SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA DE ARTE – PROF. ANDRÉA SANCHES – 8º. Ano “A”, “B” e “C”
ENSINO FUNDAMENTAL
O Neoclassicismo: A partir das duas últimas décadas do século XVIII, uma nova tendência estética
predominou nas criações dos artistas europeus. Denominado Neoclassicismo, esse estilo surgiu como
reação ao Barroco e ao Rococó e se caracterizou pelo desejo de recriar as formas artísticas da Antiguidade
greco-romana. A Afirmação do Neoclassicismo deve-se em parte à curiosidade pelo passado desencadeada
pelas escavações arqueológicas de Pompéia e Herculano, cidades romanas soterradas pela lava do vulcão
Vesúvio em 79 d.C.
Os artistas, influenciados pelas ideias iluministas (filosofia que pregava a razão, o senso moral e o equilíbrio
em oposição à emoção) e inspirados na pintura renascentista, sobretudo em Rafael, substituíram as linhas
diagonais e curvas do Barroco pelas retas firmes e equilibradas. Os neoclássicos queriam expressar as
virtudes cívicas, o dever, a honestidade e a austeridade, temas que se opunham diretamente à frivolidade
da aristocracia retratada no período anterior.
Buscavam expressar, ainda, os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia que assumiu a direção
da sociedade européia após a Revolução Francesa e, principalmente, com o império de Napoleão.
Para tal, retomou-se os princípios da arte da Antiguidade greco-romana, tornando tais princípios, conceitos
básicos para o ensino das artes nas academias mantidas pelos governos europeus. Daí o Neoclassicismo
também ter sido denominado Academicismo.
Historicismo:
1775 – Rousseau publica Discurso Sobre a Origem da Desigualdade Entre os Homens
1777 – Goya pinta O Guarda-Chuva
1789 – Início da Revolução Francesa
1807 – França invade Portugal
1760 – Escavações arqueológicas descobrem as cidades de Pompéia e Herculano
1822 – Independência do Brasil
1826 – Fundação da Academia de Belas-Artes no Brasil
1829 – Debret organiza a primeira exposição de arte no Brasil
1859 – Darwin desenvolve a teoria da seleção natural das espécies.
Um Estilo Suave, mas Rigoroso
De acordo com esta tendência, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse
não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos e os renascentistas italianos já haviam
criado. E esse trabalho de imitação só seria possível através de um cuidadoso aprendizado das técnicas e
convenções da arte clássica. Por isso, o convencionalismo e o tecnicismo reinaram nas academias de
belas-artes, até serem questionados pela arte moderna.
Arquitetura Neoclássica
Tanto nas construções civis quanto nas religiosas, a arquitetura neoclássica seguiu o modelo dos templos
greco-romanos ou das edificações renascentistas italianas. Caracterizou-se pelo uso de fachadas sóbrias,
nas quais colunas dóricas ou jônicas sustentam frontões triangulares.
Exemplos dessa arquitetura são a igreja de Santa Genoveva, em Paris (transformada depois em Panteão
Nacional, onde passaram a serem abrigados os restos mortais de importantes personagens da história
francesa) e a Porta de Brandemburgo, em Berlim.
Escultura Neoclássica
A escultura neoclássica também buscou inspiração na Antiguidade greco-romana. Utilizando materiais
nobres como mármore e granito negro, foi aplicada basicamente de forma decorativa em fontes e
mausoléus. O maior nome da estatuária neoclássica foi o italiano Antônio Canova (1757-1822).
Missão Artística Francesa no Rio de Janeiro
O início do século XIX no Brasil é marcado pela chegada da família real portuguesa, acompanhada por uma
comitiva de 15 000 pessoas, fugindo do conflito entre a França napoleônica e a Inglaterra. No Rio de
Janeiro, o soberano português começou uma série de reformas administrativas e culturais, para adaptar a
cidade às cidades da corte. Assim, foram criadas as primeiras fábricas e fundadas instituições como o
Banco do Brasil, a Biblioteca Real, o Museu Real e a Imprensa Régia. A partir de então, o Brasil recebe
forte influência da cultura europeia. Oito anos mais tarde, a tendência europeizante da cultura da colônia se
afirma ainda mais com a chegada da Missão Artística Francesa.
A Missão chegou ao Brasil chefiada por Joachin Lebreton e dela faziam parte Nicolas-Antoine Taunay,
Jean-Baptiste Debret e Auguste Jean de Montigny. Esse grupo organizou, ainda em 1816, a Real Escola
das Ciências, Artes e Ofícios, mais tarde Imperial Academia e Escola de Belas-Artes.
Taunay (1755-1830): uma das mais importantes figuras da Missão, participou de várias exposições na corte
de Napoleão e nos cinco anos que permaneceu no Brasil produziu cerca de trinta paisagens do Rio de
Janeiro e regiões próximas.
Debret (1768-1848): é o artista da Missão mais conhecido pelos brasileiros, pois seus trabalhos
documentam a vida do Brasil no século XIX e estão reproduzidos nos livros escolares. Já muito premiado na
Europa, realizou no Brasil, até sua partida em 1831, imensa obra: retratos da família real, cenários para o
Teatro São João, ornamentações para festas públicas e oficiais e foi professor de pintura histórica na
Academia de Belas-Artes, onde realizou a primeira exposição de arte no Brasil, em dezembro de 1829. Seu
trabalho mais importante e conhecido é uma obra em três volumes denominada Viagem Pitoresca e
Histórica ao Brasil, com 150 ilustrações que documentam os usos e costumes indigenas, a sociedade e as
paisagens do Rio de Janeiro, plantas e florestas brasileiras. Suas obras ilustram ainda hoje os livros de
história do Brasil.
Montigny (1772-1850): foi o principal arquiteto responsável pela alteração na arte de construir, fazendo o
Brasil abandonar os princípios barrocos e desenvolver o estilo neoclássico. Montigny projetou o prédio da
Academia de Belas-Artes, a Casa da Moeda e o Palácio do Itamaraty no Rio de Janeiro.
A Academia e Escola de Belas-Artes formou grandes artistas nesse período, a se destacar Manuel de
Araújo Porto Alegre, pintor, paisagista e caricaturista, poeta, escritor, teatrólogo e que chegou a ser diretor
da própria academia. Augusto Muller importante pintor retratista e paisagista e Agostinho José da Mota,
famoso pintor de paisagens e naturezas- mortas e o primeiro artista brasileiro a obter um prêmio
internacional, na França.
Além dos artistas da Missão Francesa, vieram para o Brasil, no século XIX, outros pintores europeus,
motivados pela paisagem tropical e pela existência de uma burguesia rica e desejosa de ser retratada.
Dentre eles, o mais famoso foi Johann- Moritz Rugendas (1802-1868), de origem alemã que esteve no
Brasil entre 1821 e 1825. Desse tempo, deixou um livro, Viagem Pitoresca através do Brasil, com cem
ilustrações retratando o dia-a-dia do império, além de retratos a óleo da família imperial.
O Estilo que Veio Substituir o Rococó
Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética
predominou nas criações dos artistas europeus. Trata-se do Academicismo ou Neoclassicismo, que
expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia, que assumiu a direção da sociedade
européia após a Revolução Francesa e principalmente com o império de Napoleão.
Esse estilo chamou-se Neoclassicismo porque retomou os princípios da arte da Antiguidade grecoromana.
A outra denominação – Academicismo – deveu- se ao fato de que as concepções artísticas do mundo
greco-romano tornaram-se os conceitos básicos para o ensino das artes nas academias mantidas pelos
governos europeus.
De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que
imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos e os renascentistas italianos já
haviam criado. E esse trabalho de imitação só era possível através de um cuidadoso aprendizado das
técnicas e convenções da arte clássica. Por isso, o convencionalismo e o tecnicismo reinaram nas
academias de belas-artes, até serem questionados pela arte moderna.
A Pintura do Neoclassicismo
A pintura desse período foi inspirada principalmente na escultura clássica grega e na pintura renascentista
italiana. O maior representante da pintura neoclássica é, sem dúvida, Jacques Louis David (1748-1825).
Ele nasceu em Paris e foi considerado o pintor da Revolução Francesa; mais tarde, tornou-se o pintor oficial
do Império de Napoleão. David, sem dúvida, exerceu uma grande influência na pintura de seu tempo. Suas
obras geralmente expressam um vibrante realismo, mas algumas delas exprimem fortes emoções, como é o
caso do quadro que retrata a morte de seu amigo Marat.
Já no século XIX, quando outras tendências artísticas marcavam fortemente os pintores da época, Jean
Auguste Dominique Ingres (1780-1867) conservava uma acentuada influência neoclássica, herdada de seus
mestres, sobretudo de David, cujo ateliê freqüentou em 1797.
Sua obra abrange, além de composições mitológicas e literárias, nus, retratos e paisagens, mas a crítica
moderna vê nos retratos e nus o seu trabalho mais admirável. Ingres soube registrar a fisionomia da classe
burguesa do seu tempo, principalmente no seu gosto pelo poder e na sua confiança na individualidade.
Por outro lado, Ingres revela um inegável apuro técnico na pintura do nu. Sua célebre tela Banhista de
Valpinçon é um testemunho disso. Nessa obra fica evidente o domínio dos tons claros e translúcidos para a
representação da pele e o domínio do desenho, uma das características mais fortes de Ingres.
O Romantismo: Primeira reação a arte neoclássica
O século XIX foi agitado por fortes mudanças sociais, políticas e culturais causadas pela Revolução
Industrial e pela Revolução Francesa. Podemos identificar nesse período vários movimentos que
produziram obras de arte segundo diferentes concepções e tendências.
Entre esses movimentos artísticos, o primeiro que iremos falar é o Romantismo, que se caracteriza por uma
reação ao Neoclassicismo.
Os românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favos da livre expressão da
personalidade do artista. Assim, de modo geral, podemos afirmar que a característica mais marcante do
Romantismo é a valorização dos sentimos e da imaginação como princípios da criação artística.
A pintura romântica
Ao negar a estética neoclássica, a pintura romântica aproxima-se das formas barrocas. Assim, os pintores
românticos, como Goya, Delacroix, Turner e Constable, recuperam o dinamismo e a sugestão de agitação
que os neoclássicos haviam negado. A cor é novamente valorizada e os contrastes de claro-escuro
reaparecem, produzindo efeitos dramaticidade no observador.
Goya: a luta pela liberdade: Francisco José Goya y Lucientes (1746-1828) trabalhou temas diversos:
retratos de personalidades da corte espanhola e de pessoas do povo, os horrores da guerra, a ação
incompreensível de monstros e cenas históricas.
Eugène Delacroix: a multidão agitada nas ruas - Aos 29 anos, Eugène Delacroix (1799-1863) viveu uma
importante experiência para a sua arte. Ele visitou Marrocos como membro da comitiva do embaixador da
França, com a missão de documentar os hábitos e costumes das pessoas daquela terra. A visão que
Delacroix teve de Marrocos e que retratou em seu quadro é a da realidade misturada ao mistério e ao
exotismo.
A paisagem romântica: A pintura paisagística já havia se desenvolvido no século XVIII, mas foi no período
romântico que ganhou nova força, principalmente na Inglaterra. A paisagem romântica inglesa caracteriza-
se, de um lado, por seu realismo, e por outro, pela recriação das contínuas modificações das cores da
natureza causadas pela luz solar. Por causa dessa segunda característica, alguns estudiosos consideram
que os paisagistas ingleses do século XIX anteciparam-se em algumas décadas aos impressionistas
