15 história rafael - américa portuguesa

3.976 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.976
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.369
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

15 história rafael - américa portuguesa

  1. 1. http://historiaeatualidade.blogspot.com professor.fael@terra.com.br Material Único História e Atualidades Professor Rafael Magno Noronha =] 1
  2. 2. América Portuguesa 2
  3. 3. Chegada dos PortuguesesChegada dos Portugueses Os portugueses, excelentes navegadores, sabiam que, se navegassem em direção ao sudoeste, as embarcações saídas de Lisboa seriam conduzidas pelas correntes marítimas e pelo vento em direção ao continente inexplorado. 3
  4. 4. Chegada dos PortuguesesChegada dos Portugueses Em 22 de Abril, a frota de Cabral desembarcou na Costa do atual estado da Bahia e encontrou diferentes grupos indígenas habitando o local. 4
  5. 5. Desembarque de Cabral em Porto Seguro (estudo), óleo s/ tela, Oscar Pereira da Silva, 1904.
  6. 6. “Nela até agora não podemos saber que haja ouro nem prata, nem alguma coisa de metal nem de ferro lho vimos; pero a terra em si é de muitos bons ares, assi frios e temperados como os d'antre Doiro e Minho, porque neste tempo de agora assi os achamos como os de lá; águas são muitas infindas e em tal maneira é graciosa, que querendo aproveitar-se dar-se-á nela tudo por bem das águas que tem; pero o melhor fruto que nela se pode fazer me parece que será salvar esta gente (…) boa e de boa simplicidade.” Pero Vaz Caminha
  7. 7. Victor Meirelles: A Primeira Missa no Brasil (1861). Museu Nacional de Belas Artes, Brasil.
  8. 8. "Terra Brasilis" (Atlas Miller, 1519),
  9. 9. Derrubada do pau-brasil de André Thevet, 1575
  10. 10. 1º momento1º momento Sem achar metais preciosos e sem interesse em colonizar as terras descobertas, os portugueses resolveram extrair o pau-brasil. Entre 1500 – 30: sem colonização, apenas feitorias. 10
  11. 11. 1500 - 15301500 - 1530 A fim de garantir o monopólio na exploração da costa e expandir a exploração de outros recursos locais, os portugueses decidiram iniciar a colonização do Brasil. 11
  12. 12. Pau BrasilPau Brasil Escambo Feitorias sem colonização
  13. 13. Início da ColonizaçãoInício da Colonização Em 3 de dezembro de 1530, Martim Afonso de Souza partiu para o Brasil no comando de um esquadra e, pelas determinações do rei D. João III, deveria estabelecer núcleos de povoamento, combater os franceses e outros piratas, explorar o litoral e demarcar o território. 13
  14. 14. Início da ColonizaçãoInício da Colonização Martin Afonso fundou a 1ª vila do Brasil – São Vicente (no atual Estado de São Paulo). Fundou também o primeiro engenho de açúcar do Brasil, iniciando a plantação de cana-de-açúcar. 14
  15. 15. Início da ColonizaçãoInício da Colonização Martin Afonso iniciou a prática das sesmarias antes da capitanias hereditárias, para povoar o território, porém sem sucesso. Em 1534 – Capitanias Hereditárias 15
  16. 16. Capitanias HereditáriasCapitanias Hereditárias Donatário Carta de Doação e Foral: aplicação da Justiça, de impostos e doação de sesmarias. Destaque para Pernambuco e São Vicente
  17. 17. “Foram criadas, nesta divisão, quinze faixas longitudinais de diferentes larguras que iam de acidentes geográficos no litoral até o Meridiano das Tordesilhas, e foram oferecidas a doze donatários. Destes, quatro nunca foram ao Brasil; três faleceram pouco depois; três retornaram a Portugal; um foi preso por heresia (Tourinho) e apenas dois se dedicam à colonização (Duarte Coelho em Pernambuco e Martim Afonso de Sousa na Capitania de São Vicente).” Boris Fausto Curiosidade Séria...Curiosidade Séria...
