SlideShare uma empresa Scribd logo
A Sociologia Marxista
Prof. Dr. Richard Romancini
(ECA/USP)
Marx: introdução
https://www.youtube.com/watch?v=2DmlHFtTplA
Marx nas Ciências Sociais e no
mundo social
- Diferentemente de Durkheim e Weber,
na vasta obra do alemão Karl Marx
(1818-1883) não há uma preocupação
explícita com a elaboração de uma
disciplina sociológica, já que o
pensamento de Marx tende ao holístico;
- No entanto, suas ideias tiveram enorme
impacto nas Ciências Sociais –
constituindo-se numa das fontes mais
importantes da Sociologia – assim como
na política e em vários outros âmbitos
intelectuais e sociais;
Karl Marx (1818-1883)
Fonte: Wikipédia
Marx nas Ciências Sociais e no
mundo social
- O pendor menor de Marx pela disciplinarização
do saber acadêmico e maior preocupação com a
transformação social refletem-se na sua
biografia.
- Marx não chegou a ocupar posições de mando
nas universidades e sua militância política
(evidente em muitas de suas obras – como o
célebre Manifesto do Partido Comunista [1848])
causaram-lhe uma série de dificuldades pessoais,
como perseguições, exílio e penúria econômica.
A dialética de Hegel
- Talvez a influência mais significativa no
pensamento Marx seja a do filósofo Georg
Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831) que
postulava a dialética como um movimento
histórico e um método de apreensão do
conhecimento;
- Na dialética hegeliana a compreensão dos
fenômenos ocorre pela captura intelectual de
uma unidade dialética, que só pode ser
vislumbrada em algo (por exemplo, o “finito”)
se o seu oposto (o “infinito”) também for
articulado à reflexão;
Georg Wilhelm Friedrich Hegel
(1770-1831)
Fonte: Wikipédia
A dialética de Hegel
- O pensamento dialético operaria a partir da “tese” e da
“antítese”, em busca de uma “síntese”, que seria um raciocínio
superior, mas ainda passível de superação nesse movimento
contínuo da reflexão entre o particular e a totalidade;
- Marx funda seu método de análise, o chamado materialismo
histórico (ou materialismo dialético histórico) na crítica (e
potencial superação) ao “idealismo” da posição de Hegel. Isso
porque enquanto para Hegel haveria uma Ideia Absoluta que
regeria a marcha rumo à sua própria realização, entre
teses/antíteses e contínuas sínteses provisórias, para Marx são
os homens historicamente situados que fazem esse movimento.
O materialismo histórico dialético
- Em termos sintéticos, para
Marx (e para seu amigo e
colaborador Engels), o “ideal”
nasce do material, da realidade
que os homens vivem (daí o
“materialismo”), situado na
história (o “histórico”),
realizando-se em lutas
(contradições) sociais que – em
sua trajetória histórica –
possuem um caráter “dialético”;
Friedrich Engels (1820-1895)
Fonte: Wikipédia
O materialismo histórico dialético
- Desse modo: “Aplicada aos fenômenos
historicamente produzidos, a ótica dialética
cuida de apontar as contradições constitutivas
da vida social que resultam na negação e
superação de determinada ordem” (Oliveira e
Quintaneiro, 2002: 29);
- É por isso que se nota que na essência do
método marxista de análise está a contradição.
Superestrutura e infraestrutura social
- De acordo com o ponto de vista materialista de
Marx, o elemento primordial da realidade social é o
modo como os homens produzem suas condições
de existência, ou seja, a base econômica da
sociedade.
- E esta base é o fundamento das instituições
políticas e sociais do Estado, bem como das
diferentes estruturas ideológicas de uma sociedade
(arte, política, filosofia, religião, direito etc.);
Superestrutura e infraestrutura social
- Assim, segundo o conhecido esquema
marxista, as ideias (superestrutura)
derivam, em última análise, da base
material de uma sociedade
(infraestrutura); e as idéias dominantes
em qualquer época são as da classe
dominante, procurando manter sua
dominação.
Superestrutura e infraestrutura
social
- Entretanto, superestrutura
e infraestrutura
desenvolvem-se de maneira
dialética, e algumas
vertentes do marxismo
(como prática política)
enfatizaram a importância
de promover mudanças no
plano das ideias e valores
da sociedade
Cartas de Agit-prop
Fonte: Communist University
(http://domza.blogspot.com.br/2
014/01/agitprop.html)
Superestrutura e infraestrutura
social
- Isso pode se dar tanto
