SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Fungicidas 
utilizados na 
cultura do 
algodão 
Nara Barbosa Fontes
Introdução 
Dos 250 patógenos relatados na cultura do algodão, mais de 
90% são fungos; 
A Ramulose (Colletotrichum gossypii var. cephalosporoides) e a 
Ramulária (Ramularia areola) se destacam como as duas 
doenças fúngicas de maior importância; 
A maioria das doenças fúngicas são disseminadas via sementes 
infectadas; 
O custo com fungicidas variou de 2,80-3,9% do custo de 
produção na safra 2013/2014 segundo IMEA.
Principais doenças fúngicas 
Doença Patógeno(s) Órgão(s) 
atacado(s) Observações 
Ramulose Colletotrichum gossypii 
var. cephalosporoides 
Geralmente folhas 
mais novas 
A aplicação de fungicidas deve-se 
iniciar quando os primeiros 
sintomas forem indentificados em 
poucas plantas (1 – 2%). 
Ramulária, falso 
oídio ou 
mancha branca 
Ramularia areola Geralmente folhas 
mais velhas 
Controle químico se faz necessário 
quando as primeiras lesões são 
identificadas nas folhas mais velhas. 
Tombamento 
Aspergillus, Penicillium, 
Fusarium, Phyhium, 
Rhyzopus, 
Colletotrichum gossypii 
e Rhizoctonia solani 
Plântulas pré ou 
pós emergidas 
Reduz stand de plantas 
significativamente. Tratamento de 
sementes é indispensável. 
Murcha de 
Fusarium 
Fusarium oxysporum Todas as fases da 
cultura 
Tratamento de sementes é 
fundamental.
Principais doenças fúngicas 
Doença Patógeno(s) Órgão(s) atacado(s) Observações 
Mancha de 
alternária 
Alternaria 
marcrospora 
Folhas mais velhas e 
folhas cotiledonares 
Maior incidência entre o florescimento e 
a frutificação. Pulverizações contra 
outros patógenos contribuem para seu 
controle. 
Ferrugem 
tropical Phakopsora gossypii Folhas 
Fungicidas utilizados no controle de 
Ramulária são eficientes para controle 
da ferrugem no algodão. 
Mancha de 
Mirotécio 
Myrothecium 
roridum 
Folhas de plantas 
jovens 
Fungicidas a base de cobre e 
benzimidazóis já foram utilizados no 
controle da doença. 
Mancha de 
Estenfílio Stemphylium solani Folhas Não existem fungicidas registrados. 
Mancha-alvo Corynesopora 
cassiicola 
Folhas, flores, frutos, 
raízes e caules 
Não existem fungicidas registrados.
Principais Grupos Químicos 
Triazóis 
- Atuam na integridade da membrana plasmática; 
- Inibem a biossíntese do ergosterol  ruptura da 
membrana; 
- Inibem também a biossíntese dos triglicerídios e 
fosfolipídios  necrose celular;
Principais Grupos Químicos 
Triazóis 
- A maioria são sistêmicos; 
- Rápida absorção e translocação; 
- Elevado efeito residual. 
- Exemplos: Aproach Prima (triazol +estrobilurina) – Du 
Pont; Emerald – FMC, Triade – Bayer.
Fonte: Reis, E M, Reis A C, Carmona M A. MANUAL DE FUNGICIDAS, Editora UPF. 
Germinação de uredosporos, após o tratamento com um triazol.
Principais Grupos Químicos 
Estrobilurinas 
- Inibidores da Quinona externa da mitocôndria (IQe); 
- Inibem a respiração mitocondrial, reduzindo a 
formação de ATP; 
- A germinação dos esporos é a fase do ciclo biológico 
dos fungos com maior sensibilidade as estrobilurinas; 
- Controlam uma ampla gama de doenças fúngicas;
Principais Grupos Químicos 
Estrobilurinas 
- Absorção foliar, gradual e translaminar. 
- Exemplos: Priori Xtra (estrobilurina + triazol) – 
Syngenta; Elatus (estrubilurina + pirazol 
carboxamida) - Syngenta
Fonte:http://www.bioinfopop.ufv.br/fip-602/home_html_m359a02d4.png 
Esquema de transporte de elétrons na mitocôndria e sítio de ação dos fungicidas do grupo 
das estrobilurinas.
Principais Grupos Químicos 
Benzimidazóis 
- Inibem a biossíntese de tubulinas; 
- Interferem na mitose durante a divisão da metáfase; 
- O fuso mitótico é destruído e os núcleos filos não se 
separam, levando a morte da célula. 
- Exemplos: Cercobin 500 SC – IHARA; Delsene – Du 
Pont.
Fonte: Reis, E M, Reis A C, Carmona M A. MANUAL DE FUNGICIDAS, Editora UPF. 
Estrutura celular mostrando os microtúbulos
Principais Grupos Químicos 
Dicarboxamidas 
- Não possuem mecanismo de ação definido; 
- O mecanismo de ação provável está relacionado com a 
peroxidação dos lipídios e bloqueio do transporte de elétros de 
NADPH para o citocromo-c; 
- Inibem a germinação dos esporos e causam ramificações, 
dilatações e lise das hifas. 
- Exemplo: Orthocide 500 – Arysta; Captan – Adama.
Fitotoxidade 
O que é? 
Sintomas 
Possíveis causas 
Fonte: http://www.focorural.com/detalhes/n/n/3249.html 
Sintoma de fitotoxicidade devido a aplicação de 
fungicida; 
Possível causa: condições climáticas 
inadequadas.
Primeira aplicação e intervalo das 
aplicações 
Primeira aplicação: 
- Deve-se levar em conta o custo com o controle químico e 
o potencial de dano econômico que a doença pode causar; 
- Início da doença na área. 
Intervalo das aplicações: 
- Quantidade de chuva ocorrida após a pulverização; 
- Residual do produto.
Resistência de fungos à 
fungicidas 
Capacidade de adaptação à condições adversas; 
Redução da sensibilidade; 
Variabilidade, mutação e seleção; 
Alteração herdável: “Uma vez desenvolvida, a resistência é 
herdada” (Brent, 1999); 
Fatores: condições ambientais, pressão da doença e 
frequência de aplicação do fungicida.
Origem da resistência 
Fonte: http://pt.slideshare.net/bruunno3/resistncia-de-fungos-fungicidas-slide
Notícias 
Fonte: http://www.agrolink.com.br/noticias/excesso-de-chuvas-levou-produtores-a-optarem-pelo-cultivo-do-algodao-segunda-safra- 
em-mt_202928.html
Notícias 
Fonte: http://www.agrolink.com.br/noticias/defensivo-tera-custo-maior-na-safra-2014-15_202324.html
Referências bibliográficas 
 Andrade, B A et al. Resistência de fungos à fungicidas. Disponível em: 
http://pt.slideshare.net/bruunno3/resistncia-de-fungos-fungicidas-slide. Acesso em: 
setembro de 2014; 
 Chitarra, L G. Cartilha de Identificação e Controle de Doenças do Algodoeiro. Embrapa. 
Campina Grande, PB, 2007; 
 Custo de Produção Algodão – Safra 2013/14. Imea. Disponível em: 
http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/R410_2013_01_CPAlgodao.pdf. 
Acesso em: setembro de 2014; 
 Miranda, J E, Suassuna, N D. Identificação e Controle das Principais Pragas e Doenças 
do Algodoeiro. Junho, 2004; 
 Moura, P C S. Efeitos fisiológicos da aplicação de triazol e estrobilurinas em soja. Esalq, 
Piracicaba, 2013; 
 Reis, E M, Reis A C, Carmona M A. MANUAL DE FUNGICIDAS, Editora UPF, 2010; 
 Siqueri, F V. CONTROLE QUÍMICO DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO. Fundação de 
Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso. V Congresso Brasileiro de Algodão.
Obrigada! 
Nara Barbosa Fontes 
nara_fontes@hotmail.com 
narafagro@gmail.com 
(62 8126 9728)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaGeagra UFG
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )Geagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
Fungicidas Sistêmicos
Fungicidas SistêmicosFungicidas Sistêmicos
Fungicidas SistêmicosGETA - UFG
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoGeagra UFG
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaSophie Gris
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoGeagra UFG
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)Geagra UFG
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxGeagra UFG
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseGeagra UFG
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEGeagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroGeagra UFG
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaGeagra UFG
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaGeagra UFG
 
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIAMANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIAGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
 
Fungicida no Milho
Fungicida no MilhoFungicida no Milho
Fungicida no Milho
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Fungicidas Sistêmicos
Fungicidas SistêmicosFungicidas Sistêmicos
Fungicidas Sistêmicos
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da soja
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
 
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptxMecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
Mecanismo de Ação dos Fungicidas .pptx
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
 
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIAMANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
MANCOZEBE, MULTISSÍTIO E RESISTÊNCIA
 

Destaque

Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoGeagra UFG
 
Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do AlgodãoGeagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroDavid Rodrigues
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroGeagra UFG
 
Cultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoCultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoÍtalo Arrais
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroGeagra UFG
 
Doenças nas culturas de arroz, aveia e trigo
Doenças nas culturas de arroz, aveia e trigoDoenças nas culturas de arroz, aveia e trigo
Doenças nas culturas de arroz, aveia e trigoRo Gomes
 
Doenças do arroz
Doenças do arrozDoenças do arroz
Doenças do arrozAndré Sá
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOGeagra UFG
 
II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...
II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...
II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...Oxya Agro e Biociências
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoTayza Taveira
 
Epidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milhoEpidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milhoLeonardo Minaré Braúna
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroGeagra UFG
 
Hidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisingh
Hidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisinghHidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisingh
Hidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisinghJNR
 
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioManejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioAM Placas Ltda. Placas
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaLuciano Marques
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisnatalia machado
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroKiller Max
 

Destaque (20)

Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Fungicidas 2014 2015
Fungicidas 2014 2015Fungicidas 2014 2015
Fungicidas 2014 2015
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do Algodeiro
 
Cultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoCultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão Orgânico
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 
Doenças nas culturas de arroz, aveia e trigo
Doenças nas culturas de arroz, aveia e trigoDoenças nas culturas de arroz, aveia e trigo
Doenças nas culturas de arroz, aveia e trigo
 
Doenças do arroz
Doenças do arrozDoenças do arroz
Doenças do arroz
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...
II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...
II WSF, São Paulo - Rafael Moreira - FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da en...
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Epidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milhoEpidemiologia e controle das doenças no milho
Epidemiologia e controle das doenças no milho
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Hidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisingh
Hidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisinghHidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisingh
Hidroponia - dossie tecnico - a george,lamaral,sjaisingh
 
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantioManejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
Manejo de Milho: Tratamento de sementes e plantio
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 

Semelhante a Principais fungicidas no algodão

Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasSávio Sardinha
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)João Carraça
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozGeagra UFG
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfGiovaniGigio3
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle BiológicoJoão Felix
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnoserfoltran
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesLeonardo Minaré Braúna
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoGeagra UFG
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféManejo Da Lavoura Cafeeira
 
Adriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdf
Adriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdfAdriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdf
Adriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdfedvaldodonascimentos
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO Geagra UFG
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosFaculdade Guaraí - FAG
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto Geagra UFG
 
Apresentação Técnica Base Inicial
Apresentação  Técnica  Base  InicialApresentação  Técnica  Base  Inicial
Apresentação Técnica Base Inicialagronomoandre
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Maria Paredes
 

Semelhante a Principais fungicidas no algodão (20)

Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdf
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
 
Cigarrinha
CigarrinhaCigarrinha
Cigarrinha
 
cigarrinha.pdf
cigarrinha.pdfcigarrinha.pdf
cigarrinha.pdf
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
 
Adriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdf
Adriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdfAdriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdf
Adriano_Modo de acao de inseticidas (1).pdf
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
 
Trichoderma
TrichodermaTrichoderma
Trichoderma
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Apresentação Técnica Base Inicial
Apresentação  Técnica  Base  InicialApresentação  Técnica  Base  Inicial
Apresentação Técnica Base Inicial
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
 

Mais de Geagra UFG

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidas
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 

Principais fungicidas no algodão

  • 1. Fungicidas utilizados na cultura do algodão Nara Barbosa Fontes
  • 2. Introdução Dos 250 patógenos relatados na cultura do algodão, mais de 90% são fungos; A Ramulose (Colletotrichum gossypii var. cephalosporoides) e a Ramulária (Ramularia areola) se destacam como as duas doenças fúngicas de maior importância; A maioria das doenças fúngicas são disseminadas via sementes infectadas; O custo com fungicidas variou de 2,80-3,9% do custo de produção na safra 2013/2014 segundo IMEA.
  • 3. Principais doenças fúngicas Doença Patógeno(s) Órgão(s) atacado(s) Observações Ramulose Colletotrichum gossypii var. cephalosporoides Geralmente folhas mais novas A aplicação de fungicidas deve-se iniciar quando os primeiros sintomas forem indentificados em poucas plantas (1 – 2%). Ramulária, falso oídio ou mancha branca Ramularia areola Geralmente folhas mais velhas Controle químico se faz necessário quando as primeiras lesões são identificadas nas folhas mais velhas. Tombamento Aspergillus, Penicillium, Fusarium, Phyhium, Rhyzopus, Colletotrichum gossypii e Rhizoctonia solani Plântulas pré ou pós emergidas Reduz stand de plantas significativamente. Tratamento de sementes é indispensável. Murcha de Fusarium Fusarium oxysporum Todas as fases da cultura Tratamento de sementes é fundamental.
  • 4. Principais doenças fúngicas Doença Patógeno(s) Órgão(s) atacado(s) Observações Mancha de alternária Alternaria marcrospora Folhas mais velhas e folhas cotiledonares Maior incidência entre o florescimento e a frutificação. Pulverizações contra outros patógenos contribuem para seu controle. Ferrugem tropical Phakopsora gossypii Folhas Fungicidas utilizados no controle de Ramulária são eficientes para controle da ferrugem no algodão. Mancha de Mirotécio Myrothecium roridum Folhas de plantas jovens Fungicidas a base de cobre e benzimidazóis já foram utilizados no controle da doença. Mancha de Estenfílio Stemphylium solani Folhas Não existem fungicidas registrados. Mancha-alvo Corynesopora cassiicola Folhas, flores, frutos, raízes e caules Não existem fungicidas registrados.
  • 5. Principais Grupos Químicos Triazóis - Atuam na integridade da membrana plasmática; - Inibem a biossíntese do ergosterol  ruptura da membrana; - Inibem também a biossíntese dos triglicerídios e fosfolipídios  necrose celular;
  • 6. Principais Grupos Químicos Triazóis - A maioria são sistêmicos; - Rápida absorção e translocação; - Elevado efeito residual. - Exemplos: Aproach Prima (triazol +estrobilurina) – Du Pont; Emerald – FMC, Triade – Bayer.
