SlideShare uma empresa Scribd logo
KARL MARX
A VIDA DE MARX

Karl Marx nasceu em Trier, na Alemanha, filho de um advogado. Por um certo período pareceu seguir os passos do pai, mas em 1836
Marx trocou o curso de direito pelo de Filosofia na Universidade de Berlim. Marx escreveu uma tese de doutorado sobre Demócrito e
Epicuro - os materialistas da Antiguidade. Marx mais tarde formularia sua própria concepção do "materialismo histórico".

No entanto, a carreira de Marx como filósofo acadêmico teve uma vida curta. Quando Friedrich Wilhelm IV subiu ao poder, em 1840, o
movimento jovem hegeliano, do qual Marx fazia parte, foi alvo de criticas. Marx casou-se em 1843 e passou alguns anos na França,
Bélgica e Alemanha, editando publicações políticas radicais. Ainda em Paris, participou do movimento da classe trabalhadora e
desenvolveu um profundo interesse pela economia.

Em 1848, Marx ajudou a fundar a Liga Comunista e publicou O manifesto comunista. Após a publicação, Marx foi expulso da Prússia
e se mudou para Londres, onde ele e a família passaram a viver em condições de extrema pobreza. Três dos seis filhos morreram e a
saúde de Marx se deteriorou gravemente. Mesmo assim, continuou a escrever e permaneceu politicamente ativo, fundando em 1864 e
Associação dos Trabalhadores.

Em 1867 foi publicado o primeiro volume de O capital, sua obra mais importante sobre o capitalismo. Dois outros volumes foram
publicados apos sua morte, em 1883.

FILOSOFIA PRÁTICA

O pensamento de Marx tinha um objetivo pratico - ou político. Ele não foi apenas filosofo, mas também historiador, sociólogo e
economista.

Nenhum outro filosofo teve maior importância para a política. É preciso, no entanto, ter cautela para não identificar com o pensamento
de Marx tudo o que é chamado de marxismo. Há quem diga que Marx só teria se tornado marxista na metade da década de 1840,
mas mesmo depois disso ele às vezes sentiu a necessidade de afirmar que não era marxista.

Desde o inicio, o amigo e colega Friedrich Engels contribuiu para que mais tarde, ficou conhecido como marxismo. Em nosso século,
Lênin, Stalin, Mao Tse-Tung e muitos outros também contribuíram para o marxismo, ou o marxismo-leninismo.

MARX E A HISTÓRIA

Marx não era um materialista filosófico como os atomistas da Antiguidade que ele estudara, nem defendeu o materialismo mecanicista
dos séculos XVII e XVIII. Mas ele achava que, em grande parte, os fatores materiais na sociedade é que determinariam nosso
modo de pensar.

Hegel assinalou que o desenvolvimento histórico seria impulsionado pela tensão entre opostos - a qual seria, então, resolvida por uma
mudança repentina. Marx desenvolveu essa idéia ainda mais. Mas, de acordo com Marx, Hegel via as coisas de cabeça para baixo.
Hegel chamou essa força que impulsiona a história de espírito universal, ou razão universal.

Marx afirmou, essa concepção estaria invertida. Ele queria mostrar que as mudanças materiais é que afetariam a historia. As
"relações espirituais" não criariam uma mudança material; o oposto, sim, é o que aconteceria. A mudança material criaria novas
relações espirituais. Marx salientou, em especial, que as forças econômicas na sociedade criariam a mudança e, com isso, impeliria
a história para diante.

A filosofia e a ciência da Antiguidade tinham propósitos puramente teóricos. Ninguém estava particularmente interessado em colocar
novas descobertas em pratica. Iss se devia ao modo como a vida econômica da comunidade se organizava. A produção se baseava
principalmente no trabalho escravo, de modo que os cidadãos não tinham necessidade de aumentar a produção com inovações
praticas.

Marx chamou essas relações materiais, econômicas e sociais de base ou infraestrutura da sociedade. Ao modo de uma sociedade
pensar, suas instituições políticas, suas leis e ate mesmo sua religião, moral, arte, filosofia e ciência, Marx chamaram de
superestrutura da sociedade.

