SlideShare uma empresa Scribd logo
50 perguntas, 50 respostas sobre a
Carne Carbono Neutro (CCN)
ISSN 1983-974X
Junho / 2018
DOCUMENTOS
245
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Embrapa Gado de Corte
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Embrapa
Brasília, DF
2018
50 perguntas, 50 respostas sobre a
Carne Carbono Neutro (CCN)
Fabiana Villa Alves
Roberto Giolo de Almeida
Valdemir Antônio Laura
Vanderley Porfírio-da-Silva
Rodrigo da Costa Gomes
Manuel Claudio Motta Macedo
Mariana de Aragão Pereira
André Dominghetti Ferreira
Davi José Bungenstab
DOCUMENTOS 245
ISSN 1983-974X
junho/2018
Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na:
Embrapa Gado de Corte
Av. Rádio Maia, 830, Zona Rural, Campo Grande, MS,
79106-550, Campo Grande, MS
Fone: (67) 3368 2000
Fax: (67) 3368 2150
www.embrapa.br
www.embrapa.br/fale-conosco/sac
Todos os direitos reservados.
A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte,
constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610).
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Embrapa Gado de Corte
Maria de Fátima da Cunha – CRB-1/2616 © Embrapa, 2018
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) / Fabiana Villa
Alves ... [et al.]. - Campo Grande, MS : Embrapa Gado de Corte, 2018.
PDF (29 p.). – (Documentos / Embrapa Gado de Corte, ISSN 1983-974X ; 245).
1. Certificação de produto. 2. Gado de Corte. 3. Efeito estufa. 4. Impacto
ambiental. I. Almeida, Roberto Giolo de. II. Laura, Valdemir Antônio. III. Porfírio-
-da-Silva, Vanderley. IV. Gomes, Rodrigo da Costa. V. Macedo, Manuel Cláudio
Motta. VI. Pereira, Mariana de Aragão. VII. Ferreira, André Dominghetti. VIII.
Bungenstab, Davi José. IV. Série.
CDD 636.213 (23. ed.)
Comitê Local de Publicações
da Embrapa Gado de Cortel
Presidente
Thais Basso Amaral
Secretário-Executivo
Rodrigo Carvalho Alva
Membros
Alexandre Romeiro de Araújo, Andréa Alves
do Egito, Liana Jank, Lucimara Chiari, Marcelo
Castro Pereira, Mariane de Mendonça Vilela,
Rodiney de Arruda Mauro, Wilson Werner Koller
Supervisão editorial
Rodrigo Carvalho Alva
Revisão de texto
Rodrigo Carvalho Alva
Normalização bibliográfica
Autor
Tratamento das ilustrações
Rodrigo Carvalho Alva
Projeto gráfico da coleção
Carlos Eduardo Felice Barbeiro
Editoração eletrônica
Rodrigo Carvalho Alva
Foto da capa
Rodrigo Carvalho Alva
1ª edição
1ª impressão (2018): eletrônico
Autores
Fabiana Villa Alves
Zootecnista, D.Sc., Pesquisadora da Embrapa Gado de Corte,
Campo Grande, MS
Roberto Giolo de Almeida
Engenheiro-Agrônomo, D.Sc.,Pesquisador da Embrapa Gado
de Corte, Campo Grande, MS
Valdemir Antônio Laura
Engenheiro-Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado
de Corte, Campo Grande, MS
Vanderley Porfírio-da-Silva
Engenheiro-Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa
Florestas, Colombo, PR
Rodrigo da Costa Gomes
Zootecnista, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado de Corte,
Campo Grande, MS
Manuel Claudio Motta Macedo
Engenheiro-Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado
de Corte, Campo Grande, MS
Mariana de Aragão Pereira
Zootecnista, D.Sc., Pesquisadora da Embrapa Gado de Corte,
Campo Grande, MS
André Dominghetti Ferreira
Engenheiro Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado
de Corte, Campo Grande, MS
Davi José Bungenstab
Médico-Veterinário, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado de
Corte, Campo Grande, MS
Agradecimentos
Primeiramente à Embrapa, em especial à unidade Gado de Corte, por todo
o subsídio, infraestrutura e apoio técnico-científico para a elaboração deste
documento.
À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES),
ao Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) e à Fundação de Apoio ao
Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso
do Sul (FUNDECT), pelo financiamento das pesquisas que deram origem à
marca-conceito “Carne Carbono Neutro”.
Apresentação
O uso de sistemas em Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) para pro-
dução de carne bovina é realidade no Brasil. Entre suas vantagens estão a
intensificação sustentável do uso da terra, a diversificação da produção, a con-
servação do solo, o melhor uso dos recursos naturais e dos insumos, a redu-
ção da pressão pela abertura de novas áreas (efeito poupa-terra), o bem estar
animal, o sequestro de carbono, a mitigação das emissões de gases, dentre
outras.
Os conceitos, os conhecimentos, as práticas e os processos desenvolvidos nos
diferentes tipos de sistemas ILPFs oportunizaram aos produtores, técnicos, for-
muladores de políticas públicas e outros atores o que há de mais moderno em
tecnologias para sistemas integrados. E temos plenas condições de atender às
principais demandas globais de sustentabilidade.
Com esse enfoque e na vanguarda do conhecimento e da sustentabilidade, a
Embrapa idealizou a marca-conceito Carne Carbono Neutro (CCN), integrando
os resultados de pesquisa a um processo e um produto tecnológico único em
sua concepção, que alia a compensação das emissões de metano entérico
(gás de efeito estufa) dos bovinos e o bem estar animal.
Este documento técnico busca trazer, de forma didática, respostas simples e
em linguagem acessível às principais questões levantadas por produtores, téc-
nicos, pesquisadores e público em geral, em relação à marca-conceito CCN.
Foi elaborado por especialistas em sistemas de produção integrados e de
produção de bovinos, entre eles os criadores da marca-conceito CCN. Desta
forma, apresentamos o que há de mais qualificado e preciso em informações
técnicas sobre o CCN.
A forma escolhida, 50 perguntas e 50 respostas, tem como intuito trazer obje-
tividade e clareza ao assunto e contribuir para o entendimento e difusão das
premissas, elementos e requisitos do processo CCN, do sistema de produção
ao produto final.
No momento em que o mundo inicia o debate de sobretaxação de produtos
agrícolas, o Brasil evolui com tecnologias e inovações produtivas sustentáveis
que o protagoniza como potencial grande fornecedor de serviços ambientais.
Já se discute no Brasil sobre precificação de carbono em sistemas pecuários.
Com os sistemas integrados superavitários em carbono será possível em hori-
zonte de curto prazo (antes de 2030) termos negócios e mercados de carbono
a partir da produção pecuária e suas integrações.
O conceito Carne Carbono Neutro é uma iniciativa que contribuirá não só para
a produção sustentável de proteína de origem animal no Brasil e nos trópicos,
mas também para ganhos produtivos e ambientais em curto, médio e longo
prazo.
Cleber Oliveira Soares
Diretor Executivo de Inovação e Tecnologia da Embrapa.
Sumário
Carne Carbono Neutro - CCN....................................................................... 11
1. O que é o CCN?..................................................................................... 11
2. O que é emissão de gases de efeito estufa?......................................... 11
3. Como surgiu o CCN?............................................................................. 11
4. Como se calcula a emissão de metano dos animais?...........................12
5. Como se calcula a neutralização do metano?.......................................13
6. Por que o carbono do solo não entra na conta para compensação ou
neutralização do metano?..........................................................................13
7.PorqueoutrasemissõesdeGEEsdosistemasilvipastorilnãosãocomputadas?....14
8. Como é o selo CCN?.............................................................................14
9. Qual o significado dos componentes da figura?....................................15
10. O que é preciso fazer para se obter o selo CCN?...............................15
11. Quais são os requisitos para se obter o selo CCN?.............................16
12. O selo CCN é para a propriedade, para o animal ou para a carne?....16
13. Qual a diferença entre a carne CCN e a carne tradicional?.................17
14. Qual é o sistema mais recomendado para a produção de animais CCN?........17
15. O que são sistemas silvipastoris (IPF) e agrossilvipastoris (ILPF)?....17
16. Eu sou confinador. Também posso requerer o selo CCN para a carne
que produzo a partir dos animais confinados?...........................................18
17. O que é certificação de um produto? ..................................................18
18. É realmente necessária a certificação para que eu possa atestar que a
carne que produzo é CCN?........................................................................18
19. Para conseguir a certificação CCN, preciso começar “do zero” ou pos-
so usar uma área que eu já tenho na minha fazenda?..............................19
20. É possível converter uma área que produz carne convencional/ tradi-
cional em uma para produção de carne CCN?..........................................19
21. Existe algum capim mais indicado para este sistema?........................19
22. Posso usar qualquer raça bovina para produzir carne CCN?..............20
23. Os animais ganham mais ou menos peso neste sistema?..................20
24. Para serem certificados, os animais devem passar todo o tempo de
vida dentro do sistema? ............................................................................20
25. Os animais devem receber algum tipo de suplementação diferenciada?.......20
26. Como deve ser o manejo da pastagem? ............................................21
27. Quantos animais por hectare posso colocar no sistema?....................21
28. Quanto tempo o animal deve permanecer no sistema para obter o selo CCN?....22
29. Qual a espécie de árvore mais indicada para a implantação do sistema
ILPF para produção de carne CCN?..........................................................22
30. Quanto tempo as árvores devem ficar no sistema? Elas podem ser
cortadas em qualquer momento? ..............................................................22
31. A madeira oriunda de um projeto CCN também pode ser certificada?..... 23
32. Posso usar as árvores cortadas para fazer carvão?............................23
33. Toda árvore deverá, então, ser destinada à madeira serrada?............23
34. Existe alguma marca similar ao CCN no mercado brasileiro ou internacional?......24
35. Qual o diferencial da marca CCN?.......................................................24
36. Quais as vantagens de se produzir carne CCN?.................................24
37. Como faço para provar que a carne que produzo é CCN?..................25
38. Como posso ter certeza de que a carne com a marca CCN realmente
é de baixo impacto ambiental?...................................................................25
39. A carne CCN tem mais qualidade que a carne “comum”?...................25
40. Paga-se mais pela carne com selo CCN?...........................................26
41. Quem certifica a carne CCN? A Embrapa? .........................................26
42. Alguma propriedade comercial já produz carne CCN?........................26
43. Estou interessado em produzir carne CCN. Quem posso contatar?...27
44. Além da carne, a madeira produzida no sistema CCN também terá
algum diferencial?......................................................................................27
45. O que posso ganhar com a implantação da CCN na minha fazenda?........ 27
46. Existe financiamento para a CCN?......................................................28
47.QualocustodeimplantaçãodossistemasILPFparaproduçãodecarneCCN?....28
48.Existeapossibilidadedeseobtercréditosdecarbonoaoseutilizarosistema?....28
49. Qual o custo da certificação para a produção de carne CCN?............29
50. Onde posso obter mais informações a respeito do CCN?...................29
11
Carne Carbono Neutro - CCN
1. O que é o CCN?
“Carne Carbono Neutro” (CCN) é uma marca-conceito desenvolvida pela
Embrapa, que visa atestar a carne bovina que apresenta seus volumes de
emissão de gases de efeito estufa (GEE) neutralizados pela presença de
árvores em sistemas de integração do tipo silvipastoril (pecuária-floresta,
IPF) ou agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta, ILPF). Todo o processo
é parametrizado e auditável. A marca-conceito CCN foi registrada no Instituto
Nacional da Propriedade Industrial (INPI) sob os protocolos 907078982,
907079156 e 907079270, com versões em português e em inglês.
2. O que é emissão de gases de efeito estufa?
É a produção e a emissão para a atmosfera, de gases com potencial para
aumentar a temperatura e produzir o efeito de aquecimento global, conhe-
cido como efeito-estufa. Existem diversos gases considerados promotores
de efeito estufa, com maior ou menor potencial de aquecimento e eles são
produzidos naturalmente ou artificialmente em vários ramos de atividades
econômicas. Os principais gases de efeito estufa produzidos pela agropecuá-
ria são o dióxido de carbono (CO2), o óxido nitroso (NO2) e o metano (CH4).
3. Como surgiu o CCN?
Em 2012, durante o “II Congreso Colombiano y I Seminario Internacional de
Silvopastoreo”, realizado na Colômbia, foi abordado, dentre outros assuntos,
o papel de sistemas silvipastoris como uma estratégia real para o enfren-
tamento de futuros cenários de mudanças climáticas. Neste evento, foram
também apresentadas as experiências brasileiras com sistemas de ILPF, e,
durante as discussões e plenárias, os representantes brasileiros vislumbra-
ram a ideia de uma marca que garantisse/certificasse a produção de carne
12 DOCUMENTOS 245
brasileira proveniente de sistemas silvipastoris e agrossilvipastoris com a
mitigação de gases de efeito estufa. A partir daí, foram realizadas diversas
discussões técnico-científicas entre os pesquisadores da Embrapa, que cul-
minaram no registro, no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), da
marca-conceito “Carne Carbono Neutro” (CCN) ou “Carbon Neutral Brazilian
Beef”.
4. Como se calcula a emissão de metano dos animais?
A marca-conceito permite a certificação com base na compensação das
emissões de GEEs do sistema. Todavia, na pecuária de corte brasileira, o
metano é o principal gás relacionado com o efeito estufa. Por isso, para esta
fase da certificação com o selo CCN, foi convencionado que os cálculos se-
riam baseados nas emissões de metano dos animais. Os valores relativos à
emissão de metano podem ser obtidos por meio de índices pré-determinados
ou calculados por meio de equações.  Dessa forma, têm-se três valores que
podem ser usados como referência:
1) O valor fixo do Nível 1 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças
Climáticas (IPCC, 2006), para aAmérica Latina: 56 kg de CH4animal-1ano-1;
