Verbo Sim 12_abril_2013

427 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • DEUS É AMOR: E É O EXERCÍCIO DESTE AMOR QUE PROVA A SUA EXISTÊNCIA: (JR.5.21) Ouvi agora isto, ó povo insensato que tendes olhos e não vedes, tendes ouvidos e não ouvis; (1TS.4.3) pois esta é a vontade de Deus: A vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição; (LS.1.12/13) porque Deus não fez a morte, nem se alegra na perdição dos vivos: Não queirais buscar ansiosos a morte, no descaminho da vossa vida, nem adquirais a perdição com as obras das vossas mãos: (HC.2.19) Ai daquele que diz ao pau: Acorda! E à pedra muda: Desperta! Pode o ídolo ensinar? Eis que está coberto de ouro e de prata, mas no seu interior não há fôlego nenhum: (AT.3.15) Dessarte, matastes o Autor da Vida, a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas: (JB.7.48) Porventura creu Nele alguém dentre as autoridades, ou algum dos fariseus? (RM.3.3) E daí? Se alguns não creram, a incredulidade deles virá desfazer a fidelidade de Deus? (JB.3.23) Ora, o seu mandamento é este: (MC.12.33) Amar a Deus de todo o coração, de todo o entendimento e de toda a força, e amar ao próximo como a si mesmo: (JB.4.23) Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores: (LS.19.23) E há quem fala francamente e não diz senão a verdade, (RM.4.3) pois que diz a escritura? (JB.4.24)Deus é Espírito;e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade, (RM.1.20) porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade; claramente se reconhecem desde o principio do mundo, sendo reconhecidos pelas cousas que foram criadas: (HB.11.1) Ora, a fé é a certeza de cousas que se esperam, a convicção de fatos que não se vêem: ((SL.100.3) Sabei que o Senhor é Deus, foi Ele quem nos fez e Dele somos; somos o seu povo e o rebanho do seu pastoreio: (CL.3.23/24) Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como sendo para o Senhor, e não parta homens; cientes de que recebereis do Senhor a recompensa da herança: A Cristo, o Senhor, é que estais servindo; (DT.1.38) porque Ele fará com que Israel a receba: (SL.32.11) Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó Justos, exultai-vos, todos que sois retos de coração; (1TS.3.8) porque agora vivemos, se é que estais firmes no Senhor: (1cO.15.38) Portanto, amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e abundantes na Obra do Senhor, Sabendo que no Senhor o vosso trabalho não é vão: (AP..21.8) Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idolatras, e a todos os mentirosos; a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber; a segunda morte: (LE.12.13) De tudo o que se tem ouvido a suma é: Temei a Deus e guardai os seus mandamentos;porque isto é dever de todo Homem: (JR.21.8) Eis que ponho diante de vós o caminho da vida e o caminho da morte: (JB.14.6) Eu sou o caminho a verdade e a vida: (LV.19.4) Não vos virareis para os ídolos, nem vos fareis deuses de fundição: Eu sou o Senhor Vosso Deus: (IS.41.4) Quem fêz e executou tudo isto?(DT.27.26) Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo: (IS.46.8) Lembrai-vos disto e tende ânimo, ó prevaricadores; (LS.14.12) porque o culto aos ídolos é o princípio da corrupção da vida: (AT.3.17) Agora, Irmãos, Eu sei que o fizestes por ignorância, como também as vossas autoridades; (IS.9.16) porque os Guias deste povo são enganadores, e os que Por eles são dirigidos, são devorados:(TG.121) Portanto, despojando-vos de toda impureza e acumulo de maldade; acolhei, com mansidão, a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar a vossa alma: PAUSA PARA UM ALERTA GERAL (JZ.6.8) EU É QUE VOS FIZ SUBIR DO EGITO E VOS TIREI DA CASA DA SERVIDÃO: Agora, porém, cumpre-me alertar à todos os povos que: Caso a mídia mundial à partir do Brasil, persista em ignorar a Augusta Presença de Deus entre nós; em esconder e boicotar a Santa Obra da criação do seu reino na terra; eis que, simplesmente, EU me calarei! (MT.20.15) PORVENTURA, NÃO ME É LICITO FAZER O QUE QIERO COM O QIE É MEU? Arnaldo ou Israel
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
427
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
113
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Verbo Sim 12_abril_2013

  1. 1. Uma Paróquia Verbita a serviço da Vida e da Comunhão!COM SIM DE MARIAANUNCIAMOS OVERBO ENCARNADO!Paróquia Nossa Senhora da Conceição - Imaculada - Arquidiocese de BrasíliaANO III - Nº 12 - GAMA-DF,ABRIL DE 2013DISTRIBUIÇÃO GRATUITAver mais >> pág. 04Bispos do Brasil realizaram 51º Assembléia GeralEntre os dias 10 e 19 de Abril, aconteceu aquinquagésima primeira edição da AssembléiaGeral dos Bispos do Brasil.O encontro foi nacidade de Aparecida-SP, e reuniu mais de 400participantes, entre bispos, padres, religiosos,leigos e assessores, no Santuário da MãeAparecida em São Paulo. O tema central daAssembléia neste ano: COMUNIDADE DECOMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA.Novos casais dirigentes do movimento de adolecentes BRASAS.
  2. 2. 2+ IGREJA MATRIZ:De segunda-feira a sábado às 7h e 18h30Domingo às 7h, 9h, 19h+ RAINHA DA PAZ:Terça-feira e sexta-feira às 17h30Domingo: 17h+ SAGRADA FAMÍLIA:Domingo às 19h30min+ SANTO ARNALDO JANSSEN OU NOSSA SENHORA DE FÁTIMA:Domingo às 9h+ MISSA PELA SAÚDE E NOVENA ANUAL DA IMACULADA:Todo dia 8 do mês às 15h+ MISSA NO HOSPITAL REGIONAL DO GAMA:Toda quarta-feira às 15hGeral:Para que cresça o respeito à natureza, obra de Deusconfiada a nossa responsabilidade.Missionária:Para que os bispos, padres e diáconos sejam incan-sáveis anunciadores do evangelho até os confins daterra.Somos Igreja viva, participativa emissionária: Povo de Deus em comunhãoPARÓQUIA NOSSA SENHORA IMACULADA CONCEIÇÃOGAMA-DFEditorialCONFISSÕESQuinta-feira: 16h30min às 18h15min ou marcar na secretaria.ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTOQuinta-feira das 17h às18hSexta-feira das 7h30min às 18hGRUPO DE ORAÇÃO:Toda quarta-feira das 19h30min às 22hNOITE DE LOUVOR:1º sábado de cada mês das 19h30min às 23hEXPEDIENTE SECRETARIA PAROQUIAL:Segunda e sábado das 8h30 às 12h e das 14h às 18hTerça feira às sexta-feira das 8h30 às 18hDomingo das 8h30 às 12hSabemos que a palavra páscoa significapassagem. Para nós cristãos é o tempo demaior júbilo ao longo do tempo litúrgico,pois se o Senhor não houvesse ressuscita-do, nossa fé não teria sentido.De fato, essa festa é o ápice e centroda vida de qualquer cristão, pois todos osnossos ritos e celebrações têm-na como oponto principal da vida terrestre de nossoSenhor e Mestre Jesus Cristo.Durante a quaresma, meditamos,oramos, fizemos jejuns e sacrifícios nointuito de, ao nascer do domingo depáscoa, deixarmos de lado o homemvelho, manchado pelo pecado, para, com oesplendor da Luz do Ressuscitado, darmoslugar ao homem novo que trilha o caminhoda justiça.Assim, a páscoa se realiza verdadeira-mente em nossas vidas quando a mudan-ça de atitude encorajada pela quaresma sereverte num agir diferente, o qual ao mesmotempo nos leva a melhorarmos continuamen-te, bem como nos conduz a viver em harmo-nia com toda e qualquer pessoa que esteja anossa volta.Por fim, devemos ter em mente que a“páscoa não é simplesmente uma festa entreoutras: é a ‘festa das festas’, ‘solenidade dassolenidades’(...). É o mistério da ressurreição,no qual Cristo esmagou a morte e faz pene-trar nosso velho tempo com sua poderosaenergia até que tudo lhe seja submetido.” (cf.Catecismo da Igreja Católica, § 1.169).O Verbo Sim lembra a todos que o tempopascal vai desde o domingo da ressurreiçãodo Senhor até o domingo de pentecostes, ouseja, são sete semanas que vão até o dia 19de maio. Por isso, principalmente nesse pe-ríodo e neste Ano da Fé nos alegremos, poisCristo ressuscitou !!!Por Gabriel Dias LimaTer uma atitude de espe-rança nos dias de hoje exigede nós uma força maior, quenem sempre possuímos. A es-perança é quase uma palavraproibida diante de tantos sinaisde morte que envolve a todos.Neste Tempo Pascal, somosconvidados a revigorar e teste-munhar nossa fé no Deus daesperança que cumula de bensos famintos, e que nos revelaa vitória do bem sobre o mal,mesmo tendo que passar pelocaminho do martírio e da cruz.O egoísmo e a ganância naexploração das riquezas daAmazônia; o desrespeito pelasculturas indígenas, por irmãose irmãs nossos, o tirar vanta-gem a qualquer preço, o enri-quecimento ilícito, a corrup-ção e o jogo de interesse dospartidos políticos em busca depoder, os crimes hediondos,a disseminação das drogas, abanalização da vida, a delin-quência e a violência das cida-des e do campo, a inversão devalores, a confusão das seitasutilizando a religião em nomedo lucro e das vantagens pes-soais, a desestabilização dafamília... Enfim, até mesmoo decantado progresso ocul-ta perigos como a poluiçãodos rios e mares, a agressãoà natureza com a derrubadadas florestas por madeireiras,os grandes latifundiários queveem no lucro o poder explo-rador, as ameaças da energianuclear, o desequilíbrio e aimprevisível manipulação dagenética...Diante de tantos contras-tes entre o querer de Deuse a realidade do cotidiano, aesperança cristã nasce à luzda criação, revelada no 1º ca-pítulo do Gênesis: “Deus viuque tudo o que havia feito erabom” (Gn 1,31), ou do clamordo profeta Isaías que diz: “Voucriar novo céu e nova terra”(Is, 65,17). É certo que, nodecorrer do tempo, foi intro-duzido o pecado e suas con-sequências, mas mesmo as-sim, o mundo, apesar de tudo,continua fundamentalmentebom, como quando saiu dasmãos do Criador, e a morte, aúltima inimiga, foi derrotadana Cruz.Só a esperança nosimpede de estacionar nos as-pectos negativos da realidadee nos alavanca a superá-los eaté mesmo descobrir nelesalgo positivo. Só a esperançanos convida a apostar mais nobem do que no mal: mais nohomem, imagem e semelhan-ça de Deus que vítima do pe-cado; mais na Providência queem nossas próprias forças...Eis o grande desafio...A Bíblia promove a espe-rança mesmo dentro de umcontexto de luta entre o beme o mal e ensina que Deus que“é maior que nosso coração”,pode suscitar mesmo das pe-dras, filhos de Abraão, e nodizer do apóstolo Paulo, “tudoposso n’Aquele que me con-forta” (Fl 4,14) e “tudo coope-ra para o bem dos que amama Deus” (Rm 8,28).Fonte de toda esperança éa Ressurreição de Jesus Cris-to. Esta é um atestado de queo mal não é invencível e nãopode dominar toda existência.Jesus Ressuscitado irradia seupoder de libertação e de reno-vação a toda a humanidade.A esperança e a confiançano Deus da Vida nos revigo-ram em nossas lutas e cami-nhadas. Apesar da avalanchedo mal que assola e ame-dronta, há sementes do bemespalhadas por toda parte. Ofuturo pertence àqueles que,confiantes na ressurreição deCristo, estabelecem com Eleum pacto permanente coma garantia em Sua recomen-dação: “Coragem! Eu venci omundo!” (Jo 16,33).A FONTE DA ESPERANÇAPalavra do Pároco Pe. Rafael, SVDHORÁRIO DAS MISSASINTENÇÕES DO MÊS
  3. 3. 3MundoPapa:“Fé é acreditar no Deus queé Pessoa, não num “deus-spray”A fé é um dom que começa en-contrando Jesus, Pessoa real e nãoum “deus-spray”: foi o que disse oPapa Francisco na homilia da Mis-sa celebrada no dia 18 deste mêsna Casa Santa Marta. Da celebra-ção participaram os funcionáriosdaInspetoriadeSegurançaPúblicajunto ao Vaticano.Deus não é uma presençaimpalpável, uma essência quese expande ao nosso redor semsaber bem o que seja. É uma“Pessoa” concreta, disse o Papa,é um Pai. O trecho do Evangelhode João quando Jesus diz àmultidão que “quem crê tem avida eterna”, é a ocasião paraPapa Francisco refletir sobreem qual Deus nós acreditamos:“Um deus ‘no ar’, um deus-sprayque está em todos os lugares,mas não se sabe o que seja.Nós acreditamos no Deus que éPai, que é Filho, que é EspíritoSanto, acreditamos em Pessoas.E quando falamos com Deus,falamos com pessoas: ou falocom o Pai, ou falo com o Filho oufalo com o Espírito Santo. E estaé a fé.”No Evangelho, Jesus afirmaainda que ninguém vem até Elese não for atraído pelo Pai. Essaspalavras, afirma Papa Francisco,demonstram que “ir a Jesus, en-contrá-lo, conhecê-lo, é um dom”.“Quem tem fé, tem a vidaeterna, tem a vida. Mas a fé é umdom – é o Pai quem a dá. Nós de-vemos continuar este caminho.Todos somos pecadores, temossempre algo de errado, mas oSenhor nos perdoa. Devemosprosseguir sempre, sem nos de-sencorajar.”Se fizermos isso, acontecerá oque referem os Atos dos Apósto-Os bispos auxiliares de La Plata, Dom NicolasBaisi e Dom Alberto Bochatey, afirmaram quemuitos jovens voluntários agiram “de modo he-roico” durante a enchente que atingiu a capital,Buenos Aires, no início de abril.Na nota enviada a Fides, Dom Baisi explicouque “todos os que podiam ajudaram os desabri-gados, mas o trabalho excepcional foi feito porcentenas de jovens voluntários que trabalharamsem trégua dia e noite, casa por casa, junto a to-dos os que foram devastados pela tragédia”.”Elesse organizaram para distribuir alimentos, roupase o necessário para sobreviver. Ousaria dizer queesta foi uma revolução silenciosa dos jovens”,destacou o Bispo. “Mais uma vez, os jovens vo-luntários demonstraram com seu exemplo heroi-co que o que guia a história não é a guerra, mas oamor”, disse Dom Baisi.O Bispo também recordou que visitou pesso-almente vários centros de ajuda em paróquias,escolas e até mesmo na Catedral de La Plata,onde “pude ver e verificar que os voluntários ex-perimentaram a alegria de dar, de confortar e deanimar”.Dom Alberto Bochatey OSA conta que a en-chente que atingiu o seminário de La Plata deixouo subterrâneo com cinco metros de água. Toda-via, “nos organizamos para uma rápida interven-ção porque justamente diante do seminário seencontra uma das regiões mais atingidas da cida-de. Naquela noite, dormiram no seminário maisde cem pessoas, que foram literalmente salvasdas águas”. (Agencia Fides)ARGENTINA –A ação dos jovens nasenchentes foi uma“revolução silenciosa”,afirma o Bispolos com aquele funcionário quedescobriu a fé: “E cheio de ale-gria, prosseguia o seu caminho:“É a alegria da fé, a alegria deter encontrado Jesus, a alegriaque dá paz: não aquela que dá omundo, mas a que dá Jesus. Estaé a nossa fé. Peçamos ao Senhorque nos faça crescer nesta fé,nesta fé que nos fortalece, quenos torna alegres, essa fé quecomeça sempre com o encontrocom Jesus e prossegue semprena vida com os pequenos encon-tros cotidianos com Jesus.”NofinaldaMissa,oPapadirigiuum agradecimento especial àInspetoria de Segurança Públicajunto ao Vaticano pelo serviçodesempenhado na sociedade,um serviço pelo bem comum,que “requer retidão, vigor,honestidade e serenidade”.