SlideShare uma empresa Scribd logo
A poesia escatológica de Augusto dos Anjos
                Manoel Neves
CONCEITOS
                                                    pré-modernismo
                                                              o que é
período	
  de	
  transição	
  entre	
  es/los	
  do	
  final	
  do	
  século	
  XIX	
  e	
  a	
  Semana	
  de	
  Arte	
  Moderna	
  de	
  1922	
  
MARCOS LITERÁRIOS
                        pré-modernismo

                    um período de transição
   Realismo	
             Pré-­‐Modernismo	
             Modernismo	
  
 Naturalismo	
                   1902	
                       1922	
  
Parnasianismo	
                 Canaã	
                  realização	
  da	
  
 Simbolismo	
                Os	
  sertões	
     Semana	
  de	
  Arte	
  Moderna	
  
TENDÊNCIAS DO INÍCIO DO SÉCULO XX
                                               pré-modernismo
      TENDÊNCIA	
  CONSERVADORA	
                                    TENDÊNCIA	
  RENOVADORA	
  
mentalidade	
  posi/vista,	
  agnós/ca	
  e	
  liberal	
     aspectos	
  problemá/cos	
  da	
  realidade	
  social	
  
     es/lo	
  realista-­‐naturalista,	
  na	
  prosa	
       formalismo	
  linguís/co	
  [visão	
  predominante]	
  
  es/lo	
  parnasiano-­‐simbolista,	
  na	
  poesia	
                  coloquialismo	
  transparente	
  
       Rui	
  Barbosa	
  e	
  Joaquim	
  Nabuco	
                       autores	
  pré-­‐modernistas	
  
ASPECTOS HISTÓRICOS
    pré-modernismo
O RETRATO DE UM PAÍS OLIGÁRQUICO
                                     pré-modernismo
ARISTOCRACIA	
  RURAL	
                               ARISTOCRACIA	
  URBANA	
  
interior	
  de	
  São	
  Paulo	
                        capital	
  de	
  São	
  Paulo	
  
      Minas	
  Gerais	
                                     Rio	
  de	
  Janeiro	
  
UM PERÍODO DE TENSÃO SOCIAL
                    pré-modernismo
         Rebelião de Canudos, Bahia, 1896-1897;
Ciclo do Cangaço, Nordeste, primeiras décadas do século XX;
  Revolução do Contestado; Santa Catarina, 1912-1916;
         Revolta da Vacina, Rio de Janeiro, 1904;
         Revolta da Chibata, Rio de Janeiro, 1910;
           Greve dos operários, São Paulo, 1917;
            República da Espada, 1889-1894.
Revolta	
  da	
  Armada:	
  Soldados	
  do	
  quarto	
  batalhão	
  da	
  ar4lharia	
  da	
  Guarda	
  Nacional	
  posicionados	
  
Contestado.	
  Fonte:	
  hVp://wp.hagah.com.br/curi/bairros/2009/10/01/a-­‐guerra-­‐do-­‐contestado-­‐santos-­‐andrade/	
  
RJ	
  durante	
  a	
  Revolta	
  da	
  Vacina.	
  Fonte:	
  hVp://oriodean/gamente.blogspot.com/2011/01/praca-­‐da-­‐republica.html	
  
Manifestação	
  de	
  Rua	
  durante	
  a	
  Greve	
  de	
  1917	
  em	
  São	
  Paulo.	
  
Mulheres	
  e	
  crianças	
  feitas	
  prisioneiras	
  em	
  Canudos,	
  no	
  sertão	
  da	
  Bahia.	
  
Foto	
  do	
  corpo	
  exumado	
  de	
  Antônio	
  Conselheiro.	
  
