SlideShare uma empresa Scribd logo
Biologia 12º ano
maio 2013
Leonor Vaz Pereira
Poluição e degradação de
recursos – Parte II
TEMA 5
PRESERVAR E RECUPERAR O MEIO AMBIENTE
Que soluções para o efeito da atividade humana
sobre o ambiente?
Situação Problemática
Que atividades
humanas tem
contribuído para a
contaminação do
planeta?
Quais os principais
contaminantes do ar,
água e solo?
Quais os impactes ao
nível dos ecossistemas
e da saúde?
Capítulo 2.
Crescimento da população
humana e sustentabilidade
Capítulo 1.1.
Contaminantes
da atmosfera, do
solo e da água e
seus efeitos
fisiológicos
Porque é que as águas
residuais são um dos
principais fatores de
contaminação?
Como diminuir os
impactes da atividade
humana?
De que modo se
podem controlar as
emissões gasosas?
Que fatores tem
condicionado o
desenvolvimento da
população humana ao
longo do tempo
Quais as consequências da
explosão demográfica para a
qualidade de vida?
Quais as consequências da
explosão demográfica para o
meio ambiente
O nível de desenvolvimento
condicionará o seu
crescimento?
Implica
domínio das
temáticas
Reprodução e
manipulação da
fertilidade
U1
Património
genético e
alterações do
material genético
U2
Imunidade e
controlo de
doenças
U3
Produção de
alimentos e
sustentabilidade
U4
POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
Contaminação do ar por substâncias capazes de causar danos aos seres humanos,
a outras formas de vida e a materiais diversos.
As atividades humanas ou certos fenómenos naturais dão origem a poluentes
atmosféricos.
Composição da
atmosfera da Terra
O gráfico inferior representa os
gases residuais que, ao todo,
compõem 0,039% da atmosfera.
Os valores foram normalizados para propósitos ilustrativos. Os números
são de medidas feitas em uma variedade de anos (especialmente 1987,
com dados de CO2 e metano de 2009) e não representam uma fonte
única.
Estratificação da atmosfera
A atmosfera é constituída
por uma série de camadas
horizontais sobrepostas,
separadas umas das outras
por zonas de inversão de
temperatura, que resulta
de diferenças na absorção de
energia solar que incide na
Terra.
Essas camadas são, a partir
da superfície terrestre, a
troposfera, a estratosfera,
a mesosfera, a termosfera
e esosfera.Página 79
Estratosfera
Camada rica em ozono. Este gás origina-se a partir
de moléculas de oxigénio que interagem com a
radiação ultravioleta emitida pelo sol.
Poluição atmosférica
A poluição atmosférica afeta, principalmente, a
troposfera e a estratosfera.
Segundo a OMS, mais de mil milhões de pessoas
vivem em locais onde o ar é insalubre.
Origem dos poluentes
A Poluição do ar ocorre quando são
lançadas para a atmosfera partículaspartículas,
gases e vaporesgases e vapores (aerossóis) gerados por
indústrias, centrais termoelétricas (fontes
fixas) ...
... veículos automotores, navios,
comboios, aviões ... (fontes móveis)
Principais Poluentes da
Atmosfera
Página 81
Página 81
Principais Poluentes da
Atmosfera
Classificação dos poluentes
atmosféricos
Página 80
POLUENTES PRIMÁRIOSPOLUENTES PRIMÁRIOS
- emitidos diretamente
para a troposfera numa
forma potencialmente
prejudicial a partir de
fontes identificáveis (CO,
NOx, SO2, HCs e material
específico)
POLUENTES SECUNDÁRIOSPOLUENTES SECUNDÁRIOS
- produzidos na atmosfera
pela interação entre dois ou
mais poluentes primários,
com ou sem ativação
fotoquímica (O3, HNO3,
H2SO4, H2O2, PAN -
peroxinitratos).
Efeito do clima
inversões térmicas
Geralmente, o ar atmosférico é mais quente
na parte de baixo (recebe o calor
armazenado no solo) e, sendo menos denso,
tende a subir, enquanto o ar frio passa para
baixo (convecção térmica), dispersando a
poluição.
No inverno, como o solo fica mais frio, há
uma inversão dessas camadas : como não há
convecção, os poluentes ficam presos na
camada fria inferior.
Impactes da poluição
atmosférica
A circulação do ar (ventos)
faz com que a poluição
atmosférica, mesmo quando
originada por fontes locais,
atinja facilmente uma
dimensão regional ou
global.
O nevoeiro fotoquímico;
as chuvas ácidas, o efeito
de estufa e a rarefação do
ozono estratosférico são
problemas provocados pela
poluição atmosférica com
impacte global no planeta.Página 82
Nevoeiro fotoquímico
Página 82
 O nevoeiro fotoquímico,
também conhecido por SmogSmog,
consiste numa mistura de
poluentes primáriospoluentes primários
(Monóxido de Carbono, Dióxido
de Enxofre ) e poluentespoluentes
secundáriossecundários, como por exemplo
o ozono, formados sob a
influência da luz solar.
Nevoeiro fotoquímico
É um aerossol branco , intensamenteintensamente
irritante aos olhos e mucosasirritante aos olhos e mucosas, composto
por uma série de poderosos agentes
oxidantes, com o ozono, peroxinitratos
(ROONO2) e aldeídos (carros a álcool).
Este tipo de poluição torna-se mais
evidente nos dias secos e quentes.
Nevoeiro fotoquímico
Chuvas ácidas
As chuvas normais têm um pH de, aproximadamente, 5,6.
A chuva ácida é caracterizada por um pH abaixo de 4,5.
Os óxidos de enxofre e os óxidos de azoto de origem antrópica,
sobre tudo queima de combustíveis fósseis em centrais
termoeléctricas, indústria e transportes rodoviários, reagem com
o vapor de água atmosférico e originam ácido sulfúrico e ácido
nítrico.
Uma vez formados, os ácidos precipitam na superfície terrestre.
Chuvas ácidas
Página 83
Efeitos das chuvas ácidas
O baixo pH também faz circular metais
pesados como o alumínio nos lagos.
O alumínio faz com que alguns peixes
