SlideShare uma empresa Scribd logo
RealismoProf. Fabio Melo
Contexto HistóricoEuropa, Portugal e Brasil
EuropaTransformações da sociedade europeia;Sem espaço para as exageradas idealizações românticas;Segunda fase da Revolução Industrial;Transformações do meio científico;Desenvolvimento do pensamento científicoDesenvolvimento das doutrinas filosóficas e sociais.Liberalismo econômico (capitalismo)Liberalismo políticoEvolução do racionalismoNegação da divindadeContestação política (socialismo)Lutas de trabalhadores contra burgueses (Comuna de Paris, 1871)
Doutrinas FilosóficasPositivismo, de Auguste Comte;Evolucionismo, de Charles Darwin;Socialismo Utópico, de Saint-Simon, Fourier e Proudhon.Socialismo Científico, de Karl Marx e Friedrich Engels;Idealismo alemão, de Hegel;Negação do Cristianismo, de Renan;Determinismo, de Hippolyte Taine.Negação da divindade, baseia-se nos fatos da experiência, repele a metafísica e todo o sobrenatural e tem como base a astronomia.Teoria que defende a ideia de que as espécies evoluem de acordo com a capacidade de adaptação ao meio.Baseia-se na ideia de que não se deve ter uma política assistencialista, mas sim melhorar a sociedade como um todo, pela educação, saúde, redução da jornada de trabalho e melhores salários.A distribuição igualitária dos bens de produção, extinguindo a propriedade privada e a alienação.O ser humano é socialmente fruto de seu meio e de sua criação, sem possibilidade de mudança.
PortugalFragilidade do processo industrial;Questão Coimbrã, deflagrada por Feliciano de Castilho;Oposição ao ideal romântico pelos adeptos da “Ideia Nova”;Adoção de hábitos e costumes franceses;Conferências do Casino, na tentativa de revitalizar Portugal;O movimento realista é introduzido por Eça de Queiróz.Instituída pela geração de 70, formada por Antero de Quental, Eça de Queiroz, Oliveira Martins, entre outros jovens intelectuais.
Texto para AnáliseMais Luz!Amem a noite os magros crapulosos,E os que sonham com virgens impossíveis,E os que inclinam, mudos e impassíveis,À borda dos abismos silenciosos...Tu, lua, com teus raios vaporosos,Cobre-os, tapa-os e torna-os insensíveis,Tanto aos vícios cruéis e inextinguíveis,Como aos longos cuidados dolorosos!Eu amarei a santa madrugada,E o meio-dia, em vida refervendo,E a tarde rumorosa e repousada.Viva e trabalhe em plena luz: depois,Seja-me dado ainda ver, morrendo,O claro sol, amigo dos heróis!Antero de Quental
Poesia do Realismo - ParnasianismoEngajamento com a reforma intelectual portuguesa;Denunciar os problemas que atrasam a sociedade;Principais autores: Antero de Quental, Teófilo Braga, Guerra Junqueiro, Gomes Leal e Cesário Verde;Cada autor busca uma forma de rompimento com o ideal romântico.
Antero de QuentalAntero Tarquínio de Quental (Ponta Delgada, 18 de abril de 1842 — 11 de setembro de 1891);Principal mentor do movimento realista na poesia;Influenciado pela filosofia e literatura alemãs, além do socialismo de Proudhon;Foi um dos fundadores do Partido Socialista Português, em 10 de Janeiro de 1875;Comete suicídio no dia 11 de Setembro de 1891;Sua poesia pode ser dividida em:A das experiências juvenisA militanteA de tom metafísico
Guerra JunqueiroAbílio Manuel Guerra Junqueiro (Freixo de Espada à Cinta, 17 de Setembro de 1850 — Lisboa, 7 de Julho de 1923);Escrevia poemas de forte cunho anticlerical e depois passou a se dedicar aos mais pobres e humildes;Publicou em 1885 no Porto “A velhice do Padre Eterno”;Depois de duras críticas, passa a se dedicar a escrever sobre os mais pobres e sobre a crise portuguesa.