2) O valor estimado usando o Nível 2 do IPCC, para bovinos castrados de
porte médio, consumindo forragem com diferentes digestibilidades (55% a
65%): 70 kg de CH4animal-1ano-1;
3) O valor médio anual usando a equação empírica da Rede Pecus de pes-
quisa (obtido também nos sistemas de ILPF da Embrapa Gado de Corte):
66 kg de CH4animal-1ano-1.
A emissão de metano também pode ser obtida diretamente, por meio de uma
técnica que utiliza hexafluoreto de enxofre - SF6 (chamado de “gás traça-
dor”). Porém, este tipo de mensuração é cara e trabalhosa, e, geralmente, é
utilizada somente em pesquisas científicas.
1350 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
5. Como se calcula a neutralização do metano?
Em primeiro lugar, deve-se quantificar o carbono acumulado nas árvores,
mais precisamente no fuste (tronco). Para isso, deve ser realizado o inventá-
rio florestal da área, de modo a se determinar o crescimento real das árvores e
seu potencial em acumular carbono. Os softwares da série SIS (SisEucalipto,
SisPinus, SisTeca, SisAcacia, SisAraucaria, SisBracatinga e SisCedro), de-
senvolvidos pela Embrapa, permitem calcular o estoque de madeira disponí-
vel no momento da avaliação e a cada ano futuro, em termos de volume total
e volume por tipo de utilização da madeira. Dessa forma, auxiliam também na
determinação da quantidade de carbono sequestrado da atmosfera e imobili-
zado nas árvores, uma vez que são capazes de fazer projeções e de estimar
a biomassa das árvores e o carbono acumulado nas diferentes partes das
árvores. Os softwares podem ser utilizados gratuitamente, após cadastro, por
meio do site https://www.embrapa.br/florestas/transferencia-de-tecnologia/
softwares-florestais. Para a contabilidade da quantidade de carbono fixada
no componente arbóreo, será utilizado o protocolo descrito por Oliveira et al.
(2011), bem como as suas atualizações futuras. As quantidades de metano
emitido pelos animais e de carbono sequestrado no fuste (tronco) das árvores
serão transformadas na mesma base, em CO2 equivalente (CO2 eq.), para
determinação do saldo.
6. Por que o carbono do solo não entra na conta
para compensação ou neutralização do metano?
Embora a fixação de carbono do solo seja relevante, a dinâmica de carbono
de solo é bastante complexa e influenciada por muitos fatores, tanto biocli-
máticos como de manejo. Medi-la não é algo simples e demanda conheci-
mento e investimentos. Ainda não existe consenso metodológico para estas
avaliações. A neutralização pelo acúmulo de carbono no fuste das árvores é
suficiente para a neutralização/mitigação dos gases de efeito estufa (GEEs)
emitidos pelos bovinos ao longo do ciclo de produção. Além disso, é mais
simples de ser dimensionada e utilizada para fins de auditagem. A não-con-
tabilização do carbono do solo não causa qualquer prejuízo aos princípios da
marca-conceito.
14 DOCUMENTOS 245
7. Por que outras emissões de GEEs do sistema
silvipastoril não são computadas?
O objetivo inicial da marca-conceito CCN é a neutralização das emissões de
metano entérico dos bovinos em pastejo no sistema silvipastoril. Tais siste-
mas apresentam nível de tecnificação de baixo a moderado, e as emissões
de metano representam a maior parte das emissões de GEE. No futuro, é
possível que as outras fontes de emissão sejam consideradas, inclusive as
de “fora da porteira” (elos a montante e à jusante da produção), o que pode
auxiliar na elaboração da análise de ciclo de vida (ACV) da carne.
8. Como é o selo CCN?
Existem duas versões do selo CCN: uma em português e outra em inglês.
Estas podem ser utilizadas para carnes bovinas frescas, congeladas ou
transformadas, para mercado interno e para exportação. As mesmas estão
apresentadas nas figuras abaixo.
1550 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
9. Qual o significado dos componentes da figura?
A seta circular simboliza a fixação, neutralização e ciclagem do carbono, com
alusão à letra “C”. Os traços descontínuos de sua base ou início, em preto,
estão associados à transformação de algo indesejável (emissão de metano
na atmosfera) em algo positivo, representado pelo traço contínuo e verde, e
que faz referência ao carbono imobilizado no tronco das árvores. A cor verde
simboliza a neutralização das emissões de GEEs dos sistemas de produção
de carne bovina e faz referência ao componente arbóreo. A cor preta simbo-
liza as emissões de GEEs do sistema pelos animais. Ao centro do símbolo
encontram-se dois elementos: duas folhas de eucalipto e um cupim bovino. O
primeiro elemento remete ao componente arbóreo dos sistemas em integra-
ção, ponto-chave para a mitigação do metano, pois é no fuste (tronco) que
se dá a maior fixação de carbono. Apesar de qualquer tipo de árvore poder
ser utilizada, quis-se utilizar o eucalipto como referência, pois esta árvore é
a principal representante das florestas plantadas no Brasil, correspondendo
a mais de 90% da área. O cupim, por sua vez, representa um bovino da raça
Nelore, predominante nos sistemas pecuários brasileiros. A junção dos ele-
mentos ao centro também remete à viabilidade de se unir produção animal e
preservação do meio-ambiente. O nome Carne Carbono Neutro ou “Carbon
Neutral Brazilian Beef”, desenhado em tipologia própria e em harmonia com
o símbolo, assegura a identificação da obra, servindo de base e esteio para
os conceitos associados à marca.
10. O que é preciso fazer para se obter o selo CCN?
Para receber e utilizar o selo “Carne Carbono Neutro”, o produto final (carne
e seus derivados) deverá atender a todos os pré-requisitos e parâmetros ine-
rentes ao conceito estabelecido no texto da série Documentos da Embrapa,
intitulada “Carne Carbono Neutro: um novo conceito para carne sustentável
produzida nos trópicos” (DOCs 210 e 243 e versões atualizadas), de caráter
geral, válida nacional e internacionalmente, na qual se estipulam as etapas
mínimas necessárias para sua obtenção.
16 DOCUMENTOS 245
11. Quais são os requisitos para se obter o selo CCN?
Em suma, são os seguintes: a) Compromisso de implantação de projeto
de sistema de IPF/ILPF: com base no Plano ABC do Governo Brasileiro
e nos documentos orientadores da Embrapa. O sistema deve, necessa-
riamente, partir de uma produção com base em pastagens estabelecidas
com forrageiras herbáceas (baseline); b) Avaliação técnica da emissão de
carbono: com base nos índices zootécnicos da propriedade, consideran-
do a emissão de GEEs por animal, indicada em documento-referência do
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, 2006) ou da
Rede PECUS (baseline); c) Cálculo do carbono fixado: a partir de inven-
tários florestais regulares (anuais), será calculado o estoque de carbono
fixado nas árvores do sistema, conforme metodologias para sequestro de
carbono por árvores, estabelecidas pela Embrapa Florestas (Arevalo et al.,
2002; Zanetti, 2008; Oliveira et al., 2011); d) Cálculo da neutralização das
emissões: a partir da avaliação técnica da emissão de metano e do cálculo
do carbono fixado no fuste das árvores do sistema de IPF/ILPF, será calcu-
lado o saldo de carbono (em CO2 eq.) do sistema; e) Garantia do estoque
de carbono: os produtos provenientes do componente arbóreo devem ga-
rantir que o estoque de carbono neles contido e contabilizado como GEEs
neutralizados continuem imobilizados em seus produtos (móveis e produtos
de madeira de maior valor agregado - PMVAs), por um período mínimo es-
tabelecido conforme a legislação vigente.
12. O selo CCN é para a propriedade,
para o animal ou para a carne?
O selo é atribuído ao produto (carne), mas, ao indicar que o mesmo foi
produzido em condições adequadas de manejo da pastagem e do solo,
promovendo conforto térmico e a mitigação de metano entérico dos animais
em pastejo, a propriedade pode ser reconhecida pela adoção de práticas
sustentáveis.
1750 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
13. Qual a diferença entre a carne
CCN e a carne tradicional?
Visualmente e do ponto de vista de qualidade organoléptica, a carne com
selo CCN não difere da carne tradicional, sem selo. Entretanto, o selo CCN
garante que os bovinos que deram origem à carne tiveram suas emissões de
metano entérico compensadas durante o processo de produção pelo cresci-
mento das árvores no sistema. Além disso, como há presença de sombra na
pastagem, assegura-se um ambiente termicamente confortável aos animais
e alto grau de bem-estar.
14. Qual é o sistema mais recomendado
para a produção de animais CCN?
Para a produção de animais CCN, necessariamente, devem ser utilizados
sistemas em integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF ou agrossilvipastoril)
e/ou pecuária-floresta (IPF ou silvipastoril), ou seja, as áreas de pastagens
devem ser adequadamente arborizadas com espécies madeireiras.
15. O que são sistemas silvipastoris
(IPF) e agrossilvipastoris (ILPF)?
Os sistemas de IPF/ILPF, em comparação com sistemas tradicionais, além
da produção de madeiras e por se caracterizarem como tecnologias para
mitigar emissões de GEEs, atendem à necessidade de bem-estar animal ao
proporcionarem maior conforto térmico, promoverem a biodiversidade em sis-
temas produtivos e incrementarem o uso eficiente da terra com agregação de
valor e renda para as áreas de pastagens. Também apresentam potencial de
produção de “créditos” de carbono excedentes que poderão abrir precedente
para comercialização no mercado voluntário.
18 DOCUMENTOS 245
16. Eu sou confinador. Também posso requerer o selo CCN
para a carne que produzo a partir dos animais confinados?
Não. Nesta fase o selo CCN só é concedido para carne produzida em siste-
mas a pasto, com árvores (ILPF ou IPF), para sistemas de ciclo completo ou
para sistemas de recria e terminação. A utilização do selo CCN para a fase
de cria poderá também ser utilizada para abater as emissões do bezerro que
for adquirido para uso em sistemas de recria e terminação.
17. O que é certificação de um produto?
Certificação é um processo no qual uma entidade independente avalia se de-
terminado produto atende às normas técnicas estabelecidas por quem con-
cede uma marca (no caso da CCN, a Embrapa). Esta avaliação baseia-se,
entre outras condições, em auditorias periódicas no processo produtivo. Se
tudo está em conformidade com os protocolos pré-determinados, a empresa
recebe a certificação e pode usar a marca em seus produtos. O processo de
certificação não é complicado e qualquer empresa pode obtê-la, desde que
demonstre e garanta, por meio de documentos, que seu processo produtivo é
controlado e que o produto está sendo fabricado em conformidade às normas
estabelecidas. A certificação deve ser renovada e reavaliada periodicamente
por um órgão regulador certificador, que será responsável pela credibilidade
dos métodos de avaliação do certificado. O certificador pode tanto ser um
órgão público, quanto uma empresa privada independente. Existem certifica-
dos emitidos pelas próprias empresas (ou auto-certificação) que os utilizam,
mas estes são utilizados como apelo publicitário, sem que se possa necessa-
riamente garantir sua credibilidade.
18. É realmente necessária a certificação para que
eu possa atestar que a carne que produzo é CCN?
A certificação garante que toda a produção é controlada e que os produtos
atendem as normas técnicas continuamente; é diferente de laudos e relató-
1950 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
rios, que demonstram se uma amostra de determinado produto atende ou
não uma norma técnica. No caso da carne CCN, as normas para sua produ-
ção foram estabelecidas pela Embrapa e, por isso, sua certificação deve ser
realizada por parte terceira, ou seja, que não esteja envolvida com o produto
a ser certificado.
19. Para conseguir a certificação CCN, preciso
começar “do zero” ou posso usar uma área
que eu já tenho na minha fazenda?
Se a área preexistente for caracterizada como um sistema a pasto, com árvores
(ILPF ou IPF), poderá ser utilizada, porém, as quantidades de carbono seques-
trado pelas árvores devem ser calculadas a partir do início do projeto CCN.
20. É possível converter uma área que
produz carne convencional/ tradicional em
uma para produção de carne CCN?
Sim, por meio da conversão da pastagem convencional em pastagem ar-
borizada, de acordo com recomendações técnicas para estabelecimento de
sistemas de ILP ou IPF.
21. Existe algum capim mais indicado para este sistema?
Deve-se dar preferência para capins tolerantes ao sombreamento, como cul-
tivares de Brachiaria brizantha e o capim-massai (Panicum maximum). Mais
informações sobre capins para sistemas de ILPF/IPF podem ser obtidas em:
https://www.embrapa.br/gado-de-corte/busca-de-publicacoes/-/publica-
cao/1023595/desempenho-das-forrageiras-tropicais-em-sistema-de-integra-
cao-lavoura-pecuaria-e-de-integracao-lavoura--pecuaria-floresta.
20 DOCUMENTOS 245
22. Posso usar qualquer raça bovina
para produzir carne CCN?
Recomenda-se utilizar raças que tenham maior aptidão para a produção de
carne, pois o selo CCN pressupõe a produção de animais jovens e que aten-
dam a critérios de peso e qualidade de carcaça ao abate.
23. Os animais ganham mais ou
menos peso neste sistema?
O desempenho no sistema dependerá muito da qualidade e da disponibili-
dade de forragem, o que, por sua vez, é influenciado pelo clima, fertilidade
do solo, lotação, disposição e idade das árvores. Em geral, o desempenho é
semelhante a sistemas sem árvores, nas mesmas condições.
24. Para serem certificados, os animais devem
passar todo o tempo de vida dentro do sistema?
O protocolo atual abrange sistemas de ciclo completo ou de recria e termina-
ção (período mínimo de permanência no sistema, exigido para a certificação).
Assim, a regra geral é que machos permaneçam no sistema o tempo referen-
te ao ganho dos últimos 280 kg de peso vivo. Para fêmeas, o valor do ganho
é de 180 kg de peso vivo.
25. Os animais devem receber algum tipo
de suplementação diferenciada?
Seguindo as recomendações atuais de boas práticas de produção, é reco-
mendável que recebam suplementação mineral o ano todo. Além disso, para
atingirem o ponto de abate até o limite de idade estabelecido e o mínimo
de acabamento de gordura exigido, recomenda-se também suplementação
2150 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
proteinada durante a seca, e energética na fase de terminação, principal-
mente para machos. A suplementação energética na forma de concentrado
não deve exceder a quantidade equivalente a 1,2% do peso vivo. A reco-
mendação de suplementação deve seguir a condição de cada propriedade,
respeitando a qualidade e a disponibilidade de forragem, e ser estabelecida
por especialista em nutrição animal. Assim como no caso dos solos, devido
