SlideShare uma empresa Scribd logo
CADEIA DE
INFECÇÃO E
CONTROLE DE
INFECÇÃO
ALUNA: MARIANA OLIMPIO DOS SANTOS REMIRO
RA: 524323
NATUREZA DA INFECÇÃO
▪ Segundo Lorenzo (2004), do ponto de vista biológico, infecção é
uma forma de relação microbiota-hospedeiro que consiste na
implantação e na colonização de microrganismos em hospedeiros
altamente organizados.
▪ Por “colonização” entendemos a aderência, a adaptação
ecológica, o crescimento celular e a posterior multiplicação de
microrganismos no tecido infectado.
▪ O termo “microrganismos” abrange bactérias, fungos
microscópicos, algas microscópicas, protozoários e vírus.
▪ Infecção Refere-se à colonização microbiana no
hospedeiro, nem sempre implicando doença, dano, lesão ou
prejuízo para o hospedeiro.
CADEIA DE INFECÇÃO
CADEIA DE INFECÇÃO
▪ A presença de um patógeno não significa que ocorrerá uma infecção.
▪ A infecção ocorre em um ciclo que depende dos seguintes elementos:
 Um agente infeccioso ou patógeno;
 Um reservatório ou fonte para o crescimento do patógeno;
 Uma porta de saída para o reservatório;
 Um mecanismo de transmissão;
 Uma porta de entrada para o hospedeiro;
 Um hospedeiro suscetível.
CADEIA DE INFECÇÃO
Fig 1: Cadeia de Infecção
(POTTER; PERRY, 2013)
CADEIA DE INFECÇÃO
▪ A construção do esquema da cadeia fundamenta-se na compreensão
da infecção como resultante de uma particular inteiração dos diversos
fatores do agente, meio e hospedeiro.
▪ A infecção ocorreria quando o agente deixa o reservatório por
diferentes vias de eliminação e, por meio de uma forma conveniente de
transmissão, com maior ou menor participação do ambiente, introduz-
se no novo hospedeiro suscetível pela via adequada de penetração.
1 – Agente Infeccioso
▪ Os microrganismos na pele são flora
residente ou transitória.
▪ Os organismos residentes são
permanentes na pele, onde eles
sobrevivem e se multiplicam sem causar
doenças cobre o exterior completo
do corpo e protege contra patógenos.
▪ Os transitórios atacam a pele quando
uma pessoa tem contato com outra
pessoa ou objeto durante atividades
normais.
▪ São prontamente transmitidos a menos
que sejam removidos através da higiene
das mãos.
1 – Agente Infeccioso
▪ O potencial dos microrganismos ou
parasitos em causar doença depende dos
seguintes fatores:
 Número suficiente de microrganismos
(dose);
 Virulência;
 Capacidade de entrar e sobreviver no
hospedeiro;
 Suscetibilidade do hospedeiro.
2 - Reservatório
▪ É o hábitat de um agente infeccioso, no
qual este vive, cresce e se multiplica.
▪ O homem, os animais e o meio ambiente
podem se comportar como reservatório,
contudo, o mais comum é o corpo
humano.
▪ Existem dois tipos de reservatório
humano:
 Pessoas com doença clinicamente
discernível;
 Portadores.
2 - Reservatório
▪ Os portadores são as pessoas que não
mostram sintomas de doença, mas quem
têm patógenos sobre ou em seus corpos
que podem ser transferidos para outros.
▪ Podem se apresentar na comunidade de
diferentes formas, entre elas:
 Portador ativo convalescente;
 Portador ativo crônico;
 Portador ativo incubado ou precoce;
 Portador passivo,
2 - Reservatório
▪ Os portadores, independentemente de sua
posição na classificação anterior, podem
comportar-se de forma eficiente ou não,
ou seja, participando ou não da cadeia do
processo infeccioso, o que nos permite
classifica-los ainda em:
 Portador eficiente;
 Portador ineficiente.
2 - Reservatório
▪ No reservatório animal, as doenças que são transmitidas de animais
para o homem são denominadas zoonoses transmitidas de
animal para animal, atingindo o homem só acidentalmente.
▪ No reservatório ambiental, as plantas, o solo e a água podem
comportar-se como reservatório para alguns agentes infecciosos.
3 – Porta de saída
▪ Os microrganismos precisam encontrar, após se multiplicarem em um local
adequado, uma porta de saída se forem entrar em outro hospedeiro e causar
as doenças.
▪ As portas de saída incluem locais como sangue, pele e mucosas, trato
respiratório, trato genitourinário, trato gastrointestinal e transplantário.
4 – Modos de transmissão
▪ Transmissão é a transferência de um
agente etiológico animado de um
reservatório para um novo hospedeiro
suscetível.
▪ A transmissão pode ocorrer de forma
direta ou indireta:
 Transmissão direta (contágio):
Transferência rápida do agente etiológico,
sem a interferência de veículos. Pode
ocorrer de duas formas:
 Transmissão Direta Imediata
 Transmissão Direta Mediata
4 – Modos de transmissão
 Transmissão Direta Imediata: Há contato
físico entre o reservatório e o novo
hospedeiro suscetível;
 Transmissão Direta Mediata: Não há
contato físico entre o reservatório e o novo
hospedeiro; a transmissão se dá pelas
“Gotículas de Flüge” secreções
oronasais transformadas em partículas
pelo espirro, dotadas de capacidade de
conduzir agentes infecciosos.
4 – Modos de transmissão
 Transmissão indireta: Transferência do
agente etiológico por meio de veículos
animados ou inanimados.
 Transmissão indireta por veículo animado
é aquela que se dá por meio de um
artrópode que transfere um agente
infeccioso do reservatório para um
hospedeiro suscetível.
 Esse artrópode pode se comportar como:
o Vetor biológico;
o Vetor mecânico.
4 – Modos de transmissão
o Vetor biológico: Passa obrigatoriamente
uma fase do desenvolvimento de
determinado agente etiológico.
o Vetor mecânico: Constitui somente uma
das modalidades da transmissão de um
agente etiológico.
4 – Modos de transmissão
 Transmissão indireta por veículo
inanimado é aquela que se dá por meio
de um ser inanimado que transporta um
agente etiológico.
 Os veículos inanimados são:
 Água
 Ar
 Alimentos
 Solo
 Fômites
5 – Porta de entrada
 Por porta de entrada entende-se o trajeto pelo qual o agente
infeccioso introduz-se no hospedeiro suscetível.
 A porta de entrada oferece acesso a tecidos nos quais o agente
pode multiplicar-se ou local onde a toxina, por ele produzida, possa
agir.
 Frequentemente, as portas de saída e de entrada são as mesmas.
As mais importantes são:
 Trato respiratório;
 Trato digestivo;
 Trato urinário;
 Pele, mucosas e secreções.
6 – Hospedeiro suscetível
▪ O elo final da cadeia do processo infeccioso é o novo hospedeiro suscetível.
▪ A suscetibilidade depende de fatores genéticos, de imunidade específica adquirida
e outros fatores que alteram a habilidade individual de resistir à infecção ou limitar
a patogenicidade.
▪ É necessário, assim, o conhecimento de alguns conceitos:
o SUSCETIBILIDADE: Situação de uma pessoa que se caracteriza pela ausência de resistência
suficiente contra o agente infeccioso que a proteja da enfermidade que ela possa adquirir ao
entrar em contato com esse agente.
o RESISTÊNCIA: Conjunto de mecanismos do organismo que servem de defesa contra a invasão ou
multiplicação de agentes infecciosos.
o IMUNIDADE: Resistência associada à presença de anticorpos específicos que têm efeito de inibir
microrganismos específicos ou suas toxinas responsáveis por doenças infecciosas particulares.
6 – Hospedeiro Suscetível
o A IMUNIDADE pode apresentar-se de duas
formas:
Imunidade ativa: Adquirida
naturalmente pela infecção, com ou
sem manifestações clínicas, ou
artificialmente pela inoculação de
antígenos atenuados na forma de
vacinas.
Imunidade passiva: Adquirida
naturalmente da mãe ou artificialmente
pela inoculação de anticorpos prontos
produtores específicos (soro).
Fig: Vacina (Representação de uma forma de
Imunidade Ativa: artificial).
Fig: Aleitamento Materno (Representação de uma
forma de Imunidade Passiva: natural).
6 – Hospedeiro suscetível
▪ Por último, outro importante aspecto para compreensão de fatores envolvidos na
resposta do hospedeiro à infecção são os mecanismos de ação patogênica dos
agentes infecciosos ou de seus produtos.
▪ Os principais mecanismos encontrados são:
oInvasão direta dos tecidos;
o Produção de toxina;
o Reação alérgica ou imunológica exacerbada;
o Infecção latente ou persistente.
O PROCESSO INFECCIOSO
O PROCESSO INFECCIOSO
▪ Segundo Potter e Perry (2013), as infecções seguem um curso progressivo. A
severidade da doença do paciente depende da extensão da infecção, da
patogenicidade dos microrganismos, da dose do organismo e da suscetibilidade do
hospedeiro.
▪ Se uma infecção é localizada, o paciente normalmente experimenta sintomas
localizados, tais como dor, sensibilidade e vermelhidão no local da ferida.
▪ Já se afetar o corpo inteiro em vez de um só órgão ou parte dele, é sistêmica e
pode ser fatal se não detectada e não tratada.
Fig: Representação de uma
infecção localizada
Fig: Representação dos órgãos
acometidos pela Sepse, um
processo infeccioso sistêmico
grave
Defesas contra infecção
1. FLORA NORMAL: O corpo normalmente contém microrganismos que residem na
superfície e camadas profundas da pele, na saliva e mucosa oral e nos tratos
gastrointestinal e genitourinário. A flora normal habitualmente não causa doença
quando residente na sua área habitual do corpo, mas, ao contrário, participa da
manutenção da saúde.
2. SISTEMA DE DEFESA DO CORPO: Os organismos patogênicos podem aderir à
superfície da pele, ser inalados para dentro dos pulmões ou ser ingeridos. Cada
