SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
O Império brasileiro, notadamente no 2º Reinado, foi
bastante rico em manifestações artístico-culturais.
Ainda no 1º Reinado, a pintura destacou nomes
como:
- Johann Moritz Rugendas (1820-1868), viajante
alemão, que publicou “Viagem Pitoresca no Brasil”,
produto de suas expedições independentes.
- Manuel de Araujo Porto Alegre (RS-1806-1879),
gaúcho, ex-aluno da Escola de Belas-Artes no RJ.
- Simplício R. de Sá.
2º Reinado, a música brasileira conheceu três
grandes nomes:
-Antonio Carlos Gomes (1836-1896), operista com
diversas óperas, entre elas “O Guarani”;
-Francisco Manuel da Silva (1795-1865), compositor
e maestro autor da música do Hino Nacional;
-Chiquinha Gonzaga (1847-1935), compositora e
pianista de choro, autora da primeira marcha
carnavalesca – “Ó abre alas”.
A daguerreotipia foi introduzida no Brasil pelo abade
francês Louis Compte, em 1840.
A fotografia foi muito praticada pelo imperador D.
Pedro II, um mecenas dessa arte além de grande
colecionador de fotografias.
Marc Ferrez e Militão Augusto de Azevedo, no final
do século XIX, foram autores de documentários
fotográficos no País.
Desenvolve-se na França, ainda no século XVIII,
graças ao ensino de arquitetura na École des Beaux-
Arts, esta primando pelos ideais clássicos italianos.
Estilo que se contrapõe ao barroquismo/rococó,
paralelo à valorização da cultura greco-romano a
partir das escavações de Pompéia e Herculano, no
séc. XVIII.
Charles Percier (1764-1832) e Léonard Fontaine
(1762-1826), da Academia Francesa são
considerados os precursores do neoclássico na
França, além de Auguste Henri Victor Grandjean de
Montigny, Jean-Nicolas-Louis Durand.
Sob influência da Missão Francesa, as linhas
neoclássicas substituem o barroco.
No Recife é forte a presença da arquitetura
neoclássica, onde um exemplo é o Teatro Santa
Isabel (Louis Leger Vauthier).
No final do século XIX, surge no Brasil o
Ecletismo (greco-romano, gótico, renascentismo
e mourisco), e posteriormente o Art Noveau.
 Combinando elementos arquitetônicos, como o gótico, o
românico, o renascentista, o barroco e o neoclássico, o
Ecletismo alcança a América e o Brasil em pleno século XIX
 Uma tendência dentro do chamado Academicismo
propagado pela Academia Imperial de Belas Artes
 O ensino de arquitetura no país, antes ligado ao
Neoclássico, adotou mesmo o Ecletismo, sendo fortalecido
por outras instituições como o Liceu de Artes e Ofício de
São Paulo, também adepto do novo estilo
 Características: misturas de estilos estéticos históricos;
simetria, busca de grandiosidade; rigorosa hierarquização
dos espaços internos; riqueza na decoração.
Teatro Amazonas (Manaus) e o Teatro José de Alencar
(Fortaleza).
O estilo popularizou-se no Brasil entre o final do
século XIX, época do II Reinado, e o início do
século XX.
Bastante empregado em vários edifícios civis e
militares, além de moradias e, sobretudo,
construções religiosas, em várias regiões do
país. Na realidade, são construçõe4s ecléticas
com fortes traços góticos.
• Em meados do século XIX, início do governo de D. Pedro II,
a pintura brasileira se desenvolve sob forte influência
europeia. Há, no entanto, uma valorização das raízes
nacionais, da nossa natureza tropical, além dos temas
históricos, mitológicos e religiosos.
• Nesse contexto destacam-se Vitor Meireles, Pedro Américo,
Almeida Junior e Rodolfo Amoedo, artistas que vivenciaram
seus estudos na Academia Imperial de Belas Artes, no Rio
de Janeiro, e também na Escola de Belas Artes de Paris.
• Tais artistas seguiram os padrões ditados pela Missão
Artística Francesa de 1816 e pelos modelos clássicos,
valorizando a criação da beleza ideal, distante, portanto, da
realidade.
• D. Pedro II torna-se um patrocinador e incentivador das artes
e de artistas no País.
A Primeira Missa no Brasil (Paris-1861)
Batalha dos Guararapes
D. Pedro II
Moema
Tiradentes
Pedro Américo
O Grito do Ipiranga (1888)
D. Pedro II na Assembleia
Batalha de Avaí
O Último Tamoio (1883)
Natureza-Morta
Picando fumo (1893) O Violeiro (1899)
Os artistas brasileiros da segunda metade do século XIX
buscam novos conceitos na pintura.
Sofrem nítida influência do movimento Impressionista
europeu.
Nessa nova fase da pintura brasileira destacam-se
Belmiro Barbosa de Almeida, Antonio Parreiras,
Benedito Calixto e Eliseu Visconti. Tais artistas também
passaram pela Academia brasileira e depois visitaram a
Europa e os trabalhos dos artistas europeu da nova
geração que prenunciou a Arte Moderna.
Arrufos (1887)
Flor brasileira (1913)
 Fundação de São Vicente
Trigal (1916)
Visconti
Gioventu
Maternidade
A arte no brasil império

