SlideShare uma empresa Scribd logo
Módulo I.3
___________
Fertilidade e
Fertilização
do solo
(parte I)
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• Colher amostras de terra, de folhas, de águas e planear a respetiva frequência e
oportunidade;
• Elaborar um plano de fertilização;
• Relacionar as características físicas, químicas e biológicas de um solo com o
desenvolvimento das plantas;
• Referir as práticas fundamentais da fertilização no modo de produção biológico e
planear a sua aplicação;
• Controlar um processo de compostagem;
• Reconhecer a necessidade de utilização de um composto e determinar as
condições da sua aplicação;
• Reconhecer as causas de erosão de um solo e ativar os meios para a minimizar.
Fertilidade e fertilização do solo
“As bases da Agricultura biológica”, 2009, Edibio
A base para a produção biológica é o solo, a sua fertilidade, o
ecossistema e respetiva biodiversidade, num compromisso entre o
ecologicamente possível e o economicamente viável.
O solo é a base da produção e é considerado como um sistema vivo,
com muitos organismos em interacção com as plantas e com as
componentes física (argila, limo, areia) e química (nutrientes solúveis
no solo).
O solo, para além da cultura, tem de ser alimentado.
Alimenta-se o solo que alimentará a planta.
Conceitos básicos da fertilidade do solo em AB
O solo serve de suporte às plantas terrestres que nele
desenvolvem as suas raízes, e dele obtêm grande parte dos
elementos nutritivos de que necessitam.
Um solo fértil é aquele que é capaz de fornecer à planta os
nutrientes em quantidades e proporções adequadas ao seu bom
crescimento e desenvolvimento em consonância com o clima.
Então o que será um solo fértil?
Traduz-se na aptidão para proporcionar a uma cultura a expressão do seu
potencial produtivo.
Esta exprime-se sob a forma:
(textura, estrutura, permeabilidade, etc.) – manifestando-se ao
nível da circulação da água e do ar, da capacidade de retenção da
água, da facilidade de penetração das raízes e da maior ou menor
resistência ao trabalho mecânico;
Física
(pH, nutrientes disponíveis, etc.) – manifestando-se ao nível da
disponibilidade de nutrientes, bem como da sua mobilidade no solo
e da absorção pelas raízes;
Química
(microorganismos e outros seres vivos, raízes) – manifestando-se
ao nível da sua aptidão para decompor as matérias orgânicas e
para manter associações nutritivas benéficas com a planta.
Biológica
A importância da matéria orgânica
A matéria orgânica do solo é constituída
principalmente por húmus resultante da
decomposição de resíduos e fertilizantes de
origem animal e vegetal. Esses resíduos são
transformados pela ação dos organismos do
solo .
Parte mineraliza-se e transforma-se em nutrientes
solúveis (azoto, fósforo, potássio, cálcio e outros)
alimentando as plantas.
A parte restante sofre um processo de humificação
e transforma-se em húmus. É a parte estável da
matéria orgânica que também se mineraliza mas
muito mais lentamente (cerca de 2% ao ano,
conforme as condições).
A importância da matéria orgânica
O húmus tem características de grande
interesse para a produção agrícola.
Influencia a fertilidade do solo e as suas
características físicas, químicas e biológicas.
A importância da matéria orgânica
a1) Cor e aquecimento (+ húmus > cor escura > aquecimento > absorção radiação solar)
a) Influência sobre as propriedades físicas:
a2) Coesão (+ ligeiros os argilosos e pesados “dá corpo” aos arenosos)
a3) Estabilidade estrutural (torna os agregados mais estáveis em relação à ação destrutiva da chuva,
vento e outros agentes)
a4) Permeabilidade (> permeabilidade do solo á agua e ao ar, pelo aumento da porosidade e da
atividade da fauna do solo, minhocas)
a5) Retenção de água o húmus retém cerca de 15 x o seu peso em água + que a argila, seca e
humedece mais devagar, contribuindo para a estabilidade e resistência à chuva)
A importância da matéria orgânica
b1) O pH (o húmus tem poder tampão, i.é., evita grandes variações de pH, o que é vantajoso
para as culturas)
b) Influência sobre as propriedades químicas:
b2) A capacidade de troca catiónica (a capacidade de retenção e troca de elementos
de carga positiva [K, Ca, Mg, Na, Amónio] entre o solo e a planta é aumentada pelo
húmus, em 5 x + que as argilas)
