SlideShare uma empresa Scribd logo
FRIDA KAHLOFRIDA KAHLO
&&
AUGUSTO DOS ANJOSAUGUSTO DOS ANJOS
Biografia de Augusto dos AnjosBiografia de Augusto dos Anjos
• No Engenho Pau d’Arco, município de Cruz do Espírito Santo,
Estado da Paraíba, a 20 de abril de 1884, nasce Augusto de
Carvalho Rodrigues dos Anjos, terceiro filho de Alexandre
Rodrigues dos Anjos e D. Córdula de Carvalho Rodrigues dos
Anjos (Sinhá Mocinha).
• Em julho de 1914 é nomeado diretor do Grupo Escolar Ribeiro
Junqueira, de Leopoldina, em Minas Gerais. Toma posse, mas
vai exercer por pouco tempo esta nova função: acometido de
forte gripe, que vira pneumonia, falece em novembro desse
mesmo ano. Estava doente desde 30 de outubro e falece as
quatro horas da madrugada de 12 de novembro.
• Augusto dos Anjos também não foi reconhecido em vida por
seu trabalho. Os poemas e sonetos deste autor tinham uma
aura lúgubre, sombria, que sempre denotava dor, sofrimento e
morte. Com um vocabulário muito evoluído, conquistava as
mulheres, que acreditavam estar sendo lisonjeadas com
“palavras de amor”.
A obra do poetaA obra do poeta
• A poesia de Augusto dos Anjos é classificada como pré-
modernista pela época em que foi lançada (1912) misturam-se
componentes do:
• PARNASIANISMO: nos sonetos e poemas longos, destaca-se a
perfeição formal na composição de versos decassílabos,
sempre rigorosamente rimados.
• SIMBOLISMO exploração da camada fônica do verso, através
de aliterações, assonâncias e onomatopéias. O registro de
imagens pânicas (são freqüentes as cenas de pesadelos e
terrores noturnos), associado à concepção de que certos
mistérios não conseguem explicação científica satisfatória, são
outros traços simbolistas presentes nos textos do poeta.
• EXPRESSIONISMO: transfiguração da realidade através de
imagens bárbaras, cruéis, grotescas, permanentemente
angustiadas. Caracteriza-se pela deformação, pela violência
com que desenha as situações
Alguns poemas de Augusto dos AnjosAlguns poemas de Augusto dos Anjos
• “Budismo Moderno”
• “O Meu Nirvana”
• “Caixão Fantástico”
• “Versos a um Coveiro”
• “Versos Íntimos” (o poeta revela o que se passa
no íntimo do “eu-lírico”)
• “A Peste” (a peste: doença contagiosa, epidêmica
que acarreta grande mortandade)
• “Vandalismo” (destruição do que é respeitável
pelas suas tradições, antigüidade ou beleza)
Contexto Histórico de Augusto dos
Anjos e Frida Kahlo
• Assim como Frida, que sofreu quatro abortos (1930,
1932, 1934 e 1947), Augusto dos Anjos sofreu com a
perda de um filho. Este teria nascido morto com 07
meses incompletos ao dia 02 de fevereiro de 1911.
Augusto sentia também como Frida muito dor. Sua
doença o levou a ser descrito como tendo “magreza
esquálida, faces reentrantes, olhos fundos, olheiras
violáceas e testa descalvada”. A forte gripe que
evoluiu para uma pneumonia o levou muito jovem,
com 30 anos, apenas. De modo semelhante, Frida
Kahlo, teve muitos problemas de saúde, sendo
obrigada a conviver com a dor, uma constante em
sua vida.
Analogia entre artistas
• Pablo Picasso, Salvador Dalí, Augusto
dos Anjos e Frida Kahlo chocaram o
público com suas obras. Todos esses
artistas tiveram fases de extrema
solidão e melancolia em suas vidas.
PABLO PICASSO
• Picasso perdeu seu melhor amigo e estava quase
passando fome numa fase que os estudiosos
denominam “fase azul”.
• A “fase rosa” de Picasso marca sua paixão por uma
moça chamada Fernanda. Porém, foi com o Cubismo
que Picasso mais impressionou as pessoas.
SALVADOR DALÍ
• Salvador Dalí também pintava imagens difíceis de ser
entendidas. O estilo mais presente nas obras de Dalí é
o Surrealismo, mesmo não fazendo parte dele
inteiramente.
• Seus pais o tratavam como se fosse o seu primeiro
irmão, que havia falecido, também chamado Salvador.
Como era super protegido, sentia muito medo e fazia
tudo para chamar a atenção, como por exemplo, depois
de adulto, chegou a um evento numa limusine cheias
de couves-flores, ou quando falou sobre sua arte
usando um escafandro.
Frida kahlo
• Frida Kahlo, outra incompreendida em sua época,
retratou com profunda sensibilidade a dor e a solidão
que sentia. Sofre muito com a paixão por Diego Riviera,
adúltero confesso.
• Fez muitos auto-retratos na época de seu acidente, pois
olhava no espelho e pintava deitada, utilizando um
cavalete especial e as tintas e os pincéis do pai,
Guilhermo Wilhelm Kahlo.
• Pinta “La columna rota” em que faz referências
explícitas à sua coluna e aos problemas que trazia
consigo. A obra é permeada de dor e transmite por
seus “poros” a profunda solidão da pintora.
• E, também como Dali, Frida tem sua obra
caracterizada como surrealista, apesar de ambos
não acharem o mesmo. Frida disse:
• “-Pensaram que eu era surrealista, mas
eu não era. Pintava a minha própria
realidade”.
• Assim como Dali, Frida não se prende durante a vida
na obra pictórica a priori. A artista também produz um
poema entregue ao casal amigo Lina e Arcady Boytler,
que arcam com as despesas de uma cirurgia.
• O poema foi anexado à obra “La Venadita” ou “El
venado herido”, na qual é retratados um veado com a
