Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais

954 visualizações

Publicada em

Apresentação em Power Point sobre aspectos da intercessão estratégica: definindo o ambiente da batalha espiritual, o gerar em Deus e o uso dos decretos da Palavra.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
954
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais

  1. 1. INTERCESSÃO ESTRATÉGICA Definindo a Intercessão O Gerar - Escudos - Decretos
  2. 2. Definindo Intercessão: A oração de intercessão é aquela é feita em favor de outros. É pleitear a causa alheia como se fosse sua própria. É estar entre Deus e os homens, à favor destes, sentindo suas necessidades de tal maneira que se luta emoração poreles até a vitória na vida deles. É ver a necessidade da intervenção de Deus nas mais diversas situações.
  3. 3. “Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, emtodaapiedadeehonestidade; porqueisto é bomeagradável diantedeDeus nosso Salvador, quequer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento daverdade. Porqueháumsó Deus, eumsó MediadorentreDeus eos homens, Jesus Cristohomem. ” (ITm2.1-3)
  4. 4. OS 3 NÍVEIS DA INTERCESSÃO.
  5. 5. NÍVEL PESSOAL. É a intercessão em favor de outras pessoa e pode envolver as mais diversas situações: salvação, curas, crises pessoais, familiares e/ou ministeriais, etc. É um trabalho que demanda sincero amorpelo outro, perseverança e paciência. Mt.6:6 ; Mc.1:35, Cl.4:2-4, 4:12.
  6. 6. NÍVEL DE IGREJA LOCAL. É quando o trabalho de intercessão acontece tendo como foco a vida e o cotidiano de uma igreja local: sua liderança, departamentos, ministros, ministérios, projetos e necessidades. O mais adequado é que seja feito por uma equipe reunida especificamente para este fim. Este trabalho de intercessão inevitavelmente irá mexer com as realidades espirituais da região onde a igreja está implantada, demandando uma equipe bem discipulada, coesa e motivada. At.1:12-14 ; 2:1 ; 4:31 ; 12:5, 13:2, 16:16.
  7. 7. NÍVEL ESTRATÉGICOOU DE NAÇÕES. Pode ser conduzido por uma igreja local, mas o ideal é que reúna e envolva vários ministérios de intercessão e é focada nas necessidades da igreja em âmbito nacional e mundial, evangelização dos povos, crises nacionais e internacionais, governos, Israel e, em especial, a Igreja Perseguida. Via de regra, a pauta para a intercessão estratégica é feita à partir da: atenção aos eventos mundiais, relatórios de missionários e/ou agências missionárias e também palavras proféticas ou de revelação entregues pelos profetas da igreja. At.13:3 ; Rm.15:30-32 ; I Co.12:28-29 ; Ef.6:18-20 ; Cl. 4:3-5 ; Hb.13:3 ; Sl.2:8
  8. 8. SANTOS, NÃO CESSO DE DAR GRAÇAS POR VÓS, LEMBRANDO-ME DE VÓS NAS MINHAS ORAÇÕES, PARA QUE O DEUS DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, O PAI DA GLÓRIA, VOS DÊ O ESPÍRITO DE SABEDORIA E DE REVELAÇÃO NO PLENO CONHECIMENTO DELE; SENDO ILUMINADOS OS OLHOS DO VOSSO CORAÇÃO, PARA QUE SAIBAIS QUAL SEJA A ESPERANÇA DA SUA VOCAÇÃO, E QUAIS AS RIQUEZAS DA GLÓRIA DA SUA HERANÇA NOS SANTOS, E QUAL A SUPREMA GRANDEZA DO SEU PODER PARA CONOSCO, OS QUE CREMOS, SEGUNDO A OPERAÇÃO DA FORÇA DO SEU PODER, QUE OPEROU EM CRISTO, RESSUSCITANDO-O DENTRE OS MORTOS E FAZENDO-O SENTAR-SE À SUA DIREITA NOS CÉUS, MUITO ACIMA DE TODO PRINCIPADO, E AUTORIDADE, E PODER, E DOMÍNIO, E DE TODO NOME QUE SE NOMEIA, NÃO SÓ NESTE SÉCULO, MAS TAMBÉM NO VINDOURO; E SUJEITOU TODAS AS COISAS DEBAIXO DOS SEUS PÉS, E PARA SER CABEÇA SOBRE TODAS AS COISAS O DEU À IGREJA, QUE É O SEU CORPO, O COMPLEMENTO DAQUELE QUE CUMPRE TUDO EM TODAS AS COISAS.” EF.1:15-23.
