SlideShare uma empresa Scribd logo
EXPLORAÇÃO DAS
POTENCIALIDADES DA BIOSFERA
Biologia 12º ano
abril 2013
Profª Leonor Vaz Pereira
Cultivo de plantas e
criação de animais
BIOSFERA
A biosfera é a parte da Terra
onde se encontram os seres
vivos.
Ela compreende a superfície
terrestre e a porção inferior
da atmosfera e prolonga-se
até o fundo dos oceanos.
A biosfera contém inúmeros
ecossistemas (conjunto
formado pelos animais e
vegetais em harmonia com os
outros elementos naturais).
Biodiversidade:
Multiplicidade de seres
vivos que se agrupam
em populações que
pertencem a diversas
espécies que
interagem numa
variedade de
comunidades e de
ecossistemas.
ECOSSISTEMA =
FATORES BIÓTICOS + FATORES ABIÓTICOS
Qualquer dos fatores do
meio ambiente respeitantes
a um organismo vivo.
Ex: peixes; pato; plantas…
Qualquer das influências
ambientais que inclui a
matéria não viva.
Ex: luz, água,…
RECICLAGEM DE MATÉRIA NOS ECOSSISTEMAS
Realize a atividade da página 40
A diversidade de elementos e de interações
na biosfera possibilita as transformações de
energia e a circulação de materiais entre o
meio biótico e o abiótico que garante aos
organismos a manutenção das suas funções
vitais.
O crescimento da população humana tem
sido acompanhado por um aumento da
exploração dos recursos da biosfera e pela
introdução de desequilíbrios.
Para fazer face à procura crescente de
recursos alimentares, o Homem desenvolveu
estratégias que permitem aumentar esses
recursos.
EXPLORAÇÃO DA BIOSFERA
Uma necessidade crescente de alimentos ganhou expressão a
partir da segunda metade do século XX, a par de um crescente
desenvolvimento científico e tecnológico.
As plantas, os animais e os produtos que deles derivam
constituem, na sua quase totalidade, os recursos alimentares do
Homem que são obtidos, essencialmente pela agricultura,
pecuária e pesca.
RECURSOS BIOLÓGICOS
Pesca
Pecuária
Agricultura
Caça
Floresta
desenvolvimento do equipamento agrícola;
utilização de fertilizantes químicos e
pesticidas.
desenvolvimento de técnicas mais eficientes
de irrigação;
intensificação e modernização da pecuária e
da aquacultura;
melhoria das embarcações e das técnicas de
pesca;
aplicação da biotecnologia no melhoramento
de espécies de organismos utilizados na
alimentação humana e no aumento da sua
produtividade.
FATORES DETERMINANTES DO AUMENTO
DA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS
Página 42
O arroz, o trigo e o milho fornecem mais de metade do total
de calorias consumidas pelo Homem, sendo a principal fonte
de alimento de dois terços da população mundial.
Quando se pratica a agricultura criam-se condições
ecológicas anormais, formando-se ecossistemas artificiais -
os ecossistemas agrários ou agrossistemas.
Nos países industrializados, o desenvolvimento de novos
equipamentos e produtos de uso agrícola foi acompanhado da
alteração de um modelo de agricultura tradicional, de tipo
familiar, para a agricultura intensiva, assente na
monocultura,
PRÁTICAS AGRÍCOLAS
Cultivo de pequenas áreas, em
regime de policultura.
Utilização de técnicas que
preservam a rentabilidade do
solo:
 rotação de culturas;
 pousio;
 aplicação de adubos
orgânicos;
 associação de espécies com
diferentes necessidades em
elementos minerais;
 rega manual, muitas vezes
com recurso a desvio de água
dos rios e ou a poços;
 trabalho essencialmente
manual ou com a ajuda de
animais.
AGRICULTURA TRADICIONAL
EFEITOS DA AGRICULTURA TRADICIONAL:
Mantém a fertilidade do solo.
Não causa poluição do solo ou de
água.
Preservar os recursos hídricos.
Produção de alimentos em
pequena quantidade, que apenas
satisfaz as necessidades familiares
ou de uma pequena comunidade.
Cultivo de grandes áreas, em
regime de monocultura.
As tecnologias aplicadas
incluem:
 aplicação de adubos
sintéticos;
 utilização de pesticidas;
 rega automática;
 trabalho executado por
máquinas.
AGRICULTURA INTENSIVA
EFEITOS DA AGRICULTURA INTENSIVA:
Produção de alimentos em grande
quantidade, destinada a comércio.
Rápido esgotamento dos elementos
minerais do solo conduzindo à sua
degradação e à desertificação.
Redução da biodiversidade com
aparecimento de doenças e de pragas.
Excesso de adubos e pesticidas com
poluição de solo e água.
Grandes consumos de água na
irrigação contribuindo para o
esgotamento dos recursos hídricos.
Consumo de grandes quantidades de
energia fóssil.
Degradação dos solos
Erosão
Perda de fertilidade
Salinidade
Desertificação
Poluição do ar
Emissão de gases de estufa
Emissão de gases poluentes
Emissão de pesticidas
Riscos para a saúde
Contaminação da água e
comida por pesticidas ou
agentes patogénicos.
Perda de biodiversidade
Perda de habitat
Morte de peixes
Morte de predadores
Poluição da água
Gasto excessivo de água
Poluição de aquíferos e linhas de
água superficiais.
EXPLORAÇÃO DA BIOSFERA
O aumento da produção de alimentos causa a degradação
ambiental:
Página 42
Redução da
biodiversidade
Destruição
de habitat
Caça e pesca
intensiva
Comercialização
de seres vivos
com valor
comercialPoluição
Introdução
de espécies
exóticas
EXPLORAÇÃO DA BIOSFERA
ESPÉCIES AMEAÇADAS DA
FAUNA E FLORA PORTUGUESAS
cabra montês ibérica - Capra pyrenaica
Cegonha preta
Burro
Lobo
Carvalho-alvarinho
Morcego carvernicula Grifo
Lince ibérico
Azevinho
44.cultivo de plantas criação de animais2013
CULTURAS EM ESTUFAS
Permitem:
adaptar as condições climáticas e
nutricionais às necessidades das plantas.
Alteram o ambiente natural
Elevados custos
Microclimas  favorecem aparecimentos
de parasitas
Requer elevada protecção fitossanitária
PRODUÇÃO DE ALIMENTOS
OUTRAS ESTRATÉGICAS
Reprodução seletiva;
Propagação vegetativa;
Cultura de tecidos e micropropagação vegetal;
Cultura de protoplastos;
Criação e clonagem de animais;
Organismos transgénicos
REPRODUÇÃO SELETIVA
VANTAGENS DA REPRODUÇÃO SELETIVA
obtenção de produtos de melhor qualidade, como frutos
sementes, carne, leite, ovos ou peles;
melhoria das capacidades de reprodução, o que permite