cabeça coroada por uma enorme galhada, em alusão a
São Sebastião e seu martírio.
“El venado herido”
• Solito andaba el venado
• rete, triste, y muy herido,
• hasta que en Arcady y Lina
• Encontró calor y nido.
• Cuando el venado regrese
• fuerte, alegre y aliviado,
• las heridas que ahora lleva
• todas se le habrán borrado.
• Gracias, niños de mi vida,
• Gracias por tanto consuelo,
• en el bosque del venado
• ya se está aclarando el cielo.
• Ahi les dejo mi retrato
• pa’ que me tengam presente,
• todos los dias y las noches,
• que de ustedes yo me
ausente.
• La tristeza se retrata
• en todita mi pintura
• pero asi es mi pintura
• pero asi es mi condición
• ya no tengo compostura.
• Sin embargo, la alegria
• la llevo en mi corazón
• sabiendo que Arcady y Lina
• me quieren tal como soy.
• Acepten este cuadrito
• Pintado con mi ternura
• A cambio de su cariño
• Y de su inmensa dulzura.
• Augusto dos Anjos também não foi
reconhecido em vida por seu trabalho. Os
poemas e sonetos deste autor tinham uma
aura lúgubre, sombria, que sempre denotava
dor, sofrimento e morte. Com um vocabulário
muito evoluído, conquistava as mulheres,
que acreditavam estar sendo lisonjeadas
com “palavras de amor”.
• O mais interessante a ser observado é que,
tanto Frida quanto Salvador Dali,
conheceram Pablo Picasso. Dali o conheceu
numa de suas muitas viagens à Paris,
França.
• E Frida, quando pinta o “Autorretrato com colar
de espinas” para Dr. Eloesser, que tratou de sua
infestação de fungos em sua mão direita, retrata
seu brinco em forma de mão, dado por Picasso e
que, de acordo com Lígia Assumpção Amaral,
pode ser visto como componente de um ‘milagro’,
oferenda votiva concretizada em objeto de cera ou
outro material, oferecida em agradecimento por
um milagre.
• “Os espinhos, na cultura mexicana pré-
colombiana, simbolizam dor e libertação”.
Análise e paralelo das obras de Frida Kahlo com o poemaAnálise e paralelo das obras de Frida Kahlo com o poema
“Budismo Moderno” de Augusto dos Anjos“Budismo Moderno” de Augusto dos Anjos
Tome, Dr., esta tesoura e... corte[1]
Minha singularíssima pessoa.
Que importa a mim que a bicharia roa[2]
Todo o meu coração depois da morte?![3]
Ah! Um urubu pousou na minha sorte![4]
Também, das diatomáceas da lagoa
A criptógama* cápsula se esbroa**
Ao contrato de bronca destra forte![5]
Dissolva-se, portanto, minha vida
Igualmente a uma célula caída
Na aberração de um óvulo infecundo;[6]
Mas o agregado abstrato das saudades
Fique batendo nas perpétuas grades
Do último verso que eu fizer no mundo![7]
• [1] várias cirurgias
• [2] autofagia
• [3] Augusto diferente de Frida. Ela foi cremada a seu
pedido. (vide obra e comentário “Anjo em Chamas”- 1951,
de Herrera em 14/07/1954).
• [4] associação ao que é sórdido, ou as vivências
desagradáveis de Frida (abortos; caso de Diego com
Cristina, sua irmã mais nova; cirurgias; dor; amputações e
outros).
• * diatomáceas: microorganismos que têm capacidade de
sintetizar substâncias orgânicas com base em ignorâncias.
São providos de uma rígida carapaça silicosa formada por
duas valvas que se encaixam. Vivem tanto em água doce,
como salgada.
• ** criptógama: vegetal que não se reproduz por meio de
flores e que, para tanto, utiliza-se de órgãos difíceis de
serem vistos a olho nu. Plantas criptógamas são algas, ou
fungos, os líquens, os musgos.
• *** esbroa: se reduz a pó.
• [5] para Augusto, “bronca destra forte” faz
referência à desagregação do vegetal para sugerir a
dissolução humana.
• [6] Frida: 04 abortos / Augusto dos Anjos: natimorto,
e mais tarde o nascimento de dois filhos.
• [7] Exposição individual de Frida: mesmo acamada,
ela comparece à Galeria de Arte Contemporânea, no
México, dirigida por Lola Alvarez Bravo, em abril de
1953, o que demonstrou o peso do reconhecimento
de sua competência. Para Augusto dos Anjos:
expressão do anseio profundo da umidade, pureza e
inocência que se perderam num mundo de “cara
quebrada”, numa época tão sufocante que os
homens não conseguem mais suportar o
apodrecimento que exala uma civilização decadente,
da qual eles mesmos fazem parte.
O desmame do móvel alimento”, 1934 – Salvador DalíO desmame do móvel alimento”, 1934 – Salvador Dalí
Nesta obra, podemos vislumbrar uma Frida Kahlo,
só, tendo tronco amparado por um cavalete, em
alusão aos seus constantes problemas na coluna
vertebral.
• No extremo canto direito, sobre uma mesinha, pode-
se ver uma garrafa que poderia nos levar a lembrar
da fase, “pós-divórcio de Diego Rivera”, em que
Frida alcooliza-se com freqüência e mantêm
relações sexuais com pessoas de ambos os sexos.
““Prazeres Iluminados”, 1929 – Salvador DalíPrazeres Iluminados”, 1929 – Salvador Dalí
• Há, nessa obra, uma mulher que
aparenta estar sendo “presa” sob as
mãos de um homem. Esta mulher daí
de algo que lembra uma poça d’ água.
Ela parece desejar subir à superfície. O
homem, por conseguinte, a segura,
empurrando-a na direção contrária.
• À direita, homens de terno e barba
andam de bicicleta, equilibrando o
que parecem ser ovos sobre suas