  18. 18. Governo GeralGoverno Geral A partir de 1548 Governador Geral dividia o seu poder, na prática, com as câmaras municipais. 1º Governador Geral: Tomé de Souza 2º Governador Geral: Duarte de Souza 3º Governador Geral: Mem de Sá
  19. 19. Tomé de Souza (1549-1553)Tomé de Souza (1549-1553) Fundou 1ª cidade: Salvador Sistematizou a administração com cargos e com criação da Câmara Municipal (poder local). Trouxe os primeiros jesuítas, sob a chefia de Manuel da Nóbrega. 19
  20. 20. Duarte de Souza (1553-1557)Duarte de Souza (1553-1557) Trouxe mais jesuítas, entre eles José de Anchieta, que fundou o colégio de São Paulo, que deu origem ao povoado de São Paulo, hoje cidade de São Paulo. Houve a invasão francesa na Baía de Guanabara (1555) 20
  21. 21. Mem de Sá (1557-1572)Mem de Sá (1557-1572) Expulsou os franceses do RJ Fundou a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro 21
  22. 22. O 4º Governador GeralO 4º Governador Geral O quarto governador, Luís Vasconcelos, nem sequer chegou ao Brasil, pois seu navio foi atacado e destruídos por corsários franceses. Com isso o Brasil foi dividido em NORTE e SUL para facilitar a adminitração. 22
  23. 23. 23 Norte Sul
  24. 24. BRASIL COLONIALBRASIL COLONIAL Sistema Colonial:Sistema Colonial: Brasil: Colônia portuguesa. Portugal:Metrópole do Brasil. Pacto Colonial: O Brasil fornecia matéria- prima para Portugal, que obrigava a colônia a comprar produtos somente da Metrópole.
  25. 25. BRASIL COLONIALBRASIL COLONIAL A Base do Sistema Colonial:A Base do Sistema Colonial: A ESCRAVIDÃO: Indígena Negra: a principal e mais duradoura (até 1888).
  26. 26. Resistência dos IndígenasResistência dos Indígenas ÍndiosÍndios  termo geral.termo geral. Missão da Igreja: salvar o índio.Missão da Igreja: salvar o índio. Luta contra a escravidão.Luta contra a escravidão.
  27. 27. Confederação do CaririConfederação do Cariri (1686~1692)(1686~1692) CaririCariri  grupo indígenagrupo indígena Envolveu grupos indígena,Envolveu grupos indígena, quilombolas e portugueses.quilombolas e portugueses. Local: nordeste.Local: nordeste. Origem:Origem:resistência à ocupação deresistência à ocupação de terras indígenas e dos quilombolas.terras indígenas e dos quilombolas.
  28. 28. Guerra JustaGuerra Justa Eram consideradas guerrasEram consideradas guerras “justas” feitas com a licença do rei“justas” feitas com a licença do rei ou do governador-geral contra osou do governador-geral contra os povos indígenas que combatiam ospovos indígenas que combatiam os portugueses, impediam o comércioportugueses, impediam o comércio ou que fizessem aliança com outrasou que fizessem aliança com outras nações européias.nações européias.
  29. 29. JesuítasJesuítas Os padres jesuítas tiveram um papel importante no processo de colonização do Brasil, pois um dos objetivos da corte portuguesa era a expansão da fé católica pela catequização dos indígenas. 29
  30. 30. JesuítasJesuítas Eles eram contra a escravidão indígena  confronto com Portugal. Criação das MISSÕES para proteger os indígenas. 30
  31. 31. América PortuguesaAmérica Portuguesa Busca por índios por meio de:Busca por índios por meio de: EscamboEscambo Prisioneiros de GuerraPrisioneiros de Guerra Economia marcada peloEconomia marcada pelo Mercantilismo.Mercantilismo.
  32. 32. MercantilismoMercantilismo Capitalismo Comercial.Capitalismo Comercial. Entre os séc. XVI e XVIII.Entre os séc. XVI e XVIII.  Baseia-se:Baseia-se: Acumulo de metais (metalismo).Acumulo de metais (metalismo). Impostos (protecionismo).Impostos (protecionismo). Sistema Colonial.Sistema Colonial. Comércio Favorável (vender mais doComércio Favorável (vender mais do que comprar).que comprar).
  33. 33. Economia Brasileira no SéculoEconomia Brasileira no Século XVII / XVIIIXVII / XVIII Cana-de-açúcar:Cana-de-açúcar: litorallitoral Pecuária:Pecuária: interiorinterior Mineração:Mineração: interior de SP e Minasinterior de SP e Minas GeraisGerais Drogas do Sertão:Drogas do Sertão: região norte.região norte.
