SlideShare uma empresa Scribd logo
CONGRESSO BRASILEIRO DE
EFICIÊNCIA ENERGETICA
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS
MISSÃO
Impulsionar atividades
técnico-científicas,
político-institucionais e
de gestão
contribuindo para o
desenvolvimento do
Saneamento Ambiental,
visando melhorar a
saúde, o meio
ambiente e a
qualidade de vida das
pessoas.
VISÃO
Ser reconhecida,
nacionalmente, como a
principal entidade de
referência, no setor de
saneamento ambiental.
ABES - Missão e Visão
Saneamento é um dos segmentos mais
atrasados da infraestrutura...
Portos Saneamento
Rodovias e
Ferrovias
Aeroportos Energia Telecom
Nível de Desenvolvimento e Competitividade do Setor
Mais
Desenvolvido
Menos
Desenvolvido
Fonte: Apresentação Dr. Mascarenhas – CNI (Fórum Estadão, 13/09/2012)
Níveis de atendimento Total de
água e esgoto 2014 por região
Norte
Nordeste
Sudeste
Sul
Centro
Oeste
14.4
31.4
45.7
36.9
46.4
Tratamento
7.9
23.8
78.3
38.1
46.9
Esgoto
54.5
72.9
91.7
88.2
88.9
Água
Fonte: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2014 – SNIS
Brasil - Pop. Total
Água - 83,0%
Esgoto - 49,8%
Tratamento - 40,8%
em relação à água consumida
Gestão do Saneamento Ambiental no Brasil
27 empresas
estaduais
atendem a
75% da
população
brasileira
Empresas e
autarquias
municipais
Empresas
privadas
Consórcios e
parcerias
diversas
Prestadores de Serviços
Fonte: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgoto – 2014 - SNIS
Prestadores / Formulários Completos
Prestador de serviços Municípios atendidos (qtd) População urbana
Abrangência Quantidade Água Esgotos Água Esgotos
Regional 28 4.002 1.292 126.193.641 100.547.896
Microrregional 6 18 13 686.146 625.255
Local 1.474 1.117 1.040 43.683.854 49.830.637
Brasil 1.508 5.137 2.345 170.563.641 151.003.788
Investimentos realizados nos serviços de abastecimento
de água e de esgotamento sanitário no período de 1995
a 2014, segundo estado e macrorregião
-
10
20
30
40
50
60
NORTE NORDESTE SUDESTE SUL CENTRO-OESTE
Bilhões
ÁGUA ESGOTO
Fonte: Série Histórica SNIS 1995-2014
Nota: Valores atualizados pelo IPCA até dezembro de 2015
Água
083
Esgoto
090
Brasil em bilhões
Total: 173,0
Fonte: Série Histórica SNIS 1995-2014
Notas: 25 bilhões não alocados segundo a origem do recurso
Valores atualizados pelo IPCA até dezembro de 2015
Investimentos realizados nos serviços de abastecimento
de água e de esgotamento sanitário no período de 1995
a 2014, segundo estado e macrorregião
-
10
20
30
40
50
60
NORTE NORDESTE SUDESTE SUL CENTRO-OESTE
BILHÕES
PRÓPRIO ONEROSO NÃO ONEROSO
PRÓPRIO
77
ONEROSO
46
NÃO
ONEROSO
25
Saneamento: valores contratados x
desembolsados
18
1496
1539
17
1019
3125
3630
1642
3134
1049
3098
1264
126
92
253
486
721
700
1355
1689
1449
1523
1386
897
2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Contratação Desembolso
Fonte: CEF até agosto/2013
Desafios
• PLANEJAMENTO
• GESTÃO OPERACIONAL
– pesquisa e tecnologia
– processos claramente definidos e atualizados
– capacitação de pessoas
– modelos de gestão focados na execelência
– Eficiência energética
Programas - PLANSAB
Programa 1 • Saneamento Integrado
investimento em ações estruturais
Programa 2 • Saneamento Rural
Programa 3 • Saneamento Estruturante
Programas de eficiência energética
Necessidade de Investimentos
Versão atualizada PLANSAB
AÇÃO
ORIGEM
ESTRUTURAL ESTRUTURANTE TOTAL
Total
Agentes
Federais
Outros
agentes Total
Agentes
Federais
Outros
agentes Total
Agentes
Federais
Outros
agentes
R$ % R$ % R$ % R$ % R$ % R$ %
2014-2033
Água 84.386 67.509 80 16.877 20 37.736 11.329 30 26.434 70 122.149 78.838 65 43.311 35
Esgoto 156.666 133.166 85 23.500 15 25.226 5.802 23 19.424 77 181.893 138.968 76 42.924 24
R.S.U 15.523 12.418 80 3.105 20 7.838 - 0 7.838 100 23.361 12.418 53 10.943 47
Dren.Urbana 27.188 21.750 80 5.438 20 41.517 12.455 30 29.062 70 68.705 34.205 50 34.500 50
Gestão 0 0 0 0 0 112.345 33.703 30 78.641 70 112.345 33.703 30 78.641 70
Total 283.763 234.844 83 48.919 17 224.689 63.290 28 161.400 72 508.452 298.133 59 210.319 41
(1) Os valores resultam das previsões de necessidade de investimentos baseadas no Cenário 1. (2) Incluem-se os recursos
provenientes do Orçamento Geral da União (OGU) e dos agentes financeiros e de fomento do Governo Federal dentre outros. (3)
Os valores dos PAC 1 e PAC 2, contratados ou em contratação, não foram deduzidos dos valores previstos, já que a estimativa de
investimentos tem como ponto de partida o momento anterior à incidência de impactos significativos desses programas sobre os
indicadores projetados.’
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
DF
GO
TO
RJ
ES
PR
SP
RS
MS
MG
SC
PB
BA
CE
PA
AL
AM
MT
PI
RO
PE
RN
AC
MA
RR
SE
AP
Média
Fonte: SNIS 2014
SITUAÇÃO DAS CESBS
Perdas de distribuição (%)
Os 5 maiores Índices
Estado
%
Perdas
Acre 54,9
Maranhão 57,9
Roraima 59,4
Sergipe 60,2
Amapá 78,2
Os 5 menores
Distrito Federal 27,1
Goias 28,5
Rio de Janeiro 31,1
Espírito Santo 32,4
Paraná 32,5
Brasil 36,7%
Custo anual das perdas de energia no
setor de saneamento (plano nacional de energia elétrica)
Conclusões
Universalização
• Implantar sistemas com alto
rendimento
Planejamento • Focar no PLANSAB
Operação
• Oportunidade com redução de
perdas de água
Roberval Tavares de Souza
Presidente Nacional da ABES
rtsouza@sabesp.com.br
Tel.: (21) 2277-3900
www.abes-dn.org.br
abes@abes-dn.org.br
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção ViávelGeração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção Viávelslides-mci
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energéticaslides-mci
 