obter uma descendência mais numerosa.
obtenção de variedades de plantas e animais mais
resistentes a doenças e a parasitas.
É utilizada desde há vários séculos e baseia-se
na seleção artificial para obter variedades de
plantas ou animais com características
vantajosas.
Em cada geração, são promovidos os
cruzamentos entre indivíduos que apresentam
as características desejadas, aumentando a
sua representatividade na geração seguinte.
Página 43
REPRODUÇÃO SELETIVA
EM ANIMAIS
Nos animais, a reprodução
seletiva foi facilitada com
o desenvolvimento das
técnicas de inseminação
artificial.
O sémen de um macho
com características
vantajosas pode ser usado
para inseminar uma grande
quantidade de fêmeas.
REPRODUÇÃO SELETIVA
DESVANTAGENS
Lentidão dos processos;
Combinação de características de indivíduos
limitadas à mesma espécie ou a espécies
relacionadas;
Perda de eficácia das variedades obtidas, num curto
período de tempo, devido a pragas e doenças.
PROPAGAÇÃO VEGETATIVA
Estas técnicas permitem a obtenção de clones de plantas
com características desejáveis, por reprodução assexuada.
A propagação por estaca, a mergulhia e a enxertia são
algumas das técnicas tradicionais de propagação
vegetativa.
Página 44
MICROPROPAGAÇÃO
A micropropagação é uma extensão dos
métodos tradicionais de propagação
vegetativa.
A clonagem de plantas com características
desejáveis é obtida pela cultura in vitro de
tecidos vegetais, num meio adequado, sólido
ou líquido, em condições assépticas e na
presença de reguladores de crescimento que
induzem a manifestação da totipotência das
células.
As plantas possuem uma grande capacidade de
regeneração porque as células vegetais sofrem
desdiferenciação e manifestam a sua
totipotência com facilidade.
MICROPROPAGAÇÃO
MICROPROPAGAÇÃO
DESINFEÇÃO
LAVAGENS
EM ÁGUA
DESTILADA
MEIO DE CULTURA
COM NUTRIENTES E
HORMONAS
COLOCAÇÃO
EM CULTURA
1º DIA
MICROPROPAGAÇÃO
MICROPOPAGAÇÃO
6 SEMANAS MAIS TARDE
MICROPOPAGAÇÃO
OU ENRAIZAMENTO
4 SEMANAS MAIS TARDE
FRAGMENTAÇÃO
CALO
MEIO DE
ENRAIZAMENTO
PLÂNTULA
MICRORREBENTOS
MICROPROPAGAÇÃO
PLÂNTULAS
ACLIMATIZAÇÃO
15 DIAS MAIS TARDE
MICROPROPAGAÇÃO
Um pequeno
fragmento de uma
planta, o explante é
colocado em cultura in
vitro em condições
que favorecem a perda
de especialização
celular e a formação
do tecido caloso.
Milhões de
rebentos podem
ser obtidos a
partir de um
único fragmento
inicial da planta.
O tecido caloso
pode ser dividido
e subcultivado
por sucessivas
gerações.
O tecido caloso é um
tecido muito
heterogéneo formado
por uma massa de
células,
predominantemente
parenquimatosas em
proliferação.
Página 45
TÉCNICA DE MICROPROPAGAÇÃO
As células do tecido caloso podem ser induzidas a
regenerar plantas completas através de :
Embriogénese somática – consiste na produção de
estruturas semelhantes a embriões a partir de
células somáticas. Os embriões somáticos sofrem
um desenvolvimento em plântulas semelhante aos
embriões zigóticos.
Organogénese – consiste na formação de
estruturas caulinares ou radiculares a partir do
tecido caloso. Também pode verificar-se
organogénese directamente a partir do explante.
As plântulas regeneradas in vitro são,
posteriormente, aclimatizadas e transferidas
para o solo.
A manipulação dos reguladores de
crescimento adicionados ao meio de
cultura, principalmente auxinas e
citocininas, permite orientar o processo
de regeneração.
De um modo geral, uma razão
auxina/citocinina elevada induz a
formação de tecido caloso e a sua
diferenciação em primórdios radiculares
e uma razão auxina/citocinina baixa
induz a diferenciação das células do
tecido caloso em meristemas caulinares.
TÉCNICA DE MICROPROPAGAÇÃO
MICROPROPAGAÇÃO
VANTAGENS DA CLONAGEM DE PLANTAS
Produção numerosa, rápida, económica e
homogénea;
Recurso a um só indivíduo, selecionado
pelas suas características;
Presença das características desejadas em
todo o clone;
Plantas com maior vigor.
DESVANTAGENS DA CLONAGEM DE PLANTAS
técnica altamente especializada;
grande redução da diversidade das espécies
cultivadas.
maior sensibilidade a doenças dada a
homogeneidade das culturas.
A tecnologia do DNA recombinante tornou
possível a manipulação do genoma de
plantas e animais utilizados na alimentação
humana, com determinados objectivos:
Melhoramento das propriedades nutritivas;
Aumento da produção de carne, leite,
sementes, frutos, etc.;
Aumento da resistência a doenças e
pragas;
Tolerância a condições ambientais
adversas;
Resistência a herbicidas;
Alteração da maturação dos frutos.
ORGANISMOS TRANSGÉNICOS
Transgénicos vs OGM
Transgénico OGM
A cor original das cenouras era branca,
no entanto alguns agricultores
conseguiram torná-las laranja, tal como
as conhecemos.
Introdução do gene LT-B (que codifica a
subunidade B da enterotoxina da bactéria E.
coli) na banana, com o objetivo de obter um
antigénio utilizável como vacina oral contra
a cólera.
Já há vários anos que o Homem tem
vindo a criar novas raças ou a melhorar
determinada raça através de
cruzamentos genéticos.
Transgénicos vs OGM
Transgénico OGM
Milho Bt: introdução de um gene da
bactéria Bacillus thuringiensis que
leva à produção de proteínas tóxicas
para determinados insetos.
O Homem realiza enxertos nas
vinhas para melhorar a sua
resistência aos solos ou condições
atmosféricas.
Suíno produtor de hemoglobina
humana, através da introdução do
gene humano que codifica para
esta proteína.
A transformação genética depende da introdução estável do
transgene no genoma da planta.
Métodos para atingir este objetivo:
a) Transformação genética mediada por Agrobacterium
b) Bombardeamento de partículas (ou biolística)
c) Transferência de DNA para protoplastos
TRANSFORMAÇÃO GENÉTICA MEDIADA POR
AGROBACTERIUM
Página 47
Agrobacterium
tumefaciens
A.
tumefaciens
Plasmídio Ti
T-DNA
DNA
cromossômico
T-DNA
Célula vegetal
transformada
Tumor da
galha
Cromossomo
Na transformação genética das plantas é frequente a utilização
como vetor do plasmídeo de Agrobacterium tumefaciens.
