SlideShare uma empresa Scribd logo
ANAIS DA III SEPAVET – SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA – E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA
VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA
FAMED – FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
BIOSSEGURANÇA: PREVENÇÃO DE DOENÇAS NA AVICULTURA
INDUSTRIAL
BENTO, Marco Antonio Furlanetto
BRONZATO, Andresa
LAMONICA, Bruno Carvalho
SOUZA JUNIOR, Saulo
Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça - FAMED
PICCININ Adriana
Docente da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED
INTRODUÇÃO
A biossegurança é um conjunto de medidas profiláticas capaz de manter
a integridade saudável do indivíduo. O termo é abrangente e recodifica
diferentes medidas de caráter sanitário que, se adotadas integralmente, seriam
teoricamente capazes de garantir o bom estado sanitário do plantel evitando as
enfermidades avícolas. Na prática, entretanto, nem sempre é possível adotar
todas as rigorosas medidas de sanidade compreendidas pela biossegurança,
seja por impossibilidade econômica do produtor, seja por eventual
desconhecimento técnico, ou seja, mais simplesmente, por mera falta de
decisão (NETO et al., 2001).
CONTEÚDO
O princípio básico da biossegurança na avicultura é o isolamento da ave
e, por extensão, do próprio plantel, o que pode ser obtido por meio da adoção
de algumas medidas de caráter geral e outras específicas. Entre as medidas
gerais de biossegurança poderíamos citar como planejamento a seleção e
escolha das terras onde a granja vai ser implantada (visando guardar
distâncias e garantir o necessário isolamento, bem como insolação e regime de
ventos); a instalação da infra-estrutura primária que vai garantir a subsistência
da granja num dado local escolhido (suprimento de água pura em quantidade
necessária; o fornecimento de energia elétrica, criação de um sistema de
coleçào e destinação de dejetos e água servidas; desrraticidaçào e barreiras
física que impessam a entrada de roedores e outros animais; a construção
dasinstalações destinadas a alojar as aves e as demais de suporte como
depósitos, do pessoal, administrativos, vestuários, rodolúvios, lavanderia, silos,
incubatórios, abatedouros, sitemas veiculares, etc) (WOERNLE, 1996).
Outras medidas nào menos importantes dentro do conceito de
biossegurança, são de caráter operacional e até mesmo individualizadas,
segundo o tipo de granja a que estão voltadas (produção de ovos ou de carne,
matrizeiras, avozeiras ou mesmo bisavoseiras). Entre elas o treinamento e
cursos de reciclagem do pessoal operacional; implantação de sistemas rígidos
de alojamento e desalojamento das aves, desinfeção das instalações; limpeza,
higiene e desinfeção de utensílios e outros materiais; estudo e pronta
disponibilidade de planos de ação emergencial, no mínimo para situações
previsíveis e/ou mais comuns no segmento explorado; exames sorológicos
periódicos do plantel para monitoria do estado de sanidade, exames
bacteriológicos periódicos (coleta e semeadura) etc (NETO et al., 2001).
Na verdade, a biossegurança apenas codifica tecnicamente uma série de
medidas de higiene de amplo conhecimento e prática na avicultura brasileira e
mundial. Entre essas medidas (uso dos banhos do pessoal operacional e dos
visitantes, lavagem e higienização dos veículos, escolha e busca ou produção
do material utilizado como cama das aves, existência de programas
profiláticos), há algumas ainda discutíveis e outras que podem passar falsa
impressão de segurança total (NETO et al., 2001).
Na avicultura, mesmo nas granjas mais tecnificadas, um dos problemas
sanitários mais temidos é, sem dúvida, o surgimento de uma salmonelose no
plantel, seja pela infeção via Salmonella gallinarum ou S.pullorum ou
S.tiphymurium, seja pela temida Salmonella enteritides, devido aos enormes
riscos de sua transmissão via carne e, principalmente via ovo, aos seres
humanos (BERCHIERI, 2000).
A proteção contra a entrada de novos sorotipos na pirâmide de produção
tem que ser a maior possível. na pratica, se reconhece que o grau de proteção
será melhor nas camadas superiores da pirâmide. A biossegurança também
pode converter uma granja já contaminada numa granja limpa. Ao retirar o lote
e terminar o programa de higiene, o interior dos galpões normalmente possui
uma contaminação menor, enquanto ainda persiste considerável contaminação
ao redor dos galpões. E necessário estabelecer barreiras sanitárias entre as
áreas sujas e áreas limpas. A natureza das barreiras tem que levar conta o tipo
de instalação, o manejo das aves e as maneiras pelas quais os patógenos
podem ser novamente introduzidos no galpão. Roedores, insetos e aves
selvagens devem ser considerados (NETO et al., 2005).
Medidas de descontaminação do alimento (ração) devem ser feitas tanto
no momento da produção como no manuseio deste na granja. Tratamentos de
calor e o uso de acidificastes tem sido relatados para esta finalidade
(WOERNLE, 1996).
Opções imunológicas são utilizadas. Dados experimentais sugerem que
vacinas por mais de algumas semanas, e não devem ser utilizadas como única
medida de controle para Salmonellas spp. DAVIS e BRESSLIN (2001),
concluíram que em nenhum grupo tratado exclusivamente com vacina inativada
de Salmonella Enteritidis a bactéria havia sido erradicada, e que melhores
resultados sanitários foram obtidos nos grupos tratados com exclusão
competitiva.
CONCLUSÃO
A biossegurança é um dos fatores vitais para o bom desempenho da
avicultura industrial. Um planejamento, controle de roedores, remoção da
cama, destino adequado para dejetos, sistema de água livre de patógenos,
lavagem constante de equipamentos, desinfeção dos galpões e revisão de
raticidas nas granjas são medidas importantes para ajudar a manter o plantel
saudável e ao sucesso da granja.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BERCHIERI, A.J. Salmoneloses Aviarias In: BERCHIERI,A.J: MACARI,M.
Doença das aves, Campinas: Facta, 2000, p. 185-195.
DAVIS, M; BRESSLIN,V.A. Salmonella enteritidis infection in broiles and
broiler breeders. Veterinary. Records 123, 2001, p. 350-351.
NETO, C.C; ASSAFF FILHO,J.M, NUNES,L.A. Biossegurança - Roedores.
Disponível
no<http://www.aviculturaindustrial.com.br/site/dinamica.asp?id=1586&tipo_tabel
a=cet&categoria=manejo> Acessado em 05 de outubro de 2005.
WOERNLE, H. Enfermidade del lãs aves, Zaragosa, Acríbia, 1996, p. 89.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Biossegurança - Prevenção de doenças.pdf