(Radio Vaticano)Nodia19deabrilde2013seiniciavao pontificado de Bento XVI, comoele mesmo iria se definir, o “pobre ehumilde servo da vinha do Senhor.Na verdade, o que ele era, de fato, seresume nestas poucas palavras: umservo que fez o que deveria fazer (Lc17, 10).Joseph Ratzinger nunca foi doagrado da mídia. Não era alguém ávidopor aplausos. O estimado teólogo sepreocupava mais com Deus e coma melhor maneira de servi-lo. E porisso, não hesitava em agir contra suavontade para fazer a de Seu Senhor.É claro que um homem assimcausaria espanto no mundo, sobretudonaqueles seduzidos pelo prurido deescutar novidades (II Tm 4, 3). Quemse opõe ao erro está sujeito aoescarnecimento público, ao martírioda ridicularização. E isso foi o quemenos faltou na vida de Ratzinger.Durante suas viagens, sempreantecedidas de grandes barulhos damídia anticlerical, Bento XVI tinha odom de desarmar a qualquer um efazê-los escutar. No Brasil, na sua visitaà Fazenda da Esperança, um centro derecuperaçãodedependentesquímicos,Bento XVI surpreenderia a todos. Semavisar a equipe de segurança, o SantoPadre decidiu abrir caminho entreum público de 2 mil pessoas, dentreos quais, ex-traficantes, drogados,prostitutas e criminosos, para abraçá-los e abençoá-los. O gesto fez comque o ex-dependente químico AntônioEleutério Neto dissesse que Bento XVIera «um homem de uma humildademuito grande, muito próximo de Deus,que desarmou a todos com o seusorriso.»Esse é o Papa Bento XVI. O homemda Palavra de Deus que evangelizoua todos através de seus gestos ediscursos. Que as próximas geraçõespossam encontrar neste tesourodeixado pelo Papa Emérito umabússola segura para suas dúvidas econflitos. Obrigado, Papa EméritoBento XVI.(Adaptado por Gabriel Dias Lima a partir depadrepauloricardo.org).Bento XVI, o humilde servoda vinha do SenhorBentoXVInaFazendadaEsperança
  4. 4. 4BrasilPirataria, malária, fome,prostituição infantil e tráficode pessoas: seria esta a reali-dade de um país emergente?As conquistas do desenvolvi-mento econômico ainda estãolonga da ilha de Marajó, nortedo Estado do Pará, como rela-ta o Bispo prelado, Dom JoséLuis Azcona Hermoso.Para o Bispo espanhol, aregião está vivendo num es-tado de extremo abandonoDom Azcona denuncia: Ilha de Marajóem estado de extremo abandonoe, inclusive, um processo deinvolução:“A situação da Pre-lazia do Marajó a nível econô-mico-social é preocupante. Háséculos, é uma região abando-nada e isso prossegue. Em vezde assistirmos a uma evoluçãopositiva, social, no dinamismodo desenvolvimento, o queencontramos em muitos as-pectos é uma involução, umaespécie de atraso e que nosestá colocando fora do ritmoAssembleia Geral dos Bispos foi “ocasião de profundaexperiência eclesial”, de acordo com presidente da CNBBEntre os dias 10 e 19 deAbril, aconteceu a quinqua-gésima primeira edição da As-sembléia Geral dos Bispos doBrasil.O encontro foi na cida-de de Aparecida-SP, e reuniumais de 400 participantes, en-tre bispos, padres, religiosos,leigos e assessores, no San-tuário da Mãe Aparecida emSão Paulo. O tema central daAssembléia neste ano: COMU-NIDADE DE COMUNIDADES:UMA NOVA PARÓQUIA.Acontecimento anual deimportância e significação, éoportunidade para a Igreja Ca-tólica no Brasil avaliar sua fide-lidade ao mandato de seu Se-nhor, Cristo Ressuscitado: fazerde todos seus discípulos e dis-cípulas. Também é momentopara a Igreja Católica refletir arealidade, a partir de seu com-promisso com a vida do povo,particularmente dos pobres.Encerrou-se na sexta-fei-ra, dia 19, a 51ª Assem-bléia Geral dos Bispos do Brasilem Aparecida (SP).Na cerimô-nia de encerramento, o presi-dente da Conferência Nacionaldos Bispos do Brasil (CNBB),Dom Raymundo Damasceno,agradeceu aos bispos pelaparticipação, assim como àimprensa pela cobertura. Des-tacou que “agora é o momentoque os pastores da Igreja retor-nam às suas comunidades comnovo ardor missionário para aevangelização”.Na coletiva de imprensa doúltimo dia da 51ª AssembléiaGeral da CNBB Cardeal domRaymundoDamasceno,avaliouque a 51ª Assembleia Geral foiuma ocasião de profunda ex-periência eclesial. “Estivemosreunidos para rezar, refletir epromover o aprofundamentode nossa comunhão. O resulta-do desse nosso empenho foi omelhor possível. Encerramos oencontro com um saldo exce-lente”, ponderou.Durante a coletiva foi feitoum balanço das atividades rea-lizadas.SobreotemacentraldaAssembleia 2013 “Comunida-de de comunidades: uma novaparóquia”, dom Raymundodisse que “já era previsto queseria aprofundado na assem-bleia desse ano e continuariasendo levado para as diocesespara novos estudos e somentena assembleia do próximo anoque será apresentado para aaprovação final”.Ele disse ainda que, comsua milenar existência, a pa-róquia “corre o risco de seesclerosar”, no entanto, conti-nua atual. Por isso, o arcebis-po insistiu no ato de renovaras comunidades paroquiais.“É preciso que outros gruposse reúnam, não só na matriz,mas em todo o território daparóquia, principalmente naperiferia. A paróquia deve sermissionária e não apenas umaagência prestadora de serviço.É preciso que ela vá ao encon-tro do povo”, afirmou. “Não sepode viver a fé isoladamente,porque o Cristianismo é comu-nitário. Viver em comunidadeimplica no conviver, na solida-riedade, na ajuda mútua, naafetividade. Implica em valo-rizar o outro. A sociedade quevivemos é individualista. O ou-tro tem algo a contribuir, masnós o ignoramos,” acresentou.O cardeal explicou que otema central se situa na bus-ca por uma maior “conversãopastoral” e apontou algumasreflexões sobre o estudo comoa cultura dos tempos atuais,o desafio e a necessidade deconsiderar a mudança de épo-ca, o reconhecimento que olugar privilegiado para reali-zar uma experiência concretacom Jesus Cristo é a comuni-dade eclesial e por fim o re-conhecimento de que a paró-quia é a grande escola da fé,da oração, dos valores e cos-tumes cristãos. Além do temacentral, dois outros assuntosforam destacados na coleti-va: o estudo sobre a QuestãoAgrária e o Diretório para aComunicação no Brasil. Osdois temas foram amplamen-te discutidos pelos bispos quedecidiram pela continuidadeda reflexão antes de se torna-rem documentos da CNBB.Foi destacado também as-suntos abordados durante aAssembleia como a JornadaMundial da Juventude, os tex-tos litúrgicos e a Campanha daFraternidade.No final de suas palavrasdom Raymundo Damascenoapresentou outros dois frutosda Assembleia que são umsubsídio que os bispos estãooferecendo a todos as comu-nidades para aprofundamen-to do tema das eleições e umaNota que foi emitida em de-fesa dos direitos indígenas equilombolas, pela rejeição daPEC 215.A paróquia deveser missionária enão apenas umaagência prestadorade serviço.”“cada vez mais acelerado queestá levando o Brasil emer-gente. (...) É uma situação deextremo abandono. Aí que te-mos que pregar o Evangelhoe animar o povo para a espe-rança, motivados pela grandeesperança de que fala o Papaemérito Bento XVI, a grandeesperança que faz enfrentaras realidades mais difíceis,apoiados na fé, em Cristo Je-sus e na vida eterna.”