  9. 9. Nível solo: “... Por isso também eu, tendo ouvido falar da fé que entre vós há no Senhor Jesus e do vosso amor para com todos os santos, não cesso de dar graças por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações, ...” Paulo ora por cada membro da igreja efésia, rendendo graças à Deus pelo maravilhoso crescimento que eles estavam experimentando no Senhor.
  10. 10. Nível local: “... para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê o espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele; sendo iluminados os olhos do vosso coração, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos, ...” Paulo roga para que a Igreja de Éfeso avance na revelação da pessoa e da vontade de Deus para ela.
  11. 11. Nível estratégico: “... e qual a suprema grandeza do seu poder para conosco, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder, que operou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar-se à sua direita nos céus, muito acima de todo principado, e autoridade, e poder, e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro; e sujeitou todas as coisas debaixo dos seus pés, e para ser cabeça sobre todas as coisas o deu à igreja, que é o seu corpo, o complemento daquele que cumpre tudo em todas as coisas.” Paulo, ainda rogando pelos irmãos de Éfeso, pede ao Senhor que lhes revele qual a posição que eles ocupam, em Cristo, no mundo espiritual.
  12. 12. Principados. Do grego “archê”, significando “primeiro”, “principal”, “mais antigo”. O termo descreve o topo da hierarquia satânica, abaixo apenas do próprio Satanás. Dá também à ideia de arquiteto ou arquitetura. Assim, o entendimento é que os principados são os responsáveis pela criação do presente sistema mundano voltado contra Deus, o que inclui toda a cultura, política, economia, filosofia, ciências e artes praticadas na sociedade humana ao longo das eras. Na aparência ele é elegante, culto, científico e poderoso, mas mantêm-se apenas pela força das armas e da exploração do homem pelo homem.
  13. 13. Potestades. Do grego “exousia”, significando “privilégio”, “competência”, “poder delegado”, “jurisdição”. Imediatamente abaixo dos principados, as potestades são os poderes que operacionalizam o planejamento feito por aqueles. Aparentemente dividiram o mundo e a humanidade entre si, e cada um (ou cada grupo) “administra” uma parte. Por isso que, independente do lugar, da época e do nível cultural, todos os povos sempre desenvolveram estilos de vida contrários aos padrões divinos.
  14. 14. Dominadores. Do grego “kosmocrator”, significando “mantenedores da ordem”, “tiranos”, “governadores do mundo”. São os que se relacionam diretamente com os homens, ou por possessão, ou, mais comumente, por meio de sugestão, engano, sedução, ou violência. São eles que induzem e sustentam práticas e costumes ao longo de gerações, até transforma-los em fortes traços culturais (práticas religiosas, valor dado às mulheres, crianças e família, moralidade, etc.).
  15. 15. Quando missionários chegam a um povo pela primeira vez, é com os dominadores que acontece o primeiro embate (Mt.10:1, Lc.19:1-10, At.8:7, II Co.10:3-5). Por exemplo: apesar da igreja protestante/evangélica ter chegado ao Brasil há mais de 150 anos, somente nos últimos 60 anos é que ela passou a ser relevante em termos de presença na sociedade. E o que aconteceu? Figuras próprias do folclore e que povoavam o imaginário popular (Sací-pererê, Mula-sem-cabeça, Lobisomem, Yara), perderam seu poder de intimidação e sumiram. E por que? Porquê a igreja estabeleceu uma contra- cultura.