produzam muco em excesso ao redor de
suas guelras, prejudicando a respiração.
O crescimento de fitoplâncton
é inibido pelos grandes níveis
de acidez e os animais que se
alimentam dele são
prejudicados.
Página 84
Efeitos das chuvas ácidas
O crescimento das raízes
torna-se lento e em
consequência, menos
nutrientes são
transportados.
A superfície cerosa das
folhas é rompida e os
nutrientes são perdidos,
tornando as árvores mais
susceptíveis a gelo, fungos
e insetos
Página 84
Efeitos das chuvas ácidas
Página 84
Efeitos das chuvas ácidas
• Destruição de florestas, por ação direta sobre
as plantas ou indireta pela acidificação do
solo;
• Desequilíbrios nos ecossistemas aquáticos
provocados pela morte dos peixes e libertação
de iões tóxicos (alumínio, cobre, etc);
• Aumento da frequência e gravidade de
doenças respiratórias em seres humanos, como
a bronquite e a asma;
• Libertação de metais pesados, como cobre e
chumbo, das canalizações para a água de
consumo público;
• Degradação de monumentos,
particularmente de calcário e mármore.
Efeito de estufa
Fenómeno
natural que se
traduz pelo
aquecimento
das baixas
camadas da
atmosfera
devido à
presença de
certos gases.Página 86
Efeito de estufa
Caracterização
Da radiação solar
que incide na Terra
uma parte é refletida
pela atmosfera ou
absorvida pelo ozono
estratosférico. A que
atinge a superfície
terrestre gera calor,
que é irradiado sob a
forma de radiação
infravermelha.
Efeito de estufa
Efeito de estufa
Caracterização
Os gases “de estufa” (vapor de água,
dióxido de carbono, ozono, CFC’s)
absorvem alguma radiação
infravermelha emitida pela superfície
da Terra e radiam por sua vez
alguma da energia absorvida de volta
para a superfície.
Como resultado, a superfície recebe
quase o dobro de energia da
atmosfera, do que a que recebe do Sol
e a superfície fica cerca de 30ºC mais
quente do que estaria sem a presença
dos gases “de estufa” (-18ºC).
Cerca de 30% da
radiação infravermelha
volta para o espaço
Calor aprisionado
pelo excesso de
dióxido de carbono
Dióxido de carbono
libertado pela
aeronave
Os oceanos aquecem libertando
vapor de água que contribui para o
aquecimento da atmosfera
Superfície da terra
irradia o calor de volta
para a atmosfera
Radiação
solar
absorvida
pela Terra
Queima de combustíveis
fósseis e emissão de gases
pelos veículos automotores
A desflorestação
aquece a Terra
As fábricas libertam
dióxido de carbono
OUTROS ELEMENTOS QUE CONTRIBUEM PARA O EFEITO DE ESTUFA:
METANO, ÓXIDO NITROSO,DIÓXIDO DE ENXOFRE,METANO, ÓXIDO NITROSO,DIÓXIDO DE ENXOFRE,
CFC, VAPOR D’ÁGUA, OZONOCFC, VAPOR D’ÁGUA, OZONO
Gases com efeito de estufa
Aquecimento global
Consequências do
Aquecimento global
Elevação do nível dos mares
provocada por:
- dilatação térmica da massa de
água oceânica.
- degelo das calotas polares e
geleiras.
Alterações climáticas em todo o
planeta;
- aumento de tempestades.
- ondas de calor.
- alterações no ciclo das chuvas.
Consequências do
Aquecimento global
Aumento da biomassa terrestre e oceânica provocada por:
- aceleração da função clorofiliana.
- aumento do teor de CO2 dissolvido nos oceanos, com
aumento de organismos com exoesqueletos de
carbonato de cálcio.
Modificações profundas na vegetação típica de cada região
e altitude.
Aumento na incidência de doenças e proliferação de insetos
nocivos ou vetores de doenças, o que poderá resultar
em grandes alterações sociais.
Degelo lento e continuado
das calotes polares
Efeito de Estufa, como
evitar?
Diminuir a desflorestação progressiva e tentar reflorestar
as áreas que se encontram destruídas pelo homem;
Utilizar transportes coletivos ou não poluentes;
Utilizar energias alternativas como a energia eólica;
Limpar as matas de modo a tentar evitar incêndios de
grandes dimensões;
Controlar a emissão de gases por parte das indústrias
(instalação de filtros);
Reduzir a queima de resíduos urbanos, industriais,
agrícolas e florestais, tais como explosivos, resinas, tintas,
plásticos e pneus;
O PROTOCOLO DE KYOTO (1997)
 Acordo internacional, assinado por 84 países, em 1997, em
Kyoto no Japão, que estabelece, entre 2008 e 2012, a redução de
5,2% dos gases-estufa, em relação aos níveis em 1990.
METAS DE REDUÇÃOMETAS DE REDUÇÃO
Países da União Européia – 8%
Estados Unidos – 7%
Japão – 6%
Para a China e os países em
desenvolvimento, como Brasil, Índia e
México, ainda não foram estabelecidos
níveis de redução Balão com os dizeres “Bush & Co. = desastre ambiental”
na Patagônia (Argentina) em protesto contra os E.U.A
O ozono é responsável pela absorção de uma porção
de uma radiação solar, impedindo-a de atingir a
superfície do planeta, nomeadamente das radiações
UV-B.
Camada de ozono
Como se forma a camada de
Ozono?
OOUVO
OOO
OOUVO
+→+
→+
+→+
23
32
2
Buraco da camada de OzonoBuraco da camada de Ozono
Página 87
Os CFCs sobem lentamente para camadas superiores à
camada de ozono.
Os raios ultravioletas decompõe os CFCs, libertando átomos
de cloro (Cl).
O cloro como é mais denso, desce, voltando para a camada
de ozono, destruindo-o.
Como se forma o buraco na
camada de Ozono?
Página 88
Outros destruidores da camada de ozono:
•tetracloreto de carbono (um solvente);
•dióxido de nitrogénio (utilizado na composição do ácido
nítrico);
•metilclorofórmio (anestésico e solvente) usados em lavagem
a seco e no ramo farmacêutico;
•"halons", usados em alguns extintores de incêndio, que
contém bromo e são dez vezes mais destruidores de ozono do
que os CFCs.
 
