SlideShare uma empresa Scribd logo
AGLOMERAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DA PISCILCULTURA NO ESTADO DE
SÃO PAULO
Ricardo Firetti
Zootecnista, Msc., PqC do Polo Regional Alta Sorocabana/APTA
rfiretti@apta.sp.gov.br
José Luis Lima Astolphi
Zootecnista, Msc., Coordenador do Curso Superior de Agronegócio da Universidade
do Oeste Paulista (Unoeste)
joseluis@unoeste.br
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica, de acordo com
levantamento realizado na pesquisa de Produção da Pecuária Municipal de 2015, e
disponibilizada em setembro de 2016, que a Piscicultura nacional produziu em torno
de 480,3 mil toneladas de peixes gerando mais de 3 bilhões de reais em valor da
produção. A atividade praticamente manteve-se estável quando comparada a 2014,
apresentando pequeno crescimento de 1,52% (IBGE, 2016).
Na produção estadual o destaque é o estado de Rondônia que ocupa o primeiro
lugar no ranking com praticamente 84,5 mil toneladas de peixes produzidas em
cativeiro (Figura 1), dos quais destaca-se a produção de tambaqui (Figura 2) com
64,8 mil toneladas. Em 2013, esse estado ocupava a quinta colocação produzindo
em torno de 25 mil toneladas.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017
Figura 1. Produção estadual de peixes em 2015 (toneladas).
Fonte: Adaptado de IBGE (2016).
O Estado de São Paulo passou a ocupar a 5ª posição nesse ranking, produzindo
31,14 mil toneladas de peixes, com valor de produção estimado em torno de R$157
milhões. Em 2013, ocupava a quarta posição com 26,6 mil toneladas, ou seja,
apresentou crescimento de 14,6% no período. Atualmente é um dos principais
produtores de tilápias do país, respondendo por 29.000 toneladas do produto, cerca
de 13% do total produzido.
Embora atualmente a piscicultura seja praticada por todo o território nacional,
respeitando as características regionais de clima, hidrografia e mercado consumidor,
trata-se de uma atividade econômica altamente concentrada e especializada
localmente. Os dados do IBGE são muito reveladores.
Apenas 10 mesorregiões do país (do total de 137 mesorregiões) concentram quase
51% do total de pescado produzido pela piscicultura. Nesse caso, a mesorregião de
São José do Rio Preto, formada por municípios do Noroeste Paulista, é a 8ª mais
importante do país.
De maneira geral, há um pressuposto básico na ciência econômica (economia
industrial) de que produtores aglomerados têm a capacidade de acessar com maior
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017
facilidade um conjunto de benefícios que contribuem para o aumento de sua
competitividade no mercado em que atuam (CRUZ, 2008). Esses benefícios podem
ser insumos inovativos, recursos humanos qualificados, fornecedores especializados
e conhecimentos gerados por diferentes atores da cadeia produtiva.
Um dos principais autores a explorar este tema em São Paulo foi Sidnei Gonçalves
(2004; 2005; 2006a; 2006b; 2009), pesquisador do Instituto de Economia Agrícola
(IEA-APTA) com relevante produção científica e experiência em planejamento e
gestão na Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Parte
dos seus trabalhos apontava a importância da esfera regional e local ao afirmar que
embora a estrutura da agricultura e pecuária paulista tenham sido correntemente
apresentadas como marcadas pela diversificação, tendo em vista a relevante
participação estadual no contexto nacional numa grande variedade de produtos,
havia no estado um agronegócio moderno, sustentado em uma agropecuária
diferenciada regionalmente pela especialização produtiva.
Este efeito também pode ser observado para a piscicultura em São Paulo.
Inicialmente em relação ao tipo de produto (espécie de peixe criada para abate), em
que se observa uma incrível especialização do estado na produção de tilápias
(Figura 2), que representam 93% do total de 31.141 toneladas. A produção de pacus
e patingas (Figura 2), por exemplo, segundo tipo mais produzido, gira em torno de
1.500 toneladas/ano.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017
Figura 2. Principais espécies de peixes produzidas em cativeiro no Estado de São Paulo: [A] Tambaqui
(Colossoma macropomum); [B] Tilápia (Oreochromis niloticus); [C] Pacu (Piaractus mesopotamicus); [D] Patinga
(Piaractus mesopotamicus x Piaractus brachypomus).
Fonte: SEAP (2016).
Em segunda análise, observando-se as esferas locais em escala microrregional
(pequenas regiões), apenas as microrregiões de Jales (10.870 toneladas), Franca
(4.830 ton.), São José do Rio Preto (2.850 ton.), Ourinhos (1.776 ton.), Dracena
(1.710 ton.), Jaú (1.640 ton.) e Assis (1.535 ton.)respondem por 81% do total
produzido no estado de São Paulo (Figura 3).
De maneira geral, as aglomerações da produção na piscicultura estão ligadas a
quatro fatores principais: características edafoclimáticas adequadas; infraestrutura
(logística, insumos e serviços); mercado consumidor e governança local.
Os fatores ligados ao solo, clima e água são fundamentais para a piscicultura. Não
basta querer produzir peixe; mas é condição fundamental ter capacidade para tanto.
A presença de solo areno-argiloso, com ausência de pedras e topografia favorável é