  16. 16. Depois que a igreja se estabelece e, ao longo das gerações, mais e mais territórios passam a ser alcançados e costumes começam a mudar, o confronto espiritual sobe de nível, e passa a ser com as potestades (At.16:16-20, 19:23-28). Inglaterra do século XVIII, algumas cidades nos Estados Unidos no século XIX, País de Gales no início do século XX, Coréia do Sul nas décadas de 1960 à 1980, Ilhas Fiji e Guatemala na década de 1990, foram lugares alcançados por grandes avivamentos, e onde ocorreram profundas mudanças sociais, políticas e econômicas. São exemplos do poder de Deus, através da igreja, destronando as potestades.
  17. 17. Por tudo o que entendemos das Escrituras, principados somente serão devidamente removidos por ocasião da volta do Senhor Jesus (Is.24:21-23, 27:1, Ap.20:2). Até lá, a igreja terá que opor-se, e receberá, oposição deste poder maligno (Ef.6:12, Ap.12:7-11). Mas, o que foi dito até aqui, tem por finalidade demonstrar o lugar e a importância da intercessão na vida do povo de Deus. Sem exceção, todas as vitórias que a igreja experimentou ao longo de sua história, foram todas geradas, antes, por uma intercessão comprometida e perseverante.
  18. 18. Diferenciando Orar X Interceder
  19. 19. Diferenciando Orar de Interceder. A intenção não é querer complicar algo que é simples, mas sim colocar cada prática em sua devida perspectiva e propósito. Orar é um privilégio e um dever de todo filho de Deus nascido de novo pelo poder do Espírito Santo. É uma prática piedosa e agradável à Deus-Pai, que deseja ouvir todos aqueles que são Seus. Mas, é também uma prática, na maioria das vezes, movida por necessidades de momento, sem maiores objetivos e com pouco comprometimento de longo prazo.
  20. 20. Diferenciando Orar de Interceder. Ora-se pela refeição, pela dor de cabeça, para que o ônibus não atrase, para começar o culto, para terminar o culto, antes de dormir, ou logo após se acordar, para passar no exame, antes de sair de casa, antes da viagem, etc, etc. São todos motivos legítimos e dignos de serem objeto de oração. Mas, com certeza, não é uma intercessão!
  21. 21. Diferenciando Orar de Interceder. A Intercessão exige: 1.Paixão 2.Disciplina 3.Sensibilidade 4.Sabedoria 5.Ousadia 6.Humildade
  22. 22. PAIXÃO •O intercessor tem que ser movido por um amor genuíno pelas almas e pela igreja de Cristo. Tal qual Jesus em Seu ministério, por amor o intercessor se dedica a clamar por povos, nações, pela igreja sofredora. I Co.13
  23. 23. DISCIPLINA •O intercessor é aquele que aprendeu a importância de ter um período do seu dia totalmente dedicado à causa do Reino. Aprendeu também a ler e estudar a Bíblia sistematicamente, a sempre informar-se das necessidades do Corpo de Cristo. I Co.9:25-27
  24. 24. SENSIBILIDADE •O intercessor aprendeu que, tão importante quanto falar com Deus é aprender a ouvi-Lo. •A prática do silêncio é uma arte antiga e esquecida, mas que o intercessor resgatou para seu ministério pessoal. Dt.27:9; Lm.3:26
  25. 25. SABEDORIA •O intercessor tem que ser alguém sábio, tanto no sentido da conduta pessoal, quando no conhecimento da Palavra de Deus. Aliás, uma coisa gera a outra. Sl.119:98
  26. 26. OUSADIA •O intercessor não pode ser alguém que se desencoraje ou se intimide facilmente. Lutas podem entristecê-lo, mas não podem para-lo. •A ousadia o leva sempre a esperar coisas grandes e notáveis. Jr.33:3
  27. 27. HUMILDADE •Já se disse que a humildade é o adorno da santidade. E isso é verdade. Assim, o intercessor deve ser alguém conhecido, principalmente, pela sua humildade, diante do Deus e dos homens. Cl.3:12
  28. 28. A diferença que existe entre um cristão que apenas ora e um cristão que intercede, é a mesma que existe entre um soldado comum e um soldado que pertence à equipe dos atiradores de elite. O primeiro sabe como disparar sua arma. O segundo sabe como acertar um alvo.
  29. 29. Preparando para gerar em Deus.
