SlideShare uma empresa Scribd logo
1-Indicar e explicar os principais fatores condicionantes da agricultura portuguesa.
A agricultura portuguesa é influenciada por fatores naturais (clima; recursos hídricos; fertilidade dos solos; relevo) e por fatores humanos
(passado histórico; objetivo de produção; tecnologias e politicas utilizadas; politicas agrícolas).
O clima é um dos fatores que mais condiciona a produção agrícola.
Os recursos hídricos são fundamentais para a produção agrícola, pelo que esta se trona mais abundante em áreas onde a precipitação é
maior e mais regular. Em áreas de menor precipitação, é necessário recorrer a sistemas de rega artificial.
A fertilidade dos solos natural (depende das características geológicas, do relevo e do clima) e criada pelo Homem (fertilização e correção
dos solos) influencia diretamente a produção, tanto em quantidade como em qualidade.
Quando predomina o relevo plano, a fertilidade dos solos tende a ser maior, assim como a possibilidade de modernização das
explorações. Se o relevo é mais acidentado, a fertilidade tende a ser menor e há mais limitações no uso de tecnologia agrícola e no
aproveitamento e organização do espaço.
O passado histórico é um dos fatores que permite compreender a atual ocupação e organização do solo.
O objetivo da produção é outro fator que influencia a ocupação do solo. Quando a produção se destina ao autoconsumo, as explorações
tendem a ser de menor dimensão o que leva a que as pessoas usem técnicas mais artesanais. Se a produção se destina ao mercado, as
explorações tendem a ser de maior dimensão e mais especializadas em determinados produtos, utilizando assim tecnologia moderna, o que
contribui para uma maior produtividade do trabalho e no solo.
As políticas agrícolas são fatores de grande importância que influenciam as opções dos agricultores relativamente aos produtos cultivados,
como a utilização de produtos químicos, criam incentivos financeiros, apoiam a modernização das explorações, etc.
2-Identificar as regiões agrárias.
3-Distinguir propriedade de exploração e rendimento de produtividade.
Exploração agrícola: Conjunto de terras cultivadas pela mesma pessoa (por conta própria ou por arrendamento).
Propriedade agrícola: Conjunto de terras que pertencem a uma pessoa.
1
Rendimento agrícola: Aquilo que se produz por unidade de superfície. Toneladas/hectare.
Produtividade agrícola: Aquilo que se produz por unidade de mão-de-obra. Toneladas/mão-de-obra.
4-Caraterizar os principais sistemas de cultura (intensivo e extensivo).
No sistema intensivo o rendimento é mais elevado, os solos são mais férteis e com bastante abundantes em água, mesmo no verão, e de
mão-de-obra agrícola numerosa, por isso predominam as culturas de regadio (precisam de ser regadas regularmente) e estes estão sempre
ocupados. É comum a policultura- mistura de culturas no mesmo campo e colheitas que se sucedem umas às outras.
Neste sistema a produtividade é mais baixa, pois os campos são mais pequenos (minifúndio), os terrenos são mais acidentados e a
mecanização é mais difícil.
Este sistema é mais predominante das regiões agrárias do Litoral Norte, na Madeira e em algumas ilhas dos Açores.
No sistema extensivo não há uma ocupação permanente e contínua do solo, o rendimento é mais baixo, existe a rotação de culturas onde
ainda se faz o pousio (este tem vindo a desaparecer e a ser substituído por culturas forrageiras para o gado e adubo orgânico). Este sistema
tradicional é praticado em áreas de solos mais pobres e secos no verão, associados à monocultura e às culturas de sequeiro (têm pouca
necessidade de água).
Neste sistema a produtividade é maior, pois a dimensão dos campos favorece a mecanização e é tradicionalmente mais dominante em
Trás-os-Montes e no Alentejo.
Os sistemas extensivos sem pousio associam-se a uma agricultura mecanizada e voltada para o recado, sobretudo nas regiões do Alentejo
e do Ribatejo e Oeste.
5-Indicar as principais alterações que se têm verificado no sistema extensivo de sequeiro.
A principal alteração que se tem verificado no sistema extensivo de sequeiro tem a ver com o pousio.
Antes o pousio era feito com o objetivo de deixar o terreno descansar (recuperação do solo), praticando-se o pousio puro e o que estava
a acontecer era que em vez de recuperar o solo, este degradava-se mais e a desproteção levava a uma maior erosão.

