SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças da Mangueira - Antracnose
por Carlos Jorge Rossetto
Colletotrichum gloeosporioides, Antracnose
É a doença mais importante da mangueira em todo o mundo. Afeta folhas, flores, frutos e ponteiros.
Os frutos são afetados em todas as fases, mesmo após a colheita. Ocorre em muitas espécies
vegetais como por exemplo abacateiro, cajueiro, acerola e cafeeiro. É uma doença associada à
suscetibilidade da planta hospedeira e da variedade e às condições climáticas de umidade favorável.
Não ocorre em regiões quentes e secas, como por exemplo em Israel, tendo pouca importância no
Nordeste brasileiro.
Foto: Clóvis de Toledo Piza Júnior
A incidência da antracnose ocorre após um período de 12 a 18 horas com alta umidade. No Distrito
Federal só ocorre se houver 5 horas de umidade relativa noturna superior a 95%. Os estágios de
maior susceptibilidade à doença são as flores, os frutos novos e os frutos no período de maturação.
Após a colheita a antracnose continua se desenvolvendo sendo um dos principais fatores que
dificultam a manutenção das frutas na prateleira.
1/6...Doenças da Mangueira - Antracnose
29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
A antracnose pode incidir em ramos novos matando completamente o ponteiro, com sintomatologia
muito semelhante a da morte de ponteiros causada por bactéria. O fungo pode sobreviver na forma
saprofítica, em partes afetadas remanescentes na árvore ou no chão, como restos de ramos, flores ou
frutos. O fungo esporula em condições de calor e umidade e pode ser disseminado pelo vento ou pela
chuva.
Nos frutos, os períodos de maior suscetibilidade à antracnose são quando os mesmos são bem novos
ou em maturação. A suscetibilidade dos frutos novos vai diminuindo com a idade até a 8ª semana.
Para o controle da antracnose recomenda-se maior atenção para os períodos críticos de incidência
que são o de florescimento, frutos novos (especialmente na fase de chumbinho) e frutos no estágio
de maturação. O patógeno pode ficar latente, vindo a se manifestar com sintoma visível apenas na
maturação.
A antracnose pode incidir na região do pedúnculo do fruto causando uma doença denominada
podridão peduncular, que pode também ser ocasionada por outras espécies de fungos.
2/6...Doenças da Mangueira - Antracnose
29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
A incidência da antracnose pode ocorrer na forma denominada “mancha de lágrima”. O fungo se
estabelece acompanhando a umidade provocada pelo escorrimento do orvalho ou da chuva, como no
caso do fruto superior da esquerda.
Medidas de controle da antracnose
1 - Evitar instalação de pomares em locais com alta umidade no ar.
2 – Fazer podas que favoreçam a insolação e a ventilação.
3 – Utilização de variedades resistentes. Exemplos de variedades resistentes são: Alfa e Surpresa.
Variedades suscetíveis são: Bourbon, Haden e Espada Vermelha.
4 – Controle químico. Deve ser utilizado quando o histórico do local indicar que a doença irá ocorrer.
Nesse caso a 1ª pulverização deve ser feita na pré-florada, no intumescimento das gemas florais.
Deve continuar por toda a florada até atingir o estágio de frutos do tamanho de uma bola de gude.
Os fungicidas à base de cobre (Oxicloreto de Cobre, Óxido de Cobre e Hidróxido de Cobre) são
eficientes contra a antracnose, mas são fitotóxicos às flores não devendo ser utilizados durante o
florescimento.
5 – Após a colheita recomenda-se a imersão dos frutos em água quente a 55ºC durante 5 minutos
com prochloraz a 0,055% e detergente a 0,1%.
Agrotóxicos registrados para controle da antracnose em mangueira.
Fonte – Programa PIF/Manga, São Paulo, 2.004.
Ingrediente ativo Grupo químico Nome comercial