b3) Teor de nutrientes (a m. o. acumula grandes Qts de nutrientes, principal/e N e P)
A importância da matéria orgânica
c1) Aumento da atividade biológica (a m. o. é alimento para os organismos do solo; um solo
biologicamente ativo tem grande quantidade de vitaminas (B6 e B12), fatores naturais de crescimento
(auxinas, giberelinas) e até antibióticos (penicilina, terramicina)
c) Influência sobre as propriedades biológicas:
c2) Regulação do estado óxido-redutor do solo (quando o oxigénio falta o húmus facilita a
respiração da raiz (propriedades físicas))
c3) Aumento das trocas gasosas (2 gases têm grande importância, o Oxigénio – condiciona a respiração
das raízes e organismos do solo; e o CO2 – resultante da atividade respiratória desses organismos, também
necessário a outros organismos do solo)
c4) Aumento da produção de CO2 (a produção deste gás no solo acidifica-o favorecendo a
solubilização de alguns compostos pouco solúveis, aumentando a sua absorção pelas plantas)
A importância da matéria orgânica
Font.e:
Manual de
Agricultura
biológica,
AGROBIO, pg 44
Atividade biológica do solo
O solo é “habitado” por uma enorme variedade de organismos,
possuindo uma importância fundamental na sua fertilidade, na
nutrição das plantas e na prevenção de pragas e doenças.
Um solo fértil é um mundo vivo com milhões de organismos, numa
quantidade que pode chegar a várias toneladas por hectare.
Um hectare de solo pode conter, em termos médios, entre 2,5 a 5
toneladas de seres vivos, sendo os fungos, as bactérias e também as
minhocas as maiores frações. (As bases da Agricultura Biológica ,
2009, Edibio)
FRACÇÃO MO de um solo
Humus
85.0%
SERES VIVOS
5.0%
M.O.frescas+Transitori
10.0%
Constituída por (ex: solo de prado)
Fonte: “ As bases da Agricultura
Biológica ”, 2009, Edibio
FRACÇÃO SERES VIVOS de um solo
Constituída por Fungos+Algas
40.0%
Bacterias
40.0% Minhocas
12.0%
Microfauna
3.0%
Macrofauna
5.0%
Fonte: “ As bases da Agricultura
Biológica ”, 2009, Edibio
BIOMASSA DOS SERES VIVOS DO SOLO
DEPENDE
 presença de matéria orgânica
 humidade
 arejamento, pH, temperatura,...
 tipo de solo
 salinidade
 nível de substâncias poluentes
 ...
FRACÇÃO SERES VIVOS de um solo
BACTÉRIAS autotróficas
 Nitrosomonas, Nitrosococcus, Nitrobacter, ...
(aeróbias), Bacillus, ...
BACTÉRIAS semi-autotróficas
 Azotobacter (aeróbia), Clostridium (anaeróbia),
Rhizobium (simbionte), ...
BACTÉRIAS heterotróficas
 a maioria (decompõem, humificam, mineralizam, …)
“FAUNA” de um solo – reino MONERA
CIANOFÍCEAS
 algas azuis, quase todas fotossintéticas, capazes de
colonizar áreas nuas de rocha e solo
• muitas fixam N (ex.: Anabaena )
outras são mais conhecidas: Nostoc, Oscillatoria, ...
“FLORA” de um solo – reino MONERA
ACTINOMYCETES
 corpo unicelular como as bactérias e aspeto
ramificado dos fungos
• atacam a lenhina e o húmus (Nocardia,
Streptomyces, ...)
alguns são simbiontes (Frankia, fixador de N nas
raízes de amieiros)
“FLORA” de um solo – reino MONERA
FUNGOS
• todos heterotróficos, talvez os mais importantes
decompositores
• libertam enzimas específicas na degradação de MO
pouco degradáveis
 lenhinas, celuloses, ...
• excretam metabolitos importantes
• simbiontes com raízes de plantas: micorrizas
“FLORA” de um solo – reino FUNGI
PROTOZOÁRIOS
• seleção reguladora na composição da flora
microbiana (bactérias)
flagelados com clorofila (Euglena)
rizópodes (Amiba)
ciliados (Paramécia)
“FAUNA” de um solo – reino PROTISTA
filo Rotifera – ROTÍFEROS
animáculos microscópicos, com coroa de cílios
no cimo
filo Nematoda – NEMÁTODOS
espécies detritívoras, predadores e parasitas
“FAUNA” de um solo – reino ANIMALIA
filo Rotifera – ROTÍFEROS
Filo Nematoda – NEMÁTODOS
filo arthropoda – ARTRÓPODES
CLASSE ARACHNIDA : Ácaros, falsos escorpiões, ...
CLASSE INSECTA : larvas de dípteros, lepismas, colembola,
formigas, coleópteros ...
CLASSE DIPLOPODA : milípedes
CLASSE CRUSTACEA : isópodes
CLASSE CHILOPODA : centípedes
filo arthropoda – ARTRÓPODES
CLASSE DIPLOPODA : milípedes
filo arthropoda – ARTRÓPODES
CLASSE CRUSTACEA : isópodes
filo arthropoda – ARTRÓPODES
CLASSE CHILOPODA : centípedes
filo mollusca – MOLUSCOS
CLASSE GASTROPODA : caracóis, lesmas, …
filo annelida – ANELÍDEOS
CLASSE OLIGOCHAETA : minhocas
MICROFLORA DE DECOMPOSIÇÃO
camada de MO fresca junto à superfície do solo