  30. 30. Interior: no grego “koilia”, ventre. Ventre, no linguajar bíblico, é lugar de geração, de começos, de frutos (Gn.25:23, Dt.7:13, Jz.13:7, Jó 1:21, Sl.127:3, Jr.1:5, Lc.1:42, Gl.1:15). Na dimensão do espírito, o gerar não é uma exclusividade feminina, mas de todos os filhos de Deus. Tal como aconteceu no primeiro dia da Criação (Gn.1:3) e com Maria (Lc.1:34-45), o Espírito Santo paira sobre cada nascido de novo para infundir nele a Sua própria vida.
  31. 31. Espiritualmente, a intercessão assemelha-se a uma gestação: um propósito forma-se em nosso espírito, ou uma necessidade adquire importância em nosso coração, e ai ficamos como que “grávidos” deste peso de gerar no espírito. Gerar é uma consequência natural do crêr: quando cremos a vida “zoe” de Deus flui em nosso interior. “Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior correrão rios de água viva.” – Jo.7:38.
  32. 32. Jesus, em dos Seus mais contundentes discursos, prometeu que a fé em Suas palavras, iria produzir algo absolutamente sobrenatural nas entranhas dos que cressem! Eles iriam gerar!
  33. 33. “Ora, no seu último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, DO SEU INTERIOR correrão rios de água viva.” Jo.7:37-38.
  34. 34. Tal como no mundo natural, onde cada ser humano começa no ventre, dentro de um útero, cada filho/filha de Deus, tem um útero espiritual, onde a Palavra semeada, pode ser fertilizada e começar a se desenvolver. “No princípio criou Deus os céus e a terra. A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo, mas o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas.” – Gn.1:1-2. “Respondeu-lhe o anjo: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, Filho de Deus.” – Lc.1:35.
  35. 35. Portanto, existe uma “gestação” espiritual, pela qual COISAS ESPIRITUAIS podem, de algum modo e depois de algum tempo, tornarem-se reais e concretas no mundo natural. Em Mateus 13, há a conhecida parábola dos “4 tipos de solos”, que fala o tempo todo sobre sementes e crescimento. Aliás, o NT fala muito sobre semente.
  36. 36. “ (...) tendo renascido, não de semente corruptível, mas de incorruptível, pela palavra de Deus, a qual vive e permanece.” – I Pd.1:23. “Aquele que é nascido de Deus não peca habitualmente; porque a semente de Deus permanece nele, e não pode continuar no pecado, porque é nascido de Deus.” – I Jo.3:9.
  37. 37. O ser humano gera porque isto é um fundamento e uma realidade no mundo espiritual. Lembrando o que nos diz a Carta aos Hebreus, as realidades do mundo material são sombras de realidades invisíveis. Hebreus 8:5 e 10:1.
  38. 38. 1.Gestando através da intercessão. *Com amor (Gn.18:30-33) *Para o Reino (I Sm.1:10-11; Mat.6:9-10) *Discernindo os tempos (Dn.9:1-2; 10:1) *Perseverantemente (Lc.18:1-8) *Em unidade com a igreja (At.1:12-14)
  39. 39. Paulo, escrevendo para os discípulos de uma das muitas igrejas que ele havia fundado diz... “Não escrevo estas coisas para vos envergonhar, mas para vos admoestar, como a filhos meus amados. Porque ainda que tenhais dez mil aios em Cristo, não tendes contudo muitos pais; pois eu pelo evangelho vos gerei em Cristo Jesus.” – I Co.4:14-15.
  40. 40. E ainda, para um outro grupo de discípulos: “Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós” – Gl.4:19.
  41. 41. E mais: “...sim, rogo-te por meu filho Onésimo, que gerei nas minhas prisões;” – Fl.1:10. “Segundo a sua própria vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas.” – Tg.1:18. “Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo, é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou, ama também ao que dele é nascido.” – I Jo.5:8.
  42. 42. Mesmo no Velho Testamento, a ideia de gerar é muito presente. “Olvidaste a Rocha que te gerou, e te esqueceste do Deus que te formou.” – Dt.32:18. “A chuva porventura tem pai? Ou quem gerou as gotas do orvalho? Do ventre de quem saiu o gelo? E quem gerou a geada do céu?” – Jó 32:28-29. “Falarei do decreto do Senhor; ele me disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei.” – Sl.2:7. “... que dizem ao pau: Tu és meu pai; e à pedra: Tu me geraste. Porque me viraram as costas, e não o rosto; mas no tempo do seu aperto dir-me-ão: Levanta-te, e salvamos.” – Jr.2:27.