para a feitura da
revolução (por exemplo,
o agit-prop russo)
quanto durante o
desenvolvimento da
sociedade socialista (p.
ex., estética do “realismo
socialista” e Revolução
Cultural Chinesa)
Ilustração de livro didático
chinês da época da Revolução
Cultural
Fonte: Wikipédia
Conhecimento científico e
objetividade
- Para Marx, o ponto de vista de classe e o
conhecimento científico não são contraditórios;
- Ao contrário, o desmascaramento da ideologia só
é possível pelos grupos que se colocam em
oposição ao sistema existente (o proletariado);
- As ideologias dominantes, pelo contrário, são um
obstáculo ao conhecimento.
Modos de produção e mudança social
- Para compreender como Marx vê o desenvolvimento
histórico, é importante detalhar mais a noção de “base
econômica”. Esta é constituída de determinadas
relações sociais de produção e forças produtivas, que
possuem determinado estágio de desenvolvimento
conforme a época.
- A ideia de “forças produtivas” resume os elementos
essenciais à produção (tecnologia, instrumentos,
matéria-prima etc.) e as “relações sociais de produção”
dizem respeito ao modo como os meios de produção
são distribuídos e o produto é apropriado;
Modos de produção e mudança social
- Da conjunção entre certa organização de
forças produtivas e relações sociais de
produção resulta determinado modo de
produção (por exemplo, o capitalismo) e é
a partir da sucessão entre modos de
produção que se dá a mudança histórica,
segundo Marx.
A “luta de classes” como motor
(e lei) da história
- Se é a sucessão entre os modos de produção que
gera a mudança histórica e social, o que faz com que
um modo de produção supere outro? Segundo Marx,
isso ocorre devido à luta de classes;
- A luta de classes seria, então, o motor da história,
sendo um conceito que permitiria compreender o
passado e o futuro da humanidade (até a síntese final
que seria o “comunismo”);
A “luta de classes” como motor
(e lei) da história
- A luta de classes pode
ser definida como as
relações de antagonismo
existentes entre classes
sociais (a dominante e a
explorada), que levam a
uma superação dialética
no plano da história, em
outro estágio;
Fonte:
https://www.youtube.com/watch?
v=EaVbYyky-Bw
A “luta de classes” como motor
(e lei) da história
- São exemplos de situações de lutas de classe
(e correspondentes modos de produção):
escravos e patrícios na Antiguidade
(escravismo), servos e senhores feudais
(feudalismo), trabalhadores e capitalistas
(capitalismo). Grosso modo, no esquema
dicotômico apresentado, a classe dominante
é a proprietária dos meios de produção, ao
contrário da classe explorada;
A “luta de classes” como motor
(e lei) da história
- É no sentido exposto que Marx
afirma no Manifesto Comunista
que toda história humana tinha
sido a história da luta de
classes, na qual a classe
explorada era a agente de
mudança.
Manifesto Comunista
(1848)
Fonte: Wikipédia
A crítica do capitalismo em Marx
- Marx dedicou grande parte de sua obra – principalmente seu
trabalho mais elaborado, O Capital (Livro 1 – 1867) – à análise
do capitalismo;
- De um lado, Marx reconhecia o caráter revolucionário, dentro
da história humana, desse modo de produção e o papel da
burguesia no mesmo;
- De outro lado, criticava os aspectos alienantes e
antiemancipação humana que observara, afirmando que o
estágio de superação do capitalismo e consequentes relações
sociais – via luta de classe – seria a posterior sociedade sem
classes do “comunismo” (após a “ditadura do proletariado” e o
socialismo que a vitória dos explorados pelo capitalismo
produziria);
A crítica do capitalismo em Marx
- Um dos pontos criticados por Marx no capitalismo era a
alienação que o sistema produzia no trabalhador, já que este:
:: Não se reconhecia nos produtos que elaborava,
:: Perdia o domínio em relação às condições do trabalho
(que poderia sequer ser compreendido pelo ele), sendo
sua energia mental e física sugada por atividades que
não lhe diziam respeito e,
:: Por fim, o capitalismo fazia com que o trabalho
humano – o que distingue os homens dos animais –
não fosse livre, passando a ser algo apenas ligado à
sobrevivência.
- Assim, Marx acreditava que a existência humana degradava-se,
em função do capitalista só reconhecer o homem enquanto um