cabeças. Frida, de descendência
alemã por parte de pai, se judia,
poderíamos traçar um paralelo entre
a fragilidade dos ovos na cabeça
destas pessoas e a fragilidade dos
judeus nos campos de concentração,
como é o exemplo de Olga Benário,
esposa de Luís Carlos Prestes, que
foi extraditada para a Alemanha. Se
Frida não é judia, é possível
pensarmos que ela sentia repulsa
pelos crimes hediondos cometidos
pelo líder nazista Adolf Hitler.
“Mulher no Espelho”, 1932 – Pablo Picasso
• Esta obra de Picasso, “pai do Cubismo”, retrata uma
mulher olhando-se no espelho. A mulher tem os dois
lados do rosto diferentes, nos levando a pensar das
duas faces que uma mesma pessoa pode apresentar,
como Frida Kahlo, Vicent Van Gogh e Mark Rothko, que
sofriam do chamado “transtorno bipolar”.
• A Psicologia denomina “transtorno bipolar” as
oscilações constantes de humor que uma pessoa muito
depressiva pode sofrer. Este aspecto depressivo, se
não tratado, leva a tentativas de suicídio, como a
provável de Frida Kahlo, ocorrida em fevereiro de 1954,
seis meses após a amputação de sua perna direita até
o joelho.
• Frida Kahlo, de modo semelhante a Picasso, faz
muitos auto-retratos em que pinta “duas Fridas”
antagônicas. Esse dualismo cartesiano presente nas
obras de Frida fica muito evidente nos seguintes
quadros: “Arbol de la esperanza mantente firme” e
“Las dos Fridas”.
Relação dos abortos de Frida Kahlo com Augusto
dos Anjos.
Augusto dos Anjos escreve em homenagem ao
seu primeiro filho, nascido morto com sete
meses incompletos em 02 de fevereiro de 1911,
um poema intitulado “Soneto”.
Neste soneto podemos facilmente visualizar a
dor sentida por Augusto dos Anjos e o que
significa para mulher vivenciar a perda de um
filho. É doloroso em duplo sentido – no sentido
da dor literal e na dor da tristeza, e da
impotência, conforme vimos no filme “Frida”.
Agregado infeliz de sangue e cal,
Fruto rubro de carne agonizante,
Filho da grande força fecundante
De minha brônzea trama neuronial,
Que poder embriológico fatal
Destruiu, com a sinergia de um gigante,
Em tua morfogênese de infante
A minha morfogênese ancestral?!
Porção de minha plásmica substância,
Em que lugar irás passar a infância,
Tragicamente anônimo, a feder?!
Ah! Possas tu dormir, feto esquecido,
Panteisticamente dissolvido
Na noumenalidade do NÃO SER!
Adriana Calcanhoto e Frida
Kahlo
• A cantora de MPB, Adriana Calcanhoto cita, em
sua música “Esquadros”, o nome de Frida
Kahlo. E, com uma melodia forte e marcante,
podemos analisar a música “Senhas” e
compará-la com a vida de Frida.
•
ESQUADROS
• Eu ando pelo mundo
prestando atenção
• Em cores que eu não
sei o nome
• Cores de Almodóvar
• Cores de Frida Kahlo,
cores
• Passeio pelo escuro
• Eu presto muita
atenção no que meu
irmão ouve
• E como uma segunda
pele, um calo, uma
casca
• Uma cápsula protetora
• Eu quero chegar antes
• Pra sinalizar o estar de
cada coisa
• Filtrar seus graus
• Eu ando pelo mundo
divertindo gente
• Chorando ao telefone
• E vendo doer a fome nos
meninos que têm fome
• Pela janela do quarto
• Pela janela do carro
• Pela tela, pela janela
• (Quem é ela, quem é ela?)
• Eu vejo tudo enquadrado
• Remoto controle
• Eu ando pelo mundo
• E nos automóveis
correm pra quê?
• As crianças correm
para onde?
• Transito entre dois
lados de um lado
• Eu gosto de opostos
• Exponho o meu modo,
me mostro
• Eu canto para quem?
• Pela janela do quarto
• Pela janela do carro
• Pela tela, pela janela...
• Eu ando pelo mundo e
• meus amigos, cadê?
• Minha alegria, meu
cansaço?
• Meu amor, cadê você?
• Eu acordei
• Não tem ninguém ao lado
• Pela janela o quarto...
• Pela janela do carro
• Pela tela, pela janela
• (Quem é ela, quem é ela?)
• Eu vejo tudo enquadrado
• Remoto controle
SENHAS
• Eu não gosto do bom gosto
• Eu não gosto de bom senso
• Eu não gosto dos bons modos
• Não gosto
• Eu agüento até rigores
• Eu não tenho pena dos traídos
• Eu hospedo infratores e banidos
• Eu respeito conveniências
• Eu não ligo pra conchavos
• Eu suporto aparências
• Eu não gosto de maus tratos
• Mas o que eu não gosto é do bom
gosto
• Eu não gosto do bom senso
• Eu não gosto dos bons modos
• Não gosto
• Eu agüento até os modernos
• E seus segundos cadernos
• Eu agüento até os caretas
• E suas verdades perfeitas
• O que eu não gosto é do bom
gosto
• Eu não gosto do bom senso
• Eu não gosto dos bons modos
• Não gosto
• Eu agüento até os estetas
• Eu não julgo competência
• Eu não ligo pra etiqueta
• Eu aplaudo rebeldias
• Eu respeito tiranias
• E compreendo piedades
• Eu não condeno mentiras
• Eu não condeno vaidades
• O que eu não gosto é do bom
gosto
• Eu não gosto de bom senso
• Não, não gosto dos bons modos
• Não gosto
• Eu gosto dos que têm fome
• Dos que morrem de vontade
• Dos que secam de desejo
• Dos que ardem...
“Viva la Vida” – Frida Kahlo
“Espero alegre la
salida y
espero no volver
jamás”
INTEGRANTES DO GRUPO
Eliete
Cinthia
Helen
Kellen
Natali
Virginia
FIM DA
APRESENTAÇÃO
Frida khalo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Universidade Federal de Roraima
 