franceses.
Turner: a agitação na paisagem natural - Joseph Mallord William Turner (1775-1851) representou os
grandes movimentos da natureza, mas por meio do estudo da luz que a natureza reflete procurou descrever
uma certa “atmosfera” da paisagem.
John Costable: a paisagem da vida cotidiana
Ao contrário de Turner, a natureza retratada por Constable (1776-1837) é serena e profundamente ligada
aos lugares onde o artista nasceu, cresceu e trabalhou ao lado do pai. Muitos elementos de suas paisagens
– os moinhos de vento, as barcaças carregadas de cereais - faziam parte da vida cotidiana do artista
quando jovem.
Análise e Interpretação da obra “SATURNO DEVORANDO SEU FILHO” – Francisco Goya
Na mitologia romana, Saturno era o deus grego do tempo, Cronos (daí a palavra cronologia). Avisado por
um oráculo de que um dos seus filhos seria a sua destruição, Saturno resolve comer os seus próprios filhos.
Essa é a cena retratada no quadro de Francisco Goya.
Freud analisa a obra de Goya como fruto de um estado melancólico do pintor ou até uma fase de
impotência sexual do mesmo, que estava casado com uma mulher muito mais jovem do que ele. A certeza
é de que essa obra reflete um momento de decadência física do pintor, feita já nos anos finais da sua vida.
4 detalhes de Saturno Devorando um Filho se destacam:
1. Saturno
O deus é pintado de forma grotesca, com pinceladas fortes e expressivas. A intenção era a de horrorizar a
cena, portanto Saturno é pintado como um verdadeiro monstro.
2. Os olhos de Saturno
Os olhos de Saturno são os olhos de um lunático, esbugalhados e sedentos de poder. Essa ilustração
transmite o desejo do deus, que está disposto a cruzar limites para manter o poder.
3. A luz
A luz do quadro é totalmente focada em Saturno, sendo que o resto do quadro é escuro, transmitindo a
sensação de pessimismo.
4. O filho
O filho de Saturno é um homem crescido, o que torna a cena ainda mais horrível. Ele está nu e a parte
superior de seu corpo já está ensanguentada. É um monstro comendo um homem.
MÁSCARAS AFRICANAS
“Mágicas, protetoras, lúdicas, miméticas tanto servem para encobrir ou revelar intenções de quem as usa”.
Imaginária ou não a mascara serve para ocultar a verdadeira essência do homem, sejam seus instintos ou
mesmos traços fisionômicos. O seu uso pode significar esconder uma personalidade cotidiana para assumir
as qualidades da personagem que ora representa.
Desde a pré-história as mascaras são usadas juntamente com os tambores, cantos, danças e mimicas nos
rituais religiosos e mágicos. O mais antigo registro de sua existência foi encontrado na Caverna de Lascaux,
na França em desenhos feitos nas paredes rochosas mostrando homens mascarados com cabeça de
animais. Nos rituais sagrados, a máscara intermedia a relação com o mundo invisível, expressando a fé na
existência de seres sobrenaturais.
Também desempenha funções magicas: No Antigo Egito elas eram colocadas sobre o rosto do mosto para
ajuda-lo na passagem para a vida eterna. Gregos e romanos usavam-nas em cerimonias religiosa. Na
China e sudeste da Ásia, as mascaras de dragão eram usadas para afastar os maus espíritos. Ainda hoje,
sacerdotes de civilizações primitivas como os pajés entre os povos indígenas usam mascaras para
incorporar entidades que curam.
Na África, as mascaras não serve só para esconder o rosto de quem a usa, ela o transforma em outro
alguém diferente que pode ser um espirito ancestral, um ser do outro mundo. Essa “transformação” só
acontece em momentos especiais como: rituais e cerimônias de iniciação, quando crianças se preparam
para tornarem-se adultos; nos enterros; nas coroações de chefes e reis; festas de colheita ou plantio;
rituais de curas de doenças; expedições de caça ou de guerra; policiamento e cumprimento da justiça.
Percebe-se então que as máscaras têm funções educativas, religiosas, militares, policiais e econômicas.
A máscara não é apenas um objeto esculpido em madeira ou confeccionada em outro material. Ela inclui a
roupa do mascarado e adereços que ele carrega. Mas ela só se torna uma máscara quando entra em ação,
dançando a música dos tambores e outros instrumentos, enquanto a comunidade participa olhando,
batendo palmas, cantando e estimulando.
Eram também usadas para protegerem o físico. Durante 650 anos em todo o Império Romano, gladiadores
usavam máscaras nos confrontos com feras, em circos públicos e arenas. Mas foi na arte dramática que a
máscara mais se enriqueceu, transformando-se em elemento cênico. Os artefatos eram confeccionados em
barro, madeira, cortiça e ferro adornados com outros materiais. Em 500 a.C. sua forma foi aperfeiçoada e
sua execução confiada a escultores.
Raízes africanas
CAPOEIRA
A história da capoeira começa no século XVI, na época em que o Brasil era colônia de Portugal. A mão-de-
obra escrava africana foi muito utilizada no Brasil, principalmente nos engenhos (fazendas produtoras de
açúcar) do nordeste brasileiro. Muitos destes escravos vinham da região de Angola, também colônia
portuguesa. Os angolanos, na África, faziam muitas danças ao som de músicas.
No Brasil
Ao chegarem ao Brasil, os africanos perceberam a necessidade de desenvolver formas de proteção contra
a violência e repressão dos colonizadores brasileiros. Eram constantemente alvos de práticas violentas e
castigos dos senhores de engenho. Quando fugiam das fazendas, eram perseguidos pelos capitães-do-
mato, que tinham uma maneira de captura muito violenta.
Os senhores de engenho proibiam os escravos de praticar qualquer tipo de luta. Logo, os escravos
utilizaram o ritmo e os movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Surgia assim a
capoeira, uma arte marcial disfarçada de dança. Foi um instrumento importante da resistência cultural e
física dos escravos brasileiros.
A prática da capoeira ocorria em terreiros próximos às senzalas (galpões que serviam de dormitório para os
escravos) e tinha como funções principais à manutenção da cultura, o alívio do estresse do trabalho e a
manutenção da saúde física. Muitas vezes, as lutas ocorriam em campos com pequenos arbustos,
chamados na época de capoeira ou capoeirão. Do nome deste lugar surgiu o nome desta luta.
Até o ano de 1930, a prática da capoeira ficou proibida no Brasil, pois era vista como uma prática violenta e
subversiva. A polícia recebia orientações para prender os capoeiristas que praticavam esta luta. Em 1930,
um importante capoeirista brasileiro, mestre Bimba, apresentou a luta para o então presidente Getúlio
Vargas. O presidente gostou tanto desta arte que a transformou em esporte nacional brasileiro.
Três estilos da capoeira
A capoeira possui três estilos que se diferenciam nos movimentos e no ritmo musical de acompanhamento.
O estilo mais antigo, criado na época da escravidão, é a capoeira angola. As principais características deste
estilo são: ritmo musical lento, golpes jogados mais baixos (próximos ao solo) e muita malícia. O estilo
regional caracteriza-se pela mistura da malícia da capoeira angola com o jogo rápido de movimentos, ao
som do berimbau. Os golpes são rápidos e secos, sendo que as acrobacias não são utilizadas. Já o terceiro
tipo de capoeira é o contemporâneo, que une um pouco dos dois primeiros estilos. Este último estilo de
capoeira é o mais praticado na atualidade.
As Máscaras Africanas
A função dos rituais nas sociedades
Os rituais são elementos fundamentais da cultura humana. Aparecem em absolutamente todas as
sociedades da terra. Em algumas, seus integrantes, por vezes, não se dão conta de sua participação nos
rituais (como a nossa sociedade ocidental). Em outras, todos os atos diários e cotidianos estão ligados aos
aspectos religiosos e ritualísticos.
Os rituais são caracterizados por um conjunto de procedimentos práticos cuja função é marcar determinado
acontecimento ou materializar o sagrado. Podem estar também ligados à evocação de eventos mitológicos
por meio de uma liturgia. Aos condutores dos ritos normalmente lhes são atribuídos poder e prestígio.
O uso das máscaras
A utilização de máscaras em cerimoniais é prática comum há milhares de anos. As máscaras são de
fundamental importância nos rituais, sejam de iniciação, de passagem, ou de evocação de entidades
espirituais. As máscaras apresentam-se, também, como elementos de afirmação étnica, expondo
características particulares de cada grupo. Assim, existe uma enorme diversidade de formas, modelos,
técnicas de confecção e aplicações.
Normalmente, a máscara é apenas um dos elementos utilizados nas cerimônias e rituais, havendo a
combinação com outras manifestações, como dança, música e instrumentos musicais. Aparece ainda o uso
de máscaras associado a objetos de cunho animatista, como amuletos. As máscaras são empregadas,
basicamente, em eventos sociais e religiosos.
Na África, o artífice, antes de começar a esculpir uma máscara, passa por um processo de purificação, com
reza aos espíritos ancestrais e às forças divinas. Tal prática faria com que a força divina fosse transferida
para a máscara durante o processo de manufatura.
Por Rodrigo Aguiar
(Caminhos Ancestrais)
http://abstracaocoletiva.com.br/2012/11/01/analise-do-quadro-saturno-devorando-seu-filho-de-francisco-de-
goya/
ATIVIDADES
1 – Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:
( ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo.
( ) O romantismo não valorizava a natureza, pois seus artistas acreditavam na tristeza e consideravam
a natureza alegre.
( ) Os artistas românticos usavam na pintura uma composição em diagonal, valorizando a cor e o
contraste claro-escuro.
( ) O romantismo era composto de sentimentos como o amor e paixões.
TEXTO I
O século XIX foi agitado por fortes mudanças sociais, políticas e culturais causadas pela Revolução
Industrial e pela Revolução Francesa. Do mesmo modo, a atividade artística tornou-se mais complexa.
Podem ser identificados neste período movimentos artísticos de diferentes concepções e tendências como o
Romantismo, Realismo, Impressionismo e pós-impressionismo. As questões a seguir são referentes a estes
movimentos.
2 – Destes movimentos o Romantismo se destaca como a primeira e mais forte reação ao Neoclassicismo.
Quanto às características do Romantismo, analise os itens abaixo e julgue-os:
( )O artista romântico procurou se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão.
( ) A valorização dos sentimentos e da imaginação foi um dos princípios da criação romântica.
( ) A estética se opôs radicalmente ao exagero realista.
( ) Ao negar o Neoclassicismo, o Romantismo se aproximou do Renascimento.
3 – Quase simultaneamente ao neoclassicismo surge o romantismo na França. Quanto ao Romantismo
analise e julgue os itens abaixo com (V) VERDADEIRO ou (F) FALSO e em seguida marque a alternativa
correspondente à sequência obtida:
I. ( ) Romantismo vem a confirmar as tendências do Neoclássico.
II. ( ) O artista romântico está fortemente ligado ao misterioso e ao sobrenatural.
III. ( ) A linhas e curvas do Barroco e do Rococó são utilizadas como base para a criação dos desenhos.
IV. ( ) Romantismo é o primeiro dos movimentos a se opor ao neoclassicismo.
a) F – F – V – V
b) V – V – F – F
c) F – F – V – F
d) F – V – F – V
TEXTO II
O romantismo é todo um período cultural, artístico e literário que se inicia na Europa no final do século XVIII,
espalhando-se pelo mundo até o final do século XIX. O berço do romantismo pode ser considerado três
países: Itália, Alemanha e Inglaterra. Porém, na França, o romantismo ganha força como em nenhum outro
país e, através dos artistas franceses, os ideais românticos espalham-se pela Europa e pela América.