ser a explorar. O desempregado, o miserável e o doente eram
vistos como “fantasmas” inúteis para o capitalista;
A crítica do capitalismo em Marx
- Ao não reconhecer a humanidade de todos os
homens, o próprio burguês estaria
desumanizando-se. Por isso, a transformação no
modo de produção (rumo ao socialismo)
também emanciparia o capitalista.
A “mais-valia” e o “fetichismo da
mercadoria”
- O capitalismo, para Marx, era o reino da mercadoria, sendo esta uma
categoria central desse sistema, e toda mercadoria possuiria dois tipos de
valor:
:: Valor de uso, correspondente ao tipo de necessidade a
que ela responde (comer, vestir etc.) e
:: Valor de troca, que é derivado do tempo de trabalho
socialmente necessário para produzir a mercadoria;
- Assim, no mercado do capitalismo, as trocas são regidas por essa
abstração do trabalho humano (“valor de troca”) e, mesmo, do valor de
uso;
- Como para Marx o trabalho é a única fonte de geração do valor, e o
trabalhador vende sua força de trabalho (uma mercadoria) por um valor
menor do que aquele que cria, essa diferença gera a “mais valia” que é
apropriada pelo capitalista, tornando-se parte da riqueza do mesmo. Essa
taxa de exploração do trabalhador é mascarada pela ideologia igualitária do
A “mais-valia” e o “fetichismo da
mercadoria”
- Ao mesmo tempo, a ideologia capitalista, segundo Marx,
obscurece a relação (homens/trabalho) que existe na troca de
mercadorias, alienando os homens de suas reais relações
(humanas) no mercado;
- Desse modo, parece a muitas pessoas que as mercadorias
possuem vida própria, uma relação mágica entre si. Isso é o que
Marx chamou de o “fetichismo da mercadoria”, que faz com que
os valores pareçam uma propriedade natural das coisas;
- “Através da forma fixa em valor-dinheiro, o caráter social dos
trabalhos privados e as relações entre os produtores se
obscurecem. É como se um véu nublasse a percepção da vida
social materializada na forma dos objetos, dos produtos do
trabalho e de seu valor” (Oliveira e Quintaneiro, 2002, 55).
O marxismo como teoria crítica
revolucionária
- Ao dedicar-se à crítica do capitalismo a obra marxista buscou
afirmou-se como um meio para a tomada de consciência
necessária para o fim da exploração capitalista, ou seja, uma
teoria voltada à praxis;
- O fim do capitalismo, que traria em si seus elementos de
superação, seria inevitável, segundo o modelo histórico
marxista, e o grupo social que mudaria a realidade seria aquele
em situação de antagonismo com a burguesia dominante: o
proletariado;
- É famosa, como uma síntese do que imaginava ser a tarefa de
sua filosofia, a frase de Marx: “os filósofos até agora apenas
interpretaram o mundo, de vários modos; agora é preciso
transformá-lo”.
Críticas ao marxismo
- O pensamento de Marx recebeu muitas críticas e
ainda recebe (sobretudo com o fim do chamado
“socialismo real”), porém sua obra não deixa de
ocupar um lugar de referência no pensamento
social;
- Entre as restrições à reflexão de Marx, destacam-
se a posição do filósofo Karl Popper (1902-1994),
que critica o “historicismo” de Marx, que
prejudicaria sua compreensão científica da
realidade;
Críticas ao marxismo
- Outra crítica (senão ao marxismo, pelo menos a suas
implicações na realidade) é o fato, destacado por filósofos da
Escola de Frankfurt, que o proletariado dos países
desenvolvidos, graças às políticas de distribuição de renda e
bem-estar social, deixara de ser um agente interessado na
revolução. Esse grupo estaria, desde meados do século XX,
na verdade, bem integrado ao sistema capitalista (embora
numa posição subalterna e alienada, para os frankfurtianos);
- Também importante, em termos das críticas recebidas pelo
marxismo, é a questão do determinismo econômico que
estaria embutido no esquema explicativo de Marx.
Referências
LÖWY, Michel. Marxismo. In: ____. Ideologia e
Ciência Social: elementos para uma análise marxista.
São Paulo: Cortez, 1991. p. 93-112.
OLIVEIRA, Márcia Gardênia Monteiro e
QUINTANEIRO, Tania. Karl Marx. In: QUINTANEIRO,
Tânia et al. Um toque de clássicos, Belo Horizonte,
Ed. UFMG. p. 27-66, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
roberto mosca junior
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
João Marcelo
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Marcela Marangon Ribeiro
 