Texto para análiseParasitas No meio duma feira, uns poucos de palhaços andavam a mostrar, em cima dum jumento um aborto infeliz, sem mãos, sem pés, sem braços, aborto que lhes dava um grande rendimento.   Os magros histriões, hipócritas, devassos, exploravam assim a flor do sentimento, e o monstro arregalava os grandes olhos baços, uns olhos sem calor e sem entendimento.   E toda a gente deu esmola aos tais ciganos: Deram esmola até mendigos quase nus. E eu, ao ver este quadro, apóstolos romanos,   eu lembrei-me de vós, funâmbulos da cruz, que andais pelo universo, há mil e tantos anos,exibindo, explorando o corpo de Jesus.CharlatõesArtistas que andam ou dançam em corda bamba.
Eça de QueirósPóvoa de Varzim, 25 de novembro de 1845 — Paris, 16 de agosto de 1900;Primeiros trabalhos foram publicados na revista "Gazeta de Portugal”;Exerce a função de jornalista e advogado, sendo editor do periódico O Distrito de Évora;Funda a “Revista de Portugal”;Viveu na Inglaterra e na França após ingressar como diplomata;Tem como primeiro romance realista o livro “O Crime do Padre Amaro”, escrito em 1875.
Eça de QueirósLivros ImportantesO Crime do Padre Amaro (1875) O Primo Basílio (1878)A relíquia (1887)Os Maias (1888)A Ilustre Casa de Ramires (1900)A cidade e as serras (1901, póstumo)
BrasilAcontece o Segundo Reinado (de 1840 a 1889);Monocultura cafeeira, que ainda usa mão-de-obra escrava;Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889;Traz da Europa novas doutrinas, como o determinismo, o socialismo utópico, o evolucionismo, a negação do cristianismo etc.
BrasilDesinteresse pelo ambiente natural;Preferência pelo ambiente urbano;Começa no Brasil oficialmente em 1881, com a publicação do livro “O Mulato”, de Aluísio Azevedo;Dentro da literatura, podemos dividir o realismo em três aspectos:Prosa realista e naturalistaPoesia parnasianaTeatro de costumes
Características do RealismoRealismo, Naturalismo e Parnasianismo
ParnasianismoNome vem da revista Le Parnasse contemporain;É contra os ideais românticos;Retoma o culto da forma;Volta da importância do estudo da métricaUso de uma linguagem rebuscadaUso dos ideais clássicos de arteGosto pela descrição nítida;Sensações que devem descrever a realidade;Arte pela arte;Conceitos que não devem levar a abstrações;Artificialismos.
ParnasianismoA poesia passa a retomar as seguintes formas:OdeSonetoRondóTrioléBaladaA adoção do verso alexandrino, de doze sílabas poéticas;O uso de rimas ricas, ou seja, palavras que rimam não pertencem ao mesmo grupo gramatical.Composição poética que surgiu na Grécia Antiga, se divide em estrofes semelhantes entre si, tanto pelo número como pela medida dos versos.Composição poética, formada por quatorze versos geralmente distribuídos por dois quartetos e dois tercetos.Composição que contém qualquer número de versos e cujo estribilho é constante, ou seja, tem versos que se repetem em determinados locais da estrofe.Estrofe de oito versos sobre duas rimas, na qual o 4º e o7º versos são repetições do 1º e o 8º é repetição do 2o.Forma de verso fixa que consiste comumente em três estrofes com rimas recorrentes, uma oferta e refrão idêntico para cada parte.
ExemploAdjetivo101234576891112Ah! quem há de exprimir, alma impotente e escrava,O que a boca não diz, o que a mão não escreve?- Ardes, sangras, pregada à tua cruz, e, em breve,Olhas, desfeito em lodo, o que te deslumbrava…OLAVO BILAC – Inania VerbaVerbo
