Jornal setembro 2015

264 visualizações

Publicada em

Jornal Setembro 2015

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
92
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal setembro 2015

  1. 1. Setembro, mês dedicado a Bíblia, mês de abrirmos a mente e o coração para recebermos as mensagens que Deus tem para nós! A palavra Bíblia vem do grego Biblion que significa “conjunto de livros”, ao todos são 73 livros, sendo 46 do antigo testamento e 27 do novo testamento. Hoje a Bíblia está traduzida praticamente para todas as línguas e presente em quase todos os lares. A Bíblia serve de “alimento espiri- tual” para a Igreja e para as pesso- as, e ajuda o povo de Deus na sua caminhada em busca de um mun- do melhor. Na Bíblia, encontram-se textos para as diversas situações da vida, ela ajuda a fortalecer a nossa fé; ajuda em nossa formação; nos momentos de crises e dificuldades; na dor; na doença e na alegria. Devemos dar atenção à Bíblia. Na verdade, todo dia deveria ser o dia dela. A Bíblia não deve ser só mais um ornamento em nossa casa, devemos utilizá-la para conhecer Jesus, aprender seus ensinamentos, ouvir sua voz, experimentar a fé nos mistérios divinos. É impossível alguém se envolver com o estudo bíblico e não sofrer uma mudança de vida. Vamos neste mês dedicado a Bíblia, fazer a experiência e dar mais atenção à palavra de Deus que vem ao nosso encontro. Que a palavra de Deus nos anime, dê força e coragem, e que acolhamos com amor tudo o que Deus vem nos dizer. Mary Cristina de Souza Andrade Equipe de música Comunidade Biriçá do Campinho MENSAGEM DO MÊS Amados irmãos e irmãs em Cristo Setembro a igreja do Brasil celebra o mês da Bíblia, vamos a aproveitar para aprofundar ainda mais no conhecimento da Palavra de Deus, e quem sabe estudar um pouco mais o Evangelho, tornando-se assim um fiel seguidor de Jesus Cristo e anunciador da Palavra de Deus. Deus falou ao homem desde a sua criação. E continua falando conosco, nos dias atuais, na dor, na alegria, por meio dos fatos e acontecimentos da vida diária. Na Bíblia Sagrada, encontramos sua mensagem de paz, de misericórdia e de amor infinito. Seu coração é terreno propício para que a Palavra de Deus germine, cresça e dê fru- tos abundantes? Que Maria, Mãe da Igreja, seja a nossa mestra e nos ensine a ouvir e a guardar a Palavra, que salva, em nosso coração. PASCOM ASemente ParóquiaSãoJosé BragançaPaulista/SP AnoX-Ediçãonº103-Setembro/2015 EDITORIAL NESTA EDIÇÃO Página 2 Página 7 Página 8 Página 3 e 4 Página 5 e 6 Cajado do Pastor e Palavra do Papa Coluna Jovem, Reflexão e Artigos Diversos Outros Artigos e Cartaz Festa Nossa Senhora do Bom Parto Dizimistas Aniversariantes, Convites e Agenda Aconteceu na Matriz e nas Comunidades
  2. 2. “Eis o lenho da cruz, do qual pendeu a salvação do mundo.” Amigos paroquianos de São José, no dia 14 de setembro nós celebramos, em toda a Igreja, a festa da Exaltação da Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Dia de contemplarmos a cruz de Jesus que é expressão suprema do amor de um Deus que veio ao nosso encontro, que aceitou partilhar a nossa hu- manidade, que quis fazer-se servo dos homens e que se deixou matar para que o egoísmo e o pecado fossem vencidos. Ao oferecer a sua vida na cruz, dom de amor, Jesus nos mostrou o caminho para chegarmos à vida plena. Para nós cristãos, a cruz é o maior símbolo de nossa fé. A cruz para o cristão não é símbolo de morte, mas de vida. Ela é nossa única esperança. A cruz está sempre presente na vida da Igreja, quer na celebração da Eucaristia, quer no Batismo e demais sacramentos. O sinal da cruz é o indicativo de que a pessoa é cristã e nós o usamos sempre no início da Santa Missa. Com esse sinal nós somos abençoados e abençoamos em nome do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO. Portanto, exaltar a cruz é exaltar a morte de Cristo e proclamar que Ele está vivo e por seu sacrifício na Cruz nos obteve a salvação. Mas como podemos “exaltar” o instrumento da morte de um inocente? Paulo, no início da era cristã já dizia que a cruz é uma loucura para os pagãos, mas para nós é o sinal da vitória. “Jesus venceu a cruz. Por isso ela se tornou bandeira de salvação. Agora é ponte. Era cruz… agora é luz “ Contemplemos com fé a cruz de Cristo. Vamos repensar nossas dores e sofrimentos e sofrer unidos ao Senhor Jesus. Assim nosso sofrimento receberá uma dimensão salvífica. Estamos pregados na cruz de Cristo. Ontem, instrumento horrível de dor; hoje, sinal vivo e eterno de amor! Não podemos restringir a nossa contemplação ao aspecto doloroso e trágico dessa “bendita e louvada” Cruz, da qual pendeu a salvação do mundo. Ficamos chocados e até, re- voltados diante dessa enorme crueldade de conde- nar um inocente através do suplício degradante, que era reservado aos escravos mais vis, os bandidos e salteadores. Sempre olhamos para o Crucificado com certa tristeza... Além de ter diante dos olhos a imagem mais cruel do Homem das Dores, vem-nos à lembrança a causa de tanto sofrimento: o pecado desde Adão até o final dos tempos está retratado ali, naquela imagem de um ser transfigurado pela dor, ingratidão, pela paixão e pelo sofrimento de toda hu- manidade. Ao nos persignarmos com o sinal do cristão - como aprendemos desde o Catecismo - professa- mos a nossa fé que brota da Cruz e nela se consu- ma como vitória final. Não percamos o lindo costume de enriquecermos as salas de estar, salas de aula, tribunais, estabelecimentos