SlideShare uma empresa Scribd logo
www.abgd.com.brAgosto/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Fonte: relatório EPIA 2014-2018
Projeção global para capacidade acumulada em FV
Dados históricos Cenário Otimista Cenário Moderado Linha média
GW
Mercado mundial: projeção de crescimento
www.abgd.com.brAgosto/2016
45.000 MWp de capacidade FV Ac. instalada
em 2015: 15.000 MWp
~1,7 milhões de instalações
40.000 MWp de capacidade FV Ac. instalada
em 2015: 15.000 MWp
~1,5 milhões de instalações
27.500 MWp de capacidade FV Ac. instalada
em 2015: 7.260 MWp
~1,0 milhão de instalações
70 MWp de capacidade FV Ac. instalada
em 2015: 40 MWp
~ 4.200 instalações
Capacidade mundial instalada:
Fonte: GTM, PV Magazine, IEA. Fraunhofer
www.abgd.com.brAgosto/2016
Previsões para o mercado mundial:
Atratividade para investimentos
Baixa
Mapa de grau de oportunidade em FV nos países do Sunbelt
Baixa
Alta
Alta
Atratividadeporpaís
Brasil entre os seis
melhores colocados
MEA CHINA AMERICAS APAC EUROPA
Fonte: relatório EPIA 2014/2018
www.abgd.com.brAgosto/2016
Centralizada x Distribuída
Geração distribuída
Geração centralizada
Galpão – 75 kWp - Alsol
Cidade Azul – SC – 3 MWp - Tractbel
www.abgd.com.brAgosto/2016
Vantagens:
Economia na conta de Energia Elétrica;
Geração no ponto de consumo;
 Eficiência Energética; redução de perdas;
 Alta confiabilidade;
 Economia em investimentos de transmissão;
 Utilização de fonte renovável, abundante;
 Geração de empregos especializados;
 Baixo impacto ambiental;
 Backup de energia; etc
Geração Distribuída:
foto: Dennis Schroeder
www.abgd.com.brAgosto/2016
Geração de empregos:
www.abgd.com.brAgosto/2016
Fatos relevantes – 3 pontos importantes:
I - Chamada 13/2011 - ANEEL
Em novembro de 2013 houve o 1º Leilão de Energia (A-3) onde os empreendimentos com fonte de geração fotovoltaica
com potência igual ou maior de 5 MWp foram habilitados pela EPE. O leilão permitia compra de energia de
empreendimentos de geração eólica, solar, e termoelétrica (a biomassa ou gás natural). A seguir houve o leilão de
energia de Pernambuco, exclusivo para fonte de energia solar fotovoltaica. Dos 34 projetos licitantes, seis foram
contratados, oriundos de empresas do Brasil, Itália, Alemanha, China e Espanha. O 1º Leilão de Energia de Reserva
2015 contratou um total de 30 empreendimentos de geração de energia solar fotovoltaica, somando capacidade de
1.043 megawatts-pico (MWp).
Em 2011 a ANEEL lançou a chamada de Projeto de P&D)Estratégico no. 13/2011 - “Arranjos Técnicos e Comerciais
para Inserção da Geração Solar Fotovoltaica na Matriz Energética Brasileira ”. Recebeu 18 propostas . Os projetos
totalizavam um investimento de R$ 400 milhões em um prazo de três anos. Foram avaliados por áreas técnicas da
Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), além do Ministério de Minas e Energia (MME) e a Empresa de Pesquisa
Energética (EPE). A maioria dos projetos foi executado por concessionárias de energia elétrica, pública se privadas,
localizadas em diferentes regiões do Brasil. A Chamada pretendeu alavancar estudos e pesquisas para comprovar a
viabilidade da fonte solar fotovoltaica no Brasil.
II - Leilões de Energia de fonte Solar Fotovoltaica – 2013 / 2014 / 2015
III - Regulamentação da Geração Distribuída – REN 482/2012 & 687/2015 - ANEEL
Regulamentação para sistemas fotovoltaicos (e outras fontes renováveis) conectados à rede de distribuição, associados
a unidades consumidoras. Isso foi definido em 2012 pela publicação da Resolução Normativa 482 da ANEEL que tratava
de microgeração distribuída (na época, potência igual ou inferior a 100 kWp) e minigeração distribuída (na época,
potência superior a 100 kWp até o limite de 1 MWp). Essa regulamentação prevê o sistema de compensação de energia
elétrica onde é efetivado um balanço entre a energia consumida pela unidade consumidora e a energia gerada pela
mesma (conceito “net metering”) . Com a REN687/ANEEL os limites de mini e micro geração mudaram, e os prazos
para conexão da distribuidora foram reduzidos, além da introdução importantes mudanças e melhorias.
www.abgd.com.brAgosto/2016
GD
BIOMASSA
BIOGÁS
SOLAR
EÓLICA
REN 687/ANEEL:
www.abgd.com.brAgosto/2016
Usina fotovoltaica construída em Tauá/CE – 1 MWp - 2011
1ª. Usina Solar Fotovoltaica:
www.abgd.com.brAgosto/2016
Usina Cidade Azul – 3 MWp – Santa Catarina
Energia Solar Fotovoltaica:
www.abgd.com.brAgosto/2016
Geração Distribuída (Brasil):
Projeto MegaWatt Solar – 1 MWp Estádio de Pituaçu – 400 kWp
Mineirão – 1,42 MWp Arena de Pernambuco – 1,1 MWp
www.abgd.com.brAgosto/2016
Arena de Pernambuco – P&D:
CIGS
www.abgd.com.brAgosto/2016
Projeto MegagaWatt Solar:
CIGS
Foto: Hermínio Nunes / Eletrosul
Fotos: Divulgação / UFSC
Foto: Hermínio Nunes / Eletrosul
Fotos: Divulgação / UFSC
www.abgd.com.brAgosto/2016
Iluminação pública FV:
Iluminação fotovoltaica - 2014
www.abgd.com.brAgosto/2016
Exemplos de geração distribuída:
Foto: Márcio Casici
Foto: Insole
Foto: Japão
Foto: IEE/USP
www.abgd.com.brAgosto/2016
•Todas as fontes renováveis
Ampliação das
fontes
• Microgeração: até 75 kW / Minigeração: até 5 MW
Redefinição dos
limites
• Até 60 meses
Duração dos
créditos
• Padrão nas Informações / InternetMelhora na fatura
•A partir de 01 de Janeiro de 2017
Solicitação de
acesso on-line
Inovações na REN 687 ANEEL:
www.abgd.com.brAgosto/2016
•Formulários padronizados por faixa de potência.
Simplificação do
acesso
•Empreendimentos de múltiplas unidades
consumidoras (condomínios)
•Geração compartilhada
Novas modalidades
• Divisão de usina grande em pequenas (vedado)
• Pagamento proporcional à energia (vedado)Vedações
• Micro: não paga melhorias e reforços na rede pela
conexão da geração, exceto compartilhada.
• Mini: tem participação financeira sobre as melhorias
e reforços na rede.
Participação
financeira
•Micro: não paga, exceto compartilhada.
•Mini: paga adequação.Medição
Inovações na REN 687 ANEEL:
www.abgd.com.brAgosto/2016
SISTEMA PV CONECTADO À REDE ELÉTRICAPotência
12h00
Tempo
6h000 hs 18h00 24h00
Energia entregue à rede Energia consumida da rede
Curva da produção
de um sistema PV
Curva de
demanda de
uma unidade
padrão
Net metering: resolução 482/ANEEL
www.abgd.com.brAgosto/2016
“Conta de Luz”:
Sem Energia Solar FV
Com Energia Solar FV
Ano
1
Ano
2
Ano
3
Ano
4
Ano
5
Ano
6
Ano
7
Ano
8
Ano
9
Ano
10
Ano
11
Ano
12
Ano
13
Ano
14
Ano
15
Ano
16
Ano
17
Ano
18
Ano
19
Ano
20
Ano
21
Ano
22
Ano
23
Ano
24
Ano
25
Tempo de retorno
www.abgd.com.brAgosto/2016
Paridade tarifária:
Aumento das tarifas + Isenção do ICMS + bandeiras tarifárias na compensação =
antecipação da paridade tarifária em 4 anos
Fonte: EPE
www.abgd.com.brAgosto/2016
Geração distribuída X tarifas de Energia
Tarifas médias residenciais – sem impostos
Fonte: ANEEL janeiro/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Potencial do mercado no Brasil:
Fonte: ANEEL Fevereiro/2016
Geração distribuída:
• Haverá 1.200.000 consumidores em GD até 2024, segundo ANEEL.
• 13% das residências no país terão energia proveniente de fonte FV até 2050.
(previsão da EPE - Empresa de Pesquisa Energética)
www.abgd.com.brAgosto/2016
Insolação no Brasil:
Fonte: compilação da PSR no estudo ABINEE de 2012
www.abgd.com.brAgosto/2016
linhas X usinas X subestações X habitantes:
Fonte: ANEEL / INGEO
www.abgd.com.brAgosto/2016
linhas SIN:
Fonte: ANEEL / INGEO
www.abgd.com.brAgosto/2016
Principais portos:
Fonte: ASGEPOR
www.abgd.com.brAgosto/2016
Interagir com 63 Distribuidoras de energia:
AES-SUL AES SUL Distribuidora Gaúcha de Energia S/A.
AmE Amazonas Distribuidora de Energia S/A
AMPLA Ampla Energia e Serviços S/A
BANDEIRANTE Bandeirante Energia S/A.
Boa Vista Boa Vista Energia S/A
CAIUÁ-D Caiuá Distribuição de Energia S/A
CEA Companhia de Eletricidade do Amapá
CEAL Companhia Energética de Alagoas
CEB-DIS CEB Distribuição S/A
CEEE-D Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica
CELESC-DIS Celesc Distribuição S.A.
CELG-D Celg Distribuição S.A.
CELPE Companhia Energética de Pernambuco
CELTINS Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins
CEMIG-D CEMIG Distribuição S/A
CEPISA Companhia Energética do Piauí
CERON Centrais Elétricas de Rondônia S/A.
CERR Companhia Energética de Roraima
CFLO Companhia Força e Luz do Oeste
CHESP Companhia Hidroelétrica São Patrício
CNEE Companhia Nacional de Energia Elétrica
COCEL Companhia Campolarguense de Energia
COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia
COELCE Companhia Energética do Ceará
COOPERALIANÇA Cooperativa Aliança
COPEL-DIS Copel Distribuição S/A
COSERN Companhia Energética do Rio Grande do Norte
CPFL Jaguari Companhia Jaguari de Energia
CPFL Leste Paulista Companhia Leste Paulista de Energia
CPFL Mococa Companhia Luz e Força de Mococa
CPFL Santa Cruz Companhia Luz e Força Santa Cruz
CPFL Sul Paulista Companhia Sul Paulista de Energia
CPFL- Piratininga Companhia Piratininga de Força e Luz
CPFL-Paulista Companhia Paulista de Força e Luz
DEMEI Departamento Municipal de Energia de Ijuí
DMED DME Distribuição S.A
EBO Energisa Borborema ? Distribuidora de Energia S.A.
EDEVP Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A
EEB Empresa Elétrica Bragantina S/A.
EFLJC Empresa Força e Luz João Cesa Ltda
EFLUL Empresa Força e Luz Urussanga Ltda
ELEKTRO Elektro Eletricidade e Serviços S/A.
ELETROACRE Companhia de Eletricidade do Acre
ELETROCAR Centrais Elétricas de Carazinho S/A.
ELFSM Empresa Luz e Força Santa Maria S/A.
EMG Energisa Minas Gerais - Distribuidora de Energia S.A.
ENF Energisa Nova Friburgo - Distribuidora de Energia S.A.
EPB Energisa Paraíba - Distribuidora de Energia
ESCELSA Espírito Santo Centrais Elétricas S/A.
ESE Energisa Sergipe - Distribuidora de Energia S.A.
FORCEL Força e Luz Coronel Vivida Ltda
HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A.
IENERGIA Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda
JARI Jari Celulose, Papel e Embalagens S.A.
LIGHT Light Serviços de Eletricidade S/A.
MUXENERGIA Muxfeldt Marin & Cia. Ltda
RGE Rio Grande Energia S/A.
SULGIPE Companhia Sul Sergipana de Eletricidade
UHENPAL Usina Hidroelétrica Nova Palma Ltda.
www.abgd.com.brAgosto/2016
Conexões acumuladas:
Fonte: ANEEL / Julho/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Conexões por tipo de fonte:
Fonte: ANEEL / Julho/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Potência instalada por fonte:
Fonte: ANEEL / Julho/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Número de conexões por Estado:
Fonte: ANEEL / Julho/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Classes de consumo dos consumidores
Fonte: ANEEL / Maio/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Faixas de potência dos geradores
Fonte: ANEEL / Maio/2016
www.abgd.com.brAgosto/2016
Setembro 2015 - fundação ABGD c/ 14 empresas
Atualmente 160 empresas associadas
Demanda do mercado de GD por uma entidade:
www.abgd.com.brAgosto/2016
A Associação:
 ABGD - Associação Brasileira de Geração Distribuída, fundada em 2015 por empresas
que investem e atuam na Geração Distribuída com fontes renováveis de energia (solar,
eólica, biomassa, biogás, etc).
OBJETIVOS:
 Fomentar o crescimento do mercado de Geração Distribuída;
 Certificação para Instaladores de Sistemas Fotovoltaicos;
 Padronizar as regras de conexão nas distribuidoras;
 Trabalhar nos agentes financeiros para efetivo financiamento do setor;
 Atuar nos fatores políticos, econômicos e tributários que afetem GD;
 Desenvolver mecanismos de apoio e proteção para as empresas associadas;
 Unir empresas e associações com afinidade a esses objetivos.
BENEFÍCIOS:
 Informações sobre o mercado (comercial, regulatório e técnico);
 Certificação para Instaladores de Sistemas Fotovoltaicos;
 Assessoria jurídica (regulatória, cível, trabalhista e fiscal);
 Cadastro nacional de sistemas conectados e produção de energia;
 Acesso a grupos de discussão técnica;
 Suporte técnico dos principais fabricantes de módulos e inversores;
 Representação das empresas na esferas municipal, estadual e federal.
www.abgd.com.brAgosto/2016
Serviços aos associados:
OUTROS:
 Modelos de contratos de Compartilhamento, Cooperativa, Locação, etc
 Editais e licitações do mercado de GD;
 Defesa junto às distribuidoras em problemas na solicitação de acesso; etc.
www.abgd.com.brAgosto/2016
Certificação para Instalador Fotovoltaico:
www.abgd.com.brAgosto/2016
Futuro.... 1.200.000 conexões em 2024 (ANEEL):
www.abgd.com.brAgosto/2016
www.abgd.com.br
Av. Prof. Lineu Prestes, 2242
CIETEC - sala 203 - São Paulo/SP
CEP: 05508-000
Tel.: (11) 2507-1669

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eficiência energética
Eficiência energéticaEficiência energética
Eficiência energética
sscosta
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
eduardosalgdo
 
Introdução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaicaIntrodução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaica
Robson Josué Molgaro
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
Wilson Cesar
 
Energy storage
Energy storageEnergy storage
Energy storage
margatecnojaime
 
Mini grid
Mini gridMini grid
Mini grid
Bishal Rimal
 
ApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia EnergeticaApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia Energetica
rubinho13
 
Latest in energy storage
Latest in energy storageLatest in energy storage
Latest in energy storage
Loic Charmoille
 
Energia das Marés
Energia das MarésEnergia das Marés
Energia das Marés
Fábio Roque
 
Solar resource assessment
Solar resource assessmentSolar resource assessment
Solar resource assessment
Arpo Mukherjee
 
Energia Fotovoltaica
Energia FotovoltaicaEnergia Fotovoltaica
Energia Fotovoltaica
formandoeisnt
 
2002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-12002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-1
cristbarb
 
Concentrator Solar Power Plants
Concentrator Solar Power PlantsConcentrator Solar Power Plants
Solar Energy
Solar EnergySolar Energy
Solar Energy
danyalanjum
 
Energia Eólica - Cenário no Brasil
Energia Eólica  - Cenário no BrasilEnergia Eólica  - Cenário no Brasil
Energia Eólica - Cenário no Brasil
monica silva
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
José Clecencio
 
Fisica eficiencia energetica
Fisica eficiencia energeticaFisica eficiencia energetica
Fisica eficiencia energetica
Paulo Eduardo Extensaosp
 
Concentrated solar power in India - an evaluation
Concentrated solar power in India - an evaluationConcentrated solar power in India - an evaluation
Concentrated solar power in India - an evaluation
Sindhu Maiyya
 
Introduction to energy storage
Introduction to energy storageIntroduction to energy storage
Introduction to energy storage
Philip Fischer
 
Trabalho energia solar carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadio
Trabalho energia solar   carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadioTrabalho energia solar   carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadio
Trabalho energia solar carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadio
UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina)
 

Mais procurados (20)

Eficiência energética
Eficiência energéticaEficiência energética
Eficiência energética
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
 
Introdução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaicaIntrodução a energia solar fotovoltaica
Introdução a energia solar fotovoltaica
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
 
Energy storage
Energy storageEnergy storage
Energy storage
 
Mini grid
Mini gridMini grid
Mini grid
 
ApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia EnergeticaApresentaçãO De Eficiencia Energetica
ApresentaçãO De Eficiencia Energetica
 
Latest in energy storage
Latest in energy storageLatest in energy storage
Latest in energy storage
 
Energia das Marés
Energia das MarésEnergia das Marés
Energia das Marés
 
Solar resource assessment
Solar resource assessmentSolar resource assessment
Solar resource assessment
 
Energia Fotovoltaica
Energia FotovoltaicaEnergia Fotovoltaica
Energia Fotovoltaica
 
2002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-12002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-1
 
Concentrator Solar Power Plants
Concentrator Solar Power PlantsConcentrator Solar Power Plants
Concentrator Solar Power Plants
 
Solar Energy
Solar EnergySolar Energy
Solar Energy
 
Energia Eólica - Cenário no Brasil
Energia Eólica  - Cenário no BrasilEnergia Eólica  - Cenário no Brasil
Energia Eólica - Cenário no Brasil
 
Energia solar
Energia solarEnergia solar
Energia solar
 
Fisica eficiencia energetica
Fisica eficiencia energeticaFisica eficiencia energetica
Fisica eficiencia energetica
 
Concentrated solar power in India - an evaluation
Concentrated solar power in India - an evaluationConcentrated solar power in India - an evaluation
Concentrated solar power in India - an evaluation
 
Introduction to energy storage
Introduction to energy storageIntroduction to energy storage
Introduction to energy storage
 
Trabalho energia solar carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadio
Trabalho energia solar   carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadioTrabalho energia solar   carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadio
Trabalho energia solar carlos a. hermann fernandes e tatiane de mattos amadio
 

Destaque

Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação PúblicaEficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
slides-mci
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
slides-mci
 
Sistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição InteligenteSistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição Inteligente
slides-mci
 
Projeto Green Park
Projeto Green ParkProjeto Green Park
Projeto Green Park
slides-mci
 
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
slides-mci
 
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de InterioresSistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
slides-mci
 
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
slides-mci
 
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple ERumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
slides-mci
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
slides-mci
 
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
slides-mci
 
Linhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para SaneamentoLinhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para Saneamento
slides-mci
 
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento AmbientalDesafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
slides-mci
 
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e PrivadosMecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
slides-mci
 
Agências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento InternacionaisAgências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento Internacionais
slides-mci
 
Alternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as EscosAlternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as Escos
slides-mci
 
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência EnergéticaExperiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
slides-mci
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
slides-mci
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energética
slides-mci
 
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência EnergéticaIniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
slides-mci
 
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no MundoLEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
slides-mci
 

Destaque (20)

Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação PúblicaEficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
 
Sistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição InteligenteSistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição Inteligente
 
Projeto Green Park
Projeto Green ParkProjeto Green Park
Projeto Green Park
 
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
 
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de InterioresSistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
 
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
 
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple ERumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
 
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
 
Linhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para SaneamentoLinhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para Saneamento
 
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento AmbientalDesafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
 
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e PrivadosMecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
 
Agências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento InternacionaisAgências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento Internacionais
 
Alternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as EscosAlternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as Escos
 
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência EnergéticaExperiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energética
 
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência EnergéticaIniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
 
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no MundoLEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
 

Semelhante a Geração Distribuída: Uma Opção Viável

Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCELMecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
slides-mci
 
O planejamento numa nova era da energia
O planejamento numa nova era da energiaO planejamento numa nova era da energia
O planejamento numa nova era da energia
Gabriel Konzen
 
Panorama Geral dos Setores de Energia e Mineração
Panorama Geral dos Setores de Energia e MineraçãoPanorama Geral dos Setores de Energia e Mineração
Panorama Geral dos Setores de Energia e Mineração
ascommme
 
Fotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio ruralFotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio rural
Guilherme MartinsCosta
 
P&D Estratégico Tractebel Solar 3 MW
P&D Estratégico Tractebel Solar 3 MWP&D Estratégico Tractebel Solar 3 MW
P&D Estratégico Tractebel Solar 3 MW
Rafael Celso Pereira
 
Apresentação Grupo Dia - Estudo de Caso
Apresentação Grupo Dia - Estudo de CasoApresentação Grupo Dia - Estudo de Caso
Apresentação Grupo Dia - Estudo de Caso
Thiago Campos
 
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio JoyceApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
cideias
 
Prioridades do MME
Prioridades do MME Prioridades do MME
Prioridades do MME
ascommme
 
ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...
ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...
ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...
RogrioSantosLima1
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Ampla Energia S.A.
 
Cartilha solar
Cartilha solarCartilha solar
Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...
Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...
Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...
Câmara de Comercialização de Energia Elétrica
 
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
fpv_transilvania
 
Os próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuídaOs próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuída
Gabriel Konzen
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
CPFL RI
 
Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]
Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]
Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]
atitudeeditorial
 
White certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o Brasil
White certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o BrasilWhite certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o Brasil
White certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o Brasil
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
CPFL RI
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson FerreiraDesafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Energia solar um esforço a caminho da regulação
Energia solar   um esforço a caminho da regulaçãoEnergia solar   um esforço a caminho da regulação
Energia solar um esforço a caminho da regulação
Isadora Chansky Cohen
 

Semelhante a Geração Distribuída: Uma Opção Viável (20)

Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCELMecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
Mecanismos para Aplicação dos Recursos do PROCEL
 
O planejamento numa nova era da energia
O planejamento numa nova era da energiaO planejamento numa nova era da energia
O planejamento numa nova era da energia
 
Panorama Geral dos Setores de Energia e Mineração
Panorama Geral dos Setores de Energia e MineraçãoPanorama Geral dos Setores de Energia e Mineração
Panorama Geral dos Setores de Energia e Mineração
 
Fotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio ruralFotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio rural
 
P&D Estratégico Tractebel Solar 3 MW
P&D Estratégico Tractebel Solar 3 MWP&D Estratégico Tractebel Solar 3 MW
P&D Estratégico Tractebel Solar 3 MW
 
Apresentação Grupo Dia - Estudo de Caso
Apresentação Grupo Dia - Estudo de CasoApresentação Grupo Dia - Estudo de Caso
Apresentação Grupo Dia - Estudo de Caso
 
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio JoyceApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
 
Prioridades do MME
Prioridades do MME Prioridades do MME
Prioridades do MME
 
ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...
ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...
ROGÉRIO PRESTES SANTOS LIMA - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DOIS GERADORES EÓLICOS...
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
 
Cartilha solar
Cartilha solarCartilha solar
Cartilha solar
 
Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...
Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...
Mercado brasileiro de energia elétrica - O papel das renováveis de grande esc...
 
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
 
Os próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuídaOs próximos passos da geração distribuída
Os próximos passos da geração distribuída
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
 
Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]
Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]
Pesquisa Fontes alternativas de energia [Revista O Setor Elétrico - Edição 88]
 
White certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o Brasil
White certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o BrasilWhite certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o Brasil
White certificates: um mercado de títulos de eficiência energética para o Brasil
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
 
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson FerreiraDesafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
Desafios e oportunidades para as energias renováveis no Brasil - Wilson Ferreira
 
Energia solar um esforço a caminho da regulação
Energia solar   um esforço a caminho da regulaçãoEnergia solar   um esforço a caminho da regulação
Energia solar um esforço a caminho da regulação
 

Mais de slides-mci

11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
slides-mci
 
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
slides-mci
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
slides-mci
 
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
slides-mci
 
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
slides-mci
 
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
slides-mci
 
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
slides-mci
 
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
slides-mci
 
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
slides-mci
 
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
slides-mci
 
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
slides-mci
 
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
slides-mci
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
slides-mci
 
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
slides-mci
 
14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme 14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme
slides-mci
 
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
slides-mci
 
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
slides-mci
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
slides-mci
 
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
slides-mci
 
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
slides-mci
 

Mais de slides-mci (20)

11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
 
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
 
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
 
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
 
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
 
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
 
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
 
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
 
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
 
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
 
14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme 14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme
 
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
 
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
 
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
 
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
 

Geração Distribuída: Uma Opção Viável

  • 2. www.abgd.com.brAgosto/2016 Fonte: relatório EPIA 2014-2018 Projeção global para capacidade acumulada em FV Dados históricos Cenário Otimista Cenário Moderado Linha média GW Mercado mundial: projeção de crescimento
  • 3. www.abgd.com.brAgosto/2016 45.000 MWp de capacidade FV Ac. instalada em 2015: 15.000 MWp ~1,7 milhões de instalações 40.000 MWp de capacidade FV Ac. instalada em 2015: 15.000 MWp ~1,5 milhões de instalações 27.500 MWp de capacidade FV Ac. instalada em 2015: 7.260 MWp ~1,0 milhão de instalações 70 MWp de capacidade FV Ac. instalada em 2015: 40 MWp ~ 4.200 instalações Capacidade mundial instalada: Fonte: GTM, PV Magazine, IEA. Fraunhofer
  • 4. www.abgd.com.brAgosto/2016 Previsões para o mercado mundial: Atratividade para investimentos Baixa Mapa de grau de oportunidade em FV nos países do Sunbelt Baixa Alta Alta Atratividadeporpaís Brasil entre os seis melhores colocados MEA CHINA AMERICAS APAC EUROPA Fonte: relatório EPIA 2014/2018
  • 5. www.abgd.com.brAgosto/2016 Centralizada x Distribuída Geração distribuída Geração centralizada Galpão – 75 kWp - Alsol Cidade Azul – SC – 3 MWp - Tractbel
  • 6. www.abgd.com.brAgosto/2016 Vantagens: Economia na conta de Energia Elétrica; Geração no ponto de consumo;  Eficiência Energética; redução de perdas;  Alta confiabilidade;  Economia em investimentos de transmissão;  Utilização de fonte renovável, abundante;  Geração de empregos especializados;  Baixo impacto ambiental;  Backup de energia; etc Geração Distribuída: foto: Dennis Schroeder
  • 8. www.abgd.com.brAgosto/2016 Fatos relevantes – 3 pontos importantes: I - Chamada 13/2011 - ANEEL Em novembro de 2013 houve o 1º Leilão de Energia (A-3) onde os empreendimentos com fonte de geração fotovoltaica com potência igual ou maior de 5 MWp foram habilitados pela EPE. O leilão permitia compra de energia de empreendimentos de geração eólica, solar, e termoelétrica (a biomassa ou gás natural). A seguir houve o leilão de energia de Pernambuco, exclusivo para fonte de energia solar fotovoltaica. Dos 34 projetos licitantes, seis foram contratados, oriundos de empresas do Brasil, Itália, Alemanha, China e Espanha. O 1º Leilão de Energia de Reserva 2015 contratou um total de 30 empreendimentos de geração de energia solar fotovoltaica, somando capacidade de 1.043 megawatts-pico (MWp). Em 2011 a ANEEL lançou a chamada de Projeto de P&D)Estratégico no. 13/2011 - “Arranjos Técnicos e Comerciais para Inserção da Geração Solar Fotovoltaica na Matriz Energética Brasileira ”. Recebeu 18 propostas . Os projetos totalizavam um investimento de R$ 400 milhões em um prazo de três anos. Foram avaliados por áreas técnicas da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), além do Ministério de Minas e Energia (MME) e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A maioria dos projetos foi executado por concessionárias de energia elétrica, pública se privadas, localizadas em diferentes regiões do Brasil. A Chamada pretendeu alavancar estudos e pesquisas para comprovar a viabilidade da fonte solar fotovoltaica no Brasil. II - Leilões de Energia de fonte Solar Fotovoltaica – 2013 / 2014 / 2015 III - Regulamentação da Geração Distribuída – REN 482/2012 & 687/2015 - ANEEL Regulamentação para sistemas fotovoltaicos (e outras fontes renováveis) conectados à rede de distribuição, associados a unidades consumidoras. Isso foi definido em 2012 pela publicação da Resolução Normativa 482 da ANEEL que tratava de microgeração distribuída (na época, potência igual ou inferior a 100 kWp) e minigeração distribuída (na época, potência superior a 100 kWp até o limite de 1 MWp). Essa regulamentação prevê o sistema de compensação de energia elétrica onde é efetivado um balanço entre a energia consumida pela unidade consumidora e a energia gerada pela mesma (conceito “net metering”) . Com a REN687/ANEEL os limites de mini e micro geração mudaram, e os prazos para conexão da distribuidora foram reduzidos, além da introdução importantes mudanças e melhorias.
  • 10. www.abgd.com.brAgosto/2016 Usina fotovoltaica construída em Tauá/CE – 1 MWp - 2011 1ª. Usina Solar Fotovoltaica:
  • 11. www.abgd.com.brAgosto/2016 Usina Cidade Azul – 3 MWp – Santa Catarina Energia Solar Fotovoltaica:
  • 12. www.abgd.com.brAgosto/2016 Geração Distribuída (Brasil): Projeto MegaWatt Solar – 1 MWp Estádio de Pituaçu – 400 kWp Mineirão – 1,42 MWp Arena de Pernambuco – 1,1 MWp
  • 14. www.abgd.com.brAgosto/2016 Projeto MegagaWatt Solar: CIGS Foto: Hermínio Nunes / Eletrosul Fotos: Divulgação / UFSC Foto: Hermínio Nunes / Eletrosul Fotos: Divulgação / UFSC
  • 16. www.abgd.com.brAgosto/2016 Exemplos de geração distribuída: Foto: Márcio Casici Foto: Insole Foto: Japão Foto: IEE/USP
  • 17. www.abgd.com.brAgosto/2016 •Todas as fontes renováveis Ampliação das fontes • Microgeração: até 75 kW / Minigeração: até 5 MW Redefinição dos limites • Até 60 meses Duração dos créditos • Padrão nas Informações / InternetMelhora na fatura •A partir de 01 de Janeiro de 2017 Solicitação de acesso on-line Inovações na REN 687 ANEEL:
  • 18. www.abgd.com.brAgosto/2016 •Formulários padronizados por faixa de potência. Simplificação do acesso •Empreendimentos de múltiplas unidades consumidoras (condomínios) •Geração compartilhada Novas modalidades • Divisão de usina grande em pequenas (vedado) • Pagamento proporcional à energia (vedado)Vedações • Micro: não paga melhorias e reforços na rede pela conexão da geração, exceto compartilhada. • Mini: tem participação financeira sobre as melhorias e reforços na rede. Participação financeira •Micro: não paga, exceto compartilhada. •Mini: paga adequação.Medição Inovações na REN 687 ANEEL:
  • 19. www.abgd.com.brAgosto/2016 SISTEMA PV CONECTADO À REDE ELÉTRICAPotência 12h00 Tempo 6h000 hs 18h00 24h00 Energia entregue à rede Energia consumida da rede Curva da produção de um sistema PV Curva de demanda de uma unidade padrão Net metering: resolução 482/ANEEL