essencial para a viabilidade de implantação de sistemas de produção em tanques
escavados (Figura 4).
BA
C D
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017
Figura 3. Concentração da produção estadual de peixes nas microrregiões do estado de São Paulo em 2015
(toneladas).
Fonte: EstatGeo-IBGE (2016).
A abundância de água em quantidade, qualidade e regularidade na oferta (durante
todo o ano) potencializou as regiões ricas nesse recurso natural, tanto em sistemas
baseados em viveiros escavados como tanques-rede, tais quais os represamentos e
reservatórios de hidrelétricas. Em São Paulo, a utilização de sistemas intensivos de
produção em tanques-rede (Figura 4) foi fundamental para a expansão da atividade
tal como está.
Figura 4. Sistemas de produção de peixes em “viveiros escavados” e “tanques-rede”.
Fonte: Couto; Souza (2011).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017
O amplo mercado consumidor nos estados do Sul e Sudeste, principalmente nas
regiões metropolitanas incentivou o crescimento da produção em regiões como o
Oeste Paranaense (PR) e especialmente no estado de São Paulo com a
tilapicultura, viabilizada pela consolidação da cadeia de negócios em esfera local,
devido a boas condições de logística para oferta insumos (alevinos e ração), e
principalmente a presença de unidades de beneficiamento e processamento de
pescado, que garantiram aos piscicultores maior estabilidade e confiança na
comercialização. Essa consolidação permitiu que o pescado chegasse ao
consumidor com qualidade, selos de fiscalização, além de cortes especiais como
files frescos e congelados, empanados, entre outros produtos.
O quarto fator de consolidação dessas microrregiões foi a presença de uma
governança local forte, estruturada pela iniciativa privada, mas em sinergia com
agentes do setor público visando estruturar novas políticas públicas e
regulamentações de forma integrada.
Outras localidades do estado, e que possuam fatores condicionantes parecidos ao
citados anteriormente (fatores edafoclimáticos; infraestrutura de logística, insumos e
serviços; mercado consumidor e governança local), poderiam ser explorados e
incentivados inicialmente a partir de novas estratégias mercadológicas em esfera
local ou mesorregional, a partir da integração com outras políticas públicas, tais
como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa Paulista
da Agricultura de Interesse Social (PPAIS).
De acordo com a FAO-ONU (2016), parte do crescimento previsto para a aquicultura
brasileira poderia ocorrer por meio de compras públicas e inclusão de produtos na
alimentação escolar, pois esses programas teriam a capacidade de mudar os
hábitos de consumo por alimentos mais saudáveis e ampliar a inserção da
aquicultura familiar no ambiente mercadológico.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017
CRUZ, B., O. Externalidades locais, ganhos de aglomeração e políticas
dedesenvolvimento regional. In: CARVALHO, A. X. Y.; ALBUQUERQUE, C. W.;
MOTA, J.A.; PIANCASTELLI, M. Ensaios de Economia Regional e Urbana.
Brasilía: Ipea, p.437-460, 2008.
FAO-ONU [Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura].El
estado mundial de la pesca y la acuicultura 2016 – Contribución a la seguridad
alimentaria y la nutrición para todos. FAO-ONU: Roma. 224p., 2016.
GONÇALVES, J.S.; VICENTE, J.R. Desconcentração regional da renda
agropecuária paulista no período 1999-2003. Informações Econômicas, v.34, n.10,
p.57-71, 2004.
GONÇALVES, J. S. Dinâmica da agropecuária paulista no contexto das
transformações da sua agricultura. Informações Econômicas, v. 35, n. 12, p. 65-
98, 2005.
GONÇALVES, J. S. Agricultura paulista, especialização regional e políticas públicas.
Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 1, n. 10, out. 2006a.
Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/out/LerTexto.php?codTexto=7487>.
Acesso em: 15 dez. 2013.
GONÇALVES, J.S. Inserção da dimensão da regionalidade na estrutura
orçamentária do governo do Estado de São Paulo. Informações Econômicas, v.36,
n.2, p.72-86, 2006b.
GONÇALVES, J. S.; ANGELO, J. A.; SOUZA, S. A. M. Economias regionais
paulistas no período 2005-2007: desconcentração na agropecuária com
concentração na agricultura revelando diferenças estruturais. Informações
Econômicas, v. 39, n. 2, p. 45-54, fev. 2009.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017
IBGE. Produção da aquicultura, por tipo de produto. In: Produção da pecuária
municipal 2015. IBGE : Rio de Janeiro, 2016. Disponível
em:<https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3940>. Acesso em: 08 mar. 2017.
SEAP [Secretaria Especial de Pesca e Aquicultura]. Pesca e aquicultura. MAPA :
Brasília, 2016. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/pesca-e-
aquicultura>. Acesso em: 10 jun. 2016.
COUTO, C.; SOUZA, E. O rebanho das águas. In: Revista Globo Rural. Ed. Globo:
Rio de Janeiro. 2011. Disponível em:
<http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI208533-18282,00-
O+REBANHO+DAS+AGUAS.html>. Acesso em 11 mai. 2017.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)
Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)
Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)
Talicia Marinho
 
Joacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rn
Joacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rnJoacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rn
Joacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rn
Jose Aldemir Freire
 
Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013
Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013
Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013
Portal Canal Rural
 
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/invernoAveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Rural Pecuária
 

Mais procurados (20)

Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Clipping cnc 04052015 versão de impressão
Clipping cnc 04052015   versão de impressãoClipping cnc 04052015   versão de impressão
Clipping cnc 04052015 versão de impressão
 
Políticas Públicas - Território Sertão do São Francisco (Bahia)
Políticas Públicas - Território Sertão do São Francisco (Bahia)Políticas Públicas - Território Sertão do São Francisco (Bahia)
Políticas Públicas - Território Sertão do São Francisco (Bahia)
 
JornApis nº5
JornApis nº5JornApis nº5
JornApis nº5
 
Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)
Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)
Jorn apis no-5(out-dez_2012) (1)
 
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da EmbrapaBPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
BPA - Manual de boas práticas bovino de corte da Embrapa
 
Alternativas para a sustentação financeira de RPPN: desafio compartilhado ent...
Alternativas para a sustentação financeira de RPPN: desafio compartilhado ent...Alternativas para a sustentação financeira de RPPN: desafio compartilhado ent...
Alternativas para a sustentação financeira de RPPN: desafio compartilhado ent...
 
Joacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rn
Joacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rnJoacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rn
Joacir 2013 palestra agricultura familiar no vale do açu rn
 
Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013
Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013
Calendário vacinação contra a febre aftosa 2013
 
Publication e-book
Publication e-bookPublication e-book
Publication e-book
 
Livro agric capixaba_50anos_set16
Livro agric capixaba_50anos_set16Livro agric capixaba_50anos_set16
Livro agric capixaba_50anos_set16
 
Sumário de Avaliação Genética das Vacas Girolando - Julho/2015
Sumário de Avaliação Genética das Vacas Girolando - Julho/2015Sumário de Avaliação Genética das Vacas Girolando - Julho/2015
Sumário de Avaliação Genética das Vacas Girolando - Julho/2015
 
Avaliação microcrédito rural no Nordeste - Prof Joacir Aquino
Avaliação microcrédito rural no Nordeste - Prof Joacir AquinoAvaliação microcrédito rural no Nordeste - Prof Joacir Aquino
Avaliação microcrédito rural no Nordeste - Prof Joacir Aquino
 
ESTRUTURA AGRÁRIA E DESIGUALDADES INTERNAS NA AGRICULTURA FAMILIAR BRASILEIRA
ESTRUTURA AGRÁRIA E DESIGUALDADES INTERNAS NA AGRICULTURA FAMILIAR BRASILEIRA ESTRUTURA AGRÁRIA E DESIGUALDADES INTERNAS NA AGRICULTURA FAMILIAR BRASILEIRA
ESTRUTURA AGRÁRIA E DESIGUALDADES INTERNAS NA AGRICULTURA FAMILIAR BRASILEIRA
 
abc23
abc23abc23
abc23
 
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/invernoAveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
Aveia preta - alternativa de cultivo no outono/inverno
 
Sumário de Touros Girolando Resultado do Teste de Progênie 3ª Prova de Pré-Se...
Sumário de Touros Girolando Resultado do Teste de Progênie 3ª Prova de Pré-Se...Sumário de Touros Girolando Resultado do Teste de Progênie 3ª Prova de Pré-Se...
Sumário de Touros Girolando Resultado do Teste de Progênie 3ª Prova de Pré-Se...
 
abc24
abc24abc24
abc24
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
 

Semelhante a Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo

SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
volcker
 
Caracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasil
Caracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasilCaracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasil
Caracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasil
Marciliana Davantel
 
Artigo 04 estudo dirigido gimnosperma sala
Artigo 04  estudo dirigido gimnosperma salaArtigo 04  estudo dirigido gimnosperma sala
Artigo 04 estudo dirigido gimnosperma sala
Kathia Nemeth Perez
 
Boletim informativo n_8_b
Boletim informativo n_8_bBoletim informativo n_8_b
Boletim informativo n_8_b
lcainformatica
 
Boletim informativo n 6 b
Boletim informativo n 6 bBoletim informativo n 6 b
Boletim informativo n 6 b
lcainformatica
 

Semelhante a Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo (20)

Estudo de Mercado Embrapa - Cnpasa-2020-bpd25
Estudo de Mercado   Embrapa - Cnpasa-2020-bpd25Estudo de Mercado   Embrapa - Cnpasa-2020-bpd25
Estudo de Mercado Embrapa - Cnpasa-2020-bpd25
 
Livro beijupira final
Livro beijupira finalLivro beijupira final
Livro beijupira final
 
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...SIG e sensoriamento remoto para a determinação do  potencial da aqüicultura n...
SIG e sensoriamento remoto para a determinação do potencial da aqüicultura n...
 
Fatores que influenciam na decisão
Fatores que influenciam na decisãoFatores que influenciam na decisão
Fatores que influenciam na decisão
 
Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2
 
Cadeia produtiva hortaliças
Cadeia produtiva hortaliçasCadeia produtiva hortaliças
Cadeia produtiva hortaliças
 
Atividades Agricolas
Atividades AgricolasAtividades Agricolas
Atividades Agricolas
 
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPBVisita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
Visita Técnica a Estação de Piscicultura de Bebedouro-PE, 3ª/EPB
 
Abacaxi tocantins
Abacaxi tocantinsAbacaxi tocantins
Abacaxi tocantins
 
Caracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasil
Caracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasilCaracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasil
Caracterização da rede produtiva do camarão de água doce no brasil
 