públicos- com a figura nobre e, ao mesmo tempo, triste do Crucificado. É um apelo perpétuo à justiça e honestidade. É garan- tia de acerto. Ao contemplarmos um pouco mais de perto o Crucificado, entenderemos melhor os segredos de Jesus e teremos mais coragem para enfrentar os contratempos do dia-a-dia e nossos olhos penetra- rão nos abismos do Amor. A Cruz é uma das gran- des maravilhas de um amor sem limites e sem expli- cações, de um amor humano-divino de total doação. Santa Cruz, sede a nossa salvação! Pe. Jeferson Mengali Pároco Não se pode fazer comunidade sem proximidade. Segundo o Santo Padre, os cristãos devem-se aproximar e estender a mão àqueles que a sociedade tende a excluir, como fez Jesus com os marginalizados do seu tempo. É isso que faz da Igreja uma verdadeira “comunidade”. O Papa centralizou na passagem do Evangelho do dia, em que um leproso toma co- ragem, prostra-se diante de Jesus e lhe diz: “Senhor, se quiseres, tens poder para purificar-me”. Jesus to- ca-o e cura-o. Aproximando-se dos excluídos do seu tempo, Jesus “sujou” as mãos tocando os leprosos. E, assim, ensinou à Igreja “que não se pode fazer comunidade sem proximidade” – afirmou o Papa Francisco: Não se pode fazer comunidade sem pro- ximidade. Não se pode fazer a paz sem proximida- de. Não se pode fazer o bem sem aproximar-se. Je- sus poderia muito bem ter dito: ‘Sê purificado!’. Mas não: aproximou-se e tocou-o. E mais! No momento em que Jesus tocou o impuro, tornou-se também ele impuro. E este é o mistério de Jesus: toma para si as nossas sujidades, as nossas impurezas. Paulo di-lo bem: ‘’Sendo igual a Deus, esvaziou-se a si mesmo. Depois Paulo vai além: ‘Fez-se pecado. Jesus faz- -se pecado. “Jesus excluiu-se, tomou para si a nos- sa impureza para aproximar-se de nós”. A lição do Evangelho é também o convite que Jesus faz ao leproso curado: “Não digas nada a ninguém, mas vai mostrar-te ao sacerdote e apre- senta a oferta prescrita por Moisés, para que lhes sirva de prova”. Jesus faz isto porque, para além da proximidade, para Jesus é fundamental também a inclusão – sublinhou o Santo Padre: “Tantas vezes penso que seja não digo impossível, mas muito di- fícil fazer o bem sem sujar as mãos. E Jesus sujou- -se. Proximidade. E depois vai para além. Disse-lhe: ‘Mostra-te aos sacerdotes e faz o que se deve fazer quando um leproso é curado’. A quem estava ex- cluído da vida social, Jesus inclui: inclui na Igreja, inclui na sociedade… ‘Vai, para que todas as coisas sejam como devem ser’. Jesus nunca marginaliza ninguém. Marginaliza-se a si mesmo, para incluir os marginalizados, para nos incluir, pecadores, margi- nalizados, com a sua vida”. O Papa Francisco con- clui afirmando que ‘proximidade’ é uma bela palavra que convida a um exame de consciência: “Eu sei aproximar-me?”. Tenho “ânimo, força, coragem de tocar os marginalizados?”. Uma pergunta para refle- tirem “as paróquias, as comunidades, os consagra- dos, os bispos, os padres”, enfim, “todos nós” – de- clarou o Santo Padre. 2 O CAJADO DO PASTOR FESTA DE EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ PALAVRA DO PAPA 2 Av. Antonio Pires Pimentel, 907 - Bragança Paulista sdomincontabil@uol.com.br Fone / Fax: (11) 4034-3049 SÃO CONTABILIDADE JOÃO ROBERTO CERASOLI ADVOGADO - OAB 137.519 SP CÍVEL - FAMÍLIA - TRABALHISTA PREVIDENCIÁRIO FONES: 2277-6343 / 4033-0843 / 97384-3288 (vivo) R. JOSÉ MATHIAS FARHAT SOBRINHO 11 - SALA 07 (EDIFICIO CAPITAL - AO LADO DA PADARIA VARANDA AMÉRICA - a 50 METROS DO FÓRUM) UNIMAGEM Unidade de Diagnóstico por Imagem Rua Bahia, 342 • Recreio Estoril Atibaia • SP • CEP 12944-060 Ressonância Magnética • Tomografia Computadorizada Mamografia • Densitometria Óssea • Radiologia Ultrassonografia • Angiografia Digital Fones (11) 4414-5029/5030 Fax (11) 4412-3267 19 de Setembro - São Januário ou Gennaro Era napolitano de ori- gem e viveu no fim do sé- culo III. Considerado um homem bom, caridoso e zeloso com as coisas da fé, foi eleito bispo de Bene- vento, uma cidade situada a setenta quilômetros da sua cidade natal. Era uma época em que os inimigos do cristianismo submetiam os cristãos a testemunha- rem sua fé por meio dos terríveis martírios seguidos de morte. No ano 304, o imperador romano Diocleciano desencadeou a última e também a mais violenta perse- guição contra a Igreja. O bispo Januário foi preso com mais alguns membros do clero, sendo todos julgados e sentenciados à morte num espetáculo público no Cir- co. Sua execução era para ser, mesmo, um verdadeiro evento macabro, pois seriam jogados aos leões para que fossem devorados aos olhos do povo chamado para assistir. Porém, a exemplo do que aconteceu com o profeta Daniel, as feras tornaram-se mansas e não lhes fizeram mal. O imperador determinou, então, que fossem todos degolados ali mesmo. Era o dia 19 de setembro de 305. Alguns cristãos, piedosamente, reco- lheram em duas ampolas o sangue do bispo Januário e o guardaram como a preciosa relíquia que viria a ser um dos mais misteriosos e incríveis milagres da Igreja Católica. Por várias vezes, na ocasião a relíquia do seu sangue se liquefaz, adquirindo de novo a aparência de recém-derramado e a coloração vermelha. A primeira vez, devidamente registrada e desde então amplamen- te documentada, ocorreu na festa de 1389. A última vez foi em 1988. Assim, segue, através dos séculos, a li- quefação do sangue de são Januário como um mistério que só mesmo a fé consegue entender e explicar.
