SlideShare uma empresa Scribd logo
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.Moore Stephens Prisma PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS
NBC TA 320
Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria
08 de outubro de 2012
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA - 320
MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO
DE AUDITORIA
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
SUMÁRIO
• OBJETIVO DA NBC TA 320
• DEFINIÇÃO DE MATERIALIDADE
• MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA
• DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE
• ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE
• FATORES QUE PODEM AFETAR A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE QUANDO SE UTILIZA REFERENCIAIS
• FATORES EXTRAS
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
SUMÁRIO
• MATERIALIDADE E RISCO
• DOCUMENTAÇÃO
• TIPOS DE MATERIALIDADE
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
OBJETIVO DA NBC TA 320:
(Aprovada pela Resolução CFC nº 1.213/2009)
Fazer com que o auditor aplique o conceito de materialidade
adequadamente ao planejamento e execução da auditoria.
Esta norma é aplicável a auditoria de demonstrações contábeis
para períodos iniciados em ou após 01/01/2010.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
Julgamento do auditor para determinar a
extensão do trabalho a ser executado,
voltado para a redução de erros
materiais, para a melhor tomada de
decisões pelos usuários.
Nota: Julgamento do auditor = aplicação
do treinamento, conhecimento e
experiência.
DEFINIÇÃO DE MATERIALIDADE:
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
Obs.:
Caso necessário, o auditor deve definir a
materialidade para classes específicas de
transações, saldos contábeis e divulgações.
DEFINIÇÃO DE MATERIALIDADE:
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
a) Distorções, incluindo omissões
Podem ser relevantes (individual / conjunto)
MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA:
Considerar:
Tomada de decisões, com base nas
demonstrações contábeis
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA:
b) Julgamento => feitos conforme as circunstâncias => afetados
pelo tamanho e natureza das distorções (ou ambos)
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA:
c) Julgamentos relevantes => conforme a necessidade de
informações financeiras comuns para usuários.
Obs.: Para usuários específicos => não se consideram as
distorções => as necessidades podem ter variação significativa.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE:
Determinada através do julgamento do auditor, fornecendo base
para:
a) Determinar a natureza, época e extensão dos procedimentos
de avaliação de risco;
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE:
b) identificar e avaliar os riscos de distorção relevante;
c) determinar a natureza, época e extensão dos procedimentos
adicionais de auditoria.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE:
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
O auditor deve assumir:
a) Que os usuários possuem conhecimento razoável dos negócios,
atividades econômicas, de contabilidade e a disposição de
estudar as informações das demonstrações contábeis com
razoável diligência;
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
b) que os usuários entendem que as demonstrações contábeis são
preparadas, apresentadas e auditadas considerando níveis de
materialidade;
ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE:
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE:
c) que os usuários reconhecem as incertezas inerentes à
mensuração de valores baseados no uso de estimativas,
julgamento e a consideração sobre eventos futuros; e
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE:
d) que os usuários tomam decisões econômicas razoáveis com
base nas informações das demonstrações contábeis.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
FATORES QUE PODEM AFETAR A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE QUANDO SE UTILIZA REFERENCIAIS:
(a) os elementos das demonstrações contábeis (por exemplo,
ativo, passivo, patrimônio, receita, despesa);
(b) se há itens que tendem a atrair a atenção dos usuários das
demonstrações contábeis da entidade específica (por exemplo,
com o objetivo de avaliar desempenho financeiro, os usuários
tendem a focar sua atenção em lucro, receita ou patrimônio
líquido);
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO
E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
FATORES QUE PODEM AFETAR A DETERMINAÇÃO DA
MATERIALIDADE QUANDO SE UTILIZA REFERENCIAIS:
(c) a natureza da entidade, a fase do seu ciclo de vida, o seu setor e
o ambiente econômico em que atua;
(d) a estrutura societária da entidade e como ela é financiada (por
exemplo, se a entidade é financiada somente por dívida em vez de
capital próprio, os usuários dão mais importância a informações
sobre os ativos, e processos que os envolvam, do que nos
resultados da entidade); e
(e) a volatilidade (variação) relativa do referencial.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
FATORES EXTRAS:
Existem fatores que podem indicar uma ou mais de uma classe de