FAUNA 
fragmentos
 FUNGOS,
 ACTINOMICETES,
 BACTÉRIAS

decomposição intensa
TRABALHO DA MICROFLORA
MICROFLORA DE DECOMPOSIÇÃO
 inibe as raízes e a germinação de sementes
 solo subjacente enriquece em partículas orgânicas e
em micróbios  adquire estrutura
IMPLICAÇÕES PRÁTICAS
► não semear ou colocar as raízes junto com M.O.
Frescas
MICROFLORA DE ASSIMILAÇÃO
RIZOSFERA  microrganismos concentrados em torno
das raízes
Bactérias (principalmente): Pseudomonas, Arthrobacter,
Bacillus, …
também fungos e actinomicetes
Os micróbios do solo são intermediários quase
obrigatórios entre as matérias orgânicas e minerais do
solo e a planta
MINHOCAS
Filo ANNELIDA - classe OLIGOCHAETA
3 grupos segundo a sua especialização ecológica :
► EPÍGEAS
► ANÉCICAS
► ENDÓGEAS
EPÍGEAS  vivem junto à superfície, pouco musculadas,
muito móveis, mais adaptadas aos substratos em
decomposição (composto de minhoca)
ex.: Eisenia fetida (minhoca do estrume),
Lumbricus sp
ANÉCICAS  fossadoras musculadas, migração profunda,
temem a luz e a secura
ex.: Eophila gigas
ENDÓGEAS  fossadoras musculadas no interior do solo,
geófagas
HÁBITOS DE VIDA
► fragmentam e alimentam-se de MO que transportam
em profundidade
► mastigam M.O. e a terra que ingerem e cimentam-nas
em dejetos
 agregados muito estáveis
► dejecções muito mais ricas em K, P e Mg assimiláveis
 ataque a minerais e MO pelas enzimas digestivas
HÁBITOS DE VIDA
► cavam redes de galerias (4.000 Km/ha)
 circulação de ar e água
► “em 10 anos toda a camada humífera de um prado
passa pelo tubo digestivo das minhocas”
CONDIÇÕES FAVORÁVEIS
 pH próx. neutralidade  humidade moderada
 oxigénio  detritos vegetais
 presença de Ca (essencial ao funcionamento
das glândulas)
Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
A avaliação do estado de fertilidade do solo pode ser feita através de vários
processos:
Observação visual da cultura (sintomas de carências, …)
Observação do solo, exterior e interior (perfil cultural) (camadas, compactação,
circulação de água, coloração, pedregosidade, revestimento do solo, …)
Análise de terra (As análises de terra (físicas, químicas e biológicas) permitem
conhecer melhor o solo, a sua capacidade produtiva, e ainda realizar uma
fertilização mais correta, sem excessos ou faltas)
Análise de folhas e frutos (podem existir determinados nutrientes no solo
(revelados pela análise de terra), que não estejam a ser absorvidos pela planta,
torna-se portanto necessário recorrer às análise foliares, como complemento
das de terra, pois estas permitem-nos detetar com maior precisão eventuais
carências nutricionais).
pH, MO, P2O5 e K2O
Processos de
avaliação do
estado de
fertilidade
do solo
Catiões de troca: Ca2+, Mg2+, K+ e Na+
Metais pesados: Cu, Zn, Cd, Cr, Pb e Ni
Plantas indicadoras da fertilidade do solo (ervas
“infestantes” ou “daninhas”)
Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
Nesta unidade vamos apenas tratar o ultimo ponto “Plantas indicadoras da
fertilidade do solo”, uma vez que alguns destes aspetos serão abordados noutras
unidades mais à frente, e porque estamos a falar de Agricultura Biológica.
Em agricultura biológica recomenda-se, entre outras, a utilização da análise da
composição florística.
Uma espécie de planta será indicadora da área imediata onde vive. A abundância e o
porte de certas espécies, podem igualmente ser indicadores.
Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
No terreno onde vegeta o dente-de-leão, Taraxacacum officinale, o solo é
suficientemente bom para a maioria dos legumes.
O taráxaco transporta os minerais, (cálcio) desde o níveis mais profundos do solo
para a superfície.
O saramago, Raphanaus raphanistrum, transporta os minerais, (potássio) para a
superfície.
Tradicionalmente em Trás-os-Montes os agricultores utilizavam as giestas para
seleccionar os terrenos destinados à oliveira (giesta-amarela, Cytisus striatus,
desenvolve-se em terrenos mais profundos e ricos) e para a amendoeira (giesta-
branca, Cytisus multiflorus, em terrenos mais delgados e pobres, eram destinados
à amendoeira).
Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
No quadro seguinte encontram-se algumas plantas que
se podem encontrar em diferentes tipos de solo. De
referir que algumas não são exclusivas do tipo de solo
indicado, contudo têm preferência por esse.
Fonte: “ As bases da Agricultura Biológica ”, 2009, Edibio
Fonte: “ As bases da Agricultura Biológica ”, 2009, Edibio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
Bruno Anacleto
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Ii.fertilizacao do solo
Ii.fertilizacao do soloIi.fertilizacao do solo
X
XX
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e FrutíferasAdubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Rural Pecuária
 
