SlideShare uma empresa Scribd logo
Historiadores afirmam que:
• Antes da chegada dos
europeus à América havia
aproximadamente 100 milhões
de índios no continente.
•Só no Brasil, esse número
chegava a 5 milhões de
nativos, aproximadamente.
•Atualmente, calcula-se que
apenas 400 mil índios ocupam
o território brasileiro.
O primeiro contato entre
índios e portugueses em
1500 foi de muita
estranheza para ambas as
partes.
As duas culturas eram
muito diferentes e
pertenciam a mundos
completamente distintos.
Pero Vaz de Caminha relata a troca de sinais,
presentes e informações. Quando os portugueses
começam a explorar o pau-brasil das matas,
começam a escravizar muitos indígenas e a
utilizar o escambo. Davam espelhos, apitos,
colares e chocalhos para os indígenas em troca
de seu trabalho.
Os indígenas que
habitavam o Brasil em 1500
viviam da caça, da pesca e
da agricultura de milho,
amendoim, feijão, abóbora,
bata-doce e principalmente
mandioca. Esta agricultura
era praticada de forma bem
rudimentar, pois utilizavam
a técnica da coivara
(derrubada de mata e
queimada para limpar o
solo para o plantio).
Entre os indígenas não há classes
sociais como a do homem branco.
Todos têm os mesmo direitos e
recebem o mesmo tratamento. A
terra, por exemplo, pertence a
todos e quando um índio caça,
costuma dividir com os habitantes
de sua tribo. Apenas os
instrumentos de trabalho
(machado, arcos, flechas, arpões)
são de propriedade individual. O
trabalho na tribo é realizado por
todos, porém possui uma divisão
por sexo e idade. As mulheres são
responsáveis pela comida,
crianças, colheita e plantio. Já os
homens da tribo ficam
encarregados do trabalho mais
pesado: caça, pesca, guerra e
derrubada das árvores.
A educação indígena é bem interessante. Os pequenos
índios, conhecidos como curumins, aprender desde
pequenos e de forma prática. Costumam observar o que os
adultos fazem e vão treinando desde cedo. Quando o pai vai
caçar, costuma levar o indiozinho junto para que este
aprenda. Portanto, a educação indígena é bem prática e
vinculada a realidade da vida da tribo indígena. Quando
atinge os 13 anos, o jovem passa por um teste e uma
cerimônia para ingressar na vida adulta.
As Crianças
Em geral, a vida das crianças indígenas (curumins) é bem
diferente das nossas crianças.
Elas vivem muito integradas à natureza, participam das
tradições de sua tribo. Aprendem muito observando os
mais velhos em suas tarefas diárias.
Também se divertem muito. Tomar banho de rio é uma das
diversões preferidas. Além disso, brincam de peteca, pião,
jogos com sementes, dobraduras, bonecas.
Na maioria das aldeias, os pequenos índios também vão à
escola.
Há momentos de contação de
história, em que os mais velhos
contam histórias para os
curumins, há festas tradicionais
em que as crianças participam e
aprendem assim mais da
própria cultura.
As crianças indígena são muito
respeitadas, os adultos sabem e
acreditam que elas estão
sempre aprendendo.
Elas convivem com seus
animais de estimação:
cachorros, macacos, araras,
quatis, papagaios.
Os índios vivem principalmente da caça e da pesca. As tribos
também plantam o milho, a mandioca e o fumo.
Quando a caça faltava e a pesca se tornava insuficiente, os índios
mudavam-se para outros lugares. Eram, portanto, nômades.
Para a caça os índios usam o arco e a flecha. Pequenas setas são
destinadas à caça miúda, como pássaros. Também sabem preparar
armadilhas e imitam com perfeição as vozes dos animais, meio com
que procuram atraí-los.
Para a pesca os índios utilizam
pequenas redes chamadas puçás,
flechas, anzóis e plantas que
atiram ao rio, como o timbó, e que
atordoam os peixes, tornando-os
presas mais fáceis e não fazem
mal ao homem. De alguns grandes
animais, como os tubarões e
onças, extraem os dentes para
fabricar pontas de flechas.
Para obter o fogo os índios
imprimiam, com a palma das
mãos, um movimento de rotação a
um pequeno pedaço de pau, cuja
ponta se friccionava em outro, até
formar uma chama que se
comunicava a folhas secas.
Os adornos principais dos
índios consistem em pintar o
corpo com a tinta vermelha de
urucum e azul do jenipapo;
alguns furam as orelhas e os
lábios, onde colocam pedaços
de madeira ou botoques, nome
que até serviu para denominar
uma tribo, a dos botocudos.
Também usam colares de
contas, de dentes de animais
ou de inimigos e enfeitam-se
com penas de pássaros.
Tacape indígena
Suas armas prediletas são o arco e a flecha, de
várias dimensões, lanças e o tacape, feito de
madeira pesada. Algumas tribos utilizam a
zarabatana, tubo ôco por onde disparam, com o
sopro, pequenas setas envenenadas.
Arco e flecha
Zarabatana
Dos instrumentos musicais os índios
conhecem o tambor, uma espécie de chocalho
que é chamada de maracá, e a flauta de osso,
denominada membi.
Os índios vivem em aldeias e,
muitas vezes, são comandados
por chefes, que são chamados
de cacique ou morubixaba. A
transmissão da chefia pode ser
hereditária (de pai para filho) ou
não. Os caciques devem
conduzir a aldeia nas
mudanças, na guerra, devem
manter as tradições, determinar
as atividades diárias e
responsabilizar-se pelo contato
com outras aldeias ou com os
civilizados. Maior influência,
porém, tem o pajé, o feiticeiro
da tribo. Acreditam que ele
possui poderes
extraordinários: adivinhar o
futuro, curar todas as doenças,
transformar-se em qualquer
animal e até tornar-se invisível.
Alimentação
Cada povo indígena tem sua tradição com relação à alimentação.
Eles produzem sua própria comida, seja praticando agricultura
para subsistência, em algumas tribos até vendem o excedente da
sua plantação, seja por caça e pesca.
O peixe, a banana, a mandioca e o milho são fontes de alimentação
na maioria das tribos indígenas.
Há tribos que consomem alimentos industrializados que compram
com o dinheiro ganhado através do comércio de produtos típicos
confeccionados nas aldeias e vendidos em feiras.
Ritos e Mitos
No Brasil, muitas tribos praticam ritos de passagem, que marcam a
passagem de um grupo ou indivíduo de uma situação para outra. O
nascimento de uma criança é comemorado, assim como a iniciação na
vida adulta, o casamento, a morte. Celebram os antepassados como a