à sua grande variabilidade e baixo volume, as emissões relacionadas com a
produção e fornecimento dos suplementos não é contabilizada ainda.
26. Como deve ser o manejo da pastagem?
O manejo de pastagens em sistemas silvipastoris que visam o CCN inclui
desde a altura correta para entrada e saída dos animais da pastagem até os
tratos culturais das árvores. É necessário regular o grau de sombreamento
para evitar a degradação da pastagem. Mais informações podem ser obtidas
em: https://www.embrapa.br/gado-de-corte/busca-de-publicacoes/-/publica-
cao/1023595/desempenho-das-forrageiras-tropicais-em-sistema-de-integra-
cao-lavoura-pecuaria-e-de-integracao-lavoura--pecuaria-floresta.
27. Quantos animais por hectare
posso colocar no sistema?
Assim como em sistemas tradicionais, a lotação animal depende sempre das
condições de disponibilidade forrageira de cada propriedade. No caso de sis-
temas com árvores, enquanto a cobertura vertical das copas das árvores não
atingir 30% em superfície da pastagem, a produção da forrageira tende a ser
semelhante à de uma pastagem sem árvores. Com o aumento da intensidade
de sombreamento (acima de 30% da superfície das pastagens), a forragei-
ra diminui sua produção e, consequentemente, a capacidade de suporte da
área. Por exemplo, nas condições de clima e solo de Campo Grande/MS,
com pastagem de braquiária cv. Piatã, ocorreu diminuição na taxa de lotação
de 15 a 40% para sistemas com 220 e 350 árvores por hectare, respectiva-
mente, até o oitavo ano, sem desbaste das árvores. Para contornar tal situa-
22 DOCUMENTOS 245
ção e regular o grau de sombreamento, é fundamental realizar a desrama e/
ou o desbaste das árvores. Maiores detalhes podem ser obtidos no Capítulo
4 do livro “500 Perguntas, 500 Respostas em ILPF”, disponível no link: http://
mais500p500r.sct.embrapa.br/view/pdfs/90000033-ebook-pdf.pdf.
28. Quanto tempo o animal deve permanecer
no sistema para obter o selo CCN?
O animal deve permanecer no sistema o tempo necessário para ganhar no
mínimo 280 kg de peso vivo, no caso de machos, e 180 kg de peso vivo no
caso de fêmeas, no período que antecede o seu abate. O período em si de-
penderá do manejo alimentar empregado, do sexo e do potencial genético
dos animais.
29. Qual a espécie de árvore mais indicada para a
implantação do sistema ILPF para produção de carne CCN?
As espécies de árvores mais estudadas e com várias avaliações no sistema a
pasto (ILPF ou IPF) são as de eucaliptos. No entanto, outras espécies de árvo-
res podem ser utilizadas para sistemas de produção de carne CCN. No caso
dos eucaliptos, os tipos de mudas mais utilizadas são clones de espécies puras
ou de híbridos, que devem ser escolhidos de acordo com a finalidade de uso
pretendida para a madeira. A região onde serão plantados também deve ser
considerada, observando, na escolha das mudas, sua tolerância à seca e/ou à
geada, e, em algumas localidades, ao encharcamento do solo.
30. Quanto tempo as árvores devem ficar no sistema?
Elas podem ser cortadas em qualquer momento?
As árvores devem ficar no sistema até que atinjam o porte para sua comer-
cialização. Para serraria, pelo menos um período entre dez e doze anos é
2350 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
usualmente necessário. Dependendo do planejamento e da densidade (árvo-
res ha-1) inicial de plantio, devem ser programados desbastes até a colheita
final. Deve-se atentar para que, ao final do ciclo, exista uma quantidade de
árvores suficiente para contabilizar o carbono sequestrado responsável pela
neutralização do metano entérico emitido pelos animais no período.
31. A madeira oriunda de um projeto CCN
também pode ser certificada?
Sim, pois o conceito CCN não é excludente e a madeira produzida sob este
preceito pode ser certificada por outros processos e respectivas certificadoras.
32. Posso usar as árvores cortadas para fazer carvão?
Não. Nos sistemas com certificação CCN o carbono sequestrado nas árvores
deverá ficar imobilizado em uma porção da madeira que será utilizada para
produtos de maior valor agregado (PMVAs) como móveis, pisos, esquadrias,
e outras peças utilizadas para a construção civil, etc. Assim, a porção da ár-
vore que será considerada para o CCN será aquela que for destinada para
serraria, e somente a porção da tora transformada em madeira serrada será
contabilizada para os cálculos de mitigação da emissão de carbono entérico
dos animais. Isto se faz necessário porque a queima da madeira retorna para
a atmosfera o carbono ora imobilizado.
33. Toda árvore deverá, então, ser
destinada à madeira serrada?
Não necessariamente. Apesar de se considerar somente a tora para madeira
serrada nos cálculos para mitigação, outras partes como galhos, ponteiras,
costaneiras e pó-de-serra poderão ser destinados para outras finalidades.
Estas partes apenas não serão contabilizadas como carbono sequestrado.
24 DOCUMENTOS 245
34. Existe alguma marca similar ao CCN no
mercado brasileiro ou internacional?
Não existe marca similar ao CCN, pois esta preconiza o uso da árvore como
mitigador dos GEEs emitidos pelos animais no sistema a pasto (ILPF ou IPF).
Por ser uma marca registrada no INPI e ser amparada por protocolo de pro-
dução certificado, não guarda relação com projetos, marcas ou expressões
como “carne neutra em carbono”, “ pecuária neutra”, “carne carbono zero”
ou similares, com escopos diversos dos objetivos da marca “Carne Carbono
Neutro”.
35. Qual o diferencial da marca CCN?
O conceito da CCN considera a neutralização do metano emitido pelos ani-
mais, por meio do sequestro de carbono pelas árvores plantadas na mesma
área. Engloba, também, preceitos que estão intimamente ligados ao marco
referencial da ILPF (2011) – como a sinergia entre os componentes do siste-
ma, principalmente, no que diz respeito ao bem-estar animal e a necessidade
de esses componentes estarem associados em um arranjo espaço-temporal.
Por isso, pode ser considerada como um diferencial para suportar estratégias
para valorização de sistemas de produção sustentáveis.   
36. Quais as vantagens de se produzir carne CCN?
Existem diversas vantagens em se produzir carne CCN. A principal, natural-
mente, é contribuir para a redução dos gases de efeito estufa na atmosfera.
Outras vantagens diretas para o produtor são, por exemplo, a agregação de
valor ao produto e o acesso a mercados diferenciados. Vantagens indiretas
incluem a adequada gestão, tanto técnica quanto econômica do sistema, in-
cluindo sistemas metódicos de planejamento e controle. É interessante verifi-
car, também, as respostas das Perguntas 11, 15 e 32, pois essas enumeram
mais vantagens e as discutem em maior detalhe.
2550 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
37. Como faço para provar que a carne que produzo é CCN?
A única carne considerada CCN é aquela que foi produzida segundo protoco-
lo da marca e certificada como tal (Veja também as respostas das Perguntas
9 e 15 para maiores detalhes).
38. Como posso ter certeza de que a carne com a
marca CCN realmente é de baixo impacto ambiental?
O selo “Carne Carbono Neutro” certifica que a carne produzida em determina-
do sistema de produção, seguindo os parâmetros preconizados pelo protocolo
exigido para sua obtenção, teve as emissões de metano originadas pelos ani-
mais neutralizadas pelo componente arbóreo inserido no sistema. Portanto,
a neutralização atestada dessas emissões significa uma redução importante
do impacto ambiental relacionado com emissões de gases de efeito estufa do
produto, no caso, a carne. As Respostas das perguntas 4, 5, 9, 15 e 32 contêm,
também, elementos que explicam em mais detalhes essa redução do impacto
ambiental. Ademais, a Resposta 9 informa sobre o que deve ser feito para re-
ceber e utilizar o selo “Carne Carbono Neutro”. Informa, ainda, sobre as etapas
mínimas necessárias para sua obtenção, sobre parâmetros e critérios à serem
empregados em procedimentos de auditorias independentes e creditadas.
39. A carne CCN tem mais qualidade
que a carne “comum”?
Não. Em geral, animais jovens e bem-acabados ao abate garantem qualidade
intrínseca à carne, independentemente de serem animais terminados a pasto
(ILPF ou IPF). A diferença da carne de animais em sistemas a pasto, produ-
zidos conforme o protocolo CCN (ILPF ou IPF), refere-se ao modo racional
como são criados e à observância a alguns preceitos relativos ao bem-estar
animal. Além disto, estes sistemas de produção CCN promovem mitigação de
impactos ambientais inerentes à pecuária tradicional, o que poderá garantir
diferencial competitivo aos produtores.
26 DOCUMENTOS 245
40. Paga-se mais pela carne com selo CCN?
Produtos originados de sistemas ambientalmente adequados, como é o caso da
carne CCN, não obtêm hoje, necessariamente melhores preços. Porém, espera-
se que o consumidor, cada vez mais preocupado com a origem dos produtos que
consome, dê preferência àqueles oriundos de sistemas de produção capazes de
mitigar seus impactos ao meio ambiente e de “cuidar bem dos animais”.
41. Quem certifica a carne CCN? A Embrapa?
A carne CCN pode ser certificada por empresas credenciadas a órgãos públi-
cos ou privados, em esfera Federal, Estadual ou Municipal, legalmente auto-
rizadas pela Embrapa a conceder o selo CCN. A Embrapa, além de não ter a
realização de certificações em seus objetivos de trabalho, não pode certificar
nem auditar sistemas CCN, pois é detentora da marca e isto infringe o prin-
cípio da isentabilidade. Além disso, a Embrapa é uma empresa pública de
pesquisa e desenvolvimento de soluções para o agronegócio brasileiro. Após
seu desenvolvimento e validação, a instituição disponibiliza essas soluções
ou produtos gratuitamente para que o mercado os utilize da melhor forma,
mantendo assim seu foco na pesquisa e desenvolvimento.
42. Alguma propriedade comercial já produz carne CCN?
Já existem iniciativas em andamento, porém o processo de concessão do
selo demanda que várias etapas sejam cumpridas. Uma das primeiras inciati-
vas é de uma fazenda comercial no Estado de Mato Grosso do Sul que desde
2015 vem sendo avaliada para produção de carne com base no protocolo
CCN. O primeiro lote de animais experimentais, ainda da fase experimental já
foi abatido em maio de 2016 e os resultados parciais foram apresentados no
II Simpósio Internacional de Gases de Efeito Estufa na Agropecuária, realiza-
do em junho de 2016, em Campo Grande, MS. A partir de 2017, o protocolo
CCN será testado em oito propriedades comerciais nos biomas Amazônia,
Cerrado e Mata Atlântica que a partir de negociações com certificadoras de
produtos agropecuários, poderão estar aptas a colocar seus produtos no
mercado após a devida concessão do selo.
2750 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
43. Estou interessado em produzir carne
CCN. Quem posso contatar?
Quem tiver interesse em produzir carne CCN deve contatar a Embrapa Gado
de Corte, via Serviço de Atendimento ao Cidadão - SAC - https://www.embra-
pa.br/fale-conosco/sac/.
44. Além da carne, a madeira produzida no
sistema CCN também terá algum diferencial?
Sim, a madeira originada em sistemas que recebem o selo “Carne Carbono
Neutro” também poderá será creditada e vinculada à marca-conceito, e ge-
rará produtos de madeira de maior valor agregado (PMVAs) como móveis,
pisos, esquadrias, e outras peças utilizadas para a construção civil, etc. Por
ser madeira vinculada à neutralização de GEEs da pecuária, tem os predi-
cados iniciais para um diferencial de mercado, porém deverá ter, tal como
os produtos animais, a qualidade intrínseca exigida pelos diferentes merca-
dos. Será fundamental que as árvores recebam manejo adequado para que
sua madeira tenha a qualidade necessária aos produtos finais. Certificações
deste tipo são muito requisitadas em mercados mais exigentes e com maior
poder aquisitivo.
45. O que posso ganhar com a implantação
da CCN na minha fazenda?
Além dos benefícios já conhecidos dos sistemas integrados com árvores,
como por exemplo, diversificação da renda, redução de riscos, uso mais ra-
cional da mão-de-obra e da infraestrutura e bem-estar animal, há possibili-
dades de agregação de valor aos produtos oriundos do sistema CCN e da
propriedade rural. Esta última pode ocorrer em virtude da melhoria no manejo
da pastagem e da introdução das árvores, o que revigora o sistema produtivo
como um todo e, consequentemente, a sua capacidade de produção, bem
como do aumento da beleza cênica. Ademais, a implementação da CCN na
28 DOCUMENTOS 245
fazenda pode funcionar como uma poupança para o produtor, pois a renúncia
de renda de curto prazo, no momento da implantação das árvores, é mais do
que compensada pela obtenção de renda no longo prazo.
46. Existe financiamento para a CCN?
No momento, existem opções de financiamento para implantação de siste-
mas de ILPF/IPF, com recursos provenientes do Plano ABC (Agricultura de
Baixa Emissão de Carbono) do Governo Federal, tendo em vista que para
a produção da carne CCN estes tipos de sistemas devam ser empregados.
47. Qual o custo de implantação dos sistemas
ILPF para produção de carne CCN?
O custo é muito variável, de acordo com os objetivos do produtor, as condi-
ções regionais, e a densidade de árvores utilizada. Em geral, quanto mais
adensado o plantio (árvores ha-1), maior é o custo de implantação do siste-
ma. A Embrapa disponibiliza ferramentas que auxiliam o produtor inclusive
na simulação de sistemas para a tomada de decisão sobre a implantação de
sistemas de produção, como o aplicativo Custobov, disponibilizado na página
web da Embrapa Gado de Corte.
48. Existe a possibilidade de se obter créditos
de carbono ao se utilizar o sistema?    
Estes sistemas têm o potencial de serem superavitários em carbono. O pro-
tocolo CCN permite quantificar este saldo de carbono dos sistemas e, assim,
possibilitar o uso dos créditos de carbono. Contudo, esses créditos não estão
disponibilizados junto ao selo CCN e os modelos de negócio ainda precisam
ser desenvolvidos.
2950 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN)
49. Qual o custo da certificação para
a produção de carne CCN?
O custo de certificação será determinado pelas empresas certificadoras, com
base nos seus custos operacionais e margens de lucratividade. Por tratar-se
de serviço a ser prestado por empresas privadas, o próprio mercado deverá
regular os preços.
50. Onde posso obter mais informações
a respeito do CCN?
Informações detalhadas sobre o CCN podem ser obtidas no Documento re-
ferencial “Carne Carbono Neutro: um novo conceito para carne sustentável
produzida nos trópicos”, disponível em: http://old.cnpgc.embrapa.br/publica-
coes/doc/DOC210.pdf.
CGPE14238