Apostila materia organica
Apostila materia organicaApostila materia organica
Apostila materia organica
Vânia Figueiredo
 
1 5 i
1 5 i1 5 i
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliçasAdubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
João Siqueira da Mata
 
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
Emlur
 
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Gilberto Fugimoto
 
Rotacao de culturas
Rotacao de culturasRotacao de culturas
Rotacao de culturas
mvezzone
 
Adubação orgânica
Adubação orgânicaAdubação orgânica
Adubação orgânica
Ewerton Guilherme
 
002 solos - apostila técnica corrigida
002   solos - apostila técnica corrigida002   solos - apostila técnica corrigida
002 solos - apostila técnica corrigida
Fernando Rodrigo.
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Tecnicas
TecnicasTecnicas
Tecnicas
mvezzone
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Igor Brant
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Maurício Coelho
 
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Rural Pecuária
 
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
Pelo Siro
 

Mais procurados (20)

Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Ii.fertilizacao do solo
Ii.fertilizacao do soloIi.fertilizacao do solo
Ii.fertilizacao do solo
 
X
XX
X
 
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e FrutíferasAdubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
Adubação Orgânica de Hortaliças e Frutíferas
 
Apostila materia organica
Apostila materia organicaApostila materia organica
Apostila materia organica
 
1 5 i
1 5 i1 5 i
1 5 i
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliçasAdubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
Adubação no sistema orgânico de produção de hortaliças
 
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
 
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
 
Rotacao de culturas
Rotacao de culturasRotacao de culturas
Rotacao de culturas
 
Adubação orgânica
Adubação orgânicaAdubação orgânica
Adubação orgânica
 
002 solos - apostila técnica corrigida
002   solos - apostila técnica corrigida002   solos - apostila técnica corrigida
002 solos - apostila técnica corrigida
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Tecnicas
TecnicasTecnicas
Tecnicas
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
 
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
Calagem e adubação para hortaliças sob cultivo protegido*
 
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
13549731 manutencao de_jardins_e_relvados_-_adubacao
 

Semelhante a 1 3 i

II. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.ppt
II. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.pptII. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.ppt
II. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.ppt
juditesilva10
 
microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
 microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes
microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
Editecminas
 
Solos
SolosSolos
Solo
SoloSolo
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
Carlaensino
 
Ambiente das plantas
Ambiente das plantasAmbiente das plantas
Ambiente das plantas
Danielle Sousa
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
crislania1
 
Misc soil attributes as quality indicators
Misc soil attributes as quality indicatorsMisc soil attributes as quality indicators
Misc soil attributes as quality indicators
Rhuanito1
 
A importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticasA importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticas
Viviane Bernardes dos Santos Miranda
 
Introdução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do soloIntrodução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do solo
Diony Odin
 
antonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Soloantonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Solo
Antonio Inácio Ferraz
 