Esta espécie de bactéria vive no solo e infeta as plantas causando
tumores.
A capacidade infeciosa reside num gene do
plasmídeo.
O plasmídeo pode ser manipulado de modo
a substituir o oncogene por um gene de
interesse que é transportado para a planta.
As plantas transgénicas são fáceis de obter
porque possuem um ciclo de vida curto,
produzem uma descendência numerosa e
têm uma grande capacidade de
regeneração.
TRANSFORMAÇÃO GENÉTICA MEDIADA POR
AGROBACTERIUM
Co-cultivo de células da planta
com Agrobacterium “desarmada”
Transferência para meio
de cultura com
antibiótico, herbicida
ou outro método de
seleção
Regeneração da planta
transgênica
Testes da planta
transgênica em
laboratório e mais tarde
a campo
PRINCIPAIS ETAPAS DA TRANSFORMAÇÃO VIA
AGROBACTERIUM TUMEFACIENS
BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS
OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA
O bombardeamento
de partículas foi
desenvolvido com
o objetivo de
transformar
cereais, como o
trigo, que não
são infetados por
Agrobacterium.
Página 48
http://www6.ufrgs.br/plantas/destaques/pistoladegenes.swf -
Esta técnica recorre a um
aparelho, que permite disparar,
sobre as células ou tecidos
vegetais, minúsculas esferas de
metal (de tungsténio ou ouro)
revestidas com DNA do vetor de
expressão.
Desta forma, as micropartículas
atravessam a parede celular,
introduzindo o DNA no núcleo de
algumas células.
BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS
OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA
A análise histoquímica dois dias após o bombardeamento
permite determinar o sucesso da transformação.
O número de pontos azuis corresponde aos pontos em que
ocorreu integração do gene e sua expressão.
Após a incorporação do(s) gene(s) no genoma da planta, as células
podem expressá-lo, com a consequente produção da proteína por
ele codificada.
BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS
OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA
BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS
OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA
GENE DE
INTERESSEMICROPARTÍCULAS
DE OURO
DNA ADERE ÀS
PARTÍCULAS
ACELERAÇÃO
DAS PARTÍCULAS
LIBERTAÇÃO
DO DNA NO
NÚCLEO
REGENERAÇÃO
DAS PLANTAS
TRANSGÊNICAS
SELEÇÃO DAS
CÉLULAS
TRANSFORMADAS
Os protoplastos são células vegetais cujas
paredes celulares foram removidas por
processos mecânicos ou enzimáticos.
TRANSFERÊNCIA DIRETA DE DNA PARA PROTOPLASTOS
ELETROPORAÇÃO (DESCARGA ELÉTRICA)
A transformação de protoplastos baseia‐se
na abertura de poros das membranas
celulares através de:
• Tratamento com polietilenoglicol (PEG)
na presença de catiões divalentes (e.g.,
Ca2+)
• O PEG e o Ca2+ destabilizam a
membrana plasmática do protoplasto,
tornando‐a permeável ao DNA.
• Uma vez dentro do protoplasto o DNA
entra no núcleo e integra‐se no genoma.
Página 50
TRANSFERÊNCIA DIRETA DE DNA PARA PROTOPLASTOS
Podem ser cultivados in vitro e regenerar plantas completas;
São utilizados na obtenção de plantas híbridas, por fusão em cultura.
SOJA
Provavelmente é o alimento transgénico
que existe em maiores quantidades pelo
mundo (como o trigo).
A soja transgénica mais conhecida e
plantada é aquela que recebeu um gene
de uma bactéria que existe no solo
(Agrobacterium tumefaciens) e que lhe
confere resistência a herbicidas.
MILHO
É também conhecido por milho BT, pois
o gene inserido na planta provém de uma
bactéria chamada “Bacillus thuringiensis”.
Esta bactéria produz uma espécie de
“veneno” que mata os insetos após estes
se alimentarem do milho.
ALGODÃO
Produto transgénico comercializado, em que
as enzimas introduzidas oferecem uma maior
resistência contra larvas e contra herbicidas.
O objetivo desta produção é reduzir as
perdas de algodão devido a ataques de
insetos, e redução na utilização de
herbicidas.
ARROZ DOURADO
Possui dois genes retirados de narcisos e
um gene retirado de uma bactéria, estes
codificam uma substância chamada
betacaroteno, que é precursor da vitamina A.
Assim o arroz é fortalecido com vitamina A,
sendo considerado como uma vantagem
específica para os países subdesenvolvidos,
que tem uma fraca alimentação e carenciada
de vitaminas como esta.
CRIAÇÃO DE ANIMAIS
A criação de animais em espaços confinados e densamente
ocupados, como aviários e suiniculturas, permite produzir
grandes quantidades de carne em pouco tempo.
São, geralmente, administradas aos animais substâncias
com efeitos nefastos para a saúde humana (alergias,
resistências, desequilíbrios diversos):
Antibióticos – prevenção de doenças e inibição do
crescimento de bactérias da flora intestinal; os
nutrientes vão exclusivamente, para o crescimento do
animal.
Hormonas – aumento da produção de massa muscular,
conferindo ao animal maior peso.
Farinhas de origem animal – aumento da quantidade de
proteínas na alimentação do animal.
CRIAÇÃO DE ANIMAIS
CLONAGEM DE ANIMAIS
A clonagem de animais, como
ovelhas ou coelhos, pode ser
conseguida através de fecundação
in vitro seguida da divisão e
transferência de embriões.
As primeiras células que resultam da
divisão do zigoto são totipotentes e
podem ser separadas e cultivadas
em meio de cultura apropriado,
dando origem, cada uma delas, a um
embrião que é implantado no útero
de uma fêmea.
Esta técnica permite a seleção de
gâmetas de animais com
características vantajosas que, assim
vão originar numerosos
descendentes, num curto espaço de
tempo.
A generalização da clonagem animal
será acompanhada por uma perda de
variabilidade genética, que se traduz
numa menor capacidade de
adaptação da espécie às alterações
do ambiente.
CLONAGEM DE ANIMAIS
44.cultivo de plantas criação de animais2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
Nuno Correia
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Reprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistidaReprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistida
Telma Carvalho
 