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1
Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1
Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1
JC Campos
 
"A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne""A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne"
UNDP Policy Centre
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
André Ferreira
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
Marília Gomes
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
velton12
 
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e CaprinosManual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Sérgio Amaral
 
Seleção em gado de leite e controle leiteiro
Seleção em gado de leite e controle leiteiroSeleção em gado de leite e controle leiteiro
Seleção em gado de leite e controle leiteiro
Luan Moura
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
MirianFernandes15
 
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamentoManejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Ingrid Carvalho
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
Kelwin Souza
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique Reis
 
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Rural Pecuária
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
Larisse Gonçalves
 
Ruminantes
Ruminantes Ruminantes
Produção animal a.d.r. - 12ºc
Produção animal   a.d.r. - 12ºcProdução animal   a.d.r. - 12ºc
Produção animal a.d.r. - 12ºc
luis reis
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Hugomar Elicker
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
James Pinho Ladislau Pinho
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Paulo Adami
 

Mais procurados (20)

Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1
Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1
Uso de ferramentas em zootecnia de precisão1
 
"A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne""A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne"
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e CaprinosManual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
 
Seleção em gado de leite e controle leiteiro
Seleção em gado de leite e controle leiteiroSeleção em gado de leite e controle leiteiro
Seleção em gado de leite e controle leiteiro
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamentoManejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
 
Ruminantes
Ruminantes Ruminantes
Ruminantes
 
Produção animal a.d.r. - 12ºc
Produção animal   a.d.r. - 12ºcProdução animal   a.d.r. - 12ºc
Produção animal a.d.r. - 12ºc
 
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileiraAula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
Aula 1 panorama_geral_da_suinocultura_brasileira
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
 

Semelhante a 50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).