2
Como a intensão inicial da recuperação do solo não se verificava, fez com que o pousio fosse substituído por culturas forrageiras para o
gado e para o adubo orgânico.
Deixou-se de fazer um pousio puro e simples (deixava o solo abandonado sujeito à erosão) para se utilizar culturas forrageiras.
6-Descrever uma paisagem agrícola a partir dos elementos que a caraterizam.
As paisagens agrárias são caraterizadas, também, pela morfologia (aspeto dos campos no que respeita à forma e dimensão das parcelas
e à rede de caminhos).
Nas regiões entre Douro e Minho, Beira Litoral, Algarve, Madeira e em algumas ilhas dos Açores, onde predominam as explorações de
pequena dimensão, constituídas por várias parcelas de forma irregular e quase sempre vedadas-campos fechados- com muros ou renques de
árvores e arbustos, que delimitam a propriedade e protegem as culturas do vento e da invasão do gado.
No Alentejo e no Ribatejo e Oeste, predominam as explorações de média e grande dimensão e vastas parcelas de forma regular que,
embora atualmente se encontrem, na sua maioria, delimitadas por sebes metálicas, eram tradicionalmente campos abertos-sem qualquer
vedação.
A diversidade das paisagens agrárias resulta, também, das diferentes formas de povoamento, que variam desde a aglomeração total à
pura dispersão.
7-Conhecer as principais diferenças na dimensão das explorações nas regiões e relacioná-las com fatores físicos e humanos.
A desigual distribuição da SAU (superfície agrícola utilizada) deve-se, essencialmente, às características do relevo e da ocupação humana.
O relevo aplanado, a fraca densidade populacional e o povoamento concentrado permitem a existência de vastas extensões de área cultivadas,
no Alentejo. Nas regiões de relevo mais acidentado, maior densidade populacional e povoamento disperso, como a Madeira, a Beira Litoral e
Entre Douro e Minho, a área ocupada pela SAU é menor.
8-Explicar as dificuldades impostas pela reduzida dimensão das explorações agrícolas.
Nas explorações de pequenas dimensões, é difícil a mecanização, não dão rendimentos para justificar o investimento que seria necessário
fazer se se utilizassem máquinas.

3
A pequena produção “não dá” para ser competitivo no mercado, sendo esta mais virada para o autoconsumo, que faz com que não se tire
rendimento, logo, não se pode investir.
9-Caraterizar as formas de exploração (conta própria e arrendamento) e explicar as principais vantagens de cada uma delas;
O agricultor nem sempre é proprietário das terras que explora, pelo que podem considerar-se duas principais formas de exploração da
SAU:
Conta própria: o produtor é também o proprietário;
Arrendamento: o produtor paga um valor ao proprietário da terra pela sua utilização.
As explorações por conta própria são habitualmente consideradas mais vantajosas. O proprietário procura obter o melhor resultado
possível da terra mas, como está a cuidar do que é seu, tende a preocupar-se mais com a preservação dos solos e investe em melhoramentos
fundiários (construção de redes de drenagem, colocação de instalações de rega permanentes, etc.).
Os proprietários podem ter um papel decisivo na comunidade rural participando na preservação da paisagem, na prevenção dos fogos
florestais. Podem ainda aliar a atividade agrícola a outras, contribuindo para a desertificação da base económica e para o desenvolvimento
sustentável das áreas rurais, que muitas vezes são reduzidas e não permitem produzir em quantidade e com preços competitivos para o
mercado.
Esta exploração é frequente em todo o país, destacando-se em Trás-os-Montes e na Madeira.
As explorações por arrendamento podem ser desvantajosas, pois os arrendatários nem sempre se interessam pela valorização e
preservação das terras, preocupando-se mais em tirar delas o máximo proveito durante a vigência do contrato.
Porém, o arrendamento pode evitar o abandono das terras, nos casos em que o proprietário não possa ou não queira explorá-las.
O arrendamento é uma forma de muitos agricultores aumentarem a sua exploração e torna-la mais adequada para a modernização e para
a capacidade de venda dos produtos no mercado.
Esta exploração é mais comum nos Açores.