  5. 5. 5JMJCATÓLICOS PERGUNTAMAINDA TEM SENTIDO REZAR?João, do Plano Piloto, faz esta pergunta, diante de algumasdificuldades que tem vivido. Respondo comum fato, que fala porsi mesmo.Durante os dias da Semana Santa, recebi a visita de umasenhora. Ela logo veio dizendo: “O senhor não lembra de mim,mas eu já o faço lembra-se. Lembra de uma mulher bêbada eque um dia o senhor ajuntou na rua e levou para casa? Sou eu.Quando eu soube que o padre tinha me levado para casa, fiqueicom vergonha e fui falar com o senhor. Contei minhas tragédiase disse que tinha um filho usando drogas”.Eu teria aconselhado a ela que, em primeiro lugar, para ajudaro filho, deveria parar de beber. Depois “gastar” os joelhos parapedir a Deus pelo filho. “Então, eu fiz o que o senhor mandou.Pareidebeber,dobreiojoelhoegasteimesmo.Osenhorpodevermeus joelhos” ( e os mostrou realmente feridos e cicatrizados).”Meu filho arrumou um emprego numa faculdade. Como elesgostaram dele, convidaram para fazer outros trabalhos internos.Hoje meu filho está fazendo o último ano de faculdade e é umnovo homem. Vivemos bem e eu vim agradecer.”Por aí, João, você pode ver que vale à pena continuar rezandoe rezando sem cessar. É preciso lembrar que rezar, orar, não érepetição de palavras sem prestar atenção no que se diz. Rezar,orar é conversar com Deus, como quem conversa com umamigo. O amigo escuta e fala conosco. Deus escuta e respondepelos fatos da vida, com as graças que conseguimos. Aquelamulher queria a cura do filho e sua própria cura. Rezou, “gastouos joelhos”, e conseguiu.Nossa Mãe Igreja Católica Apostólica Romana coloca à nossadisposiçãodiversosmeiosparacrescermosnaoração.Háaoraçãocom a Bíblia, onde lemos, meditamos e colocamos em prática oque lemos. Há a oração dos diversos grupos, e são tantos, e comseu método, sua mística, sua prática, como Legião de Maria, oApostolado de Oração, Oficina da Oração, as Novas Comunidadesetc. Há a oração contemplativa, onde voltamos todo o nosso serpara a escuta de Deus, como fazem tantos homens e mulherespor este mundo de Deus. Há a oração de louvor e agradecimentocomo nos ensina a Renovação Carismática Católica (RCC). E háa oração mais perfeita, pois foi ensinada pelo próprio Jesus,por isso se chama” Oração do Senhor”, que é o Pai Nosso, ondeadoramos a Deus, pedimos perdão de nossas faltas, pedimos opão de cada dia e pedimos para não cair em tentações.Jesus rezava e ensinava rezar. Maria Santíssima, os Apóstolose todos os santos e santas de Deus também rezavam e rezam.O povo de Deus, ao longo de toda a sua história, sempre rezou.As mais diversas religiões e denominações têm seus métodosde oração e o fazem sempre. A Santa Missa é a oração porexcelência, pois nela nos dirigimos ao Pai, por meio de JesusCristo, na unidade com o Espírito Santo. Trazemos todo o Povode Deus e colocamos nas mãos do Pai Amoroso todos aquelesque nos precederam.Alguns dizem que a missa é “chata, que é comprida demais”.Não se trata disso, mas sim de pouca fé. E ninguém se cansade esperar 4 horas na fila para comprar o ingresso do time defutebol preferido e nem de ficar mais 4 horas na estrada paravoltar para casa. E não se cansam... No entanto, quando é falarcom Deus, viver em Comunidade, cuidar da própria vida... écansativo... repetitivo. E a oração é o respiro da alma. Uma vidasem oração é uma vida sem vida, sem futuro, sem perspectivas.Mas, lembrar sempre: “A melhor oração é o amor a Deus eo amor ao próximo... não se faz isso sem oração”. Sem oraçãoé filantropia... e isso os pagãos fazem melhor do que nós. Nós,com a oração, amamos e ensinamos a amar. Rezemos, pois!(Pe. Rafael,SVD)ENCONTRO DE FAMÍLIA E OS DEPENDENTES QUÍMICOSTodo o sábado às 19h30Local: Auditório da Igreja Matriz Imaculada Gama.Participe!Pastoral da SobriedadeNa 51ª Assembleia Geral da CNBB (10 a 19de abril de 2013), dom Orani João Tempesta,arcebispo metropolitano do Rio de Janeiro,teve a oportunidade de apresentar aos bisposparticipantes, um panorama de como estãoos trabalhos de preparação da Jornada Mun-dial da Juventude (JMJ) Rio 2013. O eventoque será realizado no período entre 23 a 29de julho de 2013, com a presença do PapaFrancisco, já conta com mais de 200 mil jo-vens inscritos. A menos de 90 dias da jornada,o arcebispo trouxe para a Assembleia dos Bis-pos, informações importantes sobre as fasesde organização do Rio para receber os jovensque virão de outros 160 países e de diversaspartes do Brasil. “Estamos trabalhando comuma estrutura, juntamente com a prefeitura egoverno local”, explicou o arcebispo.Pelo fato da cidade receber diversos even-tos esportivos, culturais e sociais durante oano todo, dom Orani acredita que a estruturaque está sendo preparada, atenderá as ativi-dades da Jornada. Para ele, a escolha do Riode Janeiro como sede oficial, vem confirmarque a Arquidiocese, em comunhão com aIgreja do Brasil está prestando um serviço àsociedade e a juventude e, isso significa “umato de investir nos jovens”, não apenas na-quelesquesãocatólicos,masnajuventudedetodo o mundo que virá participar na jornada.Na semana que antecede o início da Jornada,muitosjovensparticiparãodaSemanaMissio-nária, que oferecerá diferentes atividades deevangelização.Novidades da JMJO COL/Rio (Comitê Organizador Local) trazumanovidadeparaajornadaqueéumtipodeorganização chamada de “inteligente”. Assim,a cidade foi dividida por idiomas, para facilitara participação dos peregrinos nas atividadescomo as catequeses, missas e palestras, etc.A cidade está em preparação para acolher osperegrinos e uma grande quantidade de famí-lias se cadastrou para hospedar os jovens detodo o mundo. Também estarão à disposiçãodosperegrinos,alojamentosemescolaseuni-versidades. As inscrições para a JMJ/Rio 2013podem ser feitas até as vésperas do evento.A jornada do Rio oferecerá uma programaçãocomo cinemas, teatros, exposições, museus,com o objetivo de garantir a participação dosjovens que não professam a fé católica, masque irão ao encontro. Segundo dom Orani,o evento contará com a presença de outrasdenominações religiosas, como a Igreja An-glicana e de religiões monoteísta. “Pedimos aDeus que essa experiência para os jovens deconviver com as diferenças culturais possamcontribuir para um futuro de mais tolerânciae respeito”, desejou o arcebispo.Sobre a vinda o novo pontífice, dom Ora-ni Tempesta testemunha que, este, será “umgrande momento da primeira visita interna-cional do Papa Francisco ao Brasil”, para “fa-lar ao mundo através da juventude e para ajuventude”. De acordo com o arcebispo esseserá a segunda jornada realizada na AméricaLatina, e pela primeira vez, com a presença deum Papa latino. “Nesse mundo com tanta fal-ta de valores, tantas obscuridades, temos jo-vens com grandes ideais. Eles são capazes dedeixar suas cidades, seu país, fazer economiaspara chegar até o Brasil e lá viverem, duranteuma semana, sem muitas facilidades; um en-contro com o Santo Padre. Este é um encon-tro de toda a juventude. A experiência que apessoa consegue viver na jornada, ela levarápara toda a sua vida”, disse.( CNBB)“A JMJ É UM ENCONTRO DETODA A JUVENTUDE”
  6. 6. 6Click PasComBazarPastoral da LiturgiaVia SacraProcissão do Cristo RessuscitadoDomingo de RamosSanta Missa da Páscoa da Ressurreição do SenhorDomingo de RamosCoroinhas da Paróquia N. Sra. da ConceiçãoSanta Missa da Páscoa da Ressurreição do SenhorProcissão do Cristo RessuscitadoQuarta-Feira SantaSanta Missa da Páscoa da Ressurreição do SenhorAniversário de 60 anos do paroquiano JosafáPe. Samuel, SVD - Quarta-Feira SantaBODAS DE PRATA do casal Tico e Verônica. Catequizanda Kelly no dia de seu batismo, ao lado de seus padrinhos.
  7. 7. 7VariedadesNa praça de acesso encontram-sequatro esculturas em bronze, medindo3 metros cada uma. Elas representam osevangelistas Matheus, Marcos, Lucas eJoão, foram feitas pelo escultor AlfredoCeschiatti. Outras atrações são o batisté-rio que é revestido com cerâmicas pin-tadas por Athos Bulcão e o campanáriocomposto por quatro grandes sinos doa-dos pela Espanha. No interior, ao centro,é possível ver o Altar que foi doado peloPapa Paulo VI.A via sacra é uma obra de Di Cavalcan-ti. Suspensos por cabos de aço estão asesculturas de três anjos. À esquerda háa CRUZ HISTÓRICA, cruz que foi plantadapor ocasião da Primeira Missa Presididapelo então Acerbispo de São Paulo DomCarlos Carmelo de Vasconcelos Motta,no dia 3 de maio de 1957, na inaugu-ração oficial da nova Capital.TURISMO CATÓLICO NO DISTRITO FEDERAL:Faremos uma série de matérias sobre as Igrejas e Santuários que estão ao alcance dos moradores e visitantes do Distrito Federal.Nossa primeira visita será na CATEDRAL METROPOLITANA DE BRASÍLIA, coma padroeira Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Localizada na Esplanada dosMinistérios, foi projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurada em1960.O presidente Juscelino Kubistchek– fundador da cidade –, em discursona ocasião, afirmou: “Plantamos, como sacrifício da Santa Missa, uma se-mente espiritual neste sítio que é ocoração da Pátria”.Ao lado da Cruz está a PIETÁ, ré-plica da obra de Michelangelo quese encontra na Basílica de São Pedro,em Roma. Essa réplica foi reproduzidapelo Museu do Vaticano e é igual àoriginal, tendo sido abençoada peloPapa João Paulo II.Na Catedral, as Missas sãocelebradas diariamente de terça asexta-feira às 12h15 e às 18h15; aossábados às 17h; aos domingos às8h30, às 10h30 e às 18h.(Adaptado por Márcia Magna, a partir de:catedral.org.br).No dia 28 de abril de 2013 aconteceu no colégio Dom Bosco, a 10ª edição da Jornada Vocacional, com o tema: “Uma Juventude de Fé”.Promovido pelo Setor de Animação Vocacional da Arquidiocese de Brasília (SAV), o encontro foi uma oportunidade para os participantes descobrireme trabalharem a sua vocação através de palestras vocacionais, e a apresentação das congregações e comunidades religiosas que estavam no local.X JORNADA VOCACIONAL
  8. 8. 8CatequeseOPINIÃO“Não podemos esquecer o tem-po”. Ele também passa pelo corpoque envelhece. A garota que conhecicom vinte anos não é a mesma aossetenta. Existem ainda as enfermi-dades. Mas o mundo atual não querque vejamos. Todos são jovens, boni-tos, sem doenças. Ora, isso é contrá-rio à experiência humana de todos osdias. Na hora da verdade, basta atra-vessar a rua para ver que a realidadeé outra. Isso acontece porque há ummaterialismo de fundo que destrói otempo. Porque não há vida interior erelação com Deus.A juventude e a obsessão com ocorpo querem estar no mesmo nívelque o espiritual. Se o corpo estabe-lece as regras de vida, tudo muda.A isso se acrescentam as enormesdificuldades econômicas que as fa-mílias enfrentam; os problemas notrabalho, o desemprego, e até mes-mo o fato de que o casal chega a casaexausto do trabalho. No final do dia,cada um viveu uma experiência di-ferente e não é possível compartilhá--la, porque a sociedade não permite.Tudo isso tem um preço, que é pagopela família. “É preciso refletir sobretodos esses condicionamentos sociaisda vida familiar”.Quem passou dos setenta endossaas colocações acima, feitas por Geor-ges Cottier, cardeal e teólogo pontifícioemérito. É incrível com que brutali-dade o tempo impõe ao nosso corpotransformações que, na infância ejuventude, sequer em sonho calculá-vamos que aconteceriam. Até admi-tíamos que a vida é passageira, que aidade provoca mudanças. Mas não sa-bíamos, como agora, o que é suportá--las, quando chegam e se instalam.Considerando como, hoje em dia,as pessoas vivem, eu me pergunto:qual futuro haverá para as famílias?Não sou maniqueu nem alarmista.Mas, pelo que venho observando, sóvale o desfrute do momento. Sôfrego,intenso, arrebatador. Total e definitivo,como se o mundo fosse acabar no mi-nuto seguinte. Como se ali residisse aúnica chance de ser feliz. E que, se forperdida, não voltará a se apresentar.Ninguém de juízo perfeito ignorao risco de moldar a vida por esse cri-tério. Infelizmente, em nosso meio háverdadeiro pavor de desagradar. Delevar a pecha de moralista ou chato.Para não criar caso com quem viveao seu redor, a maioria se cala. Faltacoragem de apontar os riscos a quese expõem as pessoas. Mas está ha-vendo um exagero nas preocupaçõescom a aparência. Parece obrigatórioque o corpo se mostre sempre joveme atraente. Ainda que à força de in-tervenções e truques que a tecnolo-gia não se cansa de inventar.Há pessoas que vivem unicamenteem função de um frescor e de uma be-leza do corpo, que creem possíveis dese manterem eternas. Tolice. Somosdependentes do tempo. Cada um lhepaga a obrigatória taxa. Ilude-se, alémde fazer papel ridículo, quem se esfal-fa para aparentar vinte anos menos. Épreciso admitir que nós valemos poraquilo que somos. Pela nossa grande-za interior, não pelo visual bonito. Aembalagem pode agradar, mas o pro-duto é que conta.Construir uma família exige sa-bedoria. Sem ilusões, que já destru-íram muitos sonhos. Os que se en-cantam com a atração de um corpojovem precisam ter presente queessa visão não vai durar sempre.Há que fundamentar seu amor emalgo bem mais sólido, de consistên-cia muito maior. Numa vida a dois, otempo é um elemento a considerar,sob pena de fracasso.Como o de tantos casais, que tris-temente se arrastam por aí.Pe. Orivaldo RoblesNo dia 10 de maio de 1886,em Chicago, grevistas entraramem choque com a polícia. Anosmais tarde consagrou-se o dia 10de maio como o Dia Internacio-nal dos Trabalhadores, em me-mória das vítimas deste conflito.Hoje, sob a designação de DIA DOTRABALHO, são feitas comemora-ções em quase todos os países domundo. O culto a São José Operá-rio, neste dia, foi fixado por Pio XIIem 1955.O trabalho é ainda no nossotempo, uma dura escravidão paramuitos, seja por causa das con-dições miseráveis em que é feitoe dos horários exigidos, seja porsubsistirem muitos casos de injus-tiça e exploração do homem pelohomem. Como você, empregador,tem tratado seu funcionário(a)?