Difenoconazole Triazol Score
Hidróxido de cobre Inorgânico Garant,GarantBR.
Imazalil Imidazol Magnate 500 CE
Mancozeb Ditiocarbamato Dithane PM, Manzate 800, Manzate
GrDa, Persist SC, Tillex.
Mancozeb+Oxicloreto de cobre Ditiocarbamato+Inorgân. Cuprozeb
Oxicloreto de cobre Inorgânico Agrinose, Cobox, Cupravit Azul BR,
Propose, Ramexane850 PM, Reconil.
Óxido cuproso Inorgânico Cobre Sandoz BR, CobreSandoz MZ.
Prochloraz Imidazolilcarboxamida Sportak
Tebuconazole Triazol Constant, Elite, Folicur 200 CE, Tríade.
Tetraconazole Triazol Domark100 CE
Thiabendazole Benzimidazol Tecto SC
A cultivar Haden 2H é muito suscetível à antracnose bem como às demais doenças que afetam a
mangueira. Foi a primeira cultivar americana nobre selecionada na Flórida em 1.910. Foi introduzida
no Brasil em 1.931 e devido a sua suscetibilidade à antracnose, à seca-da-mangueira e sensibilidade
a níveis baixos de Boro, acabou sendo substituída pela sua filha Tommy Atkins, selecionada na Flórida
em 1.935 e introduzida no Brasil na década de 60.
Antracnose, ingredientes ativos e produtos comerciais registrados com uso autorizado
(SAI/ANVISA)
Fonte: PIF –MANGA/SP-2004
Nome comum Nome científico Nº ingr. ativos Nº prod. comerc.
1 –Antracnose Colletotrichum gloesporioides 11 25
Suscetíbilidade varietal à antracnose
3/6...Doenças da Mangueira - Antracnose
29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
A cultivar Surpresa é um exemplo de resistência à antracnose. Foi selecionada pela EMBRAPA, Cruz
das Almas, BA. Trata-se todavia de um nome fantasia. É provável que seja de fato a variedade
floridiana Duncan. É tardia, muito produtiva, frutos grandes (500 g), firme, com boa prateleira, ótimo
sabor. Seu único defeito é ser muito suscetível à malformação.
A ALFA é uma variedade brasileira obtida pela EMBRAPA Cerrados resultante do cruzamento Mallika x
Van Dyke, lançada em 1.998. Em Votuporanga, SP, é a variedade mais resistente à antracnose,
dispensando totalmente seu controle. Tem o mesmo ciclo da Tommy.
Bibliografia Consultada
1. CATI – Coordenadoria de Assistência Técnica Integral. Produção Integrada de Frutas, PIF –
Manga/SP. Aprimoramento da grade de agrotóxicos para a cultura da manga. CATI, Campinas. 15 p.
2.004.
2. Cunha, M.M. da; Coutinho, C. de C.; Junqueira, N.T.V.; Ferreira,F.R. Manga para exportação:
aspectos fitossanitários. MAARA, FRUPEX, EMBRAPA, Brasília. 104 p. 1.993.
3. Junqueira, N.T.V.;Cunha, M.M. da; Ramos, V.H.V. Doenças da mangueira. In: Manica, I. (Ed.).
Manga. Tecnologia, Produção, Agroindústria e Exportação. Editora Cinco Continentes, Porto Alegre;
p . 361 –417. 2.001.
4/6...Doenças da Mangueira - Antracnose
29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
4. Piza Jr., C. de T. e Ribeiro, I.J.A. Principais moléstias da mangueira. In: São José, A.R.; Souza,
I.V.B.; Martins Fº., J.; Morais, O.M. Manga. Tecnologia de Produção e Mercado. Universidade Estadual
do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista. p.167 –201. 1.996.
5. Santos Fº., H.P.; Tavares, S.C.C.; Matos, A.P. de ; Costa, V.S.de O.; Moreira, W.A.; Santos, C.C.F.
dos. Doenças, Monitoramento e controle. In: Genú, P.J. de C. e Pinto,A.C. de Q. A cultura da
mangueira. EMBRAPA, Brasília; p.301 –352. 2.002.
6. Ribeiro, I.J.A. Doenças da mangueira. In: Kimati, H.; Amorim, L.; Bergamin Fº., A.; Camargo,
L.E.A.; Rezende, J.A.M. (Editores). Manual de Fitopatologia. (3ª Edição). Volume 2. Doenças das
plantas cultivadas. Editora Agronômica Ceres Ltda, São Paulo; p.511 –524. 1.997.
7. Tavares, S.C.C. de H. Principais doenças da mangueira e alternativas de controle. In: EMBRAPA.
Informações técnicas sobre a cultura da manga no semi-árido brasileiro. CPATSA, EMBRAPA,
Petrolina; p. 125 –155. 1.995.