festa Quarup dos Xavantes no Xingu, região central do Brasil. Uma boa
colheita também é comemorada com festejos.
Ritual fúnebre
O Kuarup é uma manifestação cultural dos povos
indígenas do Alto Xingu e é a maior festa indígena do
País. Ele acontece anualmente no Parque do Xingu e é a
mais alta homenagem que esses índios prestam aos
seus mortos importantes.
Kuarup (Quarup) – ritual do choro
Ritual do Quarup
Das nações indígenas a mais importante
era a dos Tupis que os jesuítas
denominavam índios da língua geral pois a
língua tupi era falada em toda a costa
brasileira. Essa nação compreendia muitas
tribos: Maués e Omáguas no Amazonas;
Potiguares, no Rio Grande do Norte;
Caetes, da Paraíba ao rio São Francisco;
Tupinambás e Tupiniquins na Bahia;
Tamoios no Rio de Janeiro e, mais para o
sul, os Carijós e os Guaranis.
No Norte do Brasil vivia a nação dos
Nuaruaques. Algumas de suas tribos
tinham notável adiantamento, como
prova a cerâmica marajoara, vasos
de argila feitos com perfeição,
encontrados na ilha de Marajó. São
Nuaruaques os Manaus e os Aruãs.
Os Caribas ou Caraíbas formam
outra nação. Algumas de suas tribos
eram tão cruéis que do nome cariba
se derivou canibal, que é sinônimo
de antropófago. Também habitavam
as Antilhas e eram hábeis canoeiros.
Outra nação era a dos Jês ou Tapuias. Uma de suas tribos mais primitivas e
ferozes, a dos Aimorés, vivia no Espírito Santo. Os Aimorés não faziam casas,
dormiam no "chão sobre folhas e tinham o hábito de açoitar os filhos com plantas
espinhosas para que se acostumassem a andar pelos matos. Ficavam
escondidos, aos grupos, à beira dos caminhos para atacar as pessoas que
passavam, matá-las e depois devorá-las. Os atuais Xavantes, de Goiás, pertencem
ao grupo ou nação dos Jès.
Das nações menores há a dos Guaicurus, que eram índios cavaleiros de Mato
Grosso. Durante a guerra do Brasil com o Paraguai, esses índios muito ajudaram
os brasileiros.
A pintura corporal
Pintam o corpo para enfeitá-lo e
também para defendê-lo contra o sol,
os insetos e os espíritos maus. As
cores mais usadas pelos índios para
pintar seus corpos são o vermelho
muito vivo do urucum que representa
a casa do homem, o negro
esverdeado que representa a floresta,
o azul da tintura do suco do jenipapo
e o branco da tabatinga. A escolha
dessas cores é importante, porque o
gosto pela pintura corporal está
associado ao esforço de transmitir ao
corpo a alegria contida nas cores
vivas e intensas.
São os Kadiwéu que apresentam uma pintura corporal mais elaborada. Os
primeiros registros dessa pintura datam de 1560, pois ela impressionou
fortemente o colonizados e os viajantes europeus.
Mais tarde foi analisada também por vários estudiosos, entre os quais Lévi
Strauss, antropólogo francês que esteve entre os índios brasileiros em 1935.
De acordo com Lévi Strauss, “as pinturas do rosto conferem, de início, ao
indivíduo, sua dignidade de ser humano; elas operam a passagem da
natureza à cultura, do animal estúpido ao homem civilizado.
Em seguida, diferentes quanto ao estilo e à composição segundo as castas,
elas exprimem, numa sociedade complexa, a hierarquia dos status. Elas
possuem assim uma função sociológica”.
Os desenhos dos Kadiwéu são geométricos, complexos e revelam um
equilíbrio e uma beleza que impressionam o observador. Além do
corpo, que é o suporte próprio da pintura Kadiwéu, os seus desenhos
aparecem também em couros, esteiras e abanos, o que faz com que
seus objetos domésticos sejam inconfundíveis. Cada povo indígena tem
a sua maneira de se pintar, por isso é complicado definir de forma
totalmente geral a função da pintura corporal e o tipo de desenhos.
Grafismo dos índios Karajá
Máscaras
Para os índios, as máscaras têm um
caráter duplo: ao mesmo tempo em
que é um artefato produzido por um
homem comum, são a figura viva do
ser sobrenatural que representam.
Elas são feitas com troncos de
árvores, cabaças e palhas de buriti e
são usadas geralmente em danças
cerimoniais, como, por exemplo, na
dança do Aruanã, entre os Karajá,
quando representam heróis que
mantêm a ordem do mundo. (Máscara da dança dos macacos.)
Cerâmica
Entre as sociedades indígenas brasileiras, a cerâmica é, geralmente,
confeccionada pelas mulheres. Todas aprendem a fazê-la mas, como em
qualquer outra atividade, há aquelas com mais habilidade e/ou
criatividade. Atualmente, algumas já se utilizam de tintas e instrumentos
industrializados para produzir sua cerâmica.
Nem todos os povos indígenas produzem cerâmica e alguns, que
tradicionalmente produziam, deixaram de fazê-lo, após o contato com não
índios e com o passar do tempo. Entre alguns povos ceramistas, os
objetos produzidos são simples. Entre outros, são muito elaborados e
valorizados pelos membros da sociedade. Alguns índios que se destacam
por sua cerâmica são os: Kadiwéu e Terena, de Mato Grosso do Sul;
Karajá, de Tocantins; Marubo, Tukano, Maku e Baniwa, do Amazonas e
outros.
Dança
Ritual que envolve a arte da pintura e de máscaras. A dança marca
o ritual e é feita de passos fortes e bem marcados, feita em círculo,
pois o círculo não tem cima nem baixo, ou seja, todos "são iguais"
na dança. Cada dança tem um significado e uma intenção, tem
dança da chuva, dança pra chamar os bons espíritos e levar os
ruins da aldeia, dança dos macacos, dança de homenagem aos
seus ancestrais, por exemplo. Essa é uma relação muito importante
entre o corpo e o espírito.
Dependendo da tribo, o ritual é feito de forma diferente e a dança
também muda, por isso é difícil especificar com detalhes cada
dança. A maioria das danças ainda é feita em volta da fogueira,
principalmente a que é contra espíritos ruins. A dança também é
comemorativa, em festas da tribo a comemoração é a dança e
também é uma diversão para todos os indígenas.
Dança da chuva
Não esqueçam de
visitar o nosso blog:
http://artesceco.blogspot.com
http://www.qdivertido.com.br/verpesquisa.php?codigo=25
http://www.suapesquisa.com/indios/
http://www.consciencia.org/resumo-sobre-os-indios-brasileiros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura africana
Cultura africanaCultura africana
Cultura africana
Julio_Cezar10
 