90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf
Jaqueline Bordin
 
Ed23maio08
Ed23maio08Ed23maio08
Ed23maio08
Rafael Mermejo
 
Empreendedorismo em Química
Empreendedorismo em QuímicaEmpreendedorismo em Química
Empreendedorismo em Química
Antônio Diomário de Queiroz
 
Batata frita embrapa
Batata frita embrapaBatata frita embrapa
Batata frita embrapa
Aline Chaves
 
Ed39setembro09
Ed39setembro09Ed39setembro09
Ed39setembro09
Rafael Mermejo
 
Guia Tecnico Frigorificos
Guia Tecnico FrigorificosGuia Tecnico Frigorificos
Guia Tecnico Frigorificos
Samira Mantilla
 
Apresentação marcello ramos
Apresentação marcello ramosApresentação marcello ramos
Apresentação marcello ramos
LCA promo
 
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
razasbovinasdecolombia
 
Pequenas frutas
Pequenas frutasPequenas frutas
Pequenas frutas
Alexandre Franco de Faria
 
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da EmbrapaBPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
probarra
 
Ed36junho09
Ed36junho09Ed36junho09
Ed36junho09
Rafael Mermejo
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
Leandro Almeida
 
Edição 100 outubro 2014 - tv canaoeste
Edição 100   outubro 2014 - tv canaoesteEdição 100   outubro 2014 - tv canaoeste
Edição 100 outubro 2014 - tv canaoeste
Rafael Mermejo
 
Palestra Miguel Cavalcanti no EPICENTRO
Palestra Miguel Cavalcanti no EPICENTROPalestra Miguel Cavalcanti no EPICENTRO
Palestra Miguel Cavalcanti no EPICENTRO
Ricardo Jordão Magalhaes
 
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte
Boas praticas agropecuarias bovinos de corteBoas praticas agropecuarias bovinos de corte
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte
Larissa Campos
 
Anuario leite2020
Anuario leite2020Anuario leite2020
Anuario leite2020
JosedosReisRaimundo
 
CNA - Programa abc - nov/12
CNA - Programa abc - nov/12CNA - Programa abc - nov/12
CNA - Programa abc - nov/12
AgroTalento
 
Apostila geral de suinocultura
Apostila geral de suinoculturaApostila geral de suinocultura
Apostila geral de suinocultura
lais pereira
 
Tecnologia de produção de soja região central - embrapa
Tecnologia de produção de soja   região central - embrapaTecnologia de produção de soja   região central - embrapa
Tecnologia de produção de soja região central - embrapa
Danilo Tkacz
 
Manual de Boas Práticas: Agroindústria Familiar
Manual de Boas Práticas: Agroindústria FamiliarManual de Boas Práticas: Agroindústria Familiar
Manual de Boas Práticas: Agroindústria Familiar
Cinara Tanhote Sousa
 

Semelhante a 50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN). (20)

90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf90000004 ebook-pdf
90000004 ebook-pdf
 
Ed23maio08
Ed23maio08Ed23maio08
Ed23maio08
 
Empreendedorismo em Química
Empreendedorismo em QuímicaEmpreendedorismo em Química
Empreendedorismo em Química
 
Batata frita embrapa
Batata frita embrapaBatata frita embrapa
Batata frita embrapa
 
Ed39setembro09
Ed39setembro09Ed39setembro09
Ed39setembro09
 
Guia Tecnico Frigorificos
Guia Tecnico FrigorificosGuia Tecnico Frigorificos
Guia Tecnico Frigorificos
 
Apresentação marcello ramos
Apresentação marcello ramosApresentação marcello ramos
Apresentação marcello ramos
 
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte (brazil)
 
Pequenas frutas
Pequenas frutasPequenas frutas
Pequenas frutas
 
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da EmbrapaBPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
 
Ed36junho09
Ed36junho09Ed36junho09
Ed36junho09
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
 
Edição 100 outubro 2014 - tv canaoeste
Edição 100   outubro 2014 - tv canaoesteEdição 100   outubro 2014 - tv canaoeste
Edição 100 outubro 2014 - tv canaoeste
 
Palestra Miguel Cavalcanti no EPICENTRO
Palestra Miguel Cavalcanti no EPICENTROPalestra Miguel Cavalcanti no EPICENTRO
Palestra Miguel Cavalcanti no EPICENTRO
 
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte
Boas praticas agropecuarias bovinos de corteBoas praticas agropecuarias bovinos de corte
Boas praticas agropecuarias bovinos de corte
 
Anuario leite2020
Anuario leite2020Anuario leite2020
Anuario leite2020
 
CNA - Programa abc - nov/12
CNA - Programa abc - nov/12CNA - Programa abc - nov/12
CNA - Programa abc - nov/12
 
Apostila geral de suinocultura
Apostila geral de suinoculturaApostila geral de suinocultura
Apostila geral de suinocultura
 
Tecnologia de produção de soja região central - embrapa
Tecnologia de produção de soja   região central - embrapaTecnologia de produção de soja   região central - embrapa
Tecnologia de produção de soja região central - embrapa
 
Manual de Boas Práticas: Agroindústria Familiar
Manual de Boas Práticas: Agroindústria FamiliarManual de Boas Práticas: Agroindústria Familiar
Manual de Boas Práticas: Agroindústria Familiar
 

Mais de Rural Pecuária

Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Rural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Rural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Rural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
Rural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
Rural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Rural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Rural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Rural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
Rural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Rural Pecuária
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
Rural Pecuária
 
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São PauloAglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
 
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São PauloAglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo
 

Último

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (8)

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).

