SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso Profissional de
Técnico Auxiliar de Saúde
Biologia 10ºano
Sistemas de transporte nas Plantas
O xilema e o transporte da seiva bruta
O floema e o transporte da seiva elaborada
Prof. Leonor Vaz Pereira
fevereiro 2013
Módulo A3 - Utilização de Matéria
As plantas sintetizam compostos
orgânicos a nível das folhas
• Necessitam de
um sistema que
assegure o
transporte de
água e sais
minerais
As plantas têm de distribuir os
compostos orgânicos nos tecidos
celulares
• Necessitam de
um sistema que
assegure o
transporte
• As árvores mais altas
que se conhecem, as
sequoias, podem ter
cerca de 110 m de
altura.
• Qualquer teoria que
pretenda explicar o
mecanismo de
transporte da água nas
plantas deve ter em
consideração este facto.
Qual o destino dos compostos
orgânicos produzidos nas plantas?
Qual o impacto biológico da extração de fluidos
vegetais com fins económicos?
A maioria das plantas necessita de um
sistema de transporte
Plantas não vasculares
Plantas
vasculares
• Plantas que
possuem têm um
duplo sistema de
condução da água
e dos solutos.
Adaptado de José Salsa (www.cientic.com)
Como se efetua o transporte numa planta
vascular?
Transporte de água e sais
minerais
XILEMA
Transporte de solutos FLOEMA
Onde se localizam os tecidos condutores
nas Angiospérmicas?
AdaptadodeJoséSalsa(www.cientic.com)
O xilema e o floema formam feixes condutores
na raiz, caule e folha
De que forma estão dispostos os feixes
condutores nos diferentes órgãos?
Feixes condutores
• Feixes simples – formados apenas por xilema ou floema.
• Feixes duplos - formados por xilema e floema.
• Feixes radiais e alternos – simples de xilema alternam com
floema (raiz).
• Feixes duplos colaterais – com floema e xilema lado a lado. São
abertos quando são separados por câmbio e fechados quando não
existe câmbio.
Raiz
http://docentes.esa.ipcb.pt/lab.biologia/disciplinas/botanica/Anatomia.html#pri
maria-raiz
In Porto Editora
http://www.anatomiavegetal.ib.ufu.br/Floema_texto.htm
In Porto Editora
Caule
Corte transversal de folha de milho
http://docentes.esa.ipcb.pt/lab.biologia/disciplinas/botani
ca/Anatomia.html#primaria-raiz
Xilema
InPortoEditora
Corte transversal da folha de oliveira
http://docentes.esa.ipcb.pt/lab.biologia/disci
plinas/botanica/Anatomia.html#primaria-raiz
Folha
XILEMA
InPortoEditora
XILEMA
• O xilema também é
conhecido por
lenho ou tecido
traqueano.
• É no xilema que
circula a seiva
xilémica ou seiva
bruta.
• Os elementos
condutores mais
importantes: vasos
xilémicos são
constituídos por
células mortas.
Adaptado de José Salsa (www.cientic.com)
XILEMA
Elementos constituintes do xilema
Adaptado de José Salsa (www.cientic.com)
FLOEMA
AdaptadodeJoséSalsa(www.cientic.com)
FLOEMA
• O floema também
é conhecido por
líber ou tecido
crivoso.
• É no floema que
circula a seiva
elaborada.
• Os elementos
condutores mais
importantes:
tubos crivosos são
constituídos por
células vivas.
http://www.anatomiavegetal.ib.ufu.br/Floema_texto.htm
FLOEMA
AdaptadodeJoséSalsa(www.cientic.com)
Elementos constituintes do floema
http://www.biocourse.com/mhhe/bcc
A seiva bruta é transportada pelo
xilema
• As plantas fazem a
absorção da água e sais
minerais necessários ao
seu desenvolvimento
através do seu sistema
radicular, que por esse
motivo é permeável (não
apresenta cutícula), muito
ramificado e cuja área é
aumentada através da
presença de pelos
absorventes.
Mod.a3.1.transporte nas plantas
• A raiz é constituída por um conjunto de células
que entre si se mantêm, geralmente, isotónicas;
no entanto, em relação ao meio elas estão
hipertónicas.
Via simplasto / via apoplasto
Qual é a força responsável pela
ascensão de água no xilema?
• 1ª Hipótese – a água sobe por bombeamento
feito por células vivas.
• 2ª Hipótese – A pressão radicular é a causa da
subida da água.
• 3ª Hipótese – O mecanismo de tensão-coesão-
adesão é o principal responsável pelo transporte
da seiva bruta?
1ª Hipótese
• As primeiras tentativas para explicar a ascensão da seiva no xilema
baseavam-se na hipótese de existirem células vivas no caule
que seriam responsáveis por empurrar a seiva até às folhas.
• No entanto, os relatos, publicados em 1893, das experiências
realizadas pelo botânico alemão Eduard Strasburger, vieram refutar
tal hipótese.
• Strasburger realizou os seus estudos em árvores com cerca de 20
