SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Introdução
Actualmente, a informática está presente em todos os ramos de actividade conhecidos pelo
homem, directa ou indirectamente, participando do nosso dia, quando transmitimos informações
pela internet, ou seja, somos altamente dependentes dos meios de comunicação.O objectivo
global e o âmbito de uma auditoria não se alteram quando esta é efectuada em ambiente de
sistema de tecnologia de informação. Contudo, a utilização dos computadores altera o
processamento, armazenagem e comunicação da informação financeira e pode afectar os
sistemas contabilísticos e de controlo interno em vigor nas empresa.Com a crescente evolução
tecnológica, o uso da internet tornam-se cada vez mais rotineiro e imprescindível. Devido ao
grande avanço tecnológico ocorrido nas grandes empresas e a maior necessidade de informações
úteis e tempestivas aos gestores, a Contabilidade vem se adaptando a esse novo ambiente, de
forma a cumprir sua função de geradora de informações. Com isso, empresas e contadores
buscam tornar as informações cada vez mais eficazes, dinâmicas, transmissões e recebimentos de
informações através de sistemas informatizados.
Objectivos
Objectivo geral
Informar detalhada e circunstancialmente sobre Auditoria no contexto de Sistemas de
informação computadorizados
Objectivo especial
Estar ciente acerca da auditoria de sistemas a avaliação, o ambiente de sistema de processamento
de dados para avaliar e identificar os possíveis riscos (erros, falhas, irregularidades, ineficiência,
etc.) que estejam ocorrendo ou que possam ocorrer dentro de uma organização.
Estar informado acerca reflectir sobre os riscos e consequências que advêm desta.
Metodologia
Para a concretização deste trabalho, o grupo baseou-se na pesquisa bibliográfica, tendo se
destacado a pesquisa de navegação entre outras.
2
1. Auditoria no contexto de Sistemas de informação computadorizados
Cada vez mais as empresas utilizam equipamentos informáticos próprios mesmo que de
dimensão reduzida. No entanto, continua a assistir-se á grande utilização de serviços prestados
por firmas de processamento informático, mesmo por parte de empresas médias e grandes. A
informação na empresa, que começou por se preocupar apenas com a divulgação dos factos
patrimoniais, estende-se hoje a todos os seus sectores.
O órgão de gestão de uma empresa será tanto mais eficiente enquanto maior for a quantidade e
qualidade de informações úteis de que possa dispor em tempo oportuno. A importância da
informação nos seus aspectos de abundância e rapidez deu origem ao aparecimento e
desenvolvimento da informática palavra está que, resultando de outras duas-informação e
automática- significa o tratamento racional e automático da informação.(BENTO, 1997)
O objectivo global e o âmbito de uma auditoria não se alteram quando esta é efectuada em
ambiente de sistema de tecnologia de informação. Contudo, a utilização dos computadores altera
o processamento, armazenagem e comunicação da informação financeira e pode afectar os
sistemas contabilísticos e de controlo interno em vigor na empresa.
De facto, um ambiente de sistemas de tecnologias de informação pode afectar:
 Os procedimentos seguidos pelo auditor aquando da obtenção da compreensão dos
sistemas contabilísticos e de controlo interno;
 A consideração do risco inerente e do risco de controlo através dos quais o auditor chega
á determinação do risco de auditoria;
A concepção e realização, pelo auditor, dos testes aos controlos e dos procedimentos
substantivos apropriados para atingir o objectivo da auditoria.(BORGES;1993)
Os suportes técnicos da informática são conjuntos electrónicos conhecidos por computadores,
constituídos por três (3) tipos de órgãos:
 Órgãos periféricos de entrada (input) que tem por missão captarem, através de registo
electrónico, as informações que devem ser tratadas;
3
 Órgão central constituídos por três (3) unidades: a unidade central de memória, a unidade
aritmética e lógica e a unidade de controlo - onde se efectuam as operações de tratamento
das informações e se guardam algumas delas;
 Órgãos periféricos de saída (output) que se encarregam de mostrar os resultados do
tratamento das informações.
Os órgãos periféricos de entrada, após um trabalho de codificação, permitem a introdução das
informações (input) na unidade central, onde se realiza a leitura, o controlo, os cálculos, as
comparações e as operações lógicas. As informações tratadas são memorizadas em suportes
magnéticos (bandas ou discos) constituindo resultados parciais para serem explorados mais tarde
ou para darem de imediato origem á emissão de resultados directamente exploráveis pelo homem
(outputs).
O computador não é um «cérebro» electrónico, mas apenas e simplesmente, uma máquina
automática muito independente pois para funcionar não necessita de ter a intervenção nem ser
conduzida pelo homem. O computador apenas necessita que sejam registados na sua «memória»
os programas que lhe permitam efectuar os processamentos, entendendo-se por programa (rotina)
a sequência das operações que o computador terá de executar quando lhe transmitirem
determinadas informações. É este funcionamento que se faz sem a intervenção do
homem.(COSTA, 1999)
1. Acontecimentos que ocorrem após a data do balanço
Acontecimentos após a data do balanço: são aqueles acontecimentos, favoráveis e desfavoráveis,
que ocorram entre a data do balanço e a data em que as demonstrações financeiras forem
autorizadas para emissão, pelo órgão de gestão. Podem ser identificados dois tipos de
acontecimentos:
 Aqueles que proporcionem prova de condições que existiam à data do balanço
(acontecimentos após a data do balanço que dão lugar a ajustamentos),
 Aqueles que sejam indicativos de condições que surgiram após a data do balanço
(acontecimentos após a data do balanço que não dão lugar a ajustamentos).
4