O CFC tem uma vida útil de pelo menos 75 anos.
1 CFC destrói 100 mil moléculas de ozono
POR QUE É A ANTÁRTIDA A
REGIÃO MAIS AFETADA?
VÓRTICE POLAR
 Na Antártida, devido ao rigoroso inverno de seis mesesdevido ao rigoroso inverno de seis meses, essa
circulação de ar não ocorre. Então formam-se círculos de convecção
exclusivos daquela área, chamados de vórtex ou vórtice polar.
 O vórtice isola a atmosfera Antártida e impede a entrada de ozono,
essencialmente produzida sobre os trópicos e transportado até lá pelos
ventos. Assim, os poluentes atraídos durante o verão, ficam retidos na
Antártida até que sobem para a estratosfera.
 Em todo o mundo, as massas de
ar circulam, por isso, um
poluente lançado em Portugal,
pode ir parar ao Brasil devido às
correntes de convecção.
Rarefação da camada de
ozono estratosférico
In: “Ozone Bulletin and data”. Descarregado de: http://www.wmo.ch/web/arep/ozone.html em 12/09/02
Em Setembro, com o início da primavera, os compostos acumulados
começam a dissociar-se, iniciando então uma destruição em larga
escala do ozono local, situação que se perpétua até Novembro,
quando a circulação se modifica, com a entrada de ar oriundo de
outras regiões e a constante recomposição da camada local de ozono.
 AUMENTO DA INCIDÊNCIA DOS VÁRIOS TIPOS DE CANCRO DE
PELE.
 ALTERAÇÃO DO PROCESSO DE FOTOSSÍNTESE.
LEVANDO A REDUÇÃO DAS COLHEITAS AGRÍCOLAS
 DESTRUIÇÃO DO FITOPLÂNCTON
 MODIFICAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO TÉRMICA E A CIRCULAÇÃO DO
AR NO PLANETA.
 AGRAVAMENTO O EFEITO ESTUFA.
CONSEQUÊNCIAS DA DESTRUIÇÃO
DA CAMADA DE OZONO
DESTILAÇÃO GLOBALDESTILAÇÃO GLOBAL
 A destilação global é um processo geoquímico em que certos produtos
químicos, como os poluentes orgânicos persistentes (POPS) se deslocam das
zonas mais quentes do globo para as regiões mais frias. Este processo é o
causador da elevada concentração de gases tóxicos em zonas em que não são
produzidos, é o que acontece no Ártico.
PARTÍCULAS SÓLIDAS
A acumulação destas
partículas sólidas geradas pela
atividade industrial, envolve as
áreas industrializadas com
uma poeira, reduzindo a
visibilidade.
 Várias dessas partículas ficam
retidas nos pulmões causando
graves problemas respiratórios
ou agravando os que já
existem.
Soluções para poluição
atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meio ambiente e poluição
Meio ambiente e poluição Meio ambiente e poluição
Meio ambiente e poluição
luz_19
 