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...slides-mci
 
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência EnergéticaIniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energéticaslides-mci
 
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação PúblicaEficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Públicaslides-mci
 
Solenidade de Abertura do 13º COBEE
Solenidade de Abertura do 13º COBEESolenidade de Abertura do 13º COBEE
Solenidade de Abertura do 13º COBEEslides-mci
 
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...slides-mci
 
Eficiência Energética em Transporte Vertical
Eficiência Energética em Transporte Vertical	Eficiência Energética em Transporte Vertical
Eficiência Energética em Transporte Vertical slides-mci
 
Sistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição InteligenteSistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição Inteligenteslides-mci
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?slides-mci
 
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e ComércioPanorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércioslides-mci
 
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...slides-mci
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestãoslides-mci
 
Eficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas IndustriaisEficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas Industriaisslides-mci
 
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São PauloO Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Pauloslides-mci
 
Agências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento InternacionaisAgências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento Internacionaisslides-mci
 
PIMVP no Contexto da Gestão Energética
PIMVP no Contexto da Gestão EnergéticaPIMVP no Contexto da Gestão Energética
PIMVP no Contexto da Gestão Energéticaslides-mci
 
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência EnergéticaOs Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energéticaslides-mci
 
Eficiência Energética de Ponta a Ponta
Eficiência Energética de Ponta a PontaEficiência Energética de Ponta a Ponta
Eficiência Energética de Ponta a Pontaslides-mci
 
Cidades e mudancas climaticas ppt inicial
Cidades e mudancas climaticas ppt inicialCidades e mudancas climaticas ppt inicial
Cidades e mudancas climaticas ppt inicialEder Zanetti
 

Mais procurados (20)

Geração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção ViávelGeração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção Viável
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energética
 
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
 
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência EnergéticaIniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
 
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação PúblicaEficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
 
Solenidade de Abertura do 13º COBEE
Solenidade de Abertura do 13º COBEESolenidade de Abertura do 13º COBEE
Solenidade de Abertura do 13º COBEE
 
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
Projeto 3E - Transformação do mercado de eficiência energética em edifícios p...
 