  34. 34. Diferenciando...Diferenciando... América Portuguesa América Espanhola Organização administrativa Capitanias Hereditárias Vice-Reinos Tipos de contratos c/ os nativos Pacto Colonial Repartimento Formas de trabalho Escravidão Servidão Formas de resitência Conflitos de ordem social Conflitos de ordem econômica
  35. 35.  Invasões Estrangeiras no Brasil  FATOR IMPORTANTE: marginalização da Inglaterra, França e Holanda em relação à partilha das terras recém conquistadas.  Inglaterra  1530: contrabando – piratas  Presença Francesa  França Antártica (RJ – 1555/1567) / França Equinocial (MA – 1612-1615)
  36. 36. Confederação dos TamoiosConfederação dos Tamoios (1555-1557)(1555-1557) TamoiosTamoios ""o mais antigoo mais antigo““ Envolveu grupos indígenasEnvolveu grupos indígenas (tupinambás, guaianás),(tupinambás, guaianás), portugueses e franceses.portugueses e franceses. Local: norte paulista.Local: norte paulista. Origem:Origem: fim da aliança entrefim da aliança entre guaianás e portugueses.guaianás e portugueses.
  37. 37. ““Nossas terras são invadidas,Nossas terras são invadidas, nossas terras são tomadas, osnossas terras são tomadas, os nossos territórios sãonossos territórios são invadidos...Dizem que o Brasilinvadidos...Dizem que o Brasil foi descoberto; o Brasil não foifoi descoberto; o Brasil não foi descoberto não, Santo Padre. Odescoberto não, Santo Padre. O Brasil foi invadido e tomadoBrasil foi invadido e tomado dos indígenas do Brasil. Essa édos indígenas do Brasil. Essa é a verdadeira história.a verdadeira história.”” Marçal Tupá’ i , líder Guarani, em 1980, emMarçal Tupá’ i , líder Guarani, em 1980, em discurso feito ao Papa João Paulo II em visitadiscurso feito ao Papa João Paulo II em visita ao Brasil.ao Brasil.
  38. 38. Açúcar – séc. XVI e XVIIAçúcar – séc. XVI e XVII Estratégia de colonização Plantation: Grandes propriedades  Monocultura  Mercado externo Casa Grande, Senzala, Cada de Engenho
  39. 39. Brasil ColôniaBrasil Colônia 1500 – 1530 à 1808 – 1822 Dominação Portuguesa Pacto Colonial Relações Comercias Brasil (Colônia) Portugal (Metrópole) ESCRAVIDÃO AgriculturaAgricultura
  40. 40. Tipos de Fazenda –Tipos de Fazenda – EconomiaEconomia do Açúcardo Açúcar ENGENHOS (grande propriedade produtora) FAZENDA LIVRE (pequenas e médias propriedades) FAZENDA OBRIGADA (terra cedida a um colono, que era obrigado a moer a cana no engenho central)
  41. 41. União IbéricaUnião Ibérica No ano de 1578, durante a batalha contra os mouros marroquinos em Alcácer-Quibir, o rei português dom Sebastião desapareceu. Sem herdeiros, assumiu nos dois anos seguintes, o cardeal dom Henrique, seu tio-avô, mas logo morreu sem também deixar 42
  42. 42. União IbéricaUnião Ibérica Filipe II, rei da Espanha e neto do falecido rei português D. Manuel I, se candidatou a assumir a vaga deixada na nação vizinha e ameaçou os portugueses com seus exércitos. Com isso, observamos o estabelecimento da União Ibérica, que marca a centralização dos governos espanhol e português sob um mesmo governo. 43
  43. 43. União IbéricaUnião Ibérica Mudanças: com a junção das coroas, as nações inimigas da Espanha passam a ver na invasão do espaço colonial lusitano uma forma de prejudicar o rei Filipe II. Desta maneira, no tempo em que a União Ibérica foi vigente, ingleses, holandeses e franceses tentaram invadir o Brasil. 44
  44. 44. Invasões Holandesas  Bahia (1624)/ Pernambuco (1630) Administração de Maurício de Nassau Relações comerciais complicadas CANA-DE-AÇÚCAR  Expulsão dos Holandeses (1648) - 1661 (Paz de Haia)  Expulsão contribuiu para a crise do complexo açucareiro nordestino.
  45. 45. Maurício de NassauMaurício de Nassau 46

×