Lampião,	
  o	
  rei	
  do	
  cangaço.	
  Fonte:	
  hVp://www.onne.com.br/materias/cult/2542/lampia%C2%A3o_e_maria_bonita_	
  
Maria	
  Bonita.	
  Fonte:	
  hVp://www.eunapolis.ica.edu.br/informa/ca/Sites_Historia_EI_31/cangaco/Site/imagens/mb.html	
  
À	
  direita,	
  João	
  Cândido,	
  o	
  Almirante	
  Negro,	
  líder	
  da	
  Revolta	
  da	
  Chibata.	
  
AUGUSTO DOS ANJOS
                     pré-modernismo

                                temas
            visão	
  trágica	
  e	
  mórbida	
  da	
  existência;	
  
pessimismo,	
  asco	
  ao	
  prazer	
  e	
  aproximação	
  do	
  grotesco.	
  

                           linguagem
     inflexão	
  simbolista	
  [desejo	
  de	
  transcendência];	
  
      retórica	
  naturalista	
  [vocabulário	
  cien/ficista];	
  
              ranços	
  parnasianos	
  [apuro	
  formal]	
  
AUGUSTO DOS ANJOS
                                            pré-modernismo
                                  Falas	
  de	
  amor,	
  e	
  eu	
  ouço	
  tudo	
  e	
  calo	
  
                              O	
  amor	
  na	
  Humanidade	
  é	
  uma	
  men/ra.	
  
                                         E	
  é	
  por	
  isto	
  que	
  na	
  minha	
  lira	
  
                                   De	
  amores	
  fúteis	
  poucas	
  vezes	
  falo.	
  
                              O	
  amor!	
  Quando	
  virei	
  por	
  fim	
  a	
  amá-­‐lo?!	
  
                            Quando,	
  se	
  o	
  amor	
  que	
  a	
  Humanidade	
  inspira	
  
                                    É	
  o	
  amor	
  do	
  sibarita	
  e	
  da	
  hetaira,	
  
                                    De	
  Messalina	
  e	
  de	
  Sardanapalo?	
  
                              Pois	
  é	
  mister	
  que,	
  para	
  o	
  amor	
  sagrado,	
  
                                        O	
  mundo	
  fique	
  imaterializado	
  
                               —	
  Alavanca	
  desviada	
  do	
  seu	
  fulcro	
  —	
  
                                         E	
  haja	
  só	
  amizade	
  verdadeira	
  
                                    Duma	
  caveira	
  para	
  outra	
  caveira,	
  
                               Do	
  meu	
  sepulcro	
  para	
  o	
  teu	
  sepulcro?!	
  
        ANJOS,	
  Augusto	
  dos.	
  Idealismo.	
  Disponível	
  em:	
  hVp://pensador.uol.com.br/frase/NDU5ODU/	
  

               soneto	
  decassílabo	
  no	
  qual	
  há	
  referências	
  à	
  História	
  e	
  à	
  Filosofia;	
  
defesa	
  da	
  superioridade	
  da	
  Amizade	
  em	
  relação	
  ao	
  Amor	
  [herança	
  da	
  Grécia	
  An/ga];	
  
                                crí/ca	
  ao	
  amor	
  vsico,	
  carnal,	
  sensual;	
  
                  visão	
  elevada	
  [transcendental]	
  do	
  Amor	
  [caráter	
  simbolista].	
  
AUGUSTO DOS ANJOS
                                           pré-modernismo
                                 Filho	
  podre	
  de	
  an/gos	
  Goitacases,	
  
                             Em	
  qualquer	
  parte	
  onde	
  a	
  cabeça	
  ponha,	
  
                                 Deixa	
  circunferências	
  de	
  peçonha,	
  
                              Marcas	
  oriundas	
  de	
  úlceras	
  e	
  antrazes.	
  
                                       Todos	
  os	
  cinocéfalos	
  vorazes	
  
                            Cheiram	
  seu	
  corpo.	
  À	
  noite,	
  quando	
  sonha,	
  
                                Sente	
  no	
  tórax	
  a	
  pressão	
  medonha	
  
                               Do	
  bruto	
  embate	
  férreo	
  das	
  tenazes.	
  