Uma entidade deve ajustar as quantias reconhecidas nas suas demonstrações financeiras para
reflectir os acontecimentos após a data do balanço que dão lugar a ajustamentos.
Exemplos de acontecimentos ocorridos após a data do balanço que dão lugar a ajustamentos e
que exigem que uma entidade ajuste as quantias reconhecidas nas suas demonstrações
financeiras, ou que reconheça itens que não foram anteriormente reconhecidos.
A resolução, após a data do balanço, de um caso judicial que confirma que a entidade tinha uma
obrigação presente à data do balanço. A entidade ajusta qualquer provisão anteriormente
reconhecida relacionada com este caso judicial de acordo com a NCRF 21, Provisões, Passivos
Contingentes e Activos Contingentes ou reconhece uma nova provisão. A entidade não pode
divulgar meramente um passivo contingente porque a resolução proporciona provas adicionais
que seriam consideradas de acordo com a NCRF 21.
A recepção de informação após a data do balanço que indique que um activo estava em
imparidade à data do balanço, ou que a quantia da perda por imparidade anteriormente
reconhecida para esse activo necessita de ser ajustada, tal como ocorre, designadamente, nas
seguintes situações:
 A falência de um cliente que ocorre após a data do balanço confirma, normalmente, que
existia uma perda à data do balanço numa conta a receber comercial e que a entidade
necessita de ajustar a respectiva quantia escriturada; e
 A venda de inventários após a data do balanço pode dar evidência acerca do valor
realizável líquido à data do balanço.
2. Auditoria de sistemas
É uma actividade independente que tem como missão o gerenciamento de risco operacional
envolvido e avaliar a adequação das tecnologias e sistemas de informação utilizados na
organização através da revisão e avaliação dos controles, desenvolvimento de sistemas,
procedimentos de TI., infra-estrutura, operação, desempenho e segurança da informática que
envolve o processamento de informações críticas para a tomada de decisão. Ou seja é a avaliação
do controle interno de sistemas de informação.
5
3.1. Objectivos da auditoria de sistemas
A auditoria de sistemas é um processo realizado por profissionais capacitados e consiste em
reunir, agrupar e avaliar evidências para determinar se um sistema de informação suporta
adequadamente um activo de negócio, mantendo a integridade dos dados, e realiza os objectivos
esperados, utiliza eficientemente os recursos e cumpre com as regulamentações e leis
estabelecidas.
Permite detectar de forma automática o uso dos recursos e dos fluxos de informação dentro de
uma empresa e determinar qual informação é crítica para o cumprimento de sua missão e
objectivos, identificando necessidades, processos repetidos, custos valor e barreiras que impacta
fluxos de informações eficientes.
O s objectivos da auditoria de sistemas, são a missão de um parecer (ou uma nota) sobre:
 O controlo da área de tecnologia;
 Análise das eficiências dos sistemas de informação;
 A verificação do cumprimento das legislações e normativos a qual estão sujeitos;
 A gestão eficaz dos recursos de informática.
A auditoria de sistema contribui para a melhoria constante dos negócios suportada pela
tecnologia, nos seguintes aspectos:
 Desempenho;
 Confiabilidade;
 Integridade;
 Disponibilidade;
 Segurança;
 Confidencialidade;
 Privacidade.
6
2.2.Funções da auditoria de sistemas
 Promover a adequação (avaliações e recomendações para o aprimoramento) dos
controles nos sistemas de informação da empresa;
 Utilização dos recursos humanos, materiais e tecnológicos envolvidos no processamento
dos mesmos.
2.3.Dificuldades de auditoria de sistemas
 Desfasagem tecnológica;
 Falta de bons profissionais;
 Falta de cultura da empresa;
 Tecnologia avariada e abrangente.
2.4.O auditor de sistemas
O auditor de sistemas verifica eficácia dos controles e procedimentos de segurança existentes, a
eficiência dos processos em uso, a correcta utilização dos recursos disponíveis, assessorando a
administração na elaboração de planos e definição de metas, colaborando no aperfeiçoamento
dos controles internos, apontando deficiências e irregularidades que possam comprometer a
segurança e o desempenho organizacional.
Com a larga utilização da tecnologia para o armazenamento das informações contábeis,
financeiras e operacionais, o auditor de sistemas tem de se aprimorar no campo de actuação
(processos) da organização para extrair, analisar banco de dados envolvidos e suportar decisões
das demais áreas de auditoria. (MACHADO; 1997)
7
3. Auditoria informática
Auditoria informática é um exame do sistema informático, com objectivo de o avaliar em toda
sua complexidade, que inclui:
 Conhecer o ambiente e seu envolvimento;
 Conhecer o tipo de operações e as formas de as processar (armazenar e controlar) e por
último;
 Formar uma opinião.
Consiste em verificar o funcionamento de um sistema de informação, aplicando uma série de
conhecimentos, técnicas e métodos com o propósito de examinar a operatividade dos sistemas.
No processo de investigação o auditor comprova se os sistemas estão aplicando medidas de
segurança e de controlo apropriadas para assegurar a integridade da informação. O auditor deve
realizar análises profundas de todos os componentes que integram o sistema informático. A
auditoria informática em uma empresa é essencial devido a que um sistema mal desenhado seja
perigosa a empresa.
Perante o crescente valor da informação, baseada na construção de sistemas de tecnologia de
informação (TI) e tecnologias de comunicação (TC), é indispensável que sejam estabelecidas
protecções adequadas que venham a ser avaliadas ou recomendadas pela auditoria de segurança.
Numa perspectiva tradicional, a segurança de todos os activos informáticos continua a ser a área
principal a auditar e, por isso, algumas organizações criaram inicialmente a função de Auditoria
Informática, que teria por principal objectivo a análise avaliadora da segurança.
4.1. Auditoria de segurança