  • 1. 50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) ISSN 1983-974X Junho / 2018 DOCUMENTOS 245
  • 2.
  • 3. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Gado de Corte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Brasília, DF 2018 50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) Fabiana Villa Alves Roberto Giolo de Almeida Valdemir Antônio Laura Vanderley Porfírio-da-Silva Rodrigo da Costa Gomes Manuel Claudio Motta Macedo Mariana de Aragão Pereira André Dominghetti Ferreira Davi José Bungenstab DOCUMENTOS 245 ISSN 1983-974X junho/2018
  • 4. Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Gado de Corte Av. Rádio Maia, 830, Zona Rural, Campo Grande, MS, 79106-550, Campo Grande, MS Fone: (67) 3368 2000 Fax: (67) 3368 2150 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610). Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Embrapa Gado de Corte Maria de Fátima da Cunha – CRB-1/2616 © Embrapa, 2018 50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) / Fabiana Villa Alves ... [et al.]. - Campo Grande, MS : Embrapa Gado de Corte, 2018. PDF (29 p.). – (Documentos / Embrapa Gado de Corte, ISSN 1983-974X ; 245). 1. Certificação de produto. 2. Gado de Corte. 3. Efeito estufa. 4. Impacto ambiental. I. Almeida, Roberto Giolo de. II. Laura, Valdemir Antônio. III. Porfírio- -da-Silva, Vanderley. IV. Gomes, Rodrigo da Costa. V. Macedo, Manuel Cláudio Motta. VI. Pereira, Mariana de Aragão. VII. Ferreira, André Dominghetti. VIII. Bungenstab, Davi José. IV. Série. CDD 636.213 (23. ed.) Comitê Local de Publicações da Embrapa Gado de Cortel Presidente Thais Basso Amaral Secretário-Executivo Rodrigo Carvalho Alva Membros Alexandre Romeiro de Araújo, Andréa Alves do Egito, Liana Jank, Lucimara Chiari, Marcelo Castro Pereira, Mariane de Mendonça Vilela, Rodiney de Arruda Mauro, Wilson Werner Koller Supervisão editorial Rodrigo Carvalho Alva Revisão de texto Rodrigo Carvalho Alva Normalização bibliográfica Autor Tratamento das ilustrações Rodrigo Carvalho Alva Projeto gráfico da coleção Carlos Eduardo Felice Barbeiro Editoração eletrônica Rodrigo Carvalho Alva Foto da capa Rodrigo Carvalho Alva 1ª edição 1ª impressão (2018): eletrônico
  • 5. Autores Fabiana Villa Alves Zootecnista, D.Sc., Pesquisadora da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS Roberto Giolo de Almeida Engenheiro-Agrônomo, D.Sc.,Pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS Valdemir Antônio Laura Engenheiro-Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS Vanderley Porfírio-da-Silva Engenheiro-Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Florestas, Colombo, PR Rodrigo da Costa Gomes Zootecnista, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS Manuel Claudio Motta Macedo Engenheiro-Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS
  • 6. Mariana de Aragão Pereira Zootecnista, D.Sc., Pesquisadora da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS André Dominghetti Ferreira Engenheiro Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS Davi José Bungenstab Médico-Veterinário, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS
  • 7. Agradecimentos Primeiramente à Embrapa, em especial à unidade Gado de Corte, por todo o subsídio, infraestrutura e apoio técnico-científico para a elaboração deste documento. À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), ao Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) e à Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (FUNDECT), pelo financiamento das pesquisas que deram origem à marca-conceito “Carne Carbono Neutro”.
  • 8. Apresentação O uso de sistemas em Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) para pro- dução de carne bovina é realidade no Brasil. Entre suas vantagens estão a intensificação sustentável do uso da terra, a diversificação da produção, a con- servação do solo, o melhor uso dos recursos naturais e dos insumos, a redu- ção da pressão pela abertura de novas áreas (efeito poupa-terra), o bem estar animal, o sequestro de carbono, a mitigação das emissões de gases, dentre outras. Os conceitos, os conhecimentos, as práticas e os processos desenvolvidos nos diferentes tipos de sistemas ILPFs oportunizaram aos produtores, técnicos, for- muladores de políticas públicas e outros atores o que há de mais moderno em tecnologias para sistemas integrados. E temos plenas condições de atender às principais demandas globais de sustentabilidade. Com esse enfoque e na vanguarda do conhecimento e da sustentabilidade, a Embrapa idealizou a marca-conceito Carne Carbono Neutro (CCN), integrando os resultados de pesquisa a um processo e um produto tecnológico único em sua concepção, que alia a compensação das emissões de metano entérico (gás de efeito estufa) dos bovinos e o bem estar animal. Este documento técnico busca trazer, de forma didática, respostas simples e em linguagem acessível às principais questões levantadas por produtores, téc- nicos, pesquisadores e público em geral, em relação à marca-conceito CCN. Foi elaborado por especialistas em sistemas de produção integrados e de produção de bovinos, entre eles os criadores da marca-conceito CCN. Desta forma, apresentamos o que há de mais qualificado e preciso em informações técnicas sobre o CCN. A forma escolhida, 50 perguntas e 50 respostas, tem como intuito trazer obje- tividade e clareza ao assunto e contribuir para o entendimento e difusão das premissas, elementos e requisitos do processo CCN, do sistema de produção ao produto final. No momento em que o mundo inicia o debate de sobretaxação de produtos agrícolas, o Brasil evolui com tecnologias e inovações produtivas sustentáveis que o protagoniza como potencial grande fornecedor de serviços ambientais.
  • 9. Já se discute no Brasil sobre precificação de carbono em sistemas pecuários. Com os sistemas integrados superavitários em carbono será possível em hori- zonte de curto prazo (antes de 2030) termos negócios e mercados de carbono a partir da produção pecuária e suas integrações. O conceito Carne Carbono Neutro é uma iniciativa que contribuirá não só para a produção sustentável de proteína de origem animal no Brasil e nos trópicos, mas também para ganhos produtivos e ambientais em curto, médio e longo prazo. Cleber Oliveira Soares Diretor Executivo de Inovação e Tecnologia da Embrapa.
  • 10.
  • 11. Sumário Carne Carbono Neutro - CCN....................................................................... 11 1. O que é o CCN?..................................................................................... 11 2. O que é emissão de gases de efeito estufa?......................................... 11 3. Como surgiu o CCN?............................................................................. 11 4. Como se calcula a emissão de metano dos animais?...........................12 5. Como se calcula a neutralização do metano?.......................................13 6. Por que o carbono do solo não entra na conta para compensação ou neutralização do metano?..........................................................................13 7.PorqueoutrasemissõesdeGEEsdosistemasilvipastorilnãosãocomputadas?....14 8. Como é o selo CCN?.............................................................................14 9. Qual o significado dos componentes da figura?....................................15 10. O que é preciso fazer para se obter o selo CCN?...............................15 11. Quais são os requisitos para se obter o selo CCN?.............................16 12. O selo CCN é para a propriedade, para o animal ou para a carne?....16 13. Qual a diferença entre a carne CCN e a carne tradicional?.................17 14. Qual é o sistema mais recomendado para a produção de animais CCN?........17 15. O que são sistemas silvipastoris (IPF) e agrossilvipastoris (ILPF)?....17 16. Eu sou confinador. Também posso requerer o selo CCN para a carne que produzo a partir dos animais confinados?...........................................18 17. O que é certificação de um produto? ..................................................18 18. É realmente necessária a certificação para que eu possa atestar que a carne que produzo é CCN?........................................................................18 19. Para conseguir a certificação CCN, preciso começar “do zero” ou pos- so usar uma área que eu já tenho na minha fazenda?..............................19 20. É possível converter uma área que produz carne convencional/ tradi- cional em uma para produção de carne CCN?..........................................19 21. Existe algum capim mais indicado para este sistema?........................19 22. Posso usar qualquer raça bovina para produzir carne CCN?..............20 23. Os animais ganham mais ou menos peso neste sistema?..................20 24. Para serem certificados, os animais devem passar todo o tempo de vida dentro do sistema? ............................................................................20
  • 12. 25. Os animais devem receber algum tipo de suplementação diferenciada?.......20 26. Como deve ser o manejo da pastagem? ............................................21 27. Quantos animais por hectare posso colocar no sistema?....................21 28. Quanto tempo o animal deve permanecer no sistema para obter o selo CCN?....22 29. Qual a espécie de árvore mais indicada para a implantação do sistema ILPF para produção de carne CCN?..........................................................22 30. Quanto tempo as árvores devem ficar no sistema? Elas podem ser cortadas em qualquer momento? ..............................................................22 31. A madeira oriunda de um projeto CCN também pode ser certificada?..... 23 32. Posso usar as árvores cortadas para fazer carvão?............................23 33. Toda árvore deverá, então, ser destinada à madeira serrada?............23 34. Existe alguma marca similar ao CCN no mercado brasileiro ou internacional?......24 35. Qual o diferencial da marca CCN?.......................................................24 36. Quais as vantagens de se produzir carne CCN?.................................24 37. Como faço para provar que a carne que produzo é CCN?..................25 38. Como posso ter certeza de que a carne com a marca CCN realmente é de baixo impacto ambiental?...................................................................25 39. A carne CCN tem mais qualidade que a carne “comum”?...................25 40. Paga-se mais pela carne com selo CCN?...........................................26 41. Quem certifica a carne CCN? A Embrapa? .........................................26 42. Alguma propriedade comercial já produz carne CCN?........................26 43. Estou interessado em produzir carne CCN. Quem posso contatar?...27 44. Além da carne, a madeira produzida no sistema CCN também terá algum diferencial?......................................................................................27 45. O que posso ganhar com a implantação da CCN na minha fazenda?........ 27 46. Existe financiamento para a CCN?......................................................28 47.QualocustodeimplantaçãodossistemasILPFparaproduçãodecarneCCN?....28 48.Existeapossibilidadedeseobtercréditosdecarbonoaoseutilizarosistema?....28 49. Qual o custo da certificação para a produção de carne CCN?............29 50. Onde posso obter mais informações a respeito do CCN?...................29
  • 13. 11 Carne Carbono Neutro - CCN 1. O que é o CCN? “Carne Carbono Neutro” (CCN) é uma marca-conceito desenvolvida pela Embrapa, que visa atestar a carne bovina que apresenta seus volumes de emissão de gases de efeito estufa (GEE) neutralizados pela presença de árvores em sistemas de integração do tipo silvipastoril (pecuária-floresta, IPF) ou agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta, ILPF). Todo o processo é parametrizado e auditável. A marca-conceito CCN foi registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) sob os protocolos 907078982, 907079156 e 907079270, com versões em português e em inglês. 2. O que é emissão de gases de efeito estufa? É a produção e a emissão para a atmosfera, de gases com potencial para aumentar a temperatura e produzir o efeito de aquecimento global, conhe- cido como efeito-estufa. Existem diversos gases considerados promotores de efeito estufa, com maior ou menor potencial de aquecimento e eles são produzidos naturalmente ou artificialmente em vários ramos de atividades econômicas. Os principais gases de efeito estufa produzidos pela agropecuá- ria são o dióxido de carbono (CO2), o óxido nitroso (NO2) e o metano (CH4). 3. Como surgiu o CCN? Em 2012, durante o “II Congreso Colombiano y I Seminario Internacional de Silvopastoreo”, realizado na Colômbia, foi abordado, dentre outros assuntos, o papel de sistemas silvipastoris como uma estratégia real para o enfren- tamento de futuros cenários de mudanças climáticas. Neste evento, foram também apresentadas as experiências brasileiras com sistemas de ILPF, e, durante as discussões e plenárias, os representantes brasileiros vislumbra- ram a ideia de uma marca que garantisse/certificasse a produção de carne
  • 14. 12 DOCUMENTOS 245 brasileira proveniente de sistemas silvipastoris e agrossilvipastoris com a mitigação de gases de efeito estufa. A partir daí, foram realizadas diversas discussões técnico-científicas entre os pesquisadores da Embrapa, que cul- minaram no registro, no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), da marca-conceito “Carne Carbono Neutro” (CCN) ou “Carbon Neutral Brazilian Beef”. 4. Como se calcula a emissão de metano dos animais? A marca-conceito permite a certificação com base na compensação das emissões de GEEs do sistema. Todavia, na pecuária de corte brasileira, o metano é o principal gás relacionado com o efeito estufa. Por isso, para esta fase da certificação com o selo CCN, foi convencionado que os cálculos se- riam baseados nas emissões de metano dos animais. Os valores relativos à emissão de metano podem ser obtidos por meio de índices pré-determinados ou calculados por meio de equações.  Dessa forma, têm-se três valores que podem ser usados como referência: 1) O valor fixo do Nível 1 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, 2006), para aAmérica Latina: 56 kg de CH4animal-1ano-1; 2) O valor estimado usando o Nível 2 do IPCC, para bovinos castrados de porte médio, consumindo forragem com diferentes digestibilidades (55% a 65%): 70 kg de CH4animal-1ano-1; 3) O valor médio anual usando a equação empírica da Rede Pecus de pes- quisa (obtido também nos sistemas de ILPF da Embrapa Gado de Corte): 66 kg de CH4animal-1ano-1. A emissão de metano também pode ser obtida diretamente, por meio de uma técnica que utiliza hexafluoreto de enxofre - SF6 (chamado de “gás traça- dor”). Porém, este tipo de mensuração é cara e trabalhosa, e, geralmente, é utilizada somente em pesquisas científicas.