                            Mostra	
  aos	
  montes	
  e	
  aos	
  rígidos	
  rochedos	
  
                               A	
  hedionda	
  elefanxase	
  dos	
  dedos...	
  
                              Há	
  um	
  cansaço	
  no	
  Cosmos...	
  Anoitece.	
  
                                     Riem	
  as	
  meretrizes	
  no	
  Cassino,	
  
                                E	
  o	
  Lázaro	
  caminha	
  em	
  seu	
  des/no	
  
                             Para	
  um	
  fim	
  que	
  ele	
  mesmo	
  desconhece!	
  
ANJOS,	
  Augusto	
  dos.	
  O	
  lázaro	
  da	
  pátria.	
  Disponível	
  em:	
  hVp://pensador.uol.com.br/frase/NDU5ODU/	
  

                  soneto	
  decassílabo	
  que	
  relê	
  cri/camente	
  o	
  indianismo;	
  
o	
  locutor	
  se	
  solidariza	
  aos	
  excluídos	
  [aqui	
  representado	
  pelo	
  Lázaro	
  da	
  Pátria];	
  
           leitura	
  crí/ca	
  do	
  panorama	
  histórico-­‐social	
  da	
  República	
  Velha.	
  
AUGUSTO DOS ANJOS
                                        pré-modernismo
                                Vês!	
  Ninguém	
  assis/u	
  ao	
  formidável	
  
                                     Enterro	
  de	
  tua	
  úl/ma	
  quimera.	
  
                               Somente	
  a	
  Ingra/dão	
  –	
  esta	
  pantera	
  –	
  
                                    Foi	
  tua	
  companheira	
  inseparável!	
  
                                  Acostuma-­‐te	
  à	
  lama	
  que	
  te	
  espera!	
  
                               O	
  Homem,	
  que,	
  nesta	
  terra	
  miserável,	
  
                                    Mora,	
  entre	
  feras,	
  sente	
  inevitável	
  
                                    Necessidade	
  de	
  também	
  ser	
  fera.	
  
                               Toma	
  um	
  fósforo.	
  Acende	
  teu	
  cigarro!	
  
                               O	
  beijo,	
  amigo,	
  é	
  a	
  véspera	
  do	
  escarro,	
  
                          A	
  mão	
  que	
  afaga	
  é	
  a	
  mesma	
  que	
  apedreja.	
  
                          Se	
  a	
  alguém	
  causa	
  inda	
  pena	
  a	
  tua	
  chaga,	
  
                                 Apedreja	
  essa	
  mão	
  vil	
  que	
  te	
  afaga,	
  
                                     Escarra	
  nessa	
  boca	
  que	
  te	
  beija!	
  
ANJOS,	
  Augusto	
  dos.	
  Versos	
  ín/mos.	
  Disponível	
  em:	
  hVp://www.releituras.com/aanjos_versos.asp	
  

                   soneto	
  decassílabo	
  de	
  tom	
  veementemente	
  niilista	
  
                           niilismo:	
  visão	
  nega/va	
  da	
  existência	
  
                    niilismo:	
  crí/ca	
  à	
  visão	
  materialista	
  da	
  existência	
  
                                     metavsica	
  do	
  grotesco	
  
AUGUSTO DOS ANJOS
                                                pré-modernismo
                                    Eu,	
  filho	
  do	
  carbono	
  e	
  do	
  amoníaco,	
  
                                        Monstro	
  de	
  escuridão	
  e	
  ru/lância,	
  
                                    Sofro,	
  desde	
  a	
  epigênese	
  da	
  infância,	
  
                                   A	
  influência	
  má	
  dos	
  signos	
  do	
  zodíaco.	
  
                                    Profundissimamente	
  hipocondríaco,	
  
                                  Este	
  ambiente	
  me	
  causa	
  repugnância...	
  