Coordenador - Dr. Carlos Jorge Rossetto (Pesquisador Científico do Pólo Regional do Noroeste
Paulista, APTA/DDD, Votuporanga, SP).
Participantes - Dr. Antonio Lúcio Mello Martins (Pólo Regional Centro Norte, Pindorama, SP).
Dr. Carlos Colombo (Biologia Molecular,Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Recursos
Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas).
MsC. Cássia Regina Limonta Carvalho (Química, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Recursos
Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas)
Engº Agrº Edison Martins Paulo (Pólo Regional Alta Paulista, Adamantina, SP). Dr. Ivan José Antunes
Ribeiro (Fitopatologia, Centro de Frutas, Instituto Agronômico, Jundiaí, SP,aposentado).
Dr. Joaquim Adelino de Azevedo Filho (Pólo Regional do Centro Leste, Monte Alegre do Sul, SP).
Dra. Josalba Vidigal de Castro (Pós-Colheita, Centro de Ecofisiologia, Instituto Agronômico de
Campinas).
Dr. José Antonio Quaggio (Fertilidade de solos, Instituto Agronômico de Campinas).
Dr. Júlio Marcos Melges Walder (Moscas-das-frutas, CENA, USP, Piracicaba). Dra. Maria Imaculada
Zucchi (Biologia Molecular, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Recursos Genéticos Vegetais,
Instituto Agronômico de Campinas).
Dr. Mário José Pedro Júnior (Climatologia Agrícola, Centro de Ecofisiologia, Instituto Agronômico de
Campinas)
Dr. Mauro Hideo Sugimori (Fitopatologia, Centro de frutas, Instituto Agronômico, Jundiaí, SP)
Engº Agrº Nelson Bortoletto (Pólo Regional do Noroeste Paulista, Votuporanga, SP).
Dr. Nilberto Bernardo Soares (Fruticultura Tropical, Centro de Frutas, Instituto Agronômico, Jundiaí,
SP).
MsC. Paulo Boller Gallo (Pólo Regional Nordeste Paulista, Mococa, SP).
Dr. Renato Ferraz de Arruda Veiga (Introdução de Plantas, Jardim Botânico, Instituto Agronômico de
Campinas).
Dr. Sérgio Almeida de Moraes ( Fitopatologia, Centro de Fitossanidade, Instituto Agronômico de
Campinas).
Engª Agrª Sonia Maria Nalesso Marangoni Montes (Pólo Regional Alta Sorocabana, Presidente
Prudente, SP).
Dra. Neiva Izabel Pierozzi, citogenética, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Recursos
Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas. pierozzi@iac.sp.gov.br
Dra. Maria Imaculada Zucchi , biologia molecular, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Recursos
Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas. mizucchi@iac.sp.gov.br
Eng Agr MS Erivaldo José Scaloppi Júnior, fitotecnia, Polo Regional do Noroeste Paulista,
Votuporanga,SP.
Reprodução autorizada desde que citado o autor e a fonte
Dados para citação bibliográfica(ABNT):
ROSSETTO, C. J. Doenças da Mangueira - Antracnose. 2006. Artigo em Hypertexto. Disponível
em: <http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm>. Acesso em: 29/5/2006
Veja Também Pragas da Mangueira
Dados originados do Projeto 262 - Melhoramento da Mangueira
Comportamento varietal e melhoramento com ênfase na resistência a pragas e moléstias.
imprimir Envie para um amigo
5/6...Doenças da Mangueira - Antracnose
29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
Veja Também...
6/6...Doenças da Mangueira - Antracnose
29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Posicionamento de cultivares de feijão
Posicionamento de cultivares de feijãoPosicionamento de cultivares de feijão
Posicionamento de cultivares de feijão
Geagra UFG
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Podridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reservaPodridões de órgãos de reserva
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Geagra UFG
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
Geagra UFG
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
Geraldo Henrique
 
Grupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologiaGrupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologia
Ivaristo Americo
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
Giovani de Oliveira Arieira
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
David Rodrigues
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
Bruno Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Posicionamento de cultivares de feijão
Posicionamento de cultivares de feijãoPosicionamento de cultivares de feijão
Posicionamento de cultivares de feijão
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Podridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reservaPodridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reserva
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Grupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologiaGrupo 6 fitopatologia
Grupo 6 fitopatologia
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
 

Destaque

Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 
How To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content Marketing
How To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content MarketingHow To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content Marketing
How To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content Marketing
Content Marketing Institute
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
SlideShare
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
SlideShare
 
Masters of SlideShare
Masters of SlideShareMasters of SlideShare
Masters of SlideShare
Kapost
 
You Suck At PowerPoint!
You Suck At PowerPoint!You Suck At PowerPoint!
You Suck At PowerPoint!
Jesse Desjardins - @jessedee
 
What Makes Great Infographics
What Makes Great InfographicsWhat Makes Great Infographics
What Makes Great Infographics
SlideShare
 
STOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to Slideshare
STOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to SlideshareSTOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to Slideshare
STOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to Slideshare
Empowered Presentations
 
10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization
10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization
10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization
Oneupweb
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
SlideShare
 
Final project proposal shelter,dg khan 1
Final project proposal shelter,dg khan 1Final project proposal shelter,dg khan 1
Final project proposal shelter,dg khan 1
majid naz
 
NHC Branding Process
NHC Branding ProcessNHC Branding Process
NHC Branding Process
Rehan Saiyed
 
Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.
Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.
Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.
383
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
CETEP, FTC, FASA..
 
Why Not Do a Startup
Why Not Do a StartupWhy Not Do a Startup
Why Not Do a Startup
Dave McClure
 
SEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEO
SEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEOSEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEO
SEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEO
Aleyda Solís
 
Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?
Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?
Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?
Eric T. Tung
 
How to build a great coding culture
How to build a great coding cultureHow to build a great coding culture
How to build a great coding culture
Mark Halvorson
 
Final venture outlook 2016
Final venture outlook 2016Final venture outlook 2016
Final venture outlook 2016
Mark Suster
 

Destaque (20)

Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 
How To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content Marketing
How To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content MarketingHow To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content Marketing
How To Get More From SlideShare - Super-Simple Tips For Content Marketing
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Masters of SlideShare
Masters of SlideShareMasters of SlideShare
Masters of SlideShare
 
You Suck At PowerPoint!
You Suck At PowerPoint!You Suck At PowerPoint!
You Suck At PowerPoint!
 
What Makes Great Infographics
What Makes Great InfographicsWhat Makes Great Infographics
What Makes Great Infographics
 
STOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to Slideshare
STOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to SlideshareSTOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to Slideshare
STOP! VIEW THIS! 10-Step Checklist When Uploading to Slideshare
 
10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization
10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization
10 Ways to Win at SlideShare SEO & Presentation Optimization
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 
Final project proposal shelter,dg khan 1
Final project proposal shelter,dg khan 1Final project proposal shelter,dg khan 1
Final project proposal shelter,dg khan 1
 
NHC Branding Process
NHC Branding ProcessNHC Branding Process
NHC Branding Process
 
Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.
Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.
Byte Breakfast: Attention, friction and the customer travel journey.
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Why Not Do a Startup
Why Not Do a StartupWhy Not Do a Startup
Why Not Do a Startup
 
SEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEO
SEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEOSEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEO
SEO en 2017: Las Claves para el Éxito #SEO2017 #LibroSEO
 
Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?
Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?
Holy Crap! You Can Get Fired For Social Media Posts?
 