2º momento modernista poema
2º momento modernista   poema2º momento modernista   poema
2º momento modernista poema
Cicero Luciano
 
Rachel de queiroz - Pesquisa 302
Rachel de queiroz - Pesquisa 302Rachel de queiroz - Pesquisa 302
Rachel de queiroz - Pesquisa 302
Júnior Souza
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
Cláudia Heloísa
 
Geração de 30
Geração de 30Geração de 30
Geração de 30
Karina Cunha
 
Rachel de queiroz
Rachel de queirozRachel de queiroz
Rachel de queiroz
WolfProjects
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Paula Meyer Piagentini
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZSEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
Marcelo Fernandes
 
Modernismo Brasileiro 1ª geração
Modernismo Brasileiro 1ª geraçãoModernismo Brasileiro 1ª geração
Modernismo Brasileiro 1ª geração
Tim Bagatelas
 
Os bruzundangas
Os bruzundangasOs bruzundangas
Os bruzundangas
Ana Batista
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
efraim01
 
Semana de Arte Moderna - Professora Vivian Trombini
Semana de Arte Moderna - Professora Vivian TrombiniSemana de Arte Moderna - Professora Vivian Trombini
Semana de Arte Moderna - Professora Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
newtonbonfim
 
Rachel de queiroz
Rachel de queirozRachel de queiroz
Rachel de queiroz
Laíza Krul Kuryluk
 
Modernismo brasil
Modernismo brasilModernismo brasil
Modernismo brasil
Dante Napoli
 
Raquel de queiroz
Raquel de queirozRaquel de queiroz
Raquel de queiroz
Larissa Silva
 
Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz
Larissa Silva
 
Poesia e identidade em oswald de andrade
Poesia e identidade em oswald de andradePoesia e identidade em oswald de andrade
Poesia e identidade em oswald de andrade
ma.no.el.ne.ves
 
A poética modernista de mário de andrade
A poética modernista de mário de andradeA poética modernista de mário de andrade
A poética modernista de mário de andrade
ma.no.el.ne.ves
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
Ana Batista
 

Mais procurados (20)

Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
 
2º momento modernista poema
2º momento modernista   poema2º momento modernista   poema
2º momento modernista poema
 
Rachel de queiroz - Pesquisa 302
Rachel de queiroz - Pesquisa 302Rachel de queiroz - Pesquisa 302
Rachel de queiroz - Pesquisa 302
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
Geração de 30
Geração de 30Geração de 30
Geração de 30
 
Rachel de queiroz
Rachel de queirozRachel de queiroz
Rachel de queiroz
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZSEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
 
Modernismo Brasileiro 1ª geração
Modernismo Brasileiro 1ª geraçãoModernismo Brasileiro 1ª geração
Modernismo Brasileiro 1ª geração
 
Os bruzundangas
Os bruzundangasOs bruzundangas
Os bruzundangas
 
Primeira geração
Primeira geraçãoPrimeira geração
Primeira geração
 
Semana de Arte Moderna - Professora Vivian Trombini
Semana de Arte Moderna - Professora Vivian TrombiniSemana de Arte Moderna - Professora Vivian Trombini
Semana de Arte Moderna - Professora Vivian Trombini
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Rachel de queiroz
Rachel de queirozRachel de queiroz
Rachel de queiroz
 
Modernismo brasil
Modernismo brasilModernismo brasil
Modernismo brasil
 
Raquel de queiroz
Raquel de queirozRaquel de queiroz
Raquel de queiroz
 
Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz
 
Poesia e identidade em oswald de andrade
Poesia e identidade em oswald de andradePoesia e identidade em oswald de andrade
Poesia e identidade em oswald de andrade
 
A poética modernista de mário de andrade
A poética modernista de mário de andradeA poética modernista de mário de andrade
A poética modernista de mário de andrade
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 

