SlideShare uma empresa Scribd logo
Noções de Teoria Geral
da Administração
(TGA)
Prof. Carlos Nascimento
1º Ano - 2013
1
Conhecimento Administrativo
(Antes do Século XX)
Evidências e Influências

2
Nada existe de rígido ou de
absoluto em matéria
administrativa. Tudo em
Administração é questão de
medida, de ponderação e
de bom senso.
3
GRANDES CIVILIZAÇÕES E GRANDES CONSTRUÇÕES EM TODOS OS
CONTINENTES

4
Biblioteca de Alexandria

5
Código de Hamurabi
Buscando garantir o exercício de seu poder
no rico território mesopotâmico, Hamurabi
decidiu empreender uma reforma jurídica
que fixou uma série de importantes
transformações. Até o seu governo, toda a lei
que partia da autoridade real ou traçava as
tradições jurídicas da população era
repassada de boca em boca.

Monólito
basalto do
século II a.C.,
originária de
Susa, em que
está inscrito o
código de
Hamurabi.
Museu do
Louvre, Paris.

Do código de Hamurabi foram traduzidos 281
artigos a respeito de relações de trabalho,
família, propriedade e escravidão. O código é
conhecido por ser o primeiro corpo de leis de
que se tem notícia fundamentado no
princípio da lei de talião, que estabelece a
equivalência da punição em relação ao crime.
O termo talião é originado do latim e significa
tal ou igual, daí a expressão "olho por olho,
dente por dente"
6
A Bíblia
Segundo a tradição, aceita pela maioria dos
cristãos, a Bíblia foi escrita por 40 autores,
entre 1445 e 450 a.C. (livros do Antigo
Testamento) e 45 e 90 d.C. (livros do Novo
Testamento), totalizando um período de quase
1600 anos.
A primeira versão portuguesa da Bíblia surgiu
apenas em 1748, traduzida para o português
por João Ferreira de Almeida. Almeida faleceu
antes de concluir o trabalho, que foi finalizado
por colaboradores holandeses.
É o livro mais vendido de todos os tempos.
No início de 2006, estimava-se existir mais
de 6 bilhões de cópias em todo o mundo
7
O Alcorão
Descreve as origens do Universo, o Homem e
as suas relações entre si e o Criador. Define leis
para a sociedade, moralidade, economia e
muitos outros assuntos. Foi escrito com o
intuito de ser recitado e memorizado. Os
muçulmanos consideram o Alcorão sagrado e
inviolável.
O Alcorão não foi estruturado como
um livro durante parte da vida de Maomé. À
medida que o profeta recebia as revelações,
ele solicitava a jovens letrados que integravam
a sua comitiva que transcrevessem os textos.
pós a morte de Maomé em 632 D.C. iniciou-se
o processo de recolhimento dos vários
extratos.

8
A Arte da Guerra
"Estratégia Militar de Sun Tzu"),
é um tratado militar escrito
durante o século IV a.C. pelo
estrategista conhecido como Sun
Tzu. O tratado é composto por
treze capítulos, cada qual
abordando um aspecto da
estratégia de guerra, de modo a
compor um panorama de todos
os eventos e estratégias que
devem ser abordados em um
combate racional.

A tradução mais divulgada oi realizada em 1772, pelo
padre jesuíta francês Amiot.
9
O Príncipe
É um livro escrito por Nicolau
Maquiavel em 1513, cuja primeira
edição foi publicada postumamente,
em 1532. Trata-se de um dos tratados
políticos mais fundamentais elaborados
pelo pensamento humano, e que tem
papel crucial na construção do conceito
de Estado como modernamente
conhecemos. Descreve as maneiras de
conduzir-se nos negócios públicos
internos e externos, e
fundamentalmente, como conquistar e
manter um principado.

10
PRIMÓRDIOS DA ADMINISTRAÇÃO
A Ciência da Administração é o resultado histórico e
integrado de vários precursores - filósofos, físicos,
economistas, estadistas, empresários e outros - que
no decorrer do tempo foram desenvolvendo e
divulgando suas teorias e trabalhos.
Influência ...
Dos Filósofos
Da Igreja Católica (organização Religiosa)
Da Organização Militar
Da Revolução Industrial

11
Princípios do Método de Descartes
Dúvida sistemática

Análise ou
decomposição
Síntese ou
composição
Enumeração ou
verificação

Não aceitar como verdade,
enquanto não se tiver evidências
de que é verdadeiro.
Dividir o problema para análises
e resoluções separadamente.
Ordenar o pensamento, iniciando
dos assuntos mais fáceis aos
mais difíceis.
Verificação e revisão, garantindo
que nada tenha sido omitido ou
deixado à parte.
12
Os Filósofos
Sócrates: administração como uma
habilidade pessoal separada do
conhecimento técnico e da experiência.
Platão: forma democrática de governo e
de administração pública
Aristóteles: distingue as formas de
administração pública: oligarquia, monarquia
e democracia.
Descartes: Maneira de abordar e
solucionar problemas. Tendência à análise e
à divisão do trabalho.
Karl Marx: O poder político e do Estado
nada mais é do que o fruto da dominação
econômica do homem pelo homem. A
história da humanidade é uma história de
luta de classes.