“Da visão cristã do trabalho de-riva o empenho constante a privi-legiar em todas as circunstânciaso bem da pessoa e a sua plenapromoção espiritual, cultural esocial” (Beato João Paulo II).Curiosidades... Em uma pesqui-sa no Canadá não se observou im-pacto significativo sobre as vendasem decorrência do funcionamentodo comércio aos domingos. Veri-ficou-se um aumento das vendasnos sábados e domingos e um de-créscimo nas quintas e sextas.Em São Paulo, um levantamen-to perguntou: você teria realizadoa compra em outro dia da semanacaso as lojas não estivessem aber-tas no domingo? Dos entrevis-tados, apenas 4,8% das pessoasafirmou que certamente não teriafeito essas compras em outro diada semana.Como você tem vivido o Do-mingo -“ Dia do Senhor”? A você,trabalhador e trabalhadora, todonosso respeito e valor! Parabénspelo seu dia-a-dia!DIA DO TRABALHADOR1º DE MAIOJesus Cristo continua a chamar vários jovens asegui-Lo e a difundir Sua presença no meio do mundo. Parasaber mais sobre a vocação sacerdotal, participe dosEncontros de Discernimento Vocacional, todo primeirodomingo do mês.Telefone: (61) 3366-9904E-mail: pastoralvocacionaldf@hotmail.comTelefone: (61) 3366-9904E-mail: pastoralvocacionaldf@hotmail.comVOCÊ JÁ PENSOU EM SER PADRE?VOCÊ JÁ PENSOU EM SER PADRE?Casamento e TempoParoquiano Josafá, comemorando 30 anos de casado com sua esposa Francimar.
  9. 9. 9EspiritualidadePe.Vitus Gustama, SVDPALAVRA DO PASTORComo reconhecer umverdadeiro discípulo de Cristo?Como saber se alguém é cristão?É o próprio Jesus quem nos dá aresposta: “nisto todos conhecerãoque sois meus discípulos, setiverdes amor uns aos outros”(Jo 13,25). No breve trecho doEvangelho segundo João, hojeproclamado, encontra-se umtraço essencial da identidade dodiscípulo:oamor.Apalavra“amor”temrecebidodiversossigni�icados,nem sempre condizentes com osensinamentos de Jesus. Para seentender como cada discípulodeve amar, é necessário consideraro contexto em que Jesus proclamao “novo mandamento”: a últimaceia, com gestos concretos deserviço e doação da própria vida,o lava-pés, a eucaristia e a cruz. Omodo como Jesus amou ilumina omodo como cada discípulo deveamar. Um amor que não se resumea palavras, mas se expressa emgestos concretos, como demonstraJesus na Ceia e na Cruz. Por isso,é manifestado através do serviçohumilde, da partilha, do sacri�ício,da doação de si, do perdão, da�idelidade até a morte. O brevee riquíssimo texto joanino, hojeproclamado, deixa bastante claro,que a medida do amor cristão é oamor de Cristo: “como eu vos amei,assim também vós deveis amar-vos uns aos outros” (Jo 13,34).V Domingo da PáscoaDom Sergio da RochaArcebispo de BrasíliaEmbora o amor na vidacristã deva se estender a todos,até mesmo aos inimigos, o textomeditado nos faz pensar naimportância do amor entre osque são discípulos de Cristo. Otestemunho da caridade, vividoentre os cristãos, sempre foimuito importante, mas hojeadquire relevância ainda maior.A primeira comunidade cristãcrescia através do testemunhodo amor entre os seus membros.Entre nós, que participamosda vida da Igreja, o amor devecrescer sempre mais à medida doamor de Cristo. Assim fazendo,estaremos contribuindo paraque o Evangelho seja acolhidopor muitos que não conhecem aJesus e não participam da Igreja.É preciso evangelizar atravésdo testemunho da caridade.Por isso, ao proclamar este Anoda Fé, Bento XVI ressaltou arelação que deve existir entre afé e a caridade, de tal modo que,a caridade se torna fé vivida. OPapa Francisco tem mostrado aface amorosa de Deus e da Igrejacom simplicidade. O caminho doamor de Cristo há de ser trilhadode modo simples e generoso,sem orgulho ou ostentação. Porisso, devemos reconhecer quenecessitamos crescer sempremais no amor: entre nós, naIgreja; com os irmãos que nãoestão conosco; na família e, demodo, especial, com os pobres, osdoentes e sofredores. Somente oamor de Deus é perfeito. O amorpor nós vivido precisa crescer eamadurecer para se assemelharao amor ensinado e vivido porCristo. Recordo, mais uma vez,não só a necessidade da vivênciado amor em nível pessoal, mastambém, comunitário. A vivênciado amor é também um traçoessencial da comunidade eclesial,de tal modo que podemosconcluir que uma comunidadeserá reconhecida como cristã,se praticar o mandamento doamor. Assim fazendo, estaremosglori�icando a Deus na liturgia ena vida, como Cristo glori�icou aoPai amando-nos até o �im.Certos teólogos e Padres da Igreja(Tertuliano, Hipólito, Eusébio, Ataná-sio, Ambrósio e Jerônimo) concordamque a ascensão de Jesus acontece si-multaneamente com a ressurreição. Odia da Páscoa, por isso, não é somenteo dia da ressurreição, mas também odia da ascensão. Esta idéia durou até ofim do século IV. Só a partir do séculoV (ou no fim do século IV), baseando--se no relato lucano, é que começou aexistir uma festa da ascensão no qua-dragésimo dia após a Páscoa e Pen-tecostes separadamente, como hojetemos costume de celebrar.A narrativa de Lucas nos Atos dosApóstolos (1,1-11) é uma página deteologia. Neste relato Lucas quer nosdizer que a Páscoa significa que Deusconcede agora, à Igreja, espaço e tem-po para se desenvolver: para uma mis-são sem fronteiras. Além disso, nestelivro nos é ensinado que tudo o queacontece aqui na terra: sucesso oufracasso, injustiças, sofrimentos e atémesmo os fatos mais absurdos, comouma morte ignominiosa, não estão ex-cluídos do projeto de Deus.A festa da Ascensão nos dá aoportunidade de reacender cada dia,com nova luz, a maior das certezasde nossa vida: que Jesus está vivo eestá conosco todos os dias com seupoder (Mt 28,20). Jesus não foi paraum outro lugar, mas permanece nacompanhia de cada um de nós. Coma Ascensão a sua presença não ficoulimitada, mas se multiplicou. Por isso,a nossa esperança não está perdidano espaço, mas baseia-se na confian-ça depositada na lealdade de um Deus(Rm 4,17). O Deus da vida é fiel aoshomens. Se este é o destino de todo ohomem, a morte já não inspira medo.Jesus a transformou num nascimentopara a vida com Deus. Todo aqueleque tem essa esperança não se deixaficar olhando para o céu, como fize-ram os apóstolos naquele dia, mas aocontrário, traduz esta esperança emempenho e testemunho.Os discípulos, abençoados comtoda a bênção espiritual, recebem amissão de comunicar a bênção da fé,da conversão e da salvação a todas asgentes (nações). Todo cristão abenço-ado é também enviado. Em cada mis-sa/eucaristia todos nós somos aben-çoados pela experiência da comu-nhão fraterna, pela Palavra de Deus,pelo Pão da vida, o Pão eucarístico.Por isso nós recebemos também umamissão: transformarmo-nos em fontede bênção para o próximo. Isso é ex-plicitado no rito final da Missa. Dá-sea bênção e realiza-se o envio: “Ide empaz e o Senhor vos acompanhe!” Res-pondemos: “Graças a Deus!” Tambémminha vida será uma ação de graças.A eucaristia/missa nos consagra a estamissão. Voltemos para casa na expec-tativa de ser “revestidos da força doalto” (Lc 24,49).A celebração da Ascensão do Se-nhor urge-nos a passar da comodida-de (comodismo) dos bons sentimen-tos à realidade dos fatos, mesmochegando a complicar nossa vida poramor de Cristo e dos irmãos mais ne-cessitados. Somente assim cumprire-mos como discípulos de Jesus a ta-refa de tornar real em nosso mundoCristo, nossa esperança e salvação.Assim seja!ASCENSÃO DO SENHOR
