SlideShare uma empresa Scribd logo
O Império brasileiro, notadamente no 2º Reinado, foi
bastante rico em manifestações artístico-culturais.
Ainda no 1º Reinado, a pintura destacou nomes
como:
- Johann Moritz Rugendas (1820-1868), viajante
alemão, que publicou “Viagem Pitoresca no Brasil”,
produto de suas expedições independentes.
- Manuel de Araujo Porto Alegre (RS-1806-1879),
gaúcho, ex-aluno da Escola de Belas-Artes no RJ.
- Simplício R. de Sá.
2º Reinado, a música brasileira conheceu três
grandes nomes:
-Antonio Carlos Gomes (1836-1896), operista com
diversas óperas, entre elas “O Guarani”;
-Francisco Manuel da Silva (1795-1865), compositor
e maestro autor da música do Hino Nacional;
-Chiquinha Gonzaga (1847-1935), compositora e
pianista de choro, autora da primeira marcha
carnavalesca – “Ó abre alas”.
A daguerreotipia foi introduzida no Brasil pelo abade
francês Louis Compte, em 1840.
A fotografia foi muito praticada pelo imperador D.
Pedro II, um mecenas dessa arte além de grande
colecionador de fotografias.
Marc Ferrez e Militão Augusto de Azevedo, no final
do século XIX, foram autores de documentários
fotográficos no País.
Desenvolve-se na França, ainda no século XVIII,
graças ao ensino de arquitetura na École des Beaux-
Arts, esta primando pelos ideais clássicos italianos.
Estilo que se contrapõe ao barroquismo/rococó,
paralelo à valorização da cultura greco-romano a
partir das escavações de Pompéia e Herculano, no
séc. XVIII.
Charles Percier (1764-1832) e Léonard Fontaine
(1762-1826), da Academia Francesa são
considerados os precursores do neoclássico na
França, além de Auguste Henri Victor Grandjean de
Montigny, Jean-Nicolas-Louis Durand.
Sob influência da Missão Francesa, as linhas
neoclássicas substituem o barroco.
No Recife é forte a presença da arquitetura
neoclássica, onde um exemplo é o Teatro Santa
Isabel (Louis Leger Vauthier).
No final do século XIX, surge no Brasil o
Ecletismo (greco-romano, gótico, renascentismo
e mourisco), e posteriormente o Art Noveau.
 Combinando elementos arquitetônicos, como o gótico, o
românico, o renascentista, o barroco e o neoclássico, o
Ecletismo alcança a América e o Brasil em pleno século XIX
 Uma tendência dentro do chamado Academicismo
propagado pela Academia Imperial de Belas Artes
 O ensino de arquitetura no país, antes ligado ao
Neoclássico, adotou mesmo o Ecletismo, sendo fortalecido
por outras instituições como o Liceu de Artes e Ofício de
São Paulo, também adepto do novo estilo
 Características: misturas de estilos estéticos históricos;
simetria, busca de grandiosidade; rigorosa hierarquização
dos espaços internos; riqueza na decoração.
Teatro Amazonas (Manaus) e o Teatro José de Alencar
(Fortaleza).
O estilo popularizou-se no Brasil entre o final do
século XIX, época do II Reinado, e o início do
século XX.
Bastante empregado em vários edifícios civis e
militares, além de moradias e, sobretudo,
construções religiosas, em várias regiões do
país. Na realidade, são construçõe4s ecléticas
com fortes traços góticos.
• Em meados do século XIX, início do governo de D. Pedro II,
a pintura brasileira se desenvolve sob forte influência
europeia. Há, no entanto, uma valorização das raízes
nacionais, da nossa natureza tropical, além dos temas
históricos, mitológicos e religiosos.
• Nesse contexto destacam-se Vitor Meireles, Pedro Américo,
Almeida Junior e Rodolfo Amoedo, artistas que vivenciaram
seus estudos na Academia Imperial de Belas Artes, no Rio
de Janeiro, e também na Escola de Belas Artes de Paris.
• Tais artistas seguiram os padrões ditados pela Missão
Artística Francesa de 1816 e pelos modelos clássicos,
valorizando a criação da beleza ideal, distante, portanto, da
realidade.
• D. Pedro II torna-se um patrocinador e incentivador das artes
e de artistas no País.
A Primeira Missa no Brasil (Paris-1861)
Batalha dos Guararapes
D. Pedro II
Moema
Tiradentes
Pedro Américo
O Grito do Ipiranga (1888)
D. Pedro II na Assembleia
Batalha de Avaí
O Último Tamoio (1883)
Natureza-Morta
Picando fumo (1893) O Violeiro (1899)
Os artistas brasileiros da segunda metade do século XIX
buscam novos conceitos na pintura.
Sofrem nítida influência do movimento Impressionista
europeu.
Nessa nova fase da pintura brasileira destacam-se
Belmiro Barbosa de Almeida, Antonio Parreiras,
Benedito Calixto e Eliseu Visconti. Tais artistas também
passaram pela Academia brasileira e depois visitaram a
Europa e os trabalhos dos artistas europeu da nova
geração que prenunciou a Arte Moderna.
Arrufos (1887)
Flor brasileira (1913)
 Fundação de São Vicente
Trigal (1916)
Visconti
Gioventu
Maternidade
A arte no brasil império