Mastite vacas 3
Mastite vacas 3Mastite vacas 3
Mastite vacas 3
Fmodri3
 
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Samira Rahaamid Paz
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
Tâmara Porfíro
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
Tâmara Porfíro
 
Ccih
CcihCcih
Zoonose ocupacional em abatedouro
Zoonose ocupacional em abatedouroZoonose ocupacional em abatedouro
Zoonose ocupacional em abatedouro
silviafvillasboas
 
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptxAPRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
MirianFernandes15
 
Posicionamento das Associações
Posicionamento das AssociaçõesPosicionamento das Associações
Posicionamento das Associações
Jornal do Commercio
 
Monitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos Leiteiros
Monitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos LeiteirosMonitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos Leiteiros
Monitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos Leiteiros
Lilian De Rezende Jordão
 
AULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinasAULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinas
BilatoCorreiaEleoter
 
Analise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoas
Analise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoasAnalise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoas
Analise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoas
Diogo Chaves
 
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-sedaMedidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Rural Pecuária
 
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptxAULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
RenatoFerrazdeArruda1
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
Brunoaguiar97
 
Avicultura no estado de São Paulo
Avicultura no estado de São PauloAvicultura no estado de São Paulo
Avicultura no estado de São Paulo
Agricultura Sao Paulo
 
Apresentação Técnica Base Inicial
Apresentação  Técnica  Base  InicialApresentação  Técnica  Base  Inicial
Apresentação Técnica Base Inicial
agronomoandre
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Rural Pecuária
 
Caprinos x verminose
Caprinos x verminoseCaprinos x verminose
Caprinos x verminose
unipampagepa
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
ojcn
 
bioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptx
bioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptxbioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptx
bioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptx
DanyPady1
 

