SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo 8 – A Cultura da Gare




Courbet, A origem do mundo 1866; Os
         Britadores de pedra.




     Trabalho realizado por:
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                       História e Cultura e das Artes
                           Módulo 8- A Cultura da Gare




                             Introdução
     A elaboração deste trabalho deve-se ao facto de na disciplina
de História e Cultura e das Artes, estarmos a abordar no módulo 8,
diferentes temas entre os quais o Romantismo, o Realismo e o
Impressionismo.
     Durante as aulas foram-nos fornecidas algumas fichas onde
explicavam as diferentes correntes artísticas, bem como os seus
artistas, foi ainda proposto desenvolvermos um trabalho onde
organizássemos uma visita de estudo. Essa visita de estudo deveria
englobar os seguintes temas:
           A Europa e as linhas férreas;
           As Revoluções Industriais e a Cultura da Gare;
           Os novos materiais (ferro e vidro);
           O Romantismo (arquitectura, escultura e pintura);
           O Realismo (pintura e escultura);
           O Impressionismo (pintura);
           A arquitectura do ferro e a Arte Nova.




                           História e Cultura e das Artes
                                   Página 2 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                         História e Cultura e das Artes
                             Módulo 8- A Cultura da Gare




                         Desenvolvimento
      A Europa e as linhas férreas;
       As linhas férreas fizeram o seu aparecimento ainda no século
XVIII, na actividade mineira e nas pedreiras. Mas no século XIX, em
Inglaterra, que o engenheiro de minas George Stephernson criou a
primeira linha comercial que ligava Stockton a Darlington, o que fez
surgir o comboio a vapor.



      A Revolução Industrial e a Cultura da Gare.
       A Revolução Industrial implicou a mudança na economia de
base agrícola e artesanal para uma economia de base industrial e
mecanizada. Esta mudança iniciou-se em Inglaterra, em meados do
século XVIII e expandiu-se a outros lugares ao longo do século XIX.
       A segunda revolução Industrial alia a ciência e a técnica, a
utilização de novas fontes de energia, o desenvolvimento de novos
sectores de produção e a racionalização do trabalho.
       As Gares, eram os locais fixos de paragem onde, a horas certas, as
pessoas apanhavam o comboio ou esperavam quem neles viajava.


      Os novos materiais (o ferro e o vidro);
       Embora o ferro e o vidro já fossem usados há muito tempo, a
Revolução Industrial inglesa (nos finais do século XVIII), fez com que
estes fossem fabricados em massa e acima de tudo utilizado em
pontes, fabricas entre outras coisas.
       Esta nova arquitectura de carácter utilitário tem uma forte
relação com a Revolução Industrial e dá resposta às necessidades de


                             História e Cultura e das Artes
                                     Página 3 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                          História e Cultura e das Artes
                              Módulo 8- A Cultura da Gare



espaços amplos, de estruturas para vias de comunicação e do
crescimento das cidades, como por exemplo as Gares.
         Um exemplo disso é a torre Eiffel.


     O Romantismo (arquitectura, escultura e pintura);
         O Romantismo voltou-se para o passado medieval, sua
permanente fonte inspiradora.
         Na Arquitectura: O Palácio da Pena, em Sintra, é um grande
exemplo de arquitectura Romântica.
         Na Escultura: A Dança de Jean-Baptiste Carpeaux, que está
integrado na fachada da opera de Paris.
         Na Pintura: Francisco Goya “brinda-nos” com “A Maja Nua” e
“ A Maja Vestida”, expostas ambas no museu do Prado.



     O Realismo (pintura e escultura);
         O Realismo surgiu nas últimas décadas do século XIX na
Europa, mais especificamente na França, em reacção ao Romantismo,
este movimento caracterizava-se pela representação da realidade.
         Na Pintura: Gustave com “Enterro em Ornans”.
         Na Escultura: O Desterrado de An tónio Soares dos Reis.


     O Impressionismo (pintura);
         O Impressionismo surge na segunda metade do século XIX,
contra    os   valores     académicos            da       arte   oficial.   Destaca-se
essencialmente por uma pintura onde a temática (nu, cenas da vida
quotidiana) eram motivo de escândalo, colocavam tons claros sobre
tons escuros, desprezando a paleta sombria da pintura tradicional.
         Na Pintura: Edouard Manet, Olympia, 1863.