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Andrea Dressler
 
Eli heil - Vida e obra
Eli heil -  Vida e obraEli heil -  Vida e obra
Eli heil - Vida e obra
Angélica Santos
 
As culturas africanas e indígenas slide
As culturas africanas e indígenas slideAs culturas africanas e indígenas slide
As culturas africanas e indígenas slide
Maria Clara Magalhães
 
Arte e corpo
Arte e corpoArte e corpo
Arte e corpo
gєαทє ℓiмα
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
Ipsun
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Júnior Maciel
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
Maiara Giordani
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Paisagem
Fernanda Bastos
 
Arte - Neoclassicismo
Arte - NeoclassicismoArte - Neoclassicismo
Arte - Neoclassicismo
Maiara Giordani
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
diogocaetanorodrigues
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
julio2012souto
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
Andrea Dressler
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Michele Pó
 
Teoria Das Cores
Teoria Das CoresTeoria Das Cores
Teoria Das Cores
martha
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Junior Onildo
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Michele Pó
 
Pós-impressionismo
Pós-impressionismoPós-impressionismo
Pós-impressionismo
marta Maria
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
Wellinton Augusto
 
leitura de uma obra
leitura de uma obraleitura de uma obra
leitura de uma obra
Daiana Holz
 

Mais procurados (20)

Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
 
Eli heil - Vida e obra
Eli heil -  Vida e obraEli heil -  Vida e obra
Eli heil - Vida e obra
 
As culturas africanas e indígenas slide
As culturas africanas e indígenas slideAs culturas africanas e indígenas slide
As culturas africanas e indígenas slide
 
Arte e corpo
Arte e corpoArte e corpo
Arte e corpo
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
História da Arte - Barroco
História da Arte - BarrocoHistória da Arte - Barroco
História da Arte - Barroco
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Paisagem
 
Arte - Neoclassicismo
Arte - NeoclassicismoArte - Neoclassicismo
Arte - Neoclassicismo
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Teoria Das Cores
Teoria Das CoresTeoria Das Cores
Teoria Das Cores
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Pós-impressionismo
Pós-impressionismoPós-impressionismo
Pós-impressionismo
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 
leitura de uma obra
leitura de uma obraleitura de uma obra
leitura de uma obra
 

Semelhante a A arte no brasil império

Aula 3 ef - artes
Aula 3   ef - artesAula 3   ef - artes
Aula 3 ef - artes
Walney M.F
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
Alcir Costa
 
Academocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2ºAcademocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2º
Paulo Vitor
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Priscila Barbosa
 
Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
Fabiana Alexandre
 
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. IINeoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Rafael Ribeiro
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Priscila Silva
 
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIXNeoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Fabiana Alexandre
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
marylusilva
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
marylusilva
 
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMOMISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
VIVIAN TROMBINI
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
Auriene
 
missoartisticafrancesa.pptx
missoartisticafrancesa.pptxmissoartisticafrancesa.pptx
missoartisticafrancesa.pptx
LucimeireMello
 
Arte Barroca
Arte Barroca Arte Barroca
Arte Barroca
Biany Lima Lima
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
Cristiane Seibt
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
Angeli Arte Educadora
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
Angeli Arte Educadora
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Marcos Feliciano
 
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Carson Souza
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arte Educadora
 

Semelhante a A arte no brasil império (20)

Aula 3 ef - artes
Aula 3   ef - artesAula 3   ef - artes
Aula 3 ef - artes
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
 
Academocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2ºAcademocismo alunos do 2º
Academocismo alunos do 2º
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
 
Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
 
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. IINeoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIXNeoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
 
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMOMISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
 
missoartisticafrancesa.pptx
missoartisticafrancesa.pptxmissoartisticafrancesa.pptx
missoartisticafrancesa.pptx
 
Arte Barroca
Arte Barroca Arte Barroca
Arte Barroca
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
 
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileiraA influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
A influencia da missão artistica francesa na arte brasileira
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Jesrayne Nascimento

Sociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas MedievaisSociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas Medievais
Jesrayne Nascimento
 
Teoria da ADM
Teoria da ADMTeoria da ADM
Teoria da ADM
Jesrayne Nascimento
 
O papel do administrador
O papel do administradorO papel do administrador
O papel do administrador
Jesrayne Nascimento
 
Relatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnicaRelatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnica
Jesrayne Nascimento
 
Regras da ABNT
Regras da ABNTRegras da ABNT
Regras da ABNT
Jesrayne Nascimento
 
Dicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentaçãoDicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentação
Jesrayne Nascimento
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
Jesrayne Nascimento
 
Realismo
RealismoRealismo
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
Jesrayne Nascimento
 
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-modernoArte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
Jesrayne Nascimento
 
Word Avançado
Word AvançadoWord Avançado
Word Avançado
Jesrayne Nascimento
 
Apostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondasApostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondas
Jesrayne Nascimento
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
Jesrayne Nascimento
 
Ecoturismo - TGT
Ecoturismo - TGTEcoturismo - TGT
Ecoturismo - TGT
Jesrayne Nascimento
 
Física - Composicao Movimento
Física - Composicao MovimentoFísica - Composicao Movimento
Física - Composicao Movimento
Jesrayne Nascimento
 
Apostilas concurso banco do brasil português bb
Apostilas concurso banco do brasil   português bbApostilas concurso banco do brasil   português bb
Apostilas concurso banco do brasil português bb
Jesrayne Nascimento
 
Livro linguagens
Livro linguagensLivro linguagens
Livro linguagens
Jesrayne Nascimento
 
Rio de janeiro
Rio de janeiroRio de janeiro
Rio de janeiro
Jesrayne Nascimento
 
Apostila de violão
Apostila de violãoApostila de violão
Apostila de violão
Jesrayne Nascimento
 

Mais de Jesrayne Nascimento (20)

Sociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas MedievaisSociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas Medievais
 
Teoria da ADM
Teoria da ADMTeoria da ADM
Teoria da ADM
 
O papel do administrador
O papel do administradorO papel do administrador
O papel do administrador
 
Objectif Express
Objectif Express Objectif Express
Objectif Express
 
Relatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnicaRelatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnica
 
Regras da ABNT
Regras da ABNTRegras da ABNT
Regras da ABNT
 
Dicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentaçãoDicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentação
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
 
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-modernoArte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
 
Word Avançado
Word AvançadoWord Avançado
Word Avançado
 
Apostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondasApostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondas
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
Ecoturismo - TGT
Ecoturismo - TGTEcoturismo - TGT
Ecoturismo - TGT
 
Física - Composicao Movimento
Física - Composicao MovimentoFísica - Composicao Movimento
Física - Composicao Movimento
 
Apostilas concurso banco do brasil português bb
Apostilas concurso banco do brasil   português bbApostilas concurso banco do brasil   português bb
Apostilas concurso banco do brasil português bb
 
Livro linguagens
Livro linguagensLivro linguagens
Livro linguagens
 
Rio de janeiro
Rio de janeiroRio de janeiro
Rio de janeiro
 
Apostila de violão
Apostila de violãoApostila de violão
Apostila de violão
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