Sócrates

Platão

Aristóteles

Descartes

Karl Marx
13
O Estado, A Igreja e
A Organização Militar
• As normas administrativas e a
administração pública foram
passando, ao longo do tempo,
dos Estados para a Igreja
Católica e Organização Militar.
• Conceitos sobre estratégia,
planejamento e logística.
• Princípios:
– De direção
• Cada subordinado deve
saber o que fazer e o que
se espera dele.

14
Princípios:
- Hierarquia
• Estruturas organizadas, com
responsabilidades e tarefas próprias
•Centralização e Concentração (Matriz
e Filial)
- Unidade de comando
• Cada subordinado pode ter somente
um superior.

15
História das Organizações Empresariais e
do Mundo do Trabalho
• A organização e a empresa moderna nasceram com a
Revolução Industrial graças:
– à ruptura das estruturas corporativas da Idade Média
– ao avanço tecnológico e sua aplicação à produção
• Com a nova tecnologia dos processos de produção, a
administração e a gerência das empresas passaram a
ser a preocupação maior dos proprietários.
• A prática foi ajudando a selecionar idéias.
• Os modos de produção foram evoluindo.

16
Modo de produção primitivo:
Na comunidade primitiva os homens trabalhavam em
conjunto. Os meios de produção e os frutos do trabalho
eram propriedade coletiva, ou seja, de todos.
Não existia ainda a idéia da propriedade privada dos
meios de produção, nem havia a oposição proprietários x
não proprietários.
As relações de produção eram relações de amizade e
ajuda entre todos; elas eram baseadas na propriedade
coletiva dos meios de produção, a terra em primeiro lugar.
17
Modo de produção
escravista:
O escravo era considerado um instrumento, um objeto,
assim como um semovente ou uma ferramenta.
Assim, no modo de produção escravista, as relações de
produção eram relações de domínio e de sujeição: senhores
x escravos. Um pequeno número de senhores explorava a
massa de escravos, que não tinham nenhum direito.
Os senhores eram proprietários da força de trabalho (os
escravos), dos meios de produção (terras, gado, minas,
instrumentos de produção) e do produto de trabalho.
18
Modo de produção
asiático:
O modo de produção asiático predominou no Egito, na China,
na Índia e também na África do século passado.
A parte produtiva da sociedade era composta pelos escravos,,
e pelos camponeses, que também eram forçados a entregar ao
Estado o que produziam. Fatores que determinaram o fim do
modo de produção asiático:
A propriedade de terra pelos nobres;
O alto custo de manutenção dos setores improdutivos;
A rebelião dos escravos.

19
Modo de produção
feudal:
A sociedade feudal era constituída pelos senhores x servos. Os
servos não eram escravos de seus senhores, pois não eram
propriedade deles. Eles apenas os serviam em troca de casa e
comida. Trabalhavam um pouco para o seu senhor e outro
pouco para eles mesmos.
Num determinado momento, as relações feudais começaram a
dificultar o desenvolvimento das forças produtivas. Como a
exploração sobre a servidão no campo aumentava, o
rendimento da agricultura era cada vez mais baixo. Na cidade, o
crescimento da produtividade dos artesãos era freado pelos
regulamentos existentes e o próprio crescimento das cidades
20
era impedido pela ordem feudal.
Modo de produção
Capitalista:
O que caracteriza o modo de produção capitalista são as relações
assalariadas de produção (trabalho assalariado). As relações de
produção capitalistas baseiam-se na propriedade privada dos meios
de produção pela burguesia, que substituiu a propriedade feudal, e no
trabalho assalariado, que substituiu o trabalho servil do feudalismo. O
capitalismo é movido por lucros, portanto temos duas classes sociais:
a burguesia e os trabalhadores assalariados. Etapas do Capitalismo:
A) Pré-capitalismo: o modo de produção feudal ainda predomina, mas
já se desenvolvem relações capitalistas. B) Capitalismo comercial: a
maior parte dos lucros concentra-se nas mãos dos comerciantes. C)
Capitalismo industrial: com a revolução industrial. D) Capitalismo
financeiro: os bancos e outras instituições financeiras passam a
controlar as demais atividades. econômicas, através de
21
financiamentos.
Modo de produção
socialista:
A base econômica do socialismo é a propriedade social dos
meios de produção, isto é, os meios de produção são públicos
ou coletivos, não existindo empresas privadas. A finalidade da
sociedade socialista é a satisfação completa das necessidades
materiais e culturais da população: emprego, habitação,
educação, saúde. Nela não há separação entre proprietário do
capital (patrão) e proprietários da força do trabalho
(empregados). Isto não quer dizer que não haja diferenças
sociais entre as pessoas, bem como salários desiguais em
função de o trabalho ser manual ou intelectual.
22
História das Organizações Empresariais e
do Mundo do Trabalho
• Na sociedade tribal, a produção de todos,
voltada a obter apenas o necessário para todos,
onde as divisões das tarefas eram
estabelecidas por sexo e idade, está muito mais
relacionada, entendida e identificada como ação
comunitária do que processo e atividade
organizacional do “mundo do trabalho”.