Variabilidade
VariabilidadeVariabilidade
Variabilidade
Mariana Cordeiro
 
6 - Classificação de whittaker
6 - Classificação de whittaker6 - Classificação de whittaker
6 - Classificação de whittaker
Ana Castro
 
Meiose e reprodução sexuada I.pptx
Meiose e reprodução sexuada I.pptxMeiose e reprodução sexuada I.pptx
Meiose e reprodução sexuada I.pptx
mariagrave
 
FIV- 2
FIV- 2FIV- 2
FIV- 2
bcst12A
 
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Nuno Correia
 
Relatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 anoRelatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 ano
Mara Ferreira
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
João Leitão
 
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidadeTrabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidade
rui
 
Teste 1 versão ii
Teste 1 versão iiTeste 1 versão ii
Teste 1 versão ii
joseeira
 
Ppt 10 Ciclo Celular
Ppt 10    Ciclo CelularPpt 10    Ciclo Celular
Ppt 10 Ciclo Celular
Nuno Correia
 
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADAFT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
sandranascimento
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercícios
Nuno Correia
 
51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx
Isaura Mourão
 
Produção de gâmetas
Produção de gâmetasProdução de gâmetas
Produção de gâmetas
Tânia Reis
 
ciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exerciciosciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exercicios
emanuelcarvalhal765
 
Reprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistidaReprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistida
Helena Sousa
 
Bg 11 lamarquismo
Bg 11   lamarquismoBg 11   lamarquismo
Bg 11 lamarquismo
Nuno Correia
 

Mais procurados (20)

Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Reprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistidaReprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistida
 
Variabilidade
VariabilidadeVariabilidade
Variabilidade
 
6 - Classificação de whittaker
6 - Classificação de whittaker6 - Classificação de whittaker
6 - Classificação de whittaker
 
Meiose e reprodução sexuada I.pptx
Meiose e reprodução sexuada I.pptxMeiose e reprodução sexuada I.pptx
Meiose e reprodução sexuada I.pptx
 
FIV- 2
FIV- 2FIV- 2
FIV- 2
 
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
 
Relatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 anoRelatorio ciclos de vida 11 ano
Relatorio ciclos de vida 11 ano
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidadeTrabalho de biologia 12º   reprodução e manipulação da fertilidade
Trabalho de biologia 12º reprodução e manipulação da fertilidade
 
Teste 1 versão ii
Teste 1 versão iiTeste 1 versão ii
Teste 1 versão ii
 
Ppt 10 Ciclo Celular
Ppt 10    Ciclo CelularPpt 10    Ciclo Celular
Ppt 10 Ciclo Celular
 
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADAFT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
FT3 - REPRODUÇÃO SEXUADA
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercícios
 
51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx51 Reprodução assexuada (1).pptx
51 Reprodução assexuada (1).pptx
 
Produção de gâmetas
Produção de gâmetasProdução de gâmetas
Produção de gâmetas
 
ciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exerciciosciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exercicios
 
Reprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistidaReprodução medicamente assistida
Reprodução medicamente assistida
 
Bg 11 lamarquismo
Bg 11   lamarquismoBg 11   lamarquismo
Bg 11 lamarquismo
 

Destaque

Relatório pratica
Relatório praticaRelatório pratica
Relatório pratica
Juliana Mourão Ravasi
 
Aula (1) Ecossistemas E Biodiversidade
Aula (1)   Ecossistemas E BiodiversidadeAula (1)   Ecossistemas E Biodiversidade
Aula (1) Ecossistemas E Biodiversidade
eambiental
 
Quimica Ambiental. Manuel , Isabel
Quimica Ambiental. Manuel , IsabelQuimica Ambiental. Manuel , Isabel
Quimica Ambiental. Manuel , Isabel
Sousa1973
 
Apresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambiental
Apresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambientalApresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambiental
Apresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambiental
Luciana Dantas
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
Romulo Viana
 
Slide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileiraSlide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileira
Diego Vieira
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Bio
 
1001 Biotecnologia
1001 Biotecnologia 1001 Biotecnologia
1001 Biotecnologia
Viviane Moreira
 

Destaque (8)