Festa junina
Festa juninaFesta junina
Festa junina
pratesclaudio
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
Mary Lopes
 
A cultura do nordeste
A cultura do nordesteA cultura do nordeste
A cultura do nordeste
Nicole Gouveia
 
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no BrasilCultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Bruna Medeiros
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
Isaque Marques Pascoal
 
A Dança e seus elementos
A Dança e seus elementosA Dança e seus elementos
A Dança e seus elementos
Luan Lucena
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
Experiências Português
 
Pintura Corporal - Cultura indígena
Pintura Corporal - Cultura indígena Pintura Corporal - Cultura indígena
Pintura Corporal - Cultura indígena
Raquel Hemanuelly
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
VALDIR CONCEICAO
 
Arte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
Arte Indígena Rituais Música e Dança.pptArte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
Arte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
PriscillaPorto7
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
seixasmarianas
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
Joemille Leal
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
Wellinton Augusto
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Gisele Finatti Baraglio
 
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
Marilia
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Casiris Crescencio
 
Dia do índio Palestra para educação infantil
Dia do índio Palestra para educação infantilDia do índio Palestra para educação infantil
Dia do índio Palestra para educação infantil
Karen Kelly Castro
 

Mais procurados (20)

Cultura africana
Cultura africanaCultura africana
Cultura africana
 
Festa junina
Festa juninaFesta junina
Festa junina
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
A cultura do nordeste
A cultura do nordesteA cultura do nordeste
A cultura do nordeste
 
Cultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no BrasilCultura Africana e suas influências no Brasil
Cultura Africana e suas influências no Brasil
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
 