transações (específicas), saldos contábeis ou divulgação para os
quais se poderia esperar distorção de valores, que influenciem na
tomada de decisões econômicas, baseadas nas demonstrações
contábeis. São eles:
(a) se leis, regulamentos ou a estrutura de relatório financeiro
aplicável afetam as expectativas dos usuários em relação à
mensuração ou divulgação de certos itens (por exemplo,
transações com partes relacionadas, e a remuneração da
administração e dos responsáveis pela governança);
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
FATORES EXTRAS:
(b) as principais divulgações referentes ao setor em que a entidade
atua (por exemplo, custos de pesquisa e desenvolvimento para
empresa farmacêutica);
(c) se a atenção está focada em aspecto específico do negócio da
entidade que é divulgado separadamente nas demonstrações
contábeis (por exemplo, negócio recém-adquirido).
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
FATORES EXTRAS:
OBS.: Ao considerar, nas circunstâncias específicas da entidade, se
essas classes de transações, saldos contábeis ou divulgação
existem, o auditor pode achar útil obter entendimento dos
pontos de vista e das expectativas dos responsáveis pela
governança e da administração.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
MATERIALIDADE E RISCO:
Risco de auditoria é o risco de o auditor expressar uma opinião de
auditoria inadequada quando as demonstrações contábeis
apresentam distorções relevantes, ou seja, é o risco de que os
procedimentos executados não detectem uma distorção existente
que possa ser relevante (individual ou em conjunto).
A materialidade e os riscos de auditoria são levados em
consideração durante a auditoria, especialmente na:
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
MATERIALIDADE E RISCO:
(a) identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante
(NBC TA 315 - Identificação e avaliação dos riscos de distorção
relevante por meio do entendimento da entidade e de seu
ambiente);
(b) determinação da natureza, época e extensão de
procedimentos adicionais de auditoria (NBC TA 330 -
Respostas do auditor aos riscos avaliados); e
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
MATERIALIDADE E RISCO:
(c) avaliação do efeito de distorções não corrigidas, se houver,
sobre as demonstrações contábeis (NBC TA 450) e na formação da
opinião no parecer do auditor independente (NBC TA 700 -
Formação da opinião e emissão do parecer do auditor
independente sobre as demonstrações contábeis).
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
DOCUMENTAÇÃO:
O auditor deve incluir na documentação de auditoria os seguintes
valores e fatores considerados em sua determinação (NBC TA 230
– Documentação de auditoria. Itens 8-11 e A6):
(a) materialidade para as demonstrações contábeis como um
todo;
(b) se aplicável, o nível ou níveis de materialidade para classes
específicas de transações, saldos contábeis ou divulgação;
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
DOCUMENTAÇÃO:
(c) materialidade para execução da auditoria; e
(d) qualquer revisão de (a), (b) e (c) com o andamento da auditoria.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
TIPOS DE MATERIALIDADE:
Materialidade Global
Base: julgamento do auditor => utilizar parâmetros diversos:
% sobre as receitas líquidas
% lucro antes dos impostos
% sobre o patrimônio líquido
Esta materialidade deve limitar a importância ou o valor das
distorções relevantes na formação da opinião para emissão do
relatório de auditoria.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
TIPOS DE MATERIALIDADE:
Materialidade em Nível de Contas
Deve ser estabelecida para cada uma das contas das
demonstrações contábeis, cuja somatória dos valores das
distorções não deve ser superior à materialidade global.
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
DÚVIDAS SOBRE O TEMA:
NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO
PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.
A Moore Stephens é uma das maiores redes de auditoria, consultoria e outsourcing
contábil do mundo. A empresa é formada por aproximadamente 630 escritórios e está
presente em mais de 100 países. Está entre as 12 maiores posições no ranking mundial,
com faturamento anual de mais de US$ 2 bilhões.
A Moore Stephens Auditores e Consultores presta serviços em auditoria, consultoria
tributária e empresarial, tecnologia de informação, outsourcing de serviços contábeis,
tributários e administrativos, e corporate finance. Há ainda determinadas divisões, com
estruturas próprias, criadas para atendimento de interesses específicos, como a Divisão
de Auditoria Interna e a Divisão de Small Business, entre outras.
Fale com a Moore Stephens: mscorp@msbrasil.com.br
Siga-nos na internet e nas redes sociais:
Homepage: www.msbrasil.com.br
Facebook: http://www.facebook.com/moorestephensbr
Twitter: http://twitter.com/#!/moorestephensbr
Linkedin:http://www.linkedin.com/companies/moore-stephens-brasil
Blog: http://msbrasil.com.br/blog/
SlideShare: http://www.slideshare.net/moorestephensb
Youtube: http://www.youtube.com/moorestephensbr
SOBRE A
MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidadesAuditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidades
Claudia Marinho
 