  43. 43. Tal como, para que um ser humano seja formado e nasça, há necessidade de 9 meses de gestação, para que realidades espirituais tornem-se realidades no mundo físico, tem que haver um tempo de “gestação” no espírito. Existe, assim, um gerar em Deus, que é o fruto de uma INTERCESSÃO DIRECIONADA E PERSEVERANTE.
  44. 44. A NECESSIDADE DE PURIFICAR O VENTRE. “E o Senhor te fará prosperar grandemente no fruto do teu ventre, no fruto dos teus animais e no fruto do teu solo, na terra que o Senhor, com juramento, prometeu a teus pais te dar.” – Dt. 28:11. “Maldito o fruto do teu ventre, e o fruto do teu solo, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas.” – Dt.28:18.
  45. 45. A REALIDADE DE VENTRES CONTAMINADOS. “As palavras do difamador são como bocados deliciosos, que descem ao íntimo do ventre.” – Pv.26:22. “Ainda que o mal lhe seja doce na boca, ainda que ele o esconda debaixo da sua língua, ainda que não o queira largar, antes o retenha na sua boca, contudo a sua comida se transforma nas suas entranhas; dentro dele se torna em fel de áspides. Engoliu riquezas, mas vomitá-las-á; do ventre dele Deus as lançará. Veneno de áspides sorverá, língua de víbora o matará.” – Jó.20:12-16.
  46. 46. “Ninguém há que invoque a justiça com retidão, nem há quem pleiteie com verdade; confiam na vaidade, e falam mentiras; concebem o mal, e dão à luz a iniqüidade. Chocam ovos de basiliscos, e tecem teias de aranha; o que comer dos ovos deles, morrerá; e do ovo que for pisado sairá uma víbora. As suas teias não prestam para vestidos; nem se poderão cobrir com o que fazem; as suas obras são obras de iniqüidade, e atos de violência há nas suas mãos. Os seus pés correm para o mal, e se apressam para derramarem o sangue inocente; os seus pensamentos são pensamentos de iniqüidade; a desolação e a destruiçao acham-se nas suas estradas. O caminho da paz eles não o conhecem, nem há justiça nos seus passos; fizeram para si veredas tortas; todo aquele que anda por elas não tem conhecimento da paz.” – Is.59:4-8.
  47. 47. LIMPANDO O VENTRE. Alinhando coração e mente ao SENHOR: “Eis a voz do que clama: Preparai no deserto o caminho do Senhor; endireitai no ermo uma estrada para o nosso Deus. Todo VALE será levantado, e será abatido todo MONTE E TODO OUTEIRO; e o TERRENO ACIDENTADO será nivelado, e o que é ESCABROSO, aplanado.” – Is.40:3-4.
  48. 48. LIMPANDO O VENTRE. VALE : Tristeza, depressão, desesperança, pessimismo, inferioridade. MONTE, OUTEIRO: Orgulho, soberba, arrogância, presunção. TERRENO ACIDENTADO: Inconstância na fé, mente dividida. ESCABROSO: Asperezas de caráter, dificuldade em firmar relacionamentos.
  49. 49. LIMPANDO O VENTRE. “Porque eu, o Senhor teu Deus, te seguro pela tua mão direita, e te digo: Não temas; eu te ajudarei. Não temas, ó bichinho de Jacó, nem vós, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o Senhor, e o teu redentor é o Santo de Israel. Eis que farei de ti um trilho novo, que tem dentes agudos; os montes trilharás e os moerás, e os outeiros tornarás como a pragana. Tu os padejarás e o vento os levará, e o redemoinho os espalhará; e tu te alegrarás no Senhor e te gloriarás no Santo de Israel.” – Is.41:13-16.