4
10-Caracterizar a população ativa agrícola e explicar as dificuldades que coloca ao desenvolvimento agrícola;
A população ativa agrícola diminuiu bastante, devido à modernização da agricultura e à melhor oferta de emprego nos outros setores de
atividade.Esta oferta tem aumentado, provocando o êxodo agrícola-transferência de mão-de-obra para os outros setores de atividade. Esta
evolução influenciou a estrutura etária da população agrícola portuguesa e contribuiu para o seu envelhecimento. O nível de instrução dos
agricultores, embora tenha vindo a aumentar, é ainda relativamente baixa.
A formação profissional da larga maioria dos agricultores continua a ser exclusivamente prática. A transmissão de conhecimentos e
experiências de pais e filhos apresenta-se ainda como o principal modo de formação. Só uma pequena parte da população tem formação
profissional. Falta, então, pessoas com formação teórica para ajudar aos tipos de solo às diferentes culturas.
O envelhecimento e os baixos níveis de instrução e de formação profissional da população agrícola constituem um entrave ao
desenvolvimento da agricultura no que respeita à adesão a inovações, à capacidade de investir e arriscar à adaptação às normas comunitárias
de produção de comercialização.
A mão-de-obra agrícola é essencialmente familiar. Nas regiões com maior dimensão média das explorações, a importância da mão-deobra agrícola não familiar é mais relevante, devido à maior especialização da agricultura que é mais exigente na qualificação da mão-de-obra.
11-Compreender a nossa dependência externa agrícola;
A produção agrícola nacional não permite satisfazer as necessidades de consumo interno, pelo que a balança alimentar portuguesa,
continua a ser deficitária em grande parte dos produtos, mantendo-se, assim, uma forte dependência externa.
Para além da produção agrícola ser insuficiente há outros fatores que contribuem para a importação:
A livre circulação de mercadorias na U.E.
Facilidades de transporte
A agressividade do marketing
A globalização da economia
Aumento da exigência dos consumidores portugueses
5
Os nossos preços são mais elevados (devido aos custos de produção elevados, mão de obra cara, falta de inovação, etc.)
10ºano
1-Compreender a ação erosiva do mar sobre a linha de costa;
Ação do mar na linha da costa → Abrasão Marinha
Fatores condicionantes
Natureza das rochas
Rochas mais duras → menos erosão OU Rochas menos duras → mais erosão
Características do relevo da costa
Relevo acidentado → menos erosão OU Relevo plano → mais erosão
Intensidade do movimento das águas
Mar violente → mais erosão OU Mar brando → menos erosão
Movimentos orogénicos
Movimento de levantamento → mais erosão OU Movimento de abatimento → menos erosão
Oscilação do nível do mar
Subir → mais erosão OU Recuar → menos erosão
Ação dos rios junto à foz
Acumulação de sedimentos
Características dos fundos marítimos
Fundos irregulares → água mais movimentada → mais erosão
Fundos planos → água menos movimentada →menos erosão
6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
Idalina Leite
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
manjosp
 
Factores que influenciam a agricultura
Factores que influenciam a agriculturaFactores que influenciam a agricultura
Factores que influenciam a agricultura
Dulce Margalho
 
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Mariana Costa
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
Maria Adelaide
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
Ilda Bicacro
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
Ilda Bicacro
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
713773
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºseIndústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
mariajosantos
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
O mundo rural em portugal
O mundo rural em portugalO mundo rural em portugal
O mundo rural em portugal
Cacilda Basto
 
eografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanaseografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanas
bruno oliveira
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanas
Ilda Bicacro
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
Maria Adelaide
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
Factores que influenciam a agricultura
Factores que influenciam a agriculturaFactores que influenciam a agricultura
Factores que influenciam a agricultura
 
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.Região agrária do Ribatejo e Oeste.
Região agrária do Ribatejo e Oeste.
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºseIndústria e desenvolvimento rural 11ºse
Indústria e desenvolvimento rural 11ºse
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
O mundo rural em portugal
O mundo rural em portugalO mundo rural em portugal
O mundo rural em portugal
 
eografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanaseografiaA organização das áreas urbanas
eografiaA organização das áreas urbanas
 
A organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanasA organização das áreas urbanas
A organização das áreas urbanas
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 

Destaque

O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
Joana Filipa Rodrigues
 
Turismo em espaço rural
Turismo em espaço ruralTurismo em espaço rural
Turismo em espaço rural
Joana Filipa Rodrigues
 
Parte 1ª a agricultura
  Parte 1ª a agricultura  Parte 1ª a agricultura
Parte 1ª a agricultura
anabelasilvasobral
 
Parques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologiaParques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologia
Joana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Joana Filipa Rodrigues
 