  10. 10. 10TestemunhosNâo �icou sabendo?Talvez você não estava na rádio certaNotíciamúsicainformaçãoesporteLIÇÃO DE VIDALuzia - Gama OestePadre Rafael, há muito tempo eu estava com um problemana minha visão, parecia que tinha areia. Durante a Santa missa apósa comunhão o senhor estava rezando as três Ave-marias; nestemomento coloquei as mãos nos olhos e rezei junto com o Senhor.No final da oração não tinha mais nada, graças à intercessão daVirgem Maria.Graça - Santa Maria SulMeu cunhado tinha uma doença de pele conhecida comopsoríase - produz manchas vermelhas pelo corpo, descamação emuita irritação cutânea. Na noite de 7 de dezembro de 2010, queantecedeu a missa da padroeira da paróquia Imaculada, a minhairmã relatou sobre o estado de desespero do meu cunhado diantedo agravamento da sua enfermidade. Eu disse para ela: “Amanhãvou à missa de Nossa Senhora da Conceição Imaculada e vou rezarpor ele”. E assim fiz, pedindo a intercessão de Maria para a cura domeu cunhado. Na quinta-feira falei com a minha irmã, e ela nãoparava de chorar de alegria. As manchas tinham desaparecido, nãotinha mais nada na pele.MUITO OBRIGADA minha Mãe Imaculada, por nunca mefaltar sempre que eu precisei. MUITO OBRIGADA por sempreabençoar e proteger minha família. MUITO OBRIGADA pordevolver a vida e a saúde ao meu cunhado!!! Tenho certeza de quea senhora continuará iluminando e protegendo aqueles que creemno seu poder intercessor, porque a senhora é mãe, e uma mãenunca deixa seus filhos desamparados! OBRIGADA!O MILAGRE DO AMORComo qualquer mãe, quando Karen soube queum bebê estava a caminho, fez todo o possível paraajudar o seu outro filho, Michael, com três anosde idade, a se preparar para a chegada. Os examesmostraram que era uma menina, e todos os diasMichael cantava perto da barriga de sua mãe. Elejá amava a sua irmãzinha antes mesmo dela nascer.A gravidez se desenvolveu normalmente. Notempo certo, vieram as contrações. Primeiro, a cadacinco minutos; depois a cada três; então, a cada mi-nuto uma contração. Entretanto, surgiram algumascomplicações e o trabalho de parto de Karen demo-rou horas. Todos discutiam a necessidade provávelde uma cesariana. Até que, enfim, depois de muitotempo, a irmãzinha de Michael nasceu. Só que elaestava muito mal.Com a sirene no último volume, a ambulância le-vou a recém-nascida para a UTI neonatal do Hospi-tal Saint Mary. Os dias passaram. A menininha pio-rava. O médico disse aos pais: “Preparem-se para opior. Existem poucas esperanças”.Karen e seu marido começaram, então, os pre-parativos para o funeral. Alguns dias atrás estavamarrumando o quarto para esperar pelo novo bebê.Hoje, os planos eram outros. Enquanto isso, Micha-el todos os dias pedia aos pais que o levassem paraconhecer a sua irmãzinha. “Eu quero cantar praela”, ele dizia.A segunda semana de UTI entrou e esperava-seque o bebê não sobrevivesse até o final dela. Mi-chael continuava insistindo com seus pais para queo deixassem cantar para sua irmã, mas crianças nãoeram permitidas na UTI. Entretanto, Karen decidiu.Ela levaria Michael ao hospital de qualquer jeito. Eleainda não tinha visto a irmã e, se não fosse hoje,talvez não a visse viva.Ela vestiu Michael com uma roupa um poucomaior, para disfarçar a idade, e rumou para o hos-pital. A enfermeira não permitiu que ele entrasse eexigiu que ela o retirasse dali. Mas Karen insistiu:“Ele não irá embora até que veja a sua irmãzinha!”Ela levou Michael até a incubadora. Ele olhou paraaquela trouxinha de gente que perdia a batalhapela vida. Depois de alguns segundos olhando,ele começou a cantar, com sua voz pequenininha:“Você é o meu sol, o meu único sol. Você me deixafeliz mesmo quando o céu está escuro”.Nesse momento, o bebê pareceu reagir. A pul-sação começou a baixar e se estabilizou. Karen en-corajou Michael a continuar cantando. “Você nãosabe querida, quanto eu te amo. Por favor, não leveo meu sol embora...”No dia seguinte, a irmã de Michael já tinha serecuperado e em poucos dias foi para casa.O Woman’s Day Magazine chamou essa históriade “O milagre da canção de um irmão”. Os médicoschamaram simplesmente de milagre. Karen cha-mou de milagre do amor de Deus.Nunca abandone aquele que você ama. O amoré incrivelmente poderoso.O PODER DA EUCARISTIAwww.comunidadefmgama.com.brTESTEMUNHOSO bispo americano Ful-ton Sheen, pioneiro na pregaçãono rádio e na televisão nos Es-tados Unidos, em uma de suasúltimas entrevistas respondeu àseguinte pergunta: “Qual a pes-soa que mais influenciou a suavida?”.Imediatamente respondeu:“Não foi um papa, um bispo, umpadre ou qualquer outra pessoa,mas o testemunho de uma sim-ples criança”.Então passou a contar umahistória ocorrida durante a re-volução comunista na China. Opartido comunista tinha comoobjetivo acabar com a religião, epassou a fechar todasas igrejas. Em uma aldeia opadre foi preso durante algumtempo na sua sacristia. Na in-vasão da igreja, a eucaristia foiprofanada: abriram o sacrário,jogando todas as sagradas partí-culas no chão.Não haviam percebido queatrás do sacrário estava uma me-nina que todos os dias ia à missae fazia a sua adoração ao Santís-simo. A menina, querendo reco-lher as partículas sagradas, todosos dias, à noite, entrava escondi-da na Igreja, ficava uma hora dejoelhos em adoração e a seguircomungava uma hóstia.Naquele tempo a comunhãoera somente na boca, por isso elapegava a hóstia com a língua nochão.Opárocosabiaqueeram32hóstias. Durante a mesma quan-tidade de dias a menina repetiu oseu gesto de amor e reverência aJesus Sacramentado.No último dia, quando acaboude comungar, fez um pequenobarulho que acordou os solda-dos. Ela foi presa e condenada àmorte.O bispo Fulton Sheen comple-tou: “Depois de ter lido este rela-to, passei também a fazer umahora de adoração todos os dias. Eisso tem dado à minha vida, juntocom a santa missa, toda alegria,todo vigor, toda coragem para re-alizar os meus trabalhos”.Uma criança foi capaz de en-tender quem está presente naEucaristia e a grandeza destesacramento. Não existe meio me-lhor de estar unido a Jesus do querecebê-lo na santa comunhão etambém visitá-lo no sacrário.Em João 6,56 está escri-to: Quem come a minha carne ebebe o meu sangue permaneceem mim e eu nele.