AS BASES DA SOCIEDADE

Marx identificou três níveis nas bases da sociedade. O nível mais básico e o que podemos chamar de condição de produção da
sociedade. Em outras palavras, as condições ou recursos naturais disponíveis. Elas são o alicerce de qualquer sociedade, e,
claramente, refletem seu tipo de produção sua natureza e sua cultura em geral. Não se pode ter um comércio de arenque no Saara,
ou plantar tâmaras na Noruega. O modo de pensar dos povos em sua cultura normanda é muito diferente do modo de pensar em uma
vila de pescadores na Noruega.

O nível seguinte é os meios de produção da sociedade. Por esse nível Marx entendia os vários tipos de equipamentos, ferramentas
e máquinas que a produção emprega, além das matérias-primas disponíveis.

O terceiro nível na base da sociedade se refere ao controle dos meios de produção. A divisão de trabalho, ou a distribuição de
trabalho, e as relações de posse constituem o que Marx chamou de "relações de produção" da sociedade.



                                                                  1
Marx concluiu que o modo de produção em uma sociedade determina as condições políticas e ideológicas nela encontradas. Não
seria por acaso que, hoje pensamos de uma maneira diferente - e possuímos um código moral diferente - das pessoas que viviam na
antiga sociedade feudal.

TRABALHO

Antes de se tornar comunista, o jovem Marx se preocupava com o que acontece com o homem quando ele trabalha. Hegel acreditava
que, quando trabalha, o homem interage e a transforma. Mas, ao mesmo tempo, a Natureza também interage com o homem e
transforma sua consciência. Assim, a forma de pensar do homem está intimamente ligada ao trabalho que ele faz.

Para Hegel e Marx, o trabalho seria algo positivo, intimamente relacionado com a essência da humanidade. Uma pessoa
desempregada está, de certo modo, vazia. Ser trabalhador seria, por isso, muito positivo.

No sistema capitalista, o trabalhador trabalha para outra pessoa. O trabalho é, portanto, algo exterior a ele - ou algo que não pertence
a ele. Para Marx, isso faria o trabalhador se tornar alheio ao trabalho - e o mesmo tempo alheio a si mesmo. Ele se tornaria alienado.
Para Marx, isso era inaceitável.

Em uma sociedade capitalista, o trabalho é organizado de tal modo que os trabalhadores ou o proletariado seriam na verdade
escravos de uma outra classe social - a burguesia. Na época de Marx, o trabalhador chegava a ter uma jornada de trabalho de doze
horas por dia, nas piores condições de trabalho. O salário em geral era tão baixo que crianças e mulheres grávidas também tinham de
trabalhar. Isso gerou péssimas condições sociais. Em muitos lugares, parte do salário era paga em forma de bebida alcoólica barata,
e as mulheres tinham de se prostituir para completar o ordenado. O trabalhador tinha se transformado em besta de carga.

A primeira frase de O manifesto comunista, que Marx publicou com Engels em 1848, diz: "Um espectro assombra a Europa - o
espectro do comunismo".
Isso amedrontou a burguesia, pois agora o proletário começava a rebelar-se. O manifesto termina assim:

"Os comunistas detestam ocultar suas idéias e seus objetivos. Eles declaram abertamente que seus objetivos só podem ser
alcançados pela violenta derrocada de todas as condições sociais existentes. Que as classes dominantes estremeçam diante de uma
revolução comunista. Os proletários nada têm a perder a não ser a servidão. Eles têm um mundo a conquistar. Trabalhadores de todo
mundo, uni-vos!"

EXPLORAÇAO

Se um trabalhador produz uma mercadoria, ela tem um determinado valor de venda. Se deduzirmos do valor de venda os salários dos
trabalhadores e os custos de outros produtos, sempre irá restar certa quantia. Essa quantia Marx chamou de lucro. Em outras
palavras, o capitalismo embolsa um valor que, na verdade, foi gerado pelo trabalhador. É isso o que quer dizer exploração.

O capitalista então investe uma parte do lucro em novo capital - por exemplo, na modernização das máquinas e instalações da fabrica
na esperança de produzir mercadorias ainda mais baratas, e com isso aumentar os lucros no futuro. Isso parece lógico, mas, em
longo prazo, as coisas não acontecem como o capitalismo imagina.

Marx estava convencido de que haveria uma serie de contradições no método capitalista de produção. Para ele, o capitalismo seria
um sistema econômico autodrestrutivo, porque desprovido de controle racional. Faria parte do sistema capitalista ir ao encontro de
sua própria destruição. Nesse sentido, o capitalismo seria "progressista", por ser uma etapa no caminho do comunismo.