O bom uso da retórica
O bom uso da retóricaO bom uso da retórica
O bom uso da retórica
Joana Filipa Rodrigues
 
Retórica e democracia
Retórica e democraciaRetórica e democracia
Retórica e democracia
Joana Filipa Rodrigues
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Joana Filipa Rodrigues
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Joana Filipa Rodrigues
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
Joana Filipa Rodrigues
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
Joana Filipa Rodrigues
 
Falácias informais
Falácias informaisFalácias informais
Falácias informais
Joana Filipa Rodrigues
 
Estratégias de persuasão
Estratégias de persuasãoEstratégias de persuasão
Estratégias de persuasão
Joana Filipa Rodrigues
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Silogismos
SilogismosSilogismos
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
Joana Filipa Rodrigues
 
Tentativas absolutistas em inglaterra
Tentativas absolutistas em inglaterraTentativas absolutistas em inglaterra
Tentativas absolutistas em inglaterra
Joana Filipa Rodrigues
 
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
Joana Filipa Rodrigues
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
Joana Filipa Rodrigues
 

Destaque (20)

O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
 
Turismo em espaço rural
Turismo em espaço ruralTurismo em espaço rural
Turismo em espaço rural
 
Parte 1ª a agricultura
  Parte 1ª a agricultura  Parte 1ª a agricultura
Parte 1ª a agricultura
 
Parques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologiaParques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologia
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
 
O bom uso da retórica
O bom uso da retóricaO bom uso da retórica
O bom uso da retórica
 
Retórica e democracia
Retórica e democraciaRetórica e democracia
Retórica e democracia
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
 
Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 
Falácias informais
Falácias informaisFalácias informais
Falácias informais
 
Estratégias de persuasão
Estratégias de persuasãoEstratégias de persuasão
Estratégias de persuasão
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Silogismos
SilogismosSilogismos
Silogismos
 
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
 
Tentativas absolutistas em inglaterra
Tentativas absolutistas em inglaterraTentativas absolutistas em inglaterra
Tentativas absolutistas em inglaterra
 
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
 

Semelhante a A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)

Agricultura e pecuária
Agricultura e pecuáriaAgricultura e pecuária
Agricultura e pecuária
Gisela Alves
 
1. A_agricultura.pptx
1. A_agricultura.pptx1. A_agricultura.pptx
1. A_agricultura.pptx
Paula Lima
 
agricultura.pptx
agricultura.pptxagricultura.pptx
agricultura.pptx
Cátia Agostinho
 
gps8_a_agricultura_pecuaria.pptx
gps8_a_agricultura_pecuaria.pptxgps8_a_agricultura_pecuaria.pptx
gps8_a_agricultura_pecuaria.pptx
SusanaMarques87
 
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp021 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
Gonçalo Simões
 
Aula 14 agropecuária no brasil
Aula 14   agropecuária no brasilAula 14   agropecuária no brasil
Aula 14 agropecuária no brasil
Jonatas Carlos
 
Esp rural agrário
Esp rural agrárioEsp rural agrário
Esp rural agrário
Péricles Penuel
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
NoemiAlves14
 
Sistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correçãoSistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correção
prof_roseli_barbosa
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
alessandraleal20
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuaria
Débora Sales
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuaria
Débora Sales
 
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdfD - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
DomingosSantos40
 
9ºano - Aula nº6
9ºano - Aula nº69ºano - Aula nº6
9ºano - Aula nº6
Idalina Leite
 
Espaço Rural
Espaço RuralEspaço Rural
Espaço Rural
Pedro Tomé
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Susana Vazquez
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Susana Vazquez
 
O sistema agroindustrial dos frutos do cerrado
O sistema agroindustrial dos frutos do cerradoO sistema agroindustrial dos frutos do cerrado
O sistema agroindustrial dos frutos do cerrado
vivyteixeira
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
Roberto Santos
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo

Semelhante a A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano) (20)

Agricultura e pecuária
Agricultura e pecuáriaAgricultura e pecuária
Agricultura e pecuária
 
1. A_agricultura.pptx
1. A_agricultura.pptx1. A_agricultura.pptx
1. A_agricultura.pptx
 
agricultura.pptx
agricultura.pptxagricultura.pptx
agricultura.pptx
 
gps8_a_agricultura_pecuaria.pptx
gps8_a_agricultura_pecuaria.pptxgps8_a_agricultura_pecuaria.pptx
gps8_a_agricultura_pecuaria.pptx
 