  3. 3. No dia 10 de agosto às 20h na Igreja São José, a Pastoral Familiar deu inicio a Semana da Família com um lindo Terço dedicado as famílias. Como diz Papa Francisco: “E rezar juntos o Terço, em família, é muito belo; dá tanta força! E também rezar um pelo outro: o marido pela esposa; a esposa pelo marido; os dois pelos filhos; os filhos pelos pais, pelos avós... Rezar um pelo outro. Isto é rezar em família, e isto fortalece a família: a oração.” (Papa Francisco). No domingo dedicado ao Dia dos Pais, dia 09 de agosto, nos dois horários de missa do domingo, às 8h na Igreja São José e às 19h30 na Capela Nossa Senho- ra do Bom Parto tivemos a missa especial dedicada a todos os pais. Com muita alegria e bênçãos, Pe. Jeferson Mengali emocionou a todos os presentes sempre com palavras que tocam o coração de todos. Parabéns a todos os pais pelo seu dia e que Deus sempre os abençoe com infinitas graças. Mergulhados na infinita bondade de Deus, buscando a conversão do coração como proposta de vida, tentando mudar nossas atitudes e anseios, chegamos mais uma vez ao final de mais um Tríduo em Louvor a Nossa Senhora do Bom Parto. Três dias especiais (de 12 de agosto a 14 de agosto) em que meditamos a coragem de seguirmos em frente com o que Cristo planejou, (Pe. José H Feitosa) a humildade de pedirmos o perdão (Pe. Luciano Alves Dos Reis) e o amor doação (Pe. Eugenio). O amor, para ser amor, tem que ser doação. Daquele que entende que o amor é também sacrifício e um pouco de dor. Porque dói deixar o egoísmo de lado. Quem tem amor pensa em si e no outro. Que Nossa SENHORA do Bom Parto te abençoe, e te cubra com o manto sagrado!!! 3 ACONTECEU NA PARÓQUIA Legendas:RitadeCássiaAlmeida–PASCOM MADEIREIRA BRAGANTINA Av. José Gomes da Rocha Leal, 134 - Taboão - Bragança Paulista Tel.: (11) 4033-4048 - Fax: (11) 4033-2328 Paul Wax LimpPaul Wax Limp AGORA MERCADÃO DA LIMPEZA SUPER ECONOMIA, E NO SEU CARRINHO VÃO PRODUTOS DE LIMPEZA A PREÇOS BARATOS PORQUE SOMOS DIFERENCIADOS Amplo Estacionamento Entrega em Domicílio Rua Alfredo Ortenzi, 133 - Jardim São José (Próximo cabeceira da pista do aeroclube) 4032-3815 / 4033-2638 / 9916-5020 EM NOVO ENDEREÇO Dr. Carlos Eduardo Falleiros Dr. Felipe M. C. V. Falleiros CRO 22762 CRO 76451 Implante Prótese Ortodontia Clínica Geral Cirurgia R. Octaviano Machado, 26 Santa Luzia 4034-0522 ODONTOLOGIA ESPECIALIZADAODONTOLOGIA ESPECIALIZADA Especialista em Implantodontia
  4. 4. 44 ACONTECEU NA COMUNIDADE FERNÃO DIAS Pe. Jeferson em sua homilia, sábado dia 15 de agosto, quando celebramos a Solenidade de Maria e 9 anos de sua Posse na Paróquia São José nos convi- dou a refletir: “Será que não devemos cantar o Magnificat todos os dias ?” Sejamos também bem-aventurados, porque acreditamos no que o Senhor prometeu. Sejamos, como Maria, homens e mulheres de fé. Guardemos em nós a Palavra a fim de que em nós também o Cristo seja gerado. Ao final da missa numa linda homenagem os Violeiros do Jaguari cantaram a música Romaria, que emocionou a todos. “Bem-aventurado é você, Pe. Jeferson Mengali que obediente ao chamado de Deus se tornou servo fiel, comprometido com o seu reino. Bem-aventurada é a Paróquia São José que recebeu de Deus a graça de tê-lo como sacerdote por 9 anos. Obrigado, Pe. Jeferson, pelo zelo, dedicação e amor pelas ovelhas confiadas ao seu pastoreio. Obrigado pelos ensinamentos, pelo seu testemunho de fé de verdadeiro discípulo de Jesus. A missa foi linda, os cantos muito bem executados. – a celebração de Pe. Jeferson Mengali que dispensa comentários, a simplicidade na decoração de Nossa Senhora do Bom Parto – a música agradável com os violeiros do Jaguari. Foi tudo maravilhoso...Parabéns a equipe que organizou e se preocupou com cada detalhe. E no dia 08 de agosto, sábado iniciando as 19h aconteceu o Show de Prêmios na Comunidade Fernão Dias com um grande número de pessoas participantes. Agradecemos de coração a todos que doaram os prêmios para o evento e os que de alguma forma contribuíram para que fosse um sucesso. Nosso muito obrigado! Legendas:RitadeCássiaAlmeida–PASCOM COMPRA - VENDA - INCORPORAÇÃO DE IMÓVEIS ALAMEDA POLÔNIA, 34 BRAGANÇA PAULISTA - SP CEP 12916-160 TEL.: (11) 4034-0543 FAX: (11) 4032-0044 CEL.: (11) 9989-1887 CACOCI CONSULTORIA E EMPREENDIMENTOS DE IMÓVEIS LTDA. CRECI 6.414-J www.cacociimoveis.com.br Rua Arthur Siqueira, 29 - Bragança Paulista - SP mecanicabarca@hotmail.com Tel/Fax: 4033-3684 AUGUSTO ALBERTO ROSSI R. Santa Clara, 1017 - Centro PABX: 4033-2021 Estacionamento Privativo para clientes Desde 1972 OAB/SP 27.126 ROSSANO ROSSI OAB/SP 93.560 ADVOGADOS blocos e lajes. ltda. BIRIÇÁ Blocos e Lajes Ltda. IRMÃOS BARLETTA - CREA - 0372392 ESCRITÓRIO: (11) 4035-1878 9989-3388 FÁBRICA: (11) 4031-8295 Depósito: AV. DOS IMIGRANTES 4289 - JD. SÃO LOURENÇO - BRAGANÇA PAULISTA - SP Matriz: SÍTIO SÃO CLEMENTE - BAIRRO BIRIÇÁ DO VALADO - BRAGANÇA PAULISTA - SP LAJES CONVENCIONAL E TRELIÇADA