Se a protecção dos SI não é definida e devidamente implementada e controlada torna se possível
perder informação vital no processo de decisão e, por isso, aumenta a probabilidade de tomar
decisões erradas ou de cumprir prazos contratados com outras entidades ou prazos inerentes à
legislação vigente, o que pode traduzir-se em graves infracções e nas consequentes punições.
A realização da auditoria dos SI informatizados tem de acompanhar as diferentes linhas de
evolução das várias tecnologias que estão incluídas no domínio das operações informáticas.
8
É necessário avaliar se os modelos de segurança concordam e estão em consonância com as
novas arquitecturas, as diferentes plataformas e as formas de comunicação, visto que não se pode
auditar com conceitos, técnicas ou recomendações que se tornaram obsoletas.
Ao falar de segurança considera-se sempre as suas três dimensões clássicas:
 Confidencialidade da informação
Quando só os utilizadores autorizados (e num sentido amplo poder-se-ia falar também de
sistemas) têm acesso a um dado tipo de dados e à informação correspondente.
 Integridade da informação
Só os utilizadores devidamente autorizados é que poderiam modificar ou apagar alguns dados. Se
o fizerem, tais modificações devem ser registadas, a fim de ser possível o controlo posterior, o
que facilita as operações de auditoria.
 Disponibilidade da informação
Se os utilizadores autorizados podem ter acesso atempadamente à informação, à qual estejam
autorizados.
O dispor da informação apenas depois do momento em que a mesma é necessária pode equivaler
à falta de disponibilidade. Ainda mais grave, pode ser a ausência de disponibilidade absoluta
devida a algum desastre que tenha acontecido.
Além disso, tem de existir autenticidade
Isto significa que os dados e/ou a informação são autênticos, introduzidos ou comunicados por
utilizadores identificados e com as autorizações julgadas necessárias.
9
4. Auditoria nas TIC
A área de TIC (tecnologia da informação e comunicação) sempre está em auditoria. Quando não
em uma auditoria de TIC especifica, ela está envolvida numa auditoria da área de negócios.
Quando não existem observações sobre não conformidade de processos e controles, a auditoria é
encerrada sem alardes. Entretanto, se identificada alguma não conformidade, o desgaste é
gigantesco. São necessárias horas e horas de elaboração de justificativas, argumentações, novos
testes e reuniões intermináveis na tentativa de convencer os auditores que o risco da não
conformidade é pequeno. O melhor investimento é garantir que não haja problemas de
conformidade.
As auditorias de TIC são baseadas no framework de governança de TI CobIT. O CobIT orienta
sobre as melhores práticas de gestão para cada área da organização de TI. Entretanto, não
descreve detalhadamente os procedimentos, mesmo porque cada organização tem suas próprias
características. O CobIT possui quatro quadrantes básicos: Planejamento e Organização;
Aquisição e Implementação; Entrega e Suporte; e, Controle e Avaliação. O investimento em
processo e controle de mudanças para implantar o CobIT não é insignificante. Para acelerar o
projeto é recomendável contratar ajudar externa. (BENTO; 1997)
Normalmente, as auditorias de TIC avaliam o desempenho e conformidade da área nos seguintes
pontos de controle: alinhamento de TIC com os objetivos de negócio; controle e segurança da
infraestrutura, incluindo o datacenter; controle e segurança lógica; controles nos sistemas que
estão em produção; e o processo e controles no desenvolvimento de sistemas.
5.1. Funções em auditoria de TIC
 Segurança;
 Qualidade;
 Conformidade.
4.2.Perspectivas da auditoria de TIC
 Tecnológica;
 Organizacional;
 Pessoas.
10
4.3.Objectivos da auditoria de TIC
 Fidelidade da informação em relação ao dado processo;
 Segurança física – recursos humanos e materiais;
 Segurança lógica – sistema informatizado;
 Confidencialidade – sigilo acesso ao sistema;
 Segurança ambiental – infra-estrutura;
 Obediência à legislação em vigor;
 Eficiência – maximização da relação custo benefício;
 Eficácia – nível de satisfação do usuário;
 Obediência às políticas da alta administração.
11
Conclusão
A necessidade de implementação de processos de auditoria contínuo nas organizações para
verificar a segurança do funcionamento de seus sistemas informatizados é suma importância,
considerando-se que na actualidade em face ao processo de globalização, a necessidade de
disponibilização de dados das mais variadas características é fundamental para a sobrevivência
das empresas em um ambiente económico de características plenamente competitivas.
Manter sistemas informatizados em funcionamento sem segurança de uma operação eficaz, é
inscrever a empresa na relação das suicidas, pois não tendo informações auditadas, estará
trabalhando com dados inconsistentes que, naturalmente poderão causar danos nas suas
operações comerciais.
12
Bibliografia
BENTO, José e MACHADO, José Fernandes – “O Plano Oficial de Contabilidade Explicado”,
23.ª Edição, Porto Editora, Porto, 1997
BORGES, António e FERRÃO, Martins – “A Contabilidade e a Prestação de Contas”, 14.ª
Edição, Ed. Rei dos Livros, Lisboa, 1993;
BORGES, António, RODRIGUES, Azevedo, RODRIGUES, Rogério – “Elementos de
Contabilidade
Geral”, 13.ª Edição, Rei dos Livros, Lisboa, 1993;
COSTA, Carlos Baptista – “Como preparar de forma adequada o Anexo ao Balanço e à
Demonstração dos Resultados”, in JTCE n.os 344, 345 e 346, de Maio a Junho/94;
MANOTTI, Alessandro – Auditoria de Sistemas, Curso Pratico. Editora, Ciência Moderna,
2010, ISBN.
BIOGRAFIA DO AUTOR
Nome Completo: Sérgio Alfredo Macore / Helldriver Rapper
Nascimento: 22 de Fevereiro de 1993
Especialização: Gestão de Empresas e Finanças
Pais / Cidade: Moçambique / Pemba
Contacto: +258 846458829 ou +258 826677547
E-mail: Sergio.macore@gmail.com ou Helldriverrapper@hotmail.com
Facebook: Helldriver Rapper ou Sergio Alfredo Macore