Relatório pratica
Relatório praticaRelatório pratica
Relatório pratica
 
Aula (1) Ecossistemas E Biodiversidade
Aula (1)   Ecossistemas E BiodiversidadeAula (1)   Ecossistemas E Biodiversidade
Aula (1) Ecossistemas E Biodiversidade
 
Quimica Ambiental. Manuel , Isabel
Quimica Ambiental. Manuel , IsabelQuimica Ambiental. Manuel , Isabel
Quimica Ambiental. Manuel , Isabel
 
Apresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambiental
Apresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambientalApresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambiental
Apresentaã§ã£o do trabalho de quimica ambiental
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
Slide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileiraSlide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileira
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
 
1001 Biotecnologia
1001 Biotecnologia 1001 Biotecnologia
1001 Biotecnologia
 

Semelhante a 44.cultivo de plantas criação de animais2013

Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
mvezzone
 
Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose
Raví Emanoel de Melo
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Sirleitr
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Herbert de Carvalho
 
Canola chopinzinho 04 09 12
Canola chopinzinho 04 09 12Canola chopinzinho 04 09 12
Canola chopinzinho 04 09 12
Paulo Ricardo Ricardo
 
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdfEnsino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
AlejandrinaDominguez2
 
Caderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientesCaderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientes
Regiane Moura da Silva
 
Caderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientesCaderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientes
Joyce Muzy
 
Micropropagação.pdf
Micropropagação.pdfMicropropagação.pdf
Micropropagação.pdf
FranciscoFranca8
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
Rita Pereira
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
rigottims
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
claudinhaperia
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
URCA
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
João Siqueira da Mata
 
Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1
Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1
Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1
Mayjö .
 
Seres vivos 4 ecologia
Seres vivos 4 ecologiaSeres vivos 4 ecologia
Seres vivos 4 ecologia
claudinhaperia
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Reichard Felipe Kampmann
 
Biologia Lyndon Jhonson
Biologia   Lyndon JhonsonBiologia   Lyndon Jhonson
Biologia Lyndon Jhonson
Pré-Enem Seduc
 
Enem 2015
Enem 2015 Enem 2015
Enem 2015
Magali Feldmann
 
Semente historico e importância
Semente historico e importânciaSemente historico e importância
Semente historico e importância
Universidade Federal do Ceará - UFCE
 

Semelhante a 44.cultivo de plantas criação de animais2013 (20)

Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose
 
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICAProjeto  Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
Projeto Pesquisa TRANSIÇÃO DA AGRICULTURA CONVENCIONAL PARA AGROECOLÓGICA
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
 
Canola chopinzinho 04 09 12
Canola chopinzinho 04 09 12Canola chopinzinho 04 09 12
Canola chopinzinho 04 09 12
 
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdfEnsino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
 
Caderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientesCaderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientes
 
Caderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientesCaderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientes
 
Micropropagação.pdf
Micropropagação.pdfMicropropagação.pdf
Micropropagação.pdf
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Controle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragasControle biológico de_pragas
Controle biológico de_pragas
 
Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1
Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1
Influência do desenvolvimento na biodiversidade lúcia albano 9º1
 
Seres vivos 4 ecologia
Seres vivos 4 ecologiaSeres vivos 4 ecologia
Seres vivos 4 ecologia
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
 
Biologia Lyndon Jhonson
Biologia   Lyndon JhonsonBiologia   Lyndon Jhonson
Biologia Lyndon Jhonson
 
Enem 2015
Enem 2015 Enem 2015
Enem 2015
 
Semente historico e importância
Semente historico e importânciaSemente historico e importância
Semente historico e importância
 

Mais de Leonor Vaz Pereira

4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular
Leonor Vaz Pereira
 
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
Leonor Vaz Pereira
 
4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna
Leonor Vaz Pereira
 
52.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.1352.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.13
Leonor Vaz Pereira
 
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
Leonor Vaz Pereira
 
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
Leonor Vaz Pereira
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
Leonor Vaz Pereira
 
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 151.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
Leonor Vaz Pereira
 
45.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas201345.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas2013
Leonor Vaz Pereira
 
43.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos201343.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos2013
Leonor Vaz Pereira
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
Leonor Vaz Pereira
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosasMod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosas
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.4 trocas gasosas
Módulo a3.4   trocas gasosasMódulo a3.4   trocas gasosas
Módulo a3.4 trocas gasosas
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.3 obtenção de energia
Módulo a3.3   obtenção de energiaMódulo a3.3   obtenção de energia
Módulo a3.3 obtenção de energia
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.2 transporte nos animais
Módulo a3.2   transporte nos animaisMódulo a3.2   transporte nos animais
Módulo a3.2 transporte nos animais
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energiaMod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animaisMod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animais
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantasMod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Leonor Vaz Pereira
 

Mais de Leonor Vaz Pereira (20)

4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular
 
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
 
4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna
 
52.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.1352.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.13
 
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
 
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
 
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 151.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
 
45.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas201345.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas2013
 
43.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos201343.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos2013
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
 
Mod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosasMod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosas
 
Módulo a3.4 trocas gasosas
Módulo a3.4   trocas gasosasMódulo a3.4   trocas gasosas
Módulo a3.4 trocas gasosas
 
Módulo a3.3 obtenção de energia
Módulo a3.3   obtenção de energiaMódulo a3.3   obtenção de energia
Módulo a3.3 obtenção de energia
 
Módulo a3.2 transporte nos animais
Módulo a3.2   transporte nos animaisMódulo a3.2   transporte nos animais
Módulo a3.2 transporte nos animais
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
 
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energiaMod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energia
 
Mod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animaisMod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animais
 
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantasMod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