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp021 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
1 agricultura1conceitos2010-2011-101026071558-phpapp02
 
Aula 14 agropecuária no brasil
Aula 14   agropecuária no brasilAula 14   agropecuária no brasil
Aula 14 agropecuária no brasil
 
Esp rural agrário
Esp rural agrárioEsp rural agrário
Esp rural agrário
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 
Sistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correçãoSistemas agrícolas correção
Sistemas agrícolas correção
 
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdfAULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
AULA_14_NOV_frAGILIDADES AGRARIAS.pdf
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuaria
 
Agricultura e pecuaria
Agricultura e pecuariaAgricultura e pecuaria
Agricultura e pecuaria
 
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdfD - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
D - Como tem evoluído a atividade agrícola em Portugal.pdf
 
9ºano - Aula nº6
9ºano - Aula nº69ºano - Aula nº6
9ºano - Aula nº6
 
Espaço Rural
Espaço RuralEspaço Rural
Espaço Rural
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
O sistema agroindustrial dos frutos do cerrado
O sistema agroindustrial dos frutos do cerradoO sistema agroindustrial dos frutos do cerrado
O sistema agroindustrial dos frutos do cerrado
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
Joana Filipa Rodrigues
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Joana Filipa Rodrigues
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
Joana Filipa Rodrigues
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Joana Filipa Rodrigues
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joana Filipa Rodrigues
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
Joana Filipa Rodrigues
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
Joana Filipa Rodrigues
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
Joana Filipa Rodrigues
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
Joana Filipa Rodrigues
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
Joana Filipa Rodrigues
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
Joana Filipa Rodrigues
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
Joana Filipa Rodrigues
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
Joana Filipa Rodrigues
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues (20)

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Victor Gavin
 
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
Fidel Castro
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 

A Agricultura portuguesa (11º ano) e a Ação erosiva do mar (10º ano)