  50. 50. LIMPANDO O VENTRE. “Bem-aventurados os homens cuja força está em ti, em cujo coração os caminhos altos. Passando pelo vale de Baca, fazem dele um lugar de fontes; e a primeira chuva o cobre de bênçãos. Vão sempre aumentando de força; cada um deles aparece perante Deus em Sião. Senhor Deus dos exércitos, escuta a minha oração; inclina os ouvidos, ó Deus de Jacó! Olha, ó Deus, escudo nosso, e contempla o rosto do teu ungido. Porque vale mais um dia nos teus átrios do que em outra parte mil. Preferiria estar à porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas da perversidade. Porquanto o Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor dará graça e glória; não negará bem algum aos que andam na retidão. Ó Senhor dos exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua confiança.” – Sl.84:5-12.
  51. 51. LIMPANDO O VENTRE. “E a quem perdoardes alguma coisa, também eu; pois, o que eu também perdoei, se é que alguma coisa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo, para que Satanás não leve vantagem sobre nós; porque não ignoramos as suas maquinações.” – 2 Co.2:10- 11. “A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis.” – Cl.1:21-22.
  52. 52. PREPARAR-SE PARA DAR À LUZ. “Tendo ouvido isso o rei Ezequias, rasgou as suas vestes, e se cobriu de saco, e entrou na casa do Senhor. Também enviou Eliaquim, o mordomo, Sebna, o escrivão, e os anciãos dos sacerdotes, cobertos de saco, a Isaías, filho de Amoz, o profeta, para lhe dizerem: Assim diz Ezequias: Este dia é dia de angústia e de vitupérios, e de blasfêmias, porque chegados são os filhos ao parto, e força não há para os dar à luz.” – Is.37:1-3.
  53. 53. À geração segue-se o dar à luz. Tal qual é no mundo natural, o momento do parto implica esforço e algum grau de sofrimento. Ainda no Éden foi estabelecido o princípio espiritual de que trazer algo à luz implica sofrimento. “E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a dor da tua concepção; em dor darás à luz filhos;...” – Gn.3:16.
  54. 54. 2. O nascimento do que foi gerado é sempre um tempo de aflição (Jo.16:21). *A vitória depois de terrível confronto (I Re.18:41-46) *A resposta depois de terrível resistência (Dn.10:10-13) *O nascimento de uma igreja poderosa, após dias de intenso confronto. (At.20:1, comp. com I Co.15:32)
  55. 55. O maior e mais difícil dos partos: Mt.27:50 Mc.15:37 Lc.23:46 Jesus dando luz à igreja, a qual Ele gerou durante três anos de ministério.
  56. 56. “Em verdade, em verdade, vos digo que vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós estareis tristes, porém a vossa tristeza se converterá em alegria. A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza porque é chegada a sua hora; mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo gozo de haver um homem nascido ao mundo.” ” – Jo.16:20-21.
  57. 57. USANDO AS ARMAS ESPIRITUAIS II Co.10:3-5
  58. 58. A salvação em Cristo coloca o discípulo bem no meio de um conflito que não pode serignorado. Ex.15:3, 17:16 Nm.1:2-3, 26:2 Jz.3:1-2 Sl.144:1 Pv.20:18 Ec.3:8 Lc.14:31-32 Ef.6:12
  59. 59. Se não pode ser ignorado, o melhor é preparar-se para ele. Todo intercessoré um combatente na linha de frente. Preparação não é uma opção.
  60. 60. Em diversos lugares, as Escrituras nos falam das armas de Deus: Sl.7:11-13 Sl.17:13 Sl.21:12 Sl.37:14-15 Sl.45:1-3 Sl.149:6 Ct.3:7-8 Is.59:16-17. Rm.13:12 ; II Co.6:7 ; 10:4.
  61. 61. E também nos apresentam Deus sendo, Ele mesmo, a arma e a proteção. “Pois Tués o meurefúgio, umatorrefortecontra oinimigo.”– Sl.61:3. “PorqueoSenhorDeus ésol eescudo...”. – Sl.84:11. “...eaespadado Espírito, queéaPalavrade Deus”. – Ef.6:17.
  62. 62. Assim, as Escrituras são e contém um vasto arsenal que pode e deve ser usado pelo discípulo do Senhor. Para tanto, é necessário que ele, o discípulo, saiba como usar a Palavra comhabilidade. - II Tm.2:15.
