SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Universo Simbólico
em Memorial do
Convento
A história de Manuel Milho
Escola Secundária Henrique Medina
A história que Manuel Milho vai contando durante os vários dias que
dura o transporte da pedra Benedictione é uma reflexão sobre a
existência humana e mostra que, no fundo, o mais importante é o ser
humano e a sua essência.
Manuel Milho narra a história de uma rainha que gostaria de ser
mulher para conseguir decidir se na verdade queria ser ou não
rainha, e de um ermitão que queria ser homem. Ambos desejavam
não ser o que eram, mas ser apenas um homem e uma mulher. Esta
história mostra que cada um é aquilo que as condições socias e as
circunstâncias permitem que o seja.(capítulo XIX)
Número 3
Escola Secundária Henrique Medina
O número três representa a ordem espiritual e intelectual. É o
numero perfeito. Para o Cristianismo, os três elementos da
trindade são o Pai , o Filho e o Espírito Santo, um só Deus em três
pessoas, tal como Baltasar, Blimunda e Bartolomeu Lourenço que
constituem a Trindade Terreste. Três pessoas em perfeita
comunhão que alcançam um poder divino.
Número 4
Escola Secundária Henrique Medina
O quatro, número ligado ao quadrado e á cruz, significa o sólido, a
totalidade , mas uma totalidade percetível. Curiosamente, Domenico
Scarlatti será o quarto elemento de um conjunto de pessoas que
concretizam a audaciosa missão de voar.
Ele parece ser o elemento que completa esse todo, elemento esse
imprescindível a plena realização desse projeto. No entanto, esse
sonho irá desfazer-se, será findável. “Sou o irmão de todos ,
disse Scarlatti, se me aceitarem .”(…)
Número 7
Escola Secundária Henrique Medina
O número sete, muito referido na Bíblia, surge recorrentemente na
obra: sete são os homens que vem trabalhar para Mafra no
convento; oriundos de sete regiões do país; sete bispos batizaram a
infanta; sete vezes Blimunda vai a Lisboa à procura de Baltasar e o
número sete repete-se na data de bênção da primeira pedra do
convento-17 novembro de 1771.
O sete é o resultado do número perfeito, o três, e do número da
totalidade o quatro, e representa a totalidade do espaço e do tempo,
do universo em movimento.
Número 9
Escola Secundária Henrique Medina
O nove é o número da procura e da gestação, simboliza o coroar do
esforço, o fim de um ato criativo, o fim de um período de busca
frutuosa, como acontece com Blimunda que, durante nove anos,
procurou o seu amado.
Após a separação, Blimunda reencontra Baltasar e , recolhendo a
sua vontade, une-se aquele que ama. Esta união representa a vitória
do poder do amor.
A passarola
Escola Secundária Henrique Medina
A passarola funciona como o elo de ligação entre a terra e o céu e
surge na obra metaforicamente referida como uma ave, o que
remete de imediato para o voo das aves.
O sonho de voar conota a ousadia e a conquista, mas pode ter uma
lado negativo: a queda, a desilusão.
Convento de Mafra
Escola Secundária Henrique Medina
O convento é símbolo do definitivo, do imutável, do eterno e, nesse
sentido, opõe-se à passarola.
Ao longo da obra, é evidente o contraste entre o caráter libertador do
projeto de Bartolomeu Gusmão que evidencia a atitude criadora do
homem e a capacidade de vencer barreiras quando trabalha em
conjunto e a natureza opressora da promessa do rei que espelha
uma vontade egoísta e megalómana.
O Olhar
Escola Secundária Henrique Medina
Os olhos e o olhar ocupam em Memorial do Convento um espaço
privilegiado devido ao poder visionário de Blimunda. O seu olhar
mágico seduz Baltasar e será muitas vezes uma forma de
comunicação entre o casal.
“Olha só, olha como esses teus olhos que tudo são capazes de
ver “
“Nunca te olharei por dentro “
Colher, Sopa, Porta aberta, lareira
Escola Secundária Henrique Medina
Este conjunto de elementos funciona na obra como um todo que
transmite a ideia de partilha: Blimunda deixa a porta aberta,
permitindo que Baltasar entre não só na sua casa como na sua vida;
acende a lareira, serve uma sopa e usa a colher dele, construindo
conforto, um lar e um amor eterno.
Espigão
Escola Secundária Henrique Medina
O espigão de Baltasar de que Blimunda se serve para se defender
no Monte Junto da tentativa de violação, presentifica o próprio
Baltasar a “mão” do seu amor.
Palheiro de Morelena, a barraca da burra
Escola Secundária Henrique Medina
