SlideShare uma empresa Scribd logo
ANÁLISE DE
ALIMENTOS
AMOSTRAGEM E PREPARAÇÃO
DE AMOSTRAS
AULA 4
CLASSIFICAÇÃO DA ANÁLISE DE ALIMENTOS
Pesquisa: é utilizada para desenvolver ou adaptar
métodos analíticos exatos, precisos, sensíveis, rápidos,
eficientes, simples e de baixo custo na determinação de
um dado componente do alimento.
MÉTODOS DE ANÁLISE
Objetivo:
Determinar um componente específico (medida de
massa ou volume, potencial elétrico, etc.)
Ou vários componentes (composição centesimal);
Tipos de métodos de análise:
•Métodos convencionais: gravimetria
volumetria
•Métodos instrumentais.
QUANDO UTILIZAR OS MÉTODOS CONVENCIONAIS?
Alto custo dos equipamentos eletrônicos;
Não existe equipamento disponível para determinada
análise;
Requer-se um método convencional, sob o aspecto da
lei, por se tratar de um método oficial;
ESCOLHA DO MÉTODO ANALÍTICO
Quantidade relativa do componente desejado
Exatidão requerida
Composição química da amostra
Recursos disponíveis
ESCOLHA DO MÉTODO ANALÍTICO
Quantidade relativa do componente desejado:
Componentes maiores: mais de 1%;
Métodos Analíticos Clássicos ou Convencionais:
Gravimétricos e Volumétricos
Componentes menores: entre 0,01 e 1%;
Técnicas mais sofisticadas e altamente sensíveis:
Métodos Instrumentais
Componentes micros: menos de 0,01%;
Técnicas mais sofisticadas e altamente sensíveis:
Métodos Instrumentais
Exatidão requerida:
Métodos Clássicos
-Exatidão de 99,9%
-Composto analisado se encontra em mais de 10% na
amostra.
Métodos mais sofisticados
-Exatidão cai bastante
-Componentes presentes em quantidade menores que
10%.
Composição química da amostra
A escolha do método vai depender da composição
química dos alimentos.
Na maioria das determinações em alimentos, as
amostras são complexas, necessitando de uma
extração ou separação prévia dos componentes a ser
analisado.
Recursos disponíveis
Melhor método de análise: alto custo, que pode ser
limitante em função do tipo de equipamento ou até
mesmo ao tipo de reagente ou pessoal especializado.
FLUXOGRAMA GERAL PARA ANÁLISE QUANTITATIVA
Amostragem
Processamento da amostra
Reações químicas Mudanças físicas
Separações
Medidas
Processamento de dados
Avaliação estatística
1. INTRODUÇÃO
Conceitos:
Amostra: “uma porção limitada do material tomada do
conjunto - o universo, na terminologia estatística -
selecionada de maneira a possuir as características
essenciais do conjunto”.
Amostragem: é a série sucessiva de etapas operacionais
especificadas para assegurar que a amostra seja obtida
com a necessária condição de representatividade.
Amostra bruta: A amostra é obtida através de
incrementos recolhidos segundo critérios adequados. A
reunião dos incrementos forma a amostra bruta.
Amostra de laboratório: é o resultado da redução da
amostra bruta mediante operações conduzidas de
maneira a garantir a continuidade da condição de
representatividade da amostra.
Lote: Quantidade do alimento de mesma composição e
características físicas, químicas e sensoriais, produzida e
manuseada numa mesma batelada, sob as mesmas
condições.
Etapas que compreendem o processo de amostragem:
Coleta da amostra bruta
Preparação da amostra de laboratório;
Preparação da amostra para análise.
Fatores que interferem na amostragem:
Inspeção/ Finalidade da Inspeção:
“Aceitação ou rejeição”.
Avaliação da qualidade média e determinação da
uniformidade;
Legislações específicas para amostragem em
triplicada (prova, contraprova e testemunho).
Fatores que interferem na amostragem:
Controle de qualidade Final ou em processo:
Natureza do lote: Tamanho, divisão em sub-lotes e
se está a granel ou embalado;
Fatores que interferem na amostragem:
Natureza do material em teste: Sua homogeneidade.
Tamanho unitário, história prévia e custo;
Natureza dos procedimentos de teste: Significância,
procedimentos destrutivos ou não destrutivos e tempo e
custo das análises.
Aspectos fundamentais para a amostragem:
• A amostra deve ser representativa da totalidade do
alimento;
• A amostra não deve causar prejuízo econômico
significativo;
• A parte da amostra a ser analisada numa análise de