metros de altura, às quais serrou os caules, junto à raiz, tendo
mergulhado as extremidades cortadas em recipientes contendo
soluções venenosas de ácido pícrico.
• A morte da planta no sentido basal-apical (no sentido caule - folhas)
levou Strasburger a concluir que as soluções venenosas
subiram ao longo dos caules. Quando as soluções alcançaram as
folhas estas também morreram, tendo constatado que a partir desse
momento parou o transporte das soluções, uma vez que o nível de
líquido nos baldes estabilizara.
Enuncie as 3 possíveis conclusões
a que chegou Strasburger ao
efetuar esta experiência.
• A água ascendia na planta mesmo na ausência
de raízes;
• a ascensão ocorre no sentido basal-apical;
• as folhas são as responsáveis pela subida de
água.
HIPÓTESE DA PRESSÃO RADICULAR
• Esta hipótese é suportada pela observação de
fenómenos de Gutação e Exsudação.
2ª Hipótese
OBSERVAÇÃO EXPERIMENTAL
ALGUNS ASPETOS QUE NÃO
CONSEGUE EXPLICAR
• a pressão radicular medida em várias plantas não é
suficientemente grande para elevar a água até ao
ponto mais alto de uma árvore grande;
• a maioria das plantas não apresenta gutação nem
exsudação;
• as plantas das zonas temperadas não apresentam
exsudação nos planos de corte, efetuando até, por
vezes, absorção de água;
• existem determinadas plantas (algumas
Gimnospérmicas, denominadas Coníferas) que
possuem uma pressão radicular nula.
CONCLUINDO, A PRESSÃO RADICULAR:
• é uma força que impele a água e os solutos, através
do xilema, até às folhas;
• é criada à custa do transporte ativo de iões do
solo para o interior da raiz, o que provoca a
entrada contínua de água, por osmose;
• é evidenciada por fenómenos como a gutação e a
exsudação caulinar;
• não explica a ascensão da água e dos solutos em
numerosas espécies vegetais, especialmente nas de
grande porte.
3ª Hipótese
TEORIA DA TENSÃO-COESÃO-ADESÃO
• A teoria da tensão-coesão-adesão explica a ascensão da seiva bruta
desde a raiz até às folhas com base na existência de uma
transpiração estomática ao nível das folhas.
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Resumo do processo
• A perda de água nas folhas provoca um défice de água, o que origina uma
tensão.
• Processa-se então um mecanismo inverso ao que acontece na raiz aquando
da absorção.
• A saída de água das células das folhas tornou-as hipertónicas em relação às
próximas células parenquimatosas clorofilinas, até que se atinge o xilema
que está hipotónico em relação às células do mesófilo.
• Devido à menor pressão osmótica do xilema relativamente às células
clorofilinas, a água movimenta-se do xilema para estas células, criando-se
um défice de água no xilema (tensão).
In Porto Editora
Célula túrgida água exerce pressão sobre a parede celular (pressão de
turgescência) a região delgada da parede da célula-guarda deforma-se
mais facilmente do que a região espessa da parede estoma abre
Se as células-guarda perdem água a pressão de turgescência diminui
o estoma retoma a sua forma original, aproximando-se as células-
guarda o estoma fecha.
Vários fatores fazem variar a
turgescência das células-guarda:
•intensidade luminosa;
•concentração em CO2;
•pH;
•concentração de iões.
O controlo da transpiração nos
estomas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Resumo
• A água ascende sob a forma de uma coluna contínua a
que se chama corrente de transpiração.
• A ascensão da água cria um défice de água no xilema da
raiz, o que leva à absorção de água através da epiderme
radicular.
• Logicamente que, quanto maior ou mais rapidamente
ocorrer a transpiração, mais rapidamente se verifica a
translocação xilémica e a absorção radicular.
• A coluna de água tem de se manter coesa para que exista
a sua movimentação e caso surjam bolhas de ar o
transporte é interrompido .
TRANSPORTE NO FLOEMA
Os Afídeos ou Pulgões são insetos
que parasitam as plantas. Por
meio de seus aparelhos bucais,
formados por estiletes
compridos, penetram nas partes
tenras do vegetal e estabelecem
uma comunicação com o líber,
passando a extrair a seiva
elaborada. Cortes feitos nessas
regiões e vistos ao microscópio
mostram que os estiletes bucais
estão localizados no tecido
liberiano.
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas
Mod.a3.1.transporte nas plantas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Xilema e floema
Xilema e floemaXilema e floema
Xilema e floema
00367p
 