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveisAgricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
 
Pesque e solte
Pesque e soltePesque e solte
Pesque e solte
 
Na Semana do Peixe, IP procura estimular o consumo de pescados
Na Semana do Peixe, IP procura estimular o consumo de pescadosNa Semana do Peixe, IP procura estimular o consumo de pescados
Na Semana do Peixe, IP procura estimular o consumo de pescados
 
Artigo 04 estudo dirigido gimnosperma sala
Artigo 04  estudo dirigido gimnosperma salaArtigo 04  estudo dirigido gimnosperma sala
Artigo 04 estudo dirigido gimnosperma sala
 
Boletim informativo n_8_b
Boletim informativo n_8_bBoletim informativo n_8_b
Boletim informativo n_8_b
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
 
PEC - Palestra IP
PEC - Palestra IPPEC - Palestra IP
PEC - Palestra IP
 
Ministro Helder Barbalho participa do Encontro de Segurança Alimentar e Nutri...
Ministro Helder Barbalho participa do Encontro de Segurança Alimentar e Nutri...Ministro Helder Barbalho participa do Encontro de Segurança Alimentar e Nutri...
Ministro Helder Barbalho participa do Encontro de Segurança Alimentar e Nutri...
 
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
Caracterização técnica e econômica da manga ‘Tommy Atkins’
 
Boletim informativo n 6 b
Boletim informativo n 6 bBoletim informativo n 6 b
Boletim informativo n 6 b
 

Mais de Rural Pecuária

Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
Rural Pecuária
 
Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...
Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...
Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...
Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
EFEITO DO ESTANDE DE PLANTAS NA EXPRESSÃO DA VIROSE EM AMENDOIM NO ESTADO DE ...
 
CNA divulga Nota Técnica sobre Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018
CNA divulga Nota Técnica sobre Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018CNA divulga Nota Técnica sobre Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018
CNA divulga Nota Técnica sobre Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018
 
Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...
Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...
Declínio e Morte de Videiras no estado de Santa Catarina - Causas e Alternati...
 