                              História e Cultura e das Artes
                                      Página 4 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                          História e Cultura e das Artes
                              Módulo 8- A Cultura da Gare



     Arte Nova;
      A Arte Nova (1892-1914) iniciou-se no final do século XIX, na
Europa. Nesta altura, antes da guerra, a Europa detinha muita
riqueza, as classes média e alta, podiam investir em pequenos
objectos decorativos, para poder afirmar a sua posição social. Devido
às exposições mundiais que começaram a aparecer nesta altura, a
Arte Nova, surgiu simultaneamente em vários pontos da Europa,
dadas as novas melhorias nas vias de transporte, comunicação e
trocas comerciais entre os países. O exemplo desta arte é a obra
arquitectónica Dr. Anastácio Gonçalves.



             Proposta de Visita de Estudo
    Saída da Escola Secundária Sá de Miranda;
    Rumo ao Museu Soares dos Reis no Porto onde podemos ver
uma escultura Realista de António Soares dos Reis, o Desterrado;




                              História e Cultura e das Artes
                                      Página 5 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                       História e Cultura e das Artes
                           Módulo 8- A Cultura da Gare



      Esta Obra-prima do século XIX, que Soares dos Reis expos em
Madrid exprime a solidão e nostalgia, identifica-se também um
pessimismo saudosista.


      Seguimos    para    o    Palácio          da     Pena   em   Sintra,   onde
encontramos uma obra arquitectónica do Romantismo.




      Obra do arquitecto militar alemão barão de Eschwege –
edificado entre 1839 e 1849, por encomenda do rei D. Fernando.
Aproveitando uma parte do convento ali existente, que tinha sido
danificado pelo terramoto de 1755, foi erguido naquele espaço um
edificio estranho, cheio de reminiscencias mouriscas e manuelinas.


      Seguimos para a casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves,
obra arquitectónica da Arte Nova, no Lisboa.

                           História e Cultura e das Artes
                                   Página 6 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                       História e Cultura e das Artes
                             Módulo 8- A Cultura da Gare




      Num edifício com motivos Arte Nova, que pertenceu ao pintor
José Malhoa, esta casa guarda o espólio do banqueiro Henri Burnay,
coleccionador de pintura portuguesa do século XIX, porcelana
chinesa, móveis e tecidos.


      Seguimos para o Museu Del Prado, em Madrid, Espanha,
onde estão expostas as obras “a Maja Nua” e “a Maja Vestida”,
obras-primas de Francisco Goya.




                           História e Cultura e das Artes
                                   Página 7 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                       História e Cultura e das Artes
                           Módulo 8- A Cultura da Gare




      Estas Obras levaram Goya aos tribunais da Inquisição.
Segundo algumas lendas as pinturas representam a duquesa de Alba,
a viúva, cujo relacionamento com Goya causou escândalo em Madrid.
      A Maja de Goya não é nenhuma Vénus; o que vemos aqui não
é sensualidade sublimada na forma de antiguidade, mas a própria
sensualidade. A sua pose é inequívoca, o seu desafio arrojado. Goya
mostra-a vestida e despida: a nudez não é aqui um atributo
mitológico, mas apenas um estado de vulgaridade.
      Dispensando os padrões tradicionais, o artista cria uma cena
de realidade provocante.

      Seguimos para o Museu d’Orsay em Paris, onde estão
expostas as obras “Olympia” e “Enterro em Ornans”, obras-primas
de Gustave Courbet e Edouard Manet.




                           História e Cultura e das Artes
                                   Página 8 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                           História e Cultura e das Artes
                                Módulo 8- A Cultura da Gare



        Esta Obra “Enterro em Ornans” que simbolicamente marca a
ruptura definitiva com o estilo romântico. Esta tela despertou a
profunda admiração do ideólogo Proudhon, amigo íntimo de Courbet,
que afirmaria na época “nele tudo era verdadeiro, extraído da
natureza... de uma verdade a tal ponto exacta que a tela lembra uma
fotografia”.




       Com esta obra, Edouard Manet (1832-1883) abordou o assunto
mais utilizado naquele tempo, o nu feminino. A forma como a roupa
de cama é dobrada, a extensão da folha, a sua pele é um branco
brilhante, e não existem meios-tons, assim que as transições visuais
da luz à sombra são duras e acima de tudo os seus olhos grandes e
negros, leva o público a pensar se o ar de Olympia transmite
melancolia, desprezo ou mesmo gozo.

        Continuamos em Paris onde iremos visitar a Torre Eiffel, obra
que utiliza dos novos materiais ferro e vidro.
                         História e Cultura e das Artes
                                 Página 9 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                       História e Cultura e das Artes
                           Módulo 8- A Cultura da Gare




      A ideia da sua construção nasceu de um estudo feito aos
pilares das pontes. A beleza residia na resposta eficiente e bem
estudada da sua estrutura. Sem outra função, a Torre Eiffel foi um
monumento que fez triunfar decididamente a construção do ferro.