44.cultivo de plantas criação de animais2013

  • 1. EXPLORAÇÃO DAS POTENCIALIDADES DA BIOSFERA Biologia 12º ano abril 2013 Profª Leonor Vaz Pereira Cultivo de plantas e criação de animais
  • 2. BIOSFERA A biosfera é a parte da Terra onde se encontram os seres vivos. Ela compreende a superfície terrestre e a porção inferior da atmosfera e prolonga-se até o fundo dos oceanos. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais).
  • 3. Biodiversidade: Multiplicidade de seres vivos que se agrupam em populações que pertencem a diversas espécies que interagem numa variedade de comunidades e de ecossistemas. ECOSSISTEMA = FATORES BIÓTICOS + FATORES ABIÓTICOS Qualquer dos fatores do meio ambiente respeitantes a um organismo vivo. Ex: peixes; pato; plantas… Qualquer das influências ambientais que inclui a matéria não viva. Ex: luz, água,…
  • 4. RECICLAGEM DE MATÉRIA NOS ECOSSISTEMAS Realize a atividade da página 40
  • 5. A diversidade de elementos e de interações na biosfera possibilita as transformações de energia e a circulação de materiais entre o meio biótico e o abiótico que garante aos organismos a manutenção das suas funções vitais. O crescimento da população humana tem sido acompanhado por um aumento da exploração dos recursos da biosfera e pela introdução de desequilíbrios. Para fazer face à procura crescente de recursos alimentares, o Homem desenvolveu estratégias que permitem aumentar esses recursos. EXPLORAÇÃO DA BIOSFERA
  • 6. Uma necessidade crescente de alimentos ganhou expressão a partir da segunda metade do século XX, a par de um crescente desenvolvimento científico e tecnológico. As plantas, os animais e os produtos que deles derivam constituem, na sua quase totalidade, os recursos alimentares do Homem que são obtidos, essencialmente pela agricultura, pecuária e pesca. RECURSOS BIOLÓGICOS Pesca Pecuária Agricultura Caça Floresta
  • 7. desenvolvimento do equipamento agrícola; utilização de fertilizantes químicos e pesticidas. desenvolvimento de técnicas mais eficientes de irrigação; intensificação e modernização da pecuária e da aquacultura; melhoria das embarcações e das técnicas de pesca; aplicação da biotecnologia no melhoramento de espécies de organismos utilizados na alimentação humana e no aumento da sua produtividade. FATORES DETERMINANTES DO AUMENTO DA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS Página 42
  • 8. O arroz, o trigo e o milho fornecem mais de metade do total de calorias consumidas pelo Homem, sendo a principal fonte de alimento de dois terços da população mundial. Quando se pratica a agricultura criam-se condições ecológicas anormais, formando-se ecossistemas artificiais - os ecossistemas agrários ou agrossistemas. Nos países industrializados, o desenvolvimento de novos equipamentos e produtos de uso agrícola foi acompanhado da alteração de um modelo de agricultura tradicional, de tipo familiar, para a agricultura intensiva, assente na monocultura, PRÁTICAS AGRÍCOLAS
  • 9. Cultivo de pequenas áreas, em regime de policultura. Utilização de técnicas que preservam a rentabilidade do solo:  rotação de culturas;  pousio;  aplicação de adubos orgânicos;  associação de espécies com diferentes necessidades em elementos minerais;  rega manual, muitas vezes com recurso a desvio de água dos rios e ou a poços;  trabalho essencialmente manual ou com a ajuda de animais. AGRICULTURA TRADICIONAL EFEITOS DA AGRICULTURA TRADICIONAL: Mantém a fertilidade do solo. Não causa poluição do solo ou de água. Preservar os recursos hídricos. Produção de alimentos em pequena quantidade, que apenas satisfaz as necessidades familiares ou de uma pequena comunidade.
  • 10. Cultivo de grandes áreas, em regime de monocultura. As tecnologias aplicadas incluem:  aplicação de adubos sintéticos;  utilização de pesticidas;  rega automática;  trabalho executado por máquinas. AGRICULTURA INTENSIVA EFEITOS DA AGRICULTURA INTENSIVA: Produção de alimentos em grande quantidade, destinada a comércio. Rápido esgotamento dos elementos minerais do solo conduzindo à sua degradação e à desertificação. Redução da biodiversidade com aparecimento de doenças e de pragas. Excesso de adubos e pesticidas com poluição de solo e água. Grandes consumos de água na irrigação contribuindo para o esgotamento dos recursos hídricos. Consumo de grandes quantidades de energia fóssil.
  • 11. Degradação dos solos Erosão Perda de fertilidade Salinidade Desertificação Poluição do ar Emissão de gases de estufa Emissão de gases poluentes Emissão de pesticidas Riscos para a saúde Contaminação da água e comida por pesticidas ou agentes patogénicos. Perda de biodiversidade Perda de habitat Morte de peixes Morte de predadores Poluição da água Gasto excessivo de água Poluição de aquíferos e linhas de água superficiais. EXPLORAÇÃO DA BIOSFERA O aumento da produção de alimentos causa a degradação ambiental: Página 42
  • 12. Redução da biodiversidade Destruição de habitat Caça e pesca intensiva Comercialização de seres vivos com valor comercialPoluição Introdução de espécies exóticas EXPLORAÇÃO DA BIOSFERA
  • 13. ESPÉCIES AMEAÇADAS DA FAUNA E FLORA PORTUGUESAS cabra montês ibérica - Capra pyrenaica Cegonha preta Burro Lobo Carvalho-alvarinho Morcego carvernicula Grifo Lince ibérico Azevinho
  • 15. CULTURAS EM ESTUFAS Permitem: adaptar as condições climáticas e nutricionais às necessidades das plantas. Alteram o ambiente natural Elevados custos Microclimas  favorecem aparecimentos de parasitas Requer elevada protecção fitossanitária
  • 16. PRODUÇÃO DE ALIMENTOS OUTRAS ESTRATÉGICAS Reprodução seletiva; Propagação vegetativa; Cultura de tecidos e micropropagação vegetal; Cultura de protoplastos; Criação e clonagem de animais; Organismos transgénicos