Sociologia Urbana e a vida nas grandes cidades
Sociologia Urbana e a vida nas grandes cidadesSociologia Urbana e a vida nas grandes cidades
Sociologia Urbana e a vida nas grandes cidades
Paula Meyer Piagentini
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
Colégio Nova Geração COC
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Munis Pedro
 
Ideologia - karl marx
Ideologia - karl marxIdeologia - karl marx
Ideologia - karl marx
IzabellaSouzaDosSant
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
Marcela Marangon Ribeiro
 
Max weber
Max weberMax weber
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
roberto mosca junior
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
Isaquel Silva
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
Marcela Marangon Ribeiro
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
Mauricio Serafim
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
Tiago de Melo
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
Wagner Stefani
 

Mais procurados (20)

história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
 
Sociologia Urbana e a vida nas grandes cidades
Sociologia Urbana e a vida nas grandes cidadesSociologia Urbana e a vida nas grandes cidades
Sociologia Urbana e a vida nas grandes cidades
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Ideologia - karl marx
Ideologia - karl marxIdeologia - karl marx
Ideologia - karl marx
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
 
Desigualdades sociais
Desigualdades sociaisDesigualdades sociais
Desigualdades sociais
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 

Destaque

Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Nathan Felix Raposo
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anos
ProfMario De Mori
 
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
Isabella Silva
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Esquema Marxismo
Esquema MarxismoEsquema Marxismo
Esquema Marxismo
MONTSE14
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
Marx
MarxMarx
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
Selma Lima
 
Max Weber - Sociologia
Max Weber - SociologiaMax Weber - Sociologia
Max Weber - Sociologia
Centro Acadêmico XX de Agosto
 

Destaque (9)

Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anos
 
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Esquema Marxismo
Esquema MarxismoEsquema Marxismo
Esquema Marxismo
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
 
Marx
MarxMarx
Marx
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Max Weber - Sociologia
Max Weber - SociologiaMax Weber - Sociologia
Max Weber - Sociologia
 

Semelhante a A sociologia marxista

Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Rogerio Silva
 
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
SamaraDosSantosCarva1
 
Atrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 originalAtrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 original
Gil Salles
 
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARXA CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
HisrelBlog
 
KARL MARX
KARL MARXKARL MARX
KARL MARX
Thiago Pereira
 
A construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptx
A construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptxA construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptx
A construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptx
TomasSousa7
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Carlo Romani
 
As ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf Rocker
As ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf RockerAs ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf Rocker
As ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf Rocker
BlackBlocRJ
 
2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marx2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marx
Felipe Hiago
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
amorimanamaria
 
Karl marx1
Karl marx1Karl marx1
Karl marx1
Eliana Paz
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
Karl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistasKarl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistas
espacoaberto
 
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
André Santos Luigi
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
Uneb - Universidade do Estado da Bahia
 
Karl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração doKarl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração do
mundica broda
 
Karl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração doKarl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração do
mundica broda
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
Ana
 
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Douglas Barreto
 
Karl marx
Karl marxKarl marx

Semelhante a A sociologia marxista (20)

Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
 
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
 
Atrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 originalAtrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 original
 
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARXA CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
 
KARL MARX
KARL MARXKARL MARX
KARL MARX
 
A construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptx
A construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptxA construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptx
A construção de sociedadesAs desigualdades sociais ao longo da história..pptx
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
 
As ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf Rocker
As ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf RockerAs ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf Rocker
As ideias absolutistas no Socialismo - Rudolf Rocker
 
2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marx2014 aula cinco karl marx
2014 aula cinco karl marx
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
 
Karl marx1
Karl marx1Karl marx1
Karl marx1
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
Aula Karl Marx
 
Karl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistasKarl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistas
 