23
História das Organizações Empresariais e
do Mundo do Trabalho
Principais características da Fase Artesanal
Regime de Produção
artesanato rudimentar em pequenas oficinas
agricultura: mão-de-obra intensiva e não qualificada
resquícios do feudalismo e trabalho servil e escravo
utilização de ferramentas ‘toscas’
Sistema Comercial : base de trocas, local e informal.
Corporações de Ofícios: associações que surgiram na Idade
Média, a partir do século XII, para regulamentar o processo
produtivo artesanal nas cidades que contavam com mais de 10 mil
habitantes. Essas unidades de produção artesanal eram marcadas
pela hierarquia (mestres, oficiais e aprendizes) e pelo controle da
técnica de produção das mercadorias pelo produtor.

24
História das Organizações Empresariais e
do Mundo do Trabalho
Principais características da 1a. Revolução Industrial
– Mecanização da indústria e da agricultura
• anteriormente, uso da força humana ou animal
– Aplicação da força motriz à indústria
• máquina à vapor
– Desenvolvimento do sistema fabril
• fim do artesão e sua pequena oficina
• lugar ao operário e às fábricas
– Espetacular aceleramento dos transportes e
comunicações
• Navegação e locomotiva à vapor
25
História das Organizações Empresariais e
do Mundo do Trabalho
• Principais características da 2a. Revolução Industrial
–
–
–
–
–
–
–
–

Substituição do ferro pelo aço
Substituição do vapor pela eletricidade
Desenvolvimento de máquinas automáticas
Especialização do trabalhador
Crescente domínio da indústria pela ciência
Transformações nos transportes e comunicação
Novas formas de organização capitalista
Expansão da industrialização

26
História das Organizações Empresariais e
do Mundo do Trabalho
Fase do gigantismo industrial
( entre as duas Grandes Guerras Mundiais)
Organização e tecnologia avançada para fins bélicos
Empresas atingem proporções enormes com operações de âmbito
nacional e internacional
Predomínio de aplicações técnico-científicas e ênfase em materiais
petroquímicos
Transportes: navegação de grande porte, estradas de ferro e rodovias,
aprimoramento do automóvel e avião
Comunicação: rádio e televisão

27
O conhecimento administrativo: as
Teorias da Administração
• Teoria é um conjunto de afirmações, ou regras, feitas
para registrar o que se percebe como realidade.
• Teorias da Administração são conhecimentos
organizados, produzidos pelas experiências práticas das
organizações.
• O significado da Administração vem sofrendo alterações
de acordo com a Teoria da Administração.
• Cada Teoria da Administração surgiu como uma resposta
aos problemas empresariais mais relevantes da sua
época. Mesmo assim, todas as Teorias são válidas.
• Não há uma Teoria da Administração que seja melhor do
que a outra. Tudo depende de variáveis internas e
externas à organização/administrador.
28
Considerando vários conceitos
podemos definir que:
Administrar é obter resultados através das
atividades das pessoas e da utilização
eficiente e eficaz dos recursos disponíveis,
envolvendo decisões nos processos de
planejamento,
organização,
comando,
controle e coordenação, no sentido de
alcançar metas e objetivos predeterminados,
dentro de um contexto específico.
PROCESSOS ADMINISTRATIVOS – HENRI FAYOL
 Prever (Planejar) : Visualizar o futuro e traçar um plano de ação;
 Organizar: Constituir a estrutura material e humana;
 Comandar: Dirigir e orientar o pessoal;
 Controlar: Verificar que tudo ocorra de acordo com as regras
estabelecidas e as ordens expressas e indicar as devidas correções;
 Coordenar: Ligar, unir, harmonizar todos os recursos e esforços;
(O todo é maior do que a simples soma das suas partes - Aristóteles)

30
Trabalho em Grupo
AP 2º Semestre 2012

31
TEMAS DA ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA
•
•
•
•
•

Adhocracia
Administração Estratégica
Administração Holística
Balanced Scorecard
Benchmarking

• Coaching - Mentoring
• Downsizing
• Empowerment

•
•
•
•
•
•
•
•

Empreendedorismo
Gestão do Conhecimento
Outsourcing
Qualidade Total
Reengenharia
Responsabilidade Social
Toyotismo
Volvismo
Cliente: PJ Empreendimentos Ltda.
Produto: Palestras para novos Executivos.
Seminário: Temas Contemporâneos da Administração.
Empresa Pedagógica
da Fundação Osório
(Consultoria & Serviços Administrativos )
Cliente: PJ Empreendimentos Ltda.
Proposta de Palestras:
Tema1:_____________________
Tema2: _____________________

Tema 2:
Conceito,
Definição Etc.