     Seguimos para a Ópera de Paris onde podemos ver na sua
fachada, inúmeras esculturas de Carpeaux entre as quais “a Dança”.




                           História e Cultura e das Artes
                                  Página 10 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                        História e Cultura e das Artes
                            Módulo 8- A Cultura da Gare




                              Conclusão
     Este trabalho foi realizado com o objectivo de desenvolvermos
as nossas capacidades relativamente ao módulo 8 de História e
Cultura e das Artes.
      Serviu-nos ainda como ajuda na organização de uma visita de
Estudo.




                            História e Cultura e das Artes
                                    Página 11 de 12
Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano
                  História e Cultura e das Artes
                      Módulo 8- A Cultura da Gare




                       Bibliografia
Wikipédia;
Folhas Fornecidas pela Professora;
Caderno diário;
Blog da Professora (RoHist);




                      História e Cultura e das Artes
                             Página 12 de 12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
cattonia
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
Ana Barreiros
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
Ana Barreiros
 
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesA cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
João Couto
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
Ana Barreiros
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Carlos Pinheiro
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Ana Barreiros
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Carla Freitas
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Carlos Vieira
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
Ana Barreiros
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
Ana Barreiros
 
Portugal arte em redor de 1900
Portugal   arte em redor de 1900Portugal   arte em redor de 1900
Portugal arte em redor de 1900
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
Tekas1967
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
Hca Faro
 

Mais procurados (20)

O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesA cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIXPintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
Pintura e escultura em Portugal nos finais do século XIX
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Portugal arte em redor de 1900
Portugal   arte em redor de 1900Portugal   arte em redor de 1900
Portugal arte em redor de 1900
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
 

Semelhante a A cultura da gare

Novos
NovosNovos
Cultura da gare
Cultura da gareCultura da gare
Cultura da gare
Marta Marinho
 
Cultura da Gare
Cultura da Gare Cultura da Gare
Cultura da Gare
Marta Marinho
 
M8
M8M8
A belle époque
A belle époqueA belle époque
A belle époque
Katia Hartmann
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
becresforte
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Carla Teixeira
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
Hca Faro
 
Passagens - Walter Benjamin
Passagens - Walter BenjaminPassagens - Walter Benjamin
Passagens - Walter Benjamin
Augusto Parada
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Cristina Verbitska
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Priscila Barbosa
 
Neoclassico ea11
Neoclassico ea11Neoclassico ea11
Neoclassico ea11
Taciana Padilha
 
Renascimento 1º Unidade (2º ano)
Renascimento 1º Unidade (2º ano)Renascimento 1º Unidade (2º ano)
Renascimento 1º Unidade (2º ano)
Cleiton Cunha
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
borgia
 
Romantismo grupo A
Romantismo grupo ARomantismo grupo A
Romantismo grupo A
becresforte
 
A arte no brasil império
A arte no brasil impérioA arte no brasil império
A arte no brasil império
Jesrayne Nascimento
 
Aula 2 objetivo
Aula 2 objetivoAula 2 objetivo
Aula 2 objetivo
CLEBER LUIS DAMACENO
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
Romantismo .ppt
Romantismo  .pptRomantismo  .ppt
Romantismo .ppt
NAIARAJOHN
 
A arte e a cultura em portugal do século xix
A arte e a cultura em portugal do século xixA arte e a cultura em portugal do século xix
A arte e a cultura em portugal do século xix
Anabela Sobral
 

Semelhante a A cultura da gare (20)

Novos
NovosNovos
Novos
 
Cultura da gare
Cultura da gareCultura da gare
Cultura da gare
 
Cultura da Gare
Cultura da Gare Cultura da Gare
Cultura da Gare
 
M8
M8M8
M8
 
A belle époque
A belle époqueA belle époque
A belle époque
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Passagens - Walter Benjamin
Passagens - Walter BenjaminPassagens - Walter Benjamin
Passagens - Walter Benjamin
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
 
Neoclassico ea11
Neoclassico ea11Neoclassico ea11
Neoclassico ea11
 
Renascimento 1º Unidade (2º ano)
Renascimento 1º Unidade (2º ano)Renascimento 1º Unidade (2º ano)
Renascimento 1º Unidade (2º ano)
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 
Romantismo grupo A
Romantismo grupo ARomantismo grupo A
Romantismo grupo A
 
A arte no brasil império
A arte no brasil impérioA arte no brasil império
A arte no brasil império
 
Aula 2 objetivo
Aula 2 objetivoAula 2 objetivo
Aula 2 objetivo
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
Romantismo .ppt
Romantismo  .pptRomantismo  .ppt
Romantismo .ppt
 