O palheiro e a barraca da burra simboliza o amor intenso de Baltasar
e Blimunda, carregado de sensualidade e de cumplicidade; a
transgressão das regras socias e morais por parte deste casal que
se ama partilhando as “almas, corpos e vontades”.
Mutilação de Baltasar
Escola Secundária Henrique Medina
A mutilação aparece frequentemente como uma marca de inaptidão
e de marginalidade, todavia, na obra, Baltasar conseguira superar a
sua incapacidade ao contribuir para construir a passarola e o
convento.
Sonho
Escola Secundária Henrique Medina
O sonho é o espaço onde as personagens deixam transparecer as
suas emoções, medos, frustrações, desejos, funcionando, por vezes,
como um fator de equilíbrio, como é o caso da rainha, que
compensa, no mundo onírico, as suas frustrações afetivas e sexuais.
Em relação ao rei, os sonhos espelham, acima de tudo, a
manifestação do seu poder. Os sonhos comuns de Baltasar,
Blimunda e Bartolomeu Lourenço são uma forma de sublinhar a sua
cumplicidade e partilha.
Música
Escola Secundária Henrique Medina
A música simboliza a harmonia e a plenitude do cosmos. A música
de Scarlatti representa a comunicação e tem o poder de curar. O
som do seu cravo irá fascinar o padre e acompanhar o processo de
construção da passarola e o momento em que ela se eleva no céu.
A pedra mãe
Escola Secundária Henrique Medina
No capítulo XIX, a pedra, símbolo da Terra-mãe, vai exigir um
esforço enorme por parte dos trabalhadores que, com coragem,
força, habilidade e inteligência vão transportar de Pêro Pinheiro até
Mafra. É uma laje descomunal que evidencia a pequenez do homem,
mas que comparativamente ao convento se torna pequena.
Conseguir transportar a pedra ate ao seu destino, vai transformar
estes homens em verdadeiros heróis. A pedra, pela sua firmeza,
também se pode associar a sabedoria.
Abegoaria
Escola Secundária Henrique Medina
É o espaço escondido onde se constrói a passarola, onde se
materializa o sonho. É o espaço da utopia, da invenção, da
descoberta, da partilha e da amizade.
Montanha-Monte Junto
Escola Secundária Henrique Medina
A montanha estabelece a relação da terra com o céu, centro do
mundo, traduz a estabilidade e a inalterabilidade, guardando o que
nela permanece, como a passarola que cai no Monte Junto. A
máquina voadora ficou protegida dos homens e do Santo Ofício e
assim, mais tarde, inusitadamente e, como por magia, levantou o
voo, dando sentido a vida da trindade terrestre.
Fogo
Escola Secundária Henrique Medina
É conforto, aconchego, purificação e regeneração, mas também
destruição.
O fogo da lareira, em casa de Blimunda, é proteção e bem-estar; o
fogo que Bartolomeu Lourenço Lança a sua maquina é uma forma
de destruir o seu sonho fracassado; o da fogueira dos autos-de-fé é
opressão, destruição e morte.
Sete-Sois e Sete-Luas
Escola Secundária Henrique Medina
Os nomes de Baltasar e de Blimunda tem o mesmo número de
letras, começam por B e as alcunhas são uma forma de
demonstrar a sua complementaridade. Baltasar está relacionado
com o sol, fonte de luz, de calor e de vida enquanto Blimunda
surge relacionada com a lua, símbolo de dependência e da
renovação.
Simbologia Actual
Escola Secundária Henrique Medina
Escola Secundária Henrique Medina
Trabalho realizado por :
Alberto Simões, nº 2
Ana Coutinho, nº 5
Maria João Afonso, nº21
Rui Couto, nº26
Escola Secundária Henrique Medina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXMemorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXripmitchlucker
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa Ana Cristina Matias
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoAntónio Teixeira
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaMariana Silva
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasNeizy Mandinga
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaDina Baptista
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIDina Baptista
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analisekeve semedo
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoJoana Filipa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Memorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIXMemorial do convento - Capítulo XIX
Memorial do convento - Capítulo XIX
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago II
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 