Decomposição
DecomposiçãoDecomposição
Decomposição
Teresa Monteiro
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Gilson Nachtigall
 
Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...
Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...
Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...
VeryTrue1
 
Formação de solos
Formação de solosFormação de solos
Formação de solos
Leandro Oliveira
 
Cap 5 modificações na natureza
Cap 5   modificações na naturezaCap 5   modificações na natureza
Cap 5 modificações na natureza
Sarah Lemes
 
Seminario micro solo_macrofauna
Seminario micro solo_macrofaunaSeminario micro solo_macrofauna
Seminario micro solo_macrofauna
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias   os tipos de solos e suas caracteristicasCiencias   os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
Gustavo Soares
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
philipe8
 
Ciencias 6ano
Ciencias 6anoCiencias 6ano
Ciencias 6ano
julio2012souto
 

Semelhante a 1 3 i (20)

II. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.ppt
II. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.pptII. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.ppt
II. Fertilidade e fertilizacao solo_Moodle_Slides.ppt
 
microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
 microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes microrganismos do solo   formacao do solo, microrganismos e funcoes
microrganismos do solo formacao do solo, microrganismos e funcoes
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Apresentação horta
Apresentação hortaApresentação horta
Apresentação horta
 
Ambiente das plantas
Ambiente das plantasAmbiente das plantas
Ambiente das plantas
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
 
Misc soil attributes as quality indicators
Misc soil attributes as quality indicatorsMisc soil attributes as quality indicators
Misc soil attributes as quality indicators
 
A importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticasA importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticas
 
Introdução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do soloIntrodução ao estudo do solo
Introdução ao estudo do solo
 
antonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Soloantonio inacio ferraz-,Solo
antonio inacio ferraz-,Solo
 
Decomposição
DecomposiçãoDecomposição
Decomposição
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
 
Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...
Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...
Batista2018 [capítulo][obs. título - Princípios de fertilidade do solo, aduba...
 
Formação de solos
Formação de solosFormação de solos
Formação de solos
 
Cap 5 modificações na natureza
Cap 5   modificações na naturezaCap 5   modificações na natureza
Cap 5 modificações na natureza
 
Seminario micro solo_macrofauna
Seminario micro solo_macrofaunaSeminario micro solo_macrofauna
Seminario micro solo_macrofauna
 
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias   os tipos de solos e suas caracteristicasCiencias   os tipos de solos e suas caracteristicas
Ciencias os tipos de solos e suas caracteristicas
 
Tipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas característicasTipos de solo e suas características
Tipos de solo e suas características
 
Ciencias 6ano
Ciencias 6anoCiencias 6ano
Ciencias 6ano
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
Introd
IntrodIntrod
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.3
Ii.3Ii.3
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
apresentacao_curso_MPB_FNF
apresentacao_curso_MPB_FNFapresentacao_curso_MPB_FNF
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda (20)

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos
 
Introd
IntrodIntrod
Introd
 
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Modulo i pf
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.4
 
Ii.3
Ii.3Ii.3
Ii.3
 
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
 
apresentacao_curso_MPB_FNF
apresentacao_curso_MPB_FNFapresentacao_curso_MPB_FNF
apresentacao_curso_MPB_FNF
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