Transpiração vegetal
Transpiração vegetalTranspiração vegetal
Transpiração vegetal
Andreas Hoskens
 
Ppt 4 Transporte No Floema
Ppt 4   Transporte No FloemaPpt 4   Transporte No Floema
Ppt 4 Transporte No Floema
Nuno Correia
 
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
Hugo Martins
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
Isabel Lopes
 
Biologia 10º transporte nas plantas
Biologia 10º   transporte nas plantasBiologia 10º   transporte nas plantas
Biologia 10º transporte nas plantas
Nuno Correia
 
Mod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animaisMod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animais
Leonor Vaz Pereira
 
Transporte nos animais
Transporte nos animaisTransporte nos animais
Transporte nos animais
Isabel Lopes
 
BioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbiaBioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbia
Rita Rainho
 
Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
Dina do Céu Lopes Araújo
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
Hugo Martins
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
Andrea Barreto
 
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia-  obtenção de matériaMódulo 2 - biologia-  obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Raquel Rodrigues
 
Movimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresMovimentos transmembranares
Movimentos transmembranares
margaridabt
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
Luís Filipe Marinho
 
4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna
Leonor Vaz Pereira
 
BioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranaresBioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranares
Rita Rainho
 
Biologia 11 diferenciação celular
Biologia 11   diferenciação celularBiologia 11   diferenciação celular
Biologia 11 diferenciação celular
Nuno Correia
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 

Mais procurados (20)

Xilema e floema
Xilema e floemaXilema e floema
Xilema e floema
 
Transpiração vegetal
Transpiração vegetalTranspiração vegetal
Transpiração vegetal
 
Ppt 4 Transporte No Floema
Ppt 4   Transporte No FloemaPpt 4   Transporte No Floema
Ppt 4 Transporte No Floema
 
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Biologia 10º transporte nas plantas
Biologia 10º   transporte nas plantasBiologia 10º   transporte nas plantas
Biologia 10º transporte nas plantas
 
Mod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animaisMod.a3.2.transporte nos animais
Mod.a3.2.transporte nos animais
 
Transporte nos animais
Transporte nos animaisTransporte nos animais
Transporte nos animais
 
BioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbiaBioGeo10-respiração aeróbia
BioGeo10-respiração aeróbia
 
Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia-  obtenção de matériaMódulo 2 - biologia-  obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
 
Movimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresMovimentos transmembranares
Movimentos transmembranares
 
Transportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambranaTransportes de materiais através da mambrana
Transportes de materiais através da mambrana
 
4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna4.1.1.mod.a4.1. dna
4.1.1.mod.a4.1. dna
 
BioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranaresBioGeo10-transportes membranares
BioGeo10-transportes membranares
 
Biologia 11 diferenciação celular
Biologia 11   diferenciação celularBiologia 11   diferenciação celular
Biologia 11 diferenciação celular
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 

Destaque

1.2. modulo a1.2 a célula.resumo
1.2. modulo a1.2 a célula.resumo1.2. modulo a1.2 a célula.resumo
1.2. modulo a1.2 a célula.resumo
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.3 obtenção de energia
Módulo a3.3   obtenção de energiaMódulo a3.3   obtenção de energia
Módulo a3.3 obtenção de energia
Leonor Vaz Pereira
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
Isabel Lopes
 
Transporte Nas Plantas
Transporte Nas PlantasTransporte Nas Plantas
Transporte Nas Plantas
Tânia Reis
 
Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013
Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013
Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013
Francheska Camilo
 
