SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Coleta
Intercâmbio
Quarentena
Identificação
Caracterização
Conservação
Educação
Valoração
Documentação
Uso

“A Quarentena é uma das
atividades básicas da área de
Recursos Fitogenéticos”
DEFINIÇÃO DE QUARENTENA
No italiano, a palavra "quarantina" foi originalmente aplicada para o período
de 40 dias de isolamento de pessoas oriundas de países onde ocorressem
doenças epidêmicas (Kahn,1989).

Hoje, a quarentena refere-se a um período de inspeção, dependente
do ciclo da planta e do patógeno alvo.

FOTO: QUARENTENÁRIO COOPERSUCAR em Miracatu – 1996 - SP
PORQUE QUARENTENAR?

PREJUÍZOS IRREMEDIÁVEIS AO MEIO AMBIENTE
Por: novas pragas exóticas, novas espécies invasoras,
consequentemente maior uso de inseticidas e ou herbicidas
PREJUÍZOS ÀS CULTURAS (Queda de produtividade
pelo ataque que pragas exóticas);
PERDA COMPLETA DE PLANTAÇÕES (nova praga);
PREJUÍZO AO ABASTECIMENTO (Falta do produto
prejudicado no mercado, bem como de seus derivados);
PERDA DE MERCADOS DE EXPORTAÇÃO (Mau
aspecto provocado pelo ataque de novas pragas e
descumprimento de contratos decorrentes do fato);
PERDA DE PODER AQUISITIVO (Tanto do agricultor
como das empresas agrícolas, pelo prejuízo da praga);
PROVOCA A PERDA DE PROPRIEDADES E DE
EMPREGOS (perda total da cultura in vitro do Grupo Nascente
Foto: Entrada da ante-sala do laboratório de cultura devido à praga).
Rigor das Quarentenas

• O grande problema atual de nossa
agricultura está na estreita base genética,
da maioria de nossas cultivares, o que
reflete em riscos de vulnerabilidade às
pragas.
3/17
DEFINIÇÕES DE PRAGA
PRAGA é qualquer espécie, raça ou biótipo de vegetais,
animais ou agentes patogênicos, nocivos para os vegetais
ou produtos vegetais (inseto, ácaro, fungo, bactéria,
vírus, viróide, nematóide, planta invasora, rato,
caramujo, etc.) segundo a Convenção Internacional para
a Proteção dos Vegetais.

Foto: Insetário da Embrapa Meio Ambiente
PRAGAS A1 e A2

As pragas de importância quarentenária para o Brasil estão
contidas nas listas A1 e A2 aprovadas pelo Comitê de
Sanidade Vegetal dos países do Cone Sul (COSAVE), publicada
no Diário Oficial (Brasil, 1996).
A lista A1 contém as espécies não registradas no Brasil e que
podem vir a causar perdas econômicas às culturas, se
introduzidas. Na lista A2, estão as pragas de distribuição
geográfica localizada e que estão sob controle oficial.
FOTO: INSETÁRIO DA EMBRAPA MEIO AMBIENTE
DILEMA DO PESQUISADOR
Introduzir o máximo de
possível de variabilidade
genética e, ao mesmo tempo,
evitar a introdução simultânea
de pragas exóticas

- Exemplos de prejuízos à agricultura de ornamentais no Brasil:
Puccinia horiana no crisântemo, em 1972, a Uromyces transversalis
no gladíolo, em 1981, infecção por Potyviridae em Alstroemeria, em
1995, entre outros.
DISPERSÃO DAS PRAGAS

EXEMPLOS CLÁSSICOS MUNDIAISarroz – De
• 1969 – Fusarium moniliforme do
1. Formosa para o Brasil;
BATATA: Na Irlanda, em 1846. O fungo
Phytophthora infestans do rabanete, batata)
• 1987 – Sclerotinia sp. (requeima da couve e
destruiu Do Japão, USA e Dinamarca para o
repolho - as plantações, causando a morte por
inanição de 1,5 milhão de pessoas.
Brasil;

• 1988 – Podridão Rosada da batata - Da
2. Holanda para o Brasil;
ARROZ: Em Bengala, em 1943. O fungo
Helminthosporium oryzae (mancha-parda do
• 1989 – Sclerotinia sp. do rabanete e salsa - Da
arroz) provocou a “fome
Dinamarca para o Brasil. de Bengala”, com mais
de 2 milhões de pessoas mortas pela fome.