Texto para análiseVaso Chinêspor Alberto de OliveiraEstranho mimo, aquele vaso! Vi-oCasualmente, uma vez, de um perfumadoContador sobre o mármor luzidioEntre um leque e o começo de um bordado.Fino artista chinês, enamorado,Nele pusera o coração doentioEm rubras flores de um sutil lavradoNa tinta ardente, de um calor sombrio.Mas, talvez por contraste à desventura —Quem o sabe? — de um velho mandarimTambém lá estava a singular figura.Que arte em pintá-la! A gente acaso vendo-aSentia um não sei quê com aquele chimDe olhos cortados à feição de amêndoa.
Alberto de OliveiraAntônio Mariano Alberto de Oliveira (Saquarema, 28 de abril de 1857 — Niterói, 19 de Janeiro de 1937);Participou da famosa "Batalha do Parnaso", ocorrida no Diário do Rio de Janeiro entre 1878 e 1881;Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras;Eleito “Príncipe dos Poetas Brasileiros”;Na poesia destaca-se pelo rigor métrico e formal, cuja base era portuguesa e francesa.
Olavo BilacOlavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 1865 — Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 1918);Foi poeta e jornalista;Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras;Autor do Hino da Bandeira; Eleito o “poeta das estrelas”;Sua poesia é marcada por temas femininos, nacionalistas, filosóficos.
Prosa do RealismoFalta de subjetividade;Denúncia social, sobretudo da burguesia;Crítica aos costumes e às instituições tradicionais, através da narração de costumes;Objetividade e racionalização;Determinismo;Descritivismo de cenas, situações e de pensamentos;Recorre ao tipo e a situação típica;Personagens verossímeis, nem bons e nem maus.Trata-se de evitar o uso de temas fantasiosos, que vai contra o subjetivismo.
Raul PompeiaRaul d'Ávila Pompeia (Angra dos Reis, 12 de abril de 1863 — Rio de Janeiro, 25 de dezembro de 1895)Publicou em 1880 seu primeiro romance, Uma tragédia no Amazonas;Participa das correntes que incorporavam o materialismo e o positivismo;Em 1888, deu início à publicação de um folhetim na Gazeta de Notícias ;No mesmo ano publicou o romance O Ateneu;Dedicou o resto de sua carreira a uma produção de cunho nativista.
Raul PompeiaObras1880 - Uma tragédia no Amazonas (romance)1888 - O Ateneu (romance)1883 - Canções sem metro (prosa)1882 - As joias da Coroa (panfleto satírico)
Machado de AssisJoaquim Maria Machado de Assis (21 de junho de 1839 — 29 de setembro de 1908);Foi um escritor que produziu prosa, poesia e teatro, além de diversas crônicas;Foi um escritor que passou pelo Romantismo e se consolidou no Realismo;Seu estilo é sempre irônico, amargo e pessimista;Possui um estilo literário inovador, trazendo diversas marcas pessoais a estética realista;Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, inspirada na academia francesa.Sobretudo pela forma como critica a sociedade burguesa, seus vícios e seus costumes, além de toda a sua hipocrisia moral.O narrador, por exemplo, passa a interagir com o leitor.
Memórias Póstumas de Brás CubasFoi publicado originalmente como um folhetim, em 1880 e em livro no ano de 1881;Mostra um amadurecimento da escrita de Machado de Assis;O enredo se baseia na história contada por um defunto, onde este começa a narrar a sua biografia;É a primeira obra na literatura brasileira cujo narrador interage com o leitor;É carregada de ironias e sarcasmos
Prosa do NaturalismoUso de teorias científicas, para provar que o homem é fruto do meio e da hereditariedade;Analisa-se comunidades e não somente os indivíduos;Os personagens têm traços de patologias, que irão influenciar suas atitudes;O primeiro romance naturalista é “O mulato (1881)” do maranhense Aluísio de Azevedo;Neste tipo de romance aparecem personagens homossexuais, prostitutas, doentes mentais, alcoólatras e toda a sorte de “maus-elementos”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Lucélia Rodrigues
 