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001
Greice Marques
 
4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna
Samantha Kathryn Soares Medeiros
 
Check list para auditoria interna
Check list para auditoria internaCheck list para auditoria interna
Check list para auditoria interna
Miguel
 
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2
MIGUEL_VILACA
 
Arquitetura de Computadores
Arquitetura de ComputadoresArquitetura de Computadores
Arquitetura de Computadores
pedroetec
 
Sistema acadêmico
Sistema acadêmicoSistema acadêmico
Sistema acadêmico
Leinylson Fontinele
 
Aplicativos Informatizados - Profª Alessandra
Aplicativos Informatizados - Profª AlessandraAplicativos Informatizados - Profª Alessandra
Aplicativos Informatizados - Profª Alessandra
Alessandra França
 
Auditoria interna
Auditoria internaAuditoria interna
Auditoria interna
Gilson Sena
 
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de InformaçãoAula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Daniel Brandão
 
Introdução a Linguagem de Programação C
Introdução a Linguagem de Programação CIntrodução a Linguagem de Programação C
Introdução a Linguagem de Programação C
Gercélia Ramos
 
Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e HierárquicoModelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
rosimaracorsino
 
Aula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SI
Aula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SIAula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SI
Aula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SI
Daniel Brandão
 
Aula 1 - Introdução a Segurança da Informação
Aula 1 - Introdução a Segurança da InformaçãoAula 1 - Introdução a Segurança da Informação
Aula 1 - Introdução a Segurança da Informação
Carlos Henrique Martins da Silva
 
Slide Controle Interno
Slide Controle InternoSlide Controle Interno
Slide Controle Interno
guestb719b5
 
manual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptx
manual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptxmanual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptx
manual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptx
WilsonFernandesRapos
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
instituto monitor
 
Análise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturadaAnálise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturada
Wagner Bonfim
 
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria InternaAula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)
Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)
Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)
Gustavo Zimmermann
 

Mais procurados (20)

Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001
 
4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna4.5.5 auditoria interna
4.5.5 auditoria interna
 
Check list para auditoria interna
Check list para auditoria internaCheck list para auditoria interna
Check list para auditoria interna
 
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
Aula 2 - 1 Conceitos e objetivos da Auditoria.
 
Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2Auditoria interna de ti 2
Auditoria interna de ti 2
 
Arquitetura de Computadores
Arquitetura de ComputadoresArquitetura de Computadores
Arquitetura de Computadores
 
Sistema acadêmico
Sistema acadêmicoSistema acadêmico
Sistema acadêmico
 
Aplicativos Informatizados - Profª Alessandra
Aplicativos Informatizados - Profª AlessandraAplicativos Informatizados - Profª Alessandra
Aplicativos Informatizados - Profª Alessandra
 
Auditoria interna
Auditoria internaAuditoria interna
Auditoria interna
 
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de InformaçãoAula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
 
Introdução a Linguagem de Programação C
Introdução a Linguagem de Programação CIntrodução a Linguagem de Programação C
Introdução a Linguagem de Programação C
 
Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e HierárquicoModelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
 
Aula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SI
Aula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SIAula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SI
Aula 3 Sistemas de Informação - Tipos de SI
 
Aula 1 - Introdução a Segurança da Informação
Aula 1 - Introdução a Segurança da InformaçãoAula 1 - Introdução a Segurança da Informação
Aula 1 - Introdução a Segurança da Informação
 
Slide Controle Interno
Slide Controle InternoSlide Controle Interno
Slide Controle Interno
 
manual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptx
manual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptxmanual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptx
manual_ufcd0776-organizaao_de_uma_empresa.pptx
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
 
Análise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturadaAnálise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturada
 
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria InternaAula 5 - 4 Auditoria Interna
Aula 5 - 4 Auditoria Interna
 
Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)
Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)
Banco de Dados II: Conversão do Modelo Conceitual para o Modelo Lógico (aula 6)
 

Destaque

2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...
2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...
2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...
Filipe Pontes
 
Fluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla CaldasFluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla Caldas
Priscyla Caldas
 
Importância da informática no século 21
Importância da informática no século 21Importância da informática no século 21
Importância da informática no século 21
Filipe Simão Kembo
 
Normas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzidaNormas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzida
claudio guimaraes
 
Fluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla CaldasFluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla Caldas
ÊXITO Marketing
 
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e SignificadosAnalise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Juliana Gulka
 
Auditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informaçãoAuditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informação
Silvino Neto
 
Fluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informaçãoFluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informação
rdbtava
 
Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de AuditoriaAula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Identidade, imagem e reputação organizacional
Identidade, imagem e reputação organizacionalIdentidade, imagem e reputação organizacional
Identidade, imagem e reputação organizacional
Daniela Ribeiro
 
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04   coneitos de auditoria de sistemasAula 04   coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
sorayaNadja
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
R.T_article pdf
R.T_article pdfR.T_article pdf
R.T_article pdf
reham talaat
 
Chemo senses
Chemo sensesChemo senses
Chemo senses
Nou Vang
 
Basic Object Oriented Concepts
Basic Object Oriented ConceptsBasic Object Oriented Concepts
Basic Object Oriented Concepts
Scott Lee
 
Lecture 08: “two sides of the same coin”
Lecture 08: “two sides of the same coin”Lecture 08: “two sides of the same coin”
Lecture 08: “two sides of the same coin”
Patrick Mooney
 
Formula of failure and success
Formula of failure and successFormula of failure and success
Formula of failure and success
Ujjwal Panda
 
AmyandSusan
AmyandSusanAmyandSusan
AmyandSusan
sgrobins
 
Algebra 2 powerpoint
Algebra 2 powerpointAlgebra 2 powerpoint
Algebra 2 powerpoint
roohal51
 
Where can tell me who I am?
Where can tell me who I am?Where can tell me who I am?
Where can tell me who I am?
seltzoid
 

Destaque (20)

2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...
2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...
2ª edição da pós-graduação em Auditoria, Risco e controlo de sistemas de info...
 
Fluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla CaldasFluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos Comunicacionais e Cultura Organizacional, por Priscyla Caldas
 
Importância da informática no século 21
Importância da informática no século 21Importância da informática no século 21
Importância da informática no século 21
 
Normas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzidaNormas de auditoria reduzida
Normas de auditoria reduzida
 
Fluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla CaldasFluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla Caldas
Fluxos comunicacionais e cultura organizacional, por Priscyla Caldas
 
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e SignificadosAnalise crítica da tese: Leitura e Significados
Analise crítica da tese: Leitura e Significados
 
Auditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informaçãoAuditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informação
 
Fluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informaçãoFluxos de ideias e informação
Fluxos de ideias e informação
 
Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de AuditoriaAula 14 - 9 Normas de Auditoria
Aula 14 - 9 Normas de Auditoria
 
Identidade, imagem e reputação organizacional
Identidade, imagem e reputação organizacionalIdentidade, imagem e reputação organizacional
Identidade, imagem e reputação organizacional
 
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04   coneitos de auditoria de sistemasAula 04   coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
R.T_article pdf
R.T_article pdfR.T_article pdf
R.T_article pdf
 
Chemo senses
Chemo sensesChemo senses
Chemo senses
 
Basic Object Oriented Concepts
Basic Object Oriented ConceptsBasic Object Oriented Concepts
Basic Object Oriented Concepts
 
Lecture 08: “two sides of the same coin”
Lecture 08: “two sides of the same coin”Lecture 08: “two sides of the same coin”
Lecture 08: “two sides of the same coin”
 
Formula of failure and success
Formula of failure and successFormula of failure and success
Formula of failure and success
 
AmyandSusan
AmyandSusanAmyandSusan
AmyandSusan
 
Algebra 2 powerpoint
Algebra 2 powerpointAlgebra 2 powerpoint
Algebra 2 powerpoint
 
Where can tell me who I am?
Where can tell me who I am?Where can tell me who I am?
Where can tell me who I am?
 

Semelhante a Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados

Contabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da informação
Contabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da  informaçãoContabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da  informação
Contabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da informação
Victor Sousa
 
Auditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de Software
Auditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de SoftwareAuditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de Software
Auditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de Software
Thiago Vidal
 
Finanças de TI - aula 8
Finanças de TI - aula 8Finanças de TI - aula 8
Finanças de TI - aula 8
Universal.org.mx
 
Projeto de contabilidade na escola
Projeto de contabilidade na escolaProjeto de contabilidade na escola
Projeto de contabilidade na escola
Cláudio Diniz
 
Apresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e Registral
Apresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e RegistralApresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e Registral
Apresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e Registral
Agência Digital Plusinfo
 
Sistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencialSistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencial
Denilson Sousa
 
Sistemas de Informação (1).ppt
Sistemas de Informação (1).pptSistemas de Informação (1).ppt
Sistemas de Informação (1).ppt
Agrupamento de escolas de Pombal
 
Tecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De DecisãoTecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De Decisão
Cleiton Fernandes
 
Pam
PamPam
Artigo1
Artigo1Artigo1
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
LilianaCaetano8
 
Logística e Suas Tecnologias
Logística e Suas TecnologiasLogística e Suas Tecnologias
Logística e Suas Tecnologias
Gabriel Rodrigues
 
Descrição técnica dos softwares IntegraGRP
Descrição técnica dos softwares   IntegraGRPDescrição técnica dos softwares   IntegraGRP
Descrição técnica dos softwares IntegraGRP
integragrp
 
Qpoint - apresentação software gestão da qualidade
Qpoint - apresentação software gestão da qualidadeQpoint - apresentação software gestão da qualidade
Qpoint - apresentação software gestão da qualidade
zeone
 
Case study BPM Boa Vista
Case study BPM Boa VistaCase study BPM Boa Vista
Case study BPM Boa Vista
zishii
 
S.I - Estudos
S.I - EstudosS.I - Estudos
S.I - Estudos
Gabriel Faustino
 
Relatório 1 conceitos de sistemas informação
Relatório 1   conceitos de sistemas informaçãoRelatório 1   conceitos de sistemas informação
Relatório 1 conceitos de sistemas informação
Frederico Gustavo Magalhães
 
SIG - Sistema de Informações Gerenciais
SIG - Sistema de Informações GerenciaisSIG - Sistema de Informações Gerenciais
SIG - Sistema de Informações Gerenciais
Deroci Nonato Júnior
 
Aula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de Sistemas
Aula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de SistemasAula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de Sistemas
Aula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de Sistemas
Daniel Brandão
 
SEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de Processos
SEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de ProcessosSEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de Processos
SEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de Processos
Colaborativismo
 

Semelhante a Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados (20)

Contabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da informação
Contabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da  informaçãoContabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da  informação
Contabilidade e seu desenvolvimento junto à tecnologia da informação
 
Auditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de Software
Auditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de SoftwareAuditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de Software
Auditoria de TI aplicado ao Desenvolvimento de Software
 
Finanças de TI - aula 8
Finanças de TI - aula 8Finanças de TI - aula 8
Finanças de TI - aula 8
 
Projeto de contabilidade na escola
Projeto de contabilidade na escolaProjeto de contabilidade na escola
Projeto de contabilidade na escola
 
Apresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e Registral
Apresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e RegistralApresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e Registral
Apresentação - Sistemas para Cartórios - Informatização Notarial e Registral
 
Sistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencialSistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencial
 
Sistemas de Informação (1).ppt
Sistemas de Informação (1).pptSistemas de Informação (1).ppt
Sistemas de Informação (1).ppt
 
Tecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De DecisãoTecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De Decisão
 
Pam
PamPam
Pam
 
Artigo1
Artigo1Artigo1
Artigo1
 
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
0620 - Controlo de Gestão - Manual.docx
 
Logística e Suas Tecnologias
Logística e Suas TecnologiasLogística e Suas Tecnologias
Logística e Suas Tecnologias
 
Descrição técnica dos softwares IntegraGRP
Descrição técnica dos softwares   IntegraGRPDescrição técnica dos softwares   IntegraGRP
Descrição técnica dos softwares IntegraGRP
 
Qpoint - apresentação software gestão da qualidade
Qpoint - apresentação software gestão da qualidadeQpoint - apresentação software gestão da qualidade
Qpoint - apresentação software gestão da qualidade
 
Case study BPM Boa Vista
Case study BPM Boa VistaCase study BPM Boa Vista
Case study BPM Boa Vista
 