Destaque

A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.Elisabete
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarolaAnaFPinto
 
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do ConventoA passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do ConventoElisabete
 
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Teresa Ferreira
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramagobecresforte
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventoguest304ad9
 

Destaque (7)

A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarola
 
4. inquisição
4. inquisição4. inquisição
4. inquisição
 
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do ConventoA passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
A passarola (sonho e utopia) em Memorial do Convento
 
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
Real vs. Ficcional (MEMORIAL DO CONVENTO)
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 

Semelhante a Universo Simbólico em Memorial do Convento

Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicananasimao
 
Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do conventopaulouhf
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventolibrarian
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do conventoancrispereira
 
Memorial do convento a dimensão simbólica (1)
Memorial do convento a dimensão simbólica (1)Memorial do convento a dimensão simbólica (1)
Memorial do convento a dimensão simbólica (1)José Galvão
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83luisprista
 
Resumo lit. infantil
Resumo lit. infantilResumo lit. infantil
Resumo lit. infantilAndrea Rocha
 
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)Claudia Ruzicki Kremer
 
MITOLOGIA CRIATIVA
MITOLOGIA CRIATIVAMITOLOGIA CRIATIVA
MITOLOGIA CRIATIVAOdair Tuono
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoRaffaella Ergün
 
Almas Gêmeas segundo o Espiritismo
Almas Gêmeas segundo o EspiritismoAlmas Gêmeas segundo o Espiritismo
Almas Gêmeas segundo o EspiritismoAlexandra Strama
 
Lançamentos Martin Claret fevereiro
Lançamentos Martin Claret fevereiroLançamentos Martin Claret fevereiro
Lançamentos Martin Claret fevereiroCarol Brum
 
Lançamentos Martin Claret 01
Lançamentos Martin Claret 01Lançamentos Martin Claret 01
Lançamentos Martin Claret 01funshunter
 
Lançamentos fevereiro-2012
Lançamentos   fevereiro-2012Lançamentos   fevereiro-2012
Lançamentos fevereiro-2012saleitura
 

Semelhante a Universo Simbólico em Memorial do Convento (20)

Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
 
Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do convento
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Memorial
MemorialMemorial
Memorial
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do convento a dimensão simbólica (1)
Memorial do convento a dimensão simbólica (1)Memorial do convento a dimensão simbólica (1)
Memorial do convento a dimensão simbólica (1)
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
 
Resumo lit. infantil
Resumo lit. infantilResumo lit. infantil
Resumo lit. infantil
 
ROMANCE memorial.pdf
ROMANCE memorial.pdfROMANCE memorial.pdf
ROMANCE memorial.pdf
 
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)J herculano pires   o menino e o anjo (juvenil)
J herculano pires o menino e o anjo (juvenil)
 
1. génese do romance
1. génese do romance1. génese do romance
1. génese do romance
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Auto da Compadecida
Auto da CompadecidaAuto da Compadecida
Auto da Compadecida
 
MITOLOGIA CRIATIVA
MITOLOGIA CRIATIVAMITOLOGIA CRIATIVA
MITOLOGIA CRIATIVA
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Almas Gêmeas segundo o Espiritismo
Almas Gêmeas segundo o EspiritismoAlmas Gêmeas segundo o Espiritismo
Almas Gêmeas segundo o Espiritismo
 
Lançamentos Martin Claret fevereiro
Lançamentos Martin Claret fevereiroLançamentos Martin Claret fevereiro
Lançamentos Martin Claret fevereiro
 
Lançamentos 2012
Lançamentos 2012Lançamentos 2012
Lançamentos 2012
 
Lançamentos Martin Claret 01
Lançamentos Martin Claret 01Lançamentos Martin Claret 01
Lançamentos Martin Claret 01
 