4 - Segundo a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:
( )Foi a primeira forte ligação ao Neoclassicismo.
( ) O romantismo valorizava a natureza, pois acreditavam na alegria e eles consideravam a natureza
triste.
( ) Na pintura, eles usavam composição em vertical, valorização da cor e o contraste claro-escuro.
( ) O romantismo era composto de sentimentos como o dadaísmo e o abstracionismo.
TEXTO III
Enquanto os artistas neoclássicos se preocupavam em imitar a arte greco-romana e os mestres do
renascimento italiano, os artistas românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor
da livre expressão da personalidade do artista.
5 - Com base no texto e nos seus conhecimentos sobre o Romantismo julgue os itens abaixo com (C) para
os certos e (E) para os errados:
( ) A arte Romântica se caracterizou por sua estreita relação com a literatura e a poesia.
( ) O Romantismo foi um estilo que revalorizou os conceitos de pátria e mitologia.
( ) Formas geométricas foram características da arte Romântica.
( ) No Romantismo o amor foi o tema das obras do começo ao fim do movimento.
6 - Ainda com base em seus conhecimentos sobre o romantismo julgue os itens abaixo:
( ) O retorno da natureza como fonte inspiradora da arte é uma das características do Romantismo.
( ) A escultura Romântica foi marcada pela pouca originalidade.
( ) A composição em vertical e horizontal é uma das características da pintura romântica.
( ) Os artistas românticos se preocupavam em valorizar e até copiar a arte greco-romana.
7 - A respeito do Romantismo julgue os itens com ( C ) para as alternativas corretas e ( E ) para erradas:
( ) Seguia normas impostas para imitar a arte greco-romana
( ) Os artistas eram fascinados pelo mistério e o sobrenatural.
( ) As obras feitas no romantismo eram repletas de fantasias e o heroísmo acompanhava a emoção.
( ) O artista romântico retratava a realidade tal qual ela é.
8 – Quase simultaneamente ao neoclassicismo surge o Romantismo na França. Quanto ao Romantismo
julgue os itens:
( ) O Romantismo vem a negar as tendências do Neoclássico.
( ) O artista romântico está fortemente ligado ao real e ao religioso.
( ) A linhas e curvas do Renascimento e do Maneirismo são utilizadas como base para a criação dos
desenhos.
( ) O Romantismo é o primeiro dos movimentos a se unir ao neoclassicismo.
9 – Marque a alternativa correta:
( ) O Romantismo se assemelha ao Renascimento na composição em diagonal.
( ) O Romantismo se assemelha ao Barroco no contraste claro-escuro.
( ) O Romantismo se assemelha ao Impressionismo no estudo das cores.
( ) O Romantismo se assemelha ao Fauvismo no emprego das cores puras.
10 – Marque a alternativa correta:
( ) No Romantismo existe dramaticidade.
( ) No Romantismo existem varias obras com temas mitológicos.
( ) No Romantismo a amor é o principal tema.
( ) No Romantismo os artistas seguiam varias regras.
11 – Marque a alternativa correta:
( ) Cenas históricas não aparecem no Romantismo.
( ) Cenas históricas aparecem no Romantismo.
( ) Os Artistas Românticos não tinham nenhuma regra.
( ) As Regras foram bem aceitas.
12 – “De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em
que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos e os renascentistas
italianos já haviam criado.” Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:
I. ( ) É o academicismo o grande opositor no decorrer do processo, pois expressou os valores próprios
de uma nova e fortalecida burguesia.
II. ( ) Tais determinações geraram uma introdução nas academias de artes que se convencionaram
quanto ao estilo de fazer arte.
III. ( ) Isto só seria possível com um trabalho de pesquisa e aprendizado das técnicas de convenções da
arte clássica, o que em decorrência da decadência política da época não acontecerá.
( ) Apenas o item II está correto.
( ) Todos os itens estão falsos.
( ) Apenas o item I está falso.
( ) Todos os itens estão corretos.
13 – A pintura do neoclassicismo tem sua inspiração principalmente na escultura clássica grega. Analise os
itens sobre a pintura neoclássica e marque uma ÚNICA alternativa:
l.( ) O maior dos representantes da escultura clássica grega é Rafael.
ll.( ) Um dos maiores representante deste período é, sem dúvida William Goya, autor de A carroça de
Feno.
III. ( ) Durante o governo de Napoleão, seus atos históricos foram registrados com maestria por Dalí.
( )Todos os itens estão corretos.
( )Todos os itens estão falsos.
( )Apenas o item I está falso.
( )Apenas o item III está correto.
TEXTO
O Neoclassicismo foi um movimento artístico que se desenvolveu especialmente na arquitetura e nas artes
decorativas. Floresceu na França e na Inglaterra, por volta de 1750, sob a influência do arquiteto Palladio
(palladianismo), e estendeu-se para o resto dos países europeus, chegando ao apogeu em 1830. Inspirado
nas formas grecoromanas, renunciou às formas do barroco (que não tinha tido grande repercussão na
França e na Inglaterra) revivendo os princípios estéticos da antiguidade clássica. Enquanto os artistas
neoclássicos se preocupavam em imitar a arte greco-romana e os mestres do renascimento italiano, os
artistas românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão da
personalidade do artista.
14 - Sobre o Neoclassicismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:
( ) Caracterizou-se pelo desejo de recriar as formas artísticas da antiguidade greco-romana.
( ) Os neoclássicos queriam expressar as virtudes cívicas, o poder, a honestidade e o cristianismo.
( ) Os neoclássicos queriam romper com a herança artística e cultural que vinha da Grécia antiga.
( ) A arquitetura se caracterizou pelo uso de fachadas sóbrias, nas quais colunas dóricas ou jônicas
sustentavam frontões hexagonais.
TEXTO
O filósofo Voltaire (1694-1778) foi o grande defensor da liberdade de pensamento e da tolerância. Com seu
estilo irônico e vibrante, criticou a monarquia absolutista de direito divino, a Igreja Católica, o clero, a
intolerância religiosa e o fanatismo. Afirmava ser necessária uma monarquia respeitadora das liberdades
individuais e governada por um soberano esclarecido pela filosofia das luzes. “ Posso não concordar com
nenhuma das palavras que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dize-la.” “ Não é aos homens
que me dirijo, é a ti, Deus de todos os seres, de todos os homens e de todos os tempos (...). Que as
pequenas diferenças entre as vestimentas que cobrem nossos fracos corpos, entre nossos costumes
ridículos, entre todas as nossas leis imperfeitas, entre todas as nossas opiniões insensatas (...) que todas
essas pequenas nuances que distinguem os átomos chamados homens não sejam motivos de
perseguição.” Voltaire, Tratado sobre a Tolerância, 1763, in Histore, 3º. Collection J. Monnier, Paris: F.
Nathan, 1966. Em meados do século XVII, pensadores europeus exaltaram a razão e o espírito crítico como
“luzes” capazes de clarear a mente das pessoas e de eliminar a escuridão da ignorância e da miséria
humana. Assim, o Neoclassicismo expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia, que
assumia a direção da sociedade européia após a Revolução Francesa e principalmente com o império de
Napoleão.
15 – Marque (C) CERTO ou (E) ERRADO:
( )A arte neoclássica trazia um tom calmo e completamente racional, enfatizando o desenho com
linhas, sem que se percebesse vestígios das pinceladas e tinha temas contra a arte grega.
( ) “Agora se quer heroísmo e virtudes cívicas”, assinalou o escritor alemão Goethe. A arte neoclássica
era séria, ilustrando temas da história antiga ou da mitologia nórdica, em vez das frívolas cenas de festa
rococó.
( ) A linha mestra do estilo neoclássico era dada por figuras severas, desenhadas com exatidão.
( ) O neoclassicismo foi um fenômeno francês. Esse estilo derivou da ruptura de seus antecessores.
Os neoclássicos queriam que a arte fosse mais 4 substancial, não inteiramente delicada a captar um
momento passageiro. Sua principal temática era a vida noturna, naturezas-mortas e auto retratos.
16– Marque (C) CERTO ou (E) ERRADO:
( ) Valores como ordem, intuição e emoção não fazem parte da estética neoclássica.
( ) Sendo a cultura neoclássica uma cultura teocêntrica pode-se afirmar que a arte dessa época é, na
sua maior parte, uma arte com função religiosa.
( ) Segundo o pensamento neoclássico, o belo é praticamente inatingível, pois não está na natureza,
mas sim no espírito do homem.
( ) A estética neoclássica retomou as técnicas barrocas: iluminação, diagonal, cores intensas e
temática mitológica.
17 – A partir das duas últimas décadas do século XVIII uma nova tendência estética predominou nas
criações dos artistas europeus, - o Neoclassicismo. Quanto às características marcantes do Neoclassicismo
analise os itens abaixo e julgue-os:
( ) Este estilo surgiu como uma reação ao Barroco e ao Rococó.
( ) Sua maior característica foi expressa pelo desejo de recriar as formas artísticas da antiguidade
greco-romana.
( ) É o neoclassicismo o responsável pelo total rompimento da razão e da ciência com a arte.
( ) As fontes de inspiração do neoclassicismo foram as obras do período Bizantino.
18 - A afirmação do Neoclassicismo deve-se em parte à curiosidade pelo passado desencadeada pelas
escavações arqueológicas de Pompéia e Herculano, cidades soterradas pela lava do vulcão Vesúvio em 79
d.C. Ainda quanto às características do Neoclassicismo analise os itens abaixo e julgue-os:
( ) As linhas das obras neoclássicas eram firmes e bem equilibradas.
( ) Seus temas buscavam retratar as virtudes cívicas e pré-históricas.
( ) Seus temas também expressavam os valores de uma nova e fortalecida burguesia.
( ) O neoclassicismo foi também conhecido como Academicismo.
TEXTO
Para a civilização ocidental, o século XIX foi uma época de revolução. A igreja e as monarquias perderam
seu poder e as novas democracias tinham cada vez mais problemas. Em suma, a tradição perdeu o atrativo
e em vez de um estilo predominar nos movimentos e contra movimentos, brotaram muitas outras
manifestações culturais. Durante a maior parte deste século, três estilos principais competiram uns com os
outros: Neoclassicismo, Romantismo e o Realismo. Perto do final do século rapidamente surgiram e
desapareceram diversas escolas – O Impressionismo, o Pós-impressionismo, o Art nouveau e o
Simbolismo.
19 - A respeito do Neoclassicismo, julgue os itens com ( C) para correto e ( E) para errado:
( E ) Os artistas negavam toda influência greco-romana.
( E ) Foi formulada uma arte com base nos princípios da racionalidade, proporção, medida, simetria e
nitidez.
( C ) Os neoclássicos queriam expressar contornos nitiodos.
( C ) O neoclassicismo o estudo nas escolas de belas artes.
20 – Sobre o Neoclassicismo marque a alternativa correta:
( ) Qualquer pessoa com talento nato era considerado artista.
( ) A pintura era diferente da escultura grega.
( X ) Foi uma arte que procurou imitar os padrões greco-romanos.
( ) Foi muito semelhante com o Rococó.
21) O que vem a ser a África?
22) Como a arte africana chegou ao Brasil?
23) O que as máscaras representam na arte africana?
24) No que os africanos acreditam quando se trata de mascaras?
25) Como as mascaras são criadas?
26) Como as mascaras são confeccionadas?
27) Em que a pintura é empregada?
28) Qual a mais importante manifestação da arte africana?
29) Qual é um dos materiais mais preferidos da arte africana?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,okRomantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,ok
CLEBER LUIS DAMACENO
 