Imagine que o capitalista tenha dinheiro sobrando e usa parte dessa sobra para modernizar sua fábrica. Ele compra maquinário novo
para aumentar seu próprio poder de competição e, por isso, não precisa mais de tantos empregados.

Acontece que ele não é o único a pensar assim. O que significa que a produção como um todo vai se tornando mais eficiente. As
fábricas ficam cada vez maiores e, pouco a pouco, vão sendo concentradas nas mãos de uma minoria. Como conseqüência, cada vez
menos trabalhadores são necessários, o que resulta em mais e mais desempregados. Aumentam, portanto, os problemas sociais.
Para Marx, crises como essas seriam um sinal de que o capitalismo estaria marchando rumo à própria destruição.

Na descrição de Marx, o capitalismo possuiria vários outros elementos autodestrutivos. Sempre que o lucro for investido nos meios de
produção, sem que haja um excedente suficiente para garantia a continuidade da produção a preços competitivos, o dono da fábrica
terá de baixar salários a fim de poder comprar matérias-primas para a produção. Quando isso ocorre em grande escala, os
trabalhadores empobrecem tanto que não podem comprar mercadorias. Com a queda do poder de compra, o colapso do sistema se
torna iminente. Surgiria assim uma situação revolucionaria.

APÓS A REVOLUÇAO

Marx previu que na primeira etapa apos uma revolução surgiria uma nova "sociedade de classes" na qual os proletários subjugariam a
burguesia pela força. Marx chamou a isso de ditadura do proletariado. Mas, após um período de transição, essa ditadura daria lugar
a uma "sociedade sem classes", na qual os meios de produção pertenceriam "a todos" - ou seja, ao próprio.




                                                                   2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sociologia marxista
A sociologia marxistaA sociologia marxista
A sociologia marxista
richard_romancini
 
Karlmarx engenharias
Karlmarx   engenhariasKarlmarx   engenharias
Karlmarx engenharias
Denise Pereira
 
Marks e educacao
Marks e educacaoMarks e educacao
Marx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científicoMarx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científico
Alison Nunes
 
Karl Marx - O capital
Karl Marx - O capitalKarl Marx - O capital
Karl Marx - O capital
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Karl Max
Karl MaxKarl Max
Karl Max
Matias Silva
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Tamires Deolin
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
Arare Carvalho Júnior
 
Marx e Pedagogia Moderna
Marx e Pedagogia ModernaMarx e Pedagogia Moderna
Marx e Pedagogia Moderna
Joselaine
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-políticaMarx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Mayara Dos Santos
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Alexandre Protásio
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
Lyssa Martins
 
Karl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria CríticaKarl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria Crítica
tiaozinhobacada
 
I Explici..
I Explici..I Explici..
I Explici..
guest1c29c31
 
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismoKARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
Meg Rioko Chan
 
ideologia_alema
ideologia_alemaideologia_alema
ideologia_alema
guesteeba0d
 
Marx
MarxMarx
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Matheus Fellipe
 

Mais procurados (20)

A sociologia marxista
A sociologia marxistaA sociologia marxista
A sociologia marxista
 
Karlmarx engenharias
Karlmarx   engenhariasKarlmarx   engenharias
Karlmarx engenharias
 
Marks e educacao
Marks e educacaoMarks e educacao
Marks e educacao
 
Marx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científicoMarx e o socialismo científico
Marx e o socialismo científico
 
Karl Marx - O capital
Karl Marx - O capitalKarl Marx - O capital
Karl Marx - O capital
 
Karl Max
Karl MaxKarl Max
Karl Max
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
 
Marx e Pedagogia Moderna
Marx e Pedagogia ModernaMarx e Pedagogia Moderna
Marx e Pedagogia Moderna
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
 
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-políticaMarx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
 
Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
 
Karl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria CríticaKarl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria Crítica
 
I Explici..
I Explici..I Explici..
I Explici..
 