10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais
10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais
10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais
Moore Stephens Brasil
 
3 Auditoria - Normas
3   Auditoria - Normas3   Auditoria - Normas
3 Auditoria - Normas
Bolivar Motta
 
Procedimentos analiticos de auditoria
Procedimentos analiticos de auditoriaProcedimentos analiticos de auditoria
Procedimentos analiticos de auditoria
Universidade Pedagogica
 
Auditoria interna
Auditoria internaAuditoria interna
Auditoria interna
Gilson Sena
 
Exemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria internaExemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria interna
Hélio René Lopes da Rocha
 
Aula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfAula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdf
SheilaCortes2
 
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da AuditoriaAula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - GabaritosExercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
GJ MARKETING DIGITAL
 
Como fazer uma boa auditoria
Como fazer uma  boa auditoriaComo fazer uma  boa auditoria
Como fazer uma boa auditoria
Fabio Cristiano
 
14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
Moore Stephens Brasil
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
instituto monitor
 
Trabalho auditoria de disponibilidades e contas a receber
Trabalho auditoria de disponibilidades e contas  a receberTrabalho auditoria de disponibilidades e contas  a receber
Trabalho auditoria de disponibilidades e contas a receber
francisca paula
 
Auditoria de estoques
Auditoria de estoquesAuditoria de estoques
Auditoria de estoques
Claudia Marinho
 
4 Auditoria - Planejamento
4   Auditoria - Planejamento4   Auditoria - Planejamento
4 Auditoria - Planejamento
Bolivar Motta
 
2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução
2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução
2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução
Clarissa Schoppan
 
Auditoria de inventários
Auditoria de inventáriosAuditoria de inventários
Auditoria de inventários
fabioavela
 
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Diego Omero
 
153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf
Lucas Ferreira
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
Percione B V Soares
 

Mais procurados (20)

Auditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidadesAuditoria disponibilidades
Auditoria disponibilidades
 
10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais
10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais
10 - NBC TA 510 – Trabalhos Iniciais – Saldos Iniciais
 
3 Auditoria - Normas
3   Auditoria - Normas3   Auditoria - Normas
3 Auditoria - Normas
 
Procedimentos analiticos de auditoria
Procedimentos analiticos de auditoriaProcedimentos analiticos de auditoria
Procedimentos analiticos de auditoria
 
Auditoria interna
Auditoria internaAuditoria interna
Auditoria interna
 
Exemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria internaExemplo de relatório de auditoria interna
Exemplo de relatório de auditoria interna
 
Aula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfAula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdf
 
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da AuditoriaAula 1 - Origem e evolução da Auditoria
Aula 1 - Origem e evolução da Auditoria
 
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - GabaritosExercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
 
Como fazer uma boa auditoria
Como fazer uma  boa auditoriaComo fazer uma  boa auditoria
Como fazer uma boa auditoria
 
14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
14 - NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
 
Plano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria TipoPlano De Auditoria Tipo
Plano De Auditoria Tipo
 
Trabalho auditoria de disponibilidades e contas a receber
Trabalho auditoria de disponibilidades e contas  a receberTrabalho auditoria de disponibilidades e contas  a receber
Trabalho auditoria de disponibilidades e contas a receber
 
Auditoria de estoques
Auditoria de estoquesAuditoria de estoques
Auditoria de estoques
 
4 Auditoria - Planejamento
4   Auditoria - Planejamento4   Auditoria - Planejamento
4 Auditoria - Planejamento
 
2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução
2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução
2+ +perícia+contábil+-+conceitos+e+introdução
 
Auditoria de inventários
Auditoria de inventáriosAuditoria de inventários
Auditoria de inventários
 
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012Licção 09 prova de auditoria versão 2012
Licção 09 prova de auditoria versão 2012
 
153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
 

Destaque

Procedimentos de auditoria amostragem 2016
Procedimentos de auditoria  amostragem 2016Procedimentos de auditoria  amostragem 2016
Procedimentos de auditoria amostragem 2016
Universidade Federal de Viçosa
 
Dicionário de Auditoria
Dicionário de AuditoriaDicionário de Auditoria
Dicionário de Auditoria
Superprovas Software
 
Auditoria Contábil
Auditoria ContábilAuditoria Contábil
Auditoria Contábil
Antonio Quirino
 