Biologia 12 reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...
Biologia 12   reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...Biologia 12   reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...
Biologia 12 reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...
Nuno Correia
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
DeboraFilipa
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
margaridabt
 
Frente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e Elaborada
Frente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e ElaboradaFrente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e Elaborada
Frente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e Elaborada
Colégio Batista de Mantena
 
Condução e fotossíntese
Condução e fotossínteseCondução e fotossíntese
Condução e fotossíntese
Joseane Pasini CB
 
Bg15 transporte nas plantas - 1
Bg15   transporte nas plantas - 1Bg15   transporte nas plantas - 1
Bg15 transporte nas plantas - 1
Nuno Correia
 
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
Escola Modelo de Iguatu
 
Bg18 transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floema
Bg18   transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floemaBg18   transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floema
Bg18 transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floema
Nuno Correia
 
transporte Plantas
transporte Plantastransporte Plantas
transporte Plantas
Cidalia Aguiar
 
2S Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas
2S   Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas2S   Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas
2S Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas
Ionara Urrutia Moura
 
Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1
geologia 12
 
Tecidos de condução de seiva novo
Tecidos de condução de seiva novoTecidos de condução de seiva novo
Tecidos de condução de seiva novo
profatatiana
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Turma Olímpica
 
Módulo a2.1 membrana.resumo
Módulo a2.1   membrana.resumoMódulo a2.1   membrana.resumo
Módulo a2.1 membrana.resumo
Leonor Vaz Pereira
 
Xilema
XilemaXilema

Destaque (20)

1.2. modulo a1.2 a célula.resumo
1.2. modulo a1.2 a célula.resumo1.2. modulo a1.2 a célula.resumo
1.2. modulo a1.2 a célula.resumo
 
Módulo a3.3 obtenção de energia
Módulo a3.3   obtenção de energiaMódulo a3.3   obtenção de energia
Módulo a3.3 obtenção de energia
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Transporte Nas Plantas
Transporte Nas PlantasTransporte Nas Plantas
Transporte Nas Plantas
 
Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013
Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013
Lab 9 transpiracion_by_francheska_camilo_biol_2013
 
Biologia 12 reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...
Biologia 12   reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...Biologia 12   reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...
Biologia 12 reprodução humana (contracepção e reprodução medicamente assist...
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
 
Frente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e Elaborada
Frente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e ElaboradaFrente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e Elaborada
Frente 3 módulo 11 Transporte de Seiva Bruta e Elaborada
 
Condução e fotossíntese
Condução e fotossínteseCondução e fotossíntese
Condução e fotossíntese
 
Bg15 transporte nas plantas - 1
Bg15   transporte nas plantas - 1Bg15   transporte nas plantas - 1
Bg15 transporte nas plantas - 1
 
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
2 Ano - Fisiologia vegetal - Condução e transpiração II
 
Bg18 transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floema
Bg18   transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floemaBg18   transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floema
Bg18 transporte nas plantas - seiva elaborada transportada no floema
 
transporte Plantas
transporte Plantastransporte Plantas
transporte Plantas
 
2S Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas
2S   Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas2S   Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas
2S Aula20circula%c3%a7%c3%a3o%20plantas
 
Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1
 
Tecidos de condução de seiva novo
Tecidos de condução de seiva novoTecidos de condução de seiva novo
Tecidos de condução de seiva novo
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fisiologia Vegetal
 
Módulo a2.1 membrana.resumo
Módulo a2.1   membrana.resumoMódulo a2.1   membrana.resumo
Módulo a2.1 membrana.resumo
 
Xilema
XilemaXilema
Xilema
 

Semelhante a Mod.a3.1.transporte nas plantas

Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
Robervania Nadja
 
transportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptxtransportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptx
IsauraSilva13
 
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdfAula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
anailsonalves2017
 
Ppt transporte plantas
Ppt transporte plantasPpt transporte plantas
Ppt transporte plantas
Helena Alves
 
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdfTransporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Luis736092
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
margaridabt
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
Colégio Batista de Mantena
 
Botanica
Botanica Botanica
Botanica
Matheus Felipe
 
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
Hugo Martins
 
Apostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetalApostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetal
Rafael Soapprice
 
Transporte no xilema
Transporte no xilemaTransporte no xilema
Transporte no xilema
Rita Pereira
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
Colégio Batista de Mantena
 
