SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Paulo Massato Yoshimoto – Diretor Metropolitano Sabesp
Perdas – Balanço Hídrico Anualizado (Distribuição)
Disponibilizado
(m³/s)
2013 2014 2015 2015-2013
58,5 + 1,3
59,8 m3/s
100%
53,8 + 1,3
55,1 m3/s
100%
44,9 + 1,2
46,1 m3/s
100%
- 13,7 m3/s
38,8 m3/s
64,8%
37,0 m3/s
67,2%
32,5 m3/s
70,5%
- 6,3 m3/s
21,0 m3/s
35,2%
18,1 m3/s
32,8%
13,6 m3/s
29,5%
- 7,4 m3/s
13,9 m³/s
23,3 %
11,9 m3/s
21,7%
8,9 m3/s
19,4%
- 5,0 m3/s
Consumo Autorizado
(m³/s)
Perdido TOTAL
(m³/s)
Perdido REAL
(m³/s)
Perdas Reais - 62% da rede de distribuição coberta por equipamento redutor
VRPs com telemetria (1.441 un.)
54% da rede coberta
8% da rede coberta
Booster com Inversor (319 un.)
Rede de distribuição de água da RMSP: 35.916 km
Perdas Reais - Renovação de infraestrutura e Controle Ativo de Vazamentos
Substituição de Rede de Água
310 mil metros substituídos
nos últimos 4 anos
(1% da rede).
Troca de Ramal de Água
815 mil ramais substituídos nos
últimos 4 anos (18% do total).
Pesquisa de vazamentos não visíveis
• 1,5 vezes extensão total de rede
pesquisada por ano.
• Em média 40 mil vazamentos
identificados por ano.
380 mil vazamentos
reparados no ano
Tempo médio de
execução 13 horas.
SIGES – Sistema de Gestão dos Serviços de Campo
Contratos de Performance
Uso Social:
Ações de combate às Perdas Aparentes em Áreas de Alta Vulnerabilidade Social.
Em 1 ano pretende-se regularizar 94.700 ligações.
Redução de Perdas Reais:
12 contratos concluídos na RMSP, atuação por setores de abastecimento,
investimento contratada e remuneração por volume economizado
Economia total de 1,2 m³/s.
Principais ações:
Gestão de Pressão (VRP + Inversores de Frequência)
Renovação da Infraestrutura Linear: (Redes + Ramais)
Controle Ativo de Vazamentos (Pesquisa de Vazamentos com Troca de Ramal)
Desde 2003 observa-se
tendência de queda no
indicador de perdas da
Metropolitana.
Evolução dos indicadores de Perdas na Diretoria Metropolitana
0,120
0,122
0,124
0,126
0,128
0,130
0,132
0,134
0,136
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
kWh / m3 Distribuído
694,4
794,3 816,3
754,8
2013 2014 2015 2016
kWh / 1.000 m3
REGIÃO METROPOLITANA 502,5
580,0 584,5
526,0
2013 2014 2015 2016
kWh / 1.000 m3
343,0 378,3 382,7 373,8
2013 2014 2015 2016
kWh / 1.000 m3
PROCESSO ÁGUA
PROCESSO ESGOTO
O ano de 2016 refere-se ao período de Janeiro a Julho
Eficiência Energética - INDICADORES
SISTEMAS PRODUTORES
CANTAREIRA GUARAPIRANGA ALTO TIETÊ RIO GRANDE RIO CLARO ALTO COTIA BAIXO COTIA
RIBEIRÃO DA
ESTIVA
2013 488,0 632,7 487,7 594,5 467,7 267,7 497,1 572,7
2014 515,6 689,7 564,5 598,7 438,5 291,9 514,3 599,2
2015 580,1 690,0 531,8 584,1 405,3 252,1 446,6 581,3
2016 509,3 631,8 503,0 625,9 421,4 231,1 482,5 558,8
kWh / 1.000 m3
Eficiência Energética - INDICADORES
PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA EEA FRANÇA PINTO
Instalação da década de 1920
Pertencente ao Sistema Produtor
Guarapiranga
Contemplada na Chamada Pública da
AES Eletropaulo
ATORES
ESCO SABESP ELETROPAULO
$$
$$
$$
AÇÕES EM ANDAMENTO
PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA EEA FRANÇA PINTO
Substituição dos conjuntos motor
bomba e painel
Redução de 12% no consumo
de energia elétrica
Interligação das adutoras de
recalque e separação das
câmaras de reservação.
AÇÕES EM ANDAMENTO
BOMBA OPERANDO COMO TURBINA (BFT) – RESERVATÓRIO TAMBORÉ
AÇÕES EM ANDAMENTO
BOMBA OPERANDO COMO TURBINA (BFT) – RESERVATÓRIO TAMBORÉ
AÇÕES EM ANDAMENTO
WASTE TO ENERGY – ETE BARUERI
PERÍODO
12/07 A 02/09
500 t/d - Lodo
50.000 Nm³/d - Biogás
SOLUÇÃO
(30 anos)
AÇÕES EM ANDAMENTO
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS
PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS (PCHs) - SISTEMA CANTAREIRA
PCH GUARAÚ
PCH CASCATA
PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS (PCHs) - SISTEMA CANTAREIRA
PCH GUARAÚ
• DESNÍVEL : 14 m
• VAZÃO MÉDIA HISTÓRICA: 32 m3/s
• CAPACIDADE NOMINAL: 4,1 MW
PCH CASCATA
• DESNÍVEL : 10 m
• VAZÃO MÉDIA HISTÓRICA: 27 m3/s
• CAPACIDADE NOMINAL: 2,9 MW
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS
FORNECIMENTO DE GÁS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA
EEAB RIO GRANDE -TAIAÇUPEBA
EM ESTUDO
Fornecimento de gás para
geração de energia em caráter
contingencial
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS
EM ESTUDO
GERAÇÃO
FOTOVOLTAICA
ENERGIA HÍDRICA
NAS ADUTORAS
EM ESTUDO
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS
CIRCUITO 34,5 kV – EEAB BIRITIBA MIRIM
ETD CEZAR DE SOUZA
ETD BIRITIBA MIRIM
ALIMENTADOR 34,5 kV EM CONSTRUÇÃO.
CONCLUSÃO: 07/2018
Eficiência Energética – Qualidade de Energia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e PrivadosMecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
 
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência EnergéticaOs Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
 
Eficiência Energética de Ponta a Ponta
Eficiência Energética de Ponta a PontaEficiência Energética de Ponta a Ponta
Eficiência Energética de Ponta a Ponta
 
Geração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção ViávelGeração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção Viável
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
 
Eficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas IndustriaisEficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas Industriais
 
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
 
PIMVP no Contexto da Gestão Energética
PIMVP no Contexto da Gestão EnergéticaPIMVP no Contexto da Gestão Energética
PIMVP no Contexto da Gestão Energética
 
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple ERumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
 
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento AmbientalDesafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
 
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
A Necessária Integração dos Indicadores de Qualidade de Energia e Aspectos de...
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energética
 
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVACChillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
Chillers e Sistemas de Água Gelada - Ainda a Solução mais efeiciente para HVAC
 
Agências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento InternacionaisAgências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento Internacionais
 
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
 
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública	Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
 
StarEnergy - Apresentação Institucional
StarEnergy - Apresentação InstitucionalStarEnergy - Apresentação Institucional
StarEnergy - Apresentação Institucional
 
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de HotéisCONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
 
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São PauloO Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
 

Destaque

Destaque (11)

Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
 
Linhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para SaneamentoLinhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para Saneamento
 
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
 
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no MundoLEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
 
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e ComércioPanorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
Panorama da Eficiência Energética na Indústria e Comércio
 
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico	Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
 
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência EnergéticaExperiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
 
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
 
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento NacionaisFinanciamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
 
Alternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as EscosAlternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as Escos
 
Projeto Green Park
Projeto Green ParkProjeto Green Park
Projeto Green Park
 

Semelhante a Programa de Redução de Perdas e Eficiência Energética na SABESP

Defesa Dissertação de Mestrado
Defesa Dissertação de MestradoDefesa Dissertação de Mestrado
Defesa Dissertação de Mestrado
ricasmetx
 
Apresentação Dissertação Mestrado
Apresentação Dissertação MestradoApresentação Dissertação Mestrado
Apresentação Dissertação Mestrado
ricasmetx
 
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Monalisa Macedo
 
Apresentação 12a reunião gt ares
Apresentação   12a reunião gt aresApresentação   12a reunião gt ares
Apresentação 12a reunião gt ares
ARES-PCJ Botão
 

Semelhante a Programa de Redução de Perdas e Eficiência Energética na SABESP (20)

CIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
CIESP: Otimização do Uso de Poços na IndústriaCIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
CIESP: Otimização do Uso de Poços na Indústria
 
Desafios da gestão hídrica na Grande São Paulo - Julian Thorton
Desafios da gestão hídrica na Grande São Paulo - Julian ThortonDesafios da gestão hídrica na Grande São Paulo - Julian Thorton
Desafios da gestão hídrica na Grande São Paulo - Julian Thorton
 
II Encontro da Metereologia com a Nova Era do Setor Elétrico Brasileiro
II Encontro da Metereologia com a Nova Era do Setor Elétrico BrasileiroII Encontro da Metereologia com a Nova Era do Setor Elétrico Brasileiro
II Encontro da Metereologia com a Nova Era do Setor Elétrico Brasileiro
 
Uma base para a manutenção centrada na confiabilidade dos hidrômetros
Uma base para a manutenção centrada na confiabilidade dos hidrômetrosUma base para a manutenção centrada na confiabilidade dos hidrômetros
Uma base para a manutenção centrada na confiabilidade dos hidrômetros
 
A telemetria como a inteligência da gestão da medição de água
A telemetria como a inteligência da gestão da medição de águaA telemetria como a inteligência da gestão da medição de água
A telemetria como a inteligência da gestão da medição de água
 
Cafeicultura de precisão palestra roberto santinato fenicafe 2015
Cafeicultura de precisão palestra roberto santinato fenicafe 2015Cafeicultura de precisão palestra roberto santinato fenicafe 2015
Cafeicultura de precisão palestra roberto santinato fenicafe 2015
 
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticasA área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
 
Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)
Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)
Tecnologias de irrigação para pastagem e cana-de-açúcar (Prof. Brasileiro)
 
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptxStudies on sugarcane energy in Brazil.pptx
Studies on sugarcane energy in Brazil.pptx
 
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/CoelcePxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
 
MRV Acre por Monica de Los Rios- Treinamento GCF- Macapá
MRV Acre por Monica de Los Rios- Treinamento GCF- MacapáMRV Acre por Monica de Los Rios- Treinamento GCF- Macapá
MRV Acre por Monica de Los Rios- Treinamento GCF- Macapá
 
Cidades e mudancas climaticas ppt inicial
Cidades e mudancas climaticas ppt inicialCidades e mudancas climaticas ppt inicial
Cidades e mudancas climaticas ppt inicial
 
Jose Said
Jose SaidJose Said
Jose Said
 
Universalização do saneamento em sp
Universalização do saneamento em spUniversalização do saneamento em sp
Universalização do saneamento em sp
 
Qualidade nos Empreendimentos da Sabesp
Qualidade nos Empreendimentos da SabespQualidade nos Empreendimentos da Sabesp
Qualidade nos Empreendimentos da Sabesp
 
Defesa Dissertação de Mestrado
Defesa Dissertação de MestradoDefesa Dissertação de Mestrado
Defesa Dissertação de Mestrado
 
Apresentação Dissertação Mestrado
Apresentação Dissertação MestradoApresentação Dissertação Mestrado
Apresentação Dissertação Mestrado
 
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
Tcc avaliação das perdas no sistema de abastecimento de água (bairro buriti)
 
Parte V Cenários de Mudanças Climáticas
Parte V   Cenários de Mudanças Climáticas Parte V   Cenários de Mudanças Climáticas
Parte V Cenários de Mudanças Climáticas
 
Apresentação 12a reunião gt ares
Apresentação   12a reunião gt aresApresentação   12a reunião gt ares
Apresentação 12a reunião gt ares
 

Mais de slides-mci

Mais de slides-mci (20)

11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
 
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
 
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
 
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
 
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
 
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
 
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
 
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
 
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
 
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
 
14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme 14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme
 
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
 
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
 
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
 
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
 

Programa de Redução de Perdas e Eficiência Energética na SABESP

  • 1. Paulo Massato Yoshimoto – Diretor Metropolitano Sabesp
  • 2. Perdas – Balanço Hídrico Anualizado (Distribuição) Disponibilizado (m³/s) 2013 2014 2015 2015-2013 58,5 + 1,3 59,8 m3/s 100% 53,8 + 1,3 55,1 m3/s 100% 44,9 + 1,2 46,1 m3/s 100% - 13,7 m3/s 38,8 m3/s 64,8% 37,0 m3/s 67,2% 32,5 m3/s 70,5% - 6,3 m3/s 21,0 m3/s 35,2% 18,1 m3/s 32,8% 13,6 m3/s 29,5% - 7,4 m3/s 13,9 m³/s 23,3 % 11,9 m3/s 21,7% 8,9 m3/s 19,4% - 5,0 m3/s Consumo Autorizado (m³/s) Perdido TOTAL (m³/s) Perdido REAL (m³/s)
  • 3. Perdas Reais - 62% da rede de distribuição coberta por equipamento redutor VRPs com telemetria (1.441 un.) 54% da rede coberta 8% da rede coberta Booster com Inversor (319 un.) Rede de distribuição de água da RMSP: 35.916 km
  • 4. Perdas Reais - Renovação de infraestrutura e Controle Ativo de Vazamentos Substituição de Rede de Água 310 mil metros substituídos nos últimos 4 anos (1% da rede). Troca de Ramal de Água 815 mil ramais substituídos nos últimos 4 anos (18% do total). Pesquisa de vazamentos não visíveis • 1,5 vezes extensão total de rede pesquisada por ano. • Em média 40 mil vazamentos identificados por ano. 380 mil vazamentos reparados no ano Tempo médio de execução 13 horas. SIGES – Sistema de Gestão dos Serviços de Campo
  • 5. Contratos de Performance Uso Social: Ações de combate às Perdas Aparentes em Áreas de Alta Vulnerabilidade Social. Em 1 ano pretende-se regularizar 94.700 ligações. Redução de Perdas Reais: 12 contratos concluídos na RMSP, atuação por setores de abastecimento, investimento contratada e remuneração por volume economizado Economia total de 1,2 m³/s. Principais ações: Gestão de Pressão (VRP + Inversores de Frequência) Renovação da Infraestrutura Linear: (Redes + Ramais) Controle Ativo de Vazamentos (Pesquisa de Vazamentos com Troca de Ramal)
  • 6. Desde 2003 observa-se tendência de queda no indicador de perdas da Metropolitana. Evolução dos indicadores de Perdas na Diretoria Metropolitana 0,120 0,122 0,124 0,126 0,128 0,130 0,132 0,134 0,136 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 kWh / m3 Distribuído
  • 7. 694,4 794,3 816,3 754,8 2013 2014 2015 2016 kWh / 1.000 m3 REGIÃO METROPOLITANA 502,5 580,0 584,5 526,0 2013 2014 2015 2016 kWh / 1.000 m3 343,0 378,3 382,7 373,8 2013 2014 2015 2016 kWh / 1.000 m3 PROCESSO ÁGUA PROCESSO ESGOTO O ano de 2016 refere-se ao período de Janeiro a Julho Eficiência Energética - INDICADORES
  • 8. SISTEMAS PRODUTORES CANTAREIRA GUARAPIRANGA ALTO TIETÊ RIO GRANDE RIO CLARO ALTO COTIA BAIXO COTIA RIBEIRÃO DA ESTIVA 2013 488,0 632,7 487,7 594,5 467,7 267,7 497,1 572,7 2014 515,6 689,7 564,5 598,7 438,5 291,9 514,3 599,2 2015 580,1 690,0 531,8 584,1 405,3 252,1 446,6 581,3 2016 509,3 631,8 503,0 625,9 421,4 231,1 482,5 558,8 kWh / 1.000 m3 Eficiência Energética - INDICADORES
  • 9. PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA EEA FRANÇA PINTO Instalação da década de 1920 Pertencente ao Sistema Produtor Guarapiranga Contemplada na Chamada Pública da AES Eletropaulo ATORES ESCO SABESP ELETROPAULO $$ $$ $$ AÇÕES EM ANDAMENTO
  • 10. PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA EEA FRANÇA PINTO Substituição dos conjuntos motor bomba e painel Redução de 12% no consumo de energia elétrica Interligação das adutoras de recalque e separação das câmaras de reservação. AÇÕES EM ANDAMENTO
  • 11. BOMBA OPERANDO COMO TURBINA (BFT) – RESERVATÓRIO TAMBORÉ AÇÕES EM ANDAMENTO
  • 12. BOMBA OPERANDO COMO TURBINA (BFT) – RESERVATÓRIO TAMBORÉ AÇÕES EM ANDAMENTO
  • 13. WASTE TO ENERGY – ETE BARUERI PERÍODO 12/07 A 02/09 500 t/d - Lodo 50.000 Nm³/d - Biogás SOLUÇÃO (30 anos) AÇÕES EM ANDAMENTO
  • 14. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS (PCHs) - SISTEMA CANTAREIRA PCH GUARAÚ PCH CASCATA
  • 15. PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS (PCHs) - SISTEMA CANTAREIRA PCH GUARAÚ • DESNÍVEL : 14 m • VAZÃO MÉDIA HISTÓRICA: 32 m3/s • CAPACIDADE NOMINAL: 4,1 MW PCH CASCATA • DESNÍVEL : 10 m • VAZÃO MÉDIA HISTÓRICA: 27 m3/s • CAPACIDADE NOMINAL: 2,9 MW EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS
  • 16. FORNECIMENTO DE GÁS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA EEAB RIO GRANDE -TAIAÇUPEBA EM ESTUDO Fornecimento de gás para geração de energia em caráter contingencial EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS
  • 17. EM ESTUDO GERAÇÃO FOTOVOLTAICA ENERGIA HÍDRICA NAS ADUTORAS EM ESTUDO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – NOVOS NEGÓCIOS
  • 18. CIRCUITO 34,5 kV – EEAB BIRITIBA MIRIM ETD CEZAR DE SOUZA ETD BIRITIBA MIRIM ALIMENTADOR 34,5 kV EM CONSTRUÇÃO. CONCLUSÃO: 07/2018 Eficiência Energética – Qualidade de Energia