A Dança e seus elementos
A Dança e seus elementosA Dança e seus elementos
A Dança e seus elementos
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
Pintura Corporal - Cultura indígena
Pintura Corporal - Cultura indígena Pintura Corporal - Cultura indígena
Pintura Corporal - Cultura indígena
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
 
Arte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
Arte Indígena Rituais Música e Dança.pptArte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
Arte Indígena Rituais Música e Dança.ppt
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
 
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
 
Dia do índio Palestra para educação infantil
Dia do índio Palestra para educação infantilDia do índio Palestra para educação infantil
Dia do índio Palestra para educação infantil
 

Destaque

Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
Davi Carneiro
 
Arte indígena brasileira
Arte indígena brasileiraArte indígena brasileira
Arte indígena brasileira
Carol Mendoza
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
Emef Madalena
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
Paula Naranjo
 
arte indígena
arte indígena arte indígena
arte indígena
fabio priore
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
Francisco Antonio Machado Araujo
 
Rleitura da arte indígena brasileira-7° ANO B
Rleitura da arte indígena brasileira-7° ANO BRleitura da arte indígena brasileira-7° ANO B
Rleitura da arte indígena brasileira-7° ANO B
rizia_ferreira
 
A diversidade cultural no brasil (1) (1)
A diversidade cultural no brasil (1) (1)A diversidade cultural no brasil (1) (1)
A diversidade cultural no brasil (1) (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileiraAtividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileira
Atividades Diversas Cláudia
 
Índios no Brasil
Índios no BrasilÍndios no Brasil
Índios no Brasil
Diego Henrique
 
Os índios karajás
Os índios karajásOs índios karajás
Os índios karajás
Natália Pimenta
 
Profª Cristiane - Artes
Profª Cristiane - ArtesProfª Cristiane - Artes
Profª Cristiane - Artes
sibrigadeiro
 
Dia do Índio
Dia do ÍndioDia do Índio
Dia do Índio
Débora Madalena
 
Texto arte indigena
Texto arte indigenaTexto arte indigena
Texto arte indigena
Laís Paiva
 
Dia do indio simone drumond@hotmail
Dia do indio simone drumond@hotmailDia do indio simone drumond@hotmail
Dia do indio simone drumond@hotmail
SimoneHelenDrumond
 
Povos indígenas do mato grosso do sul
Povos indígenas do mato grosso do sulPovos indígenas do mato grosso do sul
Povos indígenas do mato grosso do sul
Adilton Sanches
 
ÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASILÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASIL
Geo
 
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumesHábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Kau Dubiella
 
História e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígenaHistória e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígena
Valeria Santos
 
Arte indígena brasileira
Arte  indígena  brasileiraArte  indígena  brasileira
Arte indígena brasileira
escolacaldas.jr
 

Destaque (20)

Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
 
Arte indígena brasileira
Arte indígena brasileiraArte indígena brasileira
Arte indígena brasileira
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
arte indígena
arte indígena arte indígena
arte indígena
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
 
Rleitura da arte indígena brasileira-7° ANO B
Rleitura da arte indígena brasileira-7° ANO BRleitura da arte indígena brasileira-7° ANO B
Rleitura da arte indígena brasileira-7° ANO B
 
A diversidade cultural no brasil (1) (1)
A diversidade cultural no brasil (1) (1)A diversidade cultural no brasil (1) (1)
A diversidade cultural no brasil (1) (1)
 
Atividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileiraAtividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileira
 
Índios no Brasil
Índios no BrasilÍndios no Brasil
Índios no Brasil
 
Os índios karajás
Os índios karajásOs índios karajás
Os índios karajás
 
Profª Cristiane - Artes
Profª Cristiane - ArtesProfª Cristiane - Artes
Profª Cristiane - Artes
 
Dia do Índio
Dia do ÍndioDia do Índio
Dia do Índio
 
Texto arte indigena
Texto arte indigenaTexto arte indigena
Texto arte indigena
 
Dia do indio simone drumond@hotmail
Dia do indio simone drumond@hotmailDia do indio simone drumond@hotmail
Dia do indio simone drumond@hotmail
 
Povos indígenas do mato grosso do sul
Povos indígenas do mato grosso do sulPovos indígenas do mato grosso do sul
Povos indígenas do mato grosso do sul
 
ÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASILÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASIL
 
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumesHábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
Hábitos indígenas que influenciaram os nossos costumes
 
História e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígenaHistória e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígena
 
Arte indígena brasileira
Arte  indígena  brasileiraArte  indígena  brasileira
Arte indígena brasileira
 

Semelhante a História da Arte: Arte e cultura indígena brasileira

Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
Carolyne Mensen
 
Como era a vida dos índios
Como era a vida dos índiosComo era a vida dos índios
Como era a vida dos índios
Mauricio Produções
 
A história da educação no brasil
A história da educação no brasilA história da educação no brasil
A história da educação no brasil
Marcia Alves de Oliveira
 