Tratamento de Água
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Tratamento de Água
Nuno Correia
 
Poluição de...
Poluição de...Poluição de...
Poluição de...
PanquecasSIAA
 
Turma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambientalTurma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambiental
Antonio Fernandes
 
Desequilibrios causados pelo homem- 5º A
Desequilibrios causados pelo homem- 5º ADesequilibrios causados pelo homem- 5º A
Desequilibrios causados pelo homem- 5º A
emefelza
 
AlteraçãO Da Qualidade Da áGua
AlteraçãO Da Qualidade Da áGuaAlteraçãO Da Qualidade Da áGua
AlteraçãO Da Qualidade Da áGua
Nuno Correia
 
Poluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentaçãoPoluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentação
Maria Paredes
 
Unidade 5 Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)
Unidade 5   Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)Unidade 5   Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)
Unidade 5 Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)
Nuno Correia
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
Paulo Vaz
 
Solo - Biologia
Solo - BiologiaSolo - Biologia
Solo - Biologia
12anogolega
 
Poluição de água eutrofização
Poluição de água   eutrofizaçãoPoluição de água   eutrofização
Poluição de água eutrofização
geehrodrigues
 
Fontes de poluição
Fontes de poluiçãoFontes de poluição
Fontes de poluição
evaz1
 
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
Guilherme Lopes
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
fefemrc
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
Maria Paredes
 
Poluição de Solos
Poluição de SolosPoluição de Solos
Poluição de Solos
Luís Filipe Marinho
 
Poluição e saúde pública
Poluição e saúde pública Poluição e saúde pública
Poluição e saúde pública
Lewis Sophia
 
Integração meio ambiente
Integração meio ambienteIntegração meio ambiente
Integração meio ambiente
herliane
 
Poluição do solo geomorfologia
Poluição do solo   geomorfologiaPoluição do solo   geomorfologia
Poluição do solo geomorfologia
Rodrigo Sousa
 
Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014
Eduardo De Souza Ferreira
 

Mais procurados (20)

Meio ambiente e poluição
Meio ambiente e poluição Meio ambiente e poluição
Meio ambiente e poluição
 
Tratamento de Água
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Tratamento de Água
 
Poluição de...
Poluição de...Poluição de...
Poluição de...
 
Turma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambientalTurma 211 desequilíbrio ambiental
Turma 211 desequilíbrio ambiental
 
Desequilibrios causados pelo homem- 5º A
Desequilibrios causados pelo homem- 5º ADesequilibrios causados pelo homem- 5º A
Desequilibrios causados pelo homem- 5º A
 
AlteraçãO Da Qualidade Da áGua
AlteraçãO Da Qualidade Da áGuaAlteraçãO Da Qualidade Da áGua
AlteraçãO Da Qualidade Da áGua
 
Poluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentaçãoPoluição dos solos apresentação
Poluição dos solos apresentação
 
Unidade 5 Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)
Unidade 5   Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)Unidade 5   Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)
Unidade 5 Impacte Ambiental (Contaminantes Da áGua)
 
Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
Solo - Biologia
Solo - BiologiaSolo - Biologia
Solo - Biologia
 
Poluição de água eutrofização
Poluição de água   eutrofizaçãoPoluição de água   eutrofização
Poluição de água eutrofização
 
Fontes de poluição
Fontes de poluiçãoFontes de poluição
Fontes de poluição
 
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Poluição de Solos
Poluição de SolosPoluição de Solos
Poluição de Solos
 
Poluição e saúde pública
Poluição e saúde pública Poluição e saúde pública
Poluição e saúde pública
 
Integração meio ambiente
Integração meio ambienteIntegração meio ambiente
Integração meio ambiente
 
Poluição do solo geomorfologia
Poluição do solo   geomorfologiaPoluição do solo   geomorfologia
Poluição do solo geomorfologia
 
Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014Poluição hídrica2014
Poluição hídrica2014
 

Destaque

Poluição Atmosférica
Poluição AtmosféricaPoluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
klint
 
Tratamento de Ozônio
Tratamento de OzônioTratamento de Ozônio
Tratamento de Ozônio
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Panozon, tratamento com ozônio
Panozon, tratamento com ozônioPanozon, tratamento com ozônio
Panozon, tratamento com ozônio
Henrimar Piscinas Henrimar
 
Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01
Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01
Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01
Sol e Lazer Piscinas
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
gustavoericardo
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Renata Sofia
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
meninas9d
 
Poluição atmosférica apresentação blog
Poluição atmosférica   apresentação blogPoluição atmosférica   apresentação blog
Poluição atmosférica apresentação blog
Giselepriva
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Tânia Reis
 
Guia Pratico para Tratamento de Piscinas HTH
Guia Pratico para Tratamento de Piscinas HTHGuia Pratico para Tratamento de Piscinas HTH
Guia Pratico para Tratamento de Piscinas HTH
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Poluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalhoPoluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalho
Mayjö .
 
Manual Limpeza
Manual LimpezaManual Limpeza
Manual Limpeza
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Curso Básico de Tratamento para Piscinas
Curso Básico de Tratamento  para PiscinasCurso Básico de Tratamento  para Piscinas
Curso Básico de Tratamento para Piscinas
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
RafaelSampaio
 
Poluição Atmosférica
Poluição Atmosférica Poluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
kyzinha
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Andreia Pereira
 
Poluição Atmosférica
Poluição AtmosféricaPoluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
marco :)
 
Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
Polo UAB de Alagoinhas
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
Helena Marques
 
A Poluição Ambiental - Powerpoint
A Poluição Ambiental - PowerpointA Poluição Ambiental - Powerpoint
A Poluição Ambiental - Powerpoint
picoalto
 

Destaque (20)

Poluição Atmosférica
Poluição AtmosféricaPoluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
 
Tratamento de Ozônio
Tratamento de OzônioTratamento de Ozônio
Tratamento de Ozônio
 
Panozon, tratamento com ozônio
Panozon, tratamento com ozônioPanozon, tratamento com ozônio
Panozon, tratamento com ozônio
 
Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01
Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01
Sodramar Revista Piscinas e Saunas 01
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Poluição atmosférica apresentação blog
Poluição atmosférica   apresentação blogPoluição atmosférica   apresentação blog
Poluição atmosférica apresentação blog
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Guia Pratico para Tratamento de Piscinas HTH
Guia Pratico para Tratamento de Piscinas HTHGuia Pratico para Tratamento de Piscinas HTH
Guia Pratico para Tratamento de Piscinas HTH
 
Poluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalhoPoluição atmosférica trabalho
Poluição atmosférica trabalho
 