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismoKARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
 
ideologia_alema
ideologia_alemaideologia_alema
ideologia_alema
 
Marx
MarxMarx
Marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 

Destaque

Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009
Governo do Estado de São Paulo
 
Doc Fotografias
Doc FotografiasDoc Fotografias
Doc Fotografias
carlosrobertopereira
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
mara0683
 
Classificados Café
Classificados CaféClassificados Café
Classificados Café
BeefPoint
 
resultados 1ª
resultados 1ªresultados 1ª
resultados 1ª
guest6d826e
 
Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009
Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009
Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009
Governo do Estado de São Paulo
 
Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009
Governo do Estado de São Paulo
 
Primera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica Empleada
Primera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica EmpleadaPrimera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica Empleada
Primera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica Empleada
Marcos Nicola Rodas Feliciotti
 
Jogos Florais
Jogos FloraisJogos Florais
Jogos Florais
ineslimonete
 
Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009
Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009
Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009
Governo do Estado de São Paulo
 
Cartaz Folga Qg 210110
Cartaz Folga Qg 210110Cartaz Folga Qg 210110
Cartaz Folga Qg 210110
cenlf
 
ComentáRio à Tabela De
ComentáRio à Tabela DeComentáRio à Tabela De
ComentáRio à Tabela De
MLurdesAlmeida
 
Julieta
JulietaJulieta
Julieta
pertileivan
 
F L O R E N C I A
F L O R E N C I AF L O R E N C I A
F L O R E N C I A
jesus
 
Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009
Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009
Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009
Governo do Estado de São Paulo
 
Florencia
FlorenciaFlorencia
Florencia
klaryyarley
 
Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009
Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009
Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009
Governo do Estado de São Paulo
 
EU SectorLex - Diplohack Brussels
EU SectorLex - Diplohack BrusselsEU SectorLex - Diplohack Brussels
EU SectorLex - Diplohack Brussels
Open Knowledge Belgium
 

Destaque (18)

Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Ribeirão Preto - Setembro de 2009
 
Doc Fotografias
Doc FotografiasDoc Fotografias
Doc Fotografias
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Classificados Café
Classificados CaféClassificados Café
Classificados Café
 
resultados 1ª
resultados 1ªresultados 1ª
resultados 1ª
 
Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009
Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009
Boletim informativo de Santos - Novembro de 2009
 
Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009
Boletim Informativo de Taubaté - Setembro de 2009
 
Primera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica Empleada
Primera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica EmpleadaPrimera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica Empleada
Primera Presidencia Peron, Analisis y Critica a Política Económica Empleada
 
Jogos Florais
Jogos FloraisJogos Florais
Jogos Florais
 
Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009
Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009
Boletim Informativo de Itaquaquecetuba – Agosto/2009
 
Cartaz Folga Qg 210110
Cartaz Folga Qg 210110Cartaz Folga Qg 210110
Cartaz Folga Qg 210110
 
ComentáRio à Tabela De
ComentáRio à Tabela DeComentáRio à Tabela De
ComentáRio à Tabela De
 
Julieta
JulietaJulieta
Julieta
 
F L O R E N C I A
F L O R E N C I AF L O R E N C I A
F L O R E N C I A
 
Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009
Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009
Boletim Informativo de Presidente Prudente – Agosto/2009
 
Florencia
FlorenciaFlorencia
Florencia
 
Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009
Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009
Boletim Informativo de Limeira – Agosto/2009
 
EU SectorLex - Diplohack Brussels
EU SectorLex - Diplohack BrusselsEU SectorLex - Diplohack Brussels
EU SectorLex - Diplohack Brussels
 

Semelhante a marxismo

Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
Josias Vitor
 
Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]
Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]
Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]
LukasSeize
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Lenin
ujcpe
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matéria3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matéria
takahico
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
UJS_Maringa
 
KARL MARX
KARL MARXKARL MARX
KARL MARX
Thiago Pereira
 
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARXA CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
HisrelBlog
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
amorimanamaria
 
slide 2 (karl Marx).pptx
slide 2 (karl Marx).pptxslide 2 (karl Marx).pptx
slide 2 (karl Marx).pptx
LinaKelly3
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
Tiago de Melo
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Eduaardo Mendes
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
Ronaldo Silva
 
Karl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistasKarl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistas
espacoaberto
 
Cap 17 Marxismo
Cap 17   MarxismoCap 17   Marxismo
Cap 17 Marxismo
José Ferreira Júnior
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
Ana
 
Marx para ensino médio
Marx para ensino médioMarx para ensino médio
Marx para ensino médio
Gustavo Sociologia
 
Slides soc ger_soc_classica
Slides soc ger_soc_classicaSlides soc ger_soc_classica
Slides soc ger_soc_classica
Delziene Jesus
 
As bases ideológicas do socialismo
As bases ideológicas do socialismoAs bases ideológicas do socialismo
As bases ideológicas do socialismo
Victor Said
 

Semelhante a marxismo (20)

Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
 
Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]
Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]
Aula de sociologia_marx_[modo_de_compatibilidade]
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Lenin
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
Aula Karl Marx
 
3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matéria3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matéria
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
 
KARL MARX
KARL MARXKARL MARX
KARL MARX
 
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARXA CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
A CONCEPÇÃO FILO/SOCIOLÓGICA DE KARL MARX
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
 
slide 2 (karl Marx).pptx
slide 2 (karl Marx).pptxslide 2 (karl Marx).pptx
slide 2 (karl Marx).pptx
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
 
Karl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistasKarl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistas
 
Cap 17 Marxismo
Cap 17   MarxismoCap 17   Marxismo
Cap 17 Marxismo
 
Cultura e ação apresentação
Cultura e ação   apresentaçãoCultura e ação   apresentação
Cultura e ação apresentação
 
Marx para ensino médio
Marx para ensino médioMarx para ensino médio
Marx para ensino médio
 
Slides soc ger_soc_classica
Slides soc ger_soc_classicaSlides soc ger_soc_classica
Slides soc ger_soc_classica
 
As bases ideológicas do socialismo
As bases ideológicas do socialismoAs bases ideológicas do socialismo
As bases ideológicas do socialismo
 

Mais de Jorge Miklos

Pink floyd
Pink floydPink floyd
Pink floyd
Jorge Miklos
 
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
Jorge Miklos
 
O imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicaçãoO imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicação
Jorge Miklos
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
Jorge Miklos
 
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._iCastells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Jorge Miklos
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
Jorge Miklos
 
DE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁDE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁ
Jorge Miklos
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratização
Jorge Miklos
 
A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)
Jorge Miklos
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Jorge Miklos
 
A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)
Jorge Miklos
 
República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)
Jorge Miklos
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilização
Jorge Miklos
 
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismoA organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismoJorge Miklos
 
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do SagradoSacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Jorge Miklos
 
Absolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesaAbsolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesa
Jorge Miklos
 
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesasAbsolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
Jorge Miklos
 
A aurora do homem
A aurora do homemA aurora do homem
A aurora do homem
Jorge Miklos
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Jorge Miklos
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Jorge Miklos
 

Mais de Jorge Miklos (20)

Pink floyd
Pink floydPink floyd
Pink floyd
 
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
 
O imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicaçãoO imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicação
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._iCastells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
 
DE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁDE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁ
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratização
 
A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)
 
República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilização
 
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismoA organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
 
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do SagradoSacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
 
Absolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesaAbsolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesa
 
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesasAbsolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
 
A aurora do homem
A aurora do homemA aurora do homem
A aurora do homem
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 

Último

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 

Último (7)

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 

marxismo

  • 1. KARL MARX A VIDA DE MARX Karl Marx nasceu em Trier, na Alemanha, filho de um advogado. Por um certo período pareceu seguir os passos do pai, mas em 1836 Marx trocou o curso de direito pelo de Filosofia na Universidade de Berlim. Marx escreveu uma tese de doutorado sobre Demócrito e Epicuro - os materialistas da Antiguidade. Marx mais tarde formularia sua própria concepção do "materialismo histórico". No entanto, a carreira de Marx como filósofo acadêmico teve uma vida curta. Quando Friedrich Wilhelm IV subiu ao poder, em 1840, o movimento jovem hegeliano, do qual Marx fazia parte, foi alvo de criticas. Marx casou-se em 1843 e passou alguns anos na França, Bélgica e Alemanha, editando publicações políticas radicais. Ainda em Paris, participou do movimento da classe trabalhadora e desenvolveu um profundo interesse pela economia. Em 1848, Marx ajudou a fundar a Liga Comunista e publicou O manifesto comunista. Após a publicação, Marx foi expulso da Prússia e se mudou para Londres, onde ele e a família passaram a viver em condições de extrema pobreza. Três dos seis filhos morreram e a saúde de Marx se deteriorou gravemente. Mesmo assim, continuou a escrever e permaneceu politicamente ativo, fundando em 1864 e Associação dos Trabalhadores. Em 1867 foi publicado o primeiro volume de O capital, sua obra mais importante sobre o capitalismo. Dois outros volumes foram publicados apos sua morte, em 1883. FILOSOFIA PRÁTICA O pensamento de Marx tinha um objetivo pratico - ou político. Ele não foi apenas filosofo, mas também historiador, sociólogo e economista. Nenhum outro filosofo teve maior importância para a política. É preciso, no entanto, ter cautela para não identificar com o pensamento de Marx tudo o que é chamado de marxismo. Há quem diga que Marx só teria se tornado marxista na metade da década de 1840, mas mesmo depois disso ele às vezes sentiu a necessidade de afirmar que não era marxista. Desde o inicio, o amigo e colega Friedrich Engels contribuiu para que mais tarde, ficou conhecido como marxismo. Em nosso século, Lênin, Stalin, Mao Tse-Tung e muitos outros também contribuíram para o marxismo, ou o marxismo-leninismo. MARX E A HISTÓRIA Marx não era um materialista filosófico como os atomistas da Antiguidade que ele estudara, nem defendeu o materialismo mecanicista dos séculos XVII e XVIII. Mas ele achava que, em grande parte, os fatores materiais na sociedade é que determinariam nosso modo de pensar. Hegel assinalou que o desenvolvimento histórico seria impulsionado pela tensão entre opostos - a qual seria, então, resolvida por uma mudança repentina. Marx desenvolveu essa idéia ainda mais. Mas, de acordo com Marx, Hegel via as coisas de cabeça para baixo. Hegel chamou essa força que impulsiona a história de espírito universal, ou razão universal. Marx afirmou, essa concepção estaria invertida. Ele queria mostrar que as mudanças materiais é que afetariam a historia. As "relações espirituais" não criariam uma mudança material; o oposto, sim, é o que aconteceria. A mudança material criaria novas relações espirituais. Marx salientou, em especial, que as forças econômicas na sociedade criariam a mudança e, com isso, impeliria a história para diante. A filosofia e a ciência da Antiguidade tinham propósitos puramente teóricos. Ninguém estava particularmente interessado em colocar novas descobertas em pratica. Iss se devia ao modo como a vida econômica da comunidade se organizava. A produção se baseava principalmente no trabalho escravo, de modo que os cidadãos não tinham necessidade de aumentar a produção com inovações praticas. Marx chamou essas relações materiais, econômicas e sociais de base ou infraestrutura da sociedade. Ao modo de uma sociedade pensar, suas instituições políticas, suas leis e ate mesmo sua religião, moral, arte, filosofia e ciência, Marx chamaram de superestrutura da sociedade. AS BASES DA SOCIEDADE Marx identificou três níveis nas bases da sociedade. O nível mais básico e o que podemos chamar de condição de produção da sociedade. Em outras palavras, as condições ou recursos naturais disponíveis. Elas são o alicerce de qualquer sociedade, e, claramente, refletem seu tipo de produção sua natureza e sua cultura em geral. Não se pode ter um comércio de arenque no Saara, ou plantar tâmaras na Noruega. O modo de pensar dos povos em sua cultura normanda é muito diferente do modo de pensar em uma vila de pescadores na Noruega. O nível seguinte é os meios de produção da sociedade. Por esse nível Marx entendia os vários tipos de equipamentos, ferramentas e máquinas que a produção emprega, além das matérias-primas disponíveis. O terceiro nível na base da sociedade se refere ao controle dos meios de produção. A divisão de trabalho, ou a distribuição de trabalho, e as relações de posse constituem o que Marx chamou de "relações de produção" da sociedade. 1