Indios do brasil
Indios do brasilIndios do brasil
Indios do brasil
nefthales
 
íNdios do brasil
íNdios do brasilíNdios do brasil
íNdios do brasil
Mariangela Santos
 
kaio
kaio                                     kaio
kaio
Kaio Cesar
 
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2
Profgalao
 
Tupis
TupisTupis
América
AméricaAmérica
América
RODRIGO Cicéro
 
O impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américaO impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américa
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
Profgalao
 
Dia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismaelDia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismael
Educamais
 
Indígenas
IndígenasIndígenas
Indígenas
Dhebora Menezes
 
Cultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.ppt
Cultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.pptCultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.ppt
Cultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.ppt
Igor da Silva
 
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptxDIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
RaquelOlimpio1
 
Tapuias
TapuiasTapuias
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
henriquecorreia39
 
Diferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundoDiferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundo
anocas_rita
 
Povos indígenas
Povos indígenasPovos indígenas
Povos indígenas
Nael.Passos
 
Dia do índio
Dia do índioDia do índio
Dia do índio
André Moraes
 

Semelhante a História da Arte: Arte e cultura indígena brasileira (20)

Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
 
Como era a vida dos índios
Como era a vida dos índiosComo era a vida dos índios
Como era a vida dos índios
 
A história da educação no brasil
A história da educação no brasilA história da educação no brasil
A história da educação no brasil
 
Indios do brasil
Indios do brasilIndios do brasil
Indios do brasil
 
íNdios do brasil
íNdios do brasilíNdios do brasil
íNdios do brasil
 
kaio
kaio                                     kaio
kaio
 
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2
 
Tupis
TupisTupis
Tupis
 
América
AméricaAmérica
América
 
O impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américaO impacto da conquista da américa
O impacto da conquista da américa
 
Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
 
Dia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismaelDia do indío professor ismael
Dia do indío professor ismael
 
Indígenas
IndígenasIndígenas
Indígenas
 
Cultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.ppt
Cultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.pptCultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.ppt
Cultura Indígena do Brasil nos dias de hoje - FASC.ppt
 
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptxDIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
 
Tapuias
TapuiasTapuias
Tapuias
 
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
 
Diferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundoDiferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundo
 
Povos indígenas
Povos indígenasPovos indígenas
Povos indígenas
 
Dia do índio
Dia do índioDia do índio
Dia do índio
 

Mais de Raphael Lanzillotte

Fotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivo
Fotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivoFotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivo
Fotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivo
Raphael Lanzillotte
 
Fotografia - light painting
Fotografia - light paintingFotografia - light painting
Fotografia - light painting
Raphael Lanzillotte
 
Fotografia brinquedos - 4bim - alternativo
Fotografia brinquedos - 4bim - alternativoFotografia brinquedos - 4bim - alternativo
Fotografia brinquedos - 4bim - alternativo
Raphael Lanzillotte
 
Neoconcretismo - Athos Bulcão
Neoconcretismo - Athos BulcãoNeoconcretismo - Athos Bulcão
Neoconcretismo - Athos Bulcão
Raphael Lanzillotte
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Raphael Lanzillotte
 
Fotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bim
Fotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bimFotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bim
Fotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bim
Raphael Lanzillotte
 
Fotografia brinquedos - trabalho final 4 bim
Fotografia brinquedos - trabalho final 4 bimFotografia brinquedos - trabalho final 4 bim
Fotografia brinquedos - trabalho final 4 bim
Raphael Lanzillotte
 
Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e NeoconcretismoRevisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Raphael Lanzillotte
 
Correntes estilísticas básicas na arte material teórico
Correntes estilísticas básicas na arte material teóricoCorrentes estilísticas básicas na arte material teórico
Correntes estilísticas básicas na arte material teórico
Raphael Lanzillotte
 
Correntes estilísticas básicas na arte
Correntes estilísticas básicas na arteCorrentes estilísticas básicas na arte
Correntes estilísticas básicas na arte
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculos
História da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculosHistória da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculos
História da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculos
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: Semana de 22
História da Arte: Semana de 22História da Arte: Semana de 22
História da Arte: Semana de 22
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstratoHistória da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstrato
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiro
História da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiroHistória da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiro
História da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiro
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pinturaHistória da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pintura
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: Guernica - Picasso
 História da Arte: Guernica - Picasso História da Arte: Guernica - Picasso
História da Arte: Guernica - Picasso
Raphael Lanzillotte
 
Elementos da Linguagem Visual - Forma
Elementos da Linguagem Visual - FormaElementos da Linguagem Visual - Forma
Elementos da Linguagem Visual - Forma
Raphael Lanzillotte
 
Vanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º anoVanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º ano
Raphael Lanzillotte
 
Vanguardas(2)
Vanguardas(2)Vanguardas(2)
Vanguardas(2)
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte: Poesia visual
História da Arte: Poesia visualHistória da Arte: Poesia visual
História da Arte: Poesia visual
Raphael Lanzillotte
 

Mais de Raphael Lanzillotte (20)

Fotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivo
Fotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivoFotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivo
Fotografia perspectiva forçada - 4 bim - alternaivo
 
Fotografia - light painting
Fotografia - light paintingFotografia - light painting
Fotografia - light painting
 