contraprova deve ser representativa da totalidade da
amostra.
Cuidados fundamentais na amostragem:
• As unidades amostrais que compõem a amostra
deverão possuir a mesma identidade, origem, marca,
classificação, lote, data de fabricação e de validade;
• Verificar a integridade das embalagens;
• Não coletar produtos que estejam em condições
inadequadas de conservação, deteriorado e com prazo
de validade expirado;
• Manusear cuidadosamente as amostras para evitar
possíveis danos;
• Não transportar a amostra junto com outros produtos
químicos
2. COLETA DA AMOSTRA BRUTA
 A coleta de amostras constitui a primeira fase da
análise do produto.
 A amostra bruta deve ser uma
réplica, em ponto reduzido, do
universo considerado, no que diz
respeito tanto à composição como à
distribuição do tamanho da partícula.
2. COLETA DA AMOSTRA BRUTA
 Amostras Fluídas (Líquidas e Pastosas)
Homogêneas
Coletadas em frascos com o mesmo volume (alto, meio e fundo do
recipiente), após agitação e homogeneização.
Amostras Sólidas
Diferem em textura, densidade e tamanho de partículas, por isso
devem ser moídas e misturadas.
2. COLETA DA AMOSTRA BRUTA
• Material a ser analisado: granel ou
embalado em caixas, latas, etc.
• Embalagens únicas ou pequenos lotes: todo
material deve ser tomado como amostra
bruta.
QUANTIDADES
Quantidades:
Para lotes maiores, a amostragem
deve:
-Compreender de 10 a 20% do nº de embalagens
contidas no lote;
-Compreender de 5 a 10% do peso total do alimento a
ser analisado;
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
“A amostra bruta é freqüentemente
grande demais para ser convenientemente
trabalhada em laboratório e, portanto, deve
ser reduzida.”
“A redução vai depender do tipo de
produto a ser analisado e da análise.”
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
• Alimentos secos (em pó ou
granulares):
•a redução pode ser feita manualmente ou por meio de
equipamentos.
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
Quarteamento: manual
- Colocar a amostra sobre uma folha de papel;
- Misturar bem e espalhar formando um quadrado.
- Dividir o quadrado em 4 quadrados menores(ABCD).
- Rejeitar 2 quadrados opostos e misturar os 2 restantes e
novamente misturar, espalhar e dividir, e assim sucessivamente até
chegar ao tamanho ideal de amostra
A B
C D
Quarteamento;
E F
G H
A B
C D
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
• Alimentos líquidos:
•Misturar bem o líquido no recipiente por agitação, por inversão e por
repetida troca de recipientes.
•Retirar porções de líquido de diferentes partes do recipiente
misturando as porções no final.
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
• Alimentos Úmidos:
•A amostra deve ser picada ou moída e misturada. A estocagem deve
ser sob refrigeração.
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
 Alimentos semiviscosos e pastosos
(pudins, molhos, etc.) e alimentos líquidos
contendo sólidos: as amostras devem ser
picadas em liquidificador, misturadas e as
alíquotas retiradas para análise.
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
•Alimentos com emulsão (manteiga e
margarina):
•as amostras devem aquecidas a 35º C num frasco com tampa, que
depois é agitado para homogeneização.
3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA –
AMOSTRA DE LABORATÓRIO
•Frutas:
•As frutas grandes devem ser cortadas ao meio no sentido
longitudinal e transversal, de modo a reparti-las em quatro partes.
Duas partes opostas devem ser descartadas, e as outras duas
devem ser juntadas e homogeneizadas em liquidificador. As frutas
pequenas podem ser simplesmente homogeneizadas inteiras no
liquidificador.
4. Preparação da Amostra para Análise
Extração ou tratamento químico.
Desintegração mecânica: moagem de
alimentos secos. Para amostras úmidas,
a desintegração pode ser feita em
moedores do tipo para carnes, em
liquidificadores ou processadores.
Desintegração química:
• Vários agentes químicos podem ser usados na
dispersão ou solubilização dos componentes dos
alimentos.
5. Preservação da Amostra
Inativação enzimática: serve pra
preservar o estado original dos