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
LÖWY, Michael. Por um marxismo crítico. Lutas Sociais, São Paulo, n. 3, 1997,...
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
Karl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração doKarl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração do
 
Karl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração doKarl marx e a história da exploração do
Karl marx e a história da exploração do
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
 
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
Sociologia geral e jurídica - Karl Marx 2014
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 

Mais de richard_romancini

Selecting a dissertation topic: range and scope
Selecting a dissertation topic: range and scopeSelecting a dissertation topic: range and scope
Selecting a dissertation topic: range and scope
richard_romancini
 
TIPOLOGIAS DE JOGOS
TIPOLOGIAS DE JOGOSTIPOLOGIAS DE JOGOS
TIPOLOGIAS DE JOGOS
richard_romancini
 
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do NorteA EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
richard_romancini
 
JOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
JOGOS DE CARTAS: evolução e tiposJOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
JOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
richard_romancini
 
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literaturaRecursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
richard_romancini
 
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicasA pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
richard_romancini
 
Comunicação Organizacional e Relações Públicas
Comunicação Organizacional e Relações PúblicasComunicação Organizacional e Relações Públicas
Comunicação Organizacional e Relações Públicas
richard_romancini
 
Perspectivas teóricas em RP
Perspectivas teóricas em RPPerspectivas teóricas em RP
Perspectivas teóricas em RP
richard_romancini
 
O campo da comunicação no Brasil
O campo da comunicação no BrasilO campo da comunicação no Brasil
O campo da comunicação no Brasil
richard_romancini
 
Mass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismoMass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismo
richard_romancini
 
Marxismo e comunicação
Marxismo e comunicaçãoMarxismo e comunicação
Marxismo e comunicação
richard_romancini
 
A sociologia no brasil
A sociologia no brasilA sociologia no brasil
A sociologia no brasil
richard_romancini
 
Sociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismoSociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismo
richard_romancini
 
A sociologia weberiana
A sociologia weberianaA sociologia weberiana
A sociologia weberiana
richard_romancini
 
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959) Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
richard_romancini
 
Transformações no vídeo popular
Transformações no vídeo popularTransformações no vídeo popular
Transformações no vídeo popular
richard_romancini
 
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
richard_romancini
 
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERNAs primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
richard_romancini
 
Humberto Mauro
Humberto MauroHumberto Mauro
Humberto Mauro
richard_romancini
 
Edgar Roquette-Pinto
Edgar Roquette-PintoEdgar Roquette-Pinto
Edgar Roquette-Pinto
richard_romancini
 

Mais de richard_romancini (20)

Selecting a dissertation topic: range and scope
Selecting a dissertation topic: range and scopeSelecting a dissertation topic: range and scope
Selecting a dissertation topic: range and scope
 
TIPOLOGIAS DE JOGOS
TIPOLOGIAS DE JOGOSTIPOLOGIAS DE JOGOS
TIPOLOGIAS DE JOGOS
 
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do NorteA EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
 
JOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
JOGOS DE CARTAS: evolução e tiposJOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
JOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
 
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literaturaRecursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
 
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicasA pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
 
Comunicação Organizacional e Relações Públicas
Comunicação Organizacional e Relações PúblicasComunicação Organizacional e Relações Públicas
Comunicação Organizacional e Relações Públicas
 
Perspectivas teóricas em RP
Perspectivas teóricas em RPPerspectivas teóricas em RP
Perspectivas teóricas em RP
 
O campo da comunicação no Brasil
O campo da comunicação no BrasilO campo da comunicação no Brasil
O campo da comunicação no Brasil
 
Mass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismoMass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismo
 
Marxismo e comunicação
Marxismo e comunicaçãoMarxismo e comunicação
Marxismo e comunicação
 
A sociologia no brasil
A sociologia no brasilA sociologia no brasil
A sociologia no brasil
 
Sociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismoSociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismo
 
A sociologia weberiana
A sociologia weberianaA sociologia weberiana
A sociologia weberiana
 
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959) Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
 
Transformações no vídeo popular
Transformações no vídeo popularTransformações no vídeo popular
Transformações no vídeo popular
 
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
 
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERNAs primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
 
Humberto Mauro
Humberto MauroHumberto Mauro
Humberto Mauro
 
Edgar Roquette-Pinto
Edgar Roquette-PintoEdgar Roquette-Pinto
Edgar Roquette-Pinto
 