História da arte - Neoclassicismo -resumo
História da arte - Neoclassicismo -resumoHistória da arte - Neoclassicismo -resumo
História da arte - Neoclassicismo -resumo
Andrea Dressler
 
A arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismoA arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismo
terceiromotivo2012
 
Artes prof2010
Artes prof2010Artes prof2010
Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
A pintura e as artes plásticas no romantismo
A pintura e as artes plásticas no romantismoA pintura e as artes plásticas no romantismo
A pintura e as artes plásticas no romantismo
ma.no.el.ne.ves
 
Morte de Sócrates
Morte de SócratesMorte de Sócrates
Morte de Sócrates
Juliana Ulguim
 
História da Arte: Arte brasileira - Séc XIX
História da Arte: Arte brasileira - Séc XIXHistória da Arte: Arte brasileira - Séc XIX
História da Arte: Arte brasileira - Séc XIX
Raphael Lanzillotte
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
ArtesElisa
 
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIXNeoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Fabiana Alexandre
 
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Gliciane S. Aragão
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
becresforte
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
Andrea Dressler
 
51 academicos no brasil resumo
51 academicos no brasil resumo51 academicos no brasil resumo
51 academicos no brasil resumo
Denise Lugli
 
A arte brasileira no final do império e inicio da república
A arte brasileira no final do império e inicio da repúblicaA arte brasileira no final do império e inicio da república
A arte brasileira no final do império e inicio da república
Céu Barros
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
Auriene
 
Academia imperial de belas artes e neoclassicismo
Academia imperial de belas artes e neoclassicismoAcademia imperial de belas artes e neoclassicismo
Academia imperial de belas artes e neoclassicismo
Carlos Domingos Santos
 
Neoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismoNeoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismo
escola
 
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
marylusilva
 

Mais procurados (20)

Romantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,okRomantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,ok
 
História da arte - Neoclassicismo -resumo
História da arte - Neoclassicismo -resumoHistória da arte - Neoclassicismo -resumo
História da arte - Neoclassicismo -resumo
 
A arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismoA arte do neoclassicismo
A arte do neoclassicismo
 
Artes prof2010
Artes prof2010Artes prof2010
Artes prof2010
 
Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019
 
A pintura e as artes plásticas no romantismo
A pintura e as artes plásticas no romantismoA pintura e as artes plásticas no romantismo
A pintura e as artes plásticas no romantismo
 
Morte de Sócrates
Morte de SócratesMorte de Sócrates
Morte de Sócrates
 
História da Arte: Arte brasileira - Séc XIX
História da Arte: Arte brasileira - Séc XIXHistória da Arte: Arte brasileira - Séc XIX
História da Arte: Arte brasileira - Séc XIX
 