Destaque

Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
Maria D'
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
Sarah Fernandes Mendonça
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
Celia Loaiza
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
Angela last
 
PresentaciòN Frida Kahlo
PresentaciòN Frida KahloPresentaciòN Frida Kahlo
PresentaciòN Frida Kahlo
almakaren
 
A esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos AnjosA esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos Anjos
Mima Badan
 
Frida
FridaFrida
Frida kahlo
Frida kahloFrida kahlo
Frida kahlo
Mima Badan
 
El quijote
El quijoteEl quijote
El quijote
ceipcoiron
 
Augusto
AugustoAugusto
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
Luis Bonfim
 
Cortázar
CortázarCortázar
Cortázar
Fran Sánchez
 
Don quijote de la mancha , ese hidalgo
Don quijote de la mancha , ese hidalgoDon quijote de la mancha , ese hidalgo
Don quijote de la mancha , ese hidalgo
albamariagomariz
 
História em quadrinho 6ºc 5
História em quadrinho    6ºc   5História em quadrinho    6ºc   5
História em quadrinho 6ºc 5
sansampa
 
D. Quijote. Capítulo IX
D. Quijote. Capítulo IXD. Quijote. Capítulo IX
D. Quijote. Capítulo IX
Paulinita10
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
Franco Sena Jr.
 
A poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosA poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjos
ma.no.el.ne.ves
 
t
tt
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
ma.no.el.ne.ves
 

Destaque (20)

Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
 
PresentaciòN Frida Kahlo
PresentaciòN Frida KahloPresentaciòN Frida Kahlo
PresentaciòN Frida Kahlo
 
A esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos AnjosA esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos Anjos
 
Frida
FridaFrida
Frida
 
Frida kahlo
Frida kahloFrida kahlo
Frida kahlo
 
El quijote
El quijoteEl quijote
El quijote
 
Augusto
AugustoAugusto
Augusto
 
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
 
Cortázar
CortázarCortázar
Cortázar
 
Don quijote de la mancha , ese hidalgo
Don quijote de la mancha , ese hidalgoDon quijote de la mancha , ese hidalgo
Don quijote de la mancha , ese hidalgo
 
História em quadrinho 6ºc 5
História em quadrinho    6ºc   5História em quadrinho    6ºc   5
História em quadrinho 6ºc 5
 
D. Quijote. Capítulo IX
D. Quijote. Capítulo IXD. Quijote. Capítulo IX
D. Quijote. Capítulo IX
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
A poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosA poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjos
 
t
tt
t
 
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
 

Semelhante a Frida khalo

Literatura Catarinense
Literatura CatarinenseLiteratura Catarinense
Literatura Catarinense
Marilene dos Santos
 
Festa Modernista - Tarsila e Oswald
Festa Modernista - Tarsila e OswaldFesta Modernista - Tarsila e Oswald
Festa Modernista - Tarsila e Oswald
Letícia Borges
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosCastro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Evaí Oliveira
 
João da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinenseJoão da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinense
Marilene dos Santos
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
luisprista
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Richard Lincont
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º b
teresakashino
 
Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...
Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...
Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...
Ana Vilela
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
klaudia60
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
Ana Borges
 
Cultura dia 18 março-2015
Cultura dia 18 março-2015Cultura dia 18 março-2015
Cultura dia 18 março-2015
Ana_Blogue
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Walace Cestari
 
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldoQorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Gladis Maia
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
AndrPlez1
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
CrisBiagio
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
CrisBiagio
 
Realismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / Simbolismo
Realismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / SimbolismoRealismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / Simbolismo
Realismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / Simbolismo
Paula Meyer Piagentini
 

Semelhante a Frida khalo (20)

Literatura Catarinense
Literatura CatarinenseLiteratura Catarinense
Literatura Catarinense
 
Festa Modernista - Tarsila e Oswald
Festa Modernista - Tarsila e OswaldFesta Modernista - Tarsila e Oswald
Festa Modernista - Tarsila e Oswald
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosCastro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
 
João da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinenseJoão da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinense
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 123-124
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 121-122
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º b
 
Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...
Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...
Dissertação de mestrado, UnB: "Restauração de uma menina morta: Da ausência à...
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
 
Cultura dia 18 março-2015
Cultura dia 18 março-2015Cultura dia 18 março-2015
Cultura dia 18 março-2015
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
 
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldoQorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Realismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / Simbolismo
Realismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / SimbolismoRealismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / Simbolismo
Realismo / Naturalismo / Impressionismo / Parnasianismo / Simbolismo
 