Tema 1:
Conceito,
Definição Etc.

Tema 2:
Características,
Etc.

Tema 1:
Características,
Etc.

Fontes:
(livros, artigos, sites etc.)
Equipe:
(Turma, nome e número)
Data (Mês/Ano)

Produto: 06 (seis) Slides, conforme o padrão acima,
conforme os assuntos distribuídos (Tema 1 e 2), mais 2
Folhetos / 03 Slides cada.
Empresa Pedagógica
da Fundação Osório
(Consultoria & Serviços Administrativos )
Cliente: PJ Empreendimentos Ltda.
Proposta de Palestras:
Tema1:_____________________
Tema2: _____________________
Tema 1:
Conceito,
Definição Etc.
Tema 1:
Características,
Etc.
Tema 1:
Características,
Etc.
Tema 2:
Características,
Etc.
Fontes:
(livros, artigos, sites etc.)
Equipe:
(Turma, nome e número)
Data (Mês/Ano)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
Gabriel Resende
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
Arare Carvalho Júnior
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Carlo Romani
 
Karlmarx engenharias
Karlmarx   engenhariasKarlmarx   engenharias
Karlmarx engenharias
Denise Pereira
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Fatima Freitas
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
maynara marques
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Alexandre Protásio
 
karl Marx
karl Marxkarl Marx
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociaisKarl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociais
Italo Colares
 
Karl Marx - O capital
Karl Marx - O capitalKarl Marx - O capital
Karl Marx - O capital
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Tamires Deolin
 
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-políticaMarx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Mayara Dos Santos
 
Sociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino MédioSociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino Médio
Matheus Rodrigues
 
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
Isabella Silva
 
Karl marx sociologia
Karl marx   sociologiaKarl marx   sociologia
Karl marx sociologia
Samara Mattos
 
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
Colégio Nova Geração COC
 
Teoria e Pratica - Karl Marx
Teoria e Pratica - Karl MarxTeoria e Pratica - Karl Marx
Teoria e Pratica - Karl Marx
Marcos Nunes
 
Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2
Mariclei2011
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx

Mais procurados (20)

Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
 
Karlmarx engenharias
Karlmarx   engenhariasKarlmarx   engenharias
Karlmarx engenharias
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl MarxPrefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
Prefacio da Contribuicao a Critica da Economia Politica de Karl Marx
 
karl Marx
karl Marxkarl Marx
karl Marx
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Karl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociaisKarl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociais
 
Karl Marx - O capital
Karl Marx - O capitalKarl Marx - O capital
Karl Marx - O capital
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-políticaMarx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
Marx karl.-contribuição-à-crítica-da-economia-política
 
Sociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino MédioSociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino Médio
 
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
 
Karl marx sociologia
Karl marx   sociologiaKarl marx   sociologia
Karl marx sociologia
 
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
 
Teoria e Pratica - Karl Marx
Teoria e Pratica - Karl MarxTeoria e Pratica - Karl Marx
Teoria e Pratica - Karl Marx
 
Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
Aula Karl Marx
 

Destaque

Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anos
ProfMario De Mori
 
Processo de trabalho economia politicca
Processo de trabalho   economia politiccaProcesso de trabalho   economia politicca
Processo de trabalho economia politicca
Daniele Rubim
 
Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1
Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1
Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1
redeintegrarh
 
Cdigo de hamurabi
Cdigo de hamurabi Cdigo de hamurabi
Cdigo de hamurabi
Lucas Pacheco
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 
Mercado de concorrência perfeita
Mercado de concorrência perfeitaMercado de concorrência perfeita
Mercado de concorrência perfeita
turmainformaticadegestao
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
Vânia Franco
 
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitosHistoria 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Fábio Paiva
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Valéria Shoujofan
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
Portal do Vestibulando
 

Destaque (10)

Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anos
 
Processo de trabalho economia politicca
Processo de trabalho   economia politiccaProcesso de trabalho   economia politicca
Processo de trabalho economia politicca
 
Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1
Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1
Secretaria Saude SP Gestao Do Conhecimento1
 
Cdigo de hamurabi
Cdigo de hamurabi Cdigo de hamurabi
Cdigo de hamurabi
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
 
Mercado de concorrência perfeita
Mercado de concorrência perfeitaMercado de concorrência perfeita
Mercado de concorrência perfeita
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitosHistoria 6º ano - Antiguidade conceitos
Historia 6º ano - Antiguidade conceitos
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
 