1 3 i

  • 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Colher amostras de terra, de folhas, de águas e planear a respetiva frequência e oportunidade; • Elaborar um plano de fertilização; • Relacionar as características físicas, químicas e biológicas de um solo com o desenvolvimento das plantas; • Referir as práticas fundamentais da fertilização no modo de produção biológico e planear a sua aplicação; • Controlar um processo de compostagem; • Reconhecer a necessidade de utilização de um composto e determinar as condições da sua aplicação; • Reconhecer as causas de erosão de um solo e ativar os meios para a minimizar. Fertilidade e fertilização do solo
  • 3. “As bases da Agricultura biológica”, 2009, Edibio A base para a produção biológica é o solo, a sua fertilidade, o ecossistema e respetiva biodiversidade, num compromisso entre o ecologicamente possível e o economicamente viável. O solo é a base da produção e é considerado como um sistema vivo, com muitos organismos em interacção com as plantas e com as componentes física (argila, limo, areia) e química (nutrientes solúveis no solo). O solo, para além da cultura, tem de ser alimentado. Alimenta-se o solo que alimentará a planta.
  • 4. Conceitos básicos da fertilidade do solo em AB O solo serve de suporte às plantas terrestres que nele desenvolvem as suas raízes, e dele obtêm grande parte dos elementos nutritivos de que necessitam. Um solo fértil é aquele que é capaz de fornecer à planta os nutrientes em quantidades e proporções adequadas ao seu bom crescimento e desenvolvimento em consonância com o clima. Então o que será um solo fértil?
  • 5. Traduz-se na aptidão para proporcionar a uma cultura a expressão do seu potencial produtivo. Esta exprime-se sob a forma: (textura, estrutura, permeabilidade, etc.) – manifestando-se ao nível da circulação da água e do ar, da capacidade de retenção da água, da facilidade de penetração das raízes e da maior ou menor resistência ao trabalho mecânico; Física (pH, nutrientes disponíveis, etc.) – manifestando-se ao nível da disponibilidade de nutrientes, bem como da sua mobilidade no solo e da absorção pelas raízes; Química
  • 6. (microorganismos e outros seres vivos, raízes) – manifestando-se ao nível da sua aptidão para decompor as matérias orgânicas e para manter associações nutritivas benéficas com a planta. Biológica
  • 7. A importância da matéria orgânica A matéria orgânica do solo é constituída principalmente por húmus resultante da decomposição de resíduos e fertilizantes de origem animal e vegetal. Esses resíduos são transformados pela ação dos organismos do solo .
  • 8. Parte mineraliza-se e transforma-se em nutrientes solúveis (azoto, fósforo, potássio, cálcio e outros) alimentando as plantas. A parte restante sofre um processo de humificação e transforma-se em húmus. É a parte estável da matéria orgânica que também se mineraliza mas muito mais lentamente (cerca de 2% ao ano, conforme as condições). A importância da matéria orgânica
  • 9. O húmus tem características de grande interesse para a produção agrícola. Influencia a fertilidade do solo e as suas características físicas, químicas e biológicas. A importância da matéria orgânica
  • 10. a1) Cor e aquecimento (+ húmus > cor escura > aquecimento > absorção radiação solar) a) Influência sobre as propriedades físicas: a2) Coesão (+ ligeiros os argilosos e pesados “dá corpo” aos arenosos) a3) Estabilidade estrutural (torna os agregados mais estáveis em relação à ação destrutiva da chuva, vento e outros agentes) a4) Permeabilidade (> permeabilidade do solo á agua e ao ar, pelo aumento da porosidade e da atividade da fauna do solo, minhocas) a5) Retenção de água o húmus retém cerca de 15 x o seu peso em água + que a argila, seca e humedece mais devagar, contribuindo para a estabilidade e resistência à chuva) A importância da matéria orgânica
  • 11. b1) O pH (o húmus tem poder tampão, i.é., evita grandes variações de pH, o que é vantajoso para as culturas) b) Influência sobre as propriedades químicas: b2) A capacidade de troca catiónica (a capacidade de retenção e troca de elementos de carga positiva [K, Ca, Mg, Na, Amónio] entre o solo e a planta é aumentada pelo húmus, em 5 x + que as argilas) b3) Teor de nutrientes (a m. o. acumula grandes Qts de nutrientes, principal/e N e P) A importância da matéria orgânica