Fotografia brinquedos - 4bim - alternativo
Fotografia brinquedos - 4bim - alternativoFotografia brinquedos - 4bim - alternativo
Fotografia brinquedos - 4bim - alternativo
 
Neoconcretismo - Athos Bulcão
Neoconcretismo - Athos BulcãoNeoconcretismo - Athos Bulcão
Neoconcretismo - Athos Bulcão
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
 
Fotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bim
Fotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bimFotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bim
Fotografia perspectiva forçada - trabalho final 4 bim
 
Fotografia brinquedos - trabalho final 4 bim
Fotografia brinquedos - trabalho final 4 bimFotografia brinquedos - trabalho final 4 bim
Fotografia brinquedos - trabalho final 4 bim
 
Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e NeoconcretismoRevisão - Minimalismo e Neoconcretismo
Revisão - Minimalismo e Neoconcretismo
 
Correntes estilísticas básicas na arte material teórico
Correntes estilísticas básicas na arte material teóricoCorrentes estilísticas básicas na arte material teórico
Correntes estilísticas básicas na arte material teórico
 
Correntes estilísticas básicas na arte
Correntes estilísticas básicas na arteCorrentes estilísticas básicas na arte
Correntes estilísticas básicas na arte
 
História da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculos
História da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculosHistória da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculos
História da Arte: O suporte da arte ao longo dos séculos
 
História da Arte: Semana de 22
História da Arte: Semana de 22História da Arte: Semana de 22
História da Arte: Semana de 22
 
História da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstratoHistória da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstrato
 
História da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiro
História da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiroHistória da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiro
História da Arte: Barroco e Rococó europeu e brasileiro
 
História da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pinturaHistória da Arte: A evolução da pintura
História da Arte: A evolução da pintura
 
História da Arte: Guernica - Picasso
 História da Arte: Guernica - Picasso História da Arte: Guernica - Picasso
História da Arte: Guernica - Picasso
 
Elementos da Linguagem Visual - Forma
Elementos da Linguagem Visual - FormaElementos da Linguagem Visual - Forma
Elementos da Linguagem Visual - Forma
 
Vanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º anoVanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º ano
 
Vanguardas(2)
Vanguardas(2)Vanguardas(2)
Vanguardas(2)
 
História da Arte: Poesia visual
História da Arte: Poesia visualHistória da Arte: Poesia visual
História da Arte: Poesia visual
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 