Manual Limpeza
Manual LimpezaManual Limpeza
Manual Limpeza
 
Curso Básico de Tratamento para Piscinas
Curso Básico de Tratamento  para PiscinasCurso Básico de Tratamento  para Piscinas
Curso Básico de Tratamento para Piscinas
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Poluição Atmosférica
Poluição Atmosférica Poluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Poluição Atmosférica
Poluição AtmosféricaPoluição Atmosférica
Poluição Atmosférica
 
Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
A Poluição Ambiental - Powerpoint
A Poluição Ambiental - PowerpointA Poluição Ambiental - Powerpoint
A Poluição Ambiental - Powerpoint
 

Semelhante a 51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica

Power Point Pinto
Power  Point  PintoPower  Point  Pinto
Power Point Pinto
elvira.sequeira
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicações
guest3eaec9
 
Biologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luisBiologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luis
becresforte
 
Pertubnosecossistemas 8cap1011 powerpoint
Pertubnosecossistemas 8cap1011 powerpointPertubnosecossistemas 8cap1011 powerpoint
Pertubnosecossistemas 8cap1011 powerpoint
Carla Ramalho
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Carla Ramalho
 
Ciências naturais: Efeito estufa
Ciências naturais: Efeito estufaCiências naturais: Efeito estufa
Ciências naturais: Efeito estufa
Mariana Silva
 
Poluição do ar e suas consequências
Poluição do ar e suas consequênciasPoluição do ar e suas consequências
Poluição do ar e suas consequências
Geandre Costa Costa
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
Danielle1610
 
Atmosfera - Biologia
Atmosfera - BiologiaAtmosfera - Biologia
Atmosfera - Biologia
12anogolega
 
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕESFUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
PerilaMRebouas
 
Poluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.pptPoluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.ppt
IsabelMaria77
 
Poluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.pptPoluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.ppt
IsabelMaria77
 
Atmosfera, o ar que respiramos(1)
Atmosfera, o ar que respiramos(1)Atmosfera, o ar que respiramos(1)
Atmosfera, o ar que respiramos(1)
12anogolega
 
Parte 3
Parte 3Parte 3
Parte 3
zeopas
 
Poluição e desertificao final
Poluição e desertificao finalPoluição e desertificao final
Poluição e desertificao final
bfp1997
 
Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
elsamariana
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
Paulo Santos
 
Desiquilibrio Ambiente
Desiquilibrio AmbienteDesiquilibrio Ambiente
Desiquilibrio Ambiente
Sérgio Luiz
 
Ambiente E Sociedade Atmosfera Parte II
Ambiente E Sociedade Atmosfera Parte IIAmbiente E Sociedade Atmosfera Parte II
Ambiente E Sociedade Atmosfera Parte II
Pedui
 
Fisica nosso mundo
Fisica nosso mundoFisica nosso mundo
Fisica nosso mundo
Antonio Carneiro
 

Semelhante a 51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica (20)

Power Point Pinto
Power  Point  PintoPower  Point  Pinto
Power Point Pinto
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicações
 
Biologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luisBiologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luis
 
Pertubnosecossistemas 8cap1011 powerpoint
Pertubnosecossistemas 8cap1011 powerpointPertubnosecossistemas 8cap1011 powerpoint
Pertubnosecossistemas 8cap1011 powerpoint
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
 
Ciências naturais: Efeito estufa
Ciências naturais: Efeito estufaCiências naturais: Efeito estufa
Ciências naturais: Efeito estufa
 
Poluição do ar e suas consequências
Poluição do ar e suas consequênciasPoluição do ar e suas consequências
Poluição do ar e suas consequências
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Atmosfera - Biologia
Atmosfera - BiologiaAtmosfera - Biologia
Atmosfera - Biologia
 
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕESFUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
FUNDAMENTOS DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA E AÇÕES
 
Poluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.pptPoluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.ppt
 
Poluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.pptPoluicao_atmosferica.ppt
Poluicao_atmosferica.ppt
 
Atmosfera, o ar que respiramos(1)
Atmosfera, o ar que respiramos(1)Atmosfera, o ar que respiramos(1)
Atmosfera, o ar que respiramos(1)
 
Parte 3
Parte 3Parte 3
Parte 3
 
Poluição e desertificao final
Poluição e desertificao finalPoluição e desertificao final
Poluição e desertificao final
 
Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
 
Processos Produtivos I UD II
Processos Produtivos I   UD IIProcessos Produtivos I   UD II
Processos Produtivos I UD II
 
Desiquilibrio Ambiente
Desiquilibrio AmbienteDesiquilibrio Ambiente
Desiquilibrio Ambiente
 
Ambiente E Sociedade Atmosfera Parte II
Ambiente E Sociedade Atmosfera Parte IIAmbiente E Sociedade Atmosfera Parte II
Ambiente E Sociedade Atmosfera Parte II
 
Fisica nosso mundo
Fisica nosso mundoFisica nosso mundo
Fisica nosso mundo
 

Mais de Leonor Vaz Pereira

4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular
Leonor Vaz Pereira
 
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
Leonor Vaz Pereira
 
4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna
Leonor Vaz Pereira
 
52.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.1352.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.13
Leonor Vaz Pereira
 
45.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas201345.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas2013
Leonor Vaz Pereira
 
44.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais201344.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais2013
Leonor Vaz Pereira
 