Século xix no brasil a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arteSéculo xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil a modernização da arte
 
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIXNeoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
Neoclassicismo, romantismo e arte brasileira no séc XIX
 
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
 
51 academicos no brasil resumo
51 academicos no brasil resumo51 academicos no brasil resumo
51 academicos no brasil resumo
 
A arte brasileira no final do império e inicio da república
A arte brasileira no final do império e inicio da repúblicaA arte brasileira no final do império e inicio da república
A arte brasileira no final do império e inicio da república
 
Neoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E RomantismoNeoclassicismo E Romantismo
Neoclassicismo E Romantismo
 
Academia imperial de belas artes e neoclassicismo
Academia imperial de belas artes e neoclassicismoAcademia imperial de belas artes e neoclassicismo
Academia imperial de belas artes e neoclassicismo
 
Neoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismoNeoclassicismo – romantismo – realismo
Neoclassicismo – romantismo – realismo
 
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
 
Academicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasilAcademicismo e neoclassicismo no brasil
Academicismo e neoclassicismo no brasil
 

Semelhante a Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB

Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. IINeoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Rafael Ribeiro
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Gustavo Cuin
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Samara Moraesbrito
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Priscila Silva
 
Seminários história da arte 1 b 05
Seminários história da arte 1 b   05Seminários história da arte 1 b   05
Seminários história da arte 1 b 05
Gabriela Lemos
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
Gabriela Lemos
 
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeuArte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
Fabiana Alexandre
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
greghouse48
 
8ºano
8ºano8ºano
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIXresumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
Gliciane S. Aragão
 
8 neoclassicismo 2020
8 neoclassicismo 20208 neoclassicismo 2020
8 neoclassicismo 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
A arte no brasil império
A arte no brasil impérioA arte no brasil império
A arte no brasil império
Jesrayne Nascimento
 
Arte neoclássica 2C12
Arte neoclássica 2C12Arte neoclássica 2C12
Arte neoclássica 2C12
www.historiadasartes.com
 
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao RomantismoHistória da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
Raphael Lanzillotte
 
neoclassicismo
neoclassicismoneoclassicismo
neoclassicismo
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Neoclassicismo 2019
Neoclassicismo 2019Neoclassicismo 2019
Neoclassicismo 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
Cristiane Seibt
 
NEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdfNEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdf
ssuser0d0c5a
 
Neoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismoNeoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismo
Márcia Siqueira
 

Semelhante a Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB (20)

Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. IINeoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
Neoclassicismo - Aula Ens. Fund. II
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Seminários história da arte 1 b 05
Seminários história da arte 1 b   05Seminários história da arte 1 b   05
Seminários história da arte 1 b 05
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
 
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeuArte Neoclassicismo e romantismo europeu
Arte Neoclassicismo e romantismo europeu
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
 
8ºano
8ºano8ºano
8ºano
 
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIXresumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
 
8 neoclassicismo 2020
8 neoclassicismo 20208 neoclassicismo 2020
8 neoclassicismo 2020
 
A arte no brasil império
A arte no brasil impérioA arte no brasil império
A arte no brasil império
 
Arte neoclássica 2C12
Arte neoclássica 2C12Arte neoclássica 2C12
Arte neoclássica 2C12
 
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao RomantismoHistória da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
 
neoclassicismo
neoclassicismoneoclassicismo
neoclassicismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Neoclassicismo 2019
Neoclassicismo 2019Neoclassicismo 2019
Neoclassicismo 2019
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
 
NEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdfNEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdf
 
Neoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismoNeoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismo
 