História da Arte: Arte e cultura indígena brasileira

  • 1.
  • 2. Historiadores afirmam que: • Antes da chegada dos europeus à América havia aproximadamente 100 milhões de índios no continente. •Só no Brasil, esse número chegava a 5 milhões de nativos, aproximadamente. •Atualmente, calcula-se que apenas 400 mil índios ocupam o território brasileiro.
  • 3. O primeiro contato entre índios e portugueses em 1500 foi de muita estranheza para ambas as partes. As duas culturas eram muito diferentes e pertenciam a mundos completamente distintos.
  • 4. Pero Vaz de Caminha relata a troca de sinais, presentes e informações. Quando os portugueses começam a explorar o pau-brasil das matas, começam a escravizar muitos indígenas e a utilizar o escambo. Davam espelhos, apitos, colares e chocalhos para os indígenas em troca de seu trabalho.
  • 5. Os indígenas que habitavam o Brasil em 1500 viviam da caça, da pesca e da agricultura de milho, amendoim, feijão, abóbora, bata-doce e principalmente mandioca. Esta agricultura era praticada de forma bem rudimentar, pois utilizavam a técnica da coivara (derrubada de mata e queimada para limpar o solo para o plantio).
  • 6.
  • 7. Entre os indígenas não há classes sociais como a do homem branco. Todos têm os mesmo direitos e recebem o mesmo tratamento. A terra, por exemplo, pertence a todos e quando um índio caça, costuma dividir com os habitantes de sua tribo. Apenas os instrumentos de trabalho (machado, arcos, flechas, arpões) são de propriedade individual. O trabalho na tribo é realizado por todos, porém possui uma divisão por sexo e idade. As mulheres são responsáveis pela comida, crianças, colheita e plantio. Já os homens da tribo ficam encarregados do trabalho mais pesado: caça, pesca, guerra e derrubada das árvores.
  • 8. A educação indígena é bem interessante. Os pequenos índios, conhecidos como curumins, aprender desde pequenos e de forma prática. Costumam observar o que os adultos fazem e vão treinando desde cedo. Quando o pai vai caçar, costuma levar o indiozinho junto para que este aprenda. Portanto, a educação indígena é bem prática e vinculada a realidade da vida da tribo indígena. Quando atinge os 13 anos, o jovem passa por um teste e uma cerimônia para ingressar na vida adulta.
  • 9. As Crianças Em geral, a vida das crianças indígenas (curumins) é bem diferente das nossas crianças. Elas vivem muito integradas à natureza, participam das tradições de sua tribo. Aprendem muito observando os mais velhos em suas tarefas diárias. Também se divertem muito. Tomar banho de rio é uma das diversões preferidas. Além disso, brincam de peteca, pião, jogos com sementes, dobraduras, bonecas. Na maioria das aldeias, os pequenos índios também vão à escola.
  • 10. Há momentos de contação de história, em que os mais velhos contam histórias para os curumins, há festas tradicionais em que as crianças participam e aprendem assim mais da própria cultura. As crianças indígena são muito respeitadas, os adultos sabem e acreditam que elas estão sempre aprendendo. Elas convivem com seus animais de estimação: cachorros, macacos, araras, quatis, papagaios.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Os índios vivem principalmente da caça e da pesca. As tribos também plantam o milho, a mandioca e o fumo. Quando a caça faltava e a pesca se tornava insuficiente, os índios mudavam-se para outros lugares. Eram, portanto, nômades. Para a caça os índios usam o arco e a flecha. Pequenas setas são destinadas à caça miúda, como pássaros. Também sabem preparar armadilhas e imitam com perfeição as vozes dos animais, meio com que procuram atraí-los.
  • 14. Para a pesca os índios utilizam pequenas redes chamadas puçás, flechas, anzóis e plantas que atiram ao rio, como o timbó, e que atordoam os peixes, tornando-os presas mais fáceis e não fazem mal ao homem. De alguns grandes animais, como os tubarões e onças, extraem os dentes para fabricar pontas de flechas. Para obter o fogo os índios imprimiam, com a palma das mãos, um movimento de rotação a um pequeno pedaço de pau, cuja ponta se friccionava em outro, até formar uma chama que se comunicava a folhas secas.
  • 15. Os adornos principais dos índios consistem em pintar o corpo com a tinta vermelha de urucum e azul do jenipapo; alguns furam as orelhas e os lábios, onde colocam pedaços de madeira ou botoques, nome que até serviu para denominar uma tribo, a dos botocudos. Também usam colares de contas, de dentes de animais ou de inimigos e enfeitam-se com penas de pássaros.
  • 16. Tacape indígena Suas armas prediletas são o arco e a flecha, de várias dimensões, lanças e o tacape, feito de madeira pesada. Algumas tribos utilizam a zarabatana, tubo ôco por onde disparam, com o sopro, pequenas setas envenenadas. Arco e flecha Zarabatana
  • 17. Dos instrumentos musicais os índios conhecem o tambor, uma espécie de chocalho que é chamada de maracá, e a flauta de osso, denominada membi.
  • 18. Os índios vivem em aldeias e, muitas vezes, são comandados por chefes, que são chamados de cacique ou morubixaba. A transmissão da chefia pode ser hereditária (de pai para filho) ou não. Os caciques devem conduzir a aldeia nas mudanças, na guerra, devem manter as tradições, determinar as atividades diárias e responsabilizar-se pelo contato com outras aldeias ou com os civilizados. Maior influência, porém, tem o pajé, o feiticeiro da tribo. Acreditam que ele possui poderes extraordinários: adivinhar o futuro, curar todas as doenças, transformar-se em qualquer animal e até tornar-se invisível.
  • 19. Alimentação Cada povo indígena tem sua tradição com relação à alimentação. Eles produzem sua própria comida, seja praticando agricultura para subsistência, em algumas tribos até vendem o excedente da sua plantação, seja por caça e pesca. O peixe, a banana, a mandioca e o milho são fontes de alimentação na maioria das tribos indígenas. Há tribos que consomem alimentos industrializados que compram com o dinheiro ganhado através do comércio de produtos típicos confeccionados nas aldeias e vendidos em feiras.