Materialidade
Materialidade Materialidade
Materialidade
Ana Leticia Cunha
 
SEGURANÇA EM VIAGENS
SEGURANÇA EM VIAGENSSEGURANÇA EM VIAGENS
SEGURANÇA EM VIAGENS
DOUGLAS WIRES
 
Auditoria de Processo
Auditoria de ProcessoAuditoria de Processo
Auditoria de Processo
Mauricio Volkweis Astiazara
 
Folder sobre Cadastro do Segurado Especial
Folder sobre Cadastro do Segurado EspecialFolder sobre Cadastro do Segurado Especial
Folder sobre Cadastro do Segurado Especial
FETAEP
 
Auditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameerAuditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameer
Cornélio Khim Come
 
iGCDP - auditória
iGCDP - auditóriaiGCDP - auditória
iGCDP - auditória
icxgcdpbrazil
 
Curso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFT
Curso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFTCurso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFT
Curso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFT
Estratégia Concursos
 
Auditoria interna
Auditoria interna Auditoria interna
Auditoria interna
InformaGroup
 
Contabilidade Geral e Auditoria Completa - MTE
Contabilidade Geral e Auditoria Completa - MTEContabilidade Geral e Auditoria Completa - MTE
Contabilidade Geral e Auditoria Completa - MTE
Neon Online
 
Auditoriateorica
AuditoriateoricaAuditoriateorica
Auditoriateorica
Anderson Silva
 
Delivery - Auditoria
Delivery - AuditoriaDelivery - Auditoria
Delivery - Auditoria
icxgipbrazil
 
Contabilidade i resumo 00
Contabilidade i   resumo 00Contabilidade i   resumo 00
Contabilidade i resumo 00
geral contabil
 
Noções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRE
Noções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRENoções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRE
Noções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRE
Estratégia Concursos
 
Auditoria em saúde
Auditoria em saúdeAuditoria em saúde
Auditoria em saúde
Verbo Educacional
 
Partes relacionadas
Partes relacionadasPartes relacionadas
Partes relacionadas
Anna Beatriz
 
Módulo 01 aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...
Módulo 01   aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...Módulo 01   aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...
Módulo 01 aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...
Danilo Santos
 
Princípio da materialidade ou relevância
Princípio da materialidade ou relevânciaPrincípio da materialidade ou relevância
Princípio da materialidade ou relevância
Diego G. Bassi .´.
 

Destaque (20)

Procedimentos de auditoria amostragem 2016
Procedimentos de auditoria  amostragem 2016Procedimentos de auditoria  amostragem 2016
Procedimentos de auditoria amostragem 2016
 
Dicionário de Auditoria
Dicionário de AuditoriaDicionário de Auditoria
Dicionário de Auditoria
 
Auditoria Contábil
Auditoria ContábilAuditoria Contábil
Auditoria Contábil
 
Materialidade
Materialidade Materialidade
Materialidade
 
SEGURANÇA EM VIAGENS
SEGURANÇA EM VIAGENSSEGURANÇA EM VIAGENS
SEGURANÇA EM VIAGENS
 
Auditoria de Processo
Auditoria de ProcessoAuditoria de Processo
Auditoria de Processo
 
Folder sobre Cadastro do Segurado Especial
Folder sobre Cadastro do Segurado EspecialFolder sobre Cadastro do Segurado Especial
Folder sobre Cadastro do Segurado Especial
 
Auditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameerAuditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameer
 
iGCDP - auditória
iGCDP - auditóriaiGCDP - auditória
iGCDP - auditória
 
Curso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFT
Curso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFTCurso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFT
Curso Segurança e Saúde no Trabalho para Concurso AFT
 
Auditoria interna
Auditoria interna Auditoria interna
Auditoria interna
 
Contabilidade Geral e Auditoria Completa - MTE
Contabilidade Geral e Auditoria Completa - MTEContabilidade Geral e Auditoria Completa - MTE
Contabilidade Geral e Auditoria Completa - MTE
 
Auditoriateorica
AuditoriateoricaAuditoriateorica
Auditoriateorica
 
Delivery - Auditoria
Delivery - AuditoriaDelivery - Auditoria
Delivery - Auditoria
 
Contabilidade i resumo 00
Contabilidade i   resumo 00Contabilidade i   resumo 00
Contabilidade i resumo 00
 
Noções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRE
Noções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRENoções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRE
Noções de Contabilidade Geral p/ Oficial de Chancelaria do MRE
 
Auditoria em saúde
Auditoria em saúdeAuditoria em saúde
Auditoria em saúde
 
Partes relacionadas
Partes relacionadasPartes relacionadas
Partes relacionadas
 
Módulo 01 aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...
Módulo 01   aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...Módulo 01   aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...
Módulo 01 aula 002 - [seguridade social] - origem e evolução legislativa da...
 
