado.  Febre e/ou sudorese noturna  Fadiga, menor atividade, menos interesse por brincar Especialmente se os sintomas persistem (>2-3semanas) apesar de tratamentos específicos A doença pode ser mais grave e apresentar início agudo em lactentes e crianças pequenas. Desk Guide Tb In Children, 2010
  • 23. Tuberculose na Criança Manifestações clínicas HISTÓRIA DE CONTATO  Contato íntimo: como os que vivem na mesma casa ou tem contato frequente.  Se não houver caso de TB relatado, perguntar sobre tossidores.  Em adolescentes é comum o contato ser extra-domiciliar, mais difícil de ser detectado.  Tempo de contato: crianças usualmente desevolvem tuberculose no período de 1 (90%) a 2 anos após a exposição. Desk Guide Tb In Children, 2010
  • 24. Tuberculose na Criança Manifestações clínicas EXAME FÍSICO  Pesar e medir a criança, registrar no gráfico e comparar com pesos prévios é bastante importante, sempre que possível.  Sinais vitais: febre? Aumento da FR?  Sistema respiratório: buscar sinais de desconforto, auscultar e percutir o tórax.  Outros sítios (caso a caso): palpar gânglios, avaliar sinais de meningite, etc. Desk Guide Tb In Children, 2010
  • 25. Tuberculose na Criança Apresentações atípicas PNEUMONIA AGUDA E GRAVE  Taquipneia e sinais de esforço respiratório  Ocorre especialmente em lactentes e crianças infectadas pelo HIV  Suspeite sempre que houver pouca resposta ao tratamento; em HIV + lembrar também dos diagnósticos diferenciais (ex. Pneumonia por Pneumocystis jiroveci – PcP) Desk Guide Tb In Children, 2010
  • 26. Tuberculose na Criança Apresentações atípicas SIBILÂNCIA  Sibilância assimétrica e persistente pode ser causada por compressão extrínseca brônquica por adenomegalias hilares. Suspeite quando a sibilância for assimétrica, persistente não responsiva ao broncodilatador e asociada com outros achados clínicos sugestivos de tuberculose. Desk Guide Tb In Children, 2010
  • 27. Tuberculose Pulmonar na Criança Síndromes clínico-radiológicas  Assintomática (achado radiológico).  Pneumonia de repetição ou persistente.  Alargamento de linfonodos peribrônquicos.  Tuberculose miliar.
  • 28. Imagens mais encontradas na TB pulmonar pediátrica FONTE: Sant’Anna CC. Tuberculose. In: Lima, A. Pediatria Essencial. 4a ed., Atheneu, 2003.
  • 30.  Eritema nodoso,  Conjuntivite flictenular,  Artralgia/artrite  Apresentações extra-pulmonares: adenomegalias, meningite tuberculosa, deformidade torácica (giba), etc. Tuberculose extra-pulmonar e outras manifestações
  • 31.  Epidemiologia  Clínica  Estado nutricional/curva ponderal  Radiologia  PPD; IGRA  Identificação do agente (M. tuberculosis ): bacterioscopia, cultura e Xpert MTB/RIF.  Testagem anti HIV (teste rápido/sorologia) Outros exames: broncoscopia, TC de tórax, ADA, PCR, etc. Teste terapêutico NÃO é recomendado como método diagnóstico. Sorologia anti HIV deve ser oferecida a TODOS os pacientes, incluindo os pediátricos. Diretrizes TB SBPT, 2009; Manual de Controle de TB, MS, 2011 Diagnóstico
  • 32. Injeção intradérmica da tuberculina. Formação de pápula de inoculação. Mensuração Correta PPD Diretrizes, 2009; Manual de Controle de TB, MS, 2011
  • 33. Sistema de Pontuação (Escore) Diretrizes, 2009; Manual de Controle de TB, MS, 2011
  • 34. Sítios Abordagem prática para o diagnóstico Linfonodo periférico (principalmente cervical) Biópsia do linfonodo ou aspiração por agulha fina Tuberculose miliar (ex. disseminada) Radiografia de tórax e punção lombar (para investigar para meningite) Meningite tuberculosa Punção lombar (e imagem, quando disponível) Derrame pleural (crianças mais velhas e adolescentes) Radiografia de tórax, punção pleural para análise bioquímica (proteína e glicose), contagem celular e cultura Tuberculose abdominal (ex. peritoneal) USG abdominal e paracentese Osteoarticular Radiografia da articulação/osso, punção articular e biópsia sinovial Tuberculose pericárdica ECO e punção pericárdica OBS. Todos os fluidos devem ser submetidos a análise bioquímica (glicose e proteína), contagem celular, BAAR e cultura, sempre que possível. Guidance for national programmes on the management of tuberculosis in children. WHO, 2014 Diagnóstico de formas extra- pulmonares
  • 35. Métodos moleculares (AAN) - PCR  Amplificação e detecção de sequências específicas de ácidos nucleicos do Mtb (PCR). Resultados em 24-48h.  Mais sensível em amostras BAAR + (96%) do que BAAR – (60%).  Baixo valor preditivo negativo; elevada especificidade e valor preditivo positivo.  Aprovados pela FDA apenas para uso em amostras respiratórias.  Não deve ser utilizado para o monitoramento do tratamento e não substitui a cultura. III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048 Manual de Controle para Tuberculose. Ministério da Saúde, 2011. Alguns outros métodos diagnósticos