  5. 5. 5 Sabiam que existe o dia da Cruz? Eu confesso que não sabia e quando descobri resolvi comparti- lhar isso com vocês... O dia da Cruz é comemorado no dia 14 de setem- bro. É quando a cruz é celebrada como sinal de sal- vação, buscando relembrar a crucificação de Jesus e celebrar a vitória sobre a morte. Ela é o símbolo cristão mais conhecido. Historicamente falando, a crucificação era utiliza- da como um método (horrível, pode-se dizer) para aplicar pena de morte pelos romanos. Apenas os piores criminosos eram condenados à cruz. Entre- tanto, os próprios romanos extinguiram, consideran- do-a uma crueldade. Tendo isso em vista, sabemos que a crucificação Jesus, que não tinha nenhum pe- cado nem culpa, foi pregado na cruz para salvar a humanidade, e com isso nos dar a vida eterna. Na bíblia, em Mateus capítulo 10, versículo 38 é dito: “Jesus disse: “Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim”.” Mas o que isso quer dizer? Não é nada do sentido literal, como uma cruz de pedra ou madeira. E sim, que a partir do momento em que é tomada a decisão de segui-Lo o caminho será árduo, é necessário renunciar e deixar coisas para trás. Jesus nos convida a seguir junto com Ele na fé cristã, tendo em mente que não irá ser fácil, mas nada é impossível. E a fé é um dom tão precioso e poderoso que é ela que nos ajuda a carregar a cruz da nossa vida e seguir em frente, enfrentando todos os desafios e sendo feliz. E além de tudo isso, a cruz vem como um símbo- lo de proteção. Quantos de nós não andamos com ela pendurada no pescoço, no braço, em um anel ou até mesmo tatuada na pele? É uma declaração de fé e oração silenciosa, para nos lembrar de que nunca estamos sozinhos e que Jesus morreu na cruz para nos salvar e dar vida eterna. Maynara Furquim Grupo de Jovens IGNIS Ainda gosto dos mesmos filmes. Ainda ouço as mesmas músicas. Ainda aperto a pasta de dente no meio do tubo. E ainda amo domingos no parque. Mas detesto os programas de domingo. Eu realmen- te continuo sendo a mesma pessoa. Tenho aqui mi- nhas manias e ainda rio sozinho com o celular. Re- clamo do trânsito e do calor. Ainda quero um salário maior. Acompanho os mesmos seriados. E até co- mecei alguns novos. Tenho lido menos que o neces- sário, mas pelo menos tenho continuado. Outro dia eu até mudei o caminho da volta do trabalho para casa só para quebrar a rotina. No fim das contas, eu continuo sendo a mesma pessoa. É que a gente pensa que não consegue mais viver quando alguém que gostamos vai embora da nossa vida. A gente pensa um monte de coisa. No fundo, pensei que ia morrer quando você se foi. A gente tem dessas às vezes, né? Eu ouvi duzentos refrãos que me levavam para a morte. É louco, acontece um negócio estranho e nada mais tem graça. Eu ouvia sua voz sem você estar por perto. Teve dia que mal conseguia comer alguma coisa. Tipo: eu só piorava o mal que você me fez passar. Pra quê? A sua partida partiu meu coração em dois e um dos pedaços você levou. Que triste né? Nem tanto. Cada dia mais longe de você é um dia mais perto de quem mereço conhecer. Eu me re- construí! Percebi que voltei a ser exatamente quem eu era antes de você aparecer, o que significa que no fim das contas eu nunca deixei de ser eu mes- mo, mas durante um tempo eu tentava ser mais por você. Eu gostava de te incluir nas minhas melhoras. As pessoas devem se somar, não se dividir. Nin- guém nunca pode mudar quem somos basicamente porque esse alguém amanhã pode ir embora e se- remos só lembrança do que fomos juntos. E isso é burrice. Acontece tanta coisa na nossa vida antes de alguém chegar. Preocupa-me ver algumas pessoas esquecendo os amigos e de que mais se importa, para colocar alguém novo no lugar; quem ignora tudo o que viveu e emoldura a pessoa como se ele fosse morar ali pra sempre, e sério, não vai. Tipo, aquelas pessoas que deixam no último lu- gar na fila de prioridade quem sempre esteve ao lado, e só dão atenção àquela nova pessoa, aquela novidade, aquela incerteza, aquela pessoa que tem todo o direito de te mandar ir a merda sem mais nem menos te deixando lá: na bosta. Cruel e infelizmen- te, as pessoas são assim. É claro que o certo é mer- gulhar no que vida oferece, mas esquecer de quem você é, esquecer quem te fez ser quem é e quem você sempre pode contar, por alguém que acabou de chegar é, no mínimo, uma burrice. Gostei de saber que eu continuo sendo quem eu sempre gostei de ser. Ainda gosto de conversar por horas com meus amigos, gosto de tirar fotos do céu e de brincar com filhotes de cachorros. Ainda gosto de ir aos shows que sempre fui. Ainda gosto de dar risada como sempre gostei. Gosto do meu sorriso, gosto de ver meus amigos sorrindo, gosto de fazer as pessoas sorrirem, gosto de priorizar coisas que me fazem sorrir, gosto de novos dos meus velhos sorrisos, gosto de quem eu sempre fui, gosto da par- te que eu não deixei ninguém tocar, muito menos você. Eu continuo sendo a mesma pessoa e não me interessa saber quem você se tornou. Ando tão pre- ocupado em me sentir bem que não tenho tempo para o que não me convém. Hoje eu comemoro a alegria do passado, te der encontrado um espaço para te deixar lá e de ter reencontrado quem tanto guardei: a melhor parte de mim e que ninguém nun- ca vai destruir. Márcio Rodrigues http://www.entendaoshomens.com.br Vicente de Paulo foi, realmente, uma figura extraordinária para a humanidade. Pertencia a uma família pobre, de cristãos dignos e fervorosos. Nasceu em Pouy, França, no dia 24 de abril de 1581. Na infância, foi um simples guardador de porcos, o que não o impediu de ter uma brilhante ascensão na alta Corte da sociedade de sua época. Aos dezenove anos, foi