Semelhante a Noções de tga 1º ano 2013 parte i

Sociologia do trabalho aula 1 em 04 de agosto 2010
Sociologia do trabalho   aula 1 em 04 de agosto 2010Sociologia do trabalho   aula 1 em 04 de agosto 2010
Sociologia do trabalho aula 1 em 04 de agosto 2010
Carmem Rocha
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
Lucio Oliveira
 
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
SamaraDosSantosCarva1
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Gretiane Pinheiro
 
Iluminismos
IluminismosIluminismos
Iluminismos
REYSDS
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Valeria Kosicki
 
Terra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-NeoTerra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-Neo
neocontextual
 
Seculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismoSeculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismo
Teresa Maia
 
Estado 02
Estado 02Estado 02
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
IlumijsdifixicvhuxchvucxIlumijsdifixicvhuxchvucx
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
joaotavares
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Carlos Glufke
 
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIXExercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
Acrópole - História & Educação
 
Sociologia - Modos de Produção Humana
Sociologia - Modos de Produção HumanaSociologia - Modos de Produção Humana
Sociologia - Modos de Produção Humana
Karume Franco
 
iluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influênciasiluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influências
KleginaldoPaz2
 
Revisahistória o iluminismo
Revisahistória o iluminismoRevisahistória o iluminismo
Revisahistória o iluminismo
Marília Pimentel
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Catedral Curso
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
ProfessoresColeguium
 
Aula 02 história da administração e revolução industrial
Aula 02   história da administração e revolução industrialAula 02   história da administração e revolução industrial
Aula 02 história da administração e revolução industrial
alemartins10
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
Anna Paula
 

Semelhante a Noções de tga 1º ano 2013 parte i (20)

Sociologia do trabalho aula 1 em 04 de agosto 2010
Sociologia do trabalho   aula 1 em 04 de agosto 2010Sociologia do trabalho   aula 1 em 04 de agosto 2010
Sociologia do trabalho aula 1 em 04 de agosto 2010
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
 
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Iluminismos
IluminismosIluminismos
Iluminismos
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Terra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-NeoTerra-História-Enem-Neo
Terra-História-Enem-Neo
 
Seculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismoSeculo xviii iluminismo
Seculo xviii iluminismo
 
Estado 02
Estado 02Estado 02
Estado 02
 
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
IlumijsdifixicvhuxchvucxIlumijsdifixicvhuxchvucx
Ilumijsdifixicvhuxchvucx
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
 
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIXExercícios sobre as ideologias do século XIX
Exercícios sobre as ideologias do século XIX
 
Sociologia - Modos de Produção Humana
Sociologia - Modos de Produção HumanaSociologia - Modos de Produção Humana
Sociologia - Modos de Produção Humana
 
iluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influênciasiluminismo, seus pensadores e influências
iluminismo, seus pensadores e influências
 
Revisahistória o iluminismo
Revisahistória o iluminismoRevisahistória o iluminismo
Revisahistória o iluminismo
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
 
Aula 02 história da administração e revolução industrial
Aula 02   história da administração e revolução industrialAula 02   história da administração e revolução industrial
Aula 02 história da administração e revolução industrial
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
 

Mais de Nathan Felix Raposo

Div cel1
Div cel1Div cel1
Dna e rna
Dna e rnaDna e rna
Poluição da água t212
Poluição da água t212Poluição da água t212
Poluição da água t212
Nathan Felix Raposo
 
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Nathan Felix Raposo
 
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Nathan Felix Raposo
 
Planejamento inicial layout
Planejamento inicial layoutPlanejamento inicial layout
Planejamento inicial layout
Nathan Felix Raposo
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
Nathan Felix Raposo
 
Funçao inorganica
Funçao inorganicaFunçao inorganica
Funçao inorganica
Nathan Felix Raposo
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
Nathan Felix Raposo
 

Mais de Nathan Felix Raposo (9)

Div cel1
Div cel1Div cel1
Div cel1
 
Dna e rna
Dna e rnaDna e rna
Dna e rna
 
Poluição da água t212
Poluição da água t212Poluição da água t212
Poluição da água t212
 
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
 
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
 
Planejamento inicial layout
Planejamento inicial layoutPlanejamento inicial layout
Planejamento inicial layout
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Funçao inorganica
Funçao inorganicaFunçao inorganica
Funçao inorganica
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 