componentes de um material vivo.
5. Preservação da Amostra
•Diminuição das mudanças lipídica:
•os métodos tradicionais de preparo de
amostras podem afetar a composição dos
extratos lipídicos.
• Resfriar a amostra rapidamente antes da
extração e congelá-la se for estocar.
 Controle do ataque oxidativo: preservação a baixa
temperatura (N líquido) para a maioria dos
alimentos.
 Controle do ataque microbiológico: congelamento,
secagem e uso de conservadores, ou a combinação
de quaisquer dos três.
5. Preservação da Amostra
 Alimentos de origem vegetal:
 Constituição genética: variedade;
 Condições de crescimento;
 Estado de maturação;
 Estocagem: tempo e condições;
 Parte do alimento: casca ou polpa
6. FATORES A SEREM CONSIDERADOS
NA AMOSTRAGEM
 Alimentos de origem animal:
 Conteúdo de gordura;
 Parte do animal;
 Alimentação do animal;
 Idade do animal;
 Raça.
6. FATORES A SEREM CONSIDERADOS
NA AMOSTRAGEM
3. TRANSPORTE DA AMOSTRA PARA O
LABORATÓRIO
Transportar e estocar amostra de alimentos da
mesma forma que são comercializados
As amostras para exame físico-químicos deverão
ser enviadas separadas daquelas destinadas a
exame microbiológico.
Regras gerais:
As amostras deverão ser acondicionadas em
recipiente esterilizados (microbiológico) e limpos
e íntegros (físico químicas).
Alimentos com baixa atividade de água:
- Desidratados, secos podem ser transportados e
estocados em T°C ambiente e protegidos da
umidade;
Alimentos perecíveis refrigerados:
- Devem ser transportados e mantidos refrigerados
até o momento da análise;
- Não deve ser congelado;
-Tempo máximo entre a coleta e análise: 36 horas
0 a4,4ºC
Alimentos perecíveis congelados:
- Devem ser transportados e mantidos congelados
até o momento da análise;
-Temperatura de estocagem não deve ser > - 10°C
- Os alimentos poderão ser transportados em caixas
plásticas com gelo suficiente para envolver toda a
amostra;
- Pode ser utilizado "gelo seco" desde que a
embalagem não seja permeável aos gases.
Transporte: Caixa de isopor com gelo,por até 24 a
30 horas. Tempo superior, usar gelo seco.
Alimentos prontos:
- Amostras de pratos prontos para consumo servidos
a quente deverão ser transportadas sob
refrigeração, evitando-se assim o aumento da
contaminação inicial, devido à queda gradual da
temperatura do alimento, mantendo-o em
temperatura de risco e com conseqüente
crescimento microbiano.
4. INFORMAÇÕES QUE DEVEM ACOMPANHAR A
AMOSTRA
Tipo de amostra e processo usado na fabricação –
lingüiça defumada;
Fabricante,data de fabricação e número do lote;
Solicitante da análise;
Data e local da coleta;
Razão da análise: controle de qualidade interno do
fabricante, avaliação da conformidade do produto com padrões
legais, registro de novo produto, concorrência pública, amostra
envolvida em surto, etc.;
5. RECEPÇÃO DA AMOSTRA NO LABORATÓRIO
Amostra com embalagem aberta (Surtos):
- Identificar o fato no final do laudo.
Regra geral:
Observar as condições de transporte e da
embalagem
Estocagens das amostras até análise
Refrigeradas perecíveis:
- Manter sob refrigeração até no máximo 24 hs;
Congeladas:
- Manter no máximo a -18°C por 7 dias;
Não perecíveis:
- Manter em lugar fresco, protegidos da luz e
umidade.
6. QUANTIDADE DA AMOSTRA NECESSÁRIA
PARA ANÁLISE
PRODUTO SETOR
MICROBIOLOGIA
SETOR
FÍSICO-QUÍMICA
Leite pasteurizado 01L 01embalagem 01 embalagem
Leite em pó, farinhas lácteas 250 g 250g
Manteiga, queijos e margarinas. 400 g 400 g
Produtos cárneos 500 g 500 g
Pescado “in natura” cru 500 g 500 g
Pescado enlatado 02 embalagens 02 embalagens
Pão e produtos de panificação 300 g 300 g
Mel de abelha 200 g 200 g
PRODUTO SETOR
MICROBIOLOGIA
SETOR
FÍSICO-QUÍMICA
Mistura para sopas, caldos,
molhos e misturas ou pós para
sobremesas.
250 g 250 g
Refrigerantes e cervejas 01 embalagem 01 embalagem
Chocolate, bombons e biscoitos e
bolachas.
300 g 300 g
Sorvetes 400 g 400 g
Sucos e refrescos 250 mL 250 mL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Jaqueline Almeida
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Jaqueline Almeida
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Alvaro Galdos
 
Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3
joelferreira
 
Metodos de analises
Metodos de analisesMetodos de analises
Metodos de analises
Ernane Nogueira Nunes
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
Alvaro Galdos
 
Tecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisTecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetais
Alvaro Galdos
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Jaqueline Almeida
 
Análise de Fibra Bruta por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta  por diferentes MetodologiasAnálise de Fibra Bruta  por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta por diferentes Metodologias
Kalliany Kellzer
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
LORRANE BRANDÃO
 
Aula 3-introdução
Aula 3-introduçãoAula 3-introdução
Aula 3-introdução
Andreza Da Rocha Costa
 
Fatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosFatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecos
Gleyson Costa
 
Aula 2 controle de matérias primas
Aula 2 controle de matérias primasAula 2 controle de matérias primas
Aula 2 controle de matérias primas
Alvaro Galdos
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
fcanico
 
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentosAula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Cristiane Santos
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Jaqueline Almeida
 
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivosConservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Alvaro Galdos
 
Aula Umidade e Cinzas 05.ppt
Aula Umidade e Cinzas 05.pptAula Umidade e Cinzas 05.ppt
Aula Umidade e Cinzas 05.ppt
VictoSilva3
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
Rudy Altamirano Ruiz
 

Mais procurados (20)

Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
 
Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3
 
Metodos de analises
Metodos de analisesMetodos de analises
Metodos de analises
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
Tecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisTecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetais
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
 
Análise de Fibra Bruta por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta  por diferentes MetodologiasAnálise de Fibra Bruta  por diferentes Metodologias
Análise de Fibra Bruta por diferentes Metodologias
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
 
Aula 3-introdução
Aula 3-introduçãoAula 3-introdução
Aula 3-introdução
 
Fatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecosFatores intrínsecos e extrínsecos
Fatores intrínsecos e extrínsecos
 
Aula 2 controle de matérias primas
Aula 2 controle de matérias primasAula 2 controle de matérias primas
Aula 2 controle de matérias primas
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
 
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentosAula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentos
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
 
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivosConservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
 
Aula Umidade e Cinzas 05.ppt
Aula Umidade e Cinzas 05.pptAula Umidade e Cinzas 05.ppt
Aula Umidade e Cinzas 05.ppt
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 

Semelhante a A.b aula 4 amostragem

Aula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptxAula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptx
JaquelineRumo
 
Aula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptxAula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptx
JaquelineRumo
 
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptxAMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AnaEmlia7
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
Cap4Cap4
aula-10-Preparo-de-amostras.pdf
aula-10-Preparo-de-amostras.pdfaula-10-Preparo-de-amostras.pdf
aula-10-Preparo-de-amostras.pdf
TecInfor
 