Frida khalo

  • 1. FRIDA KAHLOFRIDA KAHLO && AUGUSTO DOS ANJOSAUGUSTO DOS ANJOS
  • 2. Biografia de Augusto dos AnjosBiografia de Augusto dos Anjos • No Engenho Pau d’Arco, município de Cruz do Espírito Santo, Estado da Paraíba, a 20 de abril de 1884, nasce Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos, terceiro filho de Alexandre Rodrigues dos Anjos e D. Córdula de Carvalho Rodrigues dos Anjos (Sinhá Mocinha). • Em julho de 1914 é nomeado diretor do Grupo Escolar Ribeiro Junqueira, de Leopoldina, em Minas Gerais. Toma posse, mas vai exercer por pouco tempo esta nova função: acometido de forte gripe, que vira pneumonia, falece em novembro desse mesmo ano. Estava doente desde 30 de outubro e falece as quatro horas da madrugada de 12 de novembro. • Augusto dos Anjos também não foi reconhecido em vida por seu trabalho. Os poemas e sonetos deste autor tinham uma aura lúgubre, sombria, que sempre denotava dor, sofrimento e morte. Com um vocabulário muito evoluído, conquistava as mulheres, que acreditavam estar sendo lisonjeadas com “palavras de amor”.
  • 3. A obra do poetaA obra do poeta • A poesia de Augusto dos Anjos é classificada como pré- modernista pela época em que foi lançada (1912) misturam-se componentes do: • PARNASIANISMO: nos sonetos e poemas longos, destaca-se a perfeição formal na composição de versos decassílabos, sempre rigorosamente rimados. • SIMBOLISMO exploração da camada fônica do verso, através de aliterações, assonâncias e onomatopéias. O registro de imagens pânicas (são freqüentes as cenas de pesadelos e terrores noturnos), associado à concepção de que certos mistérios não conseguem explicação científica satisfatória, são outros traços simbolistas presentes nos textos do poeta. • EXPRESSIONISMO: transfiguração da realidade através de imagens bárbaras, cruéis, grotescas, permanentemente angustiadas. Caracteriza-se pela deformação, pela violência com que desenha as situações
  • 4. Alguns poemas de Augusto dos AnjosAlguns poemas de Augusto dos Anjos • “Budismo Moderno” • “O Meu Nirvana” • “Caixão Fantástico” • “Versos a um Coveiro” • “Versos Íntimos” (o poeta revela o que se passa no íntimo do “eu-lírico”) • “A Peste” (a peste: doença contagiosa, epidêmica que acarreta grande mortandade) • “Vandalismo” (destruição do que é respeitável pelas suas tradições, antigüidade ou beleza)
  • 5.
  • 6. Contexto Histórico de Augusto dos Anjos e Frida Kahlo • Assim como Frida, que sofreu quatro abortos (1930, 1932, 1934 e 1947), Augusto dos Anjos sofreu com a perda de um filho. Este teria nascido morto com 07 meses incompletos ao dia 02 de fevereiro de 1911. Augusto sentia também como Frida muito dor. Sua doença o levou a ser descrito como tendo “magreza esquálida, faces reentrantes, olhos fundos, olheiras violáceas e testa descalvada”. A forte gripe que evoluiu para uma pneumonia o levou muito jovem, com 30 anos, apenas. De modo semelhante, Frida Kahlo, teve muitos problemas de saúde, sendo obrigada a conviver com a dor, uma constante em sua vida.
  • 7. Analogia entre artistas • Pablo Picasso, Salvador Dalí, Augusto dos Anjos e Frida Kahlo chocaram o público com suas obras. Todos esses artistas tiveram fases de extrema solidão e melancolia em suas vidas.
  • 8. PABLO PICASSO • Picasso perdeu seu melhor amigo e estava quase passando fome numa fase que os estudiosos denominam “fase azul”. • A “fase rosa” de Picasso marca sua paixão por uma moça chamada Fernanda. Porém, foi com o Cubismo que Picasso mais impressionou as pessoas.
  • 9. SALVADOR DALÍ • Salvador Dalí também pintava imagens difíceis de ser entendidas. O estilo mais presente nas obras de Dalí é o Surrealismo, mesmo não fazendo parte dele inteiramente. • Seus pais o tratavam como se fosse o seu primeiro irmão, que havia falecido, também chamado Salvador. Como era super protegido, sentia muito medo e fazia tudo para chamar a atenção, como por exemplo, depois de adulto, chegou a um evento numa limusine cheias de couves-flores, ou quando falou sobre sua arte usando um escafandro.
  • 10. Frida kahlo • Frida Kahlo, outra incompreendida em sua época, retratou com profunda sensibilidade a dor e a solidão que sentia. Sofre muito com a paixão por Diego Riviera, adúltero confesso. • Fez muitos auto-retratos na época de seu acidente, pois olhava no espelho e pintava deitada, utilizando um cavalete especial e as tintas e os pincéis do pai, Guilhermo Wilhelm Kahlo.
  • 11. • Pinta “La columna rota” em que faz referências explícitas à sua coluna e aos problemas que trazia consigo. A obra é permeada de dor e transmite por seus “poros” a profunda solidão da pintora. • E, também como Dali, Frida tem sua obra caracterizada como surrealista, apesar de ambos não acharem o mesmo. Frida disse: • “-Pensaram que eu era surrealista, mas eu não era. Pintava a minha própria realidade”.
  • 12. • Assim como Dali, Frida não se prende durante a vida na obra pictórica a priori. A artista também produz um poema entregue ao casal amigo Lina e Arcady Boytler, que arcam com as despesas de uma cirurgia. • O poema foi anexado à obra “La Venadita” ou “El venado herido”, na qual é retratados um veado com a cabeça coroada por uma enorme galhada, em alusão a São Sebastião e seu martírio.