S.I - Estudos
S.I - EstudosS.I - Estudos
S.I - Estudos
 
Relatório 1 conceitos de sistemas informação
Relatório 1   conceitos de sistemas informaçãoRelatório 1   conceitos de sistemas informação
Relatório 1 conceitos de sistemas informação
 
SIG - Sistema de Informações Gerenciais
SIG - Sistema de Informações GerenciaisSIG - Sistema de Informações Gerenciais
SIG - Sistema de Informações Gerenciais
 
Aula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de Sistemas
Aula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de SistemasAula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de Sistemas
Aula 04 Sistema de Informação - Processo e Requisitos de Sistemas
 
SEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de Processos
SEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de ProcessosSEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de Processos
SEI | Prefeitura de São Paulo | Manual de Migração de Processos
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Universidade Pedagogica
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Universidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Universidade Pedagogica
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Universidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Universidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
Universidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Universidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Universidade Pedagogica
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
 

Auditoria no contexto de sistemas de informação computadorizados

  • 1. 1 Introdução Actualmente, a informática está presente em todos os ramos de actividade conhecidos pelo homem, directa ou indirectamente, participando do nosso dia, quando transmitimos informações pela internet, ou seja, somos altamente dependentes dos meios de comunicação.O objectivo global e o âmbito de uma auditoria não se alteram quando esta é efectuada em ambiente de sistema de tecnologia de informação. Contudo, a utilização dos computadores altera o processamento, armazenagem e comunicação da informação financeira e pode afectar os sistemas contabilísticos e de controlo interno em vigor nas empresa.Com a crescente evolução tecnológica, o uso da internet tornam-se cada vez mais rotineiro e imprescindível. Devido ao grande avanço tecnológico ocorrido nas grandes empresas e a maior necessidade de informações úteis e tempestivas aos gestores, a Contabilidade vem se adaptando a esse novo ambiente, de forma a cumprir sua função de geradora de informações. Com isso, empresas e contadores buscam tornar as informações cada vez mais eficazes, dinâmicas, transmissões e recebimentos de informações através de sistemas informatizados. Objectivos Objectivo geral Informar detalhada e circunstancialmente sobre Auditoria no contexto de Sistemas de informação computadorizados Objectivo especial Estar ciente acerca da auditoria de sistemas a avaliação, o ambiente de sistema de processamento de dados para avaliar e identificar os possíveis riscos (erros, falhas, irregularidades, ineficiência, etc.) que estejam ocorrendo ou que possam ocorrer dentro de uma organização. Estar informado acerca reflectir sobre os riscos e consequências que advêm desta. Metodologia Para a concretização deste trabalho, o grupo baseou-se na pesquisa bibliográfica, tendo se destacado a pesquisa de navegação entre outras.
  • 2. 2 1. Auditoria no contexto de Sistemas de informação computadorizados Cada vez mais as empresas utilizam equipamentos informáticos próprios mesmo que de dimensão reduzida. No entanto, continua a assistir-se á grande utilização de serviços prestados por firmas de processamento informático, mesmo por parte de empresas médias e grandes. A informação na empresa, que começou por se preocupar apenas com a divulgação dos factos patrimoniais, estende-se hoje a todos os seus sectores. O órgão de gestão de uma empresa será tanto mais eficiente enquanto maior for a quantidade e qualidade de informações úteis de que possa dispor em tempo oportuno. A importância da informação nos seus aspectos de abundância e rapidez deu origem ao aparecimento e desenvolvimento da informática palavra está que, resultando de outras duas-informação e automática- significa o tratamento racional e automático da informação.(BENTO, 1997) O objectivo global e o âmbito de uma auditoria não se alteram quando esta é efectuada em ambiente de sistema de tecnologia de informação. Contudo, a utilização dos computadores altera o processamento, armazenagem e comunicação da informação financeira e pode afectar os sistemas contabilísticos e de controlo interno em vigor na empresa. De facto, um ambiente de sistemas de tecnologias de informação pode afectar:  Os procedimentos seguidos pelo auditor aquando da obtenção da compreensão dos sistemas contabilísticos e de controlo interno;  A consideração do risco inerente e do risco de controlo através dos quais o auditor chega á determinação do risco de auditoria; A concepção e realização, pelo auditor, dos testes aos controlos e dos procedimentos substantivos apropriados para atingir o objectivo da auditoria.(BORGES;1993) Os suportes técnicos da informática são conjuntos electrónicos conhecidos por computadores, constituídos por três (3) tipos de órgãos:  Órgãos periféricos de entrada (input) que tem por missão captarem, através de registo electrónico, as informações que devem ser tratadas;
  • 3. 3  Órgão central constituídos por três (3) unidades: a unidade central de memória, a unidade aritmética e lógica e a unidade de controlo - onde se efectuam as operações de tratamento das informações e se guardam algumas delas;  Órgãos periféricos de saída (output) que se encarregam de mostrar os resultados do tratamento das informações. Os órgãos periféricos de entrada, após um trabalho de codificação, permitem a introdução das informações (input) na unidade central, onde se realiza a leitura, o controlo, os cálculos, as comparações e as operações lógicas. As informações tratadas são memorizadas em suportes magnéticos (bandas ou discos) constituindo resultados parciais para serem explorados mais tarde ou para darem de imediato origem á emissão de resultados directamente exploráveis pelo homem (outputs). O computador não é um «cérebro» electrónico, mas apenas e simplesmente, uma máquina automática muito independente pois para funcionar não necessita de ter a intervenção nem ser conduzida pelo homem. O computador apenas necessita que sejam registados na sua «memória» os programas que lhe permitam efectuar os processamentos, entendendo-se por programa (rotina) a sequência das operações que o computador terá de executar quando lhe transmitirem determinadas informações. É este funcionamento que se faz sem a intervenção do homem.