Aulas praticas 1 e 2
Aulas praticas 1 e 2Aulas praticas 1 e 2
Aulas praticas 1 e 2
Re Silva
 
Bromatologia 1
Bromatologia 1Bromatologia 1
Bromatologia 1
Pedais
 
Cap3
Cap3Cap3
334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos
334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos
334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos
Eliane Souza
 
Aula 1 coleta, transporte
Aula 1 coleta, transporteAula 1 coleta, transporte
Aula 1 coleta, transporte
Atarissis Dias
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
Tamara Garcia
 
conservação (1).pptx
conservação (1).pptxconservação (1).pptx
conservação (1).pptx
helilmapinheiroufma
 
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdfClaudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
RosngelaDivinaBorges
 
Apostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentosApostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentos
elianabarroso
 
Introdução experimentação
Introdução experimentaçãoIntrodução experimentação
Introdução experimentação
Estagiário Herd Book Collares Promebo
 
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptxFundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
VeridyanaValverde1
 
Manual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorioManual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorio
Raquel Alves
 
Estudo de solubilidade e desenvolvimento de dissolução
Estudo de solubilidade e desenvolvimento de dissoluçãoEstudo de solubilidade e desenvolvimento de dissolução
Estudo de solubilidade e desenvolvimento de dissolução
Vanessa Rodrigues
 
Roteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geralRoteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geral
Édino Farias dos San Santos
 

Semelhante a A.b aula 4 amostragem (20)

Aula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptxAula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptx
 
Aula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptxAula 2 - Amostragem.pptx
Aula 2 - Amostragem.pptx
 
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptxAMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 
aula-10-Preparo-de-amostras.pdf
aula-10-Preparo-de-amostras.pdfaula-10-Preparo-de-amostras.pdf
aula-10-Preparo-de-amostras.pdf
 
Aulas praticas 1 e 2
Aulas praticas 1 e 2Aulas praticas 1 e 2
Aulas praticas 1 e 2
 
Bromatologia 1
Bromatologia 1Bromatologia 1
Bromatologia 1
 
Cap3
Cap3Cap3
Cap3
 
334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos
334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos
334654358 aula-1-microbiologia-de-alimentos
 
Aula 1 coleta, transporte
Aula 1 coleta, transporteAula 1 coleta, transporte
Aula 1 coleta, transporte
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
 
conservação (1).pptx
conservação (1).pptxconservação (1).pptx
conservação (1).pptx
 
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdfClaudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
Claudia de Sá - Seminário SISBI-POA.06.9.2019. .pdf
 
Apostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentosApostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentos
 
Introdução experimentação
Introdução experimentaçãoIntrodução experimentação
Introdução experimentação
 
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptxFundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
 
Manual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorioManual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorio
 
Estudo de solubilidade e desenvolvimento de dissolução
Estudo de solubilidade e desenvolvimento de dissoluçãoEstudo de solubilidade e desenvolvimento de dissolução
Estudo de solubilidade e desenvolvimento de dissolução
 
Roteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geralRoteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geral
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 