  • 1. 1-Indicar e explicar os principais fatores condicionantes da agricultura portuguesa. A agricultura portuguesa é influenciada por fatores naturais (clima; recursos hídricos; fertilidade dos solos; relevo) e por fatores humanos (passado histórico; objetivo de produção; tecnologias e politicas utilizadas; politicas agrícolas). O clima é um dos fatores que mais condiciona a produção agrícola. Os recursos hídricos são fundamentais para a produção agrícola, pelo que esta se trona mais abundante em áreas onde a precipitação é maior e mais regular. Em áreas de menor precipitação, é necessário recorrer a sistemas de rega artificial. A fertilidade dos solos natural (depende das características geológicas, do relevo e do clima) e criada pelo Homem (fertilização e correção dos solos) influencia diretamente a produção, tanto em quantidade como em qualidade. Quando predomina o relevo plano, a fertilidade dos solos tende a ser maior, assim como a possibilidade de modernização das explorações. Se o relevo é mais acidentado, a fertilidade tende a ser menor e há mais limitações no uso de tecnologia agrícola e no aproveitamento e organização do espaço. O passado histórico é um dos fatores que permite compreender a atual ocupação e organização do solo. O objetivo da produção é outro fator que influencia a ocupação do solo. Quando a produção se destina ao autoconsumo, as explorações tendem a ser de menor dimensão o que leva a que as pessoas usem técnicas mais artesanais. Se a produção se destina ao mercado, as explorações tendem a ser de maior dimensão e mais especializadas em determinados produtos, utilizando assim tecnologia moderna, o que contribui para uma maior produtividade do trabalho e no solo. As políticas agrícolas são fatores de grande importância que influenciam as opções dos agricultores relativamente aos produtos cultivados, como a utilização de produtos químicos, criam incentivos financeiros, apoiam a modernização das explorações, etc. 2-Identificar as regiões agrárias. 3-Distinguir propriedade de exploração e rendimento de produtividade. Exploração agrícola: Conjunto de terras cultivadas pela mesma pessoa (por conta própria ou por arrendamento). Propriedade agrícola: Conjunto de terras que pertencem a uma pessoa. 1
  • 2. Rendimento agrícola: Aquilo que se produz por unidade de superfície. Toneladas/hectare. Produtividade agrícola: Aquilo que se produz por unidade de mão-de-obra. Toneladas/mão-de-obra. 4-Caraterizar os principais sistemas de cultura (intensivo e extensivo). No sistema intensivo o rendimento é mais elevado, os solos são mais férteis e com bastante abundantes em água, mesmo no verão, e de mão-de-obra agrícola numerosa, por isso predominam as culturas de regadio (precisam de ser regadas regularmente) e estes estão sempre ocupados. É comum a policultura- mistura de culturas no mesmo campo e colheitas que se sucedem umas às outras. Neste sistema a produtividade é mais baixa, pois os campos são mais pequenos (minifúndio), os terrenos são mais acidentados e a mecanização é mais difícil. Este sistema é mais predominante das regiões agrárias do Litoral Norte, na Madeira e em algumas ilhas dos Açores. No sistema extensivo não há uma ocupação permanente e contínua do solo, o rendimento é mais baixo, existe a rotação de culturas onde ainda se faz o pousio (este tem vindo a desaparecer e a ser substituído por culturas forrageiras para o gado e adubo orgânico). Este sistema tradicional é praticado em áreas de solos mais pobres e secos no verão, associados à monocultura e às culturas de sequeiro (têm pouca necessidade de água). Neste sistema a produtividade é maior, pois a dimensão dos campos favorece a mecanização e é tradicionalmente mais dominante em Trás-os-Montes e no Alentejo. Os sistemas extensivos sem pousio associam-se a uma agricultura mecanizada e voltada para o recado, sobretudo nas regiões do Alentejo e do Ribatejo e Oeste. 5-Indicar as principais alterações que se têm verificado no sistema extensivo de sequeiro. A principal alteração que se tem verificado no sistema extensivo de sequeiro tem a ver com o pousio. Antes o pousio era feito com o objetivo de deixar o terreno descansar (recuperação do solo), praticando-se o pousio puro e o que estava a acontecer era que em vez de recuperar o solo, este degradava-se mais e a desproteção levava a uma maior erosão. 2
  • 3. Como a intensão inicial da recuperação do solo não se verificava, fez com que o pousio fosse substituído por culturas forrageiras para o gado e para o adubo orgânico. Deixou-se de fazer um pousio puro e simples (deixava o solo abandonado sujeito à erosão) para se utilizar culturas forrageiras. 6-Descrever uma paisagem agrícola a partir dos elementos que a caraterizam. As paisagens agrárias são caraterizadas, também, pela morfologia (aspeto dos campos no que respeita à forma e dimensão das parcelas e à rede de caminhos). Nas regiões entre Douro e Minho, Beira Litoral, Algarve, Madeira e em algumas ilhas dos Açores, onde predominam as explorações de pequena dimensão, constituídas por várias parcelas de forma irregular e quase sempre vedadas-campos fechados- com muros ou renques de árvores e arbustos, que delimitam a propriedade e protegem as culturas do vento e da invasão do gado. No Alentejo e no Ribatejo e Oeste, predominam as explorações de média e grande dimensão e vastas parcelas de forma regular que, embora atualmente se encontrem, na sua maioria, delimitadas por sebes metálicas, eram tradicionalmente campos abertos-sem qualquer vedação. A diversidade das paisagens agrárias resulta, também, das diferentes formas de povoamento, que variam desde a aglomeração total à pura dispersão. 7-Conhecer as principais diferenças na dimensão das explorações nas regiões e relacioná-las com fatores físicos e humanos. A desigual distribuição da SAU (superfície agrícola utilizada) deve-se, essencialmente, às características do relevo e da ocupação humana. O relevo aplanado, a fraca densidade populacional e o povoamento concentrado permitem a existência de vastas extensões de área cultivadas, no Alentejo. Nas regiões de relevo mais acidentado, maior densidade populacional e povoamento disperso, como a Madeira, a Beira Litoral e Entre Douro e Minho, a área ocupada pela SAU é menor. 8-Explicar as dificuldades impostas pela reduzida dimensão das explorações agrícolas. Nas explorações de pequenas dimensões, é difícil a mecanização, não dão rendimentos para justificar o investimento que seria necessário fazer se se utilizassem máquinas. 3