ordenado padre e, antes de ser capelão da rainha Margarida de Valois, ficou preso durante dois anos nas mãos dos muçulmanos. O mais curioso é que acabou sendo libertado pelo seu próprio “dono”, que, ao longo desse período, Vicente conseguiu converter ao cristianismo. Todos o admiravam e respeitavam: do cardeal Ri- chelieu à rainha Ana da Áustria, além do próprio rei Luís XIII, que fez questão absoluta de que Vicente de Paulo estivesse presente no seu leito de morte. Mas quem mais era merecedor da piedade e atenção de Vicente de Paulo eram mesmo os po- bres, os menos favorecidos, que sofriam as agru- ras da miséria. Quando Mazarino, em represália às barricadas erguidas pela França, quis fazer o país entregar-se pela fome, Vicente de Paulo organizou, em São Lázaro, uma mesa popular para servir, dia- riamente, refeições a duas mil pessoas famintas. Quando convenceu o regente francês de que o povo sofria por falta de solidariedade e de pesso- as caridosas para estenderem-lhe as mãos, o rei, imediatamente, nomeou-o para ser o ministro da Ca- ridade. Com isso, organizou um trabalho de assis- tência aos pobres em escala nacional. Fundou e or- ganizou quatro instituições voltadas para a caridade: a “Confraria das Damas da Caridade”, os “Servos dos Pobres”, a “Congregação dos Padres da Mis- são”, conhecidos como padres lazaristas, em 1625, e, principalmente, as “Filhas da Caridade”, em 1633. Morreu em Paris no dia 27 de setembro de 1660 e seu corpo permanece intacto até hoje. Canonizado em 1737, São Vicente de Paulo é festejado no dia de sua morte, pelos seus filhos e sua filhas espalhados nos quatro cantos do mundo. E por toda a sociedade leiga cristã engajada em cui- dar para que seu carisma permaneça pela ação de suas fundações, que florescem, ainda, nos nossos dias, sempre a serviço dos mais necessitados, do- entes e marginalizados. São Vicente de Paulo, rogai por nós. Geraldo Abreu Vicentino COLUNA JOVEM - A CRUZ EU CONTINUO SENDO A MESMA PESSOA 27 DE SETEMBRO - DIA DE SÃO VICENTE DE PAULO
  6. 6. 56 No dia 08 de setembro comemoramos o dia da dedicação. Segundo o dicionário a palavra dedica- ção significa ação ou efeito de dedicar ou de se dedi- car, é uma característica, particularidade, estado ou comportamento da pessoa que se dedica a alguém ou alguma coisa; expressão de amor; que demons- tra excesso de afeição ou consideração. Ao usarmos ou expressarmos essa palavra, que- remos dar ao nosso ato uma atenção, queremos demostrar que o que foi feito, foi com entrega, com afinco à realização de um objetivo. Quando olhamos para uma pessoa e nos admi- ramos do seu sucesso, por vezes não avaliamos o quanto se dedicou ao seu objetivo, quantas e quan- tas horas de dedicação para realização de seu su- cesso e de seus sonhos. Da mesma forma, a palavra dedicação deve es- tar sempre em nossas atitudes, nossas intenções e nossa vida. Se quisermos construir relações ver- dadeiras, quer em nossas famílias, quer em nossa comunidade, temos que nos dedicar a essa relação, que implicará em superar cansaços, deixando de lado o orgulho e o comodismo e principalmente dedi- car tempo: se quisermos um casamento gratificante, um emprego realizador, ou buscar qualquer sonho, teremos que investir em tempo, em energia e senti- mento nesses nossos sonhos, e principalmente, nos dedicar. A dedicação é um dom, pois a única coisa que separa um amador de um expert é a dedicação, pois qualquer um de nós pode ser um gênio, basta dedi- car tempo, foco em se aprimorar. “Como pensei, assim sucederá, e, como determi- nei, assim se efetuará.” (Isaías14;24) Pense nisso. Wagner Raposo Pimentel Paroquiano de São José A Pastoral Familiar em setembro, vai falar de uma flor. Vamos conhecer um pouco mais Maria a mãe da Sagrada Família. Mulher forte ,doce ,silenciosa ....e por aí vai. Vamos compará-la com as mulheres de hoje. O sim dado por Maria se compara ao nosso sim, dado no altar no dia do nosso matrimônio. Sim ao espo- so, sim aos filhos que Deus nos dará, sim às noites mal dormidas por eles , sim às alegrias de sabê-los emprestados a nós por um tempo , sim por sermos semelhantes a mãe de Jesus. A mulher hoje corre tanto que se esquece de parar para ouvir a Deus. Maria ,a mãe do silêncio, sempre parava para rezar e falar com Deus , não bastasse ser ela o primeiro sacrário que de tão divi- no tornou-se humano. Pensando no sim que demos a Deus quando recebemos o sacramento do matri- mônio , vamos dar um sim também a Maria, nosso exemplo . Queremos convidar as famílias de nossa paróquia a imitar essa flor . Quem puder e quiser oferecer seu lar para que possamos rezar um terço em dedicação a Nossa Senhora , ponha-se a dispo- sição. Ligue para a pastoral familiar e diga que quer rezar conosco. Vamos então marcar um dia para re- zarmos juntos , pedindo a Sagrada Família e a Maria em especial , as graças de que tanto precisam as nossas famílias . Ah! O telefone da Pastoral Familiar é : (11) 97664-4665 , ou deixar nome e telefone na secretaria da paróquia , dizendo que é para marcar o terço com a pastoral familiar. Esperamos vocês!!!!!!!! SAGRADA FAMÍLIA, ROGAI POR NÓS! Inêz Abreu Pastoral Familiar O Dia Nacional de Luta das Pessoas Deficientes foi instituído pelo movimento social em Encontro Nacio- nal, em 1982, com todas as entidades nacionais. Foi