  • 15. 1350 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) 5. Como se calcula a neutralização do metano? Em primeiro lugar, deve-se quantificar o carbono acumulado nas árvores, mais precisamente no fuste (tronco). Para isso, deve ser realizado o inventá- rio florestal da área, de modo a se determinar o crescimento real das árvores e seu potencial em acumular carbono. Os softwares da série SIS (SisEucalipto, SisPinus, SisTeca, SisAcacia, SisAraucaria, SisBracatinga e SisCedro), de- senvolvidos pela Embrapa, permitem calcular o estoque de madeira disponí- vel no momento da avaliação e a cada ano futuro, em termos de volume total e volume por tipo de utilização da madeira. Dessa forma, auxiliam também na determinação da quantidade de carbono sequestrado da atmosfera e imobili- zado nas árvores, uma vez que são capazes de fazer projeções e de estimar a biomassa das árvores e o carbono acumulado nas diferentes partes das árvores. Os softwares podem ser utilizados gratuitamente, após cadastro, por meio do site https://www.embrapa.br/florestas/transferencia-de-tecnologia/ softwares-florestais. Para a contabilidade da quantidade de carbono fixada no componente arbóreo, será utilizado o protocolo descrito por Oliveira et al. (2011), bem como as suas atualizações futuras. As quantidades de metano emitido pelos animais e de carbono sequestrado no fuste (tronco) das árvores serão transformadas na mesma base, em CO2 equivalente (CO2 eq.), para determinação do saldo. 6. Por que o carbono do solo não entra na conta para compensação ou neutralização do metano? Embora a fixação de carbono do solo seja relevante, a dinâmica de carbono de solo é bastante complexa e influenciada por muitos fatores, tanto biocli- máticos como de manejo. Medi-la não é algo simples e demanda conheci- mento e investimentos. Ainda não existe consenso metodológico para estas avaliações. A neutralização pelo acúmulo de carbono no fuste das árvores é suficiente para a neutralização/mitigação dos gases de efeito estufa (GEEs) emitidos pelos bovinos ao longo do ciclo de produção. Além disso, é mais simples de ser dimensionada e utilizada para fins de auditagem. A não-con- tabilização do carbono do solo não causa qualquer prejuízo aos princípios da marca-conceito.
  • 16. 14 DOCUMENTOS 245 7. Por que outras emissões de GEEs do sistema silvipastoril não são computadas? O objetivo inicial da marca-conceito CCN é a neutralização das emissões de metano entérico dos bovinos em pastejo no sistema silvipastoril. Tais siste- mas apresentam nível de tecnificação de baixo a moderado, e as emissões de metano representam a maior parte das emissões de GEE. No futuro, é possível que as outras fontes de emissão sejam consideradas, inclusive as de “fora da porteira” (elos a montante e à jusante da produção), o que pode auxiliar na elaboração da análise de ciclo de vida (ACV) da carne. 8. Como é o selo CCN? Existem duas versões do selo CCN: uma em português e outra em inglês. Estas podem ser utilizadas para carnes bovinas frescas, congeladas ou transformadas, para mercado interno e para exportação. As mesmas estão apresentadas nas figuras abaixo.
  • 17. 1550 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) 9. Qual o significado dos componentes da figura? A seta circular simboliza a fixação, neutralização e ciclagem do carbono, com alusão à letra “C”. Os traços descontínuos de sua base ou início, em preto, estão associados à transformação de algo indesejável (emissão de metano na atmosfera) em algo positivo, representado pelo traço contínuo e verde, e que faz referência ao carbono imobilizado no tronco das árvores. A cor verde simboliza a neutralização das emissões de GEEs dos sistemas de produção de carne bovina e faz referência ao componente arbóreo. A cor preta simbo- liza as emissões de GEEs do sistema pelos animais. Ao centro do símbolo encontram-se dois elementos: duas folhas de eucalipto e um cupim bovino. O primeiro elemento remete ao componente arbóreo dos sistemas em integra- ção, ponto-chave para a mitigação do metano, pois é no fuste (tronco) que se dá a maior fixação de carbono. Apesar de qualquer tipo de árvore poder ser utilizada, quis-se utilizar o eucalipto como referência, pois esta árvore é a principal representante das florestas plantadas no Brasil, correspondendo a mais de 90% da área. O cupim, por sua vez, representa um bovino da raça Nelore, predominante nos sistemas pecuários brasileiros. A junção dos ele- mentos ao centro também remete à viabilidade de se unir produção animal e preservação do meio-ambiente. O nome Carne Carbono Neutro ou “Carbon Neutral Brazilian Beef”, desenhado em tipologia própria e em harmonia com o símbolo, assegura a identificação da obra, servindo de base e esteio para os conceitos associados à marca. 10. O que é preciso fazer para se obter o selo CCN? Para receber e utilizar o selo “Carne Carbono Neutro”, o produto final (carne e seus derivados) deverá atender a todos os pré-requisitos e parâmetros ine- rentes ao conceito estabelecido no texto da série Documentos da Embrapa, intitulada “Carne Carbono Neutro: um novo conceito para carne sustentável produzida nos trópicos” (DOCs 210 e 243 e versões atualizadas), de caráter geral, válida nacional e internacionalmente, na qual se estipulam as etapas mínimas necessárias para sua obtenção.
  • 18. 16 DOCUMENTOS 245 11. Quais são os requisitos para se obter o selo CCN? Em suma, são os seguintes: a) Compromisso de implantação de projeto de sistema de IPF/ILPF: com base no Plano ABC do Governo Brasileiro e nos documentos orientadores da Embrapa. O sistema deve, necessa- riamente, partir de uma produção com base em pastagens estabelecidas com forrageiras herbáceas (baseline); b) Avaliação técnica da emissão de carbono: com base nos índices zootécnicos da propriedade, consideran- do a emissão de GEEs por animal, indicada em documento-referência do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, 2006) ou da Rede PECUS (baseline); c) Cálculo do carbono fixado: a partir de inven- tários florestais regulares (anuais), será calculado o estoque de carbono fixado nas árvores do sistema, conforme metodologias para sequestro de carbono por árvores, estabelecidas pela Embrapa Florestas (Arevalo et al., 2002; Zanetti, 2008; Oliveira et al., 2011); d) Cálculo da neutralização das emissões: a partir da avaliação técnica da emissão de metano e do cálculo do carbono fixado no fuste das árvores do sistema de IPF/ILPF, será calcu- lado o saldo de carbono (em CO2 eq.) do sistema; e) Garantia do estoque de carbono: os produtos provenientes do componente arbóreo devem ga- rantir que o estoque de carbono neles contido e contabilizado como GEEs neutralizados continuem imobilizados em seus produtos (móveis e produtos de madeira de maior valor agregado - PMVAs), por um período mínimo es- tabelecido conforme a legislação vigente. 12. O selo CCN é para a propriedade, para o animal ou para a carne? O selo é atribuído ao produto (carne), mas, ao indicar que o mesmo foi produzido em condições adequadas de manejo da pastagem e do solo, promovendo conforto térmico e a mitigação de metano entérico dos animais em pastejo, a propriedade pode ser reconhecida pela adoção de práticas sustentáveis.
  • 19. 1750 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) 13. Qual a diferença entre a carne CCN e a carne tradicional? Visualmente e do ponto de vista de qualidade organoléptica, a carne com selo CCN não difere da carne tradicional, sem selo. Entretanto, o selo CCN garante que os bovinos que deram origem à carne tiveram suas emissões de metano entérico compensadas durante o processo de produção pelo cresci- mento das árvores no sistema. Além disso, como há presença de sombra na pastagem, assegura-se um ambiente termicamente confortável aos animais e alto grau de bem-estar. 14. Qual é o sistema mais recomendado para a produção de animais CCN? Para a produção de animais CCN, necessariamente, devem ser utilizados sistemas em integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF ou agrossilvipastoril) e/ou pecuária-floresta (IPF ou silvipastoril), ou seja, as áreas de pastagens devem ser adequadamente arborizadas com espécies madeireiras. 15. O que são sistemas silvipastoris (IPF) e agrossilvipastoris (ILPF)? Os sistemas de IPF/ILPF, em comparação com sistemas tradicionais, além da produção de madeiras e por se caracterizarem como tecnologias para mitigar emissões de GEEs, atendem à necessidade de bem-estar animal ao proporcionarem maior conforto térmico, promoverem a biodiversidade em sis- temas produtivos e incrementarem o uso eficiente da terra com agregação de valor e renda para as áreas de pastagens. Também apresentam potencial de produção de “créditos” de carbono excedentes que poderão abrir precedente para comercialização no mercado voluntário.
  • 20. 18 DOCUMENTOS 245 16. Eu sou confinador. Também posso requerer o selo CCN para a carne que produzo a partir dos animais confinados? Não. Nesta fase o selo CCN só é concedido para carne produzida em siste- mas a pasto, com árvores (ILPF ou IPF), para sistemas de ciclo completo ou para sistemas de recria e terminação. A utilização do selo CCN para a fase de cria poderá também ser utilizada para abater as emissões do bezerro que for adquirido para uso em sistemas de recria e terminação. 17. O que é certificação de um produto? Certificação é um processo no qual uma entidade independente avalia se de- terminado produto atende às normas técnicas estabelecidas por quem con- cede uma marca (no caso da CCN, a Embrapa). Esta avaliação baseia-se, entre outras condições, em auditorias periódicas no processo produtivo. Se tudo está em conformidade com os protocolos pré-determinados, a empresa recebe a certificação e pode usar a marca em seus produtos. O processo de certificação não é complicado e qualquer empresa pode obtê-la, desde que demonstre e garanta, por meio de documentos, que seu processo produtivo é controlado e que o produto está sendo fabricado em conformidade às normas estabelecidas. A certificação deve ser renovada e reavaliada periodicamente por um órgão regulador certificador, que será responsável pela credibilidade dos métodos de avaliação do certificado. O certificador pode tanto ser um órgão público, quanto uma empresa privada independente. Existem certifica- dos emitidos pelas próprias empresas (ou auto-certificação) que os utilizam, mas estes são utilizados como apelo publicitário, sem que se possa necessa- riamente garantir sua credibilidade. 18. É realmente necessária a certificação para que eu possa atestar que a carne que produzo é CCN? A certificação garante que toda a produção é controlada e que os produtos atendem as normas técnicas continuamente; é diferente de laudos e relató-
  • 21. 1950 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) rios, que demonstram se uma amostra de determinado produto atende ou não uma norma técnica. No caso da carne CCN, as normas para sua produ- ção foram estabelecidas pela Embrapa e, por isso, sua certificação deve ser realizada por parte terceira, ou seja, que não esteja envolvida com o produto a ser certificado. 19. Para conseguir a certificação CCN, preciso começar “do zero” ou posso usar uma área que eu já tenho na minha fazenda? Se a área preexistente for caracterizada como um sistema a pasto, com árvores (ILPF ou IPF), poderá ser utilizada, porém, as quantidades de carbono seques- trado pelas árvores devem ser calculadas a partir do início do projeto CCN. 20. É possível converter uma área que produz carne convencional/ tradicional em uma para produção de carne CCN? Sim, por meio da conversão da pastagem convencional em pastagem ar- borizada, de acordo com recomendações técnicas para estabelecimento de sistemas de ILP ou IPF. 21. Existe algum capim mais indicado para este sistema? Deve-se dar preferência para capins tolerantes ao sombreamento, como cul- tivares de Brachiaria brizantha e o capim-massai (Panicum maximum). Mais informações sobre capins para sistemas de ILPF/IPF podem ser obtidas em: https://www.embrapa.br/gado-de-corte/busca-de-publicacoes/-/publica- cao/1023595/desempenho-das-forrageiras-tropicais-em-sistema-de-integra- cao-lavoura-pecuaria-e-de-integracao-lavoura--pecuaria-floresta.
  • 22. 20 DOCUMENTOS 245 22. Posso usar qualquer raça bovina para produzir carne CCN? Recomenda-se utilizar raças que tenham maior aptidão para a produção de carne, pois o selo CCN pressupõe a produção de animais jovens e que aten- dam a critérios de peso e qualidade de carcaça ao abate. 23. Os animais ganham mais ou menos peso neste sistema? O desempenho no sistema dependerá muito da qualidade e da disponibili- dade de forragem, o que, por sua vez, é influenciado pelo clima, fertilidade do solo, lotação, disposição e idade das árvores. Em geral, o desempenho é semelhante a sistemas sem árvores, nas mesmas condições. 24. Para serem certificados, os animais devem passar todo o tempo de vida dentro do sistema? O protocolo atual abrange sistemas de ciclo completo ou de recria e termina- ção (período mínimo de permanência no sistema, exigido para a certificação). Assim, a regra geral é que machos permaneçam no sistema o tempo referen- te ao ganho dos últimos 280 kg de peso vivo. Para fêmeas, o valor do ganho é de 180 kg de peso vivo. 25. Os animais devem receber algum tipo de suplementação diferenciada? Seguindo as recomendações atuais de boas práticas de produção, é reco- mendável que recebam suplementação mineral o ano todo. Além disso, para atingirem o ponto de abate até o limite de idade estabelecido e o mínimo de acabamento de gordura exigido, recomenda-se também suplementação