                                 Sobe-­‐me	
  à	
  boca	
  uma	
  ânsia	
  análoga	
  à	
  ânsia	
  
                                  Que	
  se	
  escapa	
  da	
  boca	
  de	
  um	
  cardíaco.	
  
                                   Já	
  o	
  verme	
  –	
  este	
  operário	
  das	
  ruínas	
  –	
  	
  
                                    Que	
  o	
  sangue	
  podre	
  das	
  carnificinas	
  
                                  Come,	
  e	
  à	
  vida	
  em	
  geral	
  declara	
  guerra,	
  
                                 Anda	
  a	
  espreitar	
  meus	
  olhos	
  para	
  roê-­‐los,	
  
                                    E	
  há	
  de	
  deixar-­‐me	
  apenas	
  os	
  cabelos,	
  
                                            Na	
  frialdade	
  orgânica	
  da	
  terra!	
  
ANJOS,	
  Augusto	
  dos.	
  Psicologia	
  de	
  um	
  vencido.	
  Disponível	
  em:	
  hVp://www.releituras.com/aanjos_versos.asp	
  

                         soneto	
  decassílabo	
  de	
  tom	
  veementemente	
  niilista	
  
                                  preferência	
  por	
  vocabulário	
  an/poé/co	
  
                                       metáfora:	
  verme,	
  operário	
  das	
  ruínas	
  
 visão	
  segundo	
  a	
  qual	
  é	
  preciso	
  degradar-­‐se	
  até	
  o	
  fim	
  para	
  que	
  se	
  possa	
  transcender	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Danillo Rodrigues
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Jose Brito
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Dina Baptista
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a Cegueira
Ana Tapadas
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Maria da Paz
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Dina Baptista
 
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Alvaro de Campos
Alvaro de CamposAlvaro de Campos
Alvaro de Campos
aramalho340
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
ALYNNE FERREIRA
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ketlin Stringhini
 
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
eveelang
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
Custódia Rebocho
 
Dom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de AssisDom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de Assis
vestibular
 
Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. SaramagoEnsaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Dina Baptista
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Dina Baptista
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
Antónia Mancha
 
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de CamposExp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Rebeca Melo
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Stelian Ravas
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
luisprista
 

Mais procurados (20)

Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a Cegueira
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
 
Alvaro de Campos
Alvaro de CamposAlvaro de Campos
Alvaro de Campos
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
 
Dom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de AssisDom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de Assis
 
Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. SaramagoEnsaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de CamposExp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
 

Destaque

Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
ma.no.el.ne.ves
 
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
ma.no.el.ne.ves
 
Recordações do escrivão isaías caminha
Recordações do escrivão isaías caminhaRecordações do escrivão isaías caminha
Recordações do escrivão isaías caminha
ma.no.el.ne.ves
 
Questões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosQuestões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjos
ma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
ma.no.el.ne.ves
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
ma.no.el.ne.ves
 
Negrinha 3ª B - 2011
Negrinha 3ª B  -  2011Negrinha 3ª B  -  2011
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
Luis Bonfim
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
CrisBiagio
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
CrisBiagio
 
A esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos AnjosA esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos Anjos
Mima Badan
 
A engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúdeA engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúde
Danillo Rodrigues
 
História em quadrinho 6ºc 5
História em quadrinho    6ºc   5História em quadrinho    6ºc   5
História em quadrinho 6ºc 5
sansampa
 
Frida khalo
Frida khaloFrida khalo
Frida khalo
Helen Martines
 
t
tt
Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)
oyurifernandes
 
Análise comparativa
Análise comparativaAnálise comparativa
Análise comparativa
Josi Leão
 
3 8 graça aranha
3 8 graça aranha3 8 graça aranha
3 8 graça aranha
Luan02
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Marcílio Marinho
 
Musica Popular Brasileira
Musica Popular BrasileiraMusica Popular Brasileira
Musica Popular Brasileira
creaty
 

Destaque (20)

Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
 
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
 
Recordações do escrivão isaías caminha
Recordações do escrivão isaías caminhaRecordações do escrivão isaías caminha
Recordações do escrivão isaías caminha
 
Questões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosQuestões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjos
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
Negrinha 3ª B - 2011
Negrinha 3ª B  -  2011Negrinha 3ª B  -  2011
Negrinha 3ª B - 2011
 
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
A esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos AnjosA esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos Anjos
 
A engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúdeA engenharia aplicada à saúde
A engenharia aplicada à saúde
 
História em quadrinho 6ºc 5
História em quadrinho    6ºc   5História em quadrinho    6ºc   5
História em quadrinho 6ºc 5
 
Frida khalo
Frida khaloFrida khalo
Frida khalo
 
t
tt
t
 
Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)
 
Análise comparativa
Análise comparativaAnálise comparativa
Análise comparativa
 
3 8 graça aranha
3 8 graça aranha3 8 graça aranha
3 8 graça aranha
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
 
Musica Popular Brasileira
Musica Popular BrasileiraMusica Popular Brasileira
Musica Popular Brasileira
 

Semelhante a A poesia de augusto dos anjos

Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo motta
ma.no.el.ne.ves
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
Prof Palmito Rocha
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas  EuropeiasVanguardas  Europeias
Vanguardas Europeias
terceirob
 
Realismo naturalismo parnasianismo
Realismo naturalismo parnasianismoRealismo naturalismo parnasianismo
Realismo naturalismo parnasianismo
Andrezza Cameski
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
AdilsonSevero
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
franciscomoura710
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
Silvanasoares26
 
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
SarahAkaida
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
DanyelleRibeiro3
 
As vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.pptAs vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.ppt
AllanPatrick22
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhjModernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
LisandraSouza21
 
Análise de o homem e sua hora
Análise de o homem e sua horaAnálise de o homem e sua hora
Análise de o homem e sua hora
ma.no.el.ne.ves
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
FACETEG - UPE
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
CR Jesiel
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Fabio Melo
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
Shislaine Mary Carvalho
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
ma.no.el.ne.ves
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 

Semelhante a A poesia de augusto dos anjos (20)

Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo motta
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas  EuropeiasVanguardas  Europeias
Vanguardas Europeias
 
Realismo naturalismo parnasianismo
Realismo naturalismo parnasianismoRealismo naturalismo parnasianismo
Realismo naturalismo parnasianismo
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
 
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
 
As vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.pptAs vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.ppt
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhjModernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
Modernismo - 1ª Fase.ppt efkjebvbwvbwhjbvhj
 
Análise de o homem e sua hora
Análise de o homem e sua horaAnálise de o homem e sua hora
Análise de o homem e sua hora
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