Aglomeração e especialização da piscilcultura no Estado de São Paulo

  • 1. AGLOMERAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DA PISCILCULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO Ricardo Firetti Zootecnista, Msc., PqC do Polo Regional Alta Sorocabana/APTA rfiretti@apta.sp.gov.br José Luis Lima Astolphi Zootecnista, Msc., Coordenador do Curso Superior de Agronegócio da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) joseluis@unoeste.br O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica, de acordo com levantamento realizado na pesquisa de Produção da Pecuária Municipal de 2015, e disponibilizada em setembro de 2016, que a Piscicultura nacional produziu em torno de 480,3 mil toneladas de peixes gerando mais de 3 bilhões de reais em valor da produção. A atividade praticamente manteve-se estável quando comparada a 2014, apresentando pequeno crescimento de 1,52% (IBGE, 2016). Na produção estadual o destaque é o estado de Rondônia que ocupa o primeiro lugar no ranking com praticamente 84,5 mil toneladas de peixes produzidas em cativeiro (Figura 1), dos quais destaca-se a produção de tambaqui (Figura 2) com 64,8 mil toneladas. Em 2013, esse estado ocupava a quinta colocação produzindo em torno de 25 mil toneladas.
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017 Figura 1. Produção estadual de peixes em 2015 (toneladas). Fonte: Adaptado de IBGE (2016). O Estado de São Paulo passou a ocupar a 5ª posição nesse ranking, produzindo 31,14 mil toneladas de peixes, com valor de produção estimado em torno de R$157 milhões. Em 2013, ocupava a quarta posição com 26,6 mil toneladas, ou seja, apresentou crescimento de 14,6% no período. Atualmente é um dos principais produtores de tilápias do país, respondendo por 29.000 toneladas do produto, cerca de 13% do total produzido. Embora atualmente a piscicultura seja praticada por todo o território nacional, respeitando as características regionais de clima, hidrografia e mercado consumidor, trata-se de uma atividade econômica altamente concentrada e especializada localmente. Os dados do IBGE são muito reveladores. Apenas 10 mesorregiões do país (do total de 137 mesorregiões) concentram quase 51% do total de pescado produzido pela piscicultura. Nesse caso, a mesorregião de São José do Rio Preto, formada por municípios do Noroeste Paulista, é a 8ª mais importante do país. De maneira geral, há um pressuposto básico na ciência econômica (economia industrial) de que produtores aglomerados têm a capacidade de acessar com maior
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017 facilidade um conjunto de benefícios que contribuem para o aumento de sua competitividade no mercado em que atuam (CRUZ, 2008). Esses benefícios podem ser insumos inovativos, recursos humanos qualificados, fornecedores especializados e conhecimentos gerados por diferentes atores da cadeia produtiva. Um dos principais autores a explorar este tema em São Paulo foi Sidnei Gonçalves (2004; 2005; 2006a; 2006b; 2009), pesquisador do Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA) com relevante produção científica e experiência em planejamento e gestão na Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Parte dos seus trabalhos apontava a importância da esfera regional e local ao afirmar que embora a estrutura da agricultura e pecuária paulista tenham sido correntemente apresentadas como marcadas pela diversificação, tendo em vista a relevante participação estadual no contexto nacional numa grande variedade de produtos, havia no estado um agronegócio moderno, sustentado em uma agropecuária diferenciada regionalmente pela especialização produtiva. Este efeito também pode ser observado para a piscicultura em São Paulo. Inicialmente em relação ao tipo de produto (espécie de peixe criada para abate), em que se observa uma incrível especialização do estado na produção de tilápias (Figura 2), que representam 93% do total de 31.141 toneladas. A produção de pacus e patingas (Figura 2), por exemplo, segundo tipo mais produzido, gira em torno de 1.500 toneladas/ano.
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017 Figura 2. Principais espécies de peixes produzidas em cativeiro no Estado de São Paulo: [A] Tambaqui (Colossoma macropomum); [B] Tilápia (Oreochromis niloticus); [C] Pacu (Piaractus mesopotamicus); [D] Patinga (Piaractus mesopotamicus x Piaractus brachypomus). Fonte: SEAP (2016). Em segunda análise, observando-se as esferas locais em escala microrregional (pequenas regiões), apenas as microrregiões de Jales (10.870 toneladas), Franca (4.830 ton.), São José do Rio Preto (2.850 ton.), Ourinhos (1.776 ton.), Dracena (1.710 ton.), Jaú (1.640 ton.) e Assis (1.535 ton.)respondem por 81% do total produzido no estado de São Paulo (Figura 3). De maneira geral, as aglomerações da produção na piscicultura estão ligadas a quatro fatores principais: características edafoclimáticas adequadas; infraestrutura (logística, insumos e serviços); mercado consumidor e governança local. Os fatores ligados ao solo, clima e água são fundamentais para a piscicultura. Não basta querer produzir peixe; mas é condição fundamental ter capacidade para tanto. A presença de solo areno-argiloso, com ausência de pedras e topografia favorável é essencial para a viabilidade de implantação de sistemas de produção em tanques escavados (Figura 4). BA C D