  • 2. Marx concluiu que o modo de produção em uma sociedade determina as condições políticas e ideológicas nela encontradas. Não seria por acaso que, hoje pensamos de uma maneira diferente - e possuímos um código moral diferente - das pessoas que viviam na antiga sociedade feudal. TRABALHO Antes de se tornar comunista, o jovem Marx se preocupava com o que acontece com o homem quando ele trabalha. Hegel acreditava que, quando trabalha, o homem interage e a transforma. Mas, ao mesmo tempo, a Natureza também interage com o homem e transforma sua consciência. Assim, a forma de pensar do homem está intimamente ligada ao trabalho que ele faz. Para Hegel e Marx, o trabalho seria algo positivo, intimamente relacionado com a essência da humanidade. Uma pessoa desempregada está, de certo modo, vazia. Ser trabalhador seria, por isso, muito positivo. No sistema capitalista, o trabalhador trabalha para outra pessoa. O trabalho é, portanto, algo exterior a ele - ou algo que não pertence a ele. Para Marx, isso faria o trabalhador se tornar alheio ao trabalho - e o mesmo tempo alheio a si mesmo. Ele se tornaria alienado. Para Marx, isso era inaceitável. Em uma sociedade capitalista, o trabalho é organizado de tal modo que os trabalhadores ou o proletariado seriam na verdade escravos de uma outra classe social - a burguesia. Na época de Marx, o trabalhador chegava a ter uma jornada de trabalho de doze horas por dia, nas piores condições de trabalho. O salário em geral era tão baixo que crianças e mulheres grávidas também tinham de trabalhar. Isso gerou péssimas condições sociais. Em muitos lugares, parte do salário era paga em forma de bebida alcoólica barata, e as mulheres tinham de se prostituir para completar o ordenado. O trabalhador tinha se transformado em besta de carga. A primeira frase de O manifesto comunista, que Marx publicou com Engels em 1848, diz: "Um espectro assombra a Europa - o espectro do comunismo". Isso amedrontou a burguesia, pois agora o proletário começava a rebelar-se. O manifesto termina assim: "Os comunistas detestam ocultar suas idéias e seus objetivos. Eles declaram abertamente que seus objetivos só podem ser alcançados pela violenta derrocada de todas as condições sociais existentes. Que as classes dominantes estremeçam diante de uma revolução comunista. Os proletários nada têm a perder a não ser a servidão. Eles têm um mundo a conquistar. Trabalhadores de todo mundo, uni-vos!" EXPLORAÇAO Se um trabalhador produz uma mercadoria, ela tem um determinado valor de venda. Se deduzirmos do valor de venda os salários dos trabalhadores e os custos de outros produtos, sempre irá restar certa quantia. Essa quantia Marx chamou de lucro. Em outras palavras, o capitalismo embolsa um valor que, na verdade, foi gerado pelo trabalhador. É isso o que quer dizer exploração. O capitalista então investe uma parte do lucro em novo capital - por exemplo, na modernização das máquinas e instalações da fabrica na esperança de produzir mercadorias ainda mais baratas, e com isso aumentar os lucros no futuro. Isso parece lógico, mas, em longo prazo, as coisas não acontecem como o capitalismo imagina. Marx estava convencido de que haveria uma serie de contradições no método capitalista de produção. Para ele, o capitalismo seria um sistema econômico autodrestrutivo, porque desprovido de controle racional. Faria parte do sistema capitalista ir ao encontro de sua própria destruição. Nesse sentido, o capitalismo seria "progressista", por ser uma etapa no caminho do comunismo. Imagine que o capitalista tenha dinheiro sobrando e usa parte dessa sobra para modernizar sua fábrica. Ele compra maquinário novo para aumentar seu próprio poder de competição e, por isso, não precisa mais de tantos empregados. Acontece que ele não é o único a pensar assim. O que significa que a produção como um todo vai se tornando mais eficiente. As fábricas ficam cada vez maiores e, pouco a pouco, vão sendo concentradas nas mãos de uma minoria. Como conseqüência, cada vez menos trabalhadores são necessários, o que resulta em mais e mais desempregados. Aumentam, portanto, os problemas sociais. Para Marx, crises como essas seriam um sinal de que o capitalismo estaria marchando rumo à própria destruição. Na descrição de Marx, o capitalismo possuiria vários outros elementos autodestrutivos. Sempre que o lucro for investido nos meios de produção, sem que haja um excedente suficiente para garantia a continuidade da produção a preços competitivos, o dono da fábrica terá de baixar salários a fim de poder comprar matérias-primas para a produção. Quando isso ocorre em grande escala, os trabalhadores empobrecem tanto que não podem comprar mercadorias. Com a queda do poder de compra, o colapso do sistema se torna iminente. Surgiria assim uma situação revolucionaria. APÓS A REVOLUÇAO Marx previu que na primeira etapa apos uma revolução surgiria uma nova "sociedade de classes" na qual os proletários subjugariam a burguesia pela força. Marx chamou a isso de ditadura do proletariado. Mas, após um período de transição, essa ditadura daria lugar a uma "sociedade sem classes", na qual os meios de produção pertenceriam "a todos" - ou seja, ao próprio. 2