SlideShare uma empresa Scribd logo
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Ensaio sobre a Cegueira – obra literária de José Saramago 1995
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Ensaio sobre a Cegueira – adaptação cinematográfica de Fernando Meirelles - 2008
Ensaio Sobre a Cegueira - romance ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Remete à partida para uma teorização ou dissertação sobre a cegueira Um romance – subgénero narrativo de tipologia mais diversificada é apresentado como história ficcional  em prosa e de extensão considerável na qual as personagens e acções são inventadas mas como que tiradas da vida real e envolvidas numa intriga Alegoria que conduz ao reconhecimento do carácter inato da maldade humana normalmente dissimulada pelas frágeis máscaras da sociedade
« Este  é  um livro francamente terr í vel com o qual eu quero que o leitor sofra tanto como eu sofri ao escrevê-lo. Nele se descreve uma longa tortura.  É  um livro brutal e violento e  é  simultaneamente uma das experiências mais dolorosas da minha vida. São 300 p á ginas de constante afli ç ão. Atrav é s da escrita, tentei dizer que não somos bons mas que  é  preciso que tenhamos coragem para reconhecer isso.».  José Saramago ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz
http://www.youtube.com/watch?v=6wyj1V-aKVc ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Pandemia Inédita Cegueira Branca Isolamento dos doentes - quarentena Condições primitivas Imunidade de apenas um ser humano Desenvolvimento de todos os sentimentos malévolos dos homens Proliferação da doença por toda a cidade… Acção Saída da quarentena  Uma cidade devastada, toda infectada, pessoas cegas guiadas pelo instinto animal O encontro de uma casa Recuperação da visão  Cegueira da única pessoa que via em toda a acção???
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Saramago denuncia a fragilidade dos valores sociais Humanidade confrontada com o caos Desorganização e superação dos valores mais básicos da sociedade Transforma sa suas personagens em animais egoístas pela sobrevivência Confronta o leitor com a crueldade e agressividade Obriga a fechar os olhos e a ver…. “ Uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que nós somos”
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Personagens Não são individualizadas pelos nomes mas sim por características e particularidades A cegueira como metáfora através da qual o autor procura explicar como as pessoas se vão tornando  cegas  no mundo contemporâneo  Diante das necessidades animais os humanos deixam em segundo plano os seus vínculos afectivos e princípios morais Actores principais: o primeiro cego, a mulher do primeiro cego, o médico, a mulher do médico (que sempre teve visão), a rapariga dos óculos escuros, o velho com a venda no olho e o rapazinho estrábico Actores secundários: o ladrão, o cego da pistola, o cego que escreve em braille, os soldados, a velha do primeiro andar, o cão das lágrimas…
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz A “presença do passado” no presente expressa-se numa polifonia em que o velho e o novo se cruzam. Ao mesmo tempo que as personagens evocam os lugares da memória, citações e provérbios percorrem a narrativa permitindo que o romance, apesar da aparente ausência de referentes espácio-temporais, não se afaste da realidade. A mulher do médico, o médico, a mulher do 1º cego, a rapariga dos óculos escuros, o primeiro cego O rapazinho estrábico O velho da venda preta
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Todos os momentos vividos em conjunto potenciam nas personagens o confronto entre a verdade do eu e a do outro deparando-se com a crueldade da morte e com a mudança de perspectiva em relação ao ser A mulher do m é dico  é  a  ú nica que pode ver as belas e horrorosas imagens descritas pelo autor da í  que ela não saiba se  é  uma bên ç ão ou uma maldi ç ão viver numa terra de cegos Talvez seja a sua bondade, a sua preocupação com o marido, mesmo convivendo entre cegos, que a impede de cegar
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Saramago opta por: Anonimato das personagens – maneira de universalizar a experiência abrangendo todas as pessoas e todos os nomes Somos remetidos para o universo ficcional e experimentamos a cada página a dolorosa trajectória das personagens Uso de um recurso tipicamente pós-moderno ao confrontar os princípios de civilização que os cegos conheciam – instaurando e subvertendo situações
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Leva o leitor à reflexão de que estes  instintos que parecem tão vis na ficção são os mesmos  que disfarçamos no dia-a-dia de homens civilizados. O romance desencadeia a revolta do leitor perante a  torpeza das atitudes dos cegos das outras camaratas Empenho na subsistência individual e mais tarde uso da comida como instrumento de poder O fio condutor do romance é a cegueira - leva não só as personagens como também o leitor a reflectir sobre as relações entre o individual e o colectivo
Espaço e Tempo ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Saramago desconstrói as referências típicas ao  Espaço  e ao Tempo que normalmente  conferem ao homem uma identidade Surpreende-nos a ausência das marcas típicas da historicidade  Não existe referência temporal que nos permita dizer com segurança em que momento histórico deve ser inserido A percepção do tempo faz-se sentir apenas na memória das  personagens e nas observações do narrador Saramago tenta fazer um espelho onde o leitor poderá reflectir-se e reflectir sobre  o seu papel enquanto cidadão no mundo na construção da história da humanidade .
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Mais importante do que conseguir distinguir  quem diz o quê é a própria mensagem Narrador/Autor Saramago constrói uma narrativa na qual se reflecte a sua visão do mundo Figura do narrador não existe e o autor é responsável pelo que narra O autor consegue uma polifonia vocal através da qual várias personagens têm voz e não apenas o narrador/autor tornando-se com frequência difícil distingui-las
Estilo/Intertextualidade com o filme ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Recurso à oralidade evidenciando a produção de um texto cujo a forma rompe com as regras gramaticais de pontuação Remete para as noções de ritmo e sonoridade  que norteiam a escrita de Saramago Recurso a frases e períodos compridos utilização da  pontuação de uma maneira não convencional Existência de oralidade durante todo o discurso Pluralidade discursiva na voz do autor - autor e narrador são um só
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Intromissão do próprio narrador durante todo  o discurso recorrendo a várias expressões deícticas O leitor é obrigado a um exercício  constante para distinguir a voz da narrativa, do diálogo e do registo dos pensamentos individuais Diálogo das personagens em discurso indirecto livre  Relato muito aberto à imaginação do leitor
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Filmagens realizadas em Toronto (Canadá),  Montevideu (Uruguai) e São Paulo (Brasil) Não há identificação no filme dos locais de produção Concede ao espaço um carácter de indeterminação A cidade filmada pode representar qualquer grande cidade do mundo, transmitindo um elevado nível de abstracção ao espectador
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Leva o telespectador a centrar a atenção nas personagens e no “mal branco”  A transposição da obra literária para a adaptação  cinematográfica foi inteiramente conseguida Os acontecimentos no espaço, por exemplo, do manicómio,  que constitui o centro  da narrativa ocorrem com lentidão na versão fílmica Realça a deterioração do ambiente e a consequência  psicológica dos residentes do local
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz A lentidão aparece como um contraste do mundo exterior apresentado na cena inicial do trânsito na qual movimentos rápidos e bruscos são projectados para o telespectador O “mal branco” mencionado tantas vezes na narrativa literária é transposto para o filme de modo agressivo O “mar de leite”  que toma conta da visão das personagens chega ao telespectador pela luminosidade branca projectada  Existe também o recurso a imagens mal enquadradas ou distorcidas, aumento do contraste entre o claro e o escuro e a impossibilidade de distinguir a realidade com clareza Objectivo: fazer o telespectador sentir o mal branco
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz O som em muitos momentos do filme é tão ou mais intenso do que a própria imagem As imagens criadas por Meirelles evidenciam: A fragilidade do homem perante uma realaidade caótica Levam-nos a penetrar em um universo desconhecido Conduzem o telespectador a repensar os próprios valores e a nossa instabilidade
ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Considerações Finais Obra e Filme levam o leitor/espectador a uma reflexão sobre a identidade humana A cegueira como metáfora da necessidade do ser humano - abandonar a sua natureza de maldade Personagem feminina (a mulher do médico e única que vê) como réstia de esperança da Humanidade, estando associada a esta figura a sensibilidade, a bondade genuína, grandeza de alma, amor pelo próximo… Produção de um retrato perturbador – simultaneamente intemporal e transversal da condição humana – aliança entre a fantasia e o real Esperança de que podemos vislumbrar uma porta de saída – a humanidade vai ser capaz, um dia, de derrubar as todas as tiranias e inventar uma nova forma de ser e viver…. SE PODES OLHAR, VÊ. SE PODES VER, REPARA…
Trabalho de pesquisa apresentado à  Unidade Curricular de  Técnicas de Análise Textual  (TAT), ministrada no Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração ( ISCIA ), de Aveiro   Maio de 2010 Autores do trabalho: Carla Silva  Joana Cruz  Docente: Professora Doutora Dina Baptista

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Orfeu rebelde
Orfeu rebeldeOrfeu rebelde
Orfeu rebelde
Inês Oliveira
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Mundialização e globalização
Mundialização e globalizaçãoMundialização e globalização
Mundialização e globalização
fabiofatudatrabalhos
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
DanielaMoreira84
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
António Fernandes
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
estado
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Marisa Ferreira
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Inteligência artificial filosofia
Inteligência artificial   filosofiaInteligência artificial   filosofia
Inteligência artificial filosofia
guestbdb4ab6
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
LuisMagina
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
Fernanda Monteiro
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Anabela Fernandes
 

Mais procurados (20)

Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Orfeu rebelde
Orfeu rebeldeOrfeu rebelde
Orfeu rebelde
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Mundialização e globalização
Mundialização e globalizaçãoMundialização e globalização
Mundialização e globalização
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Os Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da MaiaOs Maias - história de Pedro da Maia
Os Maias - história de Pedro da Maia
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
Crónica de Costumes - Jantar dos Gouvarinho
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Inteligência artificial filosofia
Inteligência artificial   filosofiaInteligência artificial   filosofia
Inteligência artificial filosofia
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Crítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónicaCrítica, cartoon e crónica
Crítica, cartoon e crónica
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 

Semelhante a Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago

RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
eveelang
 
Teo da comunicação nós que aqui estamos... - 12.09.2011
Teo da comunicação    nós que aqui estamos... - 12.09.2011Teo da comunicação    nós que aqui estamos... - 12.09.2011
Teo da comunicação nós que aqui estamos... - 12.09.2011
claudiocpaiva
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...
A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...
A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...
Cinthia Ferreira
 
Os ritmos do tempo em torno do engenho
Os ritmos do tempo em torno do engenhoOs ritmos do tempo em torno do engenho
Os ritmos do tempo em torno do engenho
Lourdinas
 
Projeto Nascituros
Projeto NasciturosProjeto Nascituros
Projeto Nascituros
Victor Fontoura
 
Pausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliarPausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliar
cidaxuxinha
 
livro mulheres_autoria mulheres
livro mulheres_autoria mulhereslivro mulheres_autoria mulheres
livro mulheres_autoria mulheres
Fábio Uchôa
 
Livros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileiraLivros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileira
Ana Borges
 
O Julgamento
O JulgamentoO Julgamento
O Julgamento
ricoxxete
 
Representacao mulher contos
Representacao mulher contosRepresentacao mulher contos
Representacao mulher contos
Jéssica Santos
 
Pausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliarPausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliar
cidaxuxinha
 
Às margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do Eldorado
Às margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do EldoradoÀs margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do Eldorado
Às margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do Eldorado
Adams Almeida Lopes
 
4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb
Kárita Borges
 
Defesa
DefesaDefesa
O penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso feminino
O penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso femininoO penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso feminino
O penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso feminino
UNEB
 
Angústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdfAngústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdf
rafabebum
 
Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
Camila Palaro
 
O Homem Duplicado 3ª A - 2011
O Homem Duplicado   3ª A - 2011O Homem Duplicado   3ª A - 2011
O Homem Duplicado 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 

Semelhante a Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago (20)

RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
 
Teo da comunicação nós que aqui estamos... - 12.09.2011
Teo da comunicação    nós que aqui estamos... - 12.09.2011Teo da comunicação    nós que aqui estamos... - 12.09.2011
Teo da comunicação nós que aqui estamos... - 12.09.2011
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...
A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...
A (nova) representação social e psíquica dos personagens femininos em avenida...
 
Os ritmos do tempo em torno do engenho
Os ritmos do tempo em torno do engenhoOs ritmos do tempo em torno do engenho
Os ritmos do tempo em torno do engenho
 
Projeto Nascituros
Projeto NasciturosProjeto Nascituros
Projeto Nascituros
 
Pausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliarPausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliar
 
livro mulheres_autoria mulheres
livro mulheres_autoria mulhereslivro mulheres_autoria mulheres
livro mulheres_autoria mulheres
 
Livros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileiraLivros essências da leitura brasileira
Livros essências da leitura brasileira
 
O Julgamento
O JulgamentoO Julgamento
O Julgamento
 
Representacao mulher contos
Representacao mulher contosRepresentacao mulher contos
Representacao mulher contos
 
Pausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliarPausa de moacyr scliar
Pausa de moacyr scliar
 
Às margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do Eldorado
Às margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do EldoradoÀs margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do Eldorado
Às margens do Negro: ruínas da memória e do narrar em Órfãos do Eldorado
 
4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb4180 13908-1-pb
4180 13908-1-pb
 
Defesa
DefesaDefesa
Defesa
 
O penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso feminino
O penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso femininoO penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso feminino
O penar e a pena uma investigação policial sob a ótica do discurso feminino
 
Angústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdfAngústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdf
 
Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
 
O Homem Duplicado 3ª A - 2011
O Homem Duplicado   3ª A - 2011O Homem Duplicado   3ª A - 2011
O Homem Duplicado 3ª A - 2011
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 

Mais de Dina Baptista

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Dina Baptista
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
Dina Baptista
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Dina Baptista
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
Dina Baptista
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
Dina Baptista
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
Dina Baptista
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
Dina Baptista
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Dina Baptista
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
Dina Baptista
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
Dina Baptista
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
Dina Baptista
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Dina Baptista
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
Dina Baptista
 

Mais de Dina Baptista (20)

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel Central
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
 

Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago

  • 1. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Ensaio sobre a Cegueira – obra literária de José Saramago 1995
  • 2. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Ensaio sobre a Cegueira – adaptação cinematográfica de Fernando Meirelles - 2008
  • 3. Ensaio Sobre a Cegueira - romance ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Remete à partida para uma teorização ou dissertação sobre a cegueira Um romance – subgénero narrativo de tipologia mais diversificada é apresentado como história ficcional em prosa e de extensão considerável na qual as personagens e acções são inventadas mas como que tiradas da vida real e envolvidas numa intriga Alegoria que conduz ao reconhecimento do carácter inato da maldade humana normalmente dissimulada pelas frágeis máscaras da sociedade
  • 4. « Este é um livro francamente terr í vel com o qual eu quero que o leitor sofra tanto como eu sofri ao escrevê-lo. Nele se descreve uma longa tortura. É um livro brutal e violento e é simultaneamente uma das experiências mais dolorosas da minha vida. São 300 p á ginas de constante afli ç ão. Atrav é s da escrita, tentei dizer que não somos bons mas que é preciso que tenhamos coragem para reconhecer isso.». José Saramago ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz
  • 5. http://www.youtube.com/watch?v=6wyj1V-aKVc ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz
  • 6. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Pandemia Inédita Cegueira Branca Isolamento dos doentes - quarentena Condições primitivas Imunidade de apenas um ser humano Desenvolvimento de todos os sentimentos malévolos dos homens Proliferação da doença por toda a cidade… Acção Saída da quarentena Uma cidade devastada, toda infectada, pessoas cegas guiadas pelo instinto animal O encontro de uma casa Recuperação da visão Cegueira da única pessoa que via em toda a acção???
  • 7. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Saramago denuncia a fragilidade dos valores sociais Humanidade confrontada com o caos Desorganização e superação dos valores mais básicos da sociedade Transforma sa suas personagens em animais egoístas pela sobrevivência Confronta o leitor com a crueldade e agressividade Obriga a fechar os olhos e a ver…. “ Uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que nós somos”
  • 8. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Personagens Não são individualizadas pelos nomes mas sim por características e particularidades A cegueira como metáfora através da qual o autor procura explicar como as pessoas se vão tornando cegas no mundo contemporâneo Diante das necessidades animais os humanos deixam em segundo plano os seus vínculos afectivos e princípios morais Actores principais: o primeiro cego, a mulher do primeiro cego, o médico, a mulher do médico (que sempre teve visão), a rapariga dos óculos escuros, o velho com a venda no olho e o rapazinho estrábico Actores secundários: o ladrão, o cego da pistola, o cego que escreve em braille, os soldados, a velha do primeiro andar, o cão das lágrimas…
  • 9. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz A “presença do passado” no presente expressa-se numa polifonia em que o velho e o novo se cruzam. Ao mesmo tempo que as personagens evocam os lugares da memória, citações e provérbios percorrem a narrativa permitindo que o romance, apesar da aparente ausência de referentes espácio-temporais, não se afaste da realidade. A mulher do médico, o médico, a mulher do 1º cego, a rapariga dos óculos escuros, o primeiro cego O rapazinho estrábico O velho da venda preta
  • 10. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Todos os momentos vividos em conjunto potenciam nas personagens o confronto entre a verdade do eu e a do outro deparando-se com a crueldade da morte e com a mudança de perspectiva em relação ao ser A mulher do m é dico é a ú nica que pode ver as belas e horrorosas imagens descritas pelo autor da í que ela não saiba se é uma bên ç ão ou uma maldi ç ão viver numa terra de cegos Talvez seja a sua bondade, a sua preocupação com o marido, mesmo convivendo entre cegos, que a impede de cegar
  • 11. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Saramago opta por: Anonimato das personagens – maneira de universalizar a experiência abrangendo todas as pessoas e todos os nomes Somos remetidos para o universo ficcional e experimentamos a cada página a dolorosa trajectória das personagens Uso de um recurso tipicamente pós-moderno ao confrontar os princípios de civilização que os cegos conheciam – instaurando e subvertendo situações
  • 12. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Leva o leitor à reflexão de que estes instintos que parecem tão vis na ficção são os mesmos que disfarçamos no dia-a-dia de homens civilizados. O romance desencadeia a revolta do leitor perante a torpeza das atitudes dos cegos das outras camaratas Empenho na subsistência individual e mais tarde uso da comida como instrumento de poder O fio condutor do romance é a cegueira - leva não só as personagens como também o leitor a reflectir sobre as relações entre o individual e o colectivo
  • 13. Espaço e Tempo ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Saramago desconstrói as referências típicas ao Espaço e ao Tempo que normalmente conferem ao homem uma identidade Surpreende-nos a ausência das marcas típicas da historicidade Não existe referência temporal que nos permita dizer com segurança em que momento histórico deve ser inserido A percepção do tempo faz-se sentir apenas na memória das personagens e nas observações do narrador Saramago tenta fazer um espelho onde o leitor poderá reflectir-se e reflectir sobre o seu papel enquanto cidadão no mundo na construção da história da humanidade .
  • 14. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Mais importante do que conseguir distinguir quem diz o quê é a própria mensagem Narrador/Autor Saramago constrói uma narrativa na qual se reflecte a sua visão do mundo Figura do narrador não existe e o autor é responsável pelo que narra O autor consegue uma polifonia vocal através da qual várias personagens têm voz e não apenas o narrador/autor tornando-se com frequência difícil distingui-las
  • 15. Estilo/Intertextualidade com o filme ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Recurso à oralidade evidenciando a produção de um texto cujo a forma rompe com as regras gramaticais de pontuação Remete para as noções de ritmo e sonoridade que norteiam a escrita de Saramago Recurso a frases e períodos compridos utilização da pontuação de uma maneira não convencional Existência de oralidade durante todo o discurso Pluralidade discursiva na voz do autor - autor e narrador são um só
  • 16. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Intromissão do próprio narrador durante todo o discurso recorrendo a várias expressões deícticas O leitor é obrigado a um exercício constante para distinguir a voz da narrativa, do diálogo e do registo dos pensamentos individuais Diálogo das personagens em discurso indirecto livre Relato muito aberto à imaginação do leitor
  • 17. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Filmagens realizadas em Toronto (Canadá), Montevideu (Uruguai) e São Paulo (Brasil) Não há identificação no filme dos locais de produção Concede ao espaço um carácter de indeterminação A cidade filmada pode representar qualquer grande cidade do mundo, transmitindo um elevado nível de abstracção ao espectador
  • 18. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Leva o telespectador a centrar a atenção nas personagens e no “mal branco” A transposição da obra literária para a adaptação cinematográfica foi inteiramente conseguida Os acontecimentos no espaço, por exemplo, do manicómio, que constitui o centro da narrativa ocorrem com lentidão na versão fílmica Realça a deterioração do ambiente e a consequência psicológica dos residentes do local
  • 19. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz A lentidão aparece como um contraste do mundo exterior apresentado na cena inicial do trânsito na qual movimentos rápidos e bruscos são projectados para o telespectador O “mal branco” mencionado tantas vezes na narrativa literária é transposto para o filme de modo agressivo O “mar de leite” que toma conta da visão das personagens chega ao telespectador pela luminosidade branca projectada Existe também o recurso a imagens mal enquadradas ou distorcidas, aumento do contraste entre o claro e o escuro e a impossibilidade de distinguir a realidade com clareza Objectivo: fazer o telespectador sentir o mal branco
  • 20. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz O som em muitos momentos do filme é tão ou mais intenso do que a própria imagem As imagens criadas por Meirelles evidenciam: A fragilidade do homem perante uma realaidade caótica Levam-nos a penetrar em um universo desconhecido Conduzem o telespectador a repensar os próprios valores e a nossa instabilidade
  • 21. ISCIA - Comunicação 2009/2010 - TAT - Carla Silva e Joana Cruz Considerações Finais Obra e Filme levam o leitor/espectador a uma reflexão sobre a identidade humana A cegueira como metáfora da necessidade do ser humano - abandonar a sua natureza de maldade Personagem feminina (a mulher do médico e única que vê) como réstia de esperança da Humanidade, estando associada a esta figura a sensibilidade, a bondade genuína, grandeza de alma, amor pelo próximo… Produção de um retrato perturbador – simultaneamente intemporal e transversal da condição humana – aliança entre a fantasia e o real Esperança de que podemos vislumbrar uma porta de saída – a humanidade vai ser capaz, um dia, de derrubar as todas as tiranias e inventar uma nova forma de ser e viver…. SE PODES OLHAR, VÊ. SE PODES VER, REPARA…
  • 22. Trabalho de pesquisa apresentado à Unidade Curricular de Técnicas de Análise Textual (TAT), ministrada no Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração ( ISCIA ), de Aveiro Maio de 2010 Autores do trabalho: Carla Silva Joana Cruz Docente: Professora Doutora Dina Baptista