A arte e a cultura em portugal do século xix
A arte e a cultura em portugal do século xixA arte e a cultura em portugal do século xix
A arte e a cultura em portugal do século xix
 

A cultura da gare

  • 1. Módulo 8 – A Cultura da Gare Courbet, A origem do mundo 1866; Os Britadores de pedra. Trabalho realizado por:
  • 2. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Introdução A elaboração deste trabalho deve-se ao facto de na disciplina de História e Cultura e das Artes, estarmos a abordar no módulo 8, diferentes temas entre os quais o Romantismo, o Realismo e o Impressionismo. Durante as aulas foram-nos fornecidas algumas fichas onde explicavam as diferentes correntes artísticas, bem como os seus artistas, foi ainda proposto desenvolvermos um trabalho onde organizássemos uma visita de estudo. Essa visita de estudo deveria englobar os seguintes temas: A Europa e as linhas férreas; As Revoluções Industriais e a Cultura da Gare; Os novos materiais (ferro e vidro); O Romantismo (arquitectura, escultura e pintura); O Realismo (pintura e escultura); O Impressionismo (pintura); A arquitectura do ferro e a Arte Nova. História e Cultura e das Artes Página 2 de 12
  • 3. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Desenvolvimento A Europa e as linhas férreas; As linhas férreas fizeram o seu aparecimento ainda no século XVIII, na actividade mineira e nas pedreiras. Mas no século XIX, em Inglaterra, que o engenheiro de minas George Stephernson criou a primeira linha comercial que ligava Stockton a Darlington, o que fez surgir o comboio a vapor. A Revolução Industrial e a Cultura da Gare. A Revolução Industrial implicou a mudança na economia de base agrícola e artesanal para uma economia de base industrial e mecanizada. Esta mudança iniciou-se em Inglaterra, em meados do século XVIII e expandiu-se a outros lugares ao longo do século XIX. A segunda revolução Industrial alia a ciência e a técnica, a utilização de novas fontes de energia, o desenvolvimento de novos sectores de produção e a racionalização do trabalho. As Gares, eram os locais fixos de paragem onde, a horas certas, as pessoas apanhavam o comboio ou esperavam quem neles viajava. Os novos materiais (o ferro e o vidro); Embora o ferro e o vidro já fossem usados há muito tempo, a Revolução Industrial inglesa (nos finais do século XVIII), fez com que estes fossem fabricados em massa e acima de tudo utilizado em pontes, fabricas entre outras coisas. Esta nova arquitectura de carácter utilitário tem uma forte relação com a Revolução Industrial e dá resposta às necessidades de História e Cultura e das Artes Página 3 de 12
  • 4. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare espaços amplos, de estruturas para vias de comunicação e do crescimento das cidades, como por exemplo as Gares. Um exemplo disso é a torre Eiffel. O Romantismo (arquitectura, escultura e pintura); O Romantismo voltou-se para o passado medieval, sua permanente fonte inspiradora. Na Arquitectura: O Palácio da Pena, em Sintra, é um grande exemplo de arquitectura Romântica. Na Escultura: A Dança de Jean-Baptiste Carpeaux, que está integrado na fachada da opera de Paris. Na Pintura: Francisco Goya “brinda-nos” com “A Maja Nua” e “ A Maja Vestida”, expostas ambas no museu do Prado. O Realismo (pintura e escultura); O Realismo surgiu nas últimas décadas do século XIX na Europa, mais especificamente na França, em reacção ao Romantismo, este movimento caracterizava-se pela representação da realidade. Na Pintura: Gustave com “Enterro em Ornans”. Na Escultura: O Desterrado de An tónio Soares dos Reis. O Impressionismo (pintura); O Impressionismo surge na segunda metade do século XIX, contra os valores académicos da arte oficial. Destaca-se essencialmente por uma pintura onde a temática (nu, cenas da vida quotidiana) eram motivo de escândalo, colocavam tons claros sobre tons escuros, desprezando a paleta sombria da pintura tradicional. Na Pintura: Edouard Manet, Olympia, 1863. História e Cultura e das Artes Página 4 de 12
  • 5. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Arte Nova; A Arte Nova (1892-1914) iniciou-se no final do século XIX, na Europa. Nesta altura, antes da guerra, a Europa detinha muita riqueza, as classes média e alta, podiam investir em pequenos objectos decorativos, para poder afirmar a sua posição social. Devido às exposições mundiais que começaram a aparecer nesta altura, a Arte Nova, surgiu simultaneamente em vários pontos da Europa, dadas as novas melhorias nas vias de transporte, comunicação e trocas comerciais entre os países. O exemplo desta arte é a obra arquitectónica Dr. Anastácio Gonçalves. Proposta de Visita de Estudo Saída da Escola Secundária Sá de Miranda; Rumo ao Museu Soares dos Reis no Porto onde podemos ver uma escultura Realista de António Soares dos Reis, o Desterrado; História e Cultura e das Artes Página 5 de 12