A.b aula 4 amostragem

  • 1. ANÁLISE DE ALIMENTOS AMOSTRAGEM E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS AULA 4
  • 2. CLASSIFICAÇÃO DA ANÁLISE DE ALIMENTOS Pesquisa: é utilizada para desenvolver ou adaptar métodos analíticos exatos, precisos, sensíveis, rápidos, eficientes, simples e de baixo custo na determinação de um dado componente do alimento.
  • 3. MÉTODOS DE ANÁLISE Objetivo: Determinar um componente específico (medida de massa ou volume, potencial elétrico, etc.) Ou vários componentes (composição centesimal); Tipos de métodos de análise: •Métodos convencionais: gravimetria volumetria •Métodos instrumentais.
  • 4. QUANDO UTILIZAR OS MÉTODOS CONVENCIONAIS? Alto custo dos equipamentos eletrônicos; Não existe equipamento disponível para determinada análise; Requer-se um método convencional, sob o aspecto da lei, por se tratar de um método oficial;
  • 5.
  • 6. ESCOLHA DO MÉTODO ANALÍTICO Quantidade relativa do componente desejado Exatidão requerida Composição química da amostra Recursos disponíveis
  • 7. ESCOLHA DO MÉTODO ANALÍTICO Quantidade relativa do componente desejado: Componentes maiores: mais de 1%; Métodos Analíticos Clássicos ou Convencionais: Gravimétricos e Volumétricos Componentes menores: entre 0,01 e 1%; Técnicas mais sofisticadas e altamente sensíveis: Métodos Instrumentais Componentes micros: menos de 0,01%; Técnicas mais sofisticadas e altamente sensíveis: Métodos Instrumentais
  • 8. Exatidão requerida: Métodos Clássicos -Exatidão de 99,9% -Composto analisado se encontra em mais de 10% na amostra. Métodos mais sofisticados -Exatidão cai bastante -Componentes presentes em quantidade menores que 10%.
  • 9. Composição química da amostra A escolha do método vai depender da composição química dos alimentos. Na maioria das determinações em alimentos, as amostras são complexas, necessitando de uma extração ou separação prévia dos componentes a ser analisado.
  • 10. Recursos disponíveis Melhor método de análise: alto custo, que pode ser limitante em função do tipo de equipamento ou até mesmo ao tipo de reagente ou pessoal especializado.
  • 11. FLUXOGRAMA GERAL PARA ANÁLISE QUANTITATIVA Amostragem Processamento da amostra Reações químicas Mudanças físicas Separações Medidas Processamento de dados Avaliação estatística
  • 12. 1. INTRODUÇÃO Conceitos: Amostra: “uma porção limitada do material tomada do conjunto - o universo, na terminologia estatística - selecionada de maneira a possuir as características essenciais do conjunto”. Amostragem: é a série sucessiva de etapas operacionais especificadas para assegurar que a amostra seja obtida com a necessária condição de representatividade.
  • 13. Amostra bruta: A amostra é obtida através de incrementos recolhidos segundo critérios adequados. A reunião dos incrementos forma a amostra bruta. Amostra de laboratório: é o resultado da redução da amostra bruta mediante operações conduzidas de maneira a garantir a continuidade da condição de representatividade da amostra. Lote: Quantidade do alimento de mesma composição e características físicas, químicas e sensoriais, produzida e manuseada numa mesma batelada, sob as mesmas condições.
  • 14. Etapas que compreendem o processo de amostragem: Coleta da amostra bruta Preparação da amostra de laboratório; Preparação da amostra para análise.
  • 15. Fatores que interferem na amostragem: Inspeção/ Finalidade da Inspeção: “Aceitação ou rejeição”. Avaliação da qualidade média e determinação da uniformidade; Legislações específicas para amostragem em triplicada (prova, contraprova e testemunho).
  • 16. Fatores que interferem na amostragem: Controle de qualidade Final ou em processo: Natureza do lote: Tamanho, divisão em sub-lotes e se está a granel ou embalado;
  • 17. Fatores que interferem na amostragem: Natureza do material em teste: Sua homogeneidade. Tamanho unitário, história prévia e custo; Natureza dos procedimentos de teste: Significância, procedimentos destrutivos ou não destrutivos e tempo e custo das análises.