Princípio da materialidade ou relevância
Princípio da materialidade ou relevânciaPrincípio da materialidade ou relevância
Princípio da materialidade ou relevância
 

Semelhante a NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria

16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
Moore Stephens Brasil
 
Nbc cascia
Nbc  casciaNbc  cascia
Nbc 320
Nbc 320Nbc 320
5 auditoria financeira
5 auditoria financeira5 auditoria financeira
5 auditoria financeira
Pedro Luis Moraes
 
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo AuditorNBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
Moore Stephens Brasil
 
Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
Trabalhos de Revisão de Demonstrações ContábeisTrabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
Moore Stephens Brasil
 
Resolução cfc nº
Resolução cfc nºResolução cfc nº
Resolução cfc nº
Dilaila Milene
 
Nbc t 11
Nbc t 11Nbc t 11
Nbc t 11
Ivan Malheiros
 
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSSSeminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
PedrodosSantos
 
NBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
NBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações ContábeisNBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
NBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
Moore Stephens Brasil
 
Nbc ta auditoria
Nbc ta auditoriaNbc ta auditoria
Nbc ta auditoria
Eronaldo Varges
 
Apresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaqueApresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaque
Siqueira & Associados Auditores Independentes
 
EduQuali
EduQualiEduQuali
EduQuali
Marco Coghi
 
Apresentação da reunião do GT 08 do CBAN
Apresentação da reunião do GT 08 do CBANApresentação da reunião do GT 08 do CBAN
Apresentação da reunião do GT 08 do CBAN
Giana Araujo
 
Project
ProjectProject
Project
Elson Menezes
 
Tx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamentoTx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamento
Livia Medina
 
Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros
Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e errosPolíticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros
Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros
Universidade Pedagogica
 
IRB 2022
IRB 2022IRB 2022
IRB 2022
DIana776890
 
03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao
03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao
03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao
redeminastv
 
Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2
Felipe Souza
 

Semelhante a NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria (20)

16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
16 - NBC TA 520 Marcelo - Procedimentos Analíticos
 
Nbc cascia
Nbc  casciaNbc  cascia
Nbc cascia
 
Nbc 320
Nbc 320Nbc 320
Nbc 320
 
5 auditoria financeira
5 auditoria financeira5 auditoria financeira
5 auditoria financeira
 
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo AuditorNBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
 
Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
Trabalhos de Revisão de Demonstrações ContábeisTrabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
 
Resolução cfc nº
Resolução cfc nºResolução cfc nº
Resolução cfc nº
 
Nbc t 11
Nbc t 11Nbc t 11
Nbc t 11
 
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSSSeminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
Seminário Aese - Definição das ferramentas do LSS
 
NBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
NBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações ContábeisNBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
NBC TR 2400 - Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis
 
Nbc ta auditoria
Nbc ta auditoriaNbc ta auditoria
Nbc ta auditoria
 
Apresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaqueApresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaque
 
EduQuali
EduQualiEduQuali
EduQuali
 
Apresentação da reunião do GT 08 do CBAN
Apresentação da reunião do GT 08 do CBANApresentação da reunião do GT 08 do CBAN
Apresentação da reunião do GT 08 do CBAN
 
Project
ProjectProject
Project
 
Tx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamentoTx 018-01 plano de treinamento
Tx 018-01 plano de treinamento
 
Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros
Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e errosPolíticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros
Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros
 
IRB 2022
IRB 2022IRB 2022
IRB 2022
 
03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao
03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao
03 relatorio-da-comissao-de-avaliacao
 
Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2Auditoria governamental aula 2
Auditoria governamental aula 2
 

Mais de Moore Stephens Brasil

Revista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na prática
Revista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na práticaRevista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na prática
Revista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na prática
Moore Stephens Brasil
 
CPC 05 (R1) - Divulgação por Partes Relacionadas
CPC 05 (R1) - Divulgação por Partes RelacionadasCPC 05 (R1) - Divulgação por Partes Relacionadas
CPC 05 (R1) - Divulgação por Partes Relacionadas
Moore Stephens Brasil
 
CPC 12 - Ajuste a Valor Presente
CPC 12 - Ajuste a Valor PresenteCPC 12 - Ajuste a Valor Presente
CPC 12 - Ajuste a Valor Presente
Moore Stephens Brasil
 
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de AtivosCPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
Moore Stephens Brasil
 