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfplantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
MikeMicas
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Claudia Braz
 
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdfBIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
margaridasantos321545
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
Alice MLK
 
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdfRelações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
AndesonRodriguesdaCo
 
5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf
SelmaFerreira24
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
spondias
 

Semelhante a Mod.a3.1.transporte nas plantas (20)

Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
transportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptxtransportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptx
 
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdfAula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
 
Ppt transporte plantas
Ppt transporte plantasPpt transporte plantas
Ppt transporte plantas
 
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdfTransporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
 
Botanica
Botanica Botanica
Botanica
 
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares(9) biologia e geologia   10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
(9) biologia e geologia 10º ano - trocas gasosas em seres multicelulares
 
Apostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetalApostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetal
 
Transporte no xilema
Transporte no xilemaTransporte no xilema
Transporte no xilema
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
 
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfplantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
 
Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2Cm010006 fisiologia vegetal_2
Cm010006 fisiologia vegetal_2
 
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdfBIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
 
Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM Biologia 1EM 2BIM
Biologia 1EM 2BIM
 
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdfRelações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
 
5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf5.Transporte_Plantas.pdf
5.Transporte_Plantas.pdf
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 

Mais de Leonor Vaz Pereira

4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular
Leonor Vaz Pereira
 
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
Leonor Vaz Pereira
 
52.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.1352.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.13
Leonor Vaz Pereira
 
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
Leonor Vaz Pereira
 
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
Leonor Vaz Pereira
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
Leonor Vaz Pereira
 
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 151.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
Leonor Vaz Pereira
 
45.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas201345.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas2013
Leonor Vaz Pereira
 
44.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais201344.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais2013
Leonor Vaz Pereira
 
43.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos201343.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos2013
Leonor Vaz Pereira
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
Leonor Vaz Pereira
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosasMod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosas
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.4 trocas gasosas
Módulo a3.4   trocas gasosasMódulo a3.4   trocas gasosas
Módulo a3.4 trocas gasosas
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a3.2 transporte nos animais
Módulo a3.2   transporte nos animaisMódulo a3.2   transporte nos animais
Módulo a3.2 transporte nos animais
Leonor Vaz Pereira
 
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energiaMod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Leonor Vaz Pereira
 
Modulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossínteseModulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossíntese
Leonor Vaz Pereira
 
Módulo a2.1 digestão.resumo
Módulo a2.1   digestão.resumoMódulo a2.1   digestão.resumo
Módulo a2.1 digestão.resumo
Leonor Vaz Pereira
 
Modulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivosModulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivos
Leonor Vaz Pereira
 
Modulo a2. heterotrofia membrana
Modulo a2. heterotrofia membranaModulo a2. heterotrofia membrana
Modulo a2. heterotrofia membrana
Leonor Vaz Pereira
 

Mais de Leonor Vaz Pereira (20)

4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular4.2.mod.a4.2. ciclocelular
4.2.mod.a4.2. ciclocelular
 
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
4.1.2.mod.a4.1. sintese proteica
 
52.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.1352.crescimento populacional.13
52.crescimento populacional.13
 
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
 
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
 
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 151.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
 
45.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas201345.controlo de pragas2013
45.controlo de pragas2013
 
44.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais201344.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais2013
 
43.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos201343.conservaçãoalimentos2013
43.conservaçãoalimentos2013
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
 
Mod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosasMod.a3.4. trocas gasosas
Mod.a3.4. trocas gasosas
 
Módulo a3.4 trocas gasosas
Módulo a3.4   trocas gasosasMódulo a3.4   trocas gasosas
Módulo a3.4 trocas gasosas
 
Módulo a3.2 transporte nos animais
Módulo a3.2   transporte nos animaisMódulo a3.2   transporte nos animais
Módulo a3.2 transporte nos animais
 
Mod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energiaMod.a3.3. processos de produção de energia
Mod.a3.3. processos de produção de energia
 
Modulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossínteseModulo a2.3 fotossíntese
Modulo a2.3 fotossíntese
 
Módulo a2.1 digestão.resumo
Módulo a2.1   digestão.resumoMódulo a2.1   digestão.resumo
Módulo a2.1 digestão.resumo
 
Modulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivosModulo a2.2 sistemas digestivos
Modulo a2.2 sistemas digestivos
 