  • 20. Ritos e Mitos No Brasil, muitas tribos praticam ritos de passagem, que marcam a passagem de um grupo ou indivíduo de uma situação para outra. O nascimento de uma criança é comemorado, assim como a iniciação na vida adulta, o casamento, a morte. Celebram os antepassados como a festa Quarup dos Xavantes no Xingu, região central do Brasil. Uma boa colheita também é comemorada com festejos. Ritual fúnebre
  • 21. O Kuarup é uma manifestação cultural dos povos indígenas do Alto Xingu e é a maior festa indígena do País. Ele acontece anualmente no Parque do Xingu e é a mais alta homenagem que esses índios prestam aos seus mortos importantes. Kuarup (Quarup) – ritual do choro
  • 23.
  • 24. Das nações indígenas a mais importante era a dos Tupis que os jesuítas denominavam índios da língua geral pois a língua tupi era falada em toda a costa brasileira. Essa nação compreendia muitas tribos: Maués e Omáguas no Amazonas; Potiguares, no Rio Grande do Norte; Caetes, da Paraíba ao rio São Francisco; Tupinambás e Tupiniquins na Bahia; Tamoios no Rio de Janeiro e, mais para o sul, os Carijós e os Guaranis. No Norte do Brasil vivia a nação dos Nuaruaques. Algumas de suas tribos tinham notável adiantamento, como prova a cerâmica marajoara, vasos de argila feitos com perfeição, encontrados na ilha de Marajó. São Nuaruaques os Manaus e os Aruãs. Os Caribas ou Caraíbas formam outra nação. Algumas de suas tribos eram tão cruéis que do nome cariba se derivou canibal, que é sinônimo de antropófago. Também habitavam as Antilhas e eram hábeis canoeiros.
  • 25. Outra nação era a dos Jês ou Tapuias. Uma de suas tribos mais primitivas e ferozes, a dos Aimorés, vivia no Espírito Santo. Os Aimorés não faziam casas, dormiam no "chão sobre folhas e tinham o hábito de açoitar os filhos com plantas espinhosas para que se acostumassem a andar pelos matos. Ficavam escondidos, aos grupos, à beira dos caminhos para atacar as pessoas que passavam, matá-las e depois devorá-las. Os atuais Xavantes, de Goiás, pertencem ao grupo ou nação dos Jès. Das nações menores há a dos Guaicurus, que eram índios cavaleiros de Mato Grosso. Durante a guerra do Brasil com o Paraguai, esses índios muito ajudaram os brasileiros.
  • 26.
  • 27. A pintura corporal Pintam o corpo para enfeitá-lo e também para defendê-lo contra o sol, os insetos e os espíritos maus. As cores mais usadas pelos índios para pintar seus corpos são o vermelho muito vivo do urucum que representa a casa do homem, o negro esverdeado que representa a floresta, o azul da tintura do suco do jenipapo e o branco da tabatinga. A escolha dessas cores é importante, porque o gosto pela pintura corporal está associado ao esforço de transmitir ao corpo a alegria contida nas cores vivas e intensas.
  • 28.
  • 29. São os Kadiwéu que apresentam uma pintura corporal mais elaborada. Os primeiros registros dessa pintura datam de 1560, pois ela impressionou fortemente o colonizados e os viajantes europeus. Mais tarde foi analisada também por vários estudiosos, entre os quais Lévi Strauss, antropólogo francês que esteve entre os índios brasileiros em 1935. De acordo com Lévi Strauss, “as pinturas do rosto conferem, de início, ao indivíduo, sua dignidade de ser humano; elas operam a passagem da natureza à cultura, do animal estúpido ao homem civilizado. Em seguida, diferentes quanto ao estilo e à composição segundo as castas, elas exprimem, numa sociedade complexa, a hierarquia dos status. Elas possuem assim uma função sociológica”.
  • 30.
  • 31. Os desenhos dos Kadiwéu são geométricos, complexos e revelam um equilíbrio e uma beleza que impressionam o observador. Além do corpo, que é o suporte próprio da pintura Kadiwéu, os seus desenhos aparecem também em couros, esteiras e abanos, o que faz com que seus objetos domésticos sejam inconfundíveis. Cada povo indígena tem a sua maneira de se pintar, por isso é complicado definir de forma totalmente geral a função da pintura corporal e o tipo de desenhos.
  • 33. Máscaras Para os índios, as máscaras têm um caráter duplo: ao mesmo tempo em que é um artefato produzido por um homem comum, são a figura viva do ser sobrenatural que representam. Elas são feitas com troncos de árvores, cabaças e palhas de buriti e são usadas geralmente em danças cerimoniais, como, por exemplo, na dança do Aruanã, entre os Karajá, quando representam heróis que mantêm a ordem do mundo. (Máscara da dança dos macacos.)
  • 34. Cerâmica Entre as sociedades indígenas brasileiras, a cerâmica é, geralmente, confeccionada pelas mulheres. Todas aprendem a fazê-la mas, como em qualquer outra atividade, há aquelas com mais habilidade e/ou criatividade. Atualmente, algumas já se utilizam de tintas e instrumentos industrializados para produzir sua cerâmica. Nem todos os povos indígenas produzem cerâmica e alguns, que tradicionalmente produziam, deixaram de fazê-lo, após o contato com não índios e com o passar do tempo. Entre alguns povos ceramistas, os objetos produzidos são simples. Entre outros, são muito elaborados e valorizados pelos membros da sociedade. Alguns índios que se destacam por sua cerâmica são os: Kadiwéu e Terena, de Mato Grosso do Sul; Karajá, de Tocantins; Marubo, Tukano, Maku e Baniwa, do Amazonas e outros.
  • 35.
  • 36. Dança Ritual que envolve a arte da pintura e de máscaras. A dança marca o ritual e é feita de passos fortes e bem marcados, feita em círculo, pois o círculo não tem cima nem baixo, ou seja, todos "são iguais" na dança. Cada dança tem um significado e uma intenção, tem dança da chuva, dança pra chamar os bons espíritos e levar os ruins da aldeia, dança dos macacos, dança de homenagem aos seus ancestrais, por exemplo. Essa é uma relação muito importante entre o corpo e o espírito. Dependendo da tribo, o ritual é feito de forma diferente e a dança também muda, por isso é difícil especificar com detalhes cada dança. A maioria das danças ainda é feita em volta da fogueira, principalmente a que é contra espíritos ruins. A dança também é comemorativa, em festas da tribo a comemoração é a dança e também é uma diversão para todos os indígenas.
  • 37.
  • 39. Não esqueçam de visitar o nosso blog: http://artesceco.blogspot.com