18 - NBC TA 240 – Fraudes
18 - NBC TA 240 – Fraudes18 - NBC TA 240 – Fraudes
18 - NBC TA 240 – Fraudes
Moore Stephens Brasil
 
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
Moore Stephens Brasil
 
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
Moore Stephens Brasil
 
13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes
13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e  Ativos  Contingentes13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e  Ativos  Contingentes
13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes
Moore Stephens Brasil
 
19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes
19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes
19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes
Moore Stephens Brasil
 
11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível
11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível
11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível
Moore Stephens Brasil
 
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
Moore Stephens Brasil
 
7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas
7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas
7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas
Moore Stephens Brasil
 
Revista Moore Stephens - MS News - 12 anos de informação no Brasil
Revista Moore Stephens -  MS News - 12 anos de informação no BrasilRevista Moore Stephens -  MS News - 12 anos de informação no Brasil
Revista Moore Stephens - MS News - 12 anos de informação no Brasil
Moore Stephens Brasil
 
Valor Recuperável de Ativos
Valor Recuperável de Ativos  Valor Recuperável de Ativos
Valor Recuperável de Ativos
Moore Stephens Brasil
 
Palestra atlantica hotels
Palestra atlantica hotelsPalestra atlantica hotels
Palestra atlantica hotels
Moore Stephens Brasil
 
Adequação dos ativos - Moore Stephens Brasil
Adequação dos ativos - Moore Stephens BrasilAdequação dos ativos - Moore Stephens Brasil
Adequação dos ativos - Moore Stephens Brasil
Moore Stephens Brasil
 
Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio
 Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio  Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio
Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio
Moore Stephens Brasil
 
Carreira de Auditoria - Moore Stephens Brasil
Carreira de Auditoria - Moore Stephens BrasilCarreira de Auditoria - Moore Stephens Brasil
Carreira de Auditoria - Moore Stephens Brasil
Moore Stephens Brasil
 

Mais de Moore Stephens Brasil (18)

Revista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na prática
Revista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na práticaRevista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na prática
Revista Moore Stephens - Verbos que fazem a qualidade na prática
 
CPC 05 (R1) - Divulgação por Partes Relacionadas
CPC 05 (R1) - Divulgação por Partes RelacionadasCPC 05 (R1) - Divulgação por Partes Relacionadas
CPC 05 (R1) - Divulgação por Partes Relacionadas
 
CPC 12 - Ajuste a Valor Presente
CPC 12 - Ajuste a Valor PresenteCPC 12 - Ajuste a Valor Presente
CPC 12 - Ajuste a Valor Presente
 
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de AtivosCPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
CPC 01 (R1) - Redução ao Valor Recuperável de Ativos
 
18 - NBC TA 240 – Fraudes
18 - NBC TA 240 – Fraudes18 - NBC TA 240 – Fraudes
18 - NBC TA 240 – Fraudes
 
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
 
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
 
13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes
13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e  Ativos  Contingentes13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e  Ativos  Contingentes
13 - CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes
 
19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes
19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes
19 - CPC 24 - Eventos Subsequentes
 
11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível
11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível
11 - CPC 04 (R1) - Ativo Intangível
 
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
9 - CPC 27 – Ativo Imobilizado
 
7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas
7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas
7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas
 
Revista Moore Stephens - MS News - 12 anos de informação no Brasil
Revista Moore Stephens -  MS News - 12 anos de informação no BrasilRevista Moore Stephens -  MS News - 12 anos de informação no Brasil
Revista Moore Stephens - MS News - 12 anos de informação no Brasil
 
Valor Recuperável de Ativos
Valor Recuperável de Ativos  Valor Recuperável de Ativos
Valor Recuperável de Ativos
 
Palestra atlantica hotels
Palestra atlantica hotelsPalestra atlantica hotels
Palestra atlantica hotels
 
Adequação dos ativos - Moore Stephens Brasil
Adequação dos ativos - Moore Stephens BrasilAdequação dos ativos - Moore Stephens Brasil
Adequação dos ativos - Moore Stephens Brasil
 
Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio
 Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio  Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio
Moore Stephens Brasil - Cultura e negócio
 
Carreira de Auditoria - Moore Stephens Brasil
Carreira de Auditoria - Moore Stephens BrasilCarreira de Auditoria - Moore Stephens Brasil
Carreira de Auditoria - Moore Stephens Brasil
 

NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria

  • 1. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.Moore Stephens Prisma PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e na Execução de Auditoria 08 de outubro de 2012
  • 2. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA - 320 MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
  • 3. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA SUMÁRIO • OBJETIVO DA NBC TA 320 • DEFINIÇÃO DE MATERIALIDADE • MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA • DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE • ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE • FATORES QUE PODEM AFETAR A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE QUANDO SE UTILIZA REFERENCIAIS • FATORES EXTRAS
  • 4. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA SUMÁRIO • MATERIALIDADE E RISCO • DOCUMENTAÇÃO • TIPOS DE MATERIALIDADE
  • 5. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA OBJETIVO DA NBC TA 320: (Aprovada pela Resolução CFC nº 1.213/2009) Fazer com que o auditor aplique o conceito de materialidade adequadamente ao planejamento e execução da auditoria. Esta norma é aplicável a auditoria de demonstrações contábeis para períodos iniciados em ou após 01/01/2010.
  • 6. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA Julgamento do auditor para determinar a extensão do trabalho a ser executado, voltado para a redução de erros materiais, para a melhor tomada de decisões pelos usuários. Nota: Julgamento do auditor = aplicação do treinamento, conhecimento e experiência. DEFINIÇÃO DE MATERIALIDADE:
  • 7. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA Obs.: Caso necessário, o auditor deve definir a materialidade para classes específicas de transações, saldos contábeis e divulgações. DEFINIÇÃO DE MATERIALIDADE:
  • 8. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA a) Distorções, incluindo omissões Podem ser relevantes (individual / conjunto) MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA: Considerar: Tomada de decisões, com base nas demonstrações contábeis
  • 9. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA: b) Julgamento => feitos conforme as circunstâncias => afetados pelo tamanho e natureza das distorções (ou ambos)
  • 10. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA MATERIALIDADE NO CONTEXTO DA AUDITORIA: c) Julgamentos relevantes => conforme a necessidade de informações financeiras comuns para usuários. Obs.: Para usuários específicos => não se consideram as distorções => as necessidades podem ter variação significativa.
  • 11. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE: Determinada através do julgamento do auditor, fornecendo base para: a) Determinar a natureza, época e extensão dos procedimentos de avaliação de risco; NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
  • 12. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE: b) identificar e avaliar os riscos de distorção relevante; c) determinar a natureza, época e extensão dos procedimentos adicionais de auditoria. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
  • 13. ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE: NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA O auditor deve assumir: a) Que os usuários possuem conhecimento razoável dos negócios, atividades econômicas, de contabilidade e a disposição de estudar as informações das demonstrações contábeis com razoável diligência; PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE
  • 14. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA b) que os usuários entendem que as demonstrações contábeis são preparadas, apresentadas e auditadas considerando níveis de materialidade; ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE:
  • 15. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE: c) que os usuários reconhecem as incertezas inerentes à mensuração de valores baseados no uso de estimativas, julgamento e a consideração sobre eventos futuros; e
  • 16. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA ASPECTOS CONSIDERADOS PARA A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE: d) que os usuários tomam decisões econômicas razoáveis com base nas informações das demonstrações contábeis.
  • 17. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA FATORES QUE PODEM AFETAR A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE QUANDO SE UTILIZA REFERENCIAIS: (a) os elementos das demonstrações contábeis (por exemplo, ativo, passivo, patrimônio, receita, despesa); (b) se há itens que tendem a atrair a atenção dos usuários das demonstrações contábeis da entidade específica (por exemplo, com o objetivo de avaliar desempenho financeiro, os usuários tendem a focar sua atenção em lucro, receita ou patrimônio líquido);
  • 18. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA FATORES QUE PODEM AFETAR A DETERMINAÇÃO DA MATERIALIDADE QUANDO SE UTILIZA REFERENCIAIS: (c) a natureza da entidade, a fase do seu ciclo de vida, o seu setor e o ambiente econômico em que atua; (d) a estrutura societária da entidade e como ela é financiada (por exemplo, se a entidade é financiada somente por dívida em vez de capital próprio, os usuários dão mais importância a informações sobre os ativos, e processos que os envolvam, do que nos resultados da entidade); e (e) a volatilidade (variação) relativa do referencial.