Modulo a2. heterotrofia membrana
Modulo a2. heterotrofia membranaModulo a2. heterotrofia membrana
Modulo a2. heterotrofia membrana
 

Último

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Mod.a3.1.transporte nas plantas

  • 1. Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Biologia 10ºano Sistemas de transporte nas Plantas O xilema e o transporte da seiva bruta O floema e o transporte da seiva elaborada Prof. Leonor Vaz Pereira fevereiro 2013 Módulo A3 - Utilização de Matéria
  • 2. As plantas sintetizam compostos orgânicos a nível das folhas • Necessitam de um sistema que assegure o transporte de água e sais minerais
  • 3. As plantas têm de distribuir os compostos orgânicos nos tecidos celulares • Necessitam de um sistema que assegure o transporte
  • 4. • As árvores mais altas que se conhecem, as sequoias, podem ter cerca de 110 m de altura. • Qualquer teoria que pretenda explicar o mecanismo de transporte da água nas plantas deve ter em consideração este facto.
  • 5. Qual o destino dos compostos orgânicos produzidos nas plantas? Qual o impacto biológico da extração de fluidos vegetais com fins económicos?
  • 6. A maioria das plantas necessita de um sistema de transporte
  • 8. Plantas vasculares • Plantas que possuem têm um duplo sistema de condução da água e dos solutos.
  • 9. Adaptado de José Salsa (www.cientic.com) Como se efetua o transporte numa planta vascular? Transporte de água e sais minerais XILEMA Transporte de solutos FLOEMA
  • 10. Onde se localizam os tecidos condutores nas Angiospérmicas? AdaptadodeJoséSalsa(www.cientic.com) O xilema e o floema formam feixes condutores na raiz, caule e folha
  • 11. De que forma estão dispostos os feixes condutores nos diferentes órgãos?
  • 12. Feixes condutores • Feixes simples – formados apenas por xilema ou floema. • Feixes duplos - formados por xilema e floema. • Feixes radiais e alternos – simples de xilema alternam com floema (raiz). • Feixes duplos colaterais – com floema e xilema lado a lado. São abertos quando são separados por câmbio e fechados quando não existe câmbio.
  • 15. Corte transversal de folha de milho http://docentes.esa.ipcb.pt/lab.biologia/disciplinas/botani ca/Anatomia.html#primaria-raiz Xilema InPortoEditora Corte transversal da folha de oliveira http://docentes.esa.ipcb.pt/lab.biologia/disci plinas/botanica/Anatomia.html#primaria-raiz Folha
  • 17. InPortoEditora XILEMA • O xilema também é conhecido por lenho ou tecido traqueano. • É no xilema que circula a seiva xilémica ou seiva bruta. • Os elementos condutores mais importantes: vasos xilémicos são constituídos por células mortas.
  • 18. Adaptado de José Salsa (www.cientic.com) XILEMA
  • 19. Elementos constituintes do xilema Adaptado de José Salsa (www.cientic.com)
  • 21. AdaptadodeJoséSalsa(www.cientic.com) FLOEMA • O floema também é conhecido por líber ou tecido crivoso. • É no floema que circula a seiva elaborada. • Os elementos condutores mais importantes: tubos crivosos são constituídos por células vivas.
  • 25. A seiva bruta é transportada pelo xilema
  • 26. • As plantas fazem a absorção da água e sais minerais necessários ao seu desenvolvimento através do seu sistema radicular, que por esse motivo é permeável (não apresenta cutícula), muito ramificado e cuja área é aumentada através da presença de pelos absorventes.
  • 28. • A raiz é constituída por um conjunto de células que entre si se mantêm, geralmente, isotónicas; no entanto, em relação ao meio elas estão hipertónicas.
  • 29. Via simplasto / via apoplasto
  • 30. Qual é a força responsável pela ascensão de água no xilema? • 1ª Hipótese – a água sobe por bombeamento feito por células vivas. • 2ª Hipótese – A pressão radicular é a causa da subida da água. • 3ª Hipótese – O mecanismo de tensão-coesão- adesão é o principal responsável pelo transporte da seiva bruta?