Foto: Quarentenário no ICRISAT - Índia
AÇÕES PREVENTIVAS

AÇÕES PREVENTIVAS SISTEMÁTICAS E CONTÍNUAS
DEVEM SER TOMADAS PARA SE EVITAR A ENTRADA DE
PRAGAS AINDA NÃO REGISTRADAS NO BRASIL, COMO:

Swollen shoot - virose do cacaueiro
Cisto da batata

Golden nematoid

Outro exemplo de praga que ronda o país é o Cisto da batata.
ORGANOGRAMA: QUARENTENA

QUARENTENÁRIO de
HYDERABAD - ÍNDIA
Neste gráfico é possível verificar que quanto menor
a estrutura vegetal intercambiada, menor o risco
de levar consigo uma praga. E, quanto mais
asséptico, menor o risco da existência de uma
praga.
RELAÇÃO SEGURANÇA/RISCO

NESTE GRÁFICO OBSERVA-SE QUE QUANTO MAIOR O
PERÍODO DE INSPEÇÃO CUIDADOSA EM QUARENTENA,
MENOR É O RISCO DO ESCAPE DE UMA NOVA PRAGA NO
PAÍS.

Foto: Quarentenário, de segurança máxima, no ICRISAT, Índia
CUIDADOS E MEDIDAS QUARENTENÁRIAS
Cuidados: 1) Em primeiro lugar deve-se ter o conhecimento da
situação das pragas, dentro e fora do país, detectando-se quais as
que serão objeto da quarentena, verificando o ciclo praga/planta.
2) Em segundo lugar, o especialista deve ter em mente
que a quarentena de germoplasma não deve prejudicar o trabalho
dos melhoristas, sendo demasiadamente morosa.

•Medidas quarentenárias: Inspeção fitossanitária e interceptação de
pragas em pontos de entrada, quarentena de pós-entrada. Proibição,
restrição ou requisição de tratamentos quarentenários para a
importação de produtos provenientes de países onde espécies de
pragas de importância quarentenária são conhecidas. Pode-se
também solicitar que os produtos sejam provenientes de áreas livres
de pragas (Brasil, 1995).
Foto: Quarentena de Heliconia, no IAC.
QUARENTENA INTERNA
QUARENTENA INTERNA

No Brasil, para evitar que as pragas se dispersem para outras
regiões, sugere-se uma quarentena interna dos acessos, quando se
tratar de germoplasma oriundo de expedições científicas de coleta ou
quando for originário de regiões onde haja restrições ao trânsito de
germoplasma.
TRÂNSITO INTERNO
Existem portarias que definem os locais onde há restrição de
trânsito de germoplasma vegetal no Brasil, onde estabelecem o tipo
do material que é restrito bem como as medidas que devem ser
adotadas. Apresentamos uma tabela com algumas destas espécies de
trânsito restrito.

FOTO: TÉCNICO DO CENARGEN COLETANDO GERMOPLASMA DE ARACHIS (GLOCIMAR P.SILVA)
EXEMPLO DE ÁREA DE RISCO PARA SE ACESSAR
GERMOPLASMA

ÁR DE INCIDÊNCIA
EA
DE FERR
UGEM
ASIÁTICA
DA SOJA NO BR
ASIL
P
hakopsora pachyrhizi
2003
Área Epidêmica

A DEFESA SANITÁRIA UTILIZA-SE DESTES DADOS PARA
ISOLAR ÁREAS PARA PRAGAS A2.
OFICIALMENTE SÃO 07 SERVIÇOS DE DEFESA e 28 POSTOS
DE VIGILÂNCIA NO BRASIL

Situação Atual(*) (em
operação): Total 106
 PONTOS DE INGRESSO - FRONTEIRAS - 24
 ADUANAS ESPECIAIS - 35
 PORTOS ORGANIZADOS - 27
 AEROPORTOS INTERNACIONAIS - 20

(*)Criados informalmente nas DFA´s com as mais
diversas denominações (PDA, UVA, RR, ER)
com o objetivo de atender as demandas do comercio
internacional.
São muitos os
trabalhos
desenvolvidos
pelo Serviço de
Defesa Sanitária
brasileiro, dentre
os quais podemos
citar o trabalho
no controle da
mosca
da
carambola.
COMO É UMA ESTAÇÃO
QUARENTENÁRIA?

No caso deste quarentenário você pode observar, nas extremidades
da planta, edificações para higiene, tratamento de solo e assepcia
dos acessos, bem como para manutenção de materiais utilizados no
quarentenário

ESQUEMA DO QUARENTENÁRIO DA ANTIGA
COOPERSUCAR

Uma estação quarentenária se baseia em casas-de-vegetação para o
acompanhamento das plantas vivas e em laboratórios de
fitossanidade (bactérias, fungos, vírus, nematóides) para o
acompanhamento das pragas. Logicamente que os especialistas em
fitossanidade são aqueles que comandam o processo.
Foto: Quarentenário Federal em Hyderabad - Índia
QUARENTENÁRIO FEDERAL DA
EMBRAPA/CENARGEN - DF

Desde a sua criação, o Cenargen já movimentou cerca de
500 mil acessos, detectando mais de 100 pragas exóticas de
risco quarentenário. Exemplos recentes de interceptação de
pragas exóticas: Globodera sp. (nematóide da batata) oriundo do
Canadá, Ditylenchus dipsaci e Pratylenchus scribneri em mudas de
bromélias oriundas da Colômbia.
QUARENTENÁRIO Jaguariúna

O quarentenário Costa Lima da Embrapa
Meio Ambiente, é Responsável pela
quarentena de organismos benéficos.

Autorizado desde 1991, tem as atribuições de introduzir e
quarentenar organismos para fins de pesquisa em controle
biológico; manter registro das introduções e pesquisar aspectos de
controle biológico; emitir pareceres técnicos sobre a conveniência de
introduções; apoiar a erradicação de organismos e seus agentes de
controle indesejáveis.
Foto: Quarentenário Costa Lima, da Embrapa Meio Ambiente
QUARENTENÁRIO DO IAC
O IAC está credenciado pela Defesa Sanitária para realizar a
quarentena de plantas no Estado de São Paulo, desde 15 de maio de
1998 (D.O.U. nº 91).

O IAC está credenciado pela CTNBIO para efetivar quarentena de
germoplasma transgênico no Estado de São Paulo, desde 04 de
setembro de 1998 (Certificado de Qualidade e Biossegurança nº
0065/98, D.O.U. nº 170).
     

Foto: Quarentena de batata, no IAC
TÉCNICAS UTILIZADAS
Técnicas mais usuais utilizadas para inspeção de quarentena:
• BACTÉRIAS: sintomatologia em plântulas, germinação em papel
toalha, meios seletivos e isolamento direto (SCHAAD,1982);
• FUNGOS: exame direto, plaqueamento em meio de cultura e
papel filtro. Tratamentos consecutivos para limpeza (NEEGARD,
1973 e 1978; TUITE, 1969);
• INSETOS: exame de presença de ovos, vestígios de ataque e do
próprio inseto vivo, em sala a prova de insetos;
• NEMATÓIDES: trituração, peneiramento em funil de Baermann,
bem como flutuação para extração de cistos (JENKINS, 1964;
BYRD et al.,1966).
• PLANTAS DANINHAS: exame visual de presença de sementes e
plantio para identificação taxonômica;
• VÍRUS: sintomatologia de plântulas, serologia, uso de plantas
indicadoras, microscópio eletrônico, cultura de meristema,
caracterização genética (KITAJIMA, 1965; OUTCHERLONY,
Foto: Inspeção no Quarentenário IAC, José Nelson Fonseca (CENARGEN) e Tarcisio
Prezoto (DFA)
1968; HAMPTON et al., 1978).
OS
CUIDADOS
VÃO
DESDE
AS
INSPEÇÕES
FITOSSANITÁRIAS NO CAMPO ATÉ A INSPEÇÃO
FITOSSANITÁRIA NO PONTO DE SAÍDA.

OS CUIDADOS COM A FITOSSANIDADE, NAS ATIVIDADES
DE EXPORTAÇÃO, SÃO MUITO IMPORTANTES PARA OS
PAÍSES
IMPORTADORES
BEM
COMO
PARA
A
RESPEITABILIDADE DA INSTITUIÇÃO E DO PAÍS
FOTO: INSPEÇÃO DE
EXPORTADOR.EXPORTAÇÃO NO ICRISAT – ÍNDIA –ATRAVÉS DE RAIOS X - SEMENTES
A CHAMADA QUARENTENA DE EXPORTAÇÃO
A quarentena de exportação refere-se a um período que vai desde as
inspeções de campo, passando pela limpeza no momento da
embalagem, até a sua liberação no ponto de saída, pela DFA.
A sanidade do germoplasma é de responsabilidade do pesquisador
exportador.
O pesquisador exportador deve solicitar do importador a relação
das exigências fitossanitárias do país que vai receber o material,
para que o Certificado Fitossanitário contenha todas as
informações; ainda deve solicitar que envie o Import Permt.

O pesquisador exportador deve, ainda, preparar o material e a
embalagem adequadamente à sobrevivência do germoplasma
durante oefetuados pelo ICRISAT na exportação de germoplasma
Foto: Passos seu transporte.
BIBLIOGRAFIA

1.

Hewitt, W.B. & Chiarappa, L. Plant Health and Quarantine in International
Transfer of Genetic Resources. CRC Press, Inc. Cleveland: 1977, 347p.

2.

Giacometti, D.C. Introdução e Intercâmbio de Germoplasma. In: Araujo,
S.M.C. & Osuna, J.A. eds. Anais Encontro sobre Recursos Genéticos.
Jaboticabal: Unesp & CENAREN. 43-55p. 1988.

3.

Batista, M.F, Fonseca, J.N.L., Tenente, R.C.V., Mendes, M.A.S., Urben, A.F.,
Oliveira, M.R.V., Ferreira, D.N. Intercâmbio e Quarentena de Germoplasma
Vegetal. Brasília: Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento. v6. pg.32-41,
1988.

4.

Veiga, R.F.A. Intercâmbio e Quarentena de Recursos Fitogenéticos. In:
Beretta, A & Rivas, M. Coords. Estrategia en recursos fitogenéticos para los
países del Cono Sur. Montevideo, IICA. pg. 59-64. 2001.

5.

Vilella, E.F. Histórico e Impacto das pragas introduzidas no Brasil/ Eds;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...
O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...
O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...Oxya Agro e Biociências
 
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...Izabella Menezes
 
A nova política fitossanitária para Brasil
A nova política fitossanitária para  BrasilA nova política fitossanitária para  Brasil
A nova política fitossanitária para BrasilOxya Agro e Biociências
 
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilManejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilPNMF
 
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Oxya Agro e Biociências
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Luciano Marques
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutasKiller Max
 
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...Oxya Agro e Biociências
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilIRAC-BR
 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESRocha Neto
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...
IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...
IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...Oxya Agro e Biociências
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoGeagra UFG
 
Soja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare ForceliniSoja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare ForceliniGETACS
 

Mais procurados (19)

O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...
O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...
O papel da CIPV e das ORPFs no contexto mundial e as novas discussões sobre p...
 
Fitossanidade2003
Fitossanidade2003Fitossanidade2003
Fitossanidade2003
 
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
 
A nova política fitossanitária para Brasil
A nova política fitossanitária para  BrasilA nova política fitossanitária para  Brasil
A nova política fitossanitária para Brasil
 
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no BrasilManejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
Manejo Sustentável de Moscas-das-Frutas no Brasil
 
Quarentena de Recursos Genéticos
Quarentena de Recursos GenéticosQuarentena de Recursos Genéticos
Quarentena de Recursos Genéticos
 
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
 
IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...
IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...
IV WSF, Vilhena - Adeney de Freitas Bueno - Manejo integrado de pragas da soj...
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Soja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare ForceliniSoja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare Forcelini
 

Destaque

O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...Oxya Agro e Biociências
 
Programa fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigeraPrograma fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigeraTumate Virtual
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalOxya Agro e Biociências
 
Novas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro Lorca
Novas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro LorcaNovas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro Lorca
Novas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro LorcaOxya Agro e Biociências
 
Impactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia Miranda
Impactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia MirandaImpactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia Miranda
Impactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia MirandaOxya Agro e Biociências
 
Ciência e Inovação para alimentar o mundo - José Perdomo
Ciência e Inovação para alimentar o mundo - José PerdomoCiência e Inovação para alimentar o mundo - José Perdomo
Ciência e Inovação para alimentar o mundo - José PerdomoOxya Agro e Biociências
 
Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012
Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012
Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012Sofia Iba
 
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...IRAC-BR
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasAndresa Gueiros
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresFábio Baía
 
Apostila de fitopatologia
Apostila de fitopatologiaApostila de fitopatologia
Apostila de fitopatologiamvezzone
 

Destaque (18)

Apresentação syngenta 2009
Apresentação syngenta 2009Apresentação syngenta 2009
Apresentação syngenta 2009
 
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
O perigo mora ao lado: 158 pragas quarentenárias para o Brasil relatadas nos ...
 
Programa fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigeraPrograma fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigera
 
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropicalPragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
Pragas quarentenárias ausentes de relevância para fruticultura tropical
 
Agroterrorismo - Danilo Coelho
Agroterrorismo - Danilo CoelhoAgroterrorismo - Danilo Coelho
Agroterrorismo - Danilo Coelho
 
Novas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro Lorca
Novas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro LorcaNovas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro Lorca
Novas Tecnologiaas em Funcão de Ameaças Fitossanitárias - Alejandro Lorca
 
Impactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia Miranda
Impactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia MirandaImpactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia Miranda
Impactos econômicos da entrada de novas pragas - Sílvia Miranda
 
Defesa Vegetal
Defesa VegetalDefesa Vegetal
Defesa Vegetal
 
Slide curso defesa sanitaria vegetal
Slide curso defesa sanitaria vegetalSlide curso defesa sanitaria vegetal
Slide curso defesa sanitaria vegetal
 
Ciência e Inovação para alimentar o mundo - José Perdomo
Ciência e Inovação para alimentar o mundo - José PerdomoCiência e Inovação para alimentar o mundo - José Perdomo
Ciência e Inovação para alimentar o mundo - José Perdomo
 
Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012
Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012
Worshopp análise de risco embrapa novembro de 2012
 
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
 
Apostila de fitopatologia
Apostila de fitopatologiaApostila de fitopatologia
Apostila de fitopatologia
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 

Semelhante a A Quarentena é fundamental na proteção fitossanitária

PPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvores
PPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvoresPPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvores
PPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvoresPlantas Invasoras em Portugal
 
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptxAULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptxRenatoFerrazdeArruda1
 
Biosseguranca2013
Biosseguranca2013Biosseguranca2013
Biosseguranca2013Levi Santos
 
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilTécnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilIzabella Menezes
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...Rodrigo Penna
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaJuan Rodríguez
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnoserfoltran
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Oxya Agro e Biociências
 
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...Oxya Agro e Biociências
 
Aula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptx
Aula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptxAula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptx
Aula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptxRenatoFerrazdeArruda1
 
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_webAndef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_webEdwardi Steidle Neto
 
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-sedaMedidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-sedaRural Pecuária
 
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos FitossanitáriosManual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos FitossanitáriosPortal Canal Rural
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroRural Pecuária
 

Semelhante a A Quarentena é fundamental na proteção fitossanitária (20)

Quarentena de Recursos Fitogenéticos
 Quarentena de Recursos Fitogenéticos Quarentena de Recursos Fitogenéticos
Quarentena de Recursos Fitogenéticos
 
PPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvores
PPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvoresPPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvores
PPT gestao e controlo invasoras capacitacao tecnicos 100000 arvores
 
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptxAULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
AULA 5. O mundo da FUNDAG 2023 Pragas.pptx
 
Biosseguranca2013
Biosseguranca2013Biosseguranca2013
Biosseguranca2013
 
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilTécnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
 
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog      ht...
Aplicações das radiações à Agroindústria - Conteúdo vinculado ao blog ht...
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
 
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
 
Aula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptx
Aula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptxAula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptx
Aula 2 O mundo da FUNDAG 2023 atividades.pptx
 
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_webAndef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
 
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-sedaMedidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
 
Bioseguran‡a.ppt
Bioseguran‡a.pptBioseguran‡a.ppt
Bioseguran‡a.ppt
 
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos FitossanitáriosManual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
 
Intercâmbio e Quarentena de Frutíferas
Intercâmbio e Quarentena de FrutíferasIntercâmbio e Quarentena de Frutíferas
Intercâmbio e Quarentena de Frutíferas
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
 
Mod iv fitopatologia
Mod iv fitopatologiaMod iv fitopatologia
Mod iv fitopatologia
 
Mod iv
Mod iv Mod iv
Mod iv
 

Mais de Renato Ferraz de Arruda Veiga

Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRenato Ferraz de Arruda Veiga
 
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich VavilovAniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich VavilovRenato Ferraz de Arruda Veiga
 
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Renato Ferraz de Arruda Veiga
 

Mais de Renato Ferraz de Arruda Veiga (20)

Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
 
Nomenclatura 6-2023.pptx
Nomenclatura 6-2023.pptxNomenclatura 6-2023.pptx
Nomenclatura 6-2023.pptx
 
Nomenclatura 5-2023.pptx
Nomenclatura 5-2023.pptxNomenclatura 5-2023.pptx
Nomenclatura 5-2023.pptx
 
Nomenclatura 4-2023.pptx
Nomenclatura 4-2023.pptxNomenclatura 4-2023.pptx
Nomenclatura 4-2023.pptx
 
Nomenclatura 3-2023.pptx
Nomenclatura 3-2023.pptxNomenclatura 3-2023.pptx
Nomenclatura 3-2023.pptx
 
Nomenclatura 2-2023.pptx
Nomenclatura 2-2023.pptxNomenclatura 2-2023.pptx
Nomenclatura 2-2023.pptx
 
Nomenclatura 1- 2023.pptx
Nomenclatura 1- 2023.pptxNomenclatura 1- 2023.pptx
Nomenclatura 1- 2023.pptx
 
Os RFG no planejamento agrícola.pptx
Os RFG no planejamento agrícola.pptxOs RFG no planejamento agrícola.pptx
Os RFG no planejamento agrícola.pptx
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
 
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
 
Aula manejorg 2021pdf
Aula manejorg 2021pdfAula manejorg 2021pdf
Aula manejorg 2021pdf
 
Aula gestão RFGs 2020 no IAC
Aula gestão RFGs 2020 no IACAula gestão RFGs 2020 no IAC
Aula gestão RFGs 2020 no IAC
 
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich VavilovAniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
 
Aula manejorg 2_2019
Aula manejorg 2_2019Aula manejorg 2_2019
Aula manejorg 2_2019
 
Aula manejorfg p1_2019
Aula manejorfg p1_2019Aula manejorfg p1_2019
Aula manejorfg p1_2019
 
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
 
Sistema Nacional de Curadorias
Sistema Nacional de CuradoriasSistema Nacional de Curadorias
Sistema Nacional de Curadorias
 