Último

Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 

Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB

  • 1. APOSTILA DE ARTE – PROF. ANDRÉA SANCHES – 8º. Ano “A”, “B” e “C” ENSINO FUNDAMENTAL O Neoclassicismo: A partir das duas últimas décadas do século XVIII, uma nova tendência estética predominou nas criações dos artistas europeus. Denominado Neoclassicismo, esse estilo surgiu como reação ao Barroco e ao Rococó e se caracterizou pelo desejo de recriar as formas artísticas da Antiguidade greco-romana. A Afirmação do Neoclassicismo deve-se em parte à curiosidade pelo passado desencadeada pelas escavações arqueológicas de Pompéia e Herculano, cidades romanas soterradas pela lava do vulcão Vesúvio em 79 d.C. Os artistas, influenciados pelas ideias iluministas (filosofia que pregava a razão, o senso moral e o equilíbrio em oposição à emoção) e inspirados na pintura renascentista, sobretudo em Rafael, substituíram as linhas diagonais e curvas do Barroco pelas retas firmes e equilibradas. Os neoclássicos queriam expressar as virtudes cívicas, o dever, a honestidade e a austeridade, temas que se opunham diretamente à frivolidade da aristocracia retratada no período anterior. Buscavam expressar, ainda, os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia que assumiu a direção da sociedade européia após a Revolução Francesa e, principalmente, com o império de Napoleão. Para tal, retomou-se os princípios da arte da Antiguidade greco-romana, tornando tais princípios, conceitos básicos para o ensino das artes nas academias mantidas pelos governos europeus. Daí o Neoclassicismo também ter sido denominado Academicismo. Historicismo: 1775 – Rousseau publica Discurso Sobre a Origem da Desigualdade Entre os Homens 1777 – Goya pinta O Guarda-Chuva 1789 – Início da Revolução Francesa 1807 – França invade Portugal 1760 – Escavações arqueológicas descobrem as cidades de Pompéia e Herculano 1822 – Independência do Brasil 1826 – Fundação da Academia de Belas-Artes no Brasil 1829 – Debret organiza a primeira exposição de arte no Brasil 1859 – Darwin desenvolve a teoria da seleção natural das espécies. Um Estilo Suave, mas Rigoroso De acordo com esta tendência, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos e os renascentistas italianos já haviam criado. E esse trabalho de imitação só seria possível através de um cuidadoso aprendizado das técnicas e convenções da arte clássica. Por isso, o convencionalismo e o tecnicismo reinaram nas academias de belas-artes, até serem questionados pela arte moderna. Arquitetura Neoclássica
  • 2. Tanto nas construções civis quanto nas religiosas, a arquitetura neoclássica seguiu o modelo dos templos greco-romanos ou das edificações renascentistas italianas. Caracterizou-se pelo uso de fachadas sóbrias, nas quais colunas dóricas ou jônicas sustentam frontões triangulares. Exemplos dessa arquitetura são a igreja de Santa Genoveva, em Paris (transformada depois em Panteão Nacional, onde passaram a serem abrigados os restos mortais de importantes personagens da história francesa) e a Porta de Brandemburgo, em Berlim. Escultura Neoclássica A escultura neoclássica também buscou inspiração na Antiguidade greco-romana. Utilizando materiais nobres como mármore e granito negro, foi aplicada basicamente de forma decorativa em fontes e mausoléus. O maior nome da estatuária neoclássica foi o italiano Antônio Canova (1757-1822). Missão Artística Francesa no Rio de Janeiro O início do século XIX no Brasil é marcado pela chegada da família real portuguesa, acompanhada por uma comitiva de 15 000 pessoas, fugindo do conflito entre a França napoleônica e a Inglaterra. No Rio de Janeiro, o soberano português começou uma série de reformas administrativas e culturais, para adaptar a cidade às cidades da corte. Assim, foram criadas as primeiras fábricas e fundadas instituições como o Banco do Brasil, a Biblioteca Real, o Museu Real e a Imprensa Régia. A partir de então, o Brasil recebe forte influência da cultura europeia. Oito anos mais tarde, a tendência europeizante da cultura da colônia se afirma ainda mais com a chegada da Missão Artística Francesa. A Missão chegou ao Brasil chefiada por Joachin Lebreton e dela faziam parte Nicolas-Antoine Taunay, Jean-Baptiste Debret e Auguste Jean de Montigny. Esse grupo organizou, ainda em 1816, a Real Escola das Ciências, Artes e Ofícios, mais tarde Imperial Academia e Escola de Belas-Artes. Taunay (1755-1830): uma das mais importantes figuras da Missão, participou de várias exposições na corte de Napoleão e nos cinco anos que permaneceu no Brasil produziu cerca de trinta paisagens do Rio de Janeiro e regiões próximas. Debret (1768-1848): é o artista da Missão mais conhecido pelos brasileiros, pois seus trabalhos documentam a vida do Brasil no século XIX e estão reproduzidos nos livros escolares. Já muito premiado na Europa, realizou no Brasil, até sua partida em 1831, imensa obra: retratos da família real, cenários para o Teatro São João, ornamentações para festas públicas e oficiais e foi professor de pintura histórica na Academia de Belas-Artes, onde realizou a primeira exposição de arte no Brasil, em dezembro de 1829. Seu trabalho mais importante e conhecido é uma obra em três volumes denominada Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil, com 150 ilustrações que documentam os usos e costumes indigenas, a sociedade e as paisagens do Rio de Janeiro, plantas e florestas brasileiras. Suas obras ilustram ainda hoje os livros de história do Brasil. Montigny (1772-1850): foi o principal arquiteto responsável pela alteração na arte de construir, fazendo o Brasil abandonar os princípios barrocos e desenvolver o estilo neoclássico. Montigny projetou o prédio da Academia de Belas-Artes, a Casa da Moeda e o Palácio do Itamaraty no Rio de Janeiro.
  • 3. A Academia e Escola de Belas-Artes formou grandes artistas nesse período, a se destacar Manuel de Araújo Porto Alegre, pintor, paisagista e caricaturista, poeta, escritor, teatrólogo e que chegou a ser diretor da própria academia. Augusto Muller importante pintor retratista e paisagista e Agostinho José da Mota, famoso pintor de paisagens e naturezas- mortas e o primeiro artista brasileiro a obter um prêmio internacional, na França. Além dos artistas da Missão Francesa, vieram para o Brasil, no século XIX, outros pintores europeus, motivados pela paisagem tropical e pela existência de uma burguesia rica e desejosa de ser retratada. Dentre eles, o mais famoso foi Johann- Moritz Rugendas (1802-1868), de origem alemã que esteve no Brasil entre 1821 e 1825. Desse tempo, deixou um livro, Viagem Pitoresca através do Brasil, com cem ilustrações retratando o dia-a-dia do império, além de retratos a óleo da família imperial. O Estilo que Veio Substituir o Rococó Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações dos artistas europeus. Trata-se do Academicismo ou Neoclassicismo, que expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia, que assumiu a direção da sociedade européia após a Revolução Francesa e principalmente com o império de Napoleão. Esse estilo chamou-se Neoclassicismo porque retomou os princípios da arte da Antiguidade grecoromana. A outra denominação – Academicismo – deveu- se ao fato de que as concepções artísticas do mundo greco-romano tornaram-se os conceitos básicos para o ensino das artes nas academias mantidas pelos governos europeus. De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos e os renascentistas italianos já haviam criado. E esse trabalho de imitação só era possível através de um cuidadoso aprendizado das técnicas e convenções da arte clássica. Por isso, o convencionalismo e o tecnicismo reinaram nas academias de belas-artes, até serem questionados pela arte moderna. A Pintura do Neoclassicismo A pintura desse período foi inspirada principalmente na escultura clássica grega e na pintura renascentista italiana. O maior representante da pintura neoclássica é, sem dúvida, Jacques Louis David (1748-1825). Ele nasceu em Paris e foi considerado o pintor da Revolução Francesa; mais tarde, tornou-se o pintor oficial do Império de Napoleão. David, sem dúvida, exerceu uma grande influência na pintura de seu tempo. Suas obras geralmente expressam um vibrante realismo, mas algumas delas exprimem fortes emoções, como é o caso do quadro que retrata a morte de seu amigo Marat. Já no século XIX, quando outras tendências artísticas marcavam fortemente os pintores da época, Jean Auguste Dominique Ingres (1780-1867) conservava uma acentuada influência neoclássica, herdada de seus mestres, sobretudo de David, cujo ateliê freqüentou em 1797. Sua obra abrange, além de composições mitológicas e literárias, nus, retratos e paisagens, mas a crítica moderna vê nos retratos e nus o seu trabalho mais admirável. Ingres soube registrar a fisionomia da classe burguesa do seu tempo, principalmente no seu gosto pelo poder e na sua confiança na individualidade. Por outro lado, Ingres revela um inegável apuro técnico na pintura do nu. Sua célebre tela Banhista de Valpinçon é um testemunho disso. Nessa obra fica evidente o domínio dos tons claros e translúcidos para a representação da pele e o domínio do desenho, uma das características mais fortes de Ingres.
  • 4. O Romantismo: Primeira reação a arte neoclássica O século XIX foi agitado por fortes mudanças sociais, políticas e culturais causadas pela Revolução Industrial e pela Revolução Francesa. Podemos identificar nesse período vários movimentos que produziram obras de arte segundo diferentes concepções e tendências. Entre esses movimentos artísticos, o primeiro que iremos falar é o Romantismo, que se caracteriza por uma reação ao Neoclassicismo. Os românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favos da livre expressão da personalidade do artista. Assim, de modo geral, podemos afirmar que a característica mais marcante do Romantismo é a valorização dos sentimos e da imaginação como princípios da criação artística. A pintura romântica Ao negar a estética neoclássica, a pintura romântica aproxima-se das formas barrocas. Assim, os pintores românticos, como Goya, Delacroix, Turner e Constable, recuperam o dinamismo e a sugestão de agitação que os neoclássicos haviam negado. A cor é novamente valorizada e os contrastes de claro-escuro reaparecem, produzindo efeitos dramaticidade no observador. Goya: a luta pela liberdade: Francisco José Goya y Lucientes (1746-1828) trabalhou temas diversos: retratos de personalidades da corte espanhola e de pessoas do povo, os horrores da guerra, a ação incompreensível de monstros e cenas históricas. Eugène Delacroix: a multidão agitada nas ruas - Aos 29 anos, Eugène Delacroix (1799-1863) viveu uma importante experiência para a sua arte. Ele visitou Marrocos como membro da comitiva do embaixador da França, com a missão de documentar os hábitos e costumes das pessoas daquela terra. A visão que Delacroix teve de Marrocos e que retratou em seu quadro é a da realidade misturada ao mistério e ao exotismo. A paisagem romântica: A pintura paisagística já havia se desenvolvido no século XVIII, mas foi no período romântico que ganhou nova força, principalmente na Inglaterra. A paisagem romântica inglesa caracteriza- se, de um lado, por seu realismo, e por outro, pela recriação das contínuas modificações das cores da natureza causadas pela luz solar. Por causa dessa segunda característica, alguns estudiosos consideram que os paisagistas ingleses do século XIX anteciparam-se em algumas décadas aos impressionistas franceses. Turner: a agitação na paisagem natural - Joseph Mallord William Turner (1775-1851) representou os grandes movimentos da natureza, mas por meio do estudo da luz que a natureza reflete procurou descrever uma certa “atmosfera” da paisagem. John Costable: a paisagem da vida cotidiana Ao contrário de Turner, a natureza retratada por Constable (1776-1837) é serena e profundamente ligada aos lugares onde o artista nasceu, cresceu e trabalhou ao lado do pai. Muitos elementos de suas paisagens – os moinhos de vento, as barcaças carregadas de cereais - faziam parte da vida cotidiana do artista quando jovem. Análise e Interpretação da obra “SATURNO DEVORANDO SEU FILHO” – Francisco Goya Na mitologia romana, Saturno era o deus grego do tempo, Cronos (daí a palavra cronologia). Avisado por um oráculo de que um dos seus filhos seria a sua destruição, Saturno resolve comer os seus próprios filhos. Essa é a cena retratada no quadro de Francisco Goya.