  • 36. Xpert MTB/RIF • Teste com base em DNA, real-time, totalmente automatizado. • Detecta o MTB e resistência a rifampicina. • Resultado em 2 horas. • Sucesso com adultos; recentemente recomendado também para crianças (WHO, out/2013). • Usado para escarro, lavado gástrico, aspirado de nasofaringe a também para TB extrapulmonar. • Sensibilidade MENOR do que a da cultura. WHO Policy Update. Xpert MTB/RIF assay.2013 Manual de Controle para Tuberculose. Ministério da Saúde, 2011
  • 37. Xpert MTB/RIF Recomendações da OMS • Deve ser o teste inicial para crianças com suspeita de TB MDR e TB associada ao HIV. • Deve ser usado preferencialmente também para crianças com suspeita de TB. • Pode ser usado em substituição a exames habituais (microscopia, cultura e histopatologia) na testagem de amostras não respiratórias (linfonodos e outros tecidos) para crianças com suspeita de TB extrapulmonar. • O mesmo em LCR de crianças com suspeita de meningite TB. WHO Policy Update. Xpert MTB/RIF assay.2013
  • 38. IGRAs Diagnóstico baseado na imunidade celular (céls T)  IGRAs (interferon-gamma release assays)  Baseado na resposta celular a peptídeos ausentes no BCG e em MNTB.  Detecta a produção de interferon gama em sangue periférico  Alternativa para o diagnóstico da infecção tuberculosa.  Não distingue TBL de TB!  Há dois testes disponíveis comercialmente: QUanti-FERON-TB Gold e T-SPOT.TB.  Alternativa para o diagnóstico da tuberculose latente, atualmente baseado no PPD.  O contexto epidemiológico influencia seu desempenho.  Ainda não está validado para uso de rotina no Brasil. III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
  • 39. Tratamento da TBL III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048 Abordagem de crianças contactantes de TB
  • 40. III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048 Tratamento da TBL
  • 41. Esquema de tratamento da TBL H: 5 a 10 mg/Kg de peso até 300mg, por 6 meses A possibilidade de TB doença deve ser sempre afastada antes de ser iniciado o tratamento para TBL III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
  • 42. RN coabitante de foco tuberculoso ativo 1 - Não vacinar 2 - Iniciar H (isoniazida) 10 mg/Kg/dia 3 - Fazer PPD com 3 meses de vida: Reator ( 05 mm) = completar QP por 6 meses Não reator (< 05 mm) = parar QP e vacinar BCG FUNASA, 2002 III Diretrizes Brasileiras para Tuberculose, 2009 Quimioprofilaxia primária
  • 43. III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048 Esquema básico de tratamento
  • 44. Associar corticóide na fase inicial III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048 Esquema de ratamento para meningite tuberculosa
  • 45.  Formas graves de TB pulmonar ou extrapulmonar, para investigação e abordagem inicial  Desnutrição grave, para recuperação  Sinais de pneumonia grave  Comorbidades (ex. anemia grave)  Condições sócio-econômicas/ falta de adesão  Reações adversas ao tratamento, como hepatotoxicidade. Desk Guide TB in Children. 2010 Indicações de internação
  • 46.  Diminui a incidência de formas graves da tuberculose (meningoencefálica e miliar), mas não evita a infecção tuberculosa.  É prioritariamente indicada em crianças de até 4 anos de idade, sendo obrigatória para menores de 1 ano. III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048 Vacinação BCG
  • 47. Recomenda-se vacinar com BCG  RN com peso >=2 Kg  RN de mãe com AIDS  Crianças HIV+ ou filhos de mães com AIDS, desde que tenham PPD não reator e sejam assintomáticas para esta síndrome.  Contatos de doentes com hanseníase III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
  • 48. Recomenda-se Revacinar com BCG Contactantes de hanseníase Crianças que não apresentem cicatriz vacinal 6 meses após a primovacinação, sendo prioritária em menores de 5 anos Cicatriz da vacina BCG III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048
  • 49.  2a semana – zona endurecida 3 a 9 mm.  5a a 8a semana – centro amolece, forma crosta.  8a a 13a semana – crosta cai; úlcera de 2 a 6 mm de diâmetro; cura ( 8ª - 10ª sem.); cicatriz de 3 a 7mm. BCG: Evolução da Cicatriz Vacinal
  • 50. Contra indicações RELATIVAS da vacinação BCG  RN com peso < 2 Kg.  Afecções dermatológicas no local da vacina ou generalizadas.  Uso de imunossupressores. Contra indicações ABSOLUTAS da vacinação BCG  Imunodeficiências primárias, com comprometimento de células T  HIV positivos adultos (independentemente dos sintomas) e crianças sintomáticas. III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048 Contra-indicações da vacinação BCG
  • 51. Pouco freqüentes; geralmente decorrem de técnica imperfeita.  Abscessos locais (*)  Úlcera de tamanho exagerado (*)  Gânglios flutuantes e fistulizados (*)  Cicatriz quelóide  Doença disseminada por BCG (imunodeficiência) (*)Tratamento com INH 10mg/Kg (até 300 mg), até a regressão da lesão, em geral em torno de 45 dias. Todas as complicações devem ser notificadas. BCG: Complicações III Diretrizes para Tuberculose da SBPT. J Bras Pneumol. 2009;35(10):1018-1048