Último

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 

Último (20)

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 

A sociologia marxista

  • 1. A Sociologia Marxista Prof. Dr. Richard Romancini (ECA/USP)
  • 3. Marx nas Ciências Sociais e no mundo social - Diferentemente de Durkheim e Weber, na vasta obra do alemão Karl Marx (1818-1883) não há uma preocupação explícita com a elaboração de uma disciplina sociológica, já que o pensamento de Marx tende ao holístico; - No entanto, suas ideias tiveram enorme impacto nas Ciências Sociais – constituindo-se numa das fontes mais importantes da Sociologia – assim como na política e em vários outros âmbitos intelectuais e sociais; Karl Marx (1818-1883) Fonte: Wikipédia
  • 4. Marx nas Ciências Sociais e no mundo social - O pendor menor de Marx pela disciplinarização do saber acadêmico e maior preocupação com a transformação social refletem-se na sua biografia. - Marx não chegou a ocupar posições de mando nas universidades e sua militância política (evidente em muitas de suas obras – como o célebre Manifesto do Partido Comunista [1848]) causaram-lhe uma série de dificuldades pessoais, como perseguições, exílio e penúria econômica.
  • 5. A dialética de Hegel - Talvez a influência mais significativa no pensamento Marx seja a do filósofo Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831) que postulava a dialética como um movimento histórico e um método de apreensão do conhecimento; - Na dialética hegeliana a compreensão dos fenômenos ocorre pela captura intelectual de uma unidade dialética, que só pode ser vislumbrada em algo (por exemplo, o “finito”) se o seu oposto (o “infinito”) também for articulado à reflexão; Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831) Fonte: Wikipédia
  • 6. A dialética de Hegel - O pensamento dialético operaria a partir da “tese” e da “antítese”, em busca de uma “síntese”, que seria um raciocínio superior, mas ainda passível de superação nesse movimento contínuo da reflexão entre o particular e a totalidade; - Marx funda seu método de análise, o chamado materialismo histórico (ou materialismo dialético histórico) na crítica (e potencial superação) ao “idealismo” da posição de Hegel. Isso porque enquanto para Hegel haveria uma Ideia Absoluta que regeria a marcha rumo à sua própria realização, entre teses/antíteses e contínuas sínteses provisórias, para Marx são os homens historicamente situados que fazem esse movimento.
  • 7. O materialismo histórico dialético - Em termos sintéticos, para Marx (e para seu amigo e colaborador Engels), o “ideal” nasce do material, da realidade que os homens vivem (daí o “materialismo”), situado na história (o “histórico”), realizando-se em lutas (contradições) sociais que – em sua trajetória histórica – possuem um caráter “dialético”; Friedrich Engels (1820-1895) Fonte: Wikipédia
  • 8. O materialismo histórico dialético - Desse modo: “Aplicada aos fenômenos historicamente produzidos, a ótica dialética cuida de apontar as contradições constitutivas da vida social que resultam na negação e superação de determinada ordem” (Oliveira e Quintaneiro, 2002: 29); - É por isso que se nota que na essência do método marxista de análise está a contradição.
  • 9. Superestrutura e infraestrutura social - De acordo com o ponto de vista materialista de Marx, o elemento primordial da realidade social é o modo como os homens produzem suas condições de existência, ou seja, a base econômica da sociedade. - E esta base é o fundamento das instituições políticas e sociais do Estado, bem como das diferentes estruturas ideológicas de uma sociedade (arte, política, filosofia, religião, direito etc.);
  • 10. Superestrutura e infraestrutura social - Assim, segundo o conhecido esquema marxista, as ideias (superestrutura) derivam, em última análise, da base material de uma sociedade (infraestrutura); e as idéias dominantes em qualquer época são as da classe dominante, procurando manter sua dominação.
  • 11. Superestrutura e infraestrutura social - Entretanto, superestrutura e infraestrutura desenvolvem-se de maneira dialética, e algumas vertentes do marxismo (como prática política) enfatizaram a importância de promover mudanças no plano das ideias e valores da sociedade Cartas de Agit-prop Fonte: Communist University (http://domza.blogspot.com.br/2 014/01/agitprop.html)