  • 19. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA FATORES EXTRAS: Existem fatores que podem indicar uma ou mais de uma classe de transações (específicas), saldos contábeis ou divulgação para os quais se poderia esperar distorção de valores, que influenciem na tomada de decisões econômicas, baseadas nas demonstrações contábeis. São eles: (a) se leis, regulamentos ou a estrutura de relatório financeiro aplicável afetam as expectativas dos usuários em relação à mensuração ou divulgação de certos itens (por exemplo, transações com partes relacionadas, e a remuneração da administração e dos responsáveis pela governança);
  • 20. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA FATORES EXTRAS: (b) as principais divulgações referentes ao setor em que a entidade atua (por exemplo, custos de pesquisa e desenvolvimento para empresa farmacêutica); (c) se a atenção está focada em aspecto específico do negócio da entidade que é divulgado separadamente nas demonstrações contábeis (por exemplo, negócio recém-adquirido).
  • 21. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA FATORES EXTRAS: OBS.: Ao considerar, nas circunstâncias específicas da entidade, se essas classes de transações, saldos contábeis ou divulgação existem, o auditor pode achar útil obter entendimento dos pontos de vista e das expectativas dos responsáveis pela governança e da administração.
  • 22. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA MATERIALIDADE E RISCO: Risco de auditoria é o risco de o auditor expressar uma opinião de auditoria inadequada quando as demonstrações contábeis apresentam distorções relevantes, ou seja, é o risco de que os procedimentos executados não detectem uma distorção existente que possa ser relevante (individual ou em conjunto). A materialidade e os riscos de auditoria são levados em consideração durante a auditoria, especialmente na:
  • 23. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA MATERIALIDADE E RISCO: (a) identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante (NBC TA 315 - Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante por meio do entendimento da entidade e de seu ambiente); (b) determinação da natureza, época e extensão de procedimentos adicionais de auditoria (NBC TA 330 - Respostas do auditor aos riscos avaliados); e
  • 24. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA MATERIALIDADE E RISCO: (c) avaliação do efeito de distorções não corrigidas, se houver, sobre as demonstrações contábeis (NBC TA 450) e na formação da opinião no parecer do auditor independente (NBC TA 700 - Formação da opinião e emissão do parecer do auditor independente sobre as demonstrações contábeis).
  • 25. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA DOCUMENTAÇÃO: O auditor deve incluir na documentação de auditoria os seguintes valores e fatores considerados em sua determinação (NBC TA 230 – Documentação de auditoria. Itens 8-11 e A6): (a) materialidade para as demonstrações contábeis como um todo; (b) se aplicável, o nível ou níveis de materialidade para classes específicas de transações, saldos contábeis ou divulgação;
  • 26. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA DOCUMENTAÇÃO: (c) materialidade para execução da auditoria; e (d) qualquer revisão de (a), (b) e (c) com o andamento da auditoria.
  • 27. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA TIPOS DE MATERIALIDADE: Materialidade Global Base: julgamento do auditor => utilizar parâmetros diversos: % sobre as receitas líquidas % lucro antes dos impostos % sobre o patrimônio líquido Esta materialidade deve limitar a importância ou o valor das distorções relevantes na formação da opinião para emissão do relatório de auditoria.
  • 28. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA TIPOS DE MATERIALIDADE: Materialidade em Nível de Contas Deve ser estabelecida para cada uma das contas das demonstrações contábeis, cuja somatória dos valores das distorções não deve ser superior à materialidade global.
  • 29. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. DÚVIDAS SOBRE O TEMA: NBC TA 320 – MATERIALIDADE NO PLANEJAMENTO E NA EXECUÇÃO DE AUDITORIA
  • 30. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE. A Moore Stephens é uma das maiores redes de auditoria, consultoria e outsourcing contábil do mundo. A empresa é formada por aproximadamente 630 escritórios e está presente em mais de 100 países. Está entre as 12 maiores posições no ranking mundial, com faturamento anual de mais de US$ 2 bilhões. A Moore Stephens Auditores e Consultores presta serviços em auditoria, consultoria tributária e empresarial, tecnologia de informação, outsourcing de serviços contábeis, tributários e administrativos, e corporate finance. Há ainda determinadas divisões, com estruturas próprias, criadas para atendimento de interesses específicos, como a Divisão de Auditoria Interna e a Divisão de Small Business, entre outras. Fale com a Moore Stephens: mscorp@msbrasil.com.br Siga-nos na internet e nas redes sociais: Homepage: www.msbrasil.com.br Facebook: http://www.facebook.com/moorestephensbr Twitter: http://twitter.com/#!/moorestephensbr Linkedin:http://www.linkedin.com/companies/moore-stephens-brasil Blog: http://msbrasil.com.br/blog/ SlideShare: http://www.slideshare.net/moorestephensb Youtube: http://www.youtube.com/moorestephensbr SOBRE A MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES