SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
O PIMVP NO
CONTEXTO DA GESTÃO
ENERGÉTICA
Agenor Gomes Pinto Garcia
São Paulo, 31 de agosto de 2016
AGENDA
 A M&V e o monitoramento da energia
 Terminologia da M&V
 Questões de monitoramento
 CUSUM e MT&R
 ISO 50006, IDEs e LBEs
 A Certificação CEM
2
A M&V E O
MONITORAMENTO
DA ENERGIA
3
• A M&V é normalmente utilizada
sempre que a economia precise ser
verificada, como em:
• Projetos de eficiência energética
• Contratos de Desempenho Energético
• Programas regulados de eficiência
energética
• Quando a instalação necessita uma
verificação para propósitos internos
• A M&V também é parte de uma boa
gestão energética.
CONTEXTO DA M&V
4
O M na M&V representa:
Medição
Não Monitoramento
(O monitoramento é uma atividade
diferente da determinação da economia. É
o processo de observar o uso da energia
para predição, controle de custos e
diagnósticos).
O “M” NA M&V
5
NOÇÃO BÁSICA DA M&V
Consumo da linha de base + ajustes
Energia medida
Economia
de energia
250.000
500.000
750.000
1.000.000
Energia
Período da linha de base Período de
determinação da
economia
AEE
6
EXEMPLO DE M&V
Forno
Ar (temperatura
ambiente)
Queimador
T
Gás
7
AEE (AÇÃO DE EFICIÊNCIA
ENERGÉTICA)
550°C
Forno
Ar
Queimador
T
Gás
Trocador de
calor
8
VARIÁVEL INDEPENDENTE
11
13
15
17
19
230
260
290
320
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
[t]
[m3]
Consumo [m³] Produção [t]
9
MODELO DA LINHA DE BASE
10
y = 12.984x + 95.93
R² = 0.8817
200
250
300
350
10 12 14 16 18 20
[m3]
[t]
MODELO DA LINHA DE BASE
11
y = 12,984x + 95,93
R² = 0,8817
Energia
Variável
independente
Sensibilidade da
energia à variável
independente
Carga
base
ÍNDICES DE DESEMPENHO
12
y = 12.984x + 95.93
R² = 0.8817
200
250
300
350
10 12 14 16 18 20
[m3]
[t]
21,0 m3/t
18,3 m3/t
PERÍODO DE DETERMINAÇÃO DA
ECONOMIA
13
100
150
200
250
300
350
10 12 14 16 18 20
[m3]
[t]
Linha de base
Período de determinação
da economia
y = 11,757x + 47,181
R² = 0,887
M&V X MONITORAMENTO
Linha de base AEE Determinação
Contrato
Vida útil
Linha de base DeterminaçãoAEE AEEAEE
14
muda
nças
Relatório RelatóRelatórioRelatório
TERMINOLOGIA DA M&V
 Variáveis independentes (relevantes)
 Fatores estáticos
 Períodos de medição (linha de base e
determinação da economia ou reporte)
 Modelo de consumo energético
(indicadores de desempenho – IDEs)
 Fronteira de medição
 Efeitos interativos
 Opções do PIMVP
15
QUESTÕES DE MONITORAMENTO
Sema
na
Produção
Toneladas
Energia
kWh
Consumo
específico
kWh/t
1 150 140.726 938
2 80 103.223 1.290
3 60 90.764 1.513
4 50 87.567 1.751
5 170 146.600 862
6 180 154.773 860
7 120 121.575 1.013
8 40 81.436 2.036
9 110 115.586 1.051
10 90 105.909 1.177
11 40 83.916 2.098
12 50 86.272 1.725
13 140 125.892 899
14 155 138.966 897
15 165 139.922 848
16 190 152.274 801
17 40 77.788 1.945
18 55 82.711 1.504
 Quantas AEE foram
introduzidas?
 Quando cada uma fez
efeito?
 Quanto cada uma
economizou?
 Estão todas ainda em
operação?
 Alguma ação que
aumentou o consumo foi
reajustada?
 Quanto se requer para
produzir 120 toneladas por
semana?
 Quanto mais se pode
economizar?
1616
CUSUM
17
Semana
Produção
toneladas
Energia
kWh
Consumo
específico
kWh/t
Previsão
kWh
Diferença
kWh
CUSUM
1 150 140.726 938 138.024 2.702 2.702
2 80 103.223 1.290 102.250 973 3.674
3 60 90.764 1.513 92.029 -1.265 2.409
4 50 87.567 1.751 86.918 649 3.058
5 170 146.600 862 148.246 -1.646 1.412
6 180 154.773 860 153.356 1.417 2.829
7 120 121.575 1.013 122.693 -1.118 1.712
8 40 81.436 2.036 81.808 -372 1.340
9 110 115.586 1.051 117.582 -1.996 -656
10 90 105.909 1.177 107.361 -1.452 -2.108
11 40 83.916 2.098 81.808 2.108 0
y = 511 x + 61.370
18
-250,000
-200,000
-150,000
-100,000
-50,000
0
50,000
1
6
11
16
21
26
31
36
CUSUM(kWh)
Semana
CUSUM (da linha de base)
 Monitoring
 Coleta sistemática de
dados da energia
 Análise dos dados
 Análise dos desvios
do valor esperado
 Targeting
 Identificação do valor de
energia desejado
 Reporting
 Colocar a informação de
forma a possibilitar o
controle da energia e a
realização das metas
19
MONITORING, TARGETING AND
REPORTING (MT&R OU M&T)
19
ISO 50006 – PERÍODOS DE
MEDIÇÃO, LBE E META
20
IDES (INDICADORES DE
DESEMPENHO) E LBES (LINHAS DE
BASE)
 Tipos de IDE
 Valor de energia [kWh/mês]
 Eficiência energética [kWh/peça]
 Modelo estatístico [kWh = a * GDR + b]
 Modelo de engenharia [kWh = a * GDR + b]
 LBE
 Caracterizada pelo valor do IDE no período base
21
CEM – CERTIFIED ENERGY
MANAGER
 Título conferido pela AEE
 Reconhecido em 25 países
 Desde 1981
 Ainda inédito no Brasil
 Conceitos básicos, vapor, motores,
HVAC, iluminação, sistemas elétricos,
analise econômica, etc.
22
agenorgarcia@uol.com.br
anima@animaprojetos.com.br
http://animaprojetos.com.br/
23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência EnergéticaIniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energéticaslides-mci
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energiaslides-mci
 
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de InterioresSistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de Interioresslides-mci
 
Geração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção ViávelGeração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção Viávelslides-mci
 
Sistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição InteligenteSistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição Inteligenteslides-mci
 
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple ERumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple Eslides-mci
 
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...slides-mci
 
Eficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas IndustriaisEficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas Industriaisslides-mci
 
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação PúblicaEficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Públicaslides-mci
 
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e PrivadosMecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privadosslides-mci
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energéticaslides-mci
 
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...slides-mci
 
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?slides-mci
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestãoslides-mci
 
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio Robson Josué Molgaro
 
Agências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento InternacionaisAgências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento Internacionaisslides-mci
 
Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.abihoestepr
 
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública	Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública slides-mci
 
StarEnergy - Apresentação Institucional
StarEnergy - Apresentação InstitucionalStarEnergy - Apresentação Institucional
StarEnergy - Apresentação InstitucionalVasco Pereira
 

Mais procurados (20)

Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência EnergéticaIniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
Iniciativas Européias para Fomento da Eficiência Energética
 
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de EnergiaContribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
Contribuição da Eficiência Energética na Expansão da Oferta de Energia
 
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de InterioresSistemas Iluminação Eficiente de Interiores
Sistemas Iluminação Eficiente de Interiores
 
Geração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção ViávelGeração Distribuída: Uma Opção Viável
Geração Distribuída: Uma Opção Viável
 
Sistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição InteligenteSistemas de Medição Inteligente
Sistemas de Medição Inteligente
 
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple ERumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
Rumo à Excelência em Eficiência Energética , Caso Triple E
 
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
Benchmarking de Consumo Energético: Ferramenta para gestão energética e monit...
 
Eficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas IndustriaisEficiência Energética em Plantas Industriais
Eficiência Energética em Plantas Industriais
 
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação PúblicaEficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
Eficiência Energética em Sistemas de Iluminação Pública
 
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e PrivadosMecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
Mecanismos de Financiamento: Bancos Públicos e Privados
 
A visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência EnergéticaA visão do MME para Eficiência Energética
A visão do MME para Eficiência Energética
 
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
Eficiência Energética e Renováveis - Linhas de Financiamento do grupo BID par...
 
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
10% de ganho em eficiência no setor elétrico até 2030. O que ainda é possível?
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
 
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
Benefícios da Energia Solar para o seu Negócio
 
Institucional Master Solar
Institucional Master SolarInstitucional Master Solar
Institucional Master Solar
 
Agências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento InternacionaisAgências de Fomento Internacionais
Agências de Fomento Internacionais
 
Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.
 
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública	Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
Gestão Eficiente de Sistemas de Iluminação Pública
 
StarEnergy - Apresentação Institucional
StarEnergy - Apresentação InstitucionalStarEnergy - Apresentação Institucional
StarEnergy - Apresentação Institucional
 

Destaque

Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética slides-mci
 
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento AmbientalDesafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambientalslides-mci
 
Linhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para SaneamentoLinhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para Saneamentoslides-mci
 
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no MundoLEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundoslides-mci
 
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São PauloO Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Pauloslides-mci
 
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico	Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico slides-mci
 
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...slides-mci
 
Alternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as EscosAlternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as Escosslides-mci
 
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento NacionaisFinanciamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionaisslides-mci
 
Projeto Green Park
Projeto Green ParkProjeto Green Park
Projeto Green Parkslides-mci
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?slides-mci
 
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência EnergéticaExperiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energéticaslides-mci
 

Destaque (12)

Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
Política Nacional de Saneamento e a Interface com a Eficiência Energética
 
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento AmbientalDesafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
Desafios da Eficiência Energética no Setor de Saneamento Ambiental
 
Linhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para SaneamentoLinhas de Crédito para Saneamento
Linhas de Crédito para Saneamento
 
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no MundoLEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
LEED e seus impactos em reduções de emissões no Brasil e no Mundo
 
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São PauloO Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
O Programa de Eficiência Energética no Estado de São Paulo
 
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico	Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
Iniciativas de Eficiência Energética na Ásia e Pacífico
 
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
iNDC - Brasil (intended Nationally Determined Contribution) no contexto do Ac...
 
Alternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as EscosAlternativas de Financiamento para as Escos
Alternativas de Financiamento para as Escos
 
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento NacionaisFinanciamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
Financiamento para Eficiência Energética nas Agências de Fomento Nacionais
 
Projeto Green Park
Projeto Green ParkProjeto Green Park
Projeto Green Park
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
 
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência EnergéticaExperiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
Experiências da America Latina e Caribe em Eficiência Energética
 

Semelhante a PIMVP no Contexto da Gestão Energética

Ainda a gestão de energia
Ainda a gestão de energiaAinda a gestão de energia
Ainda a gestão de energiaRui Loureiro
 
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/CoelcePxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelcemvackel
 
Caso de Estudo - Poupança Energia Edificio Escritorios
Caso de Estudo - Poupança Energia Edificio EscritoriosCaso de Estudo - Poupança Energia Edificio Escritorios
Caso de Estudo - Poupança Energia Edificio EscritoriosRui Loureiro
 
Câmara de comercialização de energia elétrica ccee - luiz eduardo barata
Câmara de comercialização de energia elétrica   ccee - luiz eduardo barataCâmara de comercialização de energia elétrica   ccee - luiz eduardo barata
Câmara de comercialização de energia elétrica ccee - luiz eduardo barataIsrael Cabral
 
Smart Pro - Saving Power
Smart Pro - Saving PowerSmart Pro - Saving Power
Smart Pro - Saving PowerEnergia Simples
 
018376000101011 (15).pdf
018376000101011 (15).pdf018376000101011 (15).pdf
018376000101011 (15).pdfRenandantas16
 
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial Conrado Augustus de Melo
 
+11 instrumentação e controle corrigido
+11 instrumentação e controle corrigido+11 instrumentação e controle corrigido
+11 instrumentação e controle corrigidojcjaneiro
 
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...Gregriomarcosmassina
 
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - IntroduçãoMedição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - IntroduçãoAmbiente Energia
 
Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011
Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011
Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011CelpaRI
 
Apresentação dos Resultados do 3T09
Apresentação dos Resultados do 3T09Apresentação dos Resultados do 3T09
Apresentação dos Resultados do 3T09Celesc
 

Semelhante a PIMVP no Contexto da Gestão Energética (20)

Ainda a gestão de energia
Ainda a gestão de energiaAinda a gestão de energia
Ainda a gestão de energia
 
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/CoelcePxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
Pxyon proj reducaoperdas 2014-01-17 Ampla/Coelce
 
Agenda do mercado livre de energia elétrica para 2015
Agenda do mercado livre de energia elétrica para 2015Agenda do mercado livre de energia elétrica para 2015
Agenda do mercado livre de energia elétrica para 2015
 
Caso de Estudo - Poupança Energia Edificio Escritorios
Caso de Estudo - Poupança Energia Edificio EscritoriosCaso de Estudo - Poupança Energia Edificio Escritorios
Caso de Estudo - Poupança Energia Edificio Escritorios
 
Aperfeiçoamento dos mercados livre e regulado
Aperfeiçoamento dos mercados livre e reguladoAperfeiçoamento dos mercados livre e regulado
Aperfeiçoamento dos mercados livre e regulado
 
Desafios do Mercado de Energia no Brasil
Desafios do Mercado de Energia no BrasilDesafios do Mercado de Energia no Brasil
Desafios do Mercado de Energia no Brasil
 
Monitorizacao energética em Hospitais
Monitorizacao energética em HospitaisMonitorizacao energética em Hospitais
Monitorizacao energética em Hospitais
 
Câmara de comercialização de energia elétrica ccee - luiz eduardo barata
Câmara de comercialização de energia elétrica   ccee - luiz eduardo barataCâmara de comercialização de energia elétrica   ccee - luiz eduardo barata
Câmara de comercialização de energia elétrica ccee - luiz eduardo barata
 
Smart Pro - Saving Power
Smart Pro - Saving PowerSmart Pro - Saving Power
Smart Pro - Saving Power
 
018376000101011 (15).pdf
018376000101011 (15).pdf018376000101011 (15).pdf
018376000101011 (15).pdf
 
10º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE - 21/05/13
10º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE - 21/05/1310º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE - 21/05/13
10º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE - 21/05/13
 
Aprimoramentos regulatórios e planejamento governamental para o setor elétrico
Aprimoramentos regulatórios e planejamento governamental para o setor elétricoAprimoramentos regulatórios e planejamento governamental para o setor elétrico
Aprimoramentos regulatórios e planejamento governamental para o setor elétrico
 
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
 
Instrumentao e Controle
Instrumentao e ControleInstrumentao e Controle
Instrumentao e Controle
 
+11 instrumentação e controle corrigido
+11 instrumentação e controle corrigido+11 instrumentação e controle corrigido
+11 instrumentação e controle corrigido
 
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A utilização racional de energia, que consiste ...
 
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - IntroduçãoMedição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
Medição e Verificação para projetos de Eficiência Energética - Introdução
 
Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011
Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011
Apresentação da Reunião Pública Apimec-Rio 2011
 
Apresentação dos Resultados do 3T09
Apresentação dos Resultados do 3T09Apresentação dos Resultados do 3T09
Apresentação dos Resultados do 3T09
 
Tcc apresentação projeto de uma mini turbina eolica
Tcc apresentação projeto de uma mini turbina eolicaTcc apresentação projeto de uma mini turbina eolica
Tcc apresentação projeto de uma mini turbina eolica
 

Mais de slides-mci

11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos 24 08 pao de acucarslides-mci
 
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucarslides-mci
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea slides-mci
 
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucarslides-mci
 
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucarslides-mci
 
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucarslides-mci
 
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urcaslides-mci
 
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovadoslides-mci
 
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontalslides-mci
 
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovadoslides-mci
 
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucarslides-mci
 
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucarslides-mci
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08slides-mci
 
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucarslides-mci
 
14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme 14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme slides-mci
 
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barraslides-mci
 
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogoslides-mci
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barraslides-mci
 
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogoslides-mci
 
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontalslides-mci
 

Mais de slides-mci (20)

11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar11h00 alex bastos  24 08 pao de acucar
11h00 alex bastos 24 08 pao de acucar
 
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
17h10 2 marco braga politica ufrj 21-08 pao de acucar
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
 
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
17h10 ricardo gotelib 21 08 pao de acucar
 
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar09h10 1  marcelo sperle 24-08 pao de acucar
09h10 1 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar14h40 2   marcelo sperle 24-08 pao de acucar
14h40 2 marcelo sperle 24-08 pao de acucar
 
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
11h00 st11 elton dantas 22 8 urca
 
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
09h10 victor ramos 23 08 - corcovado
 
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
09h10 ricardo hirata 22 09 pontal
 
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
17h10 mesa redonda ildeu moreira 23 08 - corcovado
 
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
17h10 marcus marques 21 08 pao de acucar
 
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
17h10 1 marco braga acidentes 21 08 pao de acucar
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
 
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
15h20 marcelo sperle 24 08 pao de acucar
 
14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme 14h40 marcio remedio 23 08 leme
14h40 marcio remedio 23 08 leme
 
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra14h00 rosangela botelho 22 08 barra
14h00 rosangela botelho 22 08 barra
 
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
11h00 carlos roberto 21 08 botafogo
 
11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra11h00 aline rocha 24 08 barra
11h00 aline rocha 24 08 barra
 
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
10h10 carlos roberto 21 08 botafogo
 
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
09h50 mr marcia gaspar 24 08 pontal
 

PIMVP no Contexto da Gestão Energética

  • 1. O PIMVP NO CONTEXTO DA GESTÃO ENERGÉTICA Agenor Gomes Pinto Garcia São Paulo, 31 de agosto de 2016
  • 2. AGENDA  A M&V e o monitoramento da energia  Terminologia da M&V  Questões de monitoramento  CUSUM e MT&R  ISO 50006, IDEs e LBEs  A Certificação CEM 2
  • 3. A M&V E O MONITORAMENTO DA ENERGIA 3
  • 4. • A M&V é normalmente utilizada sempre que a economia precise ser verificada, como em: • Projetos de eficiência energética • Contratos de Desempenho Energético • Programas regulados de eficiência energética • Quando a instalação necessita uma verificação para propósitos internos • A M&V também é parte de uma boa gestão energética. CONTEXTO DA M&V 4
  • 5. O M na M&V representa: Medição Não Monitoramento (O monitoramento é uma atividade diferente da determinação da economia. É o processo de observar o uso da energia para predição, controle de custos e diagnósticos). O “M” NA M&V 5
  • 6. NOÇÃO BÁSICA DA M&V Consumo da linha de base + ajustes Energia medida Economia de energia 250.000 500.000 750.000 1.000.000 Energia Período da linha de base Período de determinação da economia AEE 6
  • 7. EXEMPLO DE M&V Forno Ar (temperatura ambiente) Queimador T Gás 7
  • 8. AEE (AÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA) 550°C Forno Ar Queimador T Gás Trocador de calor 8
  • 9. VARIÁVEL INDEPENDENTE 11 13 15 17 19 230 260 290 320 Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom [t] [m3] Consumo [m³] Produção [t] 9
  • 10. MODELO DA LINHA DE BASE 10 y = 12.984x + 95.93 R² = 0.8817 200 250 300 350 10 12 14 16 18 20 [m3] [t]
  • 11. MODELO DA LINHA DE BASE 11 y = 12,984x + 95,93 R² = 0,8817 Energia Variável independente Sensibilidade da energia à variável independente Carga base
  • 12. ÍNDICES DE DESEMPENHO 12 y = 12.984x + 95.93 R² = 0.8817 200 250 300 350 10 12 14 16 18 20 [m3] [t] 21,0 m3/t 18,3 m3/t
  • 13. PERÍODO DE DETERMINAÇÃO DA ECONOMIA 13 100 150 200 250 300 350 10 12 14 16 18 20 [m3] [t] Linha de base Período de determinação da economia y = 11,757x + 47,181 R² = 0,887
  • 14. M&V X MONITORAMENTO Linha de base AEE Determinação Contrato Vida útil Linha de base DeterminaçãoAEE AEEAEE 14 muda nças Relatório RelatóRelatórioRelatório
  • 15. TERMINOLOGIA DA M&V  Variáveis independentes (relevantes)  Fatores estáticos  Períodos de medição (linha de base e determinação da economia ou reporte)  Modelo de consumo energético (indicadores de desempenho – IDEs)  Fronteira de medição  Efeitos interativos  Opções do PIMVP 15
  • 16. QUESTÕES DE MONITORAMENTO Sema na Produção Toneladas Energia kWh Consumo específico kWh/t 1 150 140.726 938 2 80 103.223 1.290 3 60 90.764 1.513 4 50 87.567 1.751 5 170 146.600 862 6 180 154.773 860 7 120 121.575 1.013 8 40 81.436 2.036 9 110 115.586 1.051 10 90 105.909 1.177 11 40 83.916 2.098 12 50 86.272 1.725 13 140 125.892 899 14 155 138.966 897 15 165 139.922 848 16 190 152.274 801 17 40 77.788 1.945 18 55 82.711 1.504  Quantas AEE foram introduzidas?  Quando cada uma fez efeito?  Quanto cada uma economizou?  Estão todas ainda em operação?  Alguma ação que aumentou o consumo foi reajustada?  Quanto se requer para produzir 120 toneladas por semana?  Quanto mais se pode economizar? 1616
  • 17. CUSUM 17 Semana Produção toneladas Energia kWh Consumo específico kWh/t Previsão kWh Diferença kWh CUSUM 1 150 140.726 938 138.024 2.702 2.702 2 80 103.223 1.290 102.250 973 3.674 3 60 90.764 1.513 92.029 -1.265 2.409 4 50 87.567 1.751 86.918 649 3.058 5 170 146.600 862 148.246 -1.646 1.412 6 180 154.773 860 153.356 1.417 2.829 7 120 121.575 1.013 122.693 -1.118 1.712 8 40 81.436 2.036 81.808 -372 1.340 9 110 115.586 1.051 117.582 -1.996 -656 10 90 105.909 1.177 107.361 -1.452 -2.108 11 40 83.916 2.098 81.808 2.108 0 y = 511 x + 61.370
  • 19.  Monitoring  Coleta sistemática de dados da energia  Análise dos dados  Análise dos desvios do valor esperado  Targeting  Identificação do valor de energia desejado  Reporting  Colocar a informação de forma a possibilitar o controle da energia e a realização das metas 19 MONITORING, TARGETING AND REPORTING (MT&R OU M&T) 19
  • 20. ISO 50006 – PERÍODOS DE MEDIÇÃO, LBE E META 20
  • 21. IDES (INDICADORES DE DESEMPENHO) E LBES (LINHAS DE BASE)  Tipos de IDE  Valor de energia [kWh/mês]  Eficiência energética [kWh/peça]  Modelo estatístico [kWh = a * GDR + b]  Modelo de engenharia [kWh = a * GDR + b]  LBE  Caracterizada pelo valor do IDE no período base 21
  • 22. CEM – CERTIFIED ENERGY MANAGER  Título conferido pela AEE  Reconhecido em 25 países  Desde 1981  Ainda inédito no Brasil  Conceitos básicos, vapor, motores, HVAC, iluminação, sistemas elétricos, analise econômica, etc. 22

Notas do Editor

  1. La M&V puede ser uno de los pasos en un proyecto EE. Los pasos usuales son: auditoria preliminar, auditoria detallada o auditoria de grado de inversión (incluyendo plan de M&V), contrato o contrato de desempeño de energía, diseño e ingeniería del proyecto, implementación de las medidas EE, M&V de las medidas EE.
  2. 5
  3. 6
  4. 19