A poesia de augusto dos anjos

  • 1. A poesia escatológica de Augusto dos Anjos Manoel Neves
  • 2. CONCEITOS pré-modernismo o que é período  de  transição  entre  es/los  do  final  do  século  XIX  e  a  Semana  de  Arte  Moderna  de  1922  
  • 3. MARCOS LITERÁRIOS pré-modernismo um período de transição Realismo   Pré-­‐Modernismo   Modernismo   Naturalismo   1902   1922   Parnasianismo   Canaã   realização  da   Simbolismo   Os  sertões   Semana  de  Arte  Moderna  
  • 4. TENDÊNCIAS DO INÍCIO DO SÉCULO XX pré-modernismo TENDÊNCIA  CONSERVADORA   TENDÊNCIA  RENOVADORA   mentalidade  posi/vista,  agnós/ca  e  liberal   aspectos  problemá/cos  da  realidade  social   es/lo  realista-­‐naturalista,  na  prosa   formalismo  linguís/co  [visão  predominante]   es/lo  parnasiano-­‐simbolista,  na  poesia   coloquialismo  transparente   Rui  Barbosa  e  Joaquim  Nabuco   autores  pré-­‐modernistas  
  • 5. ASPECTOS HISTÓRICOS pré-modernismo
  • 6. O RETRATO DE UM PAÍS OLIGÁRQUICO pré-modernismo ARISTOCRACIA  RURAL   ARISTOCRACIA  URBANA   interior  de  São  Paulo   capital  de  São  Paulo   Minas  Gerais   Rio  de  Janeiro  
  • 7. UM PERÍODO DE TENSÃO SOCIAL pré-modernismo Rebelião de Canudos, Bahia, 1896-1897; Ciclo do Cangaço, Nordeste, primeiras décadas do século XX; Revolução do Contestado; Santa Catarina, 1912-1916; Revolta da Vacina, Rio de Janeiro, 1904; Revolta da Chibata, Rio de Janeiro, 1910; Greve dos operários, São Paulo, 1917; República da Espada, 1889-1894.
  • 8. Revolta  da  Armada:  Soldados  do  quarto  batalhão  da  ar4lharia  da  Guarda  Nacional  posicionados  
  • 10. RJ  durante  a  Revolta  da  Vacina.  Fonte:  hVp://oriodean/gamente.blogspot.com/2011/01/praca-­‐da-­‐republica.html  
  • 11. Manifestação  de  Rua  durante  a  Greve  de  1917  em  São  Paulo.  
  • 12. Mulheres  e  crianças  feitas  prisioneiras  em  Canudos,  no  sertão  da  Bahia.  
  • 13. Foto  do  corpo  exumado  de  Antônio  Conselheiro.  
  • 14. Lampião,  o  rei  do  cangaço.  Fonte:  hVp://www.onne.com.br/materias/cult/2542/lampia%C2%A3o_e_maria_bonita_  
  • 15. Maria  Bonita.  Fonte:  hVp://www.eunapolis.ica.edu.br/informa/ca/Sites_Historia_EI_31/cangaco/Site/imagens/mb.html  
  • 16. À  direita,  João  Cândido,  o  Almirante  Negro,  líder  da  Revolta  da  Chibata.  
  • 17. AUGUSTO DOS ANJOS pré-modernismo temas visão  trágica  e  mórbida  da  existência;   pessimismo,  asco  ao  prazer  e  aproximação  do  grotesco.   linguagem inflexão  simbolista  [desejo  de  transcendência];   retórica  naturalista  [vocabulário  cien/ficista];   ranços  parnasianos  [apuro  formal]  
  • 18. AUGUSTO DOS ANJOS pré-modernismo Falas  de  amor,  e  eu  ouço  tudo  e  calo   O  amor  na  Humanidade  é  uma  men/ra.   E  é  por  isto  que  na  minha  lira   De  amores  fúteis  poucas  vezes  falo.   O  amor!  Quando  virei  por  fim  a  amá-­‐lo?!   Quando,  se  o  amor  que  a  Humanidade  inspira   É  o  amor  do  sibarita  e  da  hetaira,   De  Messalina  e  de  Sardanapalo?   Pois  é  mister  que,  para  o  amor  sagrado,   O  mundo  fique  imaterializado   —  Alavanca  desviada  do  seu  fulcro  —   E  haja  só  amizade  verdadeira   Duma  caveira  para  outra  caveira,   Do  meu  sepulcro  para  o  teu  sepulcro?!   ANJOS,  Augusto  dos.  Idealismo.  Disponível  em:  hVp://pensador.uol.com.br/frase/NDU5ODU/   soneto  decassílabo  no  qual  há  referências  à  História  e  à  Filosofia;   defesa  da  superioridade  da  Amizade  em  relação  ao  Amor  [herança  da  Grécia  An/ga];   crí/ca  ao  amor  vsico,  carnal,  sensual;   visão  elevada  [transcendental]  do  Amor  [caráter  simbolista].  