  63. 63. “Procura apresentar-tediante deDeus aprovado, como obreiro que não temdequese envergonhar, que manejabema palavrada verdade.”
  64. 64. Maneja No original é “ortotomeo”, que literalmente significa “cortarcorretamente”. A imagem que o texto querpassaré a do sacerdote levita cortando corretamente o animal sacrificado para a queima sobre o altar, de modo a atender corretamente as prescrições da Toráh (Levítico, capítulos de 1 a 4).
  65. 65. Assim, a Escritura tem que serdiscernida em suas partes e em suas aplicações.
  66. 66. É nos dito em II Co.6:7 “...napalavradaverdade, no poderdeDeus, pelas armas dajustiçaàdireitaeà esquerda, ...”. (Almeida Corrigida). Armas da direita: geralmente a ESPADA. Armas da esquerda: geralmente o ESCUDO. Então, o que o texto está dizendo é que existem armas espirituais de ATAQUE e de DEFESA.
  67. 67. DECRETO Um decreto é uma ordem emanada de uma autoridade superiorou órgão (civil, militar, leigo ou eclesiástico) que determina o cumprimento de uma resolução.
  68. 68. Porque fazer“Decretos”? Porque Jesus fez: Mt.4:10-11 ; 9:1-5. Porque Jesus autorizou os Seus a fazerem: Mt.10:1, 11-15 ; 18:18-20. Porque os discípulos fizeram: At.13:4-12 ; I Co.5:1-5.
  69. 69. MANEJANDO: (TEXTOS SUGERIDOS) ARMAS DE DEFESA: Sl.3:3 Sl.5:11-12 Sl.7:6 Sl.9:9-10 Sl.18:1-3 Is.4:5-6 Lc.10:17-20 Rm.8:38-39 Hb.13:5-6.
  70. 70. MANEJANDO: (TEXTOS SUGERIDOS) ARMAS DE ATAQUE: Dt.33:11 Sl.7:12-13 Sl.18:12-14, 28 Sl.29:3-11 Sl.68:21 Pv.21:22 Is.24:21-22 Lc.11:22 Rm.16:20.
  71. 71. MANEJANDO: (TEXTOS SUGERIDOS) DECRETOS À FAVORDA IGREJA: Nm.23:8-10 ; 19-24 Nm.24:3-9 Dt.33:27-29 II Sm.23:3-5 Sl.3:8 Sl.10:17 Sl.25:12-15 Pv.4:18 Fp.1:6
  72. 72. MANEJANDO: (TEXTOS SUGERIDOS) DECRETOS CONTRA O INIMIGO: Ex.14:13 ; 17:14 Js.1:5 II Re.19:32-34 Jó 18 Sl.7:14-16 Sl.9:5-6, 15-17, 20 Sl.10:2 Pv.5:22-23 I Jo.3:8b.
  73. 73. MANEJANDO: (TEXTOS SUGERIDOS) A DINÂMICA DA ALMA HUMANA: Pv.13:10, 12, 19, Pv.14:10, 12, 13, Pv.15:12-13, 30 Pv.16:18 Pv.17:17, 22 Pv.18:1, 11, 14, 19, Pv.19:3 Pv.21:2, 8
  74. 74. MANEJANDO: (TEXTOS SUGERIDOS) LEIS DE CAUSA E EFEITO: Gn.2:16-17 Gn.3:14-19 Pv.1:33 Pv.11:27 Pv.13:3, 20 Pv.16:7 Pv.19:17 Pv.20:13, 20 Pv.21:13.
  75. 75. OBSERVAÇÃO IMPORTANTE! Toda esta abordagem é fruto de estudo pessoal da Palavra, com Deus revelando as “coisas grandes e firmes” a um filho Seu. Então não deve ser vista como doutrina. Esta é o ensino que todos, TODOS, os discípulos precisam e pelo qual todos devem viver. O que foi compartilhado aqui é uma “ferramenta espiritual”, específica para o exercício de um determinado ministério.
  76. 76. À DEUS TODA A GLÓRIA! Outono de 2015.

×