  • 6. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Esta Obra-prima do século XIX, que Soares dos Reis expos em Madrid exprime a solidão e nostalgia, identifica-se também um pessimismo saudosista. Seguimos para o Palácio da Pena em Sintra, onde encontramos uma obra arquitectónica do Romantismo. Obra do arquitecto militar alemão barão de Eschwege – edificado entre 1839 e 1849, por encomenda do rei D. Fernando. Aproveitando uma parte do convento ali existente, que tinha sido danificado pelo terramoto de 1755, foi erguido naquele espaço um edificio estranho, cheio de reminiscencias mouriscas e manuelinas. Seguimos para a casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves, obra arquitectónica da Arte Nova, no Lisboa. História e Cultura e das Artes Página 6 de 12
  • 7. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Num edifício com motivos Arte Nova, que pertenceu ao pintor José Malhoa, esta casa guarda o espólio do banqueiro Henri Burnay, coleccionador de pintura portuguesa do século XIX, porcelana chinesa, móveis e tecidos. Seguimos para o Museu Del Prado, em Madrid, Espanha, onde estão expostas as obras “a Maja Nua” e “a Maja Vestida”, obras-primas de Francisco Goya. História e Cultura e das Artes Página 7 de 12
  • 8. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Estas Obras levaram Goya aos tribunais da Inquisição. Segundo algumas lendas as pinturas representam a duquesa de Alba, a viúva, cujo relacionamento com Goya causou escândalo em Madrid. A Maja de Goya não é nenhuma Vénus; o que vemos aqui não é sensualidade sublimada na forma de antiguidade, mas a própria sensualidade. A sua pose é inequívoca, o seu desafio arrojado. Goya mostra-a vestida e despida: a nudez não é aqui um atributo mitológico, mas apenas um estado de vulgaridade. Dispensando os padrões tradicionais, o artista cria uma cena de realidade provocante. Seguimos para o Museu d’Orsay em Paris, onde estão expostas as obras “Olympia” e “Enterro em Ornans”, obras-primas de Gustave Courbet e Edouard Manet. História e Cultura e das Artes Página 8 de 12
  • 9. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Esta Obra “Enterro em Ornans” que simbolicamente marca a ruptura definitiva com o estilo romântico. Esta tela despertou a profunda admiração do ideólogo Proudhon, amigo íntimo de Courbet, que afirmaria na época “nele tudo era verdadeiro, extraído da natureza... de uma verdade a tal ponto exacta que a tela lembra uma fotografia”. Com esta obra, Edouard Manet (1832-1883) abordou o assunto mais utilizado naquele tempo, o nu feminino. A forma como a roupa de cama é dobrada, a extensão da folha, a sua pele é um branco brilhante, e não existem meios-tons, assim que as transições visuais da luz à sombra são duras e acima de tudo os seus olhos grandes e negros, leva o público a pensar se o ar de Olympia transmite melancolia, desprezo ou mesmo gozo. Continuamos em Paris onde iremos visitar a Torre Eiffel, obra que utiliza dos novos materiais ferro e vidro. História e Cultura e das Artes Página 9 de 12
  • 10. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare A ideia da sua construção nasceu de um estudo feito aos pilares das pontes. A beleza residia na resposta eficiente e bem estudada da sua estrutura. Sem outra função, a Torre Eiffel foi um monumento que fez triunfar decididamente a construção do ferro. Seguimos para a Ópera de Paris onde podemos ver na sua fachada, inúmeras esculturas de Carpeaux entre as quais “a Dança”. História e Cultura e das Artes Página 10 de 12
  • 11. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Conclusão Este trabalho foi realizado com o objectivo de desenvolvermos as nossas capacidades relativamente ao módulo 8 de História e Cultura e das Artes. Serviu-nos ainda como ajuda na organização de uma visita de Estudo. História e Cultura e das Artes Página 11 de 12
  • 12. Curso Profissional: Técnico de Multimédia 11ºano História e Cultura e das Artes Módulo 8- A Cultura da Gare Bibliografia Wikipédia; Folhas Fornecidas pela Professora; Caderno diário; Blog da Professora (RoHist); História e Cultura e das Artes Página 12 de 12