Eficiência Energética em Transporte Vertical
Eficiência Energética em Transporte Vertical	Eficiência Energética em Transporte Vertical
Eficiência Energética em Transporte Vertical
 
Sistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição InteligenteSistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição Inteligente
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
 
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e ComércioPanorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
 
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
 
Eficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas IndustriaisEficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas Industriais
 
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São PauloO Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
 
Agências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento InternacionaisAgências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento Internacionais
 
PIMVP no Contexto da Gestão Energética
PIMVP no Contexto da Gestão EnergéticaPIMVP no Contexto da Gestão Energética
PIMVP no Contexto da Gestão Energética
 
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência EnergéticaOs Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
 
Eficiência Energética de Ponta a Ponta
Eficiência Energética de Ponta a PontaEficiência Energética de Ponta a Ponta
Eficiência Energética de Ponta a Ponta
 
Cidades e mudancas climaticas ppt inicial
Cidades e mudancas climaticas ppt inicialCidades e mudancas climaticas ppt inicial
Cidades e mudancas climaticas ppt inicial
 

Destaque

LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no MundoLEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundoslides-mci
 
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple ERumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple Eslides-mci
 
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVACChillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVACslides-mci
 
Soluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e Indústrias
Soluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e IndústriasSoluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e Indústrias
Soluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e Indústriasslides-mci
 
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento NacionaisFinanciamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionaisslides-mci
 
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de InterioresSistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de Interioresslides-mci
 
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico	Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico slides-mci
 
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública	Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública slides-mci
 
Projeto Green Park
Projeto Green ParkProjeto Green Park
Projeto Green Parkslides-mci
 
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCELMecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCELslides-mci
 
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência EnergéticaExperiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energéticaslides-mci
 
Alternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as EscosAlternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as Escosslides-mci
 

Destaque (12)

LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no MundoLEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
 
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple ERumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
 
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVACChillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
 
Soluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e Indústrias
Soluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e IndústriasSoluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e Indústrias
Soluções de Energia em Eficiência Energética para Shoppings e Indústrias
 
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento NacionaisFinanciamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
 
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de InterioresSistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
 
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico	Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
 
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública	Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
 
Projeto Green Park
Projeto Green ParkProjeto Green Park
Projeto Green Park
 
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCELMecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
 
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência EnergéticaExperiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
 
Alternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as EscosAlternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as Escos
 

Semelhante a Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental

Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005
Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005
Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005Paulo Emerson Pereira
 
Xxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_up
Xxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_upXxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_up
Xxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_upJuliano Rodrigues
 
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro SaraivaCRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraivapedrogfhferreira
 
BNDES - Organização e Desempenho
BNDES - Organização e DesempenhoBNDES - Organização e Desempenho
BNDES - Organização e DesempenhoBNDES
 
Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14
Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14
Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14CPFL RI
 
Produto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliado
Produto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliadoProduto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliado
Produto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliadoCentro de Estudos Ambientais
 
jundiai-proj21-pmo-deltaconsultoria
jundiai-proj21-pmo-deltaconsultoriajundiai-proj21-pmo-deltaconsultoria
jundiai-proj21-pmo-deltaconsultoriaMarco Coghi
 
Governança na Gestão Pública
Governança na Gestão PúblicaGovernança na Gestão Pública
Governança na Gestão PúblicaLuis Nassif
 
Inovação no setor público - EloGroup
Inovação no setor público - EloGroupInovação no setor público - EloGroup
Inovação no setor público - EloGroupEloGroup
 
Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...
Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...
Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...PAC
 
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...Marcio Nicknig
 
RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANA
RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANARELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANA
RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANAAgência Peixe Vivo
 

Semelhante a Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental (20)

FGV / IBRE - Apoio do BNDES à Infraestrutura
FGV / IBRE - Apoio do BNDES à Infraestrutura FGV / IBRE - Apoio do BNDES à Infraestrutura
FGV / IBRE - Apoio do BNDES à Infraestrutura
 
O bom uso do Fundeb no Município
O bom uso do Fundeb no MunicípioO bom uso do Fundeb no Município
O bom uso do Fundeb no Município
 
Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005
Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005
Agenda da eficiência resumo do Governo Federal - 31/01/2005
 
Xxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_up
Xxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_upXxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_up
Xxv forum estadual-gestão-29_11-update-sem-market_up
 
18.11 apresentação fsm_final
18.11 apresentação fsm_final18.11 apresentação fsm_final
18.11 apresentação fsm_final
 
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro SaraivaCRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
CRER no Centro de Portugal - Pedro Saraiva
 