Poesia do Realismo
Poesia do RealismoPoesia do Realismo
Poesia do Realismo
Cláudia Heloísa
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Paula Rubato
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Wallinhas Souza
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
Andriane Cursino
 
A literatura do século xix
A literatura do século xixA literatura do século xix
A literatura do século xix
José Alexandre Dos Santos
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
Isabella Silva
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo e naturalismo flavia
Realismo e naturalismo flaviaRealismo e naturalismo flavia
Realismo e naturalismo flavia
Alef Santana
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
Do Romantismo ao Realismo
Do Romantismo ao RealismoDo Romantismo ao Realismo
Do Romantismo ao Realismo
complementoindirecto
 
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
Klelson Krieger
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
Colégio Santa Luzia
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
lucasmota251
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
Ivana Mayrink
 
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo PortuguêsRealismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Uiles Martins
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
whybells
 

Mais procurados (20)

Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Poesia do Realismo
Poesia do RealismoPoesia do Realismo
Poesia do Realismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
A literatura do século xix
A literatura do século xixA literatura do século xix
A literatura do século xix
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo e naturalismo flavia
Realismo e naturalismo flaviaRealismo e naturalismo flavia
Realismo e naturalismo flavia
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Do Romantismo ao Realismo
Do Romantismo ao RealismoDo Romantismo ao Realismo
Do Romantismo ao Realismo
 
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
 
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo PortuguêsRealismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
 

Destaque

Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Realismo brasileiro
Realismo brasileiroRealismo brasileiro
Realismo brasileiro
Escola do Recife
 
Fotoreportagem
FotoreportagemFotoreportagem
Fotoreportagem
Carla Luís
 
Fotorreportagem no Brasil - Revista O Cruzeiro
Fotorreportagem no Brasil - Revista O CruzeiroFotorreportagem no Brasil - Revista O Cruzeiro
Fotorreportagem no Brasil - Revista O Cruzeiro
fotorreportagem
 
História da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismoHistória da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismo
Júnior Souza
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
A cartomante
Anne Clea Lima
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Ajudar Pessoas
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Cristiane Seibt
 
Cómo crear láminas utilizando el programa Power Point
Cómo crear láminas utilizando el programa Power PointCómo crear láminas utilizando el programa Power Point
Cómo crear láminas utilizando el programa Power Point
SU Antonio Acarón Correa
 
O Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O SimbolismoO Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O Simbolismo
Beatriz Dias
 
Realismo no texto "A Cartomante"
Realismo no texto "A Cartomante"Realismo no texto "A Cartomante"
Realismo no texto "A Cartomante"
Yana Sofia
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
Maria Rebelo
 
El Realismo Presentación Ppt
El Realismo   Presentación PptEl Realismo   Presentación Ppt
El Realismo Presentación Ppt
Ismael
 
Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Carla Teixeira
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
xipolito
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
El Realismo
El RealismoEl Realismo

Destaque (20)

Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Realismo brasileiro
Realismo brasileiroRealismo brasileiro
Realismo brasileiro
 
Fotoreportagem
FotoreportagemFotoreportagem
Fotoreportagem
 
Fotorreportagem no Brasil - Revista O Cruzeiro
Fotorreportagem no Brasil - Revista O CruzeiroFotorreportagem no Brasil - Revista O Cruzeiro
Fotorreportagem no Brasil - Revista O Cruzeiro
 
História da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismoHistória da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismo
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
A cartomante
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
A cartomante
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Cómo crear láminas utilizando el programa Power Point
Cómo crear láminas utilizando el programa Power PointCómo crear láminas utilizando el programa Power Point
Cómo crear láminas utilizando el programa Power Point
 
O Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O SimbolismoO Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O Simbolismo
 
Realismo no texto "A Cartomante"
Realismo no texto "A Cartomante"Realismo no texto "A Cartomante"
Realismo no texto "A Cartomante"
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
 
El Realismo Presentación Ppt
El Realismo   Presentación PptEl Realismo   Presentación Ppt
El Realismo Presentación Ppt
 
Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'Análise 'A cartomante'
Análise 'A cartomante'
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
El Realismo
El RealismoEl Realismo
El Realismo
 

Semelhante a Realismo

Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
Claudia Lazarini
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
Vitor Barreto
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
liceuterceiroc
 
Vanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdfVanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdf
ThiagoArajo125756
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
Pedro Matos
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
FabrcioFerreira32
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
Rita Costa
 
Vanguardas européias revistas[1]
Vanguardas européias revistas[1]Vanguardas européias revistas[1]
Vanguardas européias revistas[1]
mundica broda
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
mariasantos1451
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literatura
gracafigueiredo2
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
Claudia Ribeiro
 
As vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.pptAs vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.ppt
AllanPatrick22
 
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
Fernando Pereira
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
keilaoliveira69
 
Simbolismo by trabalho da hora
Simbolismo by trabalho da horaSimbolismo by trabalho da hora
Simbolismo by trabalho da hora
Douglas Maga
 
Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.
Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.
Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.
Nicolas Pelicioni
 

Semelhante a Realismo (20)

Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
 
Vanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdfVanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdf
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"Contextualização literária de "Os Maias"
Contextualização literária de "Os Maias"
 
Vanguardas européias revistas[1]
Vanguardas européias revistas[1]Vanguardas européias revistas[1]
Vanguardas européias revistas[1]
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literatura
 
Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
As vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.pptAs vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.ppt
 
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
As vanguardas Brasileiras e Vanguardas Europeias
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
 
Simbolismo by trabalho da hora
Simbolismo by trabalho da horaSimbolismo by trabalho da hora
Simbolismo by trabalho da hora
 
Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.
Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.
Manifesto da poesia pau brasil e manifesto antropófago - andrade, o.
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 

Realismo

  • 3. EuropaTransformações da sociedade europeia;Sem espaço para as exageradas idealizações românticas;Segunda fase da Revolução Industrial;Transformações do meio científico;Desenvolvimento do pensamento científicoDesenvolvimento das doutrinas filosóficas e sociais.Liberalismo econômico (capitalismo)Liberalismo políticoEvolução do racionalismoNegação da divindadeContestação política (socialismo)Lutas de trabalhadores contra burgueses (Comuna de Paris, 1871)
  • 4. Doutrinas FilosóficasPositivismo, de Auguste Comte;Evolucionismo, de Charles Darwin;Socialismo Utópico, de Saint-Simon, Fourier e Proudhon.Socialismo Científico, de Karl Marx e Friedrich Engels;Idealismo alemão, de Hegel;Negação do Cristianismo, de Renan;Determinismo, de Hippolyte Taine.Negação da divindade, baseia-se nos fatos da experiência, repele a metafísica e todo o sobrenatural e tem como base a astronomia.Teoria que defende a ideia de que as espécies evoluem de acordo com a capacidade de adaptação ao meio.Baseia-se na ideia de que não se deve ter uma política assistencialista, mas sim melhorar a sociedade como um todo, pela educação, saúde, redução da jornada de trabalho e melhores salários.A distribuição igualitária dos bens de produção, extinguindo a propriedade privada e a alienação.O ser humano é socialmente fruto de seu meio e de sua criação, sem possibilidade de mudança.
  • 5. PortugalFragilidade do processo industrial;Questão Coimbrã, deflagrada por Feliciano de Castilho;Oposição ao ideal romântico pelos adeptos da “Ideia Nova”;Adoção de hábitos e costumes franceses;Conferências do Casino, na tentativa de revitalizar Portugal;O movimento realista é introduzido por Eça de Queiróz.Instituída pela geração de 70, formada por Antero de Quental, Eça de Queiroz, Oliveira Martins, entre outros jovens intelectuais.
  • 6. Texto para AnáliseMais Luz!Amem a noite os magros crapulosos,E os que sonham com virgens impossíveis,E os que inclinam, mudos e impassíveis,À borda dos abismos silenciosos...Tu, lua, com teus raios vaporosos,Cobre-os, tapa-os e torna-os insensíveis,Tanto aos vícios cruéis e inextinguíveis,Como aos longos cuidados dolorosos!Eu amarei a santa madrugada,E o meio-dia, em vida refervendo,E a tarde rumorosa e repousada.Viva e trabalhe em plena luz: depois,Seja-me dado ainda ver, morrendo,O claro sol, amigo dos heróis!Antero de Quental
  • 7. Poesia do Realismo - ParnasianismoEngajamento com a reforma intelectual portuguesa;Denunciar os problemas que atrasam a sociedade;Principais autores: Antero de Quental, Teófilo Braga, Guerra Junqueiro, Gomes Leal e Cesário Verde;Cada autor busca uma forma de rompimento com o ideal romântico.
  • 8. Antero de QuentalAntero Tarquínio de Quental (Ponta Delgada, 18 de abril de 1842 — 11 de setembro de 1891);Principal mentor do movimento realista na poesia;Influenciado pela filosofia e literatura alemãs, além do socialismo de Proudhon;Foi um dos fundadores do Partido Socialista Português, em 10 de Janeiro de 1875;Comete suicídio no dia 11 de Setembro de 1891;Sua poesia pode ser dividida em:A das experiências juvenisA militanteA de tom metafísico
  • 9. Guerra JunqueiroAbílio Manuel Guerra Junqueiro (Freixo de Espada à Cinta, 17 de Setembro de 1850 — Lisboa, 7 de Julho de 1923);Escrevia poemas de forte cunho anticlerical e depois passou a se dedicar aos mais pobres e humildes;Publicou em 1885 no Porto “A velhice do Padre Eterno”;Depois de duras críticas, passa a se dedicar a escrever sobre os mais pobres e sobre a crise portuguesa.
  • 10. Texto para análiseParasitas No meio duma feira, uns poucos de palhaços andavam a mostrar, em cima dum jumento um aborto infeliz, sem mãos, sem pés, sem braços, aborto que lhes dava um grande rendimento.   Os magros histriões, hipócritas, devassos, exploravam assim a flor do sentimento, e o monstro arregalava os grandes olhos baços, uns olhos sem calor e sem entendimento.   E toda a gente deu esmola aos tais ciganos: Deram esmola até mendigos quase nus. E eu, ao ver este quadro, apóstolos romanos,   eu lembrei-me de vós, funâmbulos da cruz, que andais pelo universo, há mil e tantos anos,exibindo, explorando o corpo de Jesus.CharlatõesArtistas que andam ou dançam em corda bamba.
  • 11. Eça de QueirósPóvoa de Varzim, 25 de novembro de 1845 — Paris, 16 de agosto de 1900;Primeiros trabalhos foram publicados na revista "Gazeta de Portugal”;Exerce a função de jornalista e advogado, sendo editor do periódico O Distrito de Évora;Funda a “Revista de Portugal”;Viveu na Inglaterra e na França após ingressar como diplomata;Tem como primeiro romance realista o livro “O Crime do Padre Amaro”, escrito em 1875.
  • 12. Eça de QueirósLivros ImportantesO Crime do Padre Amaro (1875) O Primo Basílio (1878)A relíquia (1887)Os Maias (1888)A Ilustre Casa de Ramires (1900)A cidade e as serras (1901, póstumo)
  • 13. BrasilAcontece o Segundo Reinado (de 1840 a 1889);Monocultura cafeeira, que ainda usa mão-de-obra escrava;Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889;Traz da Europa novas doutrinas, como o determinismo, o socialismo utópico, o evolucionismo, a negação do cristianismo etc.
  • 14. BrasilDesinteresse pelo ambiente natural;Preferência pelo ambiente urbano;Começa no Brasil oficialmente em 1881, com a publicação do livro “O Mulato”, de Aluísio Azevedo;Dentro da literatura, podemos dividir o realismo em três aspectos:Prosa realista e naturalistaPoesia parnasianaTeatro de costumes
  • 15. Características do RealismoRealismo, Naturalismo e Parnasianismo
  • 16. ParnasianismoNome vem da revista Le Parnasse contemporain;É contra os ideais românticos;Retoma o culto da forma;Volta da importância do estudo da métricaUso de uma linguagem rebuscadaUso dos ideais clássicos de arteGosto pela descrição nítida;Sensações que devem descrever a realidade;Arte pela arte;Conceitos que não devem levar a abstrações;Artificialismos.
  • 17. ParnasianismoA poesia passa a retomar as seguintes formas:OdeSonetoRondóTrioléBaladaA adoção do verso alexandrino, de doze sílabas poéticas;O uso de rimas ricas, ou seja, palavras que rimam não pertencem ao mesmo grupo gramatical.Composição poética que surgiu na Grécia Antiga, se divide em estrofes semelhantes entre si, tanto pelo número como pela medida dos versos.Composição poética, formada por quatorze versos geralmente distribuídos por dois quartetos e dois tercetos.Composição que contém qualquer número de versos e cujo estribilho é constante, ou seja, tem versos que se repetem em determinados locais da estrofe.Estrofe de oito versos sobre duas rimas, na qual o 4º e o7º versos são repetições do 1º e o 8º é repetição do 2o.Forma de verso fixa que consiste comumente em três estrofes com rimas recorrentes, uma oferta e refrão idêntico para cada parte.
  • 18. ExemploAdjetivo101234576891112Ah! quem há de exprimir, alma impotente e escrava,O que a boca não diz, o que a mão não escreve?- Ardes, sangras, pregada à tua cruz, e, em breve,Olhas, desfeito em lodo, o que te deslumbrava…OLAVO BILAC – Inania VerbaVerbo
  • 19. Texto para análiseVaso Chinêspor Alberto de OliveiraEstranho mimo, aquele vaso! Vi-oCasualmente, uma vez, de um perfumadoContador sobre o mármor luzidioEntre um leque e o começo de um bordado.Fino artista chinês, enamorado,Nele pusera o coração doentioEm rubras flores de um sutil lavradoNa tinta ardente, de um calor sombrio.Mas, talvez por contraste à desventura —Quem o sabe? — de um velho mandarimTambém lá estava a singular figura.Que arte em pintá-la! A gente acaso vendo-aSentia um não sei quê com aquele chimDe olhos cortados à feição de amêndoa.
  • 20. Alberto de OliveiraAntônio Mariano Alberto de Oliveira (Saquarema, 28 de abril de 1857 — Niterói, 19 de Janeiro de 1937);Participou da famosa "Batalha do Parnaso", ocorrida no Diário do Rio de Janeiro entre 1878 e 1881;Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras;Eleito “Príncipe dos Poetas Brasileiros”;Na poesia destaca-se pelo rigor métrico e formal, cuja base era portuguesa e francesa.
  • 21. Olavo BilacOlavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 1865 — Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 1918);Foi poeta e jornalista;Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras;Autor do Hino da Bandeira; Eleito o “poeta das estrelas”;Sua poesia é marcada por temas femininos, nacionalistas, filosóficos.
  • 22. Prosa do RealismoFalta de subjetividade;Denúncia social, sobretudo da burguesia;Crítica aos costumes e às instituições tradicionais, através da narração de costumes;Objetividade e racionalização;Determinismo;Descritivismo de cenas, situações e de pensamentos;Recorre ao tipo e a situação típica;Personagens verossímeis, nem bons e nem maus.Trata-se de evitar o uso de temas fantasiosos, que vai contra o subjetivismo.
  • 23. Raul PompeiaRaul d'Ávila Pompeia (Angra dos Reis, 12 de abril de 1863 — Rio de Janeiro, 25 de dezembro de 1895)Publicou em 1880 seu primeiro romance, Uma tragédia no Amazonas;Participa das correntes que incorporavam o materialismo e o positivismo;Em 1888, deu início à publicação de um folhetim na Gazeta de Notícias ;No mesmo ano publicou o romance O Ateneu;Dedicou o resto de sua carreira a uma produção de cunho nativista.
  • 24. Raul PompeiaObras1880 - Uma tragédia no Amazonas (romance)1888 - O Ateneu (romance)1883 - Canções sem metro (prosa)1882 - As joias da Coroa (panfleto satírico)
  • 25. Machado de AssisJoaquim Maria Machado de Assis (21 de junho de 1839 — 29 de setembro de 1908);Foi um escritor que produziu prosa, poesia e teatro, além de diversas crônicas;Foi um escritor que passou pelo Romantismo e se consolidou no Realismo;Seu estilo é sempre irônico, amargo e pessimista;Possui um estilo literário inovador, trazendo diversas marcas pessoais a estética realista;Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, inspirada na academia francesa.Sobretudo pela forma como critica a sociedade burguesa, seus vícios e seus costumes, além de toda a sua hipocrisia moral.O narrador, por exemplo, passa a interagir com o leitor.
  • 26. Memórias Póstumas de Brás CubasFoi publicado originalmente como um folhetim, em 1880 e em livro no ano de 1881;Mostra um amadurecimento da escrita de Machado de Assis;O enredo se baseia na história contada por um defunto, onde este começa a narrar a sua biografia;É a primeira obra na literatura brasileira cujo narrador interage com o leitor;É carregada de ironias e sarcasmos
  • 27. Prosa do NaturalismoUso de teorias científicas, para provar que o homem é fruto do meio e da hereditariedade;Analisa-se comunidades e não somente os indivíduos;Os personagens têm traços de patologias, que irão influenciar suas atitudes;O primeiro romance naturalista é “O mulato (1881)” do maranhense Aluísio de Azevedo;Neste tipo de romance aparecem personagens homossexuais, prostitutas, doentes mentais, alcoólatras e toda a sorte de “maus-elementos”.