Noções de tga 1º ano 2013 parte i

  • 1. Noções de Teoria Geral da Administração (TGA) Prof. Carlos Nascimento 1º Ano - 2013 1
  • 2. Conhecimento Administrativo (Antes do Século XX) Evidências e Influências 2
  • 3. Nada existe de rígido ou de absoluto em matéria administrativa. Tudo em Administração é questão de medida, de ponderação e de bom senso. 3
  • 4. GRANDES CIVILIZAÇÕES E GRANDES CONSTRUÇÕES EM TODOS OS CONTINENTES 4
  • 6. Código de Hamurabi Buscando garantir o exercício de seu poder no rico território mesopotâmico, Hamurabi decidiu empreender uma reforma jurídica que fixou uma série de importantes transformações. Até o seu governo, toda a lei que partia da autoridade real ou traçava as tradições jurídicas da população era repassada de boca em boca. Monólito basalto do século II a.C., originária de Susa, em que está inscrito o código de Hamurabi. Museu do Louvre, Paris. Do código de Hamurabi foram traduzidos 281 artigos a respeito de relações de trabalho, família, propriedade e escravidão. O código é conhecido por ser o primeiro corpo de leis de que se tem notícia fundamentado no princípio da lei de talião, que estabelece a equivalência da punição em relação ao crime. O termo talião é originado do latim e significa tal ou igual, daí a expressão "olho por olho, dente por dente" 6
  • 7. A Bíblia Segundo a tradição, aceita pela maioria dos cristãos, a Bíblia foi escrita por 40 autores, entre 1445 e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento) e 45 e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos. A primeira versão portuguesa da Bíblia surgiu apenas em 1748, traduzida para o português por João Ferreira de Almeida. Almeida faleceu antes de concluir o trabalho, que foi finalizado por colaboradores holandeses. É o livro mais vendido de todos os tempos. No início de 2006, estimava-se existir mais de 6 bilhões de cópias em todo o mundo 7
  • 8. O Alcorão Descreve as origens do Universo, o Homem e as suas relações entre si e o Criador. Define leis para a sociedade, moralidade, economia e muitos outros assuntos. Foi escrito com o intuito de ser recitado e memorizado. Os muçulmanos consideram o Alcorão sagrado e inviolável. O Alcorão não foi estruturado como um livro durante parte da vida de Maomé. À medida que o profeta recebia as revelações, ele solicitava a jovens letrados que integravam a sua comitiva que transcrevessem os textos. pós a morte de Maomé em 632 D.C. iniciou-se o processo de recolhimento dos vários extratos. 8
  • 9. A Arte da Guerra "Estratégia Militar de Sun Tzu"), é um tratado militar escrito durante o século IV a.C. pelo estrategista conhecido como Sun Tzu. O tratado é composto por treze capítulos, cada qual abordando um aspecto da estratégia de guerra, de modo a compor um panorama de todos os eventos e estratégias que devem ser abordados em um combate racional. A tradução mais divulgada oi realizada em 1772, pelo padre jesuíta francês Amiot. 9
  • 10. O Príncipe É um livro escrito por Nicolau Maquiavel em 1513, cuja primeira edição foi publicada postumamente, em 1532. Trata-se de um dos tratados políticos mais fundamentais elaborados pelo pensamento humano, e que tem papel crucial na construção do conceito de Estado como modernamente conhecemos. Descreve as maneiras de conduzir-se nos negócios públicos internos e externos, e fundamentalmente, como conquistar e manter um principado. 10
  • 11. PRIMÓRDIOS DA ADMINISTRAÇÃO A Ciência da Administração é o resultado histórico e integrado de vários precursores - filósofos, físicos, economistas, estadistas, empresários e outros - que no decorrer do tempo foram desenvolvendo e divulgando suas teorias e trabalhos. Influência ... Dos Filósofos Da Igreja Católica (organização Religiosa) Da Organização Militar Da Revolução Industrial 11
  • 12. Princípios do Método de Descartes Dúvida sistemática Análise ou decomposição Síntese ou composição Enumeração ou verificação Não aceitar como verdade, enquanto não se tiver evidências de que é verdadeiro. Dividir o problema para análises e resoluções separadamente. Ordenar o pensamento, iniciando dos assuntos mais fáceis aos mais difíceis. Verificação e revisão, garantindo que nada tenha sido omitido ou deixado à parte. 12
  • 13. Os Filósofos Sócrates: administração como uma habilidade pessoal separada do conhecimento técnico e da experiência. Platão: forma democrática de governo e de administração pública Aristóteles: distingue as formas de administração pública: oligarquia, monarquia e democracia. Descartes: Maneira de abordar e solucionar problemas. Tendência à análise e à divisão do trabalho. Karl Marx: O poder político e do Estado nada mais é do que o fruto da dominação econômica do homem pelo homem. A história da humanidade é uma história de luta de classes. Sócrates Platão Aristóteles Descartes Karl Marx 13
  • 14. O Estado, A Igreja e A Organização Militar • As normas administrativas e a administração pública foram passando, ao longo do tempo, dos Estados para a Igreja Católica e Organização Militar. • Conceitos sobre estratégia, planejamento e logística. • Princípios: – De direção • Cada subordinado deve saber o que fazer e o que se espera dele. 14