escolhido o dia 21 de setembro pela proximidade com a primavera e o dia da árvore numa representação do nascimento de nossas reivindicações de cidadania e participação plena em igualdade de condições. “Esta data é comemorada e lembrada todos os anos desde então em todos os estados; serve de momento para re- fletir e buscar novos caminhos em nossas lutas, e tam- bém como forma de divulgar nossas lutas por inclusão social.” Achei este comentário na internet, e me coloquei a pensar: quão data é comemorada e lembrada todos os anos? Que novos caminhos de inclusão estão sur- gindo? E no dia 22 de setembro, é o Dia Nacional do Atleta Paraolímpico, inicialmente seria dia 22 de novem- bro, mas depois se mudou para dia 22 de setembro por ser a data de fundação do Comitê Paraolímpico Inter- nacional, a lei que estabelece esta data foi sancionada este ano. A criação da data é vista como uma oportu- nidade de colocar em evidência as necessidades, as reivindicações e a luta dos esportistas com deficiência. O atleta paraolímpico, este sim, está começando a ser visto de uma maneira diferente, isto porque é algo que apesar de precisarem de apoio e patrocínio, é algo que depende muito deles mesmos, são reconhecidos por seus méritos. O esporte é uma forma ótima de inclusão, mantém o vigor físico e abre um leque de possibilida- des de serem “campeões” na vida. Mas mesmo assim, o que o Brasil realmente está investindo em estrutura para que estes atletas tenham condições de praticarem suas modalidades de esportes? Piscinas e banheiros de locais onde treinam sem nenhum tipo de adaptação, no atletismo faltam equipamentos, cadeiras especiais para o esporte, isto sem falar no transporte para estes atletas até o local de treino. O que está sendo dado de incentivo para que os municípios tenham um mínimo de estrutura para estes atletas? Estas perguntas ficaram no ar, sem respostas. Sei que estas são datas muito recentes, o que dá bem a dimensão do quanto ainda é preciso fazer para que o respeito às diferenças seja observado em nossa sociedade. Vamos primeiro en- tender o que é deficiência. Significado de deficiência: falta; carência; insuficiência, são palavras simples e que de certa forma, nos iguala, pois todos nós temos ca- rência de algo e somos insuficientes em algo. A condi- ção de ter uma deficiência faz parte da pessoa e esta pessoa não porta sua deficiência, ela tem uma defici- ência. Tanto o verbo “portar” como o substantivo ou o adjetivo “portador” não se aplicam a uma condição inata ou adquirida que faz parte da pessoa. Não dizemos e nem escrevemos que certa pessoa porta olhos azuis ou pele negra. Uma pessoa pode sim, por exemplo, por- tar um guarda-chuva se houver necessidade e deixá- -lo em algum lugar por esquecimento ou por assim decidir. Não se pode fazer isto com uma deficiência. Muitas pessoas não deficientes ficam confusas quando encontram alguém que é “diferente”. Uma pessoa que tem medo de dizer alguma coisa “errada” a uma pessoa deficiente pode até evitar uma comunicação. Este mal estar pode ser evitado se pessoas deficientes e não de- ficientes se virem e interagirem mais frequentemente. Trate a pessoa deficiente como uma pessoa saudável. Quando alguém tem uma limitação funcional, isso não quer dizer que a pessoa seja doente e muitas pessoas confundem, os veem como doentes. Use normalmen- te as palavras para um cego: “veja” e “olhe”, para um cadeirante: “andar” e “correr”, eles usam normalmente estes termos. Temos que começar por nós, acabar com preconceitos que nós trazemos, assim poderemos pen- sar em direitos iguais e inclusão. Diversidade não é o mesmo que adversidade. Faça isso e você verá o quan- to é importante e enriquecedor aprendermos a conviver com a diversidade! Jacqueline Rodrigues de Almeida Costa Pascom Segundo a Organização Mundial de Saúde, as do- enças cardiovasculares são uma das maiores cau- sas de morte no mundo. A doença cardiovascular é causada por distúrbios do co- ração e vasos sanguíneos e inclui a doença coronariana (ataque cardí- aco), doença cerebrovascular (AVC), pressão arte- rial elevada (hipertensão). As principais causas são consumo de tabaco, sedentarismo, má alimentação, uso excessivo de álcool, além de genética. A melhor maneira de prevenção é levar uma vida saudável, que inclui uma boa alimentação, prática de exercícios físicos, sempre orientado por um pro- fissional. Evite stress, procure evitar bebidas alcoólicas e cigarros. Se tiver antecedentes familiares procure ficar atento, faça pelo menos uma vez por ano um check up. Lilian Zampronio Nutricionista Algumas pessoas a chamam “angústia”. Ou- tros dizem que é “como se tivesse tudo cinza”. Não é fácil conviver com ela o importante é lem- brar que depressão é uma doença e requer tratamento. A depressão é um dos transtornos mentais mais frequentes e constitui hoje um problema de saúde pública. A in- cidência vem sendo muito superior a anteriormente estimada. Falando dela com bastante objetividade, vamos citar os principais sintomas desta doença: 1. Perda de interesse ou prazer em atividades ou passatempos que você costumava apreciar, inclusi- ve atividade sexual; 2. Tristeza, melancolia ou sensação de vazio; 3. Sensação de lentidão ou inquietação; 4. Sentimentos de auto desvalorização ou de cul- pa; 