43.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos201343.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos2013
Leonor Vaz Pereira
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
Leonor Vaz Pereira
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosasMod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosas
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.4 trocas gasosas
Módulo a3.4   trocas gasosasMódulo a3.4   trocas gasosas
Módulo a3.4 trocas gasosas
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.3 obtenção de energia
Módulo a3.3   obtenção de energiaMódulo a3.3   obtenção de energia
Módulo a3.3 obtenção de energia
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.2 transporte nos animais
Módulo a3.2   transporte nos animaisMódulo a3.2   transporte nos animais
Módulo a3.2 transporte nos animais
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energiaMod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animaisMod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animais
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantasMod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Leonor Vaz Pereira
 
Modulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossínteseModulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossíntese
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a2.1 digestão.resumo
Módulo a2.1   digestão.resumoMódulo a2.1   digestão.resumo
Módulo a2.1 digestão.resumo
Leonor Vaz Pereira
 
Modulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivosModulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivos
Leonor Vaz Pereira
 

Mais de Leonor Vaz Pereira (20)

4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular
 
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
 
4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna
 
52.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.1352.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.13
 
45.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas201345.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas2013
 
44.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais201344.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais2013
 
43.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos201343.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos2013
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
 
Mod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosasMod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosas
 
Módulo a3.4 trocas gasosas
Módulo a3.4   trocas gasosasMódulo a3.4   trocas gasosas
Módulo a3.4 trocas gasosas
 
Módulo a3.3 obtenção de energia
Módulo a3.3   obtenção de energiaMódulo a3.3   obtenção de energia
Módulo a3.3 obtenção de energia
 
Módulo a3.2 transporte nos animais
Módulo a3.2   transporte nos animaisMódulo a3.2   transporte nos animais
Módulo a3.2 transporte nos animais
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
 
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energiaMod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energia
 
Mod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animaisMod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animais
 
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantasMod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
 
Modulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossínteseModulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossíntese
 
Módulo a2.1 digestão.resumo
Módulo a2.1   digestão.resumoMódulo a2.1   digestão.resumo
Módulo a2.1 digestão.resumo
 
Modulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivosModulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivos
 

Último

759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 

Último (20)