sistema de órgão tem mecanismos de defesa fisiologicamente apropriados para
a sua estrutura e função específica.
3. INFLAMAÇÃO: A resposta celular do corpo a um ferimento, infecção ou irritação é
chamada de inflamação. A inflamação é uma reação vascular protetora que
libera fluído, produtos de sangue e nutrientes para uma área de ferida. O
processo neutraliza e elimina patógenos e estabelece um meio de reparar as
células e tecidos do corpo.
Defesas contra infecção
▪ A resposta inflamatória pode ser
desencadeada por agentes físicos, químicos
ou microrganismos.
▪ Após os tecidos serem lesados, uma série de
eventos bem coordenados ocorre. A resposta
inflamatória inclui:
1. Respostas vascular e celular;
2. Formação de exsudato inflamatório;
3. Reparo tecidual.
Fig: Processo inflamatório
CONTROLE DO PROCESSO
INFECCIOSO
CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO
▪ Segundo Waldman e Rosa (2012), as principais medidas
de profilaxia e controle são:
→ Isolamento: Segregação de um caso clínico do convívio
das outras pessoas durante o período de
transmissibilidade, a fim de evitar que os suscetíveis
sejam infectados.
→ Profilaxia: Conjunto de medidas que têm por finalidade
prevenir ou atenuar doenças, suas complicações e
consequências.
→ Quarentena: Isolamento de indivíduos sadios pelo
período máximo de incubação da doença, contado a
partir da data do último contato com um caso clínico ou
portador.
CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO
→ Quimioprofilaxia: Administração de uma droga, inclusive
antibióticos, para prevenir uma infecção ou a progressão
de uma infecção com manifestações da doença.
→ Tratamento profilático: Tratamento de um caso clínico
ou de um portador com a finalidade de reduzir o período
de transmissibilidade.
→ Vigilância sanitária: Observação dos comunicantes
durante o período máximo de incubação da doença, a
partir da data do último contato com um caso clínico ou
portador, ou da data em que o comunicante abandonou o
local em que se encontrava a fonte primária da infecção.
CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO
▪ O termo controle, quando é aplicado a doenças
transmissíveis, pode ser entendido como a redução da
incidência de determinada doença por meio de diferentes
tipos de intervenções, a níveis muito baixos, de forma que
ela deixe de ser considerada problema importante em
saúde pública.
▪ Para alguns autores, o termo “controle de doenças” é
mais amplo, sendo definido como “uma série de esforços
e intervenções integradas, dirigidas à população ou a
subgrupos de alto risco nela existentes, visando prevenir,
diagnosticar precocemente um agravo à saúde, assim
como limitar danos por ele gerados”.
CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO
▪ Segundo Evans (1985), existem três níveis biológicos de
controle:
 Controle da doença clínica, das sequelas e mortalidade a
ela associadas;
 Controle da infecção, quer ela se manifeste clinicamente
ou como infecção assintomática;
 Controle da presença do agente causal no ambiente e
fonte de infecção.
▪ Salienta, também, que todos esses níveis devem ser
atingidos antes que a erradicação seja possível.
CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO
▪ A erradicação, uma forma radical de controle, é atingida quando não mais existir o
risco de infecção ou doença, mesmo na ausência de vacinação ou qualquer outra
medida de controle, sendo inclusive indicada a suspensão de vigilância.
▪ Uma alternativa próxima à erradicação, é a eliminação de uma doença, que é
atingida quando se obtém a cessação de sua transmissão em extensa área
geográfica, persistindo, no entanto, o risco de sua reintrodução, seja por falha na
utilização dos instrumentos de vigilância ou controle, seja pela modificação do
comportamento do agente ou vetor.
▪ Por fim, é cabível conceituar ações de controle, que pode ser entendido como a
“aplicação de um conjunto de medidas de intervenção visando ao controle.”
CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO
▪ São dois os tipos polares de organização de serviços de saúde.
1. VERTICAL: Cada órgão desenvolve atividades voltadas ao controle de um único
agravo ou de um número restrito de doenças, cujas medidas de intervenção
utilizam tecnologias idênticas ou muito semelhantes. Nesse caso, o instrumento
utilizado são as campanhas.
2. HORIZONTAL: Serviços organizados de forma descentralizada e hierarquizada,
com atribuição de implementar programas de saúde, isto é, voltados ao
desenvolvimento regular de ações de promoção, prevenção, controle e
recuperação da saúde.
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
▪ Segundo Guandalini et al. (1999), para que o dentista mantenha efetivo controle de
infecção odontológica durante a realização dos procedimentos clínicos, é necessária a
criação de uma classificação dos instrumentos e dos procedimentos clínicos quanto ao
risco de transmitirem infecção exógena.
▪ Os instrumentos são classificados em:
▪ Instrumentos Críticos: são aqueles que penetram nos tecidos sub-epiteliais, atingindo o
sistema vascular. Ex.: afastadores, pinças, instrumentos de corte ou ponta e outros. Estes
instrumentos devem ser obrigatoriamente esterilizados.
▪ Instrumentos Semi-críticos: são aqueles instrumentos que entram em contato com a
mucosa ou pele íntegra, como: moldeiras e espelhos extrabucais, instrumentais para
amálgama. Estes instrumentos são desinfetados e quando possível, esterilizados.
▪ Instrumentos Não-Críticos: são aqueles que entram em contato apenas com a pele íntegra
ou não entram em contato com o paciente. Ex. muflo, pinça perfuradora, arco de Young,:
etc.; estes podem ser desinfetados ou esterilizadas, quando possível.
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
▪ Os procedimentos odontológicos clínicos e cirúrgicos são também classificados segundo o
risco de contaminação em:
▪ Procedimentos críticos: são aqueles em que há penetração no sistema vascular. Ex.:
Cirurgias em tecidos moles e duros, Cirurgias Periodontais, Exodontias, Raspagens
Subgengival, etc. Nestes procedimentos os cuidados com a esterilização do instrumental,
a desinfecção do consultório, preparo do paciente e da equipe odontológica devem ser
máximos.
▪ Procedimentos Semi-críticos: são aqueles que entram em contato com secreções
orgânicas (saliva) sem invadir o sistema vascular. Ex.: entulhamento de material
restaurador, colocação de aparelho ortodôntico, etc. O instrumental deve estar
previamente esterilizado ou desinfectado, o consultório limpo e desinfectado, o paciente
preparado com bochecho prévio com solução antisséptica e a equipe preparada, para
evitar infecções cruzadas pela presença das secreções orgânicas sobre o equipamento,
bancada, instrumental.
▪ Procedimentos Não Críticos: são aqueles quando não há penetração no sistema vascular
e não entram em contato com as secreções orgânicas. Em Odontologia não existe
procedimento que possa ser classificado dentro desta categoria.
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
▪ EXAME CLÍNICO: Segundo Guandalini et al.
(1999), de aspecto aparentemente inofensivo,
o exame clínico é um procedimento crítico, pois
há sempre a presença de placa bacteriana e da
saliva aonde encontramos microrganismos,
como por exemplo o vírus da Hepatite B e C na
saliva. A presença de sangue e fluidos orais em
doenças bucais também é comum, então
quando realizamos a exploração dentária ou a
sondagem periodontal haverá contaminação
do instrumental por estes fluidos e secreções. A
tabela ao lado estabelece a classificação do
instrumental e material empregados durante o
exame clínico e indica o método de
esterilização mais adequado, conforme a
simbologia.
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Pinça de
algodão
C +++ ++ + 0
Espelho
clínico
C +++ ++ + 0
Sonda
exploradora
C +++ ++ + 0
Sonda
milimetrada
C +++ ++ + 0
Carpule C +++ ++ + SIM
Espátula de
madeira
C 0 0 0 SIM
Escareador C +++ ++ + 0
Anestube C 0 0 + SIM
Agulha/
Carpule
C 0 0 0 SIM
Sugador
plástico
C 0 0 0 SIM
Sugador
metálico
C +++ ++ + 0
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
▪ CIRURGIA BUCO-MAXILO FACIAL: Na
especialidade de Cirurgia Buco-Maxilo Facial
em todos os procedimentos temos a presença
das secreções orgânicas como sangue e saliva,
isto classifica todos os procedimentos nesta
especialidade como críticos e como tal requer
que o instrumental e o material utilizados
sigam a tabela de Cirurgia/esterilização. O
treinamento do cirurgião e da equipe é de
extrema importância para um bom controle da
infecção.
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Fórceps C +++ ++ + 0
Lâmina de
Bisturi
C 0 0 0 SIM
Ponta de
Bisturi
C +++ ++ + 0
Porta
agulha
C +++ ++ + 0
Agulha
sem fio
C +++ ++ + 0
Fio sutura
agulhado
C 0 0 0 SIM
Pinça
Hemostática
C +++ ++ + 0
Cinzéis
para osso
C +++ ++ + 0
Limas para
osso
C +++ ++ + 0
Brocas
cirúrgicas 1*
C +++ ++ + 0
Brocas
cirúrgicas 2*
C 0 ++ + 0
CONTINUA...(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Cureta
alveolar
C +++ ++ + 0
Martelo
Cirúrgico
C +++ ++ + 0
Osteomo C +++ ++ + 0
Alavancas C +++ ++ + 0