  • 17. REPRODUÇÃO SELETIVA VANTAGENS DA REPRODUÇÃO SELETIVA obtenção de produtos de melhor qualidade, como frutos sementes, carne, leite, ovos ou peles; melhoria das capacidades de reprodução, o que permite obter uma descendência mais numerosa. obtenção de variedades de plantas e animais mais resistentes a doenças e a parasitas. É utilizada desde há vários séculos e baseia-se na seleção artificial para obter variedades de plantas ou animais com características vantajosas. Em cada geração, são promovidos os cruzamentos entre indivíduos que apresentam as características desejadas, aumentando a sua representatividade na geração seguinte. Página 43
  • 18. REPRODUÇÃO SELETIVA EM ANIMAIS Nos animais, a reprodução seletiva foi facilitada com o desenvolvimento das técnicas de inseminação artificial. O sémen de um macho com características vantajosas pode ser usado para inseminar uma grande quantidade de fêmeas.
  • 19. REPRODUÇÃO SELETIVA DESVANTAGENS Lentidão dos processos; Combinação de características de indivíduos limitadas à mesma espécie ou a espécies relacionadas; Perda de eficácia das variedades obtidas, num curto período de tempo, devido a pragas e doenças.
  • 20. PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Estas técnicas permitem a obtenção de clones de plantas com características desejáveis, por reprodução assexuada. A propagação por estaca, a mergulhia e a enxertia são algumas das técnicas tradicionais de propagação vegetativa. Página 44
  • 21. MICROPROPAGAÇÃO A micropropagação é uma extensão dos métodos tradicionais de propagação vegetativa. A clonagem de plantas com características desejáveis é obtida pela cultura in vitro de tecidos vegetais, num meio adequado, sólido ou líquido, em condições assépticas e na presença de reguladores de crescimento que induzem a manifestação da totipotência das células. As plantas possuem uma grande capacidade de regeneração porque as células vegetais sofrem desdiferenciação e manifestam a sua totipotência com facilidade.
  • 23. MICROPROPAGAÇÃO DESINFEÇÃO LAVAGENS EM ÁGUA DESTILADA MEIO DE CULTURA COM NUTRIENTES E HORMONAS COLOCAÇÃO EM CULTURA 1º DIA
  • 24. MICROPROPAGAÇÃO MICROPOPAGAÇÃO 6 SEMANAS MAIS TARDE MICROPOPAGAÇÃO OU ENRAIZAMENTO 4 SEMANAS MAIS TARDE FRAGMENTAÇÃO CALO MEIO DE ENRAIZAMENTO PLÂNTULA MICRORREBENTOS
  • 26. MICROPROPAGAÇÃO Um pequeno fragmento de uma planta, o explante é colocado em cultura in vitro em condições que favorecem a perda de especialização celular e a formação do tecido caloso. Milhões de rebentos podem ser obtidos a partir de um único fragmento inicial da planta. O tecido caloso pode ser dividido e subcultivado por sucessivas gerações. O tecido caloso é um tecido muito heterogéneo formado por uma massa de células, predominantemente parenquimatosas em proliferação. Página 45
  • 27. TÉCNICA DE MICROPROPAGAÇÃO As células do tecido caloso podem ser induzidas a regenerar plantas completas através de : Embriogénese somática – consiste na produção de estruturas semelhantes a embriões a partir de células somáticas. Os embriões somáticos sofrem um desenvolvimento em plântulas semelhante aos embriões zigóticos. Organogénese – consiste na formação de estruturas caulinares ou radiculares a partir do tecido caloso. Também pode verificar-se organogénese directamente a partir do explante. As plântulas regeneradas in vitro são, posteriormente, aclimatizadas e transferidas para o solo.
  • 28. A manipulação dos reguladores de crescimento adicionados ao meio de cultura, principalmente auxinas e citocininas, permite orientar o processo de regeneração. De um modo geral, uma razão auxina/citocinina elevada induz a formação de tecido caloso e a sua diferenciação em primórdios radiculares e uma razão auxina/citocinina baixa induz a diferenciação das células do tecido caloso em meristemas caulinares. TÉCNICA DE MICROPROPAGAÇÃO
  • 29. MICROPROPAGAÇÃO VANTAGENS DA CLONAGEM DE PLANTAS Produção numerosa, rápida, económica e homogénea; Recurso a um só indivíduo, selecionado pelas suas características; Presença das características desejadas em todo o clone; Plantas com maior vigor. DESVANTAGENS DA CLONAGEM DE PLANTAS técnica altamente especializada; grande redução da diversidade das espécies cultivadas. maior sensibilidade a doenças dada a homogeneidade das culturas.
  • 30. A tecnologia do DNA recombinante tornou possível a manipulação do genoma de plantas e animais utilizados na alimentação humana, com determinados objectivos: Melhoramento das propriedades nutritivas; Aumento da produção de carne, leite, sementes, frutos, etc.; Aumento da resistência a doenças e pragas; Tolerância a condições ambientais adversas; Resistência a herbicidas; Alteração da maturação dos frutos. ORGANISMOS TRANSGÉNICOS
  • 31. Transgénicos vs OGM Transgénico OGM A cor original das cenouras era branca, no entanto alguns agricultores conseguiram torná-las laranja, tal como as conhecemos. Introdução do gene LT-B (que codifica a subunidade B da enterotoxina da bactéria E. coli) na banana, com o objetivo de obter um antigénio utilizável como vacina oral contra a cólera. Já há vários anos que o Homem tem vindo a criar novas raças ou a melhorar determinada raça através de cruzamentos genéticos.
  • 32. Transgénicos vs OGM Transgénico OGM Milho Bt: introdução de um gene da bactéria Bacillus thuringiensis que leva à produção de proteínas tóxicas para determinados insetos. O Homem realiza enxertos nas vinhas para melhorar a sua resistência aos solos ou condições atmosféricas. Suíno produtor de hemoglobina humana, através da introdução do gene humano que codifica para esta proteína.
  • 33. A transformação genética depende da introdução estável do transgene no genoma da planta. Métodos para atingir este objetivo: a) Transformação genética mediada por Agrobacterium b) Bombardeamento de partículas (ou biolística) c) Transferência de DNA para protoplastos