759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 

51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica

  • 1. Biologia 12º ano maio 2013 Leonor Vaz Pereira Poluição e degradação de recursos – Parte II TEMA 5 PRESERVAR E RECUPERAR O MEIO AMBIENTE
  • 2. Que soluções para o efeito da atividade humana sobre o ambiente? Situação Problemática Que atividades humanas tem contribuído para a contaminação do planeta? Quais os principais contaminantes do ar, água e solo? Quais os impactes ao nível dos ecossistemas e da saúde? Capítulo 2. Crescimento da população humana e sustentabilidade Capítulo 1.1. Contaminantes da atmosfera, do solo e da água e seus efeitos fisiológicos Porque é que as águas residuais são um dos principais fatores de contaminação? Como diminuir os impactes da atividade humana? De que modo se podem controlar as emissões gasosas? Que fatores tem condicionado o desenvolvimento da população humana ao longo do tempo Quais as consequências da explosão demográfica para a qualidade de vida? Quais as consequências da explosão demográfica para o meio ambiente O nível de desenvolvimento condicionará o seu crescimento? Implica domínio das temáticas Reprodução e manipulação da fertilidade U1 Património genético e alterações do material genético U2 Imunidade e controlo de doenças U3 Produção de alimentos e sustentabilidade U4
  • 3. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Contaminação do ar por substâncias capazes de causar danos aos seres humanos, a outras formas de vida e a materiais diversos. As atividades humanas ou certos fenómenos naturais dão origem a poluentes atmosféricos.
  • 4. Composição da atmosfera da Terra O gráfico inferior representa os gases residuais que, ao todo, compõem 0,039% da atmosfera. Os valores foram normalizados para propósitos ilustrativos. Os números são de medidas feitas em uma variedade de anos (especialmente 1987, com dados de CO2 e metano de 2009) e não representam uma fonte única.
  • 5. Estratificação da atmosfera A atmosfera é constituída por uma série de camadas horizontais sobrepostas, separadas umas das outras por zonas de inversão de temperatura, que resulta de diferenças na absorção de energia solar que incide na Terra. Essas camadas são, a partir da superfície terrestre, a troposfera, a estratosfera, a mesosfera, a termosfera e esosfera.Página 79
  • 6. Estratosfera Camada rica em ozono. Este gás origina-se a partir de moléculas de oxigénio que interagem com a radiação ultravioleta emitida pelo sol.
  • 7. Poluição atmosférica A poluição atmosférica afeta, principalmente, a troposfera e a estratosfera. Segundo a OMS, mais de mil milhões de pessoas vivem em locais onde o ar é insalubre.
  • 8. Origem dos poluentes A Poluição do ar ocorre quando são lançadas para a atmosfera partículaspartículas, gases e vaporesgases e vapores (aerossóis) gerados por indústrias, centrais termoelétricas (fontes fixas) ... ... veículos automotores, navios, comboios, aviões ... (fontes móveis)
  • 11. Classificação dos poluentes atmosféricos Página 80 POLUENTES PRIMÁRIOSPOLUENTES PRIMÁRIOS - emitidos diretamente para a troposfera numa forma potencialmente prejudicial a partir de fontes identificáveis (CO, NOx, SO2, HCs e material específico) POLUENTES SECUNDÁRIOSPOLUENTES SECUNDÁRIOS - produzidos na atmosfera pela interação entre dois ou mais poluentes primários, com ou sem ativação fotoquímica (O3, HNO3, H2SO4, H2O2, PAN - peroxinitratos).
  • 12. Efeito do clima inversões térmicas Geralmente, o ar atmosférico é mais quente na parte de baixo (recebe o calor armazenado no solo) e, sendo menos denso, tende a subir, enquanto o ar frio passa para baixo (convecção térmica), dispersando a poluição. No inverno, como o solo fica mais frio, há uma inversão dessas camadas : como não há convecção, os poluentes ficam presos na camada fria inferior.
  • 13. Impactes da poluição atmosférica A circulação do ar (ventos) faz com que a poluição atmosférica, mesmo quando originada por fontes locais, atinja facilmente uma dimensão regional ou global. O nevoeiro fotoquímico; as chuvas ácidas, o efeito de estufa e a rarefação do ozono estratosférico são problemas provocados pela poluição atmosférica com impacte global no planeta.Página 82
  • 15.  O nevoeiro fotoquímico, também conhecido por SmogSmog, consiste numa mistura de poluentes primáriospoluentes primários (Monóxido de Carbono, Dióxido de Enxofre ) e poluentespoluentes secundáriossecundários, como por exemplo o ozono, formados sob a influência da luz solar. Nevoeiro fotoquímico
  • 16. É um aerossol branco , intensamenteintensamente irritante aos olhos e mucosasirritante aos olhos e mucosas, composto por uma série de poderosos agentes oxidantes, com o ozono, peroxinitratos (ROONO2) e aldeídos (carros a álcool). Este tipo de poluição torna-se mais evidente nos dias secos e quentes. Nevoeiro fotoquímico
  • 17. Chuvas ácidas As chuvas normais têm um pH de, aproximadamente, 5,6. A chuva ácida é caracterizada por um pH abaixo de 4,5. Os óxidos de enxofre e os óxidos de azoto de origem antrópica, sobre tudo queima de combustíveis fósseis em centrais termoeléctricas, indústria e transportes rodoviários, reagem com o vapor de água atmosférico e originam ácido sulfúrico e ácido nítrico. Uma vez formados, os ácidos precipitam na superfície terrestre.
  • 19. Efeitos das chuvas ácidas O baixo pH também faz circular metais pesados como o alumínio nos lagos. O alumínio faz com que alguns peixes produzam muco em excesso ao redor de suas guelras, prejudicando a respiração. O crescimento de fitoplâncton é inibido pelos grandes níveis de acidez e os animais que se alimentam dele são prejudicados. Página 84
  • 20. Efeitos das chuvas ácidas O crescimento das raízes torna-se lento e em consequência, menos nutrientes são transportados. A superfície cerosa das folhas é rompida e os nutrientes são perdidos, tornando as árvores mais susceptíveis a gelo, fungos e insetos Página 84
  • 21. Efeitos das chuvas ácidas Página 84
  • 22. Efeitos das chuvas ácidas • Destruição de florestas, por ação direta sobre as plantas ou indireta pela acidificação do solo; • Desequilíbrios nos ecossistemas aquáticos provocados pela morte dos peixes e libertação de iões tóxicos (alumínio, cobre, etc); • Aumento da frequência e gravidade de doenças respiratórias em seres humanos, como a bronquite e a asma; • Libertação de metais pesados, como cobre e chumbo, das canalizações para a água de consumo público; • Degradação de monumentos, particularmente de calcário e mármore.
  • 23. Efeito de estufa Fenómeno natural que se traduz pelo aquecimento das baixas camadas da atmosfera devido à presença de certos gases.Página 86