Afastadores C +++ ++ + 0
Afast. de
retalho
C +++ ++ + 0
Destaca
periósteo
C +++ ++ + 0
Cinzéis
para osso
C +++ ++ + 0
Sugador
sangue
metálico
C +++ ++ + 0
Sugador
sangue
plástico
C +++ ++ + SIM
Alta
rotação
C +++ 0 0 0 CONTINUA
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Gaze C +++ 0 0 0
Compressas C +++ 0 0 0
Luvas
Cirúrgicas
C +++ 0 0 SIM
Alveolotomo C +++ ++ + 0
Pinça
clínica
C +++ ++ + 0
Espelho
bucal
C +++ ++ + 0
Carpule
/Seringa
metálica
C +++ ++ + 0
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
▪ PERIODONTIA: Na Periodontia a maioria dos
procedimentos é considerado crítico. Isto exige que
o instrumental empregado nestes procedimentos
sejam esterilizados. Uma prévia desinfecção do
ambiente clínico e do equipamento são também
procedimentos obrigatórios. Os procedimentos
periodontais são comumente realizados em
ambulatório e consultório odontológico, sendo que,
algumas vezes, o atendimento pode ser realizado
em centro cirúrgico.
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Curetas
Periodontais
C +++ ++ + 0
Pedra Afiar C +++ + 0 0
Taça de
borracha
C 0 0 0 SIM
Escova
polimento
C 0 0 0 SIM
Agulha p/
irrigação
C 0 0 0 SIM
Agulha
sutura s/ fio
C +++ ++ + 0
Fio de sutura
agulhado
C 0 0 0 SIM
Lâmina de
Bisturi
C 0 0 0 SIM
Cabo
Bisturi
C +++ ++ + 0
Tesouras p/
cirurgia
C +++ ++ + 0
Brocas
cirúrgicas 1*
C +++ ++ + 0
CONTINUA(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Brocas
Cirúrgicas 2*
C 0 +++ + 0
Cinzéis
periodontais
C 0 +++ ++ +
Sugador
sangue
metálico
C +++ ++ + 0
Sugador
sangue
plástico
C 0 0 0 SIM
Filtro de
osso
C +++ 0 + 0
Limas
periodontais
C +++ ++ + 0
Gaze C +++ 0 0 0
Espelho
clínico
C +++ ++ + 0
Pinça de
algodão
C +++ ++ + 0
Sonda
milimetrada
C +++ ++ + 0
Sonda p/
furca
C +++ ++ + 0
CONTINUA
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Pontas ultra-
som
C 0 0 +++ 0
Porta
agulhas
C +++ ++ + 0
Alta rotação C +++ 0 0 0
Carpule/
metálico
C +++ ++ + 0
Carpule/
plástico
C 0 0 0 SIM
Seringa
Luer Vidro
C +++ ++ + 0
Seringa Luer
Plástica
C 0 0 0 SIM
Afastadores C +++ ++ + 0
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
▪ ENDONTIA: Na Endodontia os procedimentos e
instrumentos são classificados como críticos e semi-
críticos. Um exemplo de procedimento semi-crítico é
o capeamento indireto onde há contato com
secreção orgânica, mas não penetra no sistema
vascular. Atualmente, em Endodontia, emprego de
bandejas programadas deve ser adotada como uma
nova filosofia de atendimento para melhor controle
da infecção direta ou cruzada. Este sistema de
bandejas deve considerar o tipo de procedimento
quanto ao risco em transmitir infecção.
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Espelho
bucal
C +++ ++ + 0
Sonda
Exploratória
C +++ ++ + 0
Pinça
clínica
C +++ ++ + 0
Carpule
metálico
C +++ ++ + 0
Carpule
plástico
C +++ ++ + SIM
Lençol
Borracha
C +++ 0 0 0
Arco
p/isolamento
metálico
S/C +++ ++ + +
Arco p/
isolamento
plástico
S/C +++ 0 ++ 0
Grampos p/
isolamento
C +++ ++ + 0
Pinça C 0 +++ ++ 0
Porta
grampo
C +++ ++ + 0
CONTINUA(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Anestube C 0 0 + 0
Brocas 1* C +++ ++ + 0
Brocas 2* C 0 +++ ++ 0
Limas
Endodôntica
s
C +++ ++ + 0
Alargadores
endodônticos
C +++ ++ + 0
Régua
metálica
C +++ ++ + 0
Gaze C +++ 0 0 0
Bolinhas
de algodão
C +++ 0 0 0
Cones de
papel
C +++ ++ + 0
Sonda
milimetrada
C +++ ++ + 0
Seringa
Luer Vidro
C +++ ++ + 0
CONTINUA
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIAL CLASSIFICA
ÇÃO
ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ
AÇÃO
ESTERILIZA
ÇÃO
DESCARTÁ
VEL
RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO
QUÍMICA
Seringa
Luer Acrílica
C 0 0 0 SIM
Placa de
Vidro
C +++ ++ + 0
Espátula C +++ ++ + 0
Agulha
irrigação
C 0 0 0 SIM
Cursores de
Borracha
C +++ 0 + SIM
Limas
periodontais
C +++ ++ + 0
Calcadores C +++ ++ + 0
Intermediári
o p/
aspiração
C +++ ++ + 0
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
▪ ORTODONTIA: Na especialidade de Ortodontia as
medidas de proteção pessoal e de controle de
infecção têm sido uma preocupação dos
especialistas devido as constantes exposições a
acidentes perfurantes durante o manuseio dos fios
ortodônticos e alicates, fato que pode possibilitar
uma infecção direta e cruzada. Para Feeldman e
Schiff a Ortodontia é a segunda especialidade,
dentro da Odontologia, de maior risco para contrair
doenças infecciosas durante os procedimentos
clínicos. Uma das medidas importantes para
redução deste risco é o tratamento adequado dado
aos instrumentos empregados pelo profissional. A
tabela ao lado apresenta os métodos de
esterilização ou desinfecção que o ortodontista deve
realizar para um maior controle de infecção:
MATERIA
L
CLASSIFIC
AÇÃO ESTERILIZAÇ
ÃO
ESTERILI
ZAÇÃO
ESTERILIZ
AÇÃO
DESINFE
CÇÃO
DESCAR
TÁVEL
RISCO CALOR
ÚMIDO
CALOR
SECO
SOLUÇÃ
O
QUÍMICA
Espelho
bucal
C +++ ++ + 0 0
Sonda
Exploratór
ia
C +++ ++ + 0 0
Pinça
clínica
C +++ ++ + 0 0
Moldeiras
metálicas
C/SC +++ ++ + 0 0
Moldeira
s
plásticas
C/SC +++ 0 + + 0
Aparelhos
removíveis
S/C 0 0 +++ + 0
Fios p/
arco
S/C +++ ++ + + 0
Lâminas
de aço p/
banda
C +++ ++ + 0 0
Compasso
ponta seca
S/C 0 0 0 +++ 0
CONTINUA(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIA
L
CLASSIFIC
AÇÃO ESTERILIZAÇ
ÃO
ESTERILI
ZAÇÃO
ESTERILIZ
AÇÃO
DESINFE
CÇÃO
DESCAR
TÁVEL
RISCO CALOR
ÚMIDO
CALOR
SECO
SOLUÇÃ
O
QUÍMICA
Brackets S/C +++ 0 0 0 0
Alicates C/SC +++ ++ + + 0
Porta
agulhas
C/SC +++ ++ + + 0
Tesouras C/SC +++ ++ + + 0
Anéis/ba
ndas
C +++ 0 + 0 0
Alicates
cabo de
plástico
C/SC ++ 0 ++ + 0
Brocas
diamanta
das
C +++ ++ + 0 0
Espátula
cimento
S/C +++ ++ + ++ 0
Taça de
borracha
C 0 0 0 0 SIM
Sugador de
sangue
plástico
C 0 0 0 + SIM
CONTINUA
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIA
L
CLASSIFIC
AÇÃO ESTERILIZAÇ
ÃO
ESTERILI
ZAÇÃO
ESTERILIZ
AÇÃO
DESINFE
CÇÃO
DESCAR
TÁVEL
RISCO CALOR
ÚMIDO
CALOR
SECO
SOLUÇÃ
O
QUÍMICA
Placa de
Vidro
S/C +++ ++ + ++ 0
Pinça de
Alastic
C +++ ++ + 0 0
Removedor
de banda
C +++ 0 + 0 0
Paquímtro S/C 0 ++ ++ + 0
Calcador
de banda
metálico
C +++ ++ + 0 0
Pote de
Dapen
C +++ 0 + 0 0
Alta
rotação
C +++ 0 0 0 0
Micro
motor
C +++ 0 0 0 0
Torre
formadora
de arco
S/C 0 0 0 +++ 0
Adaptador
banda
madeira
C +++ 0 0 0 0
CONTINUA
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES
OONTOLÓGICAS
MATERIA
L
CLASSIFIC
AÇÃO ESTERILIZAÇ
ÃO
ESTERILI
ZAÇÃO
ESTERILIZ
AÇÃO
DESINFE
CÇÃO
DESCAR
TÁVEL
RISCO CALOR
ÚMIDO
CALOR
SECO
SOLUÇÃ
O
QUÍMICA
Adaptador
banda
plástico
C +++ 0 0 0 0
Placa de
cera
S/C 0 0 0 +++ 0
Ligaduras
metálicas
C +++ 0 0 0 0
Ligaduras
elásticas
C +++ 0 0 0 0
Brocas de
acabament
o
C 0 +++ 0 0 0
Moldagem
em
alginato
C 0 0 0 +++ 0
Elásticos
intra-
bucais
S/C 0 0 0 +++ 0
Afastadore
s
p/colagem
S/C 0 0 0 +++ 0
(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
Métodos químicos de controle de microrganismos
▪ Os métodos químicos para controle de microrganismos são utilizados
rotineiramente, podendo ser usados para a esterilização, desinfecção, antissepsia
ou assepsia. (JORGE, 2012)
▪ Os agentes químicos podem ser classificados de acordo com a eficácia em 3
grupos principais:
1. Alto nível: promovem a esterilização de materiais. Agem contra fungos, bactérias
em forma vegetativa, tanto GRAM + quando GRAM -, esporos bacterianos e vírus.
2. Nível intermediário: capazes de destruir todas as formas de microrganismos,
exceto esporos bacterianos.
3. Baixo nível: não agem contra o vírus da hepatite, poliomielite, esporos e
Mycobacterium tuberculosis.
Métodos químicos de controle de microrganismos
▪ Os agentes químicos podem ser classificados de acordo com a sua ação biológica
em:
1. Agentes que desnaturam proteínas;
2. Agentes que causam a ruptura osmótica da célula;
3. Agentes que interferem em processos metabólicos específicos dos
microrganismos.
Métodos químicos de controle de microrganismos
▪ Os principais agentes químicos utilizados em Odontologia para controle de microrganismos
são:
 Ácido paracético
 Alcoóis
 Clorexidina
 Fenol sintético
 Formaldeído
 Glutaraldeído
 Hipoclorito de sódio
 Iodo
 Peróxido de hidrogênio
REFERÊNCIAS
▪ Evans AS. The erradication of communicable
diseases: myth of reality?. American Journal of
Epidemology. 1985; 122(2) : 199-207.
▪ Guandalini SL, Melo NSFO, Santos ECP.
Biossegurança na odontologia: controle da
infecção. 2d. Curitiba: Odontex; 1999.
▪ Jorge AOC. Microbiologia e imunologia oral. 2
ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2012.
▪ Lorenzo JL. Microbiologia para o estudante de
imunologia. São Paulo: Atheneu; 2004.
▪ Potter PA, Perry AG, Hall AM, Stockert PA.
Fundamentos da enfermagem. 3 ed. Rio de
Janeiro: Elsevier; 2012.
▪ Waldman EA, Rosa TEC. Vigilância em saúde
pública. São Paulo: Fundação Peirópolis; 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
clinicansl
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Ismael Soares
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
Adriana Mércia
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 
Acidente com material biologico
Acidente com material biologico Acidente com material biologico
Acidente com material biologico
LORRANE RAFAELA DE SOUZA BRASILEIRO
 
Biossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saudeBiossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saude
Letícia Spina Tapia
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Nadja Salgueiro
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
nuiashrl
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
Rodrigo Abreu
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
evandroFREITAS
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
profsempre
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
Jonathan Sampaio
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 

Mais procurados (20)

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Acidente com material biologico
Acidente com material biologico Acidente com material biologico
Acidente com material biologico
 
Biossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saudeBiossegurança controle infecções servicos saude
Biossegurança controle infecções servicos saude
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 

Semelhante a Cadeia de infecção e controle de infecção

A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptxA Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
BethniaOliveira
 
Saúde pública1
Saúde pública1Saúde pública1
Saúde pública1
Laís Araújo
 
Definições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.pptDefinições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.ppt
ElaineCristinaFaria
 
Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)
Thúlio Bezerra
 
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Pedro Vieira Martins Costa
 
HSCG - Epidemiologia da infecção
HSCG - Epidemiologia da infecçãoHSCG - Epidemiologia da infecção
HSCG - Epidemiologia da infecção
João Silva
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
Nathy Oliveira
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
Thúlio Bezerra
 
Biossegurança (2)
Biossegurança (2)Biossegurança (2)
Biossegurança (2)
Marcilene Onorio
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
CURSO TÉCNICO CEPRAMED
 
Epidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde PúblicaEpidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde Pública
brunna queiroz
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
Patrícia Oliver
 
Patogenia das doenças infecciosas
Patogenia das doenças infecciosasPatogenia das doenças infecciosas
Patogenia das doenças infecciosas
Iasmyn Florencio
 
1 vaccines glossary em atualização.docx
1 vaccines glossary em atualização.docx1 vaccines glossary em atualização.docx
1 vaccines glossary em atualização.docx
CarlaSofiaCRibeiroSi
 
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdfAULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
HellenLauany
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
CamilaAlcantara18
 
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptxAgentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Ivan892373
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
Franciskelly
 

Semelhante a Cadeia de infecção e controle de infecção (20)

A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptxA Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
A Transmissão de doenças infecciosas 06-03-24.pptx
 
Saúde pública1
Saúde pública1Saúde pública1
Saúde pública1
 
Definições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.pptDefinições em Epidemio.ppt
Definições em Epidemio.ppt
 
Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)
 
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
Princípios da prevenção e controlo da infeção, cadeia epidemiológica e riscos...
 