Último

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

A Quarentena é fundamental na proteção fitossanitária

  • 2. DEFINIÇÃO DE QUARENTENA No italiano, a palavra "quarantina" foi originalmente aplicada para o período de 40 dias de isolamento de pessoas oriundas de países onde ocorressem doenças epidêmicas (Kahn,1989). Hoje, a quarentena refere-se a um período de inspeção, dependente do ciclo da planta e do patógeno alvo. FOTO: QUARENTENÁRIO COOPERSUCAR em Miracatu – 1996 - SP
  • 3. PORQUE QUARENTENAR? PREJUÍZOS IRREMEDIÁVEIS AO MEIO AMBIENTE Por: novas pragas exóticas, novas espécies invasoras, consequentemente maior uso de inseticidas e ou herbicidas PREJUÍZOS ÀS CULTURAS (Queda de produtividade pelo ataque que pragas exóticas); PERDA COMPLETA DE PLANTAÇÕES (nova praga); PREJUÍZO AO ABASTECIMENTO (Falta do produto prejudicado no mercado, bem como de seus derivados); PERDA DE MERCADOS DE EXPORTAÇÃO (Mau aspecto provocado pelo ataque de novas pragas e descumprimento de contratos decorrentes do fato); PERDA DE PODER AQUISITIVO (Tanto do agricultor como das empresas agrícolas, pelo prejuízo da praga); PROVOCA A PERDA DE PROPRIEDADES E DE EMPREGOS (perda total da cultura in vitro do Grupo Nascente Foto: Entrada da ante-sala do laboratório de cultura devido à praga).
  • 4.
  • 5. Rigor das Quarentenas • O grande problema atual de nossa agricultura está na estreita base genética, da maioria de nossas cultivares, o que reflete em riscos de vulnerabilidade às pragas. 3/17
  • 6. DEFINIÇÕES DE PRAGA PRAGA é qualquer espécie, raça ou biótipo de vegetais, animais ou agentes patogênicos, nocivos para os vegetais ou produtos vegetais (inseto, ácaro, fungo, bactéria, vírus, viróide, nematóide, planta invasora, rato, caramujo, etc.) segundo a Convenção Internacional para a Proteção dos Vegetais. Foto: Insetário da Embrapa Meio Ambiente
  • 7. PRAGAS A1 e A2 As pragas de importância quarentenária para o Brasil estão contidas nas listas A1 e A2 aprovadas pelo Comitê de Sanidade Vegetal dos países do Cone Sul (COSAVE), publicada no Diário Oficial (Brasil, 1996). A lista A1 contém as espécies não registradas no Brasil e que podem vir a causar perdas econômicas às culturas, se introduzidas. Na lista A2, estão as pragas de distribuição geográfica localizada e que estão sob controle oficial. FOTO: INSETÁRIO DA EMBRAPA MEIO AMBIENTE
  • 8. DILEMA DO PESQUISADOR Introduzir o máximo de possível de variabilidade genética e, ao mesmo tempo, evitar a introdução simultânea de pragas exóticas - Exemplos de prejuízos à agricultura de ornamentais no Brasil: Puccinia horiana no crisântemo, em 1972, a Uromyces transversalis no gladíolo, em 1981, infecção por Potyviridae em Alstroemeria, em 1995, entre outros.
  • 9. DISPERSÃO DAS PRAGAS EXEMPLOS CLÁSSICOS MUNDIAISarroz – De • 1969 – Fusarium moniliforme do 1. Formosa para o Brasil; BATATA: Na Irlanda, em 1846. O fungo Phytophthora infestans do rabanete, batata) • 1987 – Sclerotinia sp. (requeima da couve e destruiu Do Japão, USA e Dinamarca para o repolho - as plantações, causando a morte por inanição de 1,5 milhão de pessoas. Brasil; • 1988 – Podridão Rosada da batata - Da 2. Holanda para o Brasil; ARROZ: Em Bengala, em 1943. O fungo Helminthosporium oryzae (mancha-parda do • 1989 – Sclerotinia sp. do rabanete e salsa - Da arroz) provocou a “fome Dinamarca para o Brasil. de Bengala”, com mais de 2 milhões de pessoas mortas pela fome. Foto: Quarentenário no ICRISAT - Índia
  • 10. AÇÕES PREVENTIVAS AÇÕES PREVENTIVAS SISTEMÁTICAS E CONTÍNUAS DEVEM SER TOMADAS PARA SE EVITAR A ENTRADA DE PRAGAS AINDA NÃO REGISTRADAS NO BRASIL, COMO: Swollen shoot - virose do cacaueiro
  • 11. Cisto da batata Golden nematoid Outro exemplo de praga que ronda o país é o Cisto da batata.
  • 12.
  • 14. Neste gráfico é possível verificar que quanto menor a estrutura vegetal intercambiada, menor o risco de levar consigo uma praga. E, quanto mais asséptico, menor o risco da existência de uma praga.