  • 12. Superestrutura e infraestrutura social - Isso pode se dar tanto para a feitura da revolução (por exemplo, o agit-prop russo) quanto durante o desenvolvimento da sociedade socialista (p. ex., estética do “realismo socialista” e Revolução Cultural Chinesa) Ilustração de livro didático chinês da época da Revolução Cultural Fonte: Wikipédia
  • 13. Conhecimento científico e objetividade - Para Marx, o ponto de vista de classe e o conhecimento científico não são contraditórios; - Ao contrário, o desmascaramento da ideologia só é possível pelos grupos que se colocam em oposição ao sistema existente (o proletariado); - As ideologias dominantes, pelo contrário, são um obstáculo ao conhecimento.
  • 14. Modos de produção e mudança social - Para compreender como Marx vê o desenvolvimento histórico, é importante detalhar mais a noção de “base econômica”. Esta é constituída de determinadas relações sociais de produção e forças produtivas, que possuem determinado estágio de desenvolvimento conforme a época. - A ideia de “forças produtivas” resume os elementos essenciais à produção (tecnologia, instrumentos, matéria-prima etc.) e as “relações sociais de produção” dizem respeito ao modo como os meios de produção são distribuídos e o produto é apropriado;
  • 15. Modos de produção e mudança social - Da conjunção entre certa organização de forças produtivas e relações sociais de produção resulta determinado modo de produção (por exemplo, o capitalismo) e é a partir da sucessão entre modos de produção que se dá a mudança histórica, segundo Marx.
  • 16. A “luta de classes” como motor (e lei) da história - Se é a sucessão entre os modos de produção que gera a mudança histórica e social, o que faz com que um modo de produção supere outro? Segundo Marx, isso ocorre devido à luta de classes; - A luta de classes seria, então, o motor da história, sendo um conceito que permitiria compreender o passado e o futuro da humanidade (até a síntese final que seria o “comunismo”);
  • 17. A “luta de classes” como motor (e lei) da história - A luta de classes pode ser definida como as relações de antagonismo existentes entre classes sociais (a dominante e a explorada), que levam a uma superação dialética no plano da história, em outro estágio; Fonte: https://www.youtube.com/watch? v=EaVbYyky-Bw
  • 18. A “luta de classes” como motor (e lei) da história - São exemplos de situações de lutas de classe (e correspondentes modos de produção): escravos e patrícios na Antiguidade (escravismo), servos e senhores feudais (feudalismo), trabalhadores e capitalistas (capitalismo). Grosso modo, no esquema dicotômico apresentado, a classe dominante é a proprietária dos meios de produção, ao contrário da classe explorada;
  • 19. A “luta de classes” como motor (e lei) da história - É no sentido exposto que Marx afirma no Manifesto Comunista que toda história humana tinha sido a história da luta de classes, na qual a classe explorada era a agente de mudança. Manifesto Comunista (1848) Fonte: Wikipédia
  • 20. A crítica do capitalismo em Marx - Marx dedicou grande parte de sua obra – principalmente seu trabalho mais elaborado, O Capital (Livro 1 – 1867) – à análise do capitalismo; - De um lado, Marx reconhecia o caráter revolucionário, dentro da história humana, desse modo de produção e o papel da burguesia no mesmo; - De outro lado, criticava os aspectos alienantes e antiemancipação humana que observara, afirmando que o estágio de superação do capitalismo e consequentes relações sociais – via luta de classe – seria a posterior sociedade sem classes do “comunismo” (após a “ditadura do proletariado” e o socialismo que a vitória dos explorados pelo capitalismo produziria);
  • 21. A crítica do capitalismo em Marx - Um dos pontos criticados por Marx no capitalismo era a alienação que o sistema produzia no trabalhador, já que este: :: Não se reconhecia nos produtos que elaborava, :: Perdia o domínio em relação às condições do trabalho (que poderia sequer ser compreendido pelo ele), sendo sua energia mental e física sugada por atividades que não lhe diziam respeito e, :: Por fim, o capitalismo fazia com que o trabalho humano – o que distingue os homens dos animais – não fosse livre, passando a ser algo apenas ligado à sobrevivência. - Assim, Marx acreditava que a existência humana degradava-se, em função do capitalista só reconhecer o homem enquanto um ser a explorar. O desempregado, o miserável e o doente eram vistos como “fantasmas” inúteis para o capitalista;