5. Aumento ou redução do apetite; 6. Ideias de morte ou suicídio; tentativa de suicí- dio; 7. Dificuldade para se concentrar, raciocinar, me- morizar ou tomar decisões; 8. Insônia ou excesso de sono; 9. Perda de energia ou sensação continua de cansaço; Outros sintomas incluem: dor de cabeça, outras dores, problemas digestivos, dificuldades sexuais, pessimismo ou desesperança, ansiedade ou preo- cupação. Apresentando esses sintomas ou a maior parte deles você deve procurar tratamento especializado. O tratamento consiste em medicações antidepres- sivas, psicoterapia acompanhada de uma vida sau- dável, eliminação de álcool e drogas, exercícios físi- cos, alimentação saudável e vida espiritual. É importante também fazer uma avaliação clíni- ca, pois outras doenças podem precipitar e ou agra- var o processo depressivo como distúrbio hormonais e diabetes. Dr. João Batista Cunha Bueno Médico especialista em dependência química e psicanalista DIA DA DEDICAÇÃO VAMOS DIZER SIM A MARIA? DIA NACIONAL DA LUTA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 24 DE SETEMBRO DIA MUNDIAL DO CORAÇÃO DEPRESSÃO
  7. 7. 7 Você já parou um pouquinho para observar o quanto nós corremos em nossa vida? Pare por alguns minutos e perceba o quanto eu, você, todos nós estamos apressados em tudo o que fazemos, como tudo é veloz hoje em dia e como essa envolvente velocidade tem sido uma constante. E vai levando a gente de roldão, no embalo e “descendo ladeira”. Como sabemos, o macarrão é instantâneo (para que não percamos tempo). O seu empréstimo bancário sai na hora, você cli- ca e, pronto, lá está ele na tela do caixa eletrônico. Que fácil e que rápido, num instante, é tudo seu (in- clusive o esforço para pagar as parcelas, com juros nas alturas, pertinho dos Anjos Celestes). Temos até controle de qualidade nas empresas, para medir a rapidez com que o cliente é atendido. Isso conta pontos, para a empresa. Aquelas comunicações das multas na esquina da Avenida José Gomes da Rocha Leal com a Rua Dr. Tosta (ali foi estabelecido um limite de velocidade: 50 km). É pouca velocidade, mas as comunicações e avisos, as cobranças chegam bem rapidinho em suas mãos. E lá vai você atrás de uma justificativa para a sua pressa ou atrás de um amigo para que ele acolha os seus pontos na carteira de motorista dele. Hoje, as notícias do mundo todo percorrem o Ins- tagram, o Facebook, o Skype, o Linkedin, o Twitter, o Pinterest, o MySpace, e até o Apressadin, (esta é uma rede social que nasceu em Minas Gerais), e todas as outras formas de comunicação virtuais, em segundos. Nós nos vemos – rapidamente – pela in- ternet, pensamos que estamos falando uns com os outros ao mesmo tempo – para não perder o nos- so precioso tempo fazendo uma visita, ouvindo os nossos filhos, a nossa esposa, a namorada, a noiva, o noivo, o namorado, os nossos amigos e amigas. Se o fazemos, os dedinhos agilíssimos e elétricos estão teclando (estamos falando com várias pesso- as, tudo junto, mas os assuntos são totalmente di- versos). Que bagunça a nossa correria. Todos estão com uma pressa danada. Até os noivos estão com pressa e acabam comendo a sobremesa antes do prato principal! Tomemos cuidado com a pressa e não nos dei- xemos influenciar pela velocidade da vida. Cuidado com a pressa, pois ela atropela as oportunidades. OPORTUNIDADE – de ouvir o outro, com aten- ção. Tomando um café, comendo um pedaço de bolo, mas, os olhos nos olhos atentos, não disper- sos. SEM PRESSA ! OPORTUNIDADE - de falar com o outro das nos- sas experiências, das nossas dores, dos nossos su- cessos, das nossas quedas., enfim, da vida. Tudo SEM PRESSA ! OPORTUNIDADE – de ouvir nossa consciência, de refletir sobre nossos atos passados para melho- rar os nossos passos futuros. SEM PRESSA. OPORTUNIDADE – de olhar para os outros seres humanos, dirigir-lhes uma palavra de conforto, de carinho, de atenção, SEM PRESSA. Talvez até rea- lizar um gesto de acolhimento, às vezes até brincan- do com as palavras, para alongar a conversa, sem olhar para o relógio, deixando o celular “esquecido” dentro da bolsa ou do bolso. QUIETO ! OPORTUNIDADE – de marido, mulher e filhos – SEM PRESSA e com a TV em stand by ou desliga- da mesmo, se olharem, conversarem, se perdoarem por serem tão apressados, fazerem planos, conta- rem sobre os seus sonhos de felicidade. Minha gente existe um tempo para cada coisa e uma coisa para cada tempo. Reconhecer e aprovei- tar cada momento é uma atitude sábia. A pressa nos engana levando-nos a pensar que podemos apres- sar ou economizar tempo, quando no fim pode nos roubar o sabor do momento. Quanto cuidado você e eu precisamos para lidar com as oportunidades. A pressa nos deixa ansiosos e passíveis de todo tipo de precipitação. Aproveitar as oportunidades, sem pressa e sem susto é uma sábia atitude. Aproveite os bons momentos e lembre sempre de um ditado bem conhecido: “Não corra, não mate, não morra !” Não corra atrás das coisas que passam, deixando de cuidar, com atenção das coisas que não passam. Por falar nisso, como anda a sua conversa com Deus ? ELE ainda faz parte da sua correria ? Não se esqueça DELE, justo ELE que o (a) conhece e cuida de você desde o ventre de sua mãe. Ele poderia ter morrido rapidamente, à espada, mas, por você, por nós, passou por longo suplício, sem