  • 4. A pequena produção “não dá” para ser competitivo no mercado, sendo esta mais virada para o autoconsumo, que faz com que não se tire rendimento, logo, não se pode investir. 9-Caraterizar as formas de exploração (conta própria e arrendamento) e explicar as principais vantagens de cada uma delas; O agricultor nem sempre é proprietário das terras que explora, pelo que podem considerar-se duas principais formas de exploração da SAU: Conta própria: o produtor é também o proprietário; Arrendamento: o produtor paga um valor ao proprietário da terra pela sua utilização. As explorações por conta própria são habitualmente consideradas mais vantajosas. O proprietário procura obter o melhor resultado possível da terra mas, como está a cuidar do que é seu, tende a preocupar-se mais com a preservação dos solos e investe em melhoramentos fundiários (construção de redes de drenagem, colocação de instalações de rega permanentes, etc.). Os proprietários podem ter um papel decisivo na comunidade rural participando na preservação da paisagem, na prevenção dos fogos florestais. Podem ainda aliar a atividade agrícola a outras, contribuindo para a desertificação da base económica e para o desenvolvimento sustentável das áreas rurais, que muitas vezes são reduzidas e não permitem produzir em quantidade e com preços competitivos para o mercado. Esta exploração é frequente em todo o país, destacando-se em Trás-os-Montes e na Madeira. As explorações por arrendamento podem ser desvantajosas, pois os arrendatários nem sempre se interessam pela valorização e preservação das terras, preocupando-se mais em tirar delas o máximo proveito durante a vigência do contrato. Porém, o arrendamento pode evitar o abandono das terras, nos casos em que o proprietário não possa ou não queira explorá-las. O arrendamento é uma forma de muitos agricultores aumentarem a sua exploração e torna-la mais adequada para a modernização e para a capacidade de venda dos produtos no mercado. Esta exploração é mais comum nos Açores. 4
  • 5. 10-Caracterizar a população ativa agrícola e explicar as dificuldades que coloca ao desenvolvimento agrícola; A população ativa agrícola diminuiu bastante, devido à modernização da agricultura e à melhor oferta de emprego nos outros setores de atividade.Esta oferta tem aumentado, provocando o êxodo agrícola-transferência de mão-de-obra para os outros setores de atividade. Esta evolução influenciou a estrutura etária da população agrícola portuguesa e contribuiu para o seu envelhecimento. O nível de instrução dos agricultores, embora tenha vindo a aumentar, é ainda relativamente baixa. A formação profissional da larga maioria dos agricultores continua a ser exclusivamente prática. A transmissão de conhecimentos e experiências de pais e filhos apresenta-se ainda como o principal modo de formação. Só uma pequena parte da população tem formação profissional. Falta, então, pessoas com formação teórica para ajudar aos tipos de solo às diferentes culturas. O envelhecimento e os baixos níveis de instrução e de formação profissional da população agrícola constituem um entrave ao desenvolvimento da agricultura no que respeita à adesão a inovações, à capacidade de investir e arriscar à adaptação às normas comunitárias de produção de comercialização. A mão-de-obra agrícola é essencialmente familiar. Nas regiões com maior dimensão média das explorações, a importância da mão-deobra agrícola não familiar é mais relevante, devido à maior especialização da agricultura que é mais exigente na qualificação da mão-de-obra. 11-Compreender a nossa dependência externa agrícola; A produção agrícola nacional não permite satisfazer as necessidades de consumo interno, pelo que a balança alimentar portuguesa, continua a ser deficitária em grande parte dos produtos, mantendo-se, assim, uma forte dependência externa. Para além da produção agrícola ser insuficiente há outros fatores que contribuem para a importação: A livre circulação de mercadorias na U.E. Facilidades de transporte A agressividade do marketing A globalização da economia Aumento da exigência dos consumidores portugueses 5
  • 6. Os nossos preços são mais elevados (devido aos custos de produção elevados, mão de obra cara, falta de inovação, etc.) 10ºano 1-Compreender a ação erosiva do mar sobre a linha de costa; Ação do mar na linha da costa → Abrasão Marinha Fatores condicionantes Natureza das rochas Rochas mais duras → menos erosão OU Rochas menos duras → mais erosão Características do relevo da costa Relevo acidentado → menos erosão OU Relevo plano → mais erosão Intensidade do movimento das águas Mar violente → mais erosão OU Mar brando → menos erosão Movimentos orogénicos Movimento de levantamento → mais erosão OU Movimento de abatimento → menos erosão Oscilação do nível do mar Subir → mais erosão OU Recuar → menos erosão Ação dos rios junto à foz Acumulação de sedimentos Características dos fundos marítimos Fundos irregulares → água mais movimentada → mais erosão Fundos planos → água menos movimentada →menos erosão 6