Semelhante a Biossegurança - Prevenção de doenças.pdf (20)

Mastite vacas 3
Mastite vacas 3Mastite vacas 3
Mastite vacas 3
 
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
 
Ccih
CcihCcih
Ccih
 
Zoonose ocupacional em abatedouro
Zoonose ocupacional em abatedouroZoonose ocupacional em abatedouro
Zoonose ocupacional em abatedouro
 
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptxAPRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
APRESENTAÇÃO MANEJO SANITÁRIO DE AVES.pptx
 
Posicionamento das Associações
Posicionamento das AssociaçõesPosicionamento das Associações
Posicionamento das Associações
 
Monitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos Leiteiros
Monitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos LeiteirosMonitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos Leiteiros
Monitoramento dos Fatores Predisponentes às Afecções Podais em Bovinos Leiteiros
 
AULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinasAULA 6 - Cuidados na administração vacinas
AULA 6 - Cuidados na administração vacinas
 
Analise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoas
Analise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoasAnalise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoas
Analise fisica dos matadouros da microregião de arapiraca do estado de alagoas
 
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-sedaMedidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
 
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptxAULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
 
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptxCURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
CURSO_COLETA-CRF-Biossegurança.pptx
 
Avicultura no estado de São Paulo
Avicultura no estado de São PauloAvicultura no estado de São Paulo
Avicultura no estado de São Paulo
 
Apresentação Técnica Base Inicial
Apresentação  Técnica  Base  InicialApresentação  Técnica  Base  Inicial
Apresentação Técnica Base Inicial
 
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-redeEnfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
Enfermidades de tilápias do nilo em tanques-rede
 
Caprinos x verminose
Caprinos x verminoseCaprinos x verminose
Caprinos x verminose
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
bioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptx
bioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptxbioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptx
bioseguranc¿a_em_sau´de_form.pptx
 

Biossegurança - Prevenção de doenças.pdf

  • 1. ANAIS DA III SEPAVET – SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA – E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED – FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- BIOSSEGURANÇA: PREVENÇÃO DE DOENÇAS NA AVICULTURA INDUSTRIAL BENTO, Marco Antonio Furlanetto BRONZATO, Andresa LAMONICA, Bruno Carvalho SOUZA JUNIOR, Saulo Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça - FAMED PICCININ Adriana Docente da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça – FAMED INTRODUÇÃO A biossegurança é um conjunto de medidas profiláticas capaz de manter a integridade saudável do indivíduo. O termo é abrangente e recodifica diferentes medidas de caráter sanitário que, se adotadas integralmente, seriam teoricamente capazes de garantir o bom estado sanitário do plantel evitando as enfermidades avícolas. Na prática, entretanto, nem sempre é possível adotar todas as rigorosas medidas de sanidade compreendidas pela biossegurança, seja por impossibilidade econômica do produtor, seja por eventual desconhecimento técnico, ou seja, mais simplesmente, por mera falta de decisão (NETO et al., 2001). CONTEÚDO O princípio básico da biossegurança na avicultura é o isolamento da ave e, por extensão, do próprio plantel, o que pode ser obtido por meio da adoção de algumas medidas de caráter geral e outras específicas. Entre as medidas gerais de biossegurança poderíamos citar como planejamento a seleção e escolha das terras onde a granja vai ser implantada (visando guardar distâncias e garantir o necessário isolamento, bem como insolação e regime de ventos); a instalação da infra-estrutura primária que vai garantir a subsistência da granja num dado local escolhido (suprimento de água pura em quantidade necessária; o fornecimento de energia elétrica, criação de um sistema de coleçào e destinação de dejetos e água servidas; desrraticidaçào e barreiras física que impessam a entrada de roedores e outros animais; a construção dasinstalações destinadas a alojar as aves e as demais de suporte como depósitos, do pessoal, administrativos, vestuários, rodolúvios, lavanderia, silos, incubatórios, abatedouros, sitemas veiculares, etc) (WOERNLE, 1996). Outras medidas nào menos importantes dentro do conceito de biossegurança, são de caráter operacional e até mesmo individualizadas, segundo o tipo de granja a que estão voltadas (produção de ovos ou de carne, matrizeiras, avozeiras ou mesmo bisavoseiras). Entre elas o treinamento e cursos de reciclagem do pessoal operacional; implantação de sistemas rígidos
  • 2. de alojamento e desalojamento das aves, desinfeção das instalações; limpeza, higiene e desinfeção de utensílios e outros materiais; estudo e pronta disponibilidade de planos de ação emergencial, no mínimo para situações previsíveis e/ou mais comuns no segmento explorado; exames sorológicos periódicos do plantel para monitoria do estado de sanidade, exames bacteriológicos periódicos (coleta e semeadura) etc (NETO et al., 2001). Na verdade, a biossegurança apenas codifica tecnicamente uma série de medidas de higiene de amplo conhecimento e prática na avicultura brasileira e mundial. Entre essas medidas (uso dos banhos do pessoal operacional e dos visitantes, lavagem e higienização dos veículos, escolha e busca ou produção do material utilizado como cama das aves, existência de programas profiláticos), há algumas ainda discutíveis e outras que podem passar falsa impressão de segurança total (NETO et al., 2001). Na avicultura, mesmo nas granjas mais tecnificadas, um dos problemas sanitários mais temidos é, sem dúvida, o surgimento de uma salmonelose no plantel, seja pela infeção via Salmonella gallinarum ou S.pullorum ou S.tiphymurium, seja pela temida Salmonella enteritides, devido aos enormes riscos de sua transmissão via carne e, principalmente via ovo, aos seres humanos (BERCHIERI, 2000). A proteção contra a entrada de novos sorotipos na pirâmide de produção tem que ser a maior possível. na pratica, se reconhece que o grau de proteção será melhor nas camadas superiores da pirâmide. A biossegurança também pode converter uma granja já contaminada numa granja limpa. Ao retirar o lote e terminar o programa de higiene, o interior dos galpões normalmente possui uma contaminação menor, enquanto ainda persiste considerável contaminação ao redor dos galpões. E necessário estabelecer barreiras sanitárias entre as áreas sujas e áreas limpas. A natureza das barreiras tem que levar conta o tipo de instalação, o manejo das aves e as maneiras pelas quais os patógenos podem ser novamente introduzidos no galpão. Roedores, insetos e aves selvagens devem ser considerados (NETO et al., 2005). Medidas de descontaminação do alimento (ração) devem ser feitas tanto no momento da produção como no manuseio deste na granja. Tratamentos de calor e o uso de acidificastes tem sido relatados para esta finalidade (WOERNLE, 1996). Opções imunológicas são utilizadas. Dados experimentais sugerem que vacinas por mais de algumas semanas, e não devem ser utilizadas como única medida de controle para Salmonellas spp. DAVIS e BRESSLIN (2001), concluíram que em nenhum grupo tratado exclusivamente com vacina inativada de Salmonella Enteritidis a bactéria havia sido erradicada, e que melhores resultados sanitários foram obtidos nos grupos tratados com exclusão competitiva. CONCLUSÃO A biossegurança é um dos fatores vitais para o bom desempenho da avicultura industrial. Um planejamento, controle de roedores, remoção da cama, destino adequado para dejetos, sistema de água livre de patógenos, lavagem constante de equipamentos, desinfeção dos galpões e revisão de raticidas nas granjas são medidas importantes para ajudar a manter o plantel saudável e ao sucesso da granja.
  • 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERCHIERI, A.J. Salmoneloses Aviarias In: BERCHIERI,A.J: MACARI,M. Doença das aves, Campinas: Facta, 2000, p. 185-195. DAVIS, M; BRESSLIN,V.A. Salmonella enteritidis infection in broiles and broiler breeders. Veterinary. Records 123, 2001, p. 350-351. NETO, C.C; ASSAFF FILHO,J.M, NUNES,L.A. Biossegurança - Roedores. Disponível no<http://www.aviculturaindustrial.com.br/site/dinamica.asp?id=1586&tipo_tabel a=cet&categoria=manejo> Acessado em 05 de outubro de 2005. WOERNLE, H. Enfermidade del lãs aves, Zaragosa, Acríbia, 1996, p. 89.