  • 20. www.abgd.com.brAgosto/2016 “Conta de Luz”: Sem Energia Solar FV Com Energia Solar FV Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ano 12 Ano 13 Ano 14 Ano 15 Ano 16 Ano 17 Ano 18 Ano 19 Ano 20 Ano 21 Ano 22 Ano 23 Ano 24 Ano 25 Tempo de retorno
  • 21. www.abgd.com.brAgosto/2016 Paridade tarifária: Aumento das tarifas + Isenção do ICMS + bandeiras tarifárias na compensação = antecipação da paridade tarifária em 4 anos Fonte: EPE
  • 22. www.abgd.com.brAgosto/2016 Geração distribuída X tarifas de Energia Tarifas médias residenciais – sem impostos Fonte: ANEEL janeiro/2016
  • 23. www.abgd.com.brAgosto/2016 Potencial do mercado no Brasil: Fonte: ANEEL Fevereiro/2016 Geração distribuída: • Haverá 1.200.000 consumidores em GD até 2024, segundo ANEEL. • 13% das residências no país terão energia proveniente de fonte FV até 2050. (previsão da EPE - Empresa de Pesquisa Energética)
  • 24. www.abgd.com.brAgosto/2016 Insolação no Brasil: Fonte: compilação da PSR no estudo ABINEE de 2012
  • 25. www.abgd.com.brAgosto/2016 linhas X usinas X subestações X habitantes: Fonte: ANEEL / INGEO
  • 28. www.abgd.com.brAgosto/2016 Interagir com 63 Distribuidoras de energia: AES-SUL AES SUL Distribuidora Gaúcha de Energia S/A. AmE Amazonas Distribuidora de Energia S/A AMPLA Ampla Energia e Serviços S/A BANDEIRANTE Bandeirante Energia S/A. Boa Vista Boa Vista Energia S/A CAIUÁ-D Caiuá Distribuição de Energia S/A CEA Companhia de Eletricidade do Amapá CEAL Companhia Energética de Alagoas CEB-DIS CEB Distribuição S/A CEEE-D Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica CELESC-DIS Celesc Distribuição S.A. CELG-D Celg Distribuição S.A. CELPE Companhia Energética de Pernambuco CELTINS Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins CEMIG-D CEMIG Distribuição S/A CEPISA Companhia Energética do Piauí CERON Centrais Elétricas de Rondônia S/A. CERR Companhia Energética de Roraima CFLO Companhia Força e Luz do Oeste CHESP Companhia Hidroelétrica São Patrício CNEE Companhia Nacional de Energia Elétrica COCEL Companhia Campolarguense de Energia COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia COELCE Companhia Energética do Ceará COOPERALIANÇA Cooperativa Aliança COPEL-DIS Copel Distribuição S/A COSERN Companhia Energética do Rio Grande do Norte CPFL Jaguari Companhia Jaguari de Energia CPFL Leste Paulista Companhia Leste Paulista de Energia CPFL Mococa Companhia Luz e Força de Mococa CPFL Santa Cruz Companhia Luz e Força Santa Cruz CPFL Sul Paulista Companhia Sul Paulista de Energia CPFL- Piratininga Companhia Piratininga de Força e Luz CPFL-Paulista Companhia Paulista de Força e Luz DEMEI Departamento Municipal de Energia de Ijuí DMED DME Distribuição S.A EBO Energisa Borborema ? Distribuidora de Energia S.A. EDEVP Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A EEB Empresa Elétrica Bragantina S/A. EFLJC Empresa Força e Luz João Cesa Ltda EFLUL Empresa Força e Luz Urussanga Ltda ELEKTRO Elektro Eletricidade e Serviços S/A. ELETROACRE Companhia de Eletricidade do Acre ELETROCAR Centrais Elétricas de Carazinho S/A. ELFSM Empresa Luz e Força Santa Maria S/A. EMG Energisa Minas Gerais - Distribuidora de Energia S.A. ENF Energisa Nova Friburgo - Distribuidora de Energia S.A. EPB Energisa Paraíba - Distribuidora de Energia ESCELSA Espírito Santo Centrais Elétricas S/A. ESE Energisa Sergipe - Distribuidora de Energia S.A. FORCEL Força e Luz Coronel Vivida Ltda HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A. IENERGIA Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda JARI Jari Celulose, Papel e Embalagens S.A. LIGHT Light Serviços de Eletricidade S/A. MUXENERGIA Muxfeldt Marin & Cia. Ltda RGE Rio Grande Energia S/A. SULGIPE Companhia Sul Sergipana de Eletricidade UHENPAL Usina Hidroelétrica Nova Palma Ltda.
  • 30. www.abgd.com.brAgosto/2016 Conexões por tipo de fonte: Fonte: ANEEL / Julho/2016
  • 31. www.abgd.com.brAgosto/2016 Potência instalada por fonte: Fonte: ANEEL / Julho/2016
  • 32. www.abgd.com.brAgosto/2016 Número de conexões por Estado: Fonte: ANEEL / Julho/2016
  • 33. www.abgd.com.brAgosto/2016 Classes de consumo dos consumidores Fonte: ANEEL / Maio/2016
  • 34. www.abgd.com.brAgosto/2016 Faixas de potência dos geradores Fonte: ANEEL / Maio/2016
  • 35. www.abgd.com.brAgosto/2016 Setembro 2015 - fundação ABGD c/ 14 empresas Atualmente 160 empresas associadas Demanda do mercado de GD por uma entidade:
  • 36. www.abgd.com.brAgosto/2016 A Associação:  ABGD - Associação Brasileira de Geração Distribuída, fundada em 2015 por empresas que investem e atuam na Geração Distribuída com fontes renováveis de energia (solar, eólica, biomassa, biogás, etc). OBJETIVOS:  Fomentar o crescimento do mercado de Geração Distribuída;  Certificação para Instaladores de Sistemas Fotovoltaicos;  Padronizar as regras de conexão nas distribuidoras;  Trabalhar nos agentes financeiros para efetivo financiamento do setor;  Atuar nos fatores políticos, econômicos e tributários que afetem GD;  Desenvolver mecanismos de apoio e proteção para as empresas associadas;  Unir empresas e associações com afinidade a esses objetivos. BENEFÍCIOS:  Informações sobre o mercado (comercial, regulatório e técnico);  Certificação para Instaladores de Sistemas Fotovoltaicos;  Assessoria jurídica (regulatória, cível, trabalhista e fiscal);  Cadastro nacional de sistemas conectados e produção de energia;  Acesso a grupos de discussão técnica;  Suporte técnico dos principais fabricantes de módulos e inversores;  Representação das empresas na esferas municipal, estadual e federal.
  • 37. www.abgd.com.brAgosto/2016 Serviços aos associados: OUTROS:  Modelos de contratos de Compartilhamento, Cooperativa, Locação, etc  Editais e licitações do mercado de GD;  Defesa junto às distribuidoras em problemas na solicitação de acesso; etc.
  • 40. www.abgd.com.brAgosto/2016 www.abgd.com.br Av. Prof. Lineu Prestes, 2242 CIETEC - sala 203 - São Paulo/SP CEP: 05508-000 Tel.: (11) 2507-1669