A arte no brasil império

  • 1. O Império brasileiro, notadamente no 2º Reinado, foi bastante rico em manifestações artístico-culturais. Ainda no 1º Reinado, a pintura destacou nomes como: - Johann Moritz Rugendas (1820-1868), viajante alemão, que publicou “Viagem Pitoresca no Brasil”, produto de suas expedições independentes. - Manuel de Araujo Porto Alegre (RS-1806-1879), gaúcho, ex-aluno da Escola de Belas-Artes no RJ. - Simplício R. de Sá.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. 2º Reinado, a música brasileira conheceu três grandes nomes: -Antonio Carlos Gomes (1836-1896), operista com diversas óperas, entre elas “O Guarani”; -Francisco Manuel da Silva (1795-1865), compositor e maestro autor da música do Hino Nacional; -Chiquinha Gonzaga (1847-1935), compositora e pianista de choro, autora da primeira marcha carnavalesca – “Ó abre alas”.
  • 6.
  • 7. A daguerreotipia foi introduzida no Brasil pelo abade francês Louis Compte, em 1840. A fotografia foi muito praticada pelo imperador D. Pedro II, um mecenas dessa arte além de grande colecionador de fotografias. Marc Ferrez e Militão Augusto de Azevedo, no final do século XIX, foram autores de documentários fotográficos no País.
  • 8.
  • 9. Desenvolve-se na França, ainda no século XVIII, graças ao ensino de arquitetura na École des Beaux- Arts, esta primando pelos ideais clássicos italianos. Estilo que se contrapõe ao barroquismo/rococó, paralelo à valorização da cultura greco-romano a partir das escavações de Pompéia e Herculano, no séc. XVIII. Charles Percier (1764-1832) e Léonard Fontaine (1762-1826), da Academia Francesa são considerados os precursores do neoclássico na França, além de Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny, Jean-Nicolas-Louis Durand.
  • 10. Sob influência da Missão Francesa, as linhas neoclássicas substituem o barroco. No Recife é forte a presença da arquitetura neoclássica, onde um exemplo é o Teatro Santa Isabel (Louis Leger Vauthier). No final do século XIX, surge no Brasil o Ecletismo (greco-romano, gótico, renascentismo e mourisco), e posteriormente o Art Noveau.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.  Combinando elementos arquitetônicos, como o gótico, o românico, o renascentista, o barroco e o neoclássico, o Ecletismo alcança a América e o Brasil em pleno século XIX  Uma tendência dentro do chamado Academicismo propagado pela Academia Imperial de Belas Artes  O ensino de arquitetura no país, antes ligado ao Neoclássico, adotou mesmo o Ecletismo, sendo fortalecido por outras instituições como o Liceu de Artes e Ofício de São Paulo, também adepto do novo estilo  Características: misturas de estilos estéticos históricos; simetria, busca de grandiosidade; rigorosa hierarquização dos espaços internos; riqueza na decoração.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Teatro Amazonas (Manaus) e o Teatro José de Alencar (Fortaleza).
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. O estilo popularizou-se no Brasil entre o final do século XIX, época do II Reinado, e o início do século XX. Bastante empregado em vários edifícios civis e militares, além de moradias e, sobretudo, construções religiosas, em várias regiões do país. Na realidade, são construçõe4s ecléticas com fortes traços góticos.
  • 30.
  • 31.
  • 32. • Em meados do século XIX, início do governo de D. Pedro II, a pintura brasileira se desenvolve sob forte influência europeia. Há, no entanto, uma valorização das raízes nacionais, da nossa natureza tropical, além dos temas históricos, mitológicos e religiosos. • Nesse contexto destacam-se Vitor Meireles, Pedro Américo, Almeida Junior e Rodolfo Amoedo, artistas que vivenciaram seus estudos na Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e também na Escola de Belas Artes de Paris. • Tais artistas seguiram os padrões ditados pela Missão Artística Francesa de 1816 e pelos modelos clássicos, valorizando a criação da beleza ideal, distante, portanto, da realidade. • D. Pedro II torna-se um patrocinador e incentivador das artes e de artistas no País.
  • 33. A Primeira Missa no Brasil (Paris-1861)
  • 37. O Grito do Ipiranga (1888)
  • 38. D. Pedro II na Assembleia Batalha de Avaí
  • 39. O Último Tamoio (1883) Natureza-Morta
  • 40. Picando fumo (1893) O Violeiro (1899)
  • 41. Os artistas brasileiros da segunda metade do século XIX buscam novos conceitos na pintura. Sofrem nítida influência do movimento Impressionista europeu. Nessa nova fase da pintura brasileira destacam-se Belmiro Barbosa de Almeida, Antonio Parreiras, Benedito Calixto e Eliseu Visconti. Tais artistas também passaram pela Academia brasileira e depois visitaram a Europa e os trabalhos dos artistas europeu da nova geração que prenunciou a Arte Moderna.
  • 44.  Fundação de São Vicente