  • 15. Princípios: - Hierarquia • Estruturas organizadas, com responsabilidades e tarefas próprias •Centralização e Concentração (Matriz e Filial) - Unidade de comando • Cada subordinado pode ter somente um superior. 15
  • 16. História das Organizações Empresariais e do Mundo do Trabalho • A organização e a empresa moderna nasceram com a Revolução Industrial graças: – à ruptura das estruturas corporativas da Idade Média – ao avanço tecnológico e sua aplicação à produção • Com a nova tecnologia dos processos de produção, a administração e a gerência das empresas passaram a ser a preocupação maior dos proprietários. • A prática foi ajudando a selecionar idéias. • Os modos de produção foram evoluindo. 16
  • 17. Modo de produção primitivo: Na comunidade primitiva os homens trabalhavam em conjunto. Os meios de produção e os frutos do trabalho eram propriedade coletiva, ou seja, de todos. Não existia ainda a idéia da propriedade privada dos meios de produção, nem havia a oposição proprietários x não proprietários. As relações de produção eram relações de amizade e ajuda entre todos; elas eram baseadas na propriedade coletiva dos meios de produção, a terra em primeiro lugar. 17
  • 18. Modo de produção escravista: O escravo era considerado um instrumento, um objeto, assim como um semovente ou uma ferramenta. Assim, no modo de produção escravista, as relações de produção eram relações de domínio e de sujeição: senhores x escravos. Um pequeno número de senhores explorava a massa de escravos, que não tinham nenhum direito. Os senhores eram proprietários da força de trabalho (os escravos), dos meios de produção (terras, gado, minas, instrumentos de produção) e do produto de trabalho. 18
  • 19. Modo de produção asiático: O modo de produção asiático predominou no Egito, na China, na Índia e também na África do século passado. A parte produtiva da sociedade era composta pelos escravos,, e pelos camponeses, que também eram forçados a entregar ao Estado o que produziam. Fatores que determinaram o fim do modo de produção asiático: A propriedade de terra pelos nobres; O alto custo de manutenção dos setores improdutivos; A rebelião dos escravos. 19
  • 20. Modo de produção feudal: A sociedade feudal era constituída pelos senhores x servos. Os servos não eram escravos de seus senhores, pois não eram propriedade deles. Eles apenas os serviam em troca de casa e comida. Trabalhavam um pouco para o seu senhor e outro pouco para eles mesmos. Num determinado momento, as relações feudais começaram a dificultar o desenvolvimento das forças produtivas. Como a exploração sobre a servidão no campo aumentava, o rendimento da agricultura era cada vez mais baixo. Na cidade, o crescimento da produtividade dos artesãos era freado pelos regulamentos existentes e o próprio crescimento das cidades 20 era impedido pela ordem feudal.
  • 21. Modo de produção Capitalista: O que caracteriza o modo de produção capitalista são as relações assalariadas de produção (trabalho assalariado). As relações de produção capitalistas baseiam-se na propriedade privada dos meios de produção pela burguesia, que substituiu a propriedade feudal, e no trabalho assalariado, que substituiu o trabalho servil do feudalismo. O capitalismo é movido por lucros, portanto temos duas classes sociais: a burguesia e os trabalhadores assalariados. Etapas do Capitalismo: A) Pré-capitalismo: o modo de produção feudal ainda predomina, mas já se desenvolvem relações capitalistas. B) Capitalismo comercial: a maior parte dos lucros concentra-se nas mãos dos comerciantes. C) Capitalismo industrial: com a revolução industrial. D) Capitalismo financeiro: os bancos e outras instituições financeiras passam a controlar as demais atividades. econômicas, através de 21 financiamentos.
  • 22. Modo de produção socialista: A base econômica do socialismo é a propriedade social dos meios de produção, isto é, os meios de produção são públicos ou coletivos, não existindo empresas privadas. A finalidade da sociedade socialista é a satisfação completa das necessidades materiais e culturais da população: emprego, habitação, educação, saúde. Nela não há separação entre proprietário do capital (patrão) e proprietários da força do trabalho (empregados). Isto não quer dizer que não haja diferenças sociais entre as pessoas, bem como salários desiguais em função de o trabalho ser manual ou intelectual. 22
  • 23. História das Organizações Empresariais e do Mundo do Trabalho • Na sociedade tribal, a produção de todos, voltada a obter apenas o necessário para todos, onde as divisões das tarefas eram estabelecidas por sexo e idade, está muito mais relacionada, entendida e identificada como ação comunitária do que processo e atividade organizacional do “mundo do trabalho”. 23