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cânones de Proporção Egípcio
Cânones de Proporção EgípcioCânones de Proporção Egípcio
Cânones de Proporção Egípcio
Doug Caesar
 
Beatriz Ferreira Milhazes
Beatriz Ferreira MilhazesBeatriz Ferreira Milhazes
Beatriz Ferreira Milhazes
ledilaux
 

Mais procurados (20)

mímica e pantomima
mímica e pantomimamímica e pantomima
mímica e pantomima
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Apresentação Van Gogh
Apresentação Van GoghApresentação Van Gogh
Apresentação Van Gogh
 
Cânones de Proporção Egípcio
Cânones de Proporção EgípcioCânones de Proporção Egípcio
Cânones de Proporção Egípcio
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Beatriz Ferreira Milhazes
Beatriz Ferreira MilhazesBeatriz Ferreira Milhazes
Beatriz Ferreira Milhazes
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
 
Arte bizantina
Arte bizantinaArte bizantina
Arte bizantina
 
Aula 07 figurino de maria antonieta de sofia coppola
Aula 07 figurino de maria antonieta de sofia coppolaAula 07 figurino de maria antonieta de sofia coppola
Aula 07 figurino de maria antonieta de sofia coppola
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS EM SALA DE AULA A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTIN...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS EM SALA DE AULA A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTIN...UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS EM SALA DE AULA A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTIN...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS EM SALA DE AULA A PARTIR DE PIGMENTOS E AGLUTIN...
 
A representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuaisA representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuais
 
Arte africana
Arte africanaArte africana
Arte africana
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
 
História da arte - Arte Moderna - resumo
História da arte - Arte Moderna -  resumoHistória da arte - Arte Moderna -  resumo
História da arte - Arte Moderna - resumo
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Planejamento ArtesVisuais
Planejamento  ArtesVisuaisPlanejamento  ArtesVisuais
Planejamento ArtesVisuais
 

Semelhante a A arte no brasil império

Academocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2ºAcademocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2º
Paulo Vitor
 
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMOMISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
VIVIAN TROMBINI
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
Auriene
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
Angeli Arte Educadora
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
Angeli Arte Educadora
 
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Carson Souza
 

Semelhante a A arte no brasil império (20)

Aula 3 ef - artes
Aula 3   ef - artesAula 3   ef - artes
Aula 3 ef - artes
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
 
Academocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2ºAcademocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2º
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
 
Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
 
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. IINeoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIXNeoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
 
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMOMISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
 
missoartisticafrancesa.pptx
missoartisticafrancesa.pptxmissoartisticafrancesa.pptx
missoartisticafrancesa.pptx
 
Arte Barroca
Arte Barroca Arte Barroca
Arte Barroca
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Jesrayne Nascimento (20)

Sociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas MedievaisSociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas Medievais
 
Teoria da ADM
Teoria da ADMTeoria da ADM
Teoria da ADM
 
O papel do administrador
O papel do administradorO papel do administrador
O papel do administrador
 
Objectif Express
Objectif Express Objectif Express
Objectif Express
 
Relatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnicaRelatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnica
 
Regras da ABNT
Regras da ABNTRegras da ABNT
Regras da ABNT
 
Dicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentaçãoDicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentação
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
 
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-modernoArte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
 
Word Avançado
Word AvançadoWord Avançado
Word Avançado
 
Apostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondasApostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondas
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
Ecoturismo - TGT
Ecoturismo - TGTEcoturismo - TGT
Ecoturismo - TGT
 
Física - Composicao Movimento
Física - Composicao MovimentoFísica - Composicao Movimento
Física - Composicao Movimento
 
Apostilas concurso banco do brasil português bb
Apostilas concurso banco do brasil   português bbApostilas concurso banco do brasil   português bb
Apostilas concurso banco do brasil português bb
 
