SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
GRUPOS
SANGUÍNEOS A-B-O
E TIPOS DE RH
Júlia Ferreira Faleiros da Silva
Mariana Akemi Tanimoto
Mariana O. dos Santos Remiro
Matheus Ferreira Faleiros da Silva
Matheus Vernilo Cardassi
INTRODUÇÃO
• Na superfície de todas as células do corpo
encontram-se moléculas denominadas antígenos
 linfócitos secretam anticorpos que se ligam de
maneira específica aos antígenos;
• Em termos de antígenos presentes na superfície
dos eritrócitos, uma pessoa pode ser tipo A, tipo
B, tipo AB ou tipo O;
• O sistema imunológico apresenta tolerância a
seus próprios antígenos eritrocitários;
• Tipo A  Anticorpos contra B;
• Tipo B  Anticorpos contra A;
• Tipo AB  Sem anticorpos;
• Tipo O  Anticorpos contra A e B.
2
3
INTRODUÇÃO
▪ Um outro grupo de antígenos encontrados nos
eritrócitos da maioria das células é o fator Rh;
▪ Esse grupo inclui vários antígenos diferentes, mas
o mais importante clinicamente é o fator D,
indicado com frequência Rho (D);
▪ Quando esse antígeno Rh está presente nos
eritrócitos de uma pessoa, esta é Rh positivo;
▪ Quando ele está ausente, a pessoa é Rh negativo;
4
OBJETIVOS
• Estudar o papel dos aglutinogênios e das
aglutininas na determinação dos principais
grupos sanguíneos.
• Analisar a importância da compatibilidade
dos grupos sanguíneos doadores e
receptores para a transfusão de sangue.
5
CASUÍTICA E
MÉTODOS
1. Lancetas descartáveis
2. Lâminas
3. Algodão
4. Álcool
5. Microscópio
6. Palito
7. Sangue
8. Soro Anti-A
9. Soro Anti-B
10. Soro Anti-Rh (D)
6
CASUÍTICA E
MÉTODOS
1. O primeiro passo do experimento foi a
realização da assepsia da polpa digital de um
dos dedos da mão;
2. Foi puncionado o dedo com a lanceta
descartável, e uma pequena ferida foi
provocada, com saída de sangue;
3. Imediatamente foram colocadas sobre a lâmina
três gotas de sangue, duas na extremidade e
uma no meio;
4. Sobre a primeira gota foi colocado soro Anti-A,
na do meio Anti-Rh e na última Anti-B;
5. O sangue foi misturado com o soro pelo palito;
7
CASUÍTICA E
MÉTODOS
6. Passados alguns minutos da preparação
sangue/soro, foi feita a leitura do resultado. Os tipos
de sangue de todos do grupo foram anotados.
7. As misturas sangue/soro foram colocadas no
microscópio, e as reações de aglutinação foram
observadas;
8. As tipagens sanguíneas de todos os membros do
grupo foram realizadas.
8
9
1
2
10
3 4
11
RESULTADOS
12
ALUNO TIPO SANGUÍNEO
Júlia Ferreira B+
Mariana Tanimoto A+
Mariana Remiro A+
Matheus Ferreira B+
Matheus Cardassi A+
13
Júlia Ferreira B+
Soro Anti-A = Não aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou
Soro Anti-B = Aglutinou
14
Mariana Tanimoto A+
Soro Anti-A = Aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou
Soro Anti-B = Não Aglutinou
15
Mariana Remiro A+
Soro Anti-A = Aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou
Soro Anti-B = Não Aglutinou
16
Matheus Ferreira B+
Soro Anti-A = Não aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou
Soro Anti-B = Aglutinou
17
Matheus Cardassi A+
Soro Anti-A = Aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou
Soro Anti-B = Não Aglutinou
DISCUSSÃO
• Segundo Batissoco et al. (2003), o sistema de
grupo sangüíneo ABO, descoberto por Karl
Landsteiner no começo do século XX, é, até hoje,
considerado o mais importante sistema de grupos
sangüíneos na medicina clínica transfusional.
• Como já mencionado anteriormente:
18
DISCUSSÃO
• Existem dois tipos de anticorpos no sistema
sangüíneo ABO: os de ocorrência natural e os
imunes.
• Os anticorpos anti-A e anti-B dos indivíduos B e
A, respectivamente, são em sua maioria de
classe IgM e, em pequena quantidade, da classe
IgG. Os anticorpos anti-A e anti-B de indivíduos
de grupo O são da classe IgG e podem estar
presentes em altos títulos. 19
Começam a aparecer no soro
cerca de três a seis meses
após o nascimento. Mistura de
IgM (maior quantidade) com
IgG.
DISCUSSÃO
• A hereditariedade dos grupos sanguíneos do
sistema ABO representa um exemplo da
transmissão de caracteres hereditários
determinados por três alelos diferentes, em que
estão envolvidos três alelos designados por IA, IB
e i.;