How to build a great coding culture
How to build a great coding cultureHow to build a great coding culture
How to build a great coding culture
 
Final venture outlook 2016
Final venture outlook 2016Final venture outlook 2016
Final venture outlook 2016
 

Semelhante a Doenças da mangueira antracnose

Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
João Carraça
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
Ana Aguiar
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Rural Pecuária
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Pelo Siro
 
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiroManejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Rural Pecuária
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Oxya Agro e Biociências
 
Avaliação de risco ocupacional aplicação manual agrot
Avaliação de risco ocupacional aplicação manual agrotAvaliação de risco ocupacional aplicação manual agrot
Avaliação de risco ocupacional aplicação manual agrot
João Siqueira da Mata
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
Rural Pecuária
 
Powerpoint 7 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...
Powerpoint 7   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...Powerpoint 7   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...
Powerpoint 7 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...
Nuno Correia
 
A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Fitossanidade2003
Fitossanidade2003Fitossanidade2003
cacaugraviola.pdf
cacaugraviola.pdfcacaugraviola.pdf
cacaugraviola.pdf
Cyntia Silva
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Cristiane Assis
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
Juan Rodríguez
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
João Felix
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
Geagra UFG
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
Geagra UFG
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
AmandaRayana
 
Doenças da Macadâmia
Doenças da Macadâmia Doenças da Macadâmia
Doenças da Macadâmia
Rural Pecuária
 

Semelhante a Doenças da mangueira antracnose (20)

Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
 
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiroManejo de doenças de seringueira em viveiro
Manejo de doenças de seringueira em viveiro
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
 
Avaliação de risco ocupacional aplicação manual agrot
Avaliação de risco ocupacional aplicação manual agrotAvaliação de risco ocupacional aplicação manual agrot
Avaliação de risco ocupacional aplicação manual agrot
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
 
Powerpoint 7 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...
Powerpoint 7   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...Powerpoint 7   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...
Powerpoint 7 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Organismos Tran...
 
A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008
 
Fitossanidade2003
Fitossanidade2003Fitossanidade2003
Fitossanidade2003
 
cacaugraviola.pdf
cacaugraviola.pdfcacaugraviola.pdf
cacaugraviola.pdf
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
 
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
 
Doenças da Macadâmia
Doenças da Macadâmia Doenças da Macadâmia
Doenças da Macadâmia
 

Mais de rfoltran

Oppa br-ce
Oppa br-ceOppa br-ce
Oppa br-ce
rfoltran
 
Couve platino a colheita
Couve platino a colheitaCouve platino a colheita
Couve platino a colheita
rfoltran
 
Zinco e Ferro na cultura do arroz
Zinco e Ferro na cultura do arrozZinco e Ferro na cultura do arroz
Zinco e Ferro na cultura do arroz
rfoltran
 
Sut.nt 18.leikandir.16maio2019
Sut.nt 18.leikandir.16maio2019Sut.nt 18.leikandir.16maio2019
Sut.nt 18.leikandir.16maio2019
rfoltran
 
Apostila de homeopatia
Apostila de homeopatiaApostila de homeopatia
Apostila de homeopatia
rfoltran
 
Deficiencias quimifol-cafe
Deficiencias quimifol-cafeDeficiencias quimifol-cafe
Deficiencias quimifol-cafe
rfoltran
 
Tese fosfito
Tese fosfitoTese fosfito
Tese fosfito
rfoltran
 
Rossato 2015
Rossato 2015Rossato 2015
Rossato 2015
rfoltran
 
Mateus donega
Mateus donegaMateus donega
Mateus donega
rfoltran
 
Nitrato como maturador
Nitrato como maturadorNitrato como maturador
Nitrato como maturador
rfoltran
 

Mais de rfoltran (10)

Oppa br-ce
Oppa br-ceOppa br-ce
Oppa br-ce
 
Couve platino a colheita
Couve platino a colheitaCouve platino a colheita
Couve platino a colheita
 
Zinco e Ferro na cultura do arroz
Zinco e Ferro na cultura do arrozZinco e Ferro na cultura do arroz
Zinco e Ferro na cultura do arroz
 
Sut.nt 18.leikandir.16maio2019
Sut.nt 18.leikandir.16maio2019Sut.nt 18.leikandir.16maio2019
Sut.nt 18.leikandir.16maio2019
 
Apostila de homeopatia
Apostila de homeopatiaApostila de homeopatia
Apostila de homeopatia
 
Deficiencias quimifol-cafe
Deficiencias quimifol-cafeDeficiencias quimifol-cafe
Deficiencias quimifol-cafe
 