  • 13. “El venado herido” • Solito andaba el venado • rete, triste, y muy herido, • hasta que en Arcady y Lina • Encontró calor y nido. • Cuando el venado regrese • fuerte, alegre y aliviado, • las heridas que ahora lleva • todas se le habrán borrado. • Gracias, niños de mi vida, • Gracias por tanto consuelo, • en el bosque del venado • ya se está aclarando el cielo. • Ahi les dejo mi retrato • pa’ que me tengam presente, • todos los dias y las noches, • que de ustedes yo me ausente. • La tristeza se retrata • en todita mi pintura • pero asi es mi pintura • pero asi es mi condición • ya no tengo compostura. • Sin embargo, la alegria • la llevo en mi corazón • sabiendo que Arcady y Lina • me quieren tal como soy. • Acepten este cuadrito • Pintado con mi ternura • A cambio de su cariño • Y de su inmensa dulzura.
  • 14. • Augusto dos Anjos também não foi reconhecido em vida por seu trabalho. Os poemas e sonetos deste autor tinham uma aura lúgubre, sombria, que sempre denotava dor, sofrimento e morte. Com um vocabulário muito evoluído, conquistava as mulheres, que acreditavam estar sendo lisonjeadas com “palavras de amor”. • O mais interessante a ser observado é que, tanto Frida quanto Salvador Dali, conheceram Pablo Picasso. Dali o conheceu numa de suas muitas viagens à Paris, França.
  • 15. • E Frida, quando pinta o “Autorretrato com colar de espinas” para Dr. Eloesser, que tratou de sua infestação de fungos em sua mão direita, retrata seu brinco em forma de mão, dado por Picasso e que, de acordo com Lígia Assumpção Amaral, pode ser visto como componente de um ‘milagro’, oferenda votiva concretizada em objeto de cera ou outro material, oferecida em agradecimento por um milagre. • “Os espinhos, na cultura mexicana pré- colombiana, simbolizam dor e libertação”.
  • 16. Análise e paralelo das obras de Frida Kahlo com o poemaAnálise e paralelo das obras de Frida Kahlo com o poema “Budismo Moderno” de Augusto dos Anjos“Budismo Moderno” de Augusto dos Anjos Tome, Dr., esta tesoura e... corte[1] Minha singularíssima pessoa. Que importa a mim que a bicharia roa[2] Todo o meu coração depois da morte?![3] Ah! Um urubu pousou na minha sorte![4] Também, das diatomáceas da lagoa A criptógama* cápsula se esbroa** Ao contrato de bronca destra forte![5] Dissolva-se, portanto, minha vida Igualmente a uma célula caída Na aberração de um óvulo infecundo;[6] Mas o agregado abstrato das saudades Fique batendo nas perpétuas grades Do último verso que eu fizer no mundo![7]
  • 17. • [1] várias cirurgias • [2] autofagia • [3] Augusto diferente de Frida. Ela foi cremada a seu pedido. (vide obra e comentário “Anjo em Chamas”- 1951, de Herrera em 14/07/1954). • [4] associação ao que é sórdido, ou as vivências desagradáveis de Frida (abortos; caso de Diego com Cristina, sua irmã mais nova; cirurgias; dor; amputações e outros). • * diatomáceas: microorganismos que têm capacidade de sintetizar substâncias orgânicas com base em ignorâncias. São providos de uma rígida carapaça silicosa formada por duas valvas que se encaixam. Vivem tanto em água doce, como salgada. • ** criptógama: vegetal que não se reproduz por meio de flores e que, para tanto, utiliza-se de órgãos difíceis de serem vistos a olho nu. Plantas criptógamas são algas, ou fungos, os líquens, os musgos. • *** esbroa: se reduz a pó.
  • 18. • [5] para Augusto, “bronca destra forte” faz referência à desagregação do vegetal para sugerir a dissolução humana. • [6] Frida: 04 abortos / Augusto dos Anjos: natimorto, e mais tarde o nascimento de dois filhos. • [7] Exposição individual de Frida: mesmo acamada, ela comparece à Galeria de Arte Contemporânea, no México, dirigida por Lola Alvarez Bravo, em abril de 1953, o que demonstrou o peso do reconhecimento de sua competência. Para Augusto dos Anjos: expressão do anseio profundo da umidade, pureza e inocência que se perderam num mundo de “cara quebrada”, numa época tão sufocante que os homens não conseguem mais suportar o apodrecimento que exala uma civilização decadente, da qual eles mesmos fazem parte.
  • 19. O desmame do móvel alimento”, 1934 – Salvador DalíO desmame do móvel alimento”, 1934 – Salvador Dalí Nesta obra, podemos vislumbrar uma Frida Kahlo, só, tendo tronco amparado por um cavalete, em alusão aos seus constantes problemas na coluna vertebral.
  • 20. • No extremo canto direito, sobre uma mesinha, pode- se ver uma garrafa que poderia nos levar a lembrar da fase, “pós-divórcio de Diego Rivera”, em que Frida alcooliza-se com freqüência e mantêm relações sexuais com pessoas de ambos os sexos.
  • 21. ““Prazeres Iluminados”, 1929 – Salvador DalíPrazeres Iluminados”, 1929 – Salvador Dalí • Há, nessa obra, uma mulher que aparenta estar sendo “presa” sob as mãos de um homem. Esta mulher daí de algo que lembra uma poça d’ água. Ela parece desejar subir à superfície. O homem, por conseguinte, a segura, empurrando-a na direção contrária.