  • 24. História das Organizações Empresariais e do Mundo do Trabalho Principais características da Fase Artesanal Regime de Produção artesanato rudimentar em pequenas oficinas agricultura: mão-de-obra intensiva e não qualificada resquícios do feudalismo e trabalho servil e escravo utilização de ferramentas ‘toscas’ Sistema Comercial : base de trocas, local e informal. Corporações de Ofícios: associações que surgiram na Idade Média, a partir do século XII, para regulamentar o processo produtivo artesanal nas cidades que contavam com mais de 10 mil habitantes. Essas unidades de produção artesanal eram marcadas pela hierarquia (mestres, oficiais e aprendizes) e pelo controle da técnica de produção das mercadorias pelo produtor. 24
  • 25. História das Organizações Empresariais e do Mundo do Trabalho Principais características da 1a. Revolução Industrial – Mecanização da indústria e da agricultura • anteriormente, uso da força humana ou animal – Aplicação da força motriz à indústria • máquina à vapor – Desenvolvimento do sistema fabril • fim do artesão e sua pequena oficina • lugar ao operário e às fábricas – Espetacular aceleramento dos transportes e comunicações • Navegação e locomotiva à vapor 25
  • 26. História das Organizações Empresariais e do Mundo do Trabalho • Principais características da 2a. Revolução Industrial – – – – – – – – Substituição do ferro pelo aço Substituição do vapor pela eletricidade Desenvolvimento de máquinas automáticas Especialização do trabalhador Crescente domínio da indústria pela ciência Transformações nos transportes e comunicação Novas formas de organização capitalista Expansão da industrialização 26
  • 27. História das Organizações Empresariais e do Mundo do Trabalho Fase do gigantismo industrial ( entre as duas Grandes Guerras Mundiais) Organização e tecnologia avançada para fins bélicos Empresas atingem proporções enormes com operações de âmbito nacional e internacional Predomínio de aplicações técnico-científicas e ênfase em materiais petroquímicos Transportes: navegação de grande porte, estradas de ferro e rodovias, aprimoramento do automóvel e avião Comunicação: rádio e televisão 27
  • 28. O conhecimento administrativo: as Teorias da Administração • Teoria é um conjunto de afirmações, ou regras, feitas para registrar o que se percebe como realidade. • Teorias da Administração são conhecimentos organizados, produzidos pelas experiências práticas das organizações. • O significado da Administração vem sofrendo alterações de acordo com a Teoria da Administração. • Cada Teoria da Administração surgiu como uma resposta aos problemas empresariais mais relevantes da sua época. Mesmo assim, todas as Teorias são válidas. • Não há uma Teoria da Administração que seja melhor do que a outra. Tudo depende de variáveis internas e externas à organização/administrador. 28
  • 29. Considerando vários conceitos podemos definir que: Administrar é obter resultados através das atividades das pessoas e da utilização eficiente e eficaz dos recursos disponíveis, envolvendo decisões nos processos de planejamento, organização, comando, controle e coordenação, no sentido de alcançar metas e objetivos predeterminados, dentro de um contexto específico.
  • 30. PROCESSOS ADMINISTRATIVOS – HENRI FAYOL  Prever (Planejar) : Visualizar o futuro e traçar um plano de ação;  Organizar: Constituir a estrutura material e humana;  Comandar: Dirigir e orientar o pessoal;  Controlar: Verificar que tudo ocorra de acordo com as regras estabelecidas e as ordens expressas e indicar as devidas correções;  Coordenar: Ligar, unir, harmonizar todos os recursos e esforços; (O todo é maior do que a simples soma das suas partes - Aristóteles) 30
  • 31. Trabalho em Grupo AP 2º Semestre 2012 31
  • 32. TEMAS DA ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA • • • • • Adhocracia Administração Estratégica Administração Holística Balanced Scorecard Benchmarking • Coaching - Mentoring • Downsizing • Empowerment • • • • • • • • Empreendedorismo Gestão do Conhecimento Outsourcing Qualidade Total Reengenharia Responsabilidade Social Toyotismo Volvismo
  • 33. Cliente: PJ Empreendimentos Ltda. Produto: Palestras para novos Executivos. Seminário: Temas Contemporâneos da Administração. Empresa Pedagógica da Fundação Osório (Consultoria & Serviços Administrativos ) Cliente: PJ Empreendimentos Ltda. Proposta de Palestras: Tema1:_____________________ Tema2: _____________________ Tema 2: Conceito, Definição Etc. Tema 1: Conceito, Definição Etc. Tema 2: Características, Etc. Tema 1: Características, Etc. Fontes: (livros, artigos, sites etc.) Equipe: (Turma, nome e número) Data (Mês/Ano) Produto: 06 (seis) Slides, conforme o padrão acima, conforme os assuntos distribuídos (Tema 1 e 2), mais 2 Folhetos / 03 Slides cada.
  • 34.
  • 35.
  • 36. Empresa Pedagógica da Fundação Osório (Consultoria & Serviços Administrativos ) Cliente: PJ Empreendimentos Ltda. Proposta de Palestras: Tema1:_____________________ Tema2: _____________________
  • 41. Fontes: (livros, artigos, sites etc.) Equipe: (Turma, nome e número) Data (Mês/Ano)