Relatório de Agosto 2013
Relatório de Agosto 2013Relatório de Agosto 2013
Relatório de Agosto 2013
 
BNDES - Organização e Desempenho
BNDES - Organização e DesempenhoBNDES - Organização e Desempenho
BNDES - Organização e Desempenho
 
Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14
Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14
Apresentação Webcast CPFL Energia_2T14
 
Produto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliado
Produto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliadoProduto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliado
Produto 9 -_versão_preliminar_do_pmsb_-_com_minuta_de_lei_(reparado) - avaliado
 
PLANOS, METAS E AÇÕES - GESTÃO 2019-20022
PLANOS, METAS E AÇÕES - GESTÃO 2019-20022 PLANOS, METAS E AÇÕES - GESTÃO 2019-20022
PLANOS, METAS E AÇÕES - GESTÃO 2019-20022
 
Fdi
FdiFdi
Fdi
 
jundiai-proj21-pmo-deltaconsultoria
jundiai-proj21-pmo-deltaconsultoriajundiai-proj21-pmo-deltaconsultoria
jundiai-proj21-pmo-deltaconsultoria
 
Governança na Gestão Pública
Governança na Gestão PúblicaGovernança na Gestão Pública
Governança na Gestão Pública
 
Inovação no setor público - EloGroup
Inovação no setor público - EloGroupInovação no setor público - EloGroup
Inovação no setor público - EloGroup
 
Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...
Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...
Apresentação do secretário do PAC, Maurício Muniz, na 1ª Jornada Internaciona...
 
Fdi
FdiFdi
Fdi
 
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
 
RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANA
RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANARELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANA
RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 7/2015/AUD - ANA
 
Plano de Gestão Saúde
Plano de Gestão SaúdePlano de Gestão Saúde
Plano de Gestão Saúde
 

Mais de slides-mci

11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos 24 08 pao de acucarslides-mci
 
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucarslides-mci
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea slides-mci
 
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucarslides-mci
 
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucarslides-mci
 
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucarslides-mci
 
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urcaslides-mci
 
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovadoslides-mci
 
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontalslides-mci
 
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovadoslides-mci
 
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucarslides-mci
 
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucarslides-mci
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08slides-mci
 
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucarslides-mci
 
14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme 14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme slides-mci
 
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barraslides-mci
 
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogoslides-mci
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barraslides-mci
 
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogoslides-mci
 
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontalslides-mci
 

Mais de slides-mci (20)

11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
 
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
 
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
 
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
 
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
 
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
 
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
 
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
 
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
 
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
 
14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme 14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme
 