  • 15. RELAÇÃO SEGURANÇA/RISCO NESTE GRÁFICO OBSERVA-SE QUE QUANTO MAIOR O PERÍODO DE INSPEÇÃO CUIDADOSA EM QUARENTENA, MENOR É O RISCO DO ESCAPE DE UMA NOVA PRAGA NO PAÍS. Foto: Quarentenário, de segurança máxima, no ICRISAT, Índia
  • 16. CUIDADOS E MEDIDAS QUARENTENÁRIAS Cuidados: 1) Em primeiro lugar deve-se ter o conhecimento da situação das pragas, dentro e fora do país, detectando-se quais as que serão objeto da quarentena, verificando o ciclo praga/planta. 2) Em segundo lugar, o especialista deve ter em mente que a quarentena de germoplasma não deve prejudicar o trabalho dos melhoristas, sendo demasiadamente morosa. •Medidas quarentenárias: Inspeção fitossanitária e interceptação de pragas em pontos de entrada, quarentena de pós-entrada. Proibição, restrição ou requisição de tratamentos quarentenários para a importação de produtos provenientes de países onde espécies de pragas de importância quarentenária são conhecidas. Pode-se também solicitar que os produtos sejam provenientes de áreas livres de pragas (Brasil, 1995). Foto: Quarentena de Heliconia, no IAC.
  • 17. QUARENTENA INTERNA QUARENTENA INTERNA No Brasil, para evitar que as pragas se dispersem para outras regiões, sugere-se uma quarentena interna dos acessos, quando se tratar de germoplasma oriundo de expedições científicas de coleta ou quando for originário de regiões onde haja restrições ao trânsito de germoplasma.
  • 18. TRÂNSITO INTERNO Existem portarias que definem os locais onde há restrição de trânsito de germoplasma vegetal no Brasil, onde estabelecem o tipo do material que é restrito bem como as medidas que devem ser adotadas. Apresentamos uma tabela com algumas destas espécies de trânsito restrito. FOTO: TÉCNICO DO CENARGEN COLETANDO GERMOPLASMA DE ARACHIS (GLOCIMAR P.SILVA)
  • 19. EXEMPLO DE ÁREA DE RISCO PARA SE ACESSAR GERMOPLASMA ÁR DE INCIDÊNCIA EA DE FERR UGEM ASIÁTICA DA SOJA NO BR ASIL P hakopsora pachyrhizi 2003 Área Epidêmica A DEFESA SANITÁRIA UTILIZA-SE DESTES DADOS PARA ISOLAR ÁREAS PARA PRAGAS A2.
  • 20. OFICIALMENTE SÃO 07 SERVIÇOS DE DEFESA e 28 POSTOS DE VIGILÂNCIA NO BRASIL Situação Atual(*) (em operação): Total 106  PONTOS DE INGRESSO - FRONTEIRAS - 24  ADUANAS ESPECIAIS - 35  PORTOS ORGANIZADOS - 27  AEROPORTOS INTERNACIONAIS - 20 (*)Criados informalmente nas DFA´s com as mais diversas denominações (PDA, UVA, RR, ER) com o objetivo de atender as demandas do comercio internacional.
  • 21. São muitos os trabalhos desenvolvidos pelo Serviço de Defesa Sanitária brasileiro, dentre os quais podemos citar o trabalho no controle da mosca da carambola.
  • 22. COMO É UMA ESTAÇÃO QUARENTENÁRIA? No caso deste quarentenário você pode observar, nas extremidades da planta, edificações para higiene, tratamento de solo e assepcia dos acessos, bem como para manutenção de materiais utilizados no quarentenário ESQUEMA DO QUARENTENÁRIO DA ANTIGA COOPERSUCAR Uma estação quarentenária se baseia em casas-de-vegetação para o acompanhamento das plantas vivas e em laboratórios de fitossanidade (bactérias, fungos, vírus, nematóides) para o acompanhamento das pragas. Logicamente que os especialistas em fitossanidade são aqueles que comandam o processo. Foto: Quarentenário Federal em Hyderabad - Índia
  • 23. QUARENTENÁRIO FEDERAL DA EMBRAPA/CENARGEN - DF Desde a sua criação, o Cenargen já movimentou cerca de 500 mil acessos, detectando mais de 100 pragas exóticas de risco quarentenário. Exemplos recentes de interceptação de pragas exóticas: Globodera sp. (nematóide da batata) oriundo do Canadá, Ditylenchus dipsaci e Pratylenchus scribneri em mudas de bromélias oriundas da Colômbia.