Lançamentos fevereiro-2012
Lançamentos   fevereiro-2012Lançamentos   fevereiro-2012
Lançamentos fevereiro-2012
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 

Universo Simbólico em Memorial do Convento

  • 2. A história de Manuel Milho Escola Secundária Henrique Medina A história que Manuel Milho vai contando durante os vários dias que dura o transporte da pedra Benedictione é uma reflexão sobre a existência humana e mostra que, no fundo, o mais importante é o ser humano e a sua essência. Manuel Milho narra a história de uma rainha que gostaria de ser mulher para conseguir decidir se na verdade queria ser ou não rainha, e de um ermitão que queria ser homem. Ambos desejavam não ser o que eram, mas ser apenas um homem e uma mulher. Esta história mostra que cada um é aquilo que as condições socias e as circunstâncias permitem que o seja.(capítulo XIX)
  • 3. Número 3 Escola Secundária Henrique Medina O número três representa a ordem espiritual e intelectual. É o numero perfeito. Para o Cristianismo, os três elementos da trindade são o Pai , o Filho e o Espírito Santo, um só Deus em três pessoas, tal como Baltasar, Blimunda e Bartolomeu Lourenço que constituem a Trindade Terreste. Três pessoas em perfeita comunhão que alcançam um poder divino.
  • 4. Número 4 Escola Secundária Henrique Medina O quatro, número ligado ao quadrado e á cruz, significa o sólido, a totalidade , mas uma totalidade percetível. Curiosamente, Domenico Scarlatti será o quarto elemento de um conjunto de pessoas que concretizam a audaciosa missão de voar. Ele parece ser o elemento que completa esse todo, elemento esse imprescindível a plena realização desse projeto. No entanto, esse sonho irá desfazer-se, será findável. “Sou o irmão de todos , disse Scarlatti, se me aceitarem .”(…)
  • 5. Número 7 Escola Secundária Henrique Medina O número sete, muito referido na Bíblia, surge recorrentemente na obra: sete são os homens que vem trabalhar para Mafra no convento; oriundos de sete regiões do país; sete bispos batizaram a infanta; sete vezes Blimunda vai a Lisboa à procura de Baltasar e o número sete repete-se na data de bênção da primeira pedra do convento-17 novembro de 1771. O sete é o resultado do número perfeito, o três, e do número da totalidade o quatro, e representa a totalidade do espaço e do tempo, do universo em movimento.
  • 6. Número 9 Escola Secundária Henrique Medina O nove é o número da procura e da gestação, simboliza o coroar do esforço, o fim de um ato criativo, o fim de um período de busca frutuosa, como acontece com Blimunda que, durante nove anos, procurou o seu amado. Após a separação, Blimunda reencontra Baltasar e , recolhendo a sua vontade, une-se aquele que ama. Esta união representa a vitória do poder do amor.
  • 7. A passarola Escola Secundária Henrique Medina A passarola funciona como o elo de ligação entre a terra e o céu e surge na obra metaforicamente referida como uma ave, o que remete de imediato para o voo das aves. O sonho de voar conota a ousadia e a conquista, mas pode ter uma lado negativo: a queda, a desilusão.
  • 8. Convento de Mafra Escola Secundária Henrique Medina O convento é símbolo do definitivo, do imutável, do eterno e, nesse sentido, opõe-se à passarola. Ao longo da obra, é evidente o contraste entre o caráter libertador do projeto de Bartolomeu Gusmão que evidencia a atitude criadora do homem e a capacidade de vencer barreiras quando trabalha em conjunto e a natureza opressora da promessa do rei que espelha uma vontade egoísta e megalómana.
  • 9. O Olhar Escola Secundária Henrique Medina Os olhos e o olhar ocupam em Memorial do Convento um espaço privilegiado devido ao poder visionário de Blimunda. O seu olhar mágico seduz Baltasar e será muitas vezes uma forma de comunicação entre o casal. “Olha só, olha como esses teus olhos que tudo são capazes de ver “ “Nunca te olharei por dentro “