Tese fosfito
Tese fosfitoTese fosfito
Tese fosfito
 
Rossato 2015
Rossato 2015Rossato 2015
Rossato 2015
 
Mateus donega
Mateus donegaMateus donega
Mateus donega
 
Nitrato como maturador
Nitrato como maturadorNitrato como maturador
Nitrato como maturador
 

Doenças da mangueira antracnose

  • 1. Doenças da Mangueira - Antracnose por Carlos Jorge Rossetto Colletotrichum gloeosporioides, Antracnose É a doença mais importante da mangueira em todo o mundo. Afeta folhas, flores, frutos e ponteiros. Os frutos são afetados em todas as fases, mesmo após a colheita. Ocorre em muitas espécies vegetais como por exemplo abacateiro, cajueiro, acerola e cafeeiro. É uma doença associada à suscetibilidade da planta hospedeira e da variedade e às condições climáticas de umidade favorável. Não ocorre em regiões quentes e secas, como por exemplo em Israel, tendo pouca importância no Nordeste brasileiro. Foto: Clóvis de Toledo Piza Júnior A incidência da antracnose ocorre após um período de 12 a 18 horas com alta umidade. No Distrito Federal só ocorre se houver 5 horas de umidade relativa noturna superior a 95%. Os estágios de maior susceptibilidade à doença são as flores, os frutos novos e os frutos no período de maturação. Após a colheita a antracnose continua se desenvolvendo sendo um dos principais fatores que dificultam a manutenção das frutas na prateleira. 1/6...Doenças da Mangueira - Antracnose 29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
  • 2. A antracnose pode incidir em ramos novos matando completamente o ponteiro, com sintomatologia muito semelhante a da morte de ponteiros causada por bactéria. O fungo pode sobreviver na forma saprofítica, em partes afetadas remanescentes na árvore ou no chão, como restos de ramos, flores ou frutos. O fungo esporula em condições de calor e umidade e pode ser disseminado pelo vento ou pela chuva. Nos frutos, os períodos de maior suscetibilidade à antracnose são quando os mesmos são bem novos ou em maturação. A suscetibilidade dos frutos novos vai diminuindo com a idade até a 8ª semana. Para o controle da antracnose recomenda-se maior atenção para os períodos críticos de incidência que são o de florescimento, frutos novos (especialmente na fase de chumbinho) e frutos no estágio de maturação. O patógeno pode ficar latente, vindo a se manifestar com sintoma visível apenas na maturação. A antracnose pode incidir na região do pedúnculo do fruto causando uma doença denominada podridão peduncular, que pode também ser ocasionada por outras espécies de fungos. 2/6...Doenças da Mangueira - Antracnose 29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
  • 3. A incidência da antracnose pode ocorrer na forma denominada “mancha de lágrima”. O fungo se estabelece acompanhando a umidade provocada pelo escorrimento do orvalho ou da chuva, como no caso do fruto superior da esquerda. Medidas de controle da antracnose 1 - Evitar instalação de pomares em locais com alta umidade no ar. 2 – Fazer podas que favoreçam a insolação e a ventilação. 3 – Utilização de variedades resistentes. Exemplos de variedades resistentes são: Alfa e Surpresa. Variedades suscetíveis são: Bourbon, Haden e Espada Vermelha. 4 – Controle químico. Deve ser utilizado quando o histórico do local indicar que a doença irá ocorrer. Nesse caso a 1ª pulverização deve ser feita na pré-florada, no intumescimento das gemas florais. Deve continuar por toda a florada até atingir o estágio de frutos do tamanho de uma bola de gude. Os fungicidas à base de cobre (Oxicloreto de Cobre, Óxido de Cobre e Hidróxido de Cobre) são eficientes contra a antracnose, mas são fitotóxicos às flores não devendo ser utilizados durante o florescimento. 5 – Após a colheita recomenda-se a imersão dos frutos em água quente a 55ºC durante 5 minutos com prochloraz a 0,055% e detergente a 0,1%. Agrotóxicos registrados para controle da antracnose em mangueira. Fonte – Programa PIF/Manga, São Paulo, 2.004. Ingrediente ativo Grupo químico Nome comercial Difenoconazole Triazol Score Hidróxido de cobre Inorgânico Garant,GarantBR. Imazalil Imidazol Magnate 500 CE Mancozeb Ditiocarbamato Dithane PM, Manzate 800, Manzate GrDa, Persist SC, Tillex. Mancozeb+Oxicloreto de cobre Ditiocarbamato+Inorgân. Cuprozeb Oxicloreto de cobre Inorgânico Agrinose, Cobox, Cupravit Azul BR, Propose, Ramexane850 PM, Reconil. Óxido cuproso Inorgânico Cobre Sandoz BR, CobreSandoz MZ. Prochloraz Imidazolilcarboxamida Sportak Tebuconazole Triazol Constant, Elite, Folicur 200 CE, Tríade. Tetraconazole Triazol Domark100 CE Thiabendazole Benzimidazol Tecto SC A cultivar Haden 2H é muito suscetível à antracnose bem como às demais doenças que afetam a mangueira. Foi a primeira cultivar americana nobre selecionada na Flórida em 1.910. Foi introduzida no Brasil em 1.931 e devido a sua suscetibilidade à antracnose, à seca-da-mangueira e sensibilidade a níveis baixos de Boro, acabou sendo substituída pela sua filha Tommy Atkins, selecionada na Flórida em 1.935 e introduzida no Brasil na década de 60. Antracnose, ingredientes ativos e produtos comerciais registrados com uso autorizado (SAI/ANVISA) Fonte: PIF –MANGA/SP-2004 Nome comum Nome científico Nº ingr. ativos Nº prod. comerc. 1 –Antracnose Colletotrichum gloesporioides 11 25 Suscetíbilidade varietal à antracnose 3/6...Doenças da Mangueira - Antracnose 29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
  • 4. A cultivar Surpresa é um exemplo de resistência à antracnose. Foi selecionada pela EMBRAPA, Cruz das Almas, BA. Trata-se todavia de um nome fantasia. É provável que seja de fato a variedade floridiana Duncan. É tardia, muito produtiva, frutos grandes (500 g), firme, com boa prateleira, ótimo sabor. Seu único defeito é ser muito suscetível à malformação. A ALFA é uma variedade brasileira obtida pela EMBRAPA Cerrados resultante do cruzamento Mallika x Van Dyke, lançada em 1.998. Em Votuporanga, SP, é a variedade mais resistente à antracnose, dispensando totalmente seu controle. Tem o mesmo ciclo da Tommy. Bibliografia Consultada 1. CATI – Coordenadoria de Assistência Técnica Integral. Produção Integrada de Frutas, PIF – Manga/SP. Aprimoramento da grade de agrotóxicos para a cultura da manga. CATI, Campinas. 15 p. 2.004. 2. Cunha, M.M. da; Coutinho, C. de C.; Junqueira, N.T.V.; Ferreira,F.R. Manga para exportação: aspectos fitossanitários. MAARA, FRUPEX, EMBRAPA, Brasília. 104 p. 1.993. 3. Junqueira, N.T.V.;Cunha, M.M. da; Ramos, V.H.V. Doenças da mangueira. In: Manica, I. (Ed.). Manga. Tecnologia, Produção, Agroindústria e Exportação. Editora Cinco Continentes, Porto Alegre; p . 361 –417. 2.001. 4/6...Doenças da Mangueira - Antracnose 29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
  • 5. 4. Piza Jr., C. de T. e Ribeiro, I.J.A. Principais moléstias da mangueira. In: São José, A.R.; Souza, I.V.B.; Martins Fº., J.; Morais, O.M. Manga. Tecnologia de Produção e Mercado. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista. p.167 –201. 1.996. 5. Santos Fº., H.P.; Tavares, S.C.C.; Matos, A.P. de ; Costa, V.S.de O.; Moreira, W.A.; Santos, C.C.F. dos. Doenças, Monitoramento e controle. In: Genú, P.J. de C. e Pinto,A.C. de Q. A cultura da mangueira. EMBRAPA, Brasília; p.301 –352. 2.002. 