(COSTA, 1999) 1. Acontecimentos que ocorrem após a data do balanço Acontecimentos após a data do balanço: são aqueles acontecimentos, favoráveis e desfavoráveis, que ocorram entre a data do balanço e a data em que as demonstrações financeiras forem autorizadas para emissão, pelo órgão de gestão. Podem ser identificados dois tipos de acontecimentos:  Aqueles que proporcionem prova de condições que existiam à data do balanço (acontecimentos após a data do balanço que dão lugar a ajustamentos),  Aqueles que sejam indicativos de condições que surgiram após a data do balanço (acontecimentos após a data do balanço que não dão lugar a ajustamentos).
  • 4. 4 Uma entidade deve ajustar as quantias reconhecidas nas suas demonstrações financeiras para reflectir os acontecimentos após a data do balanço que dão lugar a ajustamentos. Exemplos de acontecimentos ocorridos após a data do balanço que dão lugar a ajustamentos e que exigem que uma entidade ajuste as quantias reconhecidas nas suas demonstrações financeiras, ou que reconheça itens que não foram anteriormente reconhecidos. A resolução, após a data do balanço, de um caso judicial que confirma que a entidade tinha uma obrigação presente à data do balanço. A entidade ajusta qualquer provisão anteriormente reconhecida relacionada com este caso judicial de acordo com a NCRF 21, Provisões, Passivos Contingentes e Activos Contingentes ou reconhece uma nova provisão. A entidade não pode divulgar meramente um passivo contingente porque a resolução proporciona provas adicionais que seriam consideradas de acordo com a NCRF 21. A recepção de informação após a data do balanço que indique que um activo estava em imparidade à data do balanço, ou que a quantia da perda por imparidade anteriormente reconhecida para esse activo necessita de ser ajustada, tal como ocorre, designadamente, nas seguintes situações:  A falência de um cliente que ocorre após a data do balanço confirma, normalmente, que existia uma perda à data do balanço numa conta a receber comercial e que a entidade necessita de ajustar a respectiva quantia escriturada; e  A venda de inventários após a data do balanço pode dar evidência acerca do valor realizável líquido à data do balanço. 2. Auditoria de sistemas É uma actividade independente que tem como missão o gerenciamento de risco operacional envolvido e avaliar a adequação das tecnologias e sistemas de informação utilizados na organização através da revisão e avaliação dos controles, desenvolvimento de sistemas, procedimentos de TI., infra-estrutura, operação, desempenho e segurança da informática que envolve o processamento de informações críticas para a tomada de decisão. Ou seja é a avaliação do controle interno de sistemas de informação.
  • 5. 5 3.1. Objectivos da auditoria de sistemas A auditoria de sistemas é um processo realizado por profissionais capacitados e consiste em reunir, agrupar e avaliar evidências para determinar se um sistema de informação suporta adequadamente um activo de negócio, mantendo a integridade dos dados, e realiza os objectivos esperados, utiliza eficientemente os recursos e cumpre com as regulamentações e leis estabelecidas. Permite detectar de forma automática o uso dos recursos e dos fluxos de informação dentro de uma empresa e determinar qual informação é crítica para o cumprimento de sua missão e objectivos, identificando necessidades, processos repetidos, custos valor e barreiras que impacta fluxos de informações eficientes. O s objectivos da auditoria de sistemas, são a missão de um parecer (ou uma nota) sobre:  O controlo da área de tecnologia;  Análise das eficiências dos sistemas de informação;  A verificação do cumprimento das legislações e normativos a qual estão sujeitos;  A gestão eficaz dos recursos de informática. A auditoria de sistema contribui para a melhoria constante dos negócios suportada pela tecnologia, nos seguintes aspectos:  Desempenho;  Confiabilidade;  Integridade;  Disponibilidade;  Segurança;  Confidencialidade;  Privacidade.
  • 6. 6 2.2.Funções da auditoria de sistemas  Promover a adequação (avaliações e recomendações para o aprimoramento) dos controles nos sistemas de informação da empresa;  Utilização dos recursos humanos, materiais e tecnológicos envolvidos no processamento dos mesmos. 2.3.Dificuldades de auditoria de sistemas  Desfasagem tecnológica;  Falta de bons profissionais;  Falta de cultura da empresa;  Tecnologia avariada e abrangente. 2.4.O auditor de sistemas O auditor de sistemas verifica eficácia dos controles e procedimentos de segurança existentes, a eficiência dos processos em uso, a correcta utilização dos recursos disponíveis, assessorando a administração na elaboração de planos e definição de metas, colaborando no aperfeiçoamento dos controles internos, apontando deficiências e irregularidades que possam comprometer a segurança e o desempenho organizacional. Com a larga utilização da tecnologia para o armazenamento das informações contábeis, financeiras e operacionais, o auditor de sistemas tem de se aprimorar no campo de actuação (processos) da organização para extrair, analisar banco de dados envolvidos e suportar decisões das demais áreas de auditoria. (MACHADO; 1997)
  • 7. 7 3. Auditoria informática Auditoria informática é um exame do sistema informático, com objectivo de o avaliar em toda sua complexidade, que inclui:  Conhecer o ambiente e seu envolvimento;  Conhecer o tipo de operações e as formas de as processar (armazenar e controlar) e por último;  Formar uma opinião. Consiste em verificar o funcionamento de um sistema de informação, aplicando uma série de conhecimentos, técnicas e métodos com o propósito de examinar a operatividade dos sistemas. No processo de investigação o auditor comprova se os sistemas estão aplicando medidas de segurança e de controlo apropriadas para assegurar a integridade da informação. O auditor deve realizar análises profundas de todos os componentes que integram o sistema informático. A auditoria informática em uma empresa é essencial devido a que um sistema mal desenhado seja perigosa a empresa. Perante o crescente valor da informação, baseada na construção de sistemas de tecnologia de informação (TI) e tecnologias de comunicação (TC), é indispensável que sejam estabelecidas protecções adequadas que venham a ser avaliadas ou recomendadas pela auditoria de segurança. Numa perspectiva tradicional, a segurança de todos os activos informáticos continua a ser a área principal a auditar e, por isso, algumas organizações criaram inicialmente a função de Auditoria Informática, que teria por principal objectivo a análise avaliadora da segurança. 4.1. Auditoria de segurança Se a protecção dos SI não é definida e devidamente implementada e controlada torna se possível perder informação vital no processo de decisão e, por isso, aumenta a probabilidade de tomar decisões erradas ou de cumprir prazos contratados com outras entidades ou prazos inerentes à legislação vigente, o que pode traduzir-se em graves infracções e nas consequentes punições. A realização da auditoria dos SI informatizados tem de acompanhar as diferentes linhas de evolução das várias tecnologias que estão incluídas no domínio das operações informáticas.
  • 8. 8 É necessário avaliar se os modelos de segurança concordam e estão em consonância com as novas arquitecturas, as diferentes plataformas e as formas de comunicação, visto que não se pode auditar com conceitos, técnicas ou recomendações que se tornaram obsoletas. Ao falar de segurança considera-se sempre as suas três dimensões clássicas:  Confidencialidade da informação Quando só os utilizadores autorizados (e num sentido amplo poder-se-ia falar também de sistemas) têm acesso a um dado tipo de dados e à informação correspondente.  Integridade da informação Só os utilizadores devidamente autorizados é que poderiam modificar ou apagar alguns dados. Se o fizerem, tais modificações devem ser registadas, a fim de ser possível o controlo posterior, o que facilita as operações de auditoria.  Disponibilidade da informação Se os utilizadores autorizados podem ter acesso atempadamente à informação, à qual estejam autorizados. O dispor da informação apenas depois do momento em que a mesma é necessária pode equivaler à falta de disponibilidade. Ainda mais grave, pode ser a ausência de disponibilidade absoluta devida a algum desastre que tenha acontecido. Além disso, tem de existir autenticidade Isto significa que os dados e/ou a informação são autênticos, introduzidos ou comunicados por utilizadores identificados e com as autorizações julgadas necessárias.
  • 9. 9 4. Auditoria nas TIC A área de TIC (tecnologia da informação e comunicação) sempre está em auditoria. Quando não em uma auditoria de TIC especifica, ela está envolvida numa auditoria da área de negócios. Quando não existem observações sobre não conformidade de processos e controles, a auditoria é encerrada sem alardes. Entretanto, se identificada alguma não conformidade, o desgaste é gigantesco. São necessárias horas e horas de elaboração de justificativas, argumentações, novos testes e reuniões intermináveis na tentativa de convencer os auditores que o risco da não conformidade é pequeno. O melhor investimento é garantir que não haja problemas de conformidade. As auditorias de TIC são baseadas no framework de governança de TI CobIT. O CobIT orienta sobre as melhores práticas de gestão para cada área da organização de TI. Entretanto, não descreve detalhadamente os procedimentos, mesmo porque cada organização tem suas próprias características. O CobIT possui quatro quadrantes básicos: Planejamento e Organização; Aquisição e Implementação; Entrega e Suporte; e, Controle e Avaliação. O investimento em processo e controle de mudanças para implantar o CobIT não é insignificante. Para acelerar o projeto é recomendável contratar ajudar externa. (BENTO; 1997) Normalmente, as auditorias de TIC avaliam o desempenho e conformidade da área nos seguintes pontos de controle: alinhamento de TIC com os objetivos de negócio; controle e segurança da infraestrutura, incluindo o datacenter; controle e segurança lógica; controles nos sistemas que estão em produção; e o processo e controles no desenvolvimento de sistemas. 5.1. Funções em auditoria de TIC  Segurança;  Qualidade;  Conformidade. 4.2.Perspectivas da auditoria de TIC  Tecnológica;  Organizacional;  Pessoas.
  • 10. 10 4.3.Objectivos da auditoria de TIC  Fidelidade da informação em relação ao dado processo;  Segurança física – recursos humanos e materiais;  Segurança lógica – sistema informatizado;  Confidencialidade – sigilo acesso ao sistema;  Segurança ambiental – infra-estrutura;  Obediência à legislação em vigor;  Eficiência – maximização da relação custo benefício;  Eficácia – nível de satisfação do usuário;  Obediência às políticas da alta administração.
  • 11. 11 Conclusão A necessidade de implementação de processos de auditoria contínuo nas organizações para verificar a segurança do funcionamento de seus sistemas informatizados é suma importância, considerando-se que na actualidade em face ao processo de globalização, a necessidade de disponibilização de dados das mais variadas características é fundamental para a sobrevivência das empresas em um ambiente económico de características plenamente competitivas. Manter sistemas informatizados em funcionamento sem segurança de uma operação eficaz, é inscrever a empresa na relação das suicidas, pois não tendo informações auditadas, estará trabalhando com dados inconsistentes que, naturalmente poderão causar danos nas suas operações comerciais.
  • 12. 12 Bibliografia BENTO, José e MACHADO, José Fernandes – “O Plano Oficial de Contabilidade Explicado”, 23.ª Edição, Porto Editora, Porto, 1997 BORGES, António e FERRÃO, Martins – “A Contabilidade e a Prestação de Contas”, 14.ª Edição, Ed. Rei dos Livros, Lisboa, 1993; BORGES, António, RODRIGUES, Azevedo, RODRIGUES, Rogério – “Elementos de Contabilidade Geral”, 13.ª Edição, Rei dos Livros, Lisboa, 1993; COSTA, Carlos Baptista – “Como preparar de forma adequada o Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados”, in JTCE n.os 344, 345 e 346, de Maio a Junho/94; MANOTTI, Alessandro – Auditoria de Sistemas, Curso Pratico. Editora, Ciência Moderna, 2010, ISBN. BIOGRAFIA DO AUTOR Nome Completo: Sérgio Alfredo Macore / Helldriver Rapper Nascimento: 22 de Fevereiro de 1993 Especialização: Gestão de Empresas e Finanças Pais / Cidade: Moçambique / Pemba Contacto: +258 846458829 ou +258 826677547 E-mail: Sergio.macore@gmail.com ou Helldriverrapper@hotmail.com Facebook: Helldriver Rapper ou Sergio Alfredo Macore