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
 
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
 
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
 
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
 

Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental

  • 1. CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGETICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS
  • 2. MISSÃO Impulsionar atividades técnico-científicas, político-institucionais e de gestão contribuindo para o desenvolvimento do Saneamento Ambiental, visando melhorar a saúde, o meio ambiente e a qualidade de vida das pessoas. VISÃO Ser reconhecida, nacionalmente, como a principal entidade de referência, no setor de saneamento ambiental. ABES - Missão e Visão
  • 3. Saneamento é um dos segmentos mais atrasados da infraestrutura... Portos Saneamento Rodovias e Ferrovias Aeroportos Energia Telecom Nível de Desenvolvimento e Competitividade do Setor Mais Desenvolvido Menos Desenvolvido Fonte: Apresentação Dr. Mascarenhas – CNI (Fórum Estadão, 13/09/2012)
  • 4. Níveis de atendimento Total de água e esgoto 2014 por região Norte Nordeste Sudeste Sul Centro Oeste 14.4 31.4 45.7 36.9 46.4 Tratamento 7.9 23.8 78.3 38.1 46.9 Esgoto 54.5 72.9 91.7 88.2 88.9 Água Fonte: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2014 – SNIS Brasil - Pop. Total Água - 83,0% Esgoto - 49,8% Tratamento - 40,8% em relação à água consumida
  • 5. Gestão do Saneamento Ambiental no Brasil 27 empresas estaduais atendem a 75% da população brasileira Empresas e autarquias municipais Empresas privadas Consórcios e parcerias diversas
  • 6. Prestadores de Serviços Fonte: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgoto – 2014 - SNIS Prestadores / Formulários Completos Prestador de serviços Municípios atendidos (qtd) População urbana Abrangência Quantidade Água Esgotos Água Esgotos Regional 28 4.002 1.292 126.193.641 100.547.896 Microrregional 6 18 13 686.146 625.255 Local 1.474 1.117 1.040 43.683.854 49.830.637 Brasil 1.508 5.137 2.345 170.563.641 151.003.788
  • 7. Investimentos realizados nos serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário no período de 1995 a 2014, segundo estado e macrorregião - 10 20 30 40 50 60 NORTE NORDESTE SUDESTE SUL CENTRO-OESTE Bilhões ÁGUA ESGOTO Fonte: Série Histórica SNIS 1995-2014 Nota: Valores atualizados pelo IPCA até dezembro de 2015 Água 083 Esgoto 090 Brasil em bilhões Total: 173,0
  • 8. Fonte: Série Histórica SNIS 1995-2014 Notas: 25 bilhões não alocados segundo a origem do recurso Valores atualizados pelo IPCA até dezembro de 2015 Investimentos realizados nos serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário no período de 1995 a 2014, segundo estado e macrorregião - 10 20 30 40 50 60 NORTE NORDESTE SUDESTE SUL CENTRO-OESTE BILHÕES PRÓPRIO ONEROSO NÃO ONEROSO PRÓPRIO 77 ONEROSO 46 NÃO ONEROSO 25
  • 9. Saneamento: valores contratados x desembolsados 18 1496 1539 17 1019 3125 3630 1642 3134 1049 3098 1264 126 92 253 486 721 700 1355 1689 1449 1523 1386 897 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Contratação Desembolso Fonte: CEF até agosto/2013
  • 10. Desafios • PLANEJAMENTO • GESTÃO OPERACIONAL – pesquisa e tecnologia – processos claramente definidos e atualizados – capacitação de pessoas – modelos de gestão focados na execelência – Eficiência energética
  • 11. Programas - PLANSAB Programa 1 • Saneamento Integrado investimento em ações estruturais Programa 2 • Saneamento Rural Programa 3 • Saneamento Estruturante Programas de eficiência energética
  • 12. Necessidade de Investimentos Versão atualizada PLANSAB AÇÃO ORIGEM ESTRUTURAL ESTRUTURANTE TOTAL Total Agentes Federais Outros agentes Total Agentes Federais Outros agentes Total Agentes Federais Outros agentes R$ % R$ % R$ % R$ % R$ % R$ % 2014-2033 Água 84.386 67.509 80 16.877 20 37.736 11.329 30 26.434 70 122.149 78.838 65 43.311 35 Esgoto 156.666 133.166 85 23.500 15 25.226 5.802 23 19.424 77 181.893 138.968 76 42.924 24 R.S.U 15.523 12.418 80 3.105 20 7.838 - 0 7.838 100 23.361 12.418 53 10.943 47 Dren.Urbana 27.188 21.750 80 5.438 20 41.517 12.455 30 29.062 70 68.705 34.205 50 34.500 50 Gestão 0 0 0 0 0 112.345 33.703 30 78.641 70 112.345 33.703 30 78.641 70 Total 283.763 234.844 83 48.919 17 224.689 63.290 28 161.400 72 508.452 298.133 59 210.319 41 (1) Os valores resultam das previsões de necessidade de investimentos baseadas no Cenário 1. (2) Incluem-se os recursos provenientes do Orçamento Geral da União (OGU) e dos agentes financeiros e de fomento do Governo Federal dentre outros. (3) Os valores dos PAC 1 e PAC 2, contratados ou em contratação, não foram deduzidos dos valores previstos, já que a estimativa de investimentos tem como ponto de partida o momento anterior à incidência de impactos significativos desses programas sobre os indicadores projetados.’
  • 13. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 DF GO TO RJ ES PR SP RS MS MG SC PB BA CE PA AL AM MT PI RO PE RN AC MA RR SE AP Média Fonte: SNIS 2014 SITUAÇÃO DAS CESBS Perdas de distribuição (%) Os 5 maiores Índices Estado % Perdas Acre 54,9 Maranhão 57,9 Roraima 59,4 Sergipe 60,2 Amapá 78,2 Os 5 menores Distrito Federal 27,1 Goias 28,5 Rio de Janeiro 31,1 Espírito Santo 32,4 Paraná 32,5 Brasil 36,7%
  • 14. Custo anual das perdas de energia no setor de saneamento (plano nacional de energia elétrica)
  • 15. Conclusões Universalização • Implantar sistemas com alto rendimento Planejamento • Focar no PLANSAB Operação • Oportunidade com redução de perdas de água
  • 16. Roberval Tavares de Souza Presidente Nacional da ABES rtsouza@sabesp.com.br Tel.: (21) 2277-3900 www.abes-dn.org.br abes@abes-dn.org.br Obrigado!