6. Ribeiro, I.J.A. Doenças da mangueira. In: Kimati, H.; Amorim, L.; Bergamin Fº., A.; Camargo, L.E.A.; Rezende, J.A.M. (Editores). Manual de Fitopatologia. (3ª Edição). Volume 2. Doenças das plantas cultivadas. Editora Agronômica Ceres Ltda, São Paulo; p.511 –524. 1.997. 7. Tavares, S.C.C. de H. Principais doenças da mangueira e alternativas de controle. In: EMBRAPA. Informações técnicas sobre a cultura da manga no semi-árido brasileiro. CPATSA, EMBRAPA, Petrolina; p. 125 –155. 1.995. Coordenador - Dr. Carlos Jorge Rossetto (Pesquisador Científico do Pólo Regional do Noroeste Paulista, APTA/DDD, Votuporanga, SP). Participantes - Dr. Antonio Lúcio Mello Martins (Pólo Regional Centro Norte, Pindorama, SP). Dr. Carlos Colombo (Biologia Molecular,Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Recursos Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas). MsC. Cássia Regina Limonta Carvalho (Química, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Recursos Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas) Engº Agrº Edison Martins Paulo (Pólo Regional Alta Paulista, Adamantina, SP). Dr. Ivan José Antunes Ribeiro (Fitopatologia, Centro de Frutas, Instituto Agronômico, Jundiaí, SP,aposentado). Dr. Joaquim Adelino de Azevedo Filho (Pólo Regional do Centro Leste, Monte Alegre do Sul, SP). Dra. Josalba Vidigal de Castro (Pós-Colheita, Centro de Ecofisiologia, Instituto Agronômico de Campinas). Dr. José Antonio Quaggio (Fertilidade de solos, Instituto Agronômico de Campinas). Dr. Júlio Marcos Melges Walder (Moscas-das-frutas, CENA, USP, Piracicaba). Dra. Maria Imaculada Zucchi (Biologia Molecular, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Recursos Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas). Dr. Mário José Pedro Júnior (Climatologia Agrícola, Centro de Ecofisiologia, Instituto Agronômico de Campinas) Dr. Mauro Hideo Sugimori (Fitopatologia, Centro de frutas, Instituto Agronômico, Jundiaí, SP) Engº Agrº Nelson Bortoletto (Pólo Regional do Noroeste Paulista, Votuporanga, SP). Dr. Nilberto Bernardo Soares (Fruticultura Tropical, Centro de Frutas, Instituto Agronômico, Jundiaí, SP). MsC. Paulo Boller Gallo (Pólo Regional Nordeste Paulista, Mococa, SP). Dr. Renato Ferraz de Arruda Veiga (Introdução de Plantas, Jardim Botânico, Instituto Agronômico de Campinas). Dr. Sérgio Almeida de Moraes ( Fitopatologia, Centro de Fitossanidade, Instituto Agronômico de Campinas). Engª Agrª Sonia Maria Nalesso Marangoni Montes (Pólo Regional Alta Sorocabana, Presidente Prudente, SP). Dra. Neiva Izabel Pierozzi, citogenética, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Recursos Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas. pierozzi@iac.sp.gov.br Dra. Maria Imaculada Zucchi , biologia molecular, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Recursos Genéticos Vegetais, Instituto Agronômico de Campinas. mizucchi@iac.sp.gov.br Eng Agr MS Erivaldo José Scaloppi Júnior, fitotecnia, Polo Regional do Noroeste Paulista, Votuporanga,SP. Reprodução autorizada desde que citado o autor e a fonte Dados para citação bibliográfica(ABNT): ROSSETTO, C. J. Doenças da Mangueira - Antracnose. 2006. Artigo em Hypertexto. Disponível em: <http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm>. Acesso em: 29/5/2006 Veja Também Pragas da Mangueira Dados originados do Projeto 262 - Melhoramento da Mangueira Comportamento varietal e melhoramento com ênfase na resistência a pragas e moléstias. imprimir Envie para um amigo 5/6...Doenças da Mangueira - Antracnose 29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm
  • 6. Veja Também... 6/6...Doenças da Mangueira - Antracnose 29/5/2006http://www.infobibos.com/Artigos/AntracnoseManga/Antracnose.htm