  • 31. 1ª Hipótese • As primeiras tentativas para explicar a ascensão da seiva no xilema baseavam-se na hipótese de existirem células vivas no caule que seriam responsáveis por empurrar a seiva até às folhas. • No entanto, os relatos, publicados em 1893, das experiências realizadas pelo botânico alemão Eduard Strasburger, vieram refutar tal hipótese. • Strasburger realizou os seus estudos em árvores com cerca de 20 metros de altura, às quais serrou os caules, junto à raiz, tendo mergulhado as extremidades cortadas em recipientes contendo soluções venenosas de ácido pícrico. • A morte da planta no sentido basal-apical (no sentido caule - folhas) levou Strasburger a concluir que as soluções venenosas subiram ao longo dos caules. Quando as soluções alcançaram as folhas estas também morreram, tendo constatado que a partir desse momento parou o transporte das soluções, uma vez que o nível de líquido nos baldes estabilizara.
  • 32. Enuncie as 3 possíveis conclusões a que chegou Strasburger ao efetuar esta experiência. • A água ascendia na planta mesmo na ausência de raízes; • a ascensão ocorre no sentido basal-apical; • as folhas são as responsáveis pela subida de água.
  • 33. HIPÓTESE DA PRESSÃO RADICULAR • Esta hipótese é suportada pela observação de fenómenos de Gutação e Exsudação. 2ª Hipótese
  • 35. ALGUNS ASPETOS QUE NÃO CONSEGUE EXPLICAR • a pressão radicular medida em várias plantas não é suficientemente grande para elevar a água até ao ponto mais alto de uma árvore grande; • a maioria das plantas não apresenta gutação nem exsudação; • as plantas das zonas temperadas não apresentam exsudação nos planos de corte, efetuando até, por vezes, absorção de água; • existem determinadas plantas (algumas Gimnospérmicas, denominadas Coníferas) que possuem uma pressão radicular nula.
  • 36. CONCLUINDO, A PRESSÃO RADICULAR: • é uma força que impele a água e os solutos, através do xilema, até às folhas; • é criada à custa do transporte ativo de iões do solo para o interior da raiz, o que provoca a entrada contínua de água, por osmose; • é evidenciada por fenómenos como a gutação e a exsudação caulinar; • não explica a ascensão da água e dos solutos em numerosas espécies vegetais, especialmente nas de grande porte.
  • 37. 3ª Hipótese TEORIA DA TENSÃO-COESÃO-ADESÃO • A teoria da tensão-coesão-adesão explica a ascensão da seiva bruta desde a raiz até às folhas com base na existência de uma transpiração estomática ao nível das folhas.
  • 39. Resumo do processo • A perda de água nas folhas provoca um défice de água, o que origina uma tensão. • Processa-se então um mecanismo inverso ao que acontece na raiz aquando da absorção. • A saída de água das células das folhas tornou-as hipertónicas em relação às próximas células parenquimatosas clorofilinas, até que se atinge o xilema que está hipotónico em relação às células do mesófilo. • Devido à menor pressão osmótica do xilema relativamente às células clorofilinas, a água movimenta-se do xilema para estas células, criando-se um défice de água no xilema (tensão).
  • 40. In Porto Editora Célula túrgida água exerce pressão sobre a parede celular (pressão de turgescência) a região delgada da parede da célula-guarda deforma-se mais facilmente do que a região espessa da parede estoma abre Se as células-guarda perdem água a pressão de turgescência diminui o estoma retoma a sua forma original, aproximando-se as células- guarda o estoma fecha. Vários fatores fazem variar a turgescência das células-guarda: •intensidade luminosa; •concentração em CO2; •pH; •concentração de iões. O controlo da transpiração nos estomas
  • 42. Resumo • A água ascende sob a forma de uma coluna contínua a que se chama corrente de transpiração. • A ascensão da água cria um défice de água no xilema da raiz, o que leva à absorção de água através da epiderme radicular. • Logicamente que, quanto maior ou mais rapidamente ocorrer a transpiração, mais rapidamente se verifica a translocação xilémica e a absorção radicular. • A coluna de água tem de se manter coesa para que exista a sua movimentação e caso surjam bolhas de ar o transporte é interrompido .
  • 43. TRANSPORTE NO FLOEMA Os Afídeos ou Pulgões são insetos que parasitam as plantas. Por meio de seus aparelhos bucais, formados por estiletes compridos, penetram nas partes tenras do vegetal e estabelecem uma comunicação com o líber, passando a extrair a seiva elaborada. Cortes feitos nessas regiões e vistos ao microscópio mostram que os estiletes bucais estão localizados no tecido liberiano.