  • 22. A crítica do capitalismo em Marx - Ao não reconhecer a humanidade de todos os homens, o próprio burguês estaria desumanizando-se. Por isso, a transformação no modo de produção (rumo ao socialismo) também emanciparia o capitalista.
  • 23. A “mais-valia” e o “fetichismo da mercadoria” - O capitalismo, para Marx, era o reino da mercadoria, sendo esta uma categoria central desse sistema, e toda mercadoria possuiria dois tipos de valor: :: Valor de uso, correspondente ao tipo de necessidade a que ela responde (comer, vestir etc.) e :: Valor de troca, que é derivado do tempo de trabalho socialmente necessário para produzir a mercadoria; - Assim, no mercado do capitalismo, as trocas são regidas por essa abstração do trabalho humano (“valor de troca”) e, mesmo, do valor de uso; - Como para Marx o trabalho é a única fonte de geração do valor, e o trabalhador vende sua força de trabalho (uma mercadoria) por um valor menor do que aquele que cria, essa diferença gera a “mais valia” que é apropriada pelo capitalista, tornando-se parte da riqueza do mesmo. Essa taxa de exploração do trabalhador é mascarada pela ideologia igualitária do
  • 24. A “mais-valia” e o “fetichismo da mercadoria” - Ao mesmo tempo, a ideologia capitalista, segundo Marx, obscurece a relação (homens/trabalho) que existe na troca de mercadorias, alienando os homens de suas reais relações (humanas) no mercado; - Desse modo, parece a muitas pessoas que as mercadorias possuem vida própria, uma relação mágica entre si. Isso é o que Marx chamou de o “fetichismo da mercadoria”, que faz com que os valores pareçam uma propriedade natural das coisas; - “Através da forma fixa em valor-dinheiro, o caráter social dos trabalhos privados e as relações entre os produtores se obscurecem. É como se um véu nublasse a percepção da vida social materializada na forma dos objetos, dos produtos do trabalho e de seu valor” (Oliveira e Quintaneiro, 2002, 55).
  • 25. O marxismo como teoria crítica revolucionária - Ao dedicar-se à crítica do capitalismo a obra marxista buscou afirmou-se como um meio para a tomada de consciência necessária para o fim da exploração capitalista, ou seja, uma teoria voltada à praxis; - O fim do capitalismo, que traria em si seus elementos de superação, seria inevitável, segundo o modelo histórico marxista, e o grupo social que mudaria a realidade seria aquele em situação de antagonismo com a burguesia dominante: o proletariado; - É famosa, como uma síntese do que imaginava ser a tarefa de sua filosofia, a frase de Marx: “os filósofos até agora apenas interpretaram o mundo, de vários modos; agora é preciso transformá-lo”.
  • 26. Críticas ao marxismo - O pensamento de Marx recebeu muitas críticas e ainda recebe (sobretudo com o fim do chamado “socialismo real”), porém sua obra não deixa de ocupar um lugar de referência no pensamento social; - Entre as restrições à reflexão de Marx, destacam- se a posição do filósofo Karl Popper (1902-1994), que critica o “historicismo” de Marx, que prejudicaria sua compreensão científica da realidade;
  • 27. Críticas ao marxismo - Outra crítica (senão ao marxismo, pelo menos a suas implicações na realidade) é o fato, destacado por filósofos da Escola de Frankfurt, que o proletariado dos países desenvolvidos, graças às políticas de distribuição de renda e bem-estar social, deixara de ser um agente interessado na revolução. Esse grupo estaria, desde meados do século XX, na verdade, bem integrado ao sistema capitalista (embora numa posição subalterna e alienada, para os frankfurtianos); - Também importante, em termos das críticas recebidas pelo marxismo, é a questão do determinismo econômico que estaria embutido no esquema explicativo de Marx.
  • 28. Referências LÖWY, Michel. Marxismo. In: ____. Ideologia e Ciência Social: elementos para uma análise marxista. São Paulo: Cortez, 1991. p. 93-112. OLIVEIRA, Márcia Gardênia Monteiro e QUINTANEIRO, Tania. Karl Marx. In: QUINTANEIRO, Tânia et al. Um toque de clássicos, Belo Horizonte, Ed. UFMG. p. 27-66, 2002.