  11. 11. 11ParóquiaImpressão: Gráfica Imprima – Brasília –DF(61) 3356-7654 / 8431-0016Sede: Paróquia Nossa Senhora da Conceição - Área Especial 02 Lote 08Setor Central - GAMA/DF CEP: 72405-025 Tel.: (61) 3556-6473Email: verbosim@imaculadagama.com.br,pascom@imaculadagama.com.brSite: www.imaculadagama.com.br***Conteúdo de artigos, cartas e colunas éinteiraresponsabilidade de seus autores.EXPEDIENTEO Jornal Verbo Sim é uma publicação daParóquia Nossa Senhora da Conceição –Imaculada, de responsabilidade da Pastoralda Comunicação – PASCOM sob a supervisãodo Pe. Rafael, SVD–pároco.Pároco: Pe. Rafael Plato Lori Nuka, SVDJornalista responsável: Renata Nogueira Batt MTB 7160-DFO livro de Josué foi escrito durante o exílio naBabilônia (586-538 a.C.) e relata fatos situados entre1230 e 1200 a.C., são eles: a conquista e a partilha deCanaã, a Terra Prometida, pelas tribos de Israel. Numprimeiro momento, o livro apresenta a tomada globalda Terra, feita por uma geração. Isso é atribuído àidealização do autor porque, na verdade, a conquistafoi um processo longo e lento, ora pacífico, ora violento,que só teve seu fim dois séculos mais tarde, com o reiDavi.OlivrodeJosuénãorepresentaumacrônica,masuma interpretação do que aconteceu para apresentaro significado da entrada em Canaã. O personagemprincipal, podemos dizer que é a Terra Prometida: Deusrealizou a promessa feita aos patriarcas e renovada aosseus descendentes. O povo foi libertado da escravidãodo Egito no intuito de ser livre e próspero na Terra queDeus ia dar (Ex 3,7- 8). Isso quer dizer que ao invés deJOSUÉ: DOM E CONQUISTA DA TERRAnos determos nas longas e minuciosas listas de lugaresdevemos ver a alegria e a gratidão pelo dom de Deus.Não podemos nos esquecer de que neste livrohá um pormenor que salta aos olhos: as tribos nãoreceberam a terra de mão beijada, mas tiveram queconquista-la, pois Deus a tinha dado ao seu povo. Deusconcede o dom, mas não viola a liberdade e nem abremãodoesforçodoserhumano.Aocontrário,Deusexigeque a pessoa busque com todas as forças e conquiste odom que Ele concede. A Terra que pode ser comparadacom a vida, é fruto da promessa e do dom de Deus e, aomesmo tempo, da aspiração e da conquista do homem.Podemos falar melhor: Deus promete por dentro dasaspirações do ser humano, e realiza seu dom dentro dasconquistas do ser humano. Assim podemos identificarmelhor o que significa a graça de Deus: fruto do Domde Deus e da conquista do ser humano. O livro de Josuérepresenta uma grande lição sobre a graça.ESTUDO BÍBLICOPasCom:Bartô, Gabriel, Miguel, Andréia, Joaci, Juverlino,Maxsuellen, Carlos, Márcia, Lane, Diogo, Gabriela,Pedrinho, Severina, Dayane, Sandro, Roselaine, Roseane,Catarina, Laís, Rafaela, Felipe, Cesinha, Junior, Adriana,Nilva, Camila, Maria Antônia, Keila, Bete, Marquinho,Nilson, Ricardo e Giovana.Revisão: Gabriel Lima.Projeto e Diagramação: Juverlino Chagas.Por Equipe da Escola da Teologia PopularENCONTRO DE NOIVOSQuatorze casais participaram doEncontro de Noivos, organizado pelaPastoral Familiar da Paróquia NossaSenhora da conceição neste mês de abril.O curso foi realizado no dia 7 de abril commuitas palestras, dinâmicas e oração.“Foi, sem dúvida, um curso completo,muito dinâmico, com muita informação,animação e espiritualidade”, falou umdos casais. “A equipe de organizaçãoestá de parabéns pelo trabalho, posturae seriedade de todo o curso, valeu a penamesmo!”Segundo casal Lafaiete e Flávia, estáprevista a realização de outro cursoem dia 30 de junho próximo. E o casalagradeceu a todos os palestrantes e aosintegrantes da Pastoral Familiar pelocarinho, compromisso e dedicação.Acontece, entre os dias 24,25e 26 de maio de 2013, no InstitutoPax, a Primeira Etapa do Encontrode Casais com Cristo (ECC) da Paró-quia Nossa Senhora da Conceição–Gama.Para o Encontro deste ano, se-gundo a integrante do ECC (Encon-tro de Casais com Cristo), CasalCleiton e Lane , a expectativa éTestemunho da vidaPequenos e grandes milagresacontecem frequentemente emnossa vida. Prestar atenção nasdelicadezas de Deus para conosco,nos une ainda mais a Ele; partilhá-las edifica uns aos outros.Para isso está aberto um espaço,a fim de que seu testemunhoseja enviado, e possamos juntosglorificar a Deus por todas asmaravilhas operadas em sua vida.“Assim, pois, consolai-vosmutuamente e edificai-vos uns aosoutros, como já o fazeis”.(I Tes. 5,11)que se inscrevam mais 30 casaisaté o inicio de maio. Lane explicaque o ECC é importante para oscasais pois “é um serviço da Igre-ja para evangelizar a família, IgrejaDoméstica, e vem com o objetivode despertar casais para atuaremnas pastorais paroquiais.” O en-contro é direcionado aos casais etem como um dos principais obje-tivos despertá-los para viverem ocasamento, a família dentro dosfundamentos de Deus, unindo oscônjuges, levando-os a se com-preenderem mutuamente diantedo amor de Deus.Além de promover uma rela-ção mais profunda com Deus, “oscasais vivem momentos de apren-dizagem que os ajudam a fortale-cer os laços dentro de suas famí-lias e buscam compreender o queé ser Igreja hoje e de seu compro-misso com a dignidade da pessoahumana,” acrescentou.Segundo o Padre Alfonso Pas-tore, fundador do ECC no Brasil,”oECC busca dar sua contribuiçãopara que as famílias vivam melhorseu casamento, auxiliando-as norelacionamento marido e mulhere no relacionamento com seus fi-lhos.”Para mais informações, os inte-ressados podem entrar em conta-to com Secretaria paroquial :(61) 3556.6473CASAIS SE PREPARAM PARA ENCONTROCasal Lafaiete e Flávia, umdos casais coordenadoresda Pastoral FamiliarOs casais engajados na comunidade, dirigentes BRASAS em formação - Frutos do ECC.
  12. 12. www.imaculadagama.com.br / verbosim.blogspot.com.br

×