  • 24. QUARENTENÁRIO Jaguariúna O quarentenário Costa Lima da Embrapa Meio Ambiente, é Responsável pela quarentena de organismos benéficos. Autorizado desde 1991, tem as atribuições de introduzir e quarentenar organismos para fins de pesquisa em controle biológico; manter registro das introduções e pesquisar aspectos de controle biológico; emitir pareceres técnicos sobre a conveniência de introduções; apoiar a erradicação de organismos e seus agentes de controle indesejáveis. Foto: Quarentenário Costa Lima, da Embrapa Meio Ambiente
  • 25. QUARENTENÁRIO DO IAC O IAC está credenciado pela Defesa Sanitária para realizar a quarentena de plantas no Estado de São Paulo, desde 15 de maio de 1998 (D.O.U. nº 91). O IAC está credenciado pela CTNBIO para efetivar quarentena de germoplasma transgênico no Estado de São Paulo, desde 04 de setembro de 1998 (Certificado de Qualidade e Biossegurança nº 0065/98, D.O.U. nº 170).       Foto: Quarentena de batata, no IAC
  • 26. TÉCNICAS UTILIZADAS Técnicas mais usuais utilizadas para inspeção de quarentena: • BACTÉRIAS: sintomatologia em plântulas, germinação em papel toalha, meios seletivos e isolamento direto (SCHAAD,1982); • FUNGOS: exame direto, plaqueamento em meio de cultura e papel filtro. Tratamentos consecutivos para limpeza (NEEGARD, 1973 e 1978; TUITE, 1969); • INSETOS: exame de presença de ovos, vestígios de ataque e do próprio inseto vivo, em sala a prova de insetos; • NEMATÓIDES: trituração, peneiramento em funil de Baermann, bem como flutuação para extração de cistos (JENKINS, 1964; BYRD et al.,1966). • PLANTAS DANINHAS: exame visual de presença de sementes e plantio para identificação taxonômica; • VÍRUS: sintomatologia de plântulas, serologia, uso de plantas indicadoras, microscópio eletrônico, cultura de meristema, caracterização genética (KITAJIMA, 1965; OUTCHERLONY, Foto: Inspeção no Quarentenário IAC, José Nelson Fonseca (CENARGEN) e Tarcisio Prezoto (DFA) 1968; HAMPTON et al., 1978).
  • 27. OS CUIDADOS VÃO DESDE AS INSPEÇÕES FITOSSANITÁRIAS NO CAMPO ATÉ A INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA NO PONTO DE SAÍDA. OS CUIDADOS COM A FITOSSANIDADE, NAS ATIVIDADES DE EXPORTAÇÃO, SÃO MUITO IMPORTANTES PARA OS PAÍSES IMPORTADORES BEM COMO PARA A RESPEITABILIDADE DA INSTITUIÇÃO E DO PAÍS FOTO: INSPEÇÃO DE EXPORTADOR.EXPORTAÇÃO NO ICRISAT – ÍNDIA –ATRAVÉS DE RAIOS X - SEMENTES
  • 28. A CHAMADA QUARENTENA DE EXPORTAÇÃO A quarentena de exportação refere-se a um período que vai desde as inspeções de campo, passando pela limpeza no momento da embalagem, até a sua liberação no ponto de saída, pela DFA. A sanidade do germoplasma é de responsabilidade do pesquisador exportador. O pesquisador exportador deve solicitar do importador a relação das exigências fitossanitárias do país que vai receber o material, para que o Certificado Fitossanitário contenha todas as informações; ainda deve solicitar que envie o Import Permt. O pesquisador exportador deve, ainda, preparar o material e a embalagem adequadamente à sobrevivência do germoplasma durante oefetuados pelo ICRISAT na exportação de germoplasma Foto: Passos seu transporte.
  • 29. BIBLIOGRAFIA 1. Hewitt, W.B. & Chiarappa, L. Plant Health and Quarantine in International Transfer of Genetic Resources. CRC Press, Inc. Cleveland: 1977, 347p. 2. Giacometti, D.C. Introdução e Intercâmbio de Germoplasma. In: Araujo, S.M.C. & Osuna, J.A. eds. Anais Encontro sobre Recursos Genéticos. Jaboticabal: Unesp & CENAREN. 43-55p. 1988. 3. Batista, M.F, Fonseca, J.N.L., Tenente, R.C.V., Mendes, M.A.S., Urben, A.F., Oliveira, M.R.V., Ferreira, D.N. Intercâmbio e Quarentena de Germoplasma Vegetal. Brasília: Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento. v6. pg.32-41, 1988. 4. Veiga, R.F.A. Intercâmbio e Quarentena de Recursos Fitogenéticos. In: Beretta, A & Rivas, M. Coords. Estrategia en recursos fitogenéticos para los países del Cono Sur. Montevideo, IICA. pg. 59-64. 2001. 5. Vilella, E.F. Histórico e Impacto das pragas introduzidas no Brasil/ Eds;