  • 34. TRANSFORMAÇÃO GENÉTICA MEDIADA POR AGROBACTERIUM Página 47 Agrobacterium tumefaciens A. tumefaciens Plasmídio Ti T-DNA DNA cromossômico T-DNA Célula vegetal transformada Tumor da galha Cromossomo Na transformação genética das plantas é frequente a utilização como vetor do plasmídeo de Agrobacterium tumefaciens. Esta espécie de bactéria vive no solo e infeta as plantas causando tumores.
  • 35. A capacidade infeciosa reside num gene do plasmídeo. O plasmídeo pode ser manipulado de modo a substituir o oncogene por um gene de interesse que é transportado para a planta. As plantas transgénicas são fáceis de obter porque possuem um ciclo de vida curto, produzem uma descendência numerosa e têm uma grande capacidade de regeneração. TRANSFORMAÇÃO GENÉTICA MEDIADA POR AGROBACTERIUM
  • 36. Co-cultivo de células da planta com Agrobacterium “desarmada” Transferência para meio de cultura com antibiótico, herbicida ou outro método de seleção Regeneração da planta transgênica Testes da planta transgênica em laboratório e mais tarde a campo PRINCIPAIS ETAPAS DA TRANSFORMAÇÃO VIA AGROBACTERIUM TUMEFACIENS
  • 37. BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA O bombardeamento de partículas foi desenvolvido com o objetivo de transformar cereais, como o trigo, que não são infetados por Agrobacterium. Página 48 http://www6.ufrgs.br/plantas/destaques/pistoladegenes.swf -
  • 38. Esta técnica recorre a um aparelho, que permite disparar, sobre as células ou tecidos vegetais, minúsculas esferas de metal (de tungsténio ou ouro) revestidas com DNA do vetor de expressão. Desta forma, as micropartículas atravessam a parede celular, introduzindo o DNA no núcleo de algumas células. BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA
  • 39. A análise histoquímica dois dias após o bombardeamento permite determinar o sucesso da transformação. O número de pontos azuis corresponde aos pontos em que ocorreu integração do gene e sua expressão. Após a incorporação do(s) gene(s) no genoma da planta, as células podem expressá-lo, com a consequente produção da proteína por ele codificada. BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA
  • 40. BOMBARDEAMENTO DE PARTÍCULAS OU BIOLÍSTICA/BIOBALÍSTICA GENE DE INTERESSEMICROPARTÍCULAS DE OURO DNA ADERE ÀS PARTÍCULAS ACELERAÇÃO DAS PARTÍCULAS LIBERTAÇÃO DO DNA NO NÚCLEO REGENERAÇÃO DAS PLANTAS TRANSGÊNICAS SELEÇÃO DAS CÉLULAS TRANSFORMADAS
  • 41. Os protoplastos são células vegetais cujas paredes celulares foram removidas por processos mecânicos ou enzimáticos. TRANSFERÊNCIA DIRETA DE DNA PARA PROTOPLASTOS ELETROPORAÇÃO (DESCARGA ELÉTRICA) A transformação de protoplastos baseia‐se na abertura de poros das membranas celulares através de: • Tratamento com polietilenoglicol (PEG) na presença de catiões divalentes (e.g., Ca2+) • O PEG e o Ca2+ destabilizam a membrana plasmática do protoplasto, tornando‐a permeável ao DNA. • Uma vez dentro do protoplasto o DNA entra no núcleo e integra‐se no genoma. Página 50
  • 42. TRANSFERÊNCIA DIRETA DE DNA PARA PROTOPLASTOS Podem ser cultivados in vitro e regenerar plantas completas; São utilizados na obtenção de plantas híbridas, por fusão em cultura.
  • 43. SOJA Provavelmente é o alimento transgénico que existe em maiores quantidades pelo mundo (como o trigo). A soja transgénica mais conhecida e plantada é aquela que recebeu um gene de uma bactéria que existe no solo (Agrobacterium tumefaciens) e que lhe confere resistência a herbicidas. MILHO É também conhecido por milho BT, pois o gene inserido na planta provém de uma bactéria chamada “Bacillus thuringiensis”. Esta bactéria produz uma espécie de “veneno” que mata os insetos após estes se alimentarem do milho.
  • 44. ALGODÃO Produto transgénico comercializado, em que as enzimas introduzidas oferecem uma maior resistência contra larvas e contra herbicidas. O objetivo desta produção é reduzir as perdas de algodão devido a ataques de insetos, e redução na utilização de herbicidas. ARROZ DOURADO Possui dois genes retirados de narcisos e um gene retirado de uma bactéria, estes codificam uma substância chamada betacaroteno, que é precursor da vitamina A. Assim o arroz é fortalecido com vitamina A, sendo considerado como uma vantagem específica para os países subdesenvolvidos, que tem uma fraca alimentação e carenciada de vitaminas como esta.
  • 45. CRIAÇÃO DE ANIMAIS A criação de animais em espaços confinados e densamente ocupados, como aviários e suiniculturas, permite produzir grandes quantidades de carne em pouco tempo.
  • 46. São, geralmente, administradas aos animais substâncias com efeitos nefastos para a saúde humana (alergias, resistências, desequilíbrios diversos): Antibióticos – prevenção de doenças e inibição do crescimento de bactérias da flora intestinal; os nutrientes vão exclusivamente, para o crescimento do animal. Hormonas – aumento da produção de massa muscular, conferindo ao animal maior peso. Farinhas de origem animal – aumento da quantidade de proteínas na alimentação do animal. CRIAÇÃO DE ANIMAIS
  • 47. CLONAGEM DE ANIMAIS A clonagem de animais, como ovelhas ou coelhos, pode ser conseguida através de fecundação in vitro seguida da divisão e transferência de embriões. As primeiras células que resultam da divisão do zigoto são totipotentes e podem ser separadas e cultivadas em meio de cultura apropriado, dando origem, cada uma delas, a um embrião que é implantado no útero de uma fêmea.
  • 48. Esta técnica permite a seleção de gâmetas de animais com características vantajosas que, assim vão originar numerosos descendentes, num curto espaço de tempo. A generalização da clonagem animal será acompanhada por uma perda de variabilidade genética, que se traduz numa menor capacidade de adaptação da espécie às alterações do ambiente. CLONAGEM DE ANIMAIS