  • 19. AUGUSTO DOS ANJOS pré-modernismo Filho  podre  de  an/gos  Goitacases,   Em  qualquer  parte  onde  a  cabeça  ponha,   Deixa  circunferências  de  peçonha,   Marcas  oriundas  de  úlceras  e  antrazes.   Todos  os  cinocéfalos  vorazes   Cheiram  seu  corpo.  À  noite,  quando  sonha,   Sente  no  tórax  a  pressão  medonha   Do  bruto  embate  férreo  das  tenazes.   Mostra  aos  montes  e  aos  rígidos  rochedos   A  hedionda  elefanxase  dos  dedos...   Há  um  cansaço  no  Cosmos...  Anoitece.   Riem  as  meretrizes  no  Cassino,   E  o  Lázaro  caminha  em  seu  des/no   Para  um  fim  que  ele  mesmo  desconhece!   ANJOS,  Augusto  dos.  O  lázaro  da  pátria.  Disponível  em:  hVp://pensador.uol.com.br/frase/NDU5ODU/   soneto  decassílabo  que  relê  cri/camente  o  indianismo;   o  locutor  se  solidariza  aos  excluídos  [aqui  representado  pelo  Lázaro  da  Pátria];   leitura  crí/ca  do  panorama  histórico-­‐social  da  República  Velha.  
  • 20. AUGUSTO DOS ANJOS pré-modernismo Vês!  Ninguém  assis/u  ao  formidável   Enterro  de  tua  úl/ma  quimera.   Somente  a  Ingra/dão  –  esta  pantera  –   Foi  tua  companheira  inseparável!   Acostuma-­‐te  à  lama  que  te  espera!   O  Homem,  que,  nesta  terra  miserável,   Mora,  entre  feras,  sente  inevitável   Necessidade  de  também  ser  fera.   Toma  um  fósforo.  Acende  teu  cigarro!   O  beijo,  amigo,  é  a  véspera  do  escarro,   A  mão  que  afaga  é  a  mesma  que  apedreja.   Se  a  alguém  causa  inda  pena  a  tua  chaga,   Apedreja  essa  mão  vil  que  te  afaga,   Escarra  nessa  boca  que  te  beija!   ANJOS,  Augusto  dos.  Versos  ín/mos.  Disponível  em:  hVp://www.releituras.com/aanjos_versos.asp   soneto  decassílabo  de  tom  veementemente  niilista   niilismo:  visão  nega/va  da  existência   niilismo:  crí/ca  à  visão  materialista  da  existência   metavsica  do  grotesco  
  • 21. AUGUSTO DOS ANJOS pré-modernismo Eu,  filho  do  carbono  e  do  amoníaco,   Monstro  de  escuridão  e  ru/lância,   Sofro,  desde  a  epigênese  da  infância,   A  influência  má  dos  signos  do  zodíaco.   Profundissimamente  hipocondríaco,   Este  ambiente  me  causa  repugnância...   Sobe-­‐me  à  boca  uma  ânsia  análoga  à  ânsia   Que  se  escapa  da  boca  de  um  cardíaco.   Já  o  verme  –  este  operário  das  ruínas  –     Que  o  sangue  podre  das  carnificinas   Come,  e  à  vida  em  geral  declara  guerra,   Anda  a  espreitar  meus  olhos  para  roê-­‐los,   E  há  de  deixar-­‐me  apenas  os  cabelos,   Na  frialdade  orgânica  da  terra!   ANJOS,  Augusto  dos.  Psicologia  de  um  vencido.  Disponível  em:  hVp://www.releituras.com/aanjos_versos.asp   soneto  decassílabo  de  tom  veementemente  niilista   preferência  por  vocabulário  an/poé/co   metáfora:  verme,  operário  das  ruínas   visão  segundo  a  qual  é  preciso  degradar-­‐se  até  o  fim  para  que  se  possa  transcender