  • 12. c1) Aumento da atividade biológica (a m. o. é alimento para os organismos do solo; um solo biologicamente ativo tem grande quantidade de vitaminas (B6 e B12), fatores naturais de crescimento (auxinas, giberelinas) e até antibióticos (penicilina, terramicina) c) Influência sobre as propriedades biológicas: c2) Regulação do estado óxido-redutor do solo (quando o oxigénio falta o húmus facilita a respiração da raiz (propriedades físicas)) c3) Aumento das trocas gasosas (2 gases têm grande importância, o Oxigénio – condiciona a respiração das raízes e organismos do solo; e o CO2 – resultante da atividade respiratória desses organismos, também necessário a outros organismos do solo) c4) Aumento da produção de CO2 (a produção deste gás no solo acidifica-o favorecendo a solubilização de alguns compostos pouco solúveis, aumentando a sua absorção pelas plantas) A importância da matéria orgânica
  • 14. Atividade biológica do solo O solo é “habitado” por uma enorme variedade de organismos, possuindo uma importância fundamental na sua fertilidade, na nutrição das plantas e na prevenção de pragas e doenças. Um solo fértil é um mundo vivo com milhões de organismos, numa quantidade que pode chegar a várias toneladas por hectare. Um hectare de solo pode conter, em termos médios, entre 2,5 a 5 toneladas de seres vivos, sendo os fungos, as bactérias e também as minhocas as maiores frações. (As bases da Agricultura Biológica , 2009, Edibio)
  • 15. FRACÇÃO MO de um solo Humus 85.0% SERES VIVOS 5.0% M.O.frescas+Transitori 10.0% Constituída por (ex: solo de prado) Fonte: “ As bases da Agricultura Biológica ”, 2009, Edibio
  • 16. FRACÇÃO SERES VIVOS de um solo Constituída por Fungos+Algas 40.0% Bacterias 40.0% Minhocas 12.0% Microfauna 3.0% Macrofauna 5.0% Fonte: “ As bases da Agricultura Biológica ”, 2009, Edibio
  • 17. BIOMASSA DOS SERES VIVOS DO SOLO DEPENDE  presença de matéria orgânica  humidade  arejamento, pH, temperatura,...  tipo de solo  salinidade  nível de substâncias poluentes  ... FRACÇÃO SERES VIVOS de um solo
  • 18. BACTÉRIAS autotróficas  Nitrosomonas, Nitrosococcus, Nitrobacter, ... (aeróbias), Bacillus, ... BACTÉRIAS semi-autotróficas  Azotobacter (aeróbia), Clostridium (anaeróbia), Rhizobium (simbionte), ... BACTÉRIAS heterotróficas  a maioria (decompõem, humificam, mineralizam, …) “FAUNA” de um solo – reino MONERA
  • 19. CIANOFÍCEAS  algas azuis, quase todas fotossintéticas, capazes de colonizar áreas nuas de rocha e solo • muitas fixam N (ex.: Anabaena ) outras são mais conhecidas: Nostoc, Oscillatoria, ... “FLORA” de um solo – reino MONERA
  • 20. ACTINOMYCETES  corpo unicelular como as bactérias e aspeto ramificado dos fungos • atacam a lenhina e o húmus (Nocardia, Streptomyces, ...) alguns são simbiontes (Frankia, fixador de N nas raízes de amieiros) “FLORA” de um solo – reino MONERA
  • 21. FUNGOS • todos heterotróficos, talvez os mais importantes decompositores • libertam enzimas específicas na degradação de MO pouco degradáveis  lenhinas, celuloses, ... • excretam metabolitos importantes • simbiontes com raízes de plantas: micorrizas “FLORA” de um solo – reino FUNGI
  • 22. PROTOZOÁRIOS • seleção reguladora na composição da flora microbiana (bactérias) flagelados com clorofila (Euglena) rizópodes (Amiba) ciliados (Paramécia) “FAUNA” de um solo – reino PROTISTA
  • 23. filo Rotifera – ROTÍFEROS animáculos microscópicos, com coroa de cílios no cimo filo Nematoda – NEMÁTODOS espécies detritívoras, predadores e parasitas “FAUNA” de um solo – reino ANIMALIA
  • 24. filo Rotifera – ROTÍFEROS
  • 25. Filo Nematoda – NEMÁTODOS
  • 26. filo arthropoda – ARTRÓPODES CLASSE ARACHNIDA : Ácaros, falsos escorpiões, ... CLASSE INSECTA : larvas de dípteros, lepismas, colembola, formigas, coleópteros ... CLASSE DIPLOPODA : milípedes CLASSE CRUSTACEA : isópodes CLASSE CHILOPODA : centípedes
  • 27. filo arthropoda – ARTRÓPODES CLASSE DIPLOPODA : milípedes
  • 28. filo arthropoda – ARTRÓPODES CLASSE CRUSTACEA : isópodes
  • 29. filo arthropoda – ARTRÓPODES CLASSE CHILOPODA : centípedes
  • 30. filo mollusca – MOLUSCOS CLASSE GASTROPODA : caracóis, lesmas, … filo annelida – ANELÍDEOS CLASSE OLIGOCHAETA : minhocas
  • 31. MICROFLORA DE DECOMPOSIÇÃO camada de MO fresca junto à superfície do solo  FAUNA  fragmentos  FUNGOS,  ACTINOMICETES,  BACTÉRIAS  decomposição intensa TRABALHO DA MICROFLORA