HSCG - Epidemiologia da infecção
HSCG - Epidemiologia da infecçãoHSCG - Epidemiologia da infecção
HSCG - Epidemiologia da infecção
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Epidemiol..
Epidemiol..Epidemiol..
Epidemiol..
 
Biossegurança (2)
Biossegurança (2)Biossegurança (2)
Biossegurança (2)
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx1 BIOSSEGURANÇA.pptx
1 BIOSSEGURANÇA.pptx
 
Epidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde PúblicaEpidemiologia e Saúde Pública
Epidemiologia e Saúde Pública
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
 
Patogenia das doenças infecciosas
Patogenia das doenças infecciosasPatogenia das doenças infecciosas
Patogenia das doenças infecciosas
 
1 vaccines glossary em atualização.docx
1 vaccines glossary em atualização.docx1 vaccines glossary em atualização.docx
1 vaccines glossary em atualização.docx
 
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdfAULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
 
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptxAgentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
Agentes Biológicos APRESENTAÇÃO.pptx
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 

Mais de Mariana Remiro

Mucosa oral
Mucosa oralMucosa oral
Mucosa oral
Mariana Remiro
 
Sistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator RhSistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator Rh
Mariana Remiro
 
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoTs e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Mariana Remiro
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterial
Mariana Remiro
 
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
Mariana Remiro
 
Ética e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeÉtica e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúde
Mariana Remiro
 
Funções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoFunções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema Nervoso
Mariana Remiro
 
Fenda labiopalatina
Fenda labiopalatinaFenda labiopalatina
Fenda labiopalatina
Mariana Remiro
 

Mais de Mariana Remiro (8)

Mucosa oral
Mucosa oralMucosa oral
Mucosa oral
 
Sistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator RhSistema ABO e fator Rh
Sistema ABO e fator Rh
 
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de CoagulaçãoTs e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
Ts e tc - Tempo de sangria e Tempo de Coagulação
 
Aferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterialAferição de pressão arterial
Aferição de pressão arterial
 
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humanoMecanismos homeostáticos do corpo humano
Mecanismos homeostáticos do corpo humano
 
Ética e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúdeÉtica e cidadania da saúde
Ética e cidadania da saúde
 
Funções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema NervosoFunções reflexas do Sistema Nervoso
Funções reflexas do Sistema Nervoso
 
Fenda labiopalatina
Fenda labiopalatinaFenda labiopalatina
Fenda labiopalatina
 

Último

Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
PaulaAndrade240290
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
MeryliseSouza
 
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
ThiagoTavares52632
 
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
danieloliveiracruz00
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
Beatriz Meneses
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
flbroering
 

Último (6)

Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
 
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
 
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
 

Cadeia de infecção e controle de infecção

  • 1. CADEIA DE INFECÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÃO ALUNA: MARIANA OLIMPIO DOS SANTOS REMIRO RA: 524323
  • 2. NATUREZA DA INFECÇÃO ▪ Segundo Lorenzo (2004), do ponto de vista biológico, infecção é uma forma de relação microbiota-hospedeiro que consiste na implantação e na colonização de microrganismos em hospedeiros altamente organizados. ▪ Por “colonização” entendemos a aderência, a adaptação ecológica, o crescimento celular e a posterior multiplicação de microrganismos no tecido infectado. ▪ O termo “microrganismos” abrange bactérias, fungos microscópicos, algas microscópicas, protozoários e vírus. ▪ Infecção Refere-se à colonização microbiana no hospedeiro, nem sempre implicando doença, dano, lesão ou prejuízo para o hospedeiro.
  • 4. CADEIA DE INFECÇÃO ▪ A presença de um patógeno não significa que ocorrerá uma infecção. ▪ A infecção ocorre em um ciclo que depende dos seguintes elementos:  Um agente infeccioso ou patógeno;  Um reservatório ou fonte para o crescimento do patógeno;  Uma porta de saída para o reservatório;  Um mecanismo de transmissão;  Uma porta de entrada para o hospedeiro;  Um hospedeiro suscetível.
  • 5. CADEIA DE INFECÇÃO Fig 1: Cadeia de Infecção (POTTER; PERRY, 2013)
  • 6. CADEIA DE INFECÇÃO ▪ A construção do esquema da cadeia fundamenta-se na compreensão da infecção como resultante de uma particular inteiração dos diversos fatores do agente, meio e hospedeiro. ▪ A infecção ocorreria quando o agente deixa o reservatório por diferentes vias de eliminação e, por meio de uma forma conveniente de transmissão, com maior ou menor participação do ambiente, introduz- se no novo hospedeiro suscetível pela via adequada de penetração.
  • 7. 1 – Agente Infeccioso ▪ Os microrganismos na pele são flora residente ou transitória. ▪ Os organismos residentes são permanentes na pele, onde eles sobrevivem e se multiplicam sem causar doenças cobre o exterior completo do corpo e protege contra patógenos. ▪ Os transitórios atacam a pele quando uma pessoa tem contato com outra pessoa ou objeto durante atividades normais. ▪ São prontamente transmitidos a menos que sejam removidos através da higiene das mãos.
  • 8. 1 – Agente Infeccioso ▪ O potencial dos microrganismos ou parasitos em causar doença depende dos seguintes fatores:  Número suficiente de microrganismos (dose);  Virulência;  Capacidade de entrar e sobreviver no hospedeiro;  Suscetibilidade do hospedeiro.
  • 9. 2 - Reservatório ▪ É o hábitat de um agente infeccioso, no qual este vive, cresce e se multiplica. ▪ O homem, os animais e o meio ambiente podem se comportar como reservatório, contudo, o mais comum é o corpo humano. ▪ Existem dois tipos de reservatório humano:  Pessoas com doença clinicamente discernível;  Portadores.
  • 10. 2 - Reservatório ▪ Os portadores são as pessoas que não mostram sintomas de doença, mas quem têm patógenos sobre ou em seus corpos que podem ser transferidos para outros. ▪ Podem se apresentar na comunidade de diferentes formas, entre elas:  Portador ativo convalescente;  Portador ativo crônico;  Portador ativo incubado ou precoce;  Portador passivo,
  • 11. 2 - Reservatório ▪ Os portadores, independentemente de sua posição na classificação anterior, podem comportar-se de forma eficiente ou não, ou seja, participando ou não da cadeia do processo infeccioso, o que nos permite classifica-los ainda em:  Portador eficiente;  Portador ineficiente.
  • 12. 2 - Reservatório ▪ No reservatório animal, as doenças que são transmitidas de animais para o homem são denominadas zoonoses transmitidas de animal para animal, atingindo o homem só acidentalmente. ▪ No reservatório ambiental, as plantas, o solo e a água podem comportar-se como reservatório para alguns agentes infecciosos.
  • 13. 3 – Porta de saída ▪ Os microrganismos precisam encontrar, após se multiplicarem em um local adequado, uma porta de saída se forem entrar em outro hospedeiro e causar as doenças. ▪ As portas de saída incluem locais como sangue, pele e mucosas, trato respiratório, trato genitourinário, trato gastrointestinal e transplantário.
  • 14. 4 – Modos de transmissão ▪ Transmissão é a transferência de um agente etiológico animado de um reservatório para um novo hospedeiro suscetível. ▪ A transmissão pode ocorrer de forma direta ou indireta:  Transmissão direta (contágio): Transferência rápida do agente etiológico, sem a interferência de veículos. Pode ocorrer de duas formas:  Transmissão Direta Imediata  Transmissão Direta Mediata
  • 15. 4 – Modos de transmissão  Transmissão Direta Imediata: Há contato físico entre o reservatório e o novo hospedeiro suscetível;  Transmissão Direta Mediata: Não há contato físico entre o reservatório e o novo hospedeiro; a transmissão se dá pelas “Gotículas de Flüge” secreções oronasais transformadas em partículas pelo espirro, dotadas de capacidade de conduzir agentes infecciosos.
  • 16. 4 – Modos de transmissão  Transmissão indireta: Transferência do agente etiológico por meio de veículos animados ou inanimados.  Transmissão indireta por veículo animado é aquela que se dá por meio de um artrópode que transfere um agente infeccioso do reservatório para um hospedeiro suscetível.  Esse artrópode pode se comportar como: o Vetor biológico; o Vetor mecânico.
  • 17. 4 – Modos de transmissão o Vetor biológico: Passa obrigatoriamente uma fase do desenvolvimento de determinado agente etiológico. o Vetor mecânico: Constitui somente uma das modalidades da transmissão de um agente etiológico.
  • 18. 4 – Modos de transmissão  Transmissão indireta por veículo inanimado é aquela que se dá por meio de um ser inanimado que transporta um agente etiológico.  Os veículos inanimados são:  Água  Ar  Alimentos  Solo  Fômites
  • 19. 5 – Porta de entrada  Por porta de entrada entende-se o trajeto pelo qual o agente infeccioso introduz-se no hospedeiro suscetível.  A porta de entrada oferece acesso a tecidos nos quais o agente pode multiplicar-se ou local onde a toxina, por ele produzida, possa agir.  Frequentemente, as portas de saída e de entrada são as mesmas. As mais importantes são:  Trato respiratório;  Trato digestivo;  Trato urinário;  Pele, mucosas e secreções.
  • 20. 6 – Hospedeiro suscetível ▪ O elo final da cadeia do processo infeccioso é o novo hospedeiro suscetível. ▪ A suscetibilidade depende de fatores genéticos, de imunidade específica adquirida e outros fatores que alteram a habilidade individual de resistir à infecção ou limitar a patogenicidade. ▪ É necessário, assim, o conhecimento de alguns conceitos: o SUSCETIBILIDADE: Situação de uma pessoa que se caracteriza pela ausência de resistência suficiente contra o agente infeccioso que a proteja da enfermidade que ela possa adquirir ao entrar em contato com esse agente. o RESISTÊNCIA: Conjunto de mecanismos do organismo que servem de defesa contra a invasão ou multiplicação de agentes infecciosos. o IMUNIDADE: Resistência associada à presença de anticorpos específicos que têm efeito de inibir microrganismos específicos ou suas toxinas responsáveis por doenças infecciosas particulares.
  • 21. 6 – Hospedeiro Suscetível o A IMUNIDADE pode apresentar-se de duas formas: Imunidade ativa: Adquirida naturalmente pela infecção, com ou sem manifestações clínicas, ou artificialmente pela inoculação de antígenos atenuados na forma de vacinas. Imunidade passiva: Adquirida naturalmente da mãe ou artificialmente pela inoculação de anticorpos prontos produtores específicos (soro). Fig: Vacina (Representação de uma forma de Imunidade Ativa: artificial). Fig: Aleitamento Materno (Representação de uma forma de Imunidade Passiva: natural).
  • 22. 6 – Hospedeiro suscetível ▪ Por último, outro importante aspecto para compreensão de fatores envolvidos na resposta do hospedeiro à infecção são os mecanismos de ação patogênica dos agentes infecciosos ou de seus produtos. ▪ Os principais mecanismos encontrados são: oInvasão direta dos tecidos; o Produção de toxina; o Reação alérgica ou imunológica exacerbada; o Infecção latente ou persistente.
  • 24. O PROCESSO INFECCIOSO ▪ Segundo Potter e Perry (2013), as infecções seguem um curso progressivo. A severidade da doença do paciente depende da extensão da infecção, da patogenicidade dos microrganismos, da dose do organismo e da suscetibilidade do hospedeiro. ▪ Se uma infecção é localizada, o paciente normalmente experimenta sintomas localizados, tais como dor, sensibilidade e vermelhidão no local da ferida. ▪ Já se afetar o corpo inteiro em vez de um só órgão ou parte dele, é sistêmica e pode ser fatal se não detectada e não tratada. Fig: Representação de uma infecção localizada Fig: Representação dos órgãos acometidos pela Sepse, um processo infeccioso sistêmico grave