  • 24. Efeito de estufa Caracterização Da radiação solar que incide na Terra uma parte é refletida pela atmosfera ou absorvida pelo ozono estratosférico. A que atinge a superfície terrestre gera calor, que é irradiado sob a forma de radiação infravermelha.
  • 26. Efeito de estufa Caracterização Os gases “de estufa” (vapor de água, dióxido de carbono, ozono, CFC’s) absorvem alguma radiação infravermelha emitida pela superfície da Terra e radiam por sua vez alguma da energia absorvida de volta para a superfície. Como resultado, a superfície recebe quase o dobro de energia da atmosfera, do que a que recebe do Sol e a superfície fica cerca de 30ºC mais quente do que estaria sem a presença dos gases “de estufa” (-18ºC).
  • 27. Cerca de 30% da radiação infravermelha volta para o espaço Calor aprisionado pelo excesso de dióxido de carbono Dióxido de carbono libertado pela aeronave Os oceanos aquecem libertando vapor de água que contribui para o aquecimento da atmosfera Superfície da terra irradia o calor de volta para a atmosfera Radiação solar absorvida pela Terra Queima de combustíveis fósseis e emissão de gases pelos veículos automotores A desflorestação aquece a Terra As fábricas libertam dióxido de carbono
  • 28. OUTROS ELEMENTOS QUE CONTRIBUEM PARA O EFEITO DE ESTUFA: METANO, ÓXIDO NITROSO,DIÓXIDO DE ENXOFRE,METANO, ÓXIDO NITROSO,DIÓXIDO DE ENXOFRE, CFC, VAPOR D’ÁGUA, OZONOCFC, VAPOR D’ÁGUA, OZONO Gases com efeito de estufa
  • 30. Consequências do Aquecimento global Elevação do nível dos mares provocada por: - dilatação térmica da massa de água oceânica. - degelo das calotas polares e geleiras. Alterações climáticas em todo o planeta; - aumento de tempestades. - ondas de calor. - alterações no ciclo das chuvas.
  • 31. Consequências do Aquecimento global Aumento da biomassa terrestre e oceânica provocada por: - aceleração da função clorofiliana. - aumento do teor de CO2 dissolvido nos oceanos, com aumento de organismos com exoesqueletos de carbonato de cálcio. Modificações profundas na vegetação típica de cada região e altitude. Aumento na incidência de doenças e proliferação de insetos nocivos ou vetores de doenças, o que poderá resultar em grandes alterações sociais.
  • 32. Degelo lento e continuado das calotes polares
  • 33.
  • 34. Efeito de Estufa, como evitar? Diminuir a desflorestação progressiva e tentar reflorestar as áreas que se encontram destruídas pelo homem; Utilizar transportes coletivos ou não poluentes; Utilizar energias alternativas como a energia eólica; Limpar as matas de modo a tentar evitar incêndios de grandes dimensões; Controlar a emissão de gases por parte das indústrias (instalação de filtros); Reduzir a queima de resíduos urbanos, industriais, agrícolas e florestais, tais como explosivos, resinas, tintas, plásticos e pneus;
  • 35. O PROTOCOLO DE KYOTO (1997)  Acordo internacional, assinado por 84 países, em 1997, em Kyoto no Japão, que estabelece, entre 2008 e 2012, a redução de 5,2% dos gases-estufa, em relação aos níveis em 1990. METAS DE REDUÇÃOMETAS DE REDUÇÃO Países da União Européia – 8% Estados Unidos – 7% Japão – 6% Para a China e os países em desenvolvimento, como Brasil, Índia e México, ainda não foram estabelecidos níveis de redução Balão com os dizeres “Bush & Co. = desastre ambiental” na Patagônia (Argentina) em protesto contra os E.U.A
  • 36. O ozono é responsável pela absorção de uma porção de uma radiação solar, impedindo-a de atingir a superfície do planeta, nomeadamente das radiações UV-B. Camada de ozono
  • 37. Como se forma a camada de Ozono? OOUVO OOO OOUVO +→+ →+ +→+ 23 32 2
  • 38. Buraco da camada de OzonoBuraco da camada de Ozono Página 87
  • 39. Os CFCs sobem lentamente para camadas superiores à camada de ozono. Os raios ultravioletas decompõe os CFCs, libertando átomos de cloro (Cl). O cloro como é mais denso, desce, voltando para a camada de ozono, destruindo-o. Como se forma o buraco na camada de Ozono? Página 88
  • 40. Outros destruidores da camada de ozono: •tetracloreto de carbono (um solvente); •dióxido de nitrogénio (utilizado na composição do ácido nítrico); •metilclorofórmio (anestésico e solvente) usados em lavagem a seco e no ramo farmacêutico; •"halons", usados em alguns extintores de incêndio, que contém bromo e são dez vezes mais destruidores de ozono do que os CFCs.   O CFC tem uma vida útil de pelo menos 75 anos. 1 CFC destrói 100 mil moléculas de ozono
  • 41. POR QUE É A ANTÁRTIDA A REGIÃO MAIS AFETADA? VÓRTICE POLAR  Na Antártida, devido ao rigoroso inverno de seis mesesdevido ao rigoroso inverno de seis meses, essa circulação de ar não ocorre. Então formam-se círculos de convecção exclusivos daquela área, chamados de vórtex ou vórtice polar.  O vórtice isola a atmosfera Antártida e impede a entrada de ozono, essencialmente produzida sobre os trópicos e transportado até lá pelos ventos. Assim, os poluentes atraídos durante o verão, ficam retidos na Antártida até que sobem para a estratosfera.  Em todo o mundo, as massas de ar circulam, por isso, um poluente lançado em Portugal, pode ir parar ao Brasil devido às correntes de convecção.
  • 42. Rarefação da camada de ozono estratosférico In: “Ozone Bulletin and data”. Descarregado de: http://www.wmo.ch/web/arep/ozone.html em 12/09/02 Em Setembro, com o início da primavera, os compostos acumulados começam a dissociar-se, iniciando então uma destruição em larga escala do ozono local, situação que se perpétua até Novembro, quando a circulação se modifica, com a entrada de ar oriundo de outras regiões e a constante recomposição da camada local de ozono.
  • 43.  AUMENTO DA INCIDÊNCIA DOS VÁRIOS TIPOS DE CANCRO DE PELE.  ALTERAÇÃO DO PROCESSO DE FOTOSSÍNTESE. LEVANDO A REDUÇÃO DAS COLHEITAS AGRÍCOLAS  DESTRUIÇÃO DO FITOPLÂNCTON  MODIFICAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO TÉRMICA E A CIRCULAÇÃO DO AR NO PLANETA.  AGRAVAMENTO O EFEITO ESTUFA. CONSEQUÊNCIAS DA DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZONO
  • 44. DESTILAÇÃO GLOBALDESTILAÇÃO GLOBAL  A destilação global é um processo geoquímico em que certos produtos químicos, como os poluentes orgânicos persistentes (POPS) se deslocam das zonas mais quentes do globo para as regiões mais frias. Este processo é o causador da elevada concentração de gases tóxicos em zonas em que não são produzidos, é o que acontece no Ártico.
  • 45. PARTÍCULAS SÓLIDAS A acumulação destas partículas sólidas geradas pela atividade industrial, envolve as áreas industrializadas com uma poeira, reduzindo a visibilidade.  Várias dessas partículas ficam retidas nos pulmões causando graves problemas respiratórios ou agravando os que já existem.