  • 23. 2150 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) proteinada durante a seca, e energética na fase de terminação, principal- mente para machos. A suplementação energética na forma de concentrado não deve exceder a quantidade equivalente a 1,2% do peso vivo. A reco- mendação de suplementação deve seguir a condição de cada propriedade, respeitando a qualidade e a disponibilidade de forragem, e ser estabelecida por especialista em nutrição animal. Assim como no caso dos solos, devido à sua grande variabilidade e baixo volume, as emissões relacionadas com a produção e fornecimento dos suplementos não é contabilizada ainda. 26. Como deve ser o manejo da pastagem? O manejo de pastagens em sistemas silvipastoris que visam o CCN inclui desde a altura correta para entrada e saída dos animais da pastagem até os tratos culturais das árvores. É necessário regular o grau de sombreamento para evitar a degradação da pastagem. Mais informações podem ser obtidas em: https://www.embrapa.br/gado-de-corte/busca-de-publicacoes/-/publica- cao/1023595/desempenho-das-forrageiras-tropicais-em-sistema-de-integra- cao-lavoura-pecuaria-e-de-integracao-lavoura--pecuaria-floresta. 27. Quantos animais por hectare posso colocar no sistema? Assim como em sistemas tradicionais, a lotação animal depende sempre das condições de disponibilidade forrageira de cada propriedade. No caso de sis- temas com árvores, enquanto a cobertura vertical das copas das árvores não atingir 30% em superfície da pastagem, a produção da forrageira tende a ser semelhante à de uma pastagem sem árvores. Com o aumento da intensidade de sombreamento (acima de 30% da superfície das pastagens), a forragei- ra diminui sua produção e, consequentemente, a capacidade de suporte da área. Por exemplo, nas condições de clima e solo de Campo Grande/MS, com pastagem de braquiária cv. Piatã, ocorreu diminuição na taxa de lotação de 15 a 40% para sistemas com 220 e 350 árvores por hectare, respectiva- mente, até o oitavo ano, sem desbaste das árvores. Para contornar tal situa-
  • 24. 22 DOCUMENTOS 245 ção e regular o grau de sombreamento, é fundamental realizar a desrama e/ ou o desbaste das árvores. Maiores detalhes podem ser obtidos no Capítulo 4 do livro “500 Perguntas, 500 Respostas em ILPF”, disponível no link: http:// mais500p500r.sct.embrapa.br/view/pdfs/90000033-ebook-pdf.pdf. 28. Quanto tempo o animal deve permanecer no sistema para obter o selo CCN? O animal deve permanecer no sistema o tempo necessário para ganhar no mínimo 280 kg de peso vivo, no caso de machos, e 180 kg de peso vivo no caso de fêmeas, no período que antecede o seu abate. O período em si de- penderá do manejo alimentar empregado, do sexo e do potencial genético dos animais. 29. Qual a espécie de árvore mais indicada para a implantação do sistema ILPF para produção de carne CCN? As espécies de árvores mais estudadas e com várias avaliações no sistema a pasto (ILPF ou IPF) são as de eucaliptos. No entanto, outras espécies de árvo- res podem ser utilizadas para sistemas de produção de carne CCN. No caso dos eucaliptos, os tipos de mudas mais utilizadas são clones de espécies puras ou de híbridos, que devem ser escolhidos de acordo com a finalidade de uso pretendida para a madeira. A região onde serão plantados também deve ser considerada, observando, na escolha das mudas, sua tolerância à seca e/ou à geada, e, em algumas localidades, ao encharcamento do solo. 30. Quanto tempo as árvores devem ficar no sistema? Elas podem ser cortadas em qualquer momento? As árvores devem ficar no sistema até que atinjam o porte para sua comer- cialização. Para serraria, pelo menos um período entre dez e doze anos é
  • 25. 2350 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) usualmente necessário. Dependendo do planejamento e da densidade (árvo- res ha-1) inicial de plantio, devem ser programados desbastes até a colheita final. Deve-se atentar para que, ao final do ciclo, exista uma quantidade de árvores suficiente para contabilizar o carbono sequestrado responsável pela neutralização do metano entérico emitido pelos animais no período. 31. A madeira oriunda de um projeto CCN também pode ser certificada? Sim, pois o conceito CCN não é excludente e a madeira produzida sob este preceito pode ser certificada por outros processos e respectivas certificadoras. 32. Posso usar as árvores cortadas para fazer carvão? Não. Nos sistemas com certificação CCN o carbono sequestrado nas árvores deverá ficar imobilizado em uma porção da madeira que será utilizada para produtos de maior valor agregado (PMVAs) como móveis, pisos, esquadrias, e outras peças utilizadas para a construção civil, etc. Assim, a porção da ár- vore que será considerada para o CCN será aquela que for destinada para serraria, e somente a porção da tora transformada em madeira serrada será contabilizada para os cálculos de mitigação da emissão de carbono entérico dos animais. Isto se faz necessário porque a queima da madeira retorna para a atmosfera o carbono ora imobilizado. 33. Toda árvore deverá, então, ser destinada à madeira serrada? Não necessariamente. Apesar de se considerar somente a tora para madeira serrada nos cálculos para mitigação, outras partes como galhos, ponteiras, costaneiras e pó-de-serra poderão ser destinados para outras finalidades. Estas partes apenas não serão contabilizadas como carbono sequestrado.
  • 26. 24 DOCUMENTOS 245 34. Existe alguma marca similar ao CCN no mercado brasileiro ou internacional? Não existe marca similar ao CCN, pois esta preconiza o uso da árvore como mitigador dos GEEs emitidos pelos animais no sistema a pasto (ILPF ou IPF). Por ser uma marca registrada no INPI e ser amparada por protocolo de pro- dução certificado, não guarda relação com projetos, marcas ou expressões como “carne neutra em carbono”, “ pecuária neutra”, “carne carbono zero” ou similares, com escopos diversos dos objetivos da marca “Carne Carbono Neutro”. 35. Qual o diferencial da marca CCN? O conceito da CCN considera a neutralização do metano emitido pelos ani- mais, por meio do sequestro de carbono pelas árvores plantadas na mesma área. Engloba, também, preceitos que estão intimamente ligados ao marco referencial da ILPF (2011) – como a sinergia entre os componentes do siste- ma, principalmente, no que diz respeito ao bem-estar animal e a necessidade de esses componentes estarem associados em um arranjo espaço-temporal. Por isso, pode ser considerada como um diferencial para suportar estratégias para valorização de sistemas de produção sustentáveis.    36. Quais as vantagens de se produzir carne CCN? Existem diversas vantagens em se produzir carne CCN. A principal, natural- mente, é contribuir para a redução dos gases de efeito estufa na atmosfera. Outras vantagens diretas para o produtor são, por exemplo, a agregação de valor ao produto e o acesso a mercados diferenciados. Vantagens indiretas incluem a adequada gestão, tanto técnica quanto econômica do sistema, in- cluindo sistemas metódicos de planejamento e controle. É interessante verifi- car, também, as respostas das Perguntas 11, 15 e 32, pois essas enumeram mais vantagens e as discutem em maior detalhe.
  • 27. 2550 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) 37. Como faço para provar que a carne que produzo é CCN? A única carne considerada CCN é aquela que foi produzida segundo protoco- lo da marca e certificada como tal (Veja também as respostas das Perguntas 9 e 15 para maiores detalhes). 38. Como posso ter certeza de que a carne com a marca CCN realmente é de baixo impacto ambiental? O selo “Carne Carbono Neutro” certifica que a carne produzida em determina- do sistema de produção, seguindo os parâmetros preconizados pelo protocolo exigido para sua obtenção, teve as emissões de metano originadas pelos ani- mais neutralizadas pelo componente arbóreo inserido no sistema. Portanto, a neutralização atestada dessas emissões significa uma redução importante do impacto ambiental relacionado com emissões de gases de efeito estufa do produto, no caso, a carne. As Respostas das perguntas 4, 5, 9, 15 e 32 contêm, também, elementos que explicam em mais detalhes essa redução do impacto ambiental. Ademais, a Resposta 9 informa sobre o que deve ser feito para re- ceber e utilizar o selo “Carne Carbono Neutro”. Informa, ainda, sobre as etapas mínimas necessárias para sua obtenção, sobre parâmetros e critérios à serem empregados em procedimentos de auditorias independentes e creditadas. 39. A carne CCN tem mais qualidade que a carne “comum”? Não. Em geral, animais jovens e bem-acabados ao abate garantem qualidade intrínseca à carne, independentemente de serem animais terminados a pasto (ILPF ou IPF). A diferença da carne de animais em sistemas a pasto, produ- zidos conforme o protocolo CCN (ILPF ou IPF), refere-se ao modo racional como são criados e à observância a alguns preceitos relativos ao bem-estar animal. Além disto, estes sistemas de produção CCN promovem mitigação de impactos ambientais inerentes à pecuária tradicional, o que poderá garantir diferencial competitivo aos produtores.
  • 28. 26 DOCUMENTOS 245 40. Paga-se mais pela carne com selo CCN? Produtos originados de sistemas ambientalmente adequados, como é o caso da carne CCN, não obtêm hoje, necessariamente melhores preços. Porém, espera- se que o consumidor, cada vez mais preocupado com a origem dos produtos que consome, dê preferência àqueles oriundos de sistemas de produção capazes de mitigar seus impactos ao meio ambiente e de “cuidar bem dos animais”. 41. Quem certifica a carne CCN? A Embrapa? A carne CCN pode ser certificada por empresas credenciadas a órgãos públi- cos ou privados, em esfera Federal, Estadual ou Municipal, legalmente auto- rizadas pela Embrapa a conceder o selo CCN. A Embrapa, além de não ter a realização de certificações em seus objetivos de trabalho, não pode certificar nem auditar sistemas CCN, pois é detentora da marca e isto infringe o prin- cípio da isentabilidade. Além disso, a Embrapa é uma empresa pública de pesquisa e desenvolvimento de soluções para o agronegócio brasileiro. Após seu desenvolvimento e validação, a instituição disponibiliza essas soluções ou produtos gratuitamente para que o mercado os utilize da melhor forma, mantendo assim seu foco na pesquisa e desenvolvimento. 42. Alguma propriedade comercial já produz carne CCN? Já existem iniciativas em andamento, porém o processo de concessão do selo demanda que várias etapas sejam cumpridas. Uma das primeiras inciati- vas é de uma fazenda comercial no Estado de Mato Grosso do Sul que desde 2015 vem sendo avaliada para produção de carne com base no protocolo CCN. O primeiro lote de animais experimentais, ainda da fase experimental já foi abatido em maio de 2016 e os resultados parciais foram apresentados no II Simpósio Internacional de Gases de Efeito Estufa na Agropecuária, realiza- do em junho de 2016, em Campo Grande, MS. A partir de 2017, o protocolo CCN será testado em oito propriedades comerciais nos biomas Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica que a partir de negociações com certificadoras de produtos agropecuários, poderão estar aptas a colocar seus produtos no mercado após a devida concessão do selo.
  • 29. 2750 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) 43. Estou interessado em produzir carne CCN. Quem posso contatar? Quem tiver interesse em produzir carne CCN deve contatar a Embrapa Gado de Corte, via Serviço de Atendimento ao Cidadão - SAC - https://www.embra- pa.br/fale-conosco/sac/. 44. Além da carne, a madeira produzida no sistema CCN também terá algum diferencial? Sim, a madeira originada em sistemas que recebem o selo “Carne Carbono Neutro” também poderá será creditada e vinculada à marca-conceito, e ge- rará produtos de madeira de maior valor agregado (PMVAs) como móveis, pisos, esquadrias, e outras peças utilizadas para a construção civil, etc. Por ser madeira vinculada à neutralização de GEEs da pecuária, tem os predi- cados iniciais para um diferencial de mercado, porém deverá ter, tal como os produtos animais, a qualidade intrínseca exigida pelos diferentes merca- dos. Será fundamental que as árvores recebam manejo adequado para que sua madeira tenha a qualidade necessária aos produtos finais. Certificações deste tipo são muito requisitadas em mercados mais exigentes e com maior poder aquisitivo. 45. O que posso ganhar com a implantação da CCN na minha fazenda? Além dos benefícios já conhecidos dos sistemas integrados com árvores, como por exemplo, diversificação da renda, redução de riscos, uso mais ra- cional da mão-de-obra e da infraestrutura e bem-estar animal, há possibili- dades de agregação de valor aos produtos oriundos do sistema CCN e da propriedade rural. Esta última pode ocorrer em virtude da melhoria no manejo da pastagem e da introdução das árvores, o que revigora o sistema produtivo como um todo e, consequentemente, a sua capacidade de produção, bem como do aumento da beleza cênica. Ademais, a implementação da CCN na
  • 30. 28 DOCUMENTOS 245 fazenda pode funcionar como uma poupança para o produtor, pois a renúncia de renda de curto prazo, no momento da implantação das árvores, é mais do que compensada pela obtenção de renda no longo prazo. 46. Existe financiamento para a CCN? No momento, existem opções de financiamento para implantação de siste- mas de ILPF/IPF, com recursos provenientes do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) do Governo Federal, tendo em vista que para a produção da carne CCN estes tipos de sistemas devam ser empregados. 47. Qual o custo de implantação dos sistemas ILPF para produção de carne CCN? O custo é muito variável, de acordo com os objetivos do produtor, as condi- ções regionais, e a densidade de árvores utilizada. Em geral, quanto mais adensado o plantio (árvores ha-1), maior é o custo de implantação do siste- ma. A Embrapa disponibiliza ferramentas que auxiliam o produtor inclusive na simulação de sistemas para a tomada de decisão sobre a implantação de sistemas de produção, como o aplicativo Custobov, disponibilizado na página web da Embrapa Gado de Corte. 48. Existe a possibilidade de se obter créditos de carbono ao se utilizar o sistema?     Estes sistemas têm o potencial de serem superavitários em carbono. O pro- tocolo CCN permite quantificar este saldo de carbono dos sistemas e, assim, possibilitar o uso dos créditos de carbono. Contudo, esses créditos não estão disponibilizados junto ao selo CCN e os modelos de negócio ainda precisam ser desenvolvidos.
  • 31. 2950 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN) 49. Qual o custo da certificação para a produção de carne CCN? O custo de certificação será determinado pelas empresas certificadoras, com base nos seus custos operacionais e margens de lucratividade. Por tratar-se de serviço a ser prestado por empresas privadas, o próprio mercado deverá regular os preços. 50. Onde posso obter mais informações a respeito do CCN? Informações detalhadas sobre o CCN podem ser obtidas no Documento re- ferencial “Carne Carbono Neutro: um novo conceito para carne sustentável produzida nos trópicos”, disponível em: http://old.cnpgc.embrapa.br/publica- coes/doc/DOC210.pdf.