SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
Finanças em
Projetos de TI
Profa. Liliam Sakamoto
Aula 8
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras

Sistema é um conjunto de componentes interagentes e interdependentes com
   objetivos comuns.

Por exemplo, uma cadeira possui os componentes de assento, pés, encosto
e parafusos. Todos esses componentes estão juntos para formar o sistema
   “cadeira”, chamada de sistema geral. Esse sistema pode ser analisado e
   melhorado para: cadeira com estofamento, regulagem de altura, rodinhas
   etc.
O criador da teoria dos sistemas gerais ou Teoria Geral dos Sistemas foi o
   suíço Ludwig Von Bertalanffy, em 1937.

Para se melhorar os sistemas, pode-se utilizar a análise e projeto de sistemas.
Dentro dos sistemas gerais, existe uma classe particular de sistemas
   chamados sistemas de informação. Seu conceito é importantíssimo, uma
   vez que permite delimitar um todo e suas partes, compondo assim o
   sistema e seus subsistemas.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras
Pode-se, dessa forma, posteriormente, analisar, elaborar projetos, criar planos
   de contas contábeis, dividir o trabalho conforme os sistemas e seus
   componentes (subsistemas mencionados) e, enfim, obter unidades as
   quais podemos gerenciar e controlar.
Os sistemas de informação possuem entrada, processamento e saída.
Pode-se, dessa forma, posteriormente, analisar, elaborar projetos, criar planos
   de contas contábeis, dividir o trabalho conforme os sistemas e seus
   componentes (subsistemas mencionados) e, enfim, obter unidades as
   quais podemos gerenciar e controlar.
Os sistemas de informação possuem entrada, processamento e saída.
   Entradas referem-se aos dados que, no processamento, são armazenados,
   classificados e/ou recuperados. Finalmente, saída diz respeito a
   informações a ser utilizadas para tomada de decisão. Existem sistemas de
   informação manuais, como é o caso de um caderno e caneta e, por outro
   lado, existem os sistemas de informação computacionais. Nestes, a
   entrada de dados pode ocorrer por meio de digitação ou por coleta em
   leitor de código de barras.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras
O processamento nesses sistemas ocorre a partir do armazenamento de
   informações em banco de dados e de sua classificação eletrônica. Por fim,
   a saída ocorre por meio de monitores, displays digitais ou data-shows.
Os sistemas de informação computacionais atuais são compostos por
   pessoas, organização, redes, banco de dados, softwares e hardwares.
Existe uma classificação de sistemas de informação chamada sistema
   transacional, isto é, aquele tipo de sistema que somente coleta dados,
   realizando pouco processamento. Esta categoria é utilizada mais pelo
   operacional das empresas. Os sistemas no nível da operação são muito
   estruturados e não se pode modificá-los para que trabalhem de modo
   diferente do programado.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras

À medida em que se sobe do nível operacional para o intermediário, ou seja,
    para as gerências intermediárias, chega-se ao nível tático. Neste plano,
    ocorre uma semi-estruturação, isto é, quando nem tudo está definido e
    muitas vezes é preciso criatividade e elaboração de sistemas de apoio à
    decisão com uso, por exemplo, de planilhas eletrônicas para complementar
as informações.
No nível mais elevado, o da alta administração das organizações, não há
    estruturação.
Nele, trabalha-se com informações internas e externas em relação à empresa
    e são utilizados softwares do tipo Siex, os chamados sistemas de
    informação para executivos, que extraem dados de outros sistemas
    (processo de drill down) para trabalhá-los em particular.
O sistema que trabalha em vários níveis é aquele voltado para a área contábil-
    financeira. Nessa área, um dos mais importantes é o sistema de
    informação contábil.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras

Para Padoveze (2000, p. 47):
A ciência contábil traduz-se naturalmente dentro de um sistema de informação.
   Poderá ser arguido que fazer um sistema de informação contábil com a
ciência da contabilidade é um vício de linguagem, já que a própria
   contabilidade nasceu sob a arquitetura de sistema informacional.
Um “banco de dados” que contempla informações sobre todos os eventos
   econômicos e empresariais, mensurados por medidas físicas e monetárias,
   o qual não se limita apenas à geração de informações sobre eventos
   realizados, mas também sobre acontecimentos planejados, apresenta-se
   na sua mais moderna expressão como um dos mais preciosos sistemas de
   informação, possibilitando o entendimento de ambos – contabilidade e
   sistema de informação – de modo similar.
Um SIC- Sistema de Informação Contábil é uma coleção de recursos humanos
   e materiais utilizados para transformar dados contábeis e financeiros e
   outros dados em informações utilizadas por vários tomadores de decisões.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras

Os SICs contribuem para a geração de relatórios com informações contábeis e
   financeiras relevantes, para a gestão e utilização mais eficiente de recursos
   e para a manutenção do equilíbrio financeiro da empresa.
Permitem aos administradores tomar decisões mais convenientes e
   adequadas, possibilitando o crescimento e a prosperidade da empresa. A
   gestão de uma empresa requer informações contábeis e financeiras não
   apenas sobre os fatos já ocorridos; mas também sobre operações e
   eventos futuros; ou seja, requer previsões e estimativas do impacto
   financeiro das operações e transações planejadas.
Os SICs precisam ser capazes de disponibilizar uma gama de informações
   contábeis e financeiras que satisfaçam as necessidades informacionais dos
   diferentes administradores responsáveis pelas decisões.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras
A figura ilustra um sistema de informações contábeis atuando em vários níveis
    de estruturação.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Sistema de informações contábeis e financeiras

Os sistemas de informações contábeis podem incluir informações de toda a
   organização e, dessa forma, também têm de estar em condições de emitir
   relatórios contábeis, demonstrativos de lucros e perdas e todas as
   informações contábeis necessárias para o gerenciamento dos negócios.
Existe uma tendência dos sistemas de informação em geral irem todos para a
   Internet. Contudo, há resistência em se colocar os sistemas contábeis e
   financeiros na web devido ao caráter sigiloso e a importância das
   informações neles trabalhadas, porque são dados muitas vezes vitais para
   as empresas e que não devem cair nas mãos de concorrentes.
.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Escalonamento de autorizações e responsabilidades

Escalonar é dividir em unidades menores mais gerenciáveis.
O escalonamento de autorizações e responsabilidades caracteriza-se por
   dividir as possibilidades de autorização e também de responsabilidades em
   partes, de modo a facilitar ou adaptar-se às condições empresariais;
Este escalonamento pode ser feito por meio de software ou sistema de
   informação escalonador, que proporciona maior agilidade nos serviços.
O escalonamento é uma forma de se obter maior rapidez e flexibilidade da
   empresa quanto a sua adaptação diante da chegada de um processo de
   negócios.
Nesse sentido, define-se escalonamento ágil como a atividade ou sistema com
   capacidade de suportar ações de escalonamento dinâmico e de ágil
   adaptação, isto é, capacidade de flexível adaptação de toda a estrutura de
produção de uma empresa de acordo com as características e requisitos de
   um dado processo de negócios.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                             TI-                   Auditorias
Auditar vem do latim “ouvir”, de onde derivam-se as palavras áudio e aparelho
   auditivo. Consiste no exame cuidadoso, sistemático e independente das
   atividades desenvolvidas por determinada empresa ou setor e sua
função é averiguar se tais atividades estão de acordo com as disposições
   planejadas e/ou preestabelecidas, se foram implementadas com eficácia e
   se estão em conformidade à consecução dos objetivos. Uma das causas
   de se contratar uma auditoria pode ser a suspeita de fraude num
   departamento de uma empresa.
A auditoria atualmente se constitui num dos trabalhos mais importantes a fim
   de se detectar desfalques, fraudes ou erros, não somente na área
   financeira como também na área da qualidade, da educação e em
   praticamente todas as demais áreas do conhecimento. Existe uma
   classificação dos auditores em: externos (contratados pela empresa
   exclusivamente para fazer a auditoria) e internos (trabalham como
   funcionários da empresa). Os auditores externos possuem a vantagem de
   não se sentirem pressionados pela organização para a qual estão
   trabalhando.
Os serviços de auditoria, normalmente, têm de ser solicitados pela alta
   administração da empresa pois, caso o auditor não tenha suporte e
   autoridade, não conseguirá realizar um bom trabalho.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Auditorias

A figura ilustra o
    trabalho de
    auditoria
    realizando
    avaliações em
    locais (“pontos
    de controle”).
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Auditorias
Serviços de auditoria em pontos de controle.
Fonte: <http://www.peritocontador.com.br/imagens_artigos/auditoria2.gif>.
Seguem os nomes de algumas empresas de auditoria externa, também
    chamada auditoria independente: Deloitte, PwC, KPMG e Ernst & Young.
O trabalho do auditor é denominado missão. Esse trabalho não é e nem pode
    ser um serviço de inspeção de rotina, uma vez que este último é realizado
    por inspetores, policiais ou o pessoal especializado. Quando um auditor
    realiza uma missão numa determinada área, ele tem de receber carta
    branca, vinda do próprio dono ou presidente da empresa, para fazer seu
    trabalho.
Caso contrário, um chefe ou gerente de alguma área específica pode querer
    esconder documentos ou locais, dificultando o acesso do auditor.
Finanças em Projetos de TI- Aula 7
                              TI-
Auditorias

A omissão não pode ocorrer numa missão de auditoria. Se ocorrer, o auditor
   deve relatar o fato a quem contratou o serviço para que, juntos, decidam
   como proceder diante da questão.
Em se tratando de projetos de TI, a auditoria pode detectar causas de falha,
   corrupção ou mau uso dos recursos, mas o trabalho continua com caráter
   de missão.
Ao realizar um trabalho numa determinada área, o auditor deve definir o
   sistema a ser estudado, os pontos de controle, as pessoas a entrevistar, os
   locais a serem visitados, quais documentos requisitar e os testes a ser
   realizados, bem como a época de aplicá-los. Também poderá criar ou, se já
   existir e for adequado, usar check lists e ser minucioso, persistente, cordial
   e ético no seu trabalho. O produto do trabalho do auditor será um relatório
   de auditoria da área em estudo.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES
 Capital de giro é o conjunto de valores de que uma empresa necessita para
 fazer funcionar seus negócios.
 É o ativo circulante da empresa mais detalhadamente, corresponde ao
 ativo circulante menos o passivo circulante.
 Expressão comum no mercado, “capital em giro” corresponde aos bens
 efetivamente em uso.
 Em geral, de 50 a 60% do total dos ativos de uma empresa representam a
 fatia correspondente a esse capital.
 Além da participação no total dos ativos da empresa.
 O administrador financeiro tem muito mais trabalho administrando o capital
 de giro que o capital fixo.
 O capital de giro precisa ser acompanhado constantemente, pois sofre o
 impacto das diversas mudanças no panorama econômico enfrentado pela
 empresa de forma contínua.
 Muitas empresas apresentam dificuldades relacionadas com capital de giro,
 principalmente micro e pequenas empresas.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES

 As dificuldades surgem devido a:
    inadimplência;
    aumento de custos de fornecedores;
    aumento de despesas gerais;
    aumento de custos financeiros;
    mudanças no cenário econômico geral;
    atuação agressiva de concorrentes etc.
 Quando uma empresa não possui um bom planejamento, podem ocorrer
 também problemas de fluxo de caixa mal programado e, com uma entrada
 de dinheiro relativamente pequena, a empresa possivelmente apresentará
 dificuldades financeiras que vão, eventualmente, tirar o sono de muitos
 proprietários de negócios.
 A figura do próximo slide ilustra o funcionamento do capital de giro de uma
 empresa.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES

 Esta figura ilustra o funcionamento do capital de giro de uma empresa.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES

 Nessas horas, devido ao desespero, há muitas vendas de empresas, pois o
 proprietário de um pequeno negócio só quer se livrar das dívidas.
 Com o bom conhecimento da administração financeira, há profissionais que
 adquirem essas empresas em dificuldades devido à má gestão financeira,
 saneando-as a seguir, renegociando prazos e dívidas com fornecedores,
 melhorando o fluxo de caixa, acertando o capital de giro e trazendo a
 empresa para o lucro e para os bons resultados.
 Após o saneamento, uma empresa lucrativa pode ser revendida no
 mercado por um valor muito superior e, dessa forma, o profissional da
 administração financeira pode ganhar um bom dinheiro tanto para si como
 para os que trabalham com ele.
 Este é somente um exemplo da importância do trabalho com o capital de
 giro e também relacionado com os conhecimentos anteriores relativos a
 fluxo de caixa.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES
 Em relação ao giro, Ross (1995, p. 50) informa que os índices de atividade
 ajudam a medir a eficácia da gestão dos ativos de uma empresa e
 apresenta vários índices importantes para o acompanhamento desta
 eficácia:
 Os estoques são materiais, bens ou quantidades armazenadas para uso
 futuro. Manter estoques significa ter custos com manutenção e esses
 custos dependem da quantidade, do tempo e do modo com o qual se
 realizará o armazenamento.
 Há também uma questão relacionada ao giro, no caso de estoques que
 apresentam alta rotatividade, como é o caso dos produtos em
 supermercados e outros cujo estoque possui baixa rotatividade, como é o
 caso de peças de reposição de turbinas de usina hidrelétrica.
 Veremos alguns dos principais índices abaixo, utilizados pelos profissionais
 de administração financeira. Para outros profissionais, como
 administradores e gerentes, que trabalharão com os profissionais de
 projetos de TI, torna-se um conhecimento geral:giro operacional total Giro
 do ativo
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES

 Veremos alguns dos principais índices abaixo, utilizados pelos profissionais
 de administração financeira. Para outros profissionais, como
 administradores e gerentes, que trabalharão com os profissionais de
 projetos de TI, torna-se um conhecimento geral:
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

Dimensionamento da necessidade de
capital de giro
   O correto dimensionamento da necessidade de capital de giro é um dos
  maiores desafios do administrador financeiro, visto que o elevado volume
  de capital de giro desviará recursos financeiros que poderiam ser aplicados
  nos ativos permanentes da empresa. Por outro lado, capital de giro muito
  reduzido restringirá a capacidade de operação e de vendas da empresa. A
  necessidade de capital de giro pode ser estimada de dois modos:
      com base no ciclo financeiro ou;
      com utilização dos demonstrativos contábeis (balanço patrimonial).
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

Dimensionamento e financiamento

  Dimensionamento é o cálculo realizado da proporção de algum item de
  projeto. Nas empresas, dimensiona-se a quantidade de funcionários em
  cada setor, o salário que vão receber, os gastos que terão etc.
  No caso dos projetos de TI, esse dimensionamento ocorre com a ajuda de
  modelos que ajudam a mensurar, por estimativas que, embora não exatas,
  são muito úteis. Tais estimativas são estabelecidas conforme as métricas
  de um projeto. Elas consideram ou o tamanho do projeto ou, conforme o
  número de linhas de programação, algum outro parâmetro. Os resultados
  obtidos referem-se ao custo total do projeto, ao tempo estimado para ele, à
  quantidade de profissionais envolvidos diretamente no desenvolvimento e a
  outras informações importantes para o planejamento.
  No caso de projetos de software, quando for possível medir-se o número de
  linhas escritas para este, pode-se utilizar o método KLOC para o
  planejamento e a estimativa de custos,tempo e pessoas necessárias.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

O método KLOC
 O método KLOC (Kilo Lines of Code, isto é, milhares de linhas de código de
 programação) considera, por meio da estimativa do número de linhas de
 código para um projeto ou sistema, quanto tempo, dinheiro e pessoal
 seriam necessários. Não é uma estimativa exata, mas fornece valores
 iniciais, a partir dos quais se pode trabalhar. Nem todos aceitam bem este
 método, pois o valor inicial de quantas linhas terá o sistema depende do
 “chute” de um programador experiente, que já fez algum sistema
 semelhante. No entanto, se este “chute” estiver muito fora, haverá muita
 variação. Uma boa fonte de estudos de conhecimento dos métodos de
 dimensionamento para os projetos é o livro do Pressman (2002).
 Os cálculos são relativamente simples, pois é só entrar nas fórmulas. Veja
 o exercício a seguir, utilizando-se métricas orientadas pelo tamanho de
 linhas de software.
 Num projeto X, foram desenvolvidos três KLOC (3.000 LOC) mensais com
 emprego de trinta pessoas-mês, a um custo de R$ 300.000,00 e foram
 geradas 1.500 páginas de documentação técnica. A quantidade mensal de
 defeitos em software detectada foi de trezentos.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                            TI-

O método KLOC

   Exercício 1:
Calcule os itens abaixo considerando o exemplo
anterior
Produtividade =
Qualidade =
Custo =
Documentação =
Outra estimativa semelhante ao KLOC, para fins de comparação é o modelo
   de Rayleigh, obtido do slide doze, do site:
   <www.br.geocities.com/dinobrasilis/metrica1.pdf>,
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                            TI-

Modelo de Rayleigh-Norden

Administração de projetos de software - estimativas esforço/custo/tempo
O modelo Rayleigh-Norden relaciona tempo, número de pessoas e esforço
    para se estimar um projeto:
K = pessoas-ano
L = número de linhas
Ck = constante que depende das condições de desenvolvimento
A fórmula tem um importante resultado: há um relacionamento altamente não
    linear entre o tempo cronológico para se concluir um projeto e o esforço
    (capacidade de trabalho de um certo número de pessoas envolvidas).
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                             TI-

 Modelo de Rayleigh-Norden
Exemplo:

Um projeto que tenha 33000 linhas (L), um esforço de 12 pessoas-mês poderia
    ser levado a efeito com 8 pessoas trabalhando durante 1,3 ano. Se, porém,
    prolongarmos a data final para 1,75 ano, isto é, em apenas 6 meses,
    podemos reduzir o número de pessoas para 4!
Assim, benefícios pode ser obtidos por meio da utilização de um número
    menor de pessoas ao longo de um período de tempo mais longo para se
    atingir um mesmo objetivo.
trabalhando durante 1,3 ano. Se, porém, prolongarmos a data final para 1,75
    ano, isto é, em apenas 6 meses, podemos reduzir o número de pessoas
    para 4!
Assim, benefícios pode ser obtidos por meio da utilização de um número
    menor de pessoas ao longo de um período de tempo mais longo para se
    atingir um mesmo objetivo.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                            TI-

Método COCOMO

O Constructive Cost Model – COCOMO também é um método de cálculo, ou
   de dimensionamento para projetos de software muito aceito no mercado,
   apesar de fornecer estimativas também não precisas, mas que ajudam no
   processo de desenvolvimento e nos cálculos financeiros. A referência para
   estudo do COCOMO é o autor Pressman (2006). A figura ilustra a utilização
   de uma planilha eletrônica para aplicação do método COCOMO.
Método Cocomo
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                            TI-

Método COCOMO

O COCOMO faz uso de estimativas de KLOC (modelo anterior) para realizar
   seus cálculos. Ele foi criado por Barry Boehm nos EUA e permite a seleção
   entre o modelo básico, destinado a softwares mais simples por exemplo
   (até 2.000 linhas de código). Já o médio teria algo entre 5 a 50.000 mil
   linhas de código, e o avançado, centenas de milhares de linhas ou até
   milhões de linhas de código, por exemplo. Apresenta-se a seguir um
   exercício resolvido para servir como referência do dimensionamento
   realizado por este modelo.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                            TI-

Método COCOMO

    Exercício - Resolvido:
1. Calcule o número de pessoas, o tempo gasto em meses
e o esforço, em termos de número de pessoas por mês, para o
projeto de um software cujo valor KLOC = 10, para um software
administrativo de ERP, utilizando o modelo orgânico:
Fórmula:
E = ab (KLOC) exp (bb) equação 1 (esforço em pessoas
necessários ao mês)
D = cb (E.exp (db)) equação 2 (tempo de desenvolvimento
em meses)
N=E/D
Exp = exponencial
Os coeficientes ab, bb, cb, db são dados na tabela abaixo:
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

Método COCOMO
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                            TI-

Método COCOMO

   Exercício 3 – Resolvido
Calcule o número de pessoas, o tempo gasto em meses e o esforço em
   termos de número de pessoas por mês para o projeto de um software cujo
   valor KLOC = 50, para uma grande empresa, utilizando o modelo
   semidestacado.
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

Método COCOMO
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

Método COCOMO
Finanças em Projetos de TI- Aula 8
                          TI-

Método COCOMO
 Os valores calculados são utilizados em outros cálculos e planilhas da área
 financeira relacionados aos custos, às previsões orçamentárias, ao controle
 dos gastos e à administração financeira.
 É um mundo desafiador, no qual todo aluno é bem-vindo e o mercado é
 bastante amplo para todos. Lembrem-se do antigo provérbio chinês que
 diz: “uma grande caminhada tem de começar pelos primeiros passos”.
 Caro aluno, os primeiros passos foram dados. No cotidiano, continue
 estudando, buscando informações na literatura, fazendo mais cursos na
 área, tomando posse de conhecimentos e alcançando o sucesso
 profissional e na vida. Recomendamos que você leia a obra Engenharia de
 Software (Pressman, 2006) para saber mais sobre as estimativas
 necessárias aos projetos de software.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoIntrodução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoÁlvaro Farias Pinheiro
 
Aula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação GerencialAula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação GerencialAnderson Simão
 
1 administraodesi-110226060314-phpapp02
1 administraodesi-110226060314-phpapp021 administraodesi-110226060314-phpapp02
1 administraodesi-110226060314-phpapp02Tatiane Soares
 
Material de Apoio - SIG - Apostila 4
Material de Apoio - SIG - Apostila 4Material de Apoio - SIG - Apostila 4
Material de Apoio - SIG - Apostila 4João Filho
 
Sistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e EstratégicosSistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e EstratégicosClaudio Barbosa
 
INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃOINTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃOEdson Lima
 
Transparências Sistemas de Informação
Transparências Sistemas de InformaçãoTransparências Sistemas de Informação
Transparências Sistemas de InformaçãoLuis Borges Gouveia
 
Seminario sistema de informação gerencial
Seminario  sistema de informação gerencialSeminario  sistema de informação gerencial
Seminario sistema de informação gerencialAndré Azevedo
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoDenise Maria Cotoman
 
Tecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De DecisãoTecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De DecisãoCleiton Fernandes
 
Conceitos de Sistemas de Informação
Conceitos de Sistemas de InformaçãoConceitos de Sistemas de Informação
Conceitos de Sistemas de Informaçãoluanrjesus
 
O papel estratégico da informação e dos sistemas
O papel estratégico da informação e dos sistemasO papel estratégico da informação e dos sistemas
O papel estratégico da informação e dos sistemasSérgio Reis
 
Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3Paulo Sérgio Ramão
 
Sistema de Informação Gerencial
Sistema de Informação GerencialSistema de Informação Gerencial
Sistema de Informação GerencialLoham Silva
 
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
SISTEMAS DE INFORMAÇÃOSISTEMAS DE INFORMAÇÃO
SISTEMAS DE INFORMAÇÃOR D
 
Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6
Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6
Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6Ismar Silveira
 
Gestão Da Informação
Gestão Da InformaçãoGestão Da Informação
Gestão Da InformaçãoFelipe Goulart
 
Tipos de Sistema de Informação
Tipos de Sistema de InformaçãoTipos de Sistema de Informação
Tipos de Sistema de InformaçãoRobson Santos
 
Material de Apoio - SIG - Apostila 2
Material de Apoio  - SIG - Apostila 2Material de Apoio  - SIG - Apostila 2
Material de Apoio - SIG - Apostila 2João Filho
 

Mais procurados (20)

Introdução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoIntrodução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de Informação
 
Aula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação GerencialAula - Sistemas de Informação Gerencial
Aula - Sistemas de Informação Gerencial
 
1 administraodesi-110226060314-phpapp02
1 administraodesi-110226060314-phpapp021 administraodesi-110226060314-phpapp02
1 administraodesi-110226060314-phpapp02
 
Material de Apoio - SIG - Apostila 4
Material de Apoio - SIG - Apostila 4Material de Apoio - SIG - Apostila 4
Material de Apoio - SIG - Apostila 4
 
Sistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e EstratégicosSistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
 
INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃOINTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
 
Transparências Sistemas de Informação
Transparências Sistemas de InformaçãoTransparências Sistemas de Informação
Transparências Sistemas de Informação
 
Seminario sistema de informação gerencial
Seminario  sistema de informação gerencialSeminario  sistema de informação gerencial
Seminario sistema de informação gerencial
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de Informação
 
Tecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De DecisãoTecnologia De Tomada De Decisão
Tecnologia De Tomada De Decisão
 
Conceitos de Sistemas de Informação
Conceitos de Sistemas de InformaçãoConceitos de Sistemas de Informação
Conceitos de Sistemas de Informação
 
O papel estratégico da informação e dos sistemas
O papel estratégico da informação e dos sistemasO papel estratégico da informação e dos sistemas
O papel estratégico da informação e dos sistemas
 
Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3Administração de Sistemas de Informação - aula 3
Administração de Sistemas de Informação - aula 3
 
Sistema de Informação Gerencial
Sistema de Informação GerencialSistema de Informação Gerencial
Sistema de Informação Gerencial
 
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
SISTEMAS DE INFORMAÇÃOSISTEMAS DE INFORMAÇÃO
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
 
Sig unidade i
Sig   unidade iSig   unidade i
Sig unidade i
 
Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6
Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6
Fundamentos de Sistemas de Informacao - Aula 6
 
Gestão Da Informação
Gestão Da InformaçãoGestão Da Informação
Gestão Da Informação
 
Tipos de Sistema de Informação
Tipos de Sistema de InformaçãoTipos de Sistema de Informação
Tipos de Sistema de Informação
 
Material de Apoio - SIG - Apostila 2
Material de Apoio  - SIG - Apostila 2Material de Apoio  - SIG - Apostila 2
Material de Apoio - SIG - Apostila 2
 

Semelhante a Finanças de TI - aula 8

Information Systems
Information SystemsInformation Systems
Information SystemsMichel Alves
 
Administração de sistemas de informação 1 e 2
Administração de sistemas de informação   1 e 2Administração de sistemas de informação   1 e 2
Administração de sistemas de informação 1 e 2Tarciso Ferreira
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoDenise Maria Cotoman
 
Sistemade informações Contabeis
Sistemade informações ContabeisSistemade informações Contabeis
Sistemade informações ContabeisLaisSantana36
 
Aula01 introducao (1)
Aula01 introducao (1)Aula01 introducao (1)
Aula01 introducao (1)Diego123Rocha
 
Acad bi modulo1
Acad bi modulo1Acad bi modulo1
Acad bi modulo1SGS GEOSOL
 
Cap 1 sie
Cap 1   sieCap 1   sie
Cap 1 siesferna
 
Cap 1 sie
Cap 1   sieCap 1   sie
Cap 1 siesferna
 
Informação e inteligência competitiva aula 3
Informação e inteligência competitiva aula 3Informação e inteligência competitiva aula 3
Informação e inteligência competitiva aula 3vicente nunes
 
Sistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencialSistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencialDenilson Sousa
 
Business Intelligence
Business IntelligenceBusiness Intelligence
Business Intelligencenesi
 
Tipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane Fidelix
Tipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane FidelixTipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane Fidelix
Tipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 

Semelhante a Finanças de TI - aula 8 (20)

Relatório 1 conceitos de sistemas informação
Relatório 1   conceitos de sistemas informaçãoRelatório 1   conceitos de sistemas informação
Relatório 1 conceitos de sistemas informação
 
Information Systems
Information SystemsInformation Systems
Information Systems
 
Administração de sistemas de informação 1 e 2
Administração de sistemas de informação   1 e 2Administração de sistemas de informação   1 e 2
Administração de sistemas de informação 1 e 2
 
UFCD 0781 - Análise de Sistemas de Informação.pptx
UFCD 0781 - Análise de Sistemas de Informação.pptxUFCD 0781 - Análise de Sistemas de Informação.pptx
UFCD 0781 - Análise de Sistemas de Informação.pptx
 
Administração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de InformaçãoAdministração de Sistemas de Informação
Administração de Sistemas de Informação
 
Sistemade informações Contabeis
Sistemade informações ContabeisSistemade informações Contabeis
Sistemade informações Contabeis
 
Gti[1]
Gti[1]Gti[1]
Gti[1]
 
Dayana222
Dayana222Dayana222
Dayana222
 
Aula01 introducao (1)
Aula01 introducao (1)Aula01 introducao (1)
Aula01 introducao (1)
 
Fsi 03 - capitulo 02
Fsi  03 -  capitulo 02Fsi  03 -  capitulo 02
Fsi 03 - capitulo 02
 
Acad bi modulo1
Acad bi modulo1Acad bi modulo1
Acad bi modulo1
 
Cap 1 sie
Cap 1   sieCap 1   sie
Cap 1 sie
 
Cap 1 sie
Cap 1   sieCap 1   sie
Cap 1 sie
 
Sistemas integrados
Sistemas integradosSistemas integrados
Sistemas integrados
 
Informação e inteligência competitiva aula 3
Informação e inteligência competitiva aula 3Informação e inteligência competitiva aula 3
Informação e inteligência competitiva aula 3
 
Sistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencialSistema de informação gerencial
Sistema de informação gerencial
 
Business Intelligence
Business IntelligenceBusiness Intelligence
Business Intelligence
 
Tipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane Fidelix
Tipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane FidelixTipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane Fidelix
Tipos de Sistema de Informação - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
3a aula c fundamentos de si
3a aula c   fundamentos de si 3a aula c   fundamentos de si
3a aula c fundamentos de si
 
Gestão de serviços em ti
Gestão de serviços em tiGestão de serviços em ti
Gestão de serviços em ti
 

Mais de Universal.org.mx

Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559
Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559
Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559Universal.org.mx
 
1.4 sistemas de informação e negócios(2)
1.4 sistemas de informação e negócios(2)1.4 sistemas de informação e negócios(2)
1.4 sistemas de informação e negócios(2)Universal.org.mx
 
Metricas para medir tamanho de sistema
Metricas para medir tamanho de sistemaMetricas para medir tamanho de sistema
Metricas para medir tamanho de sistemaUniversal.org.mx
 
Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011
Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011
Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011Universal.org.mx
 
Aula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informação
Aula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informaçãoAula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informação
Aula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informaçãoUniversal.org.mx
 
Exercicios revisão para prova
Exercicios   revisão para provaExercicios   revisão para prova
Exercicios revisão para provaUniversal.org.mx
 
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...Universal.org.mx
 
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...Universal.org.mx
 
Aula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação
Aula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da InformaçãoAula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação
Aula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da InformaçãoUniversal.org.mx
 
Gerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. Aula
Gerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. AulaGerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. Aula
Gerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. AulaUniversal.org.mx
 
Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2
Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2
Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2Universal.org.mx
 

Mais de Universal.org.mx (20)

Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559
Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559
Universal.Org.Mx - Periódico Centro de Ayuda Universal, México N.559
 
Fi ti- aula 10
Fi ti- aula 10Fi ti- aula 10
Fi ti- aula 10
 
FI_TI-Aula-9
FI_TI-Aula-9FI_TI-Aula-9
FI_TI-Aula-9
 
1.4 sistemas de informação e negócios(2)
1.4 sistemas de informação e negócios(2)1.4 sistemas de informação e negócios(2)
1.4 sistemas de informação e negócios(2)
 
Metricas para medir tamanho de sistema
Metricas para medir tamanho de sistemaMetricas para medir tamanho de sistema
Metricas para medir tamanho de sistema
 
Cobit2
Cobit2Cobit2
Cobit2
 
Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011
Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011
Modelagem de sistemas da informação – aula 03 mai2011
 
FI-TI- aula 7
FI-TI- aula 7FI-TI- aula 7
FI-TI- aula 7
 
Aula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informação
Aula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informaçãoAula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informação
Aula3 4 planejamento estratégico de tecnologia da informação
 
Exercicios revisão para prova
Exercicios   revisão para provaExercicios   revisão para prova
Exercicios revisão para prova
 
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
 
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação   disciplina gerenciam...
Curso tecnologia em gestão da tecnologia da informação disciplina gerenciam...
 
Manual PIM 3ro TI
Manual PIM 3ro TI Manual PIM 3ro TI
Manual PIM 3ro TI
 
FI - TI - Aula - 6
FI - TI -  Aula - 6FI - TI -  Aula - 6
FI - TI - Aula - 6
 
Aula 5 Finanças de TI
Aula 5 Finanças de TIAula 5 Finanças de TI
Aula 5 Finanças de TI
 
Aula 4 Finanças de TI
Aula 4 Finanças de TIAula 4 Finanças de TI
Aula 4 Finanças de TI
 
Aula 3 Finanças de TI
Aula 3 Finanças de TIAula 3 Finanças de TI
Aula 3 Finanças de TI
 
Aula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação
Aula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da InformaçãoAula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação
Aula 1 e 2 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação
 
Gerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. Aula
Gerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. AulaGerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. Aula
Gerenciamento de Infra-Estrutura 1ra. Aula
 
Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2
Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2
Manual de atividades_complementares_cst_v2010-2
 

Último

PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 

Último (20)

PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 

Finanças de TI - aula 8

  • 1. Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 8
  • 2. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras Sistema é um conjunto de componentes interagentes e interdependentes com objetivos comuns. Por exemplo, uma cadeira possui os componentes de assento, pés, encosto e parafusos. Todos esses componentes estão juntos para formar o sistema “cadeira”, chamada de sistema geral. Esse sistema pode ser analisado e melhorado para: cadeira com estofamento, regulagem de altura, rodinhas etc. O criador da teoria dos sistemas gerais ou Teoria Geral dos Sistemas foi o suíço Ludwig Von Bertalanffy, em 1937. Para se melhorar os sistemas, pode-se utilizar a análise e projeto de sistemas. Dentro dos sistemas gerais, existe uma classe particular de sistemas chamados sistemas de informação. Seu conceito é importantíssimo, uma vez que permite delimitar um todo e suas partes, compondo assim o sistema e seus subsistemas.
  • 3. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras Pode-se, dessa forma, posteriormente, analisar, elaborar projetos, criar planos de contas contábeis, dividir o trabalho conforme os sistemas e seus componentes (subsistemas mencionados) e, enfim, obter unidades as quais podemos gerenciar e controlar. Os sistemas de informação possuem entrada, processamento e saída. Pode-se, dessa forma, posteriormente, analisar, elaborar projetos, criar planos de contas contábeis, dividir o trabalho conforme os sistemas e seus componentes (subsistemas mencionados) e, enfim, obter unidades as quais podemos gerenciar e controlar. Os sistemas de informação possuem entrada, processamento e saída. Entradas referem-se aos dados que, no processamento, são armazenados, classificados e/ou recuperados. Finalmente, saída diz respeito a informações a ser utilizadas para tomada de decisão. Existem sistemas de informação manuais, como é o caso de um caderno e caneta e, por outro lado, existem os sistemas de informação computacionais. Nestes, a entrada de dados pode ocorrer por meio de digitação ou por coleta em leitor de código de barras.
  • 4. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras O processamento nesses sistemas ocorre a partir do armazenamento de informações em banco de dados e de sua classificação eletrônica. Por fim, a saída ocorre por meio de monitores, displays digitais ou data-shows. Os sistemas de informação computacionais atuais são compostos por pessoas, organização, redes, banco de dados, softwares e hardwares. Existe uma classificação de sistemas de informação chamada sistema transacional, isto é, aquele tipo de sistema que somente coleta dados, realizando pouco processamento. Esta categoria é utilizada mais pelo operacional das empresas. Os sistemas no nível da operação são muito estruturados e não se pode modificá-los para que trabalhem de modo diferente do programado.
  • 5. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras À medida em que se sobe do nível operacional para o intermediário, ou seja, para as gerências intermediárias, chega-se ao nível tático. Neste plano, ocorre uma semi-estruturação, isto é, quando nem tudo está definido e muitas vezes é preciso criatividade e elaboração de sistemas de apoio à decisão com uso, por exemplo, de planilhas eletrônicas para complementar as informações. No nível mais elevado, o da alta administração das organizações, não há estruturação. Nele, trabalha-se com informações internas e externas em relação à empresa e são utilizados softwares do tipo Siex, os chamados sistemas de informação para executivos, que extraem dados de outros sistemas (processo de drill down) para trabalhá-los em particular. O sistema que trabalha em vários níveis é aquele voltado para a área contábil- financeira. Nessa área, um dos mais importantes é o sistema de informação contábil.
  • 6. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras Para Padoveze (2000, p. 47): A ciência contábil traduz-se naturalmente dentro de um sistema de informação. Poderá ser arguido que fazer um sistema de informação contábil com a ciência da contabilidade é um vício de linguagem, já que a própria contabilidade nasceu sob a arquitetura de sistema informacional. Um “banco de dados” que contempla informações sobre todos os eventos econômicos e empresariais, mensurados por medidas físicas e monetárias, o qual não se limita apenas à geração de informações sobre eventos realizados, mas também sobre acontecimentos planejados, apresenta-se na sua mais moderna expressão como um dos mais preciosos sistemas de informação, possibilitando o entendimento de ambos – contabilidade e sistema de informação – de modo similar. Um SIC- Sistema de Informação Contábil é uma coleção de recursos humanos e materiais utilizados para transformar dados contábeis e financeiros e outros dados em informações utilizadas por vários tomadores de decisões.
  • 7. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras Os SICs contribuem para a geração de relatórios com informações contábeis e financeiras relevantes, para a gestão e utilização mais eficiente de recursos e para a manutenção do equilíbrio financeiro da empresa. Permitem aos administradores tomar decisões mais convenientes e adequadas, possibilitando o crescimento e a prosperidade da empresa. A gestão de uma empresa requer informações contábeis e financeiras não apenas sobre os fatos já ocorridos; mas também sobre operações e eventos futuros; ou seja, requer previsões e estimativas do impacto financeiro das operações e transações planejadas. Os SICs precisam ser capazes de disponibilizar uma gama de informações contábeis e financeiras que satisfaçam as necessidades informacionais dos diferentes administradores responsáveis pelas decisões.
  • 8. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras A figura ilustra um sistema de informações contábeis atuando em vários níveis de estruturação.
  • 9. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Sistema de informações contábeis e financeiras Os sistemas de informações contábeis podem incluir informações de toda a organização e, dessa forma, também têm de estar em condições de emitir relatórios contábeis, demonstrativos de lucros e perdas e todas as informações contábeis necessárias para o gerenciamento dos negócios. Existe uma tendência dos sistemas de informação em geral irem todos para a Internet. Contudo, há resistência em se colocar os sistemas contábeis e financeiros na web devido ao caráter sigiloso e a importância das informações neles trabalhadas, porque são dados muitas vezes vitais para as empresas e que não devem cair nas mãos de concorrentes. .
  • 10. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Escalonamento de autorizações e responsabilidades Escalonar é dividir em unidades menores mais gerenciáveis. O escalonamento de autorizações e responsabilidades caracteriza-se por dividir as possibilidades de autorização e também de responsabilidades em partes, de modo a facilitar ou adaptar-se às condições empresariais; Este escalonamento pode ser feito por meio de software ou sistema de informação escalonador, que proporciona maior agilidade nos serviços. O escalonamento é uma forma de se obter maior rapidez e flexibilidade da empresa quanto a sua adaptação diante da chegada de um processo de negócios. Nesse sentido, define-se escalonamento ágil como a atividade ou sistema com capacidade de suportar ações de escalonamento dinâmico e de ágil adaptação, isto é, capacidade de flexível adaptação de toda a estrutura de produção de uma empresa de acordo com as características e requisitos de um dado processo de negócios.
  • 11. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Auditorias Auditar vem do latim “ouvir”, de onde derivam-se as palavras áudio e aparelho auditivo. Consiste no exame cuidadoso, sistemático e independente das atividades desenvolvidas por determinada empresa ou setor e sua função é averiguar se tais atividades estão de acordo com as disposições planejadas e/ou preestabelecidas, se foram implementadas com eficácia e se estão em conformidade à consecução dos objetivos. Uma das causas de se contratar uma auditoria pode ser a suspeita de fraude num departamento de uma empresa. A auditoria atualmente se constitui num dos trabalhos mais importantes a fim de se detectar desfalques, fraudes ou erros, não somente na área financeira como também na área da qualidade, da educação e em praticamente todas as demais áreas do conhecimento. Existe uma classificação dos auditores em: externos (contratados pela empresa exclusivamente para fazer a auditoria) e internos (trabalham como funcionários da empresa). Os auditores externos possuem a vantagem de não se sentirem pressionados pela organização para a qual estão trabalhando. Os serviços de auditoria, normalmente, têm de ser solicitados pela alta administração da empresa pois, caso o auditor não tenha suporte e autoridade, não conseguirá realizar um bom trabalho.
  • 12. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Auditorias A figura ilustra o trabalho de auditoria realizando avaliações em locais (“pontos de controle”).
  • 13. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Auditorias Serviços de auditoria em pontos de controle. Fonte: <http://www.peritocontador.com.br/imagens_artigos/auditoria2.gif>. Seguem os nomes de algumas empresas de auditoria externa, também chamada auditoria independente: Deloitte, PwC, KPMG e Ernst & Young. O trabalho do auditor é denominado missão. Esse trabalho não é e nem pode ser um serviço de inspeção de rotina, uma vez que este último é realizado por inspetores, policiais ou o pessoal especializado. Quando um auditor realiza uma missão numa determinada área, ele tem de receber carta branca, vinda do próprio dono ou presidente da empresa, para fazer seu trabalho. Caso contrário, um chefe ou gerente de alguma área específica pode querer esconder documentos ou locais, dificultando o acesso do auditor.
  • 14. Finanças em Projetos de TI- Aula 7 TI- Auditorias A omissão não pode ocorrer numa missão de auditoria. Se ocorrer, o auditor deve relatar o fato a quem contratou o serviço para que, juntos, decidam como proceder diante da questão. Em se tratando de projetos de TI, a auditoria pode detectar causas de falha, corrupção ou mau uso dos recursos, mas o trabalho continua com caráter de missão. Ao realizar um trabalho numa determinada área, o auditor deve definir o sistema a ser estudado, os pontos de controle, as pessoas a entrevistar, os locais a serem visitados, quais documentos requisitar e os testes a ser realizados, bem como a época de aplicá-los. Também poderá criar ou, se já existir e for adequado, usar check lists e ser minucioso, persistente, cordial e ético no seu trabalho. O produto do trabalho do auditor será um relatório de auditoria da área em estudo.
  • 15. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES Capital de giro é o conjunto de valores de que uma empresa necessita para fazer funcionar seus negócios. É o ativo circulante da empresa mais detalhadamente, corresponde ao ativo circulante menos o passivo circulante. Expressão comum no mercado, “capital em giro” corresponde aos bens efetivamente em uso. Em geral, de 50 a 60% do total dos ativos de uma empresa representam a fatia correspondente a esse capital. Além da participação no total dos ativos da empresa. O administrador financeiro tem muito mais trabalho administrando o capital de giro que o capital fixo. O capital de giro precisa ser acompanhado constantemente, pois sofre o impacto das diversas mudanças no panorama econômico enfrentado pela empresa de forma contínua. Muitas empresas apresentam dificuldades relacionadas com capital de giro, principalmente micro e pequenas empresas.
  • 16. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES As dificuldades surgem devido a: inadimplência; aumento de custos de fornecedores; aumento de despesas gerais; aumento de custos financeiros; mudanças no cenário econômico geral; atuação agressiva de concorrentes etc. Quando uma empresa não possui um bom planejamento, podem ocorrer também problemas de fluxo de caixa mal programado e, com uma entrada de dinheiro relativamente pequena, a empresa possivelmente apresentará dificuldades financeiras que vão, eventualmente, tirar o sono de muitos proprietários de negócios. A figura do próximo slide ilustra o funcionamento do capital de giro de uma empresa.
  • 17. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES Esta figura ilustra o funcionamento do capital de giro de uma empresa.
  • 18. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES Nessas horas, devido ao desespero, há muitas vendas de empresas, pois o proprietário de um pequeno negócio só quer se livrar das dívidas. Com o bom conhecimento da administração financeira, há profissionais que adquirem essas empresas em dificuldades devido à má gestão financeira, saneando-as a seguir, renegociando prazos e dívidas com fornecedores, melhorando o fluxo de caixa, acertando o capital de giro e trazendo a empresa para o lucro e para os bons resultados. Após o saneamento, uma empresa lucrativa pode ser revendida no mercado por um valor muito superior e, dessa forma, o profissional da administração financeira pode ganhar um bom dinheiro tanto para si como para os que trabalham com ele. Este é somente um exemplo da importância do trabalho com o capital de giro e também relacionado com os conhecimentos anteriores relativos a fluxo de caixa.
  • 19. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES Em relação ao giro, Ross (1995, p. 50) informa que os índices de atividade ajudam a medir a eficácia da gestão dos ativos de uma empresa e apresenta vários índices importantes para o acompanhamento desta eficácia: Os estoques são materiais, bens ou quantidades armazenadas para uso futuro. Manter estoques significa ter custos com manutenção e esses custos dependem da quantidade, do tempo e do modo com o qual se realizará o armazenamento. Há também uma questão relacionada ao giro, no caso de estoques que apresentam alta rotatividade, como é o caso dos produtos em supermercados e outros cujo estoque possui baixa rotatividade, como é o caso de peças de reposição de turbinas de usina hidrelétrica. Veremos alguns dos principais índices abaixo, utilizados pelos profissionais de administração financeira. Para outros profissionais, como administradores e gerentes, que trabalharão com os profissionais de projetos de TI, torna-se um conhecimento geral:giro operacional total Giro do ativo
  • 20. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- CAPITAL DE GIRO E ESTOQUES Veremos alguns dos principais índices abaixo, utilizados pelos profissionais de administração financeira. Para outros profissionais, como administradores e gerentes, que trabalharão com os profissionais de projetos de TI, torna-se um conhecimento geral:
  • 21. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Dimensionamento da necessidade de capital de giro O correto dimensionamento da necessidade de capital de giro é um dos maiores desafios do administrador financeiro, visto que o elevado volume de capital de giro desviará recursos financeiros que poderiam ser aplicados nos ativos permanentes da empresa. Por outro lado, capital de giro muito reduzido restringirá a capacidade de operação e de vendas da empresa. A necessidade de capital de giro pode ser estimada de dois modos: com base no ciclo financeiro ou; com utilização dos demonstrativos contábeis (balanço patrimonial).
  • 22. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Dimensionamento e financiamento Dimensionamento é o cálculo realizado da proporção de algum item de projeto. Nas empresas, dimensiona-se a quantidade de funcionários em cada setor, o salário que vão receber, os gastos que terão etc. No caso dos projetos de TI, esse dimensionamento ocorre com a ajuda de modelos que ajudam a mensurar, por estimativas que, embora não exatas, são muito úteis. Tais estimativas são estabelecidas conforme as métricas de um projeto. Elas consideram ou o tamanho do projeto ou, conforme o número de linhas de programação, algum outro parâmetro. Os resultados obtidos referem-se ao custo total do projeto, ao tempo estimado para ele, à quantidade de profissionais envolvidos diretamente no desenvolvimento e a outras informações importantes para o planejamento. No caso de projetos de software, quando for possível medir-se o número de linhas escritas para este, pode-se utilizar o método KLOC para o planejamento e a estimativa de custos,tempo e pessoas necessárias.
  • 23. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- O método KLOC O método KLOC (Kilo Lines of Code, isto é, milhares de linhas de código de programação) considera, por meio da estimativa do número de linhas de código para um projeto ou sistema, quanto tempo, dinheiro e pessoal seriam necessários. Não é uma estimativa exata, mas fornece valores iniciais, a partir dos quais se pode trabalhar. Nem todos aceitam bem este método, pois o valor inicial de quantas linhas terá o sistema depende do “chute” de um programador experiente, que já fez algum sistema semelhante. No entanto, se este “chute” estiver muito fora, haverá muita variação. Uma boa fonte de estudos de conhecimento dos métodos de dimensionamento para os projetos é o livro do Pressman (2002). Os cálculos são relativamente simples, pois é só entrar nas fórmulas. Veja o exercício a seguir, utilizando-se métricas orientadas pelo tamanho de linhas de software. Num projeto X, foram desenvolvidos três KLOC (3.000 LOC) mensais com emprego de trinta pessoas-mês, a um custo de R$ 300.000,00 e foram geradas 1.500 páginas de documentação técnica. A quantidade mensal de defeitos em software detectada foi de trezentos.
  • 24. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- O método KLOC Exercício 1: Calcule os itens abaixo considerando o exemplo anterior Produtividade = Qualidade = Custo = Documentação = Outra estimativa semelhante ao KLOC, para fins de comparação é o modelo de Rayleigh, obtido do slide doze, do site: <www.br.geocities.com/dinobrasilis/metrica1.pdf>,
  • 25. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Modelo de Rayleigh-Norden Administração de projetos de software - estimativas esforço/custo/tempo O modelo Rayleigh-Norden relaciona tempo, número de pessoas e esforço para se estimar um projeto: K = pessoas-ano L = número de linhas Ck = constante que depende das condições de desenvolvimento A fórmula tem um importante resultado: há um relacionamento altamente não linear entre o tempo cronológico para se concluir um projeto e o esforço (capacidade de trabalho de um certo número de pessoas envolvidas).
  • 26. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Modelo de Rayleigh-Norden Exemplo: Um projeto que tenha 33000 linhas (L), um esforço de 12 pessoas-mês poderia ser levado a efeito com 8 pessoas trabalhando durante 1,3 ano. Se, porém, prolongarmos a data final para 1,75 ano, isto é, em apenas 6 meses, podemos reduzir o número de pessoas para 4! Assim, benefícios pode ser obtidos por meio da utilização de um número menor de pessoas ao longo de um período de tempo mais longo para se atingir um mesmo objetivo. trabalhando durante 1,3 ano. Se, porém, prolongarmos a data final para 1,75 ano, isto é, em apenas 6 meses, podemos reduzir o número de pessoas para 4! Assim, benefícios pode ser obtidos por meio da utilização de um número menor de pessoas ao longo de um período de tempo mais longo para se atingir um mesmo objetivo.
  • 27. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO O Constructive Cost Model – COCOMO também é um método de cálculo, ou de dimensionamento para projetos de software muito aceito no mercado, apesar de fornecer estimativas também não precisas, mas que ajudam no processo de desenvolvimento e nos cálculos financeiros. A referência para estudo do COCOMO é o autor Pressman (2006). A figura ilustra a utilização de uma planilha eletrônica para aplicação do método COCOMO.
  • 29. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO O COCOMO faz uso de estimativas de KLOC (modelo anterior) para realizar seus cálculos. Ele foi criado por Barry Boehm nos EUA e permite a seleção entre o modelo básico, destinado a softwares mais simples por exemplo (até 2.000 linhas de código). Já o médio teria algo entre 5 a 50.000 mil linhas de código, e o avançado, centenas de milhares de linhas ou até milhões de linhas de código, por exemplo. Apresenta-se a seguir um exercício resolvido para servir como referência do dimensionamento realizado por este modelo.
  • 30. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO Exercício - Resolvido: 1. Calcule o número de pessoas, o tempo gasto em meses e o esforço, em termos de número de pessoas por mês, para o projeto de um software cujo valor KLOC = 10, para um software administrativo de ERP, utilizando o modelo orgânico: Fórmula: E = ab (KLOC) exp (bb) equação 1 (esforço em pessoas necessários ao mês) D = cb (E.exp (db)) equação 2 (tempo de desenvolvimento em meses) N=E/D Exp = exponencial Os coeficientes ab, bb, cb, db são dados na tabela abaixo:
  • 31. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO
  • 32. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO Exercício 3 – Resolvido Calcule o número de pessoas, o tempo gasto em meses e o esforço em termos de número de pessoas por mês para o projeto de um software cujo valor KLOC = 50, para uma grande empresa, utilizando o modelo semidestacado.
  • 33. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO
  • 34. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO
  • 35. Finanças em Projetos de TI- Aula 8 TI- Método COCOMO Os valores calculados são utilizados em outros cálculos e planilhas da área financeira relacionados aos custos, às previsões orçamentárias, ao controle dos gastos e à administração financeira. É um mundo desafiador, no qual todo aluno é bem-vindo e o mercado é bastante amplo para todos. Lembrem-se do antigo provérbio chinês que diz: “uma grande caminhada tem de começar pelos primeiros passos”. Caro aluno, os primeiros passos foram dados. No cotidiano, continue estudando, buscando informações na literatura, fazendo mais cursos na área, tomando posse de conhecimentos e alcançando o sucesso profissional e na vida. Recomendamos que você leia a obra Engenharia de Software (Pressman, 2006) para saber mais sobre as estimativas necessárias aos projetos de software.