  • 5. Freud analisa a obra de Goya como fruto de um estado melancólico do pintor ou até uma fase de impotência sexual do mesmo, que estava casado com uma mulher muito mais jovem do que ele. A certeza é de que essa obra reflete um momento de decadência física do pintor, feita já nos anos finais da sua vida. 4 detalhes de Saturno Devorando um Filho se destacam: 1. Saturno O deus é pintado de forma grotesca, com pinceladas fortes e expressivas. A intenção era a de horrorizar a cena, portanto Saturno é pintado como um verdadeiro monstro. 2. Os olhos de Saturno Os olhos de Saturno são os olhos de um lunático, esbugalhados e sedentos de poder. Essa ilustração transmite o desejo do deus, que está disposto a cruzar limites para manter o poder. 3. A luz A luz do quadro é totalmente focada em Saturno, sendo que o resto do quadro é escuro, transmitindo a sensação de pessimismo. 4. O filho O filho de Saturno é um homem crescido, o que torna a cena ainda mais horrível. Ele está nu e a parte superior de seu corpo já está ensanguentada. É um monstro comendo um homem. MÁSCARAS AFRICANAS “Mágicas, protetoras, lúdicas, miméticas tanto servem para encobrir ou revelar intenções de quem as usa”. Imaginária ou não a mascara serve para ocultar a verdadeira essência do homem, sejam seus instintos ou mesmos traços fisionômicos. O seu uso pode significar esconder uma personalidade cotidiana para assumir as qualidades da personagem que ora representa. Desde a pré-história as mascaras são usadas juntamente com os tambores, cantos, danças e mimicas nos rituais religiosos e mágicos. O mais antigo registro de sua existência foi encontrado na Caverna de Lascaux, na França em desenhos feitos nas paredes rochosas mostrando homens mascarados com cabeça de animais. Nos rituais sagrados, a máscara intermedia a relação com o mundo invisível, expressando a fé na existência de seres sobrenaturais. Também desempenha funções magicas: No Antigo Egito elas eram colocadas sobre o rosto do mosto para ajuda-lo na passagem para a vida eterna. Gregos e romanos usavam-nas em cerimonias religiosa. Na China e sudeste da Ásia, as mascaras de dragão eram usadas para afastar os maus espíritos. Ainda hoje, sacerdotes de civilizações primitivas como os pajés entre os povos indígenas usam mascaras para incorporar entidades que curam. Na África, as mascaras não serve só para esconder o rosto de quem a usa, ela o transforma em outro alguém diferente que pode ser um espirito ancestral, um ser do outro mundo. Essa “transformação” só acontece em momentos especiais como: rituais e cerimônias de iniciação, quando crianças se preparam para tornarem-se adultos; nos enterros; nas coroações de chefes e reis; festas de colheita ou plantio; rituais de curas de doenças; expedições de caça ou de guerra; policiamento e cumprimento da justiça. Percebe-se então que as máscaras têm funções educativas, religiosas, militares, policiais e econômicas. A máscara não é apenas um objeto esculpido em madeira ou confeccionada em outro material. Ela inclui a roupa do mascarado e adereços que ele carrega. Mas ela só se torna uma máscara quando entra em ação, dançando a música dos tambores e outros instrumentos, enquanto a comunidade participa olhando, batendo palmas, cantando e estimulando. Eram também usadas para protegerem o físico. Durante 650 anos em todo o Império Romano, gladiadores usavam máscaras nos confrontos com feras, em circos públicos e arenas. Mas foi na arte dramática que a máscara mais se enriqueceu, transformando-se em elemento cênico. Os artefatos eram confeccionados em barro, madeira, cortiça e ferro adornados com outros materiais. Em 500 a.C. sua forma foi aperfeiçoada e sua execução confiada a escultores.
  • 6. Raízes africanas CAPOEIRA A história da capoeira começa no século XVI, na época em que o Brasil era colônia de Portugal. A mão-de- obra escrava africana foi muito utilizada no Brasil, principalmente nos engenhos (fazendas produtoras de açúcar) do nordeste brasileiro. Muitos destes escravos vinham da região de Angola, também colônia portuguesa. Os angolanos, na África, faziam muitas danças ao som de músicas. No Brasil Ao chegarem ao Brasil, os africanos perceberam a necessidade de desenvolver formas de proteção contra a violência e repressão dos colonizadores brasileiros. Eram constantemente alvos de práticas violentas e castigos dos senhores de engenho. Quando fugiam das fazendas, eram perseguidos pelos capitães-do- mato, que tinham uma maneira de captura muito violenta. Os senhores de engenho proibiam os escravos de praticar qualquer tipo de luta. Logo, os escravos utilizaram o ritmo e os movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Surgia assim a capoeira, uma arte marcial disfarçada de dança. Foi um instrumento importante da resistência cultural e física dos escravos brasileiros. A prática da capoeira ocorria em terreiros próximos às senzalas (galpões que serviam de dormitório para os escravos) e tinha como funções principais à manutenção da cultura, o alívio do estresse do trabalho e a manutenção da saúde física. Muitas vezes, as lutas ocorriam em campos com pequenos arbustos, chamados na época de capoeira ou capoeirão. Do nome deste lugar surgiu o nome desta luta. Até o ano de 1930, a prática da capoeira ficou proibida no Brasil, pois era vista como uma prática violenta e subversiva. A polícia recebia orientações para prender os capoeiristas que praticavam esta luta. Em 1930, um importante capoeirista brasileiro, mestre Bimba, apresentou a luta para o então presidente Getúlio Vargas. O presidente gostou tanto desta arte que a transformou em esporte nacional brasileiro. Três estilos da capoeira A capoeira possui três estilos que se diferenciam nos movimentos e no ritmo musical de acompanhamento. O estilo mais antigo, criado na época da escravidão, é a capoeira angola. As principais características deste estilo são: ritmo musical lento, golpes jogados mais baixos (próximos ao solo) e muita malícia. O estilo regional caracteriza-se pela mistura da malícia da capoeira angola com o jogo rápido de movimentos, ao som do berimbau. Os golpes são rápidos e secos, sendo que as acrobacias não são utilizadas. Já o terceiro tipo de capoeira é o contemporâneo, que une um pouco dos dois primeiros estilos. Este último estilo de capoeira é o mais praticado na atualidade. As Máscaras Africanas A função dos rituais nas sociedades Os rituais são elementos fundamentais da cultura humana. Aparecem em absolutamente todas as sociedades da terra. Em algumas, seus integrantes, por vezes, não se dão conta de sua participação nos rituais (como a nossa sociedade ocidental). Em outras, todos os atos diários e cotidianos estão ligados aos aspectos religiosos e ritualísticos. Os rituais são caracterizados por um conjunto de procedimentos práticos cuja função é marcar determinado acontecimento ou materializar o sagrado. Podem estar também ligados à evocação de eventos mitológicos por meio de uma liturgia. Aos condutores dos ritos normalmente lhes são atribuídos poder e prestígio.
  • 7. O uso das máscaras A utilização de máscaras em cerimoniais é prática comum há milhares de anos. As máscaras são de fundamental importância nos rituais, sejam de iniciação, de passagem, ou de evocação de entidades espirituais. As máscaras apresentam-se, também, como elementos de afirmação étnica, expondo características particulares de cada grupo. Assim, existe uma enorme diversidade de formas, modelos, técnicas de confecção e aplicações. Normalmente, a máscara é apenas um dos elementos utilizados nas cerimônias e rituais, havendo a combinação com outras manifestações, como dança, música e instrumentos musicais. Aparece ainda o uso de máscaras associado a objetos de cunho animatista, como amuletos. As máscaras são empregadas, basicamente, em eventos sociais e religiosos. Na África, o artífice, antes de começar a esculpir uma máscara, passa por um processo de purificação, com reza aos espíritos ancestrais e às forças divinas. Tal prática faria com que a força divina fosse transferida para a máscara durante o processo de manufatura. Por Rodrigo Aguiar (Caminhos Ancestrais) http://abstracaocoletiva.com.br/2012/11/01/analise-do-quadro-saturno-devorando-seu-filho-de-francisco-de- goya/ ATIVIDADES 1 – Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: ( ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. ( ) O romantismo não valorizava a natureza, pois seus artistas acreditavam na tristeza e consideravam a natureza alegre. ( ) Os artistas românticos usavam na pintura uma composição em diagonal, valorizando a cor e o contraste claro-escuro. ( ) O romantismo era composto de sentimentos como o amor e paixões. TEXTO I O século XIX foi agitado por fortes mudanças sociais, políticas e culturais causadas pela Revolução Industrial e pela Revolução Francesa. Do mesmo modo, a atividade artística tornou-se mais complexa. Podem ser identificados neste período movimentos artísticos de diferentes concepções e tendências como o Romantismo, Realismo, Impressionismo e pós-impressionismo. As questões a seguir são referentes a estes movimentos. 2 – Destes movimentos o Romantismo se destaca como a primeira e mais forte reação ao Neoclassicismo. Quanto às características do Romantismo, analise os itens abaixo e julgue-os: ( )O artista romântico procurou se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão. ( ) A valorização dos sentimentos e da imaginação foi um dos princípios da criação romântica.
  • 8. ( ) A estética se opôs radicalmente ao exagero realista. ( ) Ao negar o Neoclassicismo, o Romantismo se aproximou do Renascimento. 3 – Quase simultaneamente ao neoclassicismo surge o romantismo na França. Quanto ao Romantismo analise e julgue os itens abaixo com (V) VERDADEIRO ou (F) FALSO e em seguida marque a alternativa correspondente à sequência obtida: I. ( ) Romantismo vem a confirmar as tendências do Neoclássico. II. ( ) O artista romântico está fortemente ligado ao misterioso e ao sobrenatural. III. ( ) A linhas e curvas do Barroco e do Rococó são utilizadas como base para a criação dos desenhos. IV. ( ) Romantismo é o primeiro dos movimentos a se opor ao neoclassicismo. a) F – F – V – V b) V – V – F – F c) F – F – V – F d) F – V – F – V TEXTO II O romantismo é todo um período cultural, artístico e literário que se inicia na Europa no final do século XVIII, espalhando-se pelo mundo até o final do século XIX. O berço do romantismo pode ser considerado três países: Itália, Alemanha e Inglaterra. Porém, na França, o romantismo ganha força como em nenhum outro país e, através dos artistas franceses, os ideais românticos espalham-se pela Europa e pela América. 4 - Segundo a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: ( )Foi a primeira forte ligação ao Neoclassicismo. ( ) O romantismo valorizava a natureza, pois acreditavam na alegria e eles consideravam a natureza triste. ( ) Na pintura, eles usavam composição em vertical, valorização da cor e o contraste claro-escuro. ( ) O romantismo era composto de sentimentos como o dadaísmo e o abstracionismo. TEXTO III Enquanto os artistas neoclássicos se preocupavam em imitar a arte greco-romana e os mestres do renascimento italiano, os artistas românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão da personalidade do artista.
  • 9. 5 - Com base no texto e nos seus conhecimentos sobre o Romantismo julgue os itens abaixo com (C) para os certos e (E) para os errados: ( ) A arte Romântica se caracterizou por sua estreita relação com a literatura e a poesia. ( ) O Romantismo foi um estilo que revalorizou os conceitos de pátria e mitologia. ( ) Formas geométricas foram características da arte Romântica. ( ) No Romantismo o amor foi o tema das obras do começo ao fim do movimento. 6 - Ainda com base em seus conhecimentos sobre o romantismo julgue os itens abaixo: ( ) O retorno da natureza como fonte inspiradora da arte é uma das características do Romantismo. ( ) A escultura Romântica foi marcada pela pouca originalidade. ( ) A composição em vertical e horizontal é uma das características da pintura romântica. ( ) Os artistas românticos se preocupavam em valorizar e até copiar a arte greco-romana. 7 - A respeito do Romantismo julgue os itens com ( C ) para as alternativas corretas e ( E ) para erradas: ( ) Seguia normas impostas para imitar a arte greco-romana ( ) Os artistas eram fascinados pelo mistério e o sobrenatural. ( ) As obras feitas no romantismo eram repletas de fantasias e o heroísmo acompanhava a emoção. ( ) O artista romântico retratava a realidade tal qual ela é. 8 – Quase simultaneamente ao neoclassicismo surge o Romantismo na França. Quanto ao Romantismo julgue os itens: ( ) O Romantismo vem a negar as tendências do Neoclássico. ( ) O artista romântico está fortemente ligado ao real e ao religioso. ( ) A linhas e curvas do Renascimento e do Maneirismo são utilizadas como base para a criação dos desenhos. ( ) O Romantismo é o primeiro dos movimentos a se unir ao neoclassicismo. 9 – Marque a alternativa correta: ( ) O Romantismo se assemelha ao Renascimento na composição em diagonal. ( ) O Romantismo se assemelha ao Barroco no contraste claro-escuro. ( ) O Romantismo se assemelha ao Impressionismo no estudo das cores.
  • 10. ( ) O Romantismo se assemelha ao Fauvismo no emprego das cores puras. 10 – Marque a alternativa correta: ( ) No Romantismo existe dramaticidade. ( ) No Romantismo existem varias obras com temas mitológicos. ( ) No Romantismo a amor é o principal tema. ( ) No Romantismo os artistas seguiam varias regras. 11 – Marque a alternativa correta: ( ) Cenas históricas não aparecem no Romantismo. ( ) Cenas históricas aparecem no Romantismo. ( ) Os Artistas Românticos não tinham nenhuma regra. ( ) As Regras foram bem aceitas. 12 – “De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos e os renascentistas italianos já haviam criado.” Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: I. ( ) É o academicismo o grande opositor no decorrer do processo, pois expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia. II. ( ) Tais determinações geraram uma introdução nas academias de artes que se convencionaram quanto ao estilo de fazer arte. III. ( ) Isto só seria possível com um trabalho de pesquisa e aprendizado das técnicas de convenções da arte clássica, o que em decorrência da decadência política da época não acontecerá. ( ) Apenas o item II está correto. ( ) Todos os itens estão falsos. ( ) Apenas o item I está falso. ( ) Todos os itens estão corretos. 13 – A pintura do neoclassicismo tem sua inspiração principalmente na escultura clássica grega. Analise os itens sobre a pintura neoclássica e marque uma ÚNICA alternativa: l.( ) O maior dos representantes da escultura clássica grega é Rafael. ll.( ) Um dos maiores representante deste período é, sem dúvida William Goya, autor de A carroça de Feno.
  • 11. III. ( ) Durante o governo de Napoleão, seus atos históricos foram registrados com maestria por Dalí. ( )Todos os itens estão corretos. ( )Todos os itens estão falsos. ( )Apenas o item I está falso. ( )Apenas o item III está correto. TEXTO O Neoclassicismo foi um movimento artístico que se desenvolveu especialmente na arquitetura e nas artes decorativas. Floresceu na França e na Inglaterra, por volta de 1750, sob a influência do arquiteto Palladio (palladianismo), e estendeu-se para o resto dos países europeus, chegando ao apogeu em 1830. Inspirado nas formas grecoromanas, renunciou às formas do barroco (que não tinha tido grande repercussão na França e na Inglaterra) revivendo os princípios estéticos da antiguidade clássica. Enquanto os artistas neoclássicos se preocupavam em imitar a arte greco-romana e os mestres do renascimento italiano, os artistas românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão da personalidade do artista. 14 - Sobre o Neoclassicismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: ( ) Caracterizou-se pelo desejo de recriar as formas artísticas da antiguidade greco-romana. ( ) Os neoclássicos queriam expressar as virtudes cívicas, o poder, a honestidade e o cristianismo. ( ) Os neoclássicos queriam romper com a herança artística e cultural que vinha da Grécia antiga. ( ) A arquitetura se caracterizou pelo uso de fachadas sóbrias, nas quais colunas dóricas ou jônicas sustentavam frontões hexagonais. TEXTO O filósofo Voltaire (1694-1778) foi o grande defensor da liberdade de pensamento e da tolerância. Com seu estilo irônico e vibrante, criticou a monarquia absolutista de direito divino, a Igreja Católica, o clero, a intolerância religiosa e o fanatismo. Afirmava ser necessária uma monarquia respeitadora das liberdades individuais e governada por um soberano esclarecido pela filosofia das luzes. “ Posso não concordar com nenhuma das palavras que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dize-la.” “ Não é aos homens que me dirijo, é a ti, Deus de todos os seres, de todos os homens e de todos os tempos (...). Que as pequenas diferenças entre as vestimentas que cobrem nossos fracos corpos, entre nossos costumes ridículos, entre todas as nossas leis imperfeitas, entre todas as nossas opiniões insensatas (...) que todas essas pequenas nuances que distinguem os átomos chamados homens não sejam motivos de perseguição.” Voltaire, Tratado sobre a Tolerância, 1763, in Histore, 3º. Collection J. Monnier, Paris: F. Nathan, 1966. Em meados do século XVII, pensadores europeus exaltaram a razão e o espírito crítico como “luzes” capazes de clarear a mente das pessoas e de eliminar a escuridão da ignorância e da miséria humana. Assim, o Neoclassicismo expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia, que assumia a direção da sociedade européia após a Revolução Francesa e principalmente com o império de Napoleão. 15 – Marque (C) CERTO ou (E) ERRADO: ( )A arte neoclássica trazia um tom calmo e completamente racional, enfatizando o desenho com linhas, sem que se percebesse vestígios das pinceladas e tinha temas contra a arte grega.
  • 12. ( ) “Agora se quer heroísmo e virtudes cívicas”, assinalou o escritor alemão Goethe. A arte neoclássica era séria, ilustrando temas da história antiga ou da mitologia nórdica, em vez das frívolas cenas de festa rococó. ( ) A linha mestra do estilo neoclássico era dada por figuras severas, desenhadas com exatidão. ( ) O neoclassicismo foi um fenômeno francês. Esse estilo derivou da ruptura de seus antecessores. Os neoclássicos queriam que a arte fosse mais 4 substancial, não inteiramente delicada a captar um momento passageiro. Sua principal temática era a vida noturna, naturezas-mortas e auto retratos. 16– Marque (C) CERTO ou (E) ERRADO: ( ) Valores como ordem, intuição e emoção não fazem parte da estética neoclássica. ( ) Sendo a cultura neoclássica uma cultura teocêntrica pode-se afirmar que a arte dessa época é, na sua maior parte, uma arte com função religiosa. ( ) Segundo o pensamento neoclássico, o belo é praticamente inatingível, pois não está na natureza, mas sim no espírito do homem. ( ) A estética neoclássica retomou as técnicas barrocas: iluminação, diagonal, cores intensas e temática mitológica. 17 – A partir das duas últimas décadas do século XVIII uma nova tendência estética predominou nas criações dos artistas europeus, - o Neoclassicismo. Quanto às características marcantes do Neoclassicismo analise os itens abaixo e julgue-os: ( ) Este estilo surgiu como uma reação ao Barroco e ao Rococó. ( ) Sua maior característica foi expressa pelo desejo de recriar as formas artísticas da antiguidade greco-romana. ( ) É o neoclassicismo o responsável pelo total rompimento da razão e da ciência com a arte. ( ) As fontes de inspiração do neoclassicismo foram as obras do período Bizantino. 18 - A afirmação do Neoclassicismo deve-se em parte à curiosidade pelo passado desencadeada pelas escavações arqueológicas de Pompéia e Herculano, cidades soterradas pela lava do vulcão Vesúvio em 79 d.C. Ainda quanto às características do Neoclassicismo analise os itens abaixo e julgue-os: ( ) As linhas das obras neoclássicas eram firmes e bem equilibradas. ( ) Seus temas buscavam retratar as virtudes cívicas e pré-históricas. ( ) Seus temas também expressavam os valores de uma nova e fortalecida burguesia. ( ) O neoclassicismo foi também conhecido como Academicismo. TEXTO
  • 13. Para a civilização ocidental, o século XIX foi uma época de revolução. A igreja e as monarquias perderam seu poder e as novas democracias tinham cada vez mais problemas. Em suma, a tradição perdeu o atrativo e em vez de um estilo predominar nos movimentos e contra movimentos, brotaram muitas outras manifestações culturais. Durante a maior parte deste século, três estilos principais competiram uns com os outros: Neoclassicismo, Romantismo e o Realismo. Perto do final do século rapidamente surgiram e desapareceram diversas escolas – O Impressionismo, o Pós-impressionismo, o Art nouveau e o Simbolismo. 19 - A respeito do Neoclassicismo, julgue os itens com ( C) para correto e ( E) para errado: ( E ) Os artistas negavam toda influência greco-romana. ( E ) Foi formulada uma arte com base nos princípios da racionalidade, proporção, medida, simetria e nitidez. ( C ) Os neoclássicos queriam expressar contornos nitiodos. ( C ) O neoclassicismo o estudo nas escolas de belas artes. 20 – Sobre o Neoclassicismo marque a alternativa correta: ( ) Qualquer pessoa com talento nato era considerado artista. ( ) A pintura era diferente da escultura grega. ( X ) Foi uma arte que procurou imitar os padrões greco-romanos. ( ) Foi muito semelhante com o Rococó. 21) O que vem a ser a África? 22) Como a arte africana chegou ao Brasil? 23) O que as máscaras representam na arte africana? 24) No que os africanos acreditam quando se trata de mascaras? 25) Como as mascaras são criadas? 26) Como as mascaras são confeccionadas? 27) Em que a pintura é empregada? 28) Qual a mais importante manifestação da arte africana? 29) Qual é um dos materiais mais preferidos da arte africana?