  • 10. Colher, Sopa, Porta aberta, lareira Escola Secundária Henrique Medina Este conjunto de elementos funciona na obra como um todo que transmite a ideia de partilha: Blimunda deixa a porta aberta, permitindo que Baltasar entre não só na sua casa como na sua vida; acende a lareira, serve uma sopa e usa a colher dele, construindo conforto, um lar e um amor eterno.
  • 11. Espigão Escola Secundária Henrique Medina O espigão de Baltasar de que Blimunda se serve para se defender no Monte Junto da tentativa de violação, presentifica o próprio Baltasar a “mão” do seu amor.
  • 12. Palheiro de Morelena, a barraca da burra Escola Secundária Henrique Medina O palheiro e a barraca da burra simboliza o amor intenso de Baltasar e Blimunda, carregado de sensualidade e de cumplicidade; a transgressão das regras socias e morais por parte deste casal que se ama partilhando as “almas, corpos e vontades”.
  • 13. Mutilação de Baltasar Escola Secundária Henrique Medina A mutilação aparece frequentemente como uma marca de inaptidão e de marginalidade, todavia, na obra, Baltasar conseguira superar a sua incapacidade ao contribuir para construir a passarola e o convento.
  • 14. Sonho Escola Secundária Henrique Medina O sonho é o espaço onde as personagens deixam transparecer as suas emoções, medos, frustrações, desejos, funcionando, por vezes, como um fator de equilíbrio, como é o caso da rainha, que compensa, no mundo onírico, as suas frustrações afetivas e sexuais. Em relação ao rei, os sonhos espelham, acima de tudo, a manifestação do seu poder. Os sonhos comuns de Baltasar, Blimunda e Bartolomeu Lourenço são uma forma de sublinhar a sua cumplicidade e partilha.
  • 15. Música Escola Secundária Henrique Medina A música simboliza a harmonia e a plenitude do cosmos. A música de Scarlatti representa a comunicação e tem o poder de curar. O som do seu cravo irá fascinar o padre e acompanhar o processo de construção da passarola e o momento em que ela se eleva no céu.
  • 16. A pedra mãe Escola Secundária Henrique Medina No capítulo XIX, a pedra, símbolo da Terra-mãe, vai exigir um esforço enorme por parte dos trabalhadores que, com coragem, força, habilidade e inteligência vão transportar de Pêro Pinheiro até Mafra. É uma laje descomunal que evidencia a pequenez do homem, mas que comparativamente ao convento se torna pequena. Conseguir transportar a pedra ate ao seu destino, vai transformar estes homens em verdadeiros heróis. A pedra, pela sua firmeza, também se pode associar a sabedoria.
  • 17. Abegoaria Escola Secundária Henrique Medina É o espaço escondido onde se constrói a passarola, onde se materializa o sonho. É o espaço da utopia, da invenção, da descoberta, da partilha e da amizade.
  • 18. Montanha-Monte Junto Escola Secundária Henrique Medina A montanha estabelece a relação da terra com o céu, centro do mundo, traduz a estabilidade e a inalterabilidade, guardando o que nela permanece, como a passarola que cai no Monte Junto. A máquina voadora ficou protegida dos homens e do Santo Ofício e assim, mais tarde, inusitadamente e, como por magia, levantou o voo, dando sentido a vida da trindade terrestre.
  • 19. Fogo Escola Secundária Henrique Medina É conforto, aconchego, purificação e regeneração, mas também destruição. O fogo da lareira, em casa de Blimunda, é proteção e bem-estar; o fogo que Bartolomeu Lourenço Lança a sua maquina é uma forma de destruir o seu sonho fracassado; o da fogueira dos autos-de-fé é opressão, destruição e morte.
  • 20. Sete-Sois e Sete-Luas Escola Secundária Henrique Medina Os nomes de Baltasar e de Blimunda tem o mesmo número de letras, começam por B e as alcunhas são uma forma de demonstrar a sua complementaridade. Baltasar está relacionado com o sol, fonte de luz, de calor e de vida enquanto Blimunda surge relacionada com a lua, símbolo de dependência e da renovação.
  • 22. Escola Secundária Henrique Medina Trabalho realizado por : Alberto Simões, nº 2 Ana Coutinho, nº 5 Maria João Afonso, nº21 Rui Couto, nº26