  • 25. Defesas contra infecção 1. FLORA NORMAL: O corpo normalmente contém microrganismos que residem na superfície e camadas profundas da pele, na saliva e mucosa oral e nos tratos gastrointestinal e genitourinário. A flora normal habitualmente não causa doença quando residente na sua área habitual do corpo, mas, ao contrário, participa da manutenção da saúde. 2. SISTEMA DE DEFESA DO CORPO: Os organismos patogênicos podem aderir à superfície da pele, ser inalados para dentro dos pulmões ou ser ingeridos. Cada sistema de órgão tem mecanismos de defesa fisiologicamente apropriados para a sua estrutura e função específica. 3. INFLAMAÇÃO: A resposta celular do corpo a um ferimento, infecção ou irritação é chamada de inflamação. A inflamação é uma reação vascular protetora que libera fluído, produtos de sangue e nutrientes para uma área de ferida. O processo neutraliza e elimina patógenos e estabelece um meio de reparar as células e tecidos do corpo.
  • 26. Defesas contra infecção ▪ A resposta inflamatória pode ser desencadeada por agentes físicos, químicos ou microrganismos. ▪ Após os tecidos serem lesados, uma série de eventos bem coordenados ocorre. A resposta inflamatória inclui: 1. Respostas vascular e celular; 2. Formação de exsudato inflamatório; 3. Reparo tecidual. Fig: Processo inflamatório
  • 28. CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO ▪ Segundo Waldman e Rosa (2012), as principais medidas de profilaxia e controle são: → Isolamento: Segregação de um caso clínico do convívio das outras pessoas durante o período de transmissibilidade, a fim de evitar que os suscetíveis sejam infectados. → Profilaxia: Conjunto de medidas que têm por finalidade prevenir ou atenuar doenças, suas complicações e consequências. → Quarentena: Isolamento de indivíduos sadios pelo período máximo de incubação da doença, contado a partir da data do último contato com um caso clínico ou portador.
  • 29. CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO → Quimioprofilaxia: Administração de uma droga, inclusive antibióticos, para prevenir uma infecção ou a progressão de uma infecção com manifestações da doença. → Tratamento profilático: Tratamento de um caso clínico ou de um portador com a finalidade de reduzir o período de transmissibilidade. → Vigilância sanitária: Observação dos comunicantes durante o período máximo de incubação da doença, a partir da data do último contato com um caso clínico ou portador, ou da data em que o comunicante abandonou o local em que se encontrava a fonte primária da infecção.
  • 30. CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO ▪ O termo controle, quando é aplicado a doenças transmissíveis, pode ser entendido como a redução da incidência de determinada doença por meio de diferentes tipos de intervenções, a níveis muito baixos, de forma que ela deixe de ser considerada problema importante em saúde pública. ▪ Para alguns autores, o termo “controle de doenças” é mais amplo, sendo definido como “uma série de esforços e intervenções integradas, dirigidas à população ou a subgrupos de alto risco nela existentes, visando prevenir, diagnosticar precocemente um agravo à saúde, assim como limitar danos por ele gerados”.
  • 31. CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO ▪ Segundo Evans (1985), existem três níveis biológicos de controle:  Controle da doença clínica, das sequelas e mortalidade a ela associadas;  Controle da infecção, quer ela se manifeste clinicamente ou como infecção assintomática;  Controle da presença do agente causal no ambiente e fonte de infecção. ▪ Salienta, também, que todos esses níveis devem ser atingidos antes que a erradicação seja possível.
  • 32. CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO ▪ A erradicação, uma forma radical de controle, é atingida quando não mais existir o risco de infecção ou doença, mesmo na ausência de vacinação ou qualquer outra medida de controle, sendo inclusive indicada a suspensão de vigilância. ▪ Uma alternativa próxima à erradicação, é a eliminação de uma doença, que é atingida quando se obtém a cessação de sua transmissão em extensa área geográfica, persistindo, no entanto, o risco de sua reintrodução, seja por falha na utilização dos instrumentos de vigilância ou controle, seja pela modificação do comportamento do agente ou vetor. ▪ Por fim, é cabível conceituar ações de controle, que pode ser entendido como a “aplicação de um conjunto de medidas de intervenção visando ao controle.”
  • 33. CONTROLE DO PROCESSO INFECCIOSO ▪ São dois os tipos polares de organização de serviços de saúde. 1. VERTICAL: Cada órgão desenvolve atividades voltadas ao controle de um único agravo ou de um número restrito de doenças, cujas medidas de intervenção utilizam tecnologias idênticas ou muito semelhantes. Nesse caso, o instrumento utilizado são as campanhas. 2. HORIZONTAL: Serviços organizados de forma descentralizada e hierarquizada, com atribuição de implementar programas de saúde, isto é, voltados ao desenvolvimento regular de ações de promoção, prevenção, controle e recuperação da saúde.
  • 34. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS ▪ Segundo Guandalini et al. (1999), para que o dentista mantenha efetivo controle de infecção odontológica durante a realização dos procedimentos clínicos, é necessária a criação de uma classificação dos instrumentos e dos procedimentos clínicos quanto ao risco de transmitirem infecção exógena. ▪ Os instrumentos são classificados em: ▪ Instrumentos Críticos: são aqueles que penetram nos tecidos sub-epiteliais, atingindo o sistema vascular. Ex.: afastadores, pinças, instrumentos de corte ou ponta e outros. Estes instrumentos devem ser obrigatoriamente esterilizados. ▪ Instrumentos Semi-críticos: são aqueles instrumentos que entram em contato com a mucosa ou pele íntegra, como: moldeiras e espelhos extrabucais, instrumentais para amálgama. Estes instrumentos são desinfetados e quando possível, esterilizados. ▪ Instrumentos Não-Críticos: são aqueles que entram em contato apenas com a pele íntegra ou não entram em contato com o paciente. Ex. muflo, pinça perfuradora, arco de Young,: etc.; estes podem ser desinfetados ou esterilizadas, quando possível.
  • 35. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS ▪ Os procedimentos odontológicos clínicos e cirúrgicos são também classificados segundo o risco de contaminação em: ▪ Procedimentos críticos: são aqueles em que há penetração no sistema vascular. Ex.: Cirurgias em tecidos moles e duros, Cirurgias Periodontais, Exodontias, Raspagens Subgengival, etc. Nestes procedimentos os cuidados com a esterilização do instrumental, a desinfecção do consultório, preparo do paciente e da equipe odontológica devem ser máximos. ▪ Procedimentos Semi-críticos: são aqueles que entram em contato com secreções orgânicas (saliva) sem invadir o sistema vascular. Ex.: entulhamento de material restaurador, colocação de aparelho ortodôntico, etc. O instrumental deve estar previamente esterilizado ou desinfectado, o consultório limpo e desinfectado, o paciente preparado com bochecho prévio com solução antisséptica e a equipe preparada, para evitar infecções cruzadas pela presença das secreções orgânicas sobre o equipamento, bancada, instrumental. ▪ Procedimentos Não Críticos: são aqueles quando não há penetração no sistema vascular e não entram em contato com as secreções orgânicas. Em Odontologia não existe procedimento que possa ser classificado dentro desta categoria.
  • 36. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS ▪ EXAME CLÍNICO: Segundo Guandalini et al. (1999), de aspecto aparentemente inofensivo, o exame clínico é um procedimento crítico, pois há sempre a presença de placa bacteriana e da saliva aonde encontramos microrganismos, como por exemplo o vírus da Hepatite B e C na saliva. A presença de sangue e fluidos orais em doenças bucais também é comum, então quando realizamos a exploração dentária ou a sondagem periodontal haverá contaminação do instrumental por estes fluidos e secreções. A tabela ao lado estabelece a classificação do instrumental e material empregados durante o exame clínico e indica o método de esterilização mais adequado, conforme a simbologia. MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Pinça de algodão C +++ ++ + 0 Espelho clínico C +++ ++ + 0 Sonda exploradora C +++ ++ + 0 Sonda milimetrada C +++ ++ + 0 Carpule C +++ ++ + SIM Espátula de madeira C 0 0 0 SIM Escareador C +++ ++ + 0 Anestube C 0 0 + SIM Agulha/ Carpule C 0 0 0 SIM Sugador plástico C 0 0 0 SIM Sugador metálico C +++ ++ + 0 (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 37. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS ▪ CIRURGIA BUCO-MAXILO FACIAL: Na especialidade de Cirurgia Buco-Maxilo Facial em todos os procedimentos temos a presença das secreções orgânicas como sangue e saliva, isto classifica todos os procedimentos nesta especialidade como críticos e como tal requer que o instrumental e o material utilizados sigam a tabela de Cirurgia/esterilização. O treinamento do cirurgião e da equipe é de extrema importância para um bom controle da infecção. MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Fórceps C +++ ++ + 0 Lâmina de Bisturi C 0 0 0 SIM Ponta de Bisturi C +++ ++ + 0 Porta agulha C +++ ++ + 0 Agulha sem fio C +++ ++ + 0 Fio sutura agulhado C 0 0 0 SIM Pinça Hemostática C +++ ++ + 0 Cinzéis para osso C +++ ++ + 0 Limas para osso C +++ ++ + 0 Brocas cirúrgicas 1* C +++ ++ + 0 Brocas cirúrgicas 2* C 0 ++ + 0 CONTINUA...(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 38. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Cureta alveolar C +++ ++ + 0 Martelo Cirúrgico C +++ ++ + 0 Osteomo C +++ ++ + 0 Alavancas C +++ ++ + 0 Afastadores C +++ ++ + 0 Afast. de retalho C +++ ++ + 0 Destaca periósteo C +++ ++ + 0 Cinzéis para osso C +++ ++ + 0 Sugador sangue metálico C +++ ++ + 0 Sugador sangue plástico C +++ ++ + SIM Alta rotação C +++ 0 0 0 CONTINUA (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 39. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Gaze C +++ 0 0 0 Compressas C +++ 0 0 0 Luvas Cirúrgicas C +++ 0 0 SIM Alveolotomo C +++ ++ + 0 Pinça clínica C +++ ++ + 0 Espelho bucal C +++ ++ + 0 Carpule /Seringa metálica C +++ ++ + 0 (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 40. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS ▪ PERIODONTIA: Na Periodontia a maioria dos procedimentos é considerado crítico. Isto exige que o instrumental empregado nestes procedimentos sejam esterilizados. Uma prévia desinfecção do ambiente clínico e do equipamento são também procedimentos obrigatórios. Os procedimentos periodontais são comumente realizados em ambulatório e consultório odontológico, sendo que, algumas vezes, o atendimento pode ser realizado em centro cirúrgico. MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Curetas Periodontais C +++ ++ + 0 Pedra Afiar C +++ + 0 0 Taça de borracha C 0 0 0 SIM Escova polimento C 0 0 0 SIM Agulha p/ irrigação C 0 0 0 SIM Agulha sutura s/ fio C +++ ++ + 0 Fio de sutura agulhado C 0 0 0 SIM Lâmina de Bisturi C 0 0 0 SIM Cabo Bisturi C +++ ++ + 0 Tesouras p/ cirurgia C +++ ++ + 0 Brocas cirúrgicas 1* C +++ ++ + 0 CONTINUA(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 41. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Brocas Cirúrgicas 2* C 0 +++ + 0 Cinzéis periodontais C 0 +++ ++ + Sugador sangue metálico C +++ ++ + 0 Sugador sangue plástico C 0 0 0 SIM Filtro de osso C +++ 0 + 0 Limas periodontais C +++ ++ + 0 Gaze C +++ 0 0 0 Espelho clínico C +++ ++ + 0 Pinça de algodão C +++ ++ + 0 Sonda milimetrada C +++ ++ + 0 Sonda p/ furca C +++ ++ + 0 CONTINUA (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 42. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Pontas ultra- som C 0 0 +++ 0 Porta agulhas C +++ ++ + 0 Alta rotação C +++ 0 0 0 Carpule/ metálico C +++ ++ + 0 Carpule/ plástico C 0 0 0 SIM Seringa Luer Vidro C +++ ++ + 0 Seringa Luer Plástica C 0 0 0 SIM Afastadores C +++ ++ + 0 (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 43. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS ▪ ENDONTIA: Na Endodontia os procedimentos e instrumentos são classificados como críticos e semi- críticos. Um exemplo de procedimento semi-crítico é o capeamento indireto onde há contato com secreção orgânica, mas não penetra no sistema vascular. Atualmente, em Endodontia, emprego de bandejas programadas deve ser adotada como uma nova filosofia de atendimento para melhor controle da infecção direta ou cruzada. Este sistema de bandejas deve considerar o tipo de procedimento quanto ao risco em transmitir infecção. MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Espelho bucal C +++ ++ + 0 Sonda Exploratória C +++ ++ + 0 Pinça clínica C +++ ++ + 0 Carpule metálico C +++ ++ + 0 Carpule plástico C +++ ++ + SIM Lençol Borracha C +++ 0 0 0 Arco p/isolamento metálico S/C +++ ++ + + Arco p/ isolamento plástico S/C +++ 0 ++ 0 Grampos p/ isolamento C +++ ++ + 0 Pinça C 0 +++ ++ 0 Porta grampo C +++ ++ + 0 CONTINUA(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 44. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Anestube C 0 0 + 0 Brocas 1* C +++ ++ + 0 Brocas 2* C 0 +++ ++ 0 Limas Endodôntica s C +++ ++ + 0 Alargadores endodônticos C +++ ++ + 0 Régua metálica C +++ ++ + 0 Gaze C +++ 0 0 0 Bolinhas de algodão C +++ 0 0 0 Cones de papel C +++ ++ + 0 Sonda milimetrada C +++ ++ + 0 Seringa Luer Vidro C +++ ++ + 0 CONTINUA (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 45. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIAL CLASSIFICA ÇÃO ESTERILIZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO ESTERILIZA ÇÃO DESCARTÁ VEL RISCO AUTOCLAVE ESTUFA SOLUÇÃO QUÍMICA Seringa Luer Acrílica C 0 0 0 SIM Placa de Vidro C +++ ++ + 0 Espátula C +++ ++ + 0 Agulha irrigação C 0 0 0 SIM Cursores de Borracha C +++ 0 + SIM Limas periodontais C +++ ++ + 0 Calcadores C +++ ++ + 0 Intermediári o p/ aspiração C +++ ++ + 0 (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 46. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS ▪ ORTODONTIA: Na especialidade de Ortodontia as medidas de proteção pessoal e de controle de infecção têm sido uma preocupação dos especialistas devido as constantes exposições a acidentes perfurantes durante o manuseio dos fios ortodônticos e alicates, fato que pode possibilitar uma infecção direta e cruzada. Para Feeldman e Schiff a Ortodontia é a segunda especialidade, dentro da Odontologia, de maior risco para contrair doenças infecciosas durante os procedimentos clínicos. Uma das medidas importantes para redução deste risco é o tratamento adequado dado aos instrumentos empregados pelo profissional. A tabela ao lado apresenta os métodos de esterilização ou desinfecção que o ortodontista deve realizar para um maior controle de infecção: MATERIA L CLASSIFIC AÇÃO ESTERILIZAÇ ÃO ESTERILI ZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO DESINFE CÇÃO DESCAR TÁVEL RISCO CALOR ÚMIDO CALOR SECO SOLUÇÃ O QUÍMICA Espelho bucal C +++ ++ + 0 0 Sonda Exploratór ia C +++ ++ + 0 0 Pinça clínica C +++ ++ + 0 0 Moldeiras metálicas C/SC +++ ++ + 0 0 Moldeira s plásticas C/SC +++ 0 + + 0 Aparelhos removíveis S/C 0 0 +++ + 0 Fios p/ arco S/C +++ ++ + + 0 Lâminas de aço p/ banda C +++ ++ + 0 0 Compasso ponta seca S/C 0 0 0 +++ 0 CONTINUA(GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 47. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIA L CLASSIFIC AÇÃO ESTERILIZAÇ ÃO ESTERILI ZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO DESINFE CÇÃO DESCAR TÁVEL RISCO CALOR ÚMIDO CALOR SECO SOLUÇÃ O QUÍMICA Brackets S/C +++ 0 0 0 0 Alicates C/SC +++ ++ + + 0 Porta agulhas C/SC +++ ++ + + 0 Tesouras C/SC +++ ++ + + 0 Anéis/ba ndas C +++ 0 + 0 0 Alicates cabo de plástico C/SC ++ 0 ++ + 0 Brocas diamanta das C +++ ++ + 0 0 Espátula cimento S/C +++ ++ + ++ 0 Taça de borracha C 0 0 0 0 SIM Sugador de sangue plástico C 0 0 0 + SIM CONTINUA (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 48. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIA L CLASSIFIC AÇÃO ESTERILIZAÇ ÃO ESTERILI ZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO DESINFE CÇÃO DESCAR TÁVEL RISCO CALOR ÚMIDO CALOR SECO SOLUÇÃ O QUÍMICA Placa de Vidro S/C +++ ++ + ++ 0 Pinça de Alastic C +++ ++ + 0 0 Removedor de banda C +++ 0 + 0 0 Paquímtro S/C 0 ++ ++ + 0 Calcador de banda metálico C +++ ++ + 0 0 Pote de Dapen C +++ 0 + 0 0 Alta rotação C +++ 0 0 0 0 Micro motor C +++ 0 0 0 0 Torre formadora de arco S/C 0 0 0 +++ 0 Adaptador banda madeira C +++ 0 0 0 0 CONTINUA (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 49. CONTROLE DA INFECÇÃO NAS ESPECIALIDADES OONTOLÓGICAS MATERIA L CLASSIFIC AÇÃO ESTERILIZAÇ ÃO ESTERILI ZAÇÃO ESTERILIZ AÇÃO DESINFE CÇÃO DESCAR TÁVEL RISCO CALOR ÚMIDO CALOR SECO SOLUÇÃ O QUÍMICA Adaptador banda plástico C +++ 0 0 0 0 Placa de cera S/C 0 0 0 +++ 0 Ligaduras metálicas C +++ 0 0 0 0 Ligaduras elásticas C +++ 0 0 0 0 Brocas de acabament o C 0 +++ 0 0 0 Moldagem em alginato C 0 0 0 +++ 0 Elásticos intra- bucais S/C 0 0 0 +++ 0 Afastadore s p/colagem S/C 0 0 0 +++ 0 (GUANDALINI; MELO; SANTOS, 1999)
  • 50. Métodos químicos de controle de microrganismos ▪ Os métodos químicos para controle de microrganismos são utilizados rotineiramente, podendo ser usados para a esterilização, desinfecção, antissepsia ou assepsia. (JORGE, 2012) ▪ Os agentes químicos podem ser classificados de acordo com a eficácia em 3 grupos principais: 1. Alto nível: promovem a esterilização de materiais. Agem contra fungos, bactérias em forma vegetativa, tanto GRAM + quando GRAM -, esporos bacterianos e vírus. 2. Nível intermediário: capazes de destruir todas as formas de microrganismos, exceto esporos bacterianos. 3. Baixo nível: não agem contra o vírus da hepatite, poliomielite, esporos e Mycobacterium tuberculosis.
  • 51. Métodos químicos de controle de microrganismos ▪ Os agentes químicos podem ser classificados de acordo com a sua ação biológica em: 1. Agentes que desnaturam proteínas; 2. Agentes que causam a ruptura osmótica da célula; 3. Agentes que interferem em processos metabólicos específicos dos microrganismos.
  • 52. Métodos químicos de controle de microrganismos ▪ Os principais agentes químicos utilizados em Odontologia para controle de microrganismos são:  Ácido paracético  Alcoóis  Clorexidina  Fenol sintético  Formaldeído  Glutaraldeído  Hipoclorito de sódio  Iodo  Peróxido de hidrogênio
  • 53. REFERÊNCIAS ▪ Evans AS. The erradication of communicable diseases: myth of reality?. American Journal of Epidemology. 1985; 122(2) : 199-207. ▪ Guandalini SL, Melo NSFO, Santos ECP. Biossegurança na odontologia: controle da infecção. 2d. Curitiba: Odontex; 1999. ▪ Jorge AOC. Microbiologia e imunologia oral. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2012. ▪ Lorenzo JL. Microbiologia para o estudante de imunologia. São Paulo: Atheneu; 2004. ▪ Potter PA, Perry AG, Hall AM, Stockert PA. Fundamentos da enfermagem. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2012. ▪ Waldman EA, Rosa TEC. Vigilância em saúde pública. São Paulo: Fundação Peirópolis; 1998.