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017 Figura 3. Concentração da produção estadual de peixes nas microrregiões do estado de São Paulo em 2015 (toneladas). Fonte: EstatGeo-IBGE (2016). A abundância de água em quantidade, qualidade e regularidade na oferta (durante todo o ano) potencializou as regiões ricas nesse recurso natural, tanto em sistemas baseados em viveiros escavados como tanques-rede, tais quais os represamentos e reservatórios de hidrelétricas. Em São Paulo, a utilização de sistemas intensivos de produção em tanques-rede (Figura 4) foi fundamental para a expansão da atividade tal como está. Figura 4. Sistemas de produção de peixes em “viveiros escavados” e “tanques-rede”. Fonte: Couto; Souza (2011).
  • 6. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017 O amplo mercado consumidor nos estados do Sul e Sudeste, principalmente nas regiões metropolitanas incentivou o crescimento da produção em regiões como o Oeste Paranaense (PR) e especialmente no estado de São Paulo com a tilapicultura, viabilizada pela consolidação da cadeia de negócios em esfera local, devido a boas condições de logística para oferta insumos (alevinos e ração), e principalmente a presença de unidades de beneficiamento e processamento de pescado, que garantiram aos piscicultores maior estabilidade e confiança na comercialização. Essa consolidação permitiu que o pescado chegasse ao consumidor com qualidade, selos de fiscalização, além de cortes especiais como files frescos e congelados, empanados, entre outros produtos. O quarto fator de consolidação dessas microrregiões foi a presença de uma governança local forte, estruturada pela iniciativa privada, mas em sinergia com agentes do setor público visando estruturar novas políticas públicas e regulamentações de forma integrada. Outras localidades do estado, e que possuam fatores condicionantes parecidos ao citados anteriormente (fatores edafoclimáticos; infraestrutura de logística, insumos e serviços; mercado consumidor e governança local), poderiam ser explorados e incentivados inicialmente a partir de novas estratégias mercadológicas em esfera local ou mesorregional, a partir da integração com outras políticas públicas, tais como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa Paulista da Agricultura de Interesse Social (PPAIS). De acordo com a FAO-ONU (2016), parte do crescimento previsto para a aquicultura brasileira poderia ocorrer por meio de compras públicas e inclusão de produtos na alimentação escolar, pois esses programas teriam a capacidade de mudar os hábitos de consumo por alimentos mais saudáveis e ampliar a inserção da aquicultura familiar no ambiente mercadológico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 7. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017 CRUZ, B., O. Externalidades locais, ganhos de aglomeração e políticas dedesenvolvimento regional. In: CARVALHO, A. X. Y.; ALBUQUERQUE, C. W.; MOTA, J.A.; PIANCASTELLI, M. Ensaios de Economia Regional e Urbana. Brasilía: Ipea, p.437-460, 2008. FAO-ONU [Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura].El estado mundial de la pesca y la acuicultura 2016 – Contribución a la seguridad alimentaria y la nutrición para todos. FAO-ONU: Roma. 224p., 2016. GONÇALVES, J.S.; VICENTE, J.R. Desconcentração regional da renda agropecuária paulista no período 1999-2003. Informações Econômicas, v.34, n.10, p.57-71, 2004. GONÇALVES, J. S. Dinâmica da agropecuária paulista no contexto das transformações da sua agricultura. Informações Econômicas, v. 35, n. 12, p. 65- 98, 2005. GONÇALVES, J. S. Agricultura paulista, especialização regional e políticas públicas. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 1, n. 10, out. 2006a. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/out/LerTexto.php?codTexto=7487>. Acesso em: 15 dez. 2013. GONÇALVES, J.S. Inserção da dimensão da regionalidade na estrutura orçamentária do governo do Estado de São Paulo. Informações Econômicas, v.36, n.2, p.72-86, 2006b. GONÇALVES, J. S.; ANGELO, J. A.; SOUZA, S. A. M. Economias regionais paulistas no período 2005-2007: desconcentração na agropecuária com concentração na agricultura revelando diferenças estruturais. Informações Econômicas, v. 39, n. 2, p. 45-54, fev. 2009.
  • 8. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 14, n. 1, Jan-Jun 2017 IBGE. Produção da aquicultura, por tipo de produto. In: Produção da pecuária municipal 2015. IBGE : Rio de Janeiro, 2016. Disponível em:<https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3940>. Acesso em: 08 mar. 2017. SEAP [Secretaria Especial de Pesca e Aquicultura]. Pesca e aquicultura. MAPA : Brasília, 2016. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/pesca-e- aquicultura>. Acesso em: 10 jun. 2016. COUTO, C.; SOUZA, E. O rebanho das águas. In: Revista Globo Rural. Ed. Globo: Rio de Janeiro. 2011. Disponível em: <http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI208533-18282,00- O+REBANHO+DAS+AGUAS.html>. Acesso em 11 mai. 2017.