  • 18. Aspectos fundamentais para a amostragem: • A amostra deve ser representativa da totalidade do alimento; • A amostra não deve causar prejuízo econômico significativo; • A parte da amostra a ser analisada numa análise de contraprova deve ser representativa da totalidade da amostra.
  • 19. Cuidados fundamentais na amostragem: • As unidades amostrais que compõem a amostra deverão possuir a mesma identidade, origem, marca, classificação, lote, data de fabricação e de validade; • Verificar a integridade das embalagens; • Não coletar produtos que estejam em condições inadequadas de conservação, deteriorado e com prazo de validade expirado; • Manusear cuidadosamente as amostras para evitar possíveis danos; • Não transportar a amostra junto com outros produtos químicos
  • 20. 2. COLETA DA AMOSTRA BRUTA  A coleta de amostras constitui a primeira fase da análise do produto.  A amostra bruta deve ser uma réplica, em ponto reduzido, do universo considerado, no que diz respeito tanto à composição como à distribuição do tamanho da partícula.
  • 21. 2. COLETA DA AMOSTRA BRUTA  Amostras Fluídas (Líquidas e Pastosas) Homogêneas Coletadas em frascos com o mesmo volume (alto, meio e fundo do recipiente), após agitação e homogeneização. Amostras Sólidas Diferem em textura, densidade e tamanho de partículas, por isso devem ser moídas e misturadas.
  • 22. 2. COLETA DA AMOSTRA BRUTA • Material a ser analisado: granel ou embalado em caixas, latas, etc. • Embalagens únicas ou pequenos lotes: todo material deve ser tomado como amostra bruta. QUANTIDADES
  • 23. Quantidades: Para lotes maiores, a amostragem deve: -Compreender de 10 a 20% do nº de embalagens contidas no lote; -Compreender de 5 a 10% do peso total do alimento a ser analisado;
  • 24. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO “A amostra bruta é freqüentemente grande demais para ser convenientemente trabalhada em laboratório e, portanto, deve ser reduzida.” “A redução vai depender do tipo de produto a ser analisado e da análise.”
  • 25. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO • Alimentos secos (em pó ou granulares): •a redução pode ser feita manualmente ou por meio de equipamentos.
  • 26. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO Quarteamento: manual - Colocar a amostra sobre uma folha de papel; - Misturar bem e espalhar formando um quadrado. - Dividir o quadrado em 4 quadrados menores(ABCD). - Rejeitar 2 quadrados opostos e misturar os 2 restantes e novamente misturar, espalhar e dividir, e assim sucessivamente até chegar ao tamanho ideal de amostra A B C D
  • 28. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO • Alimentos líquidos: •Misturar bem o líquido no recipiente por agitação, por inversão e por repetida troca de recipientes. •Retirar porções de líquido de diferentes partes do recipiente misturando as porções no final.
  • 29. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO • Alimentos Úmidos: •A amostra deve ser picada ou moída e misturada. A estocagem deve ser sob refrigeração.
  • 30. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO  Alimentos semiviscosos e pastosos (pudins, molhos, etc.) e alimentos líquidos contendo sólidos: as amostras devem ser picadas em liquidificador, misturadas e as alíquotas retiradas para análise.
  • 31. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO •Alimentos com emulsão (manteiga e margarina): •as amostras devem aquecidas a 35º C num frasco com tampa, que depois é agitado para homogeneização.
  • 32. 3. REDUÇÃO DA AMOSTRA BRUTA – AMOSTRA DE LABORATÓRIO •Frutas: •As frutas grandes devem ser cortadas ao meio no sentido longitudinal e transversal, de modo a reparti-las em quatro partes. Duas partes opostas devem ser descartadas, e as outras duas devem ser juntadas e homogeneizadas em liquidificador. As frutas pequenas podem ser simplesmente homogeneizadas inteiras no liquidificador.
  • 33. 4. Preparação da Amostra para Análise Extração ou tratamento químico. Desintegração mecânica: moagem de alimentos secos. Para amostras úmidas, a desintegração pode ser feita em moedores do tipo para carnes, em liquidificadores ou processadores.
  • 34. Desintegração química: • Vários agentes químicos podem ser usados na dispersão ou solubilização dos componentes dos alimentos.