  • 22. • À direita, homens de terno e barba andam de bicicleta, equilibrando o que parecem ser ovos sobre suas cabeças. Frida, de descendência alemã por parte de pai, se judia, poderíamos traçar um paralelo entre a fragilidade dos ovos na cabeça destas pessoas e a fragilidade dos judeus nos campos de concentração, como é o exemplo de Olga Benário, esposa de Luís Carlos Prestes, que foi extraditada para a Alemanha. Se Frida não é judia, é possível pensarmos que ela sentia repulsa pelos crimes hediondos cometidos pelo líder nazista Adolf Hitler.
  • 23. “Mulher no Espelho”, 1932 – Pablo Picasso • Esta obra de Picasso, “pai do Cubismo”, retrata uma mulher olhando-se no espelho. A mulher tem os dois lados do rosto diferentes, nos levando a pensar das duas faces que uma mesma pessoa pode apresentar, como Frida Kahlo, Vicent Van Gogh e Mark Rothko, que sofriam do chamado “transtorno bipolar”. • A Psicologia denomina “transtorno bipolar” as oscilações constantes de humor que uma pessoa muito depressiva pode sofrer. Este aspecto depressivo, se não tratado, leva a tentativas de suicídio, como a provável de Frida Kahlo, ocorrida em fevereiro de 1954, seis meses após a amputação de sua perna direita até o joelho.
  • 24. • Frida Kahlo, de modo semelhante a Picasso, faz muitos auto-retratos em que pinta “duas Fridas” antagônicas. Esse dualismo cartesiano presente nas obras de Frida fica muito evidente nos seguintes quadros: “Arbol de la esperanza mantente firme” e “Las dos Fridas”.
  • 25. Relação dos abortos de Frida Kahlo com Augusto dos Anjos. Augusto dos Anjos escreve em homenagem ao seu primeiro filho, nascido morto com sete meses incompletos em 02 de fevereiro de 1911, um poema intitulado “Soneto”. Neste soneto podemos facilmente visualizar a dor sentida por Augusto dos Anjos e o que significa para mulher vivenciar a perda de um filho. É doloroso em duplo sentido – no sentido da dor literal e na dor da tristeza, e da impotência, conforme vimos no filme “Frida”.
  • 26. Agregado infeliz de sangue e cal, Fruto rubro de carne agonizante, Filho da grande força fecundante De minha brônzea trama neuronial, Que poder embriológico fatal Destruiu, com a sinergia de um gigante, Em tua morfogênese de infante A minha morfogênese ancestral?! Porção de minha plásmica substância, Em que lugar irás passar a infância, Tragicamente anônimo, a feder?! Ah! Possas tu dormir, feto esquecido, Panteisticamente dissolvido Na noumenalidade do NÃO SER!
  • 27.
  • 28. Adriana Calcanhoto e Frida Kahlo • A cantora de MPB, Adriana Calcanhoto cita, em sua música “Esquadros”, o nome de Frida Kahlo. E, com uma melodia forte e marcante, podemos analisar a música “Senhas” e compará-la com a vida de Frida.
  • 29. • ESQUADROS • Eu ando pelo mundo prestando atenção • Em cores que eu não sei o nome • Cores de Almodóvar • Cores de Frida Kahlo, cores • Passeio pelo escuro • Eu presto muita atenção no que meu irmão ouve • E como uma segunda pele, um calo, uma casca • Uma cápsula protetora • Eu quero chegar antes • Pra sinalizar o estar de cada coisa • Filtrar seus graus • Eu ando pelo mundo divertindo gente • Chorando ao telefone • E vendo doer a fome nos meninos que têm fome • Pela janela do quarto • Pela janela do carro • Pela tela, pela janela • (Quem é ela, quem é ela?) • Eu vejo tudo enquadrado • Remoto controle
  • 30. • Eu ando pelo mundo • E nos automóveis correm pra quê? • As crianças correm para onde? • Transito entre dois lados de um lado • Eu gosto de opostos • Exponho o meu modo, me mostro • Eu canto para quem? • Pela janela do quarto • Pela janela do carro • Pela tela, pela janela... • Eu ando pelo mundo e • meus amigos, cadê? • Minha alegria, meu cansaço? • Meu amor, cadê você? • Eu acordei • Não tem ninguém ao lado • Pela janela o quarto... • Pela janela do carro • Pela tela, pela janela • (Quem é ela, quem é ela?) • Eu vejo tudo enquadrado • Remoto controle
  • 31. SENHAS • Eu não gosto do bom gosto • Eu não gosto de bom senso • Eu não gosto dos bons modos • Não gosto • Eu agüento até rigores • Eu não tenho pena dos traídos • Eu hospedo infratores e banidos • Eu respeito conveniências • Eu não ligo pra conchavos • Eu suporto aparências • Eu não gosto de maus tratos • Mas o que eu não gosto é do bom gosto • Eu não gosto do bom senso • Eu não gosto dos bons modos • Não gosto • Eu agüento até os modernos • E seus segundos cadernos • Eu agüento até os caretas • E suas verdades perfeitas • O que eu não gosto é do bom gosto • Eu não gosto do bom senso • Eu não gosto dos bons modos • Não gosto • Eu agüento até os estetas • Eu não julgo competência • Eu não ligo pra etiqueta • Eu aplaudo rebeldias • Eu respeito tiranias • E compreendo piedades • Eu não condeno mentiras • Eu não condeno vaidades • O que eu não gosto é do bom gosto • Eu não gosto de bom senso • Não, não gosto dos bons modos • Não gosto • Eu gosto dos que têm fome • Dos que morrem de vontade • Dos que secam de desejo • Dos que ardem...
  • 32. “Viva la Vida” – Frida Kahlo “Espero alegre la salida y espero no volver jamás”