Livro linguagens
Livro linguagensLivro linguagens
Livro linguagens
 
Rio de janeiro
Rio de janeiroRio de janeiro
Rio de janeiro
 
Apostila de violão
Apostila de violãoApostila de violão
Apostila de violão
 

Último

ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

A arte no brasil império

  • 1. O Império brasileiro, notadamente no 2º Reinado, foi bastante rico em manifestações artístico-culturais. Ainda no 1º Reinado, a pintura destacou nomes como: - Johann Moritz Rugendas (1820-1868), viajante alemão, que publicou “Viagem Pitoresca no Brasil”, produto de suas expedições independentes. - Manuel de Araujo Porto Alegre (RS-1806-1879), gaúcho, ex-aluno da Escola de Belas-Artes no RJ. - Simplício R. de Sá.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. 2º Reinado, a música brasileira conheceu três grandes nomes: -Antonio Carlos Gomes (1836-1896), operista com diversas óperas, entre elas “O Guarani”; -Francisco Manuel da Silva (1795-1865), compositor e maestro autor da música do Hino Nacional; -Chiquinha Gonzaga (1847-1935), compositora e pianista de choro, autora da primeira marcha carnavalesca – “Ó abre alas”.
  • 6.
  • 7. A daguerreotipia foi introduzida no Brasil pelo abade francês Louis Compte, em 1840. A fotografia foi muito praticada pelo imperador D. Pedro II, um mecenas dessa arte além de grande colecionador de fotografias. Marc Ferrez e Militão Augusto de Azevedo, no final do século XIX, foram autores de documentários fotográficos no País.
  • 8.
  • 9. Desenvolve-se na França, ainda no século XVIII, graças ao ensino de arquitetura na École des Beaux- Arts, esta primando pelos ideais clássicos italianos. Estilo que se contrapõe ao barroquismo/rococó, paralelo à valorização da cultura greco-romano a partir das escavações de Pompéia e Herculano, no séc. XVIII. Charles Percier (1764-1832) e Léonard Fontaine (1762-1826), da Academia Francesa são considerados os precursores do neoclássico na França, além de Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny, Jean-Nicolas-Louis Durand.
  • 10. Sob influência da Missão Francesa, as linhas neoclássicas substituem o barroco. No Recife é forte a presença da arquitetura neoclássica, onde um exemplo é o Teatro Santa Isabel (Louis Leger Vauthier). No final do século XIX, surge no Brasil o Ecletismo (greco-romano, gótico, renascentismo e mourisco), e posteriormente o Art Noveau.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.  Combinando elementos arquitetônicos, como o gótico, o românico, o renascentista, o barroco e o neoclássico, o Ecletismo alcança a América e o Brasil em pleno século XIX  Uma tendência dentro do chamado Academicismo propagado pela Academia Imperial de Belas Artes  O ensino de arquitetura no país, antes ligado ao Neoclássico, adotou mesmo o Ecletismo, sendo fortalecido por outras instituições como o Liceu de Artes e Ofício de São Paulo, também adepto do novo estilo  Características: misturas de estilos estéticos históricos; simetria, busca de grandiosidade; rigorosa hierarquização dos espaços internos; riqueza na decoração.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Teatro Amazonas (Manaus) e o Teatro José de Alencar (Fortaleza).
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. O estilo popularizou-se no Brasil entre o final do século XIX, época do II Reinado, e o início do século XX. Bastante empregado em vários edifícios civis e militares, além de moradias e, sobretudo, construções religiosas, em várias regiões do país. Na realidade, são construçõe4s ecléticas com fortes traços góticos.
  • 30.
  • 31.
  • 32. • Em meados do século XIX, início do governo de D. Pedro II, a pintura brasileira se desenvolve sob forte influência europeia. Há, no entanto, uma valorização das raízes nacionais, da nossa natureza tropical, além dos temas históricos, mitológicos e religiosos. • Nesse contexto destacam-se Vitor Meireles, Pedro Américo, Almeida Junior e Rodolfo Amoedo, artistas que vivenciaram seus estudos na Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e também na Escola de Belas Artes de Paris. • Tais artistas seguiram os padrões ditados pela Missão Artística Francesa de 1816 e pelos modelos clássicos, valorizando a criação da beleza ideal, distante, portanto, da realidade. • D. Pedro II torna-se um patrocinador e incentivador das artes e de artistas no País.
  • 33. A Primeira Missa no Brasil (Paris-1861)
  • 37. O Grito do Ipiranga (1888)
  • 38. D. Pedro II na Assembleia Batalha de Avaí
  • 39. O Último Tamoio (1883) Natureza-Morta
  • 40. Picando fumo (1893) O Violeiro (1899)
  • 41. Os artistas brasileiros da segunda metade do século XIX buscam novos conceitos na pintura. Sofrem nítida influência do movimento Impressionista europeu. Nessa nova fase da pintura brasileira destacam-se Belmiro Barbosa de Almeida, Antonio Parreiras, Benedito Calixto e Eliseu Visconti. Tais artistas também passaram pela Academia brasileira e depois visitaram a Europa e os trabalhos dos artistas europeu da nova geração que prenunciou a Arte Moderna.
  • 44.  Fundação de São Vicente