  • 35. 5. Preservação da Amostra Inativação enzimática: serve pra preservar o estado original dos componentes de um material vivo.
  • 36. 5. Preservação da Amostra •Diminuição das mudanças lipídica: •os métodos tradicionais de preparo de amostras podem afetar a composição dos extratos lipídicos. • Resfriar a amostra rapidamente antes da extração e congelá-la se for estocar.
  • 37.  Controle do ataque oxidativo: preservação a baixa temperatura (N líquido) para a maioria dos alimentos.  Controle do ataque microbiológico: congelamento, secagem e uso de conservadores, ou a combinação de quaisquer dos três. 5. Preservação da Amostra
  • 38.  Alimentos de origem vegetal:  Constituição genética: variedade;  Condições de crescimento;  Estado de maturação;  Estocagem: tempo e condições;  Parte do alimento: casca ou polpa 6. FATORES A SEREM CONSIDERADOS NA AMOSTRAGEM
  • 39.  Alimentos de origem animal:  Conteúdo de gordura;  Parte do animal;  Alimentação do animal;  Idade do animal;  Raça. 6. FATORES A SEREM CONSIDERADOS NA AMOSTRAGEM
  • 40. 3. TRANSPORTE DA AMOSTRA PARA O LABORATÓRIO Transportar e estocar amostra de alimentos da mesma forma que são comercializados As amostras para exame físico-químicos deverão ser enviadas separadas daquelas destinadas a exame microbiológico. Regras gerais: As amostras deverão ser acondicionadas em recipiente esterilizados (microbiológico) e limpos e íntegros (físico químicas).
  • 41. Alimentos com baixa atividade de água: - Desidratados, secos podem ser transportados e estocados em T°C ambiente e protegidos da umidade; Alimentos perecíveis refrigerados: - Devem ser transportados e mantidos refrigerados até o momento da análise; - Não deve ser congelado; -Tempo máximo entre a coleta e análise: 36 horas 0 a4,4ºC
  • 42. Alimentos perecíveis congelados: - Devem ser transportados e mantidos congelados até o momento da análise; -Temperatura de estocagem não deve ser > - 10°C - Os alimentos poderão ser transportados em caixas plásticas com gelo suficiente para envolver toda a amostra; - Pode ser utilizado "gelo seco" desde que a embalagem não seja permeável aos gases. Transporte: Caixa de isopor com gelo,por até 24 a 30 horas. Tempo superior, usar gelo seco.
  • 43. Alimentos prontos: - Amostras de pratos prontos para consumo servidos a quente deverão ser transportadas sob refrigeração, evitando-se assim o aumento da contaminação inicial, devido à queda gradual da temperatura do alimento, mantendo-o em temperatura de risco e com conseqüente crescimento microbiano.
  • 44. 4. INFORMAÇÕES QUE DEVEM ACOMPANHAR A AMOSTRA Tipo de amostra e processo usado na fabricação – lingüiça defumada; Fabricante,data de fabricação e número do lote; Solicitante da análise; Data e local da coleta; Razão da análise: controle de qualidade interno do fabricante, avaliação da conformidade do produto com padrões legais, registro de novo produto, concorrência pública, amostra envolvida em surto, etc.;
  • 45.
  • 46. 5. RECEPÇÃO DA AMOSTRA NO LABORATÓRIO Amostra com embalagem aberta (Surtos): - Identificar o fato no final do laudo. Regra geral: Observar as condições de transporte e da embalagem
  • 47. Estocagens das amostras até análise Refrigeradas perecíveis: - Manter sob refrigeração até no máximo 24 hs; Congeladas: - Manter no máximo a -18°C por 7 dias; Não perecíveis: - Manter em lugar fresco, protegidos da luz e umidade.
  • 48. 6. QUANTIDADE DA AMOSTRA NECESSÁRIA PARA ANÁLISE PRODUTO SETOR MICROBIOLOGIA SETOR FÍSICO-QUÍMICA Leite pasteurizado 01L 01embalagem 01 embalagem Leite em pó, farinhas lácteas 250 g 250g Manteiga, queijos e margarinas. 400 g 400 g Produtos cárneos 500 g 500 g Pescado “in natura” cru 500 g 500 g Pescado enlatado 02 embalagens 02 embalagens Pão e produtos de panificação 300 g 300 g Mel de abelha 200 g 200 g
  • 49. PRODUTO SETOR MICROBIOLOGIA SETOR FÍSICO-QUÍMICA Mistura para sopas, caldos, molhos e misturas ou pós para sobremesas. 250 g 250 g Refrigerantes e cervejas 01 embalagem 01 embalagem Chocolate, bombons e biscoitos e bolachas. 300 g 300 g Sorvetes 400 g 400 g Sucos e refrescos 250 mL 250 mL