  • 7. Fonte: Reis, E M, Reis A C, Carmona M A. MANUAL DE FUNGICIDAS, Editora UPF. Germinação de uredosporos, após o tratamento com um triazol.
  • 8. Principais Grupos Químicos Estrobilurinas - Inibidores da Quinona externa da mitocôndria (IQe); - Inibem a respiração mitocondrial, reduzindo a formação de ATP; - A germinação dos esporos é a fase do ciclo biológico dos fungos com maior sensibilidade as estrobilurinas; - Controlam uma ampla gama de doenças fúngicas;
  • 9. Principais Grupos Químicos Estrobilurinas - Absorção foliar, gradual e translaminar. - Exemplos: Priori Xtra (estrobilurina + triazol) – Syngenta; Elatus (estrubilurina + pirazol carboxamida) - Syngenta
  • 10. Fonte:http://www.bioinfopop.ufv.br/fip-602/home_html_m359a02d4.png Esquema de transporte de elétrons na mitocôndria e sítio de ação dos fungicidas do grupo das estrobilurinas.
  • 11. Principais Grupos Químicos Benzimidazóis - Inibem a biossíntese de tubulinas; - Interferem na mitose durante a divisão da metáfase; - O fuso mitótico é destruído e os núcleos filos não se separam, levando a morte da célula. - Exemplos: Cercobin 500 SC – IHARA; Delsene – Du Pont.
  • 12. Fonte: Reis, E M, Reis A C, Carmona M A. MANUAL DE FUNGICIDAS, Editora UPF. Estrutura celular mostrando os microtúbulos
  • 13. Principais Grupos Químicos Dicarboxamidas - Não possuem mecanismo de ação definido; - O mecanismo de ação provável está relacionado com a peroxidação dos lipídios e bloqueio do transporte de elétros de NADPH para o citocromo-c; - Inibem a germinação dos esporos e causam ramificações, dilatações e lise das hifas. - Exemplo: Orthocide 500 – Arysta; Captan – Adama.
  • 14. Fitotoxidade O que é? Sintomas Possíveis causas Fonte: http://www.focorural.com/detalhes/n/n/3249.html Sintoma de fitotoxicidade devido a aplicação de fungicida; Possível causa: condições climáticas inadequadas.
  • 15. Primeira aplicação e intervalo das aplicações Primeira aplicação: - Deve-se levar em conta o custo com o controle químico e o potencial de dano econômico que a doença pode causar; - Início da doença na área. Intervalo das aplicações: - Quantidade de chuva ocorrida após a pulverização; - Residual do produto.
  • 16. Resistência de fungos à fungicidas Capacidade de adaptação à condições adversas; Redução da sensibilidade; Variabilidade, mutação e seleção; Alteração herdável: “Uma vez desenvolvida, a resistência é herdada” (Brent, 1999); Fatores: condições ambientais, pressão da doença e frequência de aplicação do fungicida.
  • 17. Origem da resistência Fonte: http://pt.slideshare.net/bruunno3/resistncia-de-fungos-fungicidas-slide
  • 20. Referências bibliográficas  Andrade, B A et al. Resistência de fungos à fungicidas. Disponível em: http://pt.slideshare.net/bruunno3/resistncia-de-fungos-fungicidas-slide. Acesso em: setembro de 2014;  Chitarra, L G. Cartilha de Identificação e Controle de Doenças do Algodoeiro. Embrapa. Campina Grande, PB, 2007;  Custo de Produção Algodão – Safra 2013/14. Imea. Disponível em: http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/R410_2013_01_CPAlgodao.pdf. Acesso em: setembro de 2014;  Miranda, J E, Suassuna, N D. Identificação e Controle das Principais Pragas e Doenças do Algodoeiro. Junho, 2004;  Moura, P C S. Efeitos fisiológicos da aplicação de triazol e estrobilurinas em soja. Esalq, Piracicaba, 2013;  Reis, E M, Reis A C, Carmona M A. MANUAL DE FUNGICIDAS, Editora UPF, 2010;  Siqueri, F V. CONTROLE QUÍMICO DE DOENÇAS DO ALGODOEIRO. Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso. V Congresso Brasileiro de Algodão.
  • 21. Obrigada! Nara Barbosa Fontes nara_fontes@hotmail.com narafagro@gmail.com (62 8126 9728)