nenhuma pressa de demonstrar o seu Amor Incondicional pela humanidade (são quinze longas estações de dor e uma de esplendor, a Ressurreição). Esta última para divinizar o ser humano. Não mate as oportunidades que a vida lhe oferece de alongar conversas, de manter vivos e presentes os seus relacionamentos. Vá entregar pessoalmen- te ao seu amigo ou amiga o recadinho que simples- mente seus dedos (e não o seu coração) estariam gravando no Whattsapp ou no e-mail (vazio e sem luz). Não deixe que morra em você a solidariedade, nem o respeito, a fé, a esperança, o Amor, a vonta- de de melhorar-se e melhorar o mundo que o rodeia. Não enterre os seus talentos, não viva à margem da vida, visite seus amigos e amigas. O seu DEUS ! Pensando bem, todas essas palavras e advertên- cias servem para mim também, levado nesse burbu- rinho veloz da vida e de seus viventes. São três os tipos de pessoas que passam pelo mundo: os INTELIGENTES (aqueles que tropeçam em uma pedra deixada no meio do caminho e cheios de dores, rapidamente, esbravejam contra tudo e contra todos); os SÁBIOS (aqueles que aprendem com os erros dos outros e, também rapidamente, contornam as pedras para não tropeçarem nelas) e os CRISTÃOS (os que calmamente observam as re- ações dos INTELIGENTES e dos SÁBIOS e retiram as pedras do meio da caminho para que ninguém tropece nelas futuramente). Me diga aonde você se encaixa ? Não responda apressadamente, reflita ! Pise no freio! Seja Feliz! João Cerasoli Pastoral Familiar 9 DE SETEMBRO - DIA DA VELOCIDADE Rua Cel Assis Gonçalves, 323 Bragança Paulista - SP Tel/Fax: 2473-2555 - 2473-8030 Produtos para sua Saúde! Loja Ampla e Moderna Estacionamento próprio Souza Silva CORRETORA DE SEGUROS Souza Silva Adm. Corr. Seguros Ltda. Rua Tupi, 153 - Sala 04 - Taboão - Brag Pta - SP - CEP 12.900-290 Fone/Fax: (11) 4032-0450 / 4033-7586 e-mail: sscorr@terra.com.br
  8. 8. MATRIZ e CAPELA N. S. DO BOM PARTO aniversário de nascimento Adenilson Latorre Diez Adilson Miraldi Alzira Belli Farhat Antonia Alves de Oliveira Lima Apparecida de Almeida Negri Apparecida Malengo Garcia Aparecido Donizete da Silva Debora Pussato Barletta Fernanda Silva Alves Gilmar Ferreira de Brito Helena Silvério de Mattos Josiane Aparecida Bastos Sabbadini Lourdes de Souza Lúcia Queiróz Telles Marcelo Gomes Malaquias de Jesus Maria Cristina Cassiano Bim Maria Zilda Lucarelli Nice Paredes Pessoa Patrícia de Queiroz Achim Regina Frugoli de Oliveira Roque de Palma Rosa Pavaretto Splendore Sonia Maria de Oliveira Zago Terezinha de Jesus Alves de Souza Terezinha Vaz de Lima Vanda Cristina Tescke Walter Minoru Yamada Wilson Albuquerque Lima aniversário de CASAMENTO Adriana Cristina e Marco Antonio Batista Custódia e Aldeci Nunes da Silva Elisabete e José Carlos de Azevedo Francisca e José Nani Lisete Aparecida e José Antonio Gonçalves Filho Márcia e Récio Zago Marisa e Francisco Sérgio Ney Virgília Elisabete e Natalino Vieira de Moraes BIRIÇA DO CAMPINHO aniversário de nascimento Adão Ap. Gonçalves de Camargo Ana Lucia de Oliveira André Luis Mazochi Antonia Cristina Pereira Creuza Candida de Souza Cristiane Ap. de Oliveira Francisco Ap. Pereira Hélio Donizete Cavallaro Hernandes Cosme Damião Bandeira Jesus Ap. Bandeira José Antonio Fontanive Lázaro Ap. Nobre da Luz Luzia Ap. Pereira de Souza Maria de Lourdes Floriano de Souza Mary Cristina de Souza Andrade Orlanda Pereira Cavallaro Prima de Souza Pereira Romualdo Sebastião Cypriano de Souza Silvana Ap. Alves de Souza Vander Ap. do Prado Vania Ap. Pereira Moreno aniversário de casamento Antonia e Francisco Ap. Pereira Bernadete e Francisco Donizete C. de Souza Jacira e Rivail de Moraes Cardoso Maria Luiza e Antonio Felippe de Oliveira Prima e Amarildo de Souza Dias comunidade SÃO MARCELO aniversário de nascimento Eder Hugo Contell José Roberto da Silva Rosimeire G. do Carmo Martins BIRIÇA DO VALADO aniversário de nascimento Denilson Donizete Ortiz Emidio Antonio Cavallaro Jair Marques da Silva Lourdes de Souza Lucilene Ap. de Souza Prado Luis P. de Souza Pedro Antonio Cavallaro Rafael Majoli Solange Cardoso Ribeiro Valdinéia dos Santos Ribeiro aniversário de casamento Luiza Pereira da Silva Majoli e Rafael Majoli COMUNIDADE CHÁCARA FERNÃO DIAS aniversário de nascimento José Roberto Pires de Godoi Fabiana Martins Cavalcante Anderson de Oliveira Silva aniversário de casamento Maria Neuma Fernandes Pereira e Clausevi Celestino Pereira Caetano Ruiz e Maria Rio Ruiz DIZIMISTAS ANIVERSARIANTES ACONTECERÁ NA PARÓQUIA PREZADO DIZIMISTA Caso seu nome não esteja aqui relacionado, favor procurar um agente da Pastoral do Dízimo para atualização de seu cadastro. Obrigado! 8 Na matriz - Todas as terças-feiras, reza do terço, às 20h00’ - 1ª quarta-feira do mês - missa da saúde, às 15h00’ - 1ª sexta-feira do mês: missa votiva ao Sagrado Coração de Jesus, às 20h00’ - todo dia 19: missa da novena perpétua de São José, às 20h00’ quando de segunda a sexta-feira. - toda última terça-feira: reza do terço dos ho- mens, às 20h00’ - Todos os sábados: Santa Missa às 19h00’ - Todos os domingos: Santa Missa às 08h00’ Na Capela de N.Sra. do Bom Parto - Todos os dias - Adoração ao Santíssimo Sacra- mento, das 13h00’ às 20h00’ - Últimas quartas-feiras do mês: Hora Santa, às 20h00’ - Todos os domingos: santa missa às 19h30’

×