  • 32. MICROFLORA DE DECOMPOSIÇÃO  inibe as raízes e a germinação de sementes  solo subjacente enriquece em partículas orgânicas e em micróbios  adquire estrutura IMPLICAÇÕES PRÁTICAS ► não semear ou colocar as raízes junto com M.O. Frescas
  • 33. MICROFLORA DE ASSIMILAÇÃO RIZOSFERA  microrganismos concentrados em torno das raízes Bactérias (principalmente): Pseudomonas, Arthrobacter, Bacillus, … também fungos e actinomicetes Os micróbios do solo são intermediários quase obrigatórios entre as matérias orgânicas e minerais do solo e a planta
  • 34. MINHOCAS Filo ANNELIDA - classe OLIGOCHAETA 3 grupos segundo a sua especialização ecológica : ► EPÍGEAS ► ANÉCICAS ► ENDÓGEAS
  • 35. EPÍGEAS  vivem junto à superfície, pouco musculadas, muito móveis, mais adaptadas aos substratos em decomposição (composto de minhoca) ex.: Eisenia fetida (minhoca do estrume), Lumbricus sp ANÉCICAS  fossadoras musculadas, migração profunda, temem a luz e a secura ex.: Eophila gigas ENDÓGEAS  fossadoras musculadas no interior do solo, geófagas
  • 36. HÁBITOS DE VIDA ► fragmentam e alimentam-se de MO que transportam em profundidade ► mastigam M.O. e a terra que ingerem e cimentam-nas em dejetos  agregados muito estáveis ► dejecções muito mais ricas em K, P e Mg assimiláveis  ataque a minerais e MO pelas enzimas digestivas
  • 37. HÁBITOS DE VIDA ► cavam redes de galerias (4.000 Km/ha)  circulação de ar e água ► “em 10 anos toda a camada humífera de um prado passa pelo tubo digestivo das minhocas” CONDIÇÕES FAVORÁVEIS  pH próx. neutralidade  humidade moderada  oxigénio  detritos vegetais  presença de Ca (essencial ao funcionamento das glândulas)
  • 38. Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo A avaliação do estado de fertilidade do solo pode ser feita através de vários processos: Observação visual da cultura (sintomas de carências, …) Observação do solo, exterior e interior (perfil cultural) (camadas, compactação, circulação de água, coloração, pedregosidade, revestimento do solo, …) Análise de terra (As análises de terra (físicas, químicas e biológicas) permitem conhecer melhor o solo, a sua capacidade produtiva, e ainda realizar uma fertilização mais correta, sem excessos ou faltas) Análise de folhas e frutos (podem existir determinados nutrientes no solo (revelados pela análise de terra), que não estejam a ser absorvidos pela planta, torna-se portanto necessário recorrer às análise foliares, como complemento das de terra, pois estas permitem-nos detetar com maior precisão eventuais carências nutricionais). pH, MO, P2O5 e K2O
  • 39. Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
  • 40. Catiões de troca: Ca2+, Mg2+, K+ e Na+ Metais pesados: Cu, Zn, Cd, Cr, Pb e Ni Plantas indicadoras da fertilidade do solo (ervas “infestantes” ou “daninhas”) Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
  • 41. Nesta unidade vamos apenas tratar o ultimo ponto “Plantas indicadoras da fertilidade do solo”, uma vez que alguns destes aspetos serão abordados noutras unidades mais à frente, e porque estamos a falar de Agricultura Biológica. Em agricultura biológica recomenda-se, entre outras, a utilização da análise da composição florística. Uma espécie de planta será indicadora da área imediata onde vive. A abundância e o porte de certas espécies, podem igualmente ser indicadores. Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
  • 42. No terreno onde vegeta o dente-de-leão, Taraxacacum officinale, o solo é suficientemente bom para a maioria dos legumes. O taráxaco transporta os minerais, (cálcio) desde o níveis mais profundos do solo para a superfície. O saramago, Raphanaus raphanistrum, transporta os minerais, (potássio) para a superfície. Tradicionalmente em Trás-os-Montes os agricultores utilizavam as giestas para seleccionar os terrenos destinados à oliveira (giesta-amarela, Cytisus striatus, desenvolve-se em terrenos mais profundos e ricos) e para a amendoeira (giesta- branca, Cytisus multiflorus, em terrenos mais delgados e pobres, eram destinados à amendoeira). Processos de avaliação do estado de fertilidade do solo
  • 43. No quadro seguinte encontram-se algumas plantas que se podem encontrar em diferentes tipos de solo. De referir que algumas não são exclusivas do tipo de solo indicado, contudo têm preferência por esse.
  • 44. Fonte: “ As bases da Agricultura Biológica ”, 2009, Edibio
  • 45. Fonte: “ As bases da Agricultura Biológica ”, 2009, Edibio