• O alelo IA determina a existência na membrana
das hemácias, do aglutinogénio A; O alelo IB
condiciona a presença do aglutinogénio B e o
alelo i é responsável pela ausência de
aglutinogénios.
20
21
B
B
A
A
A
B
AB
AB O
DISCUSSÃO
• Outro sistema importante é o sistema ou fator Rh;
• Existem seis tipos comuns de antígenos Rh,
designados por C,D,E,c,d,e. Um indivíduo que
tem o antígeno C, não terá o antígeno c; e o
mesmo ocorre ao contrário. A mesma relação
ocorre com os antígenos D-d e E-e.
• Os indivíduos que possuem um dos três
antígenos, C,D ou E são chamados de Rh(+). Os
demais indivíduos, que possuem os antígenos c,
d, e, são chamados de Rh(-).
22
23
DISCUSSÃO
• Segundo Pereira (2012), a Eritroblastose Fetal, ou
Doença Hemolítica do Recém-Nascido (DHRN) é uma
alteração que ocorre durante a gravidez nas situações
em que o sangue da mãe é Rh- e o do bebê é Rh+. Essa
ocorrência gera uma incompatibilidade entre o feto e a
mãe.
• Essa alteração pode ocorrer se na primeira gestação, a
mãe (Rh-) gera um feto Rh+. Dessa maneira o
organismo da mãe produz anticorpos que vão combater
as hemácias do bebê de uma segunda gravidez.
• Para gestantes Rh-, há o advento da imunoglobulina
anti–D, a ser administrada na mãe em, no máximo, 3
dias após o nascimento do bebê, se este for Rh+.
24
25
DISCUSSÃO
• A transfusão de sangue entre diferentes indivíduos
é possível, respeitando-se a presença dos
antígenos e anticorpos, o que significa a
determinação da compatibilidade entre o sangue
doador e o sangue do indivíduo receptor.
• Grupo O não tem antígenos  pode ser doado a
qualquer indivíduo de todos os grupos. Mas tem os
anticorpos anti-A e o anti-B e, dessa forma, o
indivíduo do grupo O somente receberá sangue do
mesmo grupo.  Doadores universais
26
DISCUSSÃO
• O sangue do grupo A poderá doar ao receptor A; o grupo
B, poderá doar ao receptor B;
• As pessoas que tem sangue do grupo AB, podem
receber doação de qualquer tipo de sangue, porque o
tipo de sangue AB, não possui anticorpos 
Receptores universais.
• Contudo, só podem doar ao receptor AB pois apenas
esses não possuem anticorpos contra seus antígenos IA
e IB.
• As pessoas com Rh positivo, só podem doar e receber
sangue de outro Rh positivo. Quem tem Rh negativo,
pode doar para um Rh positivo, mas só pode receber Rh
negativo.
27
28
O- : DOADOR
UNIVERSAL
AB+ : RECEPTOR
UNIVERSAL
CONCLUSÃO
• O papel dos aglutinogênios e das aglutininas na
determinação dos principais grupos sanguíneos
foram estudados através do experimento.
• A importância da compatibilidade dos grupos
sanguíneos doadores e receptores para a
transfusão de sangue foi analisada com sucesso.
29
APROVEITAMENTO
E JUSTIFICATIVA
• ( ) Excelente (X) Bom ( ) Ruim ( ) Péssimo
• O sangue tem como função a manutenção da vida do
organismo no que tange ao transporte de nutrientes,
excretas metabólicas, oxigênio e gás carbônico,
hormônios, anticorpos, e demais substâncias ou
corpúsculos cujos transportes se façam essenciais entre
os mais diversos e mesmo remotos tecidos e órgãos do
organismo. Qualquer alteração, pode provocar alterações
nestas funções. Neste sentido é importante saber o tipo
sanguíneo e seus constituintes visto que no tratamento
cirúrgico muitas vezes pode haver perda excessiva desse
elemento e a necessidade de repor esse sangue.
30
REFERÊNCIAS
31
▪ Batissoco AC, Novaretti MCZ. Aspectos moleculares
do sistema sanguíneo ABO. Rev. bras. hematol.
hemoter 2003; 25 (1): 47-58.
▪Fox SI. Fisiologia Humana. 7 ed. Barueri: Manole;
2007.
▪Peralta CC, Cabrera MA, Rosa RAC, Vuolo RAC.
Fisiologia: base para diagnóstico clínico e laboriatorial.
Birigui: Boreal; 2007.
▪Pereira PCM. Isoimunização Rh materna. Proxilaxia,
diagnóstico e tratamentos: aspectos atuais
[monografia]. Salvador: Faculdade de Medicina da
Universidade Federal da Bahia; 2002.
▪Pschisky A. Grupos sanguíneos humanos nos livros
didáticos de biologia: análise de conteúdo [tese].
Florianópolis: Centro de ciências da educação com
linha de investigação em educação e ciência da
Universidade Federal de Santa Catarina; 2003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rhSistema abo e fator rh
Sistema abo e fator rh
 
Sistema abo --
Sistema abo --Sistema abo --
Sistema abo --
 
Imuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia BásicaImuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia Básica
 
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeosHereditariedade dos Grupos SanguíNeos
Hereditariedade dos Grupos SanguíNeos
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Sangue (genetica)
Sangue (genetica)Sangue (genetica)
Sangue (genetica)
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Hemoterapia 1
Hemoterapia 1Hemoterapia 1
Hemoterapia 1
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041Imunohematologia e-sistema-abo-731041
Imunohematologia e-sistema-abo-731041
 
Apresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguineaApresentação tipagem sanguinea
Apresentação tipagem sanguinea
 
Sistema abo
Sistema aboSistema abo
Sistema abo
 
Frente 1 aula 12 O Fator Rh
Frente 1 aula 12 O Fator RhFrente 1 aula 12 O Fator Rh
Frente 1 aula 12 O Fator Rh
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
 

Semelhante a Sistema ABO e fator Rh

Semelhante a Sistema ABO e fator Rh (20)

SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptxSLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
SLAID SOBRE GRUPOS SANGUINES E SISTEMA ABO.pptx
 
sistema.pptx
sistema.pptxsistema.pptx
sistema.pptx
 
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptxPPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
PPT - GRUPOS SANGUINEOS - atualizado 08-01-2019 pptx.pptx
 
Aula 14 sistema abo
Aula 14   sistema aboAula 14   sistema abo
Aula 14 sistema abo
 
Sangue e Sistema abo
Sangue e Sistema aboSangue e Sistema abo
Sangue e Sistema abo
 
Tipagem sanguinea
Tipagem sanguineaTipagem sanguinea
Tipagem sanguinea
 
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdfSistema ABO e Fator Rh.pdf
Sistema ABO e Fator Rh.pdf
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Tipos sanguineos
Tipos sanguineosTipos sanguineos
Tipos sanguineos
 
Os alelos múltiplos
Os alelos múltiplosOs alelos múltiplos
Os alelos múltiplos
 
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes VisuaisAdaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
Adaptações Pedagógicas - Biologia - Deficientes Visuais
 
Codominancia
CodominanciaCodominancia
Codominancia
 
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneosPolialelia e herança dos grupos sanguíneos
Polialelia e herança dos grupos sanguíneos
 
Hemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de CiênciasHemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de Ciências
 
Hemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de CiênciasHemoterapia no Ensino de Ciências
Hemoterapia no Ensino de Ciências
 
aula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptxaula tiposanguineo.pptx
aula tiposanguineo.pptx
 
Genetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RHGenetica - Sistema ABO/RH
Genetica - Sistema ABO/RH
 
Grupos sanguíneos
Grupos sanguíneosGrupos sanguíneos
Grupos sanguíneos
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
 

Mais de Mariana Remiro

Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoTs e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoMariana Remiro
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialMariana Remiro
 
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMariana Remiro
 
Ética e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeÉtica e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeMariana Remiro
 
Funções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoFunções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoMariana Remiro
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Mariana Remiro
 

Mais de Mariana Remiro (8)

Mucosa oral
Mucosa oralMucosa oral
Mucosa oral
 
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoTs e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterial
 
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
 
Ética e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeÉtica e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúde
 
Funções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoFunções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema Nervoso
 
Fenda labiopalatina
Fenda labiopalatinaFenda labiopalatina
Fenda labiopalatina
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
 

Último

ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDiegoFernandes857616
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfqualidadediagnostico
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMayaraStefanydaSilva1
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfClaudiaAraujo428025
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 

Último (8)

ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 

Sistema ABO e fator Rh

  • 1. GRUPOS SANGUÍNEOS A-B-O E TIPOS DE RH Júlia Ferreira Faleiros da Silva Mariana Akemi Tanimoto Mariana O. dos Santos Remiro Matheus Ferreira Faleiros da Silva Matheus Vernilo Cardassi
  • 2. INTRODUÇÃO • Na superfície de todas as células do corpo encontram-se moléculas denominadas antígenos  linfócitos secretam anticorpos que se ligam de maneira específica aos antígenos; • Em termos de antígenos presentes na superfície dos eritrócitos, uma pessoa pode ser tipo A, tipo B, tipo AB ou tipo O; • O sistema imunológico apresenta tolerância a seus próprios antígenos eritrocitários; • Tipo A  Anticorpos contra B; • Tipo B  Anticorpos contra A; • Tipo AB  Sem anticorpos; • Tipo O  Anticorpos contra A e B. 2
  • 3. 3
  • 4. INTRODUÇÃO ▪ Um outro grupo de antígenos encontrados nos eritrócitos da maioria das células é o fator Rh; ▪ Esse grupo inclui vários antígenos diferentes, mas o mais importante clinicamente é o fator D, indicado com frequência Rho (D); ▪ Quando esse antígeno Rh está presente nos eritrócitos de uma pessoa, esta é Rh positivo; ▪ Quando ele está ausente, a pessoa é Rh negativo; 4
  • 5. OBJETIVOS • Estudar o papel dos aglutinogênios e das aglutininas na determinação dos principais grupos sanguíneos. • Analisar a importância da compatibilidade dos grupos sanguíneos doadores e receptores para a transfusão de sangue. 5
  • 6. CASUÍTICA E MÉTODOS 1. Lancetas descartáveis 2. Lâminas 3. Algodão 4. Álcool 5. Microscópio 6. Palito 7. Sangue 8. Soro Anti-A 9. Soro Anti-B 10. Soro Anti-Rh (D) 6
  • 7. CASUÍTICA E MÉTODOS 1. O primeiro passo do experimento foi a realização da assepsia da polpa digital de um dos dedos da mão; 2. Foi puncionado o dedo com a lanceta descartável, e uma pequena ferida foi provocada, com saída de sangue; 3. Imediatamente foram colocadas sobre a lâmina três gotas de sangue, duas na extremidade e uma no meio; 4. Sobre a primeira gota foi colocado soro Anti-A, na do meio Anti-Rh e na última Anti-B; 5. O sangue foi misturado com o soro pelo palito; 7
  • 8. CASUÍTICA E MÉTODOS 6. Passados alguns minutos da preparação sangue/soro, foi feita a leitura do resultado. Os tipos de sangue de todos do grupo foram anotados. 7. As misturas sangue/soro foram colocadas no microscópio, e as reações de aglutinação foram observadas; 8. As tipagens sanguíneas de todos os membros do grupo foram realizadas. 8
  • 11. 11
  • 12. RESULTADOS 12 ALUNO TIPO SANGUÍNEO Júlia Ferreira B+ Mariana Tanimoto A+ Mariana Remiro A+ Matheus Ferreira B+ Matheus Cardassi A+
  • 13. 13 Júlia Ferreira B+ Soro Anti-A = Não aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou Soro Anti-B = Aglutinou
  • 14. 14 Mariana Tanimoto A+ Soro Anti-A = Aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou Soro Anti-B = Não Aglutinou
  • 15. 15 Mariana Remiro A+ Soro Anti-A = Aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou Soro Anti-B = Não Aglutinou
  • 16. 16 Matheus Ferreira B+ Soro Anti-A = Não aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou Soro Anti-B = Aglutinou
  • 17. 17 Matheus Cardassi A+ Soro Anti-A = Aglutinou Soro Anti-Rh = Aglutinou Soro Anti-B = Não Aglutinou
  • 18. DISCUSSÃO • Segundo Batissoco et al. (2003), o sistema de grupo sangüíneo ABO, descoberto por Karl Landsteiner no começo do século XX, é, até hoje, considerado o mais importante sistema de grupos sangüíneos na medicina clínica transfusional. • Como já mencionado anteriormente: 18
  • 19. DISCUSSÃO • Existem dois tipos de anticorpos no sistema sangüíneo ABO: os de ocorrência natural e os imunes. • Os anticorpos anti-A e anti-B dos indivíduos B e A, respectivamente, são em sua maioria de classe IgM e, em pequena quantidade, da classe IgG. Os anticorpos anti-A e anti-B de indivíduos de grupo O são da classe IgG e podem estar presentes em altos títulos. 19 Começam a aparecer no soro cerca de três a seis meses após o nascimento. Mistura de IgM (maior quantidade) com IgG.
  • 20. DISCUSSÃO • A hereditariedade dos grupos sanguíneos do sistema ABO representa um exemplo da transmissão de caracteres hereditários determinados por três alelos diferentes, em que estão envolvidos três alelos designados por IA, IB e i.; • O alelo IA determina a existência na membrana das hemácias, do aglutinogénio A; O alelo IB condiciona a presença do aglutinogénio B e o alelo i é responsável pela ausência de aglutinogénios. 20
  • 22. DISCUSSÃO • Outro sistema importante é o sistema ou fator Rh; • Existem seis tipos comuns de antígenos Rh, designados por C,D,E,c,d,e. Um indivíduo que tem o antígeno C, não terá o antígeno c; e o mesmo ocorre ao contrário. A mesma relação ocorre com os antígenos D-d e E-e. • Os indivíduos que possuem um dos três antígenos, C,D ou E são chamados de Rh(+). Os demais indivíduos, que possuem os antígenos c, d, e, são chamados de Rh(-). 22
  • 23. 23
  • 24. DISCUSSÃO • Segundo Pereira (2012), a Eritroblastose Fetal, ou Doença Hemolítica do Recém-Nascido (DHRN) é uma alteração que ocorre durante a gravidez nas situações em que o sangue da mãe é Rh- e o do bebê é Rh+. Essa ocorrência gera uma incompatibilidade entre o feto e a mãe. • Essa alteração pode ocorrer se na primeira gestação, a mãe (Rh-) gera um feto Rh+. Dessa maneira o organismo da mãe produz anticorpos que vão combater as hemácias do bebê de uma segunda gravidez. • Para gestantes Rh-, há o advento da imunoglobulina anti–D, a ser administrada na mãe em, no máximo, 3 dias após o nascimento do bebê, se este for Rh+. 24
  • 25. 25
  • 26. DISCUSSÃO • A transfusão de sangue entre diferentes indivíduos é possível, respeitando-se a presença dos antígenos e anticorpos, o que significa a determinação da compatibilidade entre o sangue doador e o sangue do indivíduo receptor. • Grupo O não tem antígenos  pode ser doado a qualquer indivíduo de todos os grupos. Mas tem os anticorpos anti-A e o anti-B e, dessa forma, o indivíduo do grupo O somente receberá sangue do mesmo grupo.  Doadores universais 26
  • 27. DISCUSSÃO • O sangue do grupo A poderá doar ao receptor A; o grupo B, poderá doar ao receptor B; • As pessoas que tem sangue do grupo AB, podem receber doação de qualquer tipo de sangue, porque o tipo de sangue AB, não possui anticorpos  Receptores universais. • Contudo, só podem doar ao receptor AB pois apenas esses não possuem anticorpos contra seus antígenos IA e IB. • As pessoas com Rh positivo, só podem doar e receber sangue de outro Rh positivo. Quem tem Rh negativo, pode doar para um Rh positivo, mas só pode receber Rh negativo. 27
  • 28. 28 O- : DOADOR UNIVERSAL AB+ : RECEPTOR UNIVERSAL
  • 29. CONCLUSÃO • O papel dos aglutinogênios e das aglutininas na determinação dos principais grupos sanguíneos foram estudados através do experimento. • A importância da compatibilidade dos grupos sanguíneos doadores e receptores para a transfusão de sangue foi analisada com sucesso. 29
  • 30. APROVEITAMENTO E JUSTIFICATIVA • ( ) Excelente (X) Bom ( ) Ruim ( ) Péssimo • O sangue tem como função a manutenção da vida do organismo no que tange ao transporte de nutrientes, excretas metabólicas, oxigênio e gás carbônico, hormônios, anticorpos, e demais substâncias ou corpúsculos cujos transportes se façam essenciais entre os mais diversos e mesmo remotos tecidos e órgãos do organismo. Qualquer alteração, pode provocar alterações nestas funções. Neste sentido é importante saber o tipo sanguíneo e seus constituintes visto que no tratamento cirúrgico muitas vezes pode haver perda excessiva desse elemento e a necessidade de repor esse sangue. 30
  • 31. REFERÊNCIAS 31 ▪ Batissoco AC, Novaretti MCZ. Aspectos moleculares do sistema sanguíneo ABO. Rev. bras. hematol. hemoter 2003; 25 (1): 47-58. ▪Fox SI. Fisiologia Humana. 7 ed. Barueri: Manole; 2007. ▪Peralta CC, Cabrera MA, Rosa RAC, Vuolo RAC. Fisiologia: base para diagnóstico clínico e laboriatorial. Birigui: Boreal; 2007. ▪Pereira PCM. Isoimunização Rh materna. Proxilaxia, diagnóstico e tratamentos: aspectos atuais [monografia]. Salvador: Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia; 2002. ▪Pschisky A. Grupos sanguíneos humanos nos livros didáticos de biologia: análise de conteúdo [tese]. Florianópolis: Centro